You are on page 1of 35

Teoria

 Geral  do  Direito  Civil  


–  Casos  Práticos  
Faculdade  de  Direito  da  Universidade  de  
Coimbra  

           

 
CASO PRÁTICO 1

Termo da personalidade jurídica; presunção de comoriência, desaparecimento da


pessoa, morte presumida

António  (74  anos)  e  Bernardo  (17  anos),  pai  e  filho  respectivamente  com  74  
e  17  anos  de  idade,  estavam  embarcados  num  navio  de  pesca  que  após  largada  do  
porto  da  Figueira  da  Foz,  deixou  de  ser  visto  ou  contactado  desde  15  de  Setembro  
de  2006.  
Após  continuo  patrulhamento  da  marinha  de  guerra  portuguesa  durante  30  
dias,   após   várias   diligências   do   Ministro   dos   Negócios   Estrangeiros   e   após   terem  
aparecido   a   boiar   os   cadáveres   de   3   outros   marinheiros,   em   10   de   Janeiro   de   2007,  
por  sonda,  descobriu-­se  um  navio  a  10  milhas  de  profundidade.    
  António   estava   casado   com   Carla   e   Bernardo   com   Dalila.   Bernardo   é   o  
único  filho  de  António  e  Carla.  António  era  proprietário  de  um  terreno  agrícola  e  
uma  loja  comercial  de  artigos  de  pesca.  A  quem  devem  ser  entregues  tais  bens?  

A   presente   situação   prática   trata   do   problema   do   termo   da   personalidade  


jurídica   e   mais   concretamente   do   problema   da   presunção   da   comoriência  
(artigo  68.º,  n.º2  do  Código  Civil),  do  desaparecimento  da  pessoa  (artigo  68.º,  
n.º3  do  Código  Civil)  e  ainda  da  hipótese  de  morte  presumida  (artigo  114.º  do  
Código  Civil).    
Nas  palavras  de  Manuel  de  Andrade,  a  personalidade  jurídica  consiste  na  
aptidão   ou   idoneidade   para   ser   sujeito   de   relações   jurídicas,   ou   seja,   para   ser  
centro   de   imputação   de   efeitos   jurídicos   (constituição,   modificação   ou   extinção  
de  relações  jurídicas).  Nas  pessoas  singulares  esta  qualidade  é  uma  exigência  do  
direito   à   dignidade   e   ao   respeito   que   se   tem   de   reconhecer   a   todos   os   seres  
humanos.  
O   caso   sub   judice   prende-­‐se   com   uma   situação   de   desaparecimento   da  
pessoa.  Assim  dispõe  o  artigo  68.º,  n.º  3  do  Código  Civil:  “tem-­‐se  por  falecida  a  

  2  
pessoa   cujo   cadáver   não   foi   encontrado   ou   reconhecido,   quando   o  
desaparecimento  se  tiver  dado  em  circunstancias  que  não  permitam  duvidar  da  
morte   dela”.   Também   aqui   se   aplica   a   hipótese   de   presunção   de   comoriência  
prevista   no   n.º   2   do   artigo.   De   acordo   com   este   artigo,   quando   certo   efeito  
jurídico   depender   da   sobrevivência   de   uma   a   outra   pessoa,   presume-­‐se,   em   caso  
de  dúvida,  que  uma  e  outra  faleceram  ao  mesmo  tempo.    O  desaparecimento  de  
uma   pessoa   nestas   circunstâncias   em   que   não   se   encontra   ou   não   é   possível  
identificar   o   cadáver   é   pois   bem   exemplificado   pelo   afundar   de   um   navio,  
exactamente   como   nos   refere   o   enunciado.   Neste   caso,   se   o   filho   morreu,   já  
não   pode   herdar,   sendo   que   quem   herda   é   Carla,   esposa   de   António,   de  
acordo   com   o   art.   2141º   do   CC.   Ambos   os   institutos   mencionados   perfilam,  
digamos,  o  termo  da  personalidade  jurídica.    
Relativamente  aos  navios  de  que  António  era  proprietário  e  para  efeito  de  
sucessão   de   bens   (art.   2133º)   aplica-­‐se   o   artigo   68.º,   n.º2,   segundo   o   qual   se  
presume   que   António   e   Bernardo   faleceram   ao   mesmo   tempo,   em   virtude   de   ser  
impossível   aferir   qual   dos   dois   faleceu   primeiro.   De   notar   que   a   presunção   de  
comoriência   não   se   confunde   com   a   morte   presumida   (artigo   114.º   do   Código  
Civil).   Neste   último   instituto   apenas   se   presume,   decorridos   os   prazos  
estabelecidos,   a   morte   da   pessoa,   havendo   sempre   a   possibilidade   de   a   mesma  
regressar   e   reclamar   o   seu   património   (a   lei   atribui   essa   salvaguarda   à   pessoa  
desaparecida,   conforme   decorre   do   artigo   119.º   do   CC).   Tratando-­‐se  
eventualmente   de   morte   presumida,   acrescenta-­‐se   que   esta   somente   podia   ser  
declarada   em   relação   a   António   “decorridos   dez   anos   sobre   a   data   das  
últimas   notícias,   ou   passados   cinco   anos,   se   entretanto   o   ausente   tiver  
completado   oitenta   anos   de   idade”,   ou   seja,   em   Setembro   de   2016   aplicando  
os  dez  anos.  Aplicamos  os  dez  anos  uma  vez  que  5  anos  após  os  74  anos  de  
António   este   ainda   não   havia   completado   os   80   anos.   Há   duas   doutrinas  
relativamente  a  esta  questão:  uma  considera  que  os  5  anos  só  se  aplicam  se  
a   pessoa   em   questão   já   tivesse   à   data   80   anos.   Assim,   à   data   dos   seus   85  
anos   presumia-­se   a   sua   morte.   Outra   doutrina   entende   que   devemos  
acrescentar  5  anos  à  idade  da  pessoa  em  questão  e  ver  se  se  perfazem  os  80  
anos.  É  esta  doutrina  que  aqui  seguimos.  Em  2011  poderíamos  afirmar  que  

  3  
António   faria   81   anos   e   não   dava   notícias   há   mais   de   5   anos.   A   sua   morte  
poderia  assim  ser  declarada.  
 Já   quanto   a   Bernardo,   por   ser   menor,   a   declaração   de   morte   presumida  
apenas   podia   ser   proferida   passados   cinco   anos   sobre   a   data   em   que   o   jovem,   se  
fosse   vivo,   atingiria   a   maioridade,   isto   é,   apenas   podia   ser   proferida   quando  
Bernardo   completasse   23   anos   de   idade   (2012).   Os   herdeiros   de   Bernardo  
seriam  a  sua  mãe  e  a  sua  mulher.  
O   que   agora   fica   exposto   alicerça-­‐se,   respectivamente,   nos   n.º   1   e   2   do  
artigo  114.º.      
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

  4  
CASO PRÁTICO 2
 
Incapacidades
 
 
Miguel   vem   evidenciando,   desde   há   largo   tempo,   sinais   de   perturbações  
psíquicas   que   o   impedem   de   reger   os   seus   bens.   Em   virtude   disso,   José,   seu   pai,  
propõe   contra   si   a   competente   acção   judicial   tendente   a   restringir   a   sua  
capacidade  de  exercício  de  direitos.  Foi  dada  publicidade  à  mesma  em  1  de  Abril  
de  2008  e  foi  registada  a  sentença  que,  dando  razão  a  José,  o  nomeia  tutor  do  
seu  filho  em  1  de  Outubro  de  2009.    
Desde   o   momento   da   propositura   da   acção,   Miguel   praticou   uma   série   de  
actos:  
  a)   Em   3   de   Junho   de   2009   vendeu   a   Constança   um   bilhete   de   lotaria   que  
comprara  e  que  viria  a  ser  premiado  uma  semana  mais  tarde;  
  b)   Em   3   de   Maio   de   2010   comprou,   sem   autorização   do   seu   pai,   um  
apartamento;  
  c)  Em  5  de  Novembro  de  2010  vendeu  os  frutos  de  um  pomar,  também  sem  
autorização  do  seu  tutor.  
  Sabendo   que   José   teve   conhecimento   imediato   dos   actos,   diga   quem   pode  
hoje  reagir  contra  eles.  
 
 
A  presente  situação  prática  trata  do  problema  da  capacidade  de  exercício  
de   direitos   (ou   capacidade   para   agir).   Ora,   em   primeiro   lugar,   e   antes   de  
proceder   à   resolução   do   caso   em   concreto,   é   fundamental   esclarecer   em   que   é  
que   consiste   a   capacidade   de   exercício   de   direitos   e   a   capacidade   de   gozo   de  
direitos.  
  Nas  palavras  de  Manuel  de  Andrade,  a  personalidade  jurídica  consiste  na  
aptidão   ou   idoneidade   para   ser   sujeito   de   relações   jurídicas,   ou   seja,   para   ser  
centro   de   imputação   de   efeitos   jurídicos   (constituição,   modificação   ou   extinção  
de  relações  jurídicas).  Nas  pessoas  singulares  esta  qualidade  é  uma  exigência  do  
direito   à   dignidade   e   ao   respeito   que   se   tem   de   reconhecer   a   todos   os   seres  

  5  
humanos.   À   personalidade   jurídica   (art.   66.º   do   CC)   é   inerente   a   capacidade   de  
gozo  de  direitos,  que  se  traduz  na  aptidão  para  ser  titular  de  um  circulo,  maior  
ou   menos,   de   relações   jurídicas   (art.   67.º   CC).   Diferente   é   a   capacidade   para   o  
exercício   de   direitos,   a   qual   corresponde   à   aptidão   para   actuar   juridicamente,  
exercendo   direitos   e   cumprindo   obrigações,   adquirindo   direitos   e   assumindo  
obrigações   (e   deste   modo   se   deveria   falar   em   capacidade   para   agir),   por   acto  
próprio  e  exclusivo  ou  mediante  um  representante  voluntário  ou  um  procurador.  
A   pessoa   age   pessoalmente,   não   carecendo   de   ser   substituída   por   um  
representante  legal  e  age  autonomamente,  não  necessitando  do  consentimento,  
anterior   ou   posterior   ao   acto,   de   outra.   Na   sua   falta   desta   capacidade  
encontramo-­‐nos  perante  uma  incapacidade  de  exercício  de  direitos,  que  pode  ser  
genérica,   se   for   referente   a   todos   os   actos   jurídicos,   ou   específica,   se   apenas   se  
referir  a  alguns  actos  em  particular.  Esta  incapacidade  de  agir  pode  ser  suprida,  
quer   através   do   instituto   da   representação   legal,   significando   que   o  
representante   legal   actua   em   substituição   do   incapacitado,   um   menor   ou   um  
interdito,   quer   através   do   instituto   da   assistência,  em   que   o   assistente   autoriza   o  
incapaz  na  sua  actuação,  caso  estejamos  perante  um  inabilitado.  
  No  presente  caso,  em  primeiro  lugar,  impõe-­‐se  saber  se  estamos  perante  
um  caso  de  interdição  (regulado  nos  arts.  138.º  e  ss)  ou  se  estamos  perante  um  
caso   de   inabilitação   (consagrado   nos   arts.   152.º   e   ss).   Nesta   situação,   dada   a  
existência   de   uma   anomalia   psíquica,   que   tanto   pode   dar   azo   a   uma   interdição  
como   a   uma   inabilitação,   justifica-­‐se   a   averiguação   do   grau   de   gravidade   da  
anomalia   em   causa.   São     fundamentos   de   interdição   as   situações   de   anomalia  
psíquica,   surdez-­‐murdez   ou   cegueira,   quando   pela   sua   gravidade   tornem   o  
interditando   incapaz   de   reger   a   sua   pessoa   e   bens   (artigo   138.º).   Quando   a  
anomalia  psíquica  não  vai  ao  ponto  de  tornar  o  demente  inapto  para  a  prática  de  
todos   os   negócios,   ou   quando   os   reflexos   das   deficiências   não   excluem  
totalmente  a  sua  aptidão  para  gerir  os  seus  interesses,  o  incapaz  será  inabilitado.  
Ora,   como   no   presente   caso   não   nos   é   dada   informação   relativamente   à  
gravidade  das  perturbações,  apenas  nos  podemos  cingir  ao  facto  de  a  sentença  
declarar  José  como  tutor  de  Miguel,  indicando-­nos  desde  logo  que  estamos  
perante  um  caso  de  interdição  (se  o  tribunal  declarasse  uma  inabilitação,  José  
seria  nomeado  curador  de  Miguel).  

  6  
  Deste   modo   e   sabendo   já   que   estamos   perante   um   caso   de   interdição  
(cujo   regime   se   encontra   consagrado   nos   arts.   138.º   a   151.º   do   Código   Civil),   e  
que   a   acção   judicial   foi   publicitada   a   1   de   Abril   de   2008   e   a   sentença  
registada   a   1   de   Outubro   de   2009,   trataremos   de   seguida   e   em   concreto   dos  
actos  praticados  por  Miguel.    
As  datas  são  aqui  importantes.  Na  interdição,  só  há  interdito  depois  
da  sentença  que  o  declare  como  tal.  Assim,  quando  os  actos  são  praticados  
antes   da   publicidade   da   acção   judicial,   eles   são   em   regra   válidos.   Quando  
os   actos   são   práticos   depois   do   registo   da   sentença   judicial,   são   actos  
anuláveis.   No   entanto,   no   decurso   da   pendência   da   acção,   o   problema   é  
mais  complexo.  
 
a) O   acto   foi   praticado   na   pendência   do   processo   de   interdição.   Por  
regra,   estes   actos   são   válidos.   No   entanto,   de   acordo   com   o   art.   149.º,  
que   regula   os   actos   praticados   pelo   interdito   no   decurso   da   acção   de  
interdição,   os   negócios   jurídicos   praticados   pelo   incapaz   são  
passíveis   de   ser   anulados,   contando   que   se   verifiquem   dois  
requisitos:   exige-­se   que   a   interdição   venha   definitivamente   a   ser  
decretada   e   que   se   mostre   que   o   negócio   jurídico   em   apreço   causou  
prejuízo   ao   interdito.   Veja-­‐se:   se   o   acto   foi   praticado   depois   de  
publicados   os   anúncios   da   proposição   da   acção   e   a   interdição   vem   a   ser  
decretada,   haverá   lugar   à   anulabilidade,   desde   que   “se   mostre   que   o  
negócio  causou  prejuízo  ao  interdito”.  O  primeiro  requisito  encontra-­se  
preenchido,  uma  vez  que  ele  veio  a  ser  declarado  interditado.  Quanto  
ao  segundo,  a  questão  é  um  pouco  mais  complexa,  na  medida  em  que  os  
negócios   praticados   pelo   interdito   na   pendência   do   processo   da   acção  
(entre   a   publicação   dos   anúncios   da   propositura   da   acção   e   o   registo   da  
sentença   de   interdição   definitiva)   só   serão   anuláveis   se   forem  
considerados   prejudiciais   numa   apreciação   reportada   ao   momento   da  
prática  do  acto,  não  se  tomando  em  conta  eventualidades  ulteriores,  dado  
que   isso   faria   com   que   ninguém   estivesse   disposto   a   contratar   com   um  
interdicendo,  pois  viria  sempre  a  correr  o  risco  de  o  negócio  desabar  (por  
um   determinado   terreno   vir   a   valorizar,   por   exemplo).   Partindo   do  

  7  
princípio   de   que   no   momento   da   venda   do   bilhete   de   lotaria   não  
houve  qualquer  prejuízo  para  o  interdito  (havia,  sim,  se  este  tivesse  
vendido  a  um  preço  inferior  ao  que  seria  suposto  ou  se  tivesse  feito  
uma   doação,   considerada   prejudicial),   este   negócio   jurídico   não   é  
susceptível  de  ser  anulado.  Mas  se,  por  hipótese,  a  venda  do  bilhete  
tivesse  causado  prejuízo  a  Miguel,  podia  José  arguir  a  anulabilidade  do  
acto?   Por   força   do   artigo   139.º,   o   regime   da   incapacidade   por   interdição   é  
idêntico   ao   da   incapacidade   por   menoridade.   Assim   sendo,   quanto   ao  
prazo   para   a   invocação   de   anulabilidade   e   às   pessoas   com   legitimidade  
para  a  arguir,  é  aplicável,  em  virtude  do  artigo  139.º,  com  as  necessárias  
adaptações,  o  artigo  125.º:  o  tutor  pode  requerer  a  anulabilidade  do  acto  
do  menor  no  prazo  de  um  ano  a  contar  da  data  do  conhecimento  imediato  
do   acto.   No   entanto,   este   acto   foi   praticado   na   pendência   do   processo  
de   interdição.   Sendo   assim,   aplica-­se   o   art.   149º   nº2,   sendo   que   o  
prazo   de   arguição   da   anulabilidade   de   conta   a   partir   do   registo   da  
sentença.   Já   passou   um   ano,   por   isso   a   anulabilidade   não   pode   ser  
invocada.  

b) Quanto  à  compra,  a  3  de  Maio  de  2010,  sem  autorização  do  seu  pai,  de  um  
apartamento,   a   questão   que   se   coloca   é   distinta.   A   sentença   de  
interdição   já   foi   registada   e   os   actos   jurídicos   praticados   neste  
período   estão   feridos   de   anulabilidade.   No   entanto,   existem  
excepções,   ou   seja,   certos   actos   que   podem   ser   praticados   pelo  
interdito.  Estes  actos  estão  previstos  no  art.  127º  nº1  CC.  De  acordo  
com  este  artigo,  são  válidos:   os  actos  de  administração  ou  disposição  de  bens  
que  o  maior  de  dezasseis  anos  haja  adquirido  por  seu  trabalho;  os  negócios  jurídicos  
próprios   da   vida   corrente   do   menor   que,   estando   ao   alcance   da   sua   capacidade  
natural,   só   impliquem   despesas,   ou   disposições   de   bens,   de   pequena   importância;   os  
negócios   jurídicos   relativos   à   profissão,   arte   ou   ofício   que   o   menor   tenha   sido  
autorizado   a   exercer,   ou   os   praticados   no   exercício   dessa   profissão,   arte   ou   ofício.  
Podemos   entender   que   o   apartamento   que   Miguel   comprou   não   se  
enquadra   em   nenhuma   destas   alíneas,   nem   na   alínea   b),   uma   vez  
que  implica  uma  despesa  de  grande  importância.  Assim  concluímos  
pela   anulabilidade   deste   acto.   Mais   uma   vez   se   refere   que   quanto   ao  

  8  
prazo   para   a   invocação   de   anulabilidade   e   às   pessoas   com   legitimidade  
para  a  arguir,  é  aplicável,  em  virtude  do  artigo  139.º,  com  as  necessárias  
adaptações,  o  artigo  125.º:  a  anulabilidade  pode  ser  requerida  pelo  tutor  
desde   que   a   acção   seja   proposta   no   prazo   de   um   ano   a   contar   do  
conhecimento  que  o  requerente  haja  tido  do  negócio  impugnado  (art.  
125.º,   n.º   1,   alínea   a).   Como   José   teve   conhecimento   do   negócio   na  
altura   da   sua   celebração,   não   excedeu   ainda   o   prazo   exigido   para  
arguir   a   anulabilidade,   podendo   pois   fazê-­lo.   Já   Miguel   não   tem  
capacidade   para   praticar   negócios,   logo   não   tem   capacidade   para  
invocar  a  anulabilidade.  De  acordo  com  o  art.  125º  nº1  b),  o  menor  
só   pode   requerer   a   anulabilidade   uma   vez   maior.   O   Miguel   só   o  
poderia   fazer   a   partir   do   momento   em   que   fosse   levantada   a  
interdição.  

c) No   que   diz   respeito   à   venda   dos   frutos   do   pomar,   sem   autorização   do   seu  
tutor,   a   5   de   Novembro   de   2010   (ou   seja,   após   o   registo   da   sentença),   e  
tendo  em  conta  que  o  interdito  se  equipara  a  um  menor,  trata-­‐se  de  saber  
se  o  incapaz  se  encontra  englobado  ou  não  pelas  excepções  do  art.  127º  
relativas   à   incapacidade   dos   menores.   Ora,   no   art.   127.º,   n.º   2   alínea   b)  
preveêm-­‐se   os   negócios   jurídicos   próprios   da   vida   corrente   do   menor  
(neste   caso   interdito),   que   só   impliquem   despesas   ou   disposições   de   bens  
de   pequena   importância.   Impõe-­‐se   aqui   a   necessidade   de   diferenciar  
actos   de   disposição   de   actos   de   mera   administração,   cujo   critério   de  
distinção   assenta   no   risco   que   acarretam.     Um   acto   de   disposição   de  
bens   acarreta   um   risco   mais   elevado   para   o   incapaz,   é   um   acto   de   muita  
responsabilidade   e,   por   isso,   necessita   de   uma   autorização   do   tutor  
(venda   de   um   terreno).   Já   um   acto   de   mera   administração   acarreta   um  
risco   bastante   menor   que   se   prende,   por   exemplo,   com   a   manutenção  
dos  bens  do  interdito  (arranjo  de  um  telhado,  ou  venda  de  frutos  de  um  
terreno).   Estes   são   actos   de   fruição,   de   gerência,   que   não   afectam     a  
substância.   Nestas   circunstâncias,   a   venda   dos   frutos   do   pomar   é   um  
acto   de   mera   administração   e,   por   isso,   não   é   admitida   a  
possibilidade  de  ser  arguida,  por  José,  a  anulabilidade  de  tal  negócio  

  9  
que  obedece,  como  se  verificou  a  uma  das  excepções  previstas  no  artigo  
127.º  do  Código  Civil.    

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

  10  
 
CASO PRÁTICO 3

Capacidade de exercício de direitos - Menoridade


 
 
António,   nascido   a   1   de   Janeiro   de   1993,   praticou   os   seguintes   negócios  
jurídicos,  sem  o  consentimento  dos  pais,  mas  com  o  conhecimento  imediato  deles:  
  a)  Vendeu  a  Pedro,  a  1  de  Novembro  de  2010,  uma  aparelhagem  televisiva  
que  ganhara  num  concurso  televisivo  um  mês  antes;  
  b)   Comprou,   a   1   de   Setembro   de   2010,   uma   aparelhagem   para   oferecer   a  
Miguel,  seu  grande  amigo,  por  altura  do  aniversário  deste;  
  c)  Vendeu  a  João,  a  1  de  Março  de  2010,  um  andar  que  o  seu  avô  paterno  lhe  
doara   rasurando   no   seu   bilhete   de   identidade   o   ano   do   seu   nascimento   para  
convencer  João  de  que  era  maior.  
  d)  Em  Novembro  de  2009  comprou  um  automóvel;  
  e)  Em  1  de  Dezembro  de  2008  perfilhou  um  filho  de  Maria.  
  Quid  iuris?  
 
 
A  presente  situação  prática  trata  do  problema  da  capacidade  de  exercício  
de   direitos   (ou   capacidade   para   agir).   Ora,   em   primeiro   lugar,   e   antes   de  
proceder   à   resolução   do   caso   em   concreto,   é   fundamental   esclarecer   em   que   é  
que   consiste   a   capacidade   de   exercício   de   direitos   e   a   capacidade   de   gozo   de  
direitos.   Nas   palavras   de   Manuel   de   Andrade,   a   personalidade   jurídica   consiste  
na  aptidão  ou  idoneidade  para  ser  sujeito  de  relações  jurídicas,  ou  seja,  para  ser  
centro   de   imputação   de   efeitos   jurídicos   (constituição,   modificação   ou   extinção  
de  relações  jurídicas).  Nas  pessoas  singulares  esta  qualidade  é  uma  exigência  do  
direito   à   dignidade   e   ao   respeito   que   se   tem   de   reconhecer   a   todos   os   seres  
humanos.   À   personalidade   jurídica   (art.   66.º   do   CC)   é   inerente   a   capacidade   de  
gozo  de  direitos,  que  se  traduz  na  aptidão  para  ser  titular  de  um  circulo,  maior  
ou   menos,   de   relações   jurídicas   (art.   67.º   CC).   Diferente   é   a   capacidade   para   o  

  11  
exercício   de   direitos,   a   qual   corresponde   à   aptidão   para   actuar   juridicamente,  
exercendo   direitos   e   cumprindo   obrigações,   adquirindo   direitos   e   assumindo  
obrigações   (e   deste   modo   se   deveria   falar   em   capacidade   para   agir),   por   acto  
próprio  e  exclusivo  ou  mediante  um  representante  voluntário  ou  um  procurador.  
A   pessoa   age   pessoalmente,   não   carecendo   de   ser   substituída   por   um  
representante  legal  e  age  autonomamente,  não  necessitando  do  consentimento,  
anterior   ou   posterior   ao   acto,   de   outra.   Na   sua   falta   desta   capacidade  
encontramo-­‐nos  perante  uma  incapacidade  de  exercício  de  direitos,  que  pode  ser  
genérica,   se   for   referente   a   todos   os   actos   jurídicos,   ou   específica,   se   apenas   se  
referir  a  alguns  actos  em  particular.  Esta  incapacidade  de  agir  pode  ser  suprida,  
quer   através   do   instituto   da   representação   legal,   significando   que   o  
representante   legal   actua   em   substituição   do   incapacitado,   um   menor   ou   um  
interdito,   quer   através   do   instituto   da   assistência,   em   que   o   assistente   autoriza   o  
incapaz  na  sua  actuação,  caso  estejamos  perante  um  inabilitado.    
Nascido  em  Janeiro  de  1993,  António  tem  hoje  17  anos,  ou  seja,  é  menor  
de  idade  (artigo  122.º  do  Código  Civil).  Trata-­‐se  aqui  de  incapacidade  do  menor.  
É   uma   incapacidade   geral   (artigo   123.º   do   Código   Civil),   existindo   embora  
excepções.   Assim   e   para   o   que   nos   interessa,   os   menores   podem   praticar   os  
actos  e  negócios  previstos  nas  alíneas  a),  b)  e  c)  do  n.º1  do  artigo  127.º  do  
Código   Civil.   Fora   estas   ressalvas,   todos   os   negócios   jurídicos   praticados  
pelo   menor   são   anuláveis   (artigo   125.º   do   Código   Civil).   As   pessoas   com  
legitimidade   para   requerer   a   anulabilidade   dos   negócios   são   o   representante  
legal   do   menor,   dentro   de   um   ano   a   contar   do   conhecimento   imediato   do   acto  
impugnado   (artigo   125.º,   n.º1,   alínea   a),   o   próprio   menor,   dentro   de   um   ano   a  
contar   da   cessação   da   incapacidade   (artigo   125.º,   n.º1,   alínea   b),   ou   qualquer  
herdeiro,  também  dentro  de  um  ano  a  contar  da  morte,  se  o  menor  morreu  antes  
de   ter   expirado   o   prazo   em   que   podia,   ele   próprio,   requerer   a   anulação   (artigo  
125.º,  n.º1,  alínea  c).    
 
a) Deste  modo,  a  venda  da  aparelhagem  televisiva  e  considerando-­‐a  um  
“acto   de   administração   ou   disposição   de   bens   que   o   maior   de  
dezasseis   anos   haja   adquirido   por   seu   trabalho”   (para   estes   efeitos  a  
doutrina   entende   os   prémios   ganhos   em   concursos   como   bens  

  12  
adquiridos   por   trabalho)   não   é,   por   força   do   artigo   127.º,   n.º1,  
alínea  a),  um  negócio  anulável.  Para  praticar  estes  actos  o  menor  
tem  que  ser  maior  de  16  anos,  sendo  que  neste  caso  não  se  coloca  
nenhum   problema   uma   vez   que   António   tem   17   anos.   Este  
negocio  é  valido.  
b) Este  acto  é,  em  princípio,  anulável,  uma  vez  que  não  se  enquadra  
no   art.   127º   nº1   b).   Este   negocio   é   inválido.   António   só   poderia  
invalidar  este  negocio  quando  completasse  os  18  anos,  e  no  prazo  
de   um   ano   a   partir   dessa   data   (art.   125º   nº1   b).   Caso   fossem   os  
seus   pais   a   arguir   a   invalidade   do   negocio,   poderiam   fazê-­lo,   de  
acordo   com   o   art.   125   nº1   a),   no   prazo   de   um   ano   a   partir   do  
conhecimento  do  negocio  impugnado.  
c) Porém,   a   venda   de   um   andar   que   o   seu   avô   paterno   lhe   doara,  
rasurando  no  seu  bilhete  de  identidade  o  ano  do  seu  nascimento  para  
convencer  João  de  que  era  maior  é  um  negócio  claramente  anulável  
(artigo  126.º  do  Código  Civil).  Nesta  circunstância,  o  direito  de  invocar  
a  anulabilidade  é  precludido  pelo  comportamento  malicioso  do  menor.  
Há   dolo   do   menor.   Nesta   hipótese,   ficam   inibidos   de   invocar   a  
anulabilidade   não   só   o   menor   mas   também   os   herdeiros   ou   o  
representante.   Não   parece   coerente   a   solução   que   só   pretende  
aplicar   ao   menor   e   não   já   ao   seu   representante   a   preclusão  
estabelecida  no  mencionado  artigo.  Este  negocio  é  inválido.  
d) A   compra   do   automóvel   é   igualmente   um   negócio   ferido   de  
anulabilidade.   Por   força   do   artigo   125.º   do   Código   Civil   não   pode   o  
representante   do   menor   arguir   a   anulabilidade   da   compra:   António  
comprou   o   automóvel   em   Novembro   de   2009,   pelo   que   só   até  
Novembro  de  2010  essa  compra  podia  ser  anulada  a  pedido  dos  
pais.   Por   isso   mesmo,   apenas   António   pode   requerer,   no   prazo   de  
um   ano   a   contar   da   cessação   da   incapacidade,   que   este   negócio  
juridico   seja   anulado   (artigo   125.º,   n.º1,   alínea   b).   Este   negocio   é  
inválido.  
e) Em   1   de   Dezembro   de   2008,   António   apenas   tinha   15   anos,   não   sendo  
por  isso  abrangido  pela  hipótese  prevista  no  artigo  1850.º  do  Código  

  13  
Civil.  Por  esse  motivo,  estamos  perante  uma  situação  de  incapacidade  
de   gozo   para   perfilhar,   cuja   sanção   é   a   anulabilidade.   Esta  
incapacidade  não  pode  ser  suprida.  Este  negocio  é  inválido.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

  14  
CASO PRÁTICO 4
 
Menoridade

Miguel,  nascido  a  1  de  Agosto  de  1990,  praticou  os  seguintes  actos:  
a) comprou   em   5   de   Janeiro   de   2006   um   automóvel   a   Pedro,   tendo   para   o  
efeito  falsificado  os  seus  dados  de  identificação  fazendo  deles  constar  uma  
data  de  nascimento  anterior  à  real  
b) vendeu   em   9   de   Outubro   de   2006   um   valioso   anel   de   família   que   tinha  
herdado  do  seu  avô  
c) com  o  consentimento  dos  pais,  casou  em  1  de  Setembro  de  2007  com  Inês  
d) em   30   de   Janeiro   de   2008,   vendeu   a   Eduardo   um   apartamento   sem   o  
conhecimento   da   sua   mulher,   e   sem   que   até   hoje   tenha   sido   paga   a  
totalidade  do  preço.  
 
Qual  o  valor  dos  actos  praticados  por  Miguel?  
Quem  e  dentro  de  que  prazo  poderá  reagir  contra  ele?  
 
 
a) Em   2006,   ano   da   compra   do   automóvel   por   parte   de   Miguel,   este  
tinha   15   anos.   Com   15   anos   era   menor,   e   por   isso   padecia   de   uma  
incapacidade  geral,  de  acordo  com  o  artigo  123.º  do  Código  Civil.  No  
entanto,   existem   excepções.   Os   menores   podem   praticar   os   actos   e  
negócios   previstos   nas   alíneas   a),   b)   e   c)   do   n.º1   do   artigo   127.º   do  
Código   Civil.   Fora   estas   ressalvas,   todos   os   negócios   jurídicos  
praticados   pelo   menor   são   anuláveis   (artigo   125.º   do   Código   Civil).  
Uma   vez   que   este   acto   não   se   enquadra   em   nenhuma   das   situações  
previstas   pelo   legislador,   consideramo-­lo   anulável.   O   negocio   é  
inválido.  
Esta   anulabilidade   pode   ser   arguida   por   Miguel,   quando  
maior  ou  emancipado,  de  acordo  com  o  art.  125º  nº2.  

  15  
No   entanto,   é   importante   notar   que   houve   dolo   na   actuação   de  
Miguel.   Esta   situação   está   prevista   no   art.   126º   do   CC.   Por   ter   havido  
dolo,  Miguel  não  tem  direito  a  requerer  a  anulabilidade  do  seu  acto.  
Alguma   doutrina,   nomeadamente   o   DOUTOR   ORLANDO   DE  
CARVALHO,   entende   que   apesar   de   Miguel   não   poder   requerer   a  
anulabilidade   do   seu   acto,   os   seus   pais   podem.   Esta   é   uma  
interpretação   literal   do   artigo   relativo   ao   dolo.   No   entanto,   a  
POSIÇÃO   DO   CURSO   é   de   que   nem   os   pais   podem   arguir   a  
anulabilidade   neste   caso.   Seguindo   esta   ideia,   o   art.   126º   do   CC  
abrange   também   os   pais,   porque   caso   contrario   isto   deixaria   de  
constituir  uma  censura  do  ordenamento  jurídico  ao  menor.  
  Mas   importa   ainda   acautelar   a   posição   jurídica   da   parte   que  
foi   directamente   prejudicada   pela   actuação   do   menor,   neste   caso  
Pedro.   Pedro,   nos   termos   gerais,   pode   arguir   a   anulabilidade   do  
negocio   jurídico   celebrado   com   Miguel   um   ano   depois   do  
conhecimento  do  dolo  do  menor.  
b) Caso   não   se   tratasse   de   um   anel   valioso,   este   acto   poderia   cair   na  
excepção   do   art.   127º   nº1   b).   Mas   não   cai.   E   não   cai   também   na  
excepção   do   127º   nº1   a),   porque   foi   algo   herdado.   Dado   que   as  
excepções  não  valem,  o  negocio  jurídico  seria  anulável.  
Relativamente  ao  prazo  de  arguição  da  anulabilidade,  Miguel  
podia   arguir   a   anulabilidade   até   1   ano   após   a   data   da   sua  
emancipação   ou   maioridade,   ou  seja,   até   1   de   Agosto   de   2009.   Esse  
prazo  já  passou,  por  isso  Miguel  já  não  pode  arguir  a  anulabilidade  
do  seu  acto.  Os  seus  pais  também  já  não  o  podem  fazer,  mesmo  que  
só  tenham  sabido  agora  dessas  circunstâncias,  dado  que  o  seu  filho  
já  não  é  menor.  
c) Em  1  de  Setembro  de  2007,  data  em  que  Miguel  se  casou,  ele  já  tinha  
17   anos.   Neste   caso   tinha   autorização   para   tal,   por   isso   o   acto   é  
válido.   Mas   caso   esta   autorização   não   existisse   e   o   menor   tivesse   menos   de   16   anos,  
tratar-­‐se-­‐ia   de   uma   incapacidade   de   gozo   de   direitos,   incapacidade   essa   que   não   poderia  
ser   suprida.   Com   mais   de   16   anos,   o   casamento   já   seria   válido,   embora   com   algumas  
sanções.  

  16  
d) Quando   se   trata   de   pessoas   casadas,   alguns   negócios   de   venda   de  
imóveis   necessitam   a   autorização   de   ambos   os   cônjuges.   Neste   tipo  
de   casos,   em   vez   de   se   falar   em   incapacidade,   fala-­se   em  
ilegitimidade  do  acto.  Apesar  de  Miguel  ter  capacidade  para  praticar  
o   acto,   não   tem   legitimidade   para   o   fazer,   pelo   menos   sozinho,  
porque  é  casado.  Neste  caso  diríamos  que  Miguel  deveria  ter  pedido  
o   consentimento   da   mulher   em   vender   o   apartamento,   pressupondo  
que   eles   eram   casados   em   comunhão   de   bens.   Inês,   a   sua   mulher,  
tem   de   ser   parte   do   negocio,   para   que   o   negocio   seja   válido   e  
produza   os   seus   efeitos   jurídicos.   Este   negocio   é   inválido   por   força  
do  art.  1682º  a  e  b  CC.  Inês  pode  requerer  a  anulabilidade  do  negocio  
jurídico.  Tem  6  meses  para  o  fazer,  a  contar  do  seu  conhecimento,  e  
nunca   depois   de   passados   3   anos   da   celebração   da   venda.   Sendo  
assim,  o  prazo  terminaria  a  30  de  Junho  de  2011.  
Há   um   outro   dado   relevante   no   enunciado   que   não   devemos  
esquecer.  É  referido  que  até  hoje  ainda  não  foi  paga  a  totalidade  do  
preço.   Isto   indica   que   o   negocio   ainda   não   foi   cumprido.   Sendo  
assim,   e   de   acordo   com   o   art.   287º   nº2   CC,   Inês   poderia   mesmo  
ultrapassar  limites  temporais  anteriormente  referidos.  
No   entanto,   caso   eles   fossem   casados   em   regime   de   separação  
de  bens,  este  negocio  seria  perfeitamente  válido.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

  17  
CASO PRÁTICO 5
 
Capacidade de exercício de direitos
 
 
Maria,  cônjuge  de  Bernardo,  propôs,  em  Novembro  de  2008,  uma  acção  em  
tribunal   contra   este,   à   qual   foi   dada   publicidade   em   Maio   de   2009,   por   entender  
que   o   seu   marido   pratica   repetidamente   actos   patrimoniais   injustificados   e  
ruinosos.   Em   Agosto   de   2009,   Bernardo   vendeu   a   Xavier   por   18   mil   euros   um  
automóvel   antigo   que   posteriormente   teve   uma   acentuada   valorização.   Findo   o  
processo,   a   sentença   deu   razão   a   Maria.   Um   mês   depois,   Bernardo   comprou   a  
Afonso,   com   o   dinheiro   da   venda   dos   frutos   de   um   pomar,   os   materiais   para   a  
reconstrução  de  um  poço  e  vendeu,  nessa  mesma  data,  um  terreno  agrícola  seu  por  
bom  preço.  Em  Janeiro  de  2008,  havia  vendido  a  casa,  onde  vivia  com  a  mulher,  que  
tinha  recebido  por  herança  e  em  Fevereiro  de  2008  vendeu  o  carro  da  sua  esposa,  
o  qual  Maria  tinha  recebido  por  doação  de  um  tio.  Quid  iuris?    
 
 
A   presente   situação   prática   trata   do   problema   da   capacidade   de  
exercício   de   direitos   (ou   capacidade   para   agir).   Ora,   em   primeiro   lugar,   e   antes  
de  proceder  à  resolução  do  caso  em  concreto,  é  fundamental  esclarecer  em  que  é  
que   consiste   a   capacidade   de   exercício   de   direitos   e   a   capacidade   de   gozo   de  
direitos  (ou  capacidade  jurídica).  
  Nas  palavras  de  Manuel  de  Andrade,  a  personalidade  jurídica  consiste  na  
aptidão   ou   idoneidade   para   ser   sujeito   de   relações   jurídicas,   ou   seja,   para   ser  
centro   de   imputação   de   efeitos   jurídicos   (constituição,   modificação   ou   extinção  
de  relações  jurídicas).  Nas  pessoas  singulares  esta  qualidade  é  uma  exigência  do  
direito   à   dignidade   e   ao   respeito   que   se   tem   de   reconhecer   a   todos   os   seres  
humanos.   À   personalidade   jurídica   (art.   66.º   do   CC)   é   inerente   a   capacidade   de  
gozo  de  direitos,  que  se  traduz  na  aptidão  para  ser  titular  de  um  circulo,  maior  
ou   menos,   de   relações   jurídicas   (art.   67.º   CC).   Diferente   é   a   capacidade   para   o  
exercício   de   direitos,   a   qual   corresponde   à   aptidão   para   actuar   juridicamente,  
exercendo   direitos   e   cumprindo   obrigações,   adquirindo   direitos   e   assumindo  

  18  
obrigações   (e   deste   modo   se   deveria   falar   em   capacidade   para   agir),   por   acto  
próprio  e  exclusivo  ou  mediante  um  representante  voluntário  ou  um  procurador,  
isto   é,   um   representante   escolhido   pelo   próprio   interessado.   A   pessoa   age  
pessoalmente,  não  carecendo  de  ser  substituída  por  um  representante  legal  e  age  
autonomamente,   não   necessitando   do   consentimento,   anterior   ou   posterior   ao  
acto,   de   outra   –   o   assistente.   Na   sua   falta   desta   capacidade   encontramo-­‐nos  
perante  uma  incapacidade  de  exercício  de  direitos,  que  pode  ser  genérica,  se  for  
referente   a   todos   os   actos   jurídicos,   ou   específica,   se   apenas   se   referir   a   alguns  
actos  em  particular.  Esta  incapacidade  de  agir  pode  ser  suprida,  quer  através  do  
instituto   da   representação   legal,   significando   que   o   representante   legal   actua   em  
substituição   do   incapacitado,   um   menor   ou   um   interdito,   quer   através   do  
instituto  da  assistência,  em  que  o  assistente  autoriza  o  incapaz  na  sua  actuação,  
caso  estejamos  perante  um  inabilitado.    
  Neste   caso   em   concreto   estamos   perante   uma   situação   de   inabilitação.  
Estão  sujeitos  a  inabilitação  os  indivíduos  cuja  anomalia  psíquica,  surdez-­‐mudez  
ou  cegueira,  embora  de  carácter  permanente,  não  seja  tão  grave  que  justifique  a  
interdição,   indivíduos   que   se   revelem   incapazes   de   reger   o   seu   património   por  
habitual  prodigalidade  ou  pelo  abuso  de  bebidas  alcoólicas  ou  de  estupefacientes  
(artigo   152.º   do   Código   Civil).   Aqui   em   concreto,   o   fundamento   da   inabilitação  
é   a   prodigalidade.   Esta   categoria   abrange   os   indivíduos   que   praticam  
habitualmente  actos  de  delapidação  patrimonial.  Trata-­‐se  da  prática  de  actos  de  
dissipação,   de   despesas   desproporcionadas   aos   rendimentos,   improdutivas   e  
injustificáveis.   Bernardo   enquadra-­‐se   precisamente   nesta   categoria  
fundamento  de  inabilitação.  De  todo  o  modo,  a  incapacidade  dos  inabilitados  não  
existe   pelo   simples   facto   da   existência   das   circunstâncias   referidas   no  
mencionado   artigo;   torna-­‐se   necessária   uma   sentença   de   inabilitação.   A  
incapacidade   dos   inabilitados   é   suprida   pelo   instituto   da   assistência   e   a   pessoa  
encarregada   de   suprir   tal   incapacidade   é   designada   pela   lei   por   curador.   A  
inabilitação  é  uma  incapacidade  específica.  
A   lei   não   regula   directamente   o   problema   do   valor   dos   actos   praticados  
pelo  inabilitado,  sendo  aplicáveis  as  disposições  que  vigoram  acerca  do  valor  dos  
actos   dos   interditos,   por   força   do   artigo   156.º.   Há   que   aplicar,   portanto,   os  
artigos  148.º,  149.º  e  150.º  do  CC.  As  características  da  anulabilidade  são,  com  as  

  19  
necessárias  adaptações,  as  do  artigo  125.º,  também  ele  aplicável  por  remissão  do  
artigo  156.º.     A   venda  do  automóvel   foi   praticada   na   pendência   do   processo  
de   inabilitação.   Assim,   e   de   acordo   com   o   art.   149.º,   que   regula   os   actos  
praticados  pelo  incapaz  no  decurso  da  acção,  os  negócios  jurídicos  praticados  
pelo   incapaz   são   passíveis   de   ser   anulados,   contando   que   se   verifiquem  
dois  requisitos:  exige-­se  que  a  inabilitação  seja  definitivamente  decretada  
e   que   se   mostre   que   o   negócio   jurídico   em   apreço   causou   prejuízo   ao  
interdito.  Veja-­‐se:  se  o  acto  foi  praticado  depois  de  publicados  os  anúncios  
da  proposição  da  acção  e  a  inabilitação  vem  a  ser  decretada,  haverá  lugar  à  
anulabilidade,   desde   que   “se   mostre   que   o   negócio   causou   prejuízo   ao  
inabilitado”.   O   primeiro   requisito   encontra-­se   preenchido.   Quanto   ao  
segundo,  a  questão  é  um  pouco  mais  complexa,  na  medida  em  que  os  negócios  
praticados   pelo   interdito   na   pendência   do   processo   da   acção   (entre   a  
publicação   dos   anúncios   da   propositura   da   acção   e   o   registo   da   sentença   de  
interdição  definitiva)  só  serão  anuláveis  se  forem  considerados  prejudiciais  
numa  apreciação  reportada  ao  momento  da  prática  do  acto,  não  se  tomando  
em   conta   eventualidades   ulteriores,   dado   que   isso   faria   com   que   ninguém  
estivesse   disposto   a   contratar   com   um   interdicendo,   pois   viria   sempre   a   correr   o  
risco   de   o   negócio   desabar   (por   um   determinado   terreno   vir   a   valorizar,   por  
exemplo).   Partindo   do   princípio   de   que   no   momento   da   venda   não   houve  
prejuízo   para   Bernardo   (a   valorização   do   automóvel   verifica-­se  
posteriormente   à   venda),   este   negócio   jurídico   não   é   susceptível   de   ser  
anulado.    
A   compra   dos   materiais   para   reconstrução   de   um   poço   trata-­se   de  
um  acto  de  mera  administração.  Um  acto  de  mera  administração  acarreta  um  
risco   bastante   menor   do   que   um   acto   de   disposição   de   bens.   Prende-­‐se,   por  
exemplo,   com   a   manutenção   dos   bens   do   interdito   (arranjo   de   um   telhado,   ou  
venda   de   frutos   de   um   terreno).   Nestas   circunstâncias,   não   é   admitida   a  
possibilidade   de   ser   arguida   a   anulabilidade   de   tal   negócio   que   obedece   a  
uma   das   excepções   previstas   no   artigo   127.º   do   Código   Civil.   Caso  
considerássemos   que   este   não   era   um   acto   de   mera   administração,   este  
não  seria  válido.  

  20  
Já   a   venda   do   terreno   é,   porém,   um   negócio   ferido   de   anulabilidade.  
Dizemos   isto   porque   a   venda   do   terreno   é   um   negócio   de   disposição   de  
bens,   e   de   acordo   com   o   art.   153º   nº1   este   tipo   de   negócios   está   sujeito   a  
autorização  do  respectivo  curador.  Sendo  assim,  o  negócio  é  inválido.   Caso  
estivéssemos   no   período   de   pendência   da   acção   o   negócio   também   seria   anulável,   caso  
preenchesse   os   requisitos   do   art.   149º.   Quanto   ao   prazo   para   a   invocação   de  
anulabilidade   e   às   pessoas   com   legitimidade   para   a   arguir,   é   aplicável,   com   as  
necessárias  adaptações,  o  artigo  125.º:  a  anulabilidade  pode  ser  requerida  pelo  
eventual  curador  ou  assistente  de  Bernardo  desde  que  a  acção  seja  proposta  no  
prazo   de   um   ano   a   contar   do   conhecimento   que   o   requerente   haja   tido   do  
negócio   impugnado   (art.   125.º,   n.º   1,   alínea   a).   Também   o   próprio   Bernardo   o  
pode  fazer  nos  termos  do  artigo  125.º,  n.º  1,  alínea  b.    
  A   venda   da   casa   recebida   por   herança   e   do   automóvel   recebido   por  
doação  não  constituem  bens  adquiridos  em  regime  de  comunhão  de  adquiridos.  
As   restrições   à   livre   actuação   jurídica   derivadas   do   casamento   são  
tradicionalmente  designadas  por  incapacidades.  Tais  proibições  visam  proteger  
os   interesses   do   outro   cônjuge   e   da   família   e   por   isso   mais   correctamente   se  
falará   a   este   respeito   de   ilegitimidade.   O   casamento   continua   a   ser   fonte   de  
ilegitimidades   conjugais,   só   que   agora   em   condições   de   plena   igualdade   de  
situação   do   marido   e   da   mulher.   Ao   caso   prático   apresentado   aplicam-­‐se   as  
disposições   que   decorrem   do   artigo   1682.º-­‐A,   partindo   do   pressuposto   de   que  
Maria  e  Bernardo  estavam  casados  em  regime  de  comunhão  de  adquiridos.  Deste  
modo,   para   a   prática   dos   negócios   jurídicos   mencionados,   Bernardo   carecia   do  
consentimento  de  Maria  e  assim  se  compreende  que  a  ilegitimidade  conjugal  se  
supre  pelo  consentimento  do  outro  cônjuge.    
 
 
 
 
 
 
 
 

  21  
CASO PRÁTICO 6

Capacidade de exercício de direitos

António   nasceu   no   dia   1   de   Fevereiro   de   1980.   Nos   últimos   anos,   tem-­se  


agravado   a   dependência   de   heroína.   O   seu   pai,   Belmiro,   propôs,   em   Outubro   de  
2007,   uma   acção   destinada   a   incapacitá-­lo.   A   acção   é   anunciada   a   10   de   Março   de  
2008  e  em  20  de  Julho  de  2009  é  registada  a  sentença  que  declarou  a  incapacidade  
de  António  e  nomeou  Belmiro  o  seu  assistente  legal.    
  A   partir   de   1   de   Outubro   de   2009,   António   iniciou   uma   cura   de  
desintoxicação  com  bons  resultados.    
  António   praticou   sem   o   consentimento   mas   com   o   conhecimento   imediato  
de  Belmiro  os  seguintes  actos:    
a) Em  15  de  Fevereiro  de  2008  vendeu,  por  dois  terços  do  seu  valor  real,  um  
andar  arrendado  que  tinha  sido  doado  pelo  avô;  
b) Em   1   de   Novembro   de   2008   trocou   um   valioso   lote   de   acções   na  
Companhia   Mundial   Segurança,   que   adquirira   com   o   produto   do   seu  
trabalho,  por  uma  bateria  do  seu  amigo  Pedro;    
c) Em   20   de   Dezembro   de   2009   vendeu   pelo   seu   valor   real   um   pequeno  
prédio  rústico  que  recebera  por  sucessão  da  avó;  
d) Em   28   de   Dezembro   de   2009   vendeu   a   Filipe   um   andar   que   o   seu   tio   lhe  
doara,   exibindo-­lhe   uma   certidão   de   nascimento   da   qual   não   constava   o  
averbamento   de   qualquer   incapacidade   para   convencer   Filipe   a  
comprar.    
e) Em   30   de   Maior   de   2010   António   contraiu   matrimónio   com   Jorge,   de   17  
anos,  seu  primo  
Poderão   agora   Belmiro   ou   António   invalidar   cada   um   destes   actos   jurídicos  
e  requerer  o  levantamento  da  incapacidade?    
 
 
A  presente  situação  prática  trata  do  problema  da  capacidade  de  exercício  
de   direitos   (ou   capacidade   para   agir).   Ora,   em   primeiro   lugar,   e   antes   de  

  22  
proceder   à   resolução   do   caso   em   concreto,   é   fundamental   esclarecer   em   que   é  
que   consiste   a   capacidade   de   exercício   de   direitos   e   a   capacidade   de   gozo   de  
direitos  (ou  capacidade  jurídica).  
  Nas  palavras  de  Manuel  de  Andrade,  a  personalidade  jurídica  consiste  na  
aptidão   ou   idoneidade   para   ser   sujeito   de   relações   jurídicas,   ou   seja,   para   ser  
centro   de   imputação   de   efeitos   jurídicos   (constituição,   modificação   ou   extinção  
de  relações  jurídicas).  Nas  pessoas  singulares  esta  qualidade  é  uma  exigência  do  
direito   à   dignidade   e   ao   respeito   que   se   tem   de   reconhecer   a   todos   os   seres  
humanos.   À   personalidade   jurídica   (art.   66.º   do   CC)   é   inerente   a   capacidade   de  
gozo  de  direitos,  que  se  traduz  na  aptidão  para  ser  titular  de  um  circulo,  maior  
ou   menos,   de   relações   jurídicas   (art.   67.º   CC).   Diferente   é   a   capacidade   para   o  
exercício   de   direitos,   a   qual   corresponde   à   aptidão   para   actuar   juridicamente,  
exercendo   direitos   e   cumprindo   obrigações,   adquirindo   direitos   e   assumindo  
obrigações   (e   deste   modo   se   deveria   falar   em   capacidade   para   agir),   por   acto  
próprio  e  exclusivo  ou  mediante  um  representante  voluntário  ou  um  procurador,  
isto   é,   um   representante   escolhido   pelo   próprio   interessado.   A   pessoa   age  
pessoalmente,  não  carecendo  de  ser  substituída  por  um  representante  legal  e  age  
autonomamente,   não   necessitando   do   consentimento,   anterior   ou   posterior   ao  
acto,   de   outra   –   o   assistente.   Na   sua   falta   desta   capacidade   encontramo-­‐nos  
perante  uma  incapacidade  de  exercício  de  direitos,  que  pode  ser  genérica,  se  for  
referente   a   todos   os   actos   jurídicos,   ou   específica,   se   apenas   se   referir   a   alguns  
actos  em  particular.  Esta  incapacidade  de  agir  pode  ser  suprida,  quer  através  do  
instituto   da   representação   legal,   significando   que   o   representante   legal   actua   em  
substituição   do   incapacitado,   um   menor   ou   um   interdito,   quer   através   do  
instituto  da  assistência,  em  que  o  assistente  autoriza  o  incapaz  na  sua  actuação,  
caso  estejamos  perante  um  inabilitado.    
  Neste   caso   em   concreto   estamos   perante   uma   situação   de   inabilitação.  
Estão   sujeitos   a   inabilitação,   de   acordo   com   o   art.   138º   nº1,   os   indivíduos   cuja  
anomalia   psíquica,   surdez-­mudez   ou   cegueira,   embora   de   carácter  
permanente,   não   seja   tão   grave   que   justifique   a   interdição,   indivíduos   que   se  
revelem   incapazes   de   reger   o   seu   património   por   habitual   prodigalidade   ou   pelo  
abuso  de  bebidas  alcoólicas  ou  de  estupefacientes  (artigo  152.º  do  Código  Civil).  
Aqui  em  concreto,  o  fundamento  da  inabilitação  é  o  consumo  excessivo  de  

  23  
estupefacientes.   Em   Outubro   de   2008   António   ainda   só   tinha   17   anos,   e  
põe-­se  a  questão  se  o  seu  pai  podia  propor  a  acção  tendo  ele  essa  idade.  A  
resposta  é  afirmativa,  de  acordo  com  os  arts.  138º  nº2  e  156º  CC.  De  todo  o  
modo,  a  incapacidade  dos  inabilitados  não  existe  pelo  simples  facto  da  existência  
das   circunstâncias   referidas   no   mencionado   artigo;   torna-­‐se   necessária   uma  
sentença   de   inabilitação.   A   incapacidade   dos   inabilitados   é   suprida   pelo   instituto  
da   assistência   e   a   pessoa   encarregada   de   suprir   tal   incapacidade   é  
designada  pela  lei  por  curador.  O  curador  autoriza  a  prática  de  disposição  
de   bens   entre-­vivos,   mas   pode   também   praticar   actos   de   mera  
administração.  Assim,  Belmiro  foi  nomeado  pelo  tribunal  o  curador  de  António.    
  A   lei   não   regula   directamente   o   problema   do   valor   dos   actos   praticados  
pelo  inabilitado,  sendo  aplicáveis  as  disposições  que  vigoram  acerca  do  valor  dos  
actos   dos   interditos,   por   força   do   artigo   156.º.   Há   que   aplicar,   portanto,   os  
artigos  148.º,  149.º  e  150.º  do  CC.  As  caracteristicas  da  anulabilidade  são,  com  as  
necessárias  adaptações,  as  do  artigo  125.º,  também  ele  aplicável  por  remissão  do  
artigo   156.º.   Analisemos   em   concreto   cada   um   dos   negócios   praticados   por  
António:    
a) Em   15   de   Fevereiro   de   2008   António   já   era   maior.   Quanto   a   esta  
venda,  realizada  em  data  anterior  à  publicidade  da  acção,  aplica-­‐se  
o  disposto  no  artigo  150.º,  remetendo  para  o  artigo  257.º.  O  negócio  é  
anulável   se   se   preecherem   2   requisitos:   se   se   provar   que   ele  
estava  incapaz  de  determinar  a  sua  vontade  e  “desde  que  o  facto  
seja  notório  ou  conhecido  do  declaratário”.  O  primeiro  requisito  
está   preenchido,   uma   vez   que   ele   estava   sob   o   efeito   de  
estupefacientes.  Entende-­‐se  aqui  que  a  venda  de  uma  casa  arrendada  
vale  menos  do  que  a  venda  de  uma  casa  devoluta,  pelo  que  se  tratou  
de  um  negócio  razoável.  O  facto  de  o  andar  ter  sido  vendido  por  dois  
terços  do  seu  valor  não  indicia  que  tenha  sido  um  mau  negócio.    

b) O  regime  a  aplicar  nesta  circunstância  suscita  algumas  dúvidas,  desde  


logo  pelo  modo  como  se  dirige  o  enunciado.  A  troca  de  um  valioso  lote  
de   acções,   que   adquirira   com   o   produto   do   seu   trabalho,   por   uma  
bateria  do  seu  amigo  foi  praticada  no  decurso  da  acção,  depois  de  

  24  
publicitado   o   acto   mas   antes   da   sentença.   A   troca   ou   permuta   é  
um  contrato  atípico,  que  se  define  por  ser  um  acto  de  disposição  
de  bens,  onde  se  aplicam  as  regras  da  compra  e  venda  (939º  CC).  
Assim,   nos   termos   do   artigo   149.º   (por   remissão   do   artigo   156.º),   este  
negócio   seria   anulável,   contanto   que   a     interdição   venha   a   ser  
definitivamente   declarada   e   se   mostre   que   o   negócio   causou  
prejuízo  ao  inabilitado.  Cumpre-­se  o  primeiro  requisito  (a  sentença  
é   registada   em   20   de   Julho   de   2009)   e   o   segundo   também   se  
considerarmos   que   as   acções   são   de   facto   mais   valiosas   que   a  
bateria.   Por   outro   lado,   refere   o   texto   que   António   adquirira   as  
acções   com   o   produto   do   seu   trabalho.   Analisando   este   dado,   o  
negócio  não  seria  anulável,  em  virtude  da  ressalva  prevista  no  alínea  
a)  do  n.º  1  do  artigo  127.º  do  Código  Civil.    
c) Este  negócio  jurídico,  praticado  em  momento  posterior  ao  registo  
da   sentença,   é   anulável   (artigo   148.º   do   CC).   Pode   assim   Belmiro  
requerer  a  anulabilidade  da  venda:  no  prazo  de  um  ano  a  contar  do  
conhecimento   que   haja   tido   do   negócio   impugnado,   ou   seja,   em   20  
de   Dezembro   de   2010.   António   já   não   o   pode   fazer,   dado   ter   sido  
ultrapassado  o  prazo  legalmente  previsto  para  tal  –  um  ano  a  partir  
da  maioridade  ou  emancipação.  Veja-­‐se  para  o  efeito  o  artigo  125.º  
nº1  b)  do  CC.  

d) A  venda  do  andar  com  recurso  a  certidão  de  nascimento  da  qual  não  
constava   o   averbamento   de   qualquer   incapacidade   é   um   negócio  
claramente   anulável   (artigo   126.º   do   Código   Civil).   Há   aqui   dolo   do  
inabilitado.  Nesta  circunstância,  o  direito  de  invocar  a  anulabilidade  é  
precludido   pelo   comportamento   malicioso   do   menor.   Nesta   hipótese,  
ficam   inibidos   de   invocar   a   anulabilidade   não   só   o   menor   mas  
também   os   herdeiros   ou   o   representante.   Não   parece   coerente   a  
solução   que   só   pretende   aplicar   ao   menor   e   não   já   ao   seu  
representante  a  preclusão  estabelecida  no  mencionado  artigo.  
e) Enquanto  inabilitado,  e  de  acordo  com  o  art.  1601º  CC,  só  se  fosse  
inabilitado   por   anomalia   psíquica   é   que   António   não   podia   casar.  

  25  
Sendo   assim,   António   pode   casar.   Como   tinha   17   anos,  
necessitava  de  autorização  dos  seus  pais,  mas  mesmo  que  tenha  
casado   sem   esta   o   seu   casamento   continua   a   ser   válido,   sofre  
apenas  algumas  sanções.  Veja-­se  para  o  efeito  o  art.  1649º  CC.  O  
facto   de   ter   casado   com   um   primo   não   padece   de   qualquer  
irregularidade.  

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

  26  
CASO PRÁTICO 7
 
 
1-­ Maria,   casada   com   Bernardo   em   1980,   em   Janeiro   de   2008   vendeu   a   casa  
onde  vivia  com  o  marido,  e  que  tinha  recebido  por  herança.  
2-­ Maria  vendeu,  a  1  de  Fevereiro  de  2006,  o  carro  de  Bernardo,  que  este  havia  
recebido  por  doação  de  um  tio.  
3-­ Maria   constitui   uma   hipoteca   sobre   um   terreno   rústico   que   ela   havia  
adquirido  em  1979.  
 
Quid  iuris?  
 
 
1  –  o  art.  1682º/A/2  dá  uma  importância  tal  à  casa  de  família  que  consagra  
que   os   negócios   jurídicos   que   a   afectem   carecem   de   consentimento   de  
ambos  os  cônjuges,  independentemente  do  regime  de  bens  do  casamento.  
Sendo   assim,   este   negócio   é   anulável   e   a   sanção   prevista   para   esta   situação  
está  prevista  no  art.  1687º  CC.  O  cônjuge,  neste  caso  Bernardo,  tem  6  meses  
e   nunca   mais   de   3   anos   para   arguir   a   anulabilidade   do   negocio   jurídico  
praticado  por  Maria.  
 
2  –  Isto  constitui  uma  venda  de  coisa  alheia,  e  de  acordo  com  o  art.  892º  CC,  
esta  venda  é  nula.  
 
3   –   Trata-­se   de   um   bem   próprio   de   Maria,   o   terreno   é   dela.   O   regime   dos  
bens   próprios   encontra-­se   no   art.   1722º   CC.   No   entanto,   esta   situação  
também   se   enquadra   no   art.   1682º,   neste   caso   na   alínea   a)   do   nº1.   Este  
negocio  jurídico  carecia  do  consentimento  de  ambos  os  cônjuges,  e  por  isso  
é  anulável.  A  sanção  está  prevista  no  art.  1687º.  
 
 
 
 

  27  
CASO PRÁTICO 8

Jorge,   trabalhador   fabril   despedido   sem   justa   causa,   em   estado   de   ira,  


pintou   o   muro   branco   da   casa   da   sua   patroa,   Sra.   Rosa,   com   a   inscrição   “Porca  
Capitalista”.  
Rosa  intenta  acção  de  responsabilidade  civil,  exigindo  a  limpeza  do  muro  e  
pede  uma  indemnização  de  50  mil  €  por  Lesão  da  sua  Personalidade.  
Jorge   defende-­se   invocando   a   Liberdade   de   Expressão   e   o   Direito   Geral   de  
Personalidade.  
Quid  Juris?  

Este  é  um  caso  de  conflito  de  direitos.  Rosa  apresentou  uma  petição  
inicial,  onde  invocou  o  direito  à  honra,  com  fundamento  legal  nos  arts.  70  
nº1   CC,   26º   nº1   CRP,   484º   CC   e   79º   nº3   CC.   Jorge,   por   sua   vez,   invoca   a  
liberdade   de   expressão,   com   base   no   art.   37º   da   CRP,   e   o   direito   geral   de  
personalidade,  para  defender  a  sua  conduta.  
O  conflito  de  direitos  está  previsto  no  art.  335º  do  CC.  Trata-­se  aqui  
de   direitos   desiguais   ou   de   espécie   diferente,   sendo   que   se   aplica   o   nº2  
deste   artigo.   Esta   disposição   legal   preceitua   que   “prevalece   o   que   se  
considerar  superior”.  Trata-­se  aqui  de  saber  se  a  honra  de  Rosa  vale  mais  
do  que  a  liberdade  de  expressão  de  Jorge.  

Jorge   não   se   expressou   do   modo   mais   adequado,   já   que   ele   podia  


recorrer  aos  tribunais  para  resolver  o  despedimento  ilícito.  Tendo  isto  em  
conta,   aplica-­se   a   Jorge   a   responsabilidade   civil   por   danos   não  
patrimoniais,  de  acordo  com  o  nº3  do  art.  496º,  articulado  com  o  art.  494º  
CC.   Neste   caso   temos   que   averiguar   o   grau   de   culpa   de   Jorge.   Podemos  
afirmar   que   se   trata   de   dolo   com   pouca   culpa,   dado   que   ele   estava   irado.  
Por   outro   lado,   os   50   mil   €   pedidos   por   Jorge   por   indemnização   são  
manifestamente   exagerados,   tendo   em   conta   que   ele   era   um   simples  
empregado.  

  28  
Nos   termos   do   art.   566º   nº1,   o   direito   de   propriedade   de   Rosa   foi  
lesado,  e  impõe-­se  a  restauração  natural  dos  danos  causados  por  Jorge,  que  
neste  caso  é  o  simples  acto  de  mandar  pintar  o  muro.  De  acordo  com  o  art.  
70º/2   CC,   devem   ser   tomadas   as   providências   necessárias   a   que   tal  
aconteça.  

Não   é   necessário   a   Jorge   invocar   o   direito   geral   de   personalidade,  


uma  vez  que  este  está  plasmado  na  CRP.  

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

  29  
CASO PRÁTICO 9
 
 
Zaida,  de  20  anos,  sofre  um  acidente  de  viação  ao  sair  do  emprego.  Estava  
grávida   de   9   meses   e   em   virtude   do   acidente   teve   graves   lesões   corporais.   O   feto  
morreu  e  teve  que  ser  retirado  por  cesariana  já  morto.  Quid  iuris?    
 
 
O   caso   sub   judice   prende-­‐se   com   o   problema   de   saber   qual   a   condição  
jurídica   dos   nascituros   em   sede   de   personalidade   jurídica.   Nas   palavras   de  
Manuel  de  Andrade,  a  personalidade  jurídica  consiste  na  aptidão  ou  idoneidade  
para   ser   sujeito   de   relações   jurídicas,   ou   seja,   para   ser   centro   de   imputação   de  
efeitos   jurídicos   (constituição,   modificação   ou   extinção   de   relações   jurídicas).  
Nas  pessoas  singulares  esta  qualidade  é  uma  exigência  do  direito  à  dignidade  e  
ao   respeito   que   se   tem   de   reconhecer   a   todos   os   seres   humanos.   Associado   à  
questão  do  começo  da  personalidade  jurídica  (artigo  66.º,  n.º1  do  Código  Civil),  
surge   o   problema   da   condição   jurídica   dos   nascituros,   concebidos   ou   não  
concebidos.  Estabelece  o  artigo  66.º,  n.º2  que  os  direitos  reconhecidos  por  lei  aos  
nascituros   dependem   do   seu   nascimento.   Significa   isto   que,   apesar   de   não   serem  
ainda   sujeitos   de   direito,   reconhecem-­‐se-­‐lhes   direitos,   embora   dependentes   do  
seu   nascimento   completo   e   com   vida.   Desta   feita,   é   ou   não   possível   pedir  
indemnização   pelo   morte   do   feto?   Trava-­‐se   uma   divergência   doutrinal   na  
tentativa   de   responder   a   esta   questão.   Por   força   da   posição   adoptada   pelo   curso,  
é   de   admitir   a   tutela   jurídica   do   nascituro   concebido,   no   que   toca   às   lesões  
provocadas.  Pode  pois  um  filho  pedir  indemnização  pelas  deformações  físicas  ou  
psicológicas  que  sofreu  ainda  no  ventre  da  mãe,  causadas,  por  exemplo,  por  um  
acidente.   O   surgimento   deste   direito   à   indemnização   não   implica   forçosamente   a  
atribuição  de  personalidade  jurídica  aos  nascituros,  estejam  ou  não  concebidos.  
Tal   direito   surge   só   no   momento   do   nascimento,   momento   em   que   o   dano  
verdadeiramente   se   consuma,   por   isso,   se   o   feto   lesado   no   ventre   materno   não  
chega  a  nascer  com  vida,  ele  não  terá  direito  a  qualquer  indemnização.    
Em  face  do  exposto,  conclui-­‐se  que  o  filho  de  Zaida  não  terá  assim  direito  
a  qualquer  indemnização.  Não  há  direito  a  indemnização  pelo  dano  da  morte.    

  30  
CASO PRÁTICO 10
 
 
  Joana  e  Miguel  estão  casados  e  Joana  está  grávida  de  12  semanas.  Porque  
tem   42   anos   e   antecedentes   familiares   de   doenças   genéticas,   sujeitou-­se   a   uma  
análise   para   detectar   eventuais   anomalias   genéticas   no   embrião.   O   laboratório  
trocou   as   análises   e   o   relatório   enviado   a   Joana   não   dava   conta   de   qualquer  
anomalia.  A  gravidez  prosseguiu  até  ao  termo  e  a  criança  que  nasceu,  o  Rui,  padece  
de   sindrome   de   down   e   de   graves   insuficiências   renais.   Volvidos   dois   anos   é  
intentada  a  seguinte  acção:  
• Rui   demanda   o   laboratório   por   violação   grosseira   das   regras   técnicas   e  
pede   indemnização   pelos   danos   patrimoniais   (tratamentos   médicos,  
incapacidade  para  desempenhar  no  futuro  uma  profissão  remunerada)  bem  
como  uma  compensação  por  danos  morais.    

 
 
  O   caso   prático   apresentado   trata   do   problema   de   saber   se   há   um   direito   a  
não   nascer,   designadamente   quando   se   nasce   com   graves   malformações,   de   tal  
modo   que   a   pessoa   com   essas   deficiências   possa   agir   judicialmente   contra   os  
médicos   que,   por   negligência,   não   detectaram   antecipadamente   essas   anomalias,  
ou   não   informaram   devidamente   os   pais,   não   lhes   proporcionando   a  
oportunidade   de   interromper,   licitamente,   a   gravidez.   Nestas   circunstâncias,  
pode   o   Rui   pedir   uma   indemnização   contra   os   médicos?   Esta   questão   é  
normalmente   conhecida   pelas   expressões   wrongful   birth   (pais   pedem  
indemnização   por   danos   próprios)   e   wrongful   life   (pais   intervêm   como  
representantes   do   filho   menor,   pedindo   uma   indemnização   por   danos   sofridos  
pelo  filho).    
A  situação  prática  em  causa  julgo  referir-­‐se  a  um  caso  de  wrongful  life.  O  
que   se   pretende   indemnizar   é   o   dano   sofrido   pela   própria   criança,   por   ter  
nascido  com  graves  físicas  e  mentais  (sindrome  de  down  e  insuficiências  renais),  
deficiências  essas  sobre  as  quais  os  médicos  não  informaram  convenientemente  
os   pais.   Não   se   tratam   de   anomalias   provocadas   pelos   médicos   mas   sim   de  

  31  
anomalias   que   não   foram   comunicadas   aos   pais,   em   virtude   da   troca   dos  
relatório  das  análise.  É  pois  a  própria  criança  que  pretende  ser  indemnizada  pelo  
dano  de  ter  nascido.  A  posição  de  Rui  em  muito  se  assemelha  a  um  caso  concreto  
decidido   pelo   Supremo   Tribunal   de   Justiça,   na   sequência   do   qual   uma   criança  
intentou   uma   acção,   invocando   danos   por   si   sofridos.   O   fundamento   do   pedido  
foi  a  conduta  negligente  do  médicos.  O  Tribunal  concluiu  que  aquilo  que  estaria  
em  causa  seria  o  direito  à  não  existência  e  no  entender  do  STJ  tal  direito  não  está  
consagrado  na  lei,  pelo  que  o  mesmo  não  deve  ser  reconhecido.  E  decidiu  bem  o  
STJ,   diz   o   curso.   Reconhecer   à   criança   o   direito   a   uma   indemnização   por   danos  
próprios  parece  que  pressuporia  reconhecer  a  alguém  um  direito  a  não  nascer,  já  
que   a   alternativa   seria   ter   nascido.   E,   não   nos   parece   que   tal   direito   seja   de  
reconhecer.  No  fundo,  é  esta  a  decisão  que  cobre  a  situação  de  Rui:  esta  criança  
não  pode  pedir  uma  indeminzação  pelo  seu  nascimento.    
  Acontece  todavia  que  o  Supremo  Tribunal  não  deixou  de  considerar  que  o  
problema  seria  diferente  se  os  autores  do  pedido  de  indemnização  tivessem  sido  
os  pais  e  não  o  menor.  Deste  modo,  se  Joana  e  Miguel  tivessem  sido  os  autores  da  
acção,   havia   lugar   a   reparação   tanto   de   danos   patrimoniais   como   de   danos  
morais.   Cumpre   salientar   que   quanto   aos   danos   patrimoniais,   há   tribunais   que  
entendem   que   os   pais   apenas   têm   direito   aos   sobrecustos.   Outros   há   que  
entendem  que  os  pais  têm  direito  a  indemnização  na  totalidade.    
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

  32  
CASO PRÁTICO 10
 
Responsabilidade civil extra-contratual por acto ilícito

Tânia  estava  a  fazer  uma  queimada  de  silvas  no  seu  quintal,  mas  foi  tomar  
café  durante  meia  hora.  Quando  voltou,  a  casa  da  Rute  tinha  ardido,  bem  como  o  
gato  Komi  e  o  pai  da  Rute  de  93  anos,  acamado  há  8  anos.  
 
Quid  Iuris?  

Este   caso   prático   trata   da   responsabilidade   civil,   nomeadamente   a  


responsabilidade   civil   extra-­‐contratual   por   actos   ilícitos.   Para   haver   lugar   a  
indemnização   nestes   casos   devem   ser   preenchidos   5   requisitos:   o   facto   humano,  
a   ilicitude,   a   culpa,   o   nexo   de   causalidade   e   o   dano.   Relativamente   ao   primeiro  
requisito,   do   facto   humano,   podemos   considerar   que   está   preenchido   neste   caso,  
uma   vez   que   foi   a   Tânia   que   causou   a   situação.   O   facto   humano   pode   tanto   ser  
por   acção   ou   omissão,   sendo   que   neste   caso   foi   por   omissão.   Relativamente   ao  
segundo  requisito,  da  ilicitude,  no  nosso  caso  violou-­‐se  o  direito  de  propriedade  
da   Rute   sobre   a   sua   casa   e   sobre   o   seu   caso,   e   violou-­‐se   ainda   o   direito   à   vida   do  
pai   da   Rute.   Não   há   neste   caso   justificação   para   a   violação,   nem   estado   de  
necessidade   que   a   sustente,   muito   menos   consentimento   por   parte   de   Rute.  
Assim,   consideramos   que   o   requisito   da   ilicitude   está   preenchido.   Relativamente  
ao   terceiro   requisito,   a   culpa,   haveria   aqui   dolo   directo   caso   Tânia   quisesse  
queimar   a   casa,   ou   dolo   necessário   caso   ela   quisesse   matar   o   pai   de   Rute   e  
queimar   a   casa   tivesse   sido   o   meio   encontrado   para   o   fazer.   Relativamente   ao  
quarto  requisito,  o  nexo  de  causalidade,  sabemos  que  o  incêndio  do  quintal  levou  
ao  incêndio  da  casa.  Relativamente  ao  quinto  e  último  requisito,  os  danos,  estes  
dividem-­‐se   em   danos   patrimoniais   e   danos   não   patrimoniais.     No   que   toca   aos  
danos   patrimoniais,   existem   danos   causados,   danos   emergentes   e   lucros  
cessantes.   Os   danos   emergentes   neste   caso   são   a   reconstrução   da   casa   e   os  

  33  
montantes   relativos   ao   pagamento   de   alojamento   para   Rute   no   lapso   temporal  
no  qual  a  sua  antiga  casa  é  reconstruída.  Neste  caso,  o  lucro  cessante  prende-­‐se  
com   o   facto   de   Rute   ter   o   rés-­‐do-­‐chão   alugado   e   deixar   de   receber   o   montante  
respectivo   pelo   facto   de   a   casa   ter   ardido.   Trata-­‐se   de   uma   caducidade   dessas  
prestações   por   inexistência   de   objecto.   Relativamente   aos   danos   não  
patrimoniais   (art.   496º   CC),   temos   neste   caso   a   questão   do   gato   e   da   morte   do  
avô   de   Rute.   De   acordo   com   o   nº2   do   art.   496º   CC,   a   morte   gera   direito   a  
indemnização  para  o  conjugue  e  filhos,  e  na  falta  destes  para  os  pais,  irmãos  ou  
sobrinhos.    Já  o  nº3  do  mesmo  artigo  regula  o  montante  da  indemnização.  
Concluímos  sem  dúvidas  que  neste  caso  há lugar a responsabilidade civil
por factos ilícitos.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

  34  
CASO PRÁTICO 10
 
Aplicação da lei civil no tempo
 
 
  Rui  e  Patrícia:  Rui  tem  uma  casa  arrendada  a  Patrícia  e  quer  fazer  obras.  
Patrícia  não  deixa.  Depois  vem  uma  lei  que  diz  que  não  precisa  de  autorização.  
  Rui  pode  fazer  as  obras?    
 
 
Este   caso   prático   trata   da   aplicação   da   lei   civil   no   tempo.   Para   resolver  
este  caso  devemos  atender  ao  art.  12º  CC.  A  primeira  parte  do  nº2  deste  artigo  
poderia   levar-­‐nos   a   concluir   que   deve   prevalecer   o   interesse   de   Patrícia,   quando  
diz  “Quando  a  lei  dispõe  sobre  as  condições  de  validade  substancial  ou  formal  de  
quaisquer  factos  ou  sobre  os  seus  efeitos,  entende-­‐se,  em  caso  de  dúvida,  que  só  
visa   os   factos   novos”.   No   entanto,   a   segunda   parte   do   mesmo   artigo   poderia  
levar-­‐nos   a   concluir   que   prevalece   o   interesse   de   Rui:   “quando   dispuser  
directamente   sobre   o   conteúdo   de   certas   relações   jurídicas   (...)   entender-­‐se-­‐á  
que  a  lei  abrange  as  próprias  relações  já  constituídas”.  
Assim,   temos   que   pensar   em   duas   situações.   Se   no   contrato   de  
arrendamento   estiver   combinado   que   para   se   efectuarem   obras   se   exige  
um  pedido  de  autorização,  a  nova  lei  não  se  aplicará.  Mas  se,  por  outro  lado,  
o  contrato  for  omisso  em  relação  a  esta  questão,  aplica-­se  a  lei  nova  e  Rui  
pode  fazer  as  obras  que  entender.  

  35