You are on page 1of 7

Proposta de Regulamento Interno do SO!

a apresentar em Assembleia Geral para aprovação

APROVADO EM ASSEMBLEIA GERAL REALIZADA A 19.01.2010

I – Admissão e exclusão de Sócios

Artº. 1º. (Âmbito do “Somos Olhão”)

1. “O SO! – Movimento de Cidadania Activa” é independente de qualquer outra organização,


seja qual for a sua natureza, ideologia ou credo, podendo associar-se e filiar-se noutras
organizações, em paridade, que considere de interesse para a prossecução dos seus fins
desde que para tal não restrinja a sua autonomia e independência.

Art. 2º. (Admissão de sócios)

1. O pedido de admissão é feito mediante o preenchimento da ficha de inscrição pelo


interessado, competindo à Direcção admiti-lo depois de verificar a conformidade com os
Estatutos.
2. Da ficha de inscrição constará o nome, morada, data de nascimento, nº do BI, declaração
assinada que deseja ser membro, conhece e aceita os Estatutos e data da proposta.
3. Os candidatos não admitidos pela Direcção, poderão recorrer da decisão da Direcção para
a Mesa da Assembleia Geral, que incluirá obrigatoriamente na ordem de trabalhos da 1ª
Assembleia Geral que se realizar
4. No acto de inscrição, o sócio efectivo deverá pagar, para além da jóia no valor de dez
euros, pelo menos um trimestre de quotas no valor de seis euros.

Art. 3º. (Exclusão, suspensão e reintegração de sócios)

1. A condição de sócio de “SOMOS OLHÃO!” perde-se, ou é suspensa nos seguintes casos:


a) a pedido do sócio dirigido por escrito à Direcção:
b) não pagamento de quotas por um período superior a um ano;
c) atitude incompatível com os Estatutos, com o presente Regulamento Interno, com os
objectivos de “SOMOS OLHÃO!” ou com as deliberações da Assembleia Geral;
d) atitude atentatória do bom nome de “SOMOS OLHÃO!”.
2. A decisão sobre a exclusão de qualquer sócio compete à Assembleia Geral, excepto o
consignado na alínea b), devendo tal decisão ser comunicada ao interessado, por escrito e
com aviso de recepção.
3. A Direcção pode decidir a suspensão de qualquer sócio, por um dos motivos referidos no
ponto 1 alíneas c) e d), até à realização da Assembleia Geral seguinte, devendo
igualmente tal decisão ser comunicada ao interessado
4. Em caso de exclusão por não pagamento de quotas, o interessado poderá readquirir a sua
condição plena de sócio, mediante o pagamento da dívida pendente.
5. A decisão sobre readmissão de sócios, após exclusão pelos motivos consignados nas
alíneas c) e d) do ponto 1, é da competência da Assembleia Geral, mediante pedido
fundamentado dirigido por escrito à respectiva Mesa, não podendo, no entanto, o período
compreendido entre a exclusão e a readmissão ser inferior a dois anos.

II - Órgãos Sociais

Art. 4º. (Assembleia Geral)


1. A Assembleia Geral, ordinária ou extraordinária, deve ser convocada nos termos do artigo 6º
dos Estatutos, com uma antecedência mínima de 15 dias úteis, em relação à data da sua
realização, através de comunicação escrita enviada a todos os sócios e publicação no
blogsiteSO!, em, http://somosolhao.blogs.sapo.pt/.

2. Da convocatória constará a ordem de trabalhos, o carácter ordinário ou extraordinário da


sessão, e o local, data e hora da sua realização.
3. No caso de não se verificar o número de presença legal, a Assembleia Geral funcionará em
2ª convocatória, meia hora depois, com qualquer número de presenças
4. A sequência dos pontos da ordem de trabalhos pode ser alterada por deliberação da
própria Assembleia.

5. As deliberações da Assembleia Geral são tomadas por maioria simples de votos validamente
expressos dos sócios presentes com direito a voto, salvo nos casos em que estatutariamente seja
exigida outra maioria.

6. Qualquer sócio poderá propor pontos a serem incluídos na ordem de trabalhos, caso em que
deverá dirigir por escrito a sua proposta à Mesa da Assembleia Geral, com a antecedência
mínima de dez dias úteis: a proposta será de inclusão obrigatória na ordem dos trabalhos, caso
seja subscrita por um mínimo de 10% dos sócios no pleno uso dos seus direitos.

7. A Assembleia Geral pode ser convocada por iniciativa de um número mínimo de 30%

8. Excepcionalmente o prazo previsto no número 1 será reduzido para cinco dias úteis

Art. 5º. (Mesa da Assembleia Geral)


1. Compete ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral:
a) convocar, nos termos referidos, as sessões da Assembleia;
b) dirigir e orientar os trabalhos da Assembleia Geral, assegurando que a mesma decorra
segundo os preceitos estatutários e regulamentares;
c) declarar a abertura e o encerramento da sessão;
d) dar posse aos sócios eleitos para os órgãos associativos e aceitar, em caso de demissão, os
respectivos pedidos;
e) autenticar os livros oficiais de “SOMOS OLHÃO”.

2. Ao Vice-Presidente da Mesa, compete:


a) coadjuvar o Presidente no exercício das suas funções;
b) substituir o Presidente no caso da sua ausência ou impedimento.
3. Em caso de ausência ou impedimento simultâneo do Presidente e do Vice-Presidente, será a
presidência da Mesa assegurada pelo sócio mais antigo presente nos trabalhos, desde que não
seja membro de outro órgão associativo.
4. Ao Secretário da Mesa, compete:
a) prover a todo o expediente da Mesa, nomeadamente a propostas, pedidos e recursos que lhe
sejam dirigidos;
b) tomar nota da inscrição dos oradores e proceder ao escrutínio dos votos;
c) lavrar as actas das sessões da Assembleia Geral e zelar pelo resguardo e conservação dos
livros oficiais da Assembleia (actas, presenças, posses).
5. Na ausência ou impedimento do Secretário, será este substituído por um sócio no pleno uso
dos seus direitos, desde que não pertença aos órgãos directivos.
6. As Actas das sessões da Assembleia Geral só são válidas depois de assinadas pelos
componentes da Mesa que presidiu aos trabalhos.

Artº. 6º. Alterações aos Estatutos ou ao Regulamento Interno

1. As Assembleias Gerais convocadas para decidir alterações aos Estatutos ou ao


Regulamento Interno em 1ª convocatória precisam ter presentes, pelo menos, 2/3 dos
membros efectivos existentes com quotização em dia.
2. Não estando presentes os 2/3 dos sócios efectivos referidos no número anterior, será
marcada em 2ª convocatória nova Assembleia Geral para data posterior, nos dez dias
seguintes, que funcionará com o número de membros então presentes que decidirá pelo
voto de metade mais um

Art. 7º (Direcção)
1. A Direcção reúne com periodicidade mínima mensal, quando e onde o entender conveniente,
sendo necessária a presença de mais de metade dos seus membros para poder deliberar.
2. A Direcção está obrigada a manter actualizada a lista de membros efectivos e colaboradores
3. As deliberações são tomadas por maioria simples de membros presentes, cabendo ao
Presidente voto de qualidade em caso de empate.
4. Os membros da Direcção não podem abster-se de votar nas reuniões em que estejam
presentes, sendo responsáveis pelos efeitos das deliberações tomadas, excepto quando tenham
manifestado a sua discordância.
5. Poderão assistir às reuniões da Direcção, na qualidade de observadores ou assessores sem
direito a voto, todos os membros dos restantes órgãos sociais e as pessoas que a mesma
entenda por conveniente.
6. É da competência do Presidente:
a) convocar, abrir, encerrar e presidir às reuniões da Direcção;
b) representar o “SOMOS OLHÃO!” perante autoridades ou entidades públicas ou privadas;
c) coordenar as actuações dos membros da Direcção, sem prejuízo das competências e
responsabilidades directas destes.
d) elaborar o Relatório do Estado da Cidadania em Olhão e o Mapa do Ambiente em Olhão;
7. É da competência do Secretário:
a) coadjuvar o Presidente nas suas tarefas e substitui-lo em caso de impedimento.
b) lavrar as Actas das reuniões da Direcção e dar fé das mesmas;
c) custodiar os documentos de cariz não financeiro da Associação;
d) gerir e manter em dia a correspondência;
e) expedir documentos e comunicações da Direcção, dando conta dos mesmos aos restantes
membros ou a outros órgãos associativos a que digam respeito;
f) superintender os funcionários e os serviços de “SOMOS OLHÃO!” necessários ao seu normal
funcionamento, organizando estes do ponto de vista material;
g) redigir o Relatório Anual de Actividades e o Plano Anual de Actividades da Associação, a
apresentar pela Direcção à Assembleia Geral;
h) colaborar com o Tesoureiro na redacção do Relatório Anual de Contas e do Orçamento Anual.
8. Em caso de impedimento do Secretário, será o mesmo substituído por um vogal.
9. É da competência do Tesoureiro:
a) assegurar a gestão financeira de “SOMOS OLHÃO”;
b) passar e assinar recibos, cobrar quotas e pagar ordenados ou subsídios a funcionários e
colaboradores;
c) apresentar um balancete financeiro da Associação nas reuniões da Direcção;
d) dar conta à Direcção dos sócios com quotas em atraso, de forma a se proceder, quando
necessário, à sua exclusão;
e) custodiar os documentos de cariz financeiro de “SOMOS OLHÃO!”;
f) providenciar regularmente ao Conselho Fiscal todos os elementos necessários ao desempenho
das suas funções;
g) redigir o Orçamento e o Relatório Anual de Contas, a submeter pela Direcção a parecer do
Conselho Fiscal e a aprovação da Assembleia Geral;
h) colaborar com o Secretário na elaboração do Relatório de Actividades e do Plano de
Actividades Anual;
i) movimentar a(s) conta(s) bancária(s) de “SOMOS OLHÃO!” juntamente com os outros membros
da Direcção designados para o efeito;
j) manter inventário actualizado do património da Associação e administrá-lo.
10. Em caso de impedimento do Tesoureiro, será o mesmo substituído pelo vogal.
Art. 8º. (Conselho Fiscal)
1. Compete ao Presidente do Conselho Fiscal:
a) convocar e dirigir as reuniões;
b) representar o Conselho Fiscal em todos os actos que sejam inerentes às suas funções e
existência.
2. Compete ao Secretário:
a) lavrar as Actas das reuniões;
b) assegurar junto do Tesoureiro a recepção regular de toda a documentação necessária ao
desempenho das funções de que o Conselho Fiscal está incumbido;
c) substituir o Presidente, em caso de impedimento deste.
3. Compete ao Relator:
a) redigir os pareceres do Conselho Fiscal, bem como os demais documentos e consultas que do
mesmo emanem;
b) substituir o Secretário, em caso de impedimento deste.

Art. 9º. (Substituição extraordinária dos membros da Mesa da Assembleia Geral, Direcção ou
Conselho Fiscal)
1. Os membros destes Órgãos sociais serão automaticamente substituídos em caso de morte,
demissão ou faltas injustificadas a três reuniões ordinárias consecutivas ou a seis alternadas.

2. A substituição será feita pelos elementos suplentes da Lista eleita, de acordo com o
regulamento eleitoral.

III - Regulamento Eleitoral

Art. 10º. (Eleições)


1. A Direcção, a Mesa da Assembleia Geral e o Conselho Fiscal serão eleitos em Assembleia
Geral Ordinária, a realizar-se de dois em dois anos, em Novembro.
2. Há lugar a eleições extraordinárias no caso de perda ou demissão de membros de um órgão
social, em número superior ao de suplentes disponíveis.
3. A eleição extraordinária de um órgão social não implica a necessidade de eleição dos
restantes, mas o mandato daí decorrente termina juntamente com o destes.
4. Compete à Mesa da Assembleia Geral convocar todos os sócios no pleno gozo dos seus
direitos, pelo menos 30 dias antes da data do acto eleitoral.
5. As eleições para os Órgãos Sociais serão efectuadas por Listas conjuntas, que deverão
mencionar os nomes e os cargos dos candidatos, sendo obrigatória a apresentação do termo de
aceitação dos candidatos para todos os Órgãos Sociais e de um Programa de Acção para a
Direcção.
6. De cada Lista podem constar, para além dos candidatos efectivos, candidatos suplentes em
número de dois para a Direcção e de um para a Mesa da Assembleia Geral e Conselho Fiscal.
7. Cada associado não se pode candidatar a mais de um cargo, nos termos previstos nos
presentes Estatutos
8. As Listas e Programas de Acção devem ser enviados à Mesa da Assembleia Geral até dez
dias antes da realização da assembleia eleitoral.
9. A Mesa da Assembleia Geral, em colaboração com a Direcção, disponibilizará toda a
informação necessária às Listas para que estas possam assegurar a divulgação entre os sócios
das respectivas candidaturas e programas de acção, no período que mediar entre o fim do prazo
de entrega e a Assembleia Geral em que se proceder a eleições.
10. Os membros dos órgãos sociais eleitos como suplentes, serão chamados a tomar posse em
caso de demissão dos titulares ou desde que se verifique ou preveja o impedimento dos titulares .

Art. 11º. (Votação)


1. O voto é secreto.
2. Será eleita a Lista que obtiver a maioria dos votos validamente expressos.

IV - Património Social

Art. 12º. (Património Social)


1. O “SOMOS OLHÃO!” deverá constituir um fundo de reserva, corresponde, no mínimo, a 10%
da quotização anual dos sócios do ano anterior, com o fim de assegurar a solvência da
Associação, em caso de despesas imprevistas.
2. A constituição e movimentação do fundo de reserva é da competência da Direcção, estando o
dispêndio do fundo sujeito a autorização do Conselho Fiscal.

Artº. 13º (Dissolução e Extinção)


A dissolução e extinção do “Somos Olhão” poderá ocorrer por decisão legal ou por deliberação
em Assembleia Geral assim como o destino do seu património, nos termos em que for aprovada e
que a lei determinar.