You are on page 1of 13

Walt Whitman (1819 – 1892) é considerado, merecidamente,

um dos maiores poetas dos EUA – quando não o maior


poeta – bem como de toda a literatura moderna ocidental. É
lembrado, com frequência, como o inventor do verso livre,
como também pela natureza sexual (bi-, homo- e autossexual,
dependendo da interpretação) de seus poemas, bastante
escandalosa para a época (e, bem, o que não era?), ou então
ainda por sua relação apaixonada com a democracia – uma
palavra perigosa de se usar por conta das conotações nefastas
com que as ações dos EUA do século XX acabaram lhe
tingindo, melhor compreendida aqui se lembrarmos de seu
sentido etimológico significando “poder do povo” . Devemos
lembrar, porém, que há muito mais em Whitman do que isso.
Sobretudo, acredito que uma das caracterizações mais
evidentes dele é o caráter celebratório e efusivo de sua poesia.
Em comparação com outros angustiados poetas de destaque
do século XIX, notavelmente Baudelaire (que, moderníssimo
também para sua época, publica As Flores do Mal com apenas
dois anos de diferença em relação ao primeiro volume
das Folhas de Relva), Whitman nos parece estranhamente
contente. E esse contentamento parte de sua relação com a
natureza, com a literatura, com a sociedade e as pessoas em
geral.
O epigrama “To You”, por exemplo, traduzido abaixo como “A
Você”, com seu tom conciso e convidativo, aponta para esse
lado inclusivo de Whitman, que reflete seu desejo, por vezes
abertamente expresso em pessoa, de ser acolhido pelas
massas, o que, no entanto, não o impede de ser o autor de
uma produção muito complexa – e lembramos também que
“popular” em poesia é sempre muito relativo. De qualquer
modo, independente do quanto ele realmente tenha sido lido
pelo povo de fato, o que impressiona nesta postura é ser uma
posição contrária à de “literatura somente para iniciados” que
passa a predominar a partir do final do século XIX. Contraste
este poema, ao lado também de “To a Stranger” (“A um
Estranho”), com “A Uma Passante” de Baudelaire, e isso tudo
se torna evidente. Em vez de todo o peso emocional de quem
jamais encontrará a passante no fluxo contínuo de pessoas da
grande cidade, Whitman oferece uma resignação plácida, e a
metafísica que um usa para o desespero (“Não te verei senão
na eternidade? ”), no outro serve de conforto (“Vivi com
certeza uma vida alegre com você em algum lugar”).
E essa placidez e receptividade, por sua vez, se comunicam
com o aspecto messiânico de Whitman, como a figura de um
Cristo americano – e Harold Bloom, de fato, lê a “Song of
Myself ” de Whitman, em seu ensaio em O Cânone Ocidental,
como uma canção de morte e ressurreição cristã – com seus
braços abertos a todos, ao mesmo tempo em que está
envolvido numa profunda relação consigo mesmo. Não me
estenderei sobre o assunto, mas fica a sugestão de leitura.
Diante do tipo de sentimento que em Whitman procura
expressão, não é surpreendente, portanto, que esta expressão
tenha assumido forma no verso livre, mais especificamente
um tipo muito particular de verso livre whitmaniano, não
apenas sem métrica definida, mas longo (com frequência
chegando a 20 ou mais sílabas) e, no entanto, efusivo e
ritmado de modo a não soar prosaico. Há algo de
profundamente musical em versos como “I hear America
singing, the varied carols I hear”, que tentei manter na
tradução abaixo.
E, falando em tradução, Whitman está disponível em
português em pelo menos 6 edições de que tenho
notícia: Canção de Mim Mesmo, de André Cardoso (ed.
Imago), Canto de Mim Mesmo, de José Agostinho Baptista
(português de portugal, pela ed. Assírio & Alvim), Folhas das
Folhas de Relva, de Geir Campos (antologia e uma tradução
bastante peculiar que quebra o verso longo em versos mais
curtos, com introdução de Paulo Leminski, ed.
Brasiliense), Folhas de Relva, de Rodrigo Garcia Lopes (ed.
Iluminuras), Folhas de Relva, de Luciano Meira (ed. Martin
Claret), e Folhas de Relva – Edição do Leito de Morte, de Bruno
Gambarotto (ed. Hedra).
O critério que utilizei para a escolha dos poemas traduzidos a
seguir foi o de selecionar alguns dos poemas mais curtos para
servir de, digamos assim, “aperitivo”, de possível introdução
para se conhecer um pouco sobre Whitman antes de partir
para os poemas realmente longos e icônicos do poeta, como
“Song of Myself”, inviável de se traduzir por inteiro no blogue.
Dito isto, cedo a voz ao grande poeta americano.
Escuto a América a Cantar
Escuto a América a cantar, as várias canções que escuto;
O cantar dos mecânicos – cada um com sua canção, como
deve ser, forte e contente;
O carpinteiro cantando a sua, enquanto mede a tábua ou viga,
O pedreiro cantando a sua, enquanto se prepara para o
trabalho ou termina o trabalho;
O barqueiro cantando o que pertence a ele em seu barco – o
assistente cantando no deque do navio a vapor;
O sapateiro cantando sentado em seu banco – o chapeleiro
cantando de pé;
O cantar do lenhador – o jovem lavrador, em seu rumo pela
manhã, ou no intervalo do almoço, ou ao por-do-sol;
O delicioso cantar da mãe – ou da jovem esposa ao trabalho –
ou da menina costurando ou lavando – cada uma cantando o
que lhe pertence, e a ninguém mais;
O dia, ao que pertence ao dia – De noite, o grupo de jovens,
robustos, amigáveis,
Cantando, de bocas abertas, suas fortes melodiosas canções.
I Hear America Singing
I hear America singing, the varied carols I hear;
Those of mechanics—each one singing his, as it should be, blithe
and strong;
The carpenter singing his, as he measures his plank or beam,
The mason singing his, as he makes ready for work, or leaves off
work;
The boatman singing what belongs to him in his boat—the deckhand
singing on the steamboat deck;
The shoemaker singing as he sits on his bench—the hatter singing
as he stands;
The wood-cutter’s song—the ploughboy’s, on his way in the
morning, or at the noon intermission, or at sundown;
The delicious singing of the mother—or of the young wife at work—
or of the girl sewing or washing—Each singing what belongs to
her, and to none else;
The day what belongs to the day—At night, the party of young
fellows, robust, friendly,
Singing, with open mouths, their strong melodious songs.
A um Estranho
Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe
olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem
procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto,
maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina
comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou
não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto
passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em
retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando
sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.
To a Stranger
Passing stranger! you do not know how longingly I look upon
you,
You must be he I was seeking, or she I was seeking, (it comes to me,
as of a dream,)
I have somewhere surely lived a life of joy with you,
All is recall’d as we flit by each other, fluid, affectionate, chaste,
matured,
You grew up with me, were a boy with me, or a girl with me,
I ate with you, and slept with you—your body has become not yours
only, nor left my body mine only,
You give me the pleasure of your eyes, face, flesh, as we pass—you
take of my beard, breast, hands, in return,
I am not to speak to you—I am to think of you when I sit alone, or
wake at night alone,
I am to wait—I do not doubt I am to meet you again,
I am to see to it that I do not lose you.
A Você
Estranho! se, ao passar, você me encontrar e desejar falar
comigo, por que não falar comigo?
E por que eu não falaria com você?
To You
Stranger! if you, passing, meet me, and desire to speak to me, why
should you not speak to me?
And why should I not speak to you?
A Base de Toda Metafísica
E agora, senhores,
Uma palavra eu lhes dou para permanecer em suas memórias
e mentes,
Como base, e fim também, de toda metafísica.
(Também, para os alunos, o velho professor,
No final de seu curso apinhado.)
Tendo estudado o novo e o antigo, os sistemas grego e alemão,
Kant tendo estudado e exposto – Fichte e Schelling e Hegel,
Exposto o saber de Platão – e Sócrates, maior que Platão,
E maior que Sócrates buscado e exposto – Cristo divino tenho
muito estudado,
Eu vejo reminiscentes hoje aqueles sistemas grego e alemão,
Vejo as filosofias todas – igrejas cristãs e princípios, vejo,
Sob Sócrates claramente vejo – e sob Cristo o divino eu vejo,
O caro amor do homem pelo seu camarada – a atração de
amigo por amigo,
Do marido bem-casado e a esposa mãe de crianças e os pais,
De cidade por cidade, e terra por terra.
The Base of all Metaphysics
And now, gentlemen,
A word I give to remain in your memories and minds,
As base, and finale too, for all metaphysics.

(So, to the students, the old professor,


At the close of his crowded course.)

Having studied the new and antique, the Greek and Germanic
systems,
Kant having studied and stated—Fichte and Schelling and Hegel,
Stated the lore of Plato—and Socrates, greater than Plato,
And greater than Socrates sought and stated—Christ divine having
studied long,
I see reminiscent to-day those Greek and Germanic systems,
See the philosophies all—Christian churches and tenets see,
Yet underneath Socrates clearly see—and underneath Christ the
divine I see,
The dear love of man for his comrade—the attraction of friend to
friend,
Of the well-married husband and wife—of children and parents,
Of city for city, and land for land.
Enquanto eu Ponderava em Silêncio
1
Enquanto eu ponderava em silêncio,
Retornando sobre meus poemas, considerando, muito
demorando-me
Um Fantasma ergueu-se diante de mim, de aspecto
desconfiado,
Terrível em beleza, idade e poder,
O gênio de poetas de antigas terras,
Como se a mim direcionasse seus olhos feito chama,
Com dedo apontado para muitas canções imortais
E voz ameaçadora, O que cantas tu?, disse;
Não sabes que há senão um tema para bardos sempiternos?
E que esse é o tema da Guerra, a fortuna das batalhas,
A feitura de soldados perfeitos?
2
Que assim seja, pois, respondi,
Também eu, altivo Vulto, canto a guerra – e uma maior e mais longa
do que qualquer outra,
Travada em meu livro com fortunas várias – com fuga, avanço e
retirada – a Vitória trêmula e deferida,
(No entanto, creio, certa, ou quase o mesmo que certa, afinal,) – O
campo o mundo;
Pois a vida e a morte – para o Corpo, e para a Alma eterna,
Vede! também venho, entoando o canto das batalhas,
Eu, sobretudo, promovo bravos soldados.
As I Ponder’d in Silence
1
As I ponder’d in silence,
Returning upon my poems, considering, lingering long,
A Phantom arose before me, with distrustful aspect,
Terrible in beauty, age, and power,
The genius of poets of old lands,
As to me directing like flame its eyes,
With finger pointing to many immortal songs,
And menacing voice, What singest thou? it said;
Know’st thou not, there is but one theme for ever-enduring
bards?
And that is the theme of War, the fortune of battles,
The making of perfect soldiers?
2
Be it so, then I answer’d,
I too, haughty Shade, also sing war—and a longer and greater
one than any,
Waged in my book with varying fortune—with flight, advance,
and retreat—Victory deferr’d and wavering,
(Yet, methinks, certain, or as good as certain, at the last,)—
The field the world;
For life and death—for the Body, and for the eternal Soul,
Lo! too am come, chanting the chant of battles,
I, above all, promote brave soldiers.
Cidade de Orgias
Cidade de orgias, passarelas e gozos!
Cidade em quem vivi e cantei em seu meio, que um dia farei
ilustre,
Não os seus pajens – não são seus tableaux inconstantes, seus
espetáculos que me compensam;
Não as suas fileiras intermináveis de casas – não os navios nos
cais,
Não suas procissões nas ruas, nem suas claras janelas, com
suas mercadorias;
Nem dialogar com pessoas instruídas, ou trazer a minha parte
na festa ou banquete;
Não isso – mas, enquanto passo, Ó, Manhattan! seu
relâmpago frequente e ligeiro de olhos que me oferecem amor,
Que oferecem resposta ao meu próprio – estes me
compensam;
Amantes, contínuos amantes, apenas, me compensam.
City of Orgies
City of orgies, walks and joys!
City whom that I have lived and sung in your midst will one day
make you illustrious,
Not the pageants of you—not your shifting tableaux, your
spectacles, repay me;
Not the interminable rows of your houses—nor the ships at the
wharves,
Nor the processions in the streets, nor the bright windows, with
goods in them;
Nor to converse with learn’d persons, or bear my share in the soiree
or feast;
Not those—but, as I pass, O Manhattan! your frequent and swift
flash of eyes offering me love,
Offering response to my own—these repay me;
Lovers, continual lovers, only repay me.
Às Vezes com Alguém que Amo
Às vezes com alguém que amo, me encho de fúria, pelo medo
de extravasar amor sem retorno;
Mas agora penso não haver amor sem retorno – o pagamento
é certo, de um jeito ou de outro;
(Eu amei certa pessoa ardentemente, e meu amor não teve
retorno;
No entanto, disso escrevi estas canções.)
Sometimes with One I Love
Sometimes with one I love, I fill myself with rage, for fear I effuse
unreturn’d love;
But now I think there is no unreturn’d love—the pay is certain, one
way or another;
(I loved a certain person ardently, and my love was not return’d;
Yet out of that, I have written these songs.)

Atualização de véspera de domingo de Páscoa: pois bem,


aproveitando a época e a temática da ressurreição, bastante
cara a Whitman, decidi traduzir mais alguns poemas para
compartilhar com vocês, leitores de nosso blogue. Eles são
parte da sessão “Children of Adam” da obra de Whitman.
Imagino que, através deles, dê para ver como é a relação que
Whitman estabelece com essa temática, bem como com o
cristianismo e a questão do corpo e do pecado (ou falta dele),
em geral Espero que gostem.
Ao jardim, o mundo
Ao jardim, o mundo, renovado em ascensão,
Parceiros potentes, filhas, filhos, em prelúdio,
O amor, a vida de seus corpos, ser e sentido,
Curioso, contemple aqui minha ressurreição, após o sono;
Os ciclos em revolução, em seu amplo movimento, aqui me
trouxeram outra vez,
Amoroso, maduro – tudo belo para mim – tudo maravilhoso;
Meus membros, e o fogo trêmulo que folga neles, pelos mais
maravilhosos motivos;
Existindo, eu perscruto e penetro ainda,
Contente com o presente – contente com o passado,
Ao meu lado, ou atrás de mim, Eva me seguindo,
Ou à frente, e eu a segui-la do mesmo jeito.
To the Garden the World
To the garden, the world, anew ascending,
Potent mates, daughters, sons, preluding,
The love, the life of their bodies, meaning and being,
Curious, here behold my resurrection, after slumber;
The revolving cycles, in their wide sweep, have brought me again,
Amorous, mature—all beautiful to me—all wondrous;
My limbs, and the quivering fire that ever plays through them, for
reasons, most wondrous;
Existing, I peer and penetrate still,
Content with the present—content with the past,
By my side, or back of me, Eve following,
Or in front, and I following her just the same.
Vinda do Oceano Revolto, a Multidão
1
Vinda do oceano revolto, a multidão, chegou suave a mim
uma gota,
Sussurrando, eu te amo, antes que um dia eu morra,
Fiz uma longa viagem, para meramente te ver, te tocar,
Pois eu não podia morrer até eu te ver uma vez,
Pois eu temia poder depois te perder.
2
(Agora nos conhecemos, nos vimos, estamos seguros;
Retorne em paz ao oceano, meu amor;
Sou também parte deste oceano, meu amor – nós não estamos
tão separados;
Contemple a grande curvatura – a coesão de tudo, como é
perfeita!
Mas, quanto a mim, a você, o irresistível mar irá nos separar,
A hora nos carrega, distintos – mas não pode nos carregar
assim para sempre;
Não seja impaciente – por um pequeno espaço – Eu te
conheço, eu saúdo o ar, o oceano e a terra,
Todo dia, no ocaso, por você, meu amor.)
Out of the Rolling Ocean, the Crowd
1
Out of the rolling ocean, the crowd, came a drop gently to me,
Whispering, I love you, before long I die,
I have travel’d a long way, merely to look on you, to touch you,
For I could not die till I once look’d on you,
For I fear’d I might afterward lose you.

2
(Now we have met, we have look’d, we are safe;
Return in peace to the ocean, my love;
I too am part of that ocean, my love—we are not so much
separated;
Behold the great rondure—the cohesion of all, how perfect!
But as for me, for you, the irresistible sea is to separate us,
As for an hour, carrying us diverse—yet cannot carry us diverse for
ever;
Be not impatient—a little space—Know you, I salute the air, the
ocean and the land,
Every day, at sundown, for your dear sake, my love.)
Eras e eras, retornando em intervalos
Eras e eras, retornando em intervalos,
Invulnerado, imortal errante,
Luxurioso, fálico, com lombos potentes e originais,
perfeitamente suave,
Eu, entoador de canções Adâmicas,
Pelo novo jardim, o Ocidente, o chamado das grandes cidades,
Em delírio, preludio assim o que é gerado, oferecendo isso e
oferecendo a mim mesmo,
Banhando-me, banhando minhas canções em Sexo,
Rebentos de meus lombos.
Ages and Ages, Returning at Intervals
Ages and ages, returning at intervals,
Undestroy’d, wandering immortal,
Lusty, phallic, with the potent original loins, perfectly sweet,
I, chanter of Adamic songs,
Through the new garden, the West, the great cities calling,
Deliriate, thus prelude what is generated, offering these, offering
myself,
Bathing myself, bathing my songs in Sex,
Offspring of my loins.
Feito Adão, de Manhã Cedo
Feito Adão, de manhã cedo,
Saindo de sob os galhos, renovado de sono;
Contemplem-me enquanto passo – ouçam-me a voz –
aproximem-se,
Toquem-me – toquem com a palma da mão meu Corpo
enquanto passo;
Não tenham medo do meu Corpo.
As Adam, Early in the Morning
As Adam, early in the morning,
Walking forth from the bower, refresh’d with sleep;
Behold me where I pass—hear my voice—approach,
Touch me—touch the palm of your hand to my Body as I pass;
Be not afraid of my Body.
Ao que foi crucificado
Meu espírito está com o teu, caro irmão,
Não te importes porque tantos, dizendo teu nome, não te
compreendem;
Eu não digo teu nome, mas te compreendo (há outros
também;)
Eu te especifico com graça, Ó, meu camarada, para saudar a ti
e saudar àqueles que estão contigo, antes e depois – e aos que
virão também,
Todos nós labutamos juntos, transmitindo o mesmo fardo e
sucessão;
Nós poucos, iguais, indiferindo a terra, indiferindo o tempo;
Nós, que cingimos todo continente, toda casta – permitindo
toda teologia,
Compaixonados, perceptivos, em harmonia com os homens,
Nós andamos silentes entre disputas e asserções, sem rejeitar
os que disputam, nem o que é assertido;
Nós ouvimos berros e barulhos – somos tocados por divisões,
ciúmes, recriminações por todo lado,
Eles se fecham peremptoriamente sobre nós, para cercar-nos,
meu camarada,
No entanto andamos irrestritos, livres, por todo o mundo, em
jornada por alto ou baixo, até deixarmos nossa marca
indelével sobre o tempo e diversas eras,
Até saturarmos o tempo e as eras, que os homens e mulheres
de raças e eras por vir, possam provar-se como nossos irmãos
e amantes, como nós somos.
To Him that was Crucified
My spirit to yours, dear brother;
Do not mind because many, sounding your name, do not understand
you;
I do not sound your name, but I understand you, (there are others
also;)
I specify you with joy, O my comrade, to salute you, and to salute
those who are with you, before and since—and those to come also,
That we all labor together, transmitting the same charge and
succession;
We few, equals, indifferent of lands, indifferent of times;
We, enclosers of all continents, all castes—allowers of all
theologies,
Compassionaters, perceivers, rapport of men,
We walk silent among disputes and assertions, but reject not the
disputers, nor any thing that is asserted;
We hear the bawling and din—we are reach’d at by divisions,
jealousies, recriminations on every side,
They close peremptorily upon us, to surround us, my comrade,
Yet we walk unheld, free, the whole earth over, journeying up and
down, till we make our ineffaceable mark upon time and the diverse
eras,
Till we saturate time and eras, that the men and women of races,
ages to come, may prove brethren and lovers, as we are.
(Traduções de Adriano Scandolara)