You are on page 1of 16

GLOSSÁRIO SOBRE ECOSSISTEMA AQUÁTICO – ZOOLOGIA

Sandra Oliveira SAGGIOMO & Marlise de Azevedo BEMVENUTI

RESUMO – O ensino de conceitos desconectados do cotidiano, tem resultado no pouco


entusiasmo dos professores e alunos nas aulas de Ciências. A intenção de elaborar uma relação
de palavras e seus significados é o resultado da observação diária, em sala de aula, das
dificuldades dos alunos em compreender o ecossistema aquático. A elaboração deste glossário
sobre o Ecossistema Aquático, voltado para a Zoologia, possibilitará aos alunos o acesso a um
conjunto de termos necessários, mas pouco divulgados, que possam promover a ampliação do
conhecimento do educando sobre a diversidade da vida nos ambientes aquáticos, oferecendo
informações especializadas, atuais e de fácil consulta sobre os vocábulos mais utilizados na
abordagem dos conteúdos sobre o ecossistema aquático.

PALAVRAS-CHAVE: ecossistema aquático, glossário, animais

O ensino de Ciências requer do aluno uma postura reflexiva e investigativa para a


construção da autonomia de pensamento e de ação ampliando, deste modo, suas possibilidades
de crescimento e participação social, os quais tornam-se, muitas vezes difíceis, pois os conteúdos
trabalhados têm apenas uma abordagem livresca por meio de definições e classificações
estanques, apenas memorizadas (Fracalanza, 1986).
O assunto “Ecossistema Aquático” foi escolhido devido à região de Rio Grande (RS) ser
rodeada por água, e localizar-se junto ao estuário que liga a Lagoa dos Patos ao Oceano
Atlântico, através do canal da barra do Rio Grande. Este ambiente estuarino é relativamente raso,
ocupando cerca de 10% do total da laguna. Nesta região é abundante a vida aquática e selvagem,
destacando-se os peixes, aves migratórias, anfíbios, répteis como tartarugas e jacarés, mamíferos
roedores como as capivaras e espécies vegetais nativas ameaçadas de extinção. São animais e
plantas que ocorrem em ambientes de praia, banhados e arredores das lagoas costeiras como a
Lagoa dos Patos, Mirim, Mangueira, nos Sacos do Arraial, do Silveira, do Justino, da Mangueira e
nas marismas. Estes ambientes funcionam como incubadoras da ictiofauna, tornando-se um local
propício para a pesca (Programa Mar de Dentro, 2000).
A preocupação em relacionar a educação com a vida do aluno, seu meio, sua
comunidade, suas necessidades, em nosso país, não é novidade, pois ela vem crescendo desde a
década de 1960 (Brasil,1998). Por esse motivo, elaborou-se este glossário sobre o Ecossistema
Aquático, especialmente Zoologia, permitindo que os alunos tenham acesso a um conjunto de
termos necessários, mas pouco divulgados.
Foi feita uma análise minuciosa nos conteúdos sobre ecossistema aquático, abordados
a
nos livros didáticos de Ciências da 6 série do ensino fundamental (Blinder, 1992; Carvalho &
Fernandes, 1992; Barros, 1995; Gowdak & Martins, 1996; Lopes, 1996; Porto & Marques et al.,
1996; Barros & Paulino, 1997; Silva Jr. et al., 1997; Cruz, 1998; Kucera, 1999; Lopes & Machado,
1999). Procurou-se observar se estes termos estavam acompanhados de uma definição clara, de
gravuras, se traziam notas explicativas de rodapé ou um glossário ao final dos capítulos.
Os termos escolhidos para o glossário foram selecionados nos livros didáticos utilizados
pelos alunos em sala de aula, publicados a partir de 1992. A definição dos termos foi obtida em
diversos livros de Biologia e dicionários de ciências (Abercrombie, 1970; Marques et al., 1973;
Villee, 1979; Verlag, 1980; Bolsanelo, 1982; Storer, 1991).
Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006
16 S. O. Saggiomo & M. A. Bemvenuti

GLOSSÁRIO SOBRE ECOSSISTEMA AQUÁTICO - ZOOLOGIA

Abiótico: ausência de vida; componente do ecossistema que não inclui


os seres vivos. São as substâncias minerais, os gases, o clima;
lugar ou processo sem seres vivos.

Aboral: estrutura situada em posição oposta à boca.

Acasalamento: união de indivíduos de sexos diferentes para fins de


reprodução, facilitando a cópula.

Adaptação: processo no qual os organismos modificam sua estrutura ou


função; capacidade de sobrevivência e de reprodução que um
organismo adquire para manter-se num determinado ambiente.
Figura 1 – Alevino
Adoral: estrutura situada próxima à boca.

Aeróbio: designação de organismo que só se desenvolve em presença de oxigênio.

Água-viva: ver medusa.

Alevino: nome dado aos filhotes de peixes (Fig. 1).

Ambiente: conjunto de condições e fatores bióticos e


abióticos que cercam um organismo.

Ameba: ser de forma irregular, unicelular, que se Figura 2 – Ameba


move por meio de pseudópodes. É um
protozoário do Reino Protista (Fig. 2).

Anelídeo: animal invertebrado que possui o


corpo segmentado em vários anéis
chamados metâmeros. Ex.: minhoca e
sanguessuga (Fig. 3).

Anêmona: animal cnidário marinho na forma de


pólipo, com tamanhos e formas variadas Figura 3 – Minhoca
(Fig. 4).

Anfíbio: organismo animal ou vegetal capaz de viver


tanto na água quanto na terra. Relativo à classe
Amphibia. Ex.: sapo, rã, perereca (Fig. 5).

Anfioxo: pequeno animal pertencente ao grupo dos


cordados primitivos (Protocordados), que
apresenta corda dorsal, mas não tem coluna
vertebral ou esqueleto. Para o estudo da
Zoologia apresenta grande importância, pois é o
elo na evolução da escala animal entre os
invertebrados e os vertebrados.

Antozoário: animal, como as anêmonas-do-mar e os


corais, que pertence ao filo Cnidaria, classe Figura 4 - Anêmona-do-mar
Anthozoa.

Artrópode: animal que pertence ao filo Arthropoda como siris (Fig. 6), camarões, caranguejos
(Fig. 7), escorpiões, centopéias, borboletas, moscas e outros. Apresenta os apêndices

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


Glossário sobre Ecossistema Aquático 17

pares articulados, corpo com cabeça, tórax e abdome segmentado; possuem exoesqueleto,
mudado por inteiro periodicamente.

Assexuada: tipo de reprodução sem fecundação e que não


envolve gametas. Verifica-se em vegetais e animais
numa fase muito primitiva da evolução. Esta
reprodução processa-se, geralmente, pelo método
elementar da divisão do organismo em duas partes
perfeitamente iguais, ou ainda por brotamento.

Assimilação: incorporação de nutrientes digeridos, após a


absorção pelo protoplasma vivo.

Átrio: cavidade interna do corpo dos poríferos (Fig. 8);


cavidade superior; aurícula do coração dos
vertebrados.

Autotrófico: organismo capaz de produzir seu próprio


alimento transformando matéria inorgânica em Figura 5 – Perereca
matéria orgânica. Ex.: vegetais e microalgas.

Figura 6 - Siri Figura 7 - Caranguejo

Bentos: comunidade de seres que vivem sobre ou enterrados no fundo dos oceanos e lagos;
podem ser fixos ou rastejantes. Ex.: anêmona, esponja, ouriço, estrela-do-mar (Fig. 9).

Bexiga natatória: grande saco que ocupa a porção dorsal da


cavidade visceral dos peixes, ajusta o peso específico do
corpo ao da água nos diversos níveis de profundidade
através da eliminação ou absorção de gases pelos vasos
sangüíneos ou pela boca (Fig. 10).

Bioluminescência: é a produção química de luz por seres


vivos. Freqüente em protozoários, medusas, peixes de
profundidade, lulas e em certos insetos.

Biótico: relativo à vida e aos organismos; o que é causado ou


produzido por organismos vivos; aquilo que se relaciona
com ciclo vital, nutrição, respiração, reprodução,
movimento, sensibilidade, etc.

Bisso: é o produto de glândulas secretoras dos moluscos


pelecípodes, como as ostras e mexilhões, que ao entrar Figura 8 – Átrio de um
em contato com a água endurece, auxiliando a fixação porífero; as setas indicam a
destes animais a um substrato duro como rochas, casco circulação da água.
de navios e etc.

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


18 S. O. Saggiomo & M. A. Bemvenuti

Figura 9 – Ambiente aquático mostrando o bentos, o nécton e o plâncton.

Bivalve: molusco que possui concha em duas


partes. Ex.: marisco.

Brânquia: órgão para respiração aquática;


membranas permeáveis que efetuam trocas
gasosas respiratórias entre o meio exterior
aquático e o meio interior, representado por
líquidos orgânicos (Fig.11).

Braquiolária: larva da estrela-do-mar, animal


invertebrado do filo Echinodermata.

Caramujo: denominação popular de molusco


terrestre ou aquático da classe Gastropoda, Figura 10 - Bexiga natatória
com apenas uma concha, univalve.

Caranguejo: artrópode aquático marinho ou de


água doce, da classe Crustacea, com
indivíduos de abdômen curto e dobrado
que se acomoda em uma depressão
ventral. Serve de alimento para o homem e
outros seres aquáticos (Fig. 7).

Carapaça: placa de exoesqueleto, como um


escudo, que cobre parte ou todo o corpo
de muitos artrópodes, formada por quitina
ou cálcio; esqueleto externo dorsal das
tartarugas (quelônios) (Fig. 12).
Figura 11 – Brânquia de peixe
Caravela: organismo colonial tóxico, urticante, de
cor azul, que possui uma câmara de gás, o flutuador. Faz parte da classe Hydrozoa, filo
Cnidaria (Fig. 13).

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


Glossário sobre Ecossistema Aquático 19

Carnívoro: animal que se alimenta da carne


de outros animais.

Cartilagem: tipo de tecido conjuntivo com


flexibilidade e firmeza que constitui o
esqueleto de tubarões e raias, e parte
do esqueleto dos peixes teleósteos.

Cauda: apêndice posterior. Nos animais


inferiores a cauda ocorre por um
prolongamento das partes que Figura 12 – Carapaça de uma tartaruga marinha
constituem o corpo. Nos vertebrados
a cauda é um prolongamento da coluna vertebral.

Cefalópode: molusco pertencente à classe Cephalopoda; animais


com os “pés” na cabeça, como os polvos (Fig.14), lulas
(Fig.15) e náutilos. Os náutilos apresentam concha externa, as
lulas concha interna e os polvos não apresentam concha.
Todos são exclusivamente marinhos e com respiração
branquial.

Cefalotórax: denominação dada à porção anterior do corpo dos


crustáceos e aracnídeos, formada pela fusão da cabeça com o
tórax (Fig. 16).

Celenterado: animal que pertence ao filo Coelenterata ou Cnidaria.


Ex.: as medusas e os corais. Geralmente são marinhos e seu
tamanho varia desde alguns milímetros até dois metros de
diâmetro. Podem ter vida livre ou viverem fixos no fundo do
mar. Figura 13 - Caravela

Célula-flama: célula especializada dos Platelmintos, cuja função é remover o excesso de água e
substâncias nela dissolvidas, para o exterior.

Figura 14 - Polvo Figura 15 - Lula

Célula-ovo: célula sexual feminina de animais e vegetais; o mesmo que óvulo em animais.

Cirrípede: crustáceo de vida fixa que se prende em casco de navios, rochas submersas, ou à
superfície externa das baleias e tartarugas. Também conhecido por cirripédio. Ex.: cracas
(Fig.17).

Cissiparidade: divisão de uma célula dando origem a duas novas células.

Cloaca: câmara situada na região posterior do corpo das aves, répteis e pepinos-do-mar, onde se
abrem as terminações finais dos sistemas digestório, excretor, reprodutor ou respiratório.

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


20 S. O. Saggiomo & M. A. Bemvenuti

Cnidoblasto: o mesmo que cnidócito; células com


substância urticante presente nos animais do filo
Cnidaria.

Colônia: agrupamento de indivíduos de uma mesma


espécie no qual os indivíduos se acham unidos
através de um substrato comum.

Comensal: animal que se associa a outros na forma de


comensalismo.

Comensalismo: associação de dois ou mais indivíduos de


espécies diferentes na qual uma ou mais espécies
são beneficiadas e as outras não são prejudicadas.
Figura 16 - Cefalotórax
Comunidade biológica: denominação que designa o
conjunto das diversas espécies de organismos
animais, vegetais, protistas, bactérias e fungos
que convivem de forma organizada em um
mesmo ambiente.

Concha: valva, envoltório calcário ou córneo que


constitui um esqueleto sólido externo dos
moluscos (em algumas espécies pode ser
interno ou faltar). Serve para a inserção dos
músculos. Pode ocorrer também em
protozoários (Fig. 18).

Figura 17 - Cracas
Condricte: o mesmo que elasmobrânquio.

Consumidor: ser vivo que não tem capacidade de produzir


seu próprio alimento, nutre-se de outros seres vivos.

Copépodo: animal invertebrado microscópico da classe


Crustacea que vive em ambientes aquáticos,
geralmente no plâncton e no bentos. Muitas espécies
são parasitas de peixes, baleias e outros animais.

Cópula: união, ato sexual.

Cordado: animal com notocorda, filo Chordata que possui


cordão nervoso dorsal e fendas brânquiais
faringeanas, pelo menos em alguma fase de sua
vida; inclui os vertebrados, anfioxos e tunicados.

Coral: pólipo marinho, geralmente vivendo em colônias. O


esqueleto calcário que recobre o coral pode se fixar Figura 18 – Conchas de moluscos
a um coral vizinho e formar camadas crescentes que
recebem o nome de recife de coral (Fig. 19).

Corrupto ou corrupio: nome popular de um crustáceo decápode, pertencente à classe


Crustacea (Fig. 20).

Cromatóforo: denominação geral de célula com pigmentos que podem ser escuros, amarelos,
azuis, verdes ou de combinações destes. Em muitos animais os cromatóforos são
capazes de expandir ou contrair seus pigmentos, respondendo aos estímulos luminosos,

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


Glossário sobre Ecossistema Aquático 21

hormonais ou nervosos, modificando


a coloração ou desenhos
característicos da pele do organismo.
Esta possibilidade de modificar os
cromatóforos permite ao animal
confundir-se com o meio ambiente
Ex.: lulas e polvos.

Crinóide: animal que pertence ao filo


Echinodermata (Equinodermos) da
classe Crinoidea. É conhecido
também como lírio-do-mar.

Crustáceo: tipo de artrópode aquático e


marinho, embora alguns vivam em rios
ou em terras úmidas. Apresentam Figura 19 – Corais
várias formas, cores e hábitos, alguns são gregários, mas a maioria é de vida livre. O corpo
é revestido por uma crosta endurecida, origem do nome deste grupo. Ex.: siri (Fig. 6),
caranguejo (Fig. 7), camarão e tatuzinho-de-jardim.

Decápode: animal que apresenta dez


apêndices locomotores (“pés”). A
ordem de crustáceos a qual
pertence o camarão recebe o
nome de Decapoda.

Desova: expulsão para o ambiente dos


óvulos que se desenvolveram
durante determinado período nos
ovários das fêmeas de diversos
peixes e anfíbios.

Detritívoro: ser vivo que consome


matéria orgânica morta, Figura 20 - Corrupto
chamada detrito.

Dióico: organismo que apresenta sexos separados, macho e fêmea.

Dipnóico: peixe que é capaz de respirar fora d’água, engole o oxigênio do ar. Possui pulmões.
Ex.: pirambóia, peixe pulmonado da região amazônica (Fig. 21).

Duna: acumulação de areia, geralmente muito fina, que se move levada pelo vento. As dunas
marítimas podem ser observadas ao longo da orla marítima.

Ecdise: processo de muda (troca) do exoesqueleto em artrópodes, durante o crescimento.

Eclosão: rompimento do ovo para


deixar sair a larva ou filhote.

Ecologia: ramo das Ciências


Biológicas que estudas as
relações entre os seres vivos
e desses com o ambiente.

Ecossistema: é o conjunto de
relações mútuas entre todos Figura 21 – Peixe Dipnóico
os organismos de um
ambiente e suas relações com o meio físico e químico.

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


22 S. O. Saggiomo & M. A. Bemvenuti

Ectoparasita: parasita externo; ser vivo que vive no exterior de seu hospedeiro em relação de
parasitismo.

Ectotérmico: o mesmo que pecilotérmico e heterotermo; animal que apresenta a temperatura do


corpo semelhante à do ambiente. Ex.: peixes, cobras e anfíbios.

Elasmobrânquio: peixe de
esqueleto cartilaginoso, como
o tubarão (Fig. 22) e a raia;
são chamados de condrictes.

Embrião: nos animais é o


organismo em seus primeiros
estágios de desenvolvimento Figura 22 – Tubarão
desde o zigoto (ovo); nas
plantas é o organismo que se forma na semente.

Endoesqueleto: estrutura óssea ou cartilaginosa nos vertebrados (Fig. 23a); ossículos nos
equinodermos (Fig. 23b); fornece sustentação interna.

Figura 23a - Endoesqueleto de um peixe Figura 23b – Equinodermo

Endoparasita: parasita que se estabelece dentro de outro organismo, em órgãos ou cavidades


internas de seu hospedeiro.

Endotérmico: o mesmo que homotérmico; animal que apresenta temperatura do corpo sempre
constante, independente da temperatura do ambiente no qual vive. Ex: mamíferos e aves.

Equinodermo: animal invertebrado que pertence ao filo Echinodermata. Inclui as estrelas-do-


mar, ofiúros (Fig. 24), ouriços-do-mar, bolachas-da-praia (Fig. 25), crinóides e holotúrias
(Fig. 26). São marinhos e nenhum é parasita ou colonial. A maioria apresenta hábitos
bentônicos e são presos ao fundo oceânico ou se movem lentamente sobre o substrato.
Não apresentam cabeça; simetria bilateral quando larva e radial nos adultos; do esqueleto
interno projetam-se espinhos para a superfície externa.

Figura 24- Ofiúro Figura 25 - Bolacha-da-praia Figura 26 - Holotúria ou pepino-do-mar

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


Glossário sobre Ecossistema Aquático 23

Escama: lâmina delgada que cobre a pele da maioria dos peixes. Pode ser: placóide nos
tubarões, ctenóide ou ciclóide nos teleósteos (Fig. 27); placas córneas de formas variáveis
que protegem o corpo dos répteis (Fig. 28).

Figura 28 – Placas córneas do réptil,


Figura 27 - Tipos de escamas de peixes ósseos e
indicadas pelas setas vermelhas
cartilaginosos
Espécie: unidade de classificação, refere-se aos indivíduos capazes de cruzar entre si, originando
descendentes férteis.

Espícula: pequena peça esquelética, que forma o


endoesqueleto das esponjas; pode ser de calcário ou
sílica (Fig. 29).

Espermatozóide: gameta masculino, livre e móvel, produto


específico da gônada masculina. É o elemento Figura 29 – Espículas
fecundante do esperma que penetra no óvulo.

Esponja: animal primitivo de vida séssil que pertence ao filo


Porífera; ver porífero.

Estrela-do-mar: animal marinho presente especialmente em praias


rochosas. Seu corpo consiste de um disco central, com
espinhos calcários na superfície superior e cinco ou mais raios
ou braços. Não possui cabeça destacada no corpo. Pertence
ao filo Echinodermata, classe Asteroidea (Fig. 30).

Estuário: ambiente de água costeira semi-fechado, com conexão


livre para o mar, no qual a água do mar é diluída com a água Figura 30 - Estrela-do-mar
de origem continental (rio, laguna, etc.).

Eucarionte: organismo cujas células possuem o núcleo organizado e separado do citoplasma por
uma membrana, a carioteca. Ex.: animais e vegetais.

Exoesqueleto: o mesmo que esqueleto externo; estrutura de revestimento e sustentação externa


presente nos animais invertebrados como siri, camarão e insetos.

Extinção: ato de exterminar. O termo é utilizado para indicar o desaparecimento de uma espécie.

Filtrador: organismo que utiliza a filtração para recolher partículas suspensas na água que
servirão de alimento.

Fitoplâncton: seres planctônicos autotróficos,


principalmente microalgas, que tem um
papel importante como produtores de
alimento, pois realizam fotossíntese.

Flagelo: projeção filiforme utilizada para a


locomoção de uma célula; encontrado em
células de metazoários como os
espermatozóides e alguns protistas Figura 31 – Organismo protista com flagelo
chamados flagelados (Fig. 31).

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


24 S. O. Saggiomo & M. A. Bemvenuti

Fotossíntese: propriedade das plantas verdes em aproveitar a luz solar e sintetizar matéria
orgânica.

Gameta: célula reprodutora


sexuada não fecundada.

Girino: nome dado às fases


larvais de sapos e rãs
(Fig. 32). Figura 32 – Girinos

Gregário: indivíduo que vive agregado, em bando.

Hábitat: lugar onde vive um organismo no ecossistema.

Herbívoro: denominação dada para o ser vivo que se alimenta de plantas ou algas.

Heterótrofo: denominação do ser vivo que utiliza matéria orgânica produzida por outros
organismos, para sua alimentação. Não
produz seu próprio alimento como os
autótrofos.

Hidra: hidrozoário; pequeno pólipo solitário; animal


multicelular muito simples. Pertence ao filo
Cnidaria, classe Hidrozoa. É delicada,
flexível e mede de 10 a 30 mm. Na superfície
oral apresenta tentáculos circundando a
boca, que auxiliam na obtenção de alimento.
Vivem em água doce, fria e limpa de lagos,
tanques e córregos, fixando-se a pedras e Figura 33 – Hidra em movimento
vegetação aquática (Fig. 33).

Hospedeiro: organismo vivo que abriga no seu corpo


outro ser vivo, geralmente um parasita; serve de
substrato e ou fonte de energia para outro ser.

Invertebrado: animal que não possui coluna vertebral


dorsal.

Lanterna de Aristóteles: conjunto de cinco dentes fortes


com músculos associados, presentes no ouriço-do-
mar e bolacha-da-praia, animais que pertencem ao
filo Echinodermata (Fig. 34). Figura 34 – Ouriço-do-mar, no
detalhe a lanterna de Aristóteles.
Lago: extensão de água doce ou salina cercada de terras.

Laguna: corpo de água costeiro, raso, conectado com o


oceano por um ou mais canais. É orientado geralmente
de forma paralela à costa, separado do oceano por
uma barreira.

Larva: estágio de um animal, após o período embrionário,


com forma diferente do adulto.
Lírio-do-mar: ver crinóide (Fig. 35).

Mandíbula: ossos em forma de arco que formam a boca.


Situam-se na face anterior do crânio dos vertebrados;
apêndice bucal presente nos artrópodes mandibulados,
como insetos, crustáceos e miriápodos.
Figura 35 – Lírio-do-mar
Manto: nome dado à epiderme que recobre a massa visceral dos moluscos e secreta a concha.

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


Glossário sobre Ecossistema Aquático 25

Mar: grande massa de água salgada, na periferia dos oceanos.

Maré: movimento periódico das águas do mar, caracterizado por aumento e diminuição do seu
nível, devido à atração do Sol e da Lua.

Marisco: designação geralmente dada a diversos moluscos bivalves que vivem enterrados no
substrato à beira mar.

Marisma: formação pantanosa plana costeira, em águas rasas


inundadas pela maré; brejo.

Medusa: forma móvel dos cnidários. Geralmente são semi-


esféricas, com tentáculos na margem do corpo e boca no
centro do mesmo. São carregadas pelas correntes
marinhas, pois sua capacidade de natação é limitada. São
animais do zooplâncton (Fig. 36).

Mesogléia: substância que dá aos cnidários uma consistência


gelatinosa.

Metamorfose: processo de mudança na estrutura, forma e


habilidade de vida de um organismo durante o seu
desenvolvimento (Fig. 37).

Migração: movimento periódico feito por organismos, ocasionados Figura 36 - Medusa


por fatores como clima, procura de alimento, época de reprodução, etc.

Molusco: animal de corpo mole, não segmentado, do filo Mollusca. Vive em ambientes terrestres
(caracóis e lesmas), de água doce e salgada (mariscos, ostras e polvos). Geralmente
apresenta uma concha externa. Os moluscos são bons indicadores de poluição. Quando
ocorrem à beira-mar, em uma zona onde se concentram os mais diversos tipos de
poluentes, estes animais são facilmente afetados. Os moluscos são ecologicamente
importantes, pois suas conchas (Fig. 18) também são elementos fundamentais do ciclo do
cálcio.

Monera: reino constituído por bactérias e


cianobactérias que são seres
procariontes. Podem viver como
células isoladas microscópicas ou
formar colônias.

Mutualismo: associação benéfica mútua


entre indivíduos de espécies
diferentes.

Muda: o mesmo que ecdise nos


artrópodes - eliminação de um Figura 37 – Metamorfose de um anfíbio.
revestimento externo, como cutícula, escama, penas ou pêlos.

Nadadeira: extensão do corpo em um animal aquático usada na locomoção. Podem ser de


posição dorsal, anal, peitoral, ventral e caudal (Fig. 38).

Nécton: animais aquáticos que possuem meios próprios de locomoção para vencer o movimento
da água. Ex.: peixes, baleias, tubarões, lulas (Fig. 9).

Nicho ecológico: espaço físico ocupado pelo organismo e seu papel funcional na comunidade.

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


26 S. O. Saggiomo & M. A. Bemvenuti

Notocorda: suporte axial celular


elástico formado ventralmente ao
tubo nervoso no embrião inicial
de todos os cordados, mais tarde
é circundado ou substituído pelas
vértebras na maioria dos
vertebrados.

Ocelo: unidade fotorreceptora de


invertebrados. Funciona como
olhos muito simples.
Figura 38 – Nadadeiras de um peixe
Oligoqueto: classe do filo Annelida;
animal segmentado, sem ventosa, com poucas cerdas em cada anel, geralmente de vida
subterrânea. Ex.: minhoca.

Omnívoro: designação para seres vivos que tem dietas mistas com matéria orgânica de diferentes
origens (bactérias, algas, animais
e detritos orgânicos).

Opérculo: placa óssea que cobre as


brânquias nos peixes teleósteos;
peça que fecha a concha de
alguns moluscos gastrópodes
(Fig. 39).

Ósculo: abertura da parte superior dos


poríferos por onde sai a água com
substâncias desnecessárias e Figura 39 – Opérculo de um peixe teleósteo,
detritos. indicado pela seta
Osteictes: filo Chordata, classe Osteichthyes; peixes de esqueleto ósseo; teleósteos. Ex.:
tainha, linguado, bagre (Fig. 39).

Ovíparo: animal que põe ovos.

Ovo: célula resultante da fecundação do óvulo pelo espermatozóide; zigoto.

Ovovivíparo: animal cujos ovos são incubados e eclodem dentro do corpo materno, como em
alguns peixes, répteis e invertebrados.

Óvulo: célula germinativa de uma fêmea; gameta feminino; produto específico dos ovários.

Ouriço-do-mar: animal que pertence ao filo


Echinodermata. Apresenta o corpo
arredondado, sem braços livres com
espinhos delgados e móveis em toda a
superfície do corpo (Fig. 40).

Parasito: organismo vivo que se aloja em outro


causando prejuízo.

Pecilotérmico: o mesmo que ectotérmico;


característica de animais cuja
temperatura do corpo é variável em
função da temperatura do ambiente.
Figura 40 – Ouriço-do-mar
Peixe: designação geral de vertebrados aquáticos que se movem por meio de nadadeiras;
geralmente fusiformes, com o corpo quase sempre coberto por escamas; habitam todos os
tipos de água; respiram por brânquias, situadas abaixo do opérculo (Fig. 39).

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


Glossário sobre Ecossistema Aquático 27

Pelágica: zona, camada de água que cobre os fundos (de rasos até profundos) dos oceanos,
coluna de água.

Pelágico: organismo que vive na zona pelágica.

Pérola: pedra de valor comercial produzida pelas ostras. Quando um grão de areia fica entre o
manto e a concha a ostra produz camadas de madrepérola ao redor do grão originando a
pérola.

Pigmento: substância que dá cor,


naturalmente ou não, às
células, aos tecidos ou
substâncias no organismo ou
fora dele.

Piracema: nome dado no Brasil à


migração dos peixes, rio
acima, para a desova (Fig.
41). Figura 41 - Piracema

Piscicultura: cultivo, criação de peixes.

Plâncton: organismos, a maioria microscópicos


(invertebrados, microalgas, bactérias e fungos), que
vivem em suspensão na água. Alguns são imóveis,
outros se movem por meio de estruturas como
apêndices, flagelos, cílios e outras. O plâncton divide-
se em fitoplâncton e zooplâncton (Fig. 9).

Pluricelular: ser constituído por várias células. Ex.: animais.

Pólipo: indivíduo de corpo tubular ou cilíndrico do filo dos


cnidários. Vive geralmente fixo no substrato pela
região aboral. Na extremidade livre, apresenta
tentáculos ao redor da boca.

Poliqueto: classe do filo Annelida; animal segmentado,


com muitas cerdas nas projeções laterais do corpo. Figura 42 – Porífero

Porífero: animal aquático multicelular do filo Porifera, cujas células do corpo são organizadas de
tal maneira, que formam pequenos orifícios, denominados poros, em toda superfície do
corpo; são incapazes de realizar movimentos, fixam-se em rochas, conchas e outros
substratos.
Ex.: esponja (Fig. 42).

Praia: espaço de terra, em geral coberta


de areia, limitada com o mar; zona
ora coberta por água, ora exposta
(Fig. 43).

Procarionte: organismo cuja célula não


possui material genético envolvido
por membrana. Ex.: bactérias.

Produtor: organismo vivo que produz


matéria orgânica, a partir de
compostos inorgânicos ou através
de fotossíntese. Figura 43 - Praia do Cassino (Rio Grande – RS)

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


28 S. O. Saggiomo & M. A. Bemvenuti

Protista: organismo eucarionte unicelular com características comuns aos fungos, vegetais e
animais, mas não se encaixam em nenhum destes grupos. Ex.: protozoários, microalgas,
alguns tipos de mofos e bolores, ameba (Fig. 44).

Protozoário: organismo protista heterotrófico


pertencente ao reino Protista. Podem ser de vida
livre, comensais ou parasitas. Ex: a ameba e o
paramécio.

Pseudópode: projeção da membrana plasmática, que


ocorre em algumas células e serve para a captura
de alimento e locomoção (Fig. 2).

Rádula: estrutura calcárea ou quitinosa raspadora,


dotada de dentículos que se encontra fixada sobre
a língua dos moluscos.

Regeneração: substituição natural de partes perdidas do Figura 44 – Organismos Protistas


corpo através de mutilação. Também é utilizada
para a reprodução assexuada. Comum em vários invertebrados como minhocas e estrelas-
do-mar (Fig. 45).

Sanguessuga: vermes aquáticos e terrestres do filo


Annelida. Possuem hábitos predadores ou
parasitários, apresentam ventosas terminais
alargadas para locomoção e fixação (Fig. 46).

Sapróbio: organismo heterótrofo que vive de


substâncias orgânicas mortas ou em
decomposição. Ex.: protozoários, anelídeos,
bactérias, fungos e algas. Estes seres
desintegram a matéria orgânica suspensa no
meio líquido, efetuando depuração biológica das
águas.

Seleção natural: eliminação natural dos indivíduos


menos aptos na luta pela vida e sobrevivência
das variedades de seres vivos mais adaptados ao Figura 45 – Estrelas-do-mar com
meio ambiente. braços regenerados (braços menores)

Séssil: organismo fixo, permanentemente, à superfície de um substrato ou outro organismo;


sedentário que não se desloca livremente.

Simbiose: associação entre dois organismos na qual há


benefícios recíprocos.

Simetria bilateral: tipo de simetria em que um corpo pode


ser dividido por um plano mediano em metades
equivalentes, direita e esquerda, sendo cada uma a
imagem especular da outra.

Simetria radial: tipo de simetria na qual um organismo


possui partes similares arranjadas ao redor de um eixo
central comum, como as estrelas-do-mar e as
medusas.

Substrato: meio físico como rochas, areia, solo de terra e Figura 46 – Sanguessuga
outros, onde se desenvolvem os organismos.

Teleósteo: ver osteíctes.

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


Glossário sobre Ecossistema Aquático 29

Tentáculo: apêndice móvel não articulado, situado geralmente próximo à boca, com função para o
tato, apreensão, fixação e locomoção.

Tunicado: animal pertencente ao filo Chordata, porém sem


crânio (acraniata); vivem livres no mar (plâncton) ou fixos
ao substrato; solitários ou coloniais; a larva é dotada de
corda dorsal rudimentar (notocorda) e cordão nervoso na
cauda; o adulto é desprovido de notocorda e tem cordão
nervoso reduzido.

Turbelário: animal que pertence à classe Turbellaria do filo


Platelminthes; são de vida livre, muito comuns na água
doce ou em solo úmido. Ex.: planária. (Fig. 47)

Unicelular: ser vivo constituído por uma única célula (Fig. 48).
Figura 47 – Planária
Valva: concha externa que reveste o corpo de moluscos bivalves
e braquiópodos.

Vertebrado: animal que apresenta uma coluna vertebral


(espinha); de ciclóstomos a mamíferos.

Vida livre: diz-se do animal que vive livre, ou seja, não é


parasita.

Univalve: concha dos moluscos gastrópodes, que é constituída


por uma só peça. Ex.: caramujo.

Zona abissal: zona marinha muito profunda e totalmente


escura, onde a luz não consegue penetrar. Apresenta
total ausência de organismos fotossintéticos e os animais
que ali vivem estão adaptados às grandes pressões e à Figura 48 – Seres unicelulares
falta de luminosidade. Não se verificam grandes
variações de temperatura e salinidade

Zooplâncton: comunidade de organismos aquáticos que vivem em suspensão; são


exclusivamente heterotróficos (Fig. 9), sendo a maioria animais invertebrados e alguns
protistas.

Zigoto: célula resultante da união de dois gametas o óvulo e o espermatozóide.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABERCROMBIE, M. 1970. Diccionario de Biología. Diccionarios de la nueva colección labor.


Barcelona, 244p.
a
BARROS, C. 1995. Os seres vivos. Ecologia – Programas de Saúde. 43 ed. São Paulo : Ed.
Ática.

BARROS, C. & PAULINO, W. R. 1997. Os seres vivos. (Edição totalmente reformada). São Paulo :
Ed. Ática.

BLINDER, A. D. 1992. Ciência e realidade. Seres Vivos e Ecologia. 6ª série. São Paulo : Atual.
a
BOLSANELO, A. 1982. Nova biblioteca básica de Biologia : Dicionário de Biologia. Vol. 3. 5 ed.
Curitiba : Ed. Educacional Brasileira, 375p.

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006


30 S. O. Saggiomo & M. A. Bemvenuti

BRASIL, 1998 – Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais.


Ciências. – Brasília: MEC/SEF,138p.

CARVALHO, O. B. & FERNANDES, N. L. 1992. Estudando os seres vivos. 6ª ed. Botânica,


Zoologia, Programas de Saúde e Ecologia. São Paulo: Ed. IBEP.
a
CRUZ, D. 1998. Os seres vivos. Ciências e Educação Ambiental. 21 ed. São Paulo : Ed. Ática.

FRACALANZA, H. 1986. O ensino de ciências no primeiro grau. São Paulo : Ed. Atual.
a
GOWDAK, D. & MARTINS, E. 1996. Ciências: natureza e vida. (6 série), São Paulo : FTD, 255p.

KUCERA, L. 1999. Ciências. Uma Produção Humana. 6ª série. São Paulo: Módulo Atual.
a
LOPES, P. C. 1996. Ciências. 6ª série. O Ecossistema - Ambiente Biológico. 9 ed. São Paulo:
Ed. Saraiva.

LOPES, S. & MACHADO, A. 1999. A vida. Ciências 6ª série. São Paulo: Ed. Atual.

MARQUES, H. J. ; GLOCK, L. & BRITO, E. 1973. Dicionário de Ciências. Porto Alegre : Ed.
Globo.
a
PORTO, D. P. & MARQUES, J. L. 1996. Ciências. Os seres vivos. 6 ed. São Paulo : Scipione.

PROGRAMA MAR DE DENTRO. 2000. Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Secretaria da
Coordenação e Planejamento. Porto Alegre.

SILVA JR., C.; SASSON, S. & BEDAQUE, S. P. S. 1997. Ciências entendendo a natureza. Os
a
Seres Vivos no Ambiente. 6ª série. 12 ed. São Paulo : Ed. Saraiva.
a
STORER, T. 1991. Zoologia Geral. 6 ed. São Paulo : Ed. Nacional, 816p.

VERLAG, H. KG. 1980. Dicionário de Biologia. São Paulo : Ed. Melhoramentos, 191p.
a
VILLEE, C. A. 1979. Biologia. 7 ed. Rio de Janeiro : Interamericana, 841p.

Endereço dos autores:


Sandra Oliveira SAGGIOMO
o
Escola Estadual Getúlio Vargas, rua dom Bosco s/n Rio Grande, RS 96.200-000
Email - sansaggiomo@riogrande-rs

Marlise de Azevedo BEMVENUTI


Departamento de Oceanografia, FURG, C. Postal 474 Rio Grande, RS, 96.201-900
Email – docmab@furg.br

Cadernos de Ecologia Aquática 1 (1): 15-30, jan - jul 2006