You are on page 1of 3

HISTÓRIA DA ACUPUNTURA

DATAS HISTÓRICAS
500-300 a.C. - NEI JING (Tratado do Interno): é o livro de Medicina Interna mais antigo do mundo que ainda é estudado, servindo como base da Medicina Tradicional Chinesa. Foi
traduzido para inglês, francês, espanhol e português. A obra está em forma de diálogo entre o imperador e o primeiro-ministro Khi Pa. É composto de 2 partes: SU WEN e LING
SHU. Su Wen significa "consultas" e mostra as bases da MTC. Ling Shu significa "alma dos estudos" e contém as essências da Acupuntura.
Entre 481-221 a.C. - NAN KING (Tratado das Dificuldades): Apresenta interpretações dos trechos mais polêmicos do Neijing.
Século I - SHENG NONG BEN CAO JING (Fitoterapia do Agricultor Divino)
265 d.C. - ZHEN JIU KIA YI JING (Tratado dos Princípios Fundamentais)
Século II - Tratado das Doenças Febris causadas pelo Frio e das Outras Doenças, por Zhang Zhongjing na dinastia Han do Leste (25 a 220 d.C.)
Dinastia Jin (265 a 420 d.C.) - SHANG HAN LUN (Tratado das Doenças Febris causadas pelo Frio), compilado de 10 capítulos do livro anterior por Wang Shuhe.
Dinastia Song (960-1279 d.C.) - JIN KUI YAO LUE FANGLUN (Sinopse das Prescrições do Cofre de Ouro), compilado dos 6 capítulos restantes do livro de Zhang Zhongjing.
1027 d.C. - Atlas e Boneco de Bronze: é um boneco de tamanho natural contendo pontos e meridianos. Os pontos estão perfurados. Dizem que nas provas, é passada uma camada
de cera sobre o boneco e colocada água no interior. Caso o aluno consiga acertar o ponto com agulha, deve escorrer algum líquido. Se isto não ocorrer...
1596 d.C. - BEN CAO GANG MU (Compêndio Geral da Matéria Médica), de Li Shi Zhen, traz 1892 substâncias medicamentosas (1173 ervas, 444 do reino animal, 275 minerais),
e foi traduzido para inglês e francês
1601 d.C. - ZHEN JIU DA CHENG (Grandes Avanços da Acupuntura e Moxabustão)

A CIVILIZAÇÃO CHINESA
A China tem uma das civilizações mais antigas do mundo. Entre todas, é a única a sobreviver continuamente no tempo, mantendo toda a cultura e a tradição. A língua chinesa é a
mais antiga ainda em uso no planeta, é a mais usada no mundo, e guarda as características de transição entre o desenho e a escrita moderna. O nome do território é chamado pelos
chineses de o País do Centro. Os ingleses o denominaram de China pela excelência de sua porcelana. A civilização chinesa tem deixado muitas influências pelo mundo até os dias
atuais. Arroz, soja, laranja, lichia, kiwi, chá, Kung Fu, Tai Chi Chuan, Qi Cong, cama-de-gato, Tangram, Origami, xadrez chinês, dominó, balões, hibisco e crisântemo fazem parte
da vida moderna. Isso fora a culinária chinesa, de fama internacional. Nada tem a ver com os fast foods nem as pastelarias! Quem já não ouviu falar ou experimentou dos
biscoitos da sorte, Chop-suey, rolinho da primavera, frango a xadrez, porco agridoce, maçã caramelado, barbatana de tubarão e ninho de andorinha. Existe aquela frase dizendo:
"Tudo que tem quatro pés, não sendo mesa, pode ser comido". O restaurante, como lugar onde se vai comer por prazer e pelo convívio social, foi uma contribuição dos chineses em
1120 d.C.
O mais antigo tratado de estratégia do mundo, "A Arte da Guerra", foi legado de Sun Tsu há 2.500 anos. Tal obra continua moderna, sendo consultada também nas guerras
comerciais e esportivas do século XX. Seus princípios foram aplicados no futebol pelo técnico Carlos Alberto Silva. O livro I Ching é considerado uma das obras mais importantes
da humanidade. A utilização de gansos como guardas ainda vigora em sítios e chácaras.
A Radiestesia era praticada na China há 4.200 anos. Existe uma xilogravura onde o imperador Kwang Yu segura uma forquilha, ele foi célebre pela capacidade em descobrir jazidas
minerais, lençóis de água, objetos escondidos e determinar os trabalhos da terra de acordo com as diferentes estações. Os chineses eram hábeis em investigações relativas ao
subsolo e em detectar “cauda do dragão” (energia negativa de subsolo) com forquilha. Feng Shui, a arte chinesa de harmonizar as construções com o céu e a terra, e de equilibrar as
energias no interior das casas, hoje está sendo muito utilizado no Ocidente pelos arquitetos e decoradores.
As invenções dos chineses, fora os chamados 4 grandes inventos (pólvora, bússola, papel e imprensa), responsáveis pelas grandes navegações e descobertas do século 15, estão
presentes e úteis nos dias atuais: arreio e estribo, carrinho de mão, chave e fechadura, cheque, construções em arco, escova de dente com cerdas, foguete, fogos de artifício, fósforo,
guarda-chuva, leque, macarrão, nora de alcatruzes, óculos, papel-moeda, pipa, poço de petróleo, queijo de soja, relógio mecânico, seda, sorvete, técnica de animação de sombras
para teatro, tinta nanquim e até o futebol. Sem esta maravilhosa invenção chinesa, o Brasil não seria o tetracampeão.
Qual o primeiro povo a utilizar algo semelhante a caneta? Os chineses utilizavam galhos 1000 a.C. Os chineses foram os primeiros a descrever a declinação magnética da Terra. Os
chineses têm sido grandes matemáticos, inventaram uma calculadora que ainda compete com os modernos computadores, chegaram primeiro à décima casa decimal do número π ,
e até foram responsáveis pelo sistema numérico binário usado em todos os computadores. A China foi famosa pela produção de porcelana. Os chineses denominam o país de
Império do Centro. Os ingleses, fascinados pela qualidade da porcelana, de tanto falar nela, acabaram popularizando o nome inglês de porcelana (china) para o país, e tal nome
ficou até hoje pelo mundo. A atual utilização intensiva do arroz, da soja e do chá foi uma das influências da civilização chinesa. Os jesuítas portugueses de Macau, após estudar a
língua chinesa, consideram-na a origem de todas as línguas mundiais, lançaram até um dicionário de análise semântica. Querem mais? Visitem as igrejas das cidades históricas de
Minas Gerais e encontrarão a influência chinesa na arte barroca mineira.
Querem mais ainda? Os chineses foram os pais da aeronáutica, inventaram a pipa, a pólvora, os fogos de artifício e soltaram os primeiros foguetes sinalizadores.
E todos vocês devem ter ouvido falar daquela grande invenção, muito citado e muito bom, chamado de "Negócio da China"! E agora que grande parte dos produtos vem com a
etiqueta "Made in China"!
Em medicina, implantavam próteses penianas na mesma época que os egípcios, utilizavam a quiroprática há pelo menos 3.000 anos, conheciam a vacinação antivariólica no século
X. Hua To (141-208 d.C.) era o maior cirurgião da China antiga, praticava as primeiras laparotomias, toracotomias, enxertias, rinoplastias, litotomias etc. Ele utilizava decocções de
Cannabis, Aconitum, flor de Datura, e outras ervas. E agora, a maior contribuição dos chineses: a Medicina Chinesa. Na farmacologia, existe obra do século X descrevendo 2.000
plantas medicinais, já traduzida para o Ocidente. O livro Neijing (Tratado do Interno) é o livro de Medicina Interna mais antigo em uso atualmente. Foi traduzido para francês,
inglês, espanhol e português, e continua o livro mais importante da Acupuntura. Ele é constituído de 2 partes: Suwen (Consultas - trata dos princípios da Medicina Tradicional
Chinesa) e Lingshu (Essências - trata especificamente da Acupuntura). O livro foi escrito em forma de diálogo entre Huang Ti (Imperador Amarelo) e seu ministro Khi Pa. O
tratado sobre sexo mais antigo do mundo, escrito em torno de 2500 a.C., tem como autor o mesmo Huang Ti...
No século VI, a Acupuntura chegou à Coréia e Japão. No século XVII, a Acupuntura atingiu a Europa através da Rota da Seda. No entanto, era vista como curiosidade,
representava um método bárbaro praticado por povos estranhos.
Em 1900, Soulié de Morant, diplomata francês lotado em Pequim, conheceu a Acupuntura. Havia uma epidemia de cólera e um empregado chinês da embaixada estava doente. Um
médico chinês foi convocado e surpreendeu a todos aplicando Acupuntura. Diante da eficiência do tratamento, Soulié de Morant se interessou tanto que passou a estudá-lo durante
30 anos em vários hospitais da China, Japão e Coréia. Chegou a escrever ao governo francês sobre as vantagens de implantar a Acupuntura na França.
Ao retornar à França em 1930, passou a demonstrar a Acupuntura para os amigos e médicos, foi tão ridicularizado e marginalizado que chegou a pensar em desistir de tudo. No
entanto, um dos médicos o encorajou a continuar e escrever suas experiências. Lançou então o livro "Compêndio da Verdadeira Medicina Chinesa". Após alguns anos, surgiu a
primeira dissidência. O médico Roger de La Fuye resolveu fundar uma outra associação excluindo Soulié de Morant por este não ser formado em medicina. Começou daí a primeira
dissidência no Ocidente. Soulié de Morant escreveu diversas obras abordando outros aspectos da vida dos chineses: poemas, hábitos, vestimentas etc.
A Acupuntura teve uma grande divulgação mundial em 1972 com a visita do presidente Richard Nixon à China. Um dos jornalistas da comitiva sofreu intervenção cirúrgica para
apendicite aguda num hospital de Pequim. No pós-operatório apresentou dor e distensão abdominal. Veio um médico chinês e tais sintomas foram resolvidos prontamente pela
Acupuntura. Durante a convalescença, descobriu que se realizavam anestesia por Acupuntura naquele hospital. A notícia percorreu o mundo. Muitos neurofisiologistas passaram a
pesquisar tal fenômeno e desvendaram parte dos mecanismos da Acupuntura.
No E.U.A., a Acupuntura foi introduzida pelos imigrantes chineses. Reuben B. Amber, psicólogo norte-americano, passou-se para a Acupuntura depois que ouviu falar na
possibilidade de ela curar doença mental, estudou em Taiwan com Wu Wei Ping, o mais famoso acupunturista da época no mundo. Em 1965, Amber solicitou ao Departamento de
Educação do Estado de Nova Iorque permissão para a prática de Acupuntura. Assim começou a campanha vitoriosa nos EUA.
A profissão de acupunturista só surgiu em torno de 1976 através de julgamento do processo pelo Supremo Tribunal Federal. A estratégia para vencer as resistências foi a divulgação
de cursos e a formação de um número cada maior de acupunturistas. Daí foi aumentando a pressão e os Estados americanos foram obrigados a criar normas e conceder licenças de
trabalho para acupunturista. Atualmente a Acupuntura já foi aceita em todos os Estados. Em Nova York, o médico americano necessita de 100 horas de curso para obter tal licença;
os acupunturistas imigrantes precisam ter certificado de curso no exterior e comprovação da prática de 10 anos. Atualmente existem nos E.U.A. 40 Faculdades de Medicina
Oriental. Os remédios chineses passaram a constituir problema para a indústria farmacêutica norte-americana.
No Brasil a Acupuntura foi introduzida pelos imigrantes orientais, há mais de 80 anos. Entre os ocidentais, Prof. Frederico Spaeth foi considerado o precursor. Ele passou a praticar
a Acupuntura desde 1950. Em 1972, dizem que foi fundada a ABA (Associação Brasileira de Acupuntura).
A ABA foi importante nos anos 70, realizou simpósios e cursos. Devido a disputas internas, onde tiraram até o prof. Frederico da presidência por não ser médico, a ABA foi se
desintegrando.