You are on page 1of 8

13/02/2019 · Tribunal de Justiça de Mato Grosso - 1º Grau

ESTADO DE MATO GROSSO


PODER JUDICIÁRIO
9ª VARA CÍVEL DE CUIABÁ 

SENTENÇA
 
Processo: 1031502-38.2017.8.11.0041.
Processo

AUTOR(A): JOAO DORILEO LEAL


RÉU: ENOCK CAVALCANTE DA SILVA

Vistos etc.
 

ENOCK CAVALCANTI DA SILVA interpôs embargos de


declaração em face da sentença proferida no id. 14138716, que julgou procedente o
pedido inicial para condenar o demandado a pagar ao autor o valor de R$ 28.000,00
(vinte e oito mil reais) a título de danos morais.
 

Assevera o Embargante, em síntese, que este Juízo não viu


o documento anexado no id n.º. 11922424, bem como que a sentença embargada
incorreu em omissão quanto ao chancelamento da delação contra o autor pelo
Poder Judiciário.
 

Sustenta ainda, que não mereceu a devida análise os fatos


narrados na defesa, com relação à deflagração da quinta fase da “Operação
Sodoma”.
 

https://pje.tjmt.jus.br/pje/ConsultaPublica/DetalheProcessoConsultaPublica/documentoSemLoginHTML.seam?ca=4524c1965bc003678a9a61e1e… 1/8
13/02/2019 · Tribunal de Justiça de Mato Grosso - 1º Grau

Por fim, requer seja por este Juízo respondidas, sanadas, as


omissões, obscuridades e contradições apontadas, bem como, seja dado vistas, ou
extraídos fotocópias ao MP, para fins de apuração de toda documentação
encartadasob .
 

É o relatório.
Decido.
 

Inicialmente cabe destacar que os embargos de declaração


têm como norte as previsões inseridas nos artigos 494 e 1.022 e seus incisos, ambos
do CPC, ou seja, o seu ajuizamento somente encontra razão de ser, se a decisão
recorrida estiver afetada por obscuridade, omissão, contradição ou abrigar erro
material, verbis:
 

“Art. 494. Publicada a sentença, o juiz só poderá alterá-la: I -


para corrigir-lhe, de ofício ou a requerimento da parte,
inexatidões materiais ou erros de cálculo; II - por meio de
embargos de declaração.
 

Art. 1.022. Cabem embargos de declaração contra qualquer


decisão judicial para: I - esclarecer obscuridade ou eliminar
contradição; II - suprir omissão de ponto ou questão sobre
o qual devia se pronunciar o juiz de ofício ou a
requerimento; III - corrigir erro material”.
 

No caso dos autos, não existe obscuridade, omissão,


contradição interna ou erro material capazes de autorizar o aclaramento, suprimento
ou correção (retificação) do aresto embargado, que contém extensa e clara
motivação, da qual não destoam suas conclusões.
 

Outrossim, é pacífico o entendimento de que o julgador


não é obrigado a responder a todos os questionamentos deduzidos pelas partes, de
modo que nenhuma omissão padece a decisão que, sobre o cerne da controvérsia,
dedicou todos os esforços de fundamentação do livre convencimento motivado do
magistrado.
 

Nesse sentido, colaciono os precedentes do Egrégio


Tribunal de Justiça deste Estado:
 

RECURSO DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM RECURSO DE


AGRAVO DE INSTRUMENTO –  EMBARGOS  DE TERCEIRO –
LIMINAR QUE SUSPENDEU O TRÂMITE DA AÇÃO PRINCIPAL
https://pje.tjmt.jus.br/pje/ConsultaPublica/DetalheProcessoConsultaPublica/documentoSemLoginHTML.seam?ca=4524c1965bc003678a9a61e1e… 2/8
13/02/2019 · Tribunal de Justiça de Mato Grosso - 1º Grau

– REQUISITOS DA TUTELA INDEMONSTRADOS – ACÓRDÃO


NÃO UNÂNIME – APLIAÇÃO DO QUORUM –
IMPOSSIBILIDADE – RECURSO QUE NÃO DECIDIU O MÉRITO
DA QUESTÃO - VOTO PROFERIDO À LUZ DAS QUESTÕES
MANEJADAS PELAS PARTES E DAS PROVAS EXISTENTES -
INEXISTÊNCIA DE PRECLUSÃO CONSUMATIVA –
CONTRADIÇÃO E OMISSÃO INDEMONSTRADA – RECURSO
DESPROVIDOI - O recurso de  embargos  de  declaração  é a
ferramenta processual ofertada às partes para impugnar
decisão judicial contraditória, obscura ou omissa (artigo
1.022 do CPC), no sentido de aclará-la, integrá-la a realidade
dos autos, evitando que pontos nucleares ao deslinde da
lide restem negligenciados.
II - Conforme se depreende do dispositivo
supramencionado, a hipótese de aplicação da técnica de
julgamento recurso de agravo de instrumento, está adstrita
à decisão do recurso que julgar parcialmente o mérito,
sendo inaplicável ao caso de julgamento de tutela de
urgência.
III - Sobre a alegação de indevida análise do mérito da ação
originária, improcedem os argumentos dos Embargantes,
dado que o voto condutor do Acórdão, ao proceder com o
exame da decisão recorrida, nem de longe ultrapassou os
limites da cognição sumária, própria dos recursos de agravo
de instrumento interpostos de decisão liminar.
IV - O julgador não está obrigado
a  responder  a  todos  os  questionamentos  deduzidos pelas
partes, de modo que nenhuma omissão padece a decisão
que, sobre o cerne da controvérsia, dedicou  todos  os
esforços de fundamentação do livre convencimento
motivado do magistrado. (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO
CÍVEL , QUARTA CÂMARA DE DIREITO PRIVADO, Julgado em
16/05/2018, Publicado no DJE 18/05/2018) (destaquei).
 

EMBARGOS  DE  DECLARAÇÃO  – RECURSO DE APELAÇÃO -


ALEGAÇÃO DE OMISSÃO – NÃO OCORRÊNCIA – PRETENSÃO
DE REDISCUSSÃO DA CAUSA - IMPOSSIBILIDADE –
INEXISTÊNCIA DOS REQUISITOS DO ART. 1022 DO CPC –
PREQUESTIONAMENTO – DESNECESSIDADE
- EMBARGOS REJEITADOS.
Não há falar-se em omissão pelo fato de não constar no
acórdão a completa versão dos fatos, uma vez que o
julgador não está obrigado a responder todas as alegações
das partes, quando já tenha encontrado motivo suficiente

https://pje.tjmt.jus.br/pje/ConsultaPublica/DetalheProcessoConsultaPublica/documentoSemLoginHTML.seam?ca=4524c1965bc003678a9a61e1e… 3/8
13/02/2019 · Tribunal de Justiça de Mato Grosso - 1º Grau

para fundar a decisão, nem está obrigado a ater-se aos


fundamentos indicados por elas e tampouco responder um
a um todos os seus argumentos.
De acordo com o art. 1.025 do CPC, “consideram-se
incluídos no acórdão os elementos que o embargante
suscitou, para fins de pré-questionamento, ainda que
os  embargos de  declaração  sejam inadmitidos ou
rejeitados, caso o tribunal superior considere existentes
erro, omissão, contradição ou obscuridade”. Logo,
desnecessário o manejo dos  embargos  para este fim. (ED
167751/2016, , SEGUNDA CÂMARA DE DIREITO PÚBLICO E
COLETIVO, Julgado em 07/03/2017, Publicado no DJE
23/03/2017)
 

Não é demais lembrar que o STJ já decidiu que o julgador


não está obrigado a responder a todas as questões suscitadas pelas partes, quando
já tenha encontrado motivo suficiente para proferir a decisão (STJ. 1ª Seção. EDcl no
MS 21.315-DF, Rel. Min. Diva Malerbi -Desembargadora convocada do TRF da 3ª
Região, julgado em 8/6/2016 - Info 585).
 

A doutrina é no mesmo sentido:


 

"O juiz não está obrigado a responder todas as alegações


das partes, quando já tenha encontrado motivo suficiente
para fundar a decisão, nem se obriga a ater-se aos
fundamentos indicados por elas e tampouco responder um
a um todos os seus argumentos." (in Theotonio Negrão,
Código de Processo Civil e legislação processual em vigor,
27.ª ed., p. 414). (destaquei)
 

Como já explicitado inicialmente, os declaratórios apenas


são cabíveis nos casos de omissão, obscuridade ou contradição, não se prestando a
reapreciar a causa, tampouco a reformar o entendimento proferido, em razão dos
rígidos contornos processuais desta espécie de recurso. 
 

Insta consignar que os Embargos de Declaração é recurso


de natureza particular, seu objetivo é esclarecer o real sentido de decisão eivada de
obscuridade, contradição ou omissão e, para sanar julgamento proferido com base
em premissas equivocadas.  
 

Ou seja, o simples descontentamento do Embargante com


o julgado ou a análise de provas não tem o condão de tornar cabível este Recurso
que, como dito, serve ao aprimoramento da decisão, quando nela há pontos

https://pje.tjmt.jus.br/pje/ConsultaPublica/DetalheProcessoConsultaPublica/documentoSemLoginHTML.seam?ca=4524c1965bc003678a9a61e1e… 4/8
13/02/2019 · Tribunal de Justiça de Mato Grosso - 1º Grau

omissos, obscuros e/ou contraditórios e quando está pautada em premissa


equivocada.
 
Assim, não cabe opor Embargos de Declaração para forçar
a reapreciação da matéria, quando a decisão embargada foi proferida com clara
exposição das razões de fato e de direito, pois os Declaratórios não podem ser
utilizados para o reexame e novo julgamento do que já foi decidido.
 
Nesse sentido, é a jurisprudência:
 

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. HIPÓTESES DO ART. 535 DO


CPC. NAO-CARACTERIZAÇÃO. Os embargos de declaração
não servem para rediscutir o mérito da causa, nem para
renovar ou reforçar os fundamentos da decisão e nem para
explicitar dispositivos de lei, especialmente se a lide foi
fundamentadamente solvida. O julgador não está obrigado
a responder a todas as alegações dos litigantes. Hipóteses
do art. 535 do CPC que não se caracterizam. Ademais,
mesmo os chamados embargos com fins de pré
questionamento estão sujeitos aos lindes da precitada
regra da Lei Adjetiva. EMBARGOS DESACOLHIDOS.
(Embargos de Declaração Nº 70010285583, Nona Câmara
Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Adão Sérgio do
Nascimento Cassiano, Julgado em 1º-12-2004). (sem grifos
no original).
 
Colhe-se de modo pacífico na Jurisprudência este
entendimento, conforme precedente do Egrégio Tribunal de Justiça do Distrito
Federal:
 
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. OBSCURIDADE,
CONTRADIÇÃO E OMISSÃO. INEXISTÊNCIA DOS VÍCIOS
APONTADOS. RECURSO VOLTADO AO REEXAME DO MÉRITO
E AO REFORÇO DA FUNDAMENTAÇÃO. EMBARGOS
IMPROVIDOS. ANALISANDO O V. ACÓRDÃO IMPUGNADO
TODA A MATÉRIA DEBATIDA, CONCLUI-SE QUE A CORRETA
APRECIAÇÃO E VALORAÇÃO DAS PROVAS PRODUZIDAS
CONSTITUI QUESTÃO DE MÉRITO, NÃO SENDO OS
EMBARGOS DECLARATÓRIOS A VIA ADEQUADA PARA A
REDISCUSSÃO DA CAUSA, NEM MEIO IDÔNEO PARA
OBRIGAR O JULGADOR A REFORÇAR A FUNDAMENTAÇÃO.
(TJDF, Emb. Decl. na APC 19990110826784, 2ª T. Civ., Rel.
Desa. Carmelita Brasil, j. 18.03.2004, DJ 16-6-2004, p. 38)
(sem grifos no original).
 

https://pje.tjmt.jus.br/pje/ConsultaPublica/DetalheProcessoConsultaPublica/documentoSemLoginHTML.seam?ca=4524c1965bc003678a9a61e1e… 5/8
13/02/2019 · Tribunal de Justiça de Mato Grosso - 1º Grau

As insurgências indicada deverá ser objeto de recurso para


o segundo grau de jurisdição, o qual poderá conhecer e reformar a sentença de
primeiro grau, se for o caso.
 

O acolhimento da pretensão do embargante por este


recurso, feri o princípio do duplo grau de jurisdição e também o princípio da
inalterabilidade.
 

Isso porque, qualquer pretensão de modificação quanto ao


teor da decisão dever ser feita, se for o caso, pelo Egrégio Tribunal de Justiça,
mediante provocação através de interposição de recurso de apelação/agravo de
instrumento, etc., pois são os remédios processuais destinado a corrigir erro de
forma (vício de procedimento) ou reexaminar provas.
 
A propósito segue os seguintes julgados do nosso e.
Tribunal:
 
“EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - MANDADO DE SEGURANÇA
- INOBSERVÂNCIA AO ARTIGO 535 DO CPC - VÍCIOS NÃO
DEMONSTRADOS - IMPOSSIBILIDADE DE REDISCUSSÃO DA
MATÉRIA - EMBARGOS DESPROVIDOS. Nega-se provimento
aos embargos de declaração, quando ausentes as omissões
e contradições apontadas pelo embargante e se pretende,
tão somente, rediscutir a matéria já apreciada.”
apreciada (TJMT - ED,
97532/2011, DESA.MARIA EROTIDES KNEIP BARANJAK,
TURMA DE CÂMARAS CÍVEIS REUNIDAS DE DIREITO
PÚBLICO E COLETIVO, Data do Julgamento 03/11/2011, Data
da publicação no DJE 25/11/2011) destaquei.
 
“EMBARGOS DE DECLARAÇÃO DE EMBARGOS DE
DECLARAÇÃO - AGRAVO REGIMENTAL - MANDADO DE
SEGURANÇA - ALEGAÇÃO DE OMISSÃO NÃO CONFIGURADA
- EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NÃO PROVIDOS. Os
embargos de declaração não se prestam à revisão de
entendimento e nem a reexame da prova, mas à correção
de contradição, obscuridade ou omissão, que no caso não
se verificam”.
verificam (TJMT - ED, 132459/2009, DES.A. BITAR FILHO,
TRIBUNAL PLENO, Data do Julgamento 11/03/2010, Data da
publicação no DJE 26/04/2010) negritei.
 
“EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - EFEITO INFRINGENTE -
OMISSÃO E CONTRADIÇÃO NÃO CARACTERIZADAS -
IMPOSSIBILIDADE DE REDISCUSSÃO DA MATÉRIA - REJEIÇÃO
DOS EMBARGOS. São improcedentes os embargos
declaratórios em que as questões levantadas traduzem
inconformismo com o teor da decisão embargada e
https://pje.tjmt.jus.br/pje/ConsultaPublica/DetalheProcessoConsultaPublica/documentoSemLoginHTML.seam?ca=4524c1965bc003678a9a61e1e… 6/8
13/02/2019 · Tribunal de Justiça de Mato Grosso - 1º Grau

pretendem rediscutir matérias já decididas, sem


demonstrar omissão, contradição ou obscuridade. Não se
prestam os declaratórios a lograr efeito infringente para
modificar o julgado e adequá-lo ao entendimento esposado
pela embargante”.
embargante (TJMT - ED, 17172/2007, DES.GUIOMAR
TEODORO BORGES, TERCEIRA CÂMARA CÍVEL, Data do
Julgamento 19/03/2007, Data da publicação no DJE
28/03/2007) destaquei.
 

Além disso, caso o presente recurso se prestasse à


finalidade de alteração substancial da decisão, o princípio da adequação estaria
tacitamente revogado, uma vez que haveria dois recursos com a mesma finalidade.
 

Assim, ausentes as outras hipóteses do artigo 1.022 do


Novo Código de Processo Civil, devem ser desacolhidos os embargos, pois a
discordância do Embargante não tem o condão de torná-la omissa, obscura ou
contraditória, não servindo os embargos como meio de rejulgamento da demanda.

Dessa forma, conheço dos embargos e os REJEITO


REJEITO, porque,
embora rotulados Declaratórios, estes Embargos pretendem conduzir a novo
julgamento, com reapreciação daquilo que ficou decidido.
 
Assim sendo, mantenho a sentença como lançada.
 

Intimem-se.
 

Cumpra-se.
 

Cuiabá-MT, 04/02/2019.
 

SINII SAVANA BOSSE SABOIA RIBEIRO


            Juíza de Direito em Substituição Legal
 

 
 

https://pje.tjmt.jus.br/pje/ConsultaPublica/DetalheProcessoConsultaPublica/documentoSemLoginHTML.seam?ca=4524c1965bc003678a9a61e1e… 7/8
13/02/2019 · Tribunal de Justiça de Mato Grosso - 1º Grau

Assinado eletronicamente por: SINII SAVANA BOSSE SABOIA RIBEIRO


11/02/2019 18:25:29
https://m.tjmt.jus.br/codigo/PJEDASQPJJSDF
ID do documento: 14838521

PJEDASQPJJSDF
IMPRIMIR GERAR PDF

https://pje.tjmt.jus.br/pje/ConsultaPublica/DetalheProcessoConsultaPublica/documentoSemLoginHTML.seam?ca=4524c1965bc003678a9a61e1e… 8/8