You are on page 1of 2

E.A. diferente de PNA. N�o segue o PNA.

Ele explica o E.A.


Religi�o n�o implica na exist�ncia de Deus.

22:40 K 03

E.A. leva ao PNA pois coloca a propriedade acima de qualquer ponto moral.
Todo religioso tem o seu norte moral, seu princ�pio moral.
PNA utilitarista.

Se o conhecimento � limitado como podemos conhecer Deus. (algo de Deus n�s


conhecemos).
N�o vale atribuir o valor trabalho � algo para garantir sua validade.
Disse que deve-se reconhecer todo o indiv�duo pois o indiv�duo utiliza-se
totalmente de si para argumentar.
A �tica n�o � subjetiva.

O niilismo n�o seria o utilitarismo puro pois vc n�o coseguiria justificar seu ato.
Questiona se o bem e ruim existir apenas com a moralidade seria um argumento da
moralidade.

57:44 K 5

Sem Deus n�o h� normatividade.


Ele cita os argumentos.
Existem religi�es superiores.

1:10:05

E.A.
Religi�es sem Deus.
Demonstrar Deus.

04:35 K 01

Kogos diz que acredita em uma moral absoluta que pauta o estudo da �tica e que cuja
exist�ncia deriva da exist�ncia de Deus.

06:05 F 01

Derivar alguma valida��o partindo de argumentos que est�o em Deus, pois Deus n�o
pode ser provado pela raz�o.
Ele tamb�m pretende provar que a �tica de hoppe � correta.

11:35 K 02

Cr�tica a E.A. e ao PNA pq ele n�o � axiom�tico. N�o � aplic�vel ao mundo real.

f diz que kogos disse que se pode circuncidar um bb pois o msm n�o pode argumentar
e ao dizer isso ele se contradiz no seu primeiro exemplo

Fhoer diz que se todas as religi�es possuem princ�pios morais elas deveriam ter os
mesmos valores morais.
Fhoer diz que kogos mudou de ponto ao afirmar que toda religi�o tem um princ�pio
quando, anteriormente, teria afirmado que toda religi�o reconhece Deus.
K disse que uma coisa �

46:50 F 04

Dizer que uma religi�o est� acima da outra � quest�o de f�.


Pede para provar Deus.
Nem toda religi�o busca Deus.

15:35 F 02

28:05 F 03

Fhoer mais uma vez diz que n�o defende o PNA e contra argumentar o PNA seria
atribui-lo uma ideia que ele n�o defende.
Diz que a E.A. n�o leva ao PNA pois ele n�o seria um princ�pio. Ela seria,
portanto, uma norma. O princ�pio seria a propriedade pois ela deve ser demonstrada
anteriormente. (demonstrar n�o)
Imposs�vel negar o E.A. sem se contradizer.

A �tica n�o trata das a��es e sim das natureza das coisas.
Kogos fala que o exemplo da crian�a concentir j� testemunha que voc� utiliza de
regras externas ao pr�prio E.A. para regula-lo. O que o invalida quanto a
simplica��o pois n�o abarca todas as possibilidades do mundo real.

boa por causa de Deus, F pede para demonstar Deus.


Os princ�pios absolutos n�o podem ser contradit�rios.

35:20 K 04