You are on page 1of 109

FACULDADE

 DE  DIREITO  DA  UNIVERSIDADE  NOVA  DE  LISBOA    


DOCENTE  PEDRO  CAETANO  NUNES  
 
 
DIREITO  DAS  SOCIEDADES  
4º  ANO  –  SEGUNDO  SEMESTRE  
 
AULAS  TEÓRICAS  
 
 
Contactos:  
 
pedro.caetanonunes@fd.unl.pt  
pedrocaetanonunes@hotmail.com    
 
Bibliografia:    
 
• Abreu,  Jorge  Manuel  Coutinho  de  -­‐  Curso  de  Direito  Comercial,  II,  5.ª  ed.,  Coimbra,  Almedina,  2015  
• Antunes,  José  Augusto  Engrácia  -­‐  Direito  das  Sociedades,  Porto,  edição  do  Autor  
• Cordeiro,  António  Menezes  –  Direito  das  Sociedades,  I,  3ª  ed.,  Coimbra,  Almedina,  2011  
• Cunha,  Paulo  Olavo  –  Direito  das  Sociedades  Comerciais,  6.ª  ed.,  Coimbra,  Almedina,  2016  
• Duarte,  Rui  Pinto  –  Escritos  sobre  Direito  das  Sociedades,  Coimbra,  Coimbra  Editora,  2008  (capítulos  I  e  II)  
 
[Para  o  professor,  os  dois  primeiros  manuais  são  melhores.  Releva  ainda  a  leitura  de  Rui  Pinto  Duarte,  ainda  que  este  
seja  incompleto  a  nível  da  matéria.  Tem  importância  essencialmente  em  dois  capítulos.]  
 
Textos  de  Apoio  de  Análise  em  Aula:  
 
• Texto  4  –  Common  Law;  
• Texto  5  e  6  –  Capacidade  de  Gozo  e  Representação  (ou  Vinculação);  
• Textos  7  e  8  –  Representação;  
• Texto  9  –  Negócio  consigo  mesmo;  
• Textos  10  e  11  –  Direito  Especial  à  Gerência;  
• Texto  12  –  Estatutos  do  BPI;  
• Textos  14  e  15  –  Deliberações  do  Conselho  de  Administração  
• Textos  16  e  17  –  Destituição  de  Gerentes  ou  Administradores;  
• Texto  18  –  Lealdade  dos  Administradores;  
• Texto  22  –  Aquisição  Tendente  ao  Domínio  Total.  
 
Aula  de  14  de  fevereiro  de  2017  
 
ASPECTOS  INTRODUTÓRIOS  
 
O  Direito  das  Sociedades  abarca  as  sociedades  comerciais  e  civis.  Vamos  focar-­‐nos  nas  comerciais.  No  geral,  e  
nas  demais  Faculdades  de  Direito,  não  se  fala  de  Direito  das  Sociedades,  mas  de  Direito  Comercial  (onde  a  primeira  fase  
de  discussão  incide  sobre  os  actos  de  comércio,  por  via  a  determinar  quando  é  que  se  aplica  o  Direito  Comercial  –   ou  
seja,   a   primeira   coisa   que   se   discute   é   o   que   é   um   acto   de   comércio).   Peca,   no   sentido   em   que   se   demora   muito   tempo   a  
discutir  ou  debater  o  que  é  um  acto  de  comércio,  e  depois  fala-­‐se  apenas  na  constituição  de  sociedades.  No  nosso  caso,  
iremos  dar  a  matéria  das  sociedades  com  maior  amplitude.    
 

Página  |  1    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Interessa,   em   especial,   para   o   Direito   Privado.   Tem   também   interesse   para   o   Direito   Público,   no   sentido   em  
que   é   nesta   disciplina   que   se   desenvolve   a   teoria   das   pessoas   colectivas   (personalidade   colectiva).   Para   o   Direito  
Privado:   a   grande   parte   da   riqueza   actual   não   é   fundiária,   mas   está   essencialmente   em   acções   e   instrumentos  
financeiros  –  os  quais,  em  grande  medida,  estão  na  posse  de  pessoas  colectivas.    
 
1. INTRODUÇÃO  
1.1 A  SOCIEDADE  ENQUANTO  ENTE  JURÍDICO  E  ENQUANTO  CONTRATO  
 
1.1.1. POSSIBILIDADE  DE  NEGÓCIO  INSTITUTIVO  DE  SOCIEDADE-­‐ORGANIZAÇÃO  PRATICADO  POR  UMA  SÓ  PESSOA  
1.1.2. POSSIBILIDADE  DE  A  SOCIEDADE-­‐ORGANIZAÇÃO  TER  FONTE  LEGAL  
 
Dupla  natureza  da  sociedade:  a  sociedade  pode  ser  vista  como  um  contrato  ou  como  entidade  (organização).  
Ao  falar  de  sociedade  pode  referir-­‐se  uma  coisa  ou  outra,  é  um  termo  polissémico.  É  um  animal  com  dupla  natureza,  
i.e.,  há  aspectos  que  relevam  da  natureza  contratual  e  aspectos  que  transcendem  essa  natureza   –  pelo  facto  de  existir  
ali  uma  entidade  jurídica.  Há  algo  mais  que  a  dimensão  contratual.  Não  existe  apenas  o  contrato  celebrado  entre  um  
conjunto   de   pessoas,   mas   também   uma   pessoa   colectiva   que   se   projecta   ao   longo   do   tempo,   com   relações   entre   os  
membros  e  os  credores  (projecção  da  relação  ao  exterior).    
 
A   «sociedade   contrato»   será   um   contrato   que   se   caracteriza   pela   obrigação   de   contribuir   com   bens   e   serviços  
para   uma   actividade   económica.   Ex.:   a   compra   e   venda.   Entrega   da   coisa   e   do   preço   e   transferência   do   bem   como  
efeito  real.  Já  no  contrato  sociedade,  é  obrigação  de  contribuir  com  bens  e  serviços.    
 
A   «sociedade   entidade,   organização   ou   instituição»   é   um   certo   tipo   de   organização   de   pessoas   e   bens  
dedicada   à   prossecução   de   uma   actividade   económica.   Uma   organização   com   pessoas   e   bens   (matéria   palpável)   para   a  
realização   da   finalidade   económica.   Esta   ideia   de   organização   é   uma   ideia   de   difícil   explicação.   A   própria   noção   de  
organização  é  um  conceito  que  se  desenvolve  à  medida  que  se  aprofundam  os  conhecimentos  da  disciplina.    
 
A   sociedade   entidade   é   paradigmaticamente   gerada   pela   sociedade   contrato.   Na   origem   da   entidade   está,   por  
regra,   um   contrato   de   sociedade.   Mas   há   excepções,   uma   vez   que   é   possível   constituir   a   sociedade   entidade   por   via   de  
um   negócio   jurídico   unilateral   (arts.   270º-­‐A:   quotas   unilaterais,   com   um   único   sócio   e   uma   declaração   negocial   singular  
–  sociedades  que  também  existem  em  Espanha  –  sociedade  por  quotas  unilateral;  478º:  constituição  de  uma  sociedade  
por  outra  sociedade  comercial,  respeita  os  grupos  de  sociedades).    
 
Mas   também   existem   outros   actos,   que   não   jurídicos,   que   constituem   sociedades:   legislativos.   A   entidade,   por  
regra,  é  criada  pela  sociedade  contrato,  mas  nem  sempre  é  assim.  Convém  ter  esta  ideia  em  mente.  Assim,  a  dimensão  
contratual  nem  sempre  existe.    
 
Na   história   do   pensamento   ocidental,   o   conceito   de   sociedade   contrato   precedeu   o   de   sociedade   entidade.  
Sobre  sociedade  enquanto  contrato  fala-­‐se  desde  o  Direito  Romano  (Societas  enquanto  modalidade  contratual  em  Roma).   A  ideia  
de   que   gera   uma   organização   com   personalidade   jurídica   levanta   o   problema   da   criação   dos   entes   colectivos,   mas  
enquanto   uma   problemática   moderna   (fim   da   Idade   Média).   As   companhias   privilegiadas   são   antecessoras   das  
sociedades  anónimas  (o  exemplo  paradigmático  é  o  da  companhia  privilegiada  holandesa).  A  discussão  sobre  os  entes  
autónomos  (i.e.,  entidade  idealizada  que  transcende  os  seres  humanos)  surge  aqui.    
 
1.2. SENTIDOS  DA  EXPRESSÃO  «CONTRATO-­‐SOCIEDADE»:  NEGÓCIO  INSTITUTIVO  E  ESTATUTOS    
 
Há  uma  dupla  dimensão  da  sociedade  contrato  (diferente  de  dupla  dimensão  da  sociedade).  Por  um  lado,  há  o  
negócio  jurídico  institutivo  e,  por  outro,  os  estatutos  ou  pacto  social.  No  contrato  de  sociedade  há  uma  dupla  dimensão  
(diferente  de  dupla  natureza).  Há  determinadas  estipulações,  ou  cláusulas,  que  regulam  o  funcionamento  da  sociedade  
entidade  ao  longo  do  tempo.  Uma  parte  do  conteúdo  do  contrato  que  regula  o  funcionamento  da  sociedade  ao  longo  
do  tempo.  São  cláusulas  estatutárias  que,  por  exemplo,  estabelecem  o  número  de  votos  necessários  para  alterar  um  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

órgão   da   sociedade;   ou   a   actividade   económica   a   ser   prosseguida;   ou   delimitam   a   firma,   o   nome   da   sociedade;   ou  
delimitam  o  direito  de  voto.  São  cláusulas  importantes  para  as  sociedades  anónimas.    
 
São   assim   cláusulas   estatutárias,   que   pertencem   aos   estatutos.   Em   contraposição,   temos   outros   elementos  
que   se   esgotam   no   momento   da   constituição.   A   própria   declaração   de   vontade   no   sentido   de   criar   a   sociedade;   a  
identificação   dos   sócios   originários   e   das   suas   obrigações   de   entrada;   são   elementos   que   relevam   da   instituição,   da  
sociedade,   que   podem   ser   contrapostos   aos   elementos   que   regulam   a   sociedade   ao   longo   do   tempo   (estatuto).   No  
Código   das   Sociedades   raramente   surge   o   termo   dos   Estatutos.   Entre   nós,   considera-­‐se   que   não   se   tratam   de   dois  
actos,  mas  de  duas  dimensões  do  mesmo  negócio  jurídico.    
 
1.3. A  DIVERSIDADE  DOS  TIPOS  DE  SOCIEDADES  COMERCIAIS  
 
Existem  cinco  tipos  base:  a  sociedade  civil  (arts.  980º  e  ss,  CC);  em  nome  colectivo;  por  quotas;  anónimas;  e  em  
comandita   (CSC).   Além   destes,   temos   subtipos,   designadamente,   nas   sociedades   anónimas,   temos   as   abertas   e  
fechadas,  sendo  que  dentro  das  abertas,  temos  as  cotadas  e  as  não  cotadas.  Estes  subtipos  traduzem-­‐se  em  regimes  
jurídicos   com   carácter   especial   face   ao   regime   geral   das   sociedades.   Estes   conceitos   estratificados   implicam   regimes  
jurídicos  especiais.    
 
Existem  ainda  subtipos  especiais  em  função  do  objecto.  Assim,  existem  as  sociedades  anónimas  que  são  SGPS  
(Sociedade  Gestora  de  Participações  Sociais,  na  gíria,  uma  holding,  que  está  no  topo  das  sociedades  «filhas»,  a  «mãe»).  
Há  um  DL  especial  aplicável  a  este  tipo  de  sociedades.  As  sociedades  anónimas  desportivas  são  um  subtipo  especial  em  
função   do   objecto   (ex.:   SAD   do   Sporting).   Há   o   exemplo   ainda   das   sociedades   anónimas   de   gestão   de   imóveis.   São  
todos  regimes  especiais  de  sociedades  anónimas  em  função  do  objecto.    
 
1.4. CONTRAPOSIÇÃO  ENTRE  SOCIEDADE  CIVIL  E  SOCIEDADE  COMERCIAL  
 
Terá   na   base   a   distinção   do   campo   de   aplicação   entre   o   direito   civil   e   o   direito   comercial.   O   direito   civil   é  
herdeiro   do   direito   romano;   é   direito   privado   comum.   O   direito   comercial   emancipou-­‐se   desse   direito   privado   comum,  
ao  longo  da  história,  com  início  da  Idade  Média  (florescimento  do  comércio,  das  relações  entre  comerciantes).  Surge  
primeiro   o   direito   romano,   o   conhecimento   passa   depois   para   os   teóricos   da   Igreja   na   Idade   Média   –   período   de  
recessão.  Assim,  os  conceitos  herdados  dos  romanos  eram  explicados  pelos  teóricos  clérigos,  sem  imposição  estadual  
ou   base   legal.   Era   um   direito   comum   na   Europa   dos   países   que   resultaram   da   queda   do   Império   Romano.   Isto   é   a   base  
do  direito  civil.  Com  os  Estados  Modernos,  a  emergência  dos  Estados  com  fronteiras,  e  o  maior  peso  da  lei  enquanto  
Estado  de  Direito,  surgiu  um  maior  valor  do  Direito  (direito  civil).  Por  contraposição  a  tudo  isto,  temos  o  surgimento  do  
direito  comercial,  com  a  origem  consuetudinária  –  os  comerciantes  foram  desenvolvendo  o  comércio,  em  terra,  entre  o  
Sul  e  o  Norte  da  Europa.  Estabeleceram  regras  distintas  das  regras  do  direito  romano;  mais  protectoras  dos  credores  do  
que  dos  devedores;  que  facilitam  as  trocas  à  distância  (letras,  livranças,  notas  de  crédito).    
 
⇒ Temos   desta   forma   um   direito   comercial   e   um   direito   civil,   sendo   que   falar   de   um   e   de   outro   é   o  
mesmo  que  falar  de  um  direito  para  os  comerciantes  ou  empresários  e  um  direito  para  os  cidadãos.    
 
Do  ponto  de  vista  técnico-­‐jurídico,  há  dois  critérios:  
 
(1) Objectivo  –  define  o  acto  de  comércio;  
(2) Subjectivo  –  define  o  comerciante.    
 
Ao  longo  da  história  foram  utilizados  estes  dois  critérios  para  se  saber  quando  se  aplicava  o  direito  comercial.  
Com  as  primeiras  codificações  comerciais,  prevaleceram  estes  critérios.  No  nosso  Código  Comercial,  a  Carta  de  Lei  de  
28  de  Junho  de  1888.  O  Código  vigente  adopta  o  critério  objectivo,  o  critério  do  acto  de  comércio.  Contudo,  também  dá  
uma  margem  ao  critério  subjectivo.  A  noção  de  comercialidade,  em  Portugal,  é  uma  noção  objectiva.  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

De   acordo   com   o   Código   de   1888,   os   actos   de   comércio   são   os   regulados   no   Código   Comercial.   O   elenco   de  
actos  de  comércio  é  um  elenco  que  constitui  um  precipitado  histórico  criticável.  São  os  actos  praticados  pelas  pessoas  
que   têm   a   sua   dedicação   no   comércio   estrito   (trocas);   do   sector   industrial.   O   sector   primário   está   fora   dos   actos   de  
comércio,   por   via   do   precipitado   histórico,   na   medida   em   que   o   direito   comercial   foi   feito   pelas   relações   históricas.  
Assim,  transacções  agrícolas  e  pecuárias  não  entram  na  letra  da  lei.  Hoje  em  dia   não  faz  sentido,  na  medida  em  que  
quem  se  dedica  a  este  sector,  fá-­‐lo  numa  estrutura  organizada.      
 
Aos   olhos   do   Código   Comercial   a   advocacia   não   é   uma   actividade   comercial.   Mas,   actualmente,   é   uma  
estrutura  organizacional  intensa.  Também  não  é  racional  considerar  que  não  são  comerciantes.  Assim,  passou  a  utilizar-­‐
se   antes   a   expressão   de   «direito   empresarial»   em   vez   de   comercial,   por   via   a   fazer   com   que   as   regras   do   Código   se  
apliquem   com   a   maior   amplitude.   Esta   tendência   de   contraposição   do   direito   comercial   ao   direito   das   empresas   é  
bipolar:   por   um   lado,   é   possível   dizer   que   uma   coisa   é   o   direito   comercial   e   outra   é   o   direito   empresarial;   por   outro  
lado,   pode   dizer-­‐se   que   o   direito   comercial   moderno   tem   de   passar   a   ser   um   direito   comercial   para   todas   as   empresas,  
alargando  o  conceito  de  comerciantes  e  de  comércio.    
 
Há,  em  todo  o  caso,  na  legislação  portuguesa,  a  primeira  perspectiva  bipolar,  i.e.,  um  conceito  legal  de  acto  de  
comércio  e  comerciante  e  um  conceito  legal  de  empresa.  Mas  nem  sempre  se  verifica  esta  bipolaridade.  Ex.:  o  Código  
de   Insolvência   utiliza   o   conceito   de   empresa   –   ou   seja,   os   comerciantes,   as   empresas   agrícolas,   entre   outros.   Tem   o  
conceito  amplo.  As  regras  do  registo  comercial  impõem-­‐se  a  todos  os  comerciantes  pelo  critério  da  empresa.    
 
⇒ Conceito  estrito  de  comerciante  versus  o  conceito  amplo  de  comerciante  ou  de  empresa.  
 
A   lei   não   elenca   categorias   ou   critérios   detalhados   para   explicar   o   que   é   um   acto   de   comércio.   O   legislador   fê-­‐
lo  através  de  um  elenco.  Em  vez  de  apontar  vectores  ou  conceitos  para  a  comercialidade,  colocou  um  elenco.  Assim,  
veio  a  Doutrina  determinar  os  critérios  que  determinam  que  certos  actos  sejam  actos  comerciais  (para  lá  do  elenco  da  
lei,  i.e.,  a  racionalidade  da  lei).  Assim:  
 
(1) Finalidade  lucrativa;  
(2) Interposição  das  trocas;  
(3) Organização  e  Profissionalismo.    
 
Existe   frequentemente   uma   finalidade   lucrativa,   na   medida   em   que,   por   regra,   querem-­‐se   obter   lucros   (a   mão  
invisível  do  mercado).  Há  uma  interposição  das  trocas  no  lugar  da  troca  directa,  com  a  intervenção  dos  distribuidores.  
As   pessoas   que   se   introduzem   nas   trocas   não   produzem   ou   consumem   nada.   Passam   a   ser   valorizadas.   Por   fim,   a  
organização   de   meios   de   produção,   de   pessoas   e   bens,   com   vista   a   prosseguir   a   finalidade   económica   com  
profissionalismo,  de  forma  estruturada  ou  organizada.    
 
As  sociedades  comerciais  são  as  sociedades,  em  primeiro  lugar,  constituídas  para  praticar  actos  de  comércio,  
ou  seja,  aqueles  integrados  no  Código  Comercial  ou  na  legislação  extravagante  que  substitui  o  Código.  São  sociedade  
criadas  com  o  objecto  social,  a  finalidade,  de  prosseguir  a  actividade  económica.    
 
Ø Art.  1º  do  Código  das  Sociedades  Comerciais:  o  número  2  estabelece  um  duplo  critério  de  aplicação.  Tem  dois  
requisitos   para   a   classificação   da   sociedade   comercial,   i.e.,   a   adopção   de   uma   das   formas   da   sociedade  
comercial  e  a  prática  de  actos  de  comércio.  O  número  4  merece  especial  atenção  (sociedades  civis  sob  forma  
comercial).  A  estas  aplicam-­‐se,  na  mesma,  o  CSC.  O  que  interessa,  sobretudo,  é  se  as  sociedades  adoptam  uma  
das  formas  previstas  na  lei  ou  não.  A  contraposição  entre  civil  e  comercial  é  pouco  relevante,  no  sentido  em  
que,  tendo  uma  das  formas,  aplicar-­‐se-­‐á,  sempre,  o  CSC.    
 
Para  efeitos  de  Código  de  Insolvência  e  Registo  Comercial  interessa  o  conceito  amplo  de  empresa.   Do  ponto  de  vista  
da  aplicação  prática,  é  isto  que  releva  no  campo  dos  actos  de  comércio.    
 
Alguns  Aspectos  na  Teoria  Geral  do  Negócio  Jurídico:  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

(1) Toda  a  sociedade  contrato,  civil  ou  comercial,  enquadra-­‐se  numa  categoria  ampla  –  categoria  dos  contratos  de  
cooperação.   Em   Portugal,   o   nome   mais   importante   é   CARLOS   FERREIRA   DE   ALMEIDA.   Tem   uma   teoria   sobre  
formação  do  contrato  e  sobre  a  categorização  do  contrato  (troca  e  cooperação;  doação;  liberalidade;  risco  e  
1
estruturação),   sendo   este   último   ponto   que   mais   releva.   O   contrato   de   sociedade   é   o   contrato   mais  
paradigmático,  importante  da  categoria  dos  contratos  de  cooperação.    
 
Nas   trocas,   há   uma   troca   comunicacional,   das   declarações   de   vontade   ao   nível   da   formação   do   negócio   jurídico;  
mas  também  uma  troca  de  prestações.  Nas  sociedades  comerciais,  todos  têm  uma  finalidade  económica  comum,  
ou   seja,   as   prestações   de   pessoas   e   bens   não   se   trocam,   estão   orientadas   a   um   fim   comum.   As   sociedades   são  
pensadas  na  égide  da  direcção  comum,  i.e.,  «todos  para  o  mesmo».  Há  um  vínculo  a  uma  finalidade  comum.  Não  
são,  portanto,  prestações  que  se  cruzam,  mas  prestações  paralelas.    
 
Aula  de  17  de  fevereiro  de  2017  
 
  Fala-­‐se   cada   vez   mais   no   Direito   Empresarial,   no   sentido   de   abarcar   quer   os   sectores   já   abrangidos   na  
codificação  comercial,  quer  as  pequenas  empresas.  O  Direito  Comercial  deve  ser  entendido,  cada  vez  mais,  como  
das  Empresas.    
 
    O   art.   980º   do   CC,   estabelece   uma   definição   de   contrato   de   sociedade,   contrariamente   ao   que  
acontece   no   Código   das   Sociedades   Comerciais.   Há,   consequentemente,   clivagens   doutrinárias:   assim,   (1)   quem  
entende   que   esta   definição   vale   para   as   Sociedades   Comerciais;   (2)   quem   entende   que   vale   apenas   para   as  
Sociedades   Civis,   não   valendo   para   as   Comerciais   [opinião   que   o   Professor   PEDRO   CAETANO   NUNES   defende].   Nas  
situações  de  fronteira  é  isto  que  determina  se  se  aplica  ou  não  o  Código  das  Sociedades  Comerciais.    
 
    Rui  Pinto  Duarte  tem  opiniões  importantes  nesta  matéria.  Os  elementos  de  definição  deste  contrato  
de   sociedade   decorrem   da   letra   da   lei:   (1)   contrato   entre   dois   ou   mais   sujeitos;   (2)   a   contribuição   de   bens   e  
serviços  –  objecto;  (3)  fim  imediato  –  1º  fim  –  é  o  de  exercício  comum  de  actividade  económica  que  não  seja  de  
mera  fruição;  (4)  fim  mediato  –  mais  afastado  –  de  repartição  dos  lucros.    
 
Esta  definição,  que  vale  para  o  contrato  de  Sociedade  Civil,  traz  a  polémica  de  saber  se  vale  para  as  Comerciais.  
A  tese  tradicional  e  dos  Professores  de  Coimbra  (especialmente,  LOBO  XAVIER)  defendem  que  se  aplica  aos  dois  tipos.  No  
polo  oposto,  temos  RUI  PINTO  DUARTE,  entendendo  que:    
 
Em  três  aspectos,  compreende  de  maneira  diferente  o  fim  mediato  e  imediato  e  a  questão  do  contrato.  As  sociedades  
comerciais  não  têm  sempre  a  sua  origem  num  contrato,  podendo  ter  origem  na  lei,  num  acto  jurisdicional,  entre  outros  
actos.   É   o   primeiro   aspecto.   Em   segundo   lugar,   nas   sociedades   comerciais,   frequentemente,   não   há   exercício   em  
comum  (não  vão  dois  ou  três  sujeitos  para  trás  de  um  balcão;  nas  sociedades  comerciais  há,  geralmente,  accionistas  
que   fazem   meros   investimentos;   ou   seja,   não   estão   a   exercer   pessoalmente   nenhuma   actividade   económica).   É   um  
exercício,  mas  no  sentido  de  ser  uma  contribuição  para  a  sociedade  exercer  uma  actividade  económica,  mas  não  é  o  
próprio   que   investe   que   vai   «para   trás   do   balcão».   Por   fim,   a   lei   não   estabelece,   em   qualquer   parte   do   CSC,   o  
impedimento  de  ser  de  mera  fruição.  Assim,  não  é  em  comum  e  não  é  de  mera  fruição.  Mera  fruição  seria  ter  imóveis  e  
extrair  rendas  –  não  se  faz  nada,  concretamente.  Gera  frutos  sem  grandes  encargos.    
 
Tem  que  haver  uma  finalidade  lucrativa,  o  que  significa  que  as  non  profits  não  podem  ser  Sociedades  Civis  e  
não   podem,   para   a   Escola   de   Coimbra,   assumir   a   posição   de   Sociedade   Comercial.   Para   RUI   PINTO   DUARTE   e   PEDRO  
CAETANO   NUNES,  estas  podem  ser  Sociedades  Comerciais,  na  medida  em  que,  para  estes,  a  última  parte  do  art.  980º  do  
CC  não  vale  para  este  tipo  de  Sociedades.  Ainda  quanto  à  finalidade  lucrativa:  no  CSC  não  há  uma  definição  de  contrato  
de  sociedade,  sendo  este  o  pressuposto  de  toda  esta  teorização.  A  questão  que  se  coloca  é  a  de  saber  se  há  algumas  
normas  que,  ao  longo  do  Código,  respondam  a  esta  querela  doutrinária.  Assim:    
                                                                                                                       
1
 Na  Alemanha,  uma  das  pessoas  que  marca  a  classificação  sobre  contratos  é  RUDOLF  VON  IHERING.  Tem  uma  classificação  
que  fala  em  contratos  de  troca,  de  liberalidade  e  com  fim  comum  (cooperação).  Não  avalia  o  risco  e  a  estruturação  que  
aparece  com  FERREIRA  DE  ALMEIDA,  mas  mostra  que  a  categorização  dos  contratos  releva  em  todo  o  lado.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
• Normas  a  favor  da  Escola  de  Coimbra  e  LOBO  XAVIER:  art.  21º,  CSC  –  o  direito  ao  lucro  é  um  direito  dos  
sócios,  o  qual  protegido.  Há  inclusivamente  várias  regras  que  reforçam  a  ideia  do  direito  ao  lucro,  com  
vista   a   proteger   os   sócios   minoritários.   São   exemplos   destas   normas   o   art.   22º/4;   os   arts.   217º   e   294º  
-­‐   regime   de   protecção   de   minorias   nas   sociedades   por   quotas   e   anónimas   –   limitam   a   redução   do  
lucro.  O  direito  ao  lucro  está  previsto  no  CSC  e  há  normas  que  protegem  este  direito.    
 
• Norma  a  favor  de  RUI  PINTO  DUARTE  e  PEDRO  CAETANO  NUNES:  art.  42º,  CSC  –  aponta  os  fundamentos  de  
nulidade  do  contrato  de  sociedade  (por  quotas,  comanditas  –  i.e.,  não  valem  para  todas).  Se  é  válido  é  
porque  a  definição  de  válida  não  tem  o  elemento  de  lucro,  no  sentido  em  que  se  tiver  lucro,  tem  de  
ter  a  protecção  dos  sócios  minoritários.    
 
Não  vale  «contrato»,  não  vale  «em  comum»,  e  não  vale  «lucro»  para  as  sociedades  comerciais.  Assim,  segundo  
Rui   Pinto   Duarte,   a   definição   será   diversa.   Será   um   contrato,   negócio   jurídico   unilateral,   acto   jurisdicional   ou   legal;   tem  
o   mesmo   objecto   –   contribuição   de   bens   e   serviços;   para   o   exercício   de   actividade   económica;   para   benefícios   dos  
sócios  ou  membros.    Por  fim,  no  que  respeita  ao  benefício,  entende-­‐se  que  seja  um  lucro  ou  uma  vantagem.    
 
Notas:  quando  falarmos  nos  Direitos  e  Deveres  dos  Sócios,  falaremos  da  prestação  característica  do  contrato,  i.e.,  da  
contribuição  de  bens  e  serviços  (objecto  do  contrato).  Por  «actividade  económica»  deve  entender-­‐se  a  susceptibilidade  
de   expressão   monetária,   ou   seja,   de   avaliação   em   dinheiro.   Sobretudo   nos   países   de   Common   Law,   pode   acontecer   ter  
sociedades   que   não   têm   por   base   uma   actividade   económica.   Também   acontece   em   Portugal   –   é   o   caso   das  
Cooperativas  ou  das  Associações  Recreativas,  as  quais,  em  Portugal,  não  podem  ser  Sociedades  Comerciais.    
 
1.5. A  SOCIEDADE  ENQUANTO  ENTIDADE  (PERSONALIDADE  JURÍDICA)    
1.5.1. A  SOCIEDADE  NO  PANORAMA  DAS  PESSOAS  COLECTIVAS    
 
Há  que  reter  alguns  conceitos  base:  
 
Personalidade  Colectiva  –  tradicionalmente,  desde  MANUEL  DE   ANDRADE  –  que  importou  esta  ideia,  erradamente,  do  SJ  
Alemão   -­‐,   em   Portugal,   há   uma   distinção   entre   capacidade   de   gozo   e   capacidade   de   exercício   (ou   personalidade).  
Segundo   PEDRO   CAETANO   NUNES,   personalidade   ou   capacidade   jurídica   corresponde   à   susceptibilidade   de   tutelar  
situações   jurídicas,   i.e.,   quanto   a   quem   é   um   centro   de   imputação   de   efeitos   de   normas   jurídicas.   Uma   pessoa   é   o  
centro  de  imputação  dos  efeitos  jurídicos.  Todas  as  pessoas  físicas  são  pessoas  jurídicas.  Mas  há  pessoas  jurídicas  que  
não   pessoas   físicas,   ou   seja,   as   pessoas   colectivas.   Em   rigor   técnico-­‐jurídico,   pessoa   jurídica   é   o   efeito   numa   norma  
jurídica.   Ao   olhar   para   as   normas   jurídicas   identificam-­‐se   as   pessoas   jurídicas   [perspectiva   normativista   –   KELSEN].   Na  
capacidade  de  exercício  já  está  em  causa  a  susceptibilidade  de  exercer  pessoalmente  os  seus  direitos.  Do  ponto  de  vista  
analítico,  são  os  poderes  jurídicos  que  permitem  o  exercício  jurídico  [as  pessoas  maiores  e  emancipadas  têm  o  poder  
jurídico  para  celebrar  NJ;  o  incapaz,  o  inabilitado  e  o  interdito  não  têm  o  poder  jurídico  para  tal];  
 
MANUEL  DE   ANDRADE  defende  que  personalidade  jurídica  é  um  valor  absoluto  enquanto  a  capacidade  de  exercício  é  um  
direito  relativo,  a  medida  da  titularidade  de  poderes  e  deveres.    
 
Assim,  há  uma  pessoa  jurídica  quando  for  encontrada  uma  norma  jurídica  que  atribui  efeitos  jurídicos  a  uma  
entidade  específica  e  individualizada.    
 
Na  sequência  desta  perspectiva  normativista  [KELSEN,  na  lógica  de  HANS  JULIUS  WOLFF],  há  personalidade  jurídica  
plena  ou  rudimentar.  MANUEL   DE   ANDRADE  importou  esta  distinção,  desta  vez  de  forma  correcta.  Por  vezes,  é  a  lei  que  
determina   que   existe   personalidade   jurídica,   pelo   que   se   entende   que   seja   plena.   Noutras   vezes,   existem   apenas  
algumas  normas  jurídicas  que  encontram  um  centro  idealizado  dos  efeitos  das  normas.    
 
As   Sociedades   Comerciais   têm   personalidade   jurídica   (art.   5º,   CSC),   mais,   têm   personalidade   jurídica   plena.  
Mas   se   formos   ao   CC,   não   há   qualquer   afirmação   de   personalidade   jurídica   plena   para   as   Sociedades   Civis.   Em  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

contrapartida,   o   art.   997º   do   CSC   estabelece   algo   interessante   –   responderá   primeiro   a   Sociedade,   porque   os   sócios   só  
começam  a  ser  responsáveis  na  falta  de  património  social.  
 
Estas  querelas  doutrinárias,  com  esta  especificidade  da  importação  por  Manuel  de  Andrade,  devem  ser  lidas  
no   sentido   de   haver   personalidade   jurídica   plena   ou   rudimentar.   Geralmente,   as   pessoas   que   têm   personalidade  
rudimentar  têm  personalidade  judiciária.  Quanto  ao  património,  incorpora  as  situações  jurídicas  positivas  e  negativas  
(os  créditos  e  as  dívidas).  Se  a  lei  atribuir  personalidade  jurídica  plena,  há  uma  pessoa  com  património  próprio.  O  art.  
997º  é  essencial  e  paradigmático.  Quando  há  personalidade  rudimentar  também  existe  património  autónomo,  que  se  
distingue  da  esfera  patrimonial.  Os  casos  de  personalidade  plena  são  os  casos  em  que  a  lei  afirma  a  personalidade;  os  
de   rudimentar   são   os   que   resultam   de   normas   soltas.   Também   o   CPC   releva   neste   aspecto,   pois   atribuiu   personalidade  
a  certas  situações,  p.e.,  à  herança  jacente  (personalidade  rudimentar).    
 
  Alemanha  –  distinção  entre  Comunhão  Germânica  e  Corporação:  não  há  apenas  uma  contitularidade  de  uma  
coisa,  mas  também  um  laço  social.  Tradicionalmente,  as  pessoas  colocavam  bens  e  serviços  em  comum  para  prosseguir  
uma  actividade  económica  comum  (lucros  –  um  tinha  a  mercearia,  outro  o  balcão,  outro  trazia  os  produtos  e  estavam  
todos   atrás   do   balcão  –   o   laço   pessoal).   Em   contraposição,   temos   as   corporações,   i.e.,   instituições   de   grande   dimensão  
destinadas  a  perdurar  no  tempo  e  que  transcendem  os  seres  humanos.    
 
  A  personalidade  jurídica  foi  pensada  para  as  corporações  e,  tradicionalmente,  as  formas  de  sociedades  civis  e  
comerciais  que  tinham  a  montante  a  ideia  de  comunhão  germânica  eram  aquelas,  em  relação  às  quais,  não  se  atribuía  
qualquer   personalidade   jurídica.   Antes   do   código   de   86   fazia-­‐se   a   distinção.   As   sociedades   por   quotas   enquadravam-­‐se  
na  comunhão  germânica  e,  como  tal,  não  tinham  personalidade  jurídica.    
 
  A   Doutrina   fala   em   substractos   –   realidade   sociológica   por   detrás   da   personalidade   jurídica.   Tradicionalmente,  
nas   associações   há   um   substracto   associativo   (conjunto   de   pessoas   que   se   unem   para   a   promoção   da   actividade);   já   na  
fundação  o  que  está  por  trás  é  um  património  de  afectação;  por  trás  das  sociedades,  é  a  empresa.  E  a  ideia  de  empresa,  
já  não  é  associação  ou  património.  Desta  feita,  entende-­‐se  como  «empresa»,  em  sentido  subjectivo,  o  estabelecimento  
comercial.  Três  ideias:  (1)  organização  dos  meios  de  produção;  (2)  exploração  profissional;  (3)  actividade  económica.  
 
  São  ideias  próximas  da  distinção  entre  sociedade  comercial  e  sociedade  civil.  Esta  ideia  de  empresa  pode  ser  
vista   como   um   objecto   de   um   negócio   jurídico,   mas   também   como   o   que   está   por   trás   da   sociedade   comercial.   P.e.,   foi  
feito  um  contrato  com  aquela  empresa,  com  aquele  estabelecimento  comercial.    
 
Nota:  podem  existir  sociedades  sem  empresa.  P.e.,  pode  existir  uma  sociedade  comercial,  mas  ainda  não  há  empresa.  
Na   Madeira   há   um   paraíso   fiscal.   Todos   os   dias   os   advogados   criavam   sociedades   comerciais.   Aparece   um   investidor  
chinês  que  quer  montar  uma  empresa  em  Portugal.  O  advogado  vendia  a  sociedade  comercial,  transferia  as  quotas,  e  o  
chinês   é   que   iria   colocar   a   empresa   real,   a   organização   dos   meios   de   produção.   Cada   vez   acontece   menos,   em  
consequência  da  constituição  da  empresa  na  hora.    
 
Organização  Interna  da  Pessoa  Colectiva  –  tem  órgãos,  um  Conselho  de  Administração,  um  Conselho  Fiscal.  Ou  seja,  há  
uma  distribuição  de  competências  ou  de  poderes  jurídicos  (de  direitos  e  deveres).  Para  PEDRO  CAETANO  NUNES,  o  poder  e  
a   competência   são   sinónimos.   São   a   possibilidade   de   produzir   efeitos   jurídicos.   Existem   assim   várias   pessoas   e  
entidades  individualizadas  e  idealizadas  com  competências,  deveres  e  direitos.    
 
Mais   se   acrescenta   que,   no   interior   da   pessoa   colectiva   também   há   subjectividade   jurídica.   P.e.,   quando   se   diz  
que  quem  tem  competência  para  o  acto  A  é  o  Conselho  Fiscal.  Não  precisam  de  estar  todos  os  membros.    
 
A   organização   pode   ser   mais   simples   ou   mais   complexa.   Nas   sociedades   em   nome   colectivo   há   organização  
muito  simples,  mas  este  tipo  de  sociedade  raramente  existe.  No  polo  oposto,  temos  as  sociedades  anónimas,  onde  o  
poder  está  centrado  no  Conselho  de  Administração,  que  delega  na  Comissão  Executiva.    
 
Os  poderes  podem  ser  internos  ou  externos,  designados,  noutra  terminologia  como  poderes  de  decisão  e  de  
execução.  Os  internos  são  aqueles  que  se  repercutem  no  interior  da  organização.  Os  externos  são  aqueles  que  resultam  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

dos   actos   ou   negócios   jurídicos   com   terceiros   exteriores   à   organização.   A   competência   interna   é   essencialmente  
decisória  enquanto  a  externa  é  executiva.  Não  é  uma  terminologia  completamente  perfeita,  uma  vez  que  nem  sempre  
há   decisão   seguida   de   execução.   É   igualmente   impreciso   porque,   ao   nível   interno,   também   se   praticam   negócios  
jurídicos,   entre   os   quais,   autorizações,   avocações,   instruções,   delegações,   entre   outros.   Não   são   é   negócios   com  
terceiros.  Mediante  seja  interno  ou  externo,  as  regras  serão  diferentes;  quer  a  nível  da  competência  para  determinados  
actos,  quer  pelo  tráfego  jurídico  que  visa  a  protecção  de  terceiros.    
 
⇒ O  sinónimo  de  competência  externa  é  poder  de  representação;  da  interna  é  poder  de  gestão  ou  administração.    
 
A   competência   interna,   frequentemente,   é   atribuída   a   órgãos   deliberativos   –   ou,   sinónimo,   colegiais   (o  
Conselho   de   Administração,   a   Assembleia,   entre   outros).   Na   prática,   do   ponto   de   vista   da   patologia   jurídica,   quando   se  
fala   numa   competência   interna   estamos   perante   o   problema   das   invalidades   das   deliberações.   Quando   falamos   da  
externa  estamos  a  falar  da  vinculação  da  Sociedades  e  da  falta  de  poderes  de  vinculação.    
 
Neste  contexto,  em  Direito  Administrativo,  mas  também  aqui,  é  feita  uma  classificação  tripartida:  
 
(1) Actuação  deliberativa;  
(2) Actuação  conjunta;  
(3) Actuação  singular.    
 
Na   primeira,   deliberativa   ou   colegial;   na   terceira,   singular   ou   disjunta.   As   sociedades   são   caracterizadas  
pelo  Princípio  da  Suficiência  da  Maioria.  Em  contraponto  a  este  Princípio,  há  regras  de  protecção  dos  sócios  
que  são  maioritários  [reter  o  princípio  e  os  limites  do  mesmo].  A  regra  é  que  quem  manda  é  quem  tem  mais  
capital.   Tem   a   ver   com   a   natureza   associativa.   É   óbvio   que   não   se   aplica   às   Sociedades   que   têm   apenas   um  
sócio.  As  regras  de  protecção  dos  sócios  minoritários  –  direito  de  exoneração,  de  sair  livremente  da  Sociedade.  
Este  princípio  é  ainda  conhecido  como  Princípio  Democrático.    
 
Nas  Sociedades  de  Capitais  temos  plutocracia  e  nas  sociedades  de  pessoas  temos  a  democracia.  Ou  seja,  
nas   primeiras,   o   voto   é   atribuído   pela   participação   de   capitais;   na   segunda,   os   votos   são   atribuídos   por  
pessoas.   Os   sócios   são   titulares   de   uma   pretensão   individual.   Os   credores   contratam   valores   certos,   são  
definidos  de  início.  Em  contraponto,  os  accionistas  são  titulares  de  uma  pretensão  desigual,  na  medida  em  que  
se   a   Sociedade   não   der   lucros,   não   recebem   nada;   mas   se   der   lucro,   recebem   muito.   Do   ponto   de   vista   da  
análise  económica  utilitarista,  os  sócios  accionistas  têm  um  incentivo  para  fazerem  uma  boa  gestão,  por  via  a  
receber  mais.  São  os  sócios,  os  accionistas  que  devem  ter  este  poder  de  gestão.    
 
  É   ainda   de   fazer   uma   distinção   estrutural:   posição   dos   sócios   e   a   posição   dos   outros   membros   da   organização.  
Os  sócios  têm  a  posição  orgânica  originária;  e  os  outros,  posições  orgânicas  derivadas.  Os  sócios  têm  poderes  e  direitos.  
O  seu  poder  de  voto  corresponde  a  um  direito.  Em  contraponto,  os  segundos,  têm  sempre  poderes-­‐deveres.  Actuam  no  
interesse  de  outrem.  Devem  exercer  todos  os  seus  poderes  no  interesse  de  outrem  (deveres).    
 
  Os   sócios   podem   fazer   tudo   com   o   limite   do   abuso   de   direito   ou   da   actuação   desleal.   Quanto   a   todos   os  
outros,   surge   o   problema   dos   deveres   orgânicos   e   da   responsabilidade   orgânica.   São   deveres   orgânicos   da   posição  
derivada.  É  neste  contexto  que  surgem  os  «custos  de  agência».  Na  mercearia,  todos  são  agentes.  Mas  nas  Sociedades  
de   maiores   dimensões,   temos   separação   orgânica   entre   os   sócios   e   os   outros   membros.   Quem   vai   gerir   são   os  
administradores  ou  os  gerentes  que,  muitas  vezes,  não  são  sócios.  Os  custos  de  agência  têm  a  ideia  de  que,  se  se  coloca  
o  poder  de  gerir  na  mão  de  outro,  há  um  risco,  que  deriva  da  assimetria  de  interesses.  Um  gerente  ou  administrador  
pode  ter  mais  interesse  em  si  do  que  nos  accionistas  (sócios).  Ou  seja,  actua  por  eles,  mas  nem  sempre  segundo  o  seu  
interesse.    
 
São  custos  de  agência:  
 
(1) Custos  de  vinculação  –  o  que  os  sócios  têm  de  pagar,  i.e.,  remuneração  e  regalias  que  são  atribuídos  a  todos  os  
que  têm  posição  derivada;  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
(2) Custos  de  controlo  –  gasto  de  tempo  e  dinheiro  para  controlo  dos  administradores  ou,  então,  têm  que  criar  
um  Conselho  Fiscal  que  os  controle;  
 
 
(3) Perdas   residuais   –   pode   correr   mal.   Há   uma   má   gestão   ou   uma   actuação   em   conflito   de   interesses,   i.e.,   de  
forma  desleal.  Fazem  negócios  consigo  mesmo.  P.e.,  em  vez  de  comprar  ao  fornecedor,  compra  o  fornecedor  e  
ficam  num  só  espaço,  por  via  a  ter  menos  custos  de  renda.      
 
Há   ainda   uma   ideia   sobretudo   norte-­‐americana   de   pessoa   colectiva   como   um   nexo   de   contratos.   Quem   manda  
numa   sociedade   anónima   é   o   CEO   (o   Presidente   dos   Executivos).   Em   Portugal,   não   é   tão   comum.   Permite   chamar   à  
atenção  da  predominância  do  órgão  de  gestão  nas  grandes  sociedades  comerciais,  bem  como  do  capital  próprio  (meios  
financeiros  fornecidos  pelos  sócios)  e  externo  ou  alheio  (fornecidos  por  terceiros  –  p.e.,  empréstimos).    
 
Autonomia  Patrimonial  –  todas  as  pessoas  têm  o  seu  património.  A  base  legal  é  a  do  art.  5º  do  CSC.  Nas  Sociedades  
Civis  há  autonomia  patrimonial,  sendo  património  autónomo.  Nas  comerciais  há  autonomia  patrimonial  plena.  Nas  civis  
temos  um  património  autónomo.    
 
Responsabilidade   dos   Sócios   –   limitação   pelas   dívidas   sociais.   Esta   ideia   não   existe   nas   Sociedades   Civis,   sendo   que  
nestas  os  sócios  respondem.  Se  a  Sociedade  tem  a  personalidade  jurídica,  com  o  seu  património,  só  o  seu  património  é  
que  vai  responder  pelas  suas  dívidas.    
 
Ex.:  se  A  resolver  ser  mercenário  e  for  um  comerciante  em  nome  individual,  no  caso  de  deixar  dividas,  vão  penhorar-­‐lhe  
a   casa   e   ele   não   terá   garantias.   Ex.:   se   constituir   sociedade   por   quotas   e   criar   dívidas,   já   não   podem   retirar   a   casa,  
porque  não  há  uma  responsabilidade.  Só  o  património  da  sociedade  responde  pelas  suas  dívidas.  
 
Três  ideias:  
 
a. Externalização  do  risco  nos  credores  –  se  correr  mal,  o  investidor  perde  apenas  o  investimento.  Por  sua  vez,  os  
credores  saem  mais  lesados,  que  não  recebem  o  preço;    
 
b. Os  credores  podem  exigir  garantias  patrimoniais;  
 
c. Mecanismos  que  permitam  limitar  a  externalização  do  risco  nos  credores.  Aqui  há  a  questão  do  capital  social;  
as   contas   têm   de   ser   publicadas   e   auditadas   por   técnicos   oficiais   de   contas;   a   desconsideração   jurídica   (é   ideia  
próxima  do  abuso  de  direito).    
 
Protecção  dos  Credores.    
 
Aula  de  21  de  fevereiro  de  2017  
 
2. LOCALIZAÇÃO  DO  DIREITO  DAS  SOCIEDADES  NO  DIREITO  
2.1. OS  VÁRIOS  TIPOS  DE  FONTES  NORMATIVAS  SOBRE  SOCIEDADES  
 
2.1.1. FONTES  EUROPEIAS  
 
Há  que  distinguir  as  fontes  europeias  das  fontes  internas.  Além  destas,  a  tendência  internacional  económica,  a  
qual  inclina  para  um  a  certa  harmonização.  Assim:  (1)  Tratado  sobre  o  Funcionamento  da  União  Europeia;  (2)  Directivas  
e  os  Regulamentos  –  muitas  Directivas  de  Coordenação  em  matéria  de  Direito  das  Sociedades  e  menos  Regulamentos.  
Pouco  antes  de  se  designar  como  «União  Europeia»,  houve  a  percepção  que  para  a  criação  de  uma  unidade  económica  
seria   necessária   alguma   coordenação   para   a   realização   de   transações   transfronteiriças   entre   os   agentes   económicos.  
Ou   seja,   era   essencial   para   a   formulação   de   um   mercado   comum   [ex.:   regras   sobre   vinculação   das   sociedades  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

comerciais  –  quem  vincula,  se  são  os  gerentes  ou  os  administradores;  regras  de  contabilidade  organizadas  ao  longo  dos  
EM   –   para   o   credor   conseguir   ter   uma   ideia   da   força   económica   do   parceiro   contratual;   regimes   cuja   harmonização  
mínima  é  essencial  para  que  os  agentes  económicos  consigam  fazer  transações  económicas  com  segurança].    
 
Esta  necessidade  de  harmonização  não  foi  feita  pelos  Regulamentos,  mas  pelas  Directivas  de  Coordenação.    
 
Não   se   retirou,   aos   EM,   a   competência   para   legislar   nestas   matérias.   Pelo   contrário,   criaram-­‐se   Directivas,  
muitas  delas  transpostas  pela  generalidade  dos  EM.  O  CSC  transpôs  parte  dessas  Directivas  quando  Portugal  estava  a  
preparar  a  sua  adesão  à  União  (todas  as  Directivas  anteriores  a  1985).    
 
A   Jurisprudência   do   TJUE   é   também   uma   fonte   de   Direito   Europeu.   Existem   ainda   propostas   de   Directivas  
(duas),  que  andaram  muito  tempo  em  discussão,  mas  que  não  chegaram  a  acordo  político  quanto  à  sua  finalização.  Em  
todo   o   caso,   apesar   disso,   tiveram   grande   influência   no   Direito   Societário   dos   diversos   EM.   Ainda   que   não  
correspondam   a   um   acordo   político   final,   correspondem,   em   parte,   a   uma   teoria   comunitária,   a   ideias   relativamente  
consensuais.    
 
Existem  ainda  tendências  para  a  criação  de  um  direito  totalmente  harmonizado  –  Código  de  Direito  Societário  
Europeu  (é  um  modelo).  Desta  feita,  há  grupos  de  trabalho  e  académicos  europeus  que  se  reúnem  para  discutir  quais  
as  soluções  futuras  do  Direito  das  Sociedades  ao  nível  europeu.    
 
2.1.2. FONTES  INTERNAS  
 
O   nosso   Código   tem   uma   estrutura   de   tipo   germânico,   no   sentido   em   que   tem   uma   parte   geral   que   se   aplica   a  
todos  os  tipos  de  Sociedades  Comerciais  e  uma  parte  especial  para  cada  um  desses  tipos.  No  fim,  há  ainda  um  regime  
de  grupos  de  sociedades  e  de  disposições  penais  e  transitórias.    
 
A   parte   geral   tem   regras   sobre   âmbito   de   aplicação   (no   espaço   –   Direito   Internacional   Privado);   regras   sobre   o  
contrato  de  sociedade;  sobre  os  estatutos;  sobre  direitos  e  deveres  dos  sócios;  problemas  de  invalidade  do  contrato;  
das  deliberações;  sobre  administração  e  fiscalização  das  sociedades;  aprovação  de  contas;  responsabilidade;  alterações  
dos  contratos;  fusão  de  sociedades  (negócios  de  reestruturação  da  Sociedade);  publicidade;  fiscalização  pelo  MP.  
 
Este  código  sofreu  múltiplas  alterações,  sendo  que  a  mais  importante  ocorreu  em  2006  (a  Grande  Reforma  dos  
Códigos  Comerciais).  Teve  uma  tendência  de  desformalização.    
 
O  Código  dos  Valores  Mobiliários  determina  o  regime  das  Sociedades  Anónimas  Abertas.  Dentro  destas,  há  os  
subtipos,  designadamente,  as  cotadas.  As  regras  especiais  sobre  este  subtipo  não  se  encontram  no  CSC,  mas  dos  VM.  É  
algo  que  não  tem  muita  lógica,  mas  foi  assim  que  foi  possível.    
 
Relava  ainda  o  Código  de  Insolvência  e  de  Recuperação  de  Empresa.  Regula  problemas  das  crises  financeiras  
das   Sociedades   Comerciais   (aplicando-­‐se   ainda   a   outras   empresas   que   não   assumam   a   forma   de   Sociedade   Comercial).  
É  um  regime  que  protege  os  credores,  impondo  deveres  especiais  aos  administradores  no  contexto  da  insolvência  ou  
da  sua  proximidade.  Em  rigor,  tem  regras  substantivas  que  respeitam  ao  Direito  das  Sociedades.    
 
O  Registo  Nacional  de  Pessoas  Colectivas  é  de  igual  importância  a  nível  interno.    
 
Esta  é  a  principal  legislação  interna,  mas  a  par  desta,  temos  ainda  muita  legislação  avulsa,  designadamente:  (1)  
Regime   Geral   das   Instituições   de   Créditos   –   Bancos   [regras   especiais   que   se   acrescentam   às   regras   gerais   das  
Sociedades   Anónimas];   (2)   Regime   Especial   das   Sociedades   Gestoras   de   Participações   Sociais   [Holdings]   –   ex.:   Luís  
Simões.  
 
Fora  de  Códigos  existem  ainda  regimes  especiais  avulsos  para  a  constituição  de  Sociedades  Comerciais.  I.e.,  há  
um   regime   de   constituição   imediato   e   outro   online.   Além   disso,   releva   a   Jurisprudência,   quer   dos   Tribunais   Comuns,  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

quer  do  Tribunal  Constitucional.  A  nível  de  soft  law,  temos  as  recomendações  da  Comissão  dos  Mercados  Mobiliários  
(CMVM).  Não  é  direito  vigente,  mas  que  tem  enorme  relevo,  por  se  tratarem  de  recomendações  do  regulador.  Há  ainda  
códigos  de  conduta,  designadamente,  do  Instituto  Português  de  Corporate  Governance.    
 
Contexto  de  Aldeia  Global:  há  cada  vez  mais  Comércio  Internacional  que  provoca  uma  concorrência  de  OJ.  P.e.,  
se  é  difícil  criar  uma  empresa  em  Portugal,  o  investidor  pode  optar  por  investir  noutro  Estado.  Esta  concorrência  poderá  
determinar  o  esbatimento  do  regionalismo  e  a  tendência  para  harmonização.  Mas  esta  deslocalização  tem  limites.  Há  a  
concorrência  efectiva  de  Ordens  Jurídicas.  
 
Há  soft  law  ou  mesmo  Códigos  nos  países  mais  desenvolvidos  (EUA,  Inglaterra,  Alemanha)  que  influencia  o  que  
se  passa  nos  outros  quadrantes  do  planeta.  Nos  EUA,  de  enorme  relevância  em  soft  law:    
 
a. Model  Business  Corporation  Act  (1984);    
b. Principles  of  Corporate  Governance  (1992).    
 
Em  Inglaterra  foi  aprovado,  em  2006,  um  novo  Código  das  Sociedades  Comerciais.  Na  Alemanha,  existe  uma  
lei,  um  Código  de  1965,  com  grande  influência  na  legislação  nacional;  e  um  Código  de  Sociedades  por  Quotas  (de  1962).  
Têm  soluções  que,  apesar  de  não  serem  tão  modernas  como  as  dos  dois  primeiros  países,  são  muito  importantes.    
 
2.2. ENQUADRAMENTO  HISTÓRICO  
 
Societas  Romana  –  contrato  de  Sociedade  Romano:  (1)  tinha  efeito  meramente  internos,  não  tendo  externos  perante  
os   terceiros.   Regulava   apenas   as   relações   internas   entre   os   sócios,   pelo   que   não   tinha   personalidade   judiciária,   e  
também  não  constituía  património  autónomo;  (2)  fraca  relevância  social,  tendo  sido  pouco  utilizada.  
 
Séc.  XII,  Norte  de  Itália:  dois  tipos  de  sociedades,  sendo  que  um  dos  quais  está  na  origem  das  sociedades  em  comandita  
e   o   outro,   das   sociedades   em   nome   colectivo.   A   primeira   [Commenda   –   Societas   Maris   –   Collegantia],   temos   dois  
sócios,  um  que  trabalha  efectivamente  e  outro  que  apenas  investe.  Há  um  empresário  efectivo  e  um  mero  investidos.  
Está  na  origem  das  Sociedades  em  Comandita.  Na  segunda  [Compagnia  –  Societas  Mercantoron],  temos  um  conjunto  
de  pessoas  que  são  empresárias  activas.  I.e.,  todos  são  empresários.    
 
Companhias   Privilegiadas:   a   primeira   conhecida   foi   a   Companhia   Holandesa   das   Índias   Orientais   [VOC,   1602].   São   o  
ponto   de   partida   para   as   Sociedades   Anónimas.   Tinha   como   características:   (1)   o   capital   social   era   representado   por  
fracções   de   capital,   em   que   centenas   ou   milhares   de   pequenos   investidores   compravam   fracções   de   capital,  
representadas   por   títulos,   os   quais   transmissíveis   a   terceiros   [actuais   acções].   A   responsabilidade   dos   sócios   pelas  
dívidas   da   sociedade   não   existe;   há   uma   limitação   da   responsabilidade   dos   sócios   nas   dívidas   sociais.   É   a   regra   de   ouro  
do   capitalismo   moderno.   Estas   características   ainda   se   verificam   nas   Sociedades   Anónimas.   Em   contraponto,   nas  
sociedades  supra  indicadas,  já  era  possível  que  respondesse  o  património  pessoal.    
   
Em   Portugal,   historicamente,   houve   sempre   mais   Estado   que   actividade   económica.   Nunca   existiu   um  
conjunto  de  burgueses  ricos  o  suficiente  para  investir.  As  companhias  privilegiadas  portuguesas  foram  
poucas  e  a  época  dos  descobrimentos  foi  uma  excepção,  onde  o  investimento  foi  feito  pelo  Estado.    
 
Aspectos  Comuns  dos  Tipos  de  Sociedade:  
 
a. Codificação  Liberal  –  inicia-­‐se  com  o  Código  Napoleónico  de  1807,  marco  histórico  no  desenvolvimento  das  SC.  
É  a  primeira  grande  codificação.  Em  Portugal,  surge  em  1833,  com  o  Código  Comercial  de  Ferreira  Borges.  Em  
1888,  Veiga  Beirão  fez  um  novo  código.    
 
As  Sociedades  por  Quotas  surgem,  em  primeiro  lugar,  na  Alemanha  (1892).  Em  Portugal,  surgem  em  1901,  com  a  
Lei  da  Sociedade  por  Quotas.  A  ideia  dos  alemães:  produto  de  engenharia  jurídica.  Não  surgiram  por  tradição,  i.e.,  
pela  prática  consuetudinária.  Foram  uma  criação  legislativa  oferecida  aos  agentes  económicos.  A  ideia  dos  alemães  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

foi   a   de   oferecer   a   regra   de   limitação   da   responsabilidade   dos   sócios   pensada   para   os   grandes   projectos  
empresariais  (ou  seja,  para  as  Sociedades  Anónimas)  também  aos  pequenos  projectos,  as  pequenas  mercearias.    
 
 
 
 
Dados  de  Aprofundamento:    
 
• 1844,  Inglaterra  –  passagem  de  um  sistema  de  concessão  para  um  sistema  de  liberdade  de  constituição.  Esta  
foi  operada  em  Portugal  em  22  de  junho  1867  (Lei).  Estas  grandes  empresas  só  podiam  ser  constituídas  com  
uma  autorização  do  Estado,  do  poder  político,  do  Rei.  Os  ingleses  acabaram  com  esta  autorização  prévia,  o  que  
veio  provocar  um  maior  desenvolvimento  da  economia,  sendo  que  já  se  podiam  criar  grandes  empresas,  agora  
sem  a  autorização  prévia  (progressos  ao  nível  legislativo).    
 
Dispersão  Crescente  do  Capital:    
 
  A  grande  marca  genérica  é  a  VOC,  onde  já  havia  um  número  elevado  de  sócios.  É  aqui  que  começa  a  surgir  uma  
distinção  entre  sociedades  anónimas  abertas  e  fechadas.  Com  o  passar  do  tempo,  começaram  a  surgir  regras  legais  com  
maior   especificidade.   Em   todo   o   caso,   se   olharmos   de   forma   ampla   para   a   evolução   das   economias,   podemos   observar  
que  as  sociedades  anónimas  abertas  são  cada  vez  maiores,  há  uma  maior  dispersão  do  capital.  O  grande  paradigma  são  
os  EUA,  numa  forma  que  não  tem  paralelo  entre  nós.    
 
  Em   sequência   da   crescente   dispersão   das   acções,   surge   a   teorização   norte-­‐americana   sobre   a   separação   entre  
propriedade  e  controlo.  BERLE  e  MEANS  demonstraram  que  as  Sociedades  norte-­‐americanas  eram  bombas  de  capital  que  
levavam   a   uma   separação   entre   a   propriedade   corporativa   (titularidade   das   acções)   e   o   controlo   da   gestão.   Ou   seja,  
não  havia  sócios  que  controlassem  a  Sociedade.  A  dispersão  de  capital  era  tanta  que  não  havia,  por  parte   dos   titulares  
das  acções,  um  verdadeiro  controlo  sobre  a  Administração.  Esta  ideia  surge  não  apenas  nos  EUA,  mas  também  numa  
Lei   das   Sociedades   por   Acções   Alemã   de   1937.   Estes   grandes   projectos   tinham   de   ser   geridos   por   Administradores   com  
grande   concentração   de   poderes.   Nas   Sociedades   Anónimas   vincula   a   ideia   de   que   o   poder   deve   estar   centrado   no  
Conselho   de   Administração   e   não   da   Assembleia   Geral.   Esta   ideia   de   concentração   no   Conselho   de   Administração   (e  
não   nos   sócios),   com   poderes   próprios   face   aos   sócios,   surge   num   momento   imediatamente   anterior   à   II   GM.   Os  
trabalhos   preparatórios   desta   lei   de   1937   foram   aprovados   pelo   Partido   Socialista,   em   que   o   legislador   alemão  
escreveu,   inclusivamente,   contra   a   democracia.   Mas   passada   a   II   GM,   manteve-­‐se   este   princípio,   tendo   até   sido  
implementada   noutros   Estados.   Não   é   um   problema   de   contrariedade   à   democracia;   mas   sim   o   problema   da  
necessidade  da  concentração  dos  poderes  para  uma  boa  gestão  das  Sociedades  Anónimas.    
 
  Na   origem   da   discussão   internacional   está   esta   separação   entre   ownership   and   control.   Depois   surge   a   ideia  
dos   custos   de   agência.   O   poder   está   nas   mãos   dos   gestores,   mas   há   custos   de   agência.   Os   gestores   podem   actuar  
extraindo  rendas;  apropriando-­‐se  de  bens  da  Sociedade;  apoderando-­‐se  de  conflitos  de  interesses;  ou  fazendo  uma  má  
gestão.  Nessa  sequência  surge  a  ideia  de  separação  entre  gestão  e  controlo.  É  a  ideia  de  criação  de  uma  estrutura  de  
Governo   dualista:   como   reacção,   há   separação   entre   gestores   e   os   controladores   ou   fiscalizadores.   Se   os   accionistas  
não  podem  liderar,  devem  construir  uma  estrutura  de  contrapoder.  
 
  A   expressão   separation   between   management   and   control   é   uma   terminologia   dos   anos   70.   Este   contexto   não  
deve   ser   confundido   com   o   de   ownership   and   control.   A   teorização   surge   nos   70,   mas   a   ideia   surge   150   anos   antes.  
Nesta  primeira  distinção,  falamos  na  separação  dos  dois  órgãos;  enquanto  na  segunda,  falamos  na  égide  da  fiscalização.    
 
  Em  Portugal,  surgiu  em  1867,  um  Conselho  Fiscal.  O  legislador  criou,  à  semelhança  da  preocupação  que  existia  
noutros  quadrantes,  um  órgão  de  controlo.  Contudo,  não  funcionava  da  forma  mais  adequada.    
 
  A   Directiva   de   Coordenação   de   1989   traz   a   novidade   das   Sociedades   por   Quotas   Unipessoais.  
Tradicionalmente,   a   Sociedade   é   vista   como   um   contrato.   Contudo,   é   possível,   actualmente,   criar   Sociedades   por   NJ  
unilateral,  por  força  da  presente  figura.  A  ratio  legis  por  trás  desta  ideia  –  regra  de  ouro  do  capitalismo.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
2.3. RELEVÂNCIA  DO  DIREITO  DA  UNIÃO  EUROPEIA  
 
O   estabelecimento   do   Mercado   Comum   (EU)   impõe   a   proximidade   das   legislações   (segurança   jurídica   nas  
transações  económicas).  Dentro  desta  perspectiva,  diminuição  dos  custos  de  transação.  Desta  forma,  relevam:    
 
Art.  49º,  TFUE  –  da  liberdade  de  estabelecimento  das  empresas  –  princípio  que  norteia  o  Direito  Societário  Europeu;    
Art.  52º/2,  alínea  g),  TFUE  –  das  garantias  de  protecção  de  forma  harmonizada  nos  demais  EM;      
Art.  54º,  TFUE  –  do  princípio  da  equiparação  –  as  sociedades  constituídas  num  EM  equiparam-­‐se  às  pessoas  singulares;  
Art.  55º,  TFUE  –  igualdade  de  tratamento  dos  titulares  de  capitais  –  não  pode  haver  protecção  dos  nacionais.  
 
Directivas  de  Coordenação:    
 
i. Directiva   de   1968,   sobre   Publicidade,   Vinculação   e   Nulidade   das   Sociedades   –   como   se   constitui   e   como   é  
que   uma   Sociedade   pode   ser   nula.   A   matéria   mais   importante   reporta-­‐se   à   forma   como   se   vinculam.   P.e.,  
o  número  de  assinaturas  necessárias.  É  uma  matéria  essencial  para  determinar  os  custos  de  transação;  
 
ii. Directiva  de  1977,  sobre  a  Constituição  de  Sociedades  Anónimas  e  Conservação  do  Capital  Social;  
iii. Directiva  de  1978,  sobre  Fusão  de  Sociedades  Anónimas;  
iv. Directiva  de  1978,  sobre  Prestação  de  Contas;  
v. Directiva  de  1982,  sobre  Cisões  (Divisão  da  Sociedade);  
2
vi. Directiva  de  1983,  sobre  Contas  Consolidadas  de  Grupos  de  Sociedades ;  
vii. Directiva  de  1984,  sobre  Fiscalização  da  Contabilidade;  
viii. Directiva  de  2005,  sobre  Fusões  Transfronteiriças  de  Sociedades  Anónimas;  
ix. Directiva  de  2009,  sobre  Publicidade  das  Sucursais;  
x. Directiva  de  1989,  sobre  as  Sociedades  Unipessoais;  
xi. Directiva  de  2004,  sobre  Ofertas  Públicas  de  Aquisição;  
xii. Directiva  de  2007,  sobre  os  Direitos  dos  Accionistas  das  Sociedades  Cotadas  
 
Houve  ainda  duas  Directivas  que  não  chegaram  a  ser  concretizadas,  tendo  ficado  apenas  pelas  propostas.  
 
Regulamentos:  
 
i. Agrupamento  Europeu  de  Interesse  Económico  (1985)  –  mecanismo  de  cooperação  entre  empresas.  P.e.,  
junta-­‐se  uma  empresa  espanhola,  portuguesa  e  francesa  para  concorrer  uma  obra  (empreitada);  
 
ii. Societas   Europea   (2001)   –   sociedade   anónima   de   passaporte   europeu.   É   constituída   num   Em,   mas   fica  
com  cidadania  europeia.  Não  tem  grande  relevância  social;  
 
iii. Sociedade  Cooperativa  Europeia  (2003)  –  sem  finalidade  lucrativa;  
 
iv.  Normas  Internacionais  de  Contabilidade  (2002  e  2008)  –  dos  mais  importantes.  
 
Há  ainda  um  Regulamento  em  discussão.    
 
  São  ainda  de  referir  dois  pontos  quanto  ao  Direito  Societário  Europeu.  [Nos  EUA,  Estado  Federal,  a  matéria  das  
Sociedades   Comerciais   é   deixada   aos   Estados   Federados,   por   via   a   ver   qual   deles   tem   mais   empresas.   ganhou   o   Estado  
de  Delaware,  onde  estão  sediadas  a  maior  parte  das  empresas  mundiais.  Conseguiu  ganhar,  pois  tem  regras  apelativas,  
as  quais  conseguidas  através  da  desrregularização.  Tinham  menos  restrições  ao  poder  pela  protecção  dos  credores].    
 
                                                                                                                       
2
 Cada  Sociedade  tem  uma  obrigação  individual  de  prestação  de  contas.  Porém,  além  desta,  há  ainda  uma  obrigação  de  prestação  de  
contas  à  Sociedade  “mãe”.  É  uma  prestação  que  visa  saber  a  forma  como  é  feita  a  gestão  e  a  protecção  dos  credores.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

  O   primeiro   ponto   –   Jurisprudência   Europeia:   centra-­‐se,   sobretudo,   na   liberdade   de   estabelecimento.   O  


primeiro   grande   acórdão   é   de   um   dinamarquês   que   constitui   uma   grande   sociedade   em   Londres,   por   via   a   voltar   à  
Dinamarca.  Ou  seja,  constitui  a  sociedade  em  Londres  para  exercer  a  actividade  na  Dinamarca.  Não  conseguiu  registar  a  
sociedade,   com   o   argumento   de   fraude   à   lei.   O   impacto   azul   é   outro   acórdão   interessante,   pois   retrata   um   caso  
português.  Duas  notas:  
 
a. Esta  Jurisprudência  valoriza  a  sede  estatutária,  formal,  e  não  a  sede  efectiva  (local  da  actividade  económica).  É  
a  sede  tal  como  escolhida  pelos  cidadãos  europeus  em  função  da  sua  liberdade;  
 
b. Cria  um  efeito  Delaware,  i.e.,  raise  to  the  bottom.    
 

O   segundo   ponto   –   Propostas   de   Directivas   (5º   e   9º):   a   5º   era   sobre   estrutura   orgânica,   o   dualismo   entre  
gestão   e   controlo.   «Naufragou»   em   consequência   da   cogestão,   i.e.,   a   participação   dos   trabalhadores   nos   órgãos   da  
Sociedade.  Por  força  da  luta  de  classes,  além  das  comissões  de  trabalhadores,  os  trabalhadores  passaram  a  ganhar  a  
participação  nos  próprios  órgãos  da  sociedade,  apesar  de  não  serem  sócios.  Atenuava-­‐se  a  luta  de  classes  e  faziam-­‐se  
com  que  todos  trabalhassem  na  mesma  direcção  (alinhamento  de  interesses).    
 
A  9º  Directiva  tataria  do  regime  dos  grupos  de  sociedades.  É  um  regime  algo  bipolar.  Quando  há  uma  relação  
de   grupo,   em   sentido   restrito,   um   domínio   total   ou   pelo   menos   de   90%   (da   «mãe»   em   relação   à   «filha»)   há   regras  
exigentes.   Quando   isto   não   existe,   o   regime   é   fraco.   São   regras   de   responsabilidade   da   «mãe»   pelas   dívidas   da   «filha».  
Se   a   última   deixar   de   pagar   aos   credores,   a   primeira   tem   de   suportar.   Vão   contra   a   regra   de   ouro   do   capitalismo  
moderno,  pelo  que  foi  esse  o  motivo  pelo  qual  a  Directiva  não  se  efectivou.  A  tendência  é  abdicar  deste  regime  rígido  e  
assumir,  na  plenitude,  a  regra  de  ouro  do  capitalismo.    
 
Aula  de  24  de  fevereiro  de  2017  
 
3. TIPOS  DE  SOCIEDADES  COMERCIAIS  
 
Dentro   das   Sociedades   Comerciais   falaremos   ainda   das   Sociedades   em   Nome   Colectivo   e   em   Comandita.   A  
primeira   parte   do   estudo   será   mais   teórica   e   metodológica   (tipicidade   e   a   noção   de   tipo).   Na   sequência   destas  
teorizações,  vamos  olhar  para  os  diversos  tipos  de  acordo  com  critérios  centrais.    
 
3.1. PRINCÍPIO  DA  TIPICIDADE  DAS  PESSOAS  COLECTIVAS  
3.1.1. O  NUMERUS  CLAUSUS  DAS  PESSOAS  COLECTIVAS    
 
  O  Princípio  da  Tipicidade  das  Pessoas  Colectivas  –  numerus  clausus,  i.e.,  existe  um  elenco  taxativo  de  pessoas  
colectivas.  Só  podem  ser  constituídas  as  pessoas  colectivas  consagradas  na  lei.  Todas  as  entidades  que,  por  analogia  aos  
demais  seres  humanos,  são  dotadas  de  personalidade.    
 
• Na  prática,  traduz-­‐se  na  impossibilidade  de  constituir  pessoas  colectivas  atípicas,  i.e.,  que  não  correspondem  
ao  tipo  legal.  O  que  incluiu  a  impossibilidade  de  constituir  pessoas  colectivas  mistas.  Estas  figuras  mistas  são  
ainda   figuras   atípicas   (relativas).   Deve   relacionar-­‐se   este   aspecto   com   o   art.   405º   do   CC   (liberdade   contratual).  
O   art.   405º/2   estabelece   a   possibilidade   de   figuras   mistas,   sendo   que   existem   excepções,   designadamente  
esta.  Há  a  limitação  ao  disposto  no  art.  405º  no  que  respeita  aos  negócios  jurídicos  constitutivos  de  pessoas  
colectivas   (o   mesmo   se   passava   nos   negócios   transmissivos   de   direitos   reais   –   que   são   também   elenco  
fechado).   Trata-­‐se   da   protecção,   da   segurança,   dos   interesses   de   terceiros.   É   isso   que   justifica   a   limitação   à  
autonomia  privada.  Aqui,  os  terceiros  são  os  credores  das  pessoas  colectivas;  qualquer  terceiro  que  negoceie  
com  esta.    
 
Em  relação  a  determinadas  pessoas  colectivas  que  têm  muitos  sócios  e  associados,  este  elenco  fechado,  este  
Pp  da  Tipicidade  serve  também  para  proteger  o  conjunto  de  pequenos  associados  (particularmente  evidente  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

para   as   sociedades   abertas   –   protege   credores,   terceiros,   pequenos   investidores,   sócios).   Não   se   trata   do  
«animal»  que  prejudica  os  mais  pequenos.    
 
3.2. CONTRAPOSIÇÃO  ENTRE  TIPO  E  CONCEITO  
 
A   palavra   tipo,   neste   âmbito   de   contraposição,   difere   do   princípio   da   tipicidade.   Esta   noção   de   tipo   é  
contraposta  na  filosofia  do  direito  à  noção  de  conceito.  Para  alguns  filósofos  do  direito,  as  leis  e  os  textos  dos  juristas,  
nem  sempre  utilizariam  conceitos,  mas  tipos  –  distintos  dos  conceitos.  Havia  ainda  a  ideia  de  subsumir  os  factos  da  vida  
a   conceitos.   Mas   surge   a   ideia   de   que   deve   prevalecer   a   hermenêutica   no   lugar   desta   subsunção.   Aplicavam-­‐se   os  
conceitos   abstractos   da   lei   a   realidade   concretas.   Há   quem   diga   que,   por   vezes,   a   lei   não   estabelecia   conceitos   com  
fronteiras  definidas,  mas  sim  fronteiras  mais  vagas,  mais  difusas.  Nesse  caso,  não  seria  conceito,  mas  tipo.    
 
A  ideia  destes  filósofos:  de  acordo  com  o  legalismo  e  o  método  da  subsunção  jurídica,  em  que  se  tinha  de  ver  
se   por   cabia   na   letra   da   lei,   tínhamos   um   sistema   rígido.   Desta   forma,   criou-­‐se   a   ideia   do   «tipo»   enquanto   meio   de  
fronteiras  difusas,  fluídas.  Ou  seja,  a  aplicação  do  direito  seria  tendencialmente  mais  justa,  na  medida  em  que  se  não  
houvesse  uma  subsunção,  não  era  incluído  na  lei.  
 
Contudo,  esta  solução  também  não  é  a  mais  adequada.  O  cérebro  humano  trabalha  com  conceito,  os  quais  são  
mais  rígidos  ou  mais  fluídos.  O  conceito  de  maioridade,  p.e.,  é  rígido.  Não  existe  o  conceito  e  o  tipo.  Existem  é  conceitos  
mais  fechados  e  mais  abertos  (mais  tipológicos).  Por  vezes,  os  conceitos  dos  diversos  tipos  de  contrato  são  fluídos,  daí  
que   se   fala   no   «tipo   da   compra   e   venda»;   no   «tipo   de   mandato».   Por   baixo   destes   conceitos   cabem   realidades   que  
serão  mais  difusas.  Dentro  do  chapéu  da  lei  cabem  realidade  sociológicas  distintas.    
 
Há   um   elenco   fechado   de   sociedades   comerciais,   mas   quando   falamos   em   «tipo   de   sociedades»,   apesar   desse  
elenco,  é  essencial  ter  em  mente  que  dentro  destes  conceitos  podem  haver  realidades  difusas.    
 
[O   tipo   legal   de   contrato   mais   fluído   de   todos   é   o   contrato   de   jogo.   Tem   as   fronteiras   mais   fluídas   e   não   é   apenas   tema  
esotérico.   Há   legislação   penal   e   administrativa.   É   um   contrato   relevante,   sendo   proibido   em   certas   circunstâncias,  
sendo  que  saber  quando  é  ou  não  proibição,  é  um  conceito  difícil].    
 
  O  art.  9º  do  CSC  elenca  os  elementos  obrigatórios  de  um  contrato  de  sociedade  (dos  Estatutos).  O  número  3  
tem   relevância.   Em   termos   de   tipicidade,   e   de   liberdade   de   estipulação   contratual,   é   essencial   referir   o   art.   9º/3.   A  
primeira   ideia   é   que   as   normas   imperativas   –   injuntivas   –   da   lei   não   podem   ser   derrogadas,   ou   seja,   não   podem   ser  
afastadas   pelo   contrato   de   sociedade.   A   segunda   ideia   é   a   de   que   as   normas   supletivas   podem   ser   afastadas   pelos  
Estatutos.  A  terceira  ideia  é  a  de  que  se  os  Estatutos  permitirem,  as  normas  supletivas  da  lei  podem  ser  derrogadas  por  
deliberações   dos   seus   sócios   (o   contrato   de   sociedade,   os   Estatutos,   cláusulas   que   perduram   ao   longo   da   vida   da  
sociedade,  podem,  através  da  deliberação  dos  sócios  com  maioria  reforçada,  ser  alterados  –  ao  contrário  de  todos  os  
outros   contratos   que   só   podem   ser   alterados   pelas   partes   se   todos   estiverem   de   acordo   –   aqui   não   é   necessária  
unanimidade,  mas  maioria  reforçada.  É  isto  que  reforça  a  distinção  entre  negócio  jurídico  institutivo  e  Estatutos).    
 
1. Normas  injuntivas  não  podem  ser  contrariadas;  
2. Estatutos  podem  ser  alterados  por  deliberações  com  maioria  reforçada;  
3. As  normas  supletivas  podem  ser  derrogadas  por  deliberações  sem  quórum  reforçado  (maioria  reforçada).    
 
É  da  interpretação  dos  diversos  artigos  do  CSC  e  de  outra  legislação,  nomeadamente,  do  CVM,  que  se  retiram  as  regras  preceituadas.  
 
3.3. CARACTERIZAÇÃO  DOS  DIFERENTES  TIPOS  DE  SOCIEDADES  COMERCIAIS  
3.3.1. CONSIDERAÇÕES  SOBRE  OS  CRITÉRIOS  DE  CARACTERIZAÇÃO    
 
Os  critérios  de  distinção  são  essencialmente  três:  
 
(1) Responsabilidade  dos  Sócios  pelas  Dívidas  Sociais;  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

(2) Modos  de  Representação  e  Transmissão  das  Participações  Sociais;  


(3) Estrutura  Orgânica.    
 
3.3.1.1. RESPONSABILIDADE  DOS  SÓCIOS  PELAS  DÍVIDAS  SOCIAIS  
 
(1) Nas  sociedades  em  nome  colectivo,  não  vigora  a  regra  de  ouro  do  capitalismo  (art.  175º/1).  Os  sócios,  aqui,  
são  responsáveis  subsidiariamente  em  relação  à  Sociedade  e  solidariamente  entre  os  sócios.  Temos  dois  sócios  
e  há  uma  dívida  de  €100.000.  Ainda  há  €50.  Primeiro  respondem  os  €50,  depois  os  sócios,  em  solidariedade  
passiva.    
 
Nas  sociedades  por  quotas  (art.  197º),  já  não  é  assim.  Só  o  património  social  responde  para  com  os  credores  
nas  dívidas  da  sociedade  –  regra  de  ouro  do  capitalismo,  a  qual  começou  com  as  companhias  privilegiadas  e  
com   as   sociedades   anónimas.   Os   credores   das   dívidas   das   sociedades   só   podem   atacar   o   património   da  
mesma.   Mas,   o   art.   198º   estabelece   uma   excepção:   os   Estatutos   podem   afastar   esta   regra   de   ouro   do  
capitalismo   até   um   certo   montante   [o   professor   não   conhece   qualquer   caso,   na   medida   em   que   esta   regra  
protege  os  sócios.  Os  credores  fortes,  no  mundo  real,  vão  exigir  que  os  sócios  prestem  garantias  pelas  dívidas  
sociais,  não  por  esta  norma,  mas  por  normas  do  direito  civil,  tal  como  a  fiança  e  o  aval  pessoal  do  sócio.]  
 
Nas   sociedades   anónimas   (art.   271º)   cada   sócio   limita   a   sua   responsabilidade   ao   valor   das   acções   que  
subscreveu  (quando  entra  na  sociedade,  entra  com  um  montante).  A  letra  da  lei  não  separa  bem  os  conceitos.  
O  sócio  não  tem  responsabilidade  pelas  dívidas  sociais  e  a  lei  vem  confundir  o  dever  de  entrada  de  capital  com  
as   dívidas   e   a   responsabilidade   do   sócio.   Assim,   à   semelhança   da   sociedade   por   quotas,   há   a   regra   de   ouro   do  
capitalismo.    
 
Ex.:   Sociedade   X,   S.A.   =   património   com   dinheiro   e   um   imóvel.   Isto   são   os   activos.   Se   tiver   dívidas,   são   o  
passivo.  O  sócio  A  tem  de  entrar  com  um  capital.  Se  não  pagar  tudo  num  momento,  fica  a  dever,  pelo  que  a  
Sociedade  fica  com  um  crédito  sobre  o  sócio.  Mas  isto  é  a  responsabilidade  da  contribuição  inicial,  o  qual  não  
se   poderá   confundir   com   o   problema   das   dívidas   sociais.   Ou   seja,   se   depois   se   verificar   um   passivo   de  
€1.000,00,   o   sócio   A   não   terá   de   responder,   na   medida   em   que   não   há   responsabilidade   dos   sócios   pelas  
dívidas  da  Sociedade.  I.e.,  o  crédito  que  tem  sobre  o  Sócio  A  fará  parte  do  activo  da  Sociedade.    
 
Sócio  A  deve  €50  à  Sociedade  X,  S.A.;  
Sociedade  X,  S.A.  deve  €100  ao  Credor  B.    
 
O  que  poderá  acontecer,  neste  caso,  é  haver  sub-­‐rogação,  i.e.,  se  a  Sociedade  X,  S.A.  não  pagar  ao  Credor  B,  
este   pode   substituir   parte   da   dívida   da   Sociedade   pela   cobrança   da   dívida   do   Sócio   A.   Mas   isto   só   poderá  
acontecer  no  caso  em  que  existe  uma  dívida  da  contribuição  inicial  do  Sócio.    
 
A  dívida  do  sócio  à  Sociedade  é  o  problema  da  responsabilidade  pela  contribuição  inicial,  a  qual,  em  momento  
algum,  deve  ser  confundida  com  as  dívidas  decorrentes  da  actividade  da  Sociedade.    
 
Nas  sociedades  em  comandita  (art.  465º),  o  regime  é  mais  complexo.  Há  dois  tipos  de  sócios:  comanditado  e  o  
comanditário.  Os  comanditados  são,  para  simplificar,  os  sócios  empresários,  aqueles  que  receberam  a  gestão  
da  empresa,  a  comandita.  Os  comanditários  são  os  que  entregam  a  empresa.    
 
Os  comanditários  –  meros  investidores  -­‐  não  respondem  pelas  dívidas  sociais.  Pelo  contrário,  os  comanditados  
–   os   sócios   empresários   -­‐,   vão   responder   nos   mesmos   termos   que   os   da   sociedade   colectiva,   i.e.,   subsidiária   e  
solidariamente.  Temos  uma  bifurcação  de  sócios.  O  facto  de  os  comanditários  terem  responsabilidade  torna,  
ou   leva   a   tornar,   este   tipo   de   sociedades   pouco   atractivas.   Contudo,   o   número   2   prevê   a   possibilidade   de  
existência   de   tipos   articulados,   ou   seja,   derivados   da   articulação   da   sociedade   em   comandita   com   uma  
sociedade  anónima  ou  por  quotas  –  i.e.,  em  vez  de  o  comanditado  (empresário)  ser  uma  pessoa  física,  é  uma  
pessoa  colectiva.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
3.3.1.2. MODOS  DE  REPRESENTAÇÃO  E  TRANSMISSÃO  DAS  PARTICIPAÇÕES  SOCIAIS  
 
(2) Nas  sociedades  em  nome  colectivo,  as  participações  sociais  chamam-­‐se  «partes»  (art.  182º).  A  segunda  ideia  é  
a  de  que  estas  participações  sociais  podem  ser  integradas  ou  constituídas  em  bens  ou  serviços.  Não  tem  que  
ser   correspondente   a   bens   em   espécie   ou   dinheiro   (art.   176º).   É   necessário   o   expresso   consentimento   dos  
sócios   para   que   se   possam   transmitir   participações.   É   uma   sociedade   extremamente   gregária,   i.e.,   um   negócio  
entre   pessoas   que   ficam   presas   umas   às   outras   (de   confiança).   Sempre   que   há   entraves   legais   para   a  
transmissão   de   bens,   esses   bens   passam  a  ter  menos  valor.  Ou  seja,  se  não  se  pode  transmitir  pela  falta  do  
consentimento,  «ao  fim  do  dia»,  aquele  bem  perdeu  o  valor.    
 
Nas   sociedades   por   quotas,   as   participações   sociais   chamam-­‐se   «quotas»   (art.   202º).   Só   se   admitem   bens,   i.e.,  
já  não  são  admitidos  serviços.  Podem  haver  contribuições  acessórias  em  serviços;  mas  a  contribuição  principal  
tem   de   ser   sempre   com   bens.   Quando   há   transmissão,   há   a   regra   supletiva   de   que   tem   de   haver  
consentimento   pela   Sociedade   (versus   sócios)   –   dado   através   de   deliberação   social   sujeita   a   maioria.   Não   é  
unanime,  mas  antes  da  maioria  dos  sócios  através  da  maioria.  Há  a  excepção  da  transmissão  para  familiares.  É  
um  regime  supletivo,  sendo  que  há  uma  grande  margem  de  estipulação  (arts.  228º  e  229º).  Esta  liberdade  de  
estipulação  poderá  ser  feita  em  várias  direcções:  aproximando  a  sociedade  por  quotas  à  sociedade  em  nome  
colectivo,  exigindo  uma  maioria  reforçada  ou  unanimidade;  ou  da  maior  liberdade  de  transmissão,  ao  ponto  
de   não   estabelecer   qualquer   limite   à   transmissão,   adoptando   o   regime   de   transmissão,   neste   caso,   mais  
flexível.  Ou  seja,  pode  ser  gregária  ou,  no  polo  oposto,  extremamente  flexível.  O  art.  119º/7  estabelece  que  
não   podem   ser   emitidos   títulos   –   estes   são   representativos   dos   direitos,   tais   como   as   acções.   Quando   as  
acções   são   em   papel,   bastava   passar   o   papel   a   outra   pessoa.   A   transmissão   é   fácil   e   rápida.   Neste   tipo   de  
sociedade,  isto  não  é  possível.    
 
Nas  sociedades  anónimas,  as  participações  sociais  chamam-­‐se  «acções»  (art.  276º,  278º  e  328º).  A  regra  é  de  
que  não  há  qualquer  limite  à  transmissibilidade.  Há,  contudo,  possibilidade  de  limitações  estatutárias.  Temos  
uma  regra  base  supletiva  -­‐  transmissibilidade:  não  há  qualquer  limite.    
 
Mas  podem  haver  limitações  estatutárias  (art.  328º/2):  com  consentimento  da  sociedade,  (alínea  a)),  direito  
de   preferência   (alínea   b)).   Quanto   à   forma   e   aos   mecanismos   de   transmissão   releva   o   CVM   (art.   1º,   arts.   80º   e  
ss,  arts.  95º  e  ss).  No  que  respeita  à  transmissão  temos  de  recorrer  a  este  código,  porque  é  aqui  que  está  a  
maioria  dos  regimes  (arts.  80  º  e  ss):  temos  de  conjugar  os  dois  códigos.  
 
Nas  sociedades  em  comandita,  as  participações  sociais  variam  (art.  465º),  consoante  sejam  sociedades  simples  
ou   por   acções.   Quanto   aos   sócios   comanditados,   a   designação   é   sempre   «partes»   (art.   469º).   A   contribuição   é  
feita   em   bens   ou   serviços.   A   transmissão   está   sujeita   a   consentimento   da   sociedade   através   de   deliberação  
salvo   estipulação   diversa   (art.   472º):   ou   seja,   nos   estatutos.   Assim,   o   regime   supletivo   é   o   da   deliberação  
social.    
 
Quanto  aos  sócios  comanditários  (474º)  a  participação  é  feita  em  bens  –  são  investidores.  Na  transmissão,  há  a  
remissão   para   o   regime   da   sociedade   por   quotas   (art.   475º).   Quando   é   comandita   por   acções,   há   remissão  
para  o  regime  das  sociedades  anónimas  (art.  478º).    
 
3.3.1.3. ESTRUTURA  ORGÂNICA  
 
(3) Nas   sociedades   em   nome   colectivo,   a   estrutura   orgânica   é   muito   simples,   incipiente   (art.   191º).   Salvo  
estipulação  em  sentido  contrário,  todos  os  sócios  são  gerentes.  Assim,  não  existe  uma  distinção  entre  sócios  e  
gerentes,  a  qual  apenas  existe  formalmente,  na  medida  em  que  na  prática  são  as  mesmas  pessoas.  Cada  voto  
é   atribuído   por   cabeça,   por   pessoa,   a   cada   sócio   (democracia  –   art.   190º).   Não   há   um   órgão   de   fiscalização,   de  
controlo,  de  contrapoder.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Nas   sociedades   por   quotas,   os   gerentes   podem   ser   sócios   ou   não.   Podem   ser   escolhidos   estranhos   à  
sociedade,   sendo   que,   frequentemente,   são   escolhidos   de   entre   os   sócios   –   sócio   gerente   -­‐,   mas   pode  
acontecer  que  não  seja  um  sócio  (art.  252º).  Faz  com  que  o  tipo  da  sociedade  por  quotas  seja  mais  elástico.  Em  
rigor   terminológico,   a   nível   do   voto,   temos   plutocracia  –   voto   em   função   do   dinheiro.   Decide   quem   investiu  
mais.  Os  cidadãos,  aqui,  não  são  iguais.  Tem  mais  voto,  mais  peso,  quem  investiu  mais.  Aqueles  que  investiram  
mais  têm  mais  incentivos  a  gerir  melhor  (lógica  do  capitalismo  e  da  análise  económica).  Os  gerentes,  de  acordo  
com   a   art.   259º,   devem   actuar   com   respeito   às   deliberações   dos   sócios   –   ou   seja,   os   sócios   podem   dar   ordens  
aos  gerentes.  É  um  traço  marcante  da  estrutura  orgânica  das  sociedades  por  quotas  em  comparação  com  as  
sociedades   anónimas.   Além   disso,   por   regra,   não   há   órgão   de   controlo,   mas,   nos   termos   do   art.   262º,   é  
possível   existir,   se   este   for   previsto   nos   Estatutos.   Será   mais   complexa   se   tiver   um   órgão   de   controlo   de  
fiscalização.  Um  órgão  de  gestão  nunca  tem  autonomia  face  aos  sócios.    
 
Nas   sociedades   anónimas   (art.   390º/3),   aqui   fala-­‐se   em   administradores,   sendo   que   correspondem   aos  
gerentes,  é  um  termo  mais  amplo.  É  muito  frequente  que  os  administradores  não  sejam  os  sócios,  na  medida  
em  que  nas  sociedades  anónimas  a  ideia  é  a  de  gestão  distinta.  Quem  está  a  gerir  não  está  lá  por  ser  sócio.  A  
gestão   é   antes   profissional,   sendo   os   sócios   investidores   e   não   empresários.   Mas   há   clivagens:   se   houver  
grande  capital,  há  uma  grande  diferenciação  entre  o  gestor  e  os  sócios;  se  for  fechada,  mas  gregária,  é  possível  
que   o   administrador   já   seja   o   sócio   maioritário.   O   art.   384º   determina   que   a   cada   acção   corresponde   um   voto  
(plutocracia).   De   acordo   com   o   art.   373º   e   da   interpretação   da   maioria   da   Doutrina,   não   são   possíveis  
instruções  dirigidas  pelos  sócios  aos  administradores.  ENGRÁCIA   ANTUNES  e  PEDRO   CAETANO   NUNES  entendem  que  
os  administradores  detêm  uma  iniciativa  exclusiva  de  gestão.  Há  sempre  um  órgão  de  controlo  (art.  278º).  Os  
sócios  podem  assumir  um  papel  de  controlo,  mas  há  órgãos  derivados,  específicos,  de  controlo  e  fiscalização.  
Além   da   Administração,   pode   haver   um   Conselho   Fiscal,   p.e.   O   Conselho   de   Administração   é   o   órgão   de  
controlo  e  a  Comissão  Executiva  será  órgão  de  fiscalização  (na  perspectiva  de  PEDRO  CAETANO  NUNES).    
 
Três   modalidades   de   fiscalização   –   278º:   (1)   estrutura   tradicional;   (2)   anglo-­‐americana;   (3)   modelo   germânico.  
A  estrutura  orgânica  deste  tipo  de  sociedade  terá  sempre  maior  complexidade  orgânica.    
 
Nas   sociedades   em   comandita   (art.   470º),   só   os   sócios   comanditados   podem   ser   gerentes.   Ou   seja,   só   aqueles  
que  são  empresários  é  que  são  gerentes.  No  demais  o  regime  funciona  por  remissão.  Se  for  comandita  simples  
há   remissão   para   as   sociedades   em   nome   colectivo   (art.   474º);   se   for   comandita   por   acções   a   remissão   é   para  
o  regime  das  sociedades  anónimas  (art.  478º).    
 
3.4. TIPOS  ARTICULADOS:  PERMISSÃO  DA  REGRA  DO  CAPITALISMO  
3.4.1. TIPOS  SOCIAIS  
 
3.4.1.1. SUBTIPOS  DA  SOCIEDADE  ANÓNIMA  ABERTA  EM  CONTRAPOSIÇÃO  FECHADA  
 
A   definição   de   sociedade   anónima   aberta   está   no   art.   13º   do   CVM.   Tem   os   vários   critérios   legais   para  
delimitar   este   subtipo.   Há   duas   ideias   essenciais:   (1)   quando   há   oferta   pública   de   subscrição   das   acções   –   são  
oferecidas  ao  público;  (2)  negociação  em  mercado  regulamentado  –  a  Bolsa,  p.e.    
 
Às   abertas   e   fechadas,   aplica-­‐se   todas   as   disposições   do   CSC.   Às   abertas   ainda   se   aplicam   as   diligências   do  
CVM.   às   fechadas   a   lei   não   faz   referências.   Está   implícito   que   havendo   sociedades   abertas,   há   fechadas.   Há   ainda   o  
subtipo   das   sociedades   cotadas   –   i.e.,   cotadas   em   mercado   regulamentar,   pelo   que   não   basta   que   se   verifique   uma  
oferta  pública.  A  existência  de  subtipos  ocorre  nas  sociedades  anónimas.    
 
Para  lá  da  tipologia  legal  é  possível  aprofundar  a  análise  e  descobrir,  dentro  de  um  tipo  legal,  diferentes  tipos  
de  carácter  sociológico  (aprofundamento  doutrinário).  A  primeira  grande  distinção  de  tipos  sociais.  
 
a. SOCIEDADES  COMERCIAIS  DE  PESSOAS  E  SOCIEDADES  COMERCIAIS  DE  CAPITAIS  –  a  sociedade  anónima  é  
o   paradigma   das   sociedades   comerciais   de   capitais.   O   voto   é   por   capital.   Tudo   depende   da   prática  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

estatutária,   da   voda   da   sociedade.   A   sociedade   em   nome   colectivo   é   o   paradigma   das   sociedades   de  


pessoas.   No   polo   oposto,   se   temos   limitações   à   transmissibilidade   das   acções   nas   sociedades   anónimas,  
torna  o  capital  menos  importante  que  as  pessoas.  Não  se  trata  apenas  de  dinheiro,  mas  de  «saber  quem  
está   ao   nosso   lado».   Nas   sociedades   anónimas   fechadas,   em   que   se   quer   controlar   quem   está   ao   nosso  
lado,   costumam   existir   estas   cláusulas   de   limitação.   O   tipo   de   sociedade   por   quotas   é   o   mais   elástico.   É  
aquele   que   tem   regras   fluídas   que   permitem   construir   um   modelo   gregário   (pessoas)   ou   libertino  
(capitais).    
 
Mexe-­‐se  nisto  através  das  cláusulas  der  transmissão  de  quotas,  favorecendo  ou  limitando;  estabelecendo  
uma  proibição  de  concorrência  para  os  sócios.  
 
 
 
4.  EMPRESA  E  SUJEITO  JURÍDICO  
4.1.  CONCEITO  DE  EMPRESA  E  RELEVÂNCIA  JURÍDICA  
 
A   empresa   tem   três   vectores   de   organização:   (1)   organização   dos   meios   de   produção;   (2)   exploração  
profissional;  (3)  prossecução  de  uma  actividade  económica  –  susceptível  de  expressão  monetária,  avaliável  em  
dinheiro.  
 
  Empresa  tem  dois  contextos:  com  um  sentido  objectivo,  enquanto  substracto  da  personalidade  jurídica,  i.e.,  
da   sociedade   comercial.   É   uma   organização   de   meios   de   produção,   profissional,   que   prossegue   uma   actividade  
económica.  Já  num  sentido  subjectivo,  é  o  estabelecimento  –  objecto  de  direitos,  de  negócios  jurídicos.    
 
  A   este   propósito,   coloca-­‐se   o   problema   da   transmissão   das   empresas,   designadamente   a   distinção   entre  
negócio   ou   transação   de   activos,   da   empresa   ou   uma   transação   das   participações   sociais   como   forma   indirecta   de  
transmissão  da  empresa.  O  accept  deal  é  uma  compra  e  venda  de  um  estabelecimento  comercial.  No  share  deal,  em  
vez   de   se   vender   a   empresa,   sujeita   a   impostos,   vendem-­‐se   as   acções   ou   as   quotas.   De   forma   indirecta,   vende-­‐se   a  
empresa.   Aqui,   o   grande   problema   é   saber   se   nesta   figura   se   está   a   vender   a   empresa   ou   apenas   as   participações  
sociais,  mediante  o  punhado  de  acções  ser  mais  ou  menos  significativo.   Se  concluirmos  que  se  está  a  vender  apenas  
acções,  não  haverá  defeitos,  mas  se  houver  venda  da  empresa,  pode  haver  cumprimento  defeituoso.    
 
4.2.  OUTRAS  FORMAS  JURÍDICAS  DE  EMPRESA  (QUE  NÃO  AS  SOCIEDADES  COMERCIAIS)      
4.2.1.  COMERCIANTE  EM  NOME  INDIVIDUAL  
 
A   primeira   corresponde   ao   comerciante   em   nome   individual   (é   o   exemplo   do   amolador,   que   não   tem  
sociedade   comercial;   ou   do   limpador   de   chaminés).   São   “espécies   em   vias   de   extinção”.   A   segunda   corresponde   ao  
estabelecimento   individual   de   responsabilidade   limitada   (EIR).   Caiu   em   desuso   depois   da   criação   da   sociedade   em  
nome   individual.   Criava   um   património   autónomo   dentro   da   sua   actividade,   sendo   que   apenas   esse   respondia   pelas  
dívidas   da   sociedade.   Era   a   figura   que   antecede   a   sociedade   por   quotas   unipessoal,   o   qual   não   tinha   personalidade  
jurídica.    
 
Aula  de  3  de  março  de  2017  
 
4.2.2.  COOPERATIVA  
 
Cooperativa   –   pessoa   colectiva,   sem   fim   lucrativo,   que   visa   a   satisfação   de   necessidades   económicas,   sociais   e   culturais  
dos   seus   membros.   É   um   fim   mutualista.   Ex.:   cooperativa   de   habitação   –   é   uma   empresa   que   tem   por   objectivo  
construir   edifícios,   transformá-­‐los   em   propriedade   horizontal   para   que   depois   cada   apartamento   fique   para   os  
membros  dessa  cooperativa,  sem  fazer  mais-­‐valias  de  lucro  (vende  ao  custo  de  produção).  Os  ganhos  económicos  vão  
ser   directamente   recebidos   na   esfera   jurídica   dos   cooperadores,   dos   sócios.   O   segundo   exemplo   é   o   de   cooperativa   de  
consumo.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
  As   cooperativas   ou   o   sistema   mutualista   constitui   uma   alternativa   ao   sistema   capitalista.   Em   vez   de   termos  
cada   um   a   tentar   vender   com   uma   margem   de   lucro   (e   a   mão   invisível   a   fazer   com   que   todos   ganhem),   aqui,   numa  
visão  não  capitalista,  temos  um  conjunto  de  pessoas  que  se  reúnem  para  acabar  com  a  margem  de  lucro  e  o  idoneísmo,  
ou  seja,  na  perspectiva  do  altruísmo.    
 
  A   Constituição,   na   parte   económica,   prevê   três   sectores   de   actividade:   (1)   privado;   (2)   público;   (3)   cooperativo  
ou  mutualista.  Temos  a  garantia  constitucional  desta  iniciativa  económica.    
 
  Entende-­‐se   como   excedente   e   retorno:   o   objectivo   é   não   ter   lucros,   mas   vender   ao   preço   de   custo,   pelo   que   é  
possível   que   exista   uma   venda   com   um   preço   superior   que   gera   uma   margem   a   favor   da   cooperativa   (o   excedente).  
Mas  é  errado  falar  na  distribuição  de  lucros.  Não  há  fim  lucrativo,  mas  mutualista.  Quando  há  excedente,  o  que  pode  
haver   é   um   retorno   aos   sócios,   embora   não   em   função   da   participação   na   cooperativa,   mas   proporcional   às   transações  
por  eles  efectuadas.  A  ideia  é  não  fazer  margem  de  lucro,  pelo  que  o  excedente  é  retornado  no  sentido  de  fazer  com  
que  a  coisa  fiquei  com  o  preço  de  fabrico,  i.e.,  o  custo  interno.  P.e.,  se  Joaquim  comprou  um  apartamento  que  custou  
apenas  190  mil  euros,  quando  no  plano  original,  seriam  200  mil  euros,  aqueles  10  mil  euros  serão  devolvidos  a  Joaquim  
[no  caso  da  cooperativa  de  habitação].  É  uma  lógica  que,  nalguns  casos,  é  de  execução  difícil.    
 
  Natureza  jurídica  [tema  para  exame  final]:  as  cooperativas  são  uma  figura  distinta  das  sociedades  comerciais  
ou  melhor  dizendo,  das  sociedades.  Podem  ser  enquadradas  na  definição  ampla  de  contrato  de  sociedade  ou,  se  por  
outro  lado,  são  uma  figura  completamente  distinta.  Para  quem,  como  RPD  e  PCN,  defenda  uma  definição  ampla  que  
abarca  as  sociedades  civis  e  comercias,  é  possível  dizer  que  a  cooperativa  entra  na  definição  ampla  de  sociedade  (art.  
980º,   CC).   Se   for   o   conceito   amplo,   é   possível   colocar   a   cooperativa,   sendo   que   preenche   a   mesma   definição   –   que   não  
implica   um   fim   lucrativo.   A   definição   ampla   será   de   um   contrato   ou   negócio   jurídico   constitutivo;   obrigação   de  
contribuição;   para   uma   actividade   económica;   com   uma   finalidade   de   criação   de   beneficio   para   os   membros   (diferente  
de  lucrativo).  
 
  Se,   pelo   contrário,   considerarmos   que   a   definição   do   art.   980º   vale   para   as   sociedades   comerciais,   ou   pelo  
menos   que   necessitem   de   finalidade   lucrativa,   então   são   distintas   das   cooperativas,   que   não   têm   uma   finalidade  
lucrativa.    
 
  Ao  longo  da  história,  foi-­‐se  defendido  que  as  cooperativas  eram  mais  um  tipo  de  sociedades.  Em  termos  mais  
modernos   é   que   criou   esta   querela   doutrinária.   Tem-­‐se   adoptado,   minoritariamente,   que   não   são   sociedades,   sendo  
que  não  têm  finalidade  lucrativa.    
 
  Cooperativa  Europeia  –  Regulamento  1435/2003:  é  uma  pessoa  colectiva  de  direito  europeu,  com  um  estatuto  
europeu  (não  de  qualquer  Direito  do  EM).  Será  a  Sociedade  Cooperativa  Europeia.  Pelo  nome  entende-­‐se  que  é  usual  a  
ideia  de  que  a  cooperativa  constitui  uma  forma  de  sociedade  –  no  contexto  internacional.    
 
4.2.3.  EMPRESAS  PÚBLICAS  
 
Podem   ser   empresas   com   capital   totalmente   público   ou   não   (serem   completamente   do   Estado   ou   não).   É   uma  
distinção   mais   sociológica.   Há   ainda   uma   segunda   distinção,   mais   técnico-­‐jurídica,   entre   entidades   públicas  
empresariais   (são   figuras   de   carácter   administrativo)   e   as   sociedades   com   capitais   públicos   (sociedades   privadas   em  
que  o  Estado  ou  determinadas  entidades  públicas  são  accionistas).    
 
4.2.4.  SUCURSAL    
 
É  uma  parte  do  estabelecimento  comercial,  da  empresa,  em  sentido  objectivo,  situada  noutra  jurisdição,  i.e.,  
em   outro   Estado,   que   goza   de   alguma   autonomia,   mas   não   de   personalidade.   Por   outras   palavras,   não   goza   de  
personalidade  jurídica  plena.  Face  ao  art.  13º  do  CPC,  tem  personalidade  judiciária.  As  empresas  estrangeiras  que  não  
tenham   uma   filha   em   Portugal,   mas   apenas   uma   sucursal,   não   têm,   aqui,   uma   pessoa   colectiva   autónoma.   Têm   apenas  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

uma  parte  da  sua  empresa,  do  seu  património,  que  não  goza  de  personalidade  jurídica  plena.  Tem  alguma  autonomia  
contabilista,  até  nos  clientes  e  na  gestão.  Têm  personalidade  judiciária.    
 
Criação  de  uma  sucursal  no  estrangeiro  –  abre  um  escritório,  mas  não  cria  uma  sociedade.  Tem  apenas  parte;  
o  sentido  objectivo.  Não  há  qualquer  pessoa,  entidade.    
 
Como   alternativa,   podemos   ter   uma   empresa   subsidiária.   Ex.:   quer-­‐se   montar   uma   empresa   noutro   Estado,  
pelo   que   se   cria   uma   sociedade   nesse   Estado,   a   qual   tem   personalidade   jurídica   plena.   Aqui   poderá   haver   um   sócio  
único  de  uma  sociedade  que  é  pessoa  colectiva  com  personalidade  jurídica  plena.    
 
⇒ Para  efeitos  processuais,  convoca-­‐se  a  distinção  entre  personalidade  jurídica  plena  e  rudimentar.    
 
4.2.5.  COOPERAÇÃO  INTEREMPRESARIAL  (ENTRE  EMPRESAS)  
 
Quando  falamos  em  cooperação  entre  empresas,  foca-­‐se  a  cooperação  horizontal  por  contraposição  à  vertical.  
Neste  caso,  falamos  da  horizontal,  i.e.,  há  uma  pluralidade  de  formas  jurídicas  através  das  quais  é  possível  ter  
esta  cooperação  horizontal.  Existem  vários  tipos  contratuais  que  o  permitem.  Várias  formas  de  cooperação.  Há  
alguns   destes   que   implicam   a   criação   de   uma   pessoa   jurídica   autónoma   e   outros   não   criam   uma   entidade   com  
a  personalidade  jurídica.  É  possível  utilizar  «este»  ou  «aquele»  instrumento  para  funções  próximas.  Há,  desta  
feita  uma  plurifuncionalidade  de  formas  jurídicas.  
 
P.e.,  várias  empresas  de  construção  civil  querem  juntar-­‐se  para  ganharem  um  concurso  público.  Há  uma  especializada  
na  fase  de  construção  da  estrutura  do  edifício  e  outra  em  acabamentos.  Juntem-­‐se  para  concorrer.  Há  vários  modos  de  
tal   ser   possível,   designadamente:   consórcio;   agrupamento   complementar   de   empresas;   sociedade   comercial.   I.e.,   a  
própria  cooperação  entre  empresas  pode  ser  feita  através  da  constituição  de  uma  sociedade  comercial.    
 
4.2.6.  CONSÓRCIO    
 
É   uma   incorporated   joint   venture.   Não   tem   personalidade   jurídica.  O   DL   231/81   releva.   É   o  contrato   pelo   qual,  
duas  ou  mais  pessoas  colectivas  se  obrigam  entre  si  a,  de  forma  concertada,  realizar  uma  certa  actividade  ou  a  efectuar  
certa  contribuição  com  o  fim  de  prosseguir  um  dos  objectos  elencados  no  art.  2º.  Os  três  elementos  assinalados  têm  
uma   grande   relevância.   O   dever   primário   deste   contrato   é   um   dever   de   concertação   e   não   de   contribuição   de  
bens/serviços.   Por   força   disto,   não   há   personalidade   jurídica   e   não   há   sequer   património   autónomo.   Há   apenas  
constituição   de   fundos   comuns.   P.e.,   há   consórcio,   frequentemente,   nas   obras   públicas.   Apresentam-­‐se   de   forma  
concertada  para  realizar  uma  obra.  É  aqui  que  entra  o  art.  2º  do  presente  Decreto-­‐Lei.    
 
Mas  este  elenco  não  é  fechado.  O  art.  341º  do  CVM  é  um  dos  exemplos:  sindicatos  bancários  para  colocação  
de  ofertas  públicas  de  distribuição.  Um  sindicato  bancário  é  um  consórcio.  Os  bancos  juntam-­‐se  e  criam  um  contrato  
para   a   realização   de   determinadas   actividades   de   forma   concertada.   Neste   caso,   é   para   a   oferta   pública   de   distribuição  
de  acções  ou  até  de  capital.  Estas  ofertas  públicas  têm  que  ser  colocadas  junto  do  público  com  o  auxílio  dos  bancos.  
Vão  oferecer  aos  seus  clientes,  ao  público  em  geral,  a  subscrição  daqueles  valores  mobiliários.  Convém  haver  muitos  
bancos   neste   tipo   de   contrato   para   que   tenha   grandes   resultados.   Outro   exemplo   é   o   DL   sobre   locação   financeira   –  
operação  colectivas  de  locação  financeira.    
 
O  consórcio  pode  ser  externo  ou  interno.  Externo  é  o  consórcio  visível  perante  terceiros.  O  interno  é  aquele  
3
que   não   é   visível   perante   terceiros .   O   externo,   por   vezes,   tem   um   Conselho   de   Organização   e   de   Fiscalidade  
(organização).  Mas  as  competências  destes  órgãos  são  apenas  internas,  não  valem  para  terceiros.  Apenas  organizam  a  
concertação.  O  que  pode  acontecer  é  que  o  chefe  de  consórcio  tenha  uma  procuração  em  seu  favor  através  do  qual  
                                                                                                                       
3
  P.e.,   temos   a   empresa   PT   e   o   BES.   Formam   um   consórcio   visível   perante   terceiros,   pelo   que   é   externo.   No   interno,   actua-­‐se   de  
forma   concertada,   mas   não   se   diz   a   ninguém;   perante   os   clientes,   aparentemente,   trabalham   sozinhos,   mas   «cá   atrás»   têm   uma  
concertação  empresarial.  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

vincula  um  ou  vários  membros  do  consórcio  (nos  termos  do  Código  Civil),  o  que  é  diferente  de  ter  poderes  orgânicos  da  
sua  posição  de  chefe  do  consórcio.  Na  teoria  geral  do  direito  [e  não  do  direito  privado,  na  medida  em  que  as  pessoas  colectivas  de  
direito  público  também  são  representadas],  temos  três  formas  de  representação:    
 
1. Voluntária  –  regulada  pelos  arts.  259º  e  ss  do  CC;  
2. Legal  –  dos  incapazes,  sem  origem  num  negócio  jurídico.  É  necessária,  pois  não  actuam  por  si  próprios;  
3. Orgânica  –  inerente  ao  estatuto  jurídico  de  uma  pessoa  colectiva.    
 
Há  uma  polémica  Doutrinária  que  respeita  a  saber  se  os  princípios  que  norteiam  a  representação  voluntária  se  
aplicam  também  aos  outros  tipos  de  representação.  
 
• Teorias  Unitárias  (CARLOS  FERREIRA  DE  ALMEIDA,  PEDRO  CAETANO  NUNES)    
• Teorias  Não  Unitárias  (MENEZES  CORDEIRO,  OLIVEIRA  ASCENSÃO).    
 
A  tendência  é  de  aplicar  algumas  das  regras  de  representação  voluntária  aos  vários  tipos.  Ex.:  art.  258º,  CC  que  
nos  fala  dos  efeitos  da  representação  –  Quando  há  representação?  Sendo  que  é  a  estatuição  normativa  dos  efeitos  de  
terceiro   a   uma   pessoa;   os   elementos   da   previsão   normativa   são   a   existência   de   poderes   de   representação   (como   a  
Procuração  ou  a  nomeação  de  administrador)  ou  pela  actuação  em  nome  de  outrem  (Ex.:  «eu  contemplo  em  nome  de  
Joaquim»   –   basta   invocar   um   nome   de   terceiro,   pois   se   tiver   poderes   de   representação,   o   terceiro   fica  
automaticamente  vinculado).    
 
Também   aqui   importa   a   norma   do   negócio   consigo   mesmo;   imputação   dos   sujeitos   subjectivos   relevantes   –  
são   normas   pensadas   para   os   poderes   de   representação   voluntária;   que   servem   como   base   os   outros   tipos   de  
representação.  Aqui,  o  chefe  não  tem  poderes  de  representação  orgânica,  mas  poderá  ser  alvo  de  uma  procuração  para  
actuar  em  nome  dos  membros  dos  elementos  do  consórcio.  
 
Num   consórcio,   cada   membro   do   consórcio   responde   pela   actuação   nos   contratos   e/ou   negócios   jurídicos   que  
tenha  feito  com  terceiros.  Não  há  uma  responsabilidade  comum  dos  vários  membros  pela  actuação  de  cada  um  deles.    
 
4.2.7.  CONTRATO  DE  ASSOCIAÇÃO  EM  PARTICIPAÇÃO    
 
  Advertência:  conta  em  participação  é  um  sinónimo  para  esta  figura.  Era  a  expressão  tradicional  que  estava  no  
código  Comercial.  Define-­‐se  como  sendo  a  associação  de  uma  pessoa  a  uma  actividade  económica  exercida  por  outra,  
ficando  a  primeira  a  participar  nos  lucros  ou  nos  lucros  e  perdas  que  desse  exercício  resultarem  para  a  segunda.  Assim,  
o  primeiro  elemento  essencial  é  o  contrato;  o  segundo  é  a  actividade  económica  exercida  por  outra  pessoa;  o  terceiro  é  
a   contribuição   patrimonial;   o   quarto   é   a   comunhão   nos   resultados.   Aproxima-­‐se   da   sociedade   em   comandita,   onde  
temos  a  contraposição  entre  o  empresário  e  o  investidor.    
 
  Não  há  personalidade  jurídica,  nem  património  autónomo.  Nota  histórica:  no  primeiro  Código  Comercial,  i.e.,  o  
Código   de   FERREIRA   BORGES,   era,   entre   nós,   uma   sociedade   comercial.   Ou   seja,   nem   sempre   foi   entendida   como   não  
sendo  sociedade  comercial.    
 
  Tem   a   vantagem   do   secretismo,   i.e.,   o   investidor   pode   ficar   oculto.   Participa,   contribui,   comunga   nos  
resultados,  mas  ninguém  sabe  quem  ele  é.  Pode  ser  apenas  uma  cooperação  entre  o  empresário  e  um  mero  investidor,  
sendo  aqui  que  existe  uma  solução  de  secretismo  que  não  tem  paralelo  nas  outras  figuras.    
 
  Por  fim,  não  tem  exigências  de  forma.  Pode  ser  oral,  não  exige,  sequer,  forma  escrita.  A  propósito  desta  última  
nota,   é   de   atender   que,   na   Jurisprudência,   há   uma   certa   tendência   para   reconduzir   a   esta   figura   todas   as   situações  
onde  os  acordos  são  feitos  oralmente.  E,  apesar  dessa  subsunção,  nem  sempre  é  isso  que  acontece.    
 
4.2.8.  AGRUPAMENTO  COMPLEMENTAR  DE  EMPRESAS  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

  Exercício  de  uma  actividade  complementar,  sem  finalidade  lucrativa.  Além  disso,  tem  personalidade  jurídica,  
ao   contrário   do   consórcio   e   do   contrato   de   associação   em   participação.   Um   exemplo   paradigmático   é   o   serviço   de  
backoffice.   Partilham   os   custos,   p.e.,   de   callcenter,   através   da   constituição   de   uma   ACE.   Outro   exemplo   é   um   centro   de  
investigação   comum.   A   responsabilidade   dos   membros   pelas   dívidas   sociais   também   tem   uma   particularidade:   se   há  
responsabilidade,   é   mais   viável   optar   pela   sociedade   comercial,   no   sentido   de   beneficiar   da   regra   de   ouro   do  
capitalismo.    
 
  Querela   Doutrinária:   verificar   se   cabe   dentro   da   sociedade   ou   não.   Não   tem   finalidade   lucrativa,   pelo   que  
difere   mediante   a   definição   de   sociedade   adoptada,   i.e.,   se   se   considerar   que   a   finalidade   lucrativa   não   faz   parte   da  
definição,  então  é  uma  sociedade.  Se  faz,  não  pode  ser.    
 
4.2.9.  AGRUPAMENTO  EUROPEU  DE  INTERESSE  ECONÓMICO  
 
  É   uma   pessoa   colectiva   de   direito   europeu   consagrado   pelo   Regulamento   2137/85.   É   uma   figura   semelhante   à  
ACE,  ou  seja,  é  uma  espécie  de  passaporte  europeu.  
 
 
 
4.2.10.  EMPRESAS  PLURISOCIETÁRIAS      
 
Aqui,  temos  várias  sociedades  com  uma  relação  de  grupo,  mas  apenas  numa  empresa.  É  o  exemplo  dos  Grupos  
Jerónimo  Martins.  Em  linguagem  económica,  ou  comum,  de  não  juristas,  são  sociedades  coligadas  que  podem  assumir  
quatro  modalidades,  sendo  que  só  uma  delas,  a  última,  é  o  grupo  em  sentido  técnico-­‐jurídico.  Ou  seja,  não  deve  ser  
feita  confusão  entre  a  sociedade  e  os  grupos  em  sentido  económico.    
 
As  quatro  modalidades,  designadamente:  
 
1.1.1. A  sociedade  em  relação  de  simples  participação  corresponde  art.  483º;  
1.1.2. As  sociedades  de  participações  recíprocas  correspondem  ao  art.  485º;  
1.1.3. As  sociedades  de  relações  de  domínio  correspondem  ao  art.  486º;  
1.1.4. As  sociedades  em  relação  de  grupo  correspondem  ao  art.  488º.    
 
No  primeiro  caso,  uma  delas  é  titular  de  quotas  ou  acções  da  outra  em  montante  igual  ou  superior  a  10%  do  capital,  na  
qual   há   um   dever   de   comunicação;   no   segundo   caso,   há   10%,   mas   reciprocamente;   no   terceiro   caso,   é   o   sócio  
maioritário  que  exerce  directa  ou  indirectamente  influência  dominante,  sendo  que  isto  consiste  em  deter  participação  
maioritária  no  capital  [+  de  50%].  Ou  seja,  dispõe  de  metade  dos  votos  e  tem  possibilidade  de  designar  mais  de  metade  
dos   membros   dos   órgãos   de   administração   e   fiscalização.   No   último   caso,   pode   ser   por   domínio   total   tendente   ou  
superveniente.  Temos  ainda  contratos  de  subordinação  e  de  grupo  paritário.    
 
Face   ao   último   ponto,   algumas   notas:   podemos   ter   várias   modalidades.   Se   estivermos   no   âmbito   do   art.   489º,   é  
essencial  ter  os  100%,  mas  na  alínea  c)  do  número  4  admite  que  se  desça  até  aos  90%.  O  domínio  total  corresponde  a  
100%,  mas  se  tinha  100%  e  desce,  mas  não  para  menos  de  90%,  continua  a  manter-­‐se  sentido  de  grupo  restrito  (489º);  
há  direito  potestativo  de  aquisição  (490º)  e,  portanto,  do  ponto  de  vista  económico,  quando  tenho  90%,  tenho  direito  a  
ficar   com  tudo.  O  artigo  relava  na  caracterização  da  previsão  normativa,  mas  também  da  estatuição  normativa:    direito  
de   aquisição   potestativa   -­‐,   “mandar   embora   os   minoritários”.   Em   contraponto   estes   têm   direito   de   alienação  
potestativa,  ou  seja,  podem  não  querer  pertencer  a  uma  empresa  em  que  o  sócio  tenha  quase  100%.    
 
  É  bastante  frequente  aplicar  501º  e  504º.  O  art.  501º  é  a  estatuição  normativa  mais  importante,  uma  vez  que  
faz   com   que,   nas   sociedades   de   grupo   em   sentido   restrito,   o   sócio   dominante   possa   responder   pelas   dívidas   sociais.  
Mas   é   preciso   que   detenha   90%   das   ações   –   derroga   regra   de   ouro   do   capitalismo.   O   truque   é   emitir,   quando   possível,  
ações  preferenciais  sem  voto,  para  contornar  estas  situações;  estas  dão  capital  social,  mas  sem  direito  de  voto.   Manda,  
mas  distribui  mais  de  10%  do  capital.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
  O   art.   503º   é   visto   como   um   contrabalanço   do   art.   501º.   Não   tem   grande   interesse,   na   medida   em   que  
determina  que  se  o  accionista  maioritário  der  instruções,  o  Conselho  de  Administração  da  filha  tem  de  cumprir.  É  uma  
regra  que  já  seria  assim  contemplada.  Não  necessitava  de  estar  aqui  individualizada.    
 
  Além   da   responsabilidade   da   mãe   pelas   dívidas   da   filha  –   afastando   a   regra   de   outro   do   capitalismo   -­‐   também  
pode  haver  responsabilidade  dos  administradores  da  sociedade  dominante  perante  a  sociedade  dominada  (art.  504º).  É  
uma   ponte   para   a   responsabilidade   pessoal   dos   administradores   da   sociedade   dominante.   É   um   regime   muito  
incipiente.    
 
5. PERSONALIDADE  JURÍDICA  
 
A   noção   de   pessoa   é   uma   decorrência   da   noção   de   norma   jurídica.   As   normas   criam   efeitos   jurídicos   em   determinados  
agentes  e  as  pessoas  são,  consequentemente,  centros  de  imputação  de  normas  jurídicas.  
 
  As   pessoas   colectivas   não   têm   a   possibilidade   de   aplicação   do   discurso   da  natureza  das  coisas.  São  criações,  
pelo   que   é   necessário   reconhecer   que   as   pessoas   são   centro   de   imputação   de   efeitos   jurídicos,   sem   prejuízo   de  
defendermos  os  direitos  fundamentais.  É  este  pensamento  analítico  normativista  que  permite  fazer  a  distinção  entre  
personalidade  jurídica  plena  e  rudimentar  {como  vimos  em  aulas  anteriores}.    
 
  É  ainda  de  relembrar  que  as  sociedades  comerciais  têm  personalidade  jurídica  plena  no  termo  do  art.  5º  do  
CSC.   O   que   parece   resultar   da   lei   é   que   só   há   personalidade   depois   do   registo.   Mas   há   autores,   tais   como   Oliveira  
Ascensão,   que   defendem   uma   interpretação   sincopada   do   art.   5º,   no   sentido   de   atribuir   esta   personalidade   jurídica   no  
momento  anterior  ao  do  registo.    
 
As  sociedades  civis  sobre  forma  comercial  também  têm  personalidade  jurídica  plena  (art.  4º/1,  do  CSC).  Por  outro  
lado,   as   sociedades   civis   sem   forma   comercial   levantam   uma   grande   querela   doutrinária.   Há   quem   defenda  –   Escola   de  
Coimbra  |  PIRES  DE   LIMA  e  ANTUNES  DE   VARELA  –  que  não  tem  personalidade  jurídica;  depois,  há  quem  defenda  que  tem  
personalidade  jurídica  –  Escola  de  Lisboa  |  OLIVEIRA   ASCENSÃO;  por  fim,  há  ainda  uma  posição  intermédia  que  defenda  
que  não  existe  personalidade  jurídica  plena,  mas  rudimentar  –  PEDRO  CAETANO  NUNES.    
 
No   Brasil,   em   vez   de   pessoa   colectiva,   usa-­‐se   a   expressão   «pessoa   jurídica».   Em   Portugal   há   quem   faça   uso   desta;  
é   o   caso   de   FERREIRA   DE   ALMEIDA,   na   medida   em   que   pode   ser   inadequado   chamar   pessoa   colectiva.   É   o   caso   das  
sociedades  por  quotas;  das  fundações.  Não  há  nada  de  colectivo,  não  há  um  conjunto  de  pessoas  nestes  casos.    
 
Em  Inglaterra,  em  1844,  deu-­‐se  um  passo  na  evolução  das  sociedades  anónimas.  Deixaram  de  necessitar  do  rei,  da  
sua  autorização,  para  serem  constituídas.  Passou  a  existir  um  sistema  de  reconhecimento  normativo  que  afastou  assim  
a   necessidade   de   autorização.   Todos   os   cidadãos   passam   a   poder   criar   sociedades   comerciais.   Em   Portugal   surge   em  
1867  (não  muito  mais  tarde).  Em  rigor,  corresponde  à  liberdade  de  estipulação  (art.  405º,  CC).    
 
Teorias  sobre  a  Natureza  da  Personalidade  Colectiva  
 
  As  diversas  teorias  que  sucedem  às  duas  grandes  e  originárias  não  inventam  muito  mais.  Desta  forma,  temos  
as  seguintes  teorias:  
 
i. Teoria   da   Ficção   de   SAVIGNY:   a   primeira   definição   de   pessoa   jurídica   é   deste   autor.   Segundo   este,  
trabalhando   com   a   técnica   da   relação   jurídica   (e   não   das   situações   jurídicas),   as   pessoas   físicas   são   os  
sujeitos   da   relação   jurídica.   Mas,   por   vezes,   através   de   uma   ficção   jurídica,   as   pessoas   colectivas   são  
tratados   como   sujeitos   das   relações   jurídicas   como   se   fossem   naturais,   i.e.,   como   se   fossem   seres  
humanos.  Há  uma  analogia  com  o  ser  humano,  para  que  possam  ser  sujeitos  das  relações  jurídicas.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

ii. Teoria   do   Organicismo   ou   Realismo   Orgânico   de   GIERKE:   não   há   uma   ficção,   mas   um   organismo   social   real;  
é  algo  do  ponto  de  vista  sociológico.  Surge  a  ideia  de  substracto,  a  realidade  que  subjaz  à  pessoa  colectiva.  
Não  é  uma  pura  invenção  normativa.  Esta  construção  é  baseada  num  estudo  histórico  intenso  das  várias  
corporações  e  comunidades  na  Alemanha  e  no  Espaço  Europeu.    
 
Há  ainda  três  teorias  bastante  famosas:  
 
iii. Realismo  Jurídico:  a  pessoa  colectiva  é  o  produto  do  reconhecimento  legislativo,  é  o  produto  da  OJ  –  entre  
nós,  MANUEL   DE   ANDRADE.  Está  mais  próximo  da  primeira  tese  do  que  da  segunda,  porque,  mais  uma  vez,  
tem  a  ideia  de  criação  jurídica.    
 
iv. Filosofia  Analítica  do  Desconstrutivismo:  autores  italianos.  Quando  o  direito  atribui  determinados  efeitos  
às   pessoas   colectivas,   está,   no   fundo,   e   indirectamente,   a   querer   regular   a   vida   dos   seres   humanos.   Ou  
seja,  podem  ser  desconstruídas  e  transformadas  em  disposições  normativas  aplicáveis  aos  seres  humanos.  
I.e.,   as   regras   relativas   às   sociedades   podem   transformar-­‐se   em   preposições   jurídicas   para   as   pessoas  
singulares.  Mais  uma  vez,  é  próximo  da  primeira  teoria.  Na  parte  que  difere,  é  incorrecto.  É  errado  dizer  
que   os   sócios   são   responsáveis   pelo   facto   da   sociedade   ser   responsável.   Atribuir   direito   e   deveres   à  
sociedade  é  igual  ao  atribuir  direitos  e  deveres  aos  sócios  é  diferente.  
 
v. Filosofia   Analítica   Anglo-­‐Americana:   Ideia   de   que   há   uma   construção   jurídica,   na   égide   da   primeira   teoria,  
mas   com   a   rejeição   do   desconstrutivismo,   na   medida   em   que   as   situações   jurídicas   da   sociedade   não  
podem   ser   desconstruídas   em   situações   jurídicas   de   terceiros.   A   ideia   desta   filosofia   é   a   da   construção  
jurídica   e   da   analogia   com   o   ser   humano   (uma   analogia   importante   porque,   no   limite,   permite   sustentar   a  
aplicação  do  regime  dos  direitos  fundamentais  às  pessoas  colectivas)  –  HART.    
 
A  propósito  da  primeira  teoria:  a  atribuição  de  personalidade  jurídica  plena  é  uma  opção  discricionária  legislativa.  
Ou   seja,   aponta   para   o   realismo   jurídico,   para   o   normativismo.   Não   aponta   para   a   segunda   teoria.   Aponta,  
sobretudo  para  o  primeiro  autor.  Em  contraposto,  a  análise  dos  substratos  aponta  para  o  segundo  autor.  Não  é  um  
discurso   da   lei,   mas   um   discurso   doutrinário   que   tem   a   ver   com   substratos   meta   jurídicos,   sociológicos.   O   que   está  
por  trás  da  criação  do  direito  (é  uma  empresa,  uma  associação,  um  património).  Ajuda  a  compreender  as  opções  
legislativas  em  dois  momentos:  (1)  na  criação   –  para  não  ser  discricionário  e  arbitrário,  tem  de  ir  ao  meta  jurídico;  
(2)  na  aplicação,  concretização  da  Jurisprudência  –  este  enquadramento  permite  interpretações  com  mais  sentido.    
 
Aula  de  7  de  março  de  2017  
 
6. CAPACIDADE  E  VINCULAÇÃO  DAS  SOCIEDADES  COMERCIAIS  
6.1. CONCEITOS  INTRODUTÓRIOS  
 
Importa  a  distinção  entre  capacidade  de  gozo,  personalidade  de  gozo  e  capacidade  de  exercício.    
 
Segundo  MANUEL  DE  ANDRADE  e  para  a  Escola  de  Coimbra,  estes  dois  primeiros  conceitos  são  idênticos,  constituindo  
assim  uma  susceptibilidade  de  ser  titular  de  direitos  e  deveres,  de  situações  jurídicas  activas  e  passivas.  Quanto  ao  
último,  da  capacidade  de  exercício,  é  a  susceptibilidade  de  exercer  as  posições  jurídicas  activas  pessoalmente.    
 
Os  alemães,  tendencialmente,  não  distinguem  a  capacidade  e  a  personalidade  de  gozo,  considerando  que  são  
sensivelmente  a  mesma  coisa,  i.e.,  a  capacidade  de  ser  titular  de  situações  jurídicas.  Já  a  capacidade  de  exercício  tem  a  
ver  com  a  capacidade  de  exercer  as  posições  jurídicas  activas  pessoalmente,  em  nome  próprio.    
 
Em  Portugal,  ao  contrário  de  MANUEL  DE   ANDRADE,  temos  RUI   PINTO   DUARTE,  que  defende  a  perspectiva  de  que,  
do  ponto  de  vista  analítico  e  normativista,  não  se  distingue  bem  a  personalidade  e  capacidade  de  gozo.  A  personalidade  
também  tem  graus  e  medidas  (personalidade  jurídica  plena  e  rudimentar).    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

A   posição   maioritária   em   Portugal   é   a   de   MANUEL   DE   ANDRADE,   enquanto   susceptibilidade   de   imputação   de  


efeitos   jurídicos   –   de   direitos   e   deveres.   É   a   teoria   tradicional.   A   capacidade   de   gozo   será   a   medida   dessa  
susceptibilidade.  Já  coisa  distinta,  é  a  capacidade  de  exercício,  que  tem  a  ver  com  a  capacidade  de  exercer  direitos  ou  
deveres  por  si  próprio.    
 
6.2. CAPACIDADE  DE  GOZO  
 
O   art.   6º   do   CSC   trata   do   problema   da   capacidade   de   gozo,   não   da   capacidade   de   exercício.   Quanto   a  
capacidade   de   gozo,   o   art.   6º/1   estabelece   uma   afirmação   genérica   de   que   as   sociedades   comerciais   têm   esta  
capacidade.  Mas  o  art.  6º/  2  e  3  estabelecem  limites  a  essa  capacidade.  Esta  matéria  dos  limites  da  capacidade  de  gozo  
leva   a   inúmeras   querelas   doutrinárias.   As   sociedades   comerciais   não   têm   capacidade   de   exercício   (entendimento  
tradicional).   Daí  que  se  diga  que  a   representação  orgânica  é  a  representação  necessária,  tal  como  a  representação  dos  
incapazes.  Têm  que  haver  alguém  que  as  represente,  actue,  porque  elas,  em  si,  não  têm  capacidade  de  exercício.  
 
Em   todo   o   caso,   não   é   pacífico   na   Doutrina,   porque   há   quem   diga   –   tal   como   OLIVEIRA   ASCENSÃO   –   que   as  
sociedades  comerciais  actuam  através  dos  seus  órgãos,  pelo  que  estes,  fazendo  parte  da  pessoa  colectiva,  podem  levar  
a   um   realismo   orgânico   excessivo.   Numa   posição   extrema   organicista,   há   quem   defenda   que   se   tem   órgãos,   é   capaz   de  
exercício.  Não  tem  grande  sentido,  na  medida  em  que,  «não  tendo  pernas  e  braços»,  tem  de  ser  representada.  Mesmo  
este  autor  tem  consciência  de  que  têm  de  existir  seres  humanos  a  actuar.  Dois  aspectos  nesta  querela:  
 
(a) O   regime   de   representação   orgânica   é   um   regime   necessário.   Fora   esta   querela,   é   isto   que   importa  
realçar.  A  forma  de  representação  orgânica  é  completamente  necessária;  
 
(b) Ao  estarmos  perante  uma  forma  de  representação,  colocam-­‐se  problemas  de  imputação  da  actuação  de  
determinas  pessoas  a  uma  pessoa  colectiva.  Uma  coisa  é  «actuar  em  nome  próprio»,  outra  é  esta  situação  
em  que  se  criam  efeitos  distintos.    
 
Segundo   PEDRO   CAETANO   NUNES,   as   sociedades   comerciais   não   têm   capacidade   de   exercício,   pelo   que   carecem  
dos  meios  de  representação  orgânica  (pelos  seus  órgãos).    
 
6.3. LIMITES  À  CAPACIDADE  DE  GOZO  NAS  SOCIEDADES  COMERCIAIS    
 
Na  Europa,  há  três  posições  sobre  a  capacidade  de  gozo:  
 
i. Posição  Tradicional  [França  e  Portugal]  –  chamada  «teoria  da  especialidade»,  que  aponta  para  a  limitação  
da  capacidade  de  gozo  pelo  fim,  e  não  pelo  objecto  social.  Quem  defende  esta  teoria  está  a  pensar  no  fim  
lucrativo.  A  capacidade  de  gozo  é  limitada  pelo  fim,  logo,  se  o  negócio  não  é  apto  a  produzir  lucros,  haverá  
uma  actuação  para  lá  da  capacidade  de  gozo  e  o  negócio  é  considerado  inválido.  Visa  proteger  (ratio  legis)  
os  sócios  minoritários  e  os  credores  sociais.  Ou  seja,  quando  há  um  negócio  com  lucro,  a  generalidade  dos  
credores  sociais  estão  protegidos;  
 
ii. Tradição  Germânica  –  séc.  XIX.  É  uma  ideia  de  capacidade  de  gozo  plena,  não  sendo  limitada  por  nada,  
nem  mesmo  pelo  objecto  social,  nem  pelo  fim  lucrativo.  Assim,  a  finalidade  do  regime  é  a  protecção  de  
terceiros   e   do   tráfego   jurídico.   As   pessoas   que   estão   na   sociedade   devem   acautelar-­‐se   no   controlo   dos  
gestores.  Não  deve  ser  criado  um  ónus  nos  terceiros.  Ao  não  fazer  isto  e  ao  criar  segurança  jurídica,  estão-­‐
se  a  diminuir  os  custos  de  transação,  e,  consequentemente,  a  promover  o  desenvolvimento  económico.  
Há,  no  entanto,  limites.  Se  há  conluio  do  terceiro  com  os  administradores  ou  abuso  de  representação,  os  
terceiros   não   são   protegidos.   Há   uma   ressalva,   mas   difere   de   uma   regra   de   não   protecção   de   terceiros.  
Quando  se  prova  que  os  terceiros  não  merecem  esta  protecção,  há  a  válvula  de  escape;  
 
iii. Tradição  Anglo-­‐Americana  –  é  a  Doutrina  ultra  vires.  É  a  ideia  de  que  a  capacidade  de  gozo  é  limitada  pelo  
objecto   social,   pela   actividade   que,   nos   termos   dos   Estatutos,   a   sociedade   comercial   deve   exercer.   Se  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

fosse  celebrado  um  negócio  que  ultrapassasse  esse  objecto,  os  administradores  estariam  a  actuar  para  lá  
da   sua   capacidade   de   gozo,   o   que   determinaria   a   invalidade   desses   negócios   jurídicos   ou   transacções.  
Aqui,   visa-­‐se   essencialmente   a   protecção   dos   sócios   minoritários   (ratio   legis).   Estes   não   têm   poder  
suficiente   para   o   controlo   da   gestão   –   para   a   nomeação   dos   administradores   -­‐,   mas   embarcam   numa  
sociedade   com   certos   estatutos   que,   ao   estabelecerem   os   objectos   da   mesma,   limitam   os  
administradores.    
 
A   primeira   Directiva   de   Coordenação   em   matéria   de   direito   das   sociedades   adoptou   a   perspectiva   germânica.   E  
ainda   recusou   a   tradição   anglo-­‐americana,   expressamente.   Estabeleceu   que   o   objecto   social   não   pode   limitar   a  
capacidade  de  gozo.  Quanto  ao  fim  lucrativo,  não  há  uma  norma  que  determine,  expressamente,  a  sua  não  utilização.  
Já   PEDRO   CAETANO   NUNES   defende   que,   apesar   de   não   afastar   expressamente   a   limitação   pelo   fim,   acolhe   a   doutrina  
germânica.  É  um  ponto  de  querela  doutrinária  saber  aquilo  que  a  Directiva  impõe  ou  não  impõe.    
 
6.4. QUERELAS  DE  INTERPRETAÇÃO  DO  ART.  6º  
 
O   número   4   transpõe   para   o   direito   nacional   a   norma   da   Directiva   que   rejeita   a   teoria   ultra   vires.   A   válvula   de  
escape   está   estabelecida   nos   arts.   260º   e   409º/2.   O   art.   6º   começa   por   fazer   uma   afirmação   genérica   no   sentido  
tradicional  da  teoria  da  especialidade  (do  fim  lucrativo).  É  uma  afirmação  mais  cosmética  do  que  de  conteúdo  efectivo.    
 
PEDRO  CAETANO  NUNES   faz   uma   leitura   mais   ampla   da   norma.   Os   seus   fins   podem  ser  múltiplos,  pelo  que  tem  todos  
os  direitos  e  obrigações.  Consequentemente,  tem  capacidade  plena.    
 
Os  números  que  levantam  mais  problema  são  os  2  e  3,  que  levantam  querelas  doutrinárias  e  jurisprudências  mais  
intensas.   O   art.   6º/2   refere-­‐se   às   liberalidades   e   o   art.   6º/3   à   prestação   de   garantias.   Em   ambos   os   casos,   estão   em  
causa  actos  gratuitos.  Aquelas  garantias  a  que  se  refere  o  número  3,  são  de  forma  gratuita.  A  ideia  é  de  que  a  prática  
dos   actos   gratuitos   pelas   sociedades   comerciais   contraria   o   fim   lucrativo.   Os   actos   gratuitos   estão   para   lá   da  
capacidade  de  gozo,  pelo  que  devem  ser,  na  óptica  do  legislador,  inválidos.  As  liberalidades  que  não  sejam  usuais,  a  
contrario  sensu,  não  são  parte  do  fim,  pelo  que  são  inválidos.  A  norma  proíbe  liberalidades  que  não  sejam  consideradas  
usuais.    
   
⇒ COUTINHO   DE   ABREU   defende   que   é   necessário,   essencial,   que   o   juiz   faça   uma   indagação   sobre   a  
finalidade  da  liberalidade  e  sobre  a  projecção  da  mesma  no  património  social.    
 
Ex.:  BES  patrocinou  o  Cristiano  Ronaldo,  sem  receber  nada  em  troca.  Era  um  acto  gratuito.  Mas  será  contrário  ao  fim  da  
sociedade?  Não,  na  medida  em  que  fizeram,  pela  publicidade,  imenso  dinheiro.  
 
Ex.:   mecenato.   No   caso   da   publicidade   e   do   patrocínio   dos   atletas,   é   evidente   que   gera   lucros.   As   grandes   empresas  
como   Nike   e   Adidas,   vivem   dos   actos   gratuitos   desportivos.   No   caso   do   mecenato   há   uma   menor   evidência,   na   medida  
em   que   não   há   grande   publicidade   do   teatro.   Não   é   para   criar   lucros,   mas   é   mecenato.   As   classes   sociais   mais  
favorecidas  acham  que  é  produtivo,  pelo  que  o  legislador  criou  benefícios  fiscais.  
 
Ex.:   financiamento   político.   Na   tradição   anglo-­‐americana   é   feito   às   claras.   Cá   é   feito   de   forma   maioritariamente   oculta.  
As  empresas  fazem  este  financiamento  com  intenção  iconística.  Pode  ser  considerado  corrupção.  
 
  A  Doutrina  tradicional,  ao  avaliar  estes  casos,  considera  que  ainda  se  enquadram  na  finalidade  social,  apesar  
de  não  se  enquadrarem  no  objecto.  Ou  seja,  vendo,  por  exemplo,  a  projecção  de  promoção  do  Cristiano  Ronaldo  tem  
efeitos  no  património  social  da  sociedade  comercial.  É  este  o  sentido  do  art.  6º.    
 
Desta  feita,  críticas  a  fazer:  
 
1. A  finalidade  das  sociedades  comerciais  não  tem  de  ser  lucrativa,  pode  ser  outra;  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

4
2. A  primeira  Directiva  acolheu  a  estrutura  germânica  –  interpretação  restritiva,  derrogação  da  norma ;  
5
3. Definição  de  capacidade  aferida  em  abstracto .  
 
O   art.   6º/3   considera   em   primeiro   uma   regra;   e,   em   segundo,   duas   excepções   à   mesma.   A   regra   tem   em   si   a  
distinção   das   garantias   onerosas   e   gratuitas.   As   prestações   de   garantias   a   favor   de   terceiro   têm,   implícita,   a   ideia   de  
gratuitidade.   É   uma   apelação   aos   actos   gratuitos.   Aponta   para   o   número   2;   o   número   3   tem   o   enquadramento   do  
número   2.   Os   Bancos,   p.e.,   oferecem   garantias   onerosas,   bancárias   {exemplo   dos   empreiteiros   que   oferecem   garantias  
bancárias  aos  clientes  para  os  casos  de  defeito  de  obra}.  É  uma  finalidade  lucrativa.  Mas  é  pacífico  que  este  número  3  
apenas   visa   proibir   todas   as   garantias   gratuitas,   na   medida   em   que   seria   impossível   impedir   os   bancos,   p.e.,   destas  
garantias  onerosas.  
 
⇒ A   posição   da   Escola   de   Lisboa   e   PEDRO   CAETANO   NUNES   é   a   de   que   tudo   isto   é   contra   a   primeira  
Directiva,  ou  seja,  vai  ser  contra  toda  esta  teorização  que  estamos  a  elencar.    
 
É  possível  a  prestação  de  garantias,  desde  que  com  justificado  interesse  próprio,  i.e.,  uma  cláusula  indeterminada,  
a   qual   os   juízes   vão   aferir   no   caso   concreto.   A   segunda   excepção   corresponde   às   excepções   de   domínio   ou   de   grupo.   O  
domínio  exige  controlo;  no  grupo,  o  domínio  é  quase  total.  Sobre  esta,  existe  uma  querela  dentro  da  tese  tradicional:  
 
a. COUTINHO  DE   ABREU  diz  que  esta  ressalva  só  funciona  para  as  relações  down  screen  e  não  up  screen.  Ou  seja,  
acha   bem   que   a   mãe   preste   garantias   às   filhas,   mas   acha   mal   que   a   filha   preste   garantias   à   mãe.   A   prestação  
de   garantias   da   dominante   à   dominada   é   possível   e   enquadra-­‐se   na   ressalva.   O   contrário,   nesta   teoria  
restritiva,  já  não  é  possível,  levando  à  nulidade  do  negócio  jurídico.    
 
b. Depois,  há  quem  defenda  que  a  ressalva  é  sempre  válida,  quer  down  screen,  quer  up  screen,  ao  contrário  da  
teoria  de  Coutinho  de  Abreu,  que  considera  que  a  validade  apenas  se  verifica  na  down  screen.  
 
Para  PEDRO  CAETANO  NUNES,  conforme  se  elencou  nas  críticas,  esta  teoria  não  se  aplica  por  esses  motivos.    
 
  Esta  matéria  ainda  não  foi  levada  ao  Tribunal  de  Justiça  da  União  Europeia,  ainda  que  seja  possível  fazê-­‐lo,  i.e.,  
se  for  considerado  que  deve  ser  enviada,  há  o  mecanismo  do  reenvio  prejudicial.    
 
7. IMPUTAÇÃO  NEGOCIAL  OU  REPRESENTAÇÃO  
 
Ou  melhor  dizendo,  imputação.  Temos  dois  grandes  temas  (1)  a  imputação  negocial  –  a  vinculação  das  sociedades  
comerciais  no  vínculo  do  negócio  jurídico  e  (2)  a  imputação  delitual.  Os  temas  são,  em  rigor,  distintos,  mas  confundem-­‐
se  e,  sobretudo,  incidem  sobre  os  mesmos  problemas  das  vidas  das  empresas.    
 
O  art.  6º  é  enquadrado  na  capacidade,  mas  aquilo  que  realmente  visa  é  a  validade  dos  actos  jurídicos.  Do  ponto  
de   vista   da   teoria   geral   do   direito,   são   duas   coisas   distintas,   mas   tratam   a   mesma   questão.   As   preocupações   de   política  
por   detrás   são   as   mesmas,   ainda   que   depois   incidam   sobre   dois   institutos   jurídicos   diferentes:   a   capacidade   e   os  
poderes  de  representação.    
 
Método  de  Microcomparação:  comparação  de  institutos  que  dão  soluções  para  a  mesma  questão  da  vida,  sendo  por  esse  motivo  comparáveis.    
 
7.1. ENQUADRAMENTO  
 
A   primeira   Directiva   de   coordenação   transpõe   a   arquitectura   germânica,   a   qual   apenas   se   aplica   às   sociedades   por  
quotas  e  às  sociedades  anónimas,  não  se  aplicando  às  sociedades  em  nome  colectivo.  O  regime  é,  portanto,  diferente.  

                                                                                                                       
4
 Porque  desconforme  com  a  Directiva.    
 
5
 Ou  seja,  ou  se  pode  praticar  actos  gratuitos  ou  não.  Se  pode  para  todos  os  actos  em  abstracto.  A  capacidade  deve  ser  vista  assim,  
do  ponto  de  vista  abstracto.  Coutinho  de  Abreu,  Pedro  Caetano  Nunes  e  a  Doutrina  em  geral  fazem  esta  crítica.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
O  art.  252º  afirma  que  as  sociedades  por  quotas  são  administradas  e  representadas  pelo  gerente.  I.e.,  administrar  
é  a  nível  de  competência  interna;  representar  é  a  nível  de  competência  externa.  O  art.  405º  estabelece,  por  sua  vez,  
que   quem   representa   a   sociedade   são   os   administradores,   nas   sociedades   anónimas.   Quem   representa   não   é   o  
Conselho  de  Administração  em  sentido  técnico,  mas  os  administradores.  É  uma  estrutura  orgânica  mais  complexa.  Mas  
à   semelhança   do   artigo   anterior,   temos   a   distinção   entre   a   competência   externa   e   interna.   Temos   a   gerência   e   a  
representação.    
 
Nas   sociedades   por   quotas   temos   os   arts.   261º   e   408º.   A   regra   é   a   de   que   a   vinculação   externa,   ou   o   poder,   é  
exercido   conjuntamente,   através   dos   actos   conjuntos,   por   contraposição   aos   actos   singulares.   Não   basta   uma  
assinatura.  A  lei,  por  regra,  supletivamente,  exige  mais  do  que  uma  assinatura.  Mas  permite  um  aligeiramento.  O  art.  
261º  trata  do  exercício  conjunto.  Se  forem  três  gerentes,  têm  que  assinar  dois;  se  forem  dois,  têm  que  assinar  dois.  É  
um  acto  conjunto.    
 
Notas:    
 
⇒ Na  teoria  geral  do  negócio  jurídico,  há  o  pressuposto  das  actuações  singulares.  Contudo,  na  realidade,  
é  comum  que  não  seja  A  e  B,  mas  os  gerentes  da  Sociedade  A  e  B  a  formularem  e  a  aceitarem  uma  ou  
várias  propostas.      
 
⇒ Segundo  PEDRO  CAETANO  NUNES  e  CARLOS  FERREIRA  DE  ALMEIDA  isto  corresponde  a  modalidades  de  DN  –  na  
medida  em  que  dois  gerentes  a  assinarem  uma  aceitação  é  uma  declaração  negocial.    
 
O   melhor   para   o   tráfego   jurídico   seria   aceitar-­‐se   apenas   uma   assinatura.   Mas   aqui   já   há   um   equilíbrio   entre   o  
âmbito  subjectivo  e  objectivo.  Assim  tem  de  haver  mais  do  que  uma  mão,  por  via  haver  maior  controlo  (subjectivo).  É  
no   âmbito   objectivo   que   há   a   ideia   de   tráfego   jurídico,   i.e.,   o   terceiro   não   tem   de   avaliar   se   aquilo   é   bom   para   a  
sociedade,  mas  sim  se  estão  presentes  as  assinaturas  necessárias.    
 
  Isto  é  o  regime  supletivo,  na  medida  em  que  os  Estatutos  podem  criar  regras  mais  favoráveis  à  vinculação.  É  de  
dizer  ainda:    
 
• Pode   haver   uma   delegação   da   representação   orgânica.   Na   terminologia   dos   negócios,   na   prática  
sociológica   da   empresa,   falam-­‐se   em   credenciais   enquanto   uma   espécie   de   procuração   que   opera   a  
delegação   de   todos   os   poderes   de   representação.   A   procuração   difere   no   âmbito   da   representação  
voluntária,   na   medida   em   que   é   um   tema   específico   deste   tipo   de   representação.   Neste   caso   não   se   trata  
de  procuração.    
 
• O   facto   de   as   sociedades   estarem   no   tráfego   jurídico   através   da   representação   orgânica,   não   afasta   de  
modo   algum   a   possibilidade   de   representação   voluntário   nos   termos   dos   arts.   262º   e   ss   do   CC.   Ao  
emitirem   uma   procuração,   esta   tem   de   ser   assinada   pela   maioria   deles   (art.   261º,   CSC).   Existem   regras   da  
representação  orgânica  que  determinam  quem  te  de  assinar,  mas  depois  valem  as  regras  do  CC.  Quando  
se  atribuem  os  poderes  a  um  dos  administradores,  ainda  é  representação  orgânica;  quando  se  passa  a  um  
terceiro,  já  será  representação  voluntária,  nos  termos  do  Código  Civil.    
 
• Na   representação   voluntária   aplica-­‐se   o   Código   Civil,   mas   há   quem   sustente   que   a   celebração   de   contrato  
de  trabalho  pode  implicar  tacitamente  poderes  de  representação.    
 
• A  aparência  de  poderes  de  representação  é  algo  que  se  estuda  a  propósito  da  representação  voluntária.  
No  entanto,  vale  para  todas  as  formas  de  representação  (orgânica  e  legal).  São  as  situações  em  que  não  há  
uma   procuração;   não   há   um   gerente   com   poderes   suficientes;   ou   um   conjunto   de   gerentes;   não   há  
actuação  ao  abrigo  das  normas  jurídicas  que  atribuem  eficácia  à  representação;  mas  há  sim  pessoas  que  
criam   confiança   nos   terceiros   com   um   carácter   justificado,   pelo   que   a   lei   determina   a   existência   de  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

representação  pela  simples  existência  da  confiança  (opera  ope  legis).  É  uma  forma  de  tutela  da  confiança  
ou   da   aparência.   Não   há   abuso   de   representação.   Aqui   não   é   uma   válvula   de   escalpe   para   destruir   o  
negócio.    
 
• Esta   regra   de   poderes   conjuntos   –   no   âmbito   da   representação   orgânica   –   vale   apenas   para   a  
representação  activa  e  não  vale  para  a  passiva  (art.  261º,  CSC).    
 
7.2. ABUSO  DE  REPRESENTAÇÃO  
 
Até  aqui  falámos  de  como  é  que  as  sociedades  ficam  vinculadas  perante  terceiros.  Neste  capítulo,  é  o  inverso,  i.e.,  
a   sociedade   deixa   de   estar   vinculada,   porque   o   terceiro   não   merece   a   protecção   (válvulas   de   escape).   Aqui   já   não  
se  pretende  salvar  o  negócio  jurídico,  mas  destruí-­‐lo.    
 
  Vem  regulado  no  art.  269º  do  CC.  Estamos  dentro  dos  deveres,  e  não  dos  poderes.  Havia  poder  para  actuar,  
mas   não   devia   ter   actuado,   porque   não   actuou   no   interesse   do   representado.   Pode   ter   sido   por   maldade   ou   por  
interesse   do   próprio   representada.   Podia   haver   conluio.   O   que   interessa   é   a   distinção   entre   os   poderes   formais   e   os  
deveres.   A   ideia   do   abuso   de   representação   –   inventado   pelos   alemães   –   é   a   de   que,   havendo   este   abuso,   e   se   o  
terceiro   sabia   ou   devia   saber   disso,   a   protecção   é   afastada.   Havia   representação   e   esta   foi   feita   em   violação   dos  
deveres.  Deixa  de  ser  protegido  pelo  Ordenamento  Jurídico.    
 
  Este  abuso  de  representação  surgiu  na  Doutrina  Germânica,  ao  abrigo  dos  bons  costumes  e  da  boa-­‐fé.  Assim,  
eram  duas  formas:  (1)  uma  primeira  situação,  de  conluio,  a  qual  ofensiva  dos  bons  costumes  –  art.  280º  do  CC;  (2)  uma  
segunda  situação,  em  que  no  lugar  do  conluio  doloso,  há  apenas  conhecimento  ou  dever  de  conhecimento  do  terceiro.  
O  abuso  de  representação  em  sentido  restrito  já  não  carece  do  dolo  de  terceiro.  O  terceiro  sabia  ou  devia  saber,  face  
ao   que   estava   visível,   de   que   havia   uma   representação   contra   o   interesse   do   representado.   Têm   uma   valoração  
diferente,  na  medida  em  que  aqui  não  estão  em  causa  os  bons  costumes,  mas  a  boa-­‐fé.    
 
  Em   Portugal,   há   uma   querela   doutrinária:   o   art.   269º   pode   aplicar-­‐se   às   situações   de   conluio   ou   de   abuso  
restrito,  sendo  a  sanção  a  da  ineficácia.  Mas,  sob  inspiração  germânica,  há  doutrina  que  defende  que  na  situação  de  
conluio  já  se  trata  de  um  problema  de  ofensa  aos  bons  costumes,  pelo  que  se  trata  de  nulidade,  oponível  a  terceiros.    
 
  No  CSC,  é  pacifico  que  o  conluio  e  o  abuso  de  representação  são  aplicáveis  à  representação  orgânica,  pelo  que  
se  pode  recorrer  ao  art.  269º  do  CC  (ou  ao  art.  280º  em  caso  de  conluio,  para  quem  interpretar  nesse  sentido).    
 
Os   arts.   260º/2   e   409º/3   têm   regras   que   são   casos   especiais   de   abuso   de   representação.   No   caso   do   art.  
260º/2,   os   poderes   dos   gerentes   são   gerais,   abstractos   e   ilimitados,   podendo   abranger   todas   as   matérias   (âmbito  
objectivo);  e  têm  de  haver  as  duas  assinaturas  (âmbito  subjectivo).  O  «Conhecia  ou  devia  conhecer»  é  o  mesmo  que  
«Sabia  ou  devia  saber».  O  CSC  apenas  consagrou  uma  hipótese  especial  de  abuso  de  representação,  a  qual  quanto  ao  
objecto  social.  Para  todas  as  outras  situações,  aplica-­‐se  o  art.  269º  do  CC.  Isto  acontece,  desta  forma,  em  decorrência  
da  doutrina  ultra  vires.  Assim,  a  única  válvula  de  escape  é  esta.  Só  releva  se  o  terceiro  sabia  ou  devia  saber.    
 
7.3. NEGÓCIO  CONSIGO  MESMO  
 
Art.   261º,   CC:   há   uma   antecipação   da   tutela   no   confronto   com   o   art.   269º.   Para   haver   a   válvula   de   escape   do  
abuso  de  representação  é  necessário  mostrar  que  o  terceiro  sabia  ou  devia  saber.  Mas  nestes  casos,  em  vez  
de  se  exigir  isto,  o  legislador  desconfia,  porque  a  probabilidade  de  actuar  violando  os  seus  deveres  é  muito  
grande.   Faz-­‐se   uma   antecipação   da   tutela,   sendo   um   caso   particular   de   patologia.   Não   é   necessário   fazer  
prova   de   que   houve   violação   dos   deveres   ou   que   deveria   saber.   É   um   negócio   consigo   mesmo.   Em   vez   de  
vender,  p.e.,  certo  imóvel  a  terceiros,  vendeu  a  si  próprio.    
 
  No  CSC,  só  está  previsto  no  art.  397º/2.  É  uma  quebra  sistemática  do  CSC,  na  medida  em  que  apenas  respeita  
às   sociedades   anónimas.   Aplica-­‐se   por   analogia   este   artigo   ou   aplica-­‐se   o   art.   261º?   É   uma   querela   doutrinária.   É   a  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

primeira   grande   dúvida   sobre   os   negócios   consigo   mesmo   nas   sociedades   comerciais,   saber   se   se   aplica   o   CC   ou   o   CSC.  
A  segunda  grande  dúvida  é  que  há  pelo  menos  quatro  sub-­‐hipóteses  de  negócio  consigo  mesmo,  três  previstas  no  art.  
261º  e  outra  que  o  art.  397º/2  não  prevê.  É  uma  hipótese  mais  específica  na  imputação  negocial.    
 
Aula  de  10  de  março  de  2017  
 
       
7.4. IMPUTAÇÃO  DELITUAL  DAS  PESSOAS  COLECTIVAS  (OU  EXTRACONTRATUAL)  
 
Frequentemente,  fala-­‐se  de  «delito»,  se  bem  que  a  ideia  de  contratual  tende  a  não  abarcar  a  responsabilidade  
objectiva  e  por  factos  ilícitos.  Aqui,  utiliza-­‐se  o  termo  mais  amplo,  o  de  extracontratual,  abrangendo  a  responsabilidade  
objectiva,  subjectiva  e  por  facto  ilícito.    
 
Do  ponto  de  vista  histórico:    
 
Teoria   de   Ficção   de   Savigny   –   segundo   esta   teoria,   não   havia   uma   verdadeira   personalidade   das   pessoas  
colectivas,  o  que  fazia  com  que  não  fosse  justo  existir  responsabilidade  tal  como  nas  pessoas  singulares.  Foi  com  o  
realismo  orgânico,  da  realidade  sociológica,  que  predominou  a  tese  de  que  tem  de  haver  uma  responsabilidade,  
tal  como  há  nos  seres  humanos  e  nas  pessoas  singulares.  É  aqui  que  se  vai  iniciar  a  primeira  opinião  favorável  à  
responsabilidade   delitual   das   pessoas   colectivas.   Hoje   em   dia,   é   possível   usar   elementos,   com   base   no   Pp   da  
Igualdade,   raciocínios   do   género   «não   se   pode   atribuir   benefícios   à   pessoa   colectiva   e   não   atribuir   às   singulares»;  
«posso  responsabilizar  o  funcionário,  mas  não  a  empresa».  Os  critérios:  
 
a. É  um  problema  de  imputação;  
6
b. Incapacidade  de  exercício  –  as  pessoas  colectivas  não  agem  (embora  com  querela  doutrinária );  
7
c. Há  autores  que  defendem  o  organicismo  mais  organicista ;  
d. Oliveira  Ascensão  defende  que  é  a  pessoa  colectiva  a  actuar,  não  há  incapacidade  de  exercício;    
e. Pedro  Caetano  Nunes  não  considera  esta  tese  correcta.    
 
O  art.  6º  do  CSC  e  o  art.  165º  do  CPC  transformam  esta  questão  numa  questão  normativa.  Há  incapacidade  de  
exercício,  pelo  que  há  problemas  de  incapacidade  e  de  imputação.  Não  está  certo  dizer  que  a  pessoa  que  actua  
no  órgão  está  a  fazer  com  que  a  pessoa  colectiva  seja  capaz  de  exercício.  Ex.:  administrador  delega,  no  âmbito  
do  seu  mandato  como  administrador,  que  é  para  trabalhar  até  às  2h  da  manhã,  fazendo  com  que  uma  senhora  
não   consiga   dormir   toda   a   noite.   A   responsabilidade   é   da   empresa   ou   do   administrador?   O   administrador,   que  
não   tinha   seguro,   atropela   uma   série   de   pessoas.   No   mesmo   acidente,   provoca   mortes.   O   carro   era   da  
empresa,  mas  actuava  na  sua  vida  privada.  Quem  responde?  É  um  problema  jurídico  respondido  por  normas  
jurídicas  de  responsabilidade  delitual  dos  titulares  dos  órgãos  da  sociedade  comercial.  
 
  O  art.  500º  do  CC:  pressupostos  da  responsabilidade  objectiva  do  comitente.  Tem  de  haver  a  relação  entre  um  
comitente  e  um  comissário;  e  o  comitente  tem  de  actuar  no  âmbito  da  comissão  (funções  que  lhe  foram  remetidas  pelo  
seu  comitente).  A  law  in  action  –  quando  eu  sou  proprietário,  não  se  provando  a  culpa,  respondo  objectivamente  pelos  
danos.  Neste  caso,  o  proprietário  é  mesmo  a  Sociedade.    
 
  MENEZES   CORDEIRO   tem   uma   tendência   para   a   criação   de   regras   de   maior   responsabilização   das   pessoas  
colectivas,  no  sentido  de  irem  mais  além  desta  responsabilização  por  via  dos  arts.  6º  do  CSC  e  do  art.  500º  da  CC.  É  uma  
ideia   de   culpa   da   própria   organização.   Podem   haver   situações   em   que,   sendo   organizações   muito   grandes,   é   difícil  
determinar  de  quem  é  a  culpa.  Isso  levaria  a  situações  em  que  poderia  não  haver  responsabilização.    
                                                                                                                       
6
 As  pessoas  colectivas  não  agem,  quem  age  são  os  seres  humanos  no  âmbito  das  pessoas  colectivas.  Existe,  segundo  Pedro  Caetano  
Nunes,  um  problema  de  imputação.    
 
7
 I.e.,  as  pessoas  actuam  nos  órgãos  da  pessoa  colectiva,  pelo  que  há  imputação  da  pessoa  colectiva,  através  da  actuação  dos  órgãos.  
É  uma  ideia  de  mecanismo  jurídico.  É  uma  ideia  que  respeita  menos  o  enquadramento  original.  É  a  ideia  de  que  não  há  incapacidade  
de  exercício,  porque  consideram  que  os  administradores  são  a  mão  da  pessoa  colectiva.      
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
  O  art.  493º  do  CC,  da  presunção  de  culpa,  também  tem  alguma  relevância.  {No  nosso  OJ,  há  que  distinguir  as  
normas   de   responsabilidade   subjectiva;   de   responsabilidade   objectiva;   e   de   presunção   de   culpa.   Se   há   presunção   de  
culpa   é   quase   o   mesmo   que   responsabilidade   objectiva.   São   figuras   muito   próximas   nos   efeitos.   P.e.,   cartódromos   –  
não   é   fácil   ilidir,   numa   actividade   perigosa,   a   presunção   de   culpa,   pelo   que,   havendo   um   acidente,   serão   sempre  
responsáveis.  São  normas  muito  importantes  no  nosso  OJ  –  as  presunções  –  porque  têm  efeitos  práticos.}  
 
  Quando  há  responsabilidade  objectiva,  a  tendência  é  ir  pelas  normas  do  CC.  Quando  há  subjectiva,  ainda  que  
na   presunção   de   culpa   (483º   ou   493º),   ainda   há   problemas   de   imputação   para   as   pessoas   colectivas,   quer   seja   pelo  
ónus  de  prova  do  autor  (483º),  quer  havendo  inversão  do  ónus  de  prova  (493º).    
 
  MENEZES   CORDEIRO   fala   da   culpa   da   organização   como   um   todo   e   não   das   pessoas   dentro   da   organização.  PEDRO  
CAETANO  NUNES  considera  que  não  há  base  legal,  pelo  que  o  interprete  tem  de  fazer  uma  ginástica  legal  para  justificar.  E  
depois,  há  sempre  problemas  de  imputação.  A  ideia  de  culpa  da  pessoa  colectiva  serve  para  contornar.    
 
  Há  uma  imputação  ao  abrigo  de  que  normas?  Ao  abrigo  do  art.  6º/5  do  CSC  e  do  art.  165º  do  CC.  Estes  fazem  a  
imputação   dos   órgãos   ao   abrigo   da   responsabilidade   do   art.   500º.   A   alternativa   é   ir   directamente   para   o   art.   500º.  
Assim,   a   conduta   é   imputável   aos   funcionários.   O   trabalhador   não   é   um   órgão,   pelo   que,   nesse   caso,   se   vai  
directamente  ao  art.  500º,  havendo  responsabilidade  objectiva.    
 
  Associada  ao  efeito  da  imputação  extracontratual  ou  efeito  delitual  da  pessoa  colectiva,  costuma  estar  o  efeito  
reflexo   e   o   benefício   de   exclusão   do   ser   humano   pessoa   singular,   i.e.,   se   é   imputado   à   pessoa   colectiva,   eu,  
pessoalmente,   já   não   respondo.   Ex.:   o   técnico   actuou   quando   trabalhava   para   a   pessoa   colectiva.   O   elevador   caiu   e  
morreram  duas  pessoas.  É  um  problema  da  pessoa  colectiva,  é  ela  que  responde,  pelo  que  o  técnico  já  não  responde.  É  
um  tema  que  não  é  de  imputação  às  pessoas  colectivas,  mas  de  algo  que  está  ao  lado.  Frequentemente,  responsabiliza-­‐
se   apenas   a   pessoa   colectiva   e   não   os   agentes.   Mas   nem   sempre   é   assim.   Mas   quando   há   crime,   já   respondem.   A  
responsabilidade  delitual  pode  conviver  a  par  com  a  criminal.    
 
a. Saber  se  a  Sociedade  pode  ser  responsável;  
b. Sendo  responsável  perante  terceiro,  saber  se  o  colaborador  deixa  de  ser  responsável  perante  o  terceiro;  
c. Saber  se  o  colaborador  é  responsável  perante  a  Sociedade.  
 
São   três   questões   distintas.   A   responsabilidade   do   administrador   ou   colaborador   a   nível   interno,   ou   seja,   a  
última  questão,  não  cabe  no  âmbito  desta  cadeira  (da  imputação  à  sociedade).  O  terceiro  tema  é  menor.  Ao  
nível   da   responsabilidade   dos   administradores,   envolve   a   questão   de   saber   os   deveres.   Quanto   aos  
trabalhadores  quanto  à  empresa,  cabe  no  Direito  do  Trabalho.    
 
  A   ideia   de   privilégio   de   exclusão   de   responsabilidade   nunca   deve   ser   aceite   no   que   toca   a   casos   de   maior   ética  
e   ofensa   ao   direito.   P.e.,   o   administrador   que   decreta   que   a   discoteca   fica   a   trabalhar   até   mais   tarde,   causando   ruídos,  
vai  responder  concomitantemente  à  sociedade.  
 
7.5. IMPUTAÇÃO  DE  ESTADOS  SUBJECTIVOS  (ART.  259º  DO  CÓDIGO  CIVIL  APLICADO  ÀS  PESSOAS  COLECTIVAS)  
 

É   um   contexto   negocial.   É   a   propósito   da   celebração   de   negócios   jurídicos   que   se   fala   no   art.   259º.   É   um  
problema  de  imputação  negocial,  em  rigor.  Exemplos:  

(1) Impugnação  Pauliana  –  actos  de  diminuição  de  garantia  patrimonial,  que  são  impugnáveis  pelos  credores,  
com  a  sanção  de  ineficácia  relativa  face  aos  credores.  Serve  para  a  protecção  dos  credores.    
 
(2) Redução   em   Benefício   da   Massa   –   é   um   mecanismo   em   contexto   negocial   em   caso   de   insolvência.   Os  
bens  são  enquadrados  no  património  da  sociedade.  Tem  o  mesmo  efeito  de  ineficácia  relativa.  

 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Quando  há  actos  gratuitos,  é  mais  fácil  a  impugnação  pauliana.  Quando  há  actos  onerosos,  tem  de  haver  má-­‐fé  do  
terceiro   e   do   representante.   A   situação   mais   prática   com   pessoas   singulares:   J   tem   dívidas,   pelo   que   coloca   os  
bens   em   nome   dos   filhos   (terceiros),   pelo   que,   se   o   acto   for   gratuito,   não   se   tem   de   provar   a   má-­‐fé;   mas   se   é  
onerosa,  o  credor  tem  de  provar  que  J  estava  de  má-­‐fé  –  o  que  é  fácil,  na  medida  em  que  ele  sabia  das  dívidas  que  
tinha.  Assim,  o  mais  difícil  é  provar  a  má-­‐fé  do  terceiro  em  cujo  nome  ficaram  os  bens.    
 
Em  relação  ao  benefício  da  massa,  há  casos  em  que  a  lei  opera  sem  prova  da  má-­‐fé.  Se  constitui  uma  garantia  real  
em   meses   antes   da   insolvência,   há   um   período   suspeito.   J,   é   pessoa   singular.   Na   vida   real,   o   mais   comum   são  
actos  que  se  querem  impugnar,  praticados  por  pessoas  colectivas,  pelo  que  temos  um  problema  de  imputação  de  
má-­‐fé,  dos  estados  subjectivos,  à  pessoa  colectiva.    
 
  Antes   do   caso   BES,   as   várias   empresas   do   grupo   constituíram,   na   reta   final,   uma   garantia   de   penhores  
financeiros   –   ora,   a   constituição   de   garantias   à   beira   da   insolvência   dá   benefício   da   massa   se   houver   má-­‐fé.   Os  
administradores  do  BES  e  das  empresas  do  grupo,  ao  constituírem  os  penhores  a  favor  do  BES,  actuaram  de  má-­‐fé  com  
consciência  de  que  estavam  a  prejudicar  os  restantes  credores  do  grupo  BES?    
 
  O   segundo   exemplo   é   dos   vícios   na   formação   do   negócio   jurídico.   Na   compra   e   venda   de   um   televisor,   por  
regra,  há  uma  pessoa  singular.  Mas  se  for  uma  compra  e  venda  entre  empresas   –  quer  por  venda  do  estabelecimento,  
quer   por   venda   das   participações   de   controlo   -­‐,   há   um   problema   de   erro.   No   geral,   são   problemas   de   incumprimento   e  
não  de  erro  (mas  pode  haver  excepções).  Se  no  anexo  do  contrato  não  vem  especificado,  é  de  erro.  Mas,  por  vezes,  
podem  haver  o  erro  quando  o  comprador  é  uma  empresa  (estados  subjectivos  relevantes).    
 
  Os  estados  subjectivos  geram  problemas  de  imputação  dos  administradores  à  sociedade  comercial.  O  art.  259º  
é   a   única   norma   que   trata   deste   assunto.   Vale   para   a   representação   voluntária.   Nesta   representação,   temos,  
tipicamente,  o  representante  e  o  representado.  Nas  pessoas  colectivas  é  mais  complexo.  Há  vários  órgãos.  Do  ponto  de  
vista  do  estado  subjectivo  e  das  pessoas  que  actuam  em  nome  dela,  há  sempre  mais  pessoas.    
 
  A   vontade   do   representado   não   existe,   a   não   ser   que   se   entenda   que   é   a   vontade   dos   órgãos   que   não  
celebraram  o  contrato.  Mas  aqui  já  temos  um  problema  de  imputação,  de  saber  se  essa  vontade  era  necessária  e  se  
essa   vontade   foi   realmente   a   daqueles   órgãos.   Se   o   administrador   que   actuou   estava   de   má-­‐fé,   para   efeitos   de  
impugnação  pauliana,  pode  o  credor  invocar  a  impugnação  pauliana.  Mas,  imaginando  que  dos  vários  que  actuaram,  só  
um   estava   em   erro,   basta   o   erro   de   um.   Se   estava   em   má-­‐fé,   basta   à   má-­‐fé   de   um   dos   que   actuou.   Imaginando   que  
estavam  três  de  má-­‐fé  e  um  em  erro,  surge  a  questão,  a  qual  não  está  resolvida  pelo  artigo.    
 
  Os  que  assinaram  não  estavam  de  má-­‐fé,  mas  o  CEO  estava.  Quid  iuris.  O  art.  259º/1  não  responde.  Quanto  ao  
número  2,  parece  ajudar.  O  representado  não  pode  beneficiar  quando  o  outro  está  de  má-­‐fé.  Isto  está  pensado  para  
um  representado  que  tenha  cérebro  e  a  pessoa  colectiva  não  tem  cérebro.  O  CEO  de  má-­‐fé  vale  contra  a  sociedade  por  
via   da   interpretação   extensiva.   Se   for   um   funcionário   menor,   a   lei   não   dá   critérios.   Os   alemães   defendem   que   depende  
das  funções  que  desempenham  dentro  da  sociedade.  Se  havia  um  dever  de  reportar  internamente  a  circunstância  que  
forma  um  prejuízo  para  os  credores,  há  imputação.  Aqui  temos  os  problemas  da  organização  dos  deveres  como  critério  
para  o  Princípio  da  Culpa  em  sede  de  imputação  para  as  pessoas  colectivas.  Se  a  má-­‐fé  for  de  uma  pessoa  que  tinha  o  
dever  de  gerir  aquela  área  ou  de  comunicar  a  informação  ao  Conselho  de  Administração,  há  imputação,  derivado  do  Pp  
da  Culpa.  As  pessoas  têm  de  ser  julgadas  com  base  dos  deveres  na  organização.    
 
7.6. DESCONSIDERAÇÃO  DA  PERSONALIDADE  JURÍDICA  
 
Jogam-­‐se,  nesta  teoria,  situações  que  têm  a  ver  com  a  responsabilidade  dos  sócios  e  situações  de  imputação.  A  
primeira  coisa  a  dizer  é  que  se  trata  de  uma  criação  jurisprudencial  norte-­‐americana.  Há  uma  desconsideração  
da   entidade   corporativa   ou   do   levantamento   da   personalidade   jurídica.   Esta   teoria   consiste   numa   derrogação  
da  autonomia  subjectiva  e/ou  patrimonial  entre  a  sociedade  e  os  sócios.  É  a  derrogação  do  Pp  da  Separação,  
entre  os  sócios  e  o  património  da  pessoa  colectiva.  Pontualmente,  desconsideramos  essa  separação.  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Por   um   lado,   temos   situações   de   imputação   e,   por   outro,   de   responsabilidade.   São   situações   em   que,   para  
efeitos  de  variadas  normas  jurídicas  do  OJ,  em  vez  de  imputar  o  comportamento  à  esfera  jurídica  da  sociedade,  imputa-­‐
se   ao   sócio.   É   extramente   frequente.   O   art.   877º   do   CC   –   venda   a   filhos   e   netos   –   é   um   exemplo   típico.   Uma   das  
hipóteses   mais   evidentes   para   contornar   este   artigo   é   vendendo   a   uma   sociedade   de   um   filho,   não   tendo   os   outros  
qualquer  acesso.  O  outro  exemplo  são  as  proibições  de  concorrência  –  art.  398º  do  CSC.  Em  vez  de  exercer  eu  próprio  
uma  actividade  que  é  concorrente,  crio  uma  sociedade,  a  qual  actua  como  concorrente.  São  formas  de  contorno.    
 
As  outras  situações  são  as  de  responsabilidade  –  criação  de  responsabilidade  dos  sócios  pelas  dívidas  sociais;  é  
a  derrogação  da  regra  de  ouro  do  capitalismo.  Situações  típicas  de  abuso,  considerados  pela  Jurisprudência:  
 
• Mistura  de  patrimónios:  Ex.:  sociedade  de  construção  civil,  em  que  se  juntava  o  carro  para  assuntos  
pessoais;  a  empresa  pagou  o  casamento  da  filha.  
 
• Subcapitalização   inicial:   constituição   da   sociedade   com   capitais   próprios   reduzidos.   O   tribunal   vai  
considerar   que   devia   ter   colocado   mais   capital,   na   medida   em   que,   daquela   forma,   estava   a  
externalizar  o  risco  dos  credores.  Por  ter  feito  isso,  tem  de  responder  pelas  dívidas.    
 
• Subcapitalização  superveniente:  prolongamento  da  vida  da  sociedade  quando  já  está  insolvente  ou  
quando  se  faz  uma  subcapitalização  forçada  (ex.:  venda  a  terceiro  –  dissipação  do  património).  
 
Sendo   uma   teoria,   é   necessária   uma   base   legal   para   que   se   possa   aplicar   na   prática.   Segundo   Freitas   do   Amaral,   os  
artigos  deviam  constar  da  Constituição  (os  artigos  da  interpretação  da  lei).  A  base  legal  é  difícil.  Segundo  PCN:  
 
a. Há  determinados  casos  especiais  que,  no  fundo,  foram  acolhidos  pelo  legislador.  É  o  caso  do  art.  84º  do  CSC.  O  
artigo   tem   uma   norma   que   é   inspirada   na   criação   jurisprudencial   norte-­‐americana,   na   ideia   de  
desconsideração   da   personalidade   jurídica.   PCN   considera   que   é   uma   questão   explícita,   e   não   alvo   de   uma  
querela.   Se   foi   feita   a   norma,   há   consagração   legal   da   teoria.   A   letra   da   lei   tem   a   ideia   da   mistura   de  
patrimónios.   A   subcapitalização   inicial   já   não   cabe;   a   superveniente,   mais   ou   menos.   As   sociedades   que  
tenham   mais   de   um   sócio   já  não   cabem   no   presente   artigo.   Para   lá   disto,   podemos   dizer   que   nas   situações   de  
imputação   é   fácil,   na   medida   em   que   está   em   causa   uma   fraude   à   lei   (artigos   que   proíbam   –   problema   de  
interpretação:  artigo  da  venda  aos  filhos,  p.e.).    
 
b. Quanto  às  situações  de  responsabilidade,  não  há  base  legal.  Quanto  muito,  art.  334º  do  CC  –  abuso  de  direito.  
Nas   situações   de   desconsideração   por   questões   de   responsabilidade,   esta   é   a   única   norma   possível.   Pode  
sempre  ser  utilizada,  apesar  de  poderem  haver  situações  manifestas  de  ofensa  aos  bons  costumes.    
 
c. O   art.   21º   é   uma   norma   geral   que,   em   contexto   de   normas   em   conflito,   determina   que   não   pode   haver   fraude  
à  lei  [Direito  Internacional  Privado].    
 
d. Nestas  situações  de  responsabilidade,  além  de  não  haver  grande  base  legal,  frequentemente,  actua-­‐se  contra  
legem,  i.e.,  actua-­‐se  ostensivamente  contra  a  regra  da  irresponsabilidade  dos  sócios  pelas  dívidas  sociais.  
 
8. CONSTITUIÇÃO  DAS  SOCIEDADES  COMERCIAIS  
 
A  ideia  de  acto  colectivo  é  de  Gierke,  predominante  em  Oliveira  Ascensão.  Em  vez  de  um  contrato  de  DN,  há  
um   conjunto   de   DN   que   apontam   na   mesma   direcção.   Mas   é   uma   má   ideia,   porque   nem   todos   os   contratos   são   um  
contrato   de   troca.   Esta   ideia   de   acto   colectivo   coloca   em   confusão   a   formação   e   o   conteúdo   do   contrato.   Há   várias  
categorias  de  contrato,  mas  são  todos  contratos.  A  segunda  nota  é  que  a  constituição  de  sociedades  comerciais  é  um  
processo,  i.e.,  o  conjunto  de  actos  que  se  sucedem  no  tempo  (conjunto  de  actos  +  tempo).  É  importante  saber  que  a  
formação  do  contrato  é  um  processo.  Além  do  NJ  institutivo,  há  registo  e  publicidade.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Outra   nota   introdutória   é   a   tendência   de   desburocratização.   Em   2006   deixou   de   ser   necessária   a   escritura  
pública   para   a   constituição   das   empresas.   depois   temos   a   empresa   na   hora.   A   propósito   do   abandono   da   escritura  
pública,   a   1ª   Directiva   de   Coordenação   exige   dois   tipos   de   controlo,   sendo   que,   quando   se   abandonou   a   escritura,  
passou   a   existir   só   um,   o   que   vai   contra   a   Directiva.   É   uma   desburocratização   associada   a   elementos   electrónico.  
Diminui   o   tempo   para   se   constituir   a   sociedade,   na   medida   em   que   segue   automaticamente   para   a   conservatória,  
fazendo  logo  o  registo.  
 
 A   identidade   da   firma   corresponde   ao   nome   da   sociedade.   Não   pode   ser   confundível   com   outra   que   já   existe.  
Antes  de  constituir,  tem  de  ter  a  certeza  de  que  aquele  nome  é  viável.  Na  empresa  na  hora,  há  certificados  pré-­‐criados,  
para  não  haver  problemas  na  constituição  da  empresa.    
 
Surge   o   problema   das   sociedades   em   formação   (irregulares),   sendo   processos   em   que   há   sociedades   que  
actuam  quando  ainda  não  terminaram  o  seu  negócio  constitutivo.  Falta  o  registo  e  a  propriedade.  Há  um  processo  e  
sociedades  irregulares  por  muito  ou  pouco  tempo,  porque  querem  ficar  à  margem  da  legalidade  em  economia  paralela,  
não  sujeitas  a  registo,  que  diminuem  os  custos  de  transacção.    
 
8.1. MODALIDADES  DE  CONSTITUIÇÃO  
 
Existem   várias   modalidades:   (1)   comum;   (2)   empresa   na   hora;   (3)   empresa   online;   (4)   com   registo   prévio;   (5)   com  
a  subscrição  pública;  (6)  por  fusão,  cisão  ou  transformação  –  por  reestruturação;  (7)  saneamento  por  transmissão;  
(8)  por  acto  legislativo  formal  –  por  lei.    
 
8.1.1. CONSTITUIÇÃO  POR  MODALIDADE  COMUM  
 
Tem   três   actos:   negócio   jurídico   institutivo,   registo   e   publicidade   (art.   7º   do   CSC).   Tem   de   haver  
reconhecimento  das  assinaturas.  Há  determinados  actos  que  podem  ser  praticados  por  advogados,  inclusive.  O  
registo  é  exigido  pelos  arts.  5º  e  18º,  sendo  feito  na  Conservatória  do  Registo  Comercial.  Os  sócios,  ou  se  for  
feito   perante   certo   notário,   têm   regras   semelhantes   do   Registo   Predial.   Quem   exercer   funções   públicas   –  
notários   –   têm   um   dever   oficioso   de   registo.   Se   não   for   o   notário,   são   as   partes   que   têm   de   enviar   para   a  
Conservatória.  O  art.  167º  traz  a  norma  da  publicidade  obrigatória.  Para  efeitos  de  impugnação  pública,  além  
da   Conservatória,   tem   de   ser   dada   a   publicidade   por   via   da   publicação   no   sítio   electrónico   do   Registo   Nacional  
das  Pessoas  Colectivas  (antes  era  em  Diário  da  República).    
 
Além  do  registo  (art.  18º),  que  tem  por  base  os  factos  geradores  de  situações  jurídicas.  Também  temos  a  outra  
forma   de   publicidade   –   Registo   Nacional   das   Pessoas   Colectivas   (art.   167º).   É   promovida   pelos   serviços  
registrais.    
 
Aula  de  14  de  março  de  2017  
 
8.1.2. CONSTITUIÇÃO  POR  MODALIDADE  DA  EMPRESA  NA  HORA  
 
É  regulada  pelo  DL  111/2005.  É  uma  forma  expedita,  rápida,  de  criação  de  sociedades  comerciais.  Tem  como  o  
objectivo   a   constituição   de   uma   empresa   em   menos   de   uma   hora.   Os   aspectos   essenciais:   só   para   as  
sociedades  anónimas  e  por  quotas  {não  há  problema,  na  medida  em  que  são  as  que  têm  mais  procura}.    
 
Características:  
 
A  subscrição  de  um  negócio  jurídico  institutivo  de  modelo  previamente  aprovado  (arts.  3º  e  8º/1,  alínea  d));  
8
Utilização  de  uma  firma  previamente  criada  e  reservada  a  favor  do  Estado  –  nome  da  sociedade  (art.  3º/3);  
                                                                                                                       
8
 As  firmas  não  se  podem  confundir,  pelo  que  tem  de  haver  um  controlo  prévio  das  firmas  (dos  nomes).  Existe  assim  uma  autoridade  
administrativa  que  faz  esse  controlo.  O  direito  ao  nome  é  um  direito  de  personalidade  das  pessoas  colectivas;  por  outro  lado,  pode  
ser   considerado   um   direito   de   propriedade   intelectual   (direito   absoluto).   Não   deve   ser   confundido   com   a   marca.   A   marca   é   um  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Registo  (art.  8º/1,  alínea  e))  e  publicações  obrigatórias  (art.  13º).  


 
8.1.3. CONSTITUIÇÃO  POR  MODALIDADE  DE  EMPRESA  ONLINE  
 
É   regulado   pelo   DL   125/2006.   É   uma   espécie   de   empresa   na   hora,   mas   online.   Um   sítio   onde   os   cidadãos   e/ou  
as  empresas  se  poderem  dirigir.  Serve,  de  igual  forma,  para  sociedade  anónimas  e  por  quotas.    
 
Características:  
 
9
Subscrição  online  de  modelo  previamente  aprovado  ou  por  texto  da  autoria  dos  subscritores ;  
10
Firma  previamente  criada  e  reserva  a  favor  do  Estado  (ou  não) ;  
11
Registo  e  publicações  obrigatórias .  
   
 
 
 
8.1.4. CONSTITUIÇÃO  POR  MODALIDADE  DE  REGISTO  PRÉVIO  
 
O  art.  6º  do  Código  do  Registo  Predial  fala  do  registo  prévio  quanto  aos  direitos  reais.  Isso  também  é  possível  
na  constituição  de  sociedades  comerciais  (art.  18º  do  CSC).  
 
8.1.5. CONSTITUIÇÃO  POR  MODALIDADE  COM  SUBSCRIÇÃO  PÚBLICA  
 
É  a  modalidade  mais  complexa.  Está  regulado  pelos  arts.  279º  e  ss  do  CSC.  É  ainda  relevante  o  CVM,  nos  arts.  
13º/1,   alínea   a)   –   delimitação   da   sociedade   anónima   de   subtipo   aberto.   Um   dos   requisitos   é   ser   criada   por   via  
da  subscrição  pública.  Releva  ainda  o  art.  168º  do  CVM,  que  consagra  uma  regra  sobre  as  ofertas  públicas  para  
a   subscrição   {associada   a   um   aumento   de   capital}.   Aqui,   falamos   da   própria   constituição   ser   feita   por  
subscrição  pública  –  cria-­‐se  a  sociedade  a  partir  daqui.    
 
O  Processo  de  Constituição:  
 
1. Projecto  de  negócio  jurídico  institutivo  (projecto  de  contrato,  de  estatutos);  
2. Registo  provisório;  
12
3. Elaboração  de  prospeto  de  oferta  pública  de  subscrição ;  
4. Aprovação  do  prospeto  pela  Comissão  de  Mercado  de  Valores  Mobiliários  [CMVM];    
5. Lançamento  da  oferta  pública  de  subscrição  –  proposta  dirigida  ao  público;  
13
6. Subscrição  de  acções  –  reacção  à  proposta  (subscrição  com  auxílio  dos  intermediários  financeiros) .  
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             
direito   de   propriedade   industrial   (a   par   das   patentes   –   ex.:   fórmulas   químicas   dos   medicamentos   têm   patentes).   A   firma   não   é   o  
mesmo   que   a   marca.   No   processo   constitutivo,   o   elemento   que   cria   maior   demora   é   este   –   reacção   burocrática   por   parte   do  
aparelho   de   Estado.   A   solução   encontrada   em   2005   pelo   poder   político   português   para   a   constituição   de   empresas   na   hora,   foi   criar  
firmas  com  os  nomes  mais  estranhos  –  previamente  criados  pelo  Estado.      
9
 É  um  sistema  mais  maleável  que  a  empresa  na  hora.    
 
10
  É   possível   que   os   cidadãos,   os   particulares,   tenham   solicitado   previamente   um   certificado   de   admissibilidade   de   firma.   É   um  
regime  maleável.  Tanto  pode  ser  algo  rápido,  num  modelo  pré-­‐fabricado;  como  pode  ser  por  via  deste  certificado  e  com  uma  minuta  
distintos  do  modelo  previamente  aprovado.    
 
11
 Já  não  há  qualquer  remessa  em  formato  de  papel  (incluindo  a  assinatura  electrónica).    
 
12
  No   regime   dos   valores   mobiliários   visa-­‐se   essencialmente   a   protecção   do   investidor.   Um   dos   aspectos   centrais   dessa   protecção  
está   no   regime   de   informação.   assim,   a   oferta   pública   de   um   valor   mobiliário   implica   a   elaboração   de   um   documento   com   a  
informação   mais   importante   dirigida   aos   investidores   (prospeto).   Existe   inclusivamente   um   regime   de   responsabilidade   pelo  
prospeto.  A  principal  componente  da  protecção  dos  investidores  está  na  informação  e  na  responsabilidade.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
Tem  que  haver  um  contrato  com  o  sindicato  bancário,  com  um  conjunto  de  intermediários  financeiros,  entre  
os   promotores   da   subscrição   pública   e   o   conjunto   de   intermediários   financeiros,   no   sentido   de   colocaram   a  
oferta  no  mercado  para  receberem  a  subscrição.  É  uma  forma  de  cooperação  interempresarial.    
 
Constituição  da  Sociedade  na  Realização  da  Assembleia  Constitutiva:  
 
1. Realização  de  Assembleia  Constitutiva  (mera  formalização);  
2. Celebração  e  assinatura  do  contrato  pelos  promotores;  
3. Registo  definitivo;  
4. Publicações  obrigatórias.    
 
No  caso  do  processo  de  constituição  da  sociedade  por  subscrição,  os  próprios  promotores  são  responsáveis;  os  
intermediários  financeiros  que  assistem  à  oferta.  Há  muitos  intervenientes  que  podem  ter  responsabilidade.    
 
Este   processo   não   é   frequente,   uma   vez   que   existe   uma   alternativa   mais   frequente,   designadamente,  
constituir  uma  sociedade  comercial  nos  termos  normais  e,  depois,  colocar  nos  estatutos,  uma  autorização  para  
que   o   CA   liberte   ou   aumente   o   capital.   A   segunda   alternativa   é   a   constituição   de   uma   sociedade   com   forte  
participação  de  instituições  de  crédito,  as  quais  vão  tentar  vender  as  participações  que  tomaram  de  início.  É  
uma  forma  de  entrar  no  público,  embora  distinta  da  subscrição.    
 
 
 
 
 
8.1.6. CONSTITUIÇÃO  POR  MODALIDADE  DE  FUSÃO,  CISÃO  OU  TRANSFORMAÇÃO  
 
A  fusão  por  constituição  de  nova  sociedade  (art.  97º  do  CSC)  –  duas  ou  mais  sociedade  juntam-­‐se  para  criar  
uma   única   sociedade.   Há   essencialmente   duas   modalidades:   por   incorporação   –   uma   sociedade   recebe   a  
outra,  que  já  existia;  por  constituição  de  uma  nova  sociedade  –  juntam-­‐se  duas  para  dar  origem  a  uma  nova  
sociedade.    
 
Temos   ainda   o   caso   de   cisão   simples   –   é   o   oposto   da   fusão.   Em   vez   de   termos   dois   estabelecimentos  
comerciais  que  se  juntam  numa  única  sociedade;  na  cisão,  há  um  desmembramento  de  um  estabelecimento  
comercial,  que  dá  origem  a  dois,  cada  um  como  uma  nova  sociedade.  Pode  dar-­‐se  que,  mm  vez  de  se  criar  uma  
nova  sociedade,  essa  parte  do  estabelecimento  não  cria  uma  nova  sociedade,  mas  passa  para  uma  sociedade  
que  já  existia.  
 
 
  Sociedade  A   Cisão:   criação   da   Sociedade   B   –   massa  
  patrimonial   é   transferida   para   uma   nova  
  Estabelecimento   sociedade   =   a   criação   de   uma   nova   pessoa  
  colectiva  jurídica.  
 
A   transformação   extintiva   ou   novatória   –   quando   uma   sociedade   comercial   de   um   tipo   se   transforma   num  
outro  tipo.  Há  uma  modalidade  menos  frequente  que  se  transforma  noutra.    
 
8.1.7. CONSTITUIÇÃO  POR  MODALIDADE  DE  SANEAMENTO  POR  TRANSMISSÃO  
 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             
13
 São  os  Bancos  que  recebem  a  subscrição.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Releva  o  art.  199º  do  Código  de  Insolvência  e  Recuperação  de  Empresas.  há  uma  massa  insolvente,  mas  que  
tem   ainda   activos   que   geram   cash   flows,   estabelecimentos   comerciais   produtivos.   Constitui-­‐se   a   nova  
sociedade  e  colocam-­‐se  lá  estes  estabelecimentos  comerciais.    
 
Actos  relevantes  (ou  Processo):  
 
1. Proposta  de  plano  de  insolvência,  com  os  estatutos  em  anexo;  
2. Deliberação  de  aprovação  em  Assembleia  de  Credores;  
3. Homologação  judicial;  
4. Registo;  
5. Publicidade.  
 
As  pessoas  vão  para  insolvência  quando  já  não  têm  capitais  próprios  (só  há  dívida  para  os  credores).  É  por  esta  
razão  que  há  uma  Assembleia  de  Credores,  são  eles  que  estão  na  posição  de  decidir.  Geralmente,  cerca  de  90%  
das  empresas  não  são  recuperadas.  São  liquidadas,  vendidas  aos  pedações  em  processo  de  insolvência.  Está  a  
vender   acima   dos   custos;   a   criar   margem;   mas   pode   ter   um   grande   peso   de   dívida   {só   nestes   casos   é   que  
poderá   haver   uma   reestruturação   e   não   uma   liquidação   –   os   credores   passam   a   ser   os   novos   accionistas;   a  
empresa  será  criada  sem  o  peso  da  dívida}.    
 
8.1.8. CONSTITUIÇÃO  POR  MODALIDADE  DE  ACTO  LEGISLATIVO  FORMAL  
 
Aqui  não  há  um  processo  específico.  Há  o  processo  legislativo.    
   
8.2. ELEMENTOS  DO  CONTRATO  DE  SOCIEDADE  
 
Importa   o   art.   9º   do   CSC.   Em   primeira   instância,   elenca   o   conteúdo   obrigatório   do   negócio   institutivo.   É  
também   frequente   ser   denominado   de   menções   ou   cláusulas   obrigatórias.   O   contrato   é   o   conjunto   de   normas  
privadas   que   criam   o   efeito   jurídico   entre   as   partes.   Há   uma   necessidade   de   interpretação   do   contrato   para   se  
verificar   quais   os   efeitos   do   contrato.   Cada   tipo   de   contrato   tem   um   regime,   que   pode   ser   mais   ou   menos  
injuntivo.   Nos   tipos   das   sociedades   comerciais,   há   um   regime   injuntivo   relativamente   extenso,   i.e.,   há  
elementos  do  contrato  que  têm  de  estar  obrigatoriamente  presentes.  
 
Os  elementos:  
 
⇒ Identificação  dos  sócios;  
⇒ Tipo  de  sociedade  comercial;  
⇒ Firma  (o  nome);  
14
⇒ O  objecto  (que  deve  ser  articulado  com  o  art.  11º) ;  
15
⇒ Sede  da  sociedade  –  social  ou  estatutária  [diversa  da  sede  efectiva] ;  
16
⇒ Capital  social  (tem  de  constar  dos  estatutos) ;  
17
⇒ Descrição  e  valor  das  entradas  (número  e  quantidade  das  participações  sociais)  
                                                                                                                       
14
  Proibição   de   sociedades   universais:   que   tenham   um   objecto   social   tão   amplo   que   se   torne   incaracterístico.   Nus   casos,   é   um  
objecto  preciso;  noutros,  é  um  elenco  muito  amplo,  que  pode  dar  para  muita  coisa.  Em  princípio,  a  cláusula  do  objecto  não  possui  os  
efeitos  externos,  contra  terceiro.    
 
15
 A  distinção  é  essencial,  na  medida  em  que  a  sede  social  ou  estatutária  é  relevante  para  certos  bens  jurídicos  e  a  sede  efectiva  para  
outros.  P.e.,  as  Assembleias  Gerais  são  feitas  na  estatutária.  A  informação  da  sociedade  é  na  sede  estatutária,  porque  é  lá  que  estão  
os  documentos  da  sociedade.  Por  outro  lado,  na  sede  efectiva,  há  outros  efeitos.  P.e.,  se  a  sociedade  foi  constituída  em  Lisboa,  tem  a  
sede  estatutária  em  Lisboa,  mas  a  Direcção  reúne  em  Madrid,  os  critérios  do  direito  aplicável  serão  diferentes.  
16
  É   uma   cifra   pecuniária   estatutária   que   se   repercute   nas   participações   sociais,   nas   entradas   dos   sócios.   Tem   que  estar   expresso   em  
moeda  com  curso  legal  em  Portugal.  Das  sociedades  em  nome  colectivo,  em  que  todos  os  sócios  entram  com  prestações  de  serviços,  
quando  há  apenas  entradas  industriais,  não  há  capital.  Há  sempre  capital  social,  a  não  ser  neste  tipo  de  sociedades.      
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
8.2.1. CLÁUSULAS  NÃO  OBRIGATÓRIAS,  MAS  FREQUENTES  
 
Se  nada  se  disser,  a  sociedade  dura  por  tempo  indeterminado  (art.  15º  do  CSC).  Mas  é  possível  colocar  a  cláusula  
de  duração  no  contrato  ou  nos  estatutos.  
 
8.2.2. AQUISIÇÃO  DE  PARTICIPAÇÕES  SOCIAIS  NOUTRAS  SOCIEDADES  
 
O   art.   11º/4   e   5   consagra   regras   que   permitem   que   os   estatutos   disponham   de   maneira   diferente.   O   regime  
supletivo   é   pouco   permissivo,   o   que   dificulta   esta   aquisição.   O   frequente   é   que   os   estatutos   tenham   cláusulas  
permissivas,  no  sentido  de  permitir  tudo.  Habilitam  as  sociedades  a  terem  participações  sociais  noutras  sociedades.  
 
 
 
Sociedade  A   Sociedade  B  
 
 
  FORNECEDOR  
 
 
  Sociedade  A:  o  objecto   Sociedade  B:  o  objecto  
  social  é  a  metalomecânica.     social  é  a  indústria  mineira.    
 
 
O  proprietário  da  Sociedade  B  está  prestes  a  falecer,  logo,  o  proprietário  da  Sociedade  A  tem  interesse  em  comprar  
uma  parte  da  Sociedade  B,  uma  vez  que  esta  é  sua  fornecedora.  A  aquisição  vai  depender  das  cláusulas  do  contrato  
de  sociedade,  daí  que  se  entenda  que  essas  devam  ser  mais  permissivas,  pois  pelo  regime  supletivo  seria  difícil.    
 
8.2.3. PERÍODO  DE  EXERCÍCIO    
 
O   art.   9º/1,   alínea   i)   é   relevante   para   efeitos   de   prestação   de   contas   do   art.   65º   (1   de   janeiro   a   31   de  
dezembro).  
 
8.2.4. VANTAGENS,  INDEMNIZAÇÕES  E  RETRIBUIÇÕES  ASSOCIADAS  À  CONSTITUIÇÃO  DA  SOCIEDADE  
 
O  art.  16º  não  deve  ser  confundido  com  o  art.  24º.  O  art.  24º  regula  a  matéria  dos  direitos  especiais  dos  sócios.  
O   art.   16º   apresenta   as   vantagens,   indemnizações   e   retribuições   associadas   à   constituição   da   sociedade,   o   que   não  
deve  ser  confundido  com  os  direitos  especiais  dos  sócios.  Todos  os  sócios  têm  determinados  direitos,  mas  há  direitos  
que   são   só   de   alguns   sócios.   Por   sua   vez,   o   art.   16º   regula   vantagens   atribuídas   a   certas   pessoas   –   sócios   ou   não   -­‐,  
associadas  à  constituição  da  sociedade,  p.e.,  promotores.    
 
As  sociedades  constituem-­‐se  através  de  um  processo  que  pode  ainda  não  estar  acabado  (art.  19º).  Os  estatutos  podem  
estabelecer  que  determinados  negócios  poderão  vincular  a  sociedade  assim  que  terminar  o  processo  de  constituição  da  
sociedade.   Em   especial,   a   articulação   do   art.   19º,   alíneas   c)   e   d)   com   o   número   2.   O   art.   19º   trata   da   assunção   de  
negócios   anteriores   à   constituição   e   ao   registo.   As   sociedades   constituem-­‐se   através   de   um   processo   e,   por   vezes,  
começam  a  ser  sociedade  antes  de  terminar  esse  processo.    
 
Ex.:  A  e  B,  mais  dez  amigos,  constituíram  uma  sociedade.  Contudo,  A  e  B  são  os  mais  activos  e  fizeram  um  contrato  com  
carácter  preliminar  com  o  Ministério  da  Economia.  O  contrato  celebrado  por  A  e  B,  em  função  da  futura  constituição  da  
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             
17
  Os  estatutos  têm  que  identificar  a  quantidade  e  o  valor  nominal  das  partes,  quotas  ou  acções.  P.e.,  o  BES,  antes  de  ser  resolvido,  
era  detentor  de  5  milhões  de  acções,  com  o  valor  de  x.  Essa  informação  tinha  de  estar  nos  estatutos.  Para  além  disso,  também  tem  
de  ser  indicado  o  tipo  de  prestação.  Nas  sociedades  anónimas,  há  mais  um  elemento  obrigatório  –  estrutura  orgânica  (art.  272º  e  
278º).    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

sociedade,   fica   estabelecido   nos   estatutos,   que   são   assumidos   pela   sociedade   assim   que   terminar   o   processo  
constitutivo.    
 
8.2.5. COMPETÊNCIA  DO  CONSELHO  DE  ADMINISTRAÇÃO  EM  MATÉRIA  DE  AUMENTO  DE  CAPITAL  SOCIAL    
 
O  frequente  é  começar  a  sociedade  de  forma  simples  e,  depois,  produzir-­‐se   um   aumento   de   capital.   Acontece  
apenas   nas   sociedades   anónimas   (art.   456º,   CSC).   Se   esta   transformação   constar   dos   estatutos,   poderá   não   ser  
necessária  a  autorização  dos  sócios.    
 
8.2.6. PRESTAÇÕES  SUPLEMENTARES  E  DIREITO  DE  INFORMAÇÃO  PELOS  SÓCIOS  
 
Se   não   se   disser   nada,   vigora   o   que   está   na   lei.   É   inteligente   regular   esta   matéria   nos   estatutos,   por   via   a  
colocar  regras  favoráveis  aos  sócios  minoritários,  e  restringir  o  acesso  à  informação  ao  sócio  maioritário.  Podem  ainda  
existir  as  regras  sobre  distribuição  dos  lucros:    
 
a. Sociedades  por  quotas  –  art.  217º;  
b. Sociedades  anónimas  –  art.  294º.    
 
No   art.   217º   há   uma   regra   de   protecção   dos   sócios   minoritários.   Os   lucros   não   podem   deixar   de   ser  
distribuídos  numa  certa  medida.  Excepto  uma  maioria  de  3/4,  não  podem  deixar  de  ser  distribuídos  metade  dos  lucros.    
 
Outro  tema  regulado  nos  estatutos  é  o  regime  de  transmissão  das  participações  sociais.  Para  a  sociedade  por  
quotas  (art.  229º),  há  um  tipo  de  maior  elasticidade.  É  possível  transmitir  ou  criar  regras  quer  no  sentido  restritivo,  quer  
permissivo.   Já   no   que   toca   às   sociedades   anónimas   (art.   328º/2),   há   maior   liberdade   de   transmissão   das   acções,   com   a  
possibilidade  de  serem  criadas  restrições.    
 
Por   fim,  as  normas   injuntivas   da   lei   têm   de  ser  cumpridas.   Por  outro  lado,   as   dispositivas   (art.   9º/3)   podem   ser  
afastadas   pelos   estatutos   ou   por   deliberação   dos   sócios   (mas   apenas   se   os   estatutos   criarem   essa   possibilidade).   O  
artigo   é   muito   relevante,   pois   pode   fazer   constar   dos   estatutos   uma   cláusula   que   permita   aos   sócios,   por   mera  
deliberação  –  a  qual,  simples  –  a  derrogação  dos  estatutos.    
 
Se  os  estatutos  forem  contrários  aos  elementos  obrigatórios  do  contrato,  a  consequência  é  a  nulidade,  sendo  que  
pode  ser  admissível  a  redução  na  parte  que  for  nula.    
 
Aula  de  17  de  março  de  2017  
 
8.3. REGRAS  DE  INTERPRETAÇÃO  DOS  ESTATUTOS  
 
  Não   se   trata   de   interpretação   de   um   contrato   ou   de   negócio   jurídico   institutivo.   Trata-­‐se   da   interpretação  dos  
estatutos   do   contrato   de   sociedade,   que   tende   a   perdurar   no   tempo.   Aqui   há   uma  querela   doutrinária:   a   solução   mais  
evidente   seria   aplicar   o   art.   236º   do   Código   Civil,   as   regras   normais.   Porém,   uma   parte   substancial   da   doutrina  
considera  que  não  se  devem  aplicar  estas  regras,  mas  sim  as  da  interpretação  da  lei,  ou  seja,  art.  9º  do  CCiv.    
 
  A  interpretação  intermédia  distingue,  dentro  dos  estatutos:  
 
As  cláusulas  relativas  aos  direitos  dos  sócios  (especiais)  e  as  relativas  à  organização  da  pessoa  colectiva  (organizacional);  
para  estas  últimas,  faria  sentido  a  aplicação  do  art.  9º  CCiv  e  às  primeiras  o  art.  236º  CCiv.    
 
  A  generalidade  dos  contratos  respeita  a  poucas  pessoas;  as  que  subscreveram  os  contractos.  Pelo  contrário,  os  
negócios  jurídicos  institutivos  das  sociedades  perduram  mais  no  tempo  e  entram  em  contacto  com  terceiros,  porque  os  
sócios  que  constituem  a  sociedade  não  são  os  que  a  acompanham  até  ao  seu  fim;  estão  sempre  a  entrar  e  a  sair  sócios,  
e  nas  sociedades  anónimas,  em  especial,  nas  abertas,  temos  muita  gente.  Neste  contexto,  em  que  os  interessados  num  
contrato   de   sociedade   são   muitos   e   não   são   sempre   os   subscritores   iniciais,   surge   esta   tendência   doutrinária   que   usa   o  
art.  9º  CCiv  em  detrimento  do  art.  236º  CCiv.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
⇒ Para  PEDRO   CAETANO   NUNES,  quem  se  afasta  do  art.  236º  e  vai  para  o  art.  9º,  está  a  interpretá-­‐lo  mal,  
isto   porque   o   236º   consagra   a   teoria   da   impressão   do   declaratário   comum,   e   o   nosso   CCiv   é  
essencialmente  objectivista.  Mas  deve  fazer-­‐se  a  ressalva  de  imputação  ao  declarante,  clara  influência  
do   subjectivismo.   Em   Portugal,   sobretudo   CARLOS   FERREIRA   DE   ALMEIDA   explica   que   o   declaratário   do   art.  
236º  pode  ser  uma  pluralidade  de  pessoas,  nomeadamente  quando  há  proposta  dirigida  ao  público.  
 
  Numa   proposta   dirigida   ao   público,   o   declaratório   é   o   menor   denominador   comum   do  
público.  O  declaratário  não  é  uma  pessoa,  são  todos,  e  o  236º  funciona,  apesar  de  não  haver  apenas  
um.  Assim,  se  se  adapta  a  situações  de  pluralidade  de  declaratários,  não  devemos  interpretar  o  art.  
9º,  devemos  é  interpretar  no  sentido  de  os  declaratários  não  serem  só  os  institutivos,  mas  também  os  
que   entram   na   sociedade   ao   longo   da   sua   vida;   não   o   fazendo,   devemos   adoptar   a   posição  
intermédia.    
 
  Em   situações   de   fronteira   é   importante   perceber   quem   é   o   declaratário,   quais   as   regras   de   interpretação,   e  
neste  contexto  deve  aplicar-­‐se  o  art.  236º  do  CCiv,  com  o  enquadramento  explicado  acima.    
 
Registo  
 
  O   registo   e   a   publicação   são   sempre   obrigatórios.   De   acordo   com   o   art.   5º,   CSC,   o   registo   tem   efeito   de  
aquisição   da   personalidade   jurídica   plena.   Porém,   não   é   pacífico.   MENEZES   CORDEIRO,   na   tradição   de   OLIVEIRA   ASCENSÃO  
defendem  a  ideia  de  que  a  personalidade  já  existe  antes  do  registo.  
 
  O   registo   tem   efeito   de   assunção   de   posições   jurídicas   que   remete   para   o   art.   19º,   CSC.   Ao   abrigo   do   presente  
artigo,  pode  consignar-­‐se  nos  estatutos  que  determinados  negócios  -­‐  anteriores  à  celebração  do  contrato  de  sociedade  
-­‐  são  assumidos  por  esta,  a  partir  do  registo  [daí  que  se  diga  que  o  registo  tem  também  efeito  de  assunção].  Tem  um  reflexo:  
18
retira  responsabilidade,  tem  eficácia  liberatória  em  relação  aos  sócios  e  gerentes  que  intervieram  nestes  negócios.  
Celebra-­‐se  contratos  em  nome  da  sociedade  quando  esta  ainda  não  existe,  mas  só  fica  limitada  com  o  registo  e  é  nesta  
altura  que  se  retira  a  responsabilidade  dos  gerentes  e  sócios  que  actuaram  nesta  altura.    
 
 
Sociedade  Irregulares  e  Inválidas    
 
Sociedades  Irregulares    
 
  Não   tem   grande   aplicação   prática.   Está   um   problema   de   início   de   actividade   antes   do   registo.   Isto   convoca  
duas   situações   típicas:   transitoriedade   e   falsa   transitoriedade.   São   aquelas   situações   em   que   temos   que   avançar  
porque  está  quase  a  acabar  o  registo,  e  a  falsa  é  quando  actuamos  à  sombra  da  lei  durante  muito  tempo,  não  registam,  
porque   não   querem.   Temos   situações   nas   sociedades   irregulares   que   são   incontornáveis   e   estão   ligadas   ao   processo  
composto   por   vários   actos   e   que   necessitam   de   algum   tempo,   não   é   instantâneo,   mas   também   temos   situações  
patológicas,  em  que  não  há  por  parte  das  sociedades  vontade  em  regularizar  a  situação.    
 
{Por  vezes  a  doutrina  tende  a  estudar  bastante  este  tema,  mas  na  opinião  do  professor  não  se  deve  perder  muito  tempo  nesta  matéria.}  
 
Está  regulada  nos  arts.  36º  e  ss  do  CSC,  sendo  que  este  primeiro  trata  de  duas  matérias:    
 
⇒ Número   1:   não   é   a   matéria   da   sociedade   irregular,   mas   sim   aparente.   É   diferente   haver   já   contrato   de  
sociedade  com  um  processo  não  concluído,  e  não  haver  de  todo  troca  de  declarações  de  vontade  no  sentido  
de  constituir  sociedade  –  aparência.    
 
É   uma   norma   com   inspiração   germânica   e   está   aqui   em   causa   não   haver   negócio   jurídico   sociedade,   nem  
sequer   sem   forma,   i.e.,   há   apenas   a   aparência   de   que   houve   contrato   de   sociedade.   A   consequência   é  
responsabilidade  solidária  de  quem  criou  a  aparência.    
                                                                                                                       
18
 Pode  sempre  haver  responsabilidade  pré-­‐contratual.  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
Na  vida  prática  as  situações  não  são  tão  claras;  é  difícil  provar  que  certo  contrato  não  está  redigido,  logo,  dado  
a   dificuldade   de   prova,   se   o   terceiro   não   tem   acesso   a   esse   escrito,   será   necessário   haver   uma   guarda  
avançada   que   permita   responsabilizar   os   sócios,   mesmo   que   não   consiga   provar   que   o   são,   daí   esta  
19
aparência.    
 
⇒ Número  2:  são  as  situações  em  que  há  contrato  e  sociedade,  mas  com  falta  de  forma.  Opera  uma  remissão  
para  o  regime  da  responsabilidade  civil:  subsidiária  e  solidária  dos  sócios.  
 
  Os  arts.  37º  a  40º  abarcam  situações  em  que  há  um  contrato  de  sociedade  com  forma  legal,  mas  sem  o  registo.  
No   art.   36º/2,   há   troca   de   declarações,   demonstrando   vontade   em   constituição   do   contrato;   mas   ainda   não   detém  
forma  legal.  Nos  arts.  37º  e  ss  há  já  contrato  com  forma  legal,  mas  não  há  registo.    
 
  Nos   casos   em   que   temos   um   escrito   com   assinatura   reconhecida,   mas   não   há   registo,   aplicamos   o   art.   37º  
para  as  relações  internas  e  o  art.  40º  para  as  relações  externas.    
 
  O   art.   40º/1   determina   que   existe   responsabilidade   solidária   e   subsidiária   por   quem   actuou;   quem   não   actuou  
é   responsável   por   aquilo   que   deve   à   sociedade   {é   diferente}.   Na   sequência   deste   regime,   existe   uma   querela  
doutrinária  sobre  a  natureza  jurídica  da  sociedade  irregular.  Após  registo  são  pessoas  coletivas  plenas,  mas  e  antes?    
 
Existem,  essencialmente,  três  posições:    
 
Oliveira  Ascensão  e  Menezes  Cordeiro  –  consideram  que  são  pessoas  jurídicas  desde  o  início;  
Manuel  António  Pita  –  considera  que  não  tem  qualquer  personalidade;  
Pedro   Caetano   Nunes   –   não   tem   personalidade   jurídica   plena,   mas   há   subjectividade   {personalidade   jurídica  
rudimentar}.  
 
Temos   ainda   a   posição   defendida   por   ENGRÁCIA   ANTUNES,   sendo   que,   grande   parte   da   Doutrina   partilha   da   mesma  
opinião:   Teoria   da   Separação.   Até   haver   registo,   respondem   os   sócios;   a   partir   do   registo,   não   respondem   os   sócios   de  
todo.    
 
 
 
 
Sociedades  Inválidas  
 
  Tem  que  ver  com  o  problema  dos  vícios  do  negócio  jurídico  institutivo,  com  excepção  da  falta  de  forma,  o  qual  
corresponde  ao  problema  das  sociedades  irregulares.  A  lei  distingue  as  situações  em  que  há  registo  e  as  que  não  há,  
pois  após  registo  é  mais  difícil  invocar  os  vícios.  Ao  contrário  de  muitos  negócios  jurídicos,  as  sociedades  comerciais  
não  são  negócios  jurídicos  de  execução  instantânea,  são  duradouros,  mas  dentro  destes  são  os  mais  duradouros  e  
com   mais   particularidades.   É   um   contrato   que   dura   para   lá   da   vida   das   pessoas   que   o   constituem   e   que   tende   a  
convocar   relações   com   terceiros   –   sócios   iniciais,   futuros   sócios   e   negócios   com   terceiros.   Aqui   temos   problemas   de  
tráfego  jurídico  muito  superiores  aos  contratos  de  execução  instantânea  e  duradoura.    
 
  Temos   o   regime   nos   arts.   41º   e   42º.   Antes   do   registo   há   uma   remissão   para   o   regime   geral   dos   vícios   do  
negócio  jurídico,  mas  do  ponto  de  vista  da  estatuição  normativa,  temos  o  art.  52º  que  diz  que  não  há  retroatividade,  
isto  porque  convoca  terceiros,  logo  liquidamos,  não  destruímos.  Ajustamos  contas  em  função  do  presente.    
   
Ex.:  ilicitude  do  objecto.  A  Sociedade  para  se  dedicar  à  extorsão  ou  para  promover  a  desigualdade  entre  géneros.  Afecta  
o  negócio  jurídico  na  globalidade.    
   
  Temos   vícios   que   respeitam  não  ao  negócio  como  um  todo,  mas  apenas  a  algumas  declarações  –  regime  do  
erro.   Na   constituição   da   sociedade,   temos   que   ver   qual   o   problema.   No   essencial,   devemos   analisar   o   art.   52º,   da  
existência  de  eficácia  retroactiva  e  a  remissão  para  o  regime  geral.    
                                                                                                                       
19
  A   sociedade   unipessoal   foi   criada   após   a   criação   dos   arts.   36º   e   ss,   logo   não   se   utiliza   para   estas   situações.   Não   preciso   de   um  
artigo  que  fale  de  responsabilidade  solidária,  porque  sou  apenas  eu  a  responder.  Não  se  coloca  estes  problemas  na  unipessoalidade.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
  No  art.  42º,  a  necessidade  de  estabilidade  das  sociedades  comerciais  e  a  tutela  do  tráfego  dos  efeitos  jurídicos  
têm  mais  peso  após  o  registo.  A  lei  passa  a  ter  elenco  taxativo  de  causas  de  invalidade.  Em  princípio,  após  registo,  não  é  
possível  destruir  a  sociedade  por  vícios,  o  elenco  é  bastante  restrito.    
 
  Após  o  registo,  para  além  deste  elenco  de  causas  de  invalidade,  podem  haver  vícios  que  afectam  apenas  uma  
das  declarações  negociais.  Abre-­‐se  a  porta  para  o  regime  da  exoneração  dos  sócios,  através  da  remissão  para  o  art.  45º.    
 
9. DIREITOS  E  DEVERES  DOS  SÓCIOS  
 
  Os   deveres   caracterizam   o   contrato   de   sociedade.   Estão   elencados   no   art.   20º   (situações   jurídicas   passivas),   e,  
por  sua  vez,  os  direitos  estão  elencados  no  art.  21º.  O  art.  20º  apresenta  na  alínea  a)  o  dever  de  contribuição  e  na  b),  o  
dever  de  quinhoar.  Para  além  destes,  temos  o  dever  de  lealdade  que  não  está  elencado  na  norma.    
 
  Quanto   aos   direitos   do   art.   21º,   temos   o   direito   aos   lucros,   a   participação   nas   delegações   e   direito   à  
informação,  e,  ainda,  um  direito  de  participação  política,  reconduzível  à  alínea  b).    
 
⇒ Os   direitos   podem   ser   classificados   em   organizativos   (ou   políticos)   ou   patrimoniais   (ou   económicos).   Os  
direitos  organizativos  têm  valor  económico,  p.e.,  ter  ou  não  voto  vale  bastante.    
  O   direito   à   informação   é   instrumental   face   a   outros   direitos,   p.e.,   preciso   saber   informações   para   saber   em  
quem  voto,  ou  para  saber  se  devo  ou  não  vender  as  acções.  Distingue-­‐se  ainda  entre  direitos  sociais  e  extrassociais.  Há  
direitos   que   são   atribuídos   aos   sócios,   e   a   partir   de   determinado   momento,   passam   a   ter   carácter   simbolístico,   passam  
a   ser   entendidos   como   direitos   de   crédito,   passíveis   de   ser   cedidos   a   terceiros:   direito   aos   lucros;   mas   quando   há  
deliberação   de   distribuição   de   dividendos,   por   força   desta,   passa   a   haver   direito   de   crédito   dos   sócios   sobre   a  
sociedade.    
 
  Esta  classificação  é  relevante  do  ponto  de  vista  doutrinário  para  explicar  que  há  posições  jurídicas  activas  que  
passam  a  ter  natureza  civilística,  quando  tinham  societária.  Os  direitos  aos  lucros  pertencem  aos  sócios,  não  pode  ser  
cedidos  a  terceiro;  emergem  de  participação  social,  sendo  que,  ao  longo  do  tempo,  poderão  distribuir  dividendos  desse  
sócio   –   cessação   de   créditos  -­‐,   são   esses   dividendos   que  podem  pertencer   a   terceiros.   É   situação   jurídica  activa   quando  
se  pode  defender  esse  direito  aos  lucros.  Quando  há  distribuição  dos  dividendos,  passando  a  ser  direito  aos  dividendos,  
deixa  de  ser  social  e  passa  a  ser  extrassocial.      
 
  Quanto   à   transmissão   de   participação   social,   há   por   vezes   direitos   de   preferência.   Nas   sociedades   anónimas,   o  
costume  são  acordos  parassociais  que  visam  a  finalidade,  i.e.,  os  sócios  fazem  um  contrato  de  sociedade  e  só  uma  parte  
faz  um  outro  acordo  para  regular  a  forma  como  intervêm  na  sociedade.  É  um  acordo  caracterizado  por  não  ser  social.  
 
9.1. DEVERES  
 
⇒ Qual  o  dever  característico?  
     
  O  dever  de  contribuição  é,  na  opinião  do  professor,  o  dever  primário  da  prestação  caracterizador  do  contrato.  
Para   a   Doutrina   Germânica,   o   dever   principal,   é   o   dever   de   lealdade,   pois   este   não   é   um   mero   dever   acessório   de  
conduta  como  consagrado  no  art.  762º/2  do  CCiv.  O  que  se  determina  é  que,  nas  sociedades,  esta  lealdade  é  um  dever  
principal  de  prossecução  do  fim  comum.  A  lealdade  é  mais  intensa  e  caracteriza  o  contracto  para  este  entendimento  
doutrinário.   Associada   a   esta   ideia   de   lealdade   principal,   está   a   caracterização   do   dever   de   lealdade   como   dever   de  
prossecução  de  um  fim  comum.      
 
  Neste  entendimento,  o  dever  de  contribuição  é  um  dos  aspectos  da  prossecução  do  fim  comum.  O  professor  é  
contra  esta  ideia  que  é  defendida  pela  Escola  de  Coimbra.    
 
! Temos  que  distinguir  as  sociedades  de  pessoas  das  de  capitais,  em  especial,  as  anónimas,  em  que  as  pessoas  
são   meros   investidores,   não   se   conhecem,   portanto,   falar   de   lealdade   entre   meros   investidores   é   errado.  
Entende-­‐se   na   doutrina   germânica   que   entre   acionistas   e   investidores   não   há   dever   de   lealdade.   Não  
caracterizando   todo   o   tipo   de   sociedades   comerciais,   não   as   caracteriza   de   todo,   logo   o   que   caracteriza   é   o  
dever  de  contribuição.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
  Há   dever   de   lealdade.   Nas   sociedades   de   pessoas   são   mais   intensos,   nas   sociedades   de   capitais,  
nomeadamente   nas   anónimas,   são   menos   intensos   e,   relativamente   a   accionistas   e   investidores,   não   são.   Logo,   o  
professor  fala  em  dever  de  lealdade,  mas  não  como  dever  principal.  Neste  contexto,  existe  uma  posição  ao  lado  que  
considera  que  se  deve  fazer  distinção  entre  lealdade  comum  –  pela  regra  da  conduta  da  boa-­‐fé  -­‐,  de  uma  mais  estrita.  
As  mais  restritas  caracterizam  relações  laborais,  sociedades  de  pessoas.  Quando  há  finalidade  comum,  há  lealdade  mais  
comum.    
 
  Quanto  à  participação  social,  posição  jurídica  do  sócio  e  socialidade  são  exemplos  de  sinónimos.  Corresponde  
ao   conjunto   de   situações   jurídicas   activas   e   passivas   dos   sócios,   conjunto   de   direitos   e   deveres.   Deve   distinguir-­‐se  
situação  jurídica  complexa  e  analítica.    
 
  O   termo   «acção»   é   polissémico,   isto   é,   pode   significar   participação   social   nas   sociedades   anónimas,   mas  
também   uma   fracção   de   capital.   Pode   ser   documento   representativo   da   participação   social.   Temos   também  
participação   social   como   objecto   de   negócios   jurídicos   ou   de   direitos   reais;   temos   que   distinguir   como   situação   jurídica  
e  objecto.    
 
Ex.:  objecto  –  vendi  acções,  quotas  (negócios  jurídicos),  penhor  (direito  real).    
 
o Cindibilidade  das  situações  jurídicas  que  integram  a  participação  social  –  não  é  apenas  a  ideia  do  complexo  e  
analítico,  mas  a  possibilidade  de  destacar  da  participação  social,  as  situações  jurídicas  que  saem  no  círculo  da  
participação  social  e  passam  a  ser  direitos  parassociais.  Ex.:  direito  ao  dividendo  e  preferência  na  subscrição  de  
acções  novas  no  aumento  de  capital.    
 
Art.  55º  do  CVM:  tenho  acções  e  destacam-­‐se  destas  o  direito  aos  dividendos  ou  de  preferência.  Valores  mobiliários  são  
registados   pelos   intermediários   financeiros   e   não   pela   conservatória,   ou   seja,   são   os   bancos   que   têm   esta   função  
pública  de  registar  as  acções.  Foi  autonomizado  o  direito  ao  dividendo,  de  subscrição  de  acções  novas.    
 
  Há  uma  querela  quanto  à  natureza  jurídica  da  participação  social.  Há  quem  considere  direito  real,  de  crédito,  
misto,  posição  jurídica  contratual,  direito  subjetivo  especial,  entre  outros.  Todas  estas  ideias  têm  um  fundo  de  verdade.    
 
⇒ PEDRO   CAETANO   NUNES  pensa  que  é  uma  posição  jurídica  complexa,  que  abarca  diversas  analíticas;  ter  a  noção  
de   unidade   e   diversidade   é   importante.   Por   vezes,   falamos   em   direito   subjectivo   porque   olhamos   para   o   todo,  
mas  às  vezes  focamo-­‐nos  numa  só  posição.  Por  regra,  existem  sempre  direitos  subjectivos.    
 
A  ideia  de  objecto  jurídico  também  é  importante  quanto  à  transmissão  de  direitos  sociais  e  reais.    
   
 
 
 
A  Participação  Social  e  Tutela  Constitucional  dos  Direitos  Patrimoniais  
 
  A   Lei   Fundamental   tem   um   conceito   de   propriedade   mais   amplo   que   o   do   CCiv.   Assim,   nos   termos   do   art.   62º,  
significa   património,   não   é   formal.   Pretende   tutelar   os   direitos   reais   dos   cidadãos,   haver   imunidade   face   ao   Estado,  
uma  protecção  não  só  dos  direitos  reais,  mas  também  de  outros  direitos  patrimoniais,  da  qual  são  exemplo  a  defesa  do  
direito   de   expropriação,   enquanto   accionista,   protecção   na   nacionalização   de   uma   empresa.   Fala-­‐se   ainda   em  
propriedade   corporativa,   nome   dado   à   titularidade   dos   direitos   de   participação   de   beneficiar   dos   direitos  
fundamentais.    
 
Ø Dever  de  Contribuição  
 
  Em   especial,   o   dever   de   realização   da   entrada.   Podem   existir   outras   contribuições   dos   sócios   para   lá   da  
entrada:  dever  de  realizar  prestações  acessórias  e  suplementares,  podem  ainda  entrar  com  suprimentos.  Os  sócios  têm  
que   contribuir   para   a   realização   da   actividade   social,   porque   esta   não   existia   sem   esta   prestação,   é   uma   actividade  
económica.   Há,   contudo,   uma   segunda   finalidade:   proteção   dos   credores.   A   entrada   inicial   permite   que   exista   algum  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

património,  que  servirá  como  garantia  para  os  credores,  e  é  tão  ou  mais  importante  quando  vigora  a  regra  de  ouro  do  
capitalismo.    
 
Temos  três  tipos  de  entradas:    
 
(1) Dinheiro   –   o   dinheiro   nunca   foi   objecto   de   doutoramento   em   Portugal.   É   essencialmente   um   problema  
jurídico,  dos  mais  complexos.    
 
(2) Espécie   –   por   contraposição   ao   dinheiro.   Podem   ser   imóveis,   móveis,   propriedade   intelectual   (direitos   de  
autor,   propriedade   industrial,   é   frequente),   créditos,   direitos   reais   menores.   Pode   ser   um   estabelecimento  
comercial.    
 
Temos   dois   critérios:   economicidade   e   penhorabilidade.   Não   tendo   valor   económico   e   não   podendo   ser   penhorável,  
não   serve   como   entrada   em   espécie,   pois   estariam   a   desproteger   os   credores.   Encontramos   isto   no   art.   20º-­‐A,   e,  
sobretudo  no  art.  28º.  Este  último  exige  uma  avaliação  da  entrada  em  espécie  por  revisor  oficial  de  contas  (proteção  
20
dos  credores).  
Um  crédito  pode  ser  uma  entrada  em  espécie.      
 
(3) Indústria  –  sinonimo  de  serviço,  i.e.,  p.e.,  uma  sociedade  comercial  que  se  dedique  há  engenharia,  projectos  
de   engenharia,   fiscalização   de   obras,   se   for   serviços   médicos,   fazer   análises   clínicas,   atendimento   dos  
doentes.      
 
Valor  de  Subscrição  e  de  Realização    
 
  Valor  de  subscrição  corresponde  à  cifra  correspondente  à  fracção  do  capital  social,  por  contraposição,  o  valor  
de  realização  significa  o  valor  efectivo  da  prestação  em  espécie  ou  dinheiro.    
 
Ex.:  sociedade  A  e  B  com  50%.  O  valor  de  capital  é  100€  e  cada  um  tem  50€.  Se  o  valor  de  subscrição  for  igual  ao  de  
realização,  cada  um  entrou  com  50€  e  tem  50€.  Se  o  de  subscrição  for  superior  ao  de  realização,  cada  um  entrou  com  
100€,  mas  do  ponto  de  vista  da  subscrição,  é  50€.  Se  C  e  D  forem  entrar,  com  50€  cada  um  e  o  valor  de  subscrição  for  
igual   ao   de   realização,   na   sociedade   fica   cada   um   com   50€,   logo,   cada   um   tem   25%   -­‐   equilíbrio   de   forças.   Para   se   evitar  
que  A  e  B,  sócios  iniciais  mandem  o  mesmo  que  os  novos,  os  50€  ficam  com  valor  de  subscrição  de  25€,  1/3,  cada  um  
com  1/6.  Este  valor  conta  para  proporção  de  capital  social,  relevante  para  saber  quais  os  valores  políticos.    
 
C   e   D   têm   valor   de   subscrição   inferior   ao   de   realização,   permitindo   que   o   contributo   económico   seja   superior   aos  
direitos  políticos.  A  e  B  têm  novos  sócios  com  o  mesmo  contributo  económico  que  eles,  mas  este  mecanismo  permite  
que  fiquem  com  menos  poder  na  comparação,  entrando  com  mais  dinheiro.    
 
  Como   sinónimo   de   valor   de   subscrição,   fala-­‐se   de   valor   nominal.   De   há   uns   anos   para   cá,   passaram   a   haver  
ações   sem   valor   nominal,   e   nos   casos   em   que   isto   não   existe,   não   deixa   de   haver   valor   de   subscrição,   daí   esta   ser   a  
21
terminologia  mais  indicada  nos  dias  de  hoje.  
 
  Há  uma  proibição  de  emissão  de  participações  sociais  abaixo  do  PAR,  mas  é  possível  emitir  participações  acima  
do   PAR.   Emitir   acima   é   quando   o   valor   de   realização   está   acima   do   valor   de   subscrição,   por   exemplo,   valor   de  
subscrição   é   50€,   o   de   realização   é   também   50€   -­‐   está   ao   PAR.   Mas   quando   o   valor   de   subscrição   é   50€   e   o   de  
realização  é  25€,  é  acima  do  PAR,  logo,  é  o  prémio  de  emissão.  É  um  bónus  para  a  sociedade,  porque  o  efectivo  que  
entregaram   é   superior.   Entregar   menos   não   é   possível,   é   uma   forma   de   proteção   dos   credores.   A   proibição   de   emissão  
abaixo  do  PAR  encontra-­‐se  no  art.  25º  do  CSC.  

                                                                                                                       
20
 É  frequente  haver  aumento  de  capital  por  conversão  de  suprimento  e  prestações  acessórias.  Dinheiro  que  os  sócios  já  colocaram  
na   sociedade   não   por   entrada   de   capital,   mas   no   caso   dos   suprimentos,   por   empréstimo.   Por   vezes,   querem   transformar   essas  
quantias  que  já  lá  estão  em  entradas  de  capital  para  reforçar  os  rácios  de  capital,  por  via  a  causar  melhor  impressão  nos  credores   –  
se  o  credor  é  um  banco,  um  fundo  europeu,  que  promete  emprestar  mais  dinheiro,  havendo  mais  capital  próprio.  Em  rigor,  não  se  
trata  de  uma  entrada  em  dinheiro,  é  em  espécie.  Já  lá  tenho  o  dinheiro,  o  que  tenho  é  direito  de  crédito  quanto  ao  dinheiro  que  la  
está,  e  isto  necessita  de  uma  avaliação  por  revisor  oficial  de  conta.  Porém,  isto  raramente  acontece,  é  tudo  nulo.    
 
21
 Nas  sociedades  anónimas,  acções  sem  valor  nominal  têm  esquema  para  ter  valor  equivalente  ao  valor  nominal.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
  Existe  uma  obrigação  de  depósito  de  entradas  só  em  dinheiro.  Ou  seja,  se  as  entradas  forem  em  dinheiro,  há  
uma   obrigatoriedade   de   serem   depositadas;   tem   que   haver   conta   aberta   em   nome   da   sociedade   (art.   277º,   CSC).  
Quanto  ao  momento  de  realização  das  entradas,  no  art.  26º,  vemos  que  há  uma  afirmação  de  que  tem  que  ser  pago  
logo  tudo  no  acto  da  entrada,  mas  há  um  regime  especial  para  as  sociedades  anónimas  e  por  quotas.    
 
⇒ Sociedades  Anónimas  -­‐  arts.  277º  e  285º:  é  possível  deferir  o  pagamento  de  70%  até  ao  limite  máximo  de  5  
anos.  A  sociedade  fica  com  um  direito  de  crédito  sobre  o  sócio.    
 
⇒ Sociedades  por  Quotas  -­‐  arts.  203º:  pode  deferir-­‐se  o  pagamento  de  100%  durante  5  anos.  Quanto  às  entradas  
em  espécie,  há  também  regras  especiais,  mas  que  não  vão  ser  analisadas.    
 
  O  art.  27º/1  fala  da  proibição  de  compensação  e  há  três  regras  importantes  para  proteger  os  credores:    
 
a. Proibição  de  compensação;  
b. Vencimento  integral  das  restantes  prestações  quando  não  há  pagamento  de  uma;  
c. Regime  de  aquisição  de  bens  e  acionistas.    
 
Quando  a  sociedade  compra  bens  a  accionistas,  há  regras  e  compensação  (art.  29º  do  CSC).  Se  exista  uma  obrigação  de  
entrada,  mas  no  dia  seguinte  a  sociedade  me  compra,  recebo  logo  o  dinheiro  de  volta.   Sub-­‐rogação  dos  credores  –  não  
paguei  quotas  durante  muitos  anos,  há  sub-­‐rogação  dos  credores.    
 
Aula  de  21  de  março  de  2017  
 
Outras  Situações  Jurídicas  Passivas    
 
Ø Dever  de  Quinhoar  nas  Perdas  
 
  O   art.   20º/b)   apresenta   um   dever   de   quinhoar   nas   perdas   (participar)   que   é   uma   exposição   ao   risco  
empresarial  e  uma  proporcionalidade  nessa  exposição  ao  risco,  entre  capital  e  perdas,  mas,  em  rigor,  não  há  um  dever.  
Conciliando  com  existência  de  responsabilidade  dos  sócios  pelas  dívidas  sociais,  o  sócio  apenas  entra  com  capital  e  este  
está   exposto   ao   risco,   mas   fora   o   risco   não   arrisca   o   seu   próprio   património   –   o   risco   é   do   dinheiro   que   meteu   na  
sociedade,   e   no   caso   desta   se   dissipar,   nada   mais.   Algo   diferente   acontece   nas   sociedades   em   nome   coletivo:   a  
responsabilidade  dos  sócios  é  superior.    
 
Ø Dever  de  Lealdade    
 
  O  CSC  apresenta  situações  passivas,  sendo  uma  delas  o  dever  de  não  concorrência  dos  sócios.  Este  dever,  ou  
proibição,   está   previsto   para   os   sócios   no   tipo   das   sociedades   em   nome   coletivo,   não   o   está   para   os   restantes   tipos.   Ao  
apontar   a   existência   desta   proibição   de   concorrência,   é   importante   perceber   que   esta,   em   princípio,   não   existe.   Os  
sócios   enquanto   tais   não   têm   proibição   de   concorrência,   mas   de   acordo   com   o   que   resulta   da   lei.   É   possível,   nas  
sociedades  por  quotas,  estabelecer  proibição  estatutária  de  concorrência.  Pode  ainda  ocorrer  em  sociedade  anónima  
mais  fechada.    
 
  As  proibições  de  concorrência  costumam  ser  manifestações  e  deveres  de  lealdade:  proibição  concorrida  no  art.  
180º,   é   vista   doutrinariamente   como   uma   manifestação   dos   sócios   de   sociedades   em   nome   colectivo.   Se   nos   estatutos  
foi  estabelecida  proibição  de  concorrência,  é  possível  enquadrar  esta  ideia  numa  mais  lata  de  lealdade.    
 
  Há,   contudo,   outras   manifestações   do   dever   de   lealdade,   ou   seja,   aqueles   que   os   juízes   entenderem,   isto  
porque  a  lealdade,  assim  como  a  boa-­‐fé,  é  uma  cláusula  geral,  um  conceito  indeterminado.  Quando  a  lei  estabelece  que  
existem   estatutos   de   lealdade,   criam   estatuição   normativa   ampla   permitindo   a   recepção   da   ética   no   direito,   fazendo  
com   que   o   discurso   ético   ou   moral   seja   trazido   aos   tribunais,   deixando   de   ser   interno   e   podendo   ser   imposto   aos  
demais;    
 
  Em   segundo   lugar,   temos   a   delegação   ao   juiz   do   poder   de   conformação   do   direito.   É   apontada   ainda   uma  
terceira   função:   adaptação   de   um   direito   à   evolução   das   normas   sociais,   mas   esta   é   menos   relevante.   No   fundo,  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

permitir   que   o   que   os   tribunais   dizem   que   é   lealdade   possa   ter   mutações   no   tempo;   permite-­‐se   uma   modelação   do  
direito  à  medida  da  evolução  do  direito  e  das  sociedades.  
 
  Hoje  em  dia  defende-­‐se  cada  vez  mais  que  o  direito  é  feito  não  apenas  de  normas  jurídicas,  mas  também  de  
princípios,  i.e.,  não  se  deve  apelar  apenas  para  a  ética  fora  do  direito,  mas  também  para  dentro.  Assim,  para  os  juristas,  
é  necessário  fazer  uma  análise  «ipse  doo»,  ou  seja,  não  se  deve  fazer  grandes  considerações  doutrinárias  sobre  o  que  é  
a  lealdade,  sendo  esta  aquilo  que  dizem  os  tribunais.  O  que  dizem  então  os  tribunais  em  Portugal?    
   
⇒ Utilização   de   informação   privilegiada   (da   propriedade   da   sociedade,   recorrer   a   normas   de   direitos   reais;   em  
civil  law,  para  se  proteger  a  informação  privilegiada  é  através  de  deveres  de  lealdade);  
 
⇒ Apropriação  de  oportunidades  de  negócio  societárias.    
 
Quando  há  violação  destes  dois  -­‐  actuações  desleais  -­‐,  o  que  fazer?  
 
  Em  common  law  surge  a  ideia  de  fidúcia,  não  na  componente  de  direito  real,  lado  externo  da  relação  jurídica,  
mas  ao  nível  interno,  por  deveres  de  lealdade  particularmente  intensos:  fidúcia  envolve  um  excesso  de  meios  face  aos  
fins.   Neste   contexto   falamos   de   deveres   de   lealdade   muito   intensos.   Nos   EUA   e   GB   foram   criadas   soluções   muito  
intensas   para   violações   de   deveres   de   lealdade:   em   que,   para   além   da   responsabilidade   civil,   fazem   um   constructive  
trust,   ou   seja,   a   actividade   exercida   em   concorrência,   actividades   daqui   derivadas,   vão   ser   incluídas   num   trust   e  
exploradas  de  acordo  com  o  beneficiário.  Todos  os  lucros  vão  para  quem  os  devia  receber  desde  o   início,  ou  seja,  não  é  
na  medida  dos  danos;  mais  do  que  os  danos,  é  atribuir  todos  os  lucros,  independentemente  de  haver  ou  não  danos.    
 
  Em   Portugal   temos   danos   e   a   previsão   normativa   para   restituição   dos   lucros   (art.   180º/2   do   CSC   para   as   SNC   e  
art.  253º  do  CCom  para  o  gerente  comercial).  Se  for  sócio  em  nome  coletivo,  aplicamos  o  art.  180º  por  analogia;  e  se  
for   sócio,   também.   Se   não   for   um   sócio   e   for   um   administrador,   pode-­‐se   aplicar   o   art.   180º/2   por   analogia   ou   o   art.  
253º   -­‐   o   gerente   comercial   é   o   mandatário   social   e   os   administradores   são   mandatários   comerciais,   logo   para   o  
professor   deve   aplicar-­‐se   o   253º   por   analogia.  Os   sócios   são   parte   no   contrato   de   sociedade,   daí   haver   menor   analogia  
com  o  art.  253º.    
 
  Em  Portugal,  o  mais  próximo  desta  estatuição  é  a  previsão  da  restituição  de  lucros  dos  arts.  180º  e  253º.  Faz  
um   confronte   entre   a   responsabilidade   civil   e   o   enriquecimento   sem   causa,   uma   vez   que   a   restituição   dos   lucros   se  
enquadra  no  enriquecimento  sem  causa  e  este  é  subsidiário.  Nestes  contextos  deve  permitir-­‐se  a  responsabilidade  civil  
e  restituição  dos  lucros.  A  letra  do  art.  180º/2  não  é  favorável  a  isto;  para  o  professor  o  art.  253º  do  CCom,  é  melhor.    
 
  Na  transmissão  das  empresas,  o  sócio  maioritário  tem  deveres  de  lealdade  com  os  sócios  minoritários,  nos  EUA.  Quando  se  
veda  uma  participação  maioritária,  dado  o  prémio  de  controlo,  vendo  por  um  preço  bastante  elevado  –  quem  tem  mais  retira  mais  
benefícios,  logo,  as  pessoas  estão  dispostas  a  pagar  mais  por  uma  posição  maioritária  do  que  minoritária.  Discute-­‐se  até  que  ponto  é  
que   não   tem   que   arranjar   para   os   sócios   minoritários,   alguém   que   compre   por   um   bom   preço   as   suas   acções.   Diz-­‐se   que   há   uma  
tentativa  de  excluir  os  sócios  minoritários  da  sociedade,  havendo  deslealdade.    
 
 
 
 
 
 
 
Situações  Jurídicas  Passivas  que  Não  São  Deveres  
   
22
  A  sujeição  à  alienação  potestativa  encontra-­‐se  regulada  no  art.  490º  do  CSC  -­‐  serve  as  sociedades  anónimas  e  
por   quotas.   Os   arts.   241º   e   242º   apresentam   o   direito   de   exclusão   e   servem   também   para   as   sociedades   por   quotas.   O  
art.   241º   apresenta   a   exclusão   de   sócio   por   se   verificarem   situações   na   lei.   O   art.   242º   apresenta   comportamento  
                                                                                                                       
22
  Quando   um   sócio   atinge   90%   têm   o   dever   potestativo   de   excluir   sócios   minoritários,   logo,   há   em   contraponto   uma   sujeição  
jurídica  do  sócio  minoritário.  Isto  é  um   squeeze  out.  A  ratio  legis  é  criar  negócio,  privilegiar  a  economia  e  o  princípio  maioritário.  Os  
números  5  e  6  dão  a  possibilidade  aos  minoritários  de  saírem  -­‐  equilíbrio.  Direito  potestativo  do  minoritário  e  sujeição  jurídica  do  
maioritário.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

desleal   do   sócio.   Nas   sociedades   por   quotas,   o   comportamento   desleal   do   sócio   é   sempre   fundamento   para   a   sua  
exclusão,   mas   nas   sociedades   em   nome   colectivo,   está   previsto   no   art.   256º.   Nas   sociedades   anónimas   não   está  
previsto,  há  um  regime  de  amortização  de  acções.  Os  sócios  excluídos  estão  sob  sujeição  jurídica.    
 
9.2. DIREITOS  
 
Ø Direito  aos  Lucros  
   
  O  art.  21º/2  apresenta  o  direito  aos  lucros.  Consagra  uma  proibição  ou  inadmissibilidade  de  quantias  certas,  ou  
seja,  juros.  Os  sócios  são  titulares  de  pretensão  jurídica  residual,  logo,  tendo  muitos  lucros,  têm  mais-­‐valias,  e  ganham  
muito;   não   tendo,   ganham   pouco.   Contrariamente,   os   credores,   que   têm   pretensões   sobre   a   sociedade,   recebem  
sempre.    
 
  Os  sócios  não  têm  remuneração  garantida.  Em  princípio,  todos  são  pagos  e  pode  não  sobrar  nada  para  eles.  
Pelo   contrário,   tendo   a   sociedade   mais-­‐valias,   estes   recebem.   A   sua   remuneração   é   estipulada   por   risco.   Esta   norma  
permite  distinguir  a  posição  dos  sócios  face  à  de  outros  interessados  na  sociedade  de  empresa.  Os  chair  holders  têm  
pretensão  residual,  os  outros  têm  sempre  quantias  certas.    
 
Tipos  de  lucros:    
 
a. Lucros  de  Exercício  –  exercício  anual  que  coincide  com  o  ano  civil,  logo,  a  sociedade  decide  se  distribui  lucros  
ou   não   em   todos   os   anos   civis.   Os   arts.   217º   e   294º   apresentam   regras   de   protecção   dos   minoritários,  
associadas  a  estes  lucros  de  exercício.    
 
b. Lucros   Periódicos   Eventuais   -­‐   podem   as   sociedades   distribuir   para   além   destes,   mais   lucros.   P.e.,   a   Ford  
começou   a   produzir   carros   em   massa   e   tinham   tantos   lucros,   que   faziam   constantemente   distribuição   de  
lucros.  
 
c. Lucros   Finais   –   em   sede   de   liquidação   da   sociedade.   Vende-­‐se   tudo   e   o   dinheiro   que   fizerem   distribui-­‐se   pelos  
sócios.  A  liquidação  é  uma  venda  de  todo  o  património  e  o  que  sobra  distribui-­‐se  pelos  sócios.    
 
Distinção  entre  Direito  aos  Lucros  e  aos  Dividendos    
 
  O   direito   aos   lucros   pode   incluir   várias   situações   jurídicas   pontuais,   sendo   o   direito   aos   dividendos  uma   dessas  
situações  pontuais,  que  podem  ser  reconduzidas  ao  direito  aos  lucros.  O  direito  ao  lucro  é  complexo,  evolui  ao  longo  da  
vida   da   sociedade.   Tenho   direito   ao   lucro   quando   constituí   a   sociedade;   passados   alguns   exercícios,   tenho   direito   a  
esses   lucros,   tenho   direito   aos   lucros   eventuais   e,   no   final,   tenho   direito   aos   lucros   finais.   É   uma   situação   jurídica  
complexa  que  se  prolonga  no  tempo.    
 
  O  direito  aos  dividendos  pode  ser  contraposto  ao  direito  aos  lucros  ou  restantes  faculdades,  porque  passa  a  ter  
um   carácter   extrassocial,   natureza   civilística.   Assim   que   atribui   direito   aos   dividendos,   emancipasse   da   participação  
social,  deixa  de  ter  natureza  societária  para  ter  natureza  civilística,  passa  ser  direito  de  crédito  e  pode  ser  transmitido  
enquanto  direito  de  crédito  (pode  haver  transmissão  do  direito  de  crédito  a  terceiros).    
 
  Neste   contexto,   os   arts.   217º/2   e   294º/2   assumem   especial   relevância.   Ainda,   o   art.   55º/3,   CVM   também   é  
muito  importante:  versa  a  questão  da  cindibilidade  dos  valores  mobiliários  e,  neste  caso,  dos  direitos  da  participação  
social,  o  direito  autonomiza-­‐se  face  à  participação  social  e  passa  a  ser  um  direito  autónomo.    
 
 
Proibição  de  Pacto  Leonino    
 
  O  art.  22º/4  apresenta  uma  proibição  muito  antiga  no  Direito  das  Sociedades:  é  nula  a  cláusula  que  exclui  o  
sócio  de  participar  na  divisão  dos  lucros.    
 
Ø O  Direito  de  Participação  nas  Deliberações  Sociais  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

  O   art.   21º   apresenta   o   direito   de   participação   nas   deliberações   sociais,   e   este   é   bastante   complexo.   Dentro  
deste  direito,  encontram-­‐se  outros.  Este  é  crucial,  sem  este  os  outros  de  nada  valem.  Os  outros:    
 
⇒ Direito  de  Voto;  
⇒ Direito  de  Assistência  às  Deliberações  Sociais;  
⇒ Direito  de  Intervenção;  
⇒ Direito  de  Impugnação.    
 
  De   acordo   o   art.   190º/1   –   das   sociedades   em   nome   colectivo   -­‐,   há   um   voto   por   cabeça;   nas   sociedades   por  
quotas  e  anonimas  o  voto  é  atribuído  em  função  da  participação  de  capital  (arts.  250º/1  e  284º/1).  As  sociedades  em  
nome   colectivo   são   de   democracia   e   as   sociedades   por   quotas   e   sociedades   anónimas   são   plutocracias.  
Frequentemente,  fala-­‐se  na  democracia  em  discurso  menos  preciso;  temos  uma  directa  sobre  os  direitos  dos  acionistas  
que  pretende  fortalecer  a  democracia  interna,  porém,  a  palavra  democracia  não  é  usada  em  sentido  preciso  quando  
falamos   em   sociedades   por   quotas   e   anónimas,   implica   um   voto   por   pessoa,   nestas   é   um   voto   pela   participação   do  
capital  –  manda  quem  investe  mais.  Não  se  quer  criar  igualdade  entre  os  cidadãos,  quer-­‐se  eficácia  na  condução  das  
empresas.    
 
  Podem  haver  restrições  ao  direito  de  voto  (art.  250º/2);  prevê-­‐se  a  possibilidade  de  voto  plural   –  dois  votos  
por  cada  cêntimo.  O  art.  384º  tem  no  número  1  uma  ideia  de  plutocracia  e,  no  número  2,  restrições  ao  direito  de  voto:  
só  são  admissíveis  votos  para  quem  tem  número  mínimo  de  ações  (alínea  a))  -­‐  através  deste  posso  estabelecer  um  voto  
por  cada  3  acções,  p.e.,  com  o  limite  de  um  voto  por  cada  x;  significa  isto  que  os  pequenos  acionistas  não  podem  votar,  
exclui   os   reformados,   p.e.,   que   compram   acções.   Esta   norma   beneficia   os   maioritários   e   desprotege   os   minoritários,  
impedidos   de   votar;   a   alínea   b)   apresenta   uma   limitação   em   que   se   estabelece   que   a   partir   de   determinado   limite  
máximo  não  são  válidos  os  votos,  esta  regra  prejudica  quem  tem  mais  acções,  vai  no  sentido  oposto  da  alínea  a).    
 
Ex.:   BPI   -­‐   até   ao   ano   passado   um   accionista   tinha   40   e   tal   %,   mas   não   podia   exercer   voto   acima   dos   18%.   Havia   determinados   sócios  
com   número   de   acções   muito   menores   e   tinham   direito   de   voto   por   cada   acção.   Sem   esta   restrição,   o   La   Caixa,   com   40%,   tinha  
grande  influência.  Com  esta  norma,  era  bastante  condicionado  com  a  intervenção  da  Santoro  e  da  família  Viola.    
 
  Existe   um   regime   de   impedimento   do   voto   (art.   384º/6   para   as   sociedades   anónimas   e   art.   251º   para  
sociedades  por  quotas),  que  determina  que  um  acionista  não  pode  votar  quando  a  lei  o  proíba  e  a  deliberação  incida  
sobre   obrigação   de   responsabilidade   do   próprio,   litígio   entre   a   sociedade   e   o   próprio,   destituição   por   justa   causa   do  
próprio,  qualquer  relação  do  próprio,  entre  outros.  Há  um  conflito  de  interesses  em  abstrato  e  a  lei  impede  o  voto.  Para  
além   destes   casos   temos   ainda   outras   situações   pontuais   ao   longo   da   lei,   p.e.,   no   art.   75º   (responsabilidade   dos  
administradores).    
 
  Este  é  um  impedimento  de  voto,  não  de  participação  nas  deliberações  sociais  em  todas  as  outras  componentes  
desse  direito  complexo.  Nestes  conflitos  de  interesses  no  impedimento  de  voto,  estão  em  causa  situações  de  conflito  
de   interesses   ou   deslealdade,   aferidas   em   abstrato   e   não   em   concreto;   a   lei,   de   forma   preventiva,   impede   de   votar  
quando  há  aparência  de  conflito  de  interesses,  ainda  que  as  pessoas  em  concreto  não  estejam  a  actuar  em  conflito  de  
interesses,  mas  há  uma  guarda  avançada.  
   
Deve   relacionar-­‐se   com   o   dever   de   lealdade   dos   sócios,   sendo   de   destacar   a   ideia   de   que,   ao   contrário   de   outras  
situações  em  que  se  verifica  conflito  de  interesses,  o  legislador  actua  em  abstrato  de  forma  preventiva:  um  dos  vícios  
deste  regime.    
 
Ø Por  isso,  há  um  risco  de  paralisação  orgânica  e  subversão  da  democracia  interna,  plutocracia  ou  equilíbrio  de  forças.    
 
Ø Direito  à  Informação23    
 
  Este   direito   é   meramente   instrumental   (art.   20º/1,   alínea   c)   do   CSC)   face   aos   outros   direitos.   Em   primeiro  
lugar,   face   ao   direito   de   participação   nas   deliberações   sociais.   Há   também   instrumentalidade   face   a   outros   direitos:  
transmissão  da  participação  social  –  i.e.,  vendo  ou  não  face  à  informação  que  tenho.    
 
O  direito  à  informação  consiste  em  três  coisas  distintas:  
                                                                                                                       
23
 Esta  matéria  deve  ser  estudada  no  Manual  de  COUTINHO  DE  ABREU.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
a. Informação  stricto  sensu  –  dirigir  perguntas  ao  órgão  de  gestão,  administração;  
b. Consulta  –  de  documentos;  
c. Inspeção  –  de  bens  sociais  distintos  dos  documentos.    
 
  O   direito   à   informação   dos   sócios   nos   diferentes   tipos   de   sociedades   tem   diferentes   conformações,   consoante  
esteja   em   causa   uma   das   três   vertentes;   ou   seja,   conforme   a   modalidade   em   causa,   tem   regras   distintas.   Com   base  
nisto,  aprofundamos  o  direito  à  informação  nos  diferentes  tipos  de  sociedades.    
 
Sociedades  em  Nome  Colectivo  (art.  181º)    
 
Qualquer   sócio   tem   todas   as   componentes   do   direito   à   informação;   os   gerentes   devem   prestar   toda   a   informação  
(stricto  sensu);  a  consulta  de  documentos  encontra-­‐se  no  número  3;  e  a  inspeção  no  número  4.      
 
Sociedades  por  Quotas  (art.  214º)    
 
Todos   os   sócios   têm   direito   à   informação,   independentemente   da   sua   participação   social,   nas   três   componentes:  
número   1   -­‐   stricto   sensu,   número   4   -­‐   consulta   e,   número   5   -­‐   inspecção.   Nos   termos   do   número   2   pode   haver   uma  
regulamentação   detalhada   da   matéria   nos   estatutos;   estes   podem   estabelecer   regras:   não   podem   quartar   direito   a  
informação  dos  sócios,  mas  podem  estabelecer  limites,  por  exemplo,  horário  de  consulta  e  inspeções,  prazos  para  as  
respostas   dos   gerentes,   exclusão   de   certas   informações   ou   matérias,   entre   outros.   Isto   desde   que   não   impeça  
injustificadamente  e,  em  demasia.    
 
Sociedades  Anónimas  (art.  288º)    
 
As  regras  são  de  extrema  complexidade;  relativamente  à  inspeção  dos  meios  sociais.  Não  há  direito  a  esta  –  a  lógica  é  
de  que,  havendo  participação  social  muito  grande,  podem  nomear-­‐se  a  si  mesmos  ou  pessoas  da  sua  confiança  para  os  
órgãos  de  gestão,  tendo  acesso  à  informação  de  forma  indirecta.  Do  ponto  de  vista  formal,  há  limitação  ao  dever  de  
informação.  Quanto  ao  direito  de  consulta,  temos  os  arts.  288º  e  289º,  sendo  que  um  trata  do  direito  de  consulta  em  
termos  gerais  e  o  outro,  do  direito  de  consulta  preparatória  de  uma  Assembleia  Geral.    
 
  Antes   de   uma   Assembleia   Geral,   qualquer   sócio,   independentemente   do   número   de   acções   pode   consultar  
única   e   exclusivamente   os   documentos   elencados   no   289º/1;   não   estando   em   causa   consulta   preparatória   de  
Assembleia   Geral,   a   consulta   é   atribuída   apenas   a   sócios   com   acções   representativas   de   1%   do   capital   social.   Numa  
sociedade  aberta  com  grande  dispersão  de  capital,  quase  ninguém  tem  1%.  Discute-­‐se  ainda  se  o  direito  à  consulta  é  
um   direito   singular   ou   pode   também   ser   colectivo:   se   accionistas   com   menos   de   1%   se   podem   agregar,   para,   em  
conjunto,   exercerem   este   direito   de   consulta.   A   Doutrina   diz   que   pode   ser   um   direito   colectivo,   nomeadamente   RAUL  
VENTURA  e  COUTINHO  DE  ABREU.    
 
Quanto  ao  direito  à  informação  stricto  sensu,  é  regulada  nos  arts.  290º  e  291º,  conforme  seja  ou  não  em  AG:  sendo  em  
Assembleia  Geral,  os  assuntos  que  façam  parte  da  ordem  do  dia  -­‐  há  um  direito  amplo  para  qualquer  sócio,  mas  apenas  
sobre   os   temas   da   ordem   do   dia,   não   sobre   outros   temas   que   não   vão   ser   discutidos   na   AG.   Fora   das   Assembleias  
Gerais  e  da  ordem  do  dia,  só  quem  tiver  10%;  a  lei  esclarece  que  podem  ser  exercidos  colectivamente.    
 
É  discutível  a  aplicação  por  analogia  do  art.  214º/2,  sendo  que  para  as  sociedades  anónimas  não  há  norma  semelhante,  
mas  faz  sentido  que  os  estatutos  possam  estabelecer  regime  sobre  o  prazo  de  resposta,  logo,  aplica-­‐se  analogicamente.    
 
Recusa  da  Prestação  de  Informação  (arts.  215º,  290º  e  291º/4)  
 
  O  art.  215º  prevê  a  possibilidade  para  as  sociedades  por  quotas  e  o  art.  291º/4  para  as  sociedades  anónimas.  
Está   em   causa   a   ilicitude   da   utilização   da   informação,   i.e.,   para   recusar,   tem   que   dizer   que   esta   a   ser   usada   de   forma  
ilícita,   convocando   o   tema   da   lealdade   dos   sócios.   Não   tem   direito   à   informação,   porque   vai   usá-­‐la,   p.e.,   numa  
actividade   concorrente,   actuando   de   forma   desleal,   logo   este   tema   está   bastante   ligado   à   lealdade   dos   sócios.   Nos  
bancos,  a  recusa  de  informação  é  bastante  grande.  Em  princípio  não  prestam  informação  ao  abrigo  do  sigilo  bancário;  
em  relação  à  banca,  aplica-­‐se  muito  a  alínea  c);  em  relação  a  sociedades  comerciais  é  muito  difícil  a  aplicação  da  alínea  
c),  é  mais  frequente  a  aplicação  do  conflito  de  interesses  desleal,  em  especial  a  concorrência  desleal.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
Ex.:  accionistas  da  empresa  de  fornecimento  de  energia  PT  era  espanhola,  dávamos  informação  à  concorrência.    
 
  O   número   7   deve   ser   interpretado   restritivamente   por   força   do   número   4,   não   é   automático,   tenho   que   saber  
se  posso  ou  não  recusar.    
 
  Para   os   órgãos   de   administração,   as   perguntas   devem   ser   respondidas,   ou   seja,   há   um   poder-­‐dever:  
informação  stricto  sensu  dos  sócios  implica,  para  os  administradores,  um  poder-­‐dever  de  prestação  de  informação.  A  
actuação  dos  administradores  é  sempre  livre,  é  em  cumprimento  de  um  poder-­‐dever.  Havendo  violação  do  dever  de  
informação   do   sócio,   há   anulabilidade   de   deliberações   sociais   (art.   290º/3).   A   responsabilidade   pode   ser   directa  
perante   os   sócios,   causei   danos   na   esfera   jurídica   dos   sócios   e,   por   isso,   há   responsabilidade   directa   dos   danos   (art.  
79º);  diferente  é  determinar  se  pode  haver  responsabilidade  perante  sociedade  (art.  72º).  
 
  O  inquérito  judicial  é  um  procedimento  especial  para  situações  de  violação  ao  direito  à  informação,  previsto  
nos  arts.  292º  e  216º,  assim  como  no  art.  267º  -­‐  que  incide  sobre  a  falta  de  prestação  de  contas.  Neste  inquérito  judicial  
torna-­‐se   possível   destituir   administradores,   nomear   outros,   dissolver   a   sociedade,   entre   outros.   Sendo   advogados   de  
um   sócio   maioritário   ou   administrador,   a   matéria   de   direito   à   informação   deve   ser   respeitada,   pois   poderá   levar   à  
perda  do  domínio  da  sociedade.  Sendo  sócio  minoritário,  é  uma  das  armas.    
 
Ø Direito  de  Preferência  nos  Aumentos  de  Capital  a  Realizar  em  Dinheiro  
 
  Para  as  sociedades  por  quotas  a  base  legal  é  o  art.  266º;  para  as  anónimas  é  o  art.  458º.  O  art.  456º  prevê  a  
possibilidade   de   o   aumento   de   capital   ser   decidido   não   pelos   sócios,   mas   pelo   órgão   administrativo.   O   art.   321º  
apresenta   um   princípio   de   igualdade   de   tratamento   dos   acionistas   (aquisição   de   acções   próprias).   Só   consagrou  
previsão   bastante   pontual   para   as   sociedades   anónimas   e   para   aquisição   de   acções   próprias,   apenas.   Quando   a  
sociedade   compra   acções   próprias,   tem   que   tratar   de   forma   igualitária   os   acionistas.   Este   princípio   deve   ser  
generalizado   e   pode   ser   entendido   não   apenas   como   um   princípio,   mas   como   um   direito   dos   sócios   de   tratamento  
igualitário  face  aos  órgãos  de  administração.    
 
Ø Direito  de  Exoneração    
 
  A  sociedade  maioritária  delibera  a  exclusão  do  sócio,  o  excluído  tem  sujeição  jurídica;  o  art.  241º  apresenta  um  
direito  potestativo  à  exoneração,  i.e.,  sou  eu  que  decido  excluir-­‐me  da  sociedade  em  determinadas  circunstâncias,  ou  
seja,   isto   joga   a   favor   do   sócio   minoritário.   Quando   o   maioritário   muda   o   objecto   social,   os   minoritários   podem  
exonerar-­‐se  e  ter  direito  a  ser  compensados  pela  saída,  em  função  do  valor  da  sua  participação  social.    
 
Ø Direito  de  Propor  Acção  de  Responsabilidade  Ut  Singuli      
 
  Está   previsto   no   art.   77º   e   relaciona-­‐se   com   os   administradores.   É   exercida   pelo   sócio   minoritário   em  
substituição  da  sociedade,  i.e.,  se  através  de  órgão  de  gestão  não  responsabiliza  um  certo  administrador,  um  accionista  
minoritário  com  pelo  menos  5%  do  capital  social,  pode  ir  para  tribunal.    
 
  Uma  vez  que  os  administradores  são  colocados  na  administração  pelos  sócios  maioritários,  isto  acaba  por  se  
rum  direito  do  socio  minoritário  de  responsabilizar  o  sócio  maioritário  ou  uma  pessoa  da  sua  confiança.    
 
9.2.1. DIREITOS  ESPECIAIS  DOS  SÓCIOS    
 
  Estes   direitos   contrapõem-­‐se   aos   direitos   gerais   (art.   24º).   São   apenas   para   um   sócio   ou   uma   categoria   de  
sócios,   esta   última   é   importante,   sobretudo   para   as   sociedades   anónimas,   em   que   os   direitos   são   atribuídos   a   uma  
categoria   de   acções,   p.e.,   categoria   B   recebe   um   dividendo   majorado,   e   tem   um   acesso   privilegiado.   Nas   outras  
sociedades   são   direitos   individuais,   por   exemplo,   direito   especial   à   gerência.   O   regime   geral   encontra-­‐se   ainda  
consagrado   no   art.   55º,   isto   porque   este   diz   que   as   deliberações   sociais   são   ineficazes   quando   ofendem   os   direitos  
especiais  dos  sócios,  isto  significa  que  os  direitos  especiais  dos  sócios  estão  imunes  às  deliberações  sociais.    
 
Exemplos  para  as  sociedades  anónimas:  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Ex.:   direito   especial   à   gerência   (arts.   24º   e   257º/3).   Se   nos   estatutos   se   disser   que   o   Joaquim   tem   o   direito   especial   à   gerência,  
significa  isto  que  não  pode  ser  substituído  pelos  demais  sócios.  A  deliberação  de  estatuição  é  ineficaz,  nunca  fica  sanada.  A  única  
maneira  de  o  destituir  é  judicial,  e  com  justa  causa.  O  dever  especial,  neste  caso,  fica  adstrito  à  pessoa  do  sócio.    
 
Ex.:  acções  preferenciais  sem  voto  (art.  341º)  –  a  ideia  subjacente  é  retirar  o  direito  de  voto,  mas  em  contrapartida  atribuir  direito  ao  
lucro   maioritário   ou   majorado,   i.e.,   não   havendo   mais-­‐valias   não   se   distribui   esse   mesmo   lucro,   por   outro   lado,   havendo,   o   primeiro  
lucro  vai  para  as  acções  de  categoria  preferenciais;  não  havendo  para  outro,  não  é  problemático.    
 
Ex.:  dividendo  de  lealdade  –  quem  fica  mais  tempo  como  sócio  se,  vender  as  acções,  recebe  cada  vez  mais  dividendos;  quem  está  
como  sócio  há  mais  tempo.    
 
Aula  de  24  de  março  de  2017  
 
Acordos  Parassociais24  
⇒ Direitos  e  deveres  de  pessoas  que  celebram  acordos  (art.  17º  CSC).    
 
  Tem   uma   grande   aplicação   prática   na   advocacia   transacional   e   no   contencioso   (court   and   litigation),   isto  
porque   quando   se   fazem   projectos   empresarias,   em   especial   nas   sociedades   anónimas   e   no   contencioso   empresarial,   é   quase  
todo  em  torno  das  sociedades  comerciais.    
 
  Correspondem  a  contratos  celebrados  entre  os  sócios,  autónomos  ao  contrato  de  sociedade,  essencialmente  
regulando  o  exercício  de  posições  jurídicas  societárias.  Pode,  por  vezes,  fazer  parte  dos  estatutos,  mas  nas  sociedades  
anónimas,  com  regime  mais  injuntivo,  há  coisas  que  não  se  podem  clausular,  sendo  ainda  de  acrescentar  que  não  se  
trata   de   um   acordo   entre   todos   os   sócios,   mas   sim   determinados   sócios   que   combinam   coisas   entre   si   à   revelia   dos  
outros.   Estipulam   como   se   vão   comportar   dentro   da   sociedade,   nomeadamente   fazendo   estipulações   sobre   o   exercício  
do   direito   de   voto   (para   colocação   de   pessoas   no   Conselho   de   Administração,   p.e.)   e   podem   também   incidir   sobre  
várias  situações  de  bloqueio,  como  questões  a  resolver  dentro  da  empresa.    
 
ELEMENTO  SUBJECTIVO  
 
Elemento   subjectivo   –   celebrado   entre   sócios,   pode   ser   por   parte   destes,   ou,   em   alguns   casos,   por   todos  
(omnilaterais).   Podem   aparecer   terceiros,   p.e.,   um   administrador,   que   celebra   o   acordo,   comprometendo-­‐se   a  
permanecer  no  cargo;  pode  ser  um  banco  que  se  compromete  a  financiar  uma  actividade.    
   
  Na  prática  dos  negócios  temos  pessoas  que  ainda  não  têm  a  qualidade  de  sócio  e  que  podem  nunca  o  vir  a  ter,  
mas  fazem  estes  acordos  ao  lado  da  socialidade.    
 
Do   ponto   de   vista   técnico-­‐jurídico,   levanta-­‐se   uma   questão:   de   acordo   com   o   art.   17º   são   os   sócios   que   celebram   estes  
acordos,  logo,  aparecendo  um  terceiro,  deverá  ser  outra  coisa  e  não  acordo  parassocial.  Para  o  professor,  não  é  grande  
discussão,  se  se  considerar  que  a  situação  de  um  acordo  entre  terceiro  -­‐  sem  ser  sócio  -­‐  não  se  subsume  directamente  
ao   art.   17º.   Posso   sempre   aplicá-­‐lo   por   analogia,   pois   é   muito   próximo   do   acordo   parassocial.   Estas   regras   sobre  
acordos   parassociais   são   essencialmente   proibitivas,   que   limitam   o   conteúdo   dos   acordos   parassociais   e   impõem  
deveres  a  quem  celebra  acordos  parassociais.    
 
⇒ Assim,   só   por   aparecer   um   terceiro,   deixo   de   aplicar   regras   injuntivas   ou   tenho   necessariamente   que   as  
aplicar?   Estes   acordos   parassociais   com   terceiros   podem,   no   fundo,   não   ser   parassociais,   mas   aplicamos   as  
regras  do  CSC  e  dos  outros  diplomas,  sendo  certo  que,  se  não  for  directamente,  será  por  analogia.    
 
TEMPO  DA  CELEBRAÇÃO    
 
Tempo  da  celebração  –  os  acordos  parassociais  são  celebrados  em  três  momentos:    
 
(1)  Antes  do  contrato  de  sociedade;    
(2)  Em  simultâneo  e;    
(3)  Depois.    

                                                                                                                       
24
 COUTINHO  DE  ABREU,  ENGRÁCIA  ANTUNES  e  PAULO  OLAVO  CUNHA.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
  Por  referência  ao  contrato  de  sociedade,  esta  parassocialidade  pode  surgir  nos  três  momentos  distintos.  Surge,  
por   vezes,   antes,   em   simultâneo,   com   contratos   de   promessa   de   contratos   de   sociedade;   em   simultâneo   é   quando  
monto   projecto   comum,   sendo   que   parte   da   matéria   está   regulada   nos   estatutos   e   o   resto   está   no   acordo   social   -­‐   é  
bastante  frequente  nos  casos  omnilaterais.  Quando  surge  após   o  contrato  de  sociedade,  tal  acontece  nas  situações  em  
que   entra   um   novo   sócio,   novo   investidor   -­‐   e   nesse   momento   em   que   há   aumento   de   capital   -­‐,   torna-­‐se   conveniente  
celebrar  o  acordo.  Mas  pode  surgir  no  contexto  em  que  determinados  sócios  têm  um  equilíbrio  de  forças  e,  em  certa  
altura,  unem-­‐se  para  dominar  ainda  mais  a  sociedade  (entre  sócios  maioritários).  
 
  É   mais   frequente   nas   sociedades   anónimas,   nomeadamente   nas   abertas,   aquelas   que   têm   um   regime  
estatutário   extremamente   injuntivo   –   nos   estatutos   temos   regras   gerais   que   vinculam   os   acionistas   empresários   e  
meros  investidores  e  constam  dos  estatutos  as  limitações  ao  direito  de  voto  do  art.  394º/1,  a),  p.e.;  e  o  acordo  pode  ter  
regras  que  valem  apenas  para  os  acionistas  empresários,  daí  ser  tão  frequente.    
 
[Há  também  acordos  parassociais  em  sociedades  anónimas  fechadas].    
 
  Estes  acordos  parassociais  são,  tendencialmente,  confidenciais,  pois  é  este  um  dos  grandes  motivos  para  haver  
acordos   parassociais.   Se   os   sócios   minoritários   se   juntam   para   unir   forças   contra   sócio   maioritário,   não   é   do   seu  
interesse   mostrar-­‐lhe   o   acordo.   Temos,   contudo,   regras   de   publicidade   para   alguns   casos   e   são   principalmente   para  
instituições  de  crédito  das  sociedades  financeiras,  valores  mobiliários  e  seguradoras.  
 
  O  art.  17º  é  a  regra  geral  –   principal   -­‐,  porém,  a  primeira  regra  a  apontar  deve  ser  a  que  consta  do  art.  405º  do  
CCiv  (da  autonomia  privada);  a  base  legal  encontra-­‐se  neste  artigo  devido  à  autonomia  privada  para  a  constituição  de  
acordos  parassociais.  O  art.  17º  limita,  por  sua  vez,  a  autonomia  privada.    
 
Há   uma   tendência   para   se   classificar   os   acordos   parassociais:   sindicatos   de   voto   e   convenções   de   bloqueio.   Os  
primeiros   regulam   essencialmente   o   exercício   de   voto   e   os   segundos   a   transmissão   de   participações   sociais,  
principalmente.   PEDRO   CAETANO   NUNES   considera   que   não   é   uma   classificação   exaustiva,   porque   há   acordos   que   regulam  
outras  matérias  para  além  destas,  e  é  frequente  que  o  mesmo  acordo  regule  ambas  as  matérias  (é  raro  não  o  fazer,  
inclusive).      
 
CONTEÚDO  FREQUENTE  DO  ACORDO  PARASSOCIAL  
 
A. Composição  e  Funcionamento  dos  Órgãos  Sociais    
o Número  de  Administradores;  
25
o Número  de  Administradores  a  indicar  por  cada  uma  das  partes  no  acordo  parassocial  (equilíbrio  de  forças) ;  
o Quórum  dos  Conselhos  de  Administração;    
o Delegação  da  Gestão  Corrente  –  há  Comissão  Executiva  ou  não;    
o Designação  de  Membros  de  Outros  Órgãos  –  Fiscalização,  Auditor  Externo,  Mesa  da  Assembleia  Geral;    
o Quórum  da  Assembleia  Geral  –  regras  sobre  sócios  minoritários;    
26
o Órgão  Consultivo  –  Sócios  de  Referência .  
 
B. Modo  de  Gestão  
o Planos  de  negócios  a  médio  ou  longo  prazo  –  caso  da  startup:  compromisso  de  um  plano  de  negócio  ao  nível  
do  acordo  parassocial  e,  pode  conjugar-­‐se  com  cláusulas  sobre  o  financiamento  da  sociedade;  
 
o Rácios   económico-­‐financeiros   –   i.e.,   quais   os   objetivos   de   precursão,   capital   próprio   ou   alheio,   tem   que   ter  
muito  average  ou  dinheiro  colocado  pelos  sócios  (obrigações  de  financiamento),  limites;  
 
o Cláusulas  sobre  política  de  dividendos  –  percentagem  mínima  de  dividendos  a  distribuir.  
                                                                                                                       
25
  A   discussão   incide,   às   vezes,   entre   quem   nomeia   os   executivos   e   não   executivos,   sendo   que   quem   nomeia   os   executivos   tem   mais  
poder.  Discute-­‐se  ainda  o  pelouro  dos  administradores  executivos.    
 
26
  Antes   do   Conselho   de   Administração   da   Sociedade   tomar   alguma   decisão,   reúnem-­‐se   os   sócios   de   referência   para   combinar   as  
coisas  em  tom  informal.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
C. Transmissão  de  Participações  Sociais  
o Cláusulas   com   uma   obrigação   de   manutenção   da   titularidade   das   ações   –   os   lockup.   Geralmente,   têm   um  
prazo   e   costumam   ressalvar   as   transmissões   intragrupo,   porque,   geralmente,   a   entidade   gestora   pretende  
reorganizar  o  seu  grupo  e  geralmente  esta  é  o  investidor,  não  os  accionistas,  que  estão  por  detrás;  
 
o Cláusulas   com   direito   de   preferência   –   uma   das   partes   vender   as   ações   a   outra   parte   tem   direito   de  
preferência;  
 
o Cláusulas   com   direitos   de   aquisição   –   direitos   potestativos,   p.e.,   opção   de   compra   por   sócio   maioritário  
(adquiro  potestativamente  as  acções  se  A  se  inserir  numa  das  cláusulas  apresentadas,  p.e.,  por  má  gestão).  
 
o Cláusulas   de   drag   along   –   o   sócio   maioritário   quer   vender   a   terceiro   (pretende   vender   posição   maioritária),  
mas   o   comprador   pode   não   querer   ficar   com   um   sócio   que   lá   está,   logo,   esta   cláusula   permite   que   o  
maioritário   force   o   minoritário   a   vender,   para   que   o   comprador   tenha   100%,   uma   vez   que   dificilmente   quer  
ficar   com   60%   quando   o   outro   tendo   40%   -­‐   pode   não   gostar   e   entra   logo   com   litígio.   Direito   de   aquisição   a  
favor  de  terceiro.    
 
o Direitos   de   alienação   –   opção   de   venda   por   minoritário   (se   o   maioritário   não   cumprir   os   pressupostos   do  
acordo,  pode  o  minoritário  vender  as  suas  ações  [do  maioritário],  por  determinado  preço);  
 
Cláusulas  de  tag  along  –  o  maioritário  vende,  o  minoritário  tem  direito  potestativo  de  vender  também,  porque  
o
só  tendo,  por  exemplo  8%,  não  lhe  convém  ficar  com  um  novo  sócio  maioritário.    
 
  Estas  cláusulas  não  têm  eficácia  relativa  -­‐  mesmo  o  direito  de  preferência  é  um  direito  que  sendo  estipulado  
no  acordo  e  não  nos  estatutos,  não  tem  eficácia  erga  omnes.  As  opções  de  venda  são  put  options;  de  compra  são  call  
options   (potestativamente).   A   ideia   é   que   sejam   feitas   ou   estipuladas   com   um   certo   preço,   sendo   por   isso   que   as  
cláusulas  estão  associadas  ao  mecanismo  de  fixação  e  avaliação  de  preço.    
   
{CARLOS  FERREIRA  DE  ALMEIDA  |  Contratos,  Volume  I}  
 
  Temos  que  distinguir  o  contrato  promessa  do  contrato  de  opção  -­‐  neste  caso  falamos  de  opção  de  compra  e  de  
venda,   não   de   contrato   promessa,   e   são   diferentes   na   teoria   dos   contratos;   nos   parassociais   fazemos   contratos   de  
opção  e  muito  raramente  promessa;  quando  são  feitos  geralmente  é  por  naos  e  saber  fazer  de  opção.  
 
 
CONTRATO  DE  PROMESSA  [BILATERAL]   CONTRATO  DE  OPÇÃO  [UNILATERAL]  

A  promete  comprar  a  B,  e  B  promete  vender  a  A.   A  e  B  trocam  declarações  negociais  no  sentido  de  se  
27
No  contrato  prometido  A  comprou  ao  B  e  B  vendeu  ao  A   conceder  uma  opção.  

 
 
Cláusulas  com  objectivo  de  cotação  em  bolsa  –  quando  vendemos,  fazemos  aumento  de  capital.  
o
 
D. Financiamento  da  Sociedade  
o Obrigação   de   subscrição   de   aumento   de   capital   –   p.e.,   cláusula   que   determina   «daqui   a   x   anos,   tenho   que  
injetar  mais  dinheiro  se  as  condições  o  pedirem»;  
 
o Projecto   de   contribuições   financeiras   –   i.e.,   o   plano   ou   projecto   de   pedido   de   suprimentos   empréstimos   feitos  
pelos  sócios;  

                                                                                                                       
27
 O  contrato  optativo  tem  uma  só  declaração  negocial.  Atribuiu-­‐se  ao  A  um  direito  potestativo  de  opção  de  comprar  definitivamente  
ao  B  em  certas  circunstâncias.  Tem  estrutura  semelhante  à  proposta  e  aceitação.  Fica  completo  com  uma  única  declaração  negocial,  
do  A,  que  tem  poder  unilateral  de  celebrar  o  contrato  optativo  definitivo.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
o Proibições  de  concorrência  –  frequente  nas  sociedades  por  quotas,  não  muito  frequente  nas  anónimas;    
o Resolução  de  divergências  –  compromissórias  e  call  options  e  put  options;    
o Cláusulas  penais;  
 
o Depósitos   –   ou   seja,   as   quantias   depositadas   junto   de   terceiros   com   regime   de   mandato   em   que   bancos  
libertam   as   quantias   verificados   certos   circunstancialismos.   Se   J   cumprir   acordo,   o   banco   tem   que   lhe   dar   o  
dinheiro;  
 
o Procurações  irrevogáveis;    
o Cláusulas  de  confidencialidade;  
o Cláusulas  sobre  denunciabilidade;    
o Cláusulas  sobre  lei  aplicável.    
 
Socialidade  e  Parassocialidade  
 
O   Princípio   da   Autonomia   face   ao   contrato   de   sociedade   é   autónomo,   e   resulta   da   letra   do   art.   17º,   e   o  
Princípio   da   Eficácia   Relativa   por   contraposição   à   Absoluta   [erga   omnes],   ou   seja,   o   acordo   parassocial   tem   eficácia  
relativa;   por   sua   vez   o   contrato   social   tem   eficácia   absoluta.   As   estipulações   dos   estatutos   valem   perante   todas   as  
partes  de  acordo  com  o  art.  406º  do  CCiv  no  acordo  social  e  no  parassocial  não.    
 
  Nada  impede  que  o  acordo  parassocial  possa  funcionar  como  um  contrato  a  favor  de  terceiro,  nomeadamente  
cláusulas  a  favor  da  sociedade.  Por  exemplo,  posso  estipular  que  uma  das  partes  tem  o  dever  de  realizar  suprimentos  
em   favor   da   sociedade   em   certo   momento   e   este   dever   pode   ser   estabelecido   como   dever   perante   as   restantes   partes  
no   acordo   ou   como   a   favor   de   terceiro   em   que   a   sociedade.   Para   ser   a   favor   de   terceiro,   o   credor   tem   que   ser   o  
terceiro;  se  pode  criar  vícios  para  terceiro  não  é  contrato  a  favor  de  terceiro.    
 
  Apesar   de   haver   autonomia   entre   os   dois,   podem   os   estatutos   limitar   a   eficácia   dos   acordos   parassociais?  
Podem   os   estatutos   dizer   que   os   acordos   não   são   válidos   para   a   sociedade   -­‐   e   esta   é   a   posição   de   RAUL   VENTURA;  
também  no  CVM  se  defende  que  os  estatutos  das  sociedades  anónimas  abertas  possam  limitar  os  acordos  parassociais.    
 
CARNEIRO  DA  FRADA  tem  uma  posição  minoritária  que  considera  que  quando  os  acordos  parassociais  são  omnilaterais  não  
funciona   a   ideia   de   autonomia   e   eficácia   relativa.   Neste   caso   as   cláusulas   do   acordo   são   para   cumprir   dentro   da  
sociedade;  para  o  professor  esta  posição  é  contra  a  lei.    
 
  A  montante  deste  tema  temos  um  problema  prévio  de  saber  se  temos  um  contrato  ou  dois  contratos:  isto  é,  
estatutos  ou  estatutos  e  outra  coisa  (acordo  parassocial)  -­‐  é  o  problema  da  união  de  contratos.  É  importante  saber  se  
há  uma  mera  união  económica  de  vários  contratos  jurídicos  ou  apenas  um.  Sendo  os  estatutos  sujeitos  a  registo  (ou  
seja,   à   publicidade);   e   os   acordos   podendo   ser   confidenciais,   o   critério   de   distinção   tende   para   ser   o   formal   em  
detrimento  do  critério  substancial,  em  função  do  conteúdo  clausulado.  Assim,  o  que  conta  é  o  registado.    
 
Limites  ao  Conteúdo  dos  Acordos  Parassociais    
 
  Relativamente   aos   acordos   parassociais,   parte   das   normas   que   podemos   construir   com   base   em   todo   o   art.  
17º;   temos   cinco   proibições   e,   em   todas   estas   o   conceito   de   acordo   serve   para   delimitar   o   campo   de   aplicação.  
Inspirados  nos  Princípios  da  Autonomia  e  Eficácia  Relativa.  Aqui  temos  restrições  ao  sindicato  de  voto  principalmente  
(número  1,  2  e  3).    
 
  A  parte  final  do  número  1  do  art.  17º  apresenta  uma  restrição  da  impugnabilidade  dos  actos  da  sociedade  e  
dos  sócios,  é  a  restrição  mais  forte  (Princípio  da  Eficácia  Relativa).  Não  se  pode  impugnar  actos  externos  da  sociedade  
perante  terceiros,  deliberações  sociais,  votos  e  actos  de  transmissão  das  participações  sociais.  Não  pode  haver  vícios  
dos   negócios   jurídicos   com   fundamento   nas   cláusulas   dos   acordos   parassociais;   os   actos   jurídicos   da   sociedade   não  
podem  ver  a  sua  eficácia  jurídica  com  base  nos  acordos  parassociais,  não  pode  haver  desvalor  jurídico  relativamente  a  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

28
actos   da   sociedade   ou   dos   sócios   para   com   a   sociedade .   Trata-­‐se   de   um   corolário   básico   do   Princípio   da   Eficácia  
Relativa.    
 
CARNEIRO  DA  FRADA  considera  que  a  regra  do  art.  17º  não  está  certa  {querela  doutrinária}  e,  portanto,  é  aqui  que  
a  sua  posição  tem  relevância.  Para  este  representa  derrogação  da  aplicação  do  17º/1.    
 
Aula  de  28  de  março  de  2017  
 
  Não   poderão   haver   vícios   dos   negócios   jurídicos   em   causa   com   fundamento   da   violação   das   cláusulas   de  
acordos   parassociais.   Os   actos   da   sociedade   não   podem   ser   impugnados,   i.e.,   a   sua   eficácia   jurídica   não   pode   ser  
considerada   pela   existência   do   acordo   social.   Os   actos   da   sociedade   serão   as   deliberações   sociais   (sócios   ou   outros  
órgãos,   como   Conselho   de   Administração);   os   próprios   votos   dos   sócios;   e   os   actos   relativos   à   transmissão   de  
participações  sociais.  A  proibição  do  número  1  do  art.  17º  é  um  corolário  básico  da  eficácia  relativa.      
 
  O  art.  17º/2  tem  a  proibição  de  as  cláusulas  do  acordo  parassocial  respeitarem  à  conduta  dos  intervenientes  
ou  de  outras  pessoas  no  exercício  de  funções.  A  partir  de  «(…)  mas»,  temos  a  proibição.  Não  podem  regular  a  actuação  
dos  administradores  e  os  titulares  de  outros  órgãos  de  administração.  Na  prática,  uma  proibição  de  instruções  de  sócios  
aos  administradores,  de  administradores  a  outros  administradores,  ou  fiscalizadores.    
 
⇒ O   acordo   parassocial   não   pode   determinar   directamente   a   conduta   dos   administradores   ou   outros   titulares.  A  
pergunta  que  se  levanta  é  se  o  podem  fazer  indirectamente.    
 
A  primeira  distinção  relevante  é  a  da  posição  orgânica  originária  dos  sócios  e  derivada  dos  titulares  dos  órgãos  de  
administração   e   fiscalização.   Enquanto   os   sócios   têm   direitos   subjectivos,   estes   titulares   actuam   no   interesse   de  
outrem.  Tem  poderes-­‐deveres  e  não  direitos  subjectivos.  Devem  actuar  no  interesse  da  sociedade,  dos  sócios,  dos  take  
holders,   dos   interessados   na   sociedade.   Nunca   actuam   no   interesse   próprio.   Ou   seja,   face   à   proibição,   não   recebem  
instruções,   no   sentido   em   que   não   actuam   apenas   no   interesse   de   um   sócio,   mas   de   todos   os   sócios.   Por   trás   desta  
regra,   a   eficácia   relativa   vigora.   Os   acordos   parassociais   não   podem   condicionar   a   actividade   estatutária.   Além   disso,  
existe  a  arquitectura  estatutária  da  existência  de  poderes-­‐deveres.  É  uma  ideia,  sobretudo,  das  sociedades  anónimas.    
 
Temos   de   distinguir,   ainda   as   sociedades   anónimas   e   as   sociedades   por   quotas.   Nas   sociedades   anónimas   não  
podem   haver   instruções   orgânicas   estatutárias   aos   gerentes.   Já   nas   sociedades   por   quotas,   é   possível,   em   sede   de  
Assembleia   Geral.   O   que   não   é   possível   é   que   as   instruções   sejam   dadas   pelos   sócios   no   âmbito   de   um   acordo  
parassocial.  Ou  seja,  é  possível  nas  sociedades  por  quotas,  mas  de  forma  legítima  [forma  indirecta].  
 
Esta  é  a  proibição  mais  violada.  Não  há  acordo  parassocial  que  não  tente  conformar  esta  regra.  É  uma  regra  que  
não  cola  com  os  negócios;  cai  em  desuso  por  ser  tão  violada.  Na  vida  real,  interessa  fazer  clausulados  mais  inteligentes.  
Todos  os  acordos  parassociais  vão  querer  incidir  sobre  estas  matérias.  Podem  ser  mais  sofisticados:  
 
a. Dois   tipos   de   redacção:   os   sócios   obrigam-­‐se,   no   acordo   parassocial,   a   que   os   administradores   actuem   de  
acordo  com  estas  regras,  ou  de  acordo  com  o  que  for  decidido  neste  âmbito  [há  imposição  directa  da  forma  de  
actuação   dos   administradores].   Por   outro   lado,   pode   colocar-­‐se   uma   obrigação   de   meios,   i.e.,   os   sócios  
comprometem-­‐se  a  realizar  todos  os  esforços  no  sentido  de  que  os  administradores  actuem  em  determinada  
direcção  [obrigação  de  meios  corresponde  a  uma  imposição  indirecta].    
 
A   terceira   proibição   é   a   regulada   no   art.   17º/3,   alínea   a)   –   proibição   da   obrigação   de   votar   seguindo   as  
instruções  da  sociedade  ou  de  um  dos  seus  órgãos.  A  quarta  proibição  surge  na  b)  –  proibição  da  obrigação  de  votar  
aprovando  as  propostas  feitas  por  estes.  Fala-­‐se,  na  ratio  legis  da  proibição,  está  a  subversão  da  democracia  [em  vez  de  
serem   os   sócios   a   decidir,   é   a   Administração   que   toma   as   decisões,   ficando   os   sócios   obrigados   a   seguir   a   iniciativa   dos  
administradores   –   os   sócios   têm   a   sua   conduta   determinada   pelos   administradores,   fazendo   com   que   estes   ficassem   imunes   à  

                                                                                                                       
28
 Da  sociedade  são  deliberações  sociais,  dos  sócios  ou  outros  órgãos,  deliberações  externas  a  terceiros.  Para  além  destas,  os  actos  
dos  sócios  e  os  relativos  à  transmissão  das  participações  sociais.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

29
responsabilidade.   É   nessa   lógica   que   se   falam   nos   outros   dois   riscos ]   de   um   risco   de   perpetuação   dos   administradores   e  
irresponsabilidade  dos  administradores.      
 
A  última  proibição  consta  da  alínea  c)  –    da  proibição  de  exercer  o  direito  de  voto  em  contrapartida  de  vantagens  
especiais.  A  lógica  desta  regra:  quer-­‐se  transparecer  uma  ideia  de  desconforto  com  a  venda  dos  votos.  Por  outro  lado,  
se  estamos  perante  sociedades  comerciais  que  gerem  interesses  pecuniários,  é  difícil  determinar  o  que  é  a  vantagem.  
Vota-­‐se  não  por  altruísmo,  mas  a  pensar  nas  vantagens  próprias.  Não  se  percebe  bem  o  que  o  legislador  quis  fazer.  A  
primeira  ideia  é  a  da  venda  pejorativa  de  votos.  Nos  EUA  há  muito  esta  ideia.  Há  uma  prática  de  os  sócios  atribuírem  
poderes  de  representação  a  determinados  titulares  para  que  possam  votar  na  Assembleia  Geral  [proxy  fight].  A  lógica  
capitalista  das  sociedades  comerciais  está  no  sentido  de  que  o  voto  é  atribuído  a  quem  tem  uma  maior  participação  
económica  –  i.e.,  há  uma  pretensão  residual:  se  for  bem  gerido,  corre  tudo  bem;  se  for  mal  gerido,  corre  mal.  Quem  
investe  tem  um  maior  interesse  na  boa  gestão.  Do  ponto  de  vista  da  mão  invisível  de  mercado,  têm  maior  voto  quem  
investiu  mais  capital,  pois  terá  maior  interessa  na  boa  gestão  {análise  económica  do  direito}.  Em  todo  o  caso,  ninguém  
sabe  determinar  bem  quando  é  que  temos  vantagens  especiais  legítimas  ou  vantagens  especiais  ilegítimas,  na  medida  
em  que  haverá  sempre  vantagem  na  protecção  dos  próprios  capitais  –  na  actuação  com  o  maior  interesse.    
 
Denunciabilidade  ou  Vigência  do  Tempo  
 
Não  existem  regras  legais  específicas  que  limitem  os  acordos  parassociais  temporalmente.  Ou  seja,  estamos  no  
âmbito  da  liberdade  de  estipulação  do  prazo.  Ou  estabelecem  um  prazo  limite  ou  têm  uma  vigência  indefinida.  Quando  
não  estabelecem  um  prazo  limite,  pergunta-­‐se  se  pode  haver  vinculação  temporalmente  indeterminada.  Ninguém  pode  
vincular-­‐se   intemporalmente.   Uma   obrigação   eu   seja   perpétua   pode   ser   denunciada   a   todo   o   tempo   [denunciabilidade  
30
ad  mutum  nas  obrigações  perpétuas  –  querela ].  Doutrina:  
 
1. Denunciabilidade  Ad  Mutum;  
2. Inexistência  de  Denunciabilidade;  
3. Obrigações  Parassociais  como  Obrigações  Propter  Rem.  
 
Esta  terceira  posição  é  defendida  por  RUI  PINTO  DUARTE  e  PEDRO  CAETANO  NUNES,  são  obrigações  associadas  à  
socialidade,  sendo  que  a  parassocialidade  é  acessória  da  socialidade,  pelo  que  fará  sentido  considerar  que  
não  perpétuas,  mas  mantém-­‐se  enquanto  existir  a  socialidade.  Enquanto  for  sócio,  mantém-­‐se  o  acordo  
parassocial.  Com  esta  solução,  afasta-­‐se  a  primeira.  
 
Relevância  dos  Acordos  Parassociais  
 
  Vamos   verificar   quais   os   efeitos   jurídicos   que   podem   resultar   ou   ter   origem   do   acordo   parassocial.   Os  
contratos   são   actos   performativos,   i.e.,   geram   efeitos   jurídicos.   Quem   celebra   um   acordo   parassocial   também   pode   ter  
efeitos   que,   frequentemente,   são   pejorativos.   Não   há   uma   arquitectura   legal   perfeita,   mas   disposições   legais   dispersas  
que  associam,  pontualmente,  efeitos  negativos:  
 
a. Responsabilidade  do  sócio  (art.  83º)  –  responsabilidade  solidária  do  sócio  por  actos  dos  membros  dos  órgãos  
sociais,   dos   administradores.   Em   determinadas   circunstâncias,   respondem   solidariamente.   Os   administradores  
violaram  os  seus  deveres,  sendo  os  primeiros  responsáveis,  mas  verificadas  certas  circunstâncias,  os  sócios  vão  
responder  também,  designadamente:  em  várias  situações,  incluindo  nos  acordos  parassociais.    
 

                                                                                                                       
29
 Não  se  fala  da  democracia  em  rigor  técnico,  na  medida  em  que  nas  sociedades  de  capitais  não  há,  em  rigor,  uma  democracia,  mas  
uma  plutocracia.  É  o  risco  de  actuação  oligárquica  na  plutocracia.  
 
30
  VAZ   SERRA   susteve   esta   posição   doutrinária.   Se   não   colocar   qualquer   prazo,   corre-­‐se   o   risco   de   invocarem   que   o   acordo   parassocial  
é  denunciável  a  todo  o  tempo,  por  se  tratar  de  uma  obrigação  perpétua.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Situações  dos  números  1,  2  e  3:  situações  de  culpa  in  eligendo,  i.e.,  a  responsabilidade  pela  actuação  de  outrem  pode  
estar   relacionada   com   três   tipos   de   situações.   O   sócio   responde   se   for   negligente   na   designação   do   administrador.   É  
uma  culpa  quanto  à  escolha.  Os  acordos  parassociais  são  aqui  relevantes  para  saber  se  se  pode  recorrer  ao  art.  83º.    
 
Situação  do  número  4:  influência  determinante.  Há  responsabilidade  do  sócio  pela  influência  determinante.  Do  ponto  
de  vista  prático,  é  a  hipótese  mais  acutilante.  P.e.,  o  gerente  fez  negócios  em  sede  de  preços  de  transferência.  Haveria,  
por   violação   do   dever   de   lealdade,   responsabilidade   do   administrador.   O   sócio   que,   por   força   do   acordo   parassocial,  
tivesse  tido  uma  influência  determinante  nessas  transacções,  teria  de  ser  responsabilizado  pelo  art.  83º/4.    
 
b. Instituições   de   Crédito   e   Seguradoras   –   obrigação   de   registo   de   acordos   parassociais.   Na   actividade   financeira,  
há   preocupações   de   protecção   do   crédito   público,   do   funcionamento   da   encomia   (art.   109º,   CRP).   O   interesse  
público  é  mais  intenso.  A  base  são  os  problemas  esténicos  do  sistema  financeiro  e,  neste  contexto,  porque  são  
actividades  sensíveis,  uma  das  coisas  que  o  legislador  determina  é  o  registo  dos  acordos  parassociais.  Assim,  as  
entidades   reguladoras   e   as   pessoas,   em   geral,   têm   direito   a   saber   se   existem   acordos   parassociais.   Não   há  
«jogos  de  bastidores  entre  os  sócios  e  a  banca».    
 
c. Código  de  Valores  Mobiliários  para  as  Sociedades  Anónimas  Abertas  (arts.  19º  e  245º-­‐A)  –  regras  sobre  registo  
e  divulgação,  portanto,  quebra  de  confidencialidade.  No  art.  19º  temos  uma  regra  sobre  anulabilidade  das  DN.  
No   art.   182º-­‐A,   uma   regra   de   suspensão   dos   acordos   parassociais   em   caso   de   oferta   pública   de   aquisição  
(OPA),   se   os   estatutos   assim   o   previrem.   É   a   regra   em   que   se   permite   que   o   teor   dos   estatutos   possa   limitar   o  
teor  dos  acordos  parassociais.  A  socialidade  afectar  a  parassocialidade  [não  confundir  com  a  parassocialidade  
afectar   a   socialidade   –   é   estritamente   proibido].   Por   último,   os   arts.   187º   e   20º,   que   relevam   no   dever   de  
lançamento   de   OPA.   No   regime   das   sociedades   anónimas   abertas   existe   um   dever   legal   de   lançamento   da  
OPA,   como   regime   de   protecção   dos   pequenos   investidores   {e   que   dificulta   a   vida   do   sócio   maioritário,   que  
poderá   ter   de   oferecer   o   pagamento   de   todas   as   acções   dos   pequenos   investidores   –   aquisição   de   todas   as  
restantes   acções}.   O   facto   de   existir   um   acordo   parassocial,   conta   para   o   pressuposto   de   atingir   o   nível   de  
domínio  de  participação  social.  Contam  os  votos  que  o  sócio  tem,  e  a  força  que  decorre  do  acordo  parassocial.    
 
d. Regime  da  Defesa  da  Concorrência  (Lei)   –  nos  EUA  e  na  EU,  existem  leis  de  defesa  da  concorrência,  ou  da  mão  
invisível   do   mercado.   Só   há   liberalismo   com   a   livre   concorrência,   não   com   os   monopólios.   Proíbem-­‐se   práticas  
de  concentração  empresarial,  de  dumping  [baixas  de  preços  artificiais  para  beneficiar  o  concorrente].  Os  casos  
de  monopólio  ou  quase  monopólio  são  perseguidas.  O  acordo  parassocial  pode  ser  relevante  para  esse  efeito.    
 

Capacidade  Jurídica  das  Sociedades  Comerciais  e  Prestação  de  Garantias  Gratuitas  


Artigo  6º  do  Código  das  Sociedades  Comerciais  
 
A   disposição   em   causa   é   o   número   3.   As   sociedades   não   têm,   em   princípio,   capacidade   para  
prestar  garantias  gratuitas.  O  AC  TRE  de  13  de  junho  de  2002:  acção  constitutiva  de  anulação  de  
deliberação  social.  Foram  autorizados  a  prestar  quaisquer  garantias  reais  a  favor  das  sociedades.  A  
autora   vem   impugnar   esta   deliberação,   sendo   que   não   participou   na   mesma.   Impugna   por  
incapacidade.  Depois  da  primeira  instância,  recorreu  para  o  TRE.  A  Ré  não  tinha  relação  de  grupo  
com  nenhuma  delas;  a  Ré  tinha  relação  de  domínio  com  duas  delas.  Com  as  restantes  sociedades  
[13],  a  ré  não  tinha  uma  relação  de  grupo  ou  de  domínio.  A  empresa-­‐mãe  era  uma  das  empresas  
em   que   a   ré   tinha   relação   de   domínio   -­‐   COFACO   -­‐,   a   qual   pertencia   a   um   grupo   económico-­‐
financeiro  de  15  sociedades.  Ficou  provado  que  entre  as  15  sociedades  há  uma  relação  de  grupo.    
 
COFACO  -­‐  (61%)  COMALPE  -­‐  (68,5%)  SAFOL  
 
A   Ré   tinha   capacidade   para   prestar   garantias   gratuitas   a   favor   de   outras   sociedades?   À   luz   do  
art.   6º/3,   relação   de   domínio   ou   de   grupo?   Justificado   interesse   próprio?   Como   a   Ré   só   tinha   a  
relação  de  domínio  com  duas  das  15  sociedades,  considerou-­‐se  que  não  se  verificava  a  excepção.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Tendo   em   conta   que   a   Ré   mantinha   fortes   relações   económico-­‐financeiras   com   as   outras  


sociedades,   a   Ré,   em   caso   de   insolvência   de   uma   delas,   sairia   prejudicada,   pelo   que   havia   um  
justificado   interesse   próprio   e,   como   tal,   o   TRE   considerou   que   Ré   podia   prestar   as   garantias   a  
favor   de   terceiros.  {o  Professor  e  a  Escola  de  Lisboa  consideram  que  é  possível  isto  acontecer;  já  a  
Escola  de  Coimbra  considera  que  a  proibição  deve  ser  tomada  stricto  sensu.}  
 
No   TRL   de   16   de   dezembro   de   2013,   em   vez   de   uma   acção   declarativa,   temos   uma   acção  
executiva.  Em  suma,  o  banco  tinha  um  crédito  perante  Jorge  Cunha,  que  era  garantido  por  uma  
hipoteca  da  GEAD.  O  registo  foi  feito  a  11  de  outubro  de  1991.  O  crédito  era  destinado  a  financiar  
a  aquisição  da  totalidade  das  quotas  da  António  &  Lucas,  Lda.,  cuja  sócia  maioritária  era  a  GEAD.  A  
execução,  a  pedido  dos  executados,  foi  adiada  três  vezes.  Jorge  Cunha  adquiriu  as  quotas,  a  bem  
dizer,  à  GEAD,  sendo  que  o  crédito  do  banco  serviu  para  esse  efeito.    
 
A  GEAD  tinha  capacidade  para  prestar  a  garantia  real  a  uma  dívida  de  terceiro?  Não  há  relação  
de   domínio   ou   de   grupo   entre   a   GEAD   e   Jorge   Cunha   [só   existe   quando   existem   sociedades  
sócias   de   outras,   quando   há   neste   lugar   um   cidadão,   nunca   há   esta   relação].   Há   interesse  
justificado?  Estas  situações,  em  que  há  muitas  empresas,  não  são  claras.  O  Tribunal  de  primeira  
instância   e   o   Tribunal   de   Recurso   concluíram   a   garantia   nula,   por   não   existir   um   interesse  
justificado.    
 
Banco  emprestou  dinheiro  ao  Jorge  para  a  compra  e  venda  de  acções  da  ALF,  Lda;  
GEAD  presta  uma  hipoteca  ao  Banco  em  favor  de  terceiro,  o  Jorge;  
O  dinheiro  passou  do  Jorge  para  a  GEAD  +  as  acções  saíram  da  GEAD  para  o  Jorge;  
Nesta  compra  e  venda,  entrou  dinheiro,  mas  saíram  as  acções;  
A  GEAD,  do  ponto  de  vista  patrimonial,  ficou  na  mesma;  
 
O   Tribunal   de   Recurso   veio   dizer   que   existência   de   relações   pessoais   ou   comerciais   não   bastam  
para   provar   o   interesse   próprio.   São   necessários   elementos   objectivos   que   demonstrem   os  
benefícios   que   a   sociedade   vai   ter.   O   interesse   tem   de   derivar   de   factos   que   demonstrem  
benefício.   O   segundo   problema   foi   da   determinação   do   ónus   da   prova.   Por   um   lado,   o   bando  
defendeu   que   pertencia   à   CEA,   uma   vez   que   se   fosse   ele,   teria   de   oferecer   informação  
confidencial  da  GEAD;  por  outro  lado,  o  Tribunal  veio  determinar  que  o  ónus  corria  pelo  Banco  –  
uma  vez  que  a  CEA  não  tinha  indicação  e  informação  sobre  o  negócio,  ao  contrário  do  Banco.  
 
Tanto   o   TRL   como   o   TRE   subscreveram   a   teoria   da   especialidade   e,   como   consideram   o   fim  
lucrativo,  todas  as  garantias  são  nulas,  salvo  as  que  cabem  nas  excepções  do  art.  6º/3.  O  interesse  
próprio   tem   que   ser   provado   por   elementos   objectivos   que   demonstrem   a   obtenção   de   uma  
vantagem.   A   crítica:   deveria   haver   uma   interpretação   conforme   à   primeira   directa   de  
coordenação,  i.e.,  deveria  ser  considerada  a  capacidade  tutela  das  sociedades.  

 
 
10. CAPITAL  SOCIAL  
 
⇒ É   uma   cifra   pecuniária   estatutária,   correspondente   ao   somatório   dos   valores   nominais   das   participações  
sociais,  com  a  exclusão  das  entradas  em  indústrias  ou  serviços.    
 
O  art.  9º/1,  alínea  f)  determina  que  se  trata  de  um  elemento  obrigatório  dos  estatutos.  O  art.  14º  determina  
que  tem  de  ser  expresso  em  moeda  com  curso  legal  em  Portugal  [euro].  Para  efeitos  de  cálculo,  o  que  interessa  é  valor  
facial,   nominal.   Em   sentido   técnico-­‐jurídico,   o   valor   nominal.   Interessa   não   o   dinheiro,   mas   o   valor   nominal   da  
participação.  As  sociedades  em  nome  colectivo  podem  não  ter  capital  social,  se  só  tiverem  sócios  de  indústria,  que  dão  
entradas  não  em  dinheiro  ou  espécie,  mas  em  serviços.  Fora  destas,  existe  sempre  capital  social.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

O   capital   social   é   o   número   que   consta   da   cláusula   estatutária.   Não   deve   ser   confundido   com   o   património,  
este,   por   definição,   é   o   conjunto   de   situações   jurídicas,   activas   e   passivas,   avaliáveis   em   dinheiro,   por   referência   a  
determinado  momento  temporal  [A  pode  ter  um  grande  património  num  dia,  e  esgotá-­‐lo   no   Casino   no   dia   seguinte].   O  
capital   é   uma   cifra   estatutária   estática,   enquanto   o   património   é   um   valor   dinâmico,   verificado   num   certo   momento.   O  
capital  social  só  muda  com  uma  alteração  dos  estatutos.  
 
• Estático  versus  dinâmico;  
• Cifra  estatutária  versus  valor  real.    
 
O  capital  social  tem  duas  funções:  (1)  externa,  a  ver  com  a  protecção  de  terceiros  [mecanismos  com  regras  que  
se  destina  a  proteger  os  credores];  (2)  interna,  a  ver  com  o  peso  relativo  dos  direitos  dos  sócios.    
 
Aula  de  31  de  março  de  2017  
 
  O  capital  social  é  uma  cláusula  estatutária,  um  núcleo  constante.  É  um  documento  arquivado  na  Conservatória  
do  Registo  Predial,  um  número  que  consta  do  papel.  O  património,  em  contraponto,  é  o  conjunto  de  posições  jurídicas,  
activas   e   passivas,   avaliáveis   em   dinheiro.   Cada   segunda   que   passa,   altera   o   património.  Ex.:   património   da   Vodafone   –  
sempre   que   paga   algo   aos   fornecedores   ou   recebe   algo   dos   clientes,   altera   o   património.   Em   contraponto,   o   capital  
social  é  sempre  o  mesmo.  Está  guardada  na  conservatória.  O  capital  social  só  se  muda  se  forem  alterados  os  estatutos.    
 
  O   capital   social   tem   uma   função   interna   e   externa,   de   protecção   de   credores,   a   qual   vinculativa.   O   facto   de   ter  
uma   cifra   estatutária   registada   na   CRC   pouco   vale   aos   credores.   Se   as   dividas   não   forem   pagas,   podem,   nos   termos  
gerais   do   art.   601º   do   CCiv,   executar   o   património   do   devedor   (garantia   geral).   Se   não   tem   património   suficiente,   o  
credor  fica  sem  receber.  O  património  é  que  é  a  garantia  dos  credores.    
 
  Este  efeito  externo  tem  a  ver  com  regras  que  determinam  que  o  património  social  deva  atingir  o  mesmo  que  o  
capital  social;  e  regras  que  visam  impedir  que  o  património  desça  abaixo  do  valor  do  capital  social.    
 
  Temos  de  falar  de  dois  outros  conceitos:    
 
a. Património  líquido  e  bruto  –  se  uma  sociedade  estiver  com  o  património  líquido  negativo,  está  em  situação  de  
insolvência.  O  líquido  corresponde  ao  somatório  do  património  activo  e  passivo.  Se  o  património  líquido  activo  
for  superior  ao  passivo,  é  sinal  de  saúde  da  sociedade.  As  empresas  podem  ter  problemas  financeiros  no  longo  
prazo.   Se   tem   um   passivo   superior,   mais   cedo   ou   mais   tarde,   o   caminho   será   a   insolvência.   No   curto   prazo,  
temos  um  problema  de  tesouraria.  Por  vezes,  podemos  ter  um  passivo  muito  grande,  mas  podemos  ir  tendo  
dinheiro   em   caixa,   um   activo   que   permite   esconder   o   passivo   {há   tesouraria}.   Nos   bancos,   na   actividade  
financeira,  e  nas  seguradoras,  a  tesouraria  é  mais  importante  do  que  o  negócio  do  activo/passivo.  Basta  que  
falte  tesouraria  em  dado  momento  para  que  haja  problemas.    
 
O   art.   3º   do   Código   de   Insolvência   e   Recuperação   de   Empresas:   estabelece   o   primeiro   critério   como   sendo   o  
da  tesouraria.  O  número  2  estabelece  que  as  pessoas  colectivas  –  entre  as  quais  as  sociedades  -­‐,  quando  o  
seu  activo  seja  superior  ao  passivo,  têm  como  solução  o  critério  da  tesouraria  em  detrimento  da  insolvência.  
Esta  é  a  solução  do  legislador  [critério  da  tesouraria].  
 
  As  empresas,  por  vezes,  têm  poucos  capitais  próprios  e  muito  dinheiro  emprestado  pela  banca,  i.e.,  por  outros  
credores   e,   nesse   contexto,   ficam   com   um   passivo   superior   ao   activo.   Porém,   apesar   disso,   se   não   fossem   os   juros,  
estes   descontados   ao   problema   estrutural   do   pagamento   dos   juros,   se   olharmos   para   a   estrutura   económica   da  
empresa,  até  está  a  criar  margem.  Naquele  momento  tem  um  passivo  superior  ao  activo,  mas  ainda  existem  credores  
que  vão  apostar  nas  Empresas,  e  criar  tesouraria  –  com  o  pensamento  «de  que  ainda  vai  dar  a  volta».    
 
  Se  a  empresa  dá  garantias  de  lucros,  há  possibilidade  de  cobrar  menos  juros.  Contudo,  se  houver  maior  risco,  a  
Banca   pode   optar   por   cobrar   maior   juro.   Os   juros   são   muito   elevados   porque   têm   em   conta   os   riscos   da   empresa   e  
ainda  os  riscos  da  República,  ou  seja,  da  Economia  Portuguesa.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
 
 
 
Capital  Próprio  e  Capital  Alheio  
 
  O   capital   próprio   são   os   meios   financeiros   fornecidos   pelos   sócios.   Por   sua   vez,   o   capital   alheio   são   os  
fornecidos  por  terceiros,  i.e.,  «não  sócios».  Como  exemplos,  em  (1)  de  capital  próprio  e,  em  (2),  do  capital  alheio:  
 
(1) Entradas  de  capital;  
 
(2) Meios  fornecidos  pelos  Bancos,  mútuos  bancários  nas  suas  diversas  formas;  empréstimos  a  longo  prazo;  conta  
corrente   caucionada   [para   efeitos   de   tesouraria,   vai-­‐se   levantando   o   montante   que   for   necessário   ao   longo   da  
semana,   até   ao   limite   de   x   –   são   dadas   garantias,   cauções].   Temos   ainda   empréstimos   a   longo   prazo,  
tipicamente   para   investimentos   [podem   não   ser   para   investimento,   mas   para   consolidação   das   dívidas   –  
transformação   dos   empréstimos   a   curto   prazo   em   empréstimo   a   longo   prazo].   Temos   ainda   a   locação  
financeira.    
 
Existe  capital  alheio  fornecido  por  terceiros,  tais  como  os  fundos  de  investimento;  obrigações  reguladas  no  CSC  
na  matéria  das  Sociedades  Anónimas  {emissão  de  dívida,  de  forma  homogénea,  como  valores  mobiliários  que  
podem  ser  transacionadas  na  bolsa  ou  no  mercado  secundário  –  emissão  de  obrigações}.  No  CSC,  art.  348º,  em  
especial,  retrata  esta  questão  da  obrigação.    
 
1º  Aprofundamento:  
 
• Equity:  expressão  para  capital  próprio  junto  dos  economistas;    
• Debt:  expressão  para  capital  alheio.    
 
2º  Aprofundamento:  
 
É  essencial  para  a  estrutura  financeira  das  empresas.  A  «Corporate  Finance»  é  marcada  pelas  noções  de  capital  
próprio  e  capital  alheio.  Tradicionalmente,  defendia-­‐se  que  o  ideal  seria  a  empresa  ter  capital  próprio.  Ou  seja,  é  bom  
ter  mais  capital  próprio  do  que  capital  alheio.  Numa  perspectiva  moderna  é  diferente.  Apesar  das  boas  expectativas  de  
um   retorno,   se   a   empresa   optar   por   ter   menos   capital   alheio,   será   ultrapassada   por   uma   empresa   que   tenha   mais  
leverage   –   mais   dinheiro   emprestado   –   mas   que   tenha   maior   capacidade   de   produção.   Se   investe   mais,   gera   mais  
lucros,  logo,  tanto  faz  que  seja  através  de  capital  próprio  como  alheio  [dependendo  dos  custos  de  um  ou  outro  capital].  
No  jogo  da  oferta  e  da  procura,  a  taxa  de  juro  é  o  que  vai  definir  o  que  é  melhor.  Nas  alturas  de  crise  financeira,  pode  
não   ser   aconselhável   ir   buscar   dinheiro   ao   mercado,   uma   vez   que   terá   juros   muitos   altos   e,   consequentemente,   a  
empresa  poderá  não  gerar  o  cash  flow  necessário  para  fazer  face  a  esses  juros.  Em  contrapartida,  se  a  taxa  de  juro  for  
mais  baixa,  basta  que  tenha  a  expectativa  de  crescer  acima  dessa  taxa,  para  que  seja  viável  ir  buscar  capital  alheio.    
 
  O  capital  próprio  não  tem  um  preço  fixado  à  partida.  Quando  se  emitem  acções,  estas  não  têm  taxa  de  juro,  ou  
seja,  os  sócios  são  titulares  de  uma  pretensão  residual  –  se  sobrar  dinheiro,  arrecadam  -­‐,  mas  não  podem  receber  juros.  
Para  arranjar  investidores,  pessoas  que  queiram  subscrever  novas  acções  se  acharem  que  a  sociedade  vai  gerar  lucro,  
i.e.,  quem  investe  em  acções,  tem  a  expectativa  de  ser  remunerado.  É  um  negócio  de  risco.  É  mais  arriscado  investir  nas  
acções  do  que  nas  obrigações.  Contudo,  pode  ter  mais  retorno.  Não  tem  um  preço  fixo,  mas  há  expectativas.    
 
  Um  gestor  olha  para  o  mercado  na  perspectiva  do  investimento  para  ultrapassar  as  empresas  da  concorrência.  
Com  base  nisto,  e  no  jogo  da  oferta  e  da  procura,  que  vai  determinar  se  é  mais  viável  apostar  em  capital  próprio  ou  
alheio  e  se  é  mais  viável  apostar  nas  acções  ou  nas  obrigações.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

  Esta  ideia  é  também  avançada  para  efeitos  de  protecção  dos  credores.  Diz-­‐se  que  as  empresas  devem  ter  certa  
proporção   entre   capitais   próprios   e   alheios.   Não   podem   ter   um   excesso   de   dívida   (alheios),   e   pouco   capital   próprio.  
Deve   haver   um   equilíbrio.   Há   maior   risco   para   os   credores   se   houver   desequilíbrio.   As   actividade   financeiras   são  
alavancadas,  i.e.,  os  Bancos  vivem  com  grande  desequilíbrio,  pelo  que  se  tentam  estabelecer  limites  mínimos.  Na  Banca  
têm  de  ter  o  mínimo  de  capitais  próprios.  A  proporção,  na  Banca,  é  um  aspecto  essencial  da  protecção  dos  credores.    
 
Para   os   outros   sectores   de   actividade,   a   lei   não   consagra   rácios   de   capitais   próprios   e   alheios.   Os   credores,  
nestes  casos,  têm  de  olhar  ao  património.  {ao  contrário  do  que  acontece  na  Banca}.    
 
Função  Interna  por  Contraposição  à  Função  Externa  do  Capital  Social  
   
  A  função  interna  é  uma  função  de  suporte  de  distribuição  de  direitos  e  deveres  entre  os  sócios.  O  peso  relativo  
dos  sócios  é  dado  pela  sua  fracção  do  capital  social  –  percentagem  do  capital  social  determina  os  direitos  e  deveres  que  
determinado  sócio  pode  ser.  P.e.,  o  direito  à  informação.  Em  determinadas  sociedades,  só  se  dá  este  direito  a  quem  
tem  mais  de  10%  do  capital  social   –  a  cifra  serve  de  suporte  ou  critério  para  saber  quais  os  direitos  e  deveres  que  o  
sócio   tem,   e   em   que   medida   os   tem.   P.e.,   o   direito   de   voto   (art.   341º,   CSC).   Há   mecanismos   de   bloqueio,   i.e.,   pode  
vedar-­‐se  o  voto  aos  sócios  com  percentagens  reduzidas.  O  mesmo  em  sentido  inverso.    
 
  Quando   falamos   em   sócio   dominante,   estamos   a   falar   em   função   do   capital   social.   Para   as   sociedades  
capitalistas   o   capital   social   tem   uma   função   interna   incontornável.   Tem   de   constar   dos   estatutos.   As   deliberações  
sociais  têm  quórum,  o  qual  pode  ser  determinado  em  função  do  capital  social.  
 
A  função  externa  é  uma  função  de  limite  à  evolução  do  património  da  Sociedade,  como  meio  de  protecção  dos  
credores.   O   capital   social,   neste   caso,   é   tido   como   uma   cifra   de   retenção   patrimonial.   Esta   função   externa   tem   a   ver  
com  a  protecção  dos  credores.  
 
Princípios  e  Regras  dos  Princípios  
 
Existem  três  princípios  que  norteiam  e  formam  o  regime  do  capital  social,  sendo  que  os  dois  últimos  têm  a  ver  com  
a  função  externa  e  o  primeiro,  com  a  interna  e  externa.  São,  designadamente:    
 
a. Princípio  da  Rigidez  –  o  capital  é  fixado  nos  estatutos,  pelo  que  tem  rigidez  estatutária.  Pode  ser  alterado,  mas  
apenas  com  a  alteração  dos  estatutos;  
 
b. Princípio   da   Efectividade   (ou   da   Exacta   Formação)   –   num   primeiro   momento,   é   necessário   assegurar   que  
entra  património  correspondente  ao  capital  social.  As  regras  que  correspondem  a  este  princípio:  
 
⇒ Dever  de  liberação  das  entradas;  
⇒ Regras  sobre  a  avaliação  das  entradas  em  espécie;  
⇒ Proibição  de  realização  das  entradas  abaixo  do  PAR.  
 
c. Princípio   da   Conservação   (ou   da   Intangibilidade)   –   já   não   se   trata   da   perspectiva   inicial,   de   colocar   o  
património  que  corresponde  à  cifra;  mas  antes  da  cifra  como  limite  à  saída  de  património.  Se  o  capital,  p.e.,  for  
de   €50.000,   se   ainda   lá   estão   €50.001,   e   se   retirar   esse   excesso   para   dar   aos   sócios,   há   ilegalidade.   É   proibido,  
por  lei.  Quanto  às  regras  decorrentes  do  princípio:  
 
⇒ Proibição  de  retribuição  certa  de  capital  (art.  21º/2);  
31
⇒ Proibição  de  distribuição  de  bens  aos  sócios  (dividendos  do  art.  32º/1) ;  

                                                                                                                       
31
  Instituto   da   distribuição   oculta   dos   bens:   quando   se   entregam   os   bens   de   forma   oculta,   através   de   negócios   com   partes  
relacionadas.  Transfere-­‐se  liquidez,  dinheiro,  aos  sócios,  não  dizendo  abertamente  que  o  está  a  fazer,  mas  colocando  a  sociedade  a  
fazer  negócios  desequilibrados  com  os  sócios.  Há  a  proibição  quer  para  as  distribuições  «à  luz  do  dia»,  quer  para  as  ocultas.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

32
⇒ Proibição  de  dissolução  e  liquidação  da  sociedade  (art.  35º) ;  
33
⇒ Limitações  de  autoparticipações .  
   
Aula  de  4  de  abril  de  2017  
 
  A   noção   de   «parte   relacionada»   encontra-­‐se   no   CVM,   a   propósito   da   prestação   de   contas   da   sociedade  
anónima  aberta,  e  o  regime  obriga  a  que  nas  contas  destas  sejam  descritos  os  negócios  das  partes  relacionadas:  sócios,  
pessoas  e  administradores,  que  se  relacionam  de  forma  directa  ou  indirecta.    
 
Autoparticipação:   não   tem   muita   lógica   que   uma   sociedade   possa   ser   sócia   de   si   própria,   mas   o   direito   das   sociedades  
é  derivado  dos  negócios  e  não  da  lógica.  São  regras  que  jogam  no  âmbito  da  função  externa.    
 
Valores  Mínimos  do  Capital  Social  
 
  Nas   Sociedades   Anónimas   vincula   o   art.   276º   do   CSC.   O   montante   social   mínimo   é   de   €50.000,00.   Este   tem   de  
ser   estabelecido   no   Estatuto.   P.e.,   para   uma   mercearia   ou   um   quiosque,   não   é   um   montante   muito   elevado,   como  
forma  de  protecção  de  credores.  Para  a  generalidade  das  empresas,  é  um  valor  reduzido,  que  questiona  a  eficácia  desta  
função  externa.  Na  Banca,  Seguros,  é  diferente.  
 
  Na  redacção  original,  o  regime  do  capital  social  é  livre,  i.e.,  no  final  do  dia,  pode  ser  €1.  Importa  o  art.  201º.  Era  
este  o  artigo  que,  originalmente,  dizia  que  o  capital  social  mínimo  era  de  €5.000,00.  As  quotas  têm  um  valor  mínimo,  
ou   seja,   indirectamente,   da   soma,   temos   um   valor   mínimo   de   capital   social.   Deste   art.   201º   temos   de   ir   para   o   art.  
219º/3.  Se  for  uma  sociedade  por  quotas  unipessoal,  o  mínimo  é  de  €1;  se  for  de  dois  sócios,  o  mínimo  é  de  €2.  De  
outra  forma,  o  capital  mínimo  é  de  €1  por  cada  sócio.  {deriva  dos  ingleses,  que  findaram  com  o  capital  social  mínimo,  o  
que  influenciou  o  direito  europeu  e  a  jurisprudência  europeia}.    
 
Crise  da  Função  Externa  do  Capital  Social  
 
  Os   valores   mínimos   do   capital   social   são   mínimos   {articulação   com   os   Princípios}.   O   art.   601º   do   CCiv   dá   como  
a  garantia  geral  dos  credores  o  património  dos  devedores.  O  que  constitui  a  garantia  é  o  património,  i.e.,  os  activos  que  
se   encontram   na   esfera   patrimonial   da   sociedade.   Tem   que   existir   o   acesso   à   informação   sobre   o   património   que  
realmente  existe.  Não  interessa  tanto  aos  credores  as  regras  de  intangibilidade,  mas  o  acesso  a  informação  financeira  
fidedigna.    
 
  Numa  perspectiva  dominante,  interessa  essencialmente  a  informação  fidedigna  e  o  acesso  à  mesma.  Assim,  e  
a  propósito  disto,  os  analistas  vão  procurar  a  proporção  entre  os  capitais  próprios  e  alheios,  os  cash  flows  gerados,  o  
EBITDA   –   ganhos   antes   de   juros,   impostos,   depreciações   e   amortizações.   São,   no   fundo,   os   resultados   brutos   da  
empresa  antes  do  pagamento  de  todas  estas  quantias.  É  o  dinheiro  bruto  antes  do  serviço  da  dívida.  Olhando  para  aqui,  
é  possível  ver  se  a  empresa  tem  uma  actividade  produtiva  que  está  a  libertar  ganhos  (e  em  que  medida),  ou  se  liberta  
prejuízo.    
 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             
 
32
 A  actual  estatuição  normativa  remete  apenas  para  o  dever  de  informação.    
 
33
 A  sociedade  como  sócia  de  si  própria,  ter  uma  quota  de  si  própria  ou  acções  de  si  própria.  Não  é  ilegal.  É  possível  que  exista  a  
compra  ou  a  herança  de  acções  ou  quotas  de  si  própria.  Por  vários  motivos  e,  nomeadamente  por  compra,  tal  é  possível.  Mas  há  
problemas,   de   duas   ordens:   (1)   equilíbrio   de   poderes   internos,   entre   os   sócios   –   o   sócio   que   promove   a   compra,   pode   estar   a   tentar  
reunir  maior  poder  para  si;  (2)  problemas  para  os  credores  –  quando  a  sociedade  compra  acções  de  si  própria,  paga-­‐as  com  dinheiro,  
dinheiro  esse  que  podia  ser  útil  para  pagar  aos  credores,  sem  que  entre  nada  em  contrapartida,  i.e.,  sem  que  entre  algo  que  sirva  
para  os  credores.    
 
Ex.:  Sociedade  X.  A,  membro  da  Sociedade,  compra  10%  dos  lucros  que  a  mesma  der.  Ou  seja,  na  sociedade,  passaram  a  haver  90%  
das  acções.  Houve  uma  diluição.  Para  o  credor  B,  deixaram  de  lá  estar  100,  para  passarem  a  estar  apenas  90.      
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Existem  duas  pistas  para  protecção  dos  credores,  além  da  questão  da  informação  financeira:  
 
(1) Valores   mínimos   de   congruência   entre   o   capital   social   e   o   objecto   social   –   diz-­‐se   que   o   valor   mínimo   de  
€50.000  para  as  sociedades  anónimas  não  deve  ser  estabelecido  de  olhos  vendados,  para  todo  e  qualquer  tipo,  
devendo   ter   um   valor   mínimo   de   congruência   entre   a   actividade   e   o   fim   que   pretende   desenvolver.   Se   é,   p.e.,  
actividade  de  seguradora  ou  de  recursos  petrolíferos,  €50.000  não  faz  sentido.   É  uma  ideia  de  execução  difícil,  
uma   vez   que   carece   de   se   estabelecerem   valores   mínimos   para   cada   tipo   de   actividade.   Em   todo   o   caso,   e   em  
determinados  sectores,  tais  como  o  bancário,  é  isto  que  acontece.    
 
(2) Rácios  prudenciais  entre  capital  próprio  e  capital  alheio  –  aqui  não  é  a  ideia  do  capital  social  como  limite  para  
a  distribuição  aos  sócios;  é  uma  ideia  de  distinção  entre  os  meios  trazidos  à  sociedade  pelos  sócios  ou  trazidos  
por   terceiros.   Existem   exigências   de   proporção   entre   capital   próprio   e   alheio.   Ou   seja,   na   banca   acontecem  
estes  dois  paradigmas  [congruência  e  proporcionalidade  prudencial  mínima].  O  aumento  de  capital  alheio,  a  
partir   de   certa   altura,   passa   a   ser   proibido,   porque   a   produção   de   capital   próprio   passa   a   ser   deficitária.   Os  
bancos   estão   a   emprestar   menos   dinheiro,   por   via   a   evitar   tanto   capital   alheio.   Os   bancos   pedem   menos  
dinheiro   emprestado   lá   fora,   o   que   faz   com   que   não   possam   emprestar   tanto   às   famílias   portuguesas.   Tudo  
isto  serve  para  garantir  a  proporção  entre  os  dois  capitais.    
 
Reservas  
 
  São  cifras  limitativas  da  distribuição  de  bens  aos  sócios,  que  acrescem  ao  capital  social.  Fala-­‐se  em  «no  quase  
capital  social».  No  fundo,  servem  para  amplificar  a  regra  de  intangibilidade  do  capital  social.  Encontra-­‐se  na  redacção  
do  art.  32º/1.  Se  o  capital  social  é,  p.e.,  de  €50.000;  e  se  o  património  é  de  €60.000;  de  acordo  com  este  artigo,  ainda  
pode  ser  distribuído  o  montante  de  €10.000.  Porém,  se  o  valor  das  reservas  for  no  valor  de  €10.000,  passamos  a  ter  uma  
fasquia  de  €60.000  para  efeitos  de  distribuição  de  bens.    
 
Existem  três  tipos  de  reservas:  
 
a. Legais  –  impostas  pela  lei  de  forma  injuntiva;  
b. Estatutárias  –  impostas  pelos  Estatutos,  e  não  pela  lei;  
c. Facultativas  ou  Livres  –  impostas  por  deliberação  social,  sem  carácter  de  alteração  estatutária.    
 
A  lógica  –  o  grande  exemplo  de  reserva  relativa  é  quanto  aos  lucros.  Nas  SA  (art.  118º  para  as  SQ),  é  constituída  reserva  
legal.  À  medida  que  os  anos  vão  passando  e  se  vão  gerando  lucros,  um  vigésimo  desses  lucros,  anualmente,  entraria  
para   um   Fundo   de   Reserva.   Para   efeitos   da   fasquia   da   não   distribuição   de   bens   aos   sócios,   o   legislador   protegeu   os  
credores  com  este  mecanismo  (não  apenas  com  base  no  valor  do  capital  social).    
 
  Para   além   dos   lucros,   temos   também   as   acções   que   são   entregues   acima   dos   PAR.   São   vantagens   que   a  
sociedade  recebe  e  que  vão  para  reservas.  É,  mais  uma  vez,  um  mecanismo  de  protecção  dos  credores.    
 
⇒ Quer   o   capital   social,   quer   as   reservas,   não   são   património,   mas   cifras   para   a   protecção   dos   credores,   que  
visam   limitar   a   distribuição   de   lucro   pelos   sócios,   garantindo   que   este   fica   disponível   para   satisfação   do  
crédito.  
 
Lucros  e  Perdas  
 
  Os  lucros  são  aumentos  patrimoniais  e  perdas  são  diminuições  patrimoniais.  No  final  do  ano,  há  uma  soma  dos  
activos  e  passivos.    
 
Lucros  Distribuíveis  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

  São  apurados  por  preferência  ao  capital  social  e  às  reservas  indisponíveis.  Face  ao  funcionamento  do  art.  32º,  
é  possível  que  determinado  lucro  não  possa  ser  distribuído.  P.e.,  se  a  sociedade  tem  um  capital  social  de  €100.000,00  –  
as   reservas   acumuladas   de   anos   anteriores   eram   de   €50.000,00.   Para   efeitos   do   art.   32º,   a   sociedade   tem   €150.000,00  
para   efeitos   de   distribuição   aos   sócios.   Mas   se   no   ano   estava   na   margem   dos   €110.000,00,   nesse   ano,   apesar   de   ter  
lucro,  não  o  poderia  distribuir.  Face  à  situação  da  sociedade  e  das  regras,  pode  ser  ou  não  possível  distribuir  os  lucros.  A  
sociedade  pode  ter  lucros,  mas  os  sócios  podem  não  ser  distribuíveis.    
 
Variações  do  Capital  Social  
 
  Tem  a  ver  com  aumentos  e  reduções  do  capital  social.  O  AUMENTO  do  capital  social  tem  duas  modalidades:  (1)  
por  incorporação  de  reservas  –  art.  91º:  quando  há  uma  transformação  das  reservas  legais,  estatutárias  ou  livres,  em  
capital   social.   Provoca   um   inflacionamento   do   funcionamento   do   art.   32º.   Passam   a   ser   capital   social,   solidificando  
ainda   mais   o   funcionamento   do   artigo   em   causa;   ou   (2)   por   novas   entradas   –   art.   87º:   delibera-­‐se   um   novo   capital  
social.  Os  sócios  decidem  aumentar  o  capital  por  alteração  estatutária  especial  [de  aumento  de  capital].  Por  força  deste  
aumento,  os  sócios  que  venham  a  entrar  depois,  têm  de  entrar  com  este  novo  capital  social.  Estes  aumentos  surgem  
quando  à  nova  entrada  de  sócios,  ou  quando  os  sócios  antigos  querem  reforçar  a  cifra  do  capital  social,  porque  é  bom  
no  confronto  com  os  clientes  e  com  os  credores.    
   
  Em   contexto   de   aumento   de   capital,   existe   o   direito   de   preferência   dos   sócios   mais   antigos.  Este   direito   releva  
para  garantir  que  os  sócios  terão  o  mesmo  peso,  o  mesmo  equilíbrio,  dentro  da  sociedade.  Deve  ser  relacionado  com  a  
função   interna   do   capital   social   –   de   suporte   à   distribuição   de   direitos   entre   os   sócios   [peso   relativo].   Se   tenho   mais   de  
50%   do   capital   social,   sou   eu   que   tenho   mais   direitos,   que   mando   na   sociedade.   Se   tenho   mais   de   10%,   numa   SA,  
consigo  ter  maior  acesso  à  informação.    
 
⇒ É  possível  alienar  o  direito  de  preferência,  transferir  para  um  terceiro  este  direito  –  cessão  do  crédito;  
34
⇒ É  possível  a  supressão  do  direito  de  preferência  (deliberações  sociais) ;  
⇒ O  regime  regra  é  o  da  anulabilidade.    
 
A   REDUÇÃO   do   capital   social   pode   ter   duas   modalidades:   (1)   para   a   libertação   de   capital   –   implica   a  
distribuição   de   bens   aos   sócios.   Se   o   capital   social   era   de   €60.000   e   o   património   também.   Podia   fazer-­‐se   a   redução   do  
capital   social,   fazendo   com   que   este   passasse   a   ser   de   €50.000.   ao   reduzir   a   cifra   estatutária   para   50.000,   o   património  
passa   a   ser   superior   ao   novo   valor   do   capital   social,  o   que   permite   distribuir   os   bens   correspondentes   àquele   intervalo;  
ou   (2)   para   a   cobertura   de   perdas   –   não   implica   distribuição   aos   sócios.   Reduz-­‐se   o   valor   da   cifra   do   capital   social,  
numa   situação   em   que   o   património   está   abaixo   da   actual   cifra   estatutária   do   capital   social.   Se   o   capital   social   está   nos  
€60.000,  mas  P  está  nos  €50.000,  baixa-­‐se  o  capital  social  para  €50.000.  Não  há  nada  para  distribuir  entre  os  sócios.    
 
 

A  Vinculação  |  Directiva.  Inspiração  Germânica  e  Regime  Legal.  


 
A  Directiva  de  Coordenação,  Número  1,  no  seu  art.  9º,  trata  deste  tema.  A  primeira  distinção  a  ter  
em  mente:  o  centro  da  vinculação  tem  um  raio  inferior  ao  da  capacidade.  A  vinculação  é  um  tipo  
de  actuação  que  tem,  obrigatoriamente,  de  actuar  no  âmbito  da  capacidade.  Uma  sociedade  não  
tem   como   se   vincular   se   for   além   da   sua   capacidade.   Também   ao   nível   dos   órgãos   releva   a  
distinção.    
 
O   art.   9º   convoca   uma   série   de   exposições   e   teorias   doutrinárias   com   relevo   a   nível   sistemático.   A  
contraposição   que   o   legislador   europeu   pretendeu   colocar   no   art.   9º:   inspiração   germânica.  
Temos  uma  perspectiva:    
 
                                                                                                                       
34
 P.e.,  quando  o  objectivo  é  a  entrada  de  novos  sócios.  Pode-­‐se,  por  deliberação  social,  suprir  o  direito  de  preferência,  para  que  seja  
possível  a  entrada  de  novos  sócios.  Outro  exemplo  é  o  de  se  querer  receber  um  sócio  estrangeiro,  que  tem  muito  know-­‐how.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Procuração  –  Poder  de  Representação  –  Externa;    


VERSUS,  Mandato  –  Poder  de  Administração  –  Interna.    

 
A   consagração   do   art.   231º   do   CCom   Alemão   leva   a   que   se   assumam   duas   normas   muito  
relevantes,  designadamente:  delimitação  injuntiva  de  poderes  de  representação,  e  obrigações  dos  
directores   sem   eficácia   contra   terceiros.   Ao   estabelecer   um   novo   pilar   do   tráfego   jurídico,   os  
administradores   passam   a   actuar   de   acordo   com   os   interesses   dos   sócios   e   dos   credores   da  
sociedade,   mas,   mais   de   acordo   com   os   interesses   de   terceiros.   Desta   feita,   no   mandato,   temos  
uma  situação  jurídica  de  um  dever  de  gestão,  cujas  normas  determinam  condutas  concretas.  Por  
sua   vez,   na   procuração,   há   a   SJ   do   poder   de   representação,   cujos   poderes   se   caracterizam   pela  
autonomia   –   celebração   autónoma   de   negócios   com   o   terceiro;   e   abstracção   –   os   poderes   de  
representação   são   definidos   em   categorias   asbtractas.    
 
Requisitos   Objectivos:   de   acordo   com   o   Princípio   da   Interpretação   Conforme   ao   Direito   Europeu  –  
o   art.   9º   estabelece,   em   primeiro   lugar,   autonomia   e   abstracção   pura   como   pressupostos.   Por   sua  
vez,   em   segundo   lugar,   delimita-­‐se   a   abstracção   dos   actos.   As   limitações   objectivas   são   várias,  
sendo  de  natureza  legal  {não  pode  actuar  para  lá  da  capacidade  da  sociedade;  condicionamentos  
–  entre  os  quais,  os  arts.  246º/1,  b),  266º/4  e  460º,  e  o  art.  246º/2},  de  natureza  estatutária  {que  
nascem   no   estatuto   –   nestes   casos,   não   há   limitação   dos   poderes   dos   representantes,   sendo   o  
pressuposto  essencial.  Se  não  existe  limitação,  a  verdade  é  que  é  preciso  perceber  as  excepções  
que   existem   na   situação.   Em   determinas   circunstâncias   –   previstas   pelo   art.   9º,   no   segundo  
parágrafo   –   é   a   própria   Directiva   que   prevê   que   este   objecto   social   possa   ter   relevância:   quando  
haja  prova  de  que  o  terceiro  devia  saber;  que  não  haja  assunção  do  acto  pelos  sócios  –  que  os  próprios  sócios  
não  ratifiquem  o  acto.   Se   o   objecto,   só   por   si,   não   era   um   limite,   em   determinadas   circunstâncias,   é  
possível   que   o   objecto   social   limite.   Por   fim,   temos   ainda   as   deliberações   de   outros   órgãos,  
relevando   o   art.   406º   -­‐   não   faria   sentido   que   o   terceiro   tivesse   de   acompanhar   as   deliberações  
sociais  para  saber  se  pode  ou  não  negociar,  mas  isto  com  uma  ressalva  («a  não  ser  que»).  Se  os  
terceiros   forem   os   sócios,   poderão   ter   de   o   fazer.   Há,   contudo,   Doutrina,   que   considera   o  
contrário.    
 
Requisitos   Subjectivos:   indicação   da   qualidade   do   administrador   (arts.   260º/4   e   409º/4).   Visam-­‐se  
ainda   o   arts.   217º/1   e   2,   quanto   aos   actos   não   escritos   e   os   actos   escritos.   Indicação   dos   métodos  
de   representação   dos   órgãos   de   representação   plurais.   Para   a   representação   passiva,   vale   o  
método  da  representação  disjunta  (arts.  261º/3  e  408º/3).  Para  a  representação  activa,  vigora  o  
método  da  conjunção.  
 
Abuso   de   Direito   e   Aparência   de   Poderes   de   Representação   |   A   prevalência   dos   interesses   de  
terceiros  em  detrimento  dos  interesses  societários.  
 
O   abuso   de   poder   não   corresponde   a   qualquer   simples   violação   das   limitações   internas,   mesmo  
que   seja   conhecida   de   terceiros.   A   verdadeira   situação   de   abuso   de   direito   é   aquela   em   que   há  
poderes  formais.  Em  todo  o  caso,  o  agente  actuou  contra  os  seus  deveres  na  sociedade.  Celebra  
um  NJ  que  é  lesivo  para  a  sociedade.  Há,  contudo,  uma  excepção,  a  qual  patente  no  art.  209º  do  
CCiv.   Se   tinha   o   dever   de   saber   que   a   actuação   era   prejudicial,   deixa   de   merecer   a   protecção.   É  
uma  norma  muito  aplicada  pela  Jurisprudência  Portuguesa.  Outra  distinção  com  muita  aceitação  é  
a   distinção   entre   conluio   e   o   abuso   evidente.   No   abuso   evidente,   art.   269º   do   CCiv,   o   terceiro  
tinha  o  dever  de  saber  que  aquilo  era  prejudicial,  tendo  como  consequência  jurídica  a  ineficácia.  
No   conluio,   é   aplicável   o   art.   281º   do   CCiv.   O   desvalor   é   mais   intenso,   porque   há   um   fim   de  
prejudicar  a  sociedade.  Assim,  a  própria  sanção  é  mais  grave.  Quanto  à  aparência  dos  poderes  de  
representação:   basta   a   assinatura   de   um   representante.   Neste   caso,   a   sociedade   fica   ou   não  
vinculada   ao   NJ?   A   Jurisprudência   vai   contra   esta   norma   e,   frequentemente,   decide   a   favor   dos  
terceiros,  em  vez  de  proteger  a  sociedade.  É  relevante  o  DL  178/86,  do  Contrato  de  Agência  [em  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

especial,   o   art.   23º].   A   norma   é   aplicável,   por   analogia,   mas   preenchendo   dois   requisitos:   uma  
situação  de  confiança;  imputação  da  situação  de  confiança.  Só  desta  forma  é  possível  aplicar  o  
artigo.   Apesar   de   não   existir   poder   de   representação   formal,   se   há   uma   situação   de   confiança   e  
uma  imputação  dessa  situação  de  confiança,  é  então  possível  fugir  à  Jurisprudência  contra  legem  
que  tem  sido  aplicada,  aplicando-­‐se  o  disposto  no  art.  23º  do  DL  supra  indicado.    
 
Nas  Sociedades  por  Quotas  |  Acórdão  do  Tribunal  da  Relação  de  Lisboa,  Recurso  11197  de  22  de  
janeiro  de  2002  
 
Há  duas  empresas  –  Figueiredo,  com  três  sócios,  JAC,  MS  e  JO,  sendo  JO  a  verdadeira  pessoa  da  
empresa;  e  a  LOCAPOR.  Entre  as  duas  sociedades  é  assinado  um  contrato  de  locação  financeira  de  
um  automóvel.  Quanto  à  primeira  empresa,  o  capital  social  está  distribuído  da  mesma  forma  pelos  
três  sócios.  Todos  são  gerentes.  Estabelece-­‐se  a  necessidade  de  assinatura  de  dois  sócios.  Assim,  é  
assinado   o   contrato   em   16/04/1993.   A   21/04/1993   é   autenticado   o   notarial   do   contrato.   A  
07/2006   dá-­‐se   o   preenchimento   da   letra.   A   letra   não   foi   paga,   o   que   dá   origem   a   uma   acção  
executiva,   tendo   sido   esta   proposta   pela   LOCAPOR   contra   a   FIGUEIREDO.   JO,   sendo   aquele   que  
trabalha  mais  na  SQ,  vem  opor-­‐se,  dizendo  que  nunca  entrou  neste  NJ.  Em  primeiro  lugar,  deve  
criticar-­‐se  uma  falta  de  diligência  de  JO,  que  deveria  ter  tido  conhecimento  deste  NJ.  Além  disso,  
os  outros  sócios  não  se  apresentam  na  acção.  Discussão:  contra  a  vinculação  da  sociedade,  temos  
a   cláusula   do   contrato   social;   a   favor,   temos   o   art.   260º   do   CSC.   Contra,   temos   o   art.   14º   do  
Código  do  Registo  Comercial,  que  determina  a  oponibilidade  de  factos  sujeitos  a  registo;  a  favor,  
temos   o   art.   23º   do   DL   178/86,   sobre   o   contrato   de   agência.   Contra,   o   apoio   da   Doutrina,  
designadamente,  de  RAUL   VENTURA,   OLIVEIRA   ASCENSÃO,   PEREIRA  DE   ALMEIDA  e  JOÃO   ESPÍRITO   SANTO;  a  
favor,  temos  ILÍDIO  RODRIGUES,  RICARDO  CANDEIAS  e  PEDRO  ALBUQUERQUE.    
 
De   qualquer   das   maneiras,   há   uma   forte   corrente   jurisprudencial   no   sentido   de   atribuir   a  
protecção  dos  terceiros.  Não  choca,  no  sentido  em  que  os  modelos  de  decisão  devem  adoptar  a  
consequência   da   saída.   O   resultado   da   aplicação   da   lei   pelo   juiz   deve   ser   considerado  na   letra   das  
normas.  Tem-­‐se  em  conta  o  resultado  de  aplicação  dessas  leis.  
 
Sociedades  Anónimas  |  Acórdão  do  Supremo  Tribunal  de  Justiça,  Processo  154/06  de  14  de  março  
de  2006  
 
Relevância  dos  arts.  409º  e  260º  do  CSC.  Houve  alguma  discussão,  essencialmente  em  resultado  
do   ponto   de   vista   romano-­‐germânico   (sociedade   como   um   todo)   e   do   ponto   de   vista   anglo-­‐
americano  (não  é  por  os  accionistas  deterem  a  sociedade  que  têm  um  papel  relevante  –  todos  são  
agentes).   Um   parceiro   comercial   diligente,   que   mantém   uma   relação   com   o   parceiro   da   outra  
sociedade   tem   um   conhecimento   mais   forte   para   saber   que   existem   poderes   de   representação.  
Está  a  proteger  um  terceiro  que  tinha  poderes  para  saber  da  falta  de  poderes  de  representação.  
Em  primeiro  lugar,  há  juízos  de  análise  económica  do  direito  –  agilizar  as  diligências  dos  processos,  
diminuição  dos  custos  de  transação;  o  administrador  pode  ser  sempre  responsabilizado  por  outros  
accionistas  ou  pessoas  da  sociedade  que  tenham  sido  lesadas  nestes  negócios.    

 
Aula  de  7  de  abril  de  2017  
 

Apresentação  |  Estatutos  do  BPI  


 
O  que  pode  estar  nos  estatutos,  quais  as  cláusulas  relevantes:  art.  9º  
Elementos  que  deve  conter  o  contrato  sociedade:  
 
a.  Estrutura  e  Organização  (modelos  que  analisamos  em  aula  e  a  forma  como  os  órgãos  se  controlam);  
b.  Órgãos  Sociais  e  Funcionamento  (eleição,  reeleição,  entre  outros);  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

c.  Capital  social,  e  possibilidade  de  Aumentos  da  Capitalização  de  Investimento  Público;  
d.  Distribuição  dos  lucros.    
 
Considerações  Gerais  
 
Sede   pode   ser   aterrada   pelo   Conselho   de   Administração.   Podem   adquirir-­‐se   participações   sociais   com  
objectos  diferentes;  vai  permitir  às  sociedades  adquirir  a  actividade  de  outras  sociedades.    
 
Estrutura  Orgânica  
 
a.  Modelo  Tradicional  [art.  278º,  número  1,  alínea  c)  do  CSC];  
b.  Modelos  Germânico  [art.  278º,  número  1,  alínea  a)  do  CSC];  
c.  Modelo  Anglo-­‐Americano  [art.  278º,  número  1,  alínea  b)  do  CSC].  
 
Criticas    
 
1.   Possibilidade   de   nomear   administradores   –   ao   fazê-­‐lo,   permitem   que   o   Conselho   de   Fiscalização   possa  
fazer  uma  fiscalização  efectiva.  
   
2.  Uma  comissão  de  autoria  toma  decisões  por  um  lado,  e  por  outro,  fiscaliza  essas  mesmas  decisões  -­‐  crítica  
do  Professor  JORGE  MANUEL  COUTINHO  DE  ABREU.    
 
Órgãos  Sociais  |  Art.  10º  dos  Estatutos    
 
1.   Os   órgãos   Sociais   são   a   Assembleia   Geral,   o   Conselho   de   Administração,   o   Conselho   Fiscal,   o   Revisor  
Oficial  de  Contas  e  o  Secretário  da  Sociedade.  
 
{Assembleia  Geral  -­‐  accionistas,  colectividade  dos  sócios.  Não  há  limite  mínimo  para  assistir.}  
 
Art.   12º   dos   Estatutos   –   Lógica   de   plutocracia,   como   refere   o   número   3;   no   número   4   há   uma   limitação,  
reúne-­‐se  a  AG,  proposta  e  votação  -­‐  se  um  accionista  tiver  20%  e  outro  25%,  votam  o  mesmo.  O  peso  final  de  
cada  um  dos  accionistas  é  que  importa.  É  irrelevante  os  que  têm  mais  de  20%.  Controla  accionistas;  é  difícil  
que   um   número   mínimo   de   accionistas   controle   o   banco.   Sem   esta   causa,   se   os   sócios   de   juntassem,   podiam  
ter  mais  de  50%  e  controlavam  os  votos  todos,  e  o  banco.    
 
Concelho  de  Administração  |  Órgão  do  Estado  da  Colectividade  
 
O  art.  15º  apresenta  os  membros  e  o  art.  17º  as  reuniões;  tem  que  haver  um  quórum  mínimo.    
 
a.  Competência  interna:  atos  necessários  à  vivência  da  sociedade.  
b.  Externa:  vinculação  da  sociedade  para  com  terceiros.  Assinatura.  
 
Órgãos  Consultivos  -­‐  como  suporte.  
   
Conselho  Fiscal  |  Fiscalização  contas,  revisão.    
 
Verificar  se  há  independência  ou  parcialidade  nas  contas.  Revisões  Oficiais  de  contas:  são  empresas;  no  BPI  é  
a  Deloitte,  p.e.  Os  mandatos  estão  no  art.  29º.  
 
Capital  Social  |  Art.  4º/1  dos  Estatutos    
 
Capital   social,   integralmente   subscrito   e   realizado,   é   de   €   1.293.063.324,98,   e   podem   haver   aumentos.  
Segundo  o  CSC,  em  regra,  este  aumento  é  autorizado  pela  AG,  mas  podem  os  estatutos  (facultativamente)  
prever  esta  opção  de  aumento  de  capital:  a  primeira  forma  de  aumento  do  capital  é  referida  no  nº2  do  art.  4;  
é  quando  o  Estado  é  o  subscritor  total  das  acções.  Há  uma  injecção  de  capital  público.  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

A  outra  forma  é  através  da  deliberação,  ou  emissão  de  acções.  Há  ainda  a  reserva  de  preferência  por  parte  
dos  sócios,  quando  são  emitidas  acções;  essas  são  preferencialmente  oferecidas  aos  que  já  são  accionistas.  
Emissão  de  divida  é  da  competência  do  Conselho  de  Administração.    
 
Alterações  aos  Estatutos  |  Art.  5º  dos  Estatutos    
 
Maioria  de  2/3  presentes  em  AG;  
Maioria  de  75%  em  matéria  de  (1)  dissolução;  (2)  liquidação;  e  (3)  contagem  de  votos.  
 
Distribuição  de  Lucros  |  Art.  26º  dos  Estatutos  
 
Lucros  líquidos  e  adiantamento  dos  lucros  (art.  297º/1,  a)  e  b));    
Advertência  do  Professor:  art.  384º  –  é  muito  importante  em  termos  limitativos  do  direito  de  voto.  
 
 
 
(Continuação  do  Capítulo  do  Capital  Social)    

10.1. OPERAÇÕES  HARMÓNICAS  


Corresponde  a  uma  redução  de  capital  social,  seguida  de  um  aumento.  Em  rigor,  para  formar,  há  duas  operações  
de  capital  social,  primeiro  a  redução  e  depois  o  aumento,  mas  do  ponto  de  vista  económico,  tem  um  único  objectivo,  é  
a  tal  operação  harmónica  ou  em  acordeão,  porque  encolhe  para  aumentar.    
 
  Descrevem-­‐se  como  situações  de  redução  de  capital  social,  de  saneamento,  em  que  o  património  está  abaixo  
da  cifra  estatutária,  e  faz-­‐se  uma  redução  de  perdas,  logo  seguida  de  um  aumento  de  capital  por  novas  entradas.  Não  
há  incorporação  de  reservas.  É  relativamente  frequente  que  o  aumento  por  novas  entradas  seja  subscrito  por  terceiros;  
os   sócios   primitivos   já   não   conseguem   aguentar   a   empresa   e   querem   uma   nova   entrada   de   sócios,   com   injecção   de  
capital  novo,  para  que  haja  um  aumento  da  empresa,  uma  nova  dinâmica.  
 
  Esta   operação   permite   que   os   sócios   antigos   tenham   um   peso   reduzido   na   participação   de   capital   e   que   os  
sócios  que  entram  tenham  um  peso  relativo  superior.  Os  sócios  novos,  provavelmente,  não  vão  querer  entrar  para  uma  
empresa   que   não   vale   nada,   não   querem   injectar   capital   sem   passarem   a   ter   uma   posição   societária   dominante,  
confortável.  Assim,  a  solução  é  reduzir  o  capital  social,  para  os  sócios  antigos  ficarem  com  o  valor  nominal  reduzido  e,  
depois,  entram  novos  sócios  cuja  participação  social  já  vai  suplantar,  ser  superior  aos  sócios  antigos.  
   
1ª  Hipótese  
 
⇒ Capital  Social  =  €100.000  
⇒ Sócios  A  e  B  
⇒ 50%  e  50%  
⇒ €50.000  e  €50.000  
 
Os  sócios  E,  C  e  D  querem  entrar  com  50%.  Para  esse  efeito,  o  A  e  o  B  passam  a  deter  25%,  e  o  capital  social  passa  a  ser  
de  €200.000  -­‐  seria  por  aumento  do  capital  social.    
 
2ª  Hipótese  
   
Não  querem  entrar  nestes  termos,  porque  a  sociedade  não  vale  nada;  
Então  querem  aumentar  mais.    
 
⇒ Capital  Social  =  €50.000;  
⇒ Redução  do  Capital  Social  =  A  e  B  têm  menos  –  25%  cada  um  [antes  tinham  50%  -­‐  €25.000  cada].  
 
⇒ C  e  D  entram  e  o  capital  aumenta  a  €150.000;  
⇒ A  percentagem  de  A  e  B  vai  descer  para  33,3%  e  33,3%,  logo  €50.000  e  €50.000.    
 
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

%  Capital  Social  Inicial   %  Capital  Social  com   %  Capital  Social  sem  


operação  harmónica   operação  harmónica  

17%   25%   25%  


50%   50%   33%  
17%  
25%   25%  
33%  

A   B   A   B   C   D   A   B   C   D  

 
 
Art.  95º/2:  a  lei  determina   (por  outras  palavras,  sabe)  que  existem  estas  proporções  harmónicas;  assim,  não  se  importa  
que  no  primeiro  momento  da  redução  (o  segundo  é  o  aumento  de  capital),  o  valor  do  CS  possa  ser  inferior  a  50  mil,  que  
é  o  mínimo  que  as  SA  podem  ter.  Por  quotas  não  interessa  porque  é  um  euro  o  mínimo.    
 
QUERELA  DOUTRINÁRIA:  é  possível  reduzir  a  zero  o  capital  social?  No  primeiro  momento  de  redução,  em  que  se  faria  
desparecer   o   A   e   o   B;   no   segundo   momento   a   sociedade   passa   a   ser   só   do   C   e   D   -­‐   implicava   a   exclusão   dos   sócios  
antigos.  Existe  na  Doutrina  quem  diga  que  sim,  e  que  não.  O  professor  considera  duvidoso  que  possa  ser  feito,  porque  
não   está   de   todo   previsto   na   lei   que   uma   sociedade   possa   não   ter   sócios.   Assim,   não   tendo   base   legal,   é   facilmente  
destruído  em  tribunal.  Nem  a  jurisprudência  se  pronunciou  em  relação  a  isto.    
 
Notas  importantes:    
 
⇒ Há  um  reequilíbrio  de  forças;  
 
⇒ A   redução   do   capital   pode   ir   para   valores   abaixo   do   capital   social   mínimo   (ex.:   €50.000)   –   art.   95º/2.   Mas  
discute-­‐se   na   Doutrina   se   a   redução   pode   ser   a   zero.   I.e.,   o   investidor   entra   e   fica   com   100%.   Grande   parte   da  
Doutrina  diz  que  isto  não  pode  ser,  porque  durante  um  tempo,  a  empresa  fica  sem  sócios.  Mas  outros  dizem  
que  não  tem  mal,  porque  isso  é  somente  um  problema  formal,  que  vai  melhorar  a  sociedade.    
 
10.2. CONTRIBUIÇÕES  DOS  SÓCIOS  PARA  ALÉM  DO  CAPITAL  SOCIAL:  PRESTAÇÕES  ACESSÓRIAS,  PRESTAÇÕES  
SUPLEMENTARES,  SUPRIMENTOS  
   
Temos  o  dever  característico  a  propósito  do  contrato  sociedade,  o  dever  de  contribuição;  temos  ainda  o  dever  
de   entrada   de   capital.   Agora   vamos   ver   as   outras   contribuições   para   além   dessa   entrada.   Prestações   suplementares;   o  
enquadramento  destas  matérias  ainda  é  reconduzido  ao  dever  característico  de  contribuição  (o  seu  cerne  está  no  dever  
de   entrada).   Existem   contribuições   acessórias   e   suplementares.   Para   além   da   análise   destas,   analisam-­‐se   os  
suprimentos,  outra  figura  jurídica.  
   
Os   suprimentos,   ao   contrário   das   outras   prestações,   não   se   reconduzem   ao   dever   de   contribuição.   Nem   existe   um  
dever  estatutário  societário  de  realizar  suprimentos;  estes  são  contribuições:  
 
1. Financeiras  voluntárias;  
2. Têm  natureza  civilística,  e  não  societária;  
3. São  regulados  pelo  CC  e  não  pelo  CSC.    
 
Estas  três  figuras  são  figuras  em  que  os  sócios  contribuem  com  meios  financeiros  para  com  a  sociedade:  
 
1. Prestações  Acessórias;  
2. Prestações  Suplementares;  
3. Suprimentos.  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Estas  matérias  não  entram  para  as  contas  do  capital  social.  Está  relacionado  com  o  dever  de  entrada;  as  suplementares  
e  acessórias  não  relevam  para  o  capital  social  -­‐  cifra  estatutária  -­‐,  e  os  suprimentos  muito  menos.    
 
1.  Prestações  Acessórias:    
   
o Previstas  para  as  SQ  e  SA;  nas  anónimas  há  regime  de  obrigação  de  entrada  (arts.  209º  e  287º  do  CSC);  
35
o Decorrem  diretamente  dos  estatutos ;  
o Podem  ser  prestações  pecuniárias  ou  não  pecuniárias;  
o Podem  ser  remuneradas  ou  não  –  com  juros,  se  for  dinheiro.  
 
2.  Prestações  Suplementares  |  Art.  213º  
 
o Só  estão  previstas  para  as  sociedades  por  quotas;  
36
o Fonte  indireta  nos  estatutos ;  
o Prestações  pecuniárias  –  já  não  há  serviços;  
o Não  são  remuneradas,  i.e.,  não  há  juros  (art.  210º/5).  

3.  Suprimentos  |  Arts.  243º  a  245º  


 
37
o Os  arts.  243º  a  245º  são  normas  restritivas ;  
 
o São   regidos   principalmente   pelo   CCiv   (art.   244º/1   e   3),   mas   há   regras   limitativas   consagradas   no   CSC.  
Neste  capítulo  relativo  às  sociedades  por  quotas  não  há  um  regime  equivalente  para  as  SA;  se  bem  que  é  
pacífico   que   estas   regras   relativas   ao   contrato   de   suprimento   possam   ser   aplicadas   -­‐   por   analogia   -­‐   aos  
contratos  de  sociedades  anónimas;  o  que  não  é  pacífico  é  quais  os  termos  em  que  se  faz  esta  analogia;  
 
o O  ideal  é  colocar  tudo  na  parte  geral;  
 
o As  duas  primeiras  prestações  têm  natureza  societária  e  são  impostas  por  estatuto  ou  pelas  deliberações  
sociais.  Os  suprimentos  não  são  impostos  pelos  estatutos,  mas  da  celebração  voluntária  de  um  contrato  
de  mútuo.  São  uma  modalidade  do  contrato  de  mútuo  ou  empréstimo,  têm  natureza  civilística;  
 
o Dinheiro  ou  outra  coisa  fungível  –  art.  243º/1;    
o Podem  ser  remunerados  ou  não.    

Regime  da  Lei  de  Cada  uma  das  Figuras  


 
Prestações  acessórias  |  Arts.  209º  e  287º    
 
• Quando  se  trate  de  um  contrato  típico,  aplica-­‐se  este  regime;  
• Fonte  directa  nos  estatutos  -­‐  decorre  de  ambos  os  artigos  (número  1);  
 
• Podem   ser   prestações   pecuniárias   ou   não.   Quando   não   são   pecuniárias,   são   prestações   de   serviços.   Os  
estatutos  são  fonte  de  obrigação.  Ex.:  mereceria,  estar  atrás  do  balção  (número  2);  
 
• Podem   ser   renumeradas   ou   não.   A   renumeração   do   dinheiro   são   os   juros.   O   mútuo   é   a   modalidade   de  
contrato   de   troca   oneroso   em   que   há   uma   contraprestação   -­‐   o   juro.   Numa   análise   mais   materialista,   mais  
substancialista,  os  juros  são  o  preço  do  dinheiro  (números  3  e  1).  
 

                                                                                                                       
35
 Não  tem  de  haver  uma  deliberação  social  sobre  isto;  a  fonte  são  directamente  os  estatutos.  
36
 Previsão  genérica  nos  estatutos  +  deliberação  dos  sócios,  determinando  que  se  realizem  estas  prestações.  Quando  eu  olho  para  os  
estatutos  já  sei  que  há  o  risco  de  ter  de  realizar  estas  prestações.  Mas  só  quando  há  a  deliberação  é  que  nasce  na  esfera  do  sócio  o  
dever  concreto  de  fazer  a  prestação  suplementar.  
 
37
 Quando  falámos  nos  acordos  parassociais,  determinámos  que  não  eram  regulados  no  CSC,  mas  haviam  limites;  aqui  é  o  mesmo.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Prestações  Suplementares  |  Art.  210º  


 
• Exclusivas  das  sociedades  por  quotas,  como  já  analisamos;  
 
• Fonte  indirecta  dos  estatutos,  não  resultam  automaticamente  dos  estatutos.  Os  estatutos  têm  que  as  prever,  
autorizam  que  estas  possam  existir;  depois  tem  que  haver  uma  deliberação  para  existirem  efetivamente.  Há  
uma   expectativa   jurídica   nos   estatutos,   enquanto   fonte;   mas   a   obrigação   apenas   resulta   da   deliberação   dos  
sócios.  Nas  obrigações  acessórias,  surgiam  directamente  dos  estatutos.  O  art.  211º  refere  o  mesmo  (número  
1);  
 
• São  sempre  pecuniárias  (número  2);  
• Não  renumeradas,  não  vencem  juros  (número  3).      
 
Suprimentos  |  Arts.  243º  e  ss  
• Têm   a   natureza   civilística   e   não   são   fonte   nos   estatutos.   Passam   é   a   ser   obrigações   acessórias   quando   tenham  
natureza   estatutária.   Assim,   não   devemos   ler   o   244/º1   como   sendo   outra   modalidade   de   suprimento,   mas  
antes   como   sendo   qualificado   enquanto   prestação   acessória,   porque   os   suprimentos   têm   mesmo   natureza  
civil;    
 
• O  objecto  do  contrato  de  suprimento  é  o  dinheiro  (tipicamente)  ou  outra  coisa  fungível;    
• O  contrato  de  mútuo  de  dinheiro  ou  outra  coisa  fungível;  
• Pode  ser  renumerada  ou  não.    
 
Origem  Histórica    
1.  Prestações  Acessórias  
 
  Podem  ter  origem  de  serviços  ou  pecuniária,  mas  não  há  isenção  de  prestação  de  serviços.  É  uma  infelicidade  
o  legislador  permitir  que  sejam  pecuniárias;  contraria  a  origem  histórica.    
 
As  sociedades  em  nome  coletivo  sempre  estiverem  relacionadas  com  o  comércio,  comunidades  de  trabalho;  os  
comerciantes,  empresários  estavam  envolvidos  na  gestão,  prestando  serviços,  a  fazer  encomendas,  contabilidade.  
 
Ø A  sociedade  anónima  oitocentista  também  tinha  muitas  contribuições  em  serviços;  existia  em  capital  também.  Quando  os  
alemães   criaram   as   sociedades   por   quotas   em   1992,   também   estava   prevista   a   possibilidade   de   haver   prestações  
acessórias  em  serviços.  Assim,  ambas  as  sociedades  de  capitais,  quando  surgiram,  previam  a  possibilidade  de  haver  outra  
prestação  já  não  de  capital,  mas  de  serviços.  Quando  importámos  a  lei  alemã  em  1901,  quanto  às  sociedades  por  quotas,  
falhámos  nesta  transposição;  a  lei  das  sociedades  por  quotas  não  previa  esta  possibilidade  de  prestações  acessórias,  mas  a  
doutrina  nacional  falava  disso  e  os  estatutos  continham  estas  cláusulas.  
 
[Matéria  recomendada  no  Manual  de  Rui  Pinto  Duarte]      
   
O   projecto   do   CSC   passou   a   prever   prestações   acessórias   de   prestação   de   serviço,   mas   também   as  
pecuniárias,   sem   qualquer   origem   histórica.   Actualmente   existem   as   prestações   acessórias   nas   sociedades  
portuguesas;  mas  haverá  prestações  acessórias  de  serviço,  que  correspondam  verdadeiramente  à  história?  Há  poucas,  
a  advocacia  e  os  notários  portugueses  têm  pouco  hábito  de  prever  isto,  mas  já  é  frequente  haver  imposição  indirecta  
de   harmonização   de   quotas   e   exclusão   de   sócios   (que  determinam   a  saída   do  sócio,   e,   por   vezes,   preveem   que   se   se   deixar   de  
prestar  determinado  serviço,  as  suas  cláusulas  serão  harmonizadas,  ou  será  excluído).  Assim,   não   é   algo   directo,   mas   indirecto,  
através  de  um  ónus.    
 
  As   prestações   de   serviços   podem   surgir   no   âmbito   destas   sociedades   comerciais;   podem   não   surgir  
directamente  ou  indirectamente  nos  estatutos,  mas  em  acordos  parassociais,  o  que  é  frequente.    
 
2.  Prestações  Suplementares  
 
Origem   na   lei   germânica:   previa   a   possibilidade   de   os   estatutos   preverem   as   prestações   pecuniárias.   Aquilo   que  
hoje  existe  no  CSC  foi  inicialmente  previsto  logo  pelo  legislador  germânico.  Mas  isto  era  pouco  recorrente.  No  entanto,  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

passou  a  ser  frequente  a  dada  altura,  porque  é  mais  fácil  reaver  prestações  suplementares  nas  sociedades  por  quotas  
do  que  reaver  capital  através  de  uma  redução  do  capital  social.    
 
3.  Suprimentos    
 
  Origem  secular  -­‐  empréstimos  dos  sócios  às  sociedades.  Em  vez  de  estarem  ao  abrigo  dos  estatutos,  realizamos  
prestações   suplementares   ou   acessórias   pecuniárias   -­‐   limitam-­‐se   a   dar   à   sociedade.   É   muito   frequente   que   haja  
dinheiro   entregue   pelos   sócios   à   sociedade,   não   abrigo   do   dever   de   contribuições   de   prestações   acessórias  
suplementares,   mas   com   carácter   voluntário,   carácter   civilística;   há   uma   maior   liberdade,   i.e.,   não   funcionam   tantas  
regras  de  protecção  dos  credores  e  existem  ainda  vantagens  fiscais.  
 
Advertência:  é  uma  figura  híbrida  entre  o  capital  próprio  (fornecido  pelos  sócios)  e  o  alheio  (terceiro).  Do  ponto  de  vista  
material,   são   capital   próprio,   mas   formalmente   é   alheio,   porque   entregam   como   se   fossem   terceiros   a   emprestar  
dinheiro  à  sociedade.  Isto  levanta  problemas  de  protecção  de  credores.  
 
Advertência:   construção   Doutrinária   e   Jurisprudencial   Alemã   –   emprestar   dinheiro   à   sociedade   em   vez   de   contribuir  
com   entradas   pode   desproteger   os   sócios.   Assim,   entendeu-­‐se   que,   em   caso   de   insolvência,   primeiro   são   pagos   os  
credores,   depois   os   suprimentos   e,   só   no   fim,   as   acções.   O   que   não   se   pode   fazer   é   primeiro   pagar   suprimentos   e  
depois   os   credores;   ou   pôr   estas   obrigações   em   pé   de   igualdade,  porque   os   suprimentos   são   sucedâneos   de   capital  
próprio.  RAUL   VENTURA  seguiu  esta  construção  e,  na  lei,  acolheu-­‐se  no  art.  245º  no  seu  todo,  mas  o  professor  referiu  o  
número  3.    
 
⇒ No   código   de   insolvência,   no   art.   43º   referem-­‐se   créditos   subordinados,   estando   lá   referido   os   suprimentos.  
Vêm  depois  das  obrigações  subordinadas.    
 
Nas   SQ,   há   uma   redundância   entre   o   regime   das   prestações   acessórias   pecuniárias   e   das   suplementares.   Ou  
seja,  porque  são  precisas  as  duas,  e  não  se  entendem,  fazia-­‐se  apenas  uma.    
 
Todavia,   as   prestações   suplementares   não   podem   ser   renumeradas   e   as   suplementares   têm   ainda   regras   mais  
restritivas  quanto  à  restituição,  pelo  que  frequentemente,  mesmo  nas  sociedades  por  quotas,  faz-­‐se  mais  prestações  
acessórias   pecuniárias   em   vez   das   suplementares.   Faz-­‐se   aplicação   analógica   ou   não   do   regime   do   suprimento   das  
sociedades  por  quotas.  A  maioria  da  doutrina  entente  que  o  regime  dos  suprimentos  deve  ser  aplicado  às  sociedades  
anónimas.  
 
QUERELA:   O   pressuposto   base   é   que   estamos   no   âmbito   da   autónima   privada   do   art.   405º   CCiv   e   o   artigo   do   CSC  
funciona   como   um   limite   à   autonomia   privada;   como   função   de   protecção   dos   credores.   Assim,   aqui   faz   sentido   a  
analogia  para  não  deixar  os  credores  desprotegidos.  
 
QUERELA:   aplica-­‐se   a   todos   os   accionistas   ou   não?   Não   se   deve   aplicar   por   analogia   este   regime   dos   suprimentos   a  
todos  os  accionistas,  mas  apenas  a  alguns.  RUI  PINTO  DUARTE  é  quem  tem  a  melhor  teoria.  
 
Ø Distinção   entre   accionista   empresário   e   meramente   investidor:   o   empresário   deve   ser   sacrificado   no   ponto   de  
vista  dos  credores.  Do  ponto  de   vista  germânico,  se  está  a  fazer  suprimentos  em  vez  de  dar  capital  próprio,  há  
aquela   ideia   de   em   caso   de   insolvência,   é   pago   em   último.   E   o   accionista   meramente   investidor   não   anda   a  
fazer   suprimentos   em   vez   de   recorrer   ao   capital   próprio,   nem   sabe   bem   por   não   ter   informação   financeira  
sofisticada  e  actualizada,  nem  sabe  se  o  dinheiro  está  a  suprir  exigências  de  capital  ou  se  é  uma  exigência  de  
capital.    
 
A   tendência   da   doutrina   é   fazer   esta   separação   de   accionistas   e   apenas   aplicar   o   regime   dos   suprimentos   aos  
accionistas   que   tenham   uma   capacidade   de   controlo   financeira   da   sociedade;   tem   que   ter   pelo   menos   10%.   Mas   RUI  
PINTO   DUARTE   diz   ainda   que   depende   do   caso   concreto,   porque   pode   ter   essa   percentagem   e   não   ter   acesso   a  
informação  financeira;  mas  podem  haver  casos  em  que  tem  2%  e  tem  mais  informação  -­‐  assim  não  se  deve  definir  um  
valor,   e   ser   mais   sensível.   A   generalidade   da   doutrina,   pelo   contrário,   tem   vindo   a   procurar   um   valor   exacto,  
distinguindo  entre  10%,  por  exemplo.      
 
Aula  de  21  de  abril  de  2017  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Direitos  Especiais    
 
A   Doutrina   diverge   quanto   à   criação   dos   direitos   especiais,   designadamente,   em   momento   ulterior   ao  
negócio  institutivo.  A  questão  que  se  coloca,  em  primeira  instância,  é  de  saber  se  é  ou  não  necessária  uma  
maioria  para  a  criação  num  momento  posterior  à  instituição  da  sociedade.    
 
Não  é  um  direito  de  um  terceiro  face  à  sociedade,  mas  ao  sócio.  É  inerente  quer  à  corporatividade  quer  ao  
seu   carácter   intuito   personae.   Atente-­‐se   ao   art.   24º   do   CSC.   Nas   sociedades   em   nome   colectivo   não   têm  
natureza  transmissível;  nas  sociedades  por  quotas  tem;  nas  sociedades  anónimas  tem  natureza  supletiva.    
 
A  especialidade  do  direito  não  está  no  facto  de  ser  um  direito  atribuído  a  um  ou  outro  sócio.    
 
Direito  Especial  à  Gerência:    
 
O   direito   tende   a   surgir   no   âmbito   das   sociedades   por   quotas,   na   medida   em   que   estas   têm   três  
características  que  o  viabilizam  [pendor  personalístico;  estrutura  complexa;  pequena  dimensão].  É  um  direito  
que  se  afasta  do  Princípio  da  Hetero-­‐Administração  (art.  252º/1  do  CSC).  Derroga  assim  o  Princípio  Essencial  
da   Igualdade   de   Tratamento   dos   Sócios   (art.   321º   do   CSC).   Derroga   ainda   o   Princípio   da   Livre   Destituição   dos  
Gerentes  (art.  257º/1  do  CSC).  Estão  dois  interesses  em  causa:    
 
Derrogação  do  Princípio  da  Livre  Destituição  dos  Gerentes  –  Admissível  ou  Não  Admissível?    
Tem  de  existir  justa  causa  e  um  processo  judicial.  
 
Ex.:  sócio  B  tem  direito  a  ser  gerente  a)  por  toda  a  sua  vida  [direito  especial  à  gerência];  b)  enquanto  for  vivo;  
c)   enquanto   durar   a   sociedade.   São   todas   exemplos   de   direitos   especiais   às   gerências.   Mas   se   surgir   a  
cláusula  que  estabelece  que  o  sócio  A  estará  vinculado  sempre,  já  não  estamos  perante  um  direito  especial  
de  gerência.  É  um  direito  especial  de  outra  natureza.    
 
Garantia   Material:   justa   causa   –   dois   padrões   normativos,   sendo   que   é   um   conceito   indeterminado   (art.  
257º/6  do  CSC),  i.e.,  a  violação  grave  dos  deveres  e  a  incapacidade  do  gerente  para  o  exercício  normal  das  
funções.  É  ainda  possível  que,  paralelamente,   exista  um  processo  de  Responsabilidade  Civil,  caso  a  actuação  
do   gerente   provoque   danos.   A   destituição   terá   de   ser   decretada,   sempre,   por   um   tribunal.   Há   ainda   um  
requisito  prévio,  i.e.,  a  deliberação  dos  sócios  quanto  à  destituição  judicial  do  gerente.  Esta  deliberação  social  
não  é  requisito  prévio  se:  (1)  apenas  um  sócio  requerer  a  destituição;  ou  (2)  se  existirem  apenas  dois  sócios.    
 
Inexigibilidade:  relação  conflitual.  A  gravidade  dos  factos  que  integram  a  justa  causa  funda-­‐se  no  prejuízo  que  
tenha  sido  causado  ao  interesse  da  sociedade.  A  destituição  surge  como  consequência  normal.  Ou  seja,  há  
uma  destituição  legítima  que  se  baseia  na  soma  de  uma  justa  causa  com  a  susceptibilidade  de  prejuízo.    

 
Segundo  PEDRO  CAETANO  NUNES,  a  resolução  dos  contratos  com  justa  causa  surge  em  várias  relações  obrigacionais.  Tem  que  se  ter  em  
mente   que   a   maioria   dos   contratos   são   de   execução   instantânea,   pontual,   mas   também   existem   de   prestação   continuada.   Os  
Códigos   Civis   pensam   essencialmente   nesta   primeira   modalidade,   sendo   necessário   destacar   que   os   contratos   de   prestação  
continuada  devem  ter  regras  específicas.  Nas  Sociedades  Comerciais  está  próximo  do  mandato,  há  uma  ideia  de  interesses  alheios,  
i.e.,  podem  ser,  a  todo  o  tempo,  destituídos,  a  menos  que  exista  este  direito  especial  à  gerência.    
 

 
Querelas   Doutrinárias:   pode   um   direito   especial   ser   atribuído   a   todos   os   sócios   de   uma   sociedade?   Em  
especial,  pode  um  direito  especial  à  gerência  ser  atribuído  a  todos  os  sócios?    
 
Paulo  Olavo  da  Cunha  Correia:  «aquilo  que  és  especial  não  pode  ser  simultaneamente  geral»;  Vaz  Serra,  Pinto  
Furtado   e   Coutinho   de   Abreu:   «alguns   direitos   especiais   podem   ser   atribuídos   a   todos   os   sócios,  
nomeadamente   o   direito   especial   à   gerência»;   Raúl   Ventura:   «direitos   especiais   podem   assistir   a   todos   os  
sócios,   se   estiverem   em   causa   direitos   que   não   fazem   parte   do   conteúdo   normal   das   quotas»;   Menezes  
Cordeiro:   «tudo   o   que   permita   afastar   interpretações   que   restingam,   sem   fundamento   sério,   a   liberdade,  
deve  ser  incentivado».  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Será   o   princípio   da   inderrogabilidade   suprimido   a   propósito   do   Direito   Especial   à   Gerência?   Releva   o   art.  
24º/5   do   CSC.   Mais,   a   questão   do   consentimento   do   titular,   que   também   interessa   neste   sentido,   também  
tem  certas  querelas.  {ficou  em  aberto}  
 
Acórdão  do  Supremo  Tribunal  de  Justiça,  de  12  de  junho  de  2006  –  O  autor,  F,  médico  e  sócio  da  Ré  –  Lar  
Chuva  de  Prata  –  pede  a  anulação  da  deliberação  da  Ré  que  destitui  F  da  sociedade  por  quotas  em  questão  e,  
como   pedido   subsidiário,   pede   que   a   Ré   seja   obrigada   a   pagar   uma   indemnização.   O   Tribunal   de   Instância  
deu  razão  ao  autor,  anulando  a  deliberação  da  Ré.  A  Ré,  em  recurso  de  revista,  recorre  ao   STJ.  A  matéria  de  
facto:  a  SQ  tinha  apenas  dois  sócios,  sendo  que  F  tinha  45%  das  acções.  A  sócia  gerente,  Ana  Mimosa  Barra,  
convocou   F   para   uma   AG   com   o   propósito   de   o   destituir.   Fixou-­‐se   que   nenhum   dos   sócios   iria   ser  
remunerado  pelas  funções  exercidas  no  Lar.  Após  a  destituição  de  F,  A  deixou  um  cheque  «referente  à  sua  
retirada».  F  alegava  que  tinha  um  direito  especial  à  gerência.  
 
Havendo  direito  especial  à  gerência,  este  só  podia  ser  suprimido  com  o  consentimento  do  titular  ou  com  uma  
justa   causa   verificada.   Não   acontecendo   um   dos   dois,   haveria   uma   ilicitude.   Antes   de   o   tribunal   se  
pronunciar,  deparou-­‐se  como  facto  de  haver  Jurisprudência  que  considerava  os  Estatutos  da  Sociedade  como  
matéria   de   facto.   Sendo   matéria   de   facto,   o   STJ   não   pode   apreciar   {só   aprecia   matéria   de   direito}.   O   STJ  
considerou  que  o  contrato  de  sociedade  deveria  ser  interpretado  de  um  ponto  de  vista  da  vontade  objectiva,  
perceptível   por   todos   e   não   de   um   ponto   de   vista   subjectivo,   do   sócio.   Desta   forma,   considerou   que   os  
Estatutos  eram  matéria  de  Direito,  pelo  que  se  podiam  pronunciar  sobre  o  objecto.    
 
O  número  2  do  art.  4º  do  Estatutos  releva,  no  sentido  de  perceber  se  existia  ou  não  o  direito  especial.  Apesar  
de  se  dizer  que  os  sócios  são  gerentes,  não  se  diz  que  são  necessariamente  detentores  desse  direito.  Em  caso  
de  dúvida  não  há  direito  especial.  O  tribunal  considerou  que  não  havia  direito  especial,  pelo  que  a  anulação  
da  deliberação  seria  improcedente.    
 
Mas   o   autor,   F,   fez   um   pedido   subsidiário,   da   indemnização.   Para   o   efeito,   importa   atentar   ao   art.   257º/7   do  
CSC.  Segundo  Raul  Ventura,  os  prejuízos  indemnizáveis  são  os  resultantes  da  perda  de  proventos  do  gerente,  
nessa   qualidade,   durante   certo   tempo.   Sendo   uma   prestação   gratuita   –   pois   não   recebia   enquanto   gerente   –  
não  há  perda  de  proventos,  pelo  que  não  haveria  indemnização,  a  menos  que  tivesse  sido  estabelecida  de  
meio  prévio,  i.e.,  contratualmente.  Foi  deixado  um  cheque  por  A,  pelo  que  também  se  levantou  a  questão  de  
saber  o  que  era  este  montante.  Cabia  ao  autor  –  ónus  da  prova  –  provar  que  teve  prejuízos.  Ficou  ainda  por  
saber   se   o   montante   deixado   no   cheque   se   reportava   ou   não   aos   outros   serviços   prestados,   enquanto  
médico,  no  Lar.  Assim,  também  o  segundo  pedido  do  autor  foi  julgado  improcedente.    
 
Acórdão  STJ,  de  17  de  abril  de  2008  –  Pacto  Social  |  Interpretação  |  Direito  Especial  à  Gerência  
 
Os  sócios  gerentes  intentaram  uma  acção,  pedindo  a  anulação  das  deliberações  sociais.  O  juiz  de  1ª  instância  
considerou,   em   despacho   saneador,   a   improcedência   da   acção.   Foi   interposto   recurso   de   apelação   para   o  
TRP.  Este  voltou  a  considerar  a  acção  improcedente.  O  STJ  também  negou  a  revista.    
 
Interpretação  das  Cláusulas  do  Pacto  Social  –  a  objectividade  como  regime-­‐regra.  Resume-­‐se  à  descoberta  do  
sentido   objectivo   da   declaração   negocial.   Os   critérios   aplicáveis   são   a   teoria   da   impressão   no   art.   236º,   e  
ainda   o   art.   238º   do   CCiv.   No   caso   da   Ré,   estava   em   causa   a   interpretação   do   art.   5º   do   Pacto   Social.   No   final  
do  AC  é  dito  que  a  cláusula  é  neutra,  pelo  que  não  há  direito  especial  à  gerência.  O  mesmo  não  consta  do  
contrato.    

 
 
11. ESTRUTURA  ORGÂNICA  DAS  SOCIEDADES  COMERCIAIS  
11.1. NOÇÃO  DE  ÓRGÃO  
 
A   noção   de   pessoa   jurídica   ou   personalidade   jurídica   é   aquela   que   decorre   da   norma   jurídica,   dos   efeitos  
jurídicos  que  se  reflectem  nas  pessoas  enquanto  centro  de  imputação  dos  efeitos.  O  conceito  de  órgão  há-­‐de  ser  assim  
próximo  do  conceito  de  pessoa  colectiva,  de  pessoa  colectiva.  Os  órgãos  são  centros  de  imputação,  mas  no  interior  da  
organização;   subjectividades   jurídicas   internas.   Não   são   eles,   órgãos,   que   se   vinculam   perante   terceiros.   Os   negócios  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

jurídicos  serão  os  celebrados  pela  pessoa  colectiva.  Não  são  partes  do  contrato  de  compra  e  venda.  Relevam  da  vida  
interna  da  PC  –  que  é  a  parte  nos  negócios  jurídicos  no  âmbito  externo  [perspectiva  analítica  normativista].    
 
A  generalidade  dos  manuais  de  teoria  geral  oferece  esta  noção  normativista,  de  sujeito  de  direitos  e  deveres.  
Se  se  adopta  com  maior  ou  menor  consciência  esta  noção,  adopta-­‐se  a  perspectiva  em  apreço.    
 
Há   ligeiras   querelas,   porque   há   quem   considere   que   o   órgão   é   sempre   a   pessoa   física   inserida   na   respectiva  
pessoa  colectiva;  há  que  em  adopte,  em  contraponto,  a  concepção  institucional,  considerando  o  órgão  uma  abstracção,  
sendo  sempre  uma  instituição  jurídica  –  nunca  é  a  pessoa  física;  e  por  fim,  duas  posições  ecléticas:    
 
(1) FREITAS  DO   AMARAL  –  que  não  aparece  em  nenhum  escrito,  surge  no  âmbito  administrativo.  Na  opinião  de  
PEDRO   CAETANO   NUNES,  vale  tanto  para  o  Direito  Administrativo,  como  para  o  Direito  Privado.  Órgão  será  a  
pessoa  física,  mas  do  ponto  de  vista  da  teoria  da  organização,  o  que  releva  é  o  conceito  institucional  (no  
organigrama,   desenho   da   organização,   vale   o   conceito   de   órgão   institucional;   mas   para   efeitos   da  
actuação,  da  actividade,  de  negócios  jurídicos  ou  contratos  de  direito  privado  nas  SC,  quem  actua  são  as  
pessoas  físicas).  As  instituições  não  têm  «pernas,  nem  braços»,  não  verbalizam  ideias,  pelo  que  ao  nível  da  
actividade  negocial,  os  protagonistas  são  os  seres  humanos.    
 
O   professor   considera   que   se   trata   de   uma   posição   sem   grande   justificação.   É   a   ideia   de   que   quando   se  
está   a   pensar   na   prática   de   negócios   jurídicos   ou   de   actos   administrativos,   são   os   seres   humanos   que  
actuam.   Já   na   perspectiva   estática,   ao   identificar   os   órgãos,   estes   já   não   serão   pessoas   físicas,   mas  
instituições,  ou  seja,  entidades  abstractas  criadas  pelo  Direito.    
 
(2) PEDRO   CAETANO   NUNES   considera   que   podem   ser   uma   coisa   ou   outra.   Quando   é   um   órgão   deliberativo,  
trata-­‐se   de   uma   instituição.   A   competência   para   deliberar   a   fusão   atribuída   ao   colégio   dos   sócios;   a  
competência   para   designar   os   administradores.   É   uma   subjectividade   distinta   dos   sócios   (instituição  
diversa   do   somatório   dos   sócios   –   a   competência   é   entregue   ao   colégio,   mesmo   que   não   estejam  
presentes   todos   os   sócios:   não   é   uma   competência   dos   sócios,   mas   sim   atribuída   a   um   colégio   dos   sócios.  
São   os   poderes   do   colégio,   não   os   poderes   dos   sócios).   Quando   a   actuação   é   singular   ou   conjunta,   os  
órgãos  já  são  os  seres  humanos.    
 
Geralmente,   por   definição,   os   efeitos   da   teoria   da   organização   são   os   poderes   e/ou   competências.   O  
Professor  considera  que  são  os  dois  sinónimos.  Além  destes,  podemos  ainda  ter  direitos  e  deveres.  O  radical,  o  
que  é  certo,  são  os  poderes  e/ou  competências.  Para  determinar  se  existe  um  certo  órgão,  não  vamos  ver  se  
tem  direitos  ou  deveres,  mas  competências.  Os  poderes  podem  corresponder  a  direitos  ou  estar  associados  a  
deveres   (figura   do   poder-­‐dever).   É   um   poder   orgânico   porque   é   relativo   ao   regime   jurídico   corporativo   da  
pessoa  colectiva.  Há  os  poderes  que  não  inerentes  pelo  regime  corporativo,  estatutário.  
 
P.e.,   o   art.   261º   atribui   poderes   de   representação   aos   gerentes.   São   regulados   pelo   regime   estatutário.   Mas   as  
SA  também  podem  emitir  procurações.  Neste  caso,  são  representações  voluntárias.    
 
Actuação  Singular,  Conjunta,  Colegial  ou  Deliberativa  {na  terminologia  italiana,  usa-­‐se  disjunta  para  o  singular,  mas  não  
é   uma   terminologia   preterida   pelo   Professor}   –   esta   discussão   sobre   a   actuação   no   âmbito   da   teoria   das   organizações  
deve   ser   enquadrada   na   teoria   do   negócio   jurídico.   Constituem,   em   rigor,   modalidades   da   declaração   negocial.  
Podemos   ter   declarações   singulares,   conjuntas   ou   colegiais   (há   um   colégio   que   actua,   uns   que   votam   num   sentido   e  
outros  para  o  outro  sentido  –  deliberação  versus  conjunta).    
   
  Quando   dois   comproprietários   vendem   um   prédio,   emitem   uma   declaração   negocial   conjunta.   Esta  
classificação   é   mais   ampla,   não   serve   apenas   para   as   pessoas   colectivas.   Quanto   ao   colégio   é,   tendencialmente,   nas  
pessoas  colectivas.  Em  rigor,  a  classificação  não  releva  apenas  na  teoria  das  organizações,  é  teoria  no  negócio  jurídico.  
Têm  que  se  cruzar  –  é  a  perspectiva  germânica,  analítica,  para  se  fazer  a  teoria  mais  pura.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Pluralidade  de  Pessoas  na  Teoria  do  Negócio  Jurídico  


 
  Podemos  ter  pluralidade  de  partes  –  negócio  jurídico  plural.  Ex.:  A  e  B  fazem  um  negócio  jurídico.  Existem  duas  
declarações  negociais.  Se  apenas  tivermos  o  A,  temos  um  negócio  jurídico  unilateral.  A  declaração  negocial  de  quem  vai  
vender,   pode   ser   emitida   por   A1   e   A2   –   comproprietários.   Temos   uma   declaração   negocial   duplas,   i.e.,   temos   duas   DN,  
mas  apenas  um  negócio  jurídico  unilateral.  O  mesmo  pode  acontecer  do  lado  de  quem  compra.  Este  é  um  problema  da  
pluralidade  de  pessoas  ao  nível  da  declaração  negocial.    
 
⇒ Na   declaração   conjunta,   existe   um   acto   conjunto   caracterizado   pela   actuação   da   pluralidade   de  
pessoas   em   unanimidade;   na   declaração   ou   actuação   deliberativa   e/ou   colegial,   não   há   a   regra   da  
unanimidade,  mas  da  maioria.  A  maioria  dá  um  conteúdo  vinculativo.    
 
• Conjunta  –  Unanimidade;  
38
• Deliberativa  ou  Colegial  –  Maioria  {Princípio  da  Suficiência  da  Maioria }.  
 
 
 
11.2. ESTRUTURA  DA  DELIBERAÇÃO  
 
É   vista   como   resultado   e   como   processo.   Por   trás   desta,   está   sempre   o   Princípio   da   Suficiência   da   Maioria.   É   um  
processo   caracterizado   por   uma   proposta   de   deliberação   e   pela   alternativa   dialética   do   voto.   Podemos   identificar  
outros  actos,  os  quais  acessórios.  O  cerne  do  processo  deliberativo  esta  na  proposta  e  no  voto.  São  os  dois  momentos  
centrais.    
 
Enquanto   resultado,   é   constituída   pelo   conjunto   de   votos   que   fizeram   o   vencimento.   Uma   proposta   de   deliberação  
para   eleger   alguém   como   representante   de   turma   –   quem   vota   «SIM»,   tem   como   efeito   jurídico   a   designação   dessa  
pessoa.   E   quem   votou   contra,   para   efeitos   de   resultado,   não   interessa,   na   medida   em   que   o   efeito   jurídico   que  
pretendiam  era  o  oposto,  o  qual  não  é  performativo.    
 
  As  deliberações  negativas,  em  que  o  «NÃO»  é  superior  ao  «SIM»,  nunca  produzem  efeitos  jurídicos  negociais.  
É  possível  que  produzam  outros  efeitos,  mas  esses  decorrentes  de  normas  jurídicas.  As  importantes  são  as  positivas,  
sendo   estas   capazes   de   produzir   efectivamente   efeitos.   Contudo,   só   produzem   efeitos   aquelas   que   se   baseiam   em  
propostas   de   deliberação   com   conteúdo   positivo.  Têm   conteúdo   jurídico   as   positivas,   que   fazem   vencimento;   mas   para  
além  disso,  só  as  que  têm  conteúdo  positivo.  P.e.,  se  na  deliberação  se  vota  sim  para  «não  eleger  X»,  não  há  qualquer  
efeito  útil.  O  conteúdo  jurídico  não  é  positivo.  Ou  seja,  há  vencimento,  mas  não  há  conteúdo  positivo.    
 
  Ainda  a  propósito  do  conceito  de  órgão,  fala-­‐se  em  órgãos  e  em  subórgãos  {Conselho  de  Administração  e,  p.e.,  
39
a  Comissão  Executiva}.  Continuam  a  ser  centros  de  imputação  de  normas  orgânicas,  pelo  que  continuam  a  ser  órgãos .      
 
11.3. MODALIDADES  DE  PODERES  E/OU  COMPETÊNCIAS  ORGÂNICAS   40

 
Competência  Externa  (ou  Poder  de  Representação)  e  Competência  Interna  (ou  Poder  de  Administração)   –   a   interna   é  
a  competência  decisória;  internamente  decide-­‐se  o  que  se  vai  fazer,  para  se  depois  actuar  no  mundo  exterior.  PCN  acha  
que   é   interna   por   contraposição   à   externa.   A   externa:   (1)   é   abstracto   e   limitável,   para   protecção   de   terceiros,   por   força  
da  Directiva   de  Coordenação  e  da  inspiração  germânica,  i.e.,  da  protecção  do  tráfego  de  terceiros;  (2)  tendencialmente  
concentrados   no   órgão   de   administração   –   quem   vincula   a   sociedade   perante   os   terceiros   são   os   gerentes,   não   os  
sócios  –  diminuição  dos  custos  de  transacção  e  de  contexto  para  as  empresas.    
 
                                                                                                                       
38
 Mecanismo  jurídico  que  permite  privilegiar  a  maioria  em  detrimento  da  unanimidade.    
39
 Coutinho  de  Abreu  faz  uma  distinção  com  a  qual  Pedro  Caetano  Nunes  não  concorda  [ADVERTÊNCIA].  
40
 Não  são  modalidades  dos  órgãos,  mas  dos  poderes  orgânicos.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

  É   tendencial   porque   há   outros   órgãos   com   competência   face   ao   exterior.   P.e.,   os   órgãos   de   controlo   –  
Conselho  Fiscal  e  de  Supervisão  –  podem  pedir  informações  a  terceiros,  pelo  que  têm  competências  externas  pontuais.    
 
  Por   vezes   fala-­‐se   em   órgãos   internos   e   externos   –   esta   classificação   é   errónea.   Existe   um   órgão  
tendencialmente   externo;   os   órgãos   internos   são   todos   os   órgãos,   mesmo   o   Conselho   de   Administração   (além   das  
competências  externas,  dialoga  com  os  demais  órgãos  e  delibera,  antes,  interiormente  –  no  seio  da  sociedade).    
 
11.4. MODALIDADES  DE  ÓRGÃOS  
 
  Há   uma   classificação   entre   órgãos   originários   e   derivados   –   com   a   qual   o   Professor   concorda.   Os   originários  
são   os   sócios   e   os   colégios   dos   sócios.   O   seu   poder   e   designação   advém   directamente   do   contrato   de   sociedade.   Os  
outros  são  derivados,  porque  são  designados  pelos  sócios  ou  por  outros  órgãos  derivados.    
 
  O  colégio  dos  sócios,  na  perspectiva  do  Professor,  é  o  órgão  principal.  O  originário  resulta  automaticamente  do  
contrato   de   sociedade,   dos   estatutos.   O   derivado   funda-­‐se   em   designação.   Podem   haver   vários   graus   de   designação,  
i.e.,  um  órgão  derivado  pode  designar  outros  órgãos.  Há  estratificação  orgânica.    
 
Nota:   quanto   maior   a   estratificação   –   órgão   que   nomeia   outro,   e   esse   outro,   nomeia   outro   e   afim   -­‐,   menor   a  
democracia,  ou  seja,  quanto  menor  a  restrição  do  poder,  maior  a  informação.  
 
Classificação  de  Órgãos  Derivados  
 
  Interessam   para   a   Sociedade   Anónima,   porque   é   esta   que   tem   uma   estrutura   orgânica   complexa.   As   outras  
têm  uma  estrutura  tendencialmente  simples.  Nos  órgãos  derivados:    
 
1. Órgão  de  Administração  ou  Gestão;  
2. Órgãos  de  Controlo;  
 
2.1. Controlo  Contabilístico  (Auditores  ou  Revisores  Oficiais  de  Conta);  
2.2. Controlo  Político;  
 
2.2.1. Pura  Fiscalização;  
2.2.2. Supervisão.    
 
 
 
  Administração    
  Gestão   Controlo  
 
 
 
 
  Controlo  Polí“co   Controlo  Contabilís“co  
 
 
 
 
  Pura  Fiscalização  
 
 
 
 
Supervisão  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
 
 
 
Na   SA   há   uma   diferenciação   do   órgão   de   gestão   e   controlo   ao   abrigo   da   separação   de   poderes.   Dentro   dos  
órgãos   de   controlo,   há   uns   que   fazem   apenas   controlo   das   contas;   outros,   além   das   contas,   vão   determinar   se   os  
negócios   andam   a   ser   bem   feitos.   Dentro   destes,   do   controlo   político,   temos   os   que   têm   maiores   ou   menores   poderes.  
Além  disto,  há  que  ter  em  conta  os  que  têm  «mais  garras»  -­‐  além  do  poder  de  fiscalização,  podem  nomear  e  destituir  os  
administradores  e  de  participar  na  gestão.    
 
Aula  de  28  de  abril  de  2017  
Aula  pela  Daniela  Rodrigues  
 
Há  clivagem  terminológica  quanto  aos  conceitos;  há  quem  fale  em  fiscalização  e  não  em  controlo;  conceito  amplo  
de  fiscalização.  É  bastante  frequente  distinguir  controlo  político  e  meramente  contabilístico.    
 
A   segunda   subdivisão   que   opera   dentro   dos   órgãos   de   controlo   não   é   pacífica   na   Doutrina.   De   acordo   com   o  
Professor   e   RUI   PINTO   DUARTE,   há   uma   posição;   o   resto   da   Doutrina   defende   que   existem   os   órgãos   de   controlo   e  
fiscalização  política,  sem  distinguir  a  «supervisão»  da  «pura  fiscalização».    
 
O   professor   faz   esta   distinção,   porque   considera   que   é   importante   distinguir   órgãos   de   controlo   político   com  
poderes   reforçados,   maior   capacidade   de   controlo   político,   que   não   têm   poderes   de   mera   fiscalização,   mas   sim   outros  
que  ajudam  a  exercer  com  eficácia  a  função  de  fiscalização:  
 
1. Competência   de   Nomear   e   Destituir   os   Executivos   –   quem   nomeia   os   executivos.   Do   ponto   de   vista  
substantivo  de  direito  comparado,  tal  significa  nomear  ou  destituir  como  administradores  ou  operar  delegação  
de  poderes.  Atribui  bastante  força  ao  órgão  de  fiscalização  ou  controlo  político.    
 
2. Competência   ou   Poder   de   Participação   na   Gestão   -­‐   os   actos,   decisões   e   operações   de   gestão   mais  
importantes   devem   ser   levadas   ao   conhecimento   do   órgão   de   controlo  politico   para   que   este   as   autorize.  
Não  se  trata  de  uma  iniciativa  de  gestão  –   esta  cabe  sempre  aos  executivos   –,  mas  da  autorização  para  actos  de  
gestão  importantes.    
 
Nos  trabalhos  preparatórios,  o  legislador  germânico  reconheceu  que  ao  participar  em  determinadas  
decisões   de   gestão,   os   órgãos   de   controlo   político   perdem   distanciamento,   o   que   cria   menor   capacidade   de  
controlo   político   dos   executivos   que   já   estavam   nas   decisões   de   gestão.   Em   contraponto,   os   alemães   acharam  
que   sem   esta   participação   na   gestão,   o   órgão   de   controlo   político   ia   estar   aliado,   com   pouca   informação   e  
estava  reconduzido  a  um  controlo  meramente  contabilístico  ao  invés  de  controlo  político  efetivo.    
 
Os   portugueses   e   italianos,   que   não   criaram   órgãos   de   supervisão,   mas   sim   um   Conselho   de  
Fiscalização,   com   poderes   de   fiscalização   política,   não   obtêm   um   qualquer   efeito.   Com   esta   proximidade   à  
gestão,  os  alemães  criaram  órgãos  de  controlo  politico  que  acompanham  decisões  de  gestão,  efectivamente;  
têm   controlo   político   eficaz   –   a   teoria   da   separação   de   poderes   está   por   detrás   desta   ideia,   check   and  
balances.  O  órgão  de  supervisão  tem  estas  duas  competências,  de  participar  na  gestão,  e  de  destituir  órgãos  
executivos  (mecanismos  para  tornar  a  fiscalização  politica  efectiva).    
 
11.5. IDENTIFICAÇÃO  DOS  ÓRGÃOS  
 
Para  todos  os  tipos  societários,  existe  um  órgão  primordial  e  comum  –  a  Assembleia  Geral.  Trata-­‐se  de  um  órgão  
soberano,  constituído  pelos  sócios  e/ou  acionistas,  a  quem  compete,  “grosso  modo”,  a  formação  do  núcleo  essencial  
da  vontade  social,  a  eleição  e  destituição  dos  membros  dos  demais  órgãos  sociais,  as  alterações  estatutárias,  as  grandes  
operações  de  reorganização  da  estrutura  jurídica  (fusão,  cisão,  transformação,  agrupamento)  e  financeira  (aumento  e  
redução  de  capital  social),  e  a  dissolução  da  sociedade  comercial  (arts.  53º  e  ss,  189º,  248º,  270º-­‐E,  373º  e  472º,  CSC).    
 
Sociedades  em  Nome  Colectivo  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

  O   órgão   principal   é   o   Colégio   dos   Sócios   -­‐   órgão   originário   (191º).   Temos   ainda   a   Gerência,   para   além   dos  
sócios;  é,  por  isso,  o  segundo  órgão  principal,  mas,  pela  regra  do  191º,  percebemos  que  existe  uma  coincidência  entre  
os   sócios   e   os   gerentes,   daí   que   se   conclua   que   ainda   que   formalmente   haja   separação   orgânica   entre   sócios   e  
gerentes,  como  são  as  mesmas  pessoas,  esta  separação  orgânica  é  mais  insipiente,  há  pouca  complexidade  orgânica.    
 
Sociedades  por  Quotas  
 
  Mais   uma   vez,   temos   o   Colégio   dos   Sócios   e   a   Gerência   (252º   ss)   como   órgãos   principais.   A   complexidade  
tende  a  ser  superior,  porque  é  frequente  que  os  gerentes  não  sejam  sócios,  i.e.,  podem  ser  estranhos.  Há  uma  maior  
segregação   orgânica.   A   gerência   é   o   órgão   a   quem   compete   a   gestão   e   a   representação   da   sociedade,   podendo   ser  
composta  por  sócios  ou  terceiros,  e  funcionando,  em  regra,  conjuntamente  (252º  a  261º,  CSC).  
 
  Diz   o   art.   261º   que   a   gerência   pode   actuar   no   exercício   de   poderes/competências   externas   -­‐   a   vinculação  
externa   da   sociedade   –   e   em   deliberações   internas.   É   atribuída   maior   importância   ao   órgão   de   gerência  
comparativamente   com   as   sociedades   em   nome   coletivo.   A   lei   prevê   que   se   tomem   decisões   internas;   há   maior  
densidade  orgânica.    
 
  Admite-­‐se   ainda   a   criação   de   Conselho   Fiscal   –   órgão   de   controlo   político   de   pura   fiscalização   -­‐   de   acordo   com  
o  art.  262º,  mas  é  bastante  raro.    
 
 
 
 
Sociedades  Anónimas  
     
Tenho   sempre   o   Colégio   dos   Sócios   como   órgão   principal   sendo   que   os   órgãos   derivados   podem   estruturar-­‐se   de  
acordo   com   três   modelos   de   governação   –   importante   para   Corporate   Governance.   As   sociedades   anónimas   são,   de  
longe,   o   tipo   societário   dotado   de   uma   estrutura   orgânica   mais   complexa,   prevendo   actualmente   a   lei   três   modelos  
alternativos  de  organização  das  sociedades  anónimas  (278º).  
 
11.5.1. MODELOS  ALTERNATIVOS  DE  ORGANIZAÇÃO  DAS  SOCIEDADES  ANÓNIMAS  
 
Modelo  Tradicional    
Inventado  em  1867,  e,  há  quem  o  considere  latino.  
 
⇒ Nos  termos  do  art.  278º,  podemos  distinguir:  dois  órgãos  -­‐  o  Conselho  de  Administração  e  o  Conselho  Fiscal.  
 
O   Conselho   de   Administração   tem   poderes   de   gestão   (arts.   405º   e   406º);   o   Conselho   Fiscal   é   o   órgão   de  
controlo   político.   Se   olharmos   para   as   competências   do   Conselho   Fiscal   (art.   420º),   uma   delas   é   logo   fiscalizar   a  
administração   da   sociedade   (número   1   alínea   a)).   E   as   alíneas   seguintes   podem   ser   incluídas   nesta.   Não   tem   as  
competências   de   participar   na   gestão   ou   de   nomear   e   destituir   os   administradores   e,   por   isso,   é   que   é   de   pura  
fiscalização.    
 
O   Conselho   Fiscal   não   tem   competências   de   controlo   político   reforçado.   Temos   de   adoptar   aqui   a   distinção   de   RUI  
PINTO  DUARTE.  Os  órgãos  de  governo  são  o  Conselho  de  Administração,  enquanto  órgão  executivo,  e  o  Conselho  Fiscal,  
órgão   de   controlo   político.   A   Comissão   Executiva   não   é   obrigatória,   mas   na   prática   sociológica   é   frequente   (face   à  
tendência  de  informação  de  oligarquia).  Existe  a  lógica  de  concentração  do  poder  e  informação  nos  órgãos  superiores.  
Na  terminologia  do  professor,  é  possível  distinguir:  
 
⇒ O  modelo  tradicional  simples;  
⇒ O  modelo  tradicional  complexo  ou  estratificado:  temos  mais  um  órgão,  que  é  a  Comissão  Executiva.  
 
Passamos   a   ter   o   Conselho   Administrativo,   o   Conselho   Fiscal   e   a   Comissão   Executiva;   a   Doutrina   considera   que   isto  
altera  o  equilíbrio  de  forças:    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

o O  órgão  executivo  passa  a  ser  a  Comissão  Executiva,  que  detém  o  poder  executivo;  
o O  Conselho  de  Administração  passa  a  ser  apenas  um  órgão  de  controlo.    
 
Se  no  modelo  tradicional  complexo  estratificado,  o  maioritário,  a  Comissão  Executiva  é  o  órgão  de  gestão,  o  Conselho  
de  Administração  não  é  órgão  de  gestão,  mas  sim  de  controlo.    
 
{Crítica   modelo   tradicional   simples:   não   há   um   órgão   de   controlo   político   com   poderes   limitados,   não   há   um   órgão   de   pura  
fiscalização.  Crítica  modelo  complexo:  fiscal.  Existem  dois  órgãos  de  controlo,  logo  há  menor  controlo  porque  está  disperso}.    
 
Aplica-­‐se  o  modelo  anglo-­‐americano  se  quisermos  Governance  eficiente.    
Modelo  tradicional  complexo  se  quisermos  maior  assimetria  de  informação.    
 
Modelo  Anglo-­‐Americano    
Importação  Jurídica  em  Especial  da  Experiência  Norte-­‐Americana  
 
  O   art.   278º/1,   b),   fala   em   Conselho   de   Administração   e   Comissão   de   Auditoria.   Os   EUA   não   tinham   um  
modelo  de  governo  com  dois  órgãos:  executivo  e  de  supervisão.  Porém,  em  meados  do  século  passado  começaram  a  
perceber  que  talvez  devessem  mudar.  Os  estatutos  das  grandes  sociedades  norte-­‐americanas  começaram  a  prever  um  
regime   da   prática   dualista   e   a   partir   daqui   a   doutrina   norte-­‐americana   começou   a   teorizar   sobre   este   novo   modelo  
estatutário  dualista  criando  um  paralelismo  com  os  alemães.    
 
  Começaram  então  a  fazer  com  que  o  Board  of  Directors  assumisse  um  controlo  político  delegando  a  gestão  nos  
Officers,   CEO,   CFO   (executivos).   No   Board   podem   estar   administradores   e   gestores   que   são   também   executivos,   porém  
pode   fazer-­‐se   uma   clivagem   essencial   entre   os   executivos   –   officers   –   e   não   executivos   –   directors   que   não   são   officers.  
Ao   fazer   a   delegação   e   reservando   para   si   o   controlo   político,   aproximaram-­‐se   dos   alemães.   Impõe-­‐se   regras:   a   maioria  
no  Board  tem  que  ser  executivos  que  se  reúnem  separadamente,  são  por  isso  um  órgão  de  exclusivo  controlo.  Quem  
nomeia   os   executive   officers   é   o   Board.   Os   atos   de   gestão   mais   importantes,   na   prática,   são   discutidas   no   Board.   Os  
executivos  são  o  órgão  de  gestão  e  o  Board  são  o  órgão  de  controlo.    
 
  O  Conselho  de  Administração  é  um  órgão  de  controlo  e  a  comissão  de  auditoria  é  também  um  subórgão  de  
controlo,  o  órgão  de  gestão  é  a  comissão  executiva,  mas  não  diz  na  alínea  b).    
 
  O   art.   423º-­‐   B   é   uma   transposição   imperfeita   do   regime   norte-­‐americano,   os   membros   da   Comissão   de  
Auditoria   não   podem   exercer   funções   executivas.   Esta   é   um   subórgão   do   Conselho   de   Administração,   o   que   significa  
que  há  órgãos  do  Conselho  de  Administração  que  são  órgãos  da  Comissão  de  Auditoria.  A  lei  diz  que  aos  membros  da  
comissão  de  auditoria  é  vedado  exercer  funções  executiva,  mas  quem  as  exerce  é  o  Conselho  de  Administração,  a  não  
ser  que  delegue  os  poderes.  Interpreta-­‐se  então  o  numero  3  do  423º  no  sentido  de  ter  que  haver  delegação  de  poderes  
dentro  do  Conselho  de  Administração,  ou  seja,  determinados  membros  passam  a  ser  administradores  executivos,  para  
que  os  que  pertencem  à  comissão  de  auditoria  deixem  de  ser  administradores  executivos.  
 
 
 
  Administradores  executivos   Comissão  de  Auditoria  
  Delegam  na  comissão  de    Maioria  são  administradores  
  auditoria.   não  executivos,  independentes  
      das  finanças.  
  Comissão  de  executiva    
   Só  estes  têm  poder  executivo.   Administradores  Não  Executivos  
  Perdem  poder  executivo.  
 
 
 
 
I.e.,  nos  termos  do  405º,  o  Conselho  de  Administração  tem  competências  de  gestão,  este  é  que  tem  funções  executivas.  
Acrescenta  o  407º  que  grande  parte  destes  poderes  podem  ser  delegados,  nomeadamente  numa  Comissão  Executiva  
ou   administradores   executivos   individualmente,   sendo   o   caso   menos   frequente.   Assim,   temos   residualmente   a  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

delegação   na   Comissão   de   Auditoria.   Na   opinião   da   maioria   da   doutrina   o   423º-­‐B/3   devia   dizer   que   há   delegação   na  
Comissão  Executiva  para  os  poderes  executivos  estarem  apenas  nos  verdes  e  deixem  de  estar  nos  vermelhos,  membros  
da  Comissão  de  Auditoria.    
 
Nesta  modalidade,  são  órgãos  principais  o   Conselho  de  Administração  compreendendo  uma  Comissão  de  Auditoria,  
41
assim  como  uma  Comissão  Executiva ,  por  isso  a  maioria  da  doutrina  considera  que  este  art.  não  está  completo.  Este  
modelo   é   bastante   próximo   do   americano:   o   Conselho   de   Administração   é   um   órgão   de   controlo   político   como   um  
todo,  são  quem  nomeia  e  destitui  os  executivos,  sendo  a  Comissão  de  Auditoria  um  subórgão,  órgão  de  fiscalização.  A  
Comissão  Executiva  é  o  órgão  de  gestão.    
 
Modelo  Germânico    
Importação  do  Regime  Germânico  
 
  Na  sua  origem  baseia-­‐se  a  ideia  de  órgão  de  controlo  político  de  supervisão  com  competências  acrescidas  de  
modo  a  fazer  controlo  político  efectivo:  (1)  uns  são  «os  executivos»  que  se  encontram  no  Conselho  de  Administração  
Executiva/Administração,   (2)   por   contraponto,   outros   são   os   «não   executivos»,   e   estão   todos   nos   órgãos   de  
supervisão,  Conselho  de  Supervisão.  Isto  é  o  que  encontramos  no  art.  278º/1  c).    
 
Existe  ainda  o  Revisor  Oficial  de  Contas,  não  é  muito  importante,  faz  apenas  controlo  contabilístico.    
 
⇒ Executivos  –  Conselho  de  Administração;  
⇒ Não  Executivos  –  Conselho  de  Supervisão.    
 
A  nossa  importação  peca  em  dois  sentidos,  que  culminam  no  menor  reforço  dos  poderes:    
 
o Os  arts.  441º  e  425º  dizem  que  os  executivos  podem  ser  nomeados  pelos  órgãos  de  supervisão  e  pelos  sócios  
se   os   estatutos   assim   o   determinarem.   Na   Alemanha,   é   sempre   pelo   órgão   de   supervisão,   por   via   a   ter  
competência  reforçada.  Nós  temos  menos  poderes  reforçados.  
 
o Em  relação  ao  poder  de  participação  na  gestão,  os  alemães  veem  esta  participação  na  gestão  de  três  formas:  
(1)   estatutos   estabelecem   que   determinados   poderes   têm   que   ter   autorização   do   órgão   de   supervisão;   (2)  
quando   o   órgão   de   supervisão   no   seu   regulamento   interno   assim   o   determinar;   (3)   e   quando   o   órgão   de  
supervisão  o  determinar  ad  hoc.  Em  Portugal,  de  acordo  com  o  442º,  é  só  através  dos  estatutos  que  o  órgão  
tem  intervenção.  Em  Portugal  há  um  menor  reforço.      
 
  Em   rigor   não   são   três   modelos   mas   sim   cerca   de   nove,   pois   olhando   para   o   art.   278º,   em   especial   o   número   4,  
5  e  6,  vemos  que  podem  haver  pequenas  alterações  aos  modelos,  i.e.,  submodalidades.    
 
Relevância  dos  Estatutos  
 
  Como   ainda   agora   se   viu,   dada   a   natureza   imperativa   dos   modelos   sociais,   os   estatutos   sociais   não   poderão  
estipular   a   inexistência   de   órgãos   sociais   obrigatórios   nem   criar   modelos   orgânicos   atípicos   ou   mistos,   além   de,   em  
certos   casos,   deverem   mesmo   optar   expressamente   por   um   dos   modelos   alternativamente   predispostos   pela   lei  
(272º/g))   e   278º).   Como   é   evidente,   a   liberdade   de   conformação   estatutária   dos   sócios   em   sede   de   organização  
societária  termina  onde  as  normas  imperativas  do  legislador  societário  começam.    
 
12. COMPETÊNCIAS  DO  CONJUNTO  DOS  SÓCIOS  
 
12.1. SOCIEDADES  ANÓNIMAS  
 
Colégio  dos  sócios  têm  essencialmente  competências  internas,    
Pontualmente  há  competências  com  o  exterior.    
 
                                                                                                                       
41
 Não  tem  que  ser  necessariamente  uma  comissão  executiva,  podem  nomear  apenas  3,  por  exemplo,  e  estes  não  criarem  um  órgão  
colegial.  Não  é,  contudo,  a  prática,  porque  assim  não  são  obrigados  a  reunir  e  explicar  o  que  estão  a  fazer.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

12.1.1. COMPETÊNCIA  DE  DESIGNAÇÃO  DOS  ÓRGÃOS  DERIVADOS  (COMPETÊNCIA  EXTERNA)  |  ART.  252º    
 
o Designação  de  gerentes  [podem  ser  designados  nos  estatutos,  fora  esses  casos,  são  designados  pelos  sócios]  -­‐  391º;  
o Designação  dos  administradores  das  sociedades  anónimas;  
o Criação  dos  membros  do  Conselho  Fiscal  –  415º;  
o Nomeação  dos  membros  do  Conselho  de  Auditoria  -­‐  423º-­‐C;    
o Nomeação  dos  membros  do  Conselho  Geral  e  de  Supervisão  -­‐  435º;  
o Nomeação  do  Secretário  da  Mesa  da  Assembleia  Geral  -­‐  446º;  
42
o Os  administradores  executivos  podem  ser  designados  pelos  sócios,  se  estiver  no  estatuto  -­‐  425º .    
 
12.1.2. ALTERAÇÃO  ESTATUTÁRIA  (COMPETÊNCIA  INTERNA)  |  ART.  85º.    
 
Temos   ainda   as   normas   que   estabelecem   maiorias   qualificadas   para   as   alterações   estatutárias:   265º  
(sociedades  anónimas)  e  383º  e  386º  (sociedades  por  quotas).  
 
12.1.3. APRECIAÇÃO  PERIÓDICA  DA  SITUAÇÃO  DA  SOCIEDADE  (COMPETÊNCIA  INTERNA)    
 
o Prestação  de  contas:  
o Na  sociedade  por  quotas  é  o  246º;  
o Nas  sociedades  anónimas  é  376º.    
 
12.1.4. AFECTAÇÃO  DOS  RESULTADOS  (COMPETÊNCIA  INTERNA)  
 
o Contas  do  ano  passado;  
o Orçamento  do  ano  seguinte  –  arts.  246º  e  376º.  
 
12.1.5. COMPETÊNCIA  DE  GESTÃO  (COMPETÊNCIA  INTERNA)    
 
o Nas  sociedades  por  quotas  (246º/2  alínea  c)  e  b)),  está  previsto  que  os  sócios  possam  deliberar  sobre  matérias  
de  gestão,  porque  a  gerência  não  tem  competências  exclusivas;  
 
o Nas  sociedades  anónimas  há  competência  exclusiva  de  gestão  por  parte  do  Conselho  de  Administração.    
 
A   maioria   da   doutrina   interpreta   o   373º/3   no   sentido   de   os   sócios   não   terem   competência   de   gestão   nas  
sociedades   anónimas,   mas   há   quem   entenda   que   não   é   assim   –   concepção   moderna   de   sociedade   anónima:   a  
sociedade   anónima   deve   ser   seguida   com   eficácia   de   gestão,   não   é   uma   democracia.   Os   sócios   não   podem   tomar  
decisões  e  gestão.    
 
⇒ Os  autores  portugueses  que  adoptam  a  posição  minoritária  têm  ideologia  de  esquerda  mais  intensa.    
 
A  posição  de  ENGRÁCIA  ANTUNES  e  de  PEDRO  CAETANO  NUNES  é  de  que  o  poder  exclusivo  de  gestão  é  em  rigor  uma  
iniciativa  exclusiva  de  gestão,  isto  porque  as  grandes  decisões  de  gestão  são  sempre  levadas  ao  sócio.  Temos  o  exemplo  
da   fusão;   logo,   não   é   exclusivo   do   Conselho   de   Administração,   os   sócios   têm   uma   palavra   a   dizer   nestas   grandes  
decisões,   não   há   exclusividade   de   gestão   em   rigor   técnico,   mas   sim   de   iniciativa   da   gestão.   A   ideia   não   é   a   da   não  
intervenção   dos   sócios   nas   decisões   de   gestão;   o   que   é   proibido   é   que   os   sócios   tomem   a   iniciativa   de   exteriorizar  
instruções  aos  gestores  –  iniciativa  de  gestão.  Pode  ter  que  exigir  autorização  dos  sócios,  em  áreas  importantes  como  
alterações  estruturais,  mas  não  pode  tomar  iniciativa.    
 
Noção  de  Gestão    
 
  Em   grande   medida,   a   maioria   das   decisões   dos   sócios   também   relevam   da   gestão.   Pense-­‐se   no   exemplo   da  
fusão  –  as  grandes  alterações  estatutárias  são  da  competência  dos  sócios,  como  é  o  caso  da  competência  de  fusão.  Esta  
matéria   também   tem   relevo   de   gestão.   Assim,   deve   distinguir   se   são   decisões   estruturais   de   gestão,   que   pertencem  

                                                                                                                       
42
 Estão  a  contratar  pessoas  para  terem  vínculo  obrigacional  com  a  sociedade,  daí  ser  competência  em  rigor  externa.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

aos   sócios   ou   se   são   competências   de   gestão   não   tão   estruturais,   as   quais   pertencem   apenas   ao   Conselho   de  
Administração.  Mas  todas  elas  são  competências  de  gestão.    
 
Querela  doutrinária  –  é  possível  que  os  estatutos  estabeleçam  que,  além  das  fusões,  há  outras  matérias  que  exigem  o  
«sim   final»   dos   sócios?   PEDRO   CAETANO   NUNES   e   MENEZES   CORDEIRO   entendem   que   sim   –   é   possível   que   os   estatutos  
alarguem   a   competência   dos   sócios   para   matérias   de   gestão   estruturais.   Especialmente,   nas   sociedades   anónimas  
fechadas,  faz  todo  o  sentido  alargar  o  leque  de  matérias  de  gestão  sujeitas  à  aprovação  dos  sócios.    
 
Instruções  versus  Autorização    
 
Autorização  -­‐  os  administradores  tomam  a  iniciativa,  mas  aquilo  ainda  tem  de  passar  pelos  sócios;  
Instruções  -­‐  a  iniciativa  é  dos  sócios,  o  que  regra  geral  não  sucede.    
 
Ainda   a   propósito   do   373º/3,   alguma   doutrina,   entre   eles   o   Professor   e   MENEZES   CORDEIRO,   discute   até   que  
ponto  os  estatutos  podem  prever  que  é  necessária  uma  autorização  dos  sócios  para  a  prática  de  determinados  actos  
nas  SA.  E  discute-­‐se  ainda  se  as  decisões  que  podem  ser  prejudiciais  aos  sócios  podem  não  precisar  da  sua  autorização.    
 
12.2. SOCIEDADES  POR  QUOTAS  
 
  A   este   propósito   temos   o   art.   261º:   competência   interna   e   externa   dos   gerentes.   Quando   se   fala   em  
«vinculada»,  abordamos  a  competência  externa  e  deliberações  de  competência  interna.    
 
⇒ Há  vários  gerentes  e  os  poderes  externos  são  exercidos  conjuntamente;  
⇒ Declaração  negocial  conjunta  maioritária.  Se  forem  dois  gerentes,  têm  que  assinar  os  dois.    
No  acto  conjunto  atua  um  determinado  conjunto  de  pessoas,  todos  no  mesmo  sentido;  já  nas  deliberações,  cada  um  
vai  no  seu  sentido;  visa  possibilitar  várias  opiniões  –  alternativa  dialética  do  voto.  O  processo  de  formação  do  negócio  
jurídico  admite  a  divergência,  o  que  não  se  admite  nestas  declarações  conjuntas  maioritárias.    
 
Liberdade  Estatutária:    
 
• Os   estatutos   podem   estabelecer   um   número   inferior   de   assinaturas   para   a   vinculação,   porque   isso   não   origina  
problemas  para  os  terceiros;  
 
• Mas   e   se   os   estatutos   estabelecerem   um   número   superior   de   assinaturas   para   que   haja   vinculação,   também   é  
possível?  Maioria  da  Doutrina  diz  que  sim,  desde  que  de  tal  haja  publicidade  do  registo  comercial;    
 
• Pode  haver  referência  nominal  a  um  gerente?  (P.e.,  se  for  o  Joaquim  a  intervir,  ele  pode  assinar  sozinho)  –  isto  
também  é  possível,  desde  que  inscrito  no  registo  comercial.    
 
  A   assinatura   de   um   único   gerente,   apesar   de   haver   vários,   é   admitida   por   alguma   jurisprudência,   mas   tal   é  
contra  legem  –  1ª  Directiva  de  Coordenação.    
 
  O  regime  do  261º  é  supletivo,  podem  estabelecer-­‐se  regras  diferentes  através  dos  estatutos.  Quais  regras?    
 
⇒ É   possível   a   vinculação   de   um   numero   inferior   à   maioria   –   não   há   problemas   para   os   terceiros,   maior  
protecção  quanto  mais  fácil  for  a  vinculação  da  sociedade.    
 
⇒ E  um  número  superior  à  maioria?  A  maioria  da  doutrina  diz  que  sim,  desde  que  esteja  publicitado  no  registo  
comercial.  TEIXEIRA  DOS  SANTOS  considera  que  não.    
 
⇒ É   possível   a   referência   nominal   a   um   gerente?   Sim,   desde   que   haja   publicidade   registral:   o   X   intervém   sempre  
(protecção  de  terceiros).    
 
  Quanto   à   delegação   do   poder   de   representação,   ao   abrigo   do   261º/2   é   possível   fazer   a   delegação   apenas   a   1,  
i.e.,   ao   nível   interno   2   delegam   1   e   só   esse   vincula   a   sociedade.   Do   ponto   de   vista   conceptual   pode   distinguir-­‐se   os  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

poderes   de   representação   originários   dos   delegados.   Esta   credencial   tem   uma   estrutura   analítica   semelhante   a   uma  
procuração.    
 
  Ainda   a   propósito   da   vinculação   nas   sociedades   por   quotas,   o   art.   246º/c)   estabelece   que,   salvo   disposição  
estatutária   em   contrário,   a   alienação   ou   oneração   de   imóveis   ou   de   estabelecimento,   depende   de   deliberação   dos  
sócios.  Temos  aqui  uma  querela,  sendo  que,  parte  da  doutrina,  considera  que  isto  limita  os  poderes  dos  gerentes  ou  
que  limita  meramente  os  poderes  internos.    
 
Parte  da  doutrina  considera  que  limita  externamente.  Para  o  Professor  e  COUTINHO  DE  ABREU,  estas  limitações  têm  efeito  
meramente  interno,  i.e.,  quando  dois  gerentes  vendem  um  imóvel  sem  terem  perguntado  aos  sócios  se  concordam,  a  
venda  é  eficaz,  pois  a  exigência  da  deliberação  dos  sócios  tem  efeitos  meramente  internos,  não  afecta  a  competência  
externa  e  o  poder  de  deliberação.    
 
  Assim,  será  esta  uma  norma  com  efeito  externo  ou  meramente  interno?    
 
o COUTINHO  DE  ABREU:  não  há  limitação  da  vinculação  externa;  
 
o RAUL  VENTURA:  há  limitação  da  vinculação  externa;  
 
o PEDRO  CAETANO  NUNES:  a  fusão,  por  exemplo,  está  elencada  no  nº1  do  246º,  ou  seja,  corresponde  ao  núcleo  das  
deliberações  que  injuntivamente  cabem  aos  sócios.  Diferentemente,  as  deliberações  referidas  no  246º/2  (em  
que   se   insere   a   alienação   e   oneração   de   imóveis)   não   são   injuntivas,   pelo   que   não   devem   repercutir-­‐se   na  
esfera  externa  da  sociedade.    
 
 
Aula  de  2  de  maio  de  2017  
 
  A   norma   legal   de   referência   é   o   art.   261º   do   CSC.   A   regra   supletiva,   sem   prejuízo   dos   estatutos   o   poderem  
fazer,   aponta   para   um   regime   de   vinculação   através   da   actuação   da   maioria   dos   gerentes.   Ainda   na   aula   passada,   a  
liberdade  de  estatuição  –  vinculação  com  um  número  superior  {problemática  doutrinária}.  Foi  ainda  feita  referência  à  
nomeação   do   gerente   [só   é   vinculado   se   assinado   por   A,   p.e.].   Olhámos   ainda   ao   art.   262º,   da   possibilidade   de  
delegação  do  poder  de  representação;  e  para  o  art.  246º/2,  que  refere  a  competência  dos  sócios,  a  qual  se  discute  se  é  
uma  competência  que  vai  limitar  a  deliberação  dos  gerentes  ou  se  tem  apenas  um  limite  interno,  não  interferindo  na  
gerência.  ENGRÁCIA  ANTUNES  defende  que  é  uma  competência  puramente  interna.  
 
Competência  Interna  (ou  Poder  de  Administração/Gestão)  
 
⇒ Ao  contrário  das  SA,  em  que  os  administradores  têm  uma  competência  exclusiva  de  gestão;  nas  SQ,  os  
gerentes   ou   a   gerência   não   têm   quaisquer   poderes   exclusivos.   A   consequência   prática:   os   sócios  
podem  dar  instruções  aos  gerentes;  podem  tomar  a  iniciativa  de  gestão,  dando  instruções.    
 
⇒ O   art.   261º   é   um   artigo   complexo   do   qual   resultam   várias   normas   jurídicas   –   sobre   a   competência  
quer   externa,   quer   interna.   Quando   se   fala   nas   deliberações   por   maioria,   o   legislador   estabelece   uma  
regra   sobre   a   competência   interna   (distinta   da   que   fala   da   externa   ou   da   vinculação   da   sociedade  
através   da   actuação   dos   gerentes).   Os   votos   da   maioria   são   a   competência   interna.   Aos   olhos   de  
COUTINHO  DE   ABREU,  num  podes  deliberativo  ou  decisório.  As  decisões  são  adoptadas  por  maioria  dos  
gerentes  por  via  da  deliberação.  Pormenor:  neste  contexto,  faz  sentido  não  falar  apenas  na  actuação  
dos  gerentes,  mas  também  nas  decisões  da  gerência  enquanto  subjectividade  jurídica.    
 
⇒ É   possível   uma   delegação   da   competência   interna.   É   uma   delegação   interna   que   não   visa   apenas  
atribuir   o   poder   externo   de   actuação   a   um   dos   gerentes,   mas   o   poder   interno   de   tomar   decisões  
sobre  certas  matérias.  Não  tem  grande  relevância  nas  SQ,  porque,  em  princípio,  a  Sociedade  é  mais  
pequena   e,   assim   menos   complexa.   Em   estruturas   muito   grandes,   a   distribuição   das   competências  
decisórias  é  relevante.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
P.e.,  numa   mercearia   em   que   a   decisão   é   vender   o   imóvel,   é   uma   decisão   que   apenas   se   adopta   uma  
vez  na  vida.  Já  numa  multinacional,  é  diferente,  pode  ser  algo  mais  comum.    
 
Sociedades  Anónimas  |  Arts.  408º  e  406º  
 
Competência  Externa  (ou  Poder  de  Representação)  |  Art.  408º  
 
  A   regra   supletiva   é   também   a   regra   da   actuação   conjunta   maioritária   –   existe   uma   declaração   negocial  
conjunta   da   maioria   dos   administradores   (se   forem   dois,   duas   assinaturas;   se   forem   cinco,   serão   três).   A   sociedade   fica  
vinculada  pelos  negócios  assinados  pela  maioria.    
 
  Jurisprudência   contra   legem   –   tem   relevância   neste   ponto.   I.e.,   a   ideia   de   que   basta   uma   assinatura   para  
vincular   uma   sociedade   anónima.   O   regime   legal   não   é   esse   {foi   debatido   em   aula   prática   de   apresentação   de  
acórdãos}.  
 
  Os   Conselhos   de   Administradores   podem   ser   compostos   por   muitos   administradores.   Neste   caso,   imaginando,  
p.e.,  que  existem  20  administradores  –  a  empresa  só  ficaria  vinculada,  se  aplicando  a  regra  supletiva,  se  presentes  mais  
de  10  administradores  (ou  assinaturas).  Ora,  a  logística  é  complicada,  pelo  que  dentro  das  SA  têm  de  haver  mecanismos  
que  facilitem  este  ponto.  Assim,  admite-­‐se  que  os  estatutos  possam  delimitar  um  número  por  baixo.  P.e.,  «bastam  dois  
administradores  e  o  Presidente».    
 
⇒ Já   sabemos   que   a   cláusula   estatutária   pode   colocar   um   número   inferior.   Mas   e   for   superior?   A  
Doutrina,   e   a   Jurisprudência   têm   considerado   que   não   (i.e.,   a   inadmissibilidade   desta   cláusula  
supramaioritária).   O   Professor   acrescentou   que   nem   faria   sentido,   na   medida   em   que   se   já   é   difícil,  
43
em  termos  logísticos,  garantir  esta  maioria,  quanto  mais  pedir  um  valor  acima  dessa  maioria .    
 
Por   último,   é   possível   a   referencia   nominal   a   um   administrador?   P.e.,   fica   vinculado   com   a   assinatura   de   A.   COUTINHO  DE  
ABREU   defende   que   não   é   admissível   nas   SA;   a   maioria   da   doutrina   defende   que   é   admissível   a   referencia   nominal,  
desde  que  não  seja  afastada  como  alternativa,  a  regra  supletiva  legal.  I.e.,  é  possível  que  os  estatutos  estabeleçam  isto,  
desde  que  a  Sociedade  também  se  possa  vincular  pela  assinatura  da  maioria,  tal  como  previsto  no  art.  408º.    
 
Delegação   da   Competência   Externa   –   há   uma   grande   clivagem   doutrinária,   que   opõe   o   Professor   PEDRO   CAETANO   NUNES  
e  os  Professores  COUTINHO  DE  ABREU  e  Alexandre  Sobral  Martins  (Escola  de  Coimbra).    
 
Segundo   PEDRO   CAETANO   NUNES,   é   possível,   nos   termos   normais,   uma   delegação   do   poder   de   representação   –   que   opere  
através   das   chamadas   credenciais   (papel   em   que   os   administradores   em   numero   suficiente   para   vincular   a   sociedade   –  
ou  seja,  a  maioria  -­‐,  opere  essa  delegação  =  assine).    
 
Em   todo   o   caso,   a   lei,   quando   foi   feita,   nos   trabalhos   preparatórios,   não   facilita   muito   esta   possibilidade.   É   esta   a  
segunda  clivagem  doutrinária.   SOBRAL  MARTINS  e  COUTINHO  DE  ABREU  defendem  uma  ideia  que  joga  melhor  com  a  letra  da  
lei.   O   art.   408º/2   aponta   para   a   ideia   de   que   há   delegação   da   competência   interna   (do   poder   decisório),   sendo   que,  
quando   tal   se   verifica,   também   se   admite   que   exista   delegação   da   competência   externa.   O   administrador   fica  
simultaneamente  com  o  poder  de  decidir  e  de  vincular  a  sociedade.  P.e.,  o  poder  decisório  em  matérias  financeiras  é  
delegado  no   CFO,  sendo  que  este,   ao  abrigo  do  art.  408º/2,  pode,  além  de  decidir,  vincular  a  Sociedade.  De  acordo  com  
esta  interpretação,  as  credenciais  já  não  seriam  admissíveis  (como  defendido  na  primeira  querela).    
 

                                                                                                                       
43
 Do  ponto  de  vista  prático,  isto  não  tem  tendência  para  acontecer.  É  apenas  um  caso  de  escola.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
   
  COMPETÊNCIA  
 
 
 
  Externa   Interna  
 
 
 
  Poder  de   Poder  de  
  Representação   Administração  
 
 
 
Vinculação  da   Decisório  ou  
  Sociedade   Delibera“vo  
 
 
 
 
Para   SOBRAL   MARTINS   e   COUTINHO   DE   ABREU,   quando   há   um   administrador   delegado   a   nível   de   competência   interna,   o  
mesmo   também   estará   delegado   a   nível   de   competência   externa.   P.e.,   se   tinha   a   competência   para   decidir   de   um  
contrato  com  um  serralheiro,  então  também  podia  assinar  esse  contrato.    
 
Ex.:   imaginando   que   se   tinham   de   deslocar   a   Londres,   em   época   de   Natal.   Tiram   à   sorte   e   sai   B.   Todos   os  
administradores   decidiram   vender   o   imóvel,   mas   tiraram   à   sorte   quem   ia   executar   a   venda   do   imóvel.   O   poder  
decisório   não   é   delegado;   ou   seja,   na   competência   interna   (não   delegado)   e   na   competência   externa   (delegado).   É  
diferente   o   exemplo   anterior.   A   questão   é   determinar   se   pode   existir   um   administrador   delegado   que   iria   com   uma  
credencial   até   Londres.   A   Escola   de   Coimbra   não   autorizava   esta   situação,   porque   na   leitura   literal   do   art.   408º,   só   se  
permite,   nas   SA,   uma   delegação   do   poder   de   vinculação   mimética,   ou   seja,   quando   há   delegação   da   competência  
interna,   existe,   automaticamente,   uma   delegação   de   competência   externa   {só   há   poder   de   vinculação   –   i.e.,   poder   de  
representação  -­‐  se  existir,  numa  primeira  fase,  a  delegação  do  poder  decisório  –  i.e.,  poder  de  administração};  não  é  possível  o  
44
recurso  a  credenciais.  O  Professor  defende  que  não  devemos  seguir  a  letra  da  lei.  
 
Competência  Interna  (ou  Poder  de  Administração/Gestão)  |  Art.  406º  
 
⇒ É  de  recordar  o  art.  373º/3.  Na  aula  passada,  falámos  da  competência  dos  sócios,  tendo  sido  dado  um  
exemplo  de  competências  em  matéria  de  gestão.  Nas  SQ,  os  sócios  têm  plena  competência  de  gestão,  
mas   nas   SA,   esta   competência   é   limitada,   na   medida   em   que   os   gerentes   têm   algumas   reservas.  
Assim,  e  nas  SA,  os  sócios  têm  algumas  competências,  embora  limitadas.  Têm  competência,  p.e.,  nas  
fusões,   porque   são   questões   estruturais   de   gestão.   Por   regra,   não   tomam   decisões   em   matéria   de  
gestão  nas  SA  e  não  podem  dar  ordens  aos  administradores.  O  reflexo:  o  Conselho  de  Administração  
tem   iniciativa   exclusiva   de   gestão   nas   SA.   Ou   seja,   a   primeira   grande   consequência   prática   –   os   sócios  
não   podem   dar   instruções   aos   administradores   e,   se   houver   uma   decisão   por   parte   destes,   não   é  
vinculativa.  
 
⇒ Não   sendo   possíveis   instruções   dos   sócios,   são   possíveis   autorizações   que   condicionem   as   decisões  
dos   Conselhos   de   Administração?   A   maioria   tende   a   dizer   que   é   admissível   [PEDRO   CAETANO   NUNES,  
ENGRÁCIA   ANTUNES,   MENEZES   CORDEIRO;   COUTINHO   DE   ABREU   é   contra,   a   não   ser   nas   Sociedades   de   tipo  

                                                                                                                       
44
 É  de  notar  que  a  relação  entre  “aligeirar”  e  “criar  cautelas”,  i.e.,  também  não  se  deve  chegar  ao  ponto  de  pedir  apenas  uma  única  
assinatura  para  a  vinculação.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

germânico].  Os  estatutos  podem  estabelecem,  p.e.,  em  matérias  que  se  consideram  importantes  para  
a  sociedade,  que  o  Conselho  de  Administração  não  pode  decidir  e  executar  de  imediato,  tendo  que,  
45
primeiro,  pedir  a  autorização  aos  sócios  (autorização  para  execução  a  nível  externo).    
 
Advertência:   estamos   no   âmbito   da   competência   interna.   Se   falha   a   autorização,   mas   os   administradores  
praticam   na   mesma   o   acto   externo,   não   há   qualquer   vício,   na   medida   em   que   estes   têm   efectivamente  
competência   externa.   Não   devemos   confundir   as   coisas.   A   consequência   jurídica   é   invalidar   a   decisão   interna;  
responsabilidade   ou   até   a   demissão   dos   administradores;   nunca   é   a   invalidade   do   acto   praticado   pela  
administração.  As  consequências  serão  sempre  internas,  nunca  terão  afectação  externa.    
   
⇒ Nas   SA   de   modelo   germânico   (Conselho   de   Administração   Executivo   e   Conselho   Geral   de   Supervisão),  
o   CGS   tem   poderes   de   participação   na   gestão.   Estes   poderes   funcionam   através   da   necessidade   de  
uma   autorização   do   CGS   para   determinados   actos   de   gestão.   Nas   SAMG,   a   autorização   não   será  
concedida  pelos  sócios,  mas  pelo  CGS.    
 
⇒ Em   suma:   as   instruções   não   são   admissíveis;   mas   é   possível   que   existam   autorizações   que  
condicionem  as  decisões  do  Conselho  de  Administração.  Aqui  há  uma  pequena  clivagem:  (1)  autores  
que   defendem   que   a   necessidade   de   autorização   pelos   sócios   é   válida;   (2)   autores   que   defendem   que  
tal  não  é  passível  de  acontecer,  a  menos  que  se  trate  de  uma  SA  de  tipo  germânico,  através  do  CGS.    
 

O  art.  410º/7  determina  a  necessidade  da  tomada  de  decisões  por  maioria  dos  votos  dos  administradores  presentes.    
 
Delegação  da  Competência  Interna  –  há  duas  formas  de  delegação:  (1)  ampla;  (2)  restrita.  A  lei  não  usa  a  terminologia  
discriminada,  mas  antes  no  “encargo  especial”,  correspondente  à  deliberação  restrita  [número  1  do  art.  407º];  e  ainda  
na   “delegação”,   correspondente   à   deliberação   ampla   [número   3   do   art.   407º].   O   professor   defende   a   «ampla   e  
restrita».    
 
  O   encargo   especial   é   uma   forma   de   delegação,   na   opinião   do   Professor   {atenção,   na   medida   em   que   Coutinho  
de  Abreu  não  adopta  a  posição  do  Professor,  pelo  que  pode  criar  confusões  na  leitura  do  manual}.  A  organização  das  
grandes  empresas  vai  ao  encontro  do  que  o  Professor  sustenta.    
 
Como  se  distingue  a  delegação  ampla  e  a  delegação  restrita?  
 
a. Por  um  lado,  extensão  das  matérias  delegadas  –  a  delegação  ampla  permite  delegar  mais  matérias;  
b. A  delegação  ampla  permite  estratificação  orgânica  (criação  de  Comissão  Executiva).    
A  estratificação  orgânica  só  é  possível  na  delegação  ampla.  O  art.  407º/2  e  4  determinam  que  não  podem  ser  delegadas  
as   matérias   elencadas   nas   alíneas   do   art.   406º.   No   art.   407º/2   –   delegação   restrita   –   temos   como   limite,   todas   as  
matérias  elencadas  no  art.  406º;  no  art.  407º/4,  são  apenas  algumas  alíneas.    
 
Para  além  do  limite  legal  do  elenco  de  matérias  do  art.  406º,  também  não  é  possível  delegar  matérias  que  não  sejam  de  
gestão  corrente.  O  legislador  não  foi  muito  claro,  mas  interpretando  a  lei:  
 
1. Cláusula  geral  que  proíbe  as  delegações  de  matérias  não  correntes;  
2. Limite  legal  do  art.  406º.    
 
A   cláusula   geral,   por   maioria   de   razão,   também   vale   para   a   delegação   restrita.   Se   é   restrita,   tem   menor  
extensão  de  matérias  delegáveis.  Se  na  ampla  não  se  pode  ultrapassar  a  gestão  corrente,  então,  por  maioria  da  razão,  
também  não  se  pode  na  restrita.    
 
                                                                                                                       
45
  P.e.,   multinacional   que   todos   os   dias   vende   inúmeros   imóveis   –   nesta   SA,   não   faz   sentido   que   tenha   de   pedir   autorização,   na  
medida  em  que  é  algo  comum,  pacífico  de  acontecer  todos  os  dias,  pelo  que  essa  autorização  seria  um  entrava  ao  funcionamento.  
Contudo,  se  fosse  uma  empresa  de  menor  dimensão,  em  que  a  venda  do  imóvel  teria  impactos  maiores,  aí  já  seria  viável.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Na   delegação   restrita,   todas   as   alíneas   do   art.   406º   tratam   de   matérias   que   não   podem   ser   delegadas.   Na  
prática,   as   matérias   relevantes   são   as   identificadas   de   a)   a   m).   A   competência   decisória/deliberativa   tem   de   ficar   no  
pleno  do  CA,  não  podendo  ser  dada  a  determinado  administradores  delegados.  Na  delegação  ampla,  as  alíneas  e),  g),  
h),  i)  e  j)  já  são  passíveis  de  delegação.  São  matérias  delegáveis  no  regime  da  delegação  ampla.    
 
O  legislador  estabelece  uma  cláusula  geral  para  dificultar  a  vida  dos  agentes  económicos  e  para  que  os  juristas  
possam   valorizar   os   seus   serviços.   Na   opinião   do   Professor,   depende   da   dimensão   e   do   tipo   de   empresa.   A   cláusula  
geral  depende  do  caso  concreto,  mas  há  que  ter  em  conta  a  delimitação  do  conceito  de  gestão  corrente.    
 
Ex.:  estabelecimento  (delimitação)  do  sistema  de  controlo  interno.  Os  administradores  executivos  têm  de  estabelecer  o  sistema  de  
controlo   interno   ao   longo   dos   diferentes   patamares   da   empresa   –   saber   o   que   os   colaboradores   fazem   e   quais   os   riscos   da   sua  
actuação.   É   um   exemplo   de   gestão   que   não   se   trata   de   gestão   corrente.   Na   opinião   do   Professor,   é   uma   matéria   de   gestão   não  
corrente,  a  par  da  planificação  e  da  nomeação  dos  colaboradores  de  topo,  pelo  que  não  pode  ser  delegada.    
 
  A   estratificação   orgânica   opera   uma   mudança   muito   importante   na   estrutura   de   Governo   –   assimetria   de  
poder   e   assimetria   de   informação.   quando   se   cria   mais   um   patamar   da   estrutura   orgânica,   p.e.,   uma   Comissão  
Executiva,  faz-­‐se  com  que  o  poder  e  a  informação  se  concentrem  nessa  estrutura  de  topo,  criando  as  assimetrias  face  
aos  outros  órgãos.  
 
⇒ A  delegação  ampla  só  é  possível  caso  seja  admitida  pelos  Estatutos  (art.  407º/3);    
46
⇒ A  delegação  restrita  é  sempre  possível,  a  não  ser  que  os  estatutos  a  proíbam.  
 
{O  modelo  tradicional  estratificado  fazia  com  que  a  Comissão  Executiva  passasse  a  ser  um  órgão  de  administração.}    
 
  A  lei  prevê  outros  dois  modelos  (além  do  tradicional),  nos  arts.  423º  e  ss.  Os  arts.  406º  e  407º  valem  para  o  CA  
do  modelo  anglo-­‐americano.  O  art.  423º-­‐B/3  proíbe  o  exercício  de  funções  executivas  pelos  membros  da  Comissão  de  
Auditoria,   pelo   que   se   conclui   que   a   lei   exige   uma   delegação   de   competências   no   modelo   anglo-­‐americano.   Este  
modelo   está   mal   explicado   pelo   legislador.   Ao   determinar   que   o   exercício   é   proibido,   indirectamente,   exige   a  
delegação.    
 
Conselho  de  Administração  =  conjunto  de  administradores;    
Comissão  Executiva  =  subórgãos  que  integra  o  Conselho  de  Administração;  
Comissão  Executiva  e  Comissão  de  Auditoria  =  Conselho  de  Administração.    
 
Ou   seja,   além   de   serem   parte   do   Conselho   de   Administração,   são   também   parte   da   Comissão   Executiva.   No  
organigrama   abaixo,   temos   10   administradores,   sendo   que   cinco   deles   fazem   parte   da   Comissão   Executiva,   um   faz  
parte   da   Comissão   de   Auditoria,   e   os   outros   três   estão   apenas   no   Conselho   de   Administração.   Mas   em   caso   de  
deliberação  do  CA,  tem  de  haver  uma  maioria  quanto  aos  10  administradores.    
 
 
  A   cinzento,   temos   o   Conselho   de   Administração,   sendo   que,  
  dentro   deste,   temos   a   Comissão   Executiva   e   Comissão   de  
  Auditoria.  Todos  os   administradores   que  estão  quer  numa,  quer  
  noutra  Comissão,  estão  no  CA,  pelo  que,  em  caso  de  deliberação,  
todos  têm  de  votar.    
 
 
 
 
 

                                                                                                                       
46
  Se  os  estatutos  nada  disserem,  é  possível  a  delegação  restrita,  mas  não  a  ampla,  ou  seja,  não  é  possível  a  estratificação  orgânica  
com  a  criação  de  uma  Comissão  Executiva,  e  a  delegação  das  matérias  das  alíneas  e),  g)  h),  i)  e  j)  do  art.  406º.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Aparentemente,   de   acordo   com   a   letra   da   lei,   este   regime   não   se   estenderia   ao   modelo   germânico.   É   errado.   O  
Professor  considera  que  não  se  aplica  a  delegação  ampla  com  estratificação  orgânica,  mas  pode  aplicar-­‐se  a  delegação  
restrita  ou  na  matéria  da  ampla,  desde  que  não  exista  estratificação  orgânica.    
 
  Do   ponto   de   vista   prático,   há   ainda   uma   matéria:   mesmo   que   se   crie   uma   Comissão   Executiva   (não   no   modelo  
germânico,   onde   tal   não   é   possível   –   para   os   modelos   tradicional   e   anglo-­‐americano),   faz-­‐se   uma   distribuição   de  
pelouros  dentro  da  Comissão  Executiva,  correspondendo  isso  a  mais  uma  delegação  de  competências.    
 
13. DEVERES  DOS  ADMINISTRADORES  
 
  Os  sócios,  enquanto  tais,  não  têm  deveres.  Falamos  de  deveres  dos  órgãos  derivados.  Há  uma  ressalva:  nas  SC,  
os   sócios,   em   princípio,   também   são   gerentes   e,   como   tal,   têm   deveres.   Iremos   começar   por   falar   dos   deveres   em  
sentido  amplo,  i.e.,  a  responsabilidade  dos  órgãos  de  gestão  (incluindo  também  os  gerentes).  No  segundo  momento,  
falaremos  dos  deveres  dos  órgãos  de  controlo  {tema  frequente  em  exame  final}.    
 
⇒ Distinção  dos  deveres  gerais  e  deveres  específicos  –  a  lei  utiliza  o  termo  «dever  fundamental»  como  sinónimo  
do  dever  geral  (art.  64º  do  CSC).  Os  deveres  gerais  ou  fundamentais  são  dois:  
 
⇒ O  dever  de  cuidado,  diligência,  administração  ou  gestão  [o  professor  prefere  a  terminologia  gestão];  
⇒ O  dever  de  lealdade.  
 
O  professor  considera  que  o  dever  de  gestão  é  um  dever  primário  de  prestação  e  o  dever  de  lealdade  é  um  
dever  acessório  de  conduta,  decorrente  da  boa-­‐fé.  A  lealdade,  neste  contexto  fiduciário,  é  mais  intensa  do  
que   nas   relações   obrigacionais,   pelo   que   se   aproxima   da   fidelidade.   O   Professor   considera   e   salvaguarda  
ainda  que  os  deveres  específicos  podem  ser  entendidos  como  episódios  ou  decorrências  dos  deveres  gerais.    
 
Ex.:  proibição  de  concorrência  para  gerentes  e  administradores  –  é  uma  manifestação  do  dever  de  lealdade.  
Ou  seja,  é  uma  manifestação  do  dever  legal.    
 
Ex.:   quando   a   lei,   pontualmente,   determina,   em   caso   de   fusão,   que   os   administradores   têm   de   celebrar  
escritura  pública  e  levá-­‐la  ao  registo  comercial,  está  a  determinar  deveres  específicos  que  decorrem  do  dever  
de  gestão.    
 
 
O  Dever  de  Gestão  
 
  É  considerado  como  uma  prestação  de  serviço,  segundo  PEDRO   CAETANO   NUNES  e  MENEZES   CORDEIRO.   COUTINHO  DE  
ABREU  tem  maior  dificuldade  em  enquadrar  desta  forma.    
 
⇒ Prestações   de   Meio   e   Prestações   de   Resultado   –   é   essencial   distinguir,   com   consequências,   sobretudo,   em  
sede   de   ónus   de   prova.   No   caso   do   dever   de   gestão,   trata-­‐se   de   uma   prestação   de   resultado.   O   CCiv   não  
distingue,   e   todo   o   regime   está   pensado   para   as   prestações   de   resultado.   As   prestações   de   meios   são   uma  
descoberta  feita  pela  Doutrina  Francesa,  mas  continuam  fora  da  lei  nacional.  Na  preparação  daquilo  que  será  
um  CCiv  Europeu,  já  constam.  A  distinção  interessa  a  vários  níveis,  mas  sobretudo  em  dois:    
 
⇒ Distribuição  do  ónus  da  prova;  
⇒ Incumprimento  das  obrigações.  
 
Nas  prestações  de  resultado,  a  mera  ausência  de  resulta  altera  o  ónus  da  prova.  Será  o  devedor  quem  fica  com  
o   ónus   de   provar   todos   os   elementos   que   afastem   a   sua   responsabilidade.   Na   responsabilidade   obrigacional,   temos  
cinco  elementos  da  responsabilidade  civil,  mas  de  forma  mais  forçada.  I.e.,  quando  há  uma  prestação  de  resultado,  a  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

ausência   desta   faz   presumir   que   há   a   violação   de   um   dever,   da   ilicitude,   da   culpa,   e   até   mesmo   o   dano   tende   a   ser  
presumido.  Na  prática,  fica  quase  tudo  do  lado  do  devedor.    
 
Nas   prestações   de   meio,   não   faz   sentido   aplicar   o   mesmo   regime,   na   medida   em   que   não   há   um   resultado  
incito  à  própria  prestação  que  sirva  de  critério  para  operar  aquela  distribuição  de  ónus  da  prova.  P.e.,  a  prestação  do  
médico   é   uma   prestação   de   meio   e   não   de   resultado.   A   vida   ou   a   morte   não   são   resultados   do   médico,   ou   seja,   se  
acontecer   este   resultado   a   meio   do   processo,   não   se   pode   presumir,   desde   logo,   que   há   violação   do   dever.   P.e.,   o  
insucesso  empresarial  não  é  um  resultado,  porque  se  assim  fosse,  o  resultado  seria  o  sucesso  ou  insucesso.  Contudo,  
este  sucesso  ou  insucesso  não  faz  parte  da  prestação.  Tem  que  diligenciar  pelo  sucesso,  mas  não  deve  a  obtenção  desse  
sucesso.    
 
A  lei,  no  art.  64º/1,  a),  tem  uma  estrutura  complexa.  «Devem  observar  deveres»  é  desde  logo  estranho.  E  mais,  
«revelando»  e  «empregando»,  também  são  deveres.  Quanto  aos  «deveres  de  cuidado»,  o  Professor  prefere  que  se  use  
o   termo   gestão,   na   medida   em   que   cuidado   não   concretiza   muito.   Do   ponto   de   vista   técnico-­‐jurídico,   é   importante  
reter  e  fazer  a  ponte  com  o  art.  487º  do  CCiv,   por  remissão  do  art.  799º  do  CCiv   (critério  do  bom  pai  de  família).   Os  critérios  são  a  
diligência   do   tráfego   naquele   contexto   profissional.   Destas   ideias   resulta   que   o   bom   pai   de   família   é,   por   regra,  
profissional.  O  que  resulta  do  art.  64º/1,  a)  é,  essencialmente,  uma  exigência  de  profissionalismo.    
 
A  propósito  da  diligência  do  bom  pai  de  família  –  corolário  práticos:    
 
47
a. Os  executivos  têm  que  ser  profissionais  no  seu  pelouro ;  
48
b. Os  não  executivos  têm  que  ter  um  profissionalismo  mínimo ;  
49
c. Mesmo  que  não  seja  executivo,  se  tiver  conhecimentos  técnicos,  têm  que  ser  competente  
 
Aula  de  5  de  maio  de  2017  
 
O   art.   64º   do   CSC   faz   referência   a   dois   deveres:   (1)   deveres   de   cuidado;   (2)   deveres   de   lealdade.   Esta  
enunciação   é   fraca,   pelo   que   devemos   falar   de   dois   conjuntos   de   deveres.   É   o   dever   de   diligência,   administração   e  
gestão;   e   o   dever   de   lealdade,   no   sentido   de   fidelidade.   Nos   trabalhos   preparatórios   da   lei,   também   se   encontram  
expressões  como  gestão  e  administração.  A  verdade  mais  próxima  é  que  são  sinónimos,  versam  todos  sobre  a  mesma  
coisa.      
 
Deveres   Gerais   ou   Fundamentais   versus   Deveres   Específicos   –   é   muito   frequente   que   se   faça   esta   distinção   pela  
Doutrina.  A  expressão  mais  frequente  é  a  de  deveres  gerais.  
 
Ex.:  proibição  de  concorrência  –  dever  específico  dos  administradores  (arts.  254º  e  298º/3).  Não  passa  da  manifestação  
do  dever  de  lealdade.    
 
Ex.:  regras  sobre  o  mecanismo  de  fusão  entre  empresas  –  quando  há  uma  deliberação  dos  sócios  no  sentido  de  aprovar  
a  fusão,  os  administradores  ou  gerentes  têm  o  dever  de  celebrar  escritura  pública,  e  de  a  levar  a  registo  predial.  Estes  
são  deveres  específicos,  meras  decorrências  ou  concretizações  do  dever  de  cuidado  ou  de  gestão.    
 
⇒ Estes  deveres  específicos  –  tendencialmente  -­‐,  são  reconduzíveis  aos  deveres  gerais  (o  sintético  e  analítico).  Em  
análise  do  direito,  deve  perceber-­‐se  a  natureza  do  dever  em  causa  para  o  reconduzir  a  um  dever  geral.    
 
Todos  os  deveres  específicos  abordados  ao  longo  do  código  vão  ser  reconduzidos  aos  deveres  gerais,  pelo  que  interessa  
o  estudo  a  fundo  dos  deveres  gerais,  em  primeira  instância.    
 

                                                                                                                       
47
 Têm  que  ter  um  profissionalismo  correspondente  ao  pelouro  que  assistem.  Se  é  CFO,  p.e.,  tem  que  ter  conhecimentos  financeiros.  
48
 Capacidade  de  controlo  financeiro  e  conhecimento  da  actividade  social.    
49
 Mesmo  que  não  tenha  competência  subjectiva  (não  objectiva),  tem  competência  técnica.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

O   Professor   tem   a   tendência   de   reconduzir   estes   dois   deveres   gerais  –   gestão   e   lealdade   -­‐   à   teoria   geral   das   obrigações  
(tradição  germânica).  O  dever  de  cuidado  é  uma  prestação  de  serviço;  é  um  dever  acessório  de  prestação;  e  o  dever  de  
lealdade  é  um  dever  acessório  de  conduta.  Em  direito  das  obrigações  entende-­‐se  que  o  vínculo  que  une  o  credor  ao  seu  
devedor   é   um   vínculo   complexo,   que   se   diversifica   noutros   ramos:   i.e.,   dever   primário   de   prestação   e   deveres  
acessórios  à  obrigação  principal  (art.  762º/2  do  CCiv  –  as  partes  devem  observar  os  ditames  da  boa-­‐fé  –  o  conceito  geral  
de  boa-­‐fé  é  a  base  para  a  descoberta  dos  deveres  acessórios  de  conduta).    
 
  Este  dever  de  lealdade  está  no  inverso  do  art.  762º/2  do  CCiv.  Não  é  consagrado  no  CCiv,  na  medida  em  que  
tem  um  dispositivo  especifico  (art.  64º  do  CSC),  mas  tem  um  dever  próximo  deste  corolário  de  boa-­‐fé.  Há  quem  diga  
que  este  dever  de  lealdade  é  fiduciário,  i.e.,  é  mais  intenso.  Não  se  fala  da  propriedade,  mas  da  parte  contratual.  Não  
dos   direitos   reais,   mas   dos   contratos   que   têm   elementos   fiduciários   {desproporção   dos   meios   face   aos   fundos   –   risco   de  
abuso  de  poder}.  É   possível   que   uma   parte   da   Doutrina   defenda   que,   por   ser   tão   mais   intenso,   não   corresponde   à   boa-­‐fé  
do  art.  762º/2  do  CCiv.  Há  outra  parte  da  Doutrina  que  defende  que  é  uma  opção  de  grau  [posição  do  Professor].    
 
50
  Quer  seja  mais  intenso,  quer  seja  uma  “coisa”  diferente,  em  todo  o  caso,  é  um  dever  acessório  de  conduta .    
 
Dever  de  Gestão    
 
  {continuação}.   Quer-­‐se   comparar   esta   bitola   de   diligência   com   a   bitola   do   bom   pai   de   família   do   CCiv.   Além  
desta   referência   à   diligência,   são   de   observar   certas   palavras   que   constam   da   alínea   b)   ao   art.   64º.   O   tema   do  
«interesse  social»  vem,  por  opção  do  legislador,  a  propósito  do  dever  de  lealdade.    
 
[de  volta  à  matéria]  
 
História  de  Marquês  –  este  dito  marquês,  por  sucessão,  foi  nomeado,  com  6  meses,  membro  de  administração  de  um  
Banco.   Quando   chegou   aos   30   anos,   o   banco   foi   a   insolvência,   e   tentaram   responsabilizar   os   diversos   membros,  
incluindo   o   marquês.   Este,   desde   que   tinha   sido   nomeado,   aos   6   meses,   nunca   tinha   ido   a   uma   reunião.   Desta   feita,   foi  
absolvido,  porque  naquela  altura,  os  administradores  não  tinham  de  mostrar  tanta  diligência.  É  um  paradigma  negativo  
daquilo  que  é  a  diligência  dos  administradores.    
 
História   da   uma   senhora   norte-­‐americana   –   sociedade   que   cobrava   os   prémios   de   seguros   e   entregava   às   seguradoras.  
A  empresa  tinha  sido  criada  pelo  marido,  mas  essa  sempre  foi  administrativa  na  empresa.  O  marido  faleceu  e  deixou  
dois  filhos,  sendo  que  estes  ficaram  a  encabeçar  a  empresa.  A  senhora  ficou  alcoólica.  Na  sequencia  disto,  um  dos  filhos  
ficou   com   o   dinheiro   todo   e   deixou   a   senhora   com   as   dívidas.   Esta   foi   responsabilizada,   como   forma   de   conseguir  
executar   o   património   criado   pelo   marido.   Foi   o   paradigma,   ou   precedente,   que   inverteu   a   regra   da   história   anterior.   A  
senhora,  no  caso  em  apreço,  tinha  de  ter  tomado  padrões  de  diligencia  mínimos  (reuniões;  conhecimentos  mínimos  da  
sociedade;  e  o  mínimo  de  conhecimentos  financeiros).    
 
Existem  três  concepções  sobre  o  interesse  social,  sendo  que  este  tema  releva,  em  primeiro  lugar,  nos  deveres  
dos  administradores  (art.  64º).  Contudo,  para  os  académicos,  também  é  relevante  nas  deliberações  abusivas  dos  sócios.  
Um  dos  critérios  para  definir  se  uma  deliberação  é  abusiva,  é  se  vai  além  do  interesse  social.    
 
Conceito  de  Interesse  Social  para  Efeitos  de  Responsabilidade  dos  Administradores  
 
51
• Monismo  –  share  holder  value,  ou,  na  gíria,  o  valor  accionista ;  
                                                                                                                       
50
  Há   quem   defenda   que   esta   lealdade   é   algo   diferente   da   boa-­‐fé   do   art.   762º/2   do   CCiv.   E,   por   outro   lado,   há   quem   defenda   que   se  
trata  apenas  de  uma  questão  de  grau,  não  tendo  de  ser  necessariamente  diferente.    
51
 Só  para  criar  vantagens  aos  accionistas,  i.e.,  maximizar  os  lucros  para  os  accionistas.  Em  contrapartida,  no  pluralismo,  vão  ser  tidos  
em   conta   também   os   credores,   os   trabalhadores.   Na   segunda   perspectiva,   não   se   vai   criar   ou   maximizar   o   lucro   apenas   para   os  
sócios.  Num  ponto  intermédio,  temos  o  valor  accionista  iluminado  –  dar  um  bocado  mais  aos  trabalhadores,  a  longo  prazo,  cria  valor  
para  os  accionistas  (alinham-­‐se  interesses  e  todos  progredirmos).  Contudo,  o  Professor  considera  que  esta  última  perspectiva  não  é  
certa,  na  medida  em  que  é  uma  forma  de  perseguir  interesses  de  vários  –  dissimulação  dos  interesses.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

• Pluralismo  –  stake  holder  value  –  criação  de  valor  para  todos  aqueles  que  orbitam  em  torno  da  empresa;  
52
• Institucionalismo  –  empresa  em  si  (instituição  empresarial  –  os  administradores  seguem  o  interesse  desta) .  
 
  Em   termos   legais,   o   legislador   parece   estar   a   apostar   numa   posição   intermédia   entre   o   monismo   e   o  
pluralismo.   É   um   pouco   mais   os   sócios,   mas   olhando,   um   pouco,   para   os   credores   e   trabalhadores.   Na   opinião   do  
Professor,  em  rigor  técnico,  é  pluralismo,  porque  não  se  fala  apenas  em  accionistas.  Não  é  o  nosso  legislador  que  tem  
tendências   de   política   de   Esquerda,   sendo   que   isto   também   acontece   em   países   como   EUA   e   UK   (acolhem   soluções  
semelhantes).    
 
⇒ É  difícil  concretizar  a  conduta  de  um  administrador  com  base  na  ideia  de  prosseguir  um  interesse  social.  Mas  
não   dá   para   fugir   muito   a   esta   abstracção.   Em   cada   caso   concreto,   cada   decisão   de   gestão   é   uma  
singularidade.  Portanto,  não  é  possível  esclarecer  o  que  cada  administrador  deve  fazer  na  vida  social.    
 
⇒ Há  deveres  de  prestação  mais  complexos  (ex.:  prestações  de  serviço  com  complexidade  técnica)  que  carecem  
de  se  determinar  qual  é  o  interesse  a  prosseguir.  Para  delimitar  a  prestação,  é  preciso  saber  o  fim.    
 
Em  análise  económica  –  muito  liberal,  com  pressuposto  utilitarista  (mão  invisível  de  mercado:  há  ganhos  para  
todos   se   forem   seguidos   os   interesses   de   todos)   –,   chama-­‐se   a   atenção   para   que   a   generalidade   dos   stake  
holders  têm  contratos  com  a  sociedade  e  recebem  valores  fixos.  Em  contraponto,  os  sócios  são  detentores  de  
pretensão   residual.   Se   a   gestão   for   má,   o   sócio,   o   último   a   receber   o   dinheiro,   já   não   vai   receber   nada.   Em  
contrapartida,  se  a  gestão  for  boa,  vai  conseguir  pagar  aos  credores  e  afins,  e  receber  ainda  uma  quantia.  A  
gestão  da  empresa  deve  ser  deixada  na  mão  dos  sócios.  É  o  argumento  que  modela  a  arquitectura  das  leis.    
 
Isto   não   funciona   bem   em   proximidade   de   insolvência.   É   a   história   da   roleta   russa:   na   proximidade   de  
insolvência  deixam  de  haver  capitais  próprios;  os  sócios,  se  quiserem  distribuir  os  dividendos,  já  não  recebem  
nada,   sendo   que   o   passivo   vale   tanto   como   o   activo.   Os   sócios   passam   a   ter   uma   pretensão   para   realizar  
comportamentos   abusivos   –   incentivo   para   se   portarem   mal.   Como   já   perderam   tudo,   fazem   apostas   de  
gestão   arriscada   –   se   as   apostas   correrem   bem,   recebem   bastante;   se   correrem   mal,   não   perdem   nada,   na  
medida  em  que  já  não  tinham  nada,  ou  seja,  quem  perde,  são  os  credores.  Há  uma  externalização   absoluta   do  
risco  dos  credores.  “Se  calhar  a  bala”,  já  não  será  para  o  sócio,  mas  para  o  credor.  Assim,  os  deveres  devem  
levar  a  que  em  caso  de  insolvência,  o  interesse  a  salvaguardar  seja  o  dos  credores,  e  não  o  dos  sócios.    
 
[PER:   processo   especial   de   revitalização.   Colocou-­‐se   o   processo   de   recuperação   de   empresas   fora   da   insolvência.  
Começa-­‐se  o  mecanismo  de  recuperação  da  empresa.  Mas  o  enquadramento  é  sempre  o  mesmo:  a  base  legal  do  art.  
64º  do  CSC  e  a  lógica  da  roleta  russa  –  salvaguarda  do  interesse  do  credor].    
 
  Isto  faz  sentido  para  as  grandes  sociedades  anónimas.    
 
Dever  de  Legalidade  |  Existe  ou  Não?    
 
  Segundo   o   PEDRO   CAETANO   NUNES,   o   dever   de   legalidade   não   é   um   dever   autónomo.   Quando   se   fala   em  
legalidade,  não  se  fala  de  um  dever  legal  específico  imposto  aos  administradores.  É  a  legalidade  externa,  i.e.,  deveres  
que   a   lei   vai   impor   à   própria   Sociedade   (p.e.,   não   pode   haver   corrupção).   Estes   deveres   de   legalidade   externa  
importam,  na  medida  em  que  são  os  administradores  que  fazem  com  a  sociedade  cumpra  ou  viole  os  seus  deveres.      
 
Há  duas  formas  de  enquadrar:  
 
1. PEDRO  CAETANO  NUNES  –  não  é  um  dever  autónomo,  é  apenas  um  aspecto  do  dever  de  gestão.  Gerir  a  sociedade  
implica  que  os  administradores  não  deixem  com  que  a  Sociedade  pratique  crimes;  
 
                                                                                                                       
52
 Enquanto  realidade  sociológica.  Têm  que  ser  criadas  vantagens  para  a  empresa.  O  Professor  considera  que  é  difícil  saber  o  que  é  a  
empresa.  A  empresa  não  existe  sobre  a  perspectiva  de  colher  utilidades,  i.e.,  este  critério  serve  para  esconder  o  jogo.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

2. Outra  parte  da  Doutrina  defende  que  existem  os  três  deveres,  i.e.,  o  dever  de  gestão,  o  dever  de  lealdade  e,  
por  fim,  o  dever  de  legalidade  (autónomo).  
 
O  Professor  considera  ainda  que  o  dever  de  gestão  se  divide  em  cinco  elementos:    
 
• Risco  na  Gestão  ou  Risco  Empresarial  (primeira  componente  é  a  adopção  deste  risco);  
 
  Coutinho   de   Abreu   defende   que   há   um   dever   de   diminuição   do   risco   empresarial.   Pedro   Caetano   Nunes  
defende   que   esse   dever   de   diminuição   não   existe.   Isto,   em   contexto   de   responsabilidade   dos   administradores,   é  
relevante.    
 
• Obtenção  de  Informação  (no  processo  de  decisão  empresarial);  
 
  Obter   a   informação   no   momento   prévio;   no   percurso   decisório.   Neste   contexto,   fala-­‐se   em  
procedimentalização  da  gestão  –  além  de  os  administradores  decidirem  bem,  devem  fazê-­‐lo  de  forma  cuidadosa.  É  a  
análise  do  processo,  i.e.,  é  um  dever  procedimental.    
 
• Planificação  Empresarial;  
 
Corresponde  à  gestão  planeada.  
 
• Organização;  
 
Organização  por  Departamentos  e  delegação  de  tarefas.  
 
• Vigilância.  
 
Havendo   várias   delegações   de   tarefas,   tem   de   haver   vigilância.   Existe   também   a   par   da   obtenção   de  
informação.  A  vigilância  é  uma  matéria  central,  distingue-­‐se  em  vigilância:  (1)  vertical  e  (2)  horizontal.  
 
Os   executivos,   exercem   uma   vigilância   vertical   sobre   os   patamares   inferiores   da   empresa,   ou   seja,   sobre   os  
colaboradores  e  os  trabalhadores.  E  os  não  executivos,  exercem  uma  vigilância  horizontal  sobre  os  executivos.      
 
A  informação  circula  no  sentido  inverso.  A  horizontal  é  mais  sintética,  a  vertical  é  mais  intensa.    
A  propósito  deste  tema  vamos  falar  da  delegação  de  poderes.  
 
A  vigilância  pontual  existe  quando  o  administrador  dá  conta  de  um  problema  e  tem  de  reagir  pontualmente.  A  
vigilância   sistémica   é   baseada   em   fluxos   de   informação.   os   administradores   não   podem   estar   à   espera   que   os  
problemas  surjam  pontualmente  à  sua  frente.  Têm  de  requerer  informação  para  irem  verificando  se  não  há  problemas.    
 
  Temos   ainda   o   ponto   da   delegação   de   poder   –   não   interessa   muito   para   as   SQ.   Esta   distinção   vertical   e  
horizontal   interessa   é   para   as   SA.   Convoca   o   art.   407º   do   CSC.   O   pressuposto   base   é   a   distinção   entre   competência  
externa  e  interna.  A  delegação  externa  é  a  do  art.  408º/2.  A  delegação  de  poderes  opera  uma  bifurcação  dos  deveres  
dos  administradores  –  i.e.,  vem  regulado  no  art.  407º/8.  Por  força  desta  delegação,  é  um  negócio  jurídico  complexo,  
que  altera  os  poderes  –  as  competências  –  e  os  deveres.    
 
Os  administradores  delegados  ficam  com  a  gestão  activa  (em  rigor  já  tinham  face  a  dadas  matérias,  mas  agora  ficam  
mais  intensa);  os  delegantes  passam  a  ter  um  mero  dever  de  vigilância,  deixando  de  ter  dever  de  gestão  activa.    
 
1. Administradores  Delegado:  
1.1. Gestão  Activa  dos  Cinco  Elementos;  
1.2. Alteração  dos  Poderes  (Competências)  e  dos  Deveres.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
2. Administradores  Delegantes:  
2.1. Já  não  têm  de  tomar  decisões  sobre  as  matérias;  
2.2. Têm  de  vigiar  se  estão  a  ser  tomadas  as  decisões  correctas,  se  não  há  conflito  de  interesses;  
2.3. O  número  8  do  art.  407º  trata  da  vigilância  horizontal  dos  não  executivos  em  relação  aos  executivos.    
 
Esta  matéria  convoca  a  distinção  entre  executivos  e  não  executivos.  A  delegação  de  poderes  é  um  tema  central  
convocado  a  este  prepósito.  Convoca  ideias  das  matérias  anteriores:  a  delegação  de  poderes  opera  uma  bifurcação  dos  
deveres  dos  administradores  (art.  497º/8).    
 
A   delegação   é   um   negócio   jurídico   complexo,   que   altera   os   poderes   e   os   deveres.   A   alteração   de   deveres  
ocorre   quando   os   administradores   delegados   ficam   com   a   gestão   activa   (sobretudo   mais   intensa   –   porque   na   prática   já  
o  eram);  os  administradores  delegantes  passam  a  ter  um  mero  dever  de  vigilância.    
 
Os   delegantes   deixam   de   ter   um   dever   de   gestão   activa.   Já   não   têm   de   tomar   decisões   sobre   as   matérias,   mas  
antes   vigiar:   se   não   há   conflito   de   interesses,   se   a   gestão   é   correta,   entre   outros   aspectos.   Esta   vigilância   do   407º/8   é   a  
vigilância  horizontal.  Dos  não  executivos  em  relação  aos  executivos.    
 
O  artigo  407º/8  é:    
EXE  ←  NEX.    
 
Isto   implica   a   adoção   de   risco   empresarial,   a   obtenção   de   informação,   a   planificação   empresarial,   organização,  
vigilância  vertical  (aqueles  cinco  critérios).    
 
 
 
Comissão  Executiva  
 
Conselho  Fiscal  
 
 
 
 
 
 
 
Modelo  Tradicional  Simples  [MTS]   Modelo  Tradicional  Estratificado  [MTE]  
 
Modelo  Anglo-­‐Americano  [MAA]*  
 
 
*  O  MAA  é  igual  ao  TEM,  com  a  particularidade  de  não  ter  Conselho  Fiscal.    
Ø Neste   1º   modelo   há   poder   executivo   em   todos:   todos   eles   tem   de   fazer   a   gestão,  a   obtenção   de   informação   e  
os  outros  elementos  elencados;  em  relação  a  todas  as  matérias  da  empresa.    
 
Ø Neste   2º   modelo,   é   criada   Comissão   Executiva   (os   três).   Toda   a   gestão   corrente   é   delegada   na   Comissão  
Executiva  (nas  matérias  em  que  o  foram  –  porque  há  sempre  matéria  em  que  não  é),  é  que  vão  fazer  aqueles  cinco  
critérios.   E   os   a   verde   vão   passar   a   ser   os   não   executivos;   fazem   uma   vigilância   horizontal   em   relação   ao  
trabalho  dos  a  preto.  
 
  Isto   tem   a   ver   com   a   delegação   ampla   (art.   407º/3).   O   art.   408º   apenas   remete   para   o   art.   407º/3.   Uma  
questão   que   se   levanta   na   Doutrina   é   a   de   saber   se   esta   bifurcação   também   vale   para   a   delegação   restrita.   PCN  
considera  que  a  bifurcação,  apesar  da  letra  da  lei,  tem  de  jogar  para  todas  as  formas  de  delegação.  Já  COUTINHO  DE  ABREU  
tem  uma  posição  no  sentido  contrário,  mas  não  é  muito  claro.    
 
A   vigilância   horizontal   também   é,   no   fundo,   o   controlo   político.   Corresponde,   no   fundo,   à   supervisão.   A   lei  
utiliza   diferentes   terminologias.   No   art.   408º   utiliza   o   termo   «vigilância»;   noutros   fala   de   fiscalização.   A   Doutrina  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

considera  que  esta  vigilância  horizontal  é  controlo  político  de  um  órgão  de  poder.  A  vertical,  em  contrapartida,  diverge.  
Quando  se  diz,  no  art.  407º/8  de  vigilância  horizontal,  é  vigilância  da  gestão  –  é  controlo  político.      
 
Delegação  Restrita    
 
• Modelo  Tradicional  Estratificado:  
 
Temos  um  Conselho  de  Administração  e  um  Conselho  Fiscal;  e  é  criada  uma  Comissão  Executiva  (i.e.,  delegação  ampla).  
Os  que  pertencem  a  esta,   são   os   executivos,   enquanto   os  que  ficam  no  Conselho  de  Administração  são   não   executivos.  
Neste  caso,  os  administradores  que  não  pertencem  à  Comissão  Executiva,  exercem  uma  vigilância  horizontal  sobre  os  
que  pertencem  à  CE.  Mesmo  dentro  da  CE,  podem  ser  distribuídos  pelouros  (delegação  restrita).  
 
• Modelo  Tradicional  Simples:    
 
A   delegação   restrita   nunca   implica   criar   a   Comissão   Executiva.   Não   há   delegação   ampla   numa   Comissão   Executiva,   mas  
pode  haver  delegação  restrita  dentro  do  Conselho  de  Administração.    
 
P.e.,  existe  uma  delegação  em  que  um  passa  a  ser  CEO  e  outro  CFO,  sendo  que  o  terceiro  domina  as  relações  laborais.  
São   as   únicas   delegações   de   competência   que   existem   (ao   abrigo   do   art.   407º/1).   Ou   seja,   os   outros   deixam   de   ser  
encarregues?   Deixam   de   ter   vigilância   activa?   Passam   a   exercer   vigilância   horizontal?   O   Professor   defende   que   se  
aplica,  na  mesma  o  art.  407º/8,  ficando  a  exercer  a  vigilância  horizontal.  
 
PEDRO   CAETANO   NUNES  e  FERREIRA   GOMES  defendem  que  se  aplica  na  mesma  o  art.  407º/8,  pelo  que  os  outros  só  
têm  de  exercer  uma  vigilância  horizontal.  Há  então  aqui  um  dever  de  vigilância  horizontal  dos  outros  administradores  
que  não  ficaram  com  certo  pelouro  sobre  o  administrador  que  ficou  com  esse  pelouro.    
 
COUTINHO  DE  ABREU  diz  que  é  a  mesma  coisa  para  todos:  todos  têm  de  decidir  e  assim.    
 
• No  Modelo  Germânico:    
 
Esses   são   só   executivos.   Todos   têm   de   ter   funções   executivas.   Não   pode   haver   nenhum   que   passe   a   ser   um   Non  
Executive,  Director.  Não  pode  haver  uma  estratificação  acrescida,  não  pode  haver  uma  Comissão  Executiva.  Os  fluxos  
de  informação  são  sempre  os  mesmos.    
 
• No  Mundo  dos  Negócios:    
 
  Mesmo   quando   há   uma   Comissão   Executiva,   dentro   desta,   há   distribuição   de   pelouros.   P.e.,   o   CFO   tem  
vigilância  vertical  sobre  o  Departamento  Financeiro  e  o  CEO  sobre  o  Departamento  Laboral.  Não  se  misturam  e  a  lei  não  
diz  nada  sobre  isto,  o  que  é  estranho.  No  primeiro  momento,  há  uma  delegação  ampla  na  Comissão  Executiva  e,  num  
segundo   momento,  há  uma  delegação  dentro  da  Comissão   Executiva.  Há  dois  níveis  de  delegação.  Cada  executivo  tem  
o  pelouro  que  lhe  cabe,  não  dominando  todas  as  matérias  da  empresa.    
 
O  art.  407º  está  na  parte  do  Código  que  regula  o  Modelo  Tradicional.  Aos  olhos  do  legislador,  o  MG  não  admite  
delegações.   Ou   seja,   não   se   aplica   directamente   o   art.   407º;   mas   aplica-­‐se   com   as   devidas   adaptações:   não   se   pode  
criar  uma  Comissão  Executiva  e  todos  têm  de  ser  executivos.  Todos  têm  de  ter  os  seus  pelouros.  Neste  caso,  continuam  
todos  a  ser  executivos,  mas  cada  um  tem  o  seu  Departamento.  Há  uma  gestão  activa  do  seu  Departamento.  Não  há,  em  
sentido  estrito,  vigilância  horizontal,  mas  supervisão  de  outro  órgão.  A  vigilância  horizontal,  no  fundo,  é  um  controlo  
político,  ainda  que  não  seja  um  órgão  autónomo.    
 
Os   não   executivos   têm   interesse   em   controlar;   mas   os   que   têm   de   ser   controlados,   vão   dar   a   menor  
quantidade  possível  de  fluxos  de  informação.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

No   contencioso   societário,   as   situações   de   responsabilidade   dos   administradores   estão,   essencialmente,  


ligadas  à  não  obtenção  de  informação  antes  de  decidir;  e  à  má  gestão.  
 
Business  Judgment  Rule  |  Art.  72º/2  
 
  É  uma  regra  de  protecção  dos  administradores  de  inspiração  norte-­‐americana.  Distinguem  Standard  of  Care  do  
Standard  of  Review.  A  lei  exige  que  os  administradores  tenham  as  melhores  práticas,  mas,  em  tribunal,  o  critério  do  juiz  
é   mais   fraco,   por   via   a   proteger   os   administradores   de   iniciativa   empresarial.   Ratio   Legis:   não   indução   de   aversão   ao  
risco  empresarial.  Se  há  muitos  processo  de  RAdm  nos  Tribunais,  os  Administradores  vão  ficar  contagiados  e  não  vão  
querer  adoptar  riscos.  Assim:  
 
Standard  of  Care  e  Standard  of  Review  –  difere  entre  a  responsabilidade  civil  e  o  dever  de  indemnização.  No  contexto  
de  responsabilidade,  provada  a  violação  de  dever,  há  exclusão  de  responsabilidade  se  verificados  alguns  pressupostos.  
O  standard  of  review  funciona  como  uma  cláusula  de  exclusão  da  responsabilidade  obrigacional.  Os  pressupostos:    
 
o Não   pode   haver   actuação   com   interesse   pessoal   –   não   pode   haver   conflitos   de   interesses,   actuação  
desleal;  
53
o Actuação  em  termos  informados  –  não  se  analisa  o  mérito,  mas  têm  que  actuar  de  forma  informada ;  
o Racionalidade   empresarial   –   juiz   não   sindica   o   mérito   das   decisões   empresariais,   salvo   se   forem  
54
irracionais .    
 
Não  se  aplica  em  contextos  de  vigilância:  
 
• Aplica-­‐se  quando  se  adoptam  decisões  e,  ao  vigiar,  não  se  tomam  decisões;  
• Vigiar  é  obter  informação,  não  para  decidir,  mas  para  ter  fluxos  de  informação;  
• Ou  seja,  não  joga  com  o  Business  Judgment  Rule.    
 
Segunda   Opinião   da   Doutrina   –   Não   se   aplica   a   todos   os   deveres   específicos:   Ou   seja,   não   funciona   quanto   aos  
deveres   vinculados   (o   legislador   determina   que   tem   de   ser   daquela   forma,   pelo   que   não   faz   sentido   admitir   a   BJR).  
Também  pode  ser  a  vigilância  vertical  dos  executivos.  O  Professor  considera  que  para  qualquer  vigilância  não  se  aplica  
o  art.  72º/2.    
 
Dever  de  Lealdade  
 
  Para   o   Professor,   o   dever   de   lealdade   cabe   apenas   na   parte   que   diz   «deveres   de   lealdade»   da   alínea   b)   do   art.  
64º/1.  A  lealdade  é  absoluta,  é  ética,  não  é  mais  a  pensar  nos  accionistas  ou  nos  trabalhadores.  É  o  enquadramento  nas  
relações   negociais   lacto   sensu.   É   uma   cláusula   geral,   pelo   que   se   quer   saber   quais   os   casos   práticos   –     concretizações  
legais  e  as  concretizações  jurisprudenciais.    
 
Elenco  de  Manifestações  Legais:  
 
55
• Proibição  de  Concorrência  (arts.  254º  e  398º/3) ;  
• Negócio  Consigo  Mesmo.  
 
Elenco  de  Manifestações  Jurisprudenciais:  
 
56
• Proibição  de  Apropriação  de  Património ;  
                                                                                                                       
53
 Criação  de  burocracia,  que  é  boa  para  os  Advogados.    
54
 Se  não  há  conflito  de  interesse  e  há  obtenção  de  informação,  desde  que  seja  uma  decisão  racional,  não  há  RAdm.    
55
 Na  generalidade  dos  casos,  a  proibição  de  concorrência  é  para  os  executivos.  Na  generalidade  dos  casos  os  não  executivos  podem  
nem  sequer  trabalhar  a  full  time.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

57
• Proibição  de  Apropriação  de  Informação  Privilegiada   ;  
58
• Proibição  de  Apropriação  de  Oportunidades .  
 
Há  situações  que  não  tem  a  ver  com  a  lealdade  perante  a  Sociedade,  mas  perante  os  sócios,  pelo  que  é  duvidoso  
que  a  base  legal  continue  a  ser  o  art.  64º/1,  b).  Assim,  levante-­‐se  a  questão  de  saber  se  deve  basear-­‐se  noutras  normas.    
 
Operações  de  Controlo  de  Sociedade  
 
  É   um   conceito   que   visa   abarcar   as   operações   de   M&A   (Management   Buy   Out   –   Compra   da   Sociedade   pelos  
seus   Administradores   –   é   uma   das   operações   que   caba   neste   conceito).   Têm   a   característica   de   deixarem   intocado  
aquele   que   é   o   património   social.   Os   activos   e   os   passivos   não   são   tocadas.   Quem   pode   sair   prejudicado   pelos  
administradores  não  é  a  Sociedade,  mas  os  Sócios,  na  medida  em  que  apenas  se  tocam  nas  acções.    
 
Do  ponto  de  vista  da  recondução  do  Direito  das  Obrigações:  
⇒ Eficácia  a  Favor  da  Protecção  de  Terceiros.    
 
A   justa   causa   pode   ter   dois   fundamentos   –   a   violação   grave   de   deveres,   entre   os   quais,   a   mais   grave,   a   violação   do  
dever  de  lealdade;  e  a  incapacidade  para  o  exercício  de  funções,  que  pode  ser  física  ou  por  incompetência  técnica  (p.e.,  
A  era  gestor  bancário,  mas  deixou  de  acompanhar  a  evolução  técnica  dos  Programas  utilizados).    
 
  RESPONSABILIDADE  CIVIL:  há  várias  modalidades  em  função  dos  diferentes  credores  da  indemnização.  Temos  
a   responsabilidade   perante   a   sociedade   (bifurcação   quanto   à   legitimidade   processual   –   dois   níveis:   pode   actuar   a  
própria   sociedade   através   do   Conselho   de   Administração   ou   por   via   da   Acção   Social   (art.   87º   do   CSC);   perante   os  
sócios;  perante  os  credores;  perante  outros  terceiros,  que  não  os  sócios  e/ou  credores.    
 
Aula  de  9  de  maio  de  2017  
 
{dever  de  lealdade  –  artigo  escrito  pelo  Professor  Pedro  Caetano  Nunes}  
 
  O  art.  71º  do  CSC  é  uma  hipótese  a  reter  de  responsabilidade.  O  art.  72º  é  a  primeira  modalidade,  trata-­‐se  da  
responsabilidade  perante  a  sociedade.  A  responsabilidade  é  obrigacional,  em  que  há  presunção  de  culpa.  Os  arts.  73º  e  
74º,  ainda  respeitam  a  responsabilidade  obrigacional.  O  mesmo  vale  pare  os  arts.  75º,  76º  e  77º  -­‐  próprio  crédito  da  S  é  
exercido   pelos   Conselho   de   Administração.   No   art.   76º   há   possibilidade   de   nomeação   de   representante   especial   (no  
lugar   dos   administradores).   No   art,   77º   temos   acção   de   responsabilidade   perante   a   sociedade,   mas   por   sócio  
minoritário.    
 
  Este  sócio  minoritário  (art.  77º),  e  apesar  da  maioria  dos  sócios  não  quererem  responsabilizar  um  determinado  
administrador  –  é  comum  que  não  queiram,  porque  costumam  ser  eles  a  nomear  -­‐,  pode  intentar  uma  acção  de  Resp.    
 
  No  art.  78º  temos  a  responsabilidade  perante  os  credores;  no  art.  79º,  perante  os  sócios  e  outros  terceiros.  É  
de  reter  que  estas  responsabilidades  são,  tradicionalmente,  enquadradas  na  responsabilidade  extracontratual  (ou  seja,  
se   é   perante   a   sociedade,   é   obrigacional   [obrigação   do   administrador   perante   a   sociedade];   se   é   perante   terceiros,   é  
extraobrigacional).    
 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             
56
 Utilização,  p.e.,  do  cartão  de  crédito  da  empresa  para  pagar  o  casamento  da  filha.    
 
57
 Quando  uma  pessoa  não  trabalha  em  full  time,  não  é  exigível  que  não  possa  ter  outras  actividades,  pelo  que  não  se  pode  aplicar  a  
proibição  de  concorrência.  Assim,  são  criados  outros  mecanismos.    
 
58
 Ex.:  inspecção  de  petróleo.  A  Sociedade  inspectora  apercebe-­‐se  de  uma  zona  de  recursos  naturais  de  petróleo.  A  Sociedade  não  
tem  como  propósito  a  exploração,  pelo  que  se  levanta  a  questão  de  saber  quem  pode  ficar  com  aquele  recurso?  Não  poderá  ser  o  
próprio  Administrador,  sendo  que  isso  seria  desleal.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

Responsabilidade   perante   os   Credores   (art.   78º/1)   –   por   ofensa   a   direitos   absolutos   ou   violação   de   normas   de  
protecção,   destinadas   a   proteger   interesses   alheios.   O   património   não   é   protegido   em   termos   absolutos.   Constam   a  
propriedade,   os   direitos   de   autor,   os   direitos   reais,   os   direitos   de   propriedade   intelectual,   i.e.,   o   património   não   é   valor  
absoluto.  Só  há  o  recurso  ao  património  quando  há  uma  violação  das  normas  de  protecção.  Em  suma,  só  há  ofensa  ao  
património  se  houver  uma  violação  de  normas  de  protecção.  Os  direitos  de  crédito  dos  credores  são  sempre  relativos;  
há   um   direito   de   crédito   face   à   Sociedade   e,   face   a   terceiros,   nomeadamente,   aos   administradores,   não   há   direito  
nenhum;   mas   a   lei   permite   uma   responsabilidade   extracontratual   quando   há   violação   das   normas   de   protecção  
(normas   sobre   capital   social,   proibição   de   distribuição   de   lucros,   art.   32º   do   CSC,   normas   sobre   intangibilidade   do  
capital  social,  entre  outras).    
 
1. Esta  responsabilidade  extracontratual  é  rara;  
2. O  art.  78º  estabelece  um  requisito  de  dupla  causalidade:  
 
1.1. Administradores  têm  de  violar  as  normas  de  protecção;  
1.2. Essa  violação  tem  de  criar  uma  diminuição  do  património  social;  
1.3. Esta  diminuição  tem  que  provocar  uma  insuficiência  para  satisfação  dos  credores.    
 
Do   ponto   de   vista   doutrinário:   pode   haver   responsabilidade   perante   os   credores   para   lá   do   caso   do   art.   78º   -­‐  
porque   este   tem   critérios   de   difícil   aplicação.   Porque   é   que   não   se   esquece   o   art.   78º   e   não   se   recorre  
directamente  ao  art.  483º  do  CCiv?  Ou  a  normas  do  Código  dos  Valores  Mobiliários?    
 
  No   art.   78º/2   fala-­‐se   da   possibilidade   de   os   credores   actuarem   por   via   subrogatória,   exercendo   créditos  
daquela   sociedade   perante   os   administradores.   Está   em   causa   uma   substituição   processual   da   sociedade   pelos  
credores.  Assim,  a  modalidade  de  responsabilidade  é  a  primeira  –  responsabilidade  perante  a  sociedade.  Temos  uma  
acção  subrogatória.    
 
Responsabilidade   perante   os   Sócios   e   Terceiros   (art.   79º)   –   seria   extracontratual,   mas   há   quem   diga,   incluindo   PCN,  
que  em  relação  aos  sócios,  accionistas,  que  a  responsabilidade  não  será  extracontratual,  mas  uma  situação  de  terceira  
via   de   RC   (zona   cinzenta   entre   a   contratual   e   extracontratual   –   doutrina   do   contrato   com   eficácia   de   protecção   de  
terceiros).   Há   quem   diga   que   os   administradores   podem   ter   uma   Resp   perante   os   sócios   que   englobe   deveres   de  
protecção   destes   terceiros.   PEDRO   CAETANO   NUNES   apontou   para   este   caso   as   Operações   de   Controlo   das   Sociedades  
{deveres  de  lealdade  dos  administradores  perante  os  sócios  –  transaction  in  control  –  OPA,  fusão,  MBO,  LBO}.    
 
  Por   último,   outra   palavra   mágica   no   artigo,   «danos   directos».   A   responsabilidade   não   pode   ser   reflexa,  
indirecta,   tem   de   ser   directa.   I.e.,   quando   a   sociedade   sofre   danos,   indirectamente,   reflexamente,   esses   danos   afectam  
o   valor   das   participações   sociais.   A   cotação   das   acções   desce.   Se   entendermos   que   há   responsabilidade   dos  
administradores   por   esse   dano,   poderá   haver   responsabilidade   extracontratual.   Mas   só   poderá   haver   responsabilidade  
perante  os  sócios  se  existe  dano  directo  na  esfera  do  sócio.    
 
P.e.,   um   dano   directo   –   operações   de   controlo   de   sociedade.   Os   casos   mais   tradicionais,   referidos   há   mais   tempo   pela  
doutrina  portuguesa,  são  as  situações  em  que  o  administrador  perturba  uma  AG  ou  o  direito  de  voto.    
 
 
 
 
Título  VII  |  Disposições  Penais  (Arts.  509º  e  ss)  
 
  Tutela   Penal   de   determinados   comportamentos   considerados   como   graves   na   vida   societário.   Temos,   p.e,  
certos   comportamentos   dos   administrados.   P.e.,   administrador   que   perturba   uma   Assembleia   Social,   impedindo   um  
sócio  do  seu  direito  de  voto.  São  casos  que  cabem  no  art.  483º  do  CCiv.  Aqui  temos  uma  norma  penal  que  protege  o  
património  puro  dos  sócios  –  abarca  vários  direitos,  incluindo  o  de  participar  nas  deliberações  sociais  (art.  516º).  I.e.,  
normas  penais  são  exemplos  práticos  de  normas  de  protecção  e  de  responsabilidade  de  danos  directos  dos  sócios.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

  A  responsabilidade  perante  terceiros  obedece  aos  dois  mesmos  critérios.  Já  não  se  coloca  a  questão  do  CCiv,  
do  contrato  com  eficácia  de  protecção  de  terceiros.    
 
Ex.:  OPA  –  quando  o  administrador  impede  que  a  OPA  tenha  sucesso,  porque  receia  que  um  novo  accionista  maioritário  
venha   destituir   a   administração,   colocando   uma   da   sua   confiança,   adopta   medidas   defensivas,   fundadas   no   seu  
interesse.  Está  a  prejudicar  os  accionistas,  directamente,  na  medida  em  que  os  impede  de  obter  um  bom  preço  pelas  
acções.  
 
Ex.:   projecto   de   fusão   de   duas   sociedades.   Se   não   for   estabelecida   uma   relação   de   troca   justa   ou   adequada,   há  
problemas.  A  Sociedade  A  vale  100  milhões  e  a  B,  outros  100  milhões.  Os  sócios  de  uma  e  outra,  devem  ter  50%  da  
nova  Sociedade.  Se  se  enganarem  a  fazer  as  contas  no  projecto  de  fusão,  podem  fazer  com  que  as  acções  percam  valor.  
Na  operação  de  fusão  também  não  há  directos  no  património  social;  podendo  haver  no  património  dos  sócios.    
 
14. DEVERES  DOS  TITULARES  DE  ÓRGÃOS  DE  CONTROLO  |  ART.  64º/2  
 
  Os   deveres   gerais   ou   fundamentais   dos   administrados   estão   elencados   no   art.   64º/1.   Em   relação   aos   outros  
titulares  de  órgãos  derivados,  os  deveres  são  os  mesmos.  É,  na  mesma,  o  dever  de  lealdade,  que  pode  ter  um  conteúdo  
ou  manifestações  diferentes  (p.e.,  a  proibição  de  concorrência  dos  administradores  tem  um  conteúdo  maior  que  o  de  
outros   titulares   de   órgão   de   controlo).   Além   deste   dever   de   lealdade,   há   o   dever   de   cuidado,   de   diligência,   com  
diferença  de  que  a  terminologia  gestão  ou  administração  já  não  faz  sentido.  Ou  é  apelidado  de  dever  de  cuidado  ou  
diligência,   ou   a   terminologia   será   a   de   controlo,   supervisão,   fiscalização   (professor   prefere   estas   terminologias,   na  
medida  em  que  a  diligência  ou  cuidado  não  indicam  devidamente  a  prestação).    
 
  Em  termos  de  teoria  da  personalidade  colectiva,  das  organizações,  existem  órgãos  derivados  que  têm  os  ditos  
poderes-­‐deveres.  Quando  olhamos  para  as  competências  dos  órgãos  de  controlo  político,  temos  de  determinar  que  são  
também  deveres.  P.e.,  art.  441º/1,  d)  –  fiscalizar  a  actividade  dos  executivos:  todas  as  alíneas  seguintes  são  exemplos  
da  fiscalização.  O  conceito  da  alínea  d)  abarca  todas  as  alíneas  seguintes.  
 
  O  conceito  de  supervisão:    
 
⇒ Competência  de  nomear  e  destituir  os  administradores  (art.  441º/1,  a));  
⇒ Competência  de  participar  na  gestão  (art.  442º).    
 
Os  membros  do  Conselho  Geral  e  de  Supervisão  têm  estes  poderes,  e  o  dever  acrescido  de  fiscalização,  ou  seja,  de  
cuidado  e  diligência.  Somando  estes  dois  preceitos  com  a  alínea  d)  e  seguintes,  temos  o  conceito  de  supervisão.    
 
Poderes-­‐Deveres    
 
  Há  poderes  do  Conselho  Fiscal  que  não  são  desenvolvidos  com  a  mesma  intensidade  face  aos  restantes  órgãos  
dos  outros  órgãos  de  controlo.  Atentar  ao  art.  420º.  A  alínea  a)  determina  o  dever  de  fiscalizar  e  as  alíneas  seguintes  
dão   os   dispositivos   que   permitem   saber   o   que   cabe   nesta   fiscalização.   Os   órgãos   de   poder   político   têm   todos   uma  
alínea  que  fala  de  fiscalizar  e  alíneas  seguintes  que  concretizam  esse  conceito.    
 
O  art.  420º/3  determina  que  podem  actuar  individualmente,  fazendo  Inspecções  e  verificações  na  empresa.  Além  do  
art.  420º/3,  interessa,  sobretudo,  o  art.  421º/1.  Mais  uma  vez,  «qualquer  membro»  -­‐  poderes  individuais.  Ou  seja,  se  
assim  não  fosse,  a  maioria  poderia  impedir.   P.e.,  um  advogado  de  uma  sociedade  comercial  não  se  pode  recursar  a   dar  
toda   a   informação   a   um   membro   de   um   Conselho   Fiscal   (alínea   c)).   Além   deste   poder,   pode   obter   informações   e  
inspecionar   os   livros   e   bens   da   sociedade   junto   dos   administradores.   Há   poderes   extremamente   fortes   a   propósito   dos  
membros  do  CF.    
 
⇓ PCN,  por  identidade  ou  maioria  de  razão,  os  membros  dos  outros  órgãos  de  controlo  político  também  devem  
ter  estes  poderes  individuais,  que  são,  no  fundo,  poderes-­‐deveres.    
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
O  modelo  que  se  aproxima  às  boas  práticas  é  o  modelo  germânico  e,  depois,  o  anglo-­‐americano.    
 
[FIM  DO  CAPÍTULO  DA  ESTRUTURA  ORGÂNICA  DAS  SOCIEDADES  COMERCIAIS]  
 
15. DELIBERAÇÕES  DOS  ÓRGÃOS  DAS  SOCIEDADES  COMERCIAIS  
 
  Neste   capítulo,   vamos   recuperar   algumas   noções   gerais   sobre   a   noção   de   deliberação   enquanto   negócio  
jurídico;   analisar   as   várias   espécies   de   deliberações;   as   várias   modalidades   de   AG;   e,   por   fim,   os   vícios   das   deliberações  
sociais.    
 
Ø A  deliberação  pode  ser  vista  como  resultado  ou  como  processo.    
 
Como  processo  –  como  conjunto  de  actos  -­‐,  é  essencialmente  caracterizada  por  dois  momentos:  (1)  proposta  
de   deliberação;   (2)   votação.   Antes   da   proposta   haverá   uma   discussão;   e   depois   desta,   poderá   haver   nova   discussão.  
Depois   da   votação,   haverá   a   contagem   dos   votos;   poderá   haver   uma   proclamação   de   resultado;   elaboração   da   acta,  
consoante  o  processo  deliberativo,  i.e.,  seja  mais  ou  menos  formas.  Ou  seja,  além  destes  dois  actos  essenciais,  podem  
haver  outros.    
 
Alternativa   Dialética   de   Voto:   há   uma   proposta   e   o   voto   é   exercício   de   modo   dialético.   É   «sim»   ou   «não»,   i.e.,   não  
podem  acrescentar  nada  à  deliberação.  Se  se  quiser  acrescentar  algo,  é  necessário  fazer  nova  proposta.    
 
  Como  resultado  é  reconduzível  ao  conjunto  dos  votos  que  fizeram  vencimento.  De  onde  emanam  os  efeitos  ou  
a   eficácia   jurídica?   Os   votos   vencidos   ou   os   que   fizeram   vencimento?   São   o   conjunto   dos   votos   que   fizeram  
vencimento.  Um  dos  fundadores  da  casa  –  FERREIRA  DE  ALMEIDA  –  entende  que  o  NJ  não  pode  ser  explicado  apenas  como  
certo   acto   de   vontade;   é   caracterizado   por   produzir   efeitos   conforme   ao   seu   significado.   O   texto   jurídico   cria   efeitos  
conformes.    
 
Há  uma  Polémica  Doutrinária  –  saber  se  a  deliberação  constitui:  
 
o Um  NJ  especial  –  a  maioria  da  Doutrina  acolhe  este,  ou  o  próximo  ponto.  Neste,  temos  MENEZES  CORDEIRO;    
 
o Um  NJ  unilateral  –  neste,  temos  FERREIRA  DE  ALMEIDA;    
 
o Um   acto   que   não   se   enquadra   na   teoria   do   NJ   –   ainda   tem,   pelo   menos,   um   fundador   em   Portugal.   Tem  
origem  em  Gierke,  mas  está  completamente  ultrapassada;    
 
o Uma  modalidade  de  DN  [Professor]  –  se  não  tiver  que  interagir  com  outra  DN,  pode  ser  aceite;  mas  se  tiver  
que  ser  aceite,  dá  origem  a  um  contrato.    
 
Contraposição  entre  a  Deliberação  e  o  Acto  Conjunto  –  a  actuação  conjunta  não  é  uma  deliberação;  todos  exteriorizam  
vontades  e  emitem  declarações  no  mesmo  sentido.  Já  na  deliberação,  pelo  Pp  da  Suficiência  da  Maioria,  podem  haver  
os  votos  a  favor  ou  os  votos  contra.  Quando  a  lei  exige  uma  deliberação  unânime,  em  rigor,  será  um  acto  conjunto.  E,  já  
do  ponto  de  vista  prático,  se  a  deliberação  é  unanime,  não  interessa  que  se  vote  a  favor  ou  contra.  Quando  acabarem  
todas  as  assinaturas,  teremos  uma  acto  conjunto.  Se  é  preciso  unanimidade,  já  não  é  preciso  o  processo  deliberativo.    
 
  No  CSC,  há  referência  à  decisão  do  sócio  único,  a  propósito  das  Sociedades  por  Quotas  Unipessoais.  De  acordo  
com  a  classificação  estudada,  as  deliberações  de  sócio  único  são  actos  singulares.    
 
 
Classificação  de  Deliberações  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

1. A  Positiva  e  Negativa:  a  positiva  corresponde  ao  vencimento  dos  votos  positivos;  a  negativa,  ao  vencimento  
dos  votos  negativos.    
 
1.1. A  positiva  pode  ser  de  conteúdo  positivo;  
1.2. A  positiva  pode  ser  de  conteúdo  negativo.  
 
Em  ambos  os  casos,  ganhou  o  «sim»  na  deliberação,  mas  no  primeiro  caso  há  formulação  positiva  da  proposta  de  deliberação  e  no  
segundo   caso   há   formulação   negativa   da   proposta   de   deliberação.   Tem   a   ver   com   os   efeitos   jurídicos   (ponto   de   referência).   Os  
efeitos  do  NJ.  A  formulação  positiva  permite  criar  um  conteúdo  jurídico  positivo;  a  negativa,  não  o  permite.    
 
Ex.:   proponho   autorização   do   exercício   de   actividade   concorrente   pelo   gerente.   É   uma   formulação   positiva,   pois  
permite   o   exercício   da   actividade   concorrente,   que   modifica   os   direitos   da   sociedade   perante   o   administrador   e   os  
deveres  desta  face  à  sociedade.    
 
Ex.:   proponho   não   nos   opormos   ao   exercício   da   actividade   concorrente   do   gerente.   É   uma   formulação   positiva,   porque  
há  autorização  da  não  oposição.    
 
Ex.:  proponho  não  autorizar  a  venda  do  imóvel  pelos  gerentes  (art.  246º/2,  c)).  É  uma  formulação  negativa,  porque  não  
causa  nenhum  efeito.  Se  não  autoriza,  não  produz  quaisquer  efeitos.    
 
Espécies  de  Deliberação  
 
1. Orgânicas  versus  Não  Orgânicas  –  as  orgânicas  são  as  dos  sócios  e  dos  outros  societários;  as  não  orgânicas  
são  as  do  não  obrigacionistas.   As  orgânicas  são  imputadas  à  Sociedade;  as  não  orgânicas  são  imputadas  
aos   estranhos   à   sociedade.   Os   obrigacionistas   são   pessoas   ou   entidades   que   emprestam   dinheiro   à  
Sociedade,  ou  seja,  capital  alheio.  A  lei  prevê  determinados  esquemas  de  organização  obrigacionista.    
 
As  deliberações  dos  sócios  são  o  mesmo  que  a  formação  de  vontade  da  sociedade.  Em  rigor,  a  sociedade  não  
tem  vontade,  porque  não  tem  «pernas  e  braços».  O  NJ  deliberativo  dos  sócios  é  imputado  à  sociedade,  que  
pode  ser  tida  como  autor  jurídico.  Em  rigor,  é  um  fenómeno  de  representação.    
 
Pode  haver  um  confronto  entre  as  deliberações  de  um  órgão  e  outro  –  conflitos  interorgânicos  -­‐,  que  têm  de  
ser  resolvidos  em  sede  de  tribunal.  Todas  as  deliberações  orgânicas  =  imputação  à  pessoa  colectiva;  as  que  não  
são  orgânicas  =  não  imputáveis  à  pessoa  colectivas.    
 
Deliberações  Orgânicas  |  Em  Particular,  dos  Sócios  
 
1ª  Distinção  –  entre  colégios  dos  sócios  e  de  certas  categorias  de  sócios:  tem  subjacente  a  ideia  de  direitos  especiais  
dos   sócios   ao   abrigo   das   SA.  Os   direitos   especiais   nas   SA   são   direitos   de   categorias   de   sócios   (categoria   A,   as   comuns;   e  
outras,   que   são   as   especiais).   Por   vezes,   é   necessária   a   vontade   comum   de   todos   os   sócios,   por   outras,   a   vontade  
específica,  p.e.,  para  determinar  se  aceitam  a  alteração  dos  seus  direitos  especiais  (arts.  24º/6  e  389º).    
 
  Vigora,   por   regra,   o   Pp   da   Suficiência   da   Maioria,   o   qual   se   concretiza   na   exigência   de   uma   mera   maioria  
simples.  Por  vezes,  podem  ser  exigidas  maiorias  qualificadas.  P.e.,  uma  alteração  estatutária  –  nos  diferentes  tipos  de  
SC  podem  ser  exigidas  maiorias  qualificadas.  Uma  deliberação  unanime  já  será  um  acto  conjunto.    
 
Ex.:  maiorias  qualificadas  (arts.  265º  para  SQ;  383º  e  386º  para  as  SA).    
 
 
 
Formas  de  Deliberação  dos  Sócios  |  Arts.  53º  e  54º  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

a. Deliberações  em  Assembleia  Geral  (Deliberação  Comum,  mais  frequente  e  residual);  


b. Deliberações  em  Assembleia  Geral  Universal  ou  Totalitária  (art.  54º/1);  
c. Deliberações  Unânimes  por  Escrito  (art.  54º/1)  –  o  acrónimo,  DUE;    
d. Deliberações  por  Voto  Escrito  (exclusivas  das  SQ,  art.  247º).    
 
As  deliberações  unânimes  por  escrito,  são  referidas,  no  art.  54º/1,  de  forma  simples.  Quando  estão  todos  em  uníssono,  
podem  adoptar  uma  declaração  por  escrito.  É  frequente  nas  sociedades  fechadas.  Em  todos  os  tipos  societários,  parece  
ser   uma   ideia   recorrente.   P.e.,   todos   os   anos   é   necessária   uma   AG   para   apresentar   e   fechar   contas.   Estão   todos   de  
acordo.  Em  vez  de,  formalmente,  se  reunirem  para  tratar  disso,  o  advogado  elabora  uma  acta  em  que,  por  referencia  
ao   dia   X,   todos   aceitaram   a   deliberação   de   prestação   de   contas.   O   papel   é   assinado   por   todos   em   momentos  
sequenciais  –  não  é  num  único  momento,  pelo  que  acaba  por  se  adoptar  um  acto  conjunto.  Do  ponto  de  vista  analítico,  
não  é  deliberação.    
 
  É   frequente   que   não   seja   feita   com   o   formalismo   a   tutelar.   Muitas   vezes,   na   prática   dos   negócios,   simula-­‐se  
que   houve   uma   AG,   com   a   presença   de   todos   os   sócios,   em   que   se   assinaram,   por   unanimidade,   uma   proposta.   Há  
quem  diga  que  é  um  acto  simulado.  Mas  há  também  Jurisprudência  que  considera  que  há  um  acto  formalizado.    
 
  Ao   nível   da   elaboração   da   acta,   o   pormenor   técnico   passa   por   estabelecer   uma   data   para   a   deliberação.  
Quando  se  realiza  efectivamente  uma  AG,  a  data  da  deliberação  é  a  da  AG;  mas  quando  é  simulado,  é  diferente.  Tem-­‐se  
a  data  valor  para  os  efeitos  jurídicos  que  se  pretendem  produzir,  sem  que  se  tenha  de  discutir  em  tribunal  quando  é  
que  se  deu  a  última  assinatura  (data  de  referência).  
 
Por   sua   vez,   as   deliberações   em   AG   universal   ou   totalitária,   do   ponto   de   vista   analítico,   são   um   acto   conjunto  
[unanimidade]  quando  à  constituição  da  AG,  com  uma  certa  ordem  de  dia.  
 
Requisitos:  
 
• Presença  de  todos  os  sócios;  
• Exteriorização  de  vontade  unanime  de  todos  os  sócios,  no  sentido  de  constituição  da  AG.  
 
Atentar  ao  art.  247º  quanto  às  deliberações  por  voto  escrito.  A  diferença  é  que  a  votação  é  feita  por  escrito,  mas  há  
uma   votação   efectiva.   Atentar,   para   as   SQ,   o   art.   277º.   São   fechadas   para   aligeirar   a   formação   de   vontade.   Há   o  
mecanismo  de  maioria,  mas  sujeito  a  voto  de  maioria.    
 
Assembleia  Geral  dos  Sócios  
 
1. Convocação    
1.1. Competência  para  a  Convocação;  
 
Nas   SQ,   a   competência   cabe   aos   gerentes   (art.   248º/3).   Nas   SA,   a   competência   cabe   ao   Órgão   Presidente   da   Mesa  
da  Assembleia  Geral  (art.  377º/1).  Em  determinados  casos,  previstos  na  lei,  a  competência  também  pode  ser  atribuída  
a  órgão  de  controlo  político  [p.e.,  ao  Conselho  Fiscal,  à  Comissão  de  Auditoria,  ao  Conselho  de  Supervisão].    
 
  Os  accionistas  podem  requerer  ao  Presidente  da  Mesa  a  convocação  da  AG  (art.378º/1),  sendo  que  se  tal  não  
for  satisfeito,  podem  requerer  judicialmente  (art.  378º/4,  que  deve  ser  articulado  com  o  art.  377º/1).    
     
  As  AG  devem  ser  convocadas  sempre  que  a  lei  a  determina  –  exemplo  da  aprovação  de  contas,  que  tem  de  ser  
realizada   todos   os   anos   (nas   SA   abertas,   tem   de   haver   publicação   e   aprovação   de   contas,   não   anualmente,   mas   até   por  
semestres  ou  trimestres).  Atentar  ao  art.  375º.  O  art.  375º/2  determina  que  o  direito  atribuído  aos  accionistas  menores  
é  apenas  para  aqueles  que  sejam  titulares  de,  pelo  menos,  5%  do  capital  social.  Também  se  encontra  regulado  no  art.  
77º,  a  propósito  da  acção  de  responsabilidade  dos  administradores.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

⇒ Articulação  do  art.  375º/5  com  o  art.  171º;  


⇒ Articulação  do  art.  375º/5  com  o  art.  248º.  
 
O   art.   248º   determina   a   remissão   das   SQ   para   o   regime   das   SA,   fora   nos   aspectos   que   estejam   regulados  
especificamente  para  as  SQ,  entre  os  quais,  a  competência  da  convocação,  as  maiorias.    
 
  A  dilação  da  divulgação  do  aviso  convocatório  –  o  art.  248º/3  determina  que  a  divulgação  é  por  carta  registada  
com  uma  dilação  de  15  dias.  Vale  para  as  SQ.  Já  os  estatutos  podem  ser  mais  exigentes,  p.e.,  estabelecendo  prazo  mais  
longo.  Já  para  as  SA,  o  art.  377º/4,  determina  que  não  é  preciso  uma  carta,  bastando  uma  convocação  no  site  do  portal  
das  empresas.  Terá  de  cumprir  20  dias  de  antecedência.    
 
  Se   os   estatutos   exigirem   carta   registada,   terá   de   ser   enviada.   Os   sócios   minoritários   podem   ser   lesados   por  
este  mecanismo.  Se  o  sócio  minoritário  não  controlar  a  publicação  no  sitio  electrónico  especifico,  e  se  não  for  enviada  a  
carta  registada,  acaba  por  não  aparecer  na  AG.    
 
Quórum  |  arts.  383º  e  386º  do  CSC  
 
Há   exigências   de   maiorias   simples   ou   qualificadas.   Além   disso,   há   que   recordar   a   distinção   entre   quórum   constitutivo   e  
quórum  deliberativo.  Temos  de  observar,  primeiro,  o  quórum  constitutivo,  para  depois  se  olhar  ao  deliberativo.    
 
• 383º/2:   fala   especificamente   da   alteração   de   contrato   de   sociedade,   fusão,   cisão,   transformação,   dissolução  
da  sociedade  ou  outros  assuntos  –  maioria  qualificada.    
 
Acta  |  art.  63º  
 
As   Assembleias   podem   gerar   conteúdo   jurídico;   mas   também   podem   não   gerar   qualquer   conteúdo.   As   deliberações  
estão  sujeitas  a  determinadas  formalidades,  que  têm  de  ser  documentadas.  Existe  quem  entenda  que  são  condições  de  
eficácia  das  deliberações;  COUTINHO  DE   ABREU  e  PEDRO   CAETANO   NUNES,  defende  que  são  para  meros  efeitos  de  prova,  e,  
como  tal,  são  substituíveis.  Podem  ser  prova  em  tribunal,  junta  aos  autos.  {articulação  com  o  art.  220º  do  CCiv}  
 
  A  primeira  corrente  –  forma  substancial  –  prejudica  os  sócios  minoritários.    
 
Invalidade  das  Deliberações  dos  Sócios  
 
  É   um   tema   extremamente   importante.   A   teoria   geral   da   invalidade   das   deliberações   encontra-­‐se   aqui.   Dito  
isto,  a  primeira  distinção  é  entre  vícios  de  conteúdo  e  vícios  de  procedimento.  Temos  ainda  de  indicar  os  arts.  55º,  56º  e  
58º.  
 
  Por  vezes,  as  deliberações  são  inválidas  por  força  de  um  conteúdo  desconforme  com  a  lei  ou  estatutos;  mas,  
por   outras   vezes,   o   problema   não   está   no   conteúdo,   mas   nos   procedimentos   deliberativos.   As   deliberações,   como  
resultado,   são   dadas   pelo   vencimento,   em   que   o   voto   tem   um   efeito   dialético.   Se   o   problema   está   no   aspecto   do  
procedimento,  há  um  vicio  de  procedimento,  por  contraposição  ao  vicio  de  conteúdo.    
 
Violação  da  Lei  versus  Violação  dos  Estatutos  
 
  Para  a  lei  pode  estar  tudo  conforme,  mas  haver  uma  violação  de  normas  estatutárias.  A  violação  da  lei  gera  
mais  facilmente  o  vício  da  nulidade.  Os  estatutos  são  um  regime  corporativo  que  regula  a  vida  daquele  ente  colectivo,  
daquela  pessoa  jurídica.  Dentro  da  vida  jurídica  corporativa,  pode  haver  alguma  estratificação  normativa,  i.e.,  além  de  
estatuto,  é  possível  um  acto  infraestatutário  (ex.:  regulamento  do  órgão  de  controlo  –  conteúdo  normativo  abaixo  do  
estatuto).    
 
Feitas  estas  classificações,  podemos  analisar  os  diferentes  tipos  de  vícios:  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

 
⇒ Inexistência;  
⇒ Ineficácia  stricto  sensu;  
⇒ Nulidade;  
⇒ Anulabilidade.    
 
Aula  de  16  de  maio  de  2017  
 
{recapitular  os  arts.  53º,  55º,  56º,  57º  e  58º}  
 
16. DIFERENTES  TIPOS  DE  VÍCIOS  
16.1. INEXISTÊNCIA  
 
  Situação  em  que  há  uma  acta  de  uma  AG  que  nunca  se  realizou  (forjada).  Qualquer  vício  de  um  NJ  constitui  um  
desvalor,  falando-­‐se  em  valor  negativo  ou  positivo.  Primeiro  tenho  de  saber  se  existe  um  NJ,  para  depois  saber  se  há  
um  vício.  Temos  uma  previsão  positiva  –  saber  se  existem  os  pressupostos  do  NJ;  e  uma  previsão  negativa  –  é  inválido  
porque   estão   verificados   outros   pressupostos.   Temos   duas   previsões   normativas,   uma   com   valor   positivo,   outra   com  
negativo.  Na  inexistência  há  uma  falta  de  verificação  dos  pressupostos  da  existência  do  próprio  NJ.  O  problema  está  
na  previsão  positiva.  Há  uma  aparência  de  verificação  dos  pressupostos  do  NJ,  neste  caso  da  deliberação  negocial.    
 
Há   uma   aparência   de   deliberação,   ou,   em   termos   mais   simples,   um   vício   de   inexistência.   Do   ponto   de   vista   técnico-­‐
jurídico,  deve  ser  enquadrado  não  como  um  vício,  mas  como  uma  falta  de  pressupostos  do  NJ.  Tem  lógica  considerar  
que  há  uma  patologia  autónoma,  ainda  que  a  lei  não  considere  autonomamente  o  vício  da  existência.  Do  ponto  de  vista  
metodológico,  há  uma  falta  de  pressupostos  do  NJ  ou  da  deliberação.    
 
16.2. INEFICÁCIA  |  ART.  55º  
   
  A   matéria   deve   ser   relacionada   com   os   direitos   especiais   dos   sócios.   Se   existir   consentimento   do   sócio  
afectado,  sana-­‐se  o  vício.  P.e.,  a  deliberação  social  que  determine  o  despedimento  do  gerente  com  direito  especial  à  
gerência  será  ineficaz,  a  menos  que  exista  o  consentimento.    
 
16.3. NULIDADE  |  ART.  56º/1  
 
  As   quatro   alíneas   deste   artigo   determinam,   desde   logo,   que   as   duas   primeiras   são   vícios   de   procedimento   e   as  
duas  últimas,  a  vícios  de  conteúdo.  Assim:  
 
o Alíneas  a)  e  b)  –  nulidade  de  procedimento:  a  AG  não  convocada  é  a  primeira  sanção  mais  grave  a  que  a  lei  
associa  a  sanção  da  nulidade.  Sobre  esta  a  alínea  a),  a  grande  questão  é  saber  se  a  expressão  «não  convocada»  
é  apenas  quanto  ao  acto  de  convocação  ou  se  basta  que  a  carta  ao  sócio  não  tenha  sido  remetida  (se  a  falta  de  
um  dos  sócios  é  subsumível  a  esta  alínea).  A  doutrina  dominante  defende  que  a  falta  de  convocação  de  apenas  
um  sócio  gera  a  nulidade.  A  b)  é  uma  situação  menos  frequente  –  com  ressalva  das  deliberações  unanimes  por  
escrito,   mas   nessas   há   unanimidade   e,   como   tal,   nenhum   problema.   Qualquer   outro   vício   de   procedimento  
que  não  caiba  nestas  alíneas,  gera  apenas  anulabilidade.    
 
o Alíneas  c)  e  d)  –  nulidade  do  conteúdo:  existem  duas  previsões,  «bons  costumes»  e  «normas  legais  injuntivas»  
(preceitos   legais   que   não   possam   ser   derrogados).   A   cláusula   geral   dos   bons   costumes   é   limite   aos   NJ   (arts.  
280º   e   ss   –   ofensa   aos   bons   costumes   também   gera   a   nulidade).   Em   ambos   os   caos,   estão   em   causa   situações  
em  que  há  interesse  publico  ou  interesses  de  terceiros  que  são  perturbados  e,  por  isso,  a  lei  reage  com  vício  da  
nulidade  (articular  ao  CCiv  –  arts.  280º  e  ss).  
 
Os  bons  costumes  são  uma  cláusula  geral,  tal  como  a  boa-­‐fé.  Há  um  teórico  alemão  que  faz  uma  tripartição  
dos   bons   costumes,   boa-­‐fé   e   lealdade.   Os   bons   costumes,   para   este,   são   o   mínimo   ético   admitido   a   todo   o  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

cidadão,  ainda  que  em  contextos  contratuais,  jurídicos  ou  relações  jurídicas  de  sujeitos  determinados.  Quando  
já  existe  a  cláusula  contratual  =  boa-­‐fé;  quando  ainda  não  temos  =  bons  costumes.    
 
A   boa-­‐fé   entra   em   jogo   em   situações   mais   pontuais   (contratuais,   pré-­‐contratuais   ou   similares).   Os   bons  
costumes  entram  em  quaisquer  situações  no  âmbito  do  direito  privado.  São  o  limite  ético.    
 
Ainda   a   propósito   das   três   cláusulas   gerais:   têm   duas   funções,   designadamente,   (1)   recepção   da   ética,   da  
moral  do  direito;  (2)  delegação  no  juiz  do  poder  de  conformação  de  direito.  Em  vez  de  o  legislador  determinar  
aquilo  que  é  proibido,  cria  este  conceito  amplo.    
 
Hoje  em  dia,  entende-­‐se  que  as  CG  são  uma  porta  aberta  para  o  peso  dos  princípios  constitucionais  no  OJ  infra  
constitucional  (eficácia  horizontal  dos  princípios  constitucionais,  dos  direitos  fundamentais).  Lógica:  recebe-­‐se  
a  moral  no  direito,  delega-­‐se  o  poder  de  delegação  no  juiz.  A  moral  não  pode  ser  algo  que  não  seja  conforma  
com  os  direitos  e  princípios  constitucionais.    
 
Uma  deliberação  social  que  ofenda  os  princípios  da  livre  concorrência  (valor  constitucional  material,  consagrados  
no  TUE)  –  será  ofensiva  dos  bons  costumes,  e,  como  tal,  nula.    
 
Exemplos  da  Doutrina  para  a  alínea  d):  distribuição  de  lucros  fictícios  para  enganar  alguém  (p.e.,  o  fisco).    
 
A  alínea  c)  é  uma  alínea  que  está  a  mais.  O  exemplo  que  se  costuma  apontar  é  o  das  deliberações  dos  sócios  
na   matéria   de   gestão.   Para   VASCO  DA   GAMA   ou   LOBO   XAVIER,   dir-­‐se-­‐ia   que   este   exemplo   cabe   na   c),   pois   a   gestão  
é  da  competência  exclusiva  (injuntiva)  do  Conselho  de  Administração.  Mas  se  isto  configura  uma  violação  de  
uma  norma  injuntiva,  então  já  cabia  na  alínea  b),  pelo  que  esta  alínea  não  acrescenta  nada.    
 
16.4. ANULABILIDADE  |  ART.  58º  
 
  O   número   1   tem   quatro   alíneas,   sendo   a   mais   importante   a   alínea   a).   É   uma   espécie   de   saco   roto.   É   uma  
situação   de   vício   residual.   Tem   uma   visão   residual   de   anulabilidade.   Do   ponto   de   vista   prático,   temos   de   ver   se   há  
inexistência  ou  nulidade;  se  não  for,  cabe  na  anulabilidade  (casos  práticos).    
 
⇒ A  violação  dos  estatutos  gera  sempre  anulabilidade.    
⇒ A  violação  de  leis  não  injuntivas  gera  a  mera  anulabilidade.  
⇒ Na  alínea  a)  cabem  os  vícios  de  procedimento  e  conteúdo  que  não  gerem  nulidade.    
 
  Sobre  vícios  de  procedimento,  é  de  fazer  referência:    
 
Teoria  da  Relevância  dos  Vícios  do  Procedimento  
 
  É   uma   importação   germânica.   Há   determinados   vícios   de   procedimento   menos   relevantes   que   não   faz   sentido  
que   gerem   invalidade   de   deliberação   social.   Constitui   um   limite   para   os   vícios   das   deliberações   sociais.   Ao   abrigo   desta  
teoria,  os  vícios  de  procedimento  só  são  relevantes  se:  
 
1. Afectam  um  direito  de  resultado  [o  resultado];  
2. Afectam  o  direito  de  participação  de  um  dos  sócios  ou  de  vários  sócios.    
 
Se  há  um  problema  de  procedimento  que  limita  o  direito  do  sócio  a  participar,  votar  ou  discutir,  esse  vício  já  é  
relevante,  mesmo  que  o  sócio  tenha  uma  quota  baixa  ou  um  número  reduzido  de  acções.    
 
Do  ponto  de  vista  metodológico,  esta  teoria  baseia-­‐se  numa  interpretação  restritiva  das  normas  jurídicas.  Não  é  uma  lei  
ou  norma  nova,  mas  uma  interpretação  diferente.  De  outra  forma  não  haveria  maneira  de  implementar  esta  ideia.    
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

  Ainda  sobre  a  alínea  a)  –  o  vício  pode  surgir  no  NJ  como  um  todo  ou  numa  DN,  i.e.,  pode  surgir  num  voto  ou  
em  toda  a  deliberação.  Os  vícios  de  conteúdo  surgem  em  toda  a  deliberação.  Mas  podem  haver  situações  em  que  surge  
só  num  voto.  A  propósito  desta  situação,  em  que  o  vicio  começa  no  voto,  fala-­‐se  na  prova  da  resistência  (verificar  se  
depois  de  retirado  o  voto,  a  deliberação  se  mantem  ou  não  –  se  é  um  sócio  com  peso  muito  relevante,  mesmo  em  erro,  
retirado  o  seu  voto,  a  deliberação  já  não  se  mantém).    
 
  A  alínea  b)  trata  das  deliberações  abusivas.  Em  litígios  judiciais  (vida  prática),  quando  não  há  mais  argumento,  
é  abusivo.  Está  próximo  do  instituto  do  abuso  de  direito,  previsto  no  art.  334º  do  CCiv  –  esta  é  mais  generosa,  atribui  ao  
juiz   o   poder   de   conformação   mais   amplo   [formulação   muito   vaga].   Aqui,   pelo   contrário,   sob   inspiração  germânica,   a   lei  
não  atribui  tanta  generosidade  ao  juiz;  estabeleceu-­‐se  uma  norma  com  muitos  pressupostos.  É  um  problema  próximo  
do  abuso  de  direito;  mas  aqui  temos  uma  previsão  normativa  distinta  do  art.  334º  do  CCiv.  Além  disso,  é  de  verificação  
muito  difícil,  por  ter  requisitos  muito  complexo.    
 
A  lei  prevê  duas  situações  na  alínea  b):  
 
a. Voto  com  dolo  de  vantagem  especial;  
b. Voto  emulativo.  
 
Tem  que  haver  o  propósito  (dolo,  intenção)  do  sócio,  de  obter  vantagens  para  si  ou  para  terceiros,  e  a  intenção  
de  prejudicar  a  sociedade  ou  os  sócios.  Não  se  olha  de  forma  objectiva  para  a  deliberação;  é  análise  subjectiva,  
i.e.,  provar  que  certa  pessoa  teve  estas  intenções  (ponto  a  da  alínea  b)).  Há  intenção  de  prejudicar  a  sociedade  
ou  os  sócios,  independentemente  da  criação  de  uma  vantagem.  É  só  para  fazer  mal  (ponto  b  da  alínea  b)).  
 
A  expressão  final  retrata  a  prova  de  resistência  («a  menos  que  se  prove»).  Olha-­‐se  para  a  intenção  do  concreto  
sócio,   sendo   ainda   necessário   verificar   se   esse   sócio   tem   poder   suficiente   para   afectar   a   deliberação.   Assim,  
esta   previsão   é   quase   impossível   de   se   verificar.   Quase   nunca,   na   vida   prática,   se   verifica   um   caso   que   se  
subsuma  à  alínea  b)  do  art.  58º/1.  A  Doutrina  cria  soluções  alternativas:  
 
(1) Ideia  de  lealdade  dos  sócios,  sendo  que  a  violação  desta,  poderia  ser  subsumível  à  alínea  a);  
(2) Abuso  de  direito  do  art.  334º  do  CCiv.    
 
Por   causa   desta   formulação   subjectiva   do   regime   das   deliberações   abusivas,   a   Doutrina   aponta   para   as   soluções  
indicadas  nos  pontos  anteriores.  Os  contra-­‐argumentos:  a  lei  previu  o  regime  específico  na  alínea  b)  do  art.  58º/1,  pelo  
que  não  se  deve  aplicar  as  teorias.    
 
  Segundo  o  Professor  –  ao  contrário  de  COUTINHO  DE  ABREU,  o  dever  de  lealdade  não  é  característico  do  contrato,  
mas  antes  um  dever  distinto.  Este  dever  de  lealdade  não  existe  da  mesma  forma  em  todos  os  tipos  de  SC.  Nas  SA  não  
faz   sentido   dizer   que   há   um   dever   de   lealdade   que   afecta   todos   os   sócios.   Nos   outros   tipos   societários   ou   nas   SA  
relativos  aos  sócios  empresários,  já  fará  sentido.  Quanto  ao  art.  334º  do  CCiv,  aplica-­‐se  quando  se  limitam  direitos  e,  
neste  caso,  há  um  direito  de  participação  social,  pelo  que  a  formulação  deste  artigo  é  a  mais  imputável.    
 
  Na  alínea  c)  temos  a  violação  de  deveres  de  informação.  também  não  é  necessária,  porque  caberia  na  a).  Na  
c),   falam-­‐se   de   elementos   mínimos   de   informação;   na   a),   qualquer   violação   do   direito   à   informação   poderá   ser  
considerada  como  vicio  de  procedimento.  Desde  que  seja  um  vicio  que  afecte  uma  informação,  é  relevante.  Pela  a)  já  
temos  a  violação  de  qualquer  lei,  sendo  que,  dentro  dos  direitos  estabelecidos  por  lei,  está  o  da  informação.    
 
! Por   vezes,   a   lei,   especificamente,   determina   que   o   vicio   é   nulidade.   Os   artigos   da   parte   geral   do   CSC,   forçam   a  
ser  feita  a  análise  da  norma,  no   sentido  de  saber  se  é  supletiva  ou  injuntiva.   Se  for  injuntiva  =  nulidade;  se  for  
supletiva  =  anulabilidade.    
 
Polémica  Doutrinária  |  Maiorias  Qualificadas  Exigidas  por  Lei  
 
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

• Exige-­‐se  maioria  qualificada;  


• Há  apenas  maioria  simples;  
• Fica  aprovada  por  maioria  simples.    
 
Quem  defende  nulidade  –  é  difícil  de  defender.  A  maioria  é  exigida  por  lei.  Se  não  for  outro  vicio,  cabe  no  art.  58º/1,  a)  
–   da   situação   residual.   É   uma   situação   grave,   na   medida   em   que   não   há   maioria   e   foi   adoptada   a   deliberação.   Mas  
colocar  no  âmbito  do  art.  56º,  é  muito  difícil.  Trata-­‐se  de  um  vicio  de  procedimento,  o  qual,  segundo  a  alínea  a)  só  gera  
a  nulidade  se  couber  naquele  caso.  Segundo  o  Professor,  a  ideia  mais  adequada  é  a  da   inexistência.  Não  foi  preenchida  
a   deliberação   com   a   maioria   qualificada   {há   uma   aparência   de   deliberação   social}.   Há   quem   defenda   que   cabe   na  
anulabilidade.  
 
Renovação  da  Deliberação  |  art.  62º  
   
  É   uma   espécie   de   confirmação   do   NJ;   figura   específica   das   deliberações   sociais,   i.e.,   não   se   aplica   na  
generalidade   do   NJ.   Vale   para   vícios   formais,   essencialmente.   Se   o   vicio   é   de   conteúdo,   não   se   pode   renovar   uma  
deliberação  com  um  mesmo  vício  de  conteúdo.  Pode  renovar-­‐se  a  deliberação  com  diferente  conteúdo.  Discute-­‐se  se  
podem  existir  prazos.    
 
Questões  Procedimentais  
 
  Na   nulidade,   nos   termos   gerais,   temos   legitimidade   geral   de   terceiros,   conhecimento   oficioso.   Em  
contraponto,   no   vício   da   anulabilidade,   não   há   conhecimento   oficioso,   legitimidade   de   terceiros   e   há   um   prazo   de  
caducidade  curto  de  30  (trinta)  dias.  Ideia:  protecção  do  tráfego  negocial  –  não  se  pode  suspender  a  vida  empresarial.  
59
Ao  fim  de  30  dias  são  sanadas  as  anulabilidades  (art.  59º) .    
 
• Só  tem  legitimidade  o  sócio  que  não  tenha  votado  no  sentido  que  fez  vencimento;    
• Ou  o  órgão  de  fiscalização.    
 
Regime  da  Suspensão  de  Deliberações  Sociais  
{articulação  com  o  CPCiv}  
 
  Tem   um   prazo   de   10   (dez)   dias.   Tem   importância   prática.   No   exame   não   será   convocado.   Trata-­‐se   assim   de  
uma   providência   cautelar   de   suspensão.   Nem   sequer   existe   no   CSC.   Uma   advertência:   estabelece   que   recebida   uma  
PSDS,  se  os  fins  não  definirem  liminarmente  a  providência,  tem  de  haver  citação  da  sociedade  (sendo  que  a  partir  desse  
momento,   a   sociedade   fica   impedida   de   executar   a   deliberação).   Ou   seja,   só   porque   o   sócio   decide   pedir   a   PC,   a  
sociedade  poderá  ficar  imenso  tempo  sem  poder  executar  a  deliberação.    
 
Abuso  de  Direito  de  Impugnação  
{por  parte  do  sócio  minoritário}  
 
  É   defensável   aplicar-­‐se   o   art.   334º   do   CCiv,   quando   está   em   causa   o   uso   do   direito   de   impugnação   de   uma  
forma  abusiva.  Não  é  a  deliberação  que  é  abusiva,  mas  o  direito  de  impugnar  a  deliberação.    
 
Invalidade  das  Deliberações  do  Conselho  de  Administração  das  SA  |  art.  411º    
 
  O   art.   411º   determina   o   elenco   das   invalidades,   sendo   que   o   regime   é   muito   semelhante   à   invalidade   dos  
sócios.   As   alíneas   representam   os   vícios   de   conteúdo   das   invalidades   de   deliberações   dos   sócios.   Fora   isto,   temos   o  
vício  residual  da  anulabilidade.  Em  sede  de  teoria,  não  se  passa  nada.    
 
                                                                                                                       
59
 EXAME  FINAL:  TEMA  DE  DELIBERAÇÕES  SOCIAIS  {VÍCIOS  E  PRAZOS}  –  SAI  DE  CERTEZA.  
Joana  Almeida  |  2016-­‐2017  

  O  regime  da  arguição,  do  art.  412º  é  que  levanta  maiores  questões.  Da  letra  da  lei  resulta  –  aparentemente  -­‐  
que  os  sócios  não  podem  impugnar  directamente,  nos  tribunais,  as  decisões  do  Conselho  de  Administração.  O  próprio  
CA   pode   opinar   sobre   os   vícios   das   suas   deliberações,   declarando   a   nulidade   ou   anulabilidade   das   suas   próprias  
decisões,   mas   também   a   AG   o   pode   fazer.   Ou   seja,   a   AG   pode   declarar   a   anulabilidade   ou   nulidade   de   decisão   da   CA.   A  
ideia  que  resulta:  o  accionista  não  ataca  directamente  a  decisão  do  CA,  faz-­‐se  com  que  matéria  seja  discutida  em  AG;  se  
houver   a   maioria,   anula-­‐se   ou   dá-­‐se   a   nulidade;   se   não   houver   maioria,   não   se   pode   ir   para   tribunal.  Há   quem   defenda  
que   não   se   pode   defender   esta   teoria,   i.e.,   defendem   que   os   sócios   têm   direito   de   impugnar   directamente   as  
deliberações  do  CA.  
 
  O  Professor:    
 
Joga-­‐se   aqui   um   problema   de   protecção   da   iniciativa   de   gestão   do   CA.   É   também   uma   regra   que   protege   as  
deliberações   do   CA   {articulação   com   a   Business   Judgment   Rule}.   Esta   ideia   de   que   é   necessário   proteger   as   decisões   do  
CA  aponta  no  sentido  de  impedir  que  os  sócios  as  impugnem,  directamente,  em  tribunal.  Ou,  quando  vão  directamente  
para   tribunal,   os   juízes   só   podem   admitir   determinados   vícios,   não   permitindo   que   se   alterem   decisões   de   conteúdo  
(administração).  
 
  Art.   20º   da   CRP:   tutela   cautelar   efectiva.   Abarca   várias   facetas   e   elementos,   sendo   um   desses   a   tutela   cautelar  
efectiva.   Só   é   possível   a   tutela   cautelar   junto   dos   tribunais,   sendo   relevante   para   os   efeitos   do   art.   412º   do   CSC.  Assim,  
o  art.  412º  é  inconstitucional,  pontualmente,  quando  rejeita  a  tutela  cautelar  efectiva.