You are on page 1of 15
PARECER FINAL DO RELATOR DA COMISSAO PROCESSANTE. Denunciantes: Juarez Bueno Pacheco; Sérgio Rezende de Souza; ¢ Sebastiao Martins. Denunciada: ‘Thelma Pimentel Figueiredo Oliveira. Comissao Processante: Joair Lara de Siqueira - Presidente Aline Muniz - Relatora Rosa Lisboa - Membra Devidamente qualificados na tece inicial, ofertaram o presente pedido de cassagao do mandato da Prefeita Municipal de Chapada dos Guimaréies MT, senhora Thelma de Oliveira Pimentel, nos termos do Decreto-Lei 201/1967. Ter a denuncia incorrida na pratica de infragdes politicos administrativos, crimes de corrupgéo, lavagem de dinheiro e formacéo de quadriiha, que implicaram na configuragao das hipoteses previstas no sob tido Diploma Legal em seu art. 7. 8°e 10°, tudo por conta dos fatos relacionados e consistentes de forma resumida nos seguintes fatos. 1-DA DENUNCIA Os trés eleitores chapadenses, apresentaram diante da Camara Municipal de Chapada dos Guimarées, denuincia contra a Excelentissima Prefeita Municipal, Sra Thelma Pimentel Figueiredo Oliveira, objetivando seja a mesma processada e julgada nos termos do Decreto-Lei 201/1967, oportunamente convolada em acusagao que, apés contraditério e ampla defesa, deverd ensejar a cassagao de seu mandato eletivo. Diante dos fatos supra narrados sobreveio a exordial acusatéria, cujo elenco das acusagées se dividem em: 1) Atraso no Envio dos Informes do APLIC para o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso; 2) Aquisicéo de Materiais com Prego Superfaturado; 3)Descumprimento do Prazo de Encaminhamento dos Projetos de Leis de Diretrizes Orcamentarias e Lei Orcamentaria Anual do Exercicio de 2019 para a Camara Municipal; 4)Aquisigao Gramas para Jardinagens e Mudas de Arvores para Atender a Demanda da Secretaria de Turismo — Valor R$ 150.837,00; 5)Suprimento de Fundos e 6)Desatender os Pedidos de Informagées da Camara Municipal (Negativa de Resposta a Requerimentos). |I-DA INSTAURAGAO DA COMISSAO PROCESSANTE ‘A Comissao Processante fora instalada por ato proprio da Presidéncia da Camara Municipal de Chapada dos Guimaraes, conforme estabelecido pelo Ato Legislative n.° 16/2018 de fl. 72, com aprovagao prévia em Plendrio, sendo estabelecida a respectiva Comisséo Processante por sua Presidéncia, Relatoria e Membro de composigao. Ill - DA DEFESA PREVIA A Excelentissima Sra. Prefeita, através de seus defensores, em tempo habil, ofereceu defesa prévia de fl. 80/251, oportunidade em que estabeleceu suas razées de contraditério @ ampla defesa, bem como arguiu preliminares quanto a quorum de votagéo para recebimento da denuincia em processo de cassagdo de mandato eletivo, bem como a arguigao de nao subsungao do fato a norma No que tange as razées de merito, sero abordadas pontualmente quando da analise emissao do Parecer Conclusivo de Mérito da Relatoria, de sorte que, cabe aqui apenas ressaltar que os principios do devido processo legal, contraditério e ampla defesa foram amplamente cumpridos, motivo pelo qual tenho que © processo encontrasse higido e apto a votacdo e julgamento. No que tange as preliminares arguidas pela defesa, tenho que, com felagéo ao quorum de instauragéo da Comissao Processante, aduzindo a defesa que seria por 2/3 dos competentes e nao maioria dos presentes na sesso, tenho que essa matéria nao é de competéncia da Comissao Processante, Explico. O ato de instauragao da Comissao Processante, ¢ aquele disposto a fl. 72 destes autos, indicado como Ato Legislativo n.° 16/2018 da lavra do ilustre Presidente da Camara Municipal, aps submissao da matéria ao soberano Plenério. Assim, nao compete a esta Comissdo Processante revisar a legalidade dos atos emanados do Plenério e da Presidéncia. No que tange a arguic&o de nao subsungao dos fatos a legislacéio, com 0 devido respeito a defesa, mas os atos imputados s4o compativeis a varias hipoteses do artigo 4° do Decreto-Lei 201/67, além de evidenciarem atos de improbidade administrativa, crimes contra a Administragao Publica e outras ocorréncias que legitimam a atuagao do Poder Legislative a luz do controle externo que exerce por forga constitucional IV - DAINSTRUGAO A instrugao do processo até 0 presente momento, contou com a seguinte evolugao de atos e procedimentos: - Denincia Escrita — fls. 01/07; ~ Documentos Anexos a Dentincia ~ fls, 08/71; ~ Ato Legislativo n.° 16/2018 — Instaura a Comissao Processante — fl, 72; ~ Ata Comissao Processante 14.12.2018 ~ fis. 77/78; - Notifica Denunciada — fl, 79; - Defesa Escrita ~ fis. 80/108; - Documentos Anexos a Defesa — fis. 109/251: - Ata Comissao Processante 31.12.2018 ~ fis. 254/255; ~ Ata Comissdo Processante 11.01.2019 — fis. 257; - Diligéncias da Comissao Processante — fis. 258/281 ~ Ata Comissao Processante 22.01.2019 fis. 282; - Ata Comissao Processante 05.02.2019 - fis. 291; - Ata Comisséo Processante 11.02.2019 - fis. 292; - Atos Ordinatorios — fis 293/306; - Ata Comissao Processante 20.02.2019 — fls. 307; - Atos Ordinatérios ~ fls. 308/314; - Registro de Termo de Oitiva Denunciada — fis, 315/316; - Manifestagao Técnica EMPAER - fls, 317/325; ~ Registro de Termo de Oitiva Testemunha ~ fis. 315/316; € - Alegag6es Finais ~ ls. 329 e seguintes. Encerrada a instrucéio, consoante dispde o inciso V do artigo 5° do Decreto-Lei 201/67, neste turno, advém o presente voto da Relatoria, para submissao aos seus pares e votagao/julgamento pelo Soberano Plenario. V - DAS ALEGAGOES FINAIS DA DEFESA As alegagées finais da defesa, operam-se as fis. 329 e seguintes dos autos, oportunidade em que houve ratificacéo do texto estabelecido pela defesa prévia, acrescentando-se poucos argumentos diversos, que, de igual forma, serao abordados na andlise conclusiva de mérito desta Relatoria