You are on page 1of 2
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo homeopático no tratamento de Insuficiência Cardíaca* A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma
Uso de complexo
homeopático no
tratamento de
Insuficiência
Cardíaca*
A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma patologia
passível de ocorrer em qualquer idade. Nos cães jovens
geralmente é decorrente de defeitos congênitos; nos
adultos com frequência é causada por infecções e nos
cães idosos ocorre por insuficiência valvular mitral,
resultante da ocorrência frequente de Insuficiência
Renal Crônica, comum nesta faixa etária. Como os me-
dicamentos utilizados no tratamento de IC podem cau-
sar efeitos colaterais, tornou-se frequente a utilização
da Homeopatia nestes casos. A Homeopatia tem-se re-
velado eficaz no tratamento de Insuficiências Cardía-
cas com a vantagem de não causar danos colaterais à
saúde do paciente. Este trabalho apresenta o caso de
cão um com Insuficiência Cardíaca tratado com suces-
so apenas com medicamento homeopático.
tratado com suces- so apenas com medicamento homeopático. 1 Patrícia Martins de Rezende, Médica Veterinária

1 Patrícia Martins de Rezende, Médica Veterinária Promotora Técnica Real H, Campo Grande, MS, BRASIL. 2 Cláudio Martins Real, Profes- sor Emérito da UFRGS - Uni- versidade Federal do Rio Grande do Sul e da UFMS - Universida- de Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, BRA- SIL. *Trabalho apresentado no 41º CONBRAVET, Gramado (RS), agosto de 2014.

18

HV202-final.pmdno 41º CONBRAVET, Gramado (RS), agosto de 2014. 18 18 INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADO

18

INTRODUÇÃO

OBJETIVO

METODOLOGIA

RESULTADO

CONCLUSÕES

INTRODUÇÃO

Nos animais jovens, as más formações cardíacas congênitas frequentemente são por defeitos no miocárdio ou no endocárdio; por más formações ou até por ausência de válvu- las cardíacas. As más formações congênitas correspondem nos filhotes a cerca de 10% de todas as cardiopatias que podem ocorrer nes- tes animais (Ettiger e Suter, 1970). Nos animais adultos, a IC é motivada por infecções bacterianas ou víricas (Liégeois, 1955) ou ain- da, com menos frequência, por intoxicações que comprometam tanto o miocárdio quanto o endocárdio; por exemplo, pelo medicamento doxorrubicina (Nelson e Couto, 2005). Nos cães

P. M. REZENDE 1 , C. M. REAL 2

idosos, a IC geralmente é resultante da insufi- ciência valvular mitral, que decorre de uma Insuficiência Renal Crônica. Esta gera hiper- tensão arterial com repercussão imediata so- bre o ventrículo esquerdo, que inicialmente se hipertrofia, mas que, com a continuidade do processo, acaba se dilatando e motivando o afastamento dos pilares valvulares. Daí a in- suficiência que se traduz clinicamente por “so- pro” cardíaco. O aparecimento de Insuficiência Cardía- ca se inicia por uma fase clinica discreta, que se manifesta por dispneia de esforço mais pro- longado que o normal e que é denominada de Disistolia. O agravamento deste quadro inici- al, já com o aparecimento de sopro, é a chama- da Hiposistolia. Um grau maior da Insuficiên- cia Cardíaca com congestão passiva grave e comprometimento funcional dos órgãos ge- rando sintomas como: cianose das mucosas, tosse, oligúria, etc., e levando ao aparecimen- to de edemas e derrames cavitários (ascite, hidrotorax, hidropericárdio, etc.) é a fase de- nominada Asistolia. Esta é uma situação mui- to grave ou mesmo terminal, ocorrendo com o

A Hora Veterinária – Ano 34, nº 202, novembro/dezembro/2014

23/11/2014, 09:04 mui- to grave ou mesmo terminal, ocorrendo com o A Hora Veterinária – Ano 34, nº

grave ou mesmo terminal, ocorrendo com o A Hora Veterinária – Ano 34, nº 202, novembro/dezembro/2014
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da
avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da

avanço da dilatação ventricular o desaparecimento do “so- pro” cardíaco (Liégeois, 1955). No tratamento da Insuficiência Cardíaca existem várias opções terapêuticas; entre elas têm grande importância os derivados digitálicos (Brion, 1976). Os medicamentos alopáticos, por serem ponderais, podem causar intoxicações e efeitos colaterais (Brion, 1976); por esse motivo tem-se recor- rido à terapêutica homeopática. A Homeopatia foi criada no final do século XVIII pelo médico alemão Samuel Hahnemann

e se baseia na Lei dos Semelhantes: Similia similibus curantur. Os medicamentos homeopáticos, por serem diluídos e dinamizados, não têm possibilidade de causar efeitos colaterais e/ou intoxicações (Real, 2008). Os medicamentos homeopáticos têm se mostrado efica- zes no tratamento de diversas doenças, inclusive nas insufici- ências cardíacas.

OBJETIVO

Este trabalho apresenta um caso de Cardiomiopatia Di- latada, inicialmente tratado com medicamentos alopáticos que não se mostraram eficazes. O tratamento alopático foi substi- tuído pelo produto homeopático 1 Homeopet Cardioplus que restabeleceu o equilíbrio da função cardíaca com a desaparição dos sintomas.

METODOLOGIA

Canino, Poodle, fêmea, 16 anos. Animal com histórico Canino, Poodle, fêmea, 16 anos de insuficiência renal crônica. Em abril de 2011 apresentava dificuldade para de insuficiência renal crônica. Em abril de 2011 apresentava dificuldade para respirar, cansaço e tosse seca. A radiografia realizada evidenciou aumento da área cardíaca e presença de Edema Pulmonar, sendo que a veterinária não constatou na auscultação a presença de “sopro” cardíaco. O tratamento inicial foi com Enalapril e Furosemida. Com este tratamento, o animal teve pequena melhora da tosse, mas continuava com os demais sintomas. Após dez meses com este tratamento (fevereiro de 2012)

o paciente retornou à consulta, pois a proprietária desejava parar a medicação, já que o animal não aceitava mais os com- primidos, além de que, continuava com cansaço constante,

primidos, além de que, continuava com cansaço constante, Figura 1 1 Homeo Pet Cardioplus - CMR

Figura 1

1 Homeo Pet Cardioplus - CMR Laboratórios Veterinários LTDA. Cadastro no MAPA n° 062-2009/MS.

A Hora Veterinária – Ano 34, nº nº 202, novembro/dezembro/2014

HV202-final.pmdVeterinária – Ano 34, nº nº 202, novembro/dezembro/2014 19 dispneia e, ainda, presença da tosse. Naquela

19

34, nº nº 202, novembro/dezembro/2014 HV202-final.pmd 19 dispneia e, ainda, presença da tosse. Naquela ocasião,

dispneia e, ainda, presença da tosse. Naquela ocasião, nova radiografia evidenciou que persistia o aumento da silhueta cardíaca e a presença de Edema Pulmonar. A área cardíaca ocupava o espaço de quatro costelas, o que, levando-se em conta o porte do animal, significava grave comprometimento cardíaco (Figura 1). O tratamento alopático foi então substi- tuído pelo Homeopet Cardioplus, uma borrifada, três vezes ao dia.

RESULTADO

Após 30 dias de uso do Homeopet Cardioplus, a tosse havia desaparecido e o animal não apresentava mais cansaço nem dispneia. Com 60 dias de tratamento, nova radiografia mostrou diminuição da silhueta cardíaca, desaparecimento do edema pulmonar e transparência pulmonar normal (Figura 2).

pulmonar e transparência pulmonar normal ( Figura 2 ). Figura 2 CONCLUSÕES O produto Homeopet Cardioplus

Figura 2

CONCLUSÕES

O produto Homeopet Cardioplus revelou-se eficaz no

tratamento de Insuficiência Cardíaca grave, já na fase de Assistolia (edema pulmonar).

O uso do produto homeopático melhorou os sintomas

clínicos decorrentes de cardiopatia. No exame feito 60 dias após, além do desaparecimento dos sintomas não existia mais edema pulmonar. A imagem da área cardíaca que antes se pro- jetava sobre quatro costelas, após esse tempo estava apenas sobre três costelas, significando uma redução de 25% no grau da dilatação do miocárdio o que representa uma notável me- lhora, responsável pela cura clínica.

REFERÊNCIAS

BRION, A. Vade-mécum del Veterinario. Ediciones GEA. Barcelona.

1976

ETTIGER, S. J.; SUTER, P. F. Canine Cardiology. LIÉGEOIS, F. Tratado de Patologia Médica de los Animales Domés- ticas. 1955 NELSON, W. R.; COUTO, C. G. Medicina Interna de Pequenos Animais. 3° ed. 2005 REAL C.M. Homeopatia Populacional – Fundamentos Ruptura de um Paradigma. A Hora Veterinária – Ano 28 nº 164. 2008

23/11/2014, 09:04 C.M. Homeopatia Populacional – Fundamentos Ruptura de um Paradigma. A Hora Veterinária – Ano 28 nº

19

Populacional – Fundamentos Ruptura de um Paradigma. A Hora Veterinária – Ano 28 nº 164. 2008