You are on page 1of 12

Cálculo do valor de produção

Existem 3 óticas:

 Ótica do produto
 Ótica do rendimento
 Ótica da despesa

1. Ótica do produto

VAB= VBP-CI

VAB-Valor acrescentado bruto

VBP- Valor bruto de produção

CI- Consumos intermédios

Métodos de cálculo do valor do produto

Problema da múltipla contagem- Se somarmos o valor da produção das varias empresas vamos
juntar varias fezes o valor do mesmo produto. Para ultrapassar este problema usamos os
seguintes métodos:

 método do dos valores acrescentados


 Método dos produtos finais

Exemplo: pag. 37 exerc.20, exemplo caderno lição 26 e 27


Várias classificações do produto

 Interno ou nacional
 Líquido ou bruto
 A preço de mercado ou a custo de fatores
 A preços constantes ou a preços correntes

Produto interno e produto nacional

 Produto interno- riqueza criada no país que vai ficar no país ou não(remessas enviadas
pelos imigrantes ou por empresas a laborar nesse país para o resto do mundo)
 Produto nacional- riqueza que vai ficar em determinado país que pode ser gerada no
próprio país pelos seus habitantes ou no resto do mundo por pessoas ou empresas
desse país.

PN= PI + SRRM

SRRM= RRRM -RPRM

PN- produto nacional

PI- produto interno

SRRM- Saldo rendimentos do resto do mundo

RRRM- rendimento recebido do resto do mundo

RPRM- rendimento pago ao resto do mundo

Exemplo: pag.39
Produto bruto e produto liquido

Amortizações ou Consumo de capital fixo(CCF)- São os custos com as reparações e


substituições de dos bens de equipamento ao fim de um certo tempo.

Produto bruto – é calculado tendo em conta as amortizações ou CCF- consumo de capital fixo.

Produto liquido- é calculado não tendo em conta as amortizações ou CCF- consumo de capital
fixo.

PIB= PIL+A

PIL= PIB- A

PIB- produto interno bruto

PIL-produto interno liquido

A-Amortizações

PNB=PNL+A

PNL=PNB-A

PNB- produto nacional bruto

PNL- produto nacional liquido

A-Amortizações

Exemplo: pag. 40
Produto a preços de mercado e produto a custos de fatores

Produto a preços de mercado- produto a preço de venda( otica de venda)

Produto a custo de fatores- produto a quanto custa ao produtor (otica de produto)

PCF=PPM - Ii+ Sub

PPM=PCF+ Ii – Sub

PCF- produto a custo de fatores

PPM- produto a preço de mercado

Ii- impostos indiretos ( ex. IVA)

Sub- Subsídios à produção

Exemplo: pág 41
PIBcf= ΣVAB=VBP-CI

PIB pm=Σ VAB +Ii+Sub; (VAB=VBP- Ci)

PIB pm= PIB cf+Ii-Sub

PNB pm= PNB cf+Ii-Sub

PIB pm- PIB a preço de mercado

PIB cf- PIB a custo de fatores

PNB pm- PNB a preço de mercado

PNB cf- PNB a custo de fatores

VAB- valor acrescentado bruto

Ii- impostos indiretos

Sub- Subsídios

Exemplo: caderno lição 32 e 33(Pág 42 exercício 2)


Produto a preços correntes e produto a preços constantes

PIB Nominal ou a preços correntes

PIB cf a preços correntes- mede a produção a preços do ano em curso, mas implica que exista
inflação no cálculo. Não conseguimos saber se o valor é causado pela variação da quantidade
ou do preço (variação nominal)
𝑛
PIB Nominal=∑ (𝑝𝑖 𝑡 𝑞𝑖 𝑡 )
𝑖

n- número de bens e serviços


q- quantidade transacionada do bem ou serviço i no período t
p- preço do bem ou serviço i no período t
PIB Real ou a preços constantes
PIB cf a preços constantes- mede a produção a preços de um ano tomado como base. Permite
saber a variação das quantidades produzidas ( variação real)
𝑛
PIB Real =∑ (𝑝𝑖 𝑏 𝑞 𝑖 𝑡 )
𝑖

𝑝𝑖 𝑏 - preço do bem ou serviço i no periodo ano- base b

Defletor do PIB
PIB real= PIB Nominal ×100
IPC
Taxa de crescimento=PIB Nominal ano x- PIB Nominal do ano x-1 x100
PIB Nominal do x-1
Taxa de crescimento real= PIB Real ano x- PIB Nominal do ano x-1 x100
PIB Nominal do ano x-1
Ano x- ano actual
Ano x-1- ano anterior

Exemplo caderno Lição nº 28


2. Óptica do Rendimento

PIB cf= Renum. Trab+EBE=S+R+J+L=RI


PIBpm= Renum. Trab. +EBE+ Ii – Sub ou PIBpm=PIBcf +Ii -Sub
PILcf=PIBcf – A
PILpm=PIBpm-A
PIBcf- PIB a custo de factores
RI- rendimento interno
S-salários
R- rendas de propriedades
L- lucros de empresas
J- juros de investimentos
PIBpm- PIB a preço de mercado
PILcf- PIL a custo de factores
PILpm-PIL a custo de mercado
Renum. Trab- são as renumeraçoes de trabalho=S
EBE(Excedente bruto de exploração) – são as renumerações de capital =R+J+L

RNBpm=PIBpm + SRRM
RNBpm=PNBpm=DNBpm (Igualdade entre as 3 óticas de cálculo)

Exemplo: Exercício 1.1 pág 47


Rendimento disponível dos particulares(das famílias)
RDF=S+R+L+J +TRi +TRx- ID –CSS
S-salários
R- rendas de propriedades
L- lucros de empresas
J- juros de investimentos
TRi- Transferências internas
TRx- Trasnsferências externas
ID- Impostos diretos
CSS- contribuição para a segurança social

Exemplo: Exercício 3 pág 49


3. Óptica da despesa
Componentes da despesa
 Consumo
 Investimento
 Exportações
 Importações
Consumo Privado- feito pelas famílias ou pelas instituições sem fins lucrativos ao
serviço das famílias
Consumo Público- feito pelo estado.

O investimento divide-se em:


 Formação bruta de capital fixo(FBCF)- despesas das empresas e do estado na
aquisição de máquinas, edifícios e outro material que é utilizado na produção e
satisafação das necessidades da população( hospitais, escolas, estradas, etc.).
Também inclui a compra da habitação própria pelas famílas
 Variação de existências(VE)- Diferença entre a entrada de existências(matérias
primas, produtos acabados e semi acabados, bens para revenda e as saídas e
perdas de existências

Exportações- venda de bens e serviços do país para o resto do mundo


Importações- compra de bens e serviços do país ao resto do mundo

Exportações liquidas= Exportações – Importações

Despesa interna e despesa externa


Despesa interna
DI=PIBpm=C+G+I+X-M
Di- despesa interna
PIBpm- PIB a preço de mercado
C- consumo privado
G-Consumo público
X- exportações
M- importações
I-Investimento( público+privado)
I= FBCF+ Δ exist.
FBCF- Formação bruta de capital fixo
Δ exist- Variação das existências= Ef-Ei
Despesa nacional
DN= C+G+I+X-M +SRRM
DN- despesas nacionais
G-Consumo público
X- exportações
M- importações
I-Investimento( público+privado)
SRRM- saldo rendimentos resto do mundo

Igualdade das óticas


DI=PIBpm
DN=PNBpm

Procura interna e procura global

Procura interna- despesas efectuadas pelos residentes do país em bem e serviços


produzidos apenas no país
Procura global- despesas efectuadas pelos residentes e os não residentes do país em
bem e serviços produzidos apenas no país

PI=C +G + I
PG= C +G + I +X
PI- procura interna
PG-procura global
I-Investimento( público+privado)
C- consumo privado
G-Consumo público
X- exportações

DI=PG-M
DI-despesa interna
PG-procura global
M- importações

Igualdade das oticas


PNBpm=RNBpm=DN

Oferta global=Procura global(Procura Interna+Procura externa)


PIBpm +M= C+G+I+X

Oferta global Procura Procura externa


Interna

Exemplo Exercício 1 caderno (lição nº 34) , exercício 2 e 3 pág.55, caderno (lição 38)
Limitações da contabilidade Nacional
A informação dada pela Contabilidade Nacional é muito importante para o estado pois
ajuda-o a definir a sua política económica e para comparar o país com os outros.
Limitações:
1. Recolha de informações para a medição da actividade económica (é difícil
quantificar tudo que é produzido)

Os registos estimam apenas os bens e serviços transaccionados no mercado ( não


contam com o autoconsumo, economia informal-produtos e serviços legais
produzidos de forma desorganizada e em pequena escala” biscates”, produtos da
economia subterrânea- produz bens e serviços legais mas não declarados para
evitar o pagamento de impostos ”fuga ao fisco” e dos economia ilegal- produz produtos
e serviços proibidos por lei como por exemplo as drogas ilegais)

2. As externalidades são tratadas de forma deficiente- externalidades são


impactos positivos ou negativos que um agente económico tem sobre outro
agente económico
 Externalidades positivas- provocam benefícios para a
sociedade (construção de uma estrada)
 Externalidades negativas- provocam prejuízos na sociedade(
empresas que poluem o meio ambiente e prejudicam a
qualidade de vida dos moradores do local)

Nota: no cálculo do produto não são contabilizadas nem as externalidades positivas


nem as externalidades negativas.