You are on page 1of 9
L JORNALISTA MAL 2 DISTRITO INDUS INFORMADO TRIAL DE PAR Na orénicat O a da cidade, 13 S © Distrito’ da nos miorofo. Industrial de nes da Radio B Parnafba, & 0 @ucadora de que existe de Parnafba dia mais importan— 16 do corrente te para se nés, constatou se grande incapacidade jornal{stica de quem re digiu aquele artigo, Inoapacidade jor nalistica om termos, insignificancia, mesmo, a Com um fundo musical “ontedia dor", 0 locutor com a voz mais humana possivel, dcixando-nos lembrar 0 popu larissimo Roberval Taylor, do Progrog ma Chico City, transmitido pela R&de Globe ae Televis%o, o "jornal{sta" au tor da crénica daquele dia, deve ter ouvido alguém comentar sobre o assun- to © passou, deste minimo comentario, a uma tontativa de conquistar 0 povo a gritar contra ume medida adotada a certadamentey.0 Anexo Lima Rebélo 7 trensferido do edificio onde funcio — nou 2 Escola Normal Francisco Corréia para o Raquel Magalhdes, no Bairgo de Santa Luzia, desfavorecen alguns 6 bonoficion a todos pois deverfamos oa contririo, termos {40 para as cucu ies, ou seja, para a localidade chana da "Cidade sem Deus’ Sen motivos, o estudante re clema com a ajuda de pessoas mal jn e formades © que aproveitam os meios de comunicagso ao seu dispor, para de~ turpar aquilo solucionado com lucidezs In outros centros desenvolvides, 0 oa tudante nfo desfrutn dee regalian ofe recidas gret Parnaibenos, unis sejam, meia passa— gem em colctivos, etey., ete... Por outro lado, ostes mesmos estudantes , epanham duas ou mais condugdes para * se locomoverem de casa para o traba ~ ho e deste, para o colégio, apanhan- do outra condugdo para o retorno ler. ente aos estudantes 20 & ignorancia pegarmos na cane tao no papel para escrover sobre quilo que se esta totalmente parte, totalmente analfabeto do quo se passa. Sa ET LEIA INnovagio "TRABALHO E JUSTIGA PARA TODOS" ANO I~ Parnafva, (Pf.) Marco 1978 ~ me 50 concretizar em. * spose cidade, © parnaibano de mode geral, pouco sa be sobre esta iniciativa ou mesmo, na da conhece, Leia na pdgina 40 relato do Dr. Branotseo de Canindé Correia, a 222ecoagoccezocveggeogangaccscanazaine mE Ri RR ninacoacogoogocangcaces III FESTIVAL DE MGsIcAs PasTORATS ~ Wisicas Sccras — IDEALIZAGKO: JAL @ Juventude Amor e Lideranga Realizou-se com grande sucesso no audi, tério do SESI, A misica vencedora fol a de autoria de Bernardo Silva. Rita nossa edicdo langamos em colavora glo com o JAL, grupo de jovens daqui, que representa com brios, a juventude a nossa terra, defendendo seus ansei~ os © ideais de realizagao. So2ogenence eeocce gogovecegg et iit itanececceseogogcoogg LOJKO BRODER INAUGURADO EM EXCELENTE A REA DS comfRcro Com a presenga de autoridades' locais © inumcros amigos do Ing. Rober, to Broder vindos de outras localidades foi inaugurade no dia 11 do corrente ' més o Lojdo Broder, cspecializado venda de material de construgdo. 0 investimento total somou wee Cr§ 1 400 000 00 (Um milho e quatrocen, tos mil) numa area de 1100 m2, © Loj&o Broder est4 localizado na avenida Presidente Vargas, 189. eee NESTA EDIGKO: CULTURA FRANCEZA ~ Editorial e¢ Pagi- nas 6 e 7 CRONICA 2 SUJEIRA- Pigina 9 E mais as seogdos Gente e forme Inovagiio, em o In / COMENTARIO PoLiTtco Mo langamento deste jornal, em sua primeira edigdo alertavamos aos 1{-_ deres do MDB de Parnafba, pelo desgaste politico vem sentindo o partido nesta ' terra onde politica é provilégio do trés grupos c o meio termo nao prevale— ce como pedo 0 «tual poder executive munici, pal, através de seus feitos, deveria * cumprir um calendério de realizacdes ' compativeis também, com ideais partidd rios, j& que aste poder é de oposigdo.0 Povo sente, a cidade sente também, defi, ciencias gerais que deveriam ser olha-' das para ndo melindrar os ideais da, queles autonticamente partiddrios do Mo vimento Democrdtico Brasileiro. A visio politica dos que zen o MDB deve ser a de consolidar suas bases, ja trémlass construir e conser~ ver alicercers sempre preservando as origens ¢ respeitando o povo, o voto do Povo, @ confianga do povo de ter clegi- do um governo emedebista na esperanga ' de realizagdes, nao de operagio buracos. oe nn eae “7A burocracia dentro da Prefei- tura Municipal para audiencias com ° Sr. Prefeito devera ser mancirada para que 0 povo ndo fique 4 margem, pois foi Este povo que elegeu e confiou ser inistra a las suas orix bom-senso? Onde fa Feconhecimento Pe, ©? Quando prevaleceré 0 esta o convivio com a gente humilde, convivie Este que marca grandes administragdes? A historia mundial registra i numeros governos populares e aqui bramos 0 exemplo dos Kennedy, nos Esta dos Unidos ¢ om termos de Brasil a fi gura de Getilio Vargas. Bm se falando de administragdo municipal parnaibana o que realmente se identificou com o povo J& sabomos e conhecemos a figura que Be preocupou com os problemas da gente carente de recursos © de aconchego huma NOsee lem © governo-farter ai esta. se gundo pesquisas, aos eleitores ame— ricanos est&o satisfeitos com suas ati- vidades, com os seus emprecndimentoc.Ma, is que qualquer outro Presidente, Car- j Campus a0 mandar impsuei um catélogo de 112 paginas env 29 soiagentas pronessas que fizera sea campanha, Numa sed lego das 95 yiincipais promessas ° Jornal The Washington Post constatou ! Que quarenta ja foram cumpridas, dezoi~ to est&o no Congresso, quatro foram re Jeitadas pelo Legislativo, em quinze * Carter mudou de epinizo © dezoito estio com cumprimento ainda incerto. 4 Os homens que elegem os representantes, espertmapor que marquem uma admins <> abs seus anseios, cata, ie gapacidade de um progrenso real. seus realizagées 30 condigna’ patentear a auténomo " Reginaldo Porreire da Costa. Praga de Sto. Anténi Praga do Gajyeiro,Humkerto de Campos Praga do Hotel Carneiro Praca Col, Jonas Correi tantino Correia Gragas Praga Bevidante Jalio suguatos praga, praca, de praga! que CENTRO DE CULTURA FRAN: = urso de Franc”. = Ministro Rois Parnaiiba — Piaut — LEIA SOBRE 0 CENTRO DE CULTURA FRAN CEZA: Paginas 1, 3 ¢ Editorial eee eeeren ee LEIA INOVAGKO Politica Informagiio 0 Jornal realista do Piaut Estamos ne. ni.a do momedgrafo ¢ na era de inforragiio vo~ie tec ec s0. ter tornou facil a andlise de seu go «NOS @ favor da LIBERDADE soja ada verno quando ele proprio ofereceu os imprensa ou da PESSOA HUMANA... padrdes do julgamento(continua ao lado) TNOVAQKO ANO I — Ne 5 Parnaita, (Pi,) Marco 1978 =a) EDITORIAL = INovAcko = 7 ~ Jornal da Entidade Alienado, esquecido o * .seh 4 Tnovagio . meios de se desenvolver aqui, 0 jovom parnaibano carente de rocursos cultura is foi unanime om apoiar e participar' da Cultura Francezay para desenvolver em parte, sua intelectualidade c sua participagdo em algo necessdrio para ‘ a inteligéncia até pouco tempo esqueci da e rumando para uma falsa cultura A alienag&o no seio da juven- ‘ IANO I - Parnaiba, (Pi) Margo 1978 - Ne 5 Cr$ 3,00 FUNDADORES Ribeiro e Costa REDATORES Roginaldo Ferreira de Coste Francisco José Ribeiro tude permitiu-nos pertencer a um meio <° de viciados e pessoas sem interesse de | desenvolver sua mente pare aquile tido/ €omo bom e que nado seja deturpagao. Aos dezesseis, dezoitd anes”, TRAN!) EDITORIAL . - 7 Roginala wreira da Costa os jovens de Parnaiba so obrigatorie— ¥ mente conduzidos A deixarem sua eicede CORRESPONDENTES & procura de um vinculo ompregaticio e seu desenvolvimento cultural incxisten ~ Torosina-Pi to em nosso meio. O que se vé, € 0 fo José Cruz da Rocha chamento de um colégio, o Nossa Sonho- ra de Lourdes © as cadciras da nossa i Sio Iniz-Ma nica bibliotcoa tiradas de 14 a tréco Paulo’ Cézar da ignoraéncia © de desorganizagio por parte dos responsaveis pola manutengao Fortaleze.Ce e assistencia aquela casa de pesquiza. Maria de Fatima Oliveira \ ~0 Centro de Culture Franceza, como opgado no momento & o que existe ' Brasilia-DF de melhor, Pelo niimero de matriculados + Célia e Marialva ~ cento e cinquenta -, notamos a von tade do estudante em progredir, em es- COLABORARAM COM ESTA EDEGKO colher novos rumoss faten opgbeeres Tda0 : ~_y» hos jovens de modo geral,nBo Q Dr. Francisco de Canindé Gorréia f womens aos jovens, mas a todas asl A, Menezes / pessoas de Parnaita, o Centro de Cultn © Eng. Roberto Broder ra Franceza é um impulso para a concre * Olavo R, Filho tizagdo dos nossos anseios por coisas _,eulturais e que feltam om nossa i= ‘laade de pragas, botes. e restaurantes. | Sw anal Peal a DO NOSSO AEROPORTO? POLttica §& CULTURA Restaurante? Bote? Deposito da Prefeitura? Deverdo demolir para a construgado de uma nova praga... Lew ® Garanto-1he, meu amigo: niio sera gi- nasio, biblioteca ou um centro de ~ estudos qualquer. 9 mais certo é des T novaca od tinarmos 0 suntuoso prédio para , 5 realizagées como a''Festa dos Nelho - restide todos os anos. Inovagao ANO I~ NS 5 Parnaibe, (Pf. ) Margo 1978 - 3