You are on page 1of 87

LIDERANÇA CRISTÃ EFICAZ

por

Manuel Marcelino Mastella

Monografia de bacharelato apresentada em


cumprimento às exigências da disciplina de
Monografia do curso Bacharel em Teologia,
ministrada pelo professor Claiton André Kunz.

SEMINÁRIO TEOLÓGICO BATISTA DE IJUÍ


2003
2

SEMINÁRIO TEOLÓGICO BATISTA DE IJUÍ

LIDERANÇA CRISTÃ EFICAZ

__________________________________
Autor: Manuel Marcelino Mastella

__________________________________
Orientador de Conteúdo: Claiton André Kunz

__________________________________
Orientador de Forma: Claiton André Kunz

__________________________________
Orientador de Português: Luciano Gonçalves Soares

__________________________________
Avaliador Final: Vanderli Kühl

______________
Média Final

Aprovada em ___/___/___

IJUÍ - RS
3

2003

DEDICATÓRIA

À minha amada esposa Gisele pelo estímulo,


dedicação e paciência durante a execução
deste trabalho. Também a Neuza, minha irmã
querida, que sempre me incentivou, e ao pastor
Claudinei M. de Almeida meu fiel amigo e pai
na fé.
4

AGRADECIMENTOS

Aos demais familiares e professores que


contribuíram para minha formação acadêmica,
e, em especial, toda honra, glória e louvor a
Jesus Cristo, meu Senhor e Salvador.
5

LIDERANÇA CRISTÃ EFICAZ

SUMÁRIO

RESUMO .......................................................................................................... 8

INTRODUÇÃO ................................................................................................ 9

I - PROLEGÔMENOS ................................................................................. 11
1.1 Diferença entre liderança e gerência ...................................................... 11

1.2 Definição de liderança ............................................................................ 12

1.3 O dom de liderança ................................................................................. 13


1.3.1 Definição ............................................................................................. 13
1.3.2 Características ..................................................................................... 14
1.3.3 Desenvolvimento ................................................................................. 15
1.3.4 Aplicação ............................................................................................. 15
1.3.5 Fraquezas ou perigos .......................................................................... 15
1.4 Exemplos bíblicos de líderes usados por Deus ....................................... 16

1.5 A importância da liderança .................................................................... 17

II - QUALIFICAÇÕES DE UMA LIDERANÇA CRISTÃ EFICAZ.......... 19


2.1 Chamada Divina ..................................................................................... 19
2.1.1 Definição ............................................................................................. 19
2.1.2 Importância ......................................................................................... 19
2.1.3 A Bíblia e a chamada divina ............................................................... 20
2.1.4 Evidências de uma verdadeira chamada ............................................. 20
2.1.5 Conclusão............................................................................................ 21
2.2 Vida ativa de oração ............................................................................... 22
2.2.1 A importância da oração na vida do líder ........................................... 22
2.2.2 A vida de oração de Jesus.................................................................... 22
2.2.3 A maneira como se deve orar .............................................................. 23
2.2.4 O ensinamento de Jesus sobre a oração .............................................. 23
2.2.5 Conclusão............................................................................................ 24
2.3 Santificação ............................................................................................. 24
2.3.1 Definição ............................................................................................. 24
2.3.2 Evidências de um líder que busca a santificação ................................ 26
2.3.3 O exemplo de Jesus ............................................................................. 26
2.3.4 Conclusão............................................................................................ 27
2.4 Amor ........................................................................................................ 27
2.4.1 Definição ............................................................................................. 27
6

2.4.2 Importância ......................................................................................... 28


2.4.3 Evidências de um líder que age com amor .......................................... 29
2.4.4 Conclusão............................................................................................ 31
2.5 Humildade ............................................................................................... 31
2.5.1 Definição ............................................................................................. 31
2.5.2 Importância ......................................................................................... 32
2.5.3 Exemplos bíblicos de líderes humildes ................................................ 33
2.5.4 Como o líder pode desenvolver a humildade ....................................... 35
2.5.5 Conclusão............................................................................................ 37

III - PROBLEMAS QUE COMPROMETEM A EFICÁCIA DA


LIDERANÇA CRISTÃ .......................................................................... 38
3.1 Falta de tempo à família ......................................................................... 38
3.1.1 O líder e seu cônjuge ........................................................................... 38
3.1.2 O líder e seus filhos ............................................................................. 39
3.1.3 O padrão bíblico .................................................................................. 41
3.1.4 Conclusão............................................................................................ 43
3.2 Críticas .................................................................................................... 43
3.2.1 Como lidar com a crítica ..................................................................... 43
3.2.2 Jesus e a crítica ................................................................................... 45
3.2.3 Conclusão............................................................................................ 46
3.3 Falta de visão........................................................................................... 46
3.3.1 Definição de visão ............................................................................... 46
3.3.2 Importância ......................................................................................... 47
3.3.3 De onde vem a visão ............................................................................ 48
3.3.4 Por que muitos líderes não têm visão? ................................................ 49
3.3.5 Conclusão............................................................................................ 49
3.4 Pequenos problemas ............................................................................... 50
3.4.1 O que leva um pequeno problema a tornar-se grande? ....................... 50
3.4.2 Os primeiros cristãos e os pequenos problemas................................... 51
3.4.3 Como Jesus lidou com os pequenos problemas ................................... 51
3.4.4 Conclusão............................................................................................ 52

IV - PRINCIPAIS TENTAÇÕES DA LIDERANÇA .................................. 53


4.1 Sexo .......................................................................................................... 53
4.1.1 O sexo e o líder casado ........................................................................ 54
4.1.2 O sexo e o líder solteiro ....................................................................... 55
4.1.3 Conclusão............................................................................................ 57
4.2 Dinheiro ................................................................................................... 57
4.2.1 A face negativa do dinheiro ................................................................. 57
4.2.2 A face positiva do dinheiro .................................................................. 58
4.2.3 Os ensinos de Jesus acerca do dinheiro .............................................. 60
4.2.4 Conclusão............................................................................................ 60
4.3 Poder........................................................................................................ 61
7

4.3.1 Definição ............................................................................................. 61


4.3.2 Poder destrutivo................................................................................... 61
4.3.3 Poder criativo ...................................................................................... 62
4.3.4 Como Jesus exerceu poder .................................................................. 63
4.3.5 As marcas de poder espiritual ............................................................. 64
4.3.6 Conclusão............................................................................................ 65
4.4 Orgulho ................................................................................................... 66
4.4.1 Definição ............................................................................................. 66
4.4.2 Orgulho espiritual ............................................................................... 66
4.4.3 Orgulho intelectual ............................................................................. 67
4.4.4 Orgulho material ................................................................................. 68
4.4.5 Conclusão............................................................................................ 69

V - O DESAFIO DA LIDERANÇA CRISTÃ ............................................... 70


5.1 A formação de novos líderes ................................................................... 70
5.1.1 Como encontrar novos líderes ............................................................. 70
5.1.2 Como treinar novos líderes.................................................................. 71
5.2 O exemplo de Jesus ................................................................................. 73
5.2.1 O plano de desenvolvimento de liderança de Jesus ............................. 73
5.2.2 O padrão de Jesus ............................................................................... 74
5.2.3 Métodos usados por Jesus ................................................................... 75
5.3 Autodisciplina ......................................................................................... 76
5.3.1 Seguir prioridades ............................................................................... 77
5.3.2 Desenvolver dons espirituais ............................................................... 77
5.3.3 Opor-se às desculpas ........................................................................... 77
5.3.4 Manter a atenção nos resultados ......................................................... 78
5.3.5 Conclusão............................................................................................ 78

CONCLUSÃO ................................................................................................ 79

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................... 81

BIBLIOGRAFIA ............................................................................................ 85
8

RESUMO

O grande número de obras sobre liderança editados atualmente mostra como é grande a
atenção que este tema tem recebido. A falta de líderes autênticos tem causado uma grande
revolução no meio literário. Muitas fórmulas e métodos pragmáticos têm surgido para suprir
esta necessidade de interesse geral de todos. A questão, contudo, é saber como deve ser a
verdadeira liderança, qual o seu papel e como funciona. Quem está apto a liderar? Responder
esta questão é o objetivo deste trabalho. O exemplo supremo de Jesus é usado de forma
prioritária. Seus valores são colocados como o modelo perfeito a ser seguido. O presente
estudo é desenvolvido em cinco partes. São tratados de alguns assuntos introdutórios. Um
conceito correto do que é liderança, sua importância, a diferença existente entre este termo e
gerência, exemplos de líderes bíblicos e o dom de liderança, trata-se também das
qualificações necessárias para que a liderança cristã seja bem-sucedida. É desenvolvido
também neste estudo os principais problemas e tentações que atingem a vida e o ministério do
líder cristão. Seu caráter, o equilíbrio de sua liderança e as suas atitudes ao lidar com estes
eventos são fatores fundamentais que determinam a eficácia de sua liderança. A formação de
novos líderes e a auto-disciplina constituem-se no desafio da liderança cristã. O interesse do
autor está voltado para o cerne da liderança cristã: GLORIFICAR A DEUS.
9

INTRODUÇÃO

A liderança é maravilhosa e, ao mesmo tempo, perigosa. Uma das melhores formas de


registrar a história da humanidade é estudar a vida e os feitos dos grandes líderes e o que eles
realizaram por meio de outras pessoas. As pessoas que ocupam cargos de liderança podem,
por um lado, transformar homens e mulheres de modo grandemente positivo. Ao mesmo
tempo, trazem nas mãos o poder de causar prejuízos irreparáveis a seus seguidores pelos erros
que possam vir a cometer.

Quanto maior for o alcance da liderança de uma pessoa, maior será o impacto no mundo que a
cerca. Quanto maior o número de pessoas que um líder dirigir, maior será o prejuízo potencial
pelas suas más decisões e ações. Essa é uma das sérias realidades que as pessoas devem
enfrentar quando assumem a responsabilidade de liderar outros.

Há uma grande quantidade de obras sobre liderança. A razão disso é que nunca foi tão grande
a necessidade de líderes autênticos. Devido aos valores éticos e morais estarem vulgarizados,
qualquer um pode tornar-se um líder. Basta apenas um pouco de poder de influência, uma boa
oratória ou, até mesmo, uma demonstração de fé para que seja recrutado como líder.

Bons líderes parecem ser um produto raro atualmente. Há muitas oportunidades, mas cada vez
menos candidatos habilitados. Esta triste e desastrosa situação leva a uma pergunta: quais
pessoas estão aptas a liderar? Conseqüentemente, esta pergunta leva a outras: o que é
liderança? Quais são os principais problemas e tentações que envolvem o líder cristão? Quais
os desafios da liderança cristã?

Para responder a estas questões, o presente trabalho será apresentado em cinco partes. Na
primeira, serão abordadas algumas questões introdutórias, como o que é liderança e qual a
diferença entre ela e a gerência. Será abordado, também, neste ponto, o dom de liderança,
exemplos bíblicos de líderes bem-sucedidos e a importância da liderança.

Na segunda parte, tratar-se-á das qualificações necessárias para uma liderança ser bem-
sucedida. A chamada divina tão importante para uma liderança cristã eficaz, a vida ativa de
oração, que é o alicerce de todo o ministério e de toda a liderança, e a santificação, sem a qual
ninguém verá a Deus, são algumas das qualidades que serão tratadas nesta parte.

Na parte seguinte, serão abordados os principais problemas que comprometem a eficácia da


liderança cristã. Dentre estes, serão vistos a falta de tempo à família, as críticas, que podem
10

ser positivas ou negativas, e a falta de visão, que é a bússola norteadora de uma liderança
eficaz.

A quarta parte do presente estudo tratará das quatro áreas na vida de um líder em que ele é
mais tentado. A área sexual, na qual Satanás investe sutilmente; o dinheiro, com suas duas
faces; o poder destrutivo, criativo e espiritual, e o orgulho espiritual, intelectual e material
serão abordados nesta parte.

A quinta e última parte abordará o desafio da liderança cristã. A formação de novos líderes,
como encontrá-los e formá-los, o exemplo de Jesus, seu plano de desenvolvimento de
liderança, seu padrão e métodos e a auto-disciplina serão os assuntos tratados nesse ponto.
11

I - PROLEGÔMENOS

1.1 Diferença entre liderança e gerência

As palavras “gerência” e “liderança” são metáforas que representam dois extremos, os quais
visam à perpetuação. “Gerência” tende a representar o extremo mais analítico, estruturado,
controlado, deliberado e ordeiro daquilo que é rotineiro, ao passo que “liderança” tem a
tendência de ocupar o extremo mais experimental, visionário, flexível, não controlado e
criativo. O gerente aplica os pensamentos em mente para resolver os problemas diários da
organização. Em contraste, o líder aplica os sentimentos da alma na resolução desses mesmos
problemas. É óbvio que tanto o gerente quanto o líder possuem mente e alma, mas cada um
tem a tendência de enfatizar uma mais que a outra ao trabalharem nas organizações. É
importante atentar para o fato de que as pessoas podem ser líderes sem serem gerentes, ser
gerentes sem serem líderes e serem líderes e gerentes simultaneamente, embora essa
combinação seja difícil de ser encontrada.1

Para melhor entender a diferença entre liderança e gerência, será apresentado a seguir um
resumo das definições e características desses dois conceitos, retirados do livro “Liderança
que realiza”, de Roberto A. Orr.2

Líder x Gerente
Vê a liderança como arte Vê a gerência como ciência
Envolve a parte criativa do cérebro Envolve a parte judicial do cérebro
Proporciona visão Proporciona perspectivas realistas
Lida com conceitos Relaciona-se às funções
Exercita a fé Usa fatos
Gera pessoas com visão Gera pessoas com habilidades técnicas
Relaciona-se Isola-se
Identifica problemas Busca soluções
Serve às pessoas Serve ao mercado
Busca parceiros Considera as pessoas como rivais
Aplica influência Exerce autoridade
Capacita os seguidores a serem criativos Controla, criando medo por meio
e inovadores em suas tarefas de ameaças e coação
É respeitado É obedecido
Reside no futuro Reside no passado
É encontrado em todos os níveis É visto como de nível mais elevado
Não se sente bem com o “status quo” Luta para manter o “status quo”
Assume e se responsabiliza por faltas e Joga a culpa sobre os outros por qualquer
erros, tentando corrigi-los. falha ou erro.

1
ORR, R. Liderança que realiza, p. 92.
2
Ibidim, pp. 93-94.
12

Como visto anteriormente, o gerente é uma pessoa que lida, dirige ou controla apoiada pelo
poder da organização formal e pela autoridade de sua posição, sendo responsável pela
tecnologia e sistemas, por outras pessoas e seus trabalhos. A principal tarefa do
gerenciamento é fazer com que a tecnologia funcione. Por outro lado, o líder não precisa
depender de sua posição formal a fim de influenciar alguém. O líder concentra-se
primariamente nas pessoas, enquanto o gerente se concentra nas regras, procedimentos e
tecnologia para realizar o trabalho.

1.2 Definição de liderança

Infelizmente, não há nenhuma definição de liderança que seja universalmente aceita. Isto
porque liderança não é uma ciência, mas uma arte. “Por sua própria natureza a arte
virtualmente se opõe à definição”.3 No Novo Testamento, um dos termos para designar
liderança é h(ge/omai4 (hegeomai) que significa “liderar, guiar, seguir a frente”. 5 No Antigo

Testamento, uma das palavras mais usadas para liderança é )yicFn (Nãsî). Este vocábulo é
usado 128 vezes, sendo que 60 delas é para referir-se a vários líderes de Israel.6

Apesar da dificuldade de definir liderança, algumas pessoas capazes e experientes tentam


defini-la. A seguir, serão apresentadas definições de liderança.

Dwight D. Eisenhower define liderança como sendo “a habilidade de fazer com que o
indivíduo faça aquilo que você quer, quando você quer, do jeito que você quer, porque ele
quer fazê-lo”.7 Para John Haggai, “liderança é o esforço de exercer conscientemente uma
influência especial dentro de um grupo no sentido de levá-lo a atingir metas de permanente
benefício que atendam as necessidades reais do grupo”.8

Segundo Garry Wills, “liderança é mobilizar outros em direção a um objetivo partilhado pelo
líder e seus seguidores”.9 Hans Finzel define liderança como sendo influência. Ou seja, a
liderança “leva as pessoas aonde nunca iriam por conta própria”. 10 Orr descreve que

3
BARNA, G. Líderes em ação, p. 21.
4
ALAND, K. (edit.). Greek New Testament, p. 776.
5
GINGRICH, F. Léxico do Novo Testamento grego/português, p. 93.
6
KAISER, W. C. Príncipe, chefe, líder, in: HARRIS, L. Dicionário internacional de teologia do Antigo
Testamento, p. 1004.
7
ORR, A. Liderança que realiza, p. 79.
8
HAGGAI, J. Seja um líder de verdade, p. 20.
9
BARNA, G. Op. Cit., p. 21.
10
FINZEL, H. Dez erros que um líder não pode cometer, p. 16.
13

“liderança cristã é aquela motivada pelo amor e dedicada ao serviço. É a liderança sujeita ao
controle de Cristo e ao seu exemplo”. 11

Habecker, em seu livro “Redescobrindo a alma da liderança”, afirma haver dois tipos de
liderança: positiva e negativa. Segundo o escritor, a liderança positiva inclui liderar e ser
liderado. O líder deve exercer companheirismo na organização, exaltando a equipe como um
herói. Precisa buscar sempre servir seus liderados, enquanto mantém, ao mesmo tempo, sua
posição de liderança. Como liderança negativa, Habecker cita o exemplo encontrado em Ez
34:2-10, onde ele identifica quatro características da liderança negativa. São elas: ambição e
egoísmo, falta de diligência, brutalidade e incapacidade de unir. 12

Após a verificação do que basicamente é liderança, fica claro que liderar vai bem além do que
simplesmente dar ordens. É estar à frente de seus liderados, buscando objetivos em comum
para o bem de todos. É a influência que leva outros a fazer o que se quer porque eles querem
fazer. A pessoa que aspira à liderança em uma organização cristã deve espelhar seus objetivos
e propósitos na Bíblia. Sua maneira e seu motivo de liderar deve refletir os processos e
caminhos bíblicos.

Segundo a grande maioria das pessoas que estuda a respeito de liderança, qualquer um pode
tornar-se um líder eficiente, sendo necessário apenas treinamento e dedicação total ao trabalho
e a Deus.13 Porém, a liderança também faz parte dos dons espirituais, dados pelo Espírito
Santo para a edificação da igreja. É esta característica natural, que apenas alguns possuem,
que será tratada a seguir.

1.3 O dom de liderança

A partir do momento em que os cristãos têm suas vidas consagradas a Deus, o Espírito Santo
desperta as faculdades naturais de cada um e os capacita através de dons. De acordo com a
Bíblia, cada cristão tem pelo menos um dom espiritual (cf. 1 Co 12:7-11; 1 Pe 4:10).

1.3.1 Definição

“Esse termo ‘liderança’ também é conhecido com outros nomes, ‘governar’ ou


‘presidência’”.14 Alguns autores dão ótimas definições. Schwarz descreve o seguinte:

11
ORR, A. Liderança que realiza, p. 85.
12
HABECKER, E. Redescobrindo a alma da liderança, pp. 12-17.
13
Dentre alguns grandes conhecedores e estudiosos sobre liderança que concordam com esta idéia estão Russell
P. Shedd, John Haggai, George Barna, Josué Campanhã, Edson Queirós e John Maxwell.
14
SACKVIL, J. O dom da liderança, p. 4.
14

O dom da liderança é a capacidade especial que Deus concede a alguns membros do


corpo de Cristo, que os capacita a estabelecer objetivos sintonizados com os planos de
Deus para o futuro da igreja, e transmitir esses objetivos aos outros de tal forma que
trabalhem juntos em harmonia, para alcançar estes objetivos para a glória de Deus. 15

O dom de liderança é a capacidade dada pelo Espírito Santo de liderar, estabelecendo e


seguindo uma rota segura e proveitosa através dos problemas da vida e dos ventos da
oposição.16

A palavra grega traduzida por liderança é kube/rnhsij (kubérnesis), que é derivada de outro

termo, kube/rnh/thj (kubérnétes), que se traduz por “piloto” (At 27:11). Sendo assim, o dom

de liderança é a capacidade de dirigir, guiar, presidir. 17

1.3.2 Características

A pessoa que tem o dom de liderança é capaz de organizar maneiras sistemáticas para criar
oportunidades de levar pessoalmente o Evangelho às pessoas perdidas. Sua habilidade de
liderança o ajuda a efetivamente compartilhar o plano da salvação com as pessoas e as guiá-
las através da experiência de conversão.18 O possuidor deste dom é considerado o timoneiro
do navio (At 27:11), pois é o que comanda. É ele quem dirige os negócios de uma
congregação, bem como a lidera espiritualmente.19

Na igreja primitiva, esse era o dom que o principal administrador possuía. Esse líder principal
era também chamado de ancião ou presbítero. Tratava-se de um oficial que fora eleito, não
por politicagem ou pela influência do poder, mas mediante a sabedoria do Espírito Santo dada
à igreja. 20 Outra característica do dom de liderança refere-se à capacidade de presidir alguma
coisa. A pessoa com este dom recebeu de Deus a capacidade vital de organizar, administrar e
resolver problemas.21

O indivíduo que tem o dom de liderança visa à preparação do povo de Deus para o exercício
da formação do caráter cristão e da execução da obra de Deus para toda a humanidade. O líder
é alguém que está sendo observado como exemplo por seus seguidores. É alguém que tem, na
prática de sua vida, algo superior, que pode beneficiar os seus discípulos.22

15
SCHWARZ, C. A. O teste dos dons, p.110.
16
CRANE, J. O Espírito Santo na experiência cristã, p. 98.
17
GINGRICH, F. Léxico do Novo Testamento grego/português, p. 122.
18
ROBINSON, D. Igreja celeiro de dons, p. 155.
19
HORTON, S. O que a Bíblia diz sobre o Espírito Santo, p. 303.
20
Ibidim, p. 303.
21
PICKERING, E. Doutrina do Espírito Santo, p. 95.
22
LIMA, D. Atualidades 98: Temas atuais à luz da Bíblia, p. 181.
15

1.3.3 Desenvolvimento

Segundo Schwarz e Billy Graham, o dom de liderança pode ser desenvolvido das seguintes
maneiras:

 Estude de forma aprofundada o que a Bíblia diz a respeito da liderança espiritual.


 Ocupe-se com personagens bíblicos como Abraão, José, Moisés, Davi, Elias,
Eliseu, Paulo, etc.
 Ocupe-se com biografias de grandes líderes para descobrir mais sobre os
princípios da liderança.
 Concentre seu ministério em descobrir e formar novos líderes. 23

 Orar com discernimento e objetivo.


 Compreender corretamente o que a Bíblia diz sobre dons espirituais.
 Conhecer-se a si mesmo.
 Aceitar com gratidão e humildade o seu dom e usá-lo o máximo possível. 24

1.3.4 Aplicação

“Esse dom é usado na coordenação das atividades da igreja. É muito útil no planejamento e
avaliação do desempenho das funções, departamentos e cargos de uma igreja local”. 25 Os
pastores necessitam deste dom, pois são pessoas escolhidas por Deus para liderar uma
determinada igreja ou congregação. Este é um dom particularmente necessário na igreja, e os
pastores precisam dele (1Ts 5:12; 1Tm 5:17). Este dom também é necessário na vida do
presidente da igreja. O presidente de uma determinada igreja deve usufruir desse dom nas
atividades que desempenha. Ao liderar o culto, esse dom também é necessário. O dom
também se faz necessário para o supervisor de área e planejamento a longo prazo. 26

1.3.5 Fraquezas ou perigos

O dom de liderança requer alguns cuidados por parte do mordomo. Schwarz descreve alguns
possíveis perigos:

 Um perigo de todos os líderes cristãos é o isolamento espiritual. Muitos não têm


ninguém que possa entrar no seu íntimo.
 A pessoa que está sob os holofotes muitas vezes está exposta a tentações
específicas como dinheiro, sexo e poder.
 Alguns líderes têm dificuldades em manter a humildade, mas o Novo Testamento
incentiva principalmente os líderes a serem humildes (veja em 1 Pe 5:5-6).27

23
SCHWARZ, C. A. O teste dos dons, p. 115.
24
GRAHAM, B. O poder do Espírito Santo, p. 133.
25
SACKVIL, J. O dom da liderança, p. 9.
26
Ibidim, p. 9.
27
SCHWARZ, C. A. Op. Cit., p. 115.
16

1.4 Exemplos bíblicos de líderes usados por Deus

Neste ponto, procurar-se-á mostrar alguns exemplos bíblicos de líderes que foram usados
grandemente por Deus.

José (Gn 37;39-50). A história bíblica de José o apresenta como sendo um homem humilde
de princípios. Seu favoritismo perante seu pai não o deixou esnobe ou orgulhoso, ao contrário,
despertou-lhe o desejo de viver à altura das expectativas de seu pai. Os sonhos que Deus dava
a José nem por um momento o levaram a se sentir uma pessoa demasiadamente boa para
servir a outros. Ao contrário, convenceram-no de que Deus o escolhera para uma tarefa
especial. José sempre teve uma atitude positiva, mesmo quando fora vendido por seus irmãos,
e preso inocentemente. Seu sofrimento imerecido jamais o fez perder a confiança na
providência de seu Deus. Desde sua infância, destaca-se seu senso de vocação. José sabia que
a vida do cristão não é sem propósito, sabia que Deus havia marcado sua vida com um valor
distinto. Após ser moldado por Deus, através de muitos sofrimentos e provas, José foi elevado
à posição de primeiro ministro do Egito, para exercer autoridade absoluta, ao lado do próprio
faraó. Deus duramente testou os princípios de José, mas ele não vacilou. José foi elevado ao
topo por causa de seu refinado caráter e de qualidades marcantes que um bom líder necessita
ter.28

Moisés.29 Moisés é um dos mais extraordinários líderes de todos os tempos. O que o eleva a
este nível são as qualidades que ele possuía. Moisés tinha a certeza de que Deus o havia
escolhido e que estaria a seu lado. Ele estava no deserto pastoreando ovelhas, quando Deus o
chamou para liderar seu povo. Moisés não se sentia qualificado para a tarefa que havia
recebido, reconheceu suas limitações, porém compreendeu que a obra não era sua e sim do
Senhor.30

Muitas foram as qualidades de liderança demonstradas por Moisés durante os 40 anos em que
liderou o povo de Israel pelo deserto. As que mais se destacam são a paciência, a preocupação
pela glória de Deus e a perseverança. Quase que com a mesma importância, foram a sua
coragem frente ao perigo, a sua criatividade perante a rebeldia e a sua mansidão perante as
tribulações.31

28
SHEDD, R. O líder que Deus usa, pp. 14-18.
29
A história completa de Moisés encontra-se nos últimos 4 livros do pentateuco: Êxodo, Levítico, Números e
Deuteronômio.
30
EIMS, L. A formação de um líder, pp. 16-17.
31
SHEDD, R. Op. Cit., p. 19.
17

Orr, destacando as qualidades de liderança de Moisés, descreve que este era um homem de
Deus, em sintonia com o seu tempo, estava em constante contato com Deus, falava com Ele
face a face. Era um homem que aprendeu a vencer suas tentações e livrar-se de suas
fraquezas. Aprendeu o auto-controle e a usar a autoridade e o poder de modo tolerante e
responsável. Possuía um coração perdoador. Era, ao mesmo tempo, o promotor e o advogado
do povo que liderava.32

Neemias. A história bíblica de Neemias o apresenta como sendo um homem dinâmico,


organizado e preocupado com as pessoas. Do exemplo de Neemias, demais líderes podem
aprender como planejar o seu trabalho, como organizar o seu tempo e os seus recursos, como
motivar outros e como avaliar os resultados.33 A história de Neemias começa com a visita de
um parente seu, o qual trouxe más notícias de Jerusalém. Esta notícia abalou o líder, de tal
forma, que ele chorou, lamentou e orou pela sua cidade e pelo seu povo. Após seu pedido ao
rei Artaxerxes para reconstruir os muros da sua cidade, Neemias partiu a Jerusalém para
começar seu grande ministério de liderança no meio do povo de Israel. Neemias enfrentou
muita resistência por parte de Sambalá e Tobias, dois líderes não judeus da área ao redor de
Jerusalém, porém não desistiu de terminar sua missão. Delegou tarefas, montou guardas e
motivou o povo a terminar a reconstrução dos muros. A liderança de Neemias destaca-se pelo
seu poder de motivação de um povo fraco e cansado, pela delegação de tarefas, pelo seu
exemplo como trabalhador, pela sua perseverança e confiança em Deus. Após 52 dias de
árduo trabalho, as muralhas estavam terminadas. 34

1.5 A importância da liderança

A liderança é importante porque, sem ela, o povo se corrompe (Pv 29:18). “A liderança é
essencial para o sucesso da igreja. Algumas igrejas avançam para Deus, porque têm liderança
forte, agressiva. Outras são fracas porque falta-lhes liderança”.35 Após quinze anos de
pesquisas em todas as partes do mundo, George Barna chegou à conclusão de que “a igreja
está morrendo devido à falta de uma liderança forte... Nada é mais importante do que
liderança”. 36 Barna segue afirmando que, ano após ano, Deus tem providenciado líderes para
tentar dirigir seu povo, com o propósito de que este cresça espiritualmente. Se os líderes não
fossem necessários para o crescimento espiritual do povo e para a formação cristã, Deus não

32
ORR, R. Liderança que realiza, p. 69.
33
BARBER, C. Neemias e a dinâmica da liderança eficaz, p. 10.
34
ORR, R. Op. Cit., pp. 66-68.
35
PICKERING, E. Doutrina do Espírito Santo, p. 110.
36
BARNA, G. Líderes em ação, pp. 17-18.
18

os mandaria. Se os líderes fossem de pouca importância, Ele não teria incluído a liderança
entre os dons espirituais (1 Co 12:28; 1 Pe 4:11), a Bíblia não forneceria tantos ensinamentos
a respeito de liderança e o Espírito Santo não teria inspirado os autores da Bíblia para
reunirem tantos exemplos de liderança bem-sucedida. Através de suas pesquisas, Barna
descobriu que nunca houve e que provavelmente nunca haverá qualquer movimento
significativo e bem-sucedido, revoluções, ou outros sistemas, que não tivessem à sua frente
líderes fortes e de visão, liderando o caminho da mudança em pensamento, palavra e ação. 37
A falta de liderança em uma organização, religiosa ou não, traz suas conseqüências. As
principais são:38

1. Quando as organizações não têm uma liderança, elas se tornam ineficazes. Por as pessoas
não terem alguém que coordena e dirige os trabalhos e propósitos que as guiem e lhes
ofereçam estabilidade, a complacência domina o grupo.

2. Muitas das instituições, ministérios e organizações estão perdendo a integridade, que antes
possuíam, pela falta de liderança.

3. Sem liderança, as organizações perdem o seu propósito, visão, alvo e consciência. As


pessoas transformam-se em burocratas confortáveis ocupadas com coisas banais e medíocres,
em lugar de estarem edificando.

4. As organizações deixam de desenvolver as pessoas, suas capacidades, habilidades e


talentos não são aproveitados, deixando de produzirem líderes sucessores.

5. Sem liderança, a igreja não sabe qual é seu “negócio”. Sua declaração de missão e
propósito torna-se confusa e as atividades determinam a direção da igreja.

6. Com a falta de liderança, a maioria das pessoas nas congregações permanece inativa e
ociosa. Há falta de excelência e produtividade.

7. Faltam à igreja modelos que dêem bom exemplo e estejam aptos para enfrentar crises com
a serenidade vinda de uma vida cheia do Espírito Santo.

Como visto anteriormente, a liderança é essencial para o sucesso da igreja. Sem ela, as
organizações perdem seu propósito, visão, alvo e consciência. Por este motivo, é necessário
que a liderança cristã esteja qualificada para liderar com sucesso o povo de Deus.

37
BARNA, G. Líderes em ação, pp. 18-20.
38
ORR, R. Liderança que realiza, pp. 14-15.
19

II - QUALIFICAÇÕES DE UMA LIDERANÇA CRISTÃ EFICAZ

2.1 Chamada Divina

Neste ponto, procurar-se-á mostrar o que é chamada divina, sua importância, a chamada na
Bíblia e as evidências de uma chamada divina, extraídas da vida e ministério de Jesus. Para
finalizar este ponto, apresentar-se-á uma aplicação prática.

2.1.1 Definição

O chamado de Deus à liderança cristã trata-se de uma convocação de pessoas selecionadas


para o servirem como líderes nas igrejas. Além de chamar os cristãos ao uso de seus dons
espirituais, Deus estende esse chamado ao ministério vocacional de liderança. Este chamado
consiste de homens dotados e concedidos à igreja através do Senhor da igreja, Jesus Cristo.39
Severa, ao tratar deste assunto, dá mais luz e afirma:

Todos os crentes são chamados para o serviço em geral, mas para a função de pastor
ou de líder do povo de Deus que envolva demorada preparação e dedicação da vida, é
preciso um chamado específico. Este chamado pode refletir-se num desejo ardente
pelo exercício do ministério (1 Tm 3:6) ou numa forte convicção do dever de fazer a
obra de Deus (Rm 1:14,15), motivado pelo amor a Deus e sua causa.40

2.1.2 Importância

John Macarthur Junior, em seu livro “Redescobrindo o ministério pastoral”, cita o grande
pregador do século XIX, Charles H. Spurgeon, para enfatizar a importância da chamada
divina para o ministério de liderança:

Como pode o jovem saber se é vocacionado ou não? É uma indagação ponderável,


logo desejo tratá-la aqui mui solenemente. Oh, a divina orientação para fazê-lo! O
fato de que centenas perderam o rumo e tropeçaram em um púlpito está patenteado
tristemente nos ministérios infrutíferos e nas igrejas decadentes que nos cercam. Errar
na vocação é terrível calamidade para o homem e para a igreja sobre a qual ele se
impõe, seu erro envolve aflição das mais dolorosas. 41

Todas as pessoas foram criadas por Deus com um plano específico, idealizado por Ele.
Portanto, existe um propósito especial para cada ser humano.42 Confirmando essa idéia, Bob
Briner e Ray Pritchard escrevem, em seu livro “Lições de liderança de Jesus”, o seguinte:

Deus tem planos específicos para cada um de nós, e precisamos fazer o que estiver ao
nosso alcance para determinar quais são estes planos e nos submeter a eles. Quando

39
MACARTHUR Jr. Redescobrindo o ministério pastoral, p. 125.
40
SEVERA, A. Manual de teologia sistemática, p. 379.
41
MACARTHUR Jr. Op. Cit., p. 127.
42
QUEIROS, E. Transparência no ministério, p. 28.
20

falhamos em observar isso, obtemos bem menos do que Deus tem planejado para
nós.43

A primeira e a maior de todas as fortalezas do líder cristão é a convicção profunda de que


Deus o chamou para o ministério. Pois a obra que o líder precisa realizar é muito desgastante,
tornando-se muito difícil permanecer nela sem ter sido chamado por Deus. Macarthur, citando
Erwin W. Lutzer, confirma esta afirmação:

Não vejo como alguém possa sobreviver no ministério, caso sinta que essa foi sua
própria escolha. Alguns ministros não têm sequer dois dias agradáveis. Eles são
sustentados pelo conhecimento de que Deus os colocou onde estão. Os ministros sem
essa convicção carecem muitas vezes de coragem e carregam uma carta de demissão
no bolso do paletó. Ao menor sinal de dificuldade, vão-se embora.44

2.1.3 A Bíblia e a chamada divina

Para um maior e mais amplo entendimento da chamada de Deus aos homens, faz-se
necessária uma análise nas orientações contidas sobre este assunto em sua Palavra. Quando se
olha para o Antigo Testamento, descobre-se que Deus separava pessoas de uma forma bem
clara, falando-lhes diretamente e dando-lhes instruções precisas sobre o tratamento que Ele
tinha em mente. No Novo Testamento, isso se torna mais subjetivo, uma vez que, além da
chamada divina, há ainda a escolha por parte da igreja e também por meio de seus líderes.

Um caso típico de um homem chamado para o ministério de liderança é o de Moisés (Êx 3:1-
12). Pode-se aprender muito com este episódio. A causa da chamada de Moisés foi a
necessidade de livramento do povo de Israel do Egito. Uma das lições fundamentais desta
chamada é a iniciativa de Deus. Quando o Senhor apareceu a Moisés, disse a este: “tenho
visto e tenho ouvido” e “...desci para livrá-lo”. É Deus quem toma a iniciativa. Era Ele quem
libertaria seu povo da escravidão, com ou sem a ajuda de Moisés. Após ter se apresentado
como Deus de seus antepassados, os quais o serviram, Deus chama Moisés, dizendo: “Vem
agora, e eu te enviarei”. O plano de Deus é usar vidas. Assim como Deus agiu no passado,
vendo e ouvindo a aflição de seu povo, Ele continua chamando vidas para libertar seu povo da
escravidão espiritual em que se encontram. 45

2.1.4 Evidências de uma verdadeira chamada

Quando uma pessoa possui uma verdadeira chamada divina, há algumas evidências que se
fazem presentes em seu trabalho. A primeira delas é a confirmação, que pode ser por parte de

43
BRINDER, B. Lições de liderança de Jesus, p. 14.
44
MACARTHUR Jr. Redescobrindo o ministério pastoral, p. 129.
45
QUEIROS, E. Transparência no ministério, pp. 28-30.
21

outros ou de Deus. Quando esta confirmação vem por meio de pessoas, elas apóiam e
valorizam seu líder. Isso porque podem ver os frutos de seu trabalho. 46 A confirmação por
parte de Deus dá-se num sentimento de bem-estar por estar fazendo Sua vontade. Além da
capacitação por meio de dons que o Senhor concede para o desempenho de suas funções, Ele
também prepara seu lugar no ministério.47 Jesus Cristo, o modelo maior de liderança de todos
os tempos, foi confirmado publicamente por Deus Pai no momento em que fora batizado por
João Batista no início de seu ministério (Mt 3:16,17). Todas as pessoas que presenciaram esta
confirmação, e as demais que um dia conheceram Jesus e viram o que Ele fazia e ensinava,
reconheceram ser Ele o Messias enviado por Deus. Ao responder à pergunta do Mestre, Pedro
disse: “Tu tens as palavras da vida eterna” (Jo 6:68).48

Outra evidência de uma verdadeira chamada divina é a autoridade espiritual. As pessoas


respeitam quem verdadeiramente tem uma chamada para trabalhar na obra de Deus. O líder
que a possui não precisará forçar nem impor sua posição, ao contrário, sua liderança se
evidenciará e as pessoas o seguirão. A sua autoridade espiritual surgirá naturalmente, como
resultado de sua vida e de suas atitudes. Isso não quer dizer que o líder chamado por Deus
nunca irá enfrentar oposições. Pois os cristãos possuem um inimigo que está sempre
procurando destruir seus ministérios. Porém, se houver autoridade espiritual, ele não
prevalecerá. 49 Jesus nunca impôs ou forçou sua autoridade espiritual, Ele não precisou dizer
ao mundo que tinha o direito de ser líder. As pessoas viam nele a autoridade vinda do Pai. Os
espíritos malignos temiam-no por reconhecer sua autoridade (Mc 1:24).50

2.1.5 Conclusão

Após um maior entendimento da chamada divina, percebe-se que Deus tem diferentes
maneiras de agir, portanto o candidato a líder não deve esperar uma experiência bombástica,
altamente emocional para obedecer a sua chamada. Porém, deve ter a certeza de que é um
chamado por Deus, ter a consciência da seriedade do assunto e considerar as evidências
básicas de uma verdadeira chamada divina. A pessoa que for um verdadeiro chamado por
Deus não se conformará com qualquer outra atividade e sentir-se-á frustrado se, por qualquer
motivo, não puder exercer sua vocação.51

46
QUEIROS, E. Transparência no ministério, p. 47.
47
MACARTHUR Jr. Redescobrindo o ministério pastoral, p. 131.
48
YOUSSEF, M. O estilo de liderança de Jesus, pp. 15-16.
49
QUEIROS, E. Op. Cit., p. 47.
50
YOUSSEF, M. Op. Cit., p. 108.
51
QUEIROS, E. Op. Cit., p. 35.
22

2.2 Vida ativa de oração

“Tentar fazer alguma coisa para Deus sem oração é tão inútil quanto tentar lançar um satélite
com um estilingue”. 52 A oração é tudo na vida do líder. Sem ela, ele nada poderá fazer. Neste
ponto, será visto sua importância, a maneira como se deve orar, além da vida de oração de
Jesus e os ensinos que ele deu sobre ela.

2.2.1 A importância da oração na vida do líder

A vida ativa de oração de um líder é um requisito indispensável para uma liderança eficaz.
“Um líder que negligencia a oração provavelmente fracassará”. 53 O que quer que seja que os
cristãos façam, tudo irá melhor com oração. As decisões, quando são tomadas em oração,
possuem muito mais probabilidade de serem acertadas do que aquelas que são baseadas única
e exclusivamente na inteligência humana. O autor do livro de Provérbios, alerta: “Confia no
Senhor de todo teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em
todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas” (Pv 3:5,6). 54 Confirmando essa
premissa, de que o líder necessita de oração para ter um ministério de liderança bem sucedido,
Duewel afirma que “o alicerce de todo ministério e de toda liderança é a vida de oração. A
liderança exige muito mais do que uma prece, ninguém obtém o sucesso a não ser com muita
oração”.55

2.2.2 A vida de oração de Jesus

O modelo de vida que o cristão deve imitar sempre foi e sempre será o de Jesus Cristo. O
Senhor Jesus sempre ensinou através de palavras e ações. Sua vida de oração nunca precisou
ser proclamada, no entanto sempre surpreendia seus discípulos quando orava. Jesus levava
uma vida íntima de comunhão com o Pai. Mas quando tinha uma decisão importante a tomar,
Ele permanecia ainda mais tempo orando a Deus Pai. O evangelista Lucas, ao relatar a
escolha dos doze discípulos, fez questão de mostrar que, antes de fazer esta escolha, Jesus
passou a noite toda em oração: “Naqueles dias, retirou-se para o monte, a fim de orar, e
passou a noite orando a Deus. E, quando amanheceu, chamou a si os seus discípulos e
escolheu doze dentre eles, aos quais deu também o nome de apóstolos” (Lc 6:12,13). Através
deste texto, pode-se perceber a importância da oração antes de qualquer decisão a ser tomada.

52
BLANCHARD, J. Pérolas para a vida, p. 268.
53
SHEDD, R. O líder que Deus usa, p. 108.
54
Ibidim, p. 108.
55
DUEWEL, L. Toque o mundo através da oração, p. 211.
23

O líder cristão precisa saber claramente qual é a vontade de Deus antes de tomar qualquer
decisão.56

2.2.3 A maneira como se deve orar

Considerando a necessidade de oração do líder, é preciso observar o modo com que se deve
chegar diante de Deus. Porque há orações que movem a mão de Deus, enquanto outras não
têm efeito algum. Qual seria a diferença? Jesus Cristo, em uma parábola, falou de diferentes
tipos de oração:

Dois homens subiram ao templo com o propósito de orar: um, fariseu, e o outro
publicano. O fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: ó Deus,
graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e
adulteros, nem ainda como este publicano; jejuo duas vezes por semana e dou o
dízimo de tudo quanto ganho. O publicano, estando em pé, longe, não ousava nem
ainda levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: ó Deus, sê propício a
mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele;
porque todo o que se exalta será humilhado; mas o que se humilha será exaltado (cf.
Lc 18:10-14).

A oração do fariseu, descrita nesta parábola, não teve nenhum efeito. Isso porque fora
orgulhoso e orou com o objetivo de impressionar, e Jesus disse: “Ele orou de si para si
mesmo”. Já o publicano, falou diretamente com Deus, pois orou com objetivo, com o coração
quebrantado, a fim de alcançar algo. Este é o tipo de oração que o cristão deve oferecer a
Deus.57

O líder cristão precisa fazer uma oração sincera e honesta, abrindo seu coração diante do
Senhor, com fé e humildade; esta é a oração em espírito e em verdade da qual a Bíblia fala.
Ao falar sobre a oração, Edir Macedo faz a seguinte afirmação:

Como a oração é uma expressão da alma humana para com seu Criador, não é
necessário que ela seja erudita ou sofisticada, com lindas palavras, pois Deus sabe
exatamente quem somos e o que desejamos. Precisa ser simples e objetiva, imbuída
com o máximo de humildade. A oração só será eficaz, ou seja, receberá a resposta se,
ao falarmos com Deus, tivermos absoluta certeza de que ele está com os seus ouvidos
atentos aos nossos clamores.58

2.2.4 O ensinamento de Jesus sobre a oração

O evangelista Mateus, no capítulo seis, relata vários ensinamentos de Jesus com relação à
oração. Uma delas é a advertência, ao cristão, de não orar em público, à vista das pessoas,
como era de costume dos saduceus e fariseus hipócritas. Isso demonstra a preocupação de

56
QUEIROS, E. Transparência no ministério, p. 68.
57
EIMES, L. A formação de um líder, pp. 31-32.
58
MACEDO, E. Nos passos de Jesus, p. 34.
24

Jesus com o “exibicionismo” na oração. Além disso, Jesus parece estimular a oração discreta
e sem floreios: “quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta...”. 59

Outro ensinamento de Jesus foi o de não seguir o exemplo dos gentios, que pensavam que
pelo muito falar seriam ouvidos. Jesus parece preocupado com o “formalismo” na oração,
pois, no grego, “vãs repetições” significa “falar palavras sem conteúdo ou significado”. Com
essa expressão, Jesus incentiva a seus seguidores a orarem com objetividade. 60

Um terceiro ensino de Jesus, com relação à oração, é a fé como requisito para alcançar o que
foi pedido. Cristo quer que o cristão tenha confiança em seu Deus. Quando Ele afirma “pois
vosso Pai sabe do que necessitais, antes de lho pedirdes”, quer afirmar que o Senhor tudo
sabe, portanto ao orar o cristão deve ter fé de que Deus o atenderá. Esse é outro motivo pelo
qual não há necessidade de fazer repetições ou de usar palavras sem conteúdo.61

2.2.5 Conclusão

O líder cristão precisa, primeiro, apresentar-se a Deus, antes de apresentar-se ao povo.


Primeiro precisa triunfar perante Deus, para depois poder triunfar perante seus liderados. 62 O
líder pode liderar com ou sem oração; porém, o que quer que seja que o cristão faça, tudo irá
melhor com oração.63 A oração deve ser a base para qualquer ministério. Precisa ser
constante, deve ser parte integrante do estilo de vida do líder cristão. Esta dedicação à oração
é fundamental para o desenvolvimento de uma liderança bem-sucedida. 64

2.3 Santificação

“Aquele que nos deu sua imagem quer necessariamente ver sua imagem em nós”. 65 A
santificação é a vontade de Deus para a vida de todo líder (1 Ts 4:3). Deus quer que seus
filhos sejam santos porque Ele é Santo (1 Pe 1:16). Para o líder alcançar a santificação,
precisa saber o que realmente significa ser santo e aprender com o exemplo de Jesus Cristo.

2.3.1 Definição

De acordo com a Palavra de Deus, todo cristão deve manter uma vida de santidade. E esse
conceito é ainda mais sério em relação à vida do líder. Russel Shedd diz que “a primeira

59
HABECHER, E. Redescobrindo a alma da liderança, p. 270.
60
Ibidim, p. 270.
61
Ibidim, p. 270.
62
Ibidim, p. 264.
63
BRINER, B. Lições de liderança de Jesus, pp. 168-169.
64
QUEIROS, E. Transparência no ministério, p. 127.
65
BLANCHARD, J. Pérolas para a vida, p. 360.
25

exigência de um líder cristão é a santidade. Ele precisa ser sensível ao pecado que outros
possivelmente consideram aceitável”. 66

No Antigo Testamento, a palavra mais usada para se referir à santidade é vädoq (qôdesh),
e trata da natureza essencial daquilo que pertence ao domínio do sagrado e que, por isso, se
distingue daquilo que é comum ou profano. Podiam ser pessoas, animais ou objetos separados
para o trabalho do Senhor. Algo que era dedicado ao que é bom e mantido afastado do que é
mau. 67

No Novo Testamento, o termo mais empregado para se referir a santidade é aÖgioj (hagios)

e seus derivados, que corresponde à pureza, separada daquilo que é profano ou imundo. Este
termo é correspondente à palavra qôdesh no Antigo Testamento. 68 O autor J. C. Ryle, ao
escrever sobre o que é a santificação, faz a seguinte afirmação:

A santificação é aquela operação espiritual interna que o Senhor Jesus Cristo realiza
em uma pessoa pelo Espírito Santo, quando Ele chama para ser um crente verdadeiro.
Não somente Ele a lava dos seus pecados, mediante seu próprio sangue, mas também
a separa de seu apego natural ao pecado e ao mundo, insuflando um novo princípio
em seu coração e tornando-a piedosa na vida prática.69

Segundo Shedd, “a santidade do ponto de vista humano, coincide com boa reputação”. Para
ele, o apóstolo Pedro, em sua primeira carta, no capítulo dois, versículo doze, não somente
exortou os cristãos a serem santos, como lhes chamou a atenção com relação ao que os
gentios pensavam e falavam sobre eles. Destaca, também, a importância da boa reputação de
um líder, pois quando esta se encontra manchada, cria sérios problemas ao seu ministério. 70
Essa mesma idéia é defendida por Coleman, quando ele descreve que “ninguém seguirá uma
pessoa em quem não confia, e nem tomará o passo da fé com sinceridade, a menos que esteja
pronto para obedecer ao que o líder venha a dizer”. 71

66
SHEDD, R. O líder que Deus usa, p. 38.
67
MCCOMISKEY, T. E. Separação, santidade, sagrado, santo, in: HARRIS, L. Dicionário internacional de
teologia do Antigo Testamento, pp. 1322-23.
68
SEEBASS, H. Santo, consagrar, santificar, santos, devoto: in: BROWN, C. Dicionário internacional de
teologia do Novo Testamento, vol. 4, p. 364.
69
RYLE, J. Santidade, p. 38.
70
SHEDD, Op. Cit., p. 39.
71
COLEMAN, R. O plano mestre de evangelismo, p. 55.
26

Confirmando esta idéia de que a santificação está ligada àquilo que o líder passa a outras
pessoas, Ryle complementa dizendo que “a santificação é algo que sempre será visto... não
pode ser ocultada”.72

A principal idéia de santificação é separação. Separação da santidade do profano, da pureza


de vida e do pecado, de um coração puro e de um coração contaminado. É algo separado para
o Senhor, que não tende à promiscuidade e que se distingue do que é errado. Confirmando
essa idéia, Eims escreve que “há muita controvérsia entre o povo de Deus com relação a essa
palavra, mas todos concordam que um de seus significados básicos é ‘ser separado’”. 73

2.3.2 Evidências de um líder que busca a santificação

Quando o líder cristão procura obedecer ao mandamento de Deus de ser santo porque Ele é
santo (1 Pe 1:16; Lv 11:44; 19:2), algumas atitudes serão evidenciadas em seu viver. Essas
atitudes brotam do fruto do Espírito (Gl 5:22,23). Este líder procurará seguir a mansidão, a
longanimidade e o domínio próprio. Haverá de tolerar muito abuso, deixará passar muita coisa
para evitar discussões e contendas, será lento no falar em defesa de seus próprios direitos. Ele
seguirá o auto-controle e a abnegação. Esforçar-se-á em vencer seus desejos carnais
controlando, assim, seus maus desejos, para que estes não venham a lhe dominar. Esforçar-se-
á em seguir o amor, a bondade e a benignidade. Empenhar-se-á ao máximo em cumprir a lei
áurea de fazer pelos homens somente aquilo que gostaria que lhe fizessem. Não se contentará
apenas por não estar prejudicando ninguém, mas procurará fazer o bem. Seguirá a pureza de
coração e será caracterizado por sua humildade e pelo seu temor a Deus. 74

2.3.3 O exemplo de Jesus

Uma das razões da encarnação de Jesus foi deixar o exemplo de uma vida santa (Mt 11:29; 1
Jo 2:6; 1 Pe 2:21). A santidade de Jesus é expressa em sua justiça. Pedro, em Atos 3:14
referindo-se a Cristo, chama-o de “o Santo e o Justo”. Ele era Santo por natureza, pois o
príncipe deste mundo nada tinha nele (Jo 14:3). A principal prova de santidade é a ausência de
pecado, e Cristo embora tenha sido tentado em todas as coisas, era sem pecado (Hb 4:15).
Jesus Cristo sempre procurou fazer aquilo que agradava a seu Pai (Jo 8:29). Sua conduta é
exemplar, pois estava separado dos pecadores (Hb 7:26). Ninguém jamais o convenceu de
pecado (Jo 8:46), pois “dolo algum se achou em sua boca, pois ele, quando ultrajado, não

72
RYLE, J. Op. Cit., p. 41.
73
EIMS, L. A formação de um líder, p. 41.
74
RYLE, J. Santidade, pp. 61-63.
27

revidava com ultraje, quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se aquele que
julga retamente” (1 Pe 2:22,23).75

Cristo deixou seu exemplo para ser seguido por todos os cristãos, principalmente pelo líder, e
sem importar a distância que esse possa estar de Cristo, não há desculpas para a escolha de
um padrão mais baixo do que aquele que a Bíblia aponta. O exemplo de Jesus é o exemplo
perfeito de santificação de todo cristão.

2.3.4 Conclusão

Santificação é a separação entre o que é dedicado, ou separado para Deus, do que não é
sagrado. É o afastamento do pecado e a dedicação a Deus. A santificação é algo que não pode
ser escondido. O líder que busca a santificação terá atitudes verdadeiras, vindas do fruto do
Espírito. Jesus Cristo foi o maior exemplo de santificação e deixou exemplo aos cristãos para
seguirem os seus passos. O líder cuja vida é separada para o Senhor tem um impacto poderoso
no mundo ao redor. A santificação é um requisito indispensável para uma liderança cristã
eficaz.

2.4 Amor

Amar uns aos outros é uma ordenança de Jesus a todos os cristãos (Jo 13:33-35). Mas amar é
ainda mais importante para o líder. Ao expressar um amor genuíno – amor agape (a)ga/ph)

–, o líder motiva seus seguidores a se moverem para aquilo que é bom e atende as
necessidades reais do grupo. Por lidar com pessoas, o líder precisa tratá-las com amor. O
amor de caráter bíblico não procura seus próprios interesses, mas o bem-estar de um irmão ou
do próximo. O amor é a qualidade que aproxima o líder do grupo. É impossível abordar a
questão da liderança espiritual e não falar em amar as pessoas.

2.4.1 Definição

Existem quatro palavras na gramática grega para designar amor. A palavra eros (eörwj)

expressa o afeto físico, denota o amor entre o homem e a mulher, que abrange o anseio, o
anelo e o desejo.

Um outro vocábulo grego é astorgos (aöstorgoj), que refere-se ao amor da família, o amor

entre pais e filhos. Outro termo grego usado para se referir a amor é philéo (file/w) e expressa

75
THIESSEN, H. Palestras em teologia sistemática, p. 219.
28

amizade e companheirismo. 76 O quarto termo usado pelos gregos é o mais importante para os
cristãos. Esta palavra é agape (a)ga/ph) e é traduzido por amor divino, sacrificial e

incondicional. O amor agape é o relacionamento entre Deus Pai e Deus Filho. 77 Alcança o
homem através de um relacionamento pessoal com Deus. 78 É um sentimento sincero (Jo
5:42), humilde, confiável, 79 verdadeiro (1 Jo 3:18) e puro (Ap 2:4), o qual tem sua máxima
revelação no ministério de Jesus.80 Possui firmes propósitos que produzem atos de sacrifício
espontâneo, que poderá custar um alto preço.81 Envolve a totalidade do homem, 82 que o faz
discernir a prática da justiça (1 Jo 4:7), para que se chegue à verdadeira vida (Rm 6:37-39),
sem reservas (Mt 5:44), da qual nada nem ninguém poderá separar (Rm 8:37-39).

2.4.2 Importância

O amor do líder, em relação aos seus seguidores, é essencial para este obter os resultados
desejados. O amor tem o poder de motivar as pessoas. Segundo o apóstolo Paulo, somente o
amor é permanente (1 Co 13:13), ou seja, continuará por toda a eternidade. O renomado
escritor John Haggai, em seu livro “Seja um líder de verdade”, faz a seguinte afirmação ao se
referir à importância do amor quando se lidera:

A prática do amor é sumamente importante para o líder porque ele lida com pessoas.
Diferentemente do mecânico que lida basicamente com coisas, ou do matemático que
lida principalmente com idéias, o líder lida com pessoas. E os seres humanos
precisam ser tratados com amor.83

A prática do amor, por parte do líder, também é muito importante, porque a motivação por
ameaça ou influência não condiz com a verdadeira liderança. A ameaça ou a influência é a
forma de atuar do ditador. Por sua vez, o amor é o fator motivador que mais condiz com a
verdadeira liderança.

A falta de amor na vida de um líder lhe trará sérias conseqüências. Uma delas é de suas
palavras não surtirem nenhum efeito na vida de seus liderados. Paulo, em 1 Coríntios 13:1,
afirma que, embora pudesse falar a língua dos homens e dos anjos, se não tivesse amor, de
nada adiantaria. Não basta ao líder ser um bom entendedor de lingüística ou ser eloqüente

76
GÜNTHER, W. & LINK H.-G. Amor: in: BROWN, C. Dicionário internacional de teologia do Novo
Testamento, vol. 1, pp. 193-204.
77
WILLIAMS, D. Dicionário bíblico vida nova, p. 14.
78
DOUGLAS, J. O novo dicionário da Bíblia, p. 69-72.
79
WILLIAMS, D. Dicionário bíblico vida nova, p. 14.
80
Ibidim, p. 14.
81
GÜNTHER, W. & LINK H.-G. Amor: in: BROWN, C. Dicionário internacional de teologia do Novo
Testamento, vol. 1, pp. 193-201.
82
BARCLAY, W. As obras da carne e o fruto do Espírito, p. 72.
83
HAGGAI, J. Seja um líder de verdade, p. 84.
29

para causar impacto na vida das pessoas que ele lidera. É preciso que o amor de Deus esteja
presente na sua vida.84

Outra conseqüência da falta de amor na vida de um líder é tornar vã sua fé, ou seja fé sem
amor nada é. Os líderes até podem operar sem fé, porém, sem o amor, eles nada significam.
Hocking, ao escrever sobre o assunto, afirma:

Os líderes dotados de fé crêem que Deus pode fazer coisas que a maioria dos crentes
jamais viu ou experimentou. Grandes montanhas, que parecem obstáculos
intransponíveis para a obra do Senhor, são nivelados diante da fé de alguns líderes.
Louvado seja o Senhor por uma fé tão grande! Sem o tempero do amor, entretanto, os
resultados dessa fé serão mínimos, em termos de alcançar outras pessoas. 85

A exemplo da comunicação e da fé, o ato de dar sem amor se torna inútil. O líder precisa
possuir um coração disposto a dar. Ele precisa estar disposto a compartilhar com outras
pessoas, em tempos de necessidade. Porém, o texto bíblico de 1 Coríntios 13:3 relembra que,
mesmo que o cristão entregue todas as suas posses, se não tiver amor nada lhe aproveitará. No
ato de dar, não basta apenas senso de caridade; é preciso amor. Esse conceito é defendido por
Hocking, em seu livro “As sete leis da liderança cristã”, quando ele escreve que “caridade
sem amor é perfeitamente inútil. Todos os dons espirituais do mundo não conseguem
ministrar de modo proveitoso às pessoas, onde não houver amor”.86

2.4.3 Evidências de um líder que age com amor

O líder que age com amor evidenciará, através de sua vida, este amor. O amor puro, sem
segundas intenções, o amor de Deus, permanente e incondicional. O líder amoroso, imitador
de Cristo, expressará seu amor de forma ardente. John Haggai, confirmando este conceito,
escreve que “assim como uma árvore majestosa expressa sua vida pelo fruto, o líder que imita
Cristo expressa sua liderança em amor”. 87

O apóstolo Paulo, ao escrever sobre o fruto do Espírito em Gálatas 5:22,23, menciona oito
qualidades, sendo todas elas expressões do amor. No restante deste ponto, apreciaremos sete
dessas qualidades. A humildade será considerada no ponto seguinte. A alegria, a paz, a
longanimidade, a fidelidade e o autocontrole são descritas por John Haggai. 88 A benignidade e
a bondade descritas por Russell Champlin. 89

84
HOCKING, D. As sete leis da liderança cristã, pp. 278-279.
85
HOCKING, D. As sete leis da liderança cristã, pp. 279-280.
86
Ibidim, pp. 280-281.
87
HAGGAI, J. Seja um líder de verdade, p. 84.
88
Ibidim, p. 84-91.
89
CHAMPLIN, R. Enciclopédia de teologia, Bíblia e filosofia, p. 825.
30

1) Alegria. A música do amor é a alegria. Alguém só irá permanecer alegre, em todas as


situações e circunstâncias, se tiver amor. Embora o líder enfrente problemas e dificuldades,
com amor em seu coração, a alegria será expressa constantemente em sua vida.

2) Paz. A paz é a harmonia do amor. O amor é o único sentimento capaz de produzir a paz. A
paz de Deus concede ao líder tranqüilidade interior, mesmo vivendo em um mundo confuso e
em desintegração. O líder que está em paz procura trazer essa paz a outras pessoas. O líder
que ama, e tem paz em seu coração, lidera com o intuito de somar e não de dividir. Por estar
em paz com Deus e consigo mesmo, não se torna egoísta, deseja que outros também alcancem
esta bênção.

3) Longanimidade. A longanimidade é a resistência do amor. O significado de


longanimidade, no Novo Testamento, é “uma característica, não somente de Deus, como
também do homem que está unido com Jesus Cristo, é suportar com temperamento sereno”. A
pessoa longânima é paciente. Todo o líder eficaz, apoiado em Deus, controla seu
temperamento. Por pior que sejam os ataques que o líder venha a sofrer, se tiver amor,
responderá sempre com brandura, pois o amor, em sua vida, produz a longanimidade
(makroqumi/a - makrothumia).

4) Benignidade. O termo original do Novo Testamento é chrestotes (xrhsto/thj), que

designa “gentileza, ternura”. Esse termo também indica excelência de caráter, honestidade.
Refere-se a uma disposição gentil e bondosa para com os outros. Deus é a sua fonte
originária, e Cristo foi quem melhor exemplificou essa qualidade, passando a ser o modelo
dos cristãos. Doçura de temperamento, sobretudo para com os inferiores, predispondo-se a
uma atitude afável e cortês, que deixa a pessoa facilmente abordável, quando alguém as
magoa.

5) Bondade. A bondade (a)gaqwsu/nh – agathosune) é a manifestação de virtudes divinas

numa pessoa. A bondade é característica de um líder forte e eficaz. É aquela qualidade de


generosidade e de ação gentil para com outras pessoas, tudo se originando de um caráter
intimamente bondoso. Benignidade se refere mais ao sentimento, e bondade mais à ação. A
benignidade se refere mais ao caráter, e a bondade mais à atitude.

6) Fidelidade. A fidelidade é a medida do amor. A fidelidade (pistij – pistis) é um atributo do

líder que se mostra leal ao seu encargo, a si mesmo, ao seu compromisso com outros, e, acima
31

de tudo, a Deus. Um grande exemplo de fidelidade foi o de Noé, que, apesar das críticas e
zombarias dos demais, obedeceu a Deus e construiu a arca. Outro exemplo de fidelidade é o
de Abraão, que se dispôs de seu único filho, Isaque. O líder que pratica a fidelidade segue o
exemplo de Noé e Abraão. Sua palavra é sim, sim; e não, não; cumpre suas promessas e paga
todas as suas dívidas, e a sua palavra é o seu aval.

7) Autocontrole. O autocontrole é o domínio do amor. O autocontrole ( e)gkra/teia –

egkrateia) é um modo de vida no qual, pelo poder do Espírito Santo, o líder é capaz de ser
equilibrado em tudo porque não deixa seus desejos dominarem sua vida, caracterizada pela
disciplina. Sem a presença do autocontrole em sua vida, o líder perde sua eficiência e o
respeito de seus liderados. Mas, se o tiver, todos o verão como alguém que tem determinação
e força para ocupar a posição.

2.4.4 Conclusão

O líder cristão precisa tratar seus seguidores com amor. Essa é uma ordem de Jesus para todos
os cristãos, especialmente para os líderes. Este amor, que Jesus espera que os líderes cultivem,
é o amor agape. Quando o líder pratica este amor, este lhe dá vitalidade e credibilidade para
liderar. Quando o líder tem amor, isso produz no grupo o desejo de segui-lo. O amor consegue
o que nem fama, nem força, nem manipulação podem conseguir. O líder que pratica o amor
expressa-o através da alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade e
domínio próprio.

2.5 Humildade

O ser humano, nos dias atuais, vive em um mundo que não valoriza nem deseja a humildade.
Em todas as áreas de suas vidas, as pessoas se esforçam para alcançar destaque, popularidade
e fama. Infelizmente, essa atitude tem contaminado a igreja de Cristo. Existe um culto à
personalidade, pois os líderes cristãos lutam para alcançar glória. Entretanto, o verdadeiro
líder cristão não age desta forma; ao contrário, busca a aprovação do Senhor e não dos
homens. A humildade, portanto, é a marca registrada de todo líder comprometido com a obra
de Deus.

2.5.1 Definição

A humildade ou mansidão (prau*thj – prautes) é a expressão do amor. É a atitude de espírito

e a disposição predominante do amor. O líder humilde está livre do orgulho ou da arrogância.


Segundo o Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, humildade é a virtude com que o ser
32

humano manifesta seu sentimento de fraqueza.90 O novo dicionário da Bíblia define


humildade como sendo uma virtude que tem origem no caráter do próprio Deus. Destaca que
esta qualidade, sempre que encontrada no Antigo Testamento, é louvada (Ex. Pv 15:33;
18:12), e a bênção de Deus freqüentemente é derramada sobre aqueles que a possuem. Esse
vocábulo está intimamente ligado ao termo aflição, mas sempre com o propósito de produzir
humildade de espírito. Semelhantemente, este termo é usado no Novo Testamento, para
expressar dois conceitos: a penalidade contra a arrogância (humilhação) e o requisito
indispensável para a prioridade (humildade). 91 Esta definição é apoiada por Derek Williams,
quando este escreve:

Humildade. Virtude que faz parte do caráter de Deus; embora incomparavelmente


maior, ele se humilha para cuidar das criaturas (Sl 135:5ss). Humanamente, está
muito associada ao sofrimento, que tem por objetivo produzir humildade de espírito;
em Mt 23:12, “humildade” expressa tanto a penalidade material pela arrogância como
o pré-requisito espiritual para obter honra no reino de Deus. Paulo entende que
circunstâncias humilhantes são oportunidades para desenvolver uma atitude interior
de humildade (Fp 4:12) e dá a própria humildade de Jesus ao enfrentar a cruz como
exemplo a ser seguido (Fp 2:8).92

2.5.2 Importância

“Um espírito humilde é a marca registrada da pessoa usada por Deus”. 93 O líder que possui
um espírito humilde alimenta a unidade do grupo, evitando, assim, críticas e discussões. Um
grupo unido não comete tantos erros nem desperdiça tempo e recursos com brigas internas.
Quando o líder age com humildade não pensa somente em si, mas se concentra nas
necessidades de seus seguidores. Esta verdade é confirmada por John Haggai, quando este
escreve:

O Espírito de humildade libera o líder para que possa concentrar-se nas reais
necessidades dos outros. Ele não dissipa energias especulando que espécie de
impressão está causando nos outros. Recusando-se a “pensar de si mesmo além do
que convêm”, ele não se sente insultado, não importa o que lhe digam. Nem fica
ansioso, com medo de ser tratado de maneira desrespeitosa.94

A humildade é importante porque aumenta a confiança do líder em Deus. Quando o líder,


através da humildade, adquire total confiança em Deus, torna-se corajoso e firme no trato com
as pessoas, mesmo nos momentos de pressão. “A coragem para permanecer firme brota de
uma humilde dependência do poder de Deus, no fortalecimento e na força do seu poder (Ef

90
FERREIRA, A. B. H. Dicionário da língua portuguesa, p. 290.
91
DOUGLAS, J. O novo dicionário da Bíblia, p. 727.
92
WILLIAMS, D. Dicionário bíblico vida nova, p. 160.
93
EIMS, L. A formação de um líder, p. 44.
94
HAGGAI, J. Seja um líder de verdade, p. 98.
33

6:10)”.95 Outra importância da humildade, na vida do líder, é o entusiasmo de seus


seguidores, por perceberem que sua motivação não é servir-se a si mesmo. O líder humilde
está mais perto de alcançar seus objetivos, porque procura beneficiar todo o grupo, e não seu
engrandecimento pessoal. 96 Ainda, a humildade é de suma importância, porque permite que
Deus trabalhe na vida do líder. Se não houver humildade, Deus não poderá ocupar lugar na
sua vida, porque o ego se transformou em deus, e, desta forma, Deus não irá influenciar suas
decisões diárias. O ego impede o trabalho de Deus, a humildade abre a porta para a ação de
Deus.97

2.5.3 Exemplos bíblicos de líderes humildes

João Batista

Um dos líderes mais humildes relatados na Bíblia é João Batista. Segundo o evangelista
Mateus, até sua época, João Batista foi o maior homem que viveu (Mt 11:11). Ele foi o último
dos profetas, foi o precursor imediato do Messias. Uma das frases mais marcantes de João
Batista está relatada no evangelho de João: “Convém que ele cresça e que eu diminua” (Jo
3:30). Esta afirmação foi feita no momento em que os discípulos de João o interrogaram,
demonstrando uma ponta de ciúme, sobre as pessoas que estavam indo ao encontro de Jesus e
sendo batizadas por Ele (Jo 3:26). João Batista, com profunda humildade, que o caracterizava,
estava perfeitamente satisfeito e alegre com a parte que lhe foi destinada em relação à obra e
ministério de Cristo. João denominou-se “amigo do noivo” (v.29), isto é, aquele que se
encarregava de arranjar o contrato de casamento e presidia a festa nupcial. Declara-se muito
satisfeito com o privilégio de ser precursor de Cristo, encarregado de preparar um povo para o
Noivo vindo dos céus.98 F. F. Bruce, ao comentar sobre a humildade de João Batista, confirma
a idéia citada acima, de que João não teve ciúmes de Jesus, mas, pelo contrário, reconheceu
sua messianidade e muito se alegrou com isso:

João não traz nenhum sentimento de inveja ou rivalidade. Não é fácil ver a influência
de outro crescer às custas da nossa; ainda menos fácil é alegrar-se com isto. João viu
sua alegria ser completada com as notícias que seus discípulos trouxeram. Ele veio
para dar testemunho, descansou contente. Convém que ele cresça e que eu diminua
são as últimas palavras de João registradas neste evangelho. 99

Paulo

95
MACARTHUR Jr. Redescobrindo o ministério pastoral, p. 41.
96
HAGGAI, J. Op. Cit., p. 98.
97
WILKES, L. O último degrau da liderança, pp. 55-56.
98
ERDMAN, C. O evangelho de João, p. 39.
99
BRUCE, F. João: Introdução e comentário, p. 92.
34

A humildade era uma característica na vida do apóstolo Paulo. Ele seguia de perto as pegadas
de seu Senhor. Paulo viveu na humildade de um grande arrependimento. Mesmo sem ter
insistido neste ponto de maneira mórbida, nunca se esqueceu de que fora implacável na
perseguição da igreja de Deus; e quando seus inimigos disseram que ele não merecia viver,
não discutiu tal avaliação. O apóstolo sempre teve um espírito de humildade muito grande.
Ele não desejava ter uma reputação mais elevada do que merecia (2 Co 12:6). Paulo
admoestou os cristãos colossenses a que se acautelassem de uma falsa humildade, ascética,
que, na realidade, é a mais sutil forma de orgulho.100 Ao que parece, os cristãos de Colossos
estavam professando uma humildade que não possuíam. 101

Paulo, expressando sua humildade, sempre tratava as demais pessoas de igual para igual. Em
sua primeira carta aos coríntios, ele afirma que todos são cooperadores de Deus (1 Co 3:9). 102
O conceito que Paulo quer salientar é que os instrumentos que Deus usa não são o mais
importante, inclusive ele. Tudo é de Deus, e todos pertencem a Deus. O serviço do Senhor é o
mais importante.103 Paulo, devido à sua humildade, não possuía inveja do sucesso de outros
líderes, mas se alegrava com e por eles. Esta premissa é confirmada por Sanders, quando este
escreve que “Paulo era generoso na avaliação de outros, e estava totalmente livre da inveja do
sucesso ou dos dons alheios. Ele deleitava-se em associar-se com os seus cooperadores,
mesmo com os jovens, em termos de igualdade”. 104

Jesus Cristo, o exemplo maior

A humildade, na sociedade atual, é sinônimo de fraqueza e fracasso. É um termo sem


nenhuma atração; chega a ser insignificante. Porém, Jesus Cristo deu sua vida, vitalidade e
glória a esta palavra. O líder cristão aprende acerca da humildade através do ensino de Cristo,
seu exemplo e caráter. A maior humilhação de Cristo foi, sendo Deus, encarnar-se como
homem; sendo rei, assumir forma de servo; sendo o Filho de Deus, morrer numa cruz.

Cristo veio a esse mundo com atitude humilde, sem arrogância ou orgulho. Isto é claramente
observado em Filipenses 2:5-11. A humilhação de Jesus chegou ao extremo de haver se
tornado um escravo. De todas as categorias de trabalho, a de escravo é a mais inferior, pois
não tem vontade própria, nem direitos e muito menos qualquer proteção perante as leis do
Estado. Ele não passa de um instrumento a serviço de outros e é obrigado a fazer as coisas

100
SANDERS, J. Paulo, o líder, p. 54.
101
STURZ, R. Colossenses: Introdução e comentário, p. 83.
102
SANDERS, J. Op. Cit., p. 53.
103
MORRIS, L. 1 Coríntios: introdução e comentário, p. 53.
104
SANDERS, J. Op. Cit., p. 53.
35

mais árduas e degradantes. É, essencialmente, um trabalhador braçal sem direito a descanso.


Jesus não era realmente um escravo, ele era Deus, mas assumiu a forma (aparência), em
comparação com sua glória anterior. Ele deixou voluntariamente as riquezas celestiais, bem
como toda sua glória, se submetendo espontaneamente à sua humilhante condição terrena.
Obedeceu e morreu voluntariamente uma morte vergonhosa. 105

Na sociedade antiga, a morte da cruz era a mais evidente ilustração de humilhação. Era tão
vergonhosa e humilhante que, na refinada sociedade romana, era proibido até mesmo
mencionar este tipo de morte, a qual estava reservada aos piores criminosos e aos escravos.
Este foi o mais baixo ponto da humilhação de Cristo, pois este tipo de morte estava vinculada
a uma maldição dentro da legislação mosaica (cf. Dt 21:23).106

Outro texto bíblico que comprova a humildade de Cristo é Mateus 11:29, onde o próprio Jesus
se declara manso e humilde de coração. De acordo com Rienecker, essa qualidade
acompanhou o Senhor Jesus durante todos os seus dias. E essa humildade não foi uma
máscara exterior, um gesto adquirido de cortesia, mas um sentimento que brotava de seu
coração, do mais íntimo de seu ser. 107

Essa humildade de coração, segundo Champlin, se refere às idéias de Zacarias 9:9, que fala da
humildade do Messias, que não veio para assumir posição de autoridade e grandeza, como o
faziam alguns líderes judeus, nem procurou qualquer privilégio pessoal diante do governo.
Viveu como pobre no meio dos pobres, e como homem humilde no meio dos humildes. 108
John Haggai, em seu livro “Seja um líder de verdade”, escreve acerca da vida humilde de
Cristo:

O Senhor da terra e céu revestiu-se das roupagens de um indivíduo rústico! Ele, que
derramou as águas em todos os rios da terra – o Amazonas, o Eufrates, o Nilo, o
Mississipe – inclinou-se sobre um poço para pedir a uma mulher samaritana um gole
d’água. Ele, que estendeu o pálio dos céus e colocou a terra como escabelo dos seus
pés, passou a noite em casa de Simão. Ele, cujas carruagens são as nuvens, caminhou
com os pés doloridos... Ele era o Rei do céu e da terra, mas a alva de suas vestes se
arrastavam na poeira.109

2.5.4 Como o líder pode desenvolver a humildade

A humildade, ao contrário de outras coisas, não pode ser alcançada diretamente. Primeiro, é
preciso reconhecer os caminhos que levam à humildade e, depois, concentrar-se neles, e não

105
CHAMPLIN, R. O Novo Testamento interpretado, vol. 5, p. 30.
106
CHAMPLIN, R. O Novo Testamento interpretado, vol. 5, p. 30.
107
RIENECKER, F. O evangelho de Mateus, p. 199.
108
CHAMPLIN, R. Op. Cit., vol. 1, p. 382.
109
HAGGAI, J. Seja um líder de verdade, pp. 106-107.
36

na humildade em si. Para Macarthur, “a verdadeira humildade flui de uma perspectiva correta
de Deus”.110 Em seu livro “Seja um líder de verdade”, John Haggai, cita meios para o
desenvolvimento da humildade. São eles: 111

a) Entronizar Cristo no coração. Segundo John Haggai, a humildade brotará na vida do


líder na proporção que este se entregar ao reinado de Cristo em seu coração. Quando o líder se
deixa governar por Jesus, ele deixa de querer ser exaltado e procura a glorificação de seu Rei.
A humildade, como já foi dito, é a expressão do amor, que, por sua vez, é Fruto do Espírito. O
amor nasce e se desenvolve como resultado do poder revitalizador do Espírito Santo.
Portanto, o primeiro caminho que o líder deve seguir para alcançar a humildade é fazer de
Jesus Cristo, o Senhor de sua vida.

b) Obediência a Cristo. Todo líder, que fizer de Cristo seu Senhor, desejará obedecer-lhe. E,
para obedecer a Cristo, o líder precisará dar alguns passos práticos para a humildade. O líder,
que procura obedecer a Cristo, não vive a contender e nem dá lugar à arrogância. Deve ser
amável para com todos, inclusive seus inimigos. Precisa sempre pregar a verdade com amor.
Se o líder tiver esse tipo de compromisso com a obediência a Cristo, o Espírito Santo
produzirá nele a humildade.

c) Seguir o exemplo de Cristo em oração. Os discípulos de Cristo sempre foram ensinados


por Ele acerca da simplicidade e humildade da oração. E aquilo que lhes ensinou, também
praticou. Era comum, na vida de Jesus, se retirar para orar, submetendo-se a Deus Pai. Foi
assim antes de escolher os apóstolos, quando se retirou e passou a noite em oração (Lc 6:12).
Agiu da mesma maneira após alimentar mais de cinco mil pessoas, com a multiplicação dos
pães. Jesus cercou seu ministério de muita oração. Quando ensinou seus discípulos a orarem,
mostrou que deveriam confessar seus pecados em oração e pedir perdão a Deus, com o
coração quebrantado. Se o líder seguir o exemplo de Cristo em oração, terá humildade.

d) Seguir o exemplo de Cristo nas relações pessoais. Através do poder de Jesus Cristo, o
líder tem de evitar, de forma consciente, o elitismo, a intolerância, a discriminação e a
autopromoção. Jesus demonstrou humildade ao escolher seus seguidores e amigos. Ele não foi
à elite da Palestina para selecionar seus discípulos; foram homens simples e até mesmo alguns
pescadores que Ele escolheu. Demonstrou humildade também por sua simpatia com as
crianças e com indivíduos desvalorizados e discriminados da época, que lhe rogaram auxílio.
Também demonstrou apreciação por uma pequena oferta de uma viúva pobre (cf. Mc 12:41-

110
MACARTHUR Jr. Redescobrindo o ministério pastoral, p. 40.
37

44), e pelo mais simples serviço (cf 10:42). Se o líder seguir o exemplo de Jesus no trato com
as pessoas, alcançará a humildade.

e) Seguir o exemplo de Cristo no servir. O líder precisa imitar o exemplo de Jesus,


mostrando-se disposto a levar as cargas dos outros. Uma das maiores demonstrações de
servidão de Jesus foi quando Ele lavou os pés dos discípulos. Esta era a função do servo mais
humilde e não do anfitrião, posição essa que Jesus ocupava durante a festa da páscoa com
seus discípulos. Neste episódio, o exemplo específico, que é recomendado aos cristãos seguir,
é o do serviço humilde prestado ao próximo. Jesus caracteriza a questão como se fora uma
dívida que os discípulos tinham uns com os outros. Este ritual feito por Jesus simboliza o
serviço mútuo, o cumprimento da lei do amor. Se o líder seguir o exemplo de Jesus Cristo no
servir, o Espírito Santo produzirá a humildade.

2.5.5 Conclusão

A humildade é a expressão do amor. É o senso de inferioridade do homem ao contemplar a


majestade e o amor de Deus em contraste com a sua pequenez. A unidade e entusiasmo do
grupo, a confiança em Deus, e a ação de Deus na vida do líder são decorrentes da humildade.
O desenvolvimento da humildade é essencial ao líder cristão, porque é uma característica que
evidencia sua chamada divina. Somente o líder que se sujeitar ao senhorio de Cristo, assumir
o lugar de servo e deixar o Espírito Santo derramar seu poder nele continuamente, estará
capacitado para exercer influência dentro de um grupo. Jesus Cristo deixou exemplo de
humildade. O líder, que quiser se tornar mais humilde, precisa seguir os seus passos.

111
HAGGAI, J. Op. Cit., pp. 102-19.
38

III - PROBLEMAS QUE COMPROMETEM A EFICÁCIA DA


LIDERANÇA CRISTÃ

Neste ponto, procurar-se-á mostrar problemas que, se não resolvidos, comprometerão a


eficácia da liderança cristã. A falta de tempo à família, as críticas, a falta de visão e os
pequenos problemas serão os assuntos aqui abordados. Existem ainda muitos outros
problemas, porém de menor importância.

3.1 Falta de tempo à família

“Nenhum sucesso compensa o fracasso no lar”. 112 Um dos grandes problemas enfrentados
pela maioria dos líderes é dedicar tempo demais para os outros e tempo de menos para sua
família; a pergunta que naturalmente surge é: será que vale a pena ter um ministério cheio de
realizações e atividades, mas, no fim das contas, perder a família?113

3.1.1 O líder e seu cônjuge

O relacionamento entre o líder e sua esposa é essencial para um bom desenvolvimento de seu
ministério. Queirós confirma essa idéia, ao escrever:

Aqui está outra importante questão para o êxito do pastor em seu ministério: o
relacionamento com a esposa. É primordial que se entenda isso, pois o ministério só
poderá ser bem-sucedido se ambos estiverem afinados com a vontade de Deus para as
suas vidas.114

Ninguém consegue manter uma família sem dedicação, sem empenho e sem investimento.
Pensando desta forma, Eugene B. Habecker, em seu livro “Redescobrindo a Alma da
Liderança”, dá algumas sugestões com o intuito de ajudar o líder a desenvolver e melhorar
seu relacionamento com seu cônjuge. 115

Tirar férias regularmente. O líder precisa tirar “férias” várias vezes por ano, mesmo que
durem apenas um dia. A reserva de um tempo livre para se divertir com a família é
imprescindível para a eficácia de sua liderança. Em certas ocasiões, o líder poderá tirar férias
sem os filhos, pois é especialmente importante para criar intimidade, sexual ou não, com seu
cônjuge.

112
CÂMARA, U. Apostila: tempo de liderança, p. 23.
113
QUEIRÓS, E. Transparência no ministério, p. 85.
114
Ibidim, p. 90.
115
HABECKER, E. Redescobrindo a alma da liderança, pp. 56-58.
39

Realização de algo especial. Algo especial deve ser constante no âmbito doméstico. Pequenas
e simples atitudes têm muito significado. O líder precisa criar o hábito de, vez por outra, fazer
algo especial, como dar flores, roupas, perfumes ou jóias. Isso iria demonstrar como seu
cônjuge lhe é importante.

Fazer com que sua renovação espiritual, como casal, seja constante. Crescer juntos
espiritualmente enriquece e fortalece o casamento. A paciência, a compreensão de cada um, a
coerência entre palavras e ações e muita oração são imperativos nessa jornada.

Discutir as informações financeiras da família. O líder precisa certificar-se de que seu


cônjuge compreende a situação financeira e fique financeiramente amparado no caso de sua
morte. O dinheiro não faz o casamento, mas partilhar informações ajuda a manter o canal de
comunicação aberto e evita que se construam barreiras.

3.1.2 O líder e seus filhos

Embora a grande maioria das pessoas consigam facilmente a atenção do líder, os filhos já não
têm a mesma facilidade. De modo geral, sobrevivem com o mínimo de atenção, e alguns
recebem, de fato, bem pouca consideração dos pais-líderes. 116 Edison Queirós afirma que
muitos líderes têm pecado por não dedicar tempo para seus filhos e não participar das
atividades de que eles gostam.117 A partir do momento do nascimento dos filhos, o líder tem
responsabilidades de ensino, de treinamento, de correção e de controle sobre eles. 118 Para o
bom desenvolvimento destas responsabilidades, o líder precisa ter o conceito correto do que é
ser pai. O Dicionário da Língua Portuguesa define pai apenas como procriador, genitor,
homem ou animal, em relação àqueles que ele procriou. 119 Porém o conceito de pai é bem
mais profundo e amplo. Em um de seus estudos, o doutor Norm Wakefield, descobriu uma
teologia da paternidade, com o próprio Deus no papel de modelo. Segundo ele, o verdadeiro
pai vai muito além de um simples progenitor ou gerador. Ele é um homem dotado de uma
série de qualidades, mais precisamente nove são elas: 120

Refúgio. O pai é alguém para quem o filho pode correr e em quem encontra refúgio. Ele é a
primeira pessoa em quem seu filho pensa quando precisa de proteção, ele é o seu lugar de
segurança.

116
HABECKER, E. Redescobrindo a alma da liderança, p. 60.
117
QUEIRÓS, E. Transparência no ministério, p. 88.
118
HOWARD, J. O líder eficaz, p. 78.
119
FERREIRA, A. O dicionário da língua portuguesa, p. 399.
120
MCDOWELL, J. & WAKEFIELD, N. A diferença que o pai faz, pp. 22-29.
40

Amizade. O verdadeiro pai é um amigo cordial, íntimo. Cheio de sentimentos ternos e sempre
paciente.

Sustentador. O pai é alguém que sustenta os filhos nas dificuldades da vida. Em todas as
áreas da vida, os filhos precisam de um pai que lhes dê força para seguirem novos passos em
seu desenvolvimento.

Companheirismo. O pai deve ser um companheiro. Os filhos precisam saber que há alguém
que os ama loucamente e que gosta de estar com eles. Os filhos precisam sentir que seu pai é
seu companheiro.

Presente. O pai é também alguém presente, e sua presença é motivo de alegria. Os filhos
amam a presença do pai acima de tudo. O pai que moldará a vida do filho é aquele que está
presente.

Conselheiro e guia. Em meio a um século marcado por filosofias de vida polêmicas e


confusas, os pais devem ser as primeiras pessoas a quem os filhos recorram quando quiserem
um conselheiro ou ajuda não-condenatória para a tomada de decisões.

Uma lente. Poucas são as pessoas que têm uma visão sadia sobre princípios morais. O pai
deve ser então a lente que ajuda seus filhos a enxergar estes princípios.

Perdoador. O pai é aquele que não guarda rancor e é rápido em perdoar. Os filhos são
ricamente abençoados quando seus pais são pacientes com seus pecados, rápidos em perdoar,
que jamais mantêm os fracassos do passado diante deles como um chicote.

Confiável. O pai verdadeiro é confiável. Uma das primeiras coisas que os filhos aprendem é
se podem ou não confiar naqueles que cuidam deles. O pai que se compromete a ser sempre
digno de confiança proporcionará um ambiente estável para seus filhos. Eles sabem que o pai
é sempre verdadeiro, confiável e consistente.

Os pais precisam cuidar de seus filhos enquanto eles ainda estão por perto. Embora os filhos
tenham suas escolhas e nem sempre elas são as melhores, o pai-líder poderá fazer a diferença
se atentar para alguns princípios: 121

 Tenha disponibilidade para com seus filhos;


 Separe tempo para eles. Eles não estarão em casa por muito tempo;

121
CÂMARA, U. Apostila: Tempo de liderança, p. 28.
41

 Aproveite os tempos especiais: hora de acordar, dormir, durante as refeições;


 Saia com eles;
 Converse sobre seus problemas e áreas de interesse;
 Participe de suas atividades na escola como pai;
 Escute seus filhos realmente;
 Quando estiver fora de casa, prepare-se para regressar;
 Não leve trabalho para fazer em casa, pelo menos enquanto os filhos estiverem acordados;
 Desligue a TV e deixe o jornal.

Pierre Weil aponta para o fato de que a conduta dos filhos é, em grande parte, uma reação ao
comportamento dos pais para com eles. A natureza das relações entre pais e filhos se
transmite de geração a geração. Segundo Weil, na família devem ser cultivadas relações
sadias para que as pessoas tenham um relacionamento social saudável. 122

3.1.3 O padrão bíblico

Duas passagens-chave apresentam o imperativo de Deus de que ter um compromisso sério


com a família é um pré-requisito para a eficácia da liderança. Estas passagens são 1 Tm 3:4,5
e Tt 1:6. MacArthur, baseado nestas passagens, apresenta três aspectos do casamento e da
família na vida do líder:123

1. Ele deve ser marido de uma só esposa, isto é, totalmente devotado, não deve pôr os olhos
em outras mulheres nem se afeiçoar a elas. Ele deve demonstrar o mesmo nível de amor que
Cristo revela por sua noiva, a igreja, em seu amor firme e inabalável. 124

2. Ele deve liderar sua família (1 Tm 3:4), não podendo delegar a responsabilidade final da
direção de seu lar, nem deixar de dar prioridade a este governo. Assim, não basta que
simplesmente lidere, mas que a qualidade de sua liderança em casa seja excelente.

3. Os filhos devem viver em harmonia na casa do líder, tendo o pai como exemplo e instrutor.

Os filhos, na Bíblia, são vistos como dons de Deus e podem trazer tanto alegria como tristeza.
Eles devem ser amados, honrados e respeitados como pessoas. Os pais e as mães têm a

122
WEIL, P. A criança, o lar e a escola, p. 52.
123
MACARTHUR Jr. Redescobrindo o ministério pastoral, pp. 177-178.
124
Reforçando esta afirmação, Habecker escreve que o marido deve amar a esposa como Cristo amou a igreja e
assim como ama o próprio corpo. Segundo ele, muitos líderes têm uma amante chamada vocação. Essa
amante exige longas horas fora de casa e é usada para justificar todo tipo de prioridade. O amor, com o qual o
líder deve amar sua esposa, não permite que as necessidades dela sejam negligenciadas (HABECKER, E.
Redescobrindo a alma da liderança, p. 55).
42

responsabilidade de amar seus filhos, dar exemplo de comportamento, cuidar de suas


necessidades, ensiná-los e discipliná-los com justiça (Ef 6:4). Um dos textos bíblicos que
contém grandes ensinamentos quanto à educação dos filhos é Dt 6:1-8. Este texto apresenta
uma visão geral de educação dos filhos. Collins, ao abordar este assunto em seu livro
“Aconselhamento Cristão”, escreve que a educação de filhos no lar cristão envolve o
seguinte:125

(a) Ouvir. O bom pai procura ouvir os mandamentos de Deus e compreendê-los tão bem que
eles “estarão no coração”. Este aprendizado é feito através do estudo regular da Palavra de
Deus, interpretada pelo Espírito Santo.

(b) Obedecer. O conhecimento não basta. Além de ouvir, é preciso praticar os mandamentos
de Deus. Quando os pais deixam de obedecer a Deus, torna-se mais difícil para os filhos
obedecê-los.

(c) Amar. As pessoas devem amar a Deus e se entregar a Ele de todo coração, alma e força.
Nota-se, aqui, a ênfase no comportamento dos pais. Apesar de sua importância, os filhos não
são tão proeminentes na Bíblia. Os pais não devem existir unicamente para os filhos. Eles
existem, primeiro, como indivíduos diante de Deus. Educar filhos faz parte do propósito de
vida do ser humano, se Deus os conceder, mas não é esse o único objetivo.

(d) Ensinar. Existem quatro maneiras de transmitir este ensino:

 Diligentemente. Embora a educação dos filhos não seja a única tarefa na vida dos pais, ela
é uma tarefa importante, não devendo ser realizada levianamente.
 Repetidamente. A passagem de Deuteronômio, capítulo seis, indica que o ensino não é um
esforço único, mas deveria preocupar os pais repetidamente, dia e noite.
 Naturalmente. Ao sentar, andar, deitar e levantar, os pais devem procurar e aproveitar
oportunidades para ensinar. Os cultos domésticos são ocasiões excelentes, mas os pais
ensinam sempre, certo ou errado.
 Pessoalmente. O que as pessoas dizem tem menos influência do que aquilo que fazem.
Quando os pais ouvem, obedecem e amam, eles fornecem um exemplo, para os filhos, que
reforça o que está sendo dito no lar.

Os companheiros e professores são importantes, mas o ensino mais significativo para a


educação dos filhos ocorre no lar.

125
COLLINS, G. Aconselhamento cristão, pp. 178-179
43

3.1.4 Conclusão

O lar do líder deve ser um verdadeiro altar consagrado a Deus. Nenhum sucesso poderá
compensar o fracasso no lar. A falta de tempo à família é um problema que tem contribuído
para a desestruturação de muitos lares de líderes. Os líderes precisam amar suas esposas assim
como Cristo amou a igreja e se entregou por ela. “A esposa do líder deve ser a número um, e
precisa saber disso”.126 Em relação aos filhos, os pais precisam ser alguém em quem eles
possam confiar, encontrar refúgio, um sustentador. Um amigo que se faz presente,
aconselhando e guiando, paciente, sempre pronto a perdoar. O lar do líder deve ser um
verdadeiro santuário, onde os filhos cultuam a Deus, onde a esposa louva a Deus com sua
vida plena de ideais, onde o líder se acerca de Deus como fonte perene de seu ministério e se
deleita no seu poder e graça.127

3.2 Críticas

“Para não ser criticado: não diga nada. Não faça nada. Não seja nada”. 128 A posição de líder é
estratégica para as críticas. O líder precisa aprender que as críticas são necessárias para o seu
crescimento como pessoa. “Se a pessoa não consegue enfrentar as críticas, isso significa que
basicamente é imatura nas suas emoções”. 129 Há líderes que não estão preparados para receber
críticas, pois se desestruturam facilmente, perdem o autocontrole e partem para a agressão,
quer verbal ou até mesmo física. Como lidar com a crítica, quer recebendo ou fazendo, como
Cristo enfrentou as críticas, é o que se propõe neste ponto.

3.2.1 Como lidar com a crítica

A crítica pode ser positiva ou negativa. Ela é positiva quando identifica os pontos fracos e
fortes e, a partir deles, procura-se melhorar. A crítica negativa avalia fraquezas e erros,
geralmente, baseada em rancores.

3.2.1.1 Recebendo críticas

Receber críticas, sem perder o autocontrole, não é tarefa fácil. O líder precisa estar preparado
para recebê-las, para que elas não venham a lhe perturbar e prejudicar a eficácia de sua
liderança. Dusilek, ao escrever sobre este assunto, dá algumas regras para o líder desenvolver
sua capacidade de receber as críticas: 130

126
HABECKER, E. Redescobrindo a alma da liderança, p. 56.
127
FERREIRA, E. Manual da igreja e do obreiro, p. 178.
128
YOUSSEF, M. O estilo de liderança de Jesus, p. 135.
129
ENGSTROM, T. Como se forma um líder cristão, p. 110.
130
DUSILEK, N. Liderança cristã, pp. 188-190.
44

1. Oração. O líder precisa pedir ao Senhor que o ajude a aceitar o que está ouvindo e a não
agredir verbalmente quem o está criticando. Mesmo que reconheça que esta pessoa não tem
condições morais e espirituais de o fazer.

2. Não ficar na defensiva. Embora seja o caminho mais comum e o mais fácil, tira do líder a
oportunidade de ver o ângulo do criticador e assim não consegue visualizar os erros para
corrigi-los.

3. Deixar o outro completar seu pensamento. O líder precisa aprender a deixar o outro
completar seu pensamento. Isto, além de lhe dar tempo para organizar suas idéias, também faz
parte da boa educação.

4. Pedir evidências sobre em que se baseia a crítica. O criticado tem o direito de saber
quais são as bases em que estão erguidas as críticas. Se forem falsas, o líder poderá aproveitar
a ocasião para chamar a atenção do criticador. Se forem verdadeiras, peça a Deus ajuda para
receber tal crítica.

5. Questionar-se. Perguntar ao Senhor qual é a lição que ele quer lhe mostrar permitindo tal
crítica. O líder deve aproveitar as oportunidades para crescer.

6. Verificar qual é o verdadeiro problema. Muitas vezes, o crítico está expressando suas
próprias necessidades. Ele só quer chegar perto do líder para lhe solicitar ajuda, e a única
forma de conseguir é através de uma crítica.

7. Decidir cuidadosamente como responder. Não é bom agir sem refletir. Ao responder a
uma crítica, o líder precisa decidir corretamente como fazer. Uma palavra mal colocada
poderá trazer grandes prejuízos, e, para consertar, fica muito difícil e, às vezes, quase
irrecuperável.

3.2.1.2 Fazendo críticas

Muitas vezes, é inevitável ao líder, pela posição que ocupa, fazer críticas. Porém, essas
críticas precisam ser feitas em amor, de forma que o outro entenda que é para o seu bem. É
preciso ter estatura espiritual e emocional tanto para receber críticas como para fazê-las.
Baseado no livro “Liderança cristã: a arte de crescer com as pessoas”, de Nancy G. Duslek,
serão apresentadas, a seguir, algumas dicas para o líder desenvolver a maneira correta de fazer
críticas:131

131
DUSILEK, N. Liderança cristã, pp. 186-187.
45

1. Oração. Ao dirigir uma crítica a alguém, o líder, deve orar primeiro para que Deus lhe dê
as palavras certas na hora certa, de modo que possa ser uma bênção para a vida do outro. A
oração abre caminhos que o líder jamais conseguiria fazer só com as condições humanas.

2. Fazer em particular. O líder precisa falar diretamente com a pessoa criticada, não pode
usar tabelas, isto é, não pode lançar mão de terceiros para mandar recado. Líderes autênticos
jamais criticam o outro pelas costas – o que é mais fácil –, mas o fazem pessoalmente.

3. Verificar os motivos. Antes de fazer uma crítica, o líder precisa se perguntar porque está
expressando esta crítica, qual é o motivo verdadeiro. O motivo central de uma crítica deve ser
o sentimento de ajuda ao outro e nunca de projeção dos próprios erros.

4. Ser honesto e falar a verdade em amor. Nada é mais frustrante do que uma crítica
desonesta. O líder precisa ser honesto com os seus sentimentos e com o que está falando. As
críticas precisam ser feitas em amor, pois ele ameniza os seus impactos. Quem conhece o
evangelho de Jesus Cristo não tem razão de criticar sem se fazer acompanhar do espírito de
amor fraternal.

5. Oferecer alternativas. Ao fazer uma crítica, o líder precisa oferecer soluções. É


imaturidade dirigir uma crítica desacompanhada de novas idéias. Quando não puder
acrescentar nada, é melhor não fazer a crítica. Além de oferecer alternativas, o líder deve
prontificar-se a orar pela pessoa criticada. Isso ajudará a fortalecer os laços de amizade entre
os envolvidos.

3.2.2 Jesus e a crítica

Como já foi afirmado anteriormente, todo líder está mais vulnerável às críticas. Com Jesus
Cristo, o exemplo maior de liderança, não foi diferente. Os detratores de Cristo o criticaram
por inúmeras razões, entre elas ciúmes, ódio e medo. Eles não tinham nenhum motivo real
para criticá-lo. Muitos não o compreenderam, mas muitos não fizeram esforço algum para
entendê-lo. Rejeitavam qualquer um que tentasse mudar alguma coisa, e Jesus estava
mudando muitas coisas.132

Jesus nunca ficou perturbado com as críticas e censuras que recebeu. Talvez porque Ele,
conhecendo a maldade do coração humano, já as esperasse. Uma passagem bíblica,
extremamente reveladora sobre este assunto, encontra-se no evangelho de João: “Isto, porém,

132
YOUSSEF, M. O estilo de liderança de Jesus, p. 136.
46

é para que se cumpra a palavra escrita na sua lei: Odiaram-me sem motivo” (Jo 15:25 ARA).
De certa feita, Jesus curou um homem junto ao poço de Betesda (Jo 5:1-16), que, por trinta e
oito anos, fora paralítico. Quando os líderes religiosos da época viram que o homem estava
curado, em vez de se alegrarem, criticaram-no por efetuar essa cura num dia de sábado. Em
outra ocasião, quando Jesus curou um cego de nascença (Jo 9:16), a mesma reação ocorreu
pelos fariseus, acusando Jesus de não ser de Deus por não guardar o sábado. Muitas foram as
vezes em que Cristo foi criticado, porém, em momento algum, perdeu o autocontrole. Jamais
Jesus deu uma resposta sem amor a uma crítica. A primeira reação de Jesus em relação às
críticas foi a de ouvir.133

3.2.3 Conclusão

Os líderes são alvos constantes de críticas e constantemente se colocam em situações de


criticar outros para o bom desempenho do trabalho. Tanto a primeira situação como a segunda
são extremamente incômodas e difíceis. Porém, o líder precisa ter a certeza de que Deus
fortalece e dá condições a seus filhos para desempenharem suas tarefa tão árduas, mas tão
necessárias. Se alguém espera desenvolver todo o seu potencial como líder, será bom aprender
a enfrentar a crítica com tranqüilidade e amor. Esse tipo de atitude fortalece o espírito, dá
maior impulso ao seu trabalho e, acima de tudo, honra a Deus. 134 Quando as críticas forem
merecidas, o líder deve aprender com elas. Quando forem injustas, precisa lembrar-se do
seguinte princípio: “Perfeito, houve apenas um líder, e, mesmo assim, foi criticado”. 135

3.3 Falta de visão

“Você só toca aquilo que vê”. 136 A falta de visão é um dos problemas que mais comprometem
a eficácia da liderança. O líder que não tem visão não sabe para onde vai. E, como não sabe
para onde vai, todos os ventos lhe são contrários, ou seja, inúmeros outros problemas surgirão
desta falta de visão. Sem visão, o líder não vai a lugar algum.

3.3.1 Definição de visão

Apesar da palavra portuguesa “visão” poder indicar a percepção ocular, geralmente aponta
para as dimensões extrafísicas de certas experiências místicas. Algo que não é visto pela
capacidade ocular normal dos seres humanos, mas antes como que em sonho, algo que é

133
YOUSSEF, M. O estilo de liderança de Jesus, pp. 136-138.
134
HAGGAI, J. Seja um líder de verdade, p. 95.
135
YOUSSEF, M. Op. Cit., p. 142.
136
MAXWELL, J. As 21 indispensáveis qualidades de um líder, p. 21.
47

revelado visualmente a um profeta.137 Segundo George Barna, visão significa “um retrato
mental claro de um futuro preferível comunicado por Deus a seus servos-líderes escolhidos,
baseado num entendimento real de Deus, de si mesmo e das circunstâncias”. 138

Essa definição de Barna é sustentada por John Haggai, quando este escreve que “visão é uma
imagem clara de algo que o líder quer que seu grupo seja ou faça”. 139 Para Maxwell, visão é
algo que o líder tem, um sonho no fundo de sua mente e que mexe com sua alma. É a coisa
para a qual o indivíduo nasceu. É aquilo que seduz seus talentos e dons, apela para seus mais
altos ideais e desperta seus sentimentos sobre o destino. A visão é algo que está
inseparavelmente ligada aos propósitos do ser humano na vida. 140

3.3.2 Importância

A visão de um líder é importante porque representa uma exposição sucinta daquilo que ele
está realizando ou irá realizar, por meio de seus atos, liderando o povo. A visão é, ao mesmo
tempo, o ponto de partida e o ponto de chegada de uma liderança eficaz. Isto porque todos os
esforços do líder, em última análise, são avaliados em termos do progresso que ele faz no
sentido de implementar a visão plena e fielmente.141 Ao falar da importância da visão na vida
de um líder, Maxwell, em seu livro “As 21 indispensáveis qualidades de um líder”, escreve:

A visão é tudo para um líder. É absolutamente indispensável. Por que? Porque a visão
lidera o líder. Ela desenha o alvo. Acende e alimenta a chama interior e impele o líder
para frente. Mostre-me um líder sem visão e eu lhe mostro alguém que não vai a lugar
algum. Na melhor das hipóteses, está andando em círculos. 142

A visão é como uma bússola na vida do líder, é ela quem lhe mostra o caminho a seguir. Com
ela, o líder terá a certeza de estar seguindo a direção correta. Já, sem ela, poderá o líder andar
para trás, ao invés de andar para frente. Isso porque, quando o líder se movimenta em
qualquer direção que não seja a de sua visão, estará perdendo as oportunidades necessárias
para tornar-se bem-sucedido.143

O líder que tem visão aprende a definir prioridades. A visão permite ao líder priorizar tudo o
que faz. A pessoa que tem visão sabe do quê precisa abrir mão para poder crescer. Ele é capaz
de avaliar tudo o que faz, a fim de saber se aquilo contribui ou não para a visão,

137
CHAMPLIN, R. Enciclopédia de Bíblia, teologia e filosofia, vol. 6, p. 816.
138
BARNA, G. Líderes em ação, p. 49.
139
HAGGAI, J. Seja um líder de verdade, p. 31.
140
MAXWELL, J. A jornada do sucesso, p. 38.
141
BARNA, G. Op. Cit., p. 63.
142
MAXWELL, J. As 21 indispensáveis qualidades de um líder, pp. 134-135.
143
Idem. A jornada do sucesso, p. 39.
48

concentrando-se, assim, no que o aproxima de sua visão e dando menos atenção àquilo que
não está relacionado a ela. O líder que não tem visão concentra-se nas coisas que têm menos
importância. E isso lhe causa muitos problemas, porque deixa todas as oportunidades em
aberto. No começo, isso parece ser uma idéia excelente, porém à medida que o tempo passa,
ele não consegue fazer nenhum progresso, pois consome todo seu tempo preservando opções,
ao invés de ir para frente.144

Todo líder que não tiver visão terá grande dificuldade em enxergar todo seu potencial. Isto
porque não olha além das circunstâncias atuais. Porém, quando tem uma visão, começa a
olhar para dentro de si de um modo diferente, percebendo que possui um potencial maior do
que se imagina. Todas as oportunidades que surgem, todos os recursos que se descobre, todo
talento a desenvolver, se torna parte do potencial de crescimento rumo à sua visão. Quanto
maior for a visão do líder, maior será seu potencial. Confirmando esta verdade, Maxwell,
citando Hovey, escreve que “o mundo de um cego é definido pelos limites de seu tato; o
mundo de um homem ignorante, pelos limites de seu conhecimento; o mundo de um grande
homem é definido por sua visão”.145

3.3.3 De onde vem a visão

A verdadeira visão vem de Deus. Quando o homem tem uma visão do futuro, ela é falível,
imperfeita e limitada. Mas a visão que vem de Deus é perfeita em todos os sentidos. A visão é
uma dádiva de Deus ao homem. Esta idéia é defendida por John Haggai, quando este escreve:
“Qualquer visão de valor vem de Deus, quer ela diga respeito a questões ditas ‘espirituais’ ou
não – quer a pessoa que tem a visão seja crente e reconheça a origem de sua visão, ou não. As
visões de valor são um dom de Deus”. 146

O cristão tem a tendência de dividir sua vida em compartimentos, de modo a ver Deus tendo
influência e relevância em relação a visões, missões e metas espirituais, e com pouca, ou
nenhuma, relação às visões seculares. O cristão precisa entender que onde quer que se
encontre a verdade, ela pertence ao seu Mestre. Deus é o Deus de toda verdade, sendo assim,
Ele é a fonte de todas as visões de valor. A visão, que busca um tipo de mudança que produza
permanente benefício para o grupo, vem de Deus.147

144
MAXWELL, J. A jornada do sucesso, pp. 40-41.
145
Ibidim, p. 40.
146
HAGGAI, J. Seja um líder de verdade, p. 34.
147
Ibidim, pp. 34-35.
49

Portanto, visão é o vislumbrar do tipo de mundo no qual Deus deseja que o líder viva, um
mundo que ele pode criar por meio de seu servo. Basta, a todo aquele que ele chamar a ser
líder, cumprir o seu chamado de acordo com a direção dada pelo seu Espírito.148

3.3.4 Por que muitos líderes não têm visão?

O principal motivo pelo qual líderes não têm visão é a ausência de um contato íntimo com
Deus. Como já foi afirmado anteriormente, a visão é um dom de Deus. Sendo assim, a falta de
comunhão com Ele poderá impedir a doação deste presente. Ao afastar-se da presença de
Deus, o líder, consecutivamente, estará se afastando de sua visão.149

Uma das mais populares e devastadoras barreiras à verdadeira visão divina é a noção de que
Deus nunca o levará a mudar aquilo que sempre se fez antes. Essa noção usualmente é
expressa por meio de exclamações como: “Mas nunca antes fizemos as coisas dessa maneira”,
ou “sempre foi feito assim”. A tradição, geralmente, é reflexo do passado, já a visão de Deus é
sempre um reflexo do futuro.150

A impaciência faz com que se perca a perspectiva da realidade, e isso faz com que o líder
venha a perder a visão. Atualmente, a liderança não dispõe de 2, 5, 10 ou 20 anos para investir
e obter resultados. Os líderes precisam estar cientes de que a visão é um modo de encarar a
vida a longo prazo. Não é algo que se alcança no próximo trimestre, ano ou década. Se a visão
do líder procede de Deus, a programação desvairada que muitos líderes praticam nada tem a
ver com seus propósitos eternos e seu horário. A impaciência em ver a missão completada
pode causar a perda de interesse, que, então, se transforma em ímpeto, o qual destrói a
influência dessa visão.151

3.3.5 Conclusão

A visão é o princípio-chave para uma boa liderança. Alguém pode até estar numa posição de
liderança, pode ser um administrador, mas o que distingue o verdadeiro líder é o fato dele
possuir uma visão. Visão é a capacidade de identificar o que Deus quer da sua vida.

Sem visão, o líder não sabe para onde ir e, desta forma, ficará andando em circuitos, sem
realizar, de forma bem feita, nenhuma tarefa. A visão é algo que vem de Deus. E muitos não a
têm por estarem vivendo sem comunhão com Ele. A tradição e a impaciência também podem

148
BARNA, G. Líderes em ação, p. 50.
149
Idem. Transformando a visão em ação, p. 171.
150
Idem. O poder da visão, p. 130.
151
Idem. Transformando a visão em ação, p. 172.
50

se tornar barreiras para se obter visão. Sem uma visão clara, ninguém poderá ser um líder. O
máximo que poderá ser é uma imitação, um arremedo daquilo que gostaria de ser.

3.4 Pequenos problemas

Por não se dar grande atenção a pequenos problemas, estes vão amadurecendo até chegarem a
ser grandes. Pequenas crises não devem ocupar todo o tempo do líder, mas também não
podem ser ignoradas.

3.4.1 O que leva um pequeno problema a tornar-se grande?

A razão principal para este acontecimento é a maneira com que a liderança trata desses
problemas. Youssef confirma esta posição, ao escrever, em seu livro “O estilo de liderança de
Jesus”, sobre os três passos que os líderes dão em relação a este assunto:152

1. Ignoram. Segundo Youssef, este é o método mais comum. Ou os líderes não os notam, ou
os consideram insignificantes.

2. Evitam. Ao contrário do primeiro passo, há líderes que reconhecem tais problemas, e até
mesmo admitem que, se não forem resolvidos, serão capazes de produzir muitos males.
Porém, ao pensarem que, sendo contornados, os problemas acabam desaparecendo sozinhos,
os líderes deixam que os problemas corram, por conta própria, o que lhes dá tempo, energia e
estímulo para crescer.

3. Adiam. Essa tática, usada por muitos líderes, admite o problema e propõe um adiamento. O
líder pede calma às pessoas e promete que mais tarde irá lutar para resolver o problema. Essa
tática pode, em algumas vezes, até funcionar, se a promessa de voltar ao problema mais tarde
não for esquecida.

A ignorância, o evitamento e o adiamento do pequeno problema só irão contribuir para o seu


crescimento. O líder competente tenta resolver esses probleminhas antes que eles cresçam.
Não usam um canhão quando uma pistola mesmo resolve, mas notam os pequenos
desentendimentos e reconciliam as partes antes que se crie um impasse. O mesmo conceito é
defendido por Dusilek, ao escrever:

O problema que agora é grande foi, antes, pequeno; mas não se deu atenção a ele. O
líder cristão precisa estar atento às pessoas e como elas se comportam e reagem para
detectar focos de futuros desentendimentos. As vezes um relacionamento entre duas
pessoas do grupo se apresenta de maneira tensa, mas sutil, e o líder não percebe.

152
YOUSSEF, M. O estilo de liderança de Jesus, p. 145.
51

Quando explode a tensão, o problema já está tão acentuado que vai dar muito trabalho
retornar o espírito de harmonia.153

3.4.2 Os primeiros cristãos e os pequenos problemas

Rivalidades e pequenos assuntos irritantes sempre existiram no meio da igreja. Mesmo em


seus primeiros tempos, ela teve que enfrentar essas dificuldades. Um desses pequenos
incidentes está relatado no livro de Atos. Devido à falta de atenção, por parte dos discípulos,
às viúvas, houve murmuração por parte dos helenistas contra os hebreus (At 6:1-5). Neste
incidente, os discípulos, iluminados por Deus, tomaram providências logo ao terem
conhecimento do assunto e conseguiram, assim, manter a comunhão entre o grupo. Três
providências sábias, tomadas pelos líderes da igreja, podem ser aprendidas nesse incidente: 154

1. Foram direto ao problema. Não dando, assim, oportunidades para ele se desenvolver e
dividir a igreja.

2. Indicaram pessoas de confiança para cuidarem do problema. Mostraram que tinham


percebido como o assunto poderia se tornar crítico.

3. Não deixaram que um problema relativamente pequeno viesse a perturbá-los no estudo e na


oração, e procuraram exercer a liderança sobre a igreja como um todo.

Esses líderes, provavelmente dirigidos por Pedro, fizeram distinção entre o que era importante
e o que era supérfluo. Eles se concentraram em se preparar para ir por todo mundo executando
a grande comissão, que fora dada por seu Mestre Jesus Cristo.

3.4.3 Como Jesus lidou com os pequenos problemas

No evangelho de João 21:21, vem à tona um desses problemas. Ao que parece, Jesus havia
convidado Pedro para uma caminhada a sós pela beira do lago, e dera a entender que morreria
como mártir. Pedro olha e vê João, conhecido como discípulo amado, e pergunta: “E quanto a
este?” Esta pergunta podia ter uma pontinha de ciúme, pois Pedro era devotado ao Senhor,
mas João era conhecido como o discípulo que Jesus amava, de modo que é possível que
existisse certa rivalidade entre eles. Por outro lado, essa pergunta poderia ter demonstrado um
interesse natural sobre a sorte de João.

153
DUSILEK, N. Liderança cristã, p. 194.
154
YOUSSEF, M. O estilo de liderança de Jesus, pp. 147-148.
52

Jesus responde a Pedro que sua responsabilidade é seguir o Senhor e ser fiel à sua missão; o
Senhor tem seus planos para João, mas Pedro não precisa conhecê-los.155 Essa resposta é uma
censura branda a qualquer malícia que a pergunta de Pedro pudesse conter. Ele adverte contra
a tentativa de forçar os outros a se enquadrarem na mesma situação ou de querer um
tratamento igual no serviço do Senhor. Jesus pediu a Pedro que deixasse João de lado e se
concentrasse no seu próprio ministério.156

Esta passagem mostra claramente que o estilo de liderança de Jesus não era o de dividir para
governar. Em nenhuma parte de seu ministério, Jesus buscou criar dependência através da
divisão. Ele procurou minimizar um pequeno conflito entre Pedro e João, em vez de explorá-
lo.157

3.4.4 Conclusão

O problema de hoje só é grande porque não foi resolvido quando era pequeno. Os líderes
precisam estar atentos a pequenos problemas. Não podem ignorá-lo, evitá-lo, ou adiá-lo. A
exemplo dos primeiros cristãos e de Jesus, a liderança deve agir com sabedoria para distinguir
entre o que é importante e o que é supérfluo.

155
BRUCE, F. João: introdução e comentário, p. 347.
156
YOUSSEF, F. O estilo de liderança de Jesus, p. 146.
157
Ibidim, p. 146.
53

IV - PRINCIPAIS TENTAÇÕES DA LIDERANÇA

“A tentação é algo que nunca deve ser estimulada, mas que sempre se deve esperar”. 158 O
líder cristão, em hipótese alguma, pode querer estimular a tentação. Porém, deve estar ciente
de que ela existe e precisa estar preparado para vencê-la. Com este pensamento em mente,
serão abordadas, neste ponto, as quatro principais tentações da vida de um líder.

4.1 Sexo

Um dos grandes problemas que o cristianismo enfrenta, há séculos, é a dicotomia entre


sexualidade e espiritualidade. Porém, não é isto que a Bíblia ensina. A palavra de Deus é clara
em afirmar que o sexo é bom e foi criado por Ele. Esta verdade é confirmada por João A. de
Sousa Filho, em seu livro “Manual do Ministério Pastoral”, quando este escreve que “os
impulsos sexuais não são vistos nas Escrituras como pecado nem tão pouco a prática sexual,
dentro dos parâmetros permitidos nas Escrituras, constitui-se pecado [...]. O sexo é uma
benção que nos foi concedida por Deus”.159

A idéia errada que as pessoas têm sobre sexo, inclusive os líderes, deu-se devido à falta de
conhecimento bíblico e por causa da promiscuidade da sociedade. O pecado é que distorce o
verdadeiro conceito do sexo. Esta verdade é apoiada por Queirós, quando este escreve:

No período anterior a queda, os primeiros seres humanos criados estavam nus e não
se envergonhavam. Isso nos ensina que, antes do pecado ter entrado no mundo, o sexo
era parte natural da vida humana, sem malícia, tabus ou preconceitos. Foi o pecado
que distorceu e perverteu a sexualidade humana. Satanás, que foi o agente ativo da
queda, continua tentando e procurando perverter a sexualidade humana, utilizando
todo seu arsenal, principalmente para derrubar os cristãos em posição de liderança. 160

Como visto, foi Deus quem criou o sexo, e ele é bom. Porém, o pecado o distorceu. Nesta era
de promiscuidade sexual, muitas pessoas passaram a considerar o sexo como pouco mais do
que carne tocando carne, com o propósito único de experimentar emoções eróticas. Amor,
confiança, cuidado e, especialmente, compromisso, ficam relegados a uma posição de
importância secundária às sensações provenientes do jogo que precede o amor e o orgasmo. 161

O pecado distorceu a sexualidade de muitas formas. A seguir, serão apresentadas três destas
formas, que Richard J. Foster considera como sendo as principais. 162

158
BLANCHARD, J. Pérolas para a vida, p. 389.
159
SOUSA, F. J. Manual do ministério pastoral, pp. 187-188.
160
QUEIRÓS, E. Transparência no ministério, pp. 171-172.
161
COLLINS, G. Aconselhamento cristão, p. 259.
162
FOSTER, R. Dinheiro, sexo e poder, pp. 95-97.
54

1. Pornografia. Segundo Foster, é prejudicial porque torna o sexo corriqueiro, desinteressante


e tedioso. A pornografia retrata um falso e distorcido poder. Ela é muito mais que excitação; é
violenta e doentia. E apela para o poder brutal, sadista e destrutivo.

2. Lascívia. A lascívia é uma paixão sexual descontrolada. É um pensamento intenso e


constante sobre sexo, o qual leva o indivíduo a viver em um perpétuo ardor sexual. Na
maioria das vezes, a lascívia leva ao sadismo e ao masoquismo.

3. Discriminação sexual. Para Foster, a discriminação sexual nada mais é que a outra face do
sadismo. É o impulso para dominar, controlar, ter outra pessoa em seu poder.

4.1.1 O sexo e o líder casado

Existem muitos líderes que pensam estar imunes às tentações na área sexual. Não estão dando
a merecida atenção ao crescente número de divórcios e infidelidade conjugais entre líderes
cristãos todos os anos.163 Não compreendem que Satanás é muito sutil nessa área, e não ataca
abruptamente, mas aos poucos vai minando a mente com pequenas idéias, procurando fazer
com que os líderes baixem seus padrões morais. Para isso, ele usa a televisão, revistas e outros
meios de comunicação para colocar coisas, que são pecados, dentro de um sistema de
normalidade, dizendo: “Todo mundo faz, isso é assim mesmo, está-se vivendo em outros
tempos”. A seguir, serão dadas algumas diretrizes práticas, com o propósito de ajudar o líder
casado a combater a tentação sexual.

a) Controle seu olhar. Todos sabem que o homem é tentado pelo olhar. Por isso, é
importante que se aprenda a controlar. A sexualidade, nos dias presentes, está espalhada por
toda parte, desde a vestimenta das mulheres até as propagandas e comerciais, o que torna
impossível não vê-la. Contudo, o importante aqui não é o controle sobre a primeira olhada,
mas a partir da segunda em diante. 164 Habecker, ao tratar desse assunto, escreve que “já que
os olhos e a mente estão profundamente envolvidos com a luxúria, os líderes devem evitar,
por exemplo, a ‘paquera’ nos bares de hotéis e balcões de aeroportos. Compre o jornal e
corra”.165

Para conseguir fugir da tentação sexual, o líder precisa de duas armas efetivas. A primeira é o
poder do Espírito Santo, que dá ao homem o seu fruto. A segunda é a convicção da mente,
tomando a decisão de não aceitar esse ataque maligno.

163
HABECKER, E. Redescobrindo a alma da liderança, p. 65.
164
QUEIRÓS, E. Transparência no ministério, p. 173.
165
HABECKER, E. Op. Cit., p. 72.
55

b) Evite estar sozinho com uma pessoa do sexo oposto. O líder que deseja resistir à tentação
sexual deve tratar o sexo oposto com a devida distância. Para evitar a tentação e a aparência
do mal, o líder deve evitar andar sozinho de carro com uma pessoa do sexo oposto,
obviamente desde que não seja sua esposa ou parente. Para os momentos de aconselhamento
em que, algumas vezes, o líder fica sozinho com o sexo oposto, faz-se necessária uma porta,
no seu gabinete, que contenha uma parte em vidro transparente.166

c) Alegre-se com sua esposa. Como já foi dito anteriormente, o sexo fora do casamento é
pecado, mas dentro dele é uma bênção de Deus. A Palavra de Deus, em Cântico dos Cânticos,
fala abertamente da relação sexual dentro do casamento. Foster faz uma apresentação dos
temas do livro Cântico dos Cânticos, iniciando da seguinte forma: “Que linda visão Cantares
de Salomão nos oferece de como eros deveria ser! Vemos ali sensualidade sem
licenciosidade, paixão sem promiscuidade, amor sem lascívia”. 167

O apóstolo Paulo exorta os cristãos, em 1 Co 7:5, a não se absterem da prática sexual como
marido e mulher, a não ser para separar um tempo de oração. Ele explica o motivo: “para que
Satanás não vos tente”. É importante, para o líder casado, manter sempre aberto o canal de
comunicação. Os dois, marido e mulher, devem aprender a falar e a ouvir um ao outro quanto
ao que gostam e ao que não gostam, em relação ao sexo.

d) Busque a santificação. Sousa Filho, respondendo ao porquê de tantos líderes caírem na


área sexual, escreveu:

Creio que um dos problemas é a falta de comunhão com Deus! Quando deixamos de
viver intimamente com Deus, o pecado passa a exercer domínio sobre nós. É a vida
de intimidade com Deus que nos enche de temor, que nos leva a meditar nas
conseqüências do pecado. 168

Como escreveu Edison Queirós, “santidade não é opção! É um mandamento divino. Se


quisermos servir a Deus com integridade e transparência, precisamos viver uma vida de plena
santidade”.169

4.1.2 O sexo e o líder solteiro

Um dos grandes desafios para a fé cristã é o de integrar a sexualidade e a espiritualidade


dentro do contexto da vida de solteiro. Os solteiros que têm um sério compromisso com

166
QUEIRÓS, E. Transparência no ministério, p. 179.
167
FOSTER, R. Dinheiro, sexo e poder, p. 87.
168
SOUSA, F. J. Manual do ministério pastoral, pp. 193-194.
169
QUEIRÓS, E. Op. Cit., p. 185.
56

Cristo travam uma grande luta com sua sexualidade. Defrontam-se com muitas questões
inquietantes, tais como a masturbação, fantasias sexuais, etc. Isto porque, muitas vezes, o líder
solteiro não consegue aceitar e controlar sua sexualidade. Para esta questão, Edison Queirós
afirma que a solução é aceitar a sexualidade como natural, criada por Deus, mas esperando até
que Deus conceda a honra do matrimônio. Como criador de toda criação, Deus a todos
conhece profundamente, e isso implica que também conhece a sexualidade de cada um. 170

Segundo Richard Foster, a sexualidade da pessoa solteira se expressa em sua capacidade de


amar e ser amada. Nem todas as experiências de intimidade devem resultar em casamento ou
em sexo. O amor não precisa ser genital para ser íntimo, e a capacidade para amar é vital para
a sexualidade. Sendo assim, o líder solteiro, deve desenvolver muitos relacionamentos de
amizade. Para Foster, a decisão do líder solteiro em reservar o ato sexual para o casamento,
não é uma decisão de permanecer emocionalmente insatisfeito. Amizades afetuosas,
verdadeiras e satisfatórias são formas legítimas pelas quais o líder solteiro pode expressar sua
sexualidade.171

Os líderes que, por convicção cristã, dizem não às relações sexuais fora do casamento,
deparam-se com uma grande e forte tentação: a masturbação. Muitas perguntas surgem sobre
isto: a masturbação é pecado? Será que não pode ser uma válvula de escape? E as fantasias
sexuais que invadem o cenário da masturbação?

Segundo os médicos, a masturbação de forma alguma prejudica fisicamente quem a pratica.


Este é um ato moral e não físico. Embora a Bíblia não trate diretamente do assunto, a
masturbação está ligada à questão moral do líder cristão. Para Foster, três preocupações põem
em evidência a questão da masturbação.172

A primeira é a conexão com as fantasias sexuais. A masturbação não ocorre em um vácuo


sem imagens. E isso é reprovado por Jesus em Mt 5:28, onde Ele diz que estas fantasias
procedem da impureza do coração.

A segunda preocupação tem a ver com a tendência da masturbação em tornar-se obsessiva. O


hábito de masturbar-se pode tornar-se compulsivo para as pessoas que a praticam. Esta prática
pode tornar-se um hábito incontrolável que a tudo domina.

170
QUEIRÓS, E. Transparência no ministério, p. 181.
171
FOSTER, R. Dinheiro, sexo e poder, p. 105.
172
Ibidim, pp. 112-116.
57

A terceira preocupação diz respeito à despersonalização que esse hábito acarreta. A


masturbação é uma atividade solitária, enquanto a verdadeira sexualidade conduz a um
profundo relacionamento com alguém. A masturbação sempre ficará aquém da verdadeira
sexualidade, porque busca perpetuar o mito do amante auto-suficiente.

4.1.3 Conclusão

O sexo é uma bênção de Deus para todo líder casado. Foi Deus quem o criou puro e santo. O
líder casado deve estar ciente das sutilezas de Satanás com o objetivo de baixar seus padrões
morais, e, assim, tentá-lo com êxito na área sexual. Para não cair nesta área, o líder casado
deve controlar seu olhar, pois ele é o primeiro órgão usado por Satanás para o tentar. Precisa,
também, evitar andar sozinho com o sexo oposto, buscar intensamente a santificação e
alegrar-se com sua esposa. Já o líder solteiro deve aceitar e controlar sua sexualidade, sabendo
que Deus o ajudará em todas as suas necessidades. Deve afastar-se da prática da masturbação,
pois ela só lhe trará culpa, revolta e ódio contra si mesmo.

4.2 Dinheiro

A Bíblia, tanto no Velho quanto no Novo Testamento, fala a respeito do dinheiro. O próprio
Jesus falou sobre dinheiro e riquezas em diversas ocasiões. Na verdade, a Bíblia apresenta as
duas faces da moeda. A face negativa é aquela em que o dinheiro é apresentado como uma
armadilha, e a face positiva é a que mostra o dinheiro como sendo uma bênção para a
humanidade. 173

4.2.1 A face negativa do dinheiro

Em seu livro “Dinheiro, sexo e poder”, Richard Foster afirma que, por trás do dinheiro,
existem forças espirituais bem reais que o energizam e dão-lhe vida própria. Assim, o
dinheiro é um agente ativo; é uma lei para si mesmo, e é capaz de inspirar devoção. E é esta
capacidade de devoção, que o dinheiro possui, que faz sobressair seu lado negativo. O líder
precisa reconhecer que o dinheiro tem poder espiritual para conquistar os corações. Que por
trás das moedas e notas, ou qualquer forma material que se escolha dar ao dinheiro, estão
forças espirituais. 174

Mamom175 pede do líder toda sua devoção, de uma forma que extrai de seu ser toda a reserva
de bondade humana. É por isso que Jesus conclama as pessoas a voltar as costas ao deus

173
QUEIRÓS, E. Transparência no ministério, p. 142.
174
FOSTER, R. Dinheiro, sexo e poder, p. 24.
175
Essa palavra vem do aramaico, mamoná, que significa riqueza ou prosperidade.
58

Mamom, a fim de adorar ao Deus único e verdadeiro. Para Cristo, é uma idolatria à qual se
precisa dar as costas para poder converter-se à Sua pessoa. A rejeição ao deus Mamom é um
pré-requisito essencial para a liderança tornar-se aprovada por Jesus.176

A face mais negativa do dinheiro é a reivindicação que este faz à onipotência. Parece que o
dinheiro não está satisfeito em repousar em seu lugar apropriado, junto com outras coisas que
se consideram importantes. Não, ele precisa ter supremacia. Este é o aspecto mais estranho do
dinheiro; dar-se mais valor e importância do que este tem ou merece. Ao tratar deste assunto,
Foster escreve:

É algo tremendamente instrutivo ficar de lado e observar a correria frenética das


pessoas atrás do dinheiro. E isso não ocorre entre os pobres e famintos. Muito pelo
contrário – os super-ricos, que, na realidade, nada tem a ganhar ajuntando mais
dinheiro, ainda o buscam com fúria. A classe média, que de fato está adequadamente
protegida, continua a comprar mais casas do que precisa, a adquirir mais carros do
que precisa, a ter mais roupa do que precisa. Muitos de nós poderíamos viver com a
metade do que agora ganhamos sem um sacrifício muito severo, e contudo achamos
que mal estamos conseguindo sobreviver.177

O apóstolo Paulo declarou que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males (1 Tm 6:10). Ele
quer dizer, com isso, que não há nenhum tipo de mal que a pessoa que ama o dinheiro não
faça para consegui-lo e retê-lo. É por isso que o dinheiro é uma das principais tentações da
liderança.

4.2.2 A face positiva do dinheiro

Embora a Bíblia faça freqüentemente admoestações acerca da face negativa do dinheiro, ela
traz também uma grande quantidade de ensinamentos acerca de sua face positiva. À luz
dessas passagens, o dinheiro é visto como uma bênção de Deus e como meio de intensificar o
relacionamento do homem com Deus. O líder precisa aprender a lidar com o dinheiro de tal
forma que a parte negativa seja um alerta para que não caia, e a parte positiva seja um
instrumento de Deus para sua vida pessoal e para o avanço do Reino de Deus na terra. A
seguir, serão apresentadas três formas pelas quais Deus ensina o homem a lidar com o
dinheiro:

4.2.2.1 A graça de dar

Em primeiro lugar, o líder precisa entender que recebe para dar, pois tudo pertence a Deus, e
Ele em sua bondade, dá para que se o administre. Esta verdade é confirmada por Roberto

176
FOSTER, R. Dinheiro, sexo e poder, p. 25.
177
Ibidim, p. 26.
59

Mcalister, quando este escreve que “desde o princípio da história humana, Deus pediu do
homem o reconhecimento de sua soberania sobre todo o universo, declarando-lhe que poderia
desfrutar de toda a criação, mas lembrando sempre que o dinheiro de todas as coisas a Ele
pertence”.178

A graça de dar é quase sempre um tremendo estímulo à vida de fé. Os cristãos, inclusive os
líderes, não fazem a mínima idéia do que estão perdendo em termos de prazer e de
enriquecimento enquanto não aprenderem a dar de acordo com as condições de Deus. Jesus
disse: “mais bem aventurado é dar que receber”. 179 Dar é uma graça que muitos têm o
privilégio de desfrutar, em virtude do materialismo e do consumismo a que todos são expostos
diariamente. Como escreveu Foster, “o dinheiro é uma forma eficaz de demonstrar nosso
amor a Deus por parte tão integrante de nós”.180

4.2.2.2 A graça de usufruir

Além da graça de dar, existe também a graça de usufruir daquilo que Deus tem dado. Deus dá
coisas para que sejam usufruídas. O que Deus espera de seus filhos, é que usem o dinheiro
dentro dos limites de uma vida espiritual corretamente disciplinada e de o administrar para o
bem de toda a humanidade e para a glória de Deus. Líderes cristãos precisam canalizar
recursos em ministérios que produzam vida. Quando o líder usufrui corretamente o dinheiro,
os desamparados recebem ajuda, projetos que promovem o reino de Deus são financiados. O
dinheiro é uma bênção quando usado dentro do contexto da vida e do poder de Deus. 181

4.2.2.3 A graça de controlar

Em terceiro lugar, será comentado sobre a graça de poder controlar o dinheiro. Aqui, neste
ponto, reside o equilíbrio entre o dar e o usufruir. Como já foi afirmado anteriormente, o
dinheiro é um agente ativo, capaz de inspirar devoção. Portanto, há um poder maligno que
induz o ser humano a usar mal o dinheiro.

A Bíblia ensina que o cristão tem poder sobre as forças espirituais. Isso não é uma falsa
argumentação, mas uma realidade concreta e verdadeira, uma vez que Jesus garantiu a vitória
na cruz do calvário (Cl 2:15). Sua posição em Cristo está acima de qualquer poder maligno

178
MCALISTER, R. Dinheiro: um assunto altamente espiritual, p. 38.
179
OLFORD, S. A graça de dar, p. 19.
180
FOSTER, R. Dinheiro, sexo e poder, p. 39.
181
Ibidim, p. 42.
60

(Ef 1:29-23; 2:6). A Palavra de Deus ensina também que Deus dá domínio próprio e sabedoria
para controlar o dinheiro de forma correta.182

4.2.3 Os ensinos de Jesus acerca do dinheiro

Jesus Cristo ensinou uma nova maneira de pensar sobre o dinheiro. Ele viveu na graça de
Deus Pai, em todas as áreas, inclusive na área financeira. Conforme o apóstolo Paulo
escreveu, Jesus, sendo rico, se fez pobre por amor da humanidade, para que, pela sua pobreza,
a humanidade se tornasse rica (2 Co 8:9). Jesus ensinou que ajuntar tesouros aqui na Terra é
errado. O lugar certo para guardar dinheiro é no céu, onde ladrões não escavam nem roubam
(Mt 6:19,20).183

Jesus ensinou também sua generosidade através de suas palavras e ações. Uma de suas
afirmações foi: “Mais bem-aventurado é dar do que receber” (At 20:35). Ele também usou a
parábola do administrador infiel (Lc 16:1-13), para ensinar sabedoria ao investir-se na vida de
outros. Ele disse: “E eu vos recomendo: das riquezas de origem iníqua fazei amigos; para que,
quando aquelas faltarem, esses amigos vos recebam nos tabernáculos eternos” (Lc 16:9). Isso
quer dizer que a alegria futura de um líder será maior se ele compartilhar com os necessitados,
do que fazendo lucro. O Senhor enviou seus aprendizes para preparar o caminho para sua
pregação. Ele lhes enviou sem dinheiro ou trocas de roupa (Mt 10:7-10). Eles foram
obrigados a depender de Deus em tudo. Assim deve ser com o líder, ele deve viver confiando
em Deus. Ele deve viver pela fé. Deve seguir o exemplo de Paulo, que aprendeu a contentar-
se com tudo que tinha; vivia contente em toda e qualquer situação. Confiava totalmente em
Deus, tinha a certeza que tudo podia no Senhor (Fl 4:11-13).

4.2.4 Conclusão

O dinheiro é um assunto espiritual. A Bíblia fala dele tanto no Antigo Testamento quanto no
Novo Testamento. O dinheiro tem duas faces: a negativa e a positiva. A negativa é a que torna
o dinheiro uma armadilha. A positiva é a que mostra o dinheiro como sendo uma bênção para
a humanidade. As graças de dar, de usufruir e de controlar são maneiras pelas quais Deus
ensina o homem a lidar com o dinheiro de forma correta. O líder, para ser bem sucedido,
precisa seguir os ensinamentos que Jesus deu a respeito do dinheiro.

182
QUEIRÓS, E. Transparência no ministério, p. 148.
183
SHEDD, R. O líder que Deus usa, p. 63.
61

4.3 Poder

Se o dinheiro atinge o bolso ou a carteira dos líderes, e o sexo os atinge em seus quartos, o
poder os atinge em seus relacionamentos. Ele exerce profundo impacto sobre seus
relacionamentos interpessoais, sociais e em seus relacionamentos com Deus. Nada pode tocar
mais profundamente os líderes, para o bem ou para o mal, do que o poder. 184

4.3.1 Definição

O Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa define poder como sendo “direito de deliberar,
agir e mandar”. Ter força ou energia para. Ter direito ou razão de. Ter força física ou moral.
Autoridade constituída; governo dum país. Ter saúde ou capacidade para agüentar ou
suportar.185 Habecker, citando Kast e Rosenzweig, escreve que:

Poder é a capacidade de fazer ou de influir sobre algo. Implica a habilidade de


influenciar os outros. No sentido mais amplo, poder denota habilidade de causar
determinado acontecimento, ou influência exercida por um homem ou grupo, por
qualquer meio, para conduzir outras pessoas na direção desejada. 186

Para Foster, o poder pode destruir ou criar. Segundo ele, o poder que destrói exige
ascendência: requer controle absoluto. Ele destrói relacionamentos, destrói a confiança,
destrói o diálogo, destrói a integridade. Por outro lado, o poder que cria dá vida, gozo e paz. É
liberdade e não escravidão, vida e não morte, transformação e não coerção. O poder que cria
restaura relacionamentos e concede o dom da integridade a todos. O poder que cria é um
poder espiritual, o poder que procede de Deus. 187 A seguir, serão vistas mais profundamente
estas duas formas de poder.

4.3.2 Poder destrutivo

Para um melhor entendimento de como é o poder que destrói, serão vistos alguns exemplos
bíblicos de pessoas que agiram desta forma.

O primeiro exemplo é o de Adão e Eva no paraíso. Eles tinham acesso a todo o prazer, todo o
encanto, tudo o que era necessário a uma boa vida. Contudo, queriam mais do que isso,
queriam ser como Deus para conhecer o bem e o mal. O pecado de Adão e Eva, no jardim do
Éden, foi o do poder. Eles queriam ser mais, ter mais, conhecer mais do que deviam. Não se
contentaram em ser criaturas; queriam ser deuses. O pecado do poder é exatamente isso,

184
FOSTER, R. Dinheiro, sexo e poder, p. 157.
185
FERREIRA, A. Dicionário da língua portuguesa, p. 428.
186
HABECKER, E. Redescobrindo a alma da liderança, p. 31.
187
FOSTER, R. Op. Cit., pp. 157,177.
62

querer ser mais do que aquilo para o qual se foi criado. A exemplo de Adão e Eva, muitos
líderes desejam ser deuses, rompendo, assim, seus relacionamentos com Deus, tornando-se
teimosos e fazendo as coisas à sua maneira, por isso, para eles, é quase impossível ouvir a voz
de Deus.188

O segundo exemplo, para entender como é o poder que destrói, é o do rei Saul. Saul era o rei;
era ele quem deveria exercer o poder. Mas o poder não pode comprar afeição, e o povo amava
a Davi. Como é trágico ver o relacionamento de amizade entre Saul e Davi, destruído por
causa do desejo que Saul nutria pelo poder. Chegou até mesmo a destruir o relacionamento de
Saul com seu próprio filho Jônatas. Amigos de longa data podem transformar-se em inimigos,
na corrida pelo poder. A linguagem do poder é subir, empurrar e afastar. Não há nada que
isole uma pessoa da outra tanto quanto o poder.189

Como é o poder que destrói? Pense em Simão, o mágico, e seu desejo de comercializar o
Espírito Santo (cf. At 8:9-25). Simão era um mágico que vivia em Samaria e tinha grande
poder. Todavia, foi influenciado pela pregação de Filipe e converteu-se a Jesus Cristo. Mais
tarde, quando Pedro e João foram à Samaria e impuseram as mãos sobre as pessoas, e elas
receberam o Espírito Santo, Simão, vendo o poder que veio através da imposição das mãos,
ofereceu dinheiro para que ele também tivesse este poder. Pedro o repreendeu severamente
por pensar que poderia comercializar o poder de Deus. O pecado de Simão, o mágico, foi o de
tentar usar o poder de Deus para seus próprios fins. Esta mentalidade, infelizmente, tem sido a
marca de muitos líderes cristãos. O líder precisa estar ciente de que não pode usar o poder
para seus próprios fins. Precisa ter muito cuidado, pois “o poder chega a ser destrutivo ao
extremo em qualquer contexto, mas a serviço da religião, ele é francamente diabólico”. 190

4.3.3 Poder criativo

Para entender melhor como é o poder que cria, pense em José. Ele foi vendido para ser
escravo, lançado na prisão sem esperança, mas, depois, subiu a uma posição de grande poder
e influência na nação mais poderosa daqueles dias. Nessa posição, José conseguiu combinar o
discernimento espiritual com a influência política para evitar uma desastrosa escassez de
alimentos. Chegou o dia em que seus irmãos, os mesmos que o haviam vendido como
escravo, chegaram em busca de alimentos. Neste dia, José defrontou-se com o maior teste de
poder de sua vida. Esta teria sido a oportunidade perfeita para uma vingança mas, ao invés

188
FOSTER, R. Dinheiro, sexo e poder, pp. 157-158.
189
Ibidim, p. 158.
190
Ibidim, pp. 159,160.
63

disso, ele preferiu usar seu poder para reconciliar-se com eles. Diz a Bíblia que José foi
vencido pela emoção e compaixão por seus irmãos (Gn 45:1-15). Essa é a bonita história de
relacionamentos restaurados pelo exercício do poder criativo. O uso do poder para restaurar
relacionamentos faz parte do mundo cotidiano de cada indivíduo. A mãe, que conserta um
problema ocorrido entre os filhos, está usando sua autoridade para restaurar relacionamentos
danificados. O diretor da escola, que modifica regras perniciosas no sistema escolar, está
soprando vida nos corações dos alunos. O pastor, que reúne os membros discordantes da
comissão para que resolvam suas diferenças, está usando o poder terapêutico na comunidade
da fé.191

Como é o poder que cria? Pense em Moisés, que compreendia como poucos a extensão do
poder egípcio e que foi forçado a fugir dele. No deserto, ele veio a experimentar um novo tipo
de poder, o poder de Deus. Quando ele retornou para enfrentar o poderio do Egito, era uma
pessoa diferente. Sua arrogância dera lugar a uma nova combinação de humildade e
confiança, a qual, pelo poder de Deus, resultou na libertação de cativos mais dramática vista
na história humana. O poder criativo liberta as pessoas. Quando Martin Luther King Jr.
assumiu uma firme posição contra o racismo americano, milhões foram libertados. Quando
um líder usa sua posição de segurança para edificar a auto-estima de um irmão, está usando o
poder para libertá-lo.192

Como é o poder que cria? Pense na igreja primitiva reunida para o concílio de Jerusalém (cf.
At 15). Ela se reuniu para responder a uma pergunta importante: podem os gentios ter fé
genuína em Cristo sem se conformarem à cultura religiosa judaica? Essa era uma questão que
poderia ter dividido a comunidade cristã. Porém, iluminados pelo poder de Deus, conversaram
e chegaram à conclusão de que os gentios podiam viver fielmente diante de Deus dentro do
contexto de sua própria cultura, e que os judeus podiam fazer o mesmo. Assim, o cativeiro
cultural da igreja foi desfeito. Eles experimentaram o poder de serem um no Espírito Santo. O
poder que cria produz união.193

4.3.4 Como Jesus exerceu poder

Jesus Cristo não tinha apenas poder, mas o exercia adequadamente para fins apropriados. Sua
vida oferece o exemplo positivo de como o poder pode e deve ser usado. 194 Talvez a melhor
amostra de como Jesus fez uso do poder se encontra em João 13. Este capítulo diz que Jesus,

191
FOSTER, R. Dinheiro, sexo e poder, pp. 176-177.
192
Ibidim, pp. 177-178.
193
Ibidim, p. 179.
64

após ter ceado com seus discípulos, lavou-lhes os pés, dando, assim, exemplo de como
exercer poder de forma adequada e criativa. Segundo Youssef, “essa é a fonte do verdadeiro
poder: serviço e submissão aos outros”.195

Antes de o líder usar o poder para fins egoístas, deve formular a seguinte pergunta: “o que
Jesus teria feito?”. Se o líder quiser usar o poder para revidar a quem age de modo falso e
maldoso, novamente deve perguntar: “o que Jesus teria feito?”. Entretanto, não basta ao líder
rejeitar ou fugir do poder. O segredo está em entregar o poder nas mãos de Cristo, usando-o
de forma que honre a Deus.196

Jesus ensinou que o poder não é imposto pelo medo, como fazem muitos líderes, mas pelo
amor. Para Jesus, o caminho para subir é descer. A maneira de se tornar senhor é sendo servo.
O caminho para a exaltação é tomar sua cruz todos os dias e segui-lo (cf. Lc 9:23). Todo
poder que Jesus tinha vinha de Deus. Ele exercia este poder através do amor. Jesus nunca
usou o medo para alcançar determinado fim. Ao contrário, ensinou a imensa importância do
amor. Ele estendeu o seu poder ao seu povo, e, junto com ele, a melhor arma contra o abuso: o
mandamento de amar uns aos outros (Jo 13:34,35). Se a pessoa, como líder, amar as pessoas,
jamais tentará manipulá-las ou explorá-las. Colocará sempre os interesses dos outros antes dos
seus e fará o melhor que puder em favor delas. O líder íntegro usa o poder para satisfazer os
interesses e necessidades dos outros, e não os seus próprios interesses. 197

4.3.5 As marcas de poder espiritual

Como já foi dito anteriormente, o poder que cria é um poder espiritual que vem de Deus, e
contrasta fortemente com o poder humano. Segundo Foster, o poder que procede de Deus tem
as seguintes marcas:198

Amor. O amor é a primeira marca de poder espiritual. Ele exige que o poder seja usado para o
bem dos outros. Jesus Cristo usou o poder para destruir o mal, de forma que o amor viesse a
redimir o bem. Quando o poder é usado para promover reputações ou inflamar egos, não é
poder motivado pelo amor, pois o poder usado para estes fins destrói aquele que o usa,
porque, com ele, aspira à posição de deus.

194
HABECKER, E. Redescobrindo a alma da liderança, p. 32.
195
YOUSSEF, M. O estilo de liderança de Jesus, p. 99.
196
HABECKER, E. Redescobrindo a alma da liderança, p. 33.
197
YOUSSEF, M. Op. Cit., pp. 99-101.
198
FOSTER, R. Dinheiro, sexo e poder, pp. 180-186.
65

Humildade. Nada é mais perigoso do que o poder a serviço da arrogância. O poder sem a
humildade, pode ser tudo, menos uma bênção. Quando o líder caminha com Deus, seu único
desejo é o de usar o poder a serviço de Cristo e seu reino, com humildade.

Auto limitação. O poder que cria evita fazer algumas coisas, mesmo que sejam boas, por
respeito ao indivíduo. Jesus várias vezes recusou usar seu poder. Ele recusou-se a deslumbrar
as pessoas pulando do pináculo do templo (Mt 4:5). Rejeitou fazer mais “pão miraculoso”
para confirmar seu ministério (Jo 6:26). Recusou-se a dar um sinal aos fariseus para provar
sua messianidade (Mt 12:38). O líder que depende de Deus sabe que há uma hora em que não
deve usar seu poder. O poder que vem de Deus não pode ser usado com leviandade (1 Tm
5:22).

Alegria. A experiência de poder que vem de Deus não é cheia de fanfarronice e barulho. A
ele faltam os símbolos de autoridade humana. É um poder que não é reconhecido como poder.
O poder que vem do Alto lidera através da fraqueza. Pois o poder se aperfeiçoa na fraqueza,
por isso Paulo escreveu “quando sou fraco então é que sou forte (2 Co 12:9-10). Na parábola
do filho pródigo, vê-se no Pai (Deus) o poder que não domina, o poder que espera
pacientemente. Jesus agiu desta forma, pois trabalhou pacientemente com discípulos teimosos
e rebeldes. Foi julgado sem se defender. E, por fim, foi pendurado numa cruz em total
impotência. Esses são atos de poder do mais alto nível. O líder deve imitá-los.

Submissão. O líder, que possui poder que vem do Alto, submete-se completamente às ordens
de Deus. A submissão posiciona o líder sob a liderança de Cristo e sob a autoridade de outras
pessoas. Submissão é poder, pois coloca o líder em uma posição na qual pode receber dos
outros. O indivíduo, por mais inteligente que seja, é pobre se ficar limitado a si mesmo. Mas,
quando, com humildade, submete-se aos outros, tem acesso à sua sabedoria, seu conselho, sua
admoestação, seu encorajamento.

Liberdade. Esta é a marca final de poder espiritual. O poder que vem de Deus liberta. Jesus
liberta ao usar seu poder. Foi assim quando estava aqui na Terra em forma de homem. Os
coxos andavam, os cegos viam, os culpados conheciam o perdão, e os possessos de demônios
ficavam livres. Jesus jamais usou seu poder para explorar ou controlar as pessoas. O poder
humano é o poder sobre alguém, o poder divino não tem essa necessidade de controlar.

4.3.6 Conclusão

Poder é a capacidade de fazer ou de influenciar sobre algo. Ele pode destruir ou criar. O poder
que destrói exige controle absoluto. Ele destrói relacionamentos, confiança, integridade. O
66

poder que cria liberta, dá vida, alegria e paz. É o poder que vem de Deus. O maior exemplo de
como lidar com o poder foi o de Jesus Cristo. Ele usou o poder com amor, submissão e
serviço. O poder que vem de Deus tem algumas marcas, são elas: amor, humildade,
autolimitação, alegria, vulnerabilidade, submissão e liberdade. O líder que deseja realizar uma
liderança cristã eficaz precisa seguir o exemplo de Jesus e procurar ter as marcas do poder de
Deus.

4.4 Orgulho

O orgulho, infelizmente, está presente na grande maioria dos líderes. Ele é uma tentação mais
séria do que a maioria das pessoas pensam. Ele é muitas vezes fatal. Para João A. de Sousa
Filho, “o orgulho, as tentações sexuais e o desejo por dinheiro são as três tentações mais
nocivas à vida do obreiro”.199

4.4.1 Definição

Segundo o Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, orgulho é “sentimento de dignidade


pessoal; brio, altivez. Amor-próprio demasiado; soberba. Aquilo ou aquele(s) de que(m) se
tem orgulho”.200 Sousa Filho, citando uma definição anônima, entende orgulho como sendo:

A desmedida honra de nos gratificarmos, de sermos reconhecidos, é a reclamação que


fazemos das outras pessoas não nos virem como tal, como desejamos ser vistos! É
algo que se desenvolve na vida das pessoas, faz parte de sua formação. A criança se
orgulha de saber a resposta certa, o adolescente vibra quando seu colega é preferido
pelas garotas e ele o mais cortejado. Todos desenvolvemos uma espécie de orgulho,
uma satisfação de que somos aceitos. O problema do orgulho é o menosprezo pelos
demais.201

Nemuel Kessler define orgulho como sendo “uma condenável exaltação do ego, o qual se
delicia com o pensamento de ser superior a todos os seus semelhantes”. 202

Na grande maioria das vezes, o orgulho se apresenta de três formas: espiritual, intelectual e
material. A seguir, será feita uma abordagem sobre estas três formas de orgulho.

4.4.2 Orgulho espiritual

A Bíblia mostra que foi por esta forma de orgulho que Lúcifer se rebelou contra Deus e
recebeu dele sua sentença de castigo eterno (Is 14:15). Queirós confirma esta afirmação ao

199
SOUSA, F. Manual do ministério pastoral, p. 139.
200
FERREIRA, A. Dicionário da língua portuguesa, p. 395.
201
SOUSA, F. Op. Cit., p. 139.
202
KESSLER, N. Ética pastoral, p. 56.
67

escrever que “a queda de Satanás foi exatamente por querer ser igual a Deus e receber glória
como o Senhor (Ez 28:2,5,17 e 1 Tm 3:6)”. 203

O orgulho de Satanás, a primeira forma espiritual do universo, teve início na sua “perfeição
em formosura”, estava “estabelecido” e “perfeito era nos seus caminhos desde o dia em que
foi criado”, até que se achou iniqüidade nele (Ez 28:12-15). Foi o seu orgulho que o levou a
confiar mais em si próprio do que em seu criador, que o estabeleceu e que lhe tinha dado
todas as suas virtudes (2 Co 7:20,24). Dizia assim, em seu coração:

 “Eu” subirei ao céu (Is 14:13).


 Exaltarei o “meu” trono (Is 14:13).
 No monte da congregação “me” assentarei (Is 14:13).
 E “serei” semelhante ao Altíssimo (Is 14:14).

Os líderes, quando começam a se sentirem auto-suficientes, precisam atentar para o exemplo


trágico de Satanás, e acordar para o perigo que os cerca. É hora de lembrarem-se que o terreno
em que estão pisando é movediço, e poderá tragá-los. Precisam ter uma profunda convicção
do quanto é perigoso o pecado do orgulho, tanto para suas vidas pessoais quanto para seus
ministérios. Richard Baxter, em seu livro “O pastor aprovado”, mostra sua convicção neste
assunto:

O orgulho é um mal que prejudica os que pretendem levar outros a marchar


humildemente para o céu. Portanto, tenhamos cuidado, para não suceder que, tendo
conduzidos outros para lá, as portas se mostrem estreitas demais para nós mesmos.
Ora, se Deus pôs para fora um anjo orgulhoso, tampouco tolerará um pregador
orgulhoso. 204

O orgulho espiritual é uma área de ataque satânico sutil, pois é algo que só se manifesta no
exterior das pessoas após ter criado raízes em seu interior. É necessário que o líder esteja
sensível à voz de Deus e aos preceitos de sua Palavra, para que conserte essa situação em sua
vida. Se ele assim agir, terá a convicção do perigo do orgulho e se humilhará debaixo da mão
poderosa de Deus, dando a Ele toda a honra e toda a glória. 205

4.4.3 Orgulho intelectual

Orgulho intelectual é “ser sábio aos próprios olhos”, é a qualidade de orgulho que se
manifesta em forma de arrogância perante as pessoas menos letradas e dos oprimidos. Como

203
QUEIRÓS, E. Transparência no ministério, p. 161.
204
BAXTER, R. O pastor aprovado, p. 41.
205
QUEIRÓS, E. Op. Cit., p. 169.
68

afirmado acima, o líder intelectualmente orgulhoso é sábio somente a seus próprios olhos,
pois ele pensa que sabe. Ele aprende pouco com seus erros. Por ser muito obsessivo com a
necessidade de defender suas decisões, por pior que sejam as conseqüências, ele aproveita
muito pouco das experiências negativas. 206

O orgulho intelectual cega os líderes e não os deixa ver o que realmente tem valor. A mente
dos líderes, que têm essa forma de orgulho, recusa-se a ter discernimento, vendo somente o
que seu orgulho quer que veja. E isso tem conseqüências fatais. Leroy Eims confirma esta
verdade, ao escrever:

Um espírito soberbo, portanto, é mortalmente perigoso para os líderes. Ele mata sua
eficiência para Deus, pois gera duas terríveis doenças na alma. A primeira é a
ignorância. O orgulho torna a pessoa auto-suficiente e intocável e fecha seus olhos
para as próprias necessidades, levando-o a ignorar bons conselhos e recomendações
de outros.207

A segunda terrível doença causada pelo orgulho na alma do líder, de acordo com Eims, é a
insegurança. Líderes orgulhosos intelectualmente têm uma preocupação excessiva sobre o que
os outros pensam deles. Estão constantemente avaliando a si mesmos, e comparando seu
desempenho com o dos outros. Isso os torna menos eficientes, porque seus olhos não estão
mais fixos nos objetivos. Agindo desta forma, eles caem em dois extremos. Ou tentam
impressionar com ambiciosos e grandes feitos para provar o que podem fazer, ou, por medo
do fracasso, retiram-se à inatividade. 208

4.4.4 Orgulho material

A soberba proveniente dos bens materiais pode levar o líder a esquecer-se de Deus, à ruína e à
perdição (1 Tm 6:9). Isso porque, no orgulho material, entroniza-se o ego em vez de Deus. As
coisas secundárias são exaltadas a um lugar de primeira importância, e a vida se desequilibra.
Assim, o orgulho material concentra-se naquilo que se tem e não naquilo que se é aos olhos
de Deus.209

Precisa ficar claro que o perigo não está em ser rico. Abraão, Jó, Salomão e muitos outros o
foram, o grande perigo está em colocar o coração na riqueza (cf. Mt 6:21; Lc 12:13-15,20).
Ao escrever sobre este assunto, Leroy Eims confirma esta verdade:

A questão, é claro, não é se somos pobres. Algumas das pessoas mais ricas que
conheço são homens e mulheres de Deus dedicados, que ocupam lugares estratégicos

206
SHEDD, R. O líder que Deus usa, p. 88.
207
EIMS, L. A formação de um líder, p. 47.
208
Ibidim, pp. 47-48.
209
KESSLER, N. Ética pastoral, p. 60.
69

de liderança na causa de Cristo. A avareza é uma condição do coração, não do bolso.


As coisas desta vida podem ser usadas para Cristo. As posses podem ser escravas ou
senhoras. Elas podem possuir-nos ou nós podemos usá-las. As pessoas que possuem
riquezas e a usam com sabedoria podem ser uma bênção para centenas de outros seres
humanos.210

O orgulho material é prejudicial ao líder, no mínimo por duas razões. A primeira é porque a
avareza faz com que os líderes percam sua perspectiva. Suas vidas tornam-se focadas no
mundo. E Jesus disse: “O meu reino não é deste mundo” (Jo 18:36). No momento em que os
líderes ocupam-se com as coisas do mundo, suas mentes se desviam para ocupações inúteis.
Eles passam a viver por aquilo que é passageiro, e não para o que é eterno. 211

A segunda razão porque o orgulho material é tão prejudicial é porque, quando uma pessoa
coloca Deus em segundo lugar, em pouco tempo Ele não tem mais lugar nenhum. A avareza
torna-se, então, idolatria, pois é um pecado traiçoeiro que cresce nos espaços vazios do
coração. Deus não aceita ser o segundo. Ele quer ser o primeiro na vida do ser humano,
inclusive do líder. 212

Jesus viveu e morreu, aqui na Terra, para trazer vida eterna ao mundo. Os líderes, por sua vez,
não devem viver para melhorar sua própria situação com ganhos pessoais. Pois, como
escreveu Sousa Filho, “a fascinação pela riqueza e a glória do poder enchem o homem de
orgulho”.213

4.4.5 Conclusão

A liderança cristã precisa estar atenta à tentação do orgulho, pois este é uma armadilha sutil,
que acontece naturalmente, sem que, na maioria das vezes, se dê conta. O orgulho se
apresenta, basicamente, de três formas: espiritual, intelectual e material. O líder, para vencer
esta tentação, precisa concentrar todo seu esforço em servir à igreja como “escravo”, pois,
agindo desta forma, não terá maiores dificuldades em exaltar quem merece toda honra e toda
glória: Jesus Cristo.214 Como escreveu Edson Queirós, o líder pode escolher receber seu
galardão aqui neste mundo, aceitando elogios de homens, roubando a glória que só pertence a
Deus, ou receber seu galardão no céu, onde a traça e a ferrugem não corroem e os ladrões não
escavam nem roubam. 215

210
EIMS, L. A formação de um líder, p. 145.
211
Ibidim, p. 143.
212
Ibidim, p. 144.
213
SOUSA, F. Manual do ministério pastoral, p. 140.
214
SHEDD, F. Missões: Vale a pena investir?, p. 32.
215
QUEIRÓS, E. Transparência no ministério, p. 162.
70

V - O DESAFIO DA LIDERANÇA CRISTÃ

“Sucesso sem sucessor é fracasso”.216 O grande desafio da liderança cristã é a formação de


novos líderes. Há um velho provérbio popular que diz: “Ninguém fica para semente”.
Considerando essa verdade, toda a liderança tem sua hora de transição, é quando o líder deixa
seu lugar para outro.

5.1 A formação de novos líderes

“Um líder que não pensa em treinar outros é como um casal que não quer ter filhos”. 217
Preparar seu sucessor é uma tarefa importantíssima, pois, se o líder é um condutor de pessoas
e semelhança de Cristo, também é responsável por aquele que irá deixar em seu lugar para dar
continuidade à tarefa.

5.1.1 Como encontrar novos líderes

Procurar um discípulo 218 que possa ser seu sucessor nem sempre é tarefa fácil. Porém, é uma
das tarefas mais fascinantes na arte de conduzir pessoas. É prova de amor ao grupo. A seguir,
serão apresentadas algumas diretrizes acerca de como consegui-lo.

a) Começar em oração. Como escreveu Macarthur Jr., “o povo de Deus precisa aprender a
orar. Carecemos de muitas coisas para obter vitórias, e Deus as daria de bom grado, caso
chegássemos a Ele em oração”.219 Por que, então, se procura soluções para problemas de
tantas outras maneiras e não pela oração? Macarthur Jr., citando Bill Hull, faz a seguinte
observação:

A oração é o mais eficiente dos instrumentos de recrutamento dos líderes... Estes


indivíduos podem empregar vários recursos para recrutar pessoas: entretenimento,
incitação do sentimento de culpa, menção dos favores, queda de braço seguidos de
apelo e, o velho recurso, um filme ou uma história chorosa seguidos de um apelo
choroso. Estas são as técnicas de recrutamento comuns, mas não recomendadas.
Contudo, é comum uma organização que empregue a oração como método principal
de recrutamento? Não falo contra o uso de outros métodos acrescidos à oração, mas
contra o uso destes como o meio principal de recrutamento. 220

216
FINZEL, H. Dez erros que um líder não pode cometer, p. 156.
217
CAMPANHA, J. Segredos da liderança, p. 175.
218
FERREIRA, A. Discípulo é “aquele que recebe ensino de alguém ou segue as idéias e doutrinas de outrem”.
Segundo Moore, discípulo era a palavra favorita de Jesus para aqueles que cuja vida estava ligada
intimamente com a Sua. A palavra grega traduzida é maqhth/j (mathetés) e é usada 269 vezes nos
Evangelhos e em Atos. Significa pessoa “ensinada” ou “treinada”.
219
MACARTHUR Jr. Redescobrindo o ministério pastoral, p. 209.
220
Ibidim, p. 209.
71

Discípulos que substituirão o líder, que cuidarão das atividades de Deus na Terra, guardando
as suas leis, são evidenciados em resposta à oração.221 A maior prova desta verdade está no
exemplo de Jesus Cristo, ao escolher seus discípulos. Jesus passou toda a noite em oração,
para, então, dentre numerosos discípulos que o seguiam, fazer sua escolha. 222

b) Ter um alto padrão. Jesus fez pescadores de homens somente daqueles que estavam
dispostos a segui-lo (Jo 6:66-69). Eles teriam que atingir o seu padrão. O líder precisa
observar se seu futuro sucessor sente o desejo de conhecer intimamente a Deus, se está
disponível sempre que houver oportunidade, se é submisso e fiel. 223

c) Procurar mais do que uma aparência exterior agradável. É difícil olhar para uma
pessoa apenas com os olhos da fé. A tendência é a de olhar a pessoa pela sua aparência de
líder. Contudo, Deus não escolhe baseado no que a pessoa é, mas no que pode vir a ser, pela
sua graça.224

d) Observar sua habilidade de influenciar. Líderes potenciais sempre possuem habilidade


natural para influenciar os outros. Mesmo que não haja a intenção consciente de liderar as
pessoas, eles automaticamente exercem influência. Não é preciso muito tempo junto com um
grupo de pessoas para identificar o homem ou mulher que influencia o resto do grupo. Torna-
se evidente quem é a pessoa cujas idéias capturam a atenção dos outros, cujas sugestões se
tornam uma ordem a ser cumprida e cuja sabedoria é mais respeitada. 225

5.1.2 Como treinar novos líderes

Treinar é tornar hábil, tornar apto para determinada tarefa ou atividade, é dar condições de
desempenhar um função.226 Não basta às pessoas terem as qualidades ou pré-requisitos, é
preciso também treinamento. A seguir, serão apresentadas algumas formas que ajudarão no
treinamento do futuro líder.

a) Usar as estruturas e organizações em grupos existentes na igreja, tais como Escola Bíblica
Dominical e uniões de treinamento.227

221
Foi em resposta às súplicas do povo de Israel, que Deus preparou a pessoa de Moisés para liderar e libertar
seu povo da escravidão (cf. Êx 3:7-10). O nascimento e a vida de Samuel se deu em resposta a oração de sua
mãe (cf. 1 Sm 1:9-20). Há muitos outros exemplos que poderiam ser citados, porém a falta de espaço nos
limita neste sentido.
222
SHEDD, R. A oração e o preparo de líderes cristãos, p. 25.
223
PHILLIPS, K. A formação de um discípulo, pp. 93-94.
224
MOORE, W. Multiplicando discípulos, p. 109.
225
HYBELS, B. Liderança corajosa, p. 129.
226
FERREIRA, A. Dicionário da língua portuguesa Aurélio, p. 546.
227
MOORE, W. Op. Cit., p. 108.
72

b) Usar a visitação evangelística para engajar a pessoa, que está sendo treinada para o cargo
de liderança, num trabalho com os perdidos. Isto se torna uma importante fonte de
multiplicação.228

c) Use retiros e conferências. Através de vários retiros ou acampamentos, de um ou dois dias,


Deus levará os discípulos em potencial à dedicação essencial, para o passo seguinte do seu
crescimento em direção à multiplicação.229

d) Confiar responsabilidades. O líder deve confiar responsabilidades a seus discípulos. Eles


precisam de um voto de confiança. O líder precisa distribuir tarefas e acreditar que seu
discípulo pode realizá-los. Como escreveu Hybels, “líderes não se tornam líderes até que
alguém ponha responsabilidade em suas mãos e diga: vá!”.230

e) Ensinar o discípulo a pensar e a tomar decisões. Quando o discípulo se tornou nova criatura
em Cristo, Deus renovou-lhe a mente (1 Co 2:12). Agora, Deus requer que ele empregue suas
faculdades regeneradas. As decisões do discípulo devem ser baseadas na vontade de Deus e
em Sua Palavra. O liderado precisa ser ensinado de que a maneira de evitar decisões erradas
provém da resposta a quatro perguntas: Quais são as alternativas? Quais os propósitos bíblicos
que se aplicam? Quais são as implicações? E qual é o conselho de seus líderes?231

f) Desenvolva suas forças. O líder é responsável por cultivar os pontos fortes de seu discípulo,
a fim de promover-lhe o crescimento e desenvolver seus talentos dados por Deus. O
discipulador precisa certificar-se de que as aparentes forças de seu seguidor não sejam fontes
de orgulho. Se forem, precisam ser enfrentadas como fraquezas. Depois, é preciso
desenvolver uma estratégia para aprimorar suas áreas de força. Esta estratégia precisa incluir
estudo bíblico, modelos positivos e aplicação prática.232

g) Exigir prestação de contas. O líder precisa ter encontros regulares com seu discípulo. Neste
período, poderão conversar e orar juntos. A média desse período deve ser de uma hora, para a
verificação de tarefas, orações e ensino de novas matérias. A prestação de contas é
indispensável porque “as pessoas dão mais atenção ao seu trabalho, quando sabem que ele
será inspecionado”.233

228
MOORE, W. Multiplicando discípulos, p. 209.
229
Ibidim, p. 209.
230
HYBELS, B. Liderança corajosa, p. 128.
231
PHILLIPS, K. A formação de um discípulo, pp. 137-139.
232
Ibidim, p. 146.
233
MOORE, W. Op. Cit., p. 117.
73

O líder, que estará treinando o novo líder, precisa ter cuidado com o favoritismo pessoal. Isso
poderá condicioná-lo a ver as qualidades somente na pessoa de quem goste. Não pode
encurtar sua visão da obra de Deus. Deve tentar ver as potencialidades do grupo para o futuro
e preparar alguém que tenha condições de acompanhar esse crescimento. “Além de tudo, o
líder deve orar. Ore antes de escolher a pessoa, ore enquanto escolhe, ore enquanto treina e
ore depois que saiu”. 234 O líder deve fazer da oração sua bússola norteadora. Ao tratar da
importância do treinamento de novos líderes, Kilinski e Wofford escreveram:

O passo final no discipulado é compreender que não se trata de um fim em si mesmo,


mas apenas um meio para alcançar um fim, e os discípulos dedicados devem
reproduzir-se em outros. Este princípio fornece um suprimento infindável de
liderança preparada, podendo fazer cessar a exclamação: “Não temos ninguém que
faça o trabalho”, pois é a maneira indicada pelo Senhor para o desempenho de Sua
obra.235

5.2 O exemplo de Jesus

“Uma característica do bom líder é que ele prepara outros para assumirem o seu cargo”.236
Não apenas os prepara para fazerem tudo de forma bem feita, mas para poderem fazer aquilo
que ele próprio faz. Jesus trabalhou, com esse objetivo, com os doze discípulos.

5.2.1 O plano de desenvolvimento de liderança de Jesus

Segundo o que se pode entender ao ler a Bíblia, em especial os evangelhos, Jesus passou por
algumas fases ao suscitar discípulos e outros líderes em potencial.

5.2.1.1 Oração

Jesus orou fervorosamente antes de escolher seus discípulos. Ele sabia que num futuro bem
próximo, estaria passando a liderança da igreja do Novo Testamento, por ora em suas mãos.
Ele precisava ter a certeza de que havia escolhido pessoas com potencial para assumir aquela
responsabilidade.237 À medida que Jesus antevia a expansão das fronteiras das missões
mundiais, ele previu a escassez de verdadeiros líderes. A solução que Ele ordenou foi, e
continua sendo, orar. “Rogai, pois ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua
seara” (Mt 9:38). A oração foi a chave de Jesus para se colher o fruto que não havia sido
colhido. “Os requisitos bíblicos permanecem; verdadeiros líderes surgirão em resposta a
orações de fé”.238

234
DUSILEK, N. Liderança cristã, p. 208.
235
KILINSKI, K. & WOFFORD, J. Organização e liderança na igreja local, p. 59.
236
YOUSSEF, M. O estilo de liderança de Jesus, p. 163.
237
HYBELS, B. Liderança corajosa, p. 129.
238
SHEDD, R. A oração e o preparo de líderes cristãos, p. 27.
74

5.2.1.2 Chamado

De certo modo, a liderança de Jesus aqui na Terra começou quando Ele chamou seus
primeiros seguidores. E neste fato encontra-se uma das suas mais importantes lições de
liderança a ser aprendida: Ele chamou. Jesus convidou, não apenas se limitou a andar,
esperando que algo de sobrenatural acontecesse e fizesse com que as pessoas começassem a
seguí-lo após sua passagem. Ele convidou aquele grupo de doze homens, que acabaram se
transformando, com exceção de Judas, em grandes líderes. 239

5.2.1.3 Treinamento

Após Jesus Cristo ter identificado e chamado seus discípulos, rapidamente passou a um
período de intenso investimento na vida deles. Jesus passava tempo com eles, pois foi também
para isso que Ele os chamou, “para estarem com ele” (Mc 3:14). Ele os ensinava, educava,
confrontava, motivava, repreendia e inspirava. “Seu plano funcionou maravilhosamente. Vale
a pena copiar”.240

5.2.2 O padrão de Jesus

Os ensinamentos de Cristo, registrados nas Escrituras, mostram que Ele esperava que seus
discípulos praticassem aquilo que Ele lhes ensinou. Jesus exigiu excelência em tudo o que
seus discípulos faziam. Em certa ocasião, Ele lhes declarou “sede vós perfeitos, como perfeito
é o vosso Pai Celeste” (Mt 5:48).

5.2.2.1 Buscou pessoas que estavam dispostas a aprenderem

Jesus fez pescadores de homens somente daqueles que estavam dispostos a segui-lo (Mt
4:19). Ele exigiu que seus seguidores abandonassem tudo o que tinham, até mesmo suas
próprias vidas, se necessário fosse, para segui-lo. Eles teriam de atingir o seu padrão.241 Por
que Jesus chamou homens que aparentemente não teriam nenhum sucesso? Russell Shedd, em
seu livro “O líder que Deus usa”, responde esta questão:

Jesus viu mais potencial em “leigos” do que cléricos. Provavelmente a razão disso é o
fato de que pessoas, como pescadores e coletores de impostos, tinham menos
resistência aos conceitos de Jesus do que os religiosos. Os fariseus e os sacerdotes não
eram maleáveis. Somente os que desejam aprender com Jesus devem ser candidatos
para liderar em seu reino. 242

Coleman reforça essa verdade, ao escrever sobre este grupo de pessoas:

239
BRINER, B & PRITCHARD, R. Lições de liderança de Jesus, p. 33.
240
HYBELS, B. Liderança corajosa, p. 129.
241
PHILLIPS, K. A formação de um discípulo, p. 93.
242
SHEDD, R. O líder que Deus usa, p. 58.
75

No entanto, naqueles homens simples, Jesus viu os líderes em potencial do seu reino.
Realmente, era “...iletrados e incultos...”, de conformidade com os padrões do mundo
(At 4:13), mas eram homens capazes de serem ensinados. Embora freqüentemente
equivocados em seus julgamentos, e embora lentos para compreender as realidades
espirituais, eram homens honestos, prontos a confessar a sua própria necessidade. 243

5.2.2.2 Jesus limitou-se a um pequeno grupo

Jesus demonstrou seu padrão elevado ao escolher apenas alguns homens dentre as multidões
(Lc 6:13). Quando o número de seus seguidores aumentou, Jesus chamou para si doze
homens. Isso não significa que a decisão de Jesus, de ter doze apóstolos, tivesse excluído
outros de seguí-lo. Porquanto, segundo se sabe, muitos outros foram enumerados entre os
seguidores de Jesus.244 Esta atitude de Jesus, de se limitar a um pequeno grupo, ilustra um
princípio fundamental de seu ensino, que é quanto mais fatores idênticos, e quanto mais
concentrado for o tamanho do grupo que está sendo instruído, maior será a oportunidade de
uma aprendizagem eficaz.245

5.2.2.3 Jesus buscou pessoas de fé

Jesus sabia que sem fé é impossível agradar a Deus. Por isso, chamou homens que confiavam
na vinda do Messias. Homens que, pela fé, criam que o Cristo viria. Após tê-los chamado,
Jesus trabalhou a questão da fé, muito forte em suas vidas. Quando o Mestre comissionou os
seus homens a fazerem discípulos de todas as nações e a pregar o Evangelho a toda a criatura,
eles não ficaram se debatendo, a pensar em como alcançariam o mundo todo. Eles creram nas
palavras de Jesus que lhes prometera autoridade, poder do Espírito Santo e Sua contínua
presença. Eles creram no Senhor e agiram por fé na Sua Palavra. 246

5.2.3 Métodos usados por Jesus

Muitos foram os métodos usados por Jesus para treinar seus discípulos, a fim de que estes se
tornassem líderes. A seguir, serão apresentados alguns.

5.2.3.1 Exemplo

De todos os métodos que Jesus usou para treinar seus seguidores, nenhum foi tão eficaz como
o Seu exemplo. Segundo o evangelho de João, Jesus proporcionou aos seus discípulos um
modelo perfeito (Jo 4:13). Embora muitos questionassem os ensinamentos de Jesus, ninguém

243
COLEMAN, R. O plano mestre de evangelismo, p. 22.
244
Prova desta afirmação são os setenta discípulos citados em Lc 10:1, os reveladores do evangelho, como
Marcos e Lucas, e o próprio Tiago irmão de Jesus (1 Co 15:7; Gl 2:9,12).
245
COLEMAN, R. Op. Cit., p. 25.
246
PHILLIPS, K. A formação de um discípulo, pp. 156-157.
76

nunca duvidou de seu caráter íntegro e sincero.247 O Seu exemplo de amor, humildade,
submissão, coragem e tantas outras qualidades levou seus seguidores a tornarem-se grandes
líderes. Os discípulos podiam fazer outros discípulos, não apenas porque conheciam a Cristo,
mas porque se tornaram semelhantes a Ele. 248

5.2.3.2 Resultados

Jesus, muitas vezes, usou resultados de Seu ministério para ensinar seus discípulos. Quando
Jesus falou, em certa oportunidade, com seus detratores, disse-lhes que se eles pudessem crer
nele, que cressem pelas obras que fazia (Jo 10:38). Em certa ocasião, Jesus afirmou que as
obras que Deus Pai lhe havia confiado, essas testemunhavam de que Deus Pai o havia enviado
(Jo 5:36).249

5.2.3.3 Responsabilidades

Depois que os discípulos observaram de perto a vida e o ministério de Cristo e aprenderam os


princípios por trás de seus atos, Ele deu-lhes oportunidade de colocar em prática aquilo que
tinham aprendido. No início, os discípulos desempenharam pequenas tarefas, como procurar
comida, distribuir pães e peixes, arranjar um barco, etc. À medida que crescia o compromisso
e a responsabilidade, Jesus aumentava as tarefas de seus discípulos. 250

5.2.3.4 Autoridade

Cristo deu a seus seguidores a autoridade para cumprir suas responsabilidades, que eram de
curar os enfermos e pregar o Evangelho (Mt 10:1). Após ter treinado seus discípulos, Jesus
comissionou-os a fazer outros discípulos por toda a parte, batizando e ensinando (Mt 18:18-
20).251

5.3 Autodisciplina

“Se interiormente você puder se tornar o líder que deve ser, será capaz de tornar-se
exteriormente o líder que deseja ser”. 252 A autodisciplina é um dos maiores desafios da
liderança cristã, pois, se o líder não se liderar a si mesmo, não poderá liderar outros. “A
menos que se acerte internamente, não terá muito a oferecer a sua equipe... Embora esse

247
YOUSSEF, M. O estilo de liderança de Jesus, p. 166.
248
PHILLIPS, K. A formação de um discípulo, p. 166.
249
YOUSSEF, M. Op. Cit., p. 166.
250
PHILLIPS, K. Op. Cit., p. 169.
251
Ibidim, p. 171.
252
MAXWELL, J. As 21 indispensáveis qualidades de um líder, p. 11.
77

assunto seja raramente discutido, não se engane, é uma parte essencial da liderança”. 253 Todo
líder que deseja ter um ministério de liderança eficaz e duradoura, tendo a autodisciplina
como um trunfo, deve seguir algumas instruções.

5.3.1 Seguir prioridades

Todo líder que só faz o que precisa ser feito quando está de bom humor ou quando lhe é
conveniente não será bem-sucedido, e as pessoas não o respeitarão nem o seguirão. O líder
precisa de um plano para executar tarefas que são realmente importantes, as quais são
prioridades. Quando o líder consegue determinar aquilo que realmente é prioridade e
desprender-se do restante, será bem mais fácil prosseguir naquilo que é importante. Deve, o
líder, pensar em duas ou três áreas de sua vida, que considere as mais importantes. Deve
anotá-las, juntamente com o tipo de disciplina que precisa desenvolver para continuar
crescendo e melhorando cada vez mais. Precisa elaborar um plano para que essas ações
adquiram uma periodicidade diária ou semanal em sua vida. 254

5.3.2 Desenvolver dons espirituais

“Quais são seus principais dons espirituais?” O líder precisa saber responder claramente esta
questão, pois os dons espirituais são dados por Deus para serem usados. Porém, como serão
usados se o líder não sabe claramente quais são os dons que se destacam em sua vida? Os
dons são demonstrações da graça de Deus para o corpo de Cristo, por meio dos membros
individuais. A liderança, assim como todas as demais pessoas, prestará contas a Deus pela
maneira como desenvolve o que Ele lhes confiou.255 A autodisciplina exige que o líder se
aplique em desenvolver seus dons espirituais da melhor forma possível. 256

5.3.3 Opor-se às desculpas

Uma das primeiras tarefas a ser cumprida, para que se possa desenvolver um estilo de vida
disciplinado, é a eliminação de qualquer tendência de apresentar desculpas. Maxwell, citando
Roche Foucauld, afirma que “quase todas as nossas falhas são mais perdoáveis do que os
métodos que concebemos para escondê-los”. O líder que apresenta várias razões para
justificar sua falta de disciplina, precisa enfrentá-las. É preciso que seja anotada cada razão
que impede o cumprimento da disciplina. Após ler as razões, o líder deve recusá-las, pois são
desculpas. Mesmo que um motivo pareça legítimo, o líder precisa encontrar uma solução para

253
HYBELS, B. Liderança corajosa, p. 184.
254
MAXWELL, J. As 21 indispensáveis qualidades de um líder, p. 118.
255
ROBINSON, D. Igreja celeiro de dons, p. 73.
256
HYBELS, B. Op. Cit., p. 190.
78

superá-lo. O líder que procura ser eficaz deve sempre lembrar-se que só a disciplina é capaz
de permitir que ele consiga o poder de realizar seus sonhos.257

5.3.4 Manter a atenção nos resultados

Sempre que o líder se concentra nas dificuldades que o trabalho apresenta, em vez de seus
resultados ou recompensas, provavelmente se sentirá desencorajado. Se insistir nisso, estará
desenvolvendo autopiedade em vez de autodisciplina. Quando o líder se encontra diante de
uma tarefa a ser feita, deve pensar nos benefícios que esta o trará, em vez de seu preço. O
líder deve usar um tempo para relacionar os benefícios que a prática das tarefas lhe trará.
Deve colocar essa relação em um lugar que possa ser vista diariamente. Nos dias que não
quiser fazer o que determinou, deve lê-las novamente.258

5.3.5 Conclusão

Todo líder que deseja ter sucesso deve se autodisciplinar. Quando isso acontece, as pessoas o
seguirão e será capaz de lidar com qualquer coisa. Sem autodisciplina, o líder fará muitas
coisas, mas com poucos resultados concretos. Como escreveu Maxwell, citando Brown Jr., o
líder “sem autodisciplina é como um polvo de patins: há muito movimento, mas nunca se sabe
se irá para frente, para trás ou para os lados”.259 Para que o líder venha a praticar a
autodisciplina, ele precisa seguir certas instruções, tais como seguir prioridades, desenvolver
dons espirituais, evitar as desculpas e manter a atenção nos resultados e não no seu custo.

257
MAXWELL, J. As 21 indispensáveis qualidades de um líder, pp. 118,120.
258
Ibidim, pp. 119-120.
259
Ibidim, p. 119.
79

CONCLUSÃO

Somente a pessoa que reflete os processos e caminhos bíblicos relacionados à liderança e


possui as qualificações indispensáveis para a eficácia da mesma, está apta a liderar, pois
liderança é bem mais que uma posição ou condição superior. É estar à frente de seus
subordinados, buscando objetivos em comum para o bem de todos. É a influência positiva que
leva outros a fazerem o que se pretende porque eles querem realizar. A pessoa que aspira à
liderança em uma organização cristã deve espelhar seus objetivos e propósitos na Bíblia.

O líder que está apto a liderar, antes de tudo, foi chamado por Deus. Foi Ele quem confiou
esse cargo em suas mãos. Portanto, o líder deve ter a convicção de sua chamada, pois, sem tal
convicção, ele provavelmente fracassará. Ao sentir essa convicção, deve manter uma vida de
oração porque, seja o que for que o cristão venha a fazer, tudo será melhor se for feito em
oração. Ser chamado por Deus e levar uma vida de comunhão com Ele resulta em outra
qualidade do líder eficaz – a santificação.

O amor é o fruto da santificação. É outro requisito necessário ao líder que deseja ser bem-
sucedido. Com amor em sua liderança, o indivíduo obterá os resultados que deseja, pois o
amor tem o poder de motivar as pessoas. Agindo com amor, o líder desenvolverá a quinta
qualidade que se encontra em todo aquele que está comprometido com a obra de Deus. A
humildade é a expressão do amor. Com ela, o líder estará capacitado a exercer influência
dentro de um grupo de pessoas.

Todo líder, que possuir estas qualificações citadas acima, terá uma liderança cristã eficaz,
porque saberá enfrentar e vencer os problemas quando estes vierem. Ele, ao invés de mostrar
a Deus o tamanho de seu problema, mostrará ao problema o tamanho de seu Deus. Saberá dar
tempo e amor a sua família, estará capacitado a lidar com a crítica, terá visão do que Deus
espera que ele faça, além de resolver os problemas enquanto estes são pequenos para que não
venham a crescer e prejudicar o sucesso de sua liderança.

O líder qualificado não só vencerá os problemas, como vencerá também suas tentações. O
sexo, o dinheiro, o poder e o orgulho, que estão prejudicando e destruindo o ministério de
liderança de muitas pessoas, não têm êxito contra o líder que possui tais qualificações. O
temor a Deus que o chamou, a comunhão e santificação com Ele através da oração,
produzirão o amor e a humildade que o tornarão vencedor também nessas áreas.
80

A pessoa apta a liderar, além de vencer seus problemas e tentações, sabe que a formação de
novos líderes, a auto-disciplina e seguir o exemplo de Jesus são o desafio da liderança cristã.
Ele sabe que sua capacidade de liderança não será julgada pelo que ele alcançou ou fez
pessoalmente, nem mesmo pelo que sua equipe realizou durante sua gestão, mas pelo
desempenho de seus subordinados e da sua organização depois da sua saída. Sabe, também,
que, sem auto-disciplina, as demais qualidades, por grandiosas que sejam, jamais realizarão
seu potencial máximo. O líder que está apto a liderar irá sempre se espelhar no exemplo de
seu mestre, Jesus Cristo.
81

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALAND, K. et. al. The Greek New Testament. 4.ed. Londres: SBU, 1994. 1086 p.

BARBER, Cyril J. Neemias e a dinâmica da liderança eficaz. Trad. Elizabeth Stowell Charles
Gomer. 12.ed. São Paulo: Vida, 2001. 174 p.

BARCLAY, William. As obras da carne e o fruto do Espírito. Trad. Gordon Chown. 2.ed. São
Paulo: Vida Nova, 2000. 118 p.

BARNA, G. Líderes em ação. Trad. Heloísa Martins. São Paulo: United Press, 1999. 332 p.

________. O poder da visão. Trad. João Bentes. São Paulo: Abba Press, 1993. 190 p.

________. Transformando a visão em ação. Trad. Rubens Castilho. São Paulo: ECU, 1997.
192 p.

BAXTER, R. O pastor aprovado. Trad. Odayr Olivetti. São Paulo: PES, 1989. 200 p.

BRINER, Bob & PRITCHARD, Ray. Lições de liderança de Jesus. Trad. José F. Cristófalo.
São Paulo: United Press, 2000. 171 p.

BRUCE, F. F. João: introdução e comentário. Trad. Hans Udo Fuchs. São Paulo: Vida Nova,
1987. 355 p.

CAMARA, U. Tempo de liderança. Ijuí: STBI, 2002. 46 p.

CAMPANHÃ, J. Segredos da liderança. 2.ed. São Paulo: Vida, 2000. 235 p.

CHAMPLIN, Russell Norman & BENTES, João Marques. Enciclopédia de Bíblia, teologia e
filosofia. 3.ed. São Paulo: Candeia, 1995. 6 Vols.

CHAMPLIN, Russell Norman. O Novo Testamento interpretado versículo por versículo.


Trad. João M. Bentes. São Paulo: A Voz Bíblica, [1980?]. 6 Vols.

COLEMAN, R. E. O plano mestre de evangelismo. Trad. João M. Bentes. São Paulo: Mundo
Cristão, 1985. 143 p.

COLLINS, G. R. Aconselhamento cristão. Trad. Neyd Siqueira. São Paulo: Vida Nova, 2000.
389 p.

CRANE, J. D. O Espírito Santo na experiência cristã. Trad. José dos Reis Pereira. 2.ed. Rio
de Janeiro: JUERP, 1979. 167 p.

DUEWEL, W. L. Toque o mundo através da oração. Trad. Neyd Siqueira. 3.ed. São Paulo:
Candeia, 1993. 245 p.

DUSILEK, Nancy. G. Liderança cristã: a arte de crescer com as pessoas. Rio de Janeiro:
JUERP, 1987. 213 p.

EIMS, Leroy. A formação de um líder. Trad. Jorge Camargo. 3.ed. São Paulo: Mundo
Cristão, 2000. 225 p.
82

ENGSTROM, Ted W. Como se forma um líder cristão. Trad. Eunice Machado. Portugal:
Queluz, 1984. 238 p.

ERDMAN, C. R. O evangelho de João. Trad. D. A. M. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana,


1965. 185 p.

FERREIRA, A. B. H. Dicionário da língua portuguesa. 3.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,


1993. 577 p.

FERREIRA, E. S. Manual da igreja e do obreiro. 6.ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1989. 232 p.

FINZEL, Hanz. Dez erros que um líder não pode cometer. Trad. Aparecida A. dos Santos.
São Paulo: Vida Nova, 1997. 191 p.

FOSTER, J. Richard. Dinheiro, sexo e poder. Trad. Wanda de Assumpção. 2.ed. São Paulo:
Mundo Cristão, 1997. 237 p.

GINGRICH, F. Wilbur. Léxico do Novo Testamento grego/português. Trad. Júlio P. T.


Zabatiero. São Paulo: Vida Nova, 1984. 228 p.

GRAHAM, Billy. O poder do Espírito Santo. Trad. Hans Udo Fuchs. 2.ed. São Paulo: Vida
Nova, 2001. 220 p.

HABECKER, B. Eugene. Redescobrindo a alma da liderança. Trad. Denise Avalone. São


Paulo: Vida, 1998. 311 p.

HAGGAI, John. Seja um líder de verdade. Trad. Amantino A. Vassão. Belo Horizonte:
Betânia, 1990. 280 p.

HOCKING, David. As sete leis da liderança cristã. Trad. João Bentes. 2.ed. São Paulo:
ABBA, 1996. 315 p.

HORTON, Stanley M. O que a Bíblia diz sobre o Espírito Santo. Rio de Janeiro: CPAD,
1993. 320 p.

HOWARD, J. G. O líder eficaz. Trad. Oswaldo Ramos. 4.ed. São Paulo: Mundo Cristão,
1999. 135 p.

HYBELS, B. Liderança corajosa. Trad. James M. dos Reis. São Paulo: Vida, 2002. 250 p.

KESSLER, Nemuel. Ética pastoral. Rio de Janeiro: CPAD, 1989. 182 p.

KILINSKI, Kenneth K. & WOFFORD, Jerry C. Organização e liderança na igreja local. São
Paulo: Vida Nova, 1987. 222 p.

LIMA, Delcyr S. Atualidades 98: Temas atuais à luz da Bíblia. Rio de Janeiro: JUERP, 1998.
192 p.

MACARTHUR Jr., John. Redescobrindo o ministério pastoral. Trad. Lucy Yamakami. Rio de
Janeiro: CPAD, 1998. 452 p.

MACEDO, E. Nos passos de Jesus. 13.ed. Rio de Janeiro: Universal, 2001. 126 p.
83

MAXWELL, John C. As 21 indispensáveis qualidades de um líder. Trad. Josué Ribeiro. São


Paulo: Mundo Cristão, 2000. 138 p.

________. As 21 irrefutáveis leis da liderança. Trad. Eduardo P. E. Ferreira. 2.ed. São Paulo:
Mundo Cristão, 2000. 243 p.

MCALISTER, R. Dinheiro: um assunto altamente espiritual. Rio de Janeiro: Carisma, 1981.


213 p.

MOORE, W. Multiplicando discípulos: o método neotestamentário para o crescimento da


igreja. Trad. Adiel A. de Oliveira. 2.ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1984. 135 p.

MORRIS, L. 1 Coríntios: introdução e comentário. Trad. Odair Olivetti. São Paulo: Mundo
Cristão, 1981. 189 p.

OLFORD, S. A graça de dar. Trad. Myrian T. Lins. São Paulo: Vida, 1984. 146 p.

ORR, A. Roberto. Liderança que realiza. Trad. Ézia Mullins. Canadá, Goldore: 1994. 428 p.

PICKERING, E. D. Doutrina do Espírito Santo. São Paulo: JBR, 1987. 120 p.

QUEIROZ, Edison. Transparência no ministério. São Paulo: Vida, 1998. 216 p.

RIENECKER, Fritz. Evangelho de Mateus. Trad. Werner Fuchs. 5.ed. Curitiba: EEE, 1998.
460 p.

ROBINSON, D. W. Igreja celeiro de dons. Trad. Maysa Monte. Rio de Janeiro. JUERP, 2000.
175 p.

SACKVIL, Jime E. O dom da liderança. Ijuí: STBI, 2002. 13 p.

SANDERS, J. O. Paulo, o líder. São Paulo: Vida, 1986. 192 p.

SCHWARZ, C. A. O teste dos dons. Trad. Valdemar Kroker. Curitiba: EEE, 1997. 163 p.

SEVERA, Z. A. Manual de teologia sistemática. Curitiba: A. D. Santos, 1999. 504 p.

SHEDD, Russell P. A oração e o preparo de líderes cristãos. Trad. Milton A. Andrade. São
Paulo: SHEDD, 2001. 42 p.

________. Missões: vale a pena investir? São Paulo: Shedd, 2001. 63 p.

________. O líder que Deus usa. Trad. Edimilson F. Bizerra. São Paulo: Vida Nova, 2000.
125 p.

SOUZA FILHO, J. A. Manual do ministério pastoral. Belo Horizonte: Atos, 2001. 240 p.

STURZ, R. Colossenses: tradução e comentário. Trad. Danilo M. de Vasconcellos. Rio de


Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1957. 128 p.

THIESSEN, H. C. Palestras em teologia sistemática. Trad. Wanda da Conceição. São Paulo:


EBR, 1999. 375 p.

WEIL, P. A criança, o lar e a escola. Trad. Oswaldo Ramos. 11.ed. Petrópolis: Vozes, 1984.
187 p.
84

WILLIAMS, D. Dicionário bíblico vida nova. Trad. Lucy Yamakami, Norio Yamakami,
Gordon Chown e Robinson Malkomes. São Paulo: Vida Nova, 2000. 400 p.

WILKES, C. G. O último degrau da liderança. Trad. Neyd Siqueira. São Paulo: Mundo
Cristão, 1999. 271 p.

YOUSSEF, Michael. O estilo de liderança de Jesus. Trad. Ruth V. Ferreira. Belo Horizonte:
Betânia, 1987. 168 p.
85

BIBLIOGRAFIA

ARAGÃO, H. M. O líder cristão e sua identidade cultural. Curitiba: Descoberta, 1999. 151 p.

BARNA, G. A rã na chaleira. Trad. Jaime A. Cisterna. São Paulo: Abba Press, 1997. 146 p.

BEZERRA, C. M. Lideranças emergentes no contexto latino-americano. Belo Horizonte:


Betânia, 2000. 88 p.

BLANCHARD, K. O coração de um líder. Trad. Maria Emília de Oliveira. São Paulo: United
Press, 1998. 157 p.

BRINER, B. Os métodos de administração de Jesus. Trad. Milton A. Andrade. São Paulo:


Mundo Cristão, 1997. 93 p.

BRISCOE, Stuart. Discipulado diário para pessoas comuns. Trad. Osvaldo Ramos. São Paulo:
Vida, 1992. 180 p.

CARVALHO, A. V. Planejando e administrando as atividades da igreja. São Paulo: Exodus,


1997. 104 p.

CLINTON, J. R. Etapas na vida de um líder. Trad. Werner Fuchs e Hans Udo Fuchs. 2.ed.
Curitiba: Descoberta, 2000. 267 p.

DIETZ, F. A pessoa que Deus usa. Trad. Hans Udo Fuchs. 2.ed. Curitiba: Descoberta, 2000.
126 p.

________. Ministros de Cristo no século XXI. Trad. Operação Mobilização. São Paulo: Abba
Press, 1995. 150 p.

DRESCHER, J. M. Se eu começasse meu ministério de novo. Trad. Rubens Castilho. São


Paulo: Cristã Unida, 1997. 106 p.

EIMS, L. Seja um líder que motiva. Trad. Mateus F. de Campos. Belo Horizonte: Atos, 2002.
191 p.

ELIAS, M. J. A. Propostas bíblicas para a liderança cristã. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, 69 p.

FISCHER, David. O pastor do século 21. Trad. Yolanda M. Krievin. São Paulo: Vida, 1999.
334 p.

FORD, L. Jesus o maior revolucionário. Trad. Suely de Carvalho. 2.ed. Rio de Janeiro: Vinde,
1994. 188 p.

FRESTON, Paul. Neemias: um profissional a serviço do reino. São Paulo: ABU, 1990. 106 p.

HUGHES, R. K. Disciplinas do homem cristão. Trad. Welton Lima. Rio de Janeiro: CPAD,
1996. 304 p.

JONES, C. A vida é fantástica. Trad. Yolanda M. Krievin. São Paulo: Vida, 1998. 128 p.

KEMP, J. Pastores em perigo. 3.ed. São Paulo: Sepal, 2000. 95 p.

________. Pastores ainda em perigo. São Paulo: Sepal, 1999. 117 p.


86

KOHL, M. W. Como melhorar seu estilo de liderança. Trad. Eloísa H. G. Dusilek. Belo
Horizonte: Missão, 1993. 58 p.

LAWRENCE, B. Autoridade pastoral. Trad. Tirza Pinto. São Paulo: Vida, 2002. 262 p.

LEA, Larry. Supremo chamado. Trad. João Bentes. 2.ed. São Paulo: ABBA, 1996. 150 p.

LONDON, Jr. H. B. & WISEMAN. Seu pastor uma espécie em extinção. Trad. Jorge
Camargo. São Paulo: Eclésia, 1998. 246 p.

MAXWELL, John C. 21 minutos de poder na vida de um líder. Trad. Emirson Justino. São
Paulo: Mundo Cristão, 2002. 416 p.

________. Dando a volta por cima: a arte de transformar fracasso em sucesso. Trad. Emirson
Justino. São Paulo: Mundo Cristão, 2001. 236 p.

MENDES, J. D. Teologia pastoral. Rio de Janeiro: CPAD, 1988. 119 p.

MOFFITT, R. C. Desenvolvimento de liderança. Curitiba: Fato é, 2002. 2 Vols.

NEE, W. O obreiro cristão normal. Trad. João M. Bentes. 2.ed. São Paulo: Fiel, 1979. 118 p.

PETERSON, Eugene. Um pastor segundo o coração de Deus. Trad. Cláudia M. Ziller. Rio de
Janeiro: Textus, 2000. 182 p.

PONTES FILHO, José. A igreja que Deus quer. Curitiba: EEE. 83 p.

PRICE, D. E. O pastor profeta de Deus. Trad. Lucy Yamakami. São Paulo: Vida Nova, 2002.
176 p.

PRICE, J. M. Jesus o mestre por excelência. Trad. Waldemar W. Wey. Rio de Janeiro: Casa
Publicadora Batista, 1959. 168 p.

ROGER, A. Os 10 mandamentos da família. Trad. Eros Pasquini Júnior. São Paulo: Eclésia,
2000. 229 p.

SANDERS, J. O. Liderança espiritual. Trad. Oswaldo Ramos. São Paulo: Mundo Cristão,
1985. 151 p.

SANTALA, R. Moldados por Deus. Trad. Eero Komulainem. 2.ed. Porto Alegre: Concórdia,
2000. 126 p.

SOUSA, E. Q. O ministério pastoral. Rio de Janeiro: CPAD, 1982. 96 p.

SOUSA, M. A. O pastor. 2.ed. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1956. 268 p.

STEUERNAGEL, V. & SOUSA, R. B. Nova liderança: Paradigmas de liderança em tempo


de crise. Curitiba: Encontro, 2002. 202 p.

STOTT, John. Os desafios da liderança cristã. Trad. Milton Azevedo Andrade. São Paulo:
ABU, 1999. 64 p.

STRONG, J. Líderes a beira do abismo. Trad. Hope G. Silva. Belo Horizonte: Betânia, 1999.
126 p.
87

TURNER, D. T. A prática do pastorado. São Paulo: IBR, 1983. 372 p.

WHITE, J. Encontrei um líder. Trad. Renata B. Coelho. Rio de Janeiro: Textus, 2002. 158 p.

WILDER, R. John. O jovem pastor. Trad. Judith Brice. 4.ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1989.
112 p.