You are on page 1of 5

MÓDULO – I

NÍVEIS DO USO DA FORÇA POLICIAL

101 – MONTAGEM DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO E PORTE INDIVIDUAL. 18


POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO
MÓDULO - I
MAPA DESCRITIVO DE PROCESSO
101
PROCESSO MONTAGEM DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO E PORTE INDIVIDUAL
MATERIAL NECESSÁRIO
1. Materiais obrigatórios:
a. Uniforme Operacional: 4° “A”, de acordo com o regulamento de uniformes da PMMT;
b. Colete balístico (nível III-A);
c. Revólver Cal.38 (com duas cargas “jet-loaders”) ou Pistola .40 (com três carregadores);
d. Cinto de guarnição preto;
e. Coldre com segurança nível 2;
f. Fiel retrátil para cinto de guarnição;
g. Algemas com chaves;
h. Espargidor de gás pimenta;
i. Lanterna pequena para o cinto de guarnição;
j. Rádio portátil (HT);
k. Bastão policial;
l. Apito;
m. Caneta;
n. Bloco de anotação;
o. Luvas descartáveis;
p. Capa de chuva (em dias com possibilidade de chuva);
q. Carteira de identidade funcional;
r. Carteira Nacional de Habilitação (CNH).
2. Materiais facultativos:
a. Protetor lombar;
b. Canivete multiuso;
c. 04 (quatro) presilhas de sustentação do cinto de guarnição;
d. Cordão de segurança de uniformes (Fiel).
ETAPAS PROCEDIMENTOS
1. Montagem do EPI – Destro, para Revólver Cal. 38. e Pistola .40
Adoção de medidas 2. Montagem do EPI – Canhoto, para Revólver Cal. 38 e Pistola .40
específicas
3. Posicionamento dos equipamentos nos acessórios do EPI.

DOUTRINA OPERACIONAL

DESCRIÇÃO NORMAS OPERACIONAIS


Aprova a Diretriz Conjunta Decreto 7.904, de 27 de junho de 2006, do Governo do Estado de
006/2006. Mato grosso.
Regulamenta a aquisição uso
e porte de arma, colete Diretriz conjunta 002/2006 da Secretaria de Segurança Pública.
balístico e munições.
Procedimento Operacional Padrão da Polícia Militar do Estado de
POP-PMGO.
Goiás, de 11 de Novembro de 2004.

COMENTÁRIO:
1. SEGURANÇA NÍVEL 2: Trava de polegar e trava do conjunto do gatilho e guarda mato.

101 – MONTAGEM DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO E PORTE INDIVIDUAL. 19


POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO
MÓDULO: I NÍVEIS DO USO DA FORÇA POLICIAL.
MONTAGEM DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL E
PROCESSO: 101
PORTE INDIVIDUAL.
PROCEDIMENTO: 101.1 Montagem do EPI – para revólver Cal. 38 e pistola Cal .40.
ESTABELECIDO EM: 27/09/2009.
REVISÃO EM: --
RESPONSÁVEL: Policial Militar.
ATIVIDADES CRÍTICAS
1. Montagem do EPI, para usuário DESTRO;
2. Ajuste dos acessórios no cinto de guarnição.
SEQUÊNCIA DE AÇÕES
1. Colocar o colete balístico e ajustá-lo ao corpo;
2. Colocar os acessórios do cinto de guarnição, da esquerda para a direita, da seguinte forma:
a. Inserção de uma presilha de sustentação, se necessário;
b. Inserção do coldre, para revólver cal. 38 ou pistola;
c. Inserção do fiel retrátil;
d. Inserção do porta-algemas;
e. Inserção do porta-canivete multi-uso;
f. Inserção de duas presilhas de sustentação, se necessário;
g. Inserção do porta-tonfa;
h. Inserção do porta-carregadores para pistola;
i. Inserção do porta-espargidor de gás;
j. Inserção de uma presilha de sustentação, se necessário;
k. Inserção do porta-lanterna;
l. Fechamento e fixação do cinto de guarnição de acordo com a medida da cintura do
usuário;
m. Se necessário, o policial militar poderá adotar um protetor lombar, para distribuição do
peso do equipamento.
3. No cinto de guarnição de revólver a letra “h”, do item 2, deverá ser desconsiderada,
acrescendo o porta-carregador de revólver “(jet-loaders)” antes da letra “a”;
4. O rádio portátil (HT) poderá ser colocado no colete balístico ou no próprio cinto de guarnição,
desde que fique ajustado e não prejudique a mobilidade do policial.
5. No caso de coldre para canhoto o policial deverá inserir os acessórios na sequencia inversa
(Fig. 2).
RESULTADOS ESPERADOS
1. Uso progressivo da força policial, com a perfeita escolha do equipamento correspondente;
2. Proteção parcial do policial militar contra disparos de arma de fogo, com o uso do colete
balístico;
3. Disposição ergonômica e de fácil acesso aos equipamentos;
4. Disposição dos acessórios do lado da mão que empunhará e manuseará o respectivo
equipamento;
5. Distribuição equilibrada do peso total do EPI.
6. Distribuição eqüidistante das presilhas de sustentação, quando necessárias, para fixação do
EPI ao cinto de lona;
7. Disposição dos equipamentos da porção frontal até a porção lateral do corpo, deixando a
porção lombar livre;
8. Cinto de guarnição justo ao corpo;
9. Efetivo acondicionamento de todos os equipamentos colocados no conjunto.
AÇÕES CORRETIVAS
1. Caso tenha esquecido a seqüência de colocação dos acessórios, reinicie;
2. Caso não seja possível o uso de presilhas, devido ao uso protetor lombar, o cinto de guarnição
deverá estar bem ajustado ao corpo do policial;
3. Se o EPI não ficar equilibrado e junto ao corpo, verifique o posicionamento das presilhas de

101 – MONTAGEM DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO E PORTE INDIVIDUAL. 20


sustentação ou o ajuste de seu comprimento;
4. Se algum acessório ou equipamento estiver com defeito ou em mal estado de conservação,
providenciar sua troca o mais rapidamente possível;
5. Se o EPI não permanecer sustentado, trocar os botões do fecho ou até mesmo a própria
presilhas de sustentação;
6. Se qualquer um dos porta-equipamentos, não se fixar ou não segurarem os respectivos
equipamentos, providenciar a sua troca ou reparo;
7. Se algum acessório dificultar o deslocamento, posicionamento na VTR ou o saque do
equipamento, o policial poderá adequar seu cinto, sem deixar de usar os materiais obrigatórios
previstos neste processo.
POSSIBILIDADES DE ERRO
1. Posicionamento aleatório do equipamento, dificultando o rápido saque, ocasionando
retardamento do uso progressivo da força;
2. Falta de habilidade no emprego do equipamento, comprometendo o uso Progressivo da Força;
3. Manter o cinto de guarnição em comprimento maior do que o necessário ao bom ajuste ao
corpo;
4. Montar o equipamento com acessórios dirigidos para outra categoria de usuário para canhoto;
5. Utilizar acessórios em desacordo com o previsto para sua utilização;
6. Deixar faltar qualquer um dos itens mencionados como obrigatórios;
7. Manter em mal estado de conservação parte ou todo o conjunto do EPI;
8. Não observar o fechamento ideal dos porta-equipamentos, ensejando na perda do material
que nele estava contido ou provocando um incidente.

ILUSTRAÇÕES:

Fig. 1
Coldre para destro

Fig. 2
Coldre para canhoto.

101 – MONTAGEM DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO E PORTE INDIVIDUAL. 21


POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO
MÓDULO: I NÍVEIS DO USO DA FORÇA POLICIAL.
MONTAGEM DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL E
PROCESSO: 101
PORTE INDIVIDUAL.
PROCEDIMENTO: 101.2 Posicionamento do EPI.
ESTABELECIDO EM: 27/09/2009.
REVISÃO EM: --
RESPONSÁVEL: Policial Militar.
ATIVIDADES CRÍTICAS
1. Certificação do bom acondicionamento geral dos equipamentos do EPI.
SEQUÊNCIA DE AÇÕES
1. Acondicionar a lanterna de forma que sua lâmpada fique voltada para baixo;
2. Acondicionar o frasco de gás espargidor, de forma que a válvula do aerosol fique sempre
voltada para frente do policial militar, abotoando o porta-espargidor de gás;
3. Acondicionar o bastão policial, de forma que o seu polmo lateral fique voltado para trás.
Abotoando o porta-tonfa;
4. Se for usado o Revólver Cal. 38, acondicionar os carregadores (jet-loaders), com as munições
voltadas para baixo, abotoando o acessório em seguida;
5. Se for usada a Pistola, acondicionar os carregadores, de forma que o sentido da extração das
munições esteja voltada para baixo e para frente do policial militar, abotoando ou fechando o
acessório em seguida;
6. Se for utilizado o canivete multiuso deverá estar fechado, abotoando ou fechando seu suporte;
7. Se for usado o Revólver Cal .38, acondicioná-lo carregado no seu coldre, após a manutenção
de 1º Escalão (vide POP 106), preso ao cordão de segurança (fiel), e ainda, abotoar, fechar ou
travar o coldre logo em seguida;
8. Se for usada a Pistola, acondicioná-la carregada e destravada no seu coldre, após a
manutenção de 1º Escalão (vide POP 107), abotoar, fechar ou travar o coldre logo em seguida;
9. As algemas devem ser acondicionadas de acordo com o prescrito em seu respectivo
procedimento operacional padrão (vide POP 102).
RESULTADOS ESPERADOS
1. Posicionamento ergonômico de todos os equipamentos do EPI, permitindo uma utilização
rápida e precisa de qualquer um deles.
AÇÕES CORRETIVAS
1. Ao constatar alguma irregularidade no acondicionamento de qualquer equipamento, corrigi-la
prontamente;
2. Caso a pistola tenha o sistema ADC (acionador do cão) o policial deverá carregá-la e realizar o
descanso do cão;
3. Em caso de dúvidas, não hesite, verifique novamente o material;
4. Certifique-se dos procedimentos de segurança de cada arma utilizada, verificando qual é o
sistema de acionamento do cão.
POSSIBILIDADES DE ERRO
1. Desleixar-se na preocupação de manter todos os equipamentos bem acondicionados no EPI;
2. Deixar qualquer equipamento solto, pendurado ou sem a devida proteção;
3. Acondicionar os carregadores sem a preocupação do posicionamento correto;
4. Utilizar os suportes dos acessórios com velcros sem aderência ou com botões defeituosos.

101 – MONTAGEM DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO E PORTE INDIVIDUAL. 22