You are on page 1of 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ANEXO II

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE


DEPARTAMENTO DE MEDICINA E ENFERMAGEM
CURSO DE MEDICINA

Estágio Curricular Obrigatório em Saúde da Família (MED 471)

Portfólio temático estruturado de atividades da semana

Aluno(a) estagiário(a): Anônimo Matrícula: 00000

Em relação as grandes áreas de conhecimento e atuação na Saúde da Familia (Saúde do homem / Saúde
da mulher / Saúde do idoso / Saúde mental / Saúde de criança / Saúde do trabalhador /Educação em sáude
/ Vigilância em saúde / Processo de trabalho / Planejamento em saúde), descreva os casos clínicos problema,
cite as lacunas de conhecimentos decorrentes do mesmo e descreva a resposta encontrada através de uma pesquisa,
citando a fonte da mesma
SITUAÇÃO PROBLEMA 1

• Situação problema:
CMB, feminino, 53 anos, apresenta queixa de sintomas gripais. Possui HAS, em uso irregular de
medicação. Ao exame físico: PA de 170/115 mmHg e ausência de sintomas sugestivos de lesão de
órgãos-alvo. Trata-se de urgência hipertensiva.

• Lacuna de conhecimento gerada:


Urgência hipertensiva pode ser tratada na UBSF? Se sim, como?

• Resposta encontrada:
A terapia da urgência hipertensiva pode ser instituída no âmbito da APS, mais especificamente, em
uma UBSF, desde que sejam seguidas as orientações das diretrizes da Sociedade Brasileira de
Cardiologia. A medicação oral é utilizada no intuito de alcançar níveis pressóricos normais dentro
de 24h. Não existe, porém, consenso sobre a predileção de algum fármaco desde que qualquer dos
sugeridos seja administrado corretamente e a pressão arterial seja aferida após 30 minutos. Além de
que o paciente deve ficar em observação na UBSF por pelo menos 3 horas e ter retorno marcado
para o dia seguinte mesmo se a pressão arterial tiver sido controlada. Alguns autores sugerem que
urgências hipertensivas causadas por omissão da medicação já prescrita costumam responder muito
bem à reintrodução da medicação, respeitando os horários da posologia. Na paciente em questão,
utilizou-se do Captopril, com observação de redução para níveis pressóricos não urgentes em 30
minutos e normalização nas 2 horas subsequentes. Compareceu no dia seguinte para
acompanhamento, apresentando valor aceitável de pressão arterial: 130/90 mmHg.

Fonte da pesquisa:
● BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica:
hipertensão arterial sistêmica. 2013.
● BRASIL. MISTÉRIO DA SAÚDE. Acolhimento à demanda espontânea: queixas mais comuns na
Atenção Básica. 2012.
● FURTADO, Rogério Gomes; COELHO, Eduardo Barbosa; NOBRE, Fernando. Urgências e
emergências hipertensivas. Medicina (Ribeirao Preto. Online), v. 36, n. 2/4, p. 338-344, 2003.
● MALACHIAS, M. V. B. et al. 7ª Diretriz brasileira de hipertensão arterial. Arq Bras Cardiol, v. 107,
n. 3, p. 1-103, 2016.