You are on page 1of 6

especial

gestão

Padrão
exclusivo para
sua empresa

“I nsanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar

resultados diferentes.” A frase consagrada de Albert Einstein

não poderia ser mais clara: quer melhorar o desempenho

da sua empresa? então é hora de mudar e investir em novas e

específicas práticas de gestão


Janeiro 2015

Você espera de seus funcionários duas coisas: produtividade e resultados. Já para eles o importante é que
a empresa cumpra o que foi combinado na contratação e
117 ofereça um bom ambiente de trabalho. Esses são dois lados
texto Marina Schmidt que formam uma equação presente na maior parte das em-
imagem de abertura ©iStock.com/Black Dog presas do Brasil e do mundo. Quando há um desequilíbrio
nessa balança, todos saem prejudicados. Uma ponta não
pode pesar mais do que a outra, porque a expectativa da
contrapartida está presente o tempo toda nessa relação,

26
gestão

Janeiro 2015

e expectativa frustrada, tanto para o empregador quanto dos que geram. Da maneira mais simples e resumida possí-
para o empregado, nunca termina bem. vel, basta evitar ao máximo a frustração.
Para evitar o descompasso, muitas empresas têm inves- Nesse sentido, cada empresa constrói seu próprio am- 117
tido em novas práticas de gestão, que, em grande parte, são biente de trabalho, buscando fazer com que ele seja o mais
mudanças simples, elaboradas em conjunto com a equipe ou agradável possível. Deixar essa questão de lado é assumir o
combinadas criteriosamente com todos da empresa. Esses risco de enfrentar uma destas duas situações: perder talen-
ajustes nem sempre requerem grandes investimentos. Na tos para o mercado e elevar o turnover ou obter resultados
verdade, são pouco onerosos se comparados com os resulta- abaixo do esperado.

27
especial

Cumprir com o que foi pactuado na contratação é im- aumentar a produtividade na sua empresa. Oferecer um
prescindível para evitar a frustração. Há situações corri- bom ambiente de trabalho é sempre importante, mas,
queiras que ilustram bem essa condição. Foi combinado, sem dúvida, não é tudo. Ou seja, você até pode colocar
por exemplo, que o profissional ingressaria recebendo um escorredores para que os funcionários se desloquem en-
salário que seria elevado três meses depois ou que ele seria tre os setores, deixar à disposição mesas de jogos e games
promovido após adquirir conhecimento necessário para a eletrônicos, permitir o uso de roupas casuais, aprovar
função. Então, chegando ao prazo estabelecido conceda o que cada um faça o próprio horário de trabalho e abrir a
que foi acordado ou, caso enfrente dificuldade para cum- possibilidade até de que os empregados levem seus bichi-
prir, seja transparente e franco. Converse. O diálogo hones- nhos de estimação para o trabalho. Isso garantirá um am-
to é sempre a melhor opção, para tudo. E o exemplo não vale biente descontraído e, provavelmente, todos irão adorar,
só para a contratação: quando a equipe é estimulada a suge- mas jamais permanecerão na empresa só por conta disso.
rir melhorias, ela espera que as propostas se concretizem ou “É importante, mas não é tudo”, sustenta Boan. A ges-
que, no mínimo, seja dado retorno sobre as sugestões. tão de pessoas tem um propósito muito nobre nas empre-
sas: aumentar a capacidade dos trabalhadores de adquirir
Processos para o desenvolvimento conhecimento para colocá-lo em prática. Em outra pala-
vras, é a área da empresa que estimula o desenvolvimento
De maneira geral, as receitas prontas sempre saltam individual, que, por sua vez, sustenta o crescimento da em-
aos olhos e parecem capazes de solucionar problemas presa. “O papel da gestão de pessoas é gerenciar o processo
de toda e qualquer empresa. É o que ocorre a cada nova de aquisição do conhecimento.”
técnica, modelo ou ferramenta que ganha repercussão. O O primeiro passo para fazer com que a sua empresa in-
problema, alerta Flávio Souto Boan, sócio-diretor da Fal- gresse no ciclo virtuoso do desenvolvimento é criar deman-
coni Consultores de Resultado, é que mesmo enfrentando das pelo conhecimento, estabelecendo boas metas ou em-
dificuldades semelhantes, a pedra no sapato de cada em- pregando a rotatividade no trabalho, para que um mesmo
presa é diferente. “Era comum as empresas seguirem mo- funcionário atue em áreas distintas. Criada a demanda, a em-
dismos, mas elas não entendiam que cada programa tinha presa precisa fornecer o acesso ao conhecimento, por meio
que ajudar a melhorar resultados ou resolver problemas de treinamentos, coaching e pós-graduação, por exemplo.
específicos”, detalha Boan. Porém, esse processo de desenvolvimento só será efetivo
Esse padrão tem mudado, cita o consultor, mencio- se outras duas etapas forem atendidas. A primeira delas é a
nando que empresários já começaram a identificar que motivação. “Aí entra o ambiente de trabalho agradável”, diz
precisam buscar métodos e ferramentas voltados para
solucionar questões de conflito, mas que sejam aplicáveis

Divulgação/ Arquivo Falconi


em suas companhias. “O primeiro ponto é escolher um
problema prioritário para solucionar: turnover, satisfação
de clientes, caixa da companhia, rentabilidade dos pro-
dutos. Não dá para fazer tudo ao mesmo tempo”, indica.
Janeiro 2015

Não adianta olhar para o modelo das empresas do


Vale do Silício, cujos ambientes profissionais são descon-
traídos e cada um dos funcionários trabalha no próprio
117
ritmo, e achar que isso é suficiente para reter talentos e

Segundo Boan, papel da gestão de pessoas


é impulsionar o desenvolvimento pessoal

28
gestão

Lúcia Simon
Divulgação/Dez Comunicação
Boan. “Ninguém gosta de trabalhar em um ambiente cinza.
As condições físicas e sociais têm que ser boas.” Você até
pode seguir o modelo descontraído das empresas do Vale do
Silício, mas o legal mesmo é concretizar mudanças que fa-
çam sentido para a sua equipe. A flexibilidade nem sempre
é possível, especialmente em empresas que trabalham com
atendimento ao público, mas é possível estabelecer bonifi-
cações, conceder ambientes para descanso durante a jorna-
Mauro Dorfman: equipe jovem e um
da de trabalho ou outros benefícios. Enfim, novamente, uma
boa conversa pode mostrar o melhor caminho a seguir. ambiente de trabalho pautado pelo
Pronto, você tem um trabalhador motivado, em proces- diálogo são a marca da Dez Comunicação
so de qualificação (constante, de preferência) e com ob-
jetivos e metas definidos a alcançar. É tudo? Ainda não. tão de pessoas com gestão de ativos com gestão dos siste-
Falta um detalhe que pode ser considerado a cereja do mas de informação, isso tudo está integrado.”
Janeiro 2015

bolo: o reconhecimento. É o que ficou consagrado como


meritocracia ou, simplesmente, valorizar quem tem o me- Entre millennials
lhor desempenho. Afinal de contas, depois de investir no
117
funcionário você não vai querer perdê-lo para o mercado Não adianta querer manter um padrão tradicional de
simplesmente porque a falta de perspectiva dentro da sua empresas para um grupo de pessoas que vem com deman-
empresa o frustrou. O que mais você tem a perder além do das e características diferentes. E as gerações mais recen-
profissional? A produtividade! “A equipe vai acabar produ- tes, Y e millennials, já nasceram em um período totalmente
zindo menos do que deveria”, detalha Boan. “As empresas novo e transformador ao extremo. Basta observar as novas
estão começando a perceber que está tudo conectado: ges- ferramentas de comunicação.

29
especial

Para a Dez Agência de Comunicação, de Porto Alegre, a A hierarquia horizontal da empresa, “bem organiza-
convivência com essa turma é não só natural, faz parte da da”, como frisa Dorfman, favorece o acesso da equipe à
essência da empresa. A média de idade dos empregados direção. “Queremos que as pessoas se manifestem, que-
é de 26 anos, conta Mauro Dorfman, diretor-presidente. remos ouvir as pessoas, e isso é sincero e muito valoriza-
Há 21 anos no mercado, a companhia sempre teve como do.” A recíproca também é verdadeira, os funcionários,
filosofia oferecer um bom ambiente de trabalho, por isso quando deixam a empresa, habitualmente se despedem
ele salienta que a prática de gestão de pessoas da Dez não com um e-mail. No caso da Dez, os relatos são emociona-
ambiciona ser inovadora. “Não buscamos inovação, mas dos, dimensiona o diretor. “As pessoas têm caprichado e
sim consolidação e renovação da nossa prática.” destacado a forma como foram recebidas. E esse retorno
O propósito da política de Recursos Humanos é fazer é espontâneo, não é solicitado.”
o básico de uma forma respeitosa. “Sempre estamos nos O que leva a equipe a reconhecer que está em um bom
atualizando em relação à cabeça dos nossos profissionais ambiente de trabalho é a relação honesta. O segredo, re-
e às tecnologias, mas nosso ativo principal é o desempe- força Dorfman, é ter tudo bem definido entre as partes. E
nho das pessoas. As ferramentas técnicas, de equipamen- os resultados aparecem: “Há cinco anos chegamos à con-
to e metodologia, só fazem algum sentido se eu tiver uma clusão de que ser uma agência de publicidade não era su-
equipe de qualidade e muito bem valorizada”, assegura. ficiente para responder às necessidades dos nossos clien-
tes. Entendemos que precisávamos evoluir”, conta.
Cigam aposta no desenvolvimento das Assim, a direção transformou a agência em três uni-
dades: estratégia e comunicação (publicação), outra de
lideranças para melhorar resultados

Divulgação/Arquivo Cigam
Janeiro 2015

117

30
gestão
trade marketing e shopper marketing, e digital zoom. “Desde

Divulgação/Léo Oliveira
o primeiríssimo momento, fizemos questão de que as três
unidades trabalhassem integradas. Tivemos que cuidar
para que os grupos conseguissem trabalhar integrados.”
Foi dessa forma que nasceu uma nova metodologia de tra-
balho: Dez Integração, que é, como define Dorfman, um
novo jeito de pensar, abrindo as paredes. “Criamos e esta-
mos cultivando ativamente em uma cultura de integração
das equipes e dos profissionais.”
A mudança estratégica da empresa levou o executivo
a identificar que tipo de profissional a empresa precisa-
va ter. “Um profissional que além da capacidade técnica
seja colaborativo”, relata. “O fato de termos conseguido
refinar o jeito colaborativo de trabalhar está nos renden-
do uma carteira de clientes que entendem que é melhor
trabalhar com integração, e isso está aumentando nosso Lideranças fazem a gestão de pessoas
faturamento de forma objetiva.” na prática, explica Linique Karling

Crescendo com o reconhecimento da equipe Acompanhando o retorno dos empregados em relação às


práticas adotadas, Linique destaca que as pesquisas de clima
A Cigam, empresa fornecedora de softwares de gestão têm surpreendido positivamente. No último ano, o retorno
empresarial, de Novo Hamburgo, vem implantando me- foi destacável justamente porque concretiza ações que fo-
lhorias contínuas na área de gestão de pessoas, que estão ram adotadas em resposta às sugestões de melhorias apon-
levando a empresa a obter margens de crescimento de 20% tadas nas pesquisas anteriores. As três áreas com maior per-
ao ano. O principal foco de atuação, segundo a psicóloga centual de retorno positivo foram ambiente organizacional,
organizacional da empresa, Linique Karling, é o desenvol- liderança e comunicação interna. “No ambiente corporati-
vimento de lideranças. Como porta-vozes da companhia vo, realizamos modificações da estrutura organizacional,
junto às equipes que lideram, esses profissionais passam aproximamos áreas e setores, que facilitaram processos
por um processo de capacitação que busca aprimorar a co- internos”, ressalta, lembrando que as ações para melhorar
municação. o dia a dia dos funcionários dentro da empresa, como a va-
“Proporcionamos um ambiente bastante amigável, mas lorização e a preocupação com qualidade de vida também
nosso grande foco é no desenvolvimento das lideranças, influenciaram no retorno favorável.
para que elas sejam as propagadoras das nossas práticas”, Quanto às lideranças, segmento que tem sido priorizado
afirma. Outros pontos importantes adotados pela Cigam pela gestão da Cigam, Linique explica que a empresa criou
para melhorar os resultados a partir de mudanças no am- um mecanismo chamado Feedback Reverso, que permite ao
Janeiro 2015

biente da empresa são a valorização dos funcionários e a colaborador avaliar seu líder imediato. “O RH é apenas um
comunicação interna. fomentador de ferramentas e processos, mas quem faz a ges-
Diariamente, os empregados recebem, via intranet, as boas tão de pessoas na prática são as lideranças.” Já a comunicação
117
notícias do dia, geralmente relacionadas à própria empresa ou interna é melhorada cada vez mais no sentido de fortalecer
à equipe. Os canais de comunicação também foram aprimo- todo o trabalho desenvolvido pelo setor, desde a propagação
rados para favorecer o contato entre funcionários e direção. de informações institucionais até a divulgação de dicas de
Quanto à valorização, ela pode ser notada no dia a dia, no trato qualidade de vida. “O nosso grande desafio é manter e apri-
da empresa com os empregados, que têm à disposição frutas e morar ferramentas já adotadas, e nesse sentido o retorno dos
alimentos saudáveis para consumo no trabalho. colaboradores é fundamental”, salienta.

31