You are on page 1of 42

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO


CURSO DE BIBLIOTECONOMIA
BIB03024 – Linguagens Alfabéticas de Indexação

Adriana Costa
Carla Chaves

TESAURO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA


2

PORTO ALEGRE
2010
Adriana Costa
Carla Chaves

TESAURO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA

Trabalho realizado como pré-requisito parcial para a


obtenção de aprovação na disciplina Linguagens
Alfabéticas de Indexação BIB03024 ministrada pela
professora Rita do Carmo Laipelt no curso de
Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio
Grande do Sul.

PORTO ALEGRE,
3

2010

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO...............................................................................................5

2 EQUIPE EXECUTORA....................................................................................6

3 OBJETIVOS...................................................................................................7

3.1 OBJETIVO GERAL...................................................................................7

3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS.......................................................................7

4 ÁREA DO CONHECIMENTO E DELIMITAÇÃO DO TEMA.................................8

5 LEVANTAMENTO DE FONTES.......................................................................9

5.1 FONTES METODOLÓGICAS....................................................................9

5.2 FONTES PARA VALIDAÇÃO DOS TERMOS............................................10

5.2.1 Fontes de Garantia Literária..........................................................10

6 LEVANTAMENTO DE OUTROS TESAUROS NA ÁREA...................................11

7 METODOLOGIA..........................................................................................12

7.1 ETAPA PRELIMINAR..............................................................................12

7.1.1 Fontes Auxiliares...........................................................................12

7.1.2 Consultor Ad Hoc..........................................................................12

7.2 ETAPA DE ELABORAÇÃO......................................................................13

7.2.1 Constituição do Corpus Textual...........................................................13

7.2.2 Coleta, Registro e Consolidação dos Termos................................13

7.2.3 Consolidação dos Termos.............................................................13

7.2.4 Elaboração do Glossário...............................................................14

7.2.5 Elaboração do Mapa Conceitual....................................................15

7.2.6 Elaboração da Apresentação Alfabética........................................15

7.3 Etapa de Editoração............................................................................16

8 GLOSSÁRIO................................................................................................17

8.1 MAPA CONCEITUAL..............................................................................24

..................................................................................................................24
4

9 TESAURO ...............................................................................................25

REFERÊNCIAS...............................................................................................41
5

1 INTRODUÇÃO

Esse trabalho tem por objetivo a construção metodológica de um tesauro por meio da
criação, tradução, atualização e adaptação de um material terminológico estruturado para
servir de ferramenta para alunos e profissionais tanto para a área em questão (Assessoria de
Imprensa) como para estudantes e profissionais de Biblioteconomia.
A área temática do tesauro é a de Assessoria de Imprensa, área pertencente à
Comunicação, que visa contribuir para o aperfeiçoamento da comunicação entre instituição,
seus funcionários e opinião pública. Como não foi encontrado nenhum tesauro na área, faz-se
necessário a utilização de um aparato terminológico específico da área para que se tenha uma
compreensão correta e eficaz dos termos.
Apresentamos no tesauro, um glossário com cinqüenta termos e sete variantes, um
mapa conceitual, onde somente os descritores autorizados são representados. Os termos não
preferidos não podem constar na apresentação gráfica, por apresentarem o mesmo conceito,
logo, ocupariam o mesmo lugar do descritor preferido. Além dos descritores, fazem parte do
mapa conceitual quatro termos não descritores que funcionam como categorias organizadoras
para os termos subordinados a eles.
O tesauro inclui 50 descritores e sete termos não autorizados, representados em forma
de remissivas para os termos autorizados (descritores). A data de inclusão do último descritor
foi dia 14 de junho de 2010.
6

2 EQUIPE EXECUTORA

A equipe de trabalho para elaboração do tesauro sobre assessoria de imprensa foi


composta pelas alunas Adriana Costa e Carla Chaves. Para a elaboração do tesauro,
utilizamos o auxílio de profissionais especializados na área de jornalismo, professoras da área
de Terminologia, constituindo assim uma comissão (referencial) competente para a
construção do trabalho. Além disso, a equipe de trabalho utilizou como referência as
obras: Diretrizes para o Estabelecimento e Desenvolvimento de Tesaurus Monolíngues
de Derek Austin e Manual de Elaboração de Tesauros Monolíngues de Hagar Espanha
Gomes, sobre metodologia de elaboração de tesauros que servirá como fundamentação
teórica.
7

3 OBJETIVOS

O objetivo do trabalho é estudar, aprender e compreender o processo metodológico


para criação, tradução, atualização e adaptação de tesauros.

3.1 OBJETIVO GERAL

Estabelecer princípios norteadores para o estudo teórico/prático de metodologia de


elaboração, adaptação, tradução e atualização de tesauros, na área de Jornalismo mais
especificamente, na área de assessoria de imprensa.

3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Os objetivos específicos para a realização desse trabalho foram:

a) pesquisar termos específicos usados por especialistas na área de Assessoria de Imprensa;

b) obter informações através dos profissionais da área;

c) elaborar um corpus textual para coleta de termos da área delimitada;

d) usar o conjunto de ferramentas Corpográfo para compilar e pesquisar os textos escolhidos;

e) construir um glossário com a definição dos termos encontrados;

f) construir um mapa conceitual;

g) juntar as informações obtidas com as pesquisadas para elaboração do Tesauro.


8

4 ÁREA DO CONHECIMENTO E DELIMITAÇÃO DO TEMA

A escolha do Jornalismo como área do conhecimento para a elaboração do tesauro,


ocorreu em virtude de termos feito o glossário nessa área, optamos em segui-la. A partir disso,
optou-se pela sub-área temática: Assessoria de imprensa.
9

5 LEVANTAMENTO DE FONTES

O levantamento de fontes foi feito através de fontes especializadas e pessoais.

5.1 FONTES METODOLÓGICAS

A princípio, como referencial teórico para a elaboração do tesauro, foram utilizadas


obras que abordam a metodologia de elaboração de tesauros e Terminologia.
Fez-se necessário uma análise teórica para discutir e apresentar os principais vínculos
do objeto de estudo com a teoria.
A Terminologia, pode significar os termos técnico-científicos, representando o
conjunto das unidades lexicais típicas de uma área científica, técnica ou tecnológica, como o
campo de estudos. Como objetos de estudo da terminologia temos o termo, a fraseologia e a
definiçao, embora o primeiro seja o foco principal. (KRIEGER; FINATTO, 2004)

Dodebei (2002, p.67) afirma que:

Segundo Foskett (1972), o principal objetivo do tesauro é o de


controle terminológico e, em concordância com Lancaster (1972), lista
suas principais funções: controlar sinônimos e quase sinônimos;
distinguir homógrafos; facilitar a condução da busca por meio dos
termos relacionados e das referências cruzadas (estrutura sintética),
melhorando a consistência da indexação e transportando a linguagem
de busca para a linguagem de indexação; e, reduzir o tempo e
aumentar a eficiência nas tarefas de indexação e recuperação de
informações.
10

5.2 FONTES PARA VALIDAÇÃO DOS TERMOS

Foram verificados os tesauros de áreas afins, com objetivo de obter validação dos
termos definidos pelo grupo. Depois, fez-se um levantamento de dicionários, glossários etc.,
que consolidou os termos e variantes. Este levantamento se deu por meio de pesquisas de
materiais impresso ou on-line. Além das fontes citadas, os termos foram validados através de
uma especialista da área.

5.2.1 Fontes de Garantia Literária

Fontes bibliográficas como: dicionário especializado na área de Jornalismo,


Publicidade e Informática, glossários e livros da área de assessoria de imprensa.

5.2.2 Fontes de Garantia do Especialista

Como fonte pessoal para validação dos termos, contamos com a colaboração da Prof.ª
Mestra Laura Maria Glüer. Possui graduação em Comunicação Social Jornalismo pela
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994) e mestrado em Comunicação Social pela
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2004). Atualmente é professora
titular do Centro Universitário Metodista IPA e Faculdade IBGEN. No Centro Universitário
Metodista IPA coordena o curso de pós lato sensu em Comunicação Estratégica. Tem
experiência na área de Comunicação, tendo atuado e pesquisado principalmente nos seguintes
temas: comunicação organizacional, assessoria de imprensa, comunicação social, sociedade
em rede, ouvidoria e gestão de crises.
11

6 LEVANTAMENTO DE OUTROS TESAUROS NA ÁREA

Não encontramos nenhum tesauro específico de assessoria de Imprensa.


12

7 METODOLOGIA

A elaboração do tesauro foi dividida em três etapas principais, compostas assim:

7.1 ETAPA PRELIMINAR

A etapa preliminar foi composta por um planejamento, onde foi feita a delimitação do
tema. No levantamento de fontes auxiliares utilizamos livros e dicionários na área do
Jornalismo para familiarização dos termos e seus significados. Logo após foi feito contato
com a especialista da área, para auxilio na validação dos termos. Foi estipulado datas para
as etapas do trabalho por meio da elaboração de um cronograma.

7.1.1 Fontes Auxiliares

Como fonte auxiliar, foi utilizado o dicionário multimídia: Jornalismo, Publicidade e


Informática, dicionário de Ciências da Comunicação e dicionário de Comunicação. Além
disso, foi utilizado livros da área de Assessoria de Imprensa.

7.1.2 Consultor Ad Hoc

Profª Mestra Laura Maria Glüer.


13

7.2 ETAPA DE ELABORAÇÃO

Nesta etapa, foi realizada a coleta de termos candidatos a descritores através do corpus
textual, adaptação, tradução e atualização de descritores já existentes na área por meio de
dicionários e livros da área. Na elaboração do glossário, foi definido cada termo para que
houvesse relação entre eles, assim como a escolha das outras definições. Por último, foi
elaborado o mapa conceitual e a elaboração do tesauro em si.

7.2.1 Constituição do Corpus Textual

O corpus textual desse trabalho foi composto por sete livros publicados no período de
1994 a 2009; o idioma dos mesmos é em português.

7.2.2 Coleta, Registro e Consolidação dos Termos

Os dados coletados foram analisados para que a reunião de diversos contextos


permitisse a sua síntese em forma de definição. Para coleta dos termos, foi utilizada a base de
dados terminológica do Corpógrafo. Foi feita a extração das marcas semânticas presentes
nesses contextos e extraído a terminologia do corpora para elaboração da definição desses
termos.

7.2.3 Consolidação dos Termos

Foi realizada a consolidação dos termos em um primeiro momento através de


dicionários e glossários especializados, e posteriormente a um especialista na área
terminológica e um especialista na área específica a qual se delimita o tesauro.
14

7.2.4 Elaboração do Glossário

O tesauro contou com a produção de um glossário de cinquenta e quatro termos, sendo


50 termos sobre a assessoria de imprensa e 4 termos organizadores, que acrescentamos para
uma melhor estruturação dos descritores no momento em que fizemos o mapa conceitual e
consequentemente o tesauro. A compilação dos termos coletados foi, na forma definitiva, na
estrutura de um glossário, que é um repertório de termos que não tem por pretensão a
exaustividade.
Os termos foram representados por substantivos ou sintagmas terminológicos; foram
aceitas as inclusões de termos científicos e populares, e não aceitas as inclusões de siglas.
O glossário foi estruturado de acordo com a ordem alfabética crescente (A-Z), ordenados
pela letra inicial de cada termo, utilizadas letras maiúsculas, negritadas para a representação
dos termos e letras minúsculas, não negritadas (respeitadas às iniciais) para a indicação das
remissivas (OD: outras denominações).

a) descritores grafados em caixa alta e negrito:


Ex.: CLIPPING

b) grafados em caixa baixa e não negritado:


Ex.: Clipagem

c) relações entre os termos descritores e não-descritores: grafados de acordo com os critérios


para cada tipo de termo, apresentados de duas formas:

- para as relações que remetem dos descritores para os não descritores com a sigla O. D
representando outra denominação;
Ex.: CLIPPING
O.D. Clipagem

- para as relações que remetem dos não-descritores para descritores


utilizando o termo ver;
Ex.: Clipagem ver CLIPPING
15

7.2.5 Elaboração do Mapa Conceitual

A organização foi feita a partir da estrutura conceitual representado na forma de um


mapa conceitual que de acordo com Lima (2004, p. 140):

[. . .] é a técnica de representar o conhecimento em forma gráfica,


construindo uma rede de conhecimento constituída de nodos e links,
nos quais os nodos representam os conceitos e os links representam as
relações entre os conceitos.

O mapa conceitual ou árvore de domínio é uma estrutura hierárquica, composta por


termos de uma especialidade. O mapa conceitual está representando as relações hierárquicas,
associativas e de equivalência na área de Assessoria de Imprensa.

7.2.6 Elaboração da Apresentação Alfabética

O tesauro foi apresentado na forma sistemática e alfabética. Na apresentação


alfabética, serão explicitadas as relações hierárquicas (TG/TE), associativas (TR ou TA) e de
equivalência (UP/USE), o emprego de notas de aplicação (NA) e qualificadores – que são
recursos artificiais, que indicam a que área do conhecimento o descritor pertence, os
qualificadores acompanham os descritores, passando a integrá-los. As abreviaturas
empregadas nas relações são:

NA – Notas de Aplicação. (antecede a explicação sobre o modo de emprego de um descritor,


também pode ser chamada de nota explicativa ou nota de escopo)
TG – Termo Genérico. (antecede o termo imediatamente superior em relação ao termo tópico)
TE – Termo Específico. (antecede o termo imediatamente inferior em relação ao termo
tópico)
16

TR ou TA – Termo Relacionado ou Termo Associado. (antecede o termo de mesmo nível


hierárquico, ou seja, os termos coordenados em relação ao termo tópico)
UP – Usado por (antecede o termo não autorizado para a indexação. (antecede um não
descritor, ou termo não preferido, em relação ao termo tópico)
USE – (remete de um termo procurado e não autorizado para o descritor - termo autorizado).
O tesauro inclui 50 descritores e sete termos não autorizados, representados em forma
de remissivas para os termos autorizados (descritores). Foi utilizada uma nota de aplicação em
quatro termos, explicando que esses termos não são unidades de indexação e sim, apenas
categorias organizadoras para os termos que são subordinados a eles.

7.3 Etapa de Editoração

O tesauro contém uma introdução, apresentação da equipe de trabalho, seu propósito,


seus objetivos, a definição do campo temático, levantamento de fontes, informações sobre
assistência ou não de outros tesauros na área, e apontamento das normas utilizadas na
elaboração do mesmo.
Depois dessa introdução que orienta o usuário do tesauro, abordou-se questões para
utilização do mesmo quanto às convenções e abreviaturas, os sinais e pontuação empregados
e o uso notas. Também abordou-se os critérios de determinação do descritor preferido, a
forma de validação dos descritores, especialistas indicados, consultar ad hoc, e
esclarecimentos sobre as relações de equivalência entre o descritor preferido e os não
descritores.
Atualizações do tesauro de assessoria de imprensa não serão feitas , devido ao fato
de se tratar de um trabalho acadêmico. O mesmo é monolíngue, escrito em português do
Brasil e o último termo inserido neste tesauro data de 14 de junho de 2010.
17

8 GLOSSÁRIO

AGENTES: pessoa que desencadeia ação ou efeito; quem atua, opera. (categoria
organizadora)

ANÁLISE DE CONTEÚDO: em comunicação é um método que visa à descrição


objetiva, sistemática e qualitativa do conteúdo presente nas comunicações.

ANÁLISE DE DESEMPENHO: com base nos dados obtidos por meio da auditoria de
imagem, refere-se à comparação entre os desempenhos obtidos, na mídia, por e,presas
da mesma natureza.

A pedido ver INFORME PUBLICITÁRIO

APONTAMENTO: registro resumido para posterior aproveitamento. Indicação breve


de obra ou trabalho a executar.

ASSESSOR DE IMPRENSA: responsável pela captação de todas as informações


necessárias; elaboração dos produtos de AI; contatos e atendimento aos jornalistas dos
veículos de comunicação; controle das informações divulgadas na imprensa que possam
interessar ao assessoramento; edição de revistas, jornais ou boletins internos e externos;
elaboração de relatórios para prestação de contas ao cliente, entre outras atividades.

ASSESSORIA DE IMPRENSA: gestão dos fluxos de informação e relacionamento


entre fontes de informação e jornalistas (DUARTE, 2003). OD: Jornalismo empresarial.

ATIVIDADES: ocupações profissionais ou trabalho produtivo. (categoria


organizadora)

AUDITORIA DE IMAGEM: monitoramento periódico do desempenho de uma


instituição, empresa ou outra fonte de acontecimentos programados, na mídia.
Representa uma análise mais depurada e sofisticada do clipping de notícias. Trata-se de
um instrumental analítico recente (DUARTE, 2003).
18

BRIEFING: resumo de informações relativas a um fato, normalmente relatado por


meio de contatos informais, transmitindo de uma fonte para um jornalista.

CLIENTE: empresas públicas ou privadas, sindicatos patronais ou de trabalhadores,


associações de classe, profissionais liberais, instituições culturais e de entretenimento,
agremiações esportivas, ONGs, partidos políticos, enfim, qualquer ramo de atividade
que necessite aprimorar o nível de comunicação com seu público interno e/ou externo.

CHECK-LIST: checagem de uma relação completa e detalhada de providências que


devem ser tomadas periodicamente para o acompanhamento das atividades do cliente.

Clipagem ver CLIPPING

CLIPPING: serviço de apuração, coleção, recorte (no caso de jornais e revistas) e


fornecimento diário, sistematizado, das notícias veiculadas sobre a empresa na mídia
(BUENO, 2003). O.D.: Clipagem, taxação.

COLETIVA DE IMPRENSA: entrevista para a qual são convidados jornalistas de


vários veículos de comunicação. Normalmente é realizada quando o assessorado tem
um assunto de extrema importância para anunciar, que interesse à grande imprensa
(UTCHITEL, 2004).

COMUNICADO: é um texto curto, em geral que anuncia uma ou poucas informações.

COMUNICAÇÃO: ato e efeito de tornar comum, processo em que emissor(es)-


receptor(es) intercambiam mensagens.

CONHECIMENTO: resultado de um processo de retenção de informações ativado


sobre o juízo de valor em relação às mesmas.

CONTATO PESSOAL DIRETO: contato caracterizado pela presença física.

CONTATO PESSOAL INDIRETO: contato por meio de telefone, correspondência


ou outros veículos de comunicação pessoal.
19

DOSSIÊ: coleção de documentos relativos a um processo, a um indivíduo ou a


qualquer assunto.

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: processo pelo qual é feita a configuração da página


utilizando-se programas específicos de computador. (Não inclui a redação)

ENQUETE: levantamento de opinião da comunidade por meio de questionamentos


rápidos.

ENTREVISTA: contato pessoal ou telefônico entre um repórter de um determinado


veículo e uma fonte que se dispõe a prestar informações para a elaboração de notícias.

ENTREVISTA COLETIVA: é um encontro geralmente “provocado” pelo assessor,


que convoca todos os veículos de interesse para buscarem informações. O entrevistado
será orientado para responder às perguntas dos vários repórteres presentes. Utilizada
quando a fonte deseja divulgar informações de seu interesse ou em caso de
gerenciamento de crises.

ESTRATÉGIAS: Táticas elaboradas e aplicadas pelo assessor de imprensa toda vez


que surgir uma nova necessidade de comunicação do cliente com seus públicos.

EVENTO: qualquer acontecimento que possa atrair a atenção da imprensa para o


cliente. Deve envolver um elemento de interesse jornalístico e social, ser bem
organizado e divulgado adequadamente.

FOLLOW-UP: acompanhamento pelo assessor de uma pauta na redação. Também


refere-se ao trabalho de convocação de jornalistas para uma coletiva. (DUARTE, 2003).
É fundamental para o êxito do trabalho do assessor.

FONTE: é a organização de origem das notícias, ou seja, de onde partem as


informações divulgadas por qualquer veículo de comunicação.

FORMAS DE CONTATO: forma como os profissionais fazem a ligação da agência


com o cliente. (categoria organizadora)
20

GESTÃO DE REDES SOCIAIS: atividade estratégica de uma assessoria de imprensa


nos dias atuais, faz a elaboração e postagem de conteúdos envolvendo o cliente
assessorado nas redes sociais.

HOUSE-ORGAN: é um veículo impresso ou eletrônico, dirigido para públicos


definidos, que têm acesso a ele gratuitamente.

Imprensa ver MÍDIA

INFORMAÇÃO: é a matéria-prima para o jornalista.

INFORME PUBLICITÁRIO: texto publicado na íntegra, em espaço pago, claramente


identificado. É um produto comercial, mas por vezes é de responsabilidade da
assessoria a elaboração do texto. Não tem a independência do espaço editorial. O.D: A
pedido.

INSTITUCIONAL: mensagem que objetiva promover uma imagem favorável de uma


determinada marca, empresa, instituição, órgão público ou privado.

Jornalismo empresarial ver ASSESSORIA DE IMPRENSA

LOBBY: grupo de pressão formado para influenciar pessoas com poder de decisão e de
convencimento, como congressistas e jornalistas.

MAILING LIST: listagem dos veículos de comunicação que interessam à assessoria de


imprensa. Deve ser atualizado periodicamente, pois há muita rotatividade no mundo do
jornalismo.

MÍDIA: conjunto dos meios de comunicação – jornais, revistas, emissoras de rádio e de


televisão, veículos na Internet. O.D: Imprensa.

MÍDIA TRAINING: atualmente, o termo designa cursos encomendados pelas


assessorias de comunicação, com o objetivo de otimizar o contato das fontes da empresa
com a mídia. Contempla “sabatinas”, laboratórios diversos e palestras conceituais, que
21

municiam as fontes com dicas e conhecimentos básicos para o relacionamento com a


mídia.

MONITORAMENTO DE REDES SOCIAIS: atividade estratégica de uma assessoria


de imprensa nos dias atuais, faz o acompanhamento do que é debatido pelos atores das
redes sociais, em especial aspectos positivos ou negativos mencionados sobre o cliente
assessorado.

NOTA OFICIAL: documento de texto curto, objetivo e claro, que apresenta uma
declaração oficial da empresa sobre seu posicionamento em relação a algum fato
ocorrido. Pode ser distribuída aos jornalistas da mesma forma como o release ou
veiculada em espaço pago.

Notícias virtuais ver WEBJORNALISMO

OPINIÃO PÚBLICA: é a soma da opinião dos públicos, visão compartilhada


construída socialmente. Diante dela, o cliente busca manter uma boa imagem,
procurando aceitação, respeito, interesse ou atração.

PLANEJAMENTO: é a definição de metas, objetivos, públicos e políticas para que a


instituição direcione seus atos de forma mais racional.

PLANO: é o resultado de um planejamento, é o documento que, partindo daquilo que


foi estabelecido no planejamento, define que tipo de atitudes será adotado para a
realização das tarefas rotineiras de assessoria de imprensa.

POLÍTICA: conjunto de normas em que se fundamenta uma atividade.

PRESS KIT: material sobre a empresa preparado pela assessoria de imprensa.


Geralmente, é montada uma pasta que inclui release(s), fotos (em papel, CD ou cromo),
folders, relatórios, amostras de produtos e, eventualmente, um brinde.

Press-release ver RELEASE


22

PÚBLICO: são os indivíduos para os quais se destina uma determinada mensagem ou o


conjunto de pessoas cujos interesses comuns são atingidos pelas ações de uma
organização e cujos atos afetam, direta ou indiretamente, os interesses da mesma.

RELATÓRIO DE ATIVIDADES: instrumento para prestar contas de diferentes


ações.

RELEASE: material distribuído para a imprensa sobre o assunto ao qual se pretende


dar divulgação. Respeita a linguagem específica dos diferentes veículos e a estrutura
discursiva básica do texto jornalístico (DUARTE, 2003). Texto preparado pela
assessoria de imprensa, com base em informações obtidas das fontes credenciadas da
organização. O.D.: Press-release.

SALA DE IMPRENSA: links específicos criados por algumas organizações em seus


sites ou portais corporativos, onde o jornalista encontra bancos de dados, notícias,
participa de entrevistas on line (tipo chat).

SUGESTÃO DE PAUTA: sugestão de uma pauta (assunto) ao veículo, por meio da


indicação de uma série de informações que possam situar o repórter sobre o tema ou
sobre os ângulos possíveis de serem abordados na notícia (UTCHITEL, 2004).

SUPORTES: o que sustenta; o que dá apoio, auxilia. (categoria organizadora)

Taxação ver CLIPPING

VERIFICAÇÃO DE IMPACTO: forma de cálculo que permite avaliar, conforme


uma escala, o impacto causado por uma atividade de assessoria que recebeu cobertura
da imprensa.

VIDEOTEXTO: sistema eletrônico interativo em que os dados são transmitidos, de


uma rede de computadores, por telefone ou televisão por cabo, ao televisor do assinante
do serviço.
23

WEBJORNALISMO: conteúdos dos sites de notícias. Textos curtos, possibilidades


quase infinitas de pesquisas em bancos de dados e links relacionados. No cotidiano das
assessorias de imprensa, representa significativa ampliação do mailing e de demandas
por informações de última hora. OD: Notícias virtuais

WORKSHOPMÍDIA: reunião de trabalho, com duração de um dia, ou menos, em que


são discutidos temas relacionados ao atendimento às demandas da mídia e ao contexto
jornalístico do momento.
24

8.1 MAPA CONCEITUAL


25

9 TESAURO

AGENTES (ASSESSORIA DE IMPRENSA)


NA Não usar esse termo como unidade indexadora, trata-se apenas de um
termo organizador.
TG Assessoria de Imprensa
TE Assessor de Imprensa
Cliente
TA Atividades
Comunicação
Formas de Contatos
Planejamento
Suportes

ANÁLISE DE CONTEÚDO
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

ANÁLISE DE DESEMPENHO
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
26

Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

A pedido
USE INFORME PUBLICITÁRIO

APONTAMENTO
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

ASSESSOR DE IMPRENSA
TG Agentes (Assessoria de Imprensa)
TA Cliente

ASSESSORIA DE IMPRENSA
UP Jornalismo Empresarial
TE Agentes
Atividades
Formas de Contatos
Comunicação
Planejamento
Suportes

ATIVIDADES (ASSESSORIA DE IMPRENSA)


NA Não usar esse termo como unidade indexadora, trata-se apenas de um
termo organizador.
TG Assessoria de Imprensa
TE Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
27

Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Gestão de Redes Sociais
Informe Publicitário
Institucional
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia
TA Agentes
Formas de Contatos
Comunicação
Planejamento
Suportes

AUDITORIA DE IMAGEM
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

BRIEFING
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
28

Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

CLIENTE
TG Agentes (Assessor de Imprensa)
TA Assessor de Imprensa

CHECK-LIST
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

Clipagem
USE CLIPPING

CLIPPING
UP Clipagem
Taxação
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Comunicado
Dossiê
House Organ
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
29

Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

COLETIVA DE IMPRENSA
TG Mídia
TA Follow-up
Lobby

COMUNICADO
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Dossiê
House Organ
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

COMUNICAÇÃO
TG Assessoria de Imprensa
TE Fonte
TA Informação
Conhecimento

CONHECIMENTO
TG Comunicação
TA Informação

CONTATO PESSOAL DIRETO


TG Formas de Contatos (Assessoria de Imprensa)
TA Contato Pessoal Indireto
Entrevista
Entrevista Coletiva
30

CONTATO PESSOAL INDIRETO


TG Formas de Contatos (Assessoria de Imprensa)
TA Contato Direto
Entrevista
Entrevista Coletiva

DOSSIÊ
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Comunicado
House Organ
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

ENQUETE
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
31

Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

ENTREVISTA
TG Formas de Contatos (Assessoria de Imprensa)
TA Contato Pessoal Direto
Contato Pessoal Indireto
Entrevista Coletiva

ENTREVISTA COLETIVA
TG Formas de Contatos (Assessoria de Imprensa)
TA Contato Pessoal Direto
Contato Pessoal Indireto
Entrevista

ESTRATÉGIAS
TG Planejamento
TA Política
Plano

EVENTO
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
32

Workshopmídia

FOLLOW-UP
TG Mídia
TA Coletiva de Imprensa
Lobby

FONTE
TG Comunicação
TA Conhecimento
Informação

FORMAS DE CONTATOS (ASSESSORIA DE IMPRENSA)


NA Não usar esse termo como unidade indexadora, trata-se apenas de um
termo organizador.
TG Assessoria de Imprensa
TE Contato Pessoal Direto
Contato Pessoal Indireto
Entrevista
Entrevista Coletiva
TA Agentes
Atividades
Comunicação
Planejamento
Suportes

GESTÃO DE REDES SOCIAIS


TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

HOUSE-ORGAN
33

TG Suportes (Assessoria de Imprensa)


TA Clipping
Comunicado
Dossiê
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

Imprensa
USE MÍDIA

INFORMAÇÃO
TG Comunicação
TE Conhecimento
TA Fonte

INFORME PUBLICITÁRIO
UP A pedido
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

INSTITUCIONAL
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
34

Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

Jornalismo Empresarial
USE ASSESSORIA DE IMPRENSA

LOBBY
TG Mídia
TA Coletiva de Imprensa
Follow-up

MAILING LIST
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Comunicado
Dossiê
House Organ
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

MÍDIA
UP Imprensa
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TE Coletiva de Imprensa
Follow-up
Lobby
TA Comunicado
Clipping
35

Dossiê
House-Organ
Nota Oficial
Opinião Pública
Press-Kit
Público
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

MÍDIA TRAINING
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
Workshopmídia

MONITORAMENTO DE REDES SOCIAIS


TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Verificação de Impacto
Workshopmídia
36

NOTA OFICIAL
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Comunicado
Dossiê
House Organ
Mailing List
Mídia
Press Kit
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

Notícias Virtuais
USE WEBJORNALISMO

OPINIÃO PÚBLICA
TG Mídia
TA Público

PLANEJAMENTO
TG Assessoria de Imprensa
TE Estratégias
Plano
Política

PLANO
TG Planejamento
TA Estratégias
Política

POLÍTICA
TG Planejamento
TA Estratégias
Plano
37

PRESS KIT
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Comunicado
Dossiê
House Organ
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

Press-release
USE RELEASE

PÚBLICO
TG Mídia
TA Opinião Pública

RELATÓRIO DE ATIVIDADES
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Comunicado
Dossiê
House Organ
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

RELEASE
UP Press-release
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Comunicado
38

Dossiê
House Organ
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

SALA DE IMPRENSA
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Comunicado
Dossiê
House Organ
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
Release
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo

SUGESTÃO DE PAUTA
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Comunicado
Dossiê
House Organ
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Videotexto
Webjornalismo

SUPORTES
NA Não usar esse termo como unidade indexadora, trata-se apenas de um
termo organizador.
39

TG Assessoria de Imprensa
TE Clipping
Comunicado
Dossiê
House Organ
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto
Webjornalismo
TA Agentes
Atividades
Comunicação
Formas de Contatos
Planejamento

Taxação
USE CLIPPING

VERIFICAÇÃO DE IMPACTO
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Workshopmídia

VIDEOTEXTO
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Comunicado
Dossiê
House Organ
40

Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Webjornalismo

WEBJORNALISMO
UP Notícias Virtuais
TG Suportes (Assessoria de Imprensa)
TA Clipping
Comunicado
Dossiê
House Organ
Mailing List
Mídia
Nota Oficial
Press Kit
Relatório de Atividades
Release
Sala de Imprensa
Sugestão de Pauta
Videotexto

WORSHOPMÍDIA
TG Atividades (Assessoria de Imprensa)
TA Análise de Conteúdo
Análise de Desempenho
Apontamento
Auditoria de Imagem
Briefing
Check-list
Editoração Eletrônica
Enquete
Evento
Informe Publicitário
Institucional
Gestão de Redes Sociais
Mídia Training
Monitoramento de Redes Sociais
Verificação de Impacto
41

REFERÊNCIAS

AUSTIN, Derek; DALE, Meter. Diretrizes para o Estabelecimento e


Desenvolvimento de Tesauros Monolíngues. Brasília: IBICT; SENAI, 1993.

BUENO, Wilson da Costa. Comunicação empresarial: teoria e pesquisa. Barueri, SP:


Manole, 2003. LUCAS, Luciane (org). Com credibilidade não se brinca ! A identidade
corporativa como diferencial nos negócios. São Paulo: Summus Editorial, 2004.

BUENO, Wilson da Costa. Comunicação empresarial no Brasil: uma leitura crítica.


São Paulo: Mojoara, 2007.

DICIONÁRIO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO. Porto: Porto Editora, 2000.

DUARTE, Jorge (Org.). Release: história, técnica, usos e abusos. In.: ___ (Org.).
Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia: teoria e técnica. São Paulo:
Atlas, 2002.

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS. Manual de


assessoria de imprensa. 2. ed. Rio de Janeiro: Federação Nacional dos Jornalistas,
1994.

GOMES, Hagar Espanha. Manual de Elaboração de Tesauros Monolíngues. Brasília:


O Programa, 1990.

KOPPLIN, E.; FERRARETTO, L.A. Assessoria de imprensa: teoria e prática. 4. ed.


Porto Alegre: Sagra DC Luzzatto, 2001.

KRIEGER, Maria da Graça; FINATTO, Maria José. Das Aplicações Terminológicas.


In: ____. Introdução à Terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2004. P.
123-144.

LIMA, Gercina Ângela Borem. Mapa Conceitual como ferramenta para organização do
conhecimento em sistema de hipertextos e seus aspectos cognitivos. Perspectivas em
Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.9 n.2, p.134-145, jul./dez. 2004.

MELLO, José Guimarães. Dicionário Multimídia: Jornalismo, Publicidade e


Informática. São Paulo: Arte & Ciência, 2003. 400 p. Disponível em:
http://books.google.com.br/books?id=I_CgjVieBHoC&printsec=frontcover&dq=Dicion
%C3%A1rio+Multim%C3%ADdia:+Jornalismo,+Publicidade+e+Inform
%C3%A1tica.&hl=pt-BR&ei=uyEYTN-
kJ8H6lwf2tbTNCw&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1&ved=0CCsQ6AEw
AA#v=onepage&q&f=false Acesso em: 29 abr. 2010.

LUCAS, Luciane (Org.). Media Training: como agregar valor ao negócio


melhorando a relação com a imprensa. São Paulo: Summus, 2007.
42

UTCHITEL, Renata. O clipping como ferramenta estratégica da assessoria de imprensa.


In: LUCAS, Luciane (org). Com credibilidade não se brinca ! A identidade
corporativa como diferencial nos negócios. São Paulo: Summus Editorial, 2004.
RABAÇA, Carlos A.; BARBOSA, Gustavo G. Dicionário de Comunicação. 2. ed. Rio
de Janeiro: Campus, 2001.

VAN DER LAAN, Regina Helena. Tesauro e Terminologia: uma inter-relação lógica.
2002. 196 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS),
Porto Alegre, 2002.