You are on page 1of 23

Curta: www.facebook.

com/OEstandartede Cristo

“A alegria do Senhor é a vossa força.”


— Neemias 8:10 —

“E faziam-se ouvir os cantores, juntamente com Jezraías, o seu superintendente.


E ofereceram, no mesmo dia, grandes sacrifícios e se alegraram;
porque Deus os alegrara com grande alegria; e até as mulheres e os meninos se alegraram,
de modo que a alegria de Jerusalém se ouviu até de longe”
— Neemias 12:42-43 —
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

Algumas citações deste Sermão

“Não há um meio para consolar os enlutados do Senhor, é uma obra especialmente caro ao
Espírito de Deus, e, portanto, não deve ser levemente estimada. A tristeza santa é preciosa diante
de Deus, e não é empecilho para a alegria piedosa.”

“Esforcemo-nos para analisar esse deleite especial e peculiar, que é aqui chamado de “A alegria
do Senhor”. Ela brota de Deus, e tem Deus como seu objetivo. O crente que está em um estado
espiritualmente saudável alegra-se principalmente em Deus, ele é feliz, porque há um Deus, e
pelo que Deus é em Sua Pessoa e Caráter. Todos os atributos de Deus tornam-se nascentes de
alegria para o Crente pensativo, pois tal homem diz dentro de sua alma, “Todos esses atributos do
meu Deus são meus; Seu poder é a minha Proteção; Sua Sabedoria é a minha Orientação, Sua
fidelidade, é o meu fundamento; Sua Graça é a minha Salvação”. Ele é um Deus que não pode
morrer, fiel e verdadeira é a Sua promessa. Ele é todo amor, e ao mesmo tempo infinitamente
Justo, supremamente Santo.

“[...] a contemplação de Deus para aquele que sabe que esse Deus é o Seu Deus para todo o
sempre é o suficiente para fazer os olhos transbordarem de lágrimas por causa da profunda,
misteriosa, indescritível bem-aventurança que enche o coração! Não havia nada no caráter de
Júpiter, ou em qualquer um dos falsos deuses dos gentios, para fazer qualquer um feliz, mas há
tudo no Caráter de Jeová, tanto para purificar o coração, e para torná-lo emocionado com deleite.
Quão doce é pensar sobre tudo o que o Senhor fez – como Ele se revelou no passado, e,
especialmente, como Ele demonstrou a Sua Glória no Pacto da Graça, e na pessoa do Senhor
Jesus Cristo! Quão encantador é o pensamento de que Ele revelou a Si mesmo para mim,
pessoalmente, e me fez ver nele meu Pai, meu Amigo, meu Ajudador, meu Deus!”

“Uma outra fonte de alegria é encontrada pelo cristão que vive perto de Deus em um profundo
senso de reconciliação com Deus, de aceitação com Deus e, ainda, além disso, de Adoção e
estreita relação com Deus. Não faz um homem feliz saber que, embora uma vez os seus pecados
tenham provocado o Senhor, todos eles são apagados, e nenhum deles permanece; embora uma
vez ele estivesse afastado de Deus e longe Dele pelas más obras, ainda assim ele é feito perto
pelo sangue de Cristo? O Senhor não é mais um Juiz irado nos perseguindo com uma espada
desembainhada, mas um Pai amoroso em cujo seio nós derramamos nossas tristezas, e
encontramos facilidade para cada pontada no coração.”

“[...] a alegria que brota do espírito de Adoção é outra parte da bem-aventurança do crente. Não
pode ser um homem infeliz aquele que pode clamar, “Aba, Pai”. O Espírito de adoção é sempre
observado pelo Amor, Alegria e Paz, que são os frutos do Espírito, porque nós não recebemos o
espírito de escravidão novamente para temer, mas temos recebido o espírito de liberdade e
alegria em Cristo Jesus. ‘Meu Deus, meu Pai’.”

“Por mais que eu possa ser feliz hoje, se eu estou em dúvida quanto ao amanhã, há um verme na
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

raiz da minha paz. Embora o passado possa agora ser doce em retrospecto, e o presente formoso
em prazer, no entanto, se o futuro é sombrio com temor, a minha alegria é apenas superficial. Se
a minha Salvação ainda é uma questão de risco e perigo, a alegria sem mistura não é minha, e a
paz profunda ainda está fora do meu alcance, mas quando sei que Aquele em quem tenho
descansado tem Poder e Graça suficientes para completar aquilo que Ele começou em mim, e
para mim; quando eu vejo a obra de Cristo não ser meia-Redenção, mas uma complete e Eterna
salvação; quando eu percebo que as promessas são estabelecidos sobre uma base imutável, e
são sim e amém em Cristo Jesus, ratificadas pelo juramento e selado pelo sangue, então a minha
alma tem contentamento perfeito! É verdade, que olhando para a frente podem ser vistas longas
avenidas de tribulação, mas a Glória está no final delas. Batalhas podem ser previstos, e ai do
homem que não as espera, mas o olho da Fé percebe a coroa da vitória. Águas profundas são
mapeadas sobre a nossa jornada, mas a Fé pode ver Jeová vadeando esses rios conosco, e ela
antecipa o dia em que subirá das margens do litoral, e entrará no descanso de Jeová; quando
recebemos essas verdades inestimáveis de Deus em nossas almas, somos satisfeitos com o favor
e plenos da bondade do Senhor. Há uma teologia que nega aos Crentes esta consolação; não
entraremos em controvérsia com ela, mas tristemente avisamos que um castigo pesado pelos
erros do sistema doutrinário reside na perda do consolo de que a Verdade teria trazido para a
alma. De minha parte, eu valorizo o Evangelho não só por aquilo que ele fez por mim no passado,
mas pelas garantias que ele me oferece da Salvação Eterna. “E dou-lhes a vida eterna, e nunca
hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão” [João 10: 28].”

“Falei da Verdade que Deus nos ama e do fato de que estamos ligados a ele por laços mais
próximos e queridos, mas, ó, quando estas Doutrinas tornam-se experiências, então somos, de
fato, ungidos com o óleo de alegria! Assim, entramos no Amor de Deus, e este adentra em nós,
quando andamos com Deus habitualmente, então a nossa alegria é como o Jordão na época da
colheita, quando transborda em todas as suas ribanceiras. Você conhece o que significa andar
com Deus – a alegria de Enoque; sentar-se aos pés de Jesus – a alegria de Maria; inclinar a
cabeça sobre o seio de Jesus – alegria familiar de João?”

“[...] a comunhão com o Senhor não é uma mera conversa para alguns de nós; nós a temos
conhecido na câmara da aflição; a conhecemos na solidão de muitas noites de descanso
interrompido, nós a conhecemos sob desânimos, e sob tristezas e difamações, e todos os tipos de
males, e nós consideramos que um copinho de comunhão com Cristo é suficiente para adoçar um
oceano cheio de tribulação! Só de saber que Ele está perto de nós, e ver o brilho de Seus
queridos olhos, transformaria até mesmo o Inferno, ele próprio, em Céu, se fosse possível para
nós desfrutarmos de Sua Presença ali!”

“[...] nós ainda sentimos que não podemos lamentar, porque o Noivo está conosco; bem-
aventurado é o homem, que, na mais terrível tempestade, não é conduzido à parte de seu Deus,
mas ainda cavalga sobre a crista das elevadas ondas mais próximas do céu! Tal felicidade é a
porção Cristã; eu não digo que cada Cristão a possui, mas tenho certeza de que todo Cristão
deveria possui-la.”
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

“Há uma estrada para o Céu, e tudo nela está seguro, mas no meio do caminho há um caminho
especial, um caminho interior, e todos os que andam nele são felizes, bem como seguros. Muitos
professos estão apenas dentro do recanto; eles andam na vala ao lado da estrada, e porque eles
estão seguros ali, se contentam em suportar todos os inconvenientes de sua caminhada. Mas
aquele que toma a coroa da Estrada elevada, e anda no centro do caminho que Deus pavimentou,
encontrará que não haverá leão ali, nem qualquer animal feroz sobe, pois ali o próprio Senhor
será seu Companheiro, e manifestará a Si mesmo a ele.”

“Muito rapidamente permita-nos considerar esse pensamento; isto é assim porque essa alegria
surge de considerações que sempre fortalecem a alma. Muito da profundidade de nossa piedade
dependerá dessa nossa reflexão; muitas pessoas, depois de terem recebido uma Doutrina,
guardam-na em uma prateleira, pois eles são ortodoxos, eles receberam a Verdade de Deus, e
eles se contentam em manter essa Verdade na mão como estoque morto. Senhores, em que
consideração pode ser isso para você: guardar os seus celeiros de trigo, se você nunca mói o
trigo para o pão, ou o semeia nos sulcos dos seus campos? O Cristão alegre é aquele usa as
Doutrinas do Evangelho como alimento espiritual como elas foram feitas para ser usadas!”

“[...] a pregação e a oração não são os fins principais do homem, mas sim a glorificação de Deus,
da qual o louvor a Deus em alta voz é uma forma. Pregar é a semeadura, a oração é a rega, mas
o louvor é a colheita.”

“Vamos ser felizes quando na congregação nos unimos em salmodia. É uma coisa lamentável
ouvir os louvores de Deus proferidos profissionalmente, como se a mera música fosse tudo; é
horrível ter uma dúzia de pessoas no banco da mesa cantando por vocês, como se fossem
procuradores de todo o conjunto! É chocante para mim estar presente em lugares de culto onde
nem um décimo das pessoas nunca se aventuram a cantar absolutamente, e estes o fazem
através de seus dentes tão suavemente, que alguém teria necessidade de ter um microscópio
inventado para os ouvidos para capacitá-lo para ouvir o esforço moribundo! Fora com tal balbucio
e assassinato de louvores a Deus! Se os corações dos homens fossem alegres e fortes, eles
desprezariam tal adoração miserável!”

“Muitos precisam de toda a religião que possam obter para alegrar os seus próprios corações, e
suas pobres famílias e vizinhos sentam-se tremendo no frio da impiedade. Sejam como aqueles
fogões bem construídos de nossas próprias casas, que propagam todo o calor na sala;
propaguem o calor da piedade em sua casa, e façam com que todos os vizinhos participem da
bênção, pois assim o texto termina: “a alegria de Jerusalém se ouviu até de longe”. A alegria do
Senhor deve ser observada em toda a vizinhança, e muitos que de outro modo poderiam ter sido
descuidados da religião verdadeira, então, perguntarão: “O que faz essas pessoas felizes, e gera
tais famílias felizes?” Sua alegria sera, assim, Missionária de Deus!”

“Adoração nos auxilia na alegria; aqueles que podem se curvar baixo o suficiente diante do Trono,
serão elevados tão alto diante deste Trono quanto o seu coração possa anelar!”
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

A Alegria do Senhor é a Força de Seu Povo


(Sermão Nº 1027)

Um Sermão pregado na manhã do Dia do Senhor, em 31 de Dezembro de 1971,


Por C. H. Spurgeon, no Tabernáculo Metropolitano, Newington.

“A alegria do Senhor é a vossa força” (Neemias 8:10)

“E faziam-se ouvir os cantores, juntamente com Jezraías, o seu superintendente.


E ofereceram, no mesmo dia, grandes sacrifícios e se alegraram; porque Deus os
alegrara com grande alegria; e até as mulheres e os meninos se alegraram, de
modo que a alegria de Jerusalém se ouviu até de longe” (Neemias 12:42-43)

No último Domingo de manhã eu falei do nascimento de nosso Salvador como sendo


cheio de alegria para o povo de Deus e, de fato, para todas as nações – (Veja Sermão de
Nº 1026, Alegria Nascida Em Belém – Sermão publicado em português pelo Projeto
Spurgeon). Em seguida, nós olhamos para a alegria a uma distância, vamos agora na
contemplação nos aproximar dela, e, talvez, como consideramos, e observamos as várias
razões para a sua existência, algumas dessas razões podem operar sobre nossos
próprios corações, e que nós possamos sair desta Casa de Oração nós mesmos
participantes desta extremamente grande alegria. Vamos considera-la tendo sido uma
manhã bem sucedido se o povo de Deus for feito alegre no Senhor, e especialmente se
aqueles que têm sido curvados e sobrecarregados na alma receberem o óleo de alegria
em vez de pranto. Não há um meio para consolar os enlutados do Senhor, é uma obra
especialmente caro ao Espírito de Deus, e, portanto, não deve ser levemente estimada. A
tristeza santa é preciosa diante de Deus, e não é empecilho para a alegria piedosa. Que
isso seja cuidadosamente observado em conexão com o nosso primeiro Texto que
abundante luto não é razão pelo que eles não deveriam rapidamente ver uma alegria
igualmente abundante, pois as mesmas pessoas que foram ordenadas por Neemias e
Esdras a alegrarem-se estavam assim derretidos com pesar penitencial, “pois todo o povo
chorava, ouvindo as palavras da lei”. A grande congregação, diante da porta das águas,
sob o ensinamento de Esdras, foi despertada e ferida até ao coração; eles sentiram a
borda da Lei de Deus como uma espada abrindo seus corações, rasgando, cortando, e
matando, e bem poderiam lamentar: então era a hora de deixá-los sentir o bálsamo do
Evangelho e ouvir a música do Evangelho, e, por isso, os antigos filhos do trovão
canalizaram as suas notas, e tornaram-se filhos da consolação, dizendo-lhes: “Este dia é
consagrado ao Senhor vosso Deus; então, não lamenteis, nem choreis. Ide, comei as
gorduras, e bebei as doçuras, e enviai porções aos que não têm nada preparado para si;
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

porque este dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto não vos entristeçais; porque a
alegria do Senhor é a vossa força” [Neemias 8:9-10].

Agora aqueles que eram penitentes, e sinceramente convertidos ao seu Deus, foram
ordenados a se alegrar. Como determinados tecidos precisam ser umedecidos antes que
eles possam levar as cores brilhantes com as quais devem ser adornados, assim nossos
espíritos precisam do adorno do arrependimento antes que possam receber a coloração
radiante de alegria. A notícia alegre do Evangelho só pode ser impressa em papel
molhado. Você já viu brilhar mais clara luz do que a que se segue uma chuva? Então, o
sol transforma as gotas de chuva em pedras preciosas, as flores olham para cima com
novos sorrisos e rostos brilhantes de seu banho refrescante, e as aves dentre os ramos
pingantes cantam com notas mais arrebatadores, porque eles tiveram uma pausa por
algum tempo. Assim, quando a alma foi saturada com a chuva de penitência, o claro
resplendor do Amor Perdoador produz flores da floração de alegria por toda parte. Os
passos pelos quais ascendem ao palácio do deleite são geralmente úmidos com lágrimas.
Luto pelo pecado é a varanda da Bela Casa, onde os convidados estão cheios da “Alegria
do Senhor”. Espero, então, que os enlutados, a quem este discurso virá, descobrirão e
apreciarão o significado dessa Divina Bênção no Sermão da Monte “Bem-aventurados os
que choram, porque eles serão consolados”.

Do nosso Texto vamos extrair vários temas de reflexão, e deveremos observar: primeiro,
há uma alegria de Origem Divina – “A alegria do Senhor”, e em segundo lugar, que esta
alegria é, para todos os que participam dela, uma fonte de força – “a alegria do Senhor é
a vossa força”. Então vamos continuar a mostrar que essa força se revela sempre
praticamente – nosso segundo texto vai nos ajudar ali: e fecharemos por perceber, em
quarto lugar, que esta alegria, e, consequentemente, essa força, estão ao nosso alcance
hoje.

I. HÁ UMA ALEGRIA DE ORIGEM DIVINA – “A alegria do Senhor”. Saltando do Senhor


como sua fonte, ela será, necessariamente, de um caráter muito elevado. Desde que o
homem caiu no Jardim, ele muitas vezes busca por seus prazeres, onde a serpente
encontra os seus; está escrito, “sobre o teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias
da tua vida”, esta foi a condenação da serpente, e o homem, com ambição apaixonada,
tem tentado encontrar seu prazer em seus apetites sensuais, e contentar a sua alma com
o miserável pó da terra. Mas as alegrias temporais não podem satisfazer uma natureza
imortal, e quando uma alma é uma vez vivificada pelo Espírito Eterno, ela não pode mais
ocupar-se com a alegria mundana, ou mesmo com os prazeres comuns da vida, do que
um homem pode respirar o vento e se alimentar dele, mas, Amados, não somos deixados
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

para procurar alegria, ela é trazida para nossas portas pelo amor de Deus, nosso Pai, a
alegria refinada e satisfatória, condizente com espíritos imortais.

Deus não nos deixou a vagar entre aquelas coisas insatisfatórias que zombam da presa
que eles convidam, Ele nos deu apetites que as coisas carnais não podem satisfazer, e
Ele providenciou satisfação adequada para esses apetites, ele armazenou em sua mão
direita deleites para todo o sempre, os quais mesmo agora Ele revela pelo Seu Espírito
para aqueles escolhidos a quem Ele instruiu a muito tempo para eles.

Esforcemo-nos para analisar esse deleite especial e peculiar, que é aqui chamado de “A
alegria do Senhor”. Ela brota de Deus, e tem Deus como seu objetivo. O crente que está
em um estado espiritualmente saudável alegra-se principalmente em Deus, ele é feliz,
porque há um Deus, e pelo que Deus é em Sua Pessoa e Caráter. Todos os atributos de
Deus tornam-se nascentes de alegria para o Crente pensativo, pois tal homem diz dentro
de sua alma, “Todos esses atributos do meu Deus são meus; Seu poder é a minha
Proteção; Sua Sabedoria é a minha Orientação, Sua fidelidade, é o meu fundamento; Sua
Graça é a minha Salvação”. Ele é um Deus que não pode morrer, fiel e verdadeira é a
Sua promessa. Ele é todo amor, e ao mesmo tempo infinitamente Justo, supremamente
Santo. Por que, a contemplação de Deus para aquele que sabe que esse Deus é o Seu
Deus para todo o sempre é o suficiente para fazer os olhos transbordarem de lágrimas
por causa da profunda, misteriosa, indescritível bem-aventurança que enche o coração!
Não havia nada no caráter de Júpiter, ou em qualquer um dos falsos deuses dos gentios,
para fazer qualquer um feliz, mas há tudo no Caráter de Jeová, tanto para purificar o
coração, e para torná-lo emocionado com deleite. Quão doce é pensar sobre tudo o que o
Senhor fez – como Ele se revelou no passado, e, especialmente, como Ele demonstrou a
Sua Glória no Pacto da Graça, e na pessoa do Senhor Jesus Cristo! Quão encantador é o
pensamento de que Ele revelou a Si mesmo para mim, pessoalmente, e me fez ver nele
meu Pai, meu Amigo, meu Ajudador, meu Deus!

Ó, se houver uma palavra fora do Céu que não pudesse ser superada, mesmo pelo brilho
do próprio Céu, é esta palavra: “Meu Deus, meu Pai,” e que doce Promessa, “Eu serei o
seu Deus, e eles serão o meu povo”. Não há consolo mais valiosa consolação a ser
encontrada; mesmo o Espírito de Deus não pode trazer para o interior do coração do
Cristão nada mais pleno de prazer do que esta bendita consideração! Quando o filho de
Deus, depois de admirar o Caráter e maravilhando-se dos atos de Deus, pode ao mesmo
tempo sentir: “Ele é o meu Deus, eu O tenho tomado para ser meu, Ele me tomou para
ser Seu; Ele agarrou-me com a mão de Seu Amor poderoso, tendo me amado com um
Amor Eterno, com as cordas de Amor Gentil Ele tem trouxe para Si mesmo “o meu
Amado é meu, e eu sou dEle” – ora, então, a sua alma dançaria jubilosamente como Davi
diante da Arca do Senhor, regozijando-se no Senhor com toda a sua força! Uma outra
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

fonte de alegria é encontrada pelo cristão que vive perto de Deus em um profundo senso
de reconciliação com Deus, de aceitação com Deus e, ainda, além disso, de Adoção e
estreita relação com Deus. Não faz um homem feliz saber que, embora uma vez os seus
pecados tenham provocado o Senhor, todos eles são apagados, e nenhum deles
permanece; embora uma vez ele estivesse afastado de Deus e longe Dele pelas más
obras, ainda assim ele é feito perto pelo sangue de Cristo? O Senhor não é mais um Juiz
irado nos perseguindo com uma espada desembainhada, mas um Pai amoroso em cujo
seio nós derramamos nossas tristezas, e encontramos facilidade para cada pontada no
coração. Ó, saibam, Amados, que Deus realmente nos ama! Eu sempre disse a vocês
que eu não poderia pregar sobre esse tema, pois é um assunto para meditar em silêncio –
uma questão para sentarmos por horas juntos e meditarmos. O Infinito amar uma criatura
insignificante, uma sombra que declina! Não é isto uma maravilha? Para Deus apiedar-se
de mim eu posso entender, para Deus condescender para ter misericórdia de mim, eu
posso compreender; mas para que Ele me ame? Para o puro amar o pecador, para o
infinitamente Grande amar um verme – é incomparável, um milagre dos milagres! Tais
pensamentos devem consolar a alma, e então, adicione a isso que o Amor Divino nos
trouxe, os Crentes, a uma relação real com Deus, para que sejamos Seus filhos e filhas, o
que, novamente, é um rio de prazer sagrado! “Porque, a qual dos anjos disse jamais: Tu
és meu Filho”. Nenhum ministro como labareda de fogo, embora perfeito em obediência,
recebeu a honra da Adoção! Para nós, mesmo para nós, criaturas frágeis de pó, é dado
um benefício negado a Gabriel, pois, por meio de Jesus Cristo, o Primogênito, nós somos
membros da família de Deus! Ó, o abismo de alegria que repousa na filiação a Deus e
herança conjunta com Cristo!

As palavras são vãs aqui. Além disso, a alegria que brota do espírito de Adoção é outra
parte da bem-aventurança do crente. Não pode ser um homem infeliz aquele que pode
clamar, “Aba, Pai”. O Espírito de adoção é sempre observado pelo Amor, Alegria e Paz,
que são os frutos do Espírito, porque nós não recebemos o espírito de escravidão
novamente para temer, mas temos recebido o espírito de liberdade e alegria em Cristo
Jesus. “Meu Deus, meu Pai”. Ó quão doce o som! Mas todos os homens de Deus não
fruem disso, você diz. Infelizmente, nós admitimos isso, mas também acrescentamos que
isso é sua própria culpa. É o direito e porção de cada Crente o viver na certeza de que ele
está reconciliado com Deus, que Deus o ama, e que ele é filho de Deus, e se ele não vive
assim, ele mesmo tem a culpa; se há qualquer faminto à mesa de Deus, é porque o
convidado limita a si mesmo, pois a festa é superabundante. Se, no entanto, um homem
vem, e oro para que todos vocês possam vir, a viver habitualmente sob um sentimento de
perdão por meio da aspersão do sangue precioso, e em um deleitoso senso de perfeita
reconciliação com o grande Deus, ele é o possuidor de uma alegria inefável e cheia de
glória! Mas, Amados, isso não é tudo. A alegria do Senhor no espírito nasce também de
uma garantia de que todo o futuro, seja ele qual for, é garantido pela Bondade Divina.
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

Sendo filhos de Deus, o Amor de Deus em relação a nós não é de caráter mutável, mas
permanece e continua imutável. O crente sente uma plena satisfação em entregar-se nas
mãos de Eterno e Imutável Amor.

Por mais que eu possa ser feliz hoje, se eu estou em dúvida quanto ao amanhã, há um
verme na raiz da minha paz. Embora o passado possa agora ser doce em retrospecto, e o
presente formoso em prazer, no entanto, se o futuro é sombrio com temor, a minha
alegria é apenas superficial. Se a minha Salvação ainda é uma questão de risco e perigo,
a alegria sem mistura não é minha, e a paz profunda ainda está fora do meu alcance, mas
quando sei que Aquele em quem tenho descansado tem Poder e Graça suficientes para
completar aquilo que Ele começou em mim, e para mim; quando eu vejo a obra de Cristo
não ser meia-Redenção, mas uma complete e Eterna salvação; quando eu percebo que
as promessas são estabelecidos sobre uma base imutável, e são sim e amém em Cristo
Jesus, ratificadas pelo juramento e selado pelo sangue, então a minha alma tem
contentamento perfeito! É verdade, que olhando para a frente podem ser vistas longas
avenidas de tribulação, mas a Glória está no final delas. Batalhas podem ser previstos, e
ai do homem que não as espera, mas o olho da Fé percebe a coroa da vitória. Águas
profundas são mapeadas sobre a nossa jornada, mas a Fé pode ver Jeová vadeando
esses rios conosco, e ela antecipa o dia em que subirá das margens do litoral, e entrará
no descanso de Jeová; quando recebemos essas verdades inestimáveis de Deus em
nossas almas, somos satisfeitos com o favor e plenos da bondade do Senhor. Há uma
teologia que nega aos Crentes esta consolação; não entraremos em controvérsia com ela,
mas tristemente avisamos que um castigo pesado pelos erros do sistema doutrinário
reside na perda do consolo de que a Verdade teria trazido para a alma. De minha parte,
eu valorizo o Evangelho não só por aquilo que ele fez por mim no passado, mas pelas
garantias que ele me oferece da Salvação Eterna. “E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão
de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão” [João 10: 28].

Agora, Amados, eu ainda não os conduzi para o interior das grandes profundezas da
alegria, embora aqueles ribeiros não sejam certamente, de maneira nenhuma, superfici-
ais; há um abismo de deleite para cada Cristão, quando ele entra em comunhão real com
Deus. Falei da Verdade que Deus nos ama e do fato de que estamos ligados a ele por
laços mais próximos e queridos, mas, ó, quando estas Doutrinas tornam-se experiências,
então somos, de fato, ungidos com o óleo de alegria! Assim, entramos no Amor de Deus,
e este adentra em nós, quando andamos com Deus habitualmente, então a nossa alegria
é como o Jordão na época da colheita, quando transborda em todas as suas ribanceiras.
Você conhece o que significa andar com Deus – a alegria de Enoque; sentar-se aos pés
de Jesus – a alegria de Maria; inclinar a cabeça sobre o seio de Jesus – alegria familiar
de João? Ah, sim, a comunhão com o Senhor não é uma mera conversa para alguns de
nós; nós a temos conhecido na câmara da aflição; a conhecemos na solidão de muitas
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

noites de descanso interrompido, nós a conhecemos sob desânimos, e sob tristezas e


difamações, e todos os tipos de males, e nós consideramos que um copinho de comu-
nhão com Cristo é suficiente para adoçar um oceano cheio de tribulação! Só de saber que
Ele está perto de nós, e ver o brilho de Seus queridos olhos, transformaria até mesmo o
Inferno, ele próprio, em Céu, se fosse possível para nós desfrutarmos de Sua Presença
ali! Infelizmente, vocês não conhecem e não podem conhecer esta felicidade, vocês que
bebem suas taças espumantes. Ouvindo o som de instrumentos de cordas, vocês não
sabem o que essa bem-aventurança significa; vocês não têm sonhado com isso, nem
poderiam entender, embora um homem a mostrasse a vocês.

Como o animal no pasto não conhece os pensamentos de longo alcance daquele que lê
as estrelas, e as linhas do firmamento, assim também o homem carnal faz tanto como um
palpite de quais sejam as alegrias que Deus tem preparado para aqueles que O amam, as
quais a qualquer dia e todos os dias, quando nossos corações as buscam, Ele nos revela
por Seu Espírito! Esta é “A alegria do Senhor” – comunhão com o Pai e com Seu Filho
Jesus Cristo. Amados, se nós chegamos a este ponto, devemos nos esforçar para manter
nossa firmeza, pois nosso Senhor nos diz: “Permanecei em Mim”, o hábito da comunhão
é a vida de felicidade!

Outra forma de “Alegria do Senhor” nos visitará praticamente todos os dias em honra de
sermos autorizados a servi-Lo. É uma alegria no valor de mundos o ser autorizado a fazer
o bem, ensinar uma criancinha as suas letras, pois Cristo dará a um coração verdadeiro
alguma prova da alegria do Senhor, se isto for feito conscientemente somente por causa
do Senhor; o suportar a porção daqueles para quem nada está preparado, visitar os
doentes, consolar o enlutado, ajudar os pobres, instruir os ignorantes, qualquer e todas
essas obras Cristãs, se feitas em nome de Jesus, irão, na sua medida, nos dispor na
alegria de Jeová! E felizes somos, Irmãos e Irmãs, se nós, quando não pudermos
trabalhar, somos capazes de ainda repousar e sofrer, pois consentimento passivo é outro
tubo de prata, através do qual “A alegria do Senhor” virá para nós! É doce sofrer sob a
vara de Deus, e sentir que se Deus nos teria feito sofrer, é a felicidade fazê-lo assim;
voltar a cair com a fraqueza da natureza, mas ao mesmo tempo com a força da Graça, e
dizer: “seja feita a Tua Vontade”. É uma alegria, quando entre pedras de moinho esmaga-
dos como uma azeitona, nada produzem, senão o óleo de gratidão; quando feridos sob o
mangual da tribulação, ainda nada se perde, senão o joio, e rende-se a Deus o precioso
grão da inteira submissão! Ora, isso é um pequeno Céu sobre a terra! Gloriar-se nas
tribulações, também, este é um alto grau da subida em direção à semelhança de nosso
Senhor. Talvez as comunhões habituais que temos com o nosso Amado, embora
extremamente preciosas, nunca serão iguais aquelas que nós fruímos quando temos de
romper espinhos e abrolhos para estar nEle. Quando nós O seguimos para o deserto,
então nós sentimos o amor de nossos cônjuges ser duplamente doce; é algo jubiloso
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

quando no meio de circunstâncias tristes, nós ainda sentimos que não podemos lamentar,
porque o Noivo está conosco; bem-aventurado é o homem, que, na mais terrível
tempestade, não é conduzido à parte de seu Deus, mas ainda cavalga sobre a crista das
elevadas ondas mais próximas do céu! Tal felicidade é a porção Cristã; eu não digo que
cada Cristão a possui, mas tenho certeza de que todo Cristão deveria possui-la.

Há uma estrada para o Céu, e tudo nela está seguro, mas no meio do caminho há um
caminho especial, um caminho interior, e todos os que andam nele são felizes, bem como
seguros. Muitos professos estão apenas dentro do recanto; eles andam na vala ao lado
da estrada, e porque eles estão seguros ali, se contentam em suportar todos os
inconvenientes de sua caminhada. Mas aquele que toma a coroa da Estrada elevada, e
anda no centro do caminho que Deus pavimentou, encontrará que não haverá leão ali,
nem qualquer animal feroz sobe, pois ali o próprio Senhor será seu Companheiro, e
manifestará a Si mesmo a ele.

Vocês Cristãos superficiais que apenas creem em Cristo, e malmente isso; cujas Bíblias
não são lidas; cujos quartos de oração não são frequentados; cuja comunhão com Deus é
uma coisa de espasmos – vocês não têm a alegria do Senhor, nem são fortes. Rogo-vos,
não descansem como vocês estão, mas façam com que a sua fraqueza consciente os
provoque a procurar os meios de força, e que os meios de força possam ser encontrados
em um remédio agradável, doce, uma vez que é proveitoso – o delicioso e eficaz remédio
da “alegria do Senhor”.

II. Mas o tempo me desapontaria ao prolongar-me sobre este mui frutífero assunto, e nós
devemos voltar para a nossa segundo ponto, o qual é – que ESSA ALEGRIA É UMA
FONTE DE GRANDE FORÇA. Muito rapidamente permita-nos considerar esse pensa-
mento; isto é assim porque essa alegria surge de considerações que sempre fortalecem a
alma. Muito da profundidade de nossa piedade dependerá dessa nossa reflexão; muitas
pessoas, depois de terem recebido uma Doutrina, guardam-na em uma prateleira, pois
eles são ortodoxos, eles receberam a Verdade de Deus, e eles se contentam em manter
essa Verdade na mão como estoque morto. Senhores, em que consideração pode ser
isso para você: guardar os seus celeiros de trigo, se você nunca mói o trigo para o pão,
ou o semeia nos sulcos dos seus campos? O Cristão alegre é aquele usa as Doutrinas do
Evangelho como alimento espiritual como elas foram feitas para ser usadas! Ora, alguns
homens podem muito bem ter um credo heterodoxo como um alguém ortodoxo, por toda
a diferença que isso faz para eles; tendo a noção de que eles conhecem, e imaginando
que conhecer é suficiente, eles não consideram, contemplam, ou estimam as Verdades
que professam crer, e, consequentemente, eles não derivam nenhum benefício a partir
deles. Agora, contemplar as grandes Verdades da Eleição divina, do Amor eterno, das
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

promessas da Aliança, da Justificação pela Fé, através do sangue de Cristo, e da


habitação e permanência perpétua do Espírito Santo em Seu povo; voltar-se sobre estas
coisas é extrair alegria delas, e isso também é fortalecimento para o espírito! Prensar as
uvas celestiais por meio da meditação, e fazer fluir adiante o vinho tinto em torrentes é
tanto um exercício de fortalecimento, quanto é emocionante. A alegria vem das mesmas
Verdades que sustentam a nossa força, e vem pelo processo de meditação.

Novamente, “A alegria do Senhor” dentro de nós é sempre o sinal e símbolo de uma vida
espiritual forte. A vivacidade Santa prenuncia vigor espiritual. Eu disse que aquele que
tinha alegria espiritual a obteve pela comunhão com Deus e comunhão com Deus é a
mais certa propulsão de força. Você não pode estar com um Deus forte sem obter força
paras si mesmo, pois Deus é sempre um Deus transformador! Contemplando e olhando
para Ele, a nossa semelhança muda até que nos tornemos em nossa medida como nosso
Deus. O calor do sul da França, o qual muitas vezes você tanto ouve, não brota de
suaves ventos amenos, mas a partir do sol; ao pôr do sol a temperatura cai. Você deve
estar em um lado da rua, na Itália, e pensa ser Maio; atravessa a rua para a sombra, e é
frio como Janeiro. O sol faz isso tudo. Um homem que caminha na luz solar da Face de
Deus, por essa mesma razão é aquecido e forte; a luz do sol da alegria normalmente
anda com o calor da vida espiritual.

À medida que a luz da alegria varia, o mesmo acontece com o calor da santa força,
aquele que habita na Luz de Deus é ao mesmo tempo feliz e forte, e aquele que vai para
a sombra, e perde a alegria do Senhor, torna-se, ao mesmo tempo, fraco; e assim a
alegria do Senhor se torna a nossa força, como sendo um indicador da sua subida ou
descida. Quando uma alma é muito vigorosa e ativa, é como a torrente que corre ao lado
da montanha, que menospreza no inverno o reconhecimento das contenções de geada;
em poucas horas as poças e riachos que se deslocam lentamente são acorrentados no
gelo. Mas a suprema nevasca deve trazer adiante toda a sua força antes que possa
algemar a apressada torrente; assim quando uma alma corre com a força sagrada da fé, é
difícil congelá-la na miséria, seu vigor assegura a sua alegria!

Além disso, o homem que possui “a alegria do Senhor”, encontra sua força em outro
aspecto, que ela o fortalece contra a tentação. O que há ali pelo que ele possa ser
tentado? Ele já tem mais do que o mundo pode oferecer como uma recompensa por
traição, ele já é rico, quem o enganará com o prêmio da injustiça? Ele já está satisfeito;
quem é aquele que pode seduzi-lo com iscas agradáveis? “Um homem como eu fugiria?”
[Neemias 6:11]. O cristão jubiloso é igualmente seguro contra a perseguição; eles podem
muito bem suportarem ser ridicularizados em ganhar tal avaliação como as que eles
ganham. “Você pode zombar”, ele diz, “mas eu sei que a verdadeira religião está dentro
de minha alma, e seu escárnio não me fará abandonar a pérola de grande valor”. Tal
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

homem é feito também forte para suportar a aflição, pois todos os sofrimentos colocados
sobre ele são apenas poucas gotas de amargura lançadas na sua taça de felicidade para
dar um tom mais profundo para a doçura que delas absorve! Tal homem se torna forte
para o serviço, também, o que não pode fazer aquele que é feliz no seu Deus? Por seu
Deus, ele salta sobre uma muralha, ou se rompe por entre tropa! Ele é forte, também,
para qualquer tipo de autossacrifício. Para Deus que tudo lhe dá, e continua a ser para ele
como sua porção perpétua, tal homem entrega tudo o que ele tem, e não pensa em
nenhuma rendição, está apenas, armazenando o seu tesouro em sua própria casa do
tesouro particular, no próprio Deus da sua Salvação! Um homem alegre, como eu tenho
agora em minha mente, é para todos os efeitos, um homem forte, ele é forte em uma
forma calma e repousante; aconteça o que acontecer, ele não é irritado ou perturbado, ele
não tem medo de más notícias, o seu coração está firme, confiando no Senhor.

O homem irritado é sempre fraco; ele está com pressa, e faz as coisas mal feitas. O
homem cheio de alegria interior é tranquilo, ele espera o momento apropriado e se inclina
na plenitude de sua força. Tal homem, embora ele seja humilde, é firme e inabalável, ele
não se deixa levar por todo o vento, ou se curva pela brisa, ele conhece o que ele sabe, e
mantém o que ele tem, e a âncora de ouro da sua esperança adentra no interior do véu, e
o prende rápido; sua força não é pretensiosa, mas real. A felicidade resultante da
comunhão com Deus não gera nele nenhuma ostentação; ele não fala do que ele pode
fazer – ele o faz! Ele não diz o que ele poderia suportar, mas ele suporta tudo o que
ocorre, ele nem sempre sabe o que ele pode fazer – sua fraqueza é mais evidente a ele
mesmo por causa da força que o Espírito Santo coloca sobre ele. Mas quando chega o
momento, a sua fraqueza apenas ilustra o Poder Divino, enquanto o homem prossegue
calmamente conquistando e para conquistar. Sua Luz interior o torna independente do sol
exterior; seus celeiros secretos o tornam independente da colheita externa; suas fontes
internas o colocam para além do pavor de que o ribeiro de Querite possa secar. Ele é
independente dos homens e dos anjos, e destemido de demônios; todas as criaturas
podem se voltar contra ele, se quiserem, mas uma vez que Deus é a sua grande alegria,
ele não sentirá a falta do seu amor ou lamentará seu ódio! Ele permanece aonde os
outros caem, ele canta aonde os outros choram, ele vence onde os outros fogem, ele
glorifica a Deus aonde os outros trazem desonra sobre si mesmos e sobre o nome
sagrado. Deus nos conceda a alegria interior que surge da força real, e é tão ligada a ela
a ponto de ser, em parte, a sua causa.

III. Mas agora tenho que apressar-me em observar, em terceiro lugar, que ESSA FORÇA
LEVA A RESULTADOS PRÁTICOS. Tenho certeza de que terei sua sincera atenção para
isso, porque em muitos de vocês eu tenho visto o resultado que segue ao que falo agora.
Eu não bajularia ninguém, mas meu coração foi cheio de ação de graças ao Deus de
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

Toda Graça quando eu vi muitos de vocês regozijando-se no Senhor em circunstâncias


dolorosas, e produzindo os frutos de uma força graciosa.

Voltem-se, então para o nosso segundo texto, e ali observarão alguns dos frutos de Santa
Alegria e força piedosa. Primeiro, isso leva a um grande louvor: “Os cantores cantaram
em voz alta”, a sua cantoria foi calorosa e entusiasmada; o canto sagrado não é uma
questão menor. O singular George Herbert disse –

“Louvar é o fim da pregação.”

Ele poderia ter ido além, e ter dito: louvar é o fim da oração? Afinal, a pregação e a
oração não são os fins principais do homem, mas sim a glorificação de Deus, da qual o
louvor a Deus em alta voz é uma forma. Pregar é a semeadura, a oração é a rega, mas o
louvor é a colheita. Deus visa a sua própria Glória, assim, deveríamos nós, e: “Aquele que
oferece o sacrifício de louvor me glorificará” [Salmos 50:23]. Sejam diligentes, então, em
cantar os Seus louvores com entendimento. Nós temos afastado harpas e trombetas e
órgãos; vamos pensar que nós realmente nos elevamos acima da necessidade deles.
Acho que fazemos bem em dispensar estas ajuda da típica dispensação, pois eles são
todos inferiores, até mesmo na música, à voz humana; certamente não há nenhuma
melodia ou harmonia, como aquelas criadas por línguas vivas. Mas pensemos que nós
não afastamos um átomo da alegria! Vamos ser felizes quando na congregação nos
unimos em salmodia. É uma coisa lamentável ouvir os louvores de Deus proferidos
profissionalmente, como se a mera música fosse tudo; é horrível ter uma dúzia de
pessoas no banco da mesa cantando por vocês, como se fossem procuradores de todo o
conjunto! É chocante para mim estar presente em lugares de culto onde nem um décimo
das pessoas nunca se aventuram a cantar absolutamente, e estes o fazem através de
seus dentes tão suavemente, que alguém teria necessidade de ter um microscópio
inventado para os ouvidos para capacitá-lo para ouvir o esforço moribundo! Fora com tal
balbucio e assassinato de louvores a Deus! Se os corações dos homens fossem alegres e
fortes, eles desprezariam tal adoração miserável!

Nesta casa todos nós tentamos cantar, mas nós não poderíamos mais fazer mais serviços
de louvor? Temos tido uma reunião de louvor de vez em quando; não deveríamos fazer
uma reunião louvor toda semana? A reunião de Oração não deveria ser mais do que
nunca animada por louvor? O canto do povo de Deus deve ser, e se eles fossem mais
cheios da força divina seria, mais constante e universal. Como pecadores cantam o louvor
de Baco nas ruas! Vocês dificilmente podem descansar no meio da noite, sem que sons
indecorosos os assustassem. Porventura os devotos do vinho cantam tão vigorosamente,
e ficaremos em silêncio? Nós não somos muitas vezes culpados de perturbar o mundo
com a nossa música; os dias em que o zelo Cristão interferiu com o ímpio parece ter
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

passado; nós temos nos estabelecido em mais ordens, e eu temo que também em mais
tibieza. Ó, pelo grito do velho Metodista! Irmãos e Irmãs, acordem seu cantar novamente!
Que o Senhor nos dê novamente um tempo de cantar, e faça com que todos nós O
louvemos com o coração e com a voz, até mesmo os adversários dirão: “O Senhor fez
grandes coisas por eles”. E vamos responder: “Sim, você falar a verdade, Ele fez grandes
coisas por nós, pelas quais nós estamos alegres”. Talvez não tenha sido tão grande a
bênção sobre as Igrejas da Inglaterra, porque elas não têm prestado devidas ações de
graças. Em todo o tempo em que estamos em apuros somos ansiosos e orantes; quando
um príncipe está doente, boletins são emitidos a cada hora ou quase isso, mas ah,
quando a misericórdia vem, poucos boletins são anunciados convidando-nos para
bendizer e louvar o nome de Deus por Suas misericórdias! Louvemos ao Senhor desde o
nascer até ao pôr-do-sol, porque grande é o Senhor, e Ele é mui digno de ser louvado!

O próximo resultado é grande sacrifício. “E ofereceram, no mesmo dia, grandes sacrifícios


e se alegraram”. Que dia é aquele em que a Igreja de Deus atualmente faz grandes
sacrifícios? Eu não vi isso no calendário recentemente. E, infelizmente, se os homens
fazem qualquer sacrifício, eles muitas vezes o fazem de um modo que indica que eles
escapariam da inflexão se pudessem! Poucos fazem grandes sacrifícios e se alegram,
você pode convencer um homem a dar uma soma considerável; um grande número de
argumentos, finalmente o vencem, e ele faz isso é porque ele teria tido vergonha de não
fazê-lo, mas em seu coração ele desejava que você não tivesse vindo neste caminho, e
tivesse ido para algum outro doador. Esse é o presente mais agradável a Deus, o que é
dado alegremente; é bom sentir que qualquer que seja o bem que você possa presentear
a Igreja, ou o pobre, ou o doente, isto é como que o dobro de benefício para você que o
dá. É bom dar, porque você ama dar, como a flor que derrama o seu perfume, porque
nunca sonhou em fazer de outra forma; ou como o pássaro que treme com a canção,
porque é um pássaro, e encontra um prazer em suas notas; ou como o sol que brilha, não
pela força, senão porque, sendo um dom, ele deve brilhar, ou como as ondas do mar, que
refletem o brilho do sol, porque é a sua natureza refletir, e não acumular a luz! Oh, ter tal
graça em nossos corações para que fizéssemos sacrifícios jubilosos ao nosso Deus! Que
o Senhor conceda que possamos ter muito desta, pois trazer as primícias à casa do
tesouro é o caminho para a bênção. Como diz a Escritura: “Trazei todos os dízimos à
casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim
nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar
sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes”.

Após isso, há a certeza de seguir outras expressões de alegria. Eles “se alegraram;
porque Deus os alegrara com grande alegria”. Eles não se limitaram a cantar e sacrificar;
quando as rodas da máquina são bem oleadas, toda a máquina prossegue facilmente, e
quando o homem tem o óleo da alegria, então, no seu negócio, e em sua família as rodas
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

de sua natureza deslizam suave e harmoniosamente, porque ele é um homem satisfeito e


feliz. Há alguns professos que imaginam que a tristeza do Senhor deve ser a sua força,
pois eles se gloriam no espírito de escravidão, e em uma experiência descrente; tendo
grande familiaridade com a corrupção de seus corações, por vezes, de um caráter
demasiado prático. Eles fazem as deformidades dos santos serem seus lugares de beleza
e os seus defeitos serem suas evidências. Tais homens denunciam todos os que se
alegram no Senhor, e somente tolerar o incrédulo. A força deles reside em serem capazes
de levá-los através de todas as catacumbas da escuridão da Natureza, e mostrar-lhes a
podridão de seus corações malignos. Bem, tal força como esta, deixem-na ter os que
quiserem, mas nós estamos persuadidos de que nosso Texto está mais próximo da
sabedoria: “A alegria do Senhor é a vossa força”. Embora nós conheçamos algo de nossa
corrupção, e o lamentamos, embora saibamos algo sobre os problemas do mundo, e às
vezes lamentamos enquanto os carregamos, ainda assim, há uma alegria na obra perfeita
de Cristo, e uma alegria em nossa união com Ele que nos eleva muito acima de todas as
outras considerações! Deus vem para nós com tal força, que não podemos deixar de
mostrar a nossa alegria em nossa vida comum.

Mas, depois, o Texto nos diz que a santa alegria conduz à felicidade da família. “E até as
mulheres e os meninos se alegraram”. É assim nesta Igreja. Eu recentemente tenho visto
várias crianças de famílias que Deus tem abençoado, e eu tenho me regozijado ao ver
que o pai e a mãe conhecem o Senhor, e que mesmo o último da família foi levado a
Jesus. Ó famílias felizes, onde a alegria não se limita a um, mas onde todos participam da
mesma! Eu não gosto muito daquele Cristianismo que faz um homem sentir: “Se eu for
para o Céu, isto é tudo o que me importa”. Ora, você é como um fogão Alemão, que eu
encontrei no quarto de um hotel em outro dia, uma espécie de fogão que exigiu toda a
madeira que eles poderiam trazer apenas para aquecer-se, em seguida, todo o calor
subiu pela chaminé. Sentamos em torno dele para aquecer-nos, porém escassa e rara
partícula de calor saiu dele para nós. Muitos precisam de toda a religião que possam
obter para alegrar os seus próprios corações, e suas pobres famílias e vizinhos sentam-se
tremendo no frio da impiedade. Sejam como aqueles fogões bem construídos de nossas
próprias casas, que propagam todo o calor na sala; propaguem o calor da piedade em
sua casa, e façam com que todos os vizinhos participem da bênção, pois assim o texto
termina: “a alegria de Jerusalém se ouviu até de longe”. A alegria do Senhor deve ser
observada em toda a vizinhança, e muitos que de outro modo poderiam ter sido descui-
dados da religião verdadeira, então, perguntarão: “O que faz essas pessoas felizes, e
gera tais famílias felizes?” Sua alegria será, assim, Missionária de Deus!

IV. E agora eu tenho que concluir. ESTA ALEGRIA, ESTA FORÇA, ESTÃO AMBAS A
NOSSO ALCANCE! “Porque Deus os alegrara com grande alegria”. Só Deus pode nos
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

dar essa grande alegria! Então, ela está ao alcance de qualquer um, pois Deus pode dar a
um, bem como a outro; se ela dependesse de nossas boas obras ou de nossas
habilidades naturais, alguns de nós jamais poderia alcançá-la, mas, se Deus é a fonte e o
doador dela, Ele pode dar para mim, assim como a você, meu Irmão, minha Irmã, e para
vocês, assim como para os outros.

Qual foi a maneira pela qual Deus deu essa alegria? Bem, primeiro, Ele a deu a essas
pessoas através de sua condição de ouvintes atentos. Eles não eram apenas ouvintes,
mas eles ouviram com os seus ouvidos, seus ouvidos estavam na Palavra, que foi lida
para eles; e sugaram-na, recebendo-a em suas almas. Um ouvinte atento está no
caminho para ser um receptor de alegria! Tendo-a ouvido, eles sentiram o poder dela, e
eles choraram. Será que isso parece o caminho para a alegria? Isto deveria acontecer!
Eles receberam as ameaças da Lei com todos os seus terrores em suas almas, eles
deram-se para que o martelo da Palavra os quebrasse em pedaços; eles se submeteram
à Palavra de Reprovação. Ó, que Deus incline a todos a fazer o mesmo, por essa, mais
uma vez, é a maneira pela qual Deus concede alegria! A Palavra é ouvida, a Palavra é
sentida; então depois disso, quando eles sentiram o Poder da Palavra, vemos que eles
adoraram a Deus devotamente. Eles curvaram a cabeça, suas posturas indicaram o que
eles sentiam interiormente; adoradores com corações penitentes realmente adoram a
Deus; eles nunca reclamarão de Domingos cansativos. Adoração nos auxilia na alegria;
aqueles que podem se curvar baixo o suficiente diante do Trono, serão elevados tão alto
diante deste Trono quanto o seu coração possa anelar! Lemos, também, que esses
ouvintes e adoradores compreenderam claramente o que ouviram. Nunca estejam
contentes em ouvir um sermão a menos que vocês possam compreendê-lo, e se há uma
Verdade que está sobre vocês; esforcem-se por ela, lutem para conhecê-la; leitor da
Bíblia, não se contente em ir através das Palavras do Capítulo – Ore ao Espírito Santo
para que lhe diga o significado, e use os meios apropriados para descobrir qual o signi-
ficado! Pergunte a quem conhece, e use seu próprio julgamento esclarecido para desvelar
o sentido. Quando é que vamos ter acabado com o formalismo da adoração, e entrarmos
em adoração viva? Às vezes, por todo o verdadeiro cantar que há aqui, a música poderia
muito bem ser em Latim ou em Grego. Ah, conhecer o que vocês estão cantando, saber o
que vocês estão dizendo em oração, saber o que vocês estão lendo, obter isso, chegar
corretamente a isso, compreender isso – este é o caminho para a Santa Alegria.

E um outro ponto; aquelas pessoas, quando entenderam o que tinham ouvido devota-
mente, estavam ansiosas para obedecer. Eles obedeceram, não só os pontos comuns da
Lei em que o antigo Israel havia decorado com exemplos, mas eles descobriram uma
instituição antiga, que havia sido enterrada e esquecida. O que foi aquilo para eles? Deus
havia ordenado, e eles a celebração, e ao fazê-lo, esta alegria peculiar veio sobre eles. Ó,
o momento em que todos os Crentes buscarão a Palavra de Deus; quando eles não se
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

contentarão em dizer: “Eu me juntei a certo corpo de Cristãos, e eles fazem isso, e por
isso eu o faço”. Que nenhum homem diga mais a si mesmo: “Tal é a regra de minha
Igreja”, mas que possa, cada um, dizer: “Eu sou servo de Deus, e não servo de homem;
nem o servo de trinta e nove artigos; do Livro de Oração, ou do Catecismo. Eu me firmo
em meu próprio Mestre, e o único Livro da Lei que reconheço é o Livro de Sua Palavra,
Inspirada pelo Seu Espírito”. Ó, bendito dia, quando cada homem dirá: “Eu quero saber se
eu estou errado; eu desejo saber o que estou a fazer; estou ansioso para seguir o Senhor
plenamente”. Bem, então, se a sua alegria em Deus o conduz à obediência prática, você
pode estar certo de que isso o tornou forte da melhor maneira.

Amados Irmãos e Irmãs, tivemos, antes de que eu fosse embora para o descanso
necessário, um verdadeiro espírito de oração entre nós. Eu parti para o Continente
alegremente, porque eu deixei com vocês os nomes de cerca de 80 pessoas sugeridas
para a membresia da Igreja. Meus amados Oficiantes, com grande diligência, visitaram
estes e outros, e no próximo Dia do Senhor esperamos receber mais de uma centena,
talvez uns 120 novos membros na Igreja. Bendito seja Deus por isso! Eu não iria sentir
ser fácil partir, se vocês estivessem em um estado estéril, frio, morto; mas havia um fogo
real em chamas no altar de Deus e as almas estavam sendo salvas! Agora eu desejo que
este zelo gracioso continue a ser renovado; este não se foi na minha ausência, eu creio,
mas eu anelo que agora uma nova explosão do Espírito de Deus sopre a chama mui
veemente. Vamos nos reunir amanhã para a oração, e faça com que a oração seja muito
diligente! E permitam que esses lutadores quem tem sido movidos por súplica agonizante;
renovem o ardor e fervor de seus desejos, e que possamos ser um povo forte e,
consequentemente, um povo alegre na força e alegria do Senhor! Que os pecadores em
grande número olhem para Jesus e sejam salvos! Amém e amém.

Porção da Escritura lida antes do Sermão: Neemias 8.

[Adaptado de The C. H. Spurgeon Collection, Version 1.0, Ages Software. Veja todos os 63 volumes de sermões
CH Spurgeon em Inglês Moderno, e mais de 525 traduções em espanhol, acesse: www.spurgeongems.org]

ORAMOS PARA QUE O ESPÍRITO SANTO APLIQUE, COM PODER, O QUE DELE HÁ NESTE
SERMÃO, AO SEU CORAÇÃO E AO NOSSO, POR CRISTO PARA A GLÓRIA DE CRISTO. ORE PARA
QUE O ESPÍRITO SANTO USE ESTE SERMÃO PARA TRAZER MUITOS AO CONHECIMENTO
SALVADOR DE JESUS CRISTO, PELA GRAÇA DE DEUS. AMÉM!
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

Fonte: SpurgeonGems.org │Título Original: “The Joy of the Lord, The Strength of His People”

As citações bíblicas desta tradução foram retiradas da versão ACF (Almeida Corrigida Fiel)

Tradução e Capa por Camila Rebeca Almeida │ Revisão por William Teixeira

Baixe mais e-books semelhantes a este: http://www.4shared.com/folder/ifLC3UEG/_online.html

Você tem permissão de livre uso deste e-book e o nosso incentivo a distribuí-lo, desde que não
altere o seu conteúdo e/ou mensagem de maneira a comprometer a fidedignidade e propósito
do texto original, também pedimos que cite o site OEstandarteDeCristo.com como fonte. Jamais
faça uso comercial deste e-book.

Se o leitor quiser usar este sermão ou um trecho dele em seu site, blog ou outro semelhante, eis
um modelo que poderá ser usado como citação da referência:

Título – Autor
Corpo do texto
Fonte: SpurgeonGems.Org
Tradução: OEstandarteDeCristo.com

(Em caso de escolher um trecho a ser usado indique ao final que o referido trecho é parte deste
sermão, e indique as referências (fonte e tradução) do sermão conforme o modelo acima).

Este é somente um modelo sugerido, você pode usar o modelo que quiser contanto que cite as
informações (título do texto, autor, fonte e tradução) de forma clara e fidedigna.

QUEM SOMOS:

O Estandarte de Cristo é um projeto cujo objetivo é proclamar a Palavra de Deus e o Santo


Evangelho de Cristo Jesus, para a glória do Deus da Escritura Sagrada, através de traduções
inéditas de textos de autores bíblicos fiéis, para o português. A nossa proposta é publicar e
divulgar traduções de escritos de autores como os Puritanos e também de autores posteriores
àqueles como Robert Murray McCheyne, Charles Haddon Spurgeon e Arthur Walkington Pink.
Nossas traduções estão concentradas nos escritos dos Puritanos e destes últimos três autores.

O Estandarte é formado por cristãos que buscam estudar e viver as Escrituras Sagradas em todas
as áreas de suas vidas, holisticamente; para que assim, e só assim, possam glorificar a Deus e
deleitar-se nEle desde agora e para sempre.

♦ Contato: OEstandarteDeCristo@outlook.com
♦ Visite nossas páginas no Facebook:
facebook.com/OEstandarteDeCristo | facebook.com/CharlesHaddonSpurgeon.org
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

Uma Biografia de Charles Haddon Spurgeon

Charles Haddon Spurgeon (1834 – 1892)

Charles Haddon Spurgeon (19 de junho de 1834 — 31 de janeiro de 1892) foi um pregador Batista
Reformado, nascido em Kelvedon, Essex na Inglaterra. Converteu-se ao cristianismo em 6 de
janeiro de 1850, aos quinze anos de idade.

Sobre a sua conversão, afirma-se de 1848 a 1850, Charles Spurgeon teve um período de muitas
dúvidas e amarguras. Esteve sob grande convicção de pecado. Ficou convicto que não era um
cristão de fato, mesmo sendo criado em todo o ambiente religioso de sua família e região, e sobre
forte influência puritana e não-conformista.

Durante o mês de dezembro de 1849, houve uma epidemia de febre na escola de Newmarket. O
educandário foi fechado temporariamente, e Charles foi para casa, para Colchester, para estar lá
durante o tempo do Natal. Spurgeon a expressou da seguinte forma: “Às vezes penso que eu
poderia ter continuado nas trevas e no desespero até agora, se não fosse a bondade de Deus em
mandar uma nevasca num domingo de manhã, quando eu ia a um certo local de culto. Dobrei
uma esquina, e cheguei a uma pequena Igreja Metodista Primitiva. Umas doze ou quinze pessoas
estavam ali presentes (...). O ministro não tinha vindo nessa manhã; suponho que foi impedido
pela neve. Por fim, um homem muito magro, um sapateiro, ou alfaiate, ou algo do gênero, subiu
ao púlpito para pregar. Pois bem, é bom que os pregadores sejam instruídos, mas esse homem
era realmente ignorante. Ele foi obrigado a ficar grudado no texto pela simples razão de que tinha
muito pouco para dizer. O texto era – “Olhai para Mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da
terra” (Isaías 45:22). Ele nem sequer pronunciou corretamente as palavras, mas isso não teve
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

importância. Ali estava, pensei eu, um vislumbre de esperança para mim nesse texto.” Depois de
certo tempo, o ministro apelou aos presentes que olhassem para Jesus Cristo. Spurgeon olhou
para Jesus com fé e arrependimento, tendo Ele como seu Salvador e substituto, e foi salvo.

Tal era seu amor por Cristo que, apesar de ainda estar com apenas quinze anos de idade, não
pôde ficar esperando para depois fazer alguma coisa por Ele, mas teve que procurar os meios
pelo qual pudesse servi-lo, e servi-lo imediatamente.

Aos dezesseis, pregou seu primeiro sermão; no ano seguinte tornou-se pastor de uma igreja
batista em Waterbeach, Condado de Cambridgeshire (Inglaterra). Em 1854, Spurgeon, então com
vinte anos, foi chamado para ser pastor na capela de New Park Street, Londres, que mais tarde
viria a chamar-se Tabernáculo Metropolitano.

Desde o início do ministério, seu talento para a exposição dos textos bíblicos foi considerado
extraordinário. E sua excelência na pregação nas Escrituras Bíblicas lhe deram o título de O
Príncipe dos Pregadores e O Último dos Puritanos.

Com o passar do tempo, Charles Haddon Spurgeon tornou-se célebre, e recebia convites para
pregar em outras cidades da Inglaterra, bem como em outros países. Ele pregava não só em
reuniões ao ar livre, mas também nos maiores edifícios de 8 a 12 vezes por semana.

Casou-se em 20 de setembro de 1856 com Susannah Thompson e teve dois filhos, os gêmeos
não-idênticos Thomas e Charles. Fazíamos cultos domésticos sempre; quer hospedados em um
rancho nas serras, quer em um suntuoso quarto de hotel na cidade. E a bendita presença do
Espírito Santo, que muitos crentes dizem ser impossível alcançar, era para nós a atmosfera
natural. Vivíamos e respirávamos nEle, relatou, certa vez, Susannah. Thomas Spurgeon chegou a
pastorear o Tabernáculo Metropolitano 2 anos após a morte de seu pai.

Os sermões pregados por Spurgeon domingo de manhã, eram publicados na quinta-feira


seguinte, (e revisados pelo próprio Spurgeon) e os sermões pregados domingo à noite e quinta-
feira à noite eram reservados para futura publicação: isso e mais alguns sermões escritos por
Spurgeon quando doente formaram um tal acervo que garantiu a publicação semanal até o ano da
morte de Spurgeon, (até essa data, 2241 publicados) e dos outros até 1917, totalizando 3.653
sermões publicados divididos em 63 volumes (maior que a Enciclopédia Britânica e até hoje
considerada a maior quantidade de textos escritos por um único cristão em toda a história da
cristianismo).

Muitos sermões de Spurgeon eram enviados via telegrafo aos Estados Unidos e republicados lá:
depois de 1865, muitos deles foram censurados, pelo fato de Spurgeon ser totalmente contra a
escravidão dos negros africanos. Também escreveu e editou 135 livros durante 27 anos (1857-
1892) e editou uma revista mensal denominada A Espada e a Espátula. Seus vários comentários
bíblicos ainda são muito lidos. (O seu “Tesouro de Davi”, uma compilação de comentários sobre
os Salmos, levou mais de 20 anos para sua conclusão).
Curta: www.facebook.com/OEstandartede Cristo

Spurgeon enfrentou muita oposição no fim de seu ministério; pelos idos de 1887-1888, ele foi
envolvido na que se chamou “A controvérsia do declínio”, quando Spurgeon criticou duramente
muitos membros da União das Igrejas Batistas da Inglaterra (do qual ele era afiliado) que estavam
afrouxando a sua pregação diante do liberalismo teológico e da Alta crítica ( movimento que
invocava a ideia de ser uma acurada investigação da historicidade da Bíblia, mas que na prática
negava a Infalibidade e a Inerrância da Palavra de Deus).

Até o último dia de pastorado, Spurgeon batizou 14.692 pessoas. Nesse meio tempo, Spurgeon
teve sua saúde grandemente debilitada. Desenvolveu, por volta dos 25 nos, Gota e Reumatismo,
e grandes ataques de depressão, principalmente depois de 1857, quando um culto realizado em
Surrey Garden foi organizado para cerca de 10.000, e devido a um tumulto provocado por um
falso alarme de incêndio, levou a morte de 6 pessoas.

Quanto mais a idade avançava, mais essas enfermidades o debilitavam. Pelo que registrado em
suas Biografias, ele teve uma melhora da Gota, mas mesmo dessa forma, nunca esteve em pleno
vigor novamente. Sua mulher também tinha graves problemas de saúde, e isso agravava mais
ainda a situação. Por diversas vezes, Charles teve que se ausentar de seu púlpito por
recomendação médica. Chegou a passar um período de férias em 1864 (quando viajou até a
Itália), e depois, muitas vezes, sempre no fim do ano, se hospedava em Menton, Sul da França,
pelo clima mais quente que na Inglaterra, e também por recomendação médica. Depois de 1887,
foram cada vez mais constantes essas viagens, chegando a passar meses em retiro.

Nessa época, foi diagnosticado com doença de Bright, uma doença degenerativa e crônica, sem
cura. Muitos sermões seus eram lidos, e outros escritos e enviados ao Tabernáculo para leitura,
para suprir a falta do pastor. Em 1891, sua condição se agravou mais, forçando Spurgeon a
convidar o pastor presbiteriano Arthur Pierson dos Estados Unidos para assumir temporariamente
a função principal no Tabernáculo; e Spurgeon ficou em Menton até 31 de janeiro de 1892,
quando, depois de alguns dias de melhora de seu estado, houve uma grande deterioração de sua
saúde, levando ao óbito nessa data, aos 57 anos.

O corpo de Spurgeon foi trasladado da França para Inglaterra. Na ocasião de seu funeral – 11 de
fevereiro de 1892 – muitos cortejos e cultos foram organizados em Londres, e seis mil pessoas
leram diante de seu caixão o texto de sua conversão. Spurgeon está sepultado no cemitério de
Norwood, com uma placa que diz: “Aqui jaz o corpo de CHARLES HADDON SPURGEON,
esperando o aparecimento do seu Senhor e Salvador JESUS CRISTO”.

______________________
Esta biografia é baseada nas seguintes fontes:

♦ Site ProjetoSpurgeon.com.br

♦ DALLIMORE, A. Arnald. Spurgeon – Uma Nova Biografia. Editora PES.