You are on page 1of 4

B

NÍVEL

1. Explica o sentido da expressão “explosão demográfica” quando nos referimos à atual fase da evolução da
população mundial (Fig. 1).
FIG. 1 A evolução da população mundial nos últimos 500 anos

Fonte: US Census Bureau


2. Lê a notícia do Doc. 1 e responde. DOC. 1

2.1 Identifica o indicador demo- Em 2011, Angola tinha a maior taxa de natalidade do mundo
gráfico responsável pelo au-
mento da população. Angola registou a maior taxa de natalidade do mundo, em 2011, tendo
metade da população menos de 18 anos, segundo as Nações Unidas.
2.2 Relaciona a notícia com a A estimativa consta do relatório da ONU sobre o crescimento da população
atual fase evolutiva da popu- mundial, divulgado a 31 de outubro, dia em que o planeta Terra passou a
lação mundial. hospedar o seu habitante 7 000 000 000 (sete mil milhões).
A ONU estima a população angolana em cerca de 19 milhões de habitantes
(2011), com um crescimento de cerca de três por cento ao ano no futuro
próximo, o que é considerado muito elevado.
Fonte: Angonotícias, 07/11/2011 (adaptado)

3. O mapa da Fig. 2 mostra a variação da densidade populacional no mundo.


3.1 Identifica duas grandes concentrações populacionais situadas em continentes diferentes.
3.2 Enumera dois fatores que explicam essas concentrações populacionais:
3.2.1 um fator demográfico;
3.2.2 um fator socioeconómico.

FIG. 2 Densidade populacional no mundo


Fonte: CIESIN, Columbia University, GPW – Future Estimates (2015)
B

NÍVEL
FIG. 3
4. Observa a Fig. 3 e responde às seguintes questões.
4.1 Explica o significado do termo “vazio humano”.
4.2 Indica duas causas que expliquem a existência de
“vazios humanos”, sendo que uma delas deve
estar relacionada com a Fig. 3.
4.3 Indica a que lugar do mapa da Fig. 2 (A a H)
podemos associar a paisagem da Fig. 3 e iden-
tifica a respetiva região geográfica.

FIG. 4 Evolução das taxas de crescimento


5. Observa a Fig. 4 e responde às seguintes questões. natural em dois países do mundo
5.1 Identifica a taxa de crescimento natural que
corresponde a um país em desenvolvimento
(A ou B).
5.2 Relaciona o crescimento demográfico desses
países com a evolução da população mundial.
5.3 Aponta uma característica da outra taxa de
crescimento natural que justifique tratar-se de

Fonte: ONU
um país desenvolvido. Justifica.

6. Observa as pirâmides de idades das Figs. 5 e 6.


6.1 Classifica a estrutura etária das duas pirâmides.
6.2 Qual delas traduz a população de um país desenvolvido?
6.3 Descreve o comportamento dos indicadores demográficos (natalidade; fecundidade; mortalidade;
esperança de vida) nessa pirâmide etária.
6.4 Aponta uma consequência para estas populações, relacionada com o nível da natalidade e da
fecundidade.

FIG. 5 FIG. 6

Fonte: US Census Bureau Fonte: US Census Bureau


7. A estrutura etária de uma população pode implicar políticas demográficas diferentes.
7.1 Refere o significado de uma política antinatalista.
7.2 Indica em que tipo de países se devem aplicar políticas antinatalistas, identificando um deles.
7.3 Associa as medidas antinatalistas a uma das populações das Figs. 5 ou 6, e dá dois exemplos concretos
desse tipo de medidas.

8. Lê a notícia do Doc. 2 e responde.

DOC. 2
Em Mora, a câmara incentiva
a natalidade
Ana Leonor Salgueiro, 27 anos, e Luís Salgueiro, 41 anos, receberam o
subsídio pelo nascimento de Alice, a 18 de março de 2013.
Puseram o dinheiro numa conta para a filha. “Se não estivéssemos os dois
a trabalhar, se calhar tínhamos usado para comprar coisas para a Alice”,
diz a mãe, acrescentando que os produtos para os bebés são “muito caros”
e que, sempre que pode, compra “marca branca”.
Também este casal não pondera ter mais filhos: “Só se vier por acidente
de percurso... Agora, gostar, gostar, gostava de mandar vir um menino,
um João Luís... Mas isto está muito mau”, desabafa Ana. “Ter um filho é
muito dispendioso. E este contexto não ajuda.”
Fonte: Público, 17/02/2014 (adaptado)

8.1 Identifica o tipo de medidas demográficas aí expresso.


8.2 Explica a razão da sua implementação, de acordo com o texto.
8.3 Aponta duas consequências para Portugal, caso a atual evolução da população não se altere.