You are on page 1of 47

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO CERRADO

PATROCÍNIO
Graduação em Engenharia Civil

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E


DEMOLIÇÃO NA CIDADE DE COROMANDEL/MG.

Helder Silva e Sousa

PATROCÍNIO
2017
HELDER SILVA E SOUSA

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E


DEMOLIÇÃO NA CIDADE DE COROMANDEL/MG.

Trabalho de conclusão de curso apresentado


como exigência parcial para obtenção do grau
de Bacharelado em Engenharia Civil, pelo
Centro Universitário do Cerrado Patrocínio.

Orientador: Prof. Marcelo de Oliveira

PATROCÍNIO
2017
RESUMO

O setor da construção civil, é sem dúvida um dos mais importantes para a economia
e desenvolvimento social do Brasil. Mas no sentido contrário, é um dos setores que
mais gera resíduos, contribuindo assim para grandes impactos no meio ambiente, seja
pelo consumo de recursos dos naturais, modificação de toda a paisagem natural e
para a geração de resíduos. Necessitamos de mais conscientização, tanto por parte
dos governantes, quanto da população em geral. Conciliando assim, produção com
desenvolvimento sustentável, menos agressivo ao meio ambiente. E observando a
atual situação do gerenciamento de resíduos, na cidade de Coromandel/MG, foi que
surgiu a ideia da realização deste projeto. Este trabalho, visa apresentar a atual
situação do gerenciamento de resíduos de construção e demolição, que está em vigor
na cidade de Coromandel/MG, e comparar com as principais leis, normas e regras
vigentes, apresentando a forma correta de gerenciamento, acima de tudo respeitando
a saúde da população e o meio ambiente.

Palavras-chave: Construção Civil. Gerenciamento de Resíduos Provenientes de


Construção e Demolição. Impactos Ambientais. Desenvolvimento Sustentável.
LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Resíduos descartado de forma incorreto. ................................................... 9


Figura 2 - Descarte incorreto do entulho. .................................................................. 13
Figura 3 - Resíduos descartados em frente residência. ............................................ 14
Figura 4 - Sustentabilidade........................................................................................ 26
Figura 5 - Diagrama da pesquisa. ............................................................................. 28
Figura 6 - RCDs descartados sem gerenciamento correto........................................ 33
Figura 7 - Transporte de caçamba com entulho. ....................................................... 33
Figura 8 - Aterro municipal de Coromandel/MG. ....................................................... 34
Figura 9 - Aterro sanitário não está conforme a Lei estadual de Resíduos Sólidos. 35
Figura 10 - Maquinário para reciclagem de blocos de concreto. ............................... 36
Figura 11 - Brita Graduada reciclada de RCDs. ........................................................ 37
Figura 12 - Utilização de agregado reciclado - Meio Fio. .......................................... 37
Figura 13- Entulho descartado na frente de uma residência. .................................... 38
Figura 14 - Descarte irregular do entulho em um terreno. ......................................... 38
Figura 15 - Entulho utilizado para armazenar materiais. ........................................... 39
Figura 16 - Entulho descartado em caçamba ............................................................ 39
Figura 17 - Caminhão faz o recolhimento da caçamba com o entulho...................... 40
Figura 18 - Resíduos descartados em lotes vagos. .................................................. 40
Figura 19 - Localização do aterro sanitário na cidade de Coromandel/MG. .............. 41
Figura 20 - Caminhão realizando o descarte do entulho no aterro municipal. .......... 41
Figura 21 - Entulho que será utilizado para realização do aterramento.. .................. 42
LISTA DE SIGLAS

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas


ABRECON Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da
Construção Civil
ATT Áreas de Transbordo e Triagem
CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente
IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
PIB Produto Interno Bruto
PMGRCC Plano Municipal de Gestão dos Resíduos da Construção
Civil
PNRS Política Nacional dos Resíduos Sólidos
RCC Resíduos de Construção Civil
RCD Resíduos de Construção e Demolição
RV Resíduos Volumosos
SGRCC Sistema de Gestão Sustentável de Resíduos da
Construção Civil e Resíduos Volumosos
SINDUSCON-MG Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de
Minas Gerais
SISNAMA Sistema Nacional de Meio Ambiente
SLU Superintendência de Limpeza Urbana.
URPV Unidade de Recebimento de Pequenos Volumes.
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 9
1.2 Delimitação do tema ................................................................................................................ 11
1.3 Objetivos ..................................................................................................................................... 11
1.3.1 Objetivo Geral .................................................................................................. 11
1.3.2 Objetivos específicos........................................................................................ 12
1.4 Justificativa ................................................................................................................................. 12
2 REVISÃO DA LITERATURA ................................................................................. 16
2.1 Lixo ............................................................................................................................................... 16
2.2 Resíduo da construção civil .................................................................................................. 16
2.3 Reutilização, reciclagem e beneficiamento ...................................................................... 17
2.4 Aterro de resíduos da construção civil ............................................................................... 17
2.5 Áreas de destinação de resíduos ........................................................................................ 17
2.6 Geradores ................................................................................................................................... 18
2.7 Transportadores........................................................................................................................ 18
2.8 Agregado reciclado .................................................................................................................. 18
2.9 Gerenciamento de resíduos .................................................................................................. 18
2.10 Legislação e normas pertinentes ...................................................................................... 19
2.10.1 Resolução Conama n° 307, de 05 de julho de 2002 ...................................... 19
2.10.2 Plano Nacional de Resíduos Sólidos.............................................................. 22
2.10.2 Política Estadual de Resíduos Sólidos Lei n° 18.031 ..................................... 23
2.10.3 Norma Brasileira NBR 15.112: 2004 .............................................................. 24
2.10.4 Norma Brasileira NBR 15.114: 2004 .............................................................. 24
2.10.5 Norma Brasileira NBR 15.116: 2004 .............................................................. 24
2.11 Sustentabilidade ..................................................................................................................... 25
3 METODOLOGIA .................................................................................................... 27
3.1 Analise das leis, normas e resoluções vigentes ............................................................. 28
3.1.1 Analise da Resolução Conama n° 307, de 05 de julho de 2002....................... 28
3.1.2 Analise do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Lei n° 12.305 ........................ 29
3.1.3 Política Estadual de Resíduos Sólidos Lei n° 18.031 ....................................... 29
3.1.4 Normas Brasileiras NBR 15.112, NBR 15.114 e NBR 15.116 .......................... 30
3.2 Pesquisa de campo, sobre a situação dos RCDs na cidade de Coromandel ....... 30
3.3 Pesquisa de campo sobre os locais de descarte de RCDs em Coromandel/MG 31
4 RESULTADOS E DISCURSÕES ........................................................................... 32
4.1 Comparação do gerenciamento dos RCDs de Coromandel/MG com a .................
Resolução Conama n° 307 .............................................................................................. 32
4.2 Comparação da situação de Coromandel/MG com o Plano Nacional de ...............
Resíduos Sólidos Lei n° 12.305 ..................................................................................... 34
4.3 Política Estadual de Resíduos Sólidos Lei n° 18.031 ................................................... 34
4.4 Comparação do gerenciamento de Coromandel/MG com as Normas ...................
Brasileiras NBR 15.112, NBR 15.114 e NBR 15.116 .............................................. 35
4.5 Levantamento sobre a situação dos RCDs na cidade de Coromandel/MG........... 38
4.6 Principais locais de descarte dos RCDs no município de Coromandel/MG .......... 40
5 CONCLUSÃO ........................................................................................................ 43
REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 45
9

1 INTRODUÇÃO

A construção civil, é de fundamental importância para o desenvolvimento da


sociedade, nos moldes como hoje é conduzida, ela se apresenta como uma grande
geradora de resíduos de construção e demolição (RCD). Grande parte dos processos
construtivos feitos no Brasil, são realizados de maneira manual e tem a sua execução
sendo realizada praticamente no canteiro de obras, onde os resíduos de construção
e demolição, que são bastante degradadores do meio ambiente, acabam causando
também problemas de logística e financeiros (NAGALLI, 2014).

Atualmente observa-se que o ser humano vem debatendo muito sobre as


consequências que o crescimento do setor urbano tem sobre o meio ambiente.
Uma população não consciente sobre os riscos de não cuidar do meio ambiente
sofrerá as consequências no futuro.

A falta de conhecimento ou de uma orientação, faz com que o ser humano acabe
prejudicando o próprio meio ambiente em que vive. Em consequência da própria falta
de informação e conhecimento, o município de Coromandel/MG, atualmente vem
enfrentando um grande problema, que são o acúmulo de RCDs, como na (FIG.1).

Figura 1 - Resíduos descartado de forma incorreto.


Fonte: Elaborado pelo autor.
10

Problemas relacionado aos RCDs, não são exclusivos apenas do município de


Coromandel/MG, mas de grande parte das cidades não só no Brasil, mas em todo o
mundo. Nas últimas décadas, os RCDs vêm recebendo uma atenção especial de
construtores e pesquisadores especializados, de várias partes do mundo (NAGALLI
2014).

Isso se deve, exclusivamente ao fato de que os RCDs, a cada dia estão se tornando
um dos principais responsáveis pela poluição ambiental (Yuan; Shen; Li, 2011; Jailon;
Poon; Chiang, 2009).

Somente no início dos anos 2000, foi que começaram a surgir as diretrizes, critérios e
procedimentos adequados, para a gestão de resíduos de construção e demolição no
Brasil, como a Resolução Conama n°307 (CONAMA, 2002), que estabelece as
diretrizes, critérios e procedimentos adequados para a gestão correta destes resíduos.

Este projeto de conclusão de curso foi elaborado para a finalidade de demonstrar a


existência de legislação pertinente ao caso em tela, mas principalmente para
demonstrar os risos ao meio ambiente e a população, causados pelo acúmulo dos
resíduos de construção e demolição.

As leis, Normas e Resoluções serão apresentadas, comprovando a real necessidade


de ter a população da cidade de Coromandel/MG consciente de seu papel na
sociedade quanto a forma correta de tratar com estes resíduos.

Segundo Nagalli (2014) deve sempre atuar como um conjunto de ações que sejam
operacionais, cujo o seu objetivo é minimizar a geração de resíduos em um
empreendimento ou atividade.
11

1.2 Delimitação do tema

O setor da construção civil, é de grande importância para a geração de empregos e


de renda, na cidade de Coromandel/MG. Nos últimos anos foram construídas várias
residências e empreendimentos comerciais na cidade, principalmente com o
surgimento de novos bairros e zonas habitacionais, que consequentemente
contribuíram para o surgimento de RCDs.

Avaliou-se a atual situação de coleta, transporte, armazenamento, áreas de descarte,


e os impactos que os RCDs, vem causando ao meio ambiente.

Verificou-se o que exige as leis e regulamentos, Resolução Conama n°307


(Conama,2002) e o Plano Nacional de Resíduos Sólidos (Lei Federal n° 12.305 –
Brasil, 2010) pertinentes ao gerenciamento de resíduos de construção e demolição,
atualmente em vigor na cidade.

1.3 Objetivos

1.3.1 Objetivo Geral

O presente trabalho de conclusão de curso, tem como objetivo geral demonstrar os


riscos ao meio ambiente e a população, que são causados pelo acúmulo dos RCDs.
Será comparado a atual situação do gerenciamento de RCDs de Coromandel/MG,
com as leis, normas e resoluções atualmente vigentes.
12

1.3.2 Objetivos específicos

• Levantar os impactos gerados pelos RCDs;

• Comparar o atual sistema de gerenciamento de RCDs do município de


Coromandel/MG, com as principais normas e leis vigentes, como a Resolução
Conama n°307 (Conama,2002), Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei
Federal n° 12.305 – Brasil, 2010), NBR 15.112, NBR 15.114, NBR 15.116
(ABNT, 2004);

• Baseada na atual situação, levantar as melhores formas de armazenamento,


segregação, de tratamento, transporte e disposição final dos RCDs.

1.4 Justificativa

Com o passar dos tempos, a necessidade e o desejo de consumo da população,


contribuiu e muito para um aumento na produção de materiais e de serviços. Com um
meio ambiente cada vez mais escasso, a discussão sobre um mundo mais sustentável
está cada vez mais presente no nosso dia-a-dia. Nunca se falou tanto de
sustentabilidade como atualmente, e a indústria da construção civil sempre é citado
como um setor que precisa se renovar e ser mais sustentável ecologicamente.

Os entulhos quando descartados de forma incorreta acabam servindo de moradia de


insetos e ratos, podendo transmitir doenças para as pessoas que fizeram o descarte
como para as que residem nas proximidades, além de gerar poluição visual.

O gerenciamento dos RCDs de forma correta é de grande importância para mudar


esse aspecto, e conseguir dar um destino correto ao entulho, sem agredir o meio
ambiente, causando o mínimo de problemas, tanto para a população quando para o
meio ambiente.
13

Segundo Nagalli (2014), no Brasil a principal forma de descarte dos resíduos é feita
pela coleta de caminhões caçamba, e realizado o seu descarte de forma irregular
como demonstrado na (FIG.2).

Na cidade de Coromandel, existe empresas que à disposição as caçambas, onde são


cobradas diárias que variam de tamanho, de acordo com as necessidades do
consumidor.

Figura 2 - Descarte incorreto do entulho.


Fonte: Elaborado pelo autor

Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos


Especiais (ABRELPE, 2012), é estimado que em 2012, os municípios brasileiros
coletaram mais de 35 milhões de toneladas de RCDs, representando cerca de 55%
de todo o resíduo sólido urbano coletado naquele ano.
14

Um tratamento e destino correto deste resíduo tem grande importância para a


sociedade local e para isto deve haver um gerenciamento adequado, segundo Nagalli
(2014).

Um exemplo é a (FIG.3), que retrata uma realidade do que acima foi exposta, sendo
uma constante na cidade de forma geral.

Figura 3 - Resíduos descartados em frente residência.


Fonte: Elaborado pelo autor.

O estudo do problema exposto se tratado e conduzido corretamente, pode gerar vários


benefícios para a população da cidade de Coromandel/MG.

Entre as principais vantagens do gerenciamento dos resíduos podemos destacar:

• Reduzir os desperdícios e o volume de resíduos;

• Segregar os resíduos por classes e até mesmo pelo tipo;

• Reutilizar materiais, elementos e componentes que não requisitem


transformações;
15

• Reciclar os resíduos, conseguindo transformar em matéria prima para a


produção de novos produtos;

• Redução do custo de produção;

• Reduzir a quantidade de recursos naturais e energia a serem gastos;

• Reduzir a contaminação do meio ambiente;

• Redução dos gastos com a gestão dos resíduos;

• Evitar o risco de doenças;

• Evitar transtornos;

• Trazer melhorias estética em toda a cidade.


16

2 REVISÃO DA LITERATURA

2.1 Lixo

No desenvolvimento desta pesquisa foi considerado, como Logarezzi (2006) descreve


a palavra lixo como tudo aquilo que foi e é descartado, sem que os seus valores
sociais, econômicos e ambientais sejam realmente preservados.

2.2 Resíduo da construção civil

Segundo Logarezzi (2006), podemos compreender que resíduo, é tudo que sobra de
uma atividade e pode servir como matéria prima para reciclagem ou não.

Os resíduos assim como os materiais possuem valores econômicos, sociais e


ambientais que devem ser preservados através do descarte correto e da coleta
seletiva que são enviados para a reciclagem e até mesmo usados para a geração e
produção de energia elétrica, entretanto, se for descartado de forma incorreta, acaba
virando lixo. (LOGAREZZI 2006).

Os resíduos originários da construção civil são caracterizados como os resíduos de


construção, reformas, reparos e demolições de obras e os resultantes da escavação
de terrenos. Como por exemplos os blocos cerâmicos, tijolos, concreto, rochas, solos
que não foram utilizados, telha, gesso, etc.
17

2.3 Reutilização, reciclagem e beneficiamento

Segundo Nagalli (2014), são definidos:

• Reutilização: é o processo onde um resíduo é reaplicado, sem a modificação


ou transformação do mesmo;

• Reciclagem: é o processo em que os resíduos são reaproveitados, depois de


terem sido submetidos a sua transformação;

• Beneficiamento: é a ação de submeter um resíduo, a um processo em que


tenha o objetivo de submetê-lo a condições em que seja permitido utilizá-lo
como matéria prima ou até mesmo em um produto.

2.4 Aterro de resíduos da construção civil

Segundo Nagalli (2014), os aterros de resíduos da construção civil são as áreas em


que seja utilizada técnicas de disposição dos resíduos da construção civil classificados
como classe “A” no solo, cujo o seu objetivo é a preservação dos materiais que foram
separados de forma que no futuro seja possível a sua utilização do material ou da
área, onde será utilizada as técnicas de engenharia para armazená-los no menor
volume possível, sem que seja causado danos à saúde da população e ao meio
ambiente em geral.

2.5 Áreas de destinação de resíduos

Segundo Nagalli (2014), as áreas de destinação de resíduos, são definidas como as


áreas que são exclusivamente destinadas ao beneficiamento ou até mesmo ao
destino final dos resíduos de construção e demolição.
18

2.6 Geradores

Segundo Nagalli (2014), definimos como geradores, as pessoas que podem ser físicas
ou jurídicas, privadas ou públicas, que são responsáveis de maneira direta pelas
atividades ou empreendimento, que acabam gerando os resíduos de construção civil,
ou até mesmo de demolições.

2.7 Transportadores

De acordo com Nagalli (2014), são as pessoas sejam elas físicas ou jurídicas, públicas
ou privadas, que são encarregadas da coleta e do transporte dos resíduos entre a sua
origem geradora e a sua área de destino.

2.8 Agregado reciclado

Segundo Nagalli (2014), define-se agregado reciclado como o material granular que
seja de origem do processo de beneficiamento de resíduos de construção civil, onde
apresenta características técnicas para que seja aplicado na obra de edificação,
infraestrutura, nos aterros sanitários ou em outras obras de engenharia civil.

2.9 Gerenciamento de resíduos

Segundo Nagalli (2014), o gerenciamento de resíduos é o sistema em que seja feito


uma gestão correta, cujo o seu objetivo é reduzir, reutilizar e/ou reciclar os resíduos.
Pode-se incluir o planejamento e responsabilidades sociais, econômicas e ambientais,
cujo as suas práticas, procedimentos e recursos necessários para a implantação de
19

ações sejam necessárias ao cumprimento de etapas previstas em programas e planos


nacionais.

2.10 Legislação e normas pertinentes

Segundo Nagalli (2014), é de grande importância, que os resíduos da construção civil


sejam caracterizados, perante as legislações já existentes, normas técnicas e de
responsabilidade nos níveis estadual e federal. A aplicação da gestão dos resíduos, é
crucial para que os impactos ambientais sejam minimizados ou até mesmo supridos.
Conscientizar a população de uma diminuição, reutilização, reciclagem e o tratamento
final dos resíduos de forma correta e segura deve ser assegurada nestas legislações,
pois são partes de integrantes envolvidas neste processo ambiental.

As principais legislações que serão utilizadas neste estudo estão descritas abaixo:

2.10.1 Resolução Conama n° 307, de 05 de julho de 2002

Esta resolução consegue estabelecer os padrões de diretrizes, critérios e


procedimentos que são necessários para a gestão de resíduos da construção civil. A
resolução de n° 307 (CONAMA, 2002), é a que mais se atribuem sobre os resíduos
de construção e demolição.

De acordo com a Resolução Conama n° 307 (CONAMA, 2002), no seu 1° artigo, nos
define as principais características que são compostos os elementos que estão
diretamente ligados aos RCDs como:

• Geradores, que são as pessoas, sejam elas físicas ou jurídicas, que são
responsáveis por produzir os RCDs;

• Transportadores, são os responsáveis por realizar o transporte dos resíduos


de sua origem, até a sua destinação final correta;
20

• Gerenciamento de resíduos, que é composto por vários procedimentos de


gestão, que devem ser planejados e que devem ser executados com a função
de diminuir a produção de resíduos e garantir assim, a sua coleta,
armazenamento e destinação final correta;

• Áreas de Destinação dos Resíduos, que são áreas reservadas exclusivamente


para destinar os RCD temporariamente até a sua triagem;

• Aterros de Resíduos de Construção Civil, são aterros destinados


exclusivamente, para a destinação de resíduos de construção e demolição que
não foram reciclados ou reaproveitados;

• Agregado reciclado, que são materiais granulados, que surgiram do processo


de reciclagem dos rejeitos da construção e demolição, produção industrial ou
de mineradoras;

• Reutilização, é o processo de se utilizar novamente um material que foi


descartado;

• Reciclagem, onde é o processo de transformar um material descartado de


forma irregular ou regular, em outros materiais;

• Beneficiamento, é um tratamento dado um determinado material, para


transformá-lo em outro material, de maior qualidade ou resistência.

Para que seja feito um processo de gerenciamento mais correto, a própria resolução
Conama n° 307 (CONAMA, 2002), classifica os resíduos de construção e demolição
em quatro classes:

I. Classe A – são definidos os resíduos que podem ser reutilizáveis ou reciclados


em forma de agregado quando possível ou ser feito o seu encaminhamento a
áreas temporariamente armazenados como por exemplo tijolos e placas de
revestimento;
21

II. Classe B – são materiais que devem ser reutilizados, reciclados ou então feito
o seu encaminhamento para áreas de armazenamento temporário, para ser
realizado uma reciclagem no futuro como por exemplo plásticos e papel;

III. Classe C – são os materiais que devem ser encaminhados, em conformidade


com as normas técnicas que estão disponíveis de forma especifica como os
produtos de gesso;

IV. Classe D – são os resíduos que devem ser armazenados, transportados e


realizado o seu destino final de acordo com as normas técnicas especificadas
como por exemplo as tintas e solventes.

Está destacada na própria resolução, a importância de uma gestão de resíduos de


construção e demolição, que devem ser elaboradas pelos municípios, devendo
constar os seguintes itens:

• As diretrizes técnicas e a inclusão de Programas de Gerenciamento de


Resíduos de Construção Civil nos municípios;

• Devem ser cadastradas as áreas públicas, ou privadas que estão aptas para o
recebimento e armazenagem temporário de pequenos volumes de RCDs,
podem ser efetuadas uma triagem também nesses locais;

• Licenciamento de áreas para o beneficiamento final dos resíduos;

• Ela também proíbe a disposição de resíduos como as tintas;

• Incentivo a utilização dos materiais reciclados ou reutilizáveis;

• Define critérios para cadastrar os transportadores de resíduos;

• Ações para orientar os agentes diretamente envolvidos;

• Ações educativas para reduzir a geração dos RCDs.


22

2.10.2 Plano Nacional de Resíduos Sólidos

O Brasil no ano de 2010, após duas décadas de discussão, conseguiu aprovar a


PNRS. A função deste Plano é organizar a forma como o país trata o seu lixo,
incentivando a reciclagem e a sustentabilidade (Lopes; Calixto, 2012).

A lei n° 12.305 PNRS (BRASIL, 2010), tem como obrigação:

• Prever a redução na geração de resíduos, onde uma das suas principais


propostas, é a pratica de hábitos de consumo mais sustentáveis e um incentivo
maior da reciclagem e da reutilização dos resíduos sólidos;

• As empresas de construção civil, terão de criar o seu plano de gerenciamento


de resíduos sólidos nos termos do Sistema Nacional de Meio Ambiente –
SISNAMA;

• Determinar que toda a administração pública municipal tem o prazo de 4


(quatro) anos para se adaptarem, com a construção de seu próprio aterro
sanitário, extinguindo assim os lixões, onde nesses locais só poderão ser
armazenados os resíduos sem qualquer possibilidade de haver a sua
reciclagem e o seu reaproveitamento, obrigando também a fazer a
compostagem dos materiais de origem orgânico;

• As indústrias e o comercio tem por obrigação, perante a lei n° 12.305 PNRS


(BRASIL, 2010), de enviar o seu material (como embalagens plásticas,
papelão, papel, garrafas de vidro e metálicas que estão usadas) direto para a
reciclagem;

• As empresas, indústrias e demais instituições públicas, devem desenvolver o


seu próprio Plano de Gerenciamento de Resíduos.
23

2.10.3 Política Estadual de Resíduos Sólidos Lei n° 18.031

De acordo com a Lei Estadual número 18.031/2009, a destinação final dos resíduos,
deve ser efetuada de acordo com a sua natureza e com as suas características
específicas, com o objetivo de proteger a saúde pública e o meio ambiente. A
destinação correta pode ser efetuada de acordo com a natureza e a origem dos
resíduos.

Cujo os seus principais objetivos são:

• Estimular a gestão de resíduos no território do estado de Minas Gerais;

• Proteger o meio ambiente e a saúde pública;

• Educar a população sobre a gestão dos resíduos;

• Gerar benefícios no setor social, econômico e ambiental;

• Estimular a pesquisa, desenvolvimento e investimentos em tecnologia para a


gestão dos resíduos;

• Proibir o lançamento dos resíduos a céu aberto e a sua queima;

• Proibição da utilização dos resíduos como alimento animal.

Na Lei Estadual 18.031/2009, são classificados quanto à origem Resíduos Classe II


B – Inertes, sendo assim:

Aqueles que, quando amostrados de forma representativa e submetidos a um


contato estático ou dinâmico com água destilada ou deionizada, à
temperatura ambiente, não tiverem nenhum de seus constituintes
solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de
água vigentes, excetuando-se os padrões de aspecto, cor, turbidez e sabor.
(Cap. II, art. 5°, § 1°, Lei 18.031/2009).
24

2.10.3 Norma Brasileira NBR 15.112: 2004

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2004), a NBR 15.112


(ABNT, 2004) nos estabelece os requisitos necessários para os projetos, as
implantações e operações de áreas de transbordo e para a triagem de resíduos de
construção civil e resíduos volumosos. As áreas de Transbordo e Triagem (ATTs) são
aquelas exclusivas para o recebimento dos resíduos de construção e demolição
(RCDs), e resíduos volumosos (RVs), que serão utilizadas para a triagem, o
armazenamento temporário dos materiais segregados, beneficiamento e remoção
futura, de forma adequada, sem causar danos à saúde pública, e ao meio ambiente.

2.10.4 Norma Brasileira NBR 15.114: 2004

De acordo com Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2004), a NBR


15.114 (ABNT, 2004) se ocupa dos requisitos necessários para a implantação do
projeto, e operação de áreas destinadas para a reciclagem de resíduos provenientes
de construção e demolição (RCDs). Onde essa unidade de reciclagem de RCDs, deve
conseguir estocar os volumes recebidos, efetuando o seu controle quantitativo e
qualitativo de entrada dos resíduos e de qualidade dos produtos gerados no local
como os agregados reciclados, e tem de ter toda a sua documentação em dia.

2.10.5 Norma Brasileira NBR 15.116: 2004

Conforme descrito pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2004), a


NBR 15.116 (ABNT, 2004) define os empregos dos agregados reciclados de resíduos
sólidos de origem da construção civil. Onde os agregados reciclados, podem ter os
seguintes destinos:
25

• Utilização em pavimentação viária;

• Preparo de concreto, sem função estrutural.

Definimos que para a disposição final dos RCD seja efetuada de maneira correta. Os
cumprimentos das leis, normas e resolução vigente sejam cumpridas e respeitadas
de maneira íntegra.

2.11 SUSTENTABILIDADE

Nagalli (2014) descreve o termo sustentabilidade como o centro de todo


desenvolvimento, e os resíduos de construção e demolição se encaixam nessas três
dimensões, seja pelo seu impacto ambiental, pelas suas atividades humanas na
própria cadeia de reciclagem que abrange programas sociais, como também acaba
gerando empregos e renda na macro e microeconomia.

Como demonstrado na (FIG.4), esta demonstrado como deve ser o processo da


sustentabilidade, termo bastante discutido na sociedade e deve ser amadurecido e
conscientizado pelo próprio envolvido, não só pelos órgãos governamentais, a fim de
obter sucesso em qualquer empreitada neste sentido.

O termo sustentabilidade está dividido em três dimensões:

• Ambiental;

• Social;

• Econômico

A sustentabilidade é de fundamental importância para um planeta mais prospero.


26

Figura 4 - Sustentabilidade.
Fonte: Instituto C&A, 2012.
27

3 METODOLOGIA

A metodologia proposta para a análise do sistema de gerenciamento de resíduos de


construção e demolição na cidade Coromandel/MG, foi feita através das seguintes
informações:

• Analise das leis, normas e resoluções vigentes:

- Resolução Conama n° 307, de 05 de julho de 2002 (CONAMA, 2002);


- Plano Nacional de Resíduos Sólidos Lei n° 12.305 (BRASIL, 2010);
- Política Estadual de Resíduos Sólidos Lei n° 18.031 (MINAS GERAIS, 2009);
- Normas Brasileiras NBR 15.112, NBR 15.114 e NBR 15.116 (ABNT, 2004).

• Pesquisa de campo onde foi registrada a atual situação do gerenciamento de


resíduos de construção e demolição na cidade de Coromandel/MG;

• Analise sobre os locais de descarte dos resíduos de construção e demolição


na cidade de Coromandel/MG.

Para auxiliar na compreensão da metodologia, foi anexado conforme a (FIG.5), o


diagrama contendo as etapas da pesquisa em ordem executiva.
28

Figura 5 – Diagrama da pesquisa.


Fonte: Adaptado de Diagrama de rede Wikipédia, 2017

3.1 Analise das leis, normas e resoluções vigentes

Analisar as leis, normas e resoluções vigentes, é de total importância para que se


tenha um gerenciamento dos RCDs muito mais eficaz, respeitando a saúde pública e
o meio ambiente, comparando assim a situação local, com o ambiente regional ou
nacional.

Baseada nesses aspectos, foi enumerada as principais leis, normas e resoluções


atualmente vigentes no Brasil, já citadas na revisão da literatura.

3.1.1 Analise da Resolução Conama n° 307, de 05 de julho de 2002

Após a análise da Resolução Conama n° 307 (CONAMA, 2002), foi contestada a sua
grande importância para o gerenciamento correto dos RCDs. Na resolução está
descrita as classificações dos resíduos, as diretrizes, os critérios e procedimentos
29

adequados para uma gestão dos RCDs bastante eficiente, onde são demonstradas
as ações para diminuir de forma direta os impactos na saúde da população e no meio
ambiente.

3.1.2 Analise do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Lei n° 12.305

O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é de fundamental importância para uma nova


era de sustentabilidade no Brasil. E analisar as suas diretrizes, nos demonstra a sua
importância para a solução de diversos problemas, encontrados em várias localidades
no pais, há bastante tempo.

Onde foi constatado na lei, que a mesma prevê a proibição dos lixões a céu aberto ou
os aterros a céu aberto, determinando que a administração pública tem o prazo até o
dia 02 de agosto de 2014, para se realizar a construção de seu próprio aterro sanitário,
eliminando assim os lixões.

Está descrito também a real importância de se realizar uma logística reversa, onde os
próprios fabricantes, devem criar um próprio plano de reciclagem de seus produtos.

3.1.3 Política Estadual de Resíduos Sólidos Lei n° 18.031

Com a análise da Política Estadual de Resíduos Sólidos Lei n° 18.031 (MINAS


GERAIS, 2009), foi constatado que a mesma prevê a destinação correta dos resíduos
de acordo com a sua natureza. Realizando assim a sua destinação final correta, e não
o descarte de forma irregular sem o devido conhecimento.
30

3.1.4 Normas Brasileiras NBR 15.112, NBR 15.114 e NBR 15.116

A análise das Normas Brasileiras NBR 15.112, NBR 15.114 e NBR 15.116 (ABNT,
2004), nos define a total importância para um parâmetro de padronização da utilização
dos resíduos reciclados e das áreas de destinação. Como demonstradas:

• NBR 15.112: 2004 – Dispõe sobre padrão de áreas de transbordo e triagem;

• NBR 15.114: 2004 – Dispõe sobre as áreas de reciclagem;

• NBR 15.116: 2004 – Dispõe sobre a utilização dos resíduos sólidos em


pavimentações e preparos de concretos sem função estrutural.

Definindo assim a importâncias das Normas da ABNT para a gestão correta dos
RCDs, reduzindo os seus impactos no meio ambiente e na saúde da população.

3.2 Pesquisa de campo, sobre a situação dos RCDs na cidade de Coromandel

No mês de setembro de 2017, foi realizada uma pesquisa em campo, para a análise
da atual situação em que se encontram os resíduos provenientes de construção e
demolição na cidade de Coromandel/MG.

Baseada na pesquisa de campo, foi constatado como a população lida com os


resíduos de construção e demolição, e quando não há o descarte de forma
convencional, os locais que são realizados os descartes irregulares.

Analisar a forma como a população faz o descarte do entulho, também é um ponto


importante para saber a realidade do gerenciamento de resíduos na cidade, e esse
aspecto foi observado.
31

3.3 Pesquisa de campo sobre os locais de descarte de RCDs em Coromandel/MG

É de fundamental importância, conhecer os principais meios de transporte dos RCDs,


e os locais onde os RCDs são descartados no município. Com base nessas
informações, com a pesquisa foi possível conhecer esses locais, e sobre o
gerenciamento de resíduos, que é feito com os resíduos de construção e demolição.
32

4 RESULTADOS E DISCURSÕES

Os resultados e discursões deste trabalho, serão demonstrados nesse capitulo, onde


será realizado uma comparação conforme descrita nas leis, normas e resoluções
consultadas, com o atual método de gerenciamento de resíduo que se encontra o
município de Coromandel/MG, que foi obtida através de pesquisas de campo.

4.1 Comparação do gerenciamento dos RCDs de Coromandel/MG com a


Resolução Conama n° 307

A resolução Conama n° 307, (CONAMA, 2002), é de fundamental importância para


conseguir ter um padrão de gerenciamento correto dos RCDs. E de acordo com as
suas diretrizes, podemos constatar que no município de Coromandel/MG, não existe
nenhuma realidade como descreve a resolução. De acordo com o que foi constatado
na pesquisa, nenhum dos responsáveis está de acordo com o que foi proposto na
resolução.

Os geradores, que são os responsáveis pelos seus próprios resíduos gerados, e


deveriam realizar o seu próprio gerenciamento interno e externo, também de acordo
com a resolução Conama n° 307, (CONAMA, 2002), os geradores deveriam incluir no
próprio projeto da obra, os procedimentos adequados para triagem,
acondicionamento, transporte e destinação final dos resíduos. Através da pesquisa foi
constatado que a própria população não realiza o seu gerenciamento como na (FIG.6),
o que contribui e muito para o aumento dos RCDs. É necessário um trabalho de
conscientização da população demonstrando os benefícios alcançados.
33

Figura 6 - RCDs descartados sem gerenciamento correto.


Fonte: Elaborado pelo autor

Transportadores, que são os responsáveis por realizar o transporte dos RCDs até o
destino final correto como na (FIG.7), foi constatado através da (FIG.20), descartando
os resíduos logo na entrada do aterro municipal, que não possui informação e
conhecimento de legislação ou algum plano municipal.

Figura 7 - Transporte de caçamba com entulho.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Os órgãos Públicos, são os responsáveis por criar planos de gerenciamento no


município, fiscalizar e dar um controle sobre o manuseio, transporte e destinação final
dos RCDs. No município através da pesquisa, não há informação da existência
34

4.2 Comparação da situação de Coromandel/MG com o Plano Nacional de


Resíduos Sólidos Lei n° 12.305

É indiscutível a importância do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Lei n° 12.305


(BRASIL, 2010) para um meio ambiente mais sustentável. A lei prevê que os
conhecidos lixões a céu aberto (FIG.8), deveriam ser extintos até o dia 02 de agosto
de 2014.

Figura 8 - Aterro municipal de Coromandel/MG.


Fonte: Elaborado pelo autor.

4.3 Política Estadual de Resíduos Sólidos Lei n° 18.031

De acordo com a Política Estadual de Resíduos Sólidos Lei n° 18.031 (MINAS


GERAIS, 2009), os resíduos devem ser descartados conforme a sua natureza.
Infelizmente essa pratica não é observada no aterro sanitário de Coromandel/MG
como na (FIG.9).
35

Figura 9 - Aterro sanitário não está conforme a Lei estadual de Resíduos Sólidos.
Fonte: Elaborado pelo autor.

4.4 Comparação do gerenciamento de Coromandel/MG com as Normas


Brasileiras NBR 15.112, NBR 15.114 e NBR 15.116

Conforme descrita pela ABNT para que as Normas NBR 15.112, NBR 15.114 e NBR
15.116 (ABNT, 2004), sejam utilizadas, o município tem de disponibilizar centros de
triagem e coleta, bem como sistemas de reaproveitamento e reciclagem dos resíduos.
Pelas fotos registradas tem-se que as NBRs citadas não são executadas no município.
de Coromandel/MG, não dispõe de nenhum desses recursos.

O que se poderia solucionar com a instalação de uma unidade de recebimento de


volumes em pequenas proporções, onde nesse local seria realizada a triagem, por
profissionais treinados e capacitados, além de serem fornecidos no local os
equipamentos de proteção individual, para trabalhar com a reciclagem desses
materiais com a instalação e utilização de maquinários e equipamentos necessários
como o maquinário de quebra do concreto em miúdos como demonstrado na (FIG.10).
36

Figura 10 - Maquinário para reciclagem de blocos de concreto.


Fonte - (Site Senhor Eco, 2014).

Especificamente na NBR 15.116 (ABNT, 2004), nos demonstra que os agregados


providos da reciclagem desses materiais, podem ser utilizados em pavimentações
como demonstrado na (FIG.11), e até mesmo reutilizados como concreto não
estrutural conforme a (FIG.12).
37

Figura 11 - Brita Graduada reciclada de RCDs.


Fonte: Site Diário do Nordeste, 2014.

Figura 12 - Utilização de agregado reciclado - Meio Fio.


Fonte: SLU, 2010.
38

4.5 Levantamento sobre a situação dos RCDs na cidade de Coromandel/MG

Conforme levantada pela pesquisa, foi constatado que a própria população da cidade
de Coromandel realiza o descarte de forma irregular do entulho na porta de casa como
demonstrado na (FIG.13) ou em lotes vagos como na (FIG.14), não tendo consciência
sobre os problemas de saúde e ambiental que estão causando.

Figura 13- Entulho descartado na frente de uma residência.


Fonte: Elaborado pelo autor.

Figura 14 - Descarte irregular do entulho em um terreno.


Fonte: Elaborado pelo autor.
39

Quando não descartado pela população de maneira incorreta, o próprio entulho é


usado para armazenar materiais que acabaram sobrando de uma obra como a areia,
o cascalho e a brita, sendo usado para armazenar outros materiais como na (FIG.15).
Esses resíduos são sim entulhos e precisam ser descartados de maneira correta, com
um gerenciamento sustentável.

Figura 15 - Entulho utilizado para armazenar materiais.


Fonte: Elaborado pelo autor.

É de fundamental importância, o conhecimento sobre o principal método de coleta do


entulho na cidade, onde se observa muito a presença de caçambas de entulho
(FIG.16), que fazem o recolhimento do RCDs utilizando caminhões como na (FIG.17).

Figura 16 - Entulho descartado em caçamba


Fonte: Elaborado pelo autor.
40

Figura 17 - Caminhão faz o recolhimento da caçamba com o entulho.


Fonte: Elaborado pelo autor.

4.6 Principais locais de descarte dos RCDs no município de Coromandel/MG

Através da pesquisa de campo, foi possível detectar os principais locais que são
realizados os descartes dos resíduos de construção e demolição no município. Onde
foi constatado que a população descarta os seus entulhos em lotes vagos como na
(FIG.18), estradas ou no aterro municipal, que fica a 4,7 KM do centro da cidade como
demonstrado na (FIG.19).

Figura 18 - Resíduos descartados em lotes vagos.


Fonte: Elaborado pelo autor.
41

Figura 19 - Localização do aterro sanitário na cidade de Coromandel/MG.


Fonte: Site Google Maps, 2017.

Através da visita ao aterro sanitário de Coromandel/MG, foi descoberto que o entulho


não recebe nenhum tipo de cuidado, nem no momento em que é descarregado, sendo
descartado na entrada do próprio aterro como na (FIG.20), e que os RCDs são apenas
separados dos outros tipos de lixo, como os orgânicos por exemplo, esse tipo de
entulho proveniente de construção e demolição, acaba sendo utilizado para a
realização do próprio aterramento do local como pode ser observado na (FIG.21).

Figura 20 - Caminhão realizando o descarte do entulho no aterro municipal.


Fonte: Elaborado pelo autor.
42

Figura 21 - Entulho que será utilizado para realização do aterramento.


Fonte: Elaborado pelo autor.

É de fundamental importância, que a administração pública de Coromandel/MG,


possa efetuar as modificações necessárias no local, como a construção de um aterro
sanitário controlado de acordo com as leis, normas e regras anteriormente descritas,
com a devida captação e tratamento do chorume e do gás metano no local.
43

5 CONCLUSÃO

Conforme foi demonstrada na pesquisa sobre a atual situação do gerenciamento de


resíduos de construção e demolição (RCDs) no município de Coromandel, foi
constatada a necessidade de se implantar um projeto atendendo principalmente ao
Plano Nacional de Resíduos Sólidos, através de profissionais da área específica
(Ambiental), abrangendo:

I. Coleta;

II. Transporte;

III. Segregação e acondicionamento interno dos resíduos;

IV. Tratamento adequado dos resíduos

V. Reciclagem destes

VI. Destinação final correta.

VII. Treinamento de funcionários

VIII. Plano de conscientização da população

IX. Quantificação da quantidade de RCDs (toneladas/dia)

X. Projetos para reutilização destes resíduos, como fabricação de meio fio,


lajotas, argamassas, etc, para uso em casas populares e obras públicas;

XI. Realizar estudo sobre a possibilidade de criar uma unidade de


processamento de resíduos
44

De acordo com a pesquisa, a mudança por parte do órgão municipal não resolve todo
o problema do município, sem o envolvimento da população, conscientizando,
provocando uma mudança na cultura e nos costumes, assim se conseguirá reverter
esse problema.

Atendendo a Legislação e criando o processo de gerenciamento correto só trará


benefícios para a cidade, onde a população estaria contribuindo e muito para uma
melhor qualidade de vida, gerando assim benefícios como:

• Redução bastante significativa, dos resíduos que foram enviados aos aterros
sanitários e assim aumentando a vida útil do mesmo;

• Descarte mais racional dos resíduos provenientes de construção e demolição;

• Melhoria bastante significativa do meio ambiente, onde os impactos que foram


gerados pelos RCD’s seriam reduzidos;

• Destinação final correta dos resíduos;

• Utilização dos materiais reciclados pela prefeitura e pela população, o que


geraria uma economia bastante significativa na compra de materiais;

• Evitar/reduzir Acidentes causados pelos entulhos espalhados pela cidade;

• Redução das doenças causadas pelos animais e insetos, que se encontram


nos entulhos, espalhados pela cidade;

• Diminuição da poluição visual, causada pelos entulhos;

• Geração de emprego devido a reciclagem e reaproveitamento dos RCD’s;

• Mais investimentos por parte do setor público e até mesmo do setor privado,
em gestão social e ambiental.
45

REFERÊNCIAS

ABRELPE – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E


RESÍDUOS ESPECIAIS. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil, 2012. São
Paulo, SP: ABRELPE, 2011. 186p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004: Resíduos


Sólidos: classificação. Rio de Janeiro, 2004. 71p.

_________. NBR 15.112: Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos –


Área de Transbordo e Triagem: diretrizes para projeto, implantação e operação. Rio
de Janeiro, 2004. 12p. 7p.

_________. NBR 15.114: Resíduos sólidos da construção civil: Áreas de reciclagem:


Diretrizes para projeto, implantação e operação. Rio de Janeiro, 2004.

_________. NBR 15.116: Agregados Reciclados de Resíduos Sólidos da


Construção Civil – Utilização em Pavimentação e Preparo de Concreto sem Função
Estrutural: requisitos. Rio de Janeiro, 2004. 12p.

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. SLU Recebimento de Pequenos


Volumes.aDisponívelaem:http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?event
o=portlet&pIdPlc=ecpTaxonomiaMenuPortal&app=slu&tax=34907&lang=pt_BR&pg=
5600&taxp=0&. Acesso em: 21 set.2017.

BRASIL. Lei nº 12.305 de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de


Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras
providências. Brasília: [Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos], 2010.
Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-
2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 20 set. 2017.
46

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução nº 307, de 05 de julho


de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos
da construção civil. Brasília: Diário Oficial da União, 2002. Disponível em
http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=270. Acesso em: 13 set.
2017.

DIÁRIO DO NORDESTE. Obras de mobilidade para a copa em fortaleza utilizam


material reciclado. Disponível em: <http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/>.
Acesso em: 21 set. 2017.

GOOGLE MAPS. Rota Coromandel/mg ao aterro municipal. Disponível em:


<https://www.google.com.br/maps/dir/-18.4489724,-47.1745515/-18.4744743,-
47.1990001/@-18.4627323,-47.1947911,2820m/am=t/data=!3m2!1e3!4b1?hl=pt-br>.
Acesso em: 21 set. 2017.

INSTITUTO C&A. A importância da sustentabilidade para o mundo! Disponível


em: <https://voluntarios.institutocea.org.br/pages/7600>. Acesso em: 21 set. 2017.

LOGAREZZI, A. J. M. Educação ambiental em resíduo: o foco da abordagem. In:


CINQUETTI, H. C. S; LOGAREZZI, A. (org.) Consumo e resíduo – fundamentos para
o trabalho educativo. São Paulo: EDUFSCAR, 2006.

LOPES, L; CALIXTO. B. O que é o Plano Nacional de Resíduos Sólidos. São


Paulo: Época, 03 jan. 2012. Disponível em:
<http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/o-caminho-do-lixo/noticia/2012/01/o-quee-
o-plano-nacional-de-residuos-solidos.html>. Acesso em: 27 set 2017. VEJA COMO
REFERENCIA REVISTA.

JAILON, L.; POON, C. S.; CHIANG, Y. H. Quantifying the waste redution potential
of using prefabrication in building construction in Hong Kong. Waste
Management, v. 29, p. 309-320, 2009.
47

MINAS GERAIS. Lei n° 18.031 de 12 de janeiro de 2009. Dispõe sobre a Política


Estadual de Resíduos Sólidos. Minas Gerais, Belo Horizonte, 12 jan. 2009.
Disponível em: http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=9272.
Acesso em: 20 set. 2017.

NAGALLI, André. Gerenciamento de resíduos sólidos na construção civil. 01.


ed. São Paulo: Oficina de textos,2014.

SENHOR ECO. Reciclagem de entulho. Disponível em:


<http://www.senhoreco.org/2014/01/reciclagem-de-entulho.html>. Acesso em: 21
set. 2017.

WIKIPEDIA. Diagrama de rede. Disponível em:


<https://pt.wikipedia.org/wiki/diagrama_de_rede>. Acesso em: 27 set. 2017.

YUAN, F.; SHEN, L.; LI, Q. Emergy analysis of the recycling options for
construction and demolition waste. Waste Management, v.31, n.11, p.2503-2511,
2011.