You are on page 1of 4

INSTRUÇÃO DE ACESSO AS SUBESTAÇÕES DA

ÁREA DE TRANSMISSÃO
Divisão de Operação e Manutenção da Revisão Data de Vigência
IO-DOMT.001
Transmissão N.º 0 01/10/2002

ÍNDICE

1 OBJETIVO .................................................................................................................................................. 2
2 RESPONSABILIDADE ............................................................................................................................... 2
3 INGRESSO NAS SUBESTAÇÕES ASSISTIDAS: ..................................................................................... 2
4 ACESSO DA MANUTENÇÃO DA CEEE EM UNIDADES ASSISTIDAS POR OPERADOR: ................... 2
5 ACESSO DA MANUTENÇÃO DA CEEE EM UNIDADES NÃO ASSISTIDAS:......................................... 2
6 ACESSO DA MANUTENÇÃO DE OUTRAS EMPRESAS EM UNIDADES DA CEEE.............................. 3
7 VISITAS TÉCNICAS................................................................................................................................... 3
8 INSPEÇÕES TÉCNICAS............................................................................................................................ 3
9 PERNOITE NAS SUBESTAÇÕES............................................................................................................. 3
10 VEÍCULOS .............................................................................................................................................. 3
11 ABRANGÊNCIA ...................................................................................................................................... 4
12 VIGÊNCIA ............................................................................................................................................... 4

1/4
INSTRUÇÃO DE ACESSO AS SUBESTAÇÕES DA
ÁREA DE TRANSMISSÃO
Divisão de Operação e Manutenção da Revisão Data de Vigência
IO-DOMT.001
Transmissão N.º 0 01/10/2002

1 OBJETIVO
Este documento tem por finalidade instruir os empregados da Área de Transmissão, empregados
da CEEE prestadores de serviços e visitantes para o acesso as dependências das subestações
da Rede de Transmissão:
• Regulamentar a identificação de pessoas;
• Regulamentar o ingresso da manutenção
• Regulamentar o uso de EPI’s para visitantes;
• Regulamentar o estacionamento de veículos;
• Regulamentar o uso de alojamentos para pernoite.

2 RESPONSABILIDADE
O Departamento de Operação do Sistema é responsável pela gestão desta circular.

3 INGRESSO NAS SUBESTAÇÕES ASSISTIDAS:


Nas unidades contempladas com vigilância, todas as pessoas, inclusive os empregados da CEEE,
incluindo chefias, devem identificar-se junto a portaria da SE que providenciará o acesso junto ao
operador;
Nas unidades sem serviço de vigilância a identificação deverá ser feita junto ao operador.
O uso do crachá de identificação do empregado é obrigatório para empregados da CEEE. Os
visitantes receberão crachá no momento da identificação.
O preenchimento do Livro de Visitas é obrigatório a todos que ingressarem na subestação.

4 ACESSO DA MANUTENÇÃO DA CEEE EM UNIDADES ASSISTIDAS POR OPERADOR:


Ao ingressar na subestação, o responsável pelo serviço de manutenção, deve dirigir-se à sala de
comando, comunicar ao operador o serviço a ser executado, solicitar autorização para a
intervenção no equipamento e isolamento da área onde será executado o serviço, bem como,
preencher todos os documentos pertinentes.
É obrigatório o uso de EPI’s e EPC’s adequados por todos os empregados participantes da
execução do serviço.
Durante a execução de manobras na unidade, somente deverá permanecer na sala de comando,
junto à operação, o responsável pelo serviço de manutenção e chefias.
Durante a execução do serviço de manutenção, o operador deverá, se possível, acompanhar e
prestar apoio técnico as equipes de manutenção.
Após o término do serviço o responsável pela manutenção deverá informar o operador e registrar
no livro de ocorrências:
• a conclusão do serviço
• as providências que foram tomadas no equipamento durante a manutenção
• a existência de alguma limitação operacional. caso exista
• registrar a “Comunicação de Anomalia” referente ao serviço em campo específico

5 ACESSO DA MANUTENÇÃO DA CEEE EM UNIDADES NÃO ASSISTIDAS:


Para ingresso em subestações não atendidas as equipes de manutenção deverão comunicar, com
antecedência, o centro de atendimento da qual a SE é telecomandada.
Após a conclusão do serviço, o responsável deve informar o operador da SE controladora o
seguinte:
a) horário de ingresso;
b) Serviço executado (quando não houver PESE ou PL programado);
c) Restrições operativas;
d) Horário de saída.
O operador preencherá formulário específico e arquivará na SE controladora.
2/4
INSTRUÇÃO DE ACESSO AS SUBESTAÇÕES DA
ÁREA DE TRANSMISSÃO
Divisão de Operação e Manutenção da Revisão Data de Vigência
IO-DOMT.001
Transmissão N.º 0 01/10/2002

6 ACESSO DA MANUTENÇÃO DE OUTRAS EMPRESAS EM UNIDADES DA CEEE


O ingresso da manutenção de outras empresas em unidades compartilhadas com a CEEE
somente será permitida para pessoas credenciadas e com prévia autorização do DOS via
Mensagem Operacional. Ao ingressar na subestação, o responsável pelo serviço de manutenção,
deve dirigir-se à sala de comando, comunicar ao operador o serviço a ser executado, solicitar
autorização para a intervenção no equipamento e isolamento da área onde será executado o
serviço, bem como, preencher todos os documentos pertinentes.
É obrigatório o uso de EPI’s e EPC’s adequados por todos os funcionários participantes na
execução do serviço.
Durante a execução de manobras na unidade, somente deverá permanecer na sala de comando,
junto à operação, o responsável pelo serviço e chefias.
Durante a execução do serviço, prestado pela manutenção, deverá o operador, se possível,
acompanhar e prestar apoio técnico as equipes de manutenção.
Após o término do serviço o responsável deverá comunicar a operação a conclusão do mesmo,
informando o operador das providências que foram tomadas no equipamento durante a
manutenção e a existência de alguma limitação operacional.
As informações prestadas pela manutenção deverão ser anotadas, pelo operador, no Livro de
Ocorrências.

7 VISITAS TÉCNICAS
A entrada de estranhos ao quadro funcional da empresa, obedecerá o seguinte critério:
• As visitas serão liberadas mediante aprovação à solicitação prévia dos interessados à
Seção de Operação ou à Turma de Operação pertinente, através de documentação
contendo a unidade a ser visitada, data e número de visitantes;
• As visitas deverão ser acompanhadas por um funcionário designado pela chefia de Turma;
• uso das dependências da subestação para treinamentos e manobras das Forças Armadas
e Corpo de Bombeiros deverá seguir o mesmo critério dos sub itens 7.1.1 e 7.1.2;
• Durante a visitação todos deverão utilizar capacetes.
• Todas as visitas devem ser registradas no Livro de Visitas.

8 INSPEÇÕES TÉCNICAS
• Toda a inspeção programada, deverá ser comunicada com antecedência ao chefe da
Turma de Operação pertinente a área em questão, para que sejam tomadas providências
cabíveis;
• Se a inspeção se estender até o pátio da subestação, a equipe de inspeção deve fazer o
uso de EPI’s;
• A equipe de inspeção será acompanhada por um funcionário designado pela chefia de
Turma;
• Toda realização de Inspeção deverá ser registrada no Livro de Ocorrências.

9 PERNOITE NAS SUBESTAÇÕES


• Não será autorizado pernoite nas salas de comando, sala de baterias, salas de
equipamentos de telecomunicações e de supervisão e controle das subestações.
• É obrigatório a organização e a limpeza diária das instalações.
• Durante a permanência de funcionários na unidade, é obrigatório a observância dos
procedimentos e instruções adotados pela empresa.

10 VEÍCULOS
• A vigilância da SE’s identificará todos os veículos que ingressarem nas dependências das
Subestações, preenchendo o formulário de registro de entrada e saída (ANEXO 1), em
3/4
INSTRUÇÃO DE ACESSO AS SUBESTAÇÕES DA
ÁREA DE TRANSMISSÃO
Divisão de Operação e Manutenção da Revisão Data de Vigência
IO-DOMT.001
Transmissão N.º 0 01/10/2002

todos os campos (data, horário de entrada e saída, placa do veiculo, nome do motorista,
setor de trabalho e o motivo de sua entrada).
• Somente será permitido estacionar veículos em locais sinalizados para este fim que não
interfiram no acesso de equipes em caso de emergência.
• Quando não sinalizado, o local será o indicado pelo operador.
• Nas SE´s não assistidas o ingresso de veículos deverá ser permitido somente após contato
com o operador da SE controladora.
• A relação de Subestações, controladoras e controladas, segue na planilha abaixo:

CONTROLADORA CONTROLADA
SE- CIDADE INDUSTRIAL
SE- CANOAS 1
(051) 477-1617_3382-5158

SE- CANOAS 2

SE- GUAÍBA 2

SE- PORTO ALEGRE 6 PORTO ALEGRE 10


(051) 3382-5055_3336-7078
SE- SANTA MARIA 3 SE- SANTA MARIA 1
(051)3382-5297_(055)212-1633
SE- VENANCIO AIRES SE- LAJEADO 2
(051) 3382-5068_3741-2062
SE- CAXIAS 2 SE- CAXIAS 5
(051) 3382-5052_(054) 229-3255
SE- GARIBALDI 1

COS SE- OSÓRIO 2


(051) 3382-5170_3382-5160
SOT SE- PORTO ALEGRE 13
(051) 3382-4403
11 ABRANGÊNCIA
Esta circular deverá ser divulgada para toda empresa, bem como às demais empresas
concessionárias, que possuem conexão com o sistema elétrico da CEEE
12 VIGÊNCIA
A presente Instrução terá sua validade a partir de 01/10/2002.

______________________________________
Engª LILIAN BERCHT
CHEFE DA DIVISÃO DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

4/4

Related Interests