You are on page 1of 3

O Mestre Shebna e a Fundação da ARLS Templo de Ísis

M‫؞‬M‫ ؞‬Hier‫ ؞‬Branc‫ ؞‬Cláudio Manoel Nascimento Gonçalo da Silva


M‫؞‬M‫ ؞‬Hier‫ ؞‬Branc‫ ؞‬Davi Silva Almeida

Esta é uma síntese do micro resumo da historia de uma vida


composta por quase seis décadas do resgate da relação maçonaria
e espiritualidade, como uma conexão direta entre o GADU e a
GCDU ( grande criação do universo).

Na década de 50, um grupo de maçons e espiritualistas: a Ordem Maçônica do


espiritualistas se reuniam no Instituto Grande Círculo Branco (com a
Kardecista da Bahia e na sucessão de participação do Serenissimo Grão Mestre
seus trabalhos, uma entidade de nome Luciano Moura Soares de 1951 a 1953) e
Shebna iniciou a inspiração mediúnica de a Loja Rosacruz Salvador. Esta última
uma série de mensagens de natureza inclusive possui referências documentais
esotérica, identificadas por IIr‫ ؞‬Maçons destes fatos em sua ata de fundação,
como sendo associadas à Maçonaria. Na comprovando que estes IIr‫ ؞‬participavam
medida em que estas comunicações foram das reuniões que aconteciam no Instituto
se avolumando, aquele que ficou Kardecista.
conhecido como Mestre Shebna, palavra
hebraica que significa “o condutor”, e que Visando salvaguardar as mensagens
se refere a um sacerdote assírio-caldaico recebidas do Mestre Shebna, dado a
de uma ordem secreta anterior ao conotação simbólico-espiritualista-
período do Messias cristão, Emmannuel, maçônica que as mesmas continham, um
Jesus o Ckristo, que além de ter sido o grupo de IIr‫ ؞‬estruturaram-se e
responsável por sua iniciação, elevação e fundaram a Ordem Maçônica do Grande
exaltação na câmara dos Essênios Círculo Branco, como uma organização
durante sua jornada de ensinamentos destinada a Mestres Maçons, com o
sobre a verdade e a vida, foi o repositor intuito de preparar e instruir maçons
da gnose iniciática das antigas tradições livres e de bons costumes, afim de
secretas. promover um núcleo de iniciados capazes
de dissertar e perceber as intrínsecas
O Mestre Shebna utilizou-se de vários relações entre a Maçonaria e a
veículos de comunicação, estabelecidas espiritualidade, focando seus esforços na
através da psicofonia, clarividência, identificação do ente humano como uma
psicografia, efeitos físicos (ectoplasmia, potência realizadora da transformação
materialização e condensação de social, econômica, politica,
energias), transe mediúnico e comportamental, psíquica e espiritual de
clariaudiência, sendo que o mesmo que tanto a sociedade humana carecia e
ressaltou que não considerava ser deste modo promovesse a Maçonaria em
detentor do título ou insígnia de Mestre, seu devido lugar, ou seja, orientadora da
mas que desejava ser um servo de todos sociedade humana rumo a justiça e a
os buscadores da verdade. Aliás, o perfeição em seus atos, pensamentos e
próprio Mestre possui instruções que nos sentimentos.
assevera que não devemos acreditar em
nada do que ele diz. Assim, o Mestre Estes fatos fizeram com que muitos
Shebna começou a revelar o aspecto maçons considerassem o Grande Círculo
missionário daquele grupo de IIr‫ ؞‬que Branco como um sistema de graus
acabaram por fundar duas instituições filosóficos. Nesta tentativa e sob a
tutela de alguns IIr‫؞‬, houveram iniciativas caráter de afiliação do Grande Círculo
que buscaram oficializar o chamado Rito Branco. Assim. o mestre Shebna indicou
Essênio, sendo inclusive este citado em como deveriam ser estudadas as
anais maçônicos da década de 50 mensagens e as mesmas foram divididas
(especificamente o boletim maçônico - ao longo de 7 graus iniciáticos, contendo
oficial da maçonaria regular do brasil de toda a sabedoria deste ser iluminado. O
Dezembro de 1952), bem como atestado mestre Shebna também havia orientado
algum grau de verossimilhança com ritos os IIr‫ ؞‬que a ARLS Templo de Ísis
antigos praticado em Lojas Simbólicas do deveria ser o portal de entrada aos
Egito, cabendo-se destaque ao documento cebedistas não-iniciados na maçonaria
redigido pelo Serenissimo Grão Mestre simbólica, sendo esta a fonte de toda a
Luciano Moura Soares e intitulado transformação no que tange a
Iniciação dos Essênios. espiritualidade na Maçonaria e estes
cebedistas, munidos das devidas
Como ficou determinada pela primeira instruções espirituais, deveriam
mesa redonda da Maconaria simbólica reintegrar os ensinamentos de Shebna a
regular do Brasil em 04 de junho de 1952, esta Loja, fomentando espiritualidade e
não poderiam ser apresentados quaisquer ensinando a ler nas entrelinhas a gnose ou
ritos para análise e apreciação, portanto a ciência essênia.
não houve a aceitação e aprovação do Rito
Essênio proposto pelo Sereníssimo Grão Muitos Obreiros cebedistas tornaram-se
Mestre Cebedista Luciano Moura Soares, IIr‫ ؞‬e empreenderam efetivamente esta
sendo que os IIr‫ ؞‬Cebedistas da época tentativa, não apenas falando
foram orientados por Mestre Shebna a abertamente do Mestre Shebna, bem
fundarem uma Loja Simbólica chamada de como trazendo ensinamentos destinados a
Templo de Ísis através do ato nº 317 de Templo de Ísis. Foi uma época de
27/10/1952, onde concedeu a carta extrema perseguição aoscebedistas por
provisória que deveria ter uma conotação apresentarem abordagens e
eminentemente espiritualista. interpretações das instruções maçônicas
de uma forma que não era a habitual nas
Assim o Mestre Shebna começou a oficinas e destacando o caráter eminente
revelar uma série de doutrinas, da necessidade do entendimento e
simbologias, histórias, filosofias e experiência do VITRIOL. Naturalmente,
ciências ocultistas para estes irmãos, que diante destas revoluções, surgiram
ficaram fascinados com a profundidade alcunhas pejorativas ao Grande Círculo
dos ensinamentos e precisão no que tange Branco como “Círculo dos Burros” ou casa
a simbologia-maçônica, uma vez que o dos “Elefantes Brancos”, referência esta
médium em questão, não tinha sido última, ao grau de Hierofante Branco (ou
educado na tradição maçônica, isto é, era Sumo Sacerdote de Elêusis) que foi
um não-iniciado e era semi-alfabetizado, atribuído pelo mestre Shebna aos
fatores estes que acabaram por ser Obreiros do 7º grau. Ainda assim, sempre
decisivos nas comprovações da houveram Cebedistas na Templo de Ísis
comunicação do Mestre Shebna, dada a que atendem ao chamado do Mestre
profundidade de conteúdos científicos, Shebna, três deles aqui merecem menção,
filosóficos e ocultistas. Temporariamente não apenas pelo carinho e amor que
Impossibilitados de levarem estas devotamos aos mesmos, mas a coragem e
mensagens para a Loja Templo de Ísis em ideologia ímpar que esboçaram. São eles
seus graus simbólicos e entendendo a os: IIr‫ ؞‬César Almeida, Luciano Moura
urgência da missão que lhes cabiam, estes Soares,e Joaquim Francisco dos Santos,
IIr‫ ؞‬acharam por bem diversificarem o que se encontram no Oriente Eterno.
A Guematria do Nome do Mestre – Uma Nova Gnose

M‫؞‬M‫ ؞‬Hier‫ ؞‬Branc‫ ؞‬Cláudio Manoel Nascimento Gonçalo da Silva

Guematria é o método de associação das letras a números, atribuindo valores numéricos as mesmas.
Tal valoração serve para ocultar ensinamentos e propiciar o desenvolvimento de uma capacidade de
abstração, bem como apreensão epistemológica de ensinamentos iniciáticos. Através desta técnica
cabalística, veremos a verdadeira grafia do nome do Mestre Shebna.

Esta escrita ainda é uma dúvida, até mesmo entre cebedistas. A escrita atual S-C-H-E-B-N-A cuja
leitura correta seria “isrrébiná”, tem grafia hebraica: ‫ סחבונ‬letras samech, het, Beth, vav e nun, que
no somatório guemátrico (60 + 8 + 6 + 2)=76=13=4. Uma referência a quadratura (largura, altura,
profundidade e tempo). Esta palavra da maneira como está escrita, é uma referência a um
personagem histórico o Mestre assírio caldaico que preparou José do Egito e que faz parte de uma
hierarquia mística da Grande Fraternidade Branca. No entanto, este nome não existe no hebraico
escrito, não tendo nenhum significado esotérico-cabalístico.

Através de estudos cabalísticos, observei que com a troca das letras hebraicas Samech e Het (‫ס‬,‫)ח‬
pela letra Shim (‫)ש‬, formou-se a palavra SHEBNA (pronunciada chébina), que no hebraico ficaria ‫שובנ‬,
Shim – Vav – Beth – Num, teríamos o somatório guemátrico (300 + 6 + 2 + 50) 358, que é o mesmo
somatório da palavra Mashiah ( ‫)םשו‬, Messias ou ungido e da palavra Nachash, a serpente do Éden,
uma referência gnóstica ao Homem Sábio do Oriente. Este somatório cabalístico é associado na
tradição hebraica também a frase dita pelo anjo Metraton ao povo de Ishra-el quando este os
conduzira pelo deserto e que foi inspirada pelo espírito de D-us. A frase é: "Meu Nome está Nele",
que no hebraico é IBA ShILH, Yeba Shiloh ou "Shiloh Vendra"=358, que significa misticamente o
esforço que um Mestre para ao conduzir uma alma perdida para fora do deserto de si mesmo. A
redução guemátrica de 358 é 7, que referencia os sete graus do Grande Círculo Branco, os 7 degraus
da Escada de Jacó, os 7 Mestres Essênios Ascensos e as 7 sephirot ou centros de energia de Etz
Chaim (Árvore das Vidas).

Com a kabalah da frase Shiloh Vendra, em verdade, entende-se que o nome Mestre Shebna é um
título e não uma personalidade, pois o número 358 é uma referência guemátrica aos arcanjos: Mikael,
Gabriel e Raphael, significando que a Ordem Maçônica do Grande Círculo Branco é uma Ordem de
natureza angelical, sendo a mesma referida em várias Ordens espiritualistas como a primeira Ordem
instalada na face da Terra na Antúria.

Além disto, a associação ao nome Mashiach refere-se a uma alma que pode superar matar e por fim
reviver a serpente primordial ou a energia kundalini, que é a energia vital que propicia ao indivíduo
atingir a iluminação, sendo uma referência as 49 portas de Binah, tema central dos ensinamentos
cebedistas e que dão acesso a 50ª porta que Moshê alcançou por duas vezes: uma na passagem do
Mar Vermelho, quando viu os 72 nomes divinos e outra no momento do seu desencarne. A alma de um
Mashiach manifesta um contínuo estado de consciência suprema e retificação de "calor" ou
movimento cósmico, devido ao seu amor por D’us.

Esta hierarquia de mestres condutores demonstrou também a sua sabedoria quando escolheu o nome
da nossa Loja: Templo de Ísis, a deusa da Sabedoria, figura mitológica central da doutrina cebedista
que revela exatamente a sephirot Chohmah, ou sabedoria, que contém as sete últimas portas de
ascensão a iluminação. A deusa Ísis referencia também as tradições dos ritos fúnebres Osirianos e
os mistérios solares associados as práticas maçônicas e rosacruzes.