You are on page 1of 10

ISSNe: 2182.2883 | ISSNp: 0874.

0283
Disponível em: http://dx.doi.org/10.12707/RIV16062
ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO (ORIGINAL)

Dificuldades no autocuidado dos adolescentes


com diabetes mellitus tipo 1
Self-care difficulties of adolescents with type 1 diabetes
Dificultades en el autocuidado de adolescentes con diabetes mellitus tipo 1
Marília Costa Flora*;
Manuel Gonçalves Henriques Gameiro**

Resumo
Enquadramento: A diabetes mellitus tipo 1 (DM1) é uma doença cada vez mais prevalente na adolescência. Intervir no
autocuidado é determinante para o seu controlo.
Objetivos: Determinar as dificuldades no autocuidado dos adolescentes com DM1. Analisar a relação das dificuldades no
autocuidado dos adolescentes com DM1 com a idade e o género.
Metodologia: Estudo descritivo-analítico e transversal. Participaram 51 adolescentes entre os 12 e os 18 anos, seguidos em
hospitais distritais da zona centro de Portugal. Foi construído um questionário de dificuldades adaptado de um modelo de papéis
de autocuidado, constituído por 18 itens distribuídos por 4 dimensões: Manutenção da saúde; Controlo da doença; Diagnóstico,
tratamento e Medicação na DM1 e, participação nos serviços de saúde.
Resultados: Referem ter pouca dificuldade em gerir o autocuidado (96,1%), bastante dificuldade no ajuste de insulina mediante
a avaliação de glicemia capilar (29,4%), bastante dificuldade em reconhecer a importância da hemoglobina glicosilada (17,6%).
Conclusão: Os adolescentes revelaram níveis de dificuldade relevantes no ajuste de insulina e na compreensão da hemoglobina
glicosilada.

Palavras-chave: adolescente; diabetes mellitus tipo 1; autocuidado; enfermagem

Abstract Resumen
Background: Type 1 diabetes (T1D) is a chronic disease that is Marco contextual: La diabetes mellitus tipo 1 (DM1) es
increasingly prevalent in adolescence. Intervention in self-care is una enfermedad que cada vez tiene más prevalencia en la
essential for disease management. adolescencia. Por ello, intervenir en el autocuidado es esencial
Objectives: To identify the self-care difficulties of adolescents with para controlarla.
T1D. Analyze the association between the self-care difficulties of Objetivos: Determinar las dificultades en el autocuidado de los
adolescents with T1D and age and gender. adolescentes con DM1. Analizar la relación de las dificultades en
Methodology: Descriptive-analytical and cross-sectional study. el autocuidado de los adolescentes con DM1 con la edad y el
The sample was composed of 51 adolescents aged between 12 and género.
18 years being followed-up in district hospitals of the center region Metodología: Estudio descriptivo, analítico y transversal.
of Portugal. We developed a questionnaire on the adolescents’ Participaron 51 adolescentes con edades comprendidas entre los
difficulties based on a model of self-care roles, consisting of 18 12 y 18 años a los que se les realizó un seguimiento en hospitales
items distributed by 4 dimensions: Health maintenance; Disease de la zona centro de Portugal. Se elaboró un cuestionario de
management; Diagnosis, treatment and Medication in T1D; and dificultades adaptado de un modelo de autocuidado que consta
participation in health services. de 18 ítems distribuidos en 4 dimensiones: mantenimiento de
Results: Most adolescents (96.1%) found it easy to manage self- la salud; control de la enfermedad; diagnóstico, tratamiento y
care, 29.4% of them found it difficult to adjust insulin to blood
medicación en la DM1, y participación en los servicios de salud.
glucose levels, and 17.6% of them found it difficult to recognize
Resultados: El 96,1% indicó que tiene pocas dificultades
the importance of glycated hemoglobin.
Conclusion: Adolescents showed significant levels of difficulty para gestionar la enfermedad, el 29,4% que tiene bastantes
in insulin adjustment and interpretation of glycated hemoglobin. dificultades para ajustar la insulina de acuerdo con la evaluación
de la glucemia capilar, y el 17,6% bastantes dificultades para
Keywords: teenager; type 1 diabetes; self-care; nursing reconocer la importancia de la glucohemoglobina.
Conclusión: Los adolescentes indicaron que tienen niveles
de dificultad relevantes en el ajuste de la insulina y en la
interpretación de la glucohemoglobina.
* MSc., Enfermeiro, Especialista em Enfermagem de Saúde Infantil e Pediátrica, Doutoranda em
Enfermagem, Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, 3046-851, Coimbra, Portugal [liaflora@ Palabras clave: adolescente; diabetes mellitus tipo 1;
esenfc.pt]. Morada para correspondência: Rua 1.º de Maio, lote 58b, 2.º D, Edf. Gardénia, Chã,
3080-847, Figueira da Foz, Portugal. Contribuição: pesquisa bibliográfica, colheita de dados com autocuidado; enfermería
aplicação do questionário, tratamento de dados, análise e discussão dos mesmos, escrita do artigo.
** Ph.D., Enfermeiro, Especialista em Enfermagem de Saúde Infantil e Pediátrica. Professor
Coordenador, Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, 3046-851, Coimbra, Portugal
[mgameiro@esenfc.pt]. Contribuição no artigo: orientador da tese de mestrado, tratamento de
Recebido para publicação em: 07.08.16
dados, análise e discussão dos mesmos, orientações oportunas para a redação do artigo. Aceite para publicação em: 25.11.16

Revista de Enfermagem Referência Série IV - n.° 11 - out./nov./dez. 2016

pp.31-40
Introdução A diabetes é um fator de risco para depressão,
ansiedade e transtornos alimentares, como bulimia e
A diabetes mellitus tipo 1 (DM1) resulta da anorexia. Adolescentes com diabetes têm três vezes
destruição das células ß dos ilhéus de Langerhans maior probabilidade de desenvolver depressão em
do pâncreas, com insulinopenia absoluta, passando relação à população geral (Leite, Zanim, Granzotto,
a insulinoterapia a ser indispensável para assegurar Heupa, & Lamounier, 2008). A diabetes controlada
a sobrevivência, sendo uma doença geralmente tem um impacto na diminuição de custos que se
autoimune (Hockenberry & Wilkenstein, 2006). Em reportam a cuidados de saúde, perda de rendimentos,
Portugal a incidência de diabetes, em 2014, atingia perda de produtividade, estando ainda associados
17,5% (261 novos casos) por cada 100.000 habitantes às oportunidades perdidas para o desenvolvimento
com idades entre 0-14 anos. No ano 2000 verificaram- económico (Correia et al., 2015).
se 9,5%, correspondente a 160 novos casos. Estes O estudo realizado dispôs-se a identificar as
resultados seguem a tendência internacional do dificuldades dos adolescentes com DM1 no âmbito
aumento da DM1 em idades cada vez mais precoces do autocuidado. Para a sua consecução elaborámos
(Correia et al., 2015). As complicações a longo prazo, um inventário de dificuldades, com base no modelo
resultado da inadequada gestão da doença podem de papéis de autocuidado de Santos (citado por Filho,
resultar no aumento da mortalidade e alto risco de Rodrigues, & Santos, 2008). Como instrumento de
complicações micro e macro vasculares. colheita de dados preferenciamos o questionário
A adolescência é uma etapa do desenvolvimento aplicado aos adolescentes com DM1 que frequentam
humano caracterizada por profundas transformações a consulta de diabetologia do Hospital Distrital
físicas, psicológicas e sociais, iniciando-se no período da Figueira da Foz EPE (HDFF.EPE), consulta de
pubertário e atingindo o seu termo com a constituição endocrinologia do Centro Hospital do Baixo Vouga
da pessoa enquanto adulto. A adolescência é um EPE (CHBV.EPE) e aos adolescentes pertencentes
período de rápida maturação física, cognitiva, social a uma associação de diabéticos (AD), com sede na
e emocional (Hockenberry & Wilkenstein, 2006). A região centro do país. Realizou-se uma investigação
Organização Mundial de Saúde delimita a adolescência descritiva e analítica na população dos adolescentes
como o período cronológico compreendido entre com DM1, com os seguintes os objetivos: determinar
os 10 e os 19 anos de idade, considerando a pré as dificuldades dos adolescentes com DM1 no
adolescência entre 10 e os 14 anos, e a adolescência autocuidado e analisar a relação da dificuldade dos
propriamente dita, entre os 15 e os 19 anos (World adolescentes com DM1 no autocuidado com a idade
Health Organization, 2011). A adesão ao autocuidado e com o género.
é problemática para a maioria dos doentes diabéticos.
Contudo, é mais difícil nos adolescentes (Morris,
Boyle, & McMahon citados por Winter 2013). Os Enquadramento
obstáculos para o autocuidado na diabetes devem-
-se ao nível de desenvolvimento, interação familiar A DM1 “é uma doença autoimune caracterizada pela
e pressões sociais, sendo de ressalvar a resistência à perda progressiva de células beta pancreáticas que irá
insulina provocada pela fisiologia do desenvolvimento culminar com a interrupção de produção de insulina
(Borus & Laffel citado por Winter 2013). e consequentemente desequilíbrio metabólico
A doença crónica na adolescência é caracterizada grave” (Miculis et al. 2010, p. 276). É uma doença
pelo seu curso lento e progressivo com tratamento autoimune que se revela quando a pessoa é exposta
prolongado, com um impacto no desenvolvimento a um evento precipitante, como uma infeção viral,
físico e intelectual (Perrin citado por Pilger & Abreu, uma bactéria ou um agente químico (Hockenberry
2007). A oscilação dos níveis de glicose no sangue & Wilkenstein, 2006). O tratamento é constituído por
resultam em lesões dos tecidos e as complicações várias medidas que conjugadas entre si permitem a
microvasculares, como retinopatia e nefropatia, são normalização de glicemias com repercussões no
altamente influenciadas pelo controlo glicémico bem-estar e qualidade de vida do doente. De entre
(Miculis, Mascarenhas, Boguszewski, & Campos, estas, poderemos considerar medidas farmacológicas
2010). e não farmacológicas; as primeiras reportam-se à

Revista de Enfermagem Referência - IV - n.° 11 - 2016 Dificuldades no autocuidado dos adolescentes com diabetes mellitus tipo 1

32
insulinoterapia, ao passo que as segundas se centram No que se refere às dificuldades, os adolescentes
na alimentação e prática de exercício físico (Correia et manifestam maior dificuldade em aceitar a doença
al., 2015). A DM1 requer por parte dos adolescentes e quando comparados com as crianças. Estas dependem
suas famílias uma atitude autónoma e responsável na diretamente dos cuidados dos pais ou responsáveis,
gestão da doença. ao passo que os adolescentes devem assumir
A adolescência está indexada a um processo de responsabilidade própria. Para os adolescentes,
mudança e por conseguinte de grande vulnerabilidade as maiores dificuldades estão relacionadas com a
física e emocional, levando muitas vezes o adolescente incerteza no futuro quanto ao curso da doença, a
a resistir à mudança. As características próprias necessidade de cumprir um plano alimentar e a
da idade, como a rebeldia, a experimentação e a adaptação a uma rotina de compromissos sociais,
tentativa de controlo do seu próprio destino são uma como a ida à escola, a festas, atividades que devem
barreira à gestão do tratamento e, por conseguinte, ser compatíveis com a frequência de consultas
ao cumprimento do autocuidado (Fialho, Dias, (Minanni, Ferreira, Sant’Anna, & Coates, 2010). O
Nascimento, Motta, & Pereira, 2011). As dificuldades acompanhamento dos adolescentes com DM1 e suas
surgem ao longo de todo o processo de adaptação, famílias é fundamental para o controlo da doença,
mas vão sendo percecionadas à medida que os minimização das suas complicações a médio e longo
adolescentes se envolvem no controlo da doença. O prazo. Este acompanhamento tem início no episódio
tratamento é complexo e implica mudança de hábitos, inaugural e deverá manter-se ao longo de toda a
sendo que os resultados não são imediatos e não vida num processo gradual e evolutivo ao longo das
perspetivam a cura. Reportando-nos ao autocuidado diferentes fases de desenvolvimento da pessoa com
“É uma função humana reguladora que as pessoas DM1.
desempenham deliberadamente por si próprias ou
que alguém a execute por eles para preservar a vida,
a saúde, o desenvolvimento e o bem-estar” (Tomey Questões de investigação
& Alligood citados por Queirós, Vidinha, & Filho,
2014, p. 159). No que se refere às condicionantes para Como se caracterizam as dificuldades no autocuidado
o autocuidado, Ataíde e Damasceno (2010, p. 518) dos adolescentes com DM1 relativamente ao controlo
descrevem como fatores que interferem no controlo da doença?
da doença “A idade, as experiências de vida, a cultura, As dificuldades no autocuidado estão relacionadas
o género, o padrão de vida, a educação e a crença”. com a idade e com o género dos adolescentes com
Destacam ainda fatores ambientais, socioeconómicos DM1?
e problemas no sistema de saúde como elementos
que interferem no processo.
No que concerne ao autocuidado no controlo da Metodologia
diabetes, este inclui: administração de insulina,
monitorização da glicose, manutenção de registos de Para análise da validade de conteúdo o instrumento,
administração de insulina, gestão de hipoglicemias e a relevância dos respetivos itens foi apreciada por
hiperglicemias, cumprimento de planos de refeição e peritos na área de diabetologia, nomeadamente
realização de exercício físico regular (Chien, Larson, uma pediatra, uma enfermeira de diabetologia e um
Nakamura, & Lin, 2007). O desvio do autocuidado endocrinologista, tendo sido feitos ajustes de acordo
pode resultar de características da doença e do com as sugestões dos mesmos.
tratamento, nomeadamente pelo facto de ser uma Procedeu-se também à análise da dispersão das
doença crónica sem desconforto imediato nem respostas, pelo cálculo das médias de 0 a 1 e do desvio
risco evidente. Pode ainda comprometer as decisões padrão relativo às respostas de cada item, tendo-se
clínicas, na medida em que a prescrição de insulina e verificado que todas as questões discriminavam com
avaliação da sua ação estão dependentes da apreciação valores de desvio padrão muito próximos, o que
que os adolescentes e suas famílias assumem perante revela consistência.
a doença (Anderson et al. citados por Lewin et al., A amostra deste estudo é constituída por 51
2009). adolescentes portadores de DM1. Os adolescentes

MARÍLIA COSTA FLORA et al. Revista de Enfermagem Referência - IV - n.° 11 - 2016

33
foram selecionados tendo em conta os seguintes relevantes para a caracterização da amostra e um
critérios: diagnóstico de DM1, não hospitalizados, inventário de dificuldades nos papéis de autocuidado,
idade compreendida entre os 12 e os 19 anos. Foi com base no modelo de papéis de autocuidado de
selecionada esta faixa etária por uma questão de Santos (citado por Filho et al., 2008). Segundo os
maturidade dos adolescentes e de potencial de autores, os papéis de autocuidado para os portadores
autonomização nos papéis de autocuidado. de DM1 são categorizados nas seguintes dimensões:
Para a aplicação do questionário foram solicitadas Manutenção da saúde: consiste em sustentar uma
autorizações por escrito ao conselho de administração vida com melhor qualidade através do desempenho
do HDFF, EPE e ao da administração do CHBV, EPE e de ações que convergem para o autocuidado,
ainda a uma AD. Após parecer favorável da comissão possibilitando efetivamente uma condição de saúde;
da ética das respetivas instituições, foi iniciada a Prevenção das complicações agudas e crónicas da
investigação. O presente estudo é quantitativo, DM1: consiste na prevenção das complicações de
descritivo-analítico e transversal. De acordo com forma a manter o equilíbrio da doença; Diagnóstico,
o modelo de análise proposto, considerámos tratamento e medicação na DM1: reconhecimento dos
como variável central as dificuldades nos papéis de sinais e sintomas de hiperglicemia e de hipoglicemia
autocuidado. No que se refere a outras variáveis, e ajuste de terapêutica; Participação ativa nos serviços
considerámos as características demográficas idade e de saúde: todas as ações que incluem o uso das
género dos adolescentes. estruturas disponíveis de apoio em saúde.
O modelo serviu de base para a construção de
População e Amostra: tipo de amostra um inventário de Dificuldades nos Papéis de
Da amostra total, 32 adolescentes (62,7%) foram Autocuidado. Todavia, alguns aspetos enunciados
recrutados na consulta de endocrinologia do CHBV, nesse modelo aplicado numa amostra do Brasil não
EPE; 11 adolescentes (21,6%) durante as atividades se adaptam totalmente à realidade da população
de uma AD, seguidos em consultas de hospitais portuguesa. Assim, houve necessidade de adaptar
da zona centro; e oito adolescentes (15,7%) na alguns itens. Na dimensão Manutenção da saúde
consulta de endocrinologia do HDFF, EPE. Trata-se não foram considerados os seguintes aspetos:
de uma amostra de tipo acidental, uma vez que os manter a vacinação atualizada e praticar atividades
adolescentes iam integrando o estudo conforme religiosas. Na dimensão Controlo da doença em vez
compareciam na consulta/encontros da AD, apenas de Avaliação de hemoglobina glicosilada (HbA1c)
nos dias em que a investigadora estava presente. A uma vez que esta avaliação é da responsabilidade
amostra foi selecionada em momentos diferentes, da equipa de saúde que acompanha os adolescentes
no período compreendido entre setembro de 2012 e não da responsabilidade do adolescente ou
e fevereiro de 2013. Relativamente ao género, a de outros adultos, considerou-se Reconhecer a
amostra é equilibrada, 25 adolescentes (49%) eram importância da (HbA1c). Julgámos ainda necessário
raparigas e 26 adolescentes (51%) rapazes. No que incluir o item Administração de insulina, uma vez
respeita à idade, a média de idades do grupo foi de que os autores não o enunciam e, considerámos
15 anos (DP = 2,07; Md = 15). Há uma distribuição este tópico imprescindível para a gestão eficaz da
equitativa nos escalões etários selecionados com uma diabetes.
dimensão semelhante entre eles. Todavia, existe uma Os autores consideram também a dimensão
maior prevalência dos adolescentes entre os 12-14 Prevenção das complicações agudas e crónicas.
anos. O escalão dos 12 aos 14 anos é composto por 21 Todavia parece-nos que os vários aspetos que
adolescentes (41,2%), seguindo-se o escalão dos 15 compõem esta dimensão do ponto de vista
aos 17 anos com 19 adolescentes (37,3%) e o escalão conceptual não se referem às complicações da
acima dos 17 anos com 11 adolescentes (21,6%). doença, mas sim ao controlo da mesma, motivo
Todos os inquiridos residiam na região centro do país. pelo qual foi alterada a designação da versão
original para Controlo da doença. Não obstante,
Instrumento há uma relação direta entre o não cumprimento
Foi elaborado um questionário demográfico, dos referidos papéis de autocuidado e o aumento
sociocultural e clínico, onde foram colocadas questões do risco de complicações da DM1. Tendo em conta

Revista de Enfermagem Referência - IV - n.° 11 - 2016 Dificuldades no autocuidado dos adolescentes com diabetes mellitus tipo 1

34
os considerandos precedentes, o instrumento Tabela 1. Para o preenchimento deste instrumento
aplicado a uma versão adaptada, foi constituído os adolescentes respondem colocando uma cruz (X)
por 18 questões distribuídas por quatro dimensões: na alternativa que considerarem à sua situação numa
Manutenção da saúde, Controlo da doença, escala tipo likert de quatro pontos (1 a 4): “nenhuma
Diagnóstico, tratamento e Medicação na DM1 e dificuldade” (1), “alguma dificuldade” (2), “bastante
Participação nos serviços de saúde. Por sua vez, cada dificuldade” (3), “muita dificuldade” (4).
dimensão é constituída por vários itens, conforme a

Tabela 1
Inventário de dificuldades nos papéis de autocuidado

Controlar o peso
Realizar uma alimentação equilibrada
Manutenção da saúde Evitar consumo de tabaco
Evitar consumo de bebidas alcoólicas
Realizar atividades de lazer regularmente
Combater o stress
Praticar atividade física regularmente
Avaliar glicemias capilares
Reconhecer a importância da hemoglobina glicosilada (HbA1c)
Controlo da doença
Controlar glicemias capilares
Administrar insulina
Despistar sinais e sintomas de hipoglicemia
Diagnóstico, tratamento e medicação Intervir perante hipoglicemia
na DM1 Despistar sinais e sintomas de hiperglicemia
Intervir perante hiperglicemia
Ajustar a insulina perante a avaliação de glicemia capilar
Acesso ao serviço de saúde de referência
Participação nos serviços de saúde
Contacto com a equipa de referência

Relativamente a este instrumento foi determinada Alpha de Cronbach e a correlação dos itens com o
a dificuldade global, calculando a média de todos total corrigido, de acordo com a Tabela 2. O valor
os itens. Foi igualmente determinado o score de obtido para a escala de dificuldades nos papéis
dificuldade para cada dimensão. de autocuidado foi de 0,695, indicador de uma
consistência interna aceitável. No que se refere às
Fidelidade da escala de dificuldades nos dimensões de responsabilidade, a consistência interna
papéis de autocuidado mais baixa foi de 0,505 para a dimensão Diagnóstico
Foi analisada a consistência interna das dimensões tratamento e medicação na DM1.
e do global, sendo calculados os coeficientes de

MARÍLIA COSTA FLORA et al. Revista de Enfermagem Referência - IV - n.° 11 - 2016

35
Tabela 2
Consistência interna das dimensões de dificuldades nos papéis de autocuidado (n=51)

Dimensões Itens Correlação do item total Alpha da dimensão se o


corrigido item for eliminado
Manutenção da saúde Controlar o peso 0,263 0,613
Realizar uma alimentação equilibrada 0,359 0,586
Evitar consumo de tabaco 0,219 0,630
Evitar consumo de bebidas alcoólicas 0,341 0,592
Realizar atividades de lazer regularmente 0,325 0,600
Combater o stress 0,528 0,523
Praticar atividade física regularmente 0,368 0,581
(Alpha de Cronbach 0,628)
Controlo da doença Avaliar glicemias capilares 0,391 _
Controlar glicemias capilares 0,391 _
(Alpha de Cronbach 0,560)
--------------------- --------------------------------------- ------------------ -----------------
Reconhecer a impor-
tância da HbA1c 1 _ _
Administrar insulina 1 _ _
Diagnóstico, tratamen- Despistar sinais e sintomas de hipoglicemia 0,256 0,484
to e medicação na DM1 Intervir perante hipoglicemia 0,333 0,541
Despistar sinais e sintomas de hiperglice- 0,538 0,146
mia
Intervir perante hiperglicemia 0,163 0,545
(Alpha de Cronbach 0,505)
--------------------- --------------------------------------- ------------------ -----------------
Ajustar a insulina
perante a avaliação de
glicemia 1 _ _
Participação em servi- Acesso ao serviço de saúde de referência 0,345 _
ços de saúde Contacto com a equipa de referência 0,345 _
(Alpha de Cronbach 0,510)

Os itens reconhecer a importância da HbA1c, Resultados


administrar insulina e ajustar a insulina perante a
avaliação de glicemia foram analisados separadamente Os adolescentes foram agrupados por níveis de
uma vez que apresentavam uma correlação muito dificuldade, considerando os seguintes intervalos: (1-
baixa com o total < 0,20. -2) pouca dificuldade, (2-3) bastante dificuldade e (3-4)
muita dificuldade, conforme a Tabela 3. Relativamente
Colheita de dados às dificuldades nos papéis de autocuidado, a maioria
A aplicação do instrumento decorreu em dias dos adolescentes refere pouca dificuldade em gerir
previamente agendados com as equipas de os papéis de autocuidado (96,1%). Este resultado é
enfermagem das instituições e com o responsável transversal às diferentes dimensões de dificuldades,
pela AD. Antes de iniciar a aplicação do instrumento salvo a dimensão Participação em serviços de saúde.
foi explicado aos adolescentes presentes e aos Observamos ainda que a dimensão onde os
responsáveis legais o carácter do estudo, bem como adolescentes referem mais dificuldades é a
o objetivo e finalidade do mesmo. Foi ainda garantido Participação em serviços de Saúde (70,6% no nível
o anonimato dos dados. O instrumento foi aplicado 3-4). Estes dados podem dever-se ao facto de o
após os adolescentes e os responsáveis legais terem contacto com os serviços de saúde ser imputado aos
assinado o consentimento informado. A resposta pais ou responsáveis legais. Seguiu-se a dimensão de
aos questionários foi individual e teve a duração de dificuldades de Reconhecer a importância da HbA1c
aproximadamente 15 minutos. (11,8% no nível muita dificuldade e 17,6% no nível

Revista de Enfermagem Referência - IV - n.° 11 - 2016 Dificuldades no autocuidado dos adolescentes com diabetes mellitus tipo 1

36
bastante dificuldade). De referir ainda a dimensão capilar, onde observamos que 29,4% dos adolescentes
Ajustar insulina perante a avaliação de glicemia apresentam bastantes dificuldades (nível 2-3).

Tabela 3
Distribuição dos elementos da amostra por classes de dificuldades nos papéis de autocuidado e medidas de
resumo
Bastante Muita difi-
Pouca dificuldade dificuldade culdade
Dificuldades nos papéis de autocuidado (1-2) (2-3) (3-4) Md χ̅ DP
n % n % n %
Manutenção da Saúde 45 88,2 6 1,8 -- 0,0 1,29 1,41 0,35
Controlo da doença 44 86,3 5 9,8 2 3,9 1,00 1,37 0,51
Reconhecer a importância da HbA1c 36 70,6 9 17,6 6 11,8 1,00 1,45 0,81
Administrar insulina 43 84,3 6 11,8 2 3,9 1,00 1,20 0,49
Diagnóstico, tratamento e medicação na DM1 47 92,2 4 7,8 -- 0,0 1,25 1,26 0,31
Ajustar insulina perante a avaliação de glicemia
34 68,6 15 29,4 1 2,0 1,00 1,36 0,60
capilar
Participação em serviços de saúde -- 0,0 15 29,4 36 70,6 2,0 1,9 0,60
Dificuldades no global 49 96,1 2 3,9 -- 0,0 1,33 1,33 0,23

Relação das dificuldades nos papéis de observamos uma correlação negativa, estatisticamente
autocuidado com a idade significativa entre a idade e Reconhecer a importância
No que se refere às dificuldades nos papéis de da HbA1c (rs = -0,355 e p = 0,010), o que sugere que
autocuidado, foi feita uma análise complementar os adolescentes com mais idade tendem a apresentar
no sentido de perceber se há correlação entre as menos dificuldades em reconhecer as dificuldades
dificuldades nos papéis de autocuidado e a idade. nos papéis de autocuidado. No limiar de significância
Foram determinados os coeficientes de correlação verifica-se uma relação positiva entre a idade e a
de Spearman entre o global, as várias dimensões Manutenção da saúde (rs = 0,273 e p = 0,053).
de dificuldades e a idade. Analisando a Tabela 4,

Tabela 4
Dificuldades nos papéis de autocuidado e idade (n=51)

Dificuldades nos papéis de autocuidado Idade


rs = 0,273
Manutenção da saúde
p= 0,053
rs = 0,122
Controlo da doença
p= 0,395
rs = -0,355*
Reconhecer a importância da HbA1c
p= 0,010
rs = -0,044
Administrar insulina
p= 0,758
rs = 0,024
Diagnóstico, tratamento e medicação na DM1
p= 0,865
rs = -0,195
Participação nos serviços de saúde
p= 0,171
rs = -0,090
Ajustar insulina perante avaliação de glicemia capilar
p= 0,536
rs = 0,044
Dificuldades no global
p= 0,761
Nota. rs = correlação de Spearman.
*Significativo p < 0,05.

MARÍLIA COSTA FLORA et al. Revista de Enfermagem Referência - IV - n.° 11 - 2016

37
Relação das dificuldades nos papéis de observar que existe uma relação estatisticamente
autocuidado com o género significativa entre o género e a dimensão de
Foi feita uma estatística adicional no sentido de dificuldades Ajustar insulina perante avaliação de
analisar a relação entre as dificuldades nos papéis glicemia capilar (Z = -2,632 e p = 0,008), no sentido
de autocuidado e o género (Tabela 5). Para o efeito das adolescentes referirem mais dificuldades nesta
aplicámos testes de U de Mann-Whitney. Podemos dimensão.

Tabela 5
Dificuldades nos papéis de autocuidado e género

Género Teste de Mann-Whitney


Feminino Masculino
(n = 25) (n = 26) Z p
Md 1,29 1,29 -0,133 0,894
Manutenção da saúde χ̅ 1,40 1,43
DP 0,30 0,40
Md 1,50 1,00 -0,706 0,480
Controlo da doença χ̅ 1,40 1,35
DP 0,50 0,52
Md 1,00 1,00 -0,705 0,481
Reconhecer a importância da HbA1c χ̅ 1,40 1,50
DP 0,82 0,81
Md 1,00 1,00 -0,060 0,952
Administrar insulina χ̅ 1,20 1,19
DP 0,50 0,49
Md 1,25 1,25 -0,010 0,992
Diagnóstico, tratamento e medicação na
χ̅ 1,27 1,26
DM1
DP 0,32 0,30
Md 1,50 1,00 -2,632 0,008**
Ajustar insulina perante avaliação de glice-
χ̅ 1,58 1,15
mia capilar
DP 0,72 0,37
Md 1,00 1,00 -0,460 0,645
Participação nos serviços de saúde χ̅ 1,16 1,12
DP 0,31 0,26
Md 1,33 1,28 -0,569 0,569
Dificuldades no global χ̅ 1,34 1,32
DP 0,21 0,25
Nota. *Significativo p < 0,05; **Altamente significativo p < 0,01

Discussão de autocuidado. A maioria dos adolescentes referiu


pouca dificuldade em gerir o autocuidado (nível 1-2)
O autocuidado na diabetes requer a adoção de numa escala de 1 a 4 pontos.
estratégias para o controlo metabólico, centra- Num estudo que avaliou a forma como os
se na prática de exercício físico, alimentação e adolescentes gerem a diabetes e as atividades de
insulinoterapia com vista à normalização da HbA1c. A quotidiano, estes identificaram como dificuldades
gestão do autocuidado dos diabéticos foi identificada o medo e a incerteza quanto ao curso da doença, a
como uma importante estratégia para melhorar o reeducação de hábitos alimentares e a restrição em
controlo metabólico (Morris et al. citados por Stewart, frequentar compromissos sociais e de grupo pelas
Emslie, Klein, Haus, & White, 2005). O instrumento idas frequentes a consultas (Santos & Enumo 2003).
desenvolvido neste estudo foi elaborado no sentido Particularizando por dimensão de dificuldades, as
de operacionalizar a variável dificuldades nos papéis dimensões Participação em serviços de Saúde e

Revista de Enfermagem Referência - IV - n.° 11 - 2016 Dificuldades no autocuidado dos adolescentes com diabetes mellitus tipo 1

38
Reconhecer a importância da HbA1c foram referidas Ao longo do estudo surgiram algumas limitações que
como as maiores dificuldades (nível 3-4). Na dimensão determinaram os resultados. Destacamos o tempo de
Ajustar insulina perante avaliação de glicemia demora na resposta das instituições para autorização
capilar, 29,4% dos adolescentes referiram bastante do estudo. Relativo ao número de participantes,
dificuldade (nível 2-3). É importante trabalhar estes o facto de as consultas se realizarem na maioria
aspetos junto dos adolescentes, nomeadamente das vezes trimestralmente foi um fator que limitou
este último, cujo controlo da doença depende consideravelmente a dimensão da amostra.
diretamente da capacidade que os adolescentes
têm de ajustar a insulina perante as avaliações de
glicemia capilar. Nascimento et al. (2011) descrevem Conclusão
como dificuldades na gestão do autocuidado, a
dor para realização da glicemia capilar e o medo da A DM1 é uma doença crónica com um impacto
administração de insulina. Estes aspetos cujo foco relevante na vida dos adolescentes e suas famílias.
é a dor do procedimento poderão eventualmente Com a realização deste estudo foi possível identificar
estar na origem da dificuldade que os adolescentes as dificuldades que os adolescentes com DM1 sentem
sentem em gerir a administração de insulina. O relativamente ao controlo da doença.
recurso à bomba infusora de insulina e a utilização de No global, 96,1% dos adolescentes referem pouca
dispositivos de monitorização de glicemias contínuas dificuldade em gerir os papéis de autocuidado.
vêm minimizar o impacto da dor da picada. Particularizando por dimensões de dificuldade
Na escola, a falta de um espaço próprio e privado observamos que na dimensão Reconhecer a
para administração de insulina é um dos aspetos importância da HbA1c 11,8% referem muita
que pode estar na origem da resistência ao controlo dificuldade e 17,6% bastante dificuldade. Na dimensão
da doença. Observámos que a idade se relaciona Ajustar insulina perante a avaliação de glicemia capilar
negativamente com a dificuldade Reconhecer a observamos que 29,4% dos adolescentes referem
importância da HbA1c, assim, à medida que aumenta bastante dificuldade.
a idade diminuem as dificuldades no autocuidado na As estratégias de intervenção de enfermagem devem
dimensão referida. procurar o reforço da capacidade organizativa, a
Num estudo com adolescentes diabéticos foi introdução de modelos de boas práticas na gestão da
analisada a forma como estes atuam perante diabetes delineadas segundo princípios orientadores
flutuações de glicemia, fizeram uma investigação com pré estabelecidos. A intervenção deverá perspetivar
adolescentes dos 9 aos 14 anos de idade e relataram variáveis socioculturais, familiares e pessoais,
que, apesar dos adolescentes diabéticos mais velhos incidindo sobre a educação do doente e instruindo-o
apresentarem maior capacidade de resolução de para a autovigilância e autocontrolo. A autovigilância
problemas, estão condicionados pela aceitação de é conseguida através das várias avaliações de glicemia
comportamentos pelo grupo de pares. Segundo capilar ao passo que o autocontrolo corresponde à
este estudo, os adolescentes enfrentam conflitos de adaptação dos adolescentes às oscilações de glicemias
gestão da diabetes porque se comportam de acordo capilares através de insulinoterapia, alimentação e
com o grupo (Wysocki et al., 2008). exercício físico.
Por sua vez o género relaciona-se com a dimensão Há uma premente necessidade de avaliar as
de dificuldades Ajustar insulina perante a avaliação necessidades dos adolescentes com DM1 e suas
de glicemia capilar. No que se refere às dificuldades famílias, identificar estruturas organizadas de apoio
face ao autocuidado, Zanetti e Mendes (2001) que permitam a continuidade de cuidados pediátricos
concluíram que as dificuldades mais frequentes na comunidade, em estreita ligação com os
referenciadas por mães de adolescentes diabéticos cuidados hospitalares. Após a adaptação e avaliação
estão relacionadas com a dieta, atividades escolares das propriedades psicométricas, o instrumento
e físicas, comportamento da família e relacionamento desenvolvido revelou ser válido e confiável. Parece-nos
com a equipa de saúde. Referiram ainda que a maior razoável afirmar com relativa confiança que a sua
dificuldade se deveu à adaptação, à dieta e à restrição replicação noutros contextos requer ainda algum
do consumo de hidratos de carbono em dias festivos. aperfeiçoamento.

MARÍLIA COSTA FLORA et al. Revista de Enfermagem Referência - IV - n.° 11 - 2016

39
Referências bibliográficas Minanni, C. A., Ferreira, A. B., Sant’Anna, M. J., & Coates, V. (2010).
Abordagem integral do adolescente diabético. Revista
Ataíde, M. B., & Damasceno, M. M. (2010). Fatores que interferem Adolescencia e Saúde, 7(1), 45-52. Recuperado de http://
na adesão ao autocuidado em diabetes. Revista Enfermagem www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=181
UERI, 14(4), 518-523. Recuperado de http://www.facenf.
uerj.br/v14n4/v14n4a05.pdf Nascimento, L. C., Amaral, M. J., Sparapani, V. C., Fonseca, L. M.,
Rodrigues, M. D., & Dupas, G. (2011). Diabetes mellitus tipo
Chien, S. C., Larson, E., Nakamura, N., & Lin, S. J. (2007). Self-care 1: Evidências da literatura para seu manejo adequado, na
problems of adolescents with type 1 diabetes in Southern perspectiva de crianças. Revista da Escola de Enfermagem da
Taiwan. Journal Of Pediatric Nursing, 22(5), 404-409. USP, 45(3), 764-769. doi:10.1590/S0080-62342011000300031
doi:10.1016/j.pedn.2006.05.011
Pilger, C., & Abreu, I. (2007). Diabetes mellitus na infância:
Correia, L., Boavida, J. M., Almeida, J. P., Anselmo, J., Ayala, Repercussões no cotidiano da criança e de sua família.
M.,Cardoso, S.,Costa, A. L.,…Raposo, J. (2015). Diabetes: Cogitare Enfermagem, 12(3), 494-501.doi:10.5380/
Factos e números 2014: Relatório anual do observatório ce.v12i4.10076
nacional da diabetes. Recuperado de https://www.dgs.
pt/estatisticasde-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/ Queirós, P. J.,Vidinha, T. S., & Filho, A. J. (2014). Autocuidado:
diabetes-factose-numeros-7-edicao.aspx O contributo teórico de Orem para a disciplina e profissão
de enfermagem. Revista de Enfermagem Referência, 4(3),
Fialho, F. A., Dias, I. M., Nascimento, L., Motta, P. N., & Pereira, 157-164. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/
S. G. (2011). Crianças e adolescentes com diabetes mellitus: vserIVn3/serIVn3a18.pdf
Implicações para a enfermagem. Revista Baiana de
Enfermagem, 25(2), 145-154. doi:10.18471/rbe.v25i2.4820 Santos, J. R., & Enumo, S. R. (2003). Adolescentes com
diabetes mellitus tipo 1: Seu cotidiano e enfrentamento
Filho, C. V., Rodrigues, W. H., & Santos, R. B. (2008). Papéis de da doença.  Psicologia: Reflexão e Crítica,  16(2), 411-
autocuidado: Subsídio para a enfermagem diante das reações 425.  Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/prc/v16n2/
emocionais dos portadores de diabetes mellitus. Escola Anna a21v16n2.pdf
Nery Revista de Enfermagem, 12(1), 125-129. Recuperado
de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pi Stewart, S. M., Emslie, G. J., Klein, D., Haus, S., & White,
d=S1414-81452008000100019 P.  (2005).  Self-care and glycemic control in adolescents
with type I diabetes. Children’s Health Care, 34(3), 235-244.
Hockenberry, M. J., & Wilkenstein (2006). A criança com disfunção doi:10.1207/s15326888chc3403_5
endócrina. M. J. Hockenberry (Ed.), Wong fundamentos de
enfermagem pediátrica (pp.1063-1095). Rio de Janeiro, Winter, C. (2013). The correlates of the health-related quality
Brasil: Elsevier. of life of paediatric patients with diabetes type 1 (Tese de
Mestrado) Faculty of Behavioural Sciences.
Leite, S. A., Zanim, L. M., Granzotto, P. C., Heupa, S., & Lamounier,
R. N. (2008). Pontos básicos de um programa de educação World Health Organization. (2011). Adolescent health. Geneva,
ao paciente com diabetes mellitus tipo 1. Arquivo Brasileiro Switzerland: Author.
Endocrinologia e Metabolismo, 52(2), 233-242. doi:10.1590/ Wysocki, T., Iannotti, R., Weissberg-Benchell, J., Laffel, L., Hood,
S0004-27302008000200010  K., Anderson, B., & Chen, R. (2008). Diabetes problem
Lewin, A. B., LaGreca, A. M., Geffken, G. R., Williams, L. B., Duke, solving by youths with type 1 diabetes and their caregivers:
D. C., Storch, E. A., & Silverstein, J. H. (2009). Validity and Measurement, validation, and longitudinal associations with
reliability of an adolescent and parent rating scale of type glycemic control. Journal of Pediatric Psychology, 33(8),
1 diabetes adherence behaviors: The self-care inventory 875–884. doi:10.1093/jpepsy/jsn024
(SCI). Jounal Of Pediatric Psychology, 34(9), 1000-1007. Zanetti, M. L., & Mendes, I. A. (2001). Análise das dificuldades
doi:10.1093/jpepsy/jsp032 relacionadas às atividades diárias de crianças e adolescentes
Miculis, C. P., Mascarenhas, L. P., Boguszewski, M. C., & Campos, com diabetes mellitus tipo 1: Depoimento de mães. Revista
W. (2010). Atividade física na criança com diabetes tipo Latino-Americana de Enfermagem, 9(6), 25-30. doi:10.1590/
1.  Jornal de Pediatria,  86(4), 271-278.  doi:10.1590/S0021- S0104-11692001000600005 
75572010000400005 

Revista de Enfermagem Referência - IV - n.° 11 - 2016 Dificuldades no autocuidado dos adolescentes com diabetes mellitus tipo 1

40