You are on page 1of 3

Comunicação


Biofertilizantes






líquidos e






sustentabilidade ○






agrícola








Marcos Barros de Medeiros*



Juliano da Silva Lopes**





A Resultados
s modificações genéticas pelas dos sistemas já existentes, no sentido


quais as plantas cultivadas e de garantir a viabilidade agrícola sob


os animais passaram, permiti- seus diversos aspectos. Frente a essa com uso de



ram adaptações em diferentes ambien- problemática, apresentam-se neste
biofertilizantes


tes. Embora os avanços científicos e tec- trabalho, algumas considerações sobre


nológicos tenham permitido enormes o uso de biofertilizantes líquidos na agri-

progressos, o desenvolvimento da ativi- cultura, que vem mostrando bons resul- Os efeitos do biofertilizante no


dade agrícola, pela própria natureza, tados em algumas formulações já testa- controle de pragas e doenças de

perturba de alguma forma o meio am- das e que podem ser aplicadas de forma plantas têm sido bem evidenciados.

biente em relação à sua situação natu- alternativa na proteção de plantas. Essa Efeitos fungistático, bacteriostático e


ral. São exemplos, os problemas graves estratégia é indicada principalmente repelente sobre insetos já foram

de deterioração dos solos, e a grande para as pequenas propriedades, onde constatados. Santos e Sampaio (1993)

multiplicação de “pragas e doenças” os recursos financeiros e tecnológicos


verificaram uma propriedade coloidal


agrícolas. são escassos, aproveitando-se subpro-

do biofertilizante que provoca a ade-


Surgem nos diversos setores sociais dutos da agropecuária que muitas vezes
rência do inseto sobre a superfície do

discussões em torno da “agricultura sus- são descartados.


tecido vegetal. Os autores destaca-


tentável”. Nesta, o conceito de sustenta-

ram também o efeito repelente e de-


bilidade não pode ter o aspecto estático,


terrente de alimentação contra pul-
O que são

comumente implícito no tempo, pelos


quais os sistemas agrícolas são consi- gões e mosca-das-frutas. Medeiros et


derados sustentáveis quando a produ- biofertilizantes al. (2000b) verificaram que o bio-

fertilizante a base de conteúdo de


ção é pensada como fator isolado. Um


líquidos

conceito dinâmico é mais apropriado rúmen bovino e composto orgânico


e atende a evolução e ao desenvolvi- Microgeo reduziram a fecundidade,


mento da sociedade. Muitas práticas


Os biofertilizantes possuem com- período de oviposição e longevidade


agrícolas podem ter sido denominadas postos bioativos, resultantes da biodi- de fêmeas do ácaro-da-leprose dos

sustentáveis no passado, ou mesmo no gestão de compostos orgânicos de ori- citros, Brevipalpus phoenicis, quando

presente, segundo as condições socioe-


gem animal e vegetal. Em seu conteúdo pulverizado em diferentes concen-


conômicas, edafoclimáticas e demais são encontradas células vivas ou laten- trações. O estudo comprovou que o

características locais. Num conceito tes de microrganismos de metabolismo biofertilizante agiu por contato direto

dinâmico, a sustentabilidade deve levar aeróbico, anaeróbico e fermentação


e residual e também funcionou de


em conta as mudanças temporais nas

(bactérias, leveduras, algas e fungos fila- forma sistêmica na planta. Esses mes-

necessidades humanas, especialmente mentosos) e também metabólitos e que-


mos autores comprovaram que este

relacionadas a uma população crescen- latos organominerais em solutos aquo-


te, bem como uma adequada percep- biofertilizante agiu sinergicamente


so. Segundo Santos e Akiba (1996), os

com Bacillus thuringiensis e o fungo


ção da relação ambiental com a agricul- metabólitos são compostos de proteí-


tura, salienta Paterniani (2001). nas, enzimas, antibióticos, vitaminas, B. bassiana, reduzindo a viabilidade

Surge então a necessidade de pro- toxinas, fenóis, ésteres e ácidos, in- dos ovos e sobrevivência de larvas do

mover estilos alternativos de agricultura bicho-furão-dos-citros (Ecdytolopha


clusive de ação fito-hormonal produ-


ou a implementação de técnicas dentro zidos e liberados pelos microrganismos. aurantiana).


*D.Sc. Prof. do CFT/UFP; e-mail: mbmedeir@yahoo.com.br


**Eng. Agrônomo – PRONERA/INCRA; e-mail: sertaojuliano@yahoo.com.br

24 Bahia Agríc., v.7, n.3, nov. 2006


Comunicação
A ação antibiótica e indução de solarada, mantendo-o descoberto. Para e altos teores das substâncias sinteti-


resistência sistêmica da planta são o dimensionamento do volume do zadas, o uso de biofertilizantes em pul-



provavelmente os principais meca- tanque, deverá ser considerado um verizações foliares normalmente são


nismos de ação do biofertilizante sobre consumo diário máximo de 10% de feitos com diluições em água entre 0,1


a praga (D´ANDRÉA; MEDEIROS, biofertilizante, da sua capacidade. e 5%. Concentrações maiores, entre 20



2002). Os fenômenos podem estar CLC com usos de esterco e com- e 50%, foram utilizadas por Santos e


diretamente associados à complexa e posto orgânico enriquecido: adiciona-se Akiba (1996), com o biofertilizante


pouco conhecida composição química no tanque o esterco fresco de gado “Vairo”. Porém, em concentrações


e biológica dos biofertilizantes. Um (inoculante), um composto orgânico muito elevadas, o biofertilizante pode



composto coloidal, de consistência enriquecido com minerais (Ex.: Microgeo) causar estresse fisiológico na planta


mucilaginosa (goma) e de composi- e água (não clorada). No caso do retardando seu crescimento, floração


ção ainda não conhecida, foi observa- Microgeo, o preparo é feito nas seguintes ou frutificação. Isso se deve provavel-



do por Medeiros (2000b), causando ○ proporções: 1,0 kg do composto/4,0 l de mente ao desvio metabólico para


a imobilização e morte do ácaro B. esterco/20,0 l de água (completando o produção de substâncias de defesa.


phoenicis sobre a folha devido à volume). Agitar duas vezes ao dia Para hortaliças, recomendam-se pul-


manualmente com um “rodo”, que verizações semanais, utilizando entre


obstrução de seu sistema digestivo.


também permitirá determinar a espes- 0,1 e 3% de concentração do biofer-


sura da camada orgânica (biomassa) tilizante. Em fruteiras, pulverizações
Processos


depositada no fundo do tanque, com o entre 1 e 5% do biofertilizante com


envolvidos na


objetivo de quantificar a reposição do Microgeo produziram resultados


esterco de gado no processo CLC. significativos na sanidade da cultura.
produção de


Iniciar o uso do biofertilizante com Este biofertilizante também vem sendo


aproximadamente 15 dias após a empregado sobre o solo em concen-


biofertilizantes


mistura inicial dos insumos. trações de até 20%. Este, quando


Na manutenção da CLC, devem-se aplicado sobre o mato roçado, como


Não existe uma fórmula padrão contabilizar diariamente os volumes “input” microbiano é capaz de



para a produção de biofertilizantes. Re- de biofertilizante consumidos, repondo aumentar a compostagem laminar


ceitas variadas vêm sendo testadas, uti- os insumos no tanque nas seguintes (D´ANDRÉA; MEDEIROS, 2002).

lizando-se componentes minerais para proporções: As aplicações de biofertilizantes


a) reposição do composto orgâ- deverão ser realizadas durante as fases


o enriquecimento do meio de cultivo.


O processo de fermentação é com- nico - para cada 30,0 a 40,0 l de de crescimento e/ou produção, evitan-

plexo e os microrganismos existentes biofertilizante usado, repor 1,0 kg do do-as no florescimento. Deve-se dar

passam quatro fases distintas de cresci- composto/inoculante. O intervalo de preferência pelos dias de chuva ou

reposição poderá ser semanal até irrigação e os horários vespertino ou


mento celular: latência, crescimento


exponencial, fase estacionária e morte mensal. noturno, evitando-se os períodos secos


celular. Cada microrganismo partici- b) reposição do esterco de gado - e horas mais quentes do dia. Altas

adicionar um volume de esterco de ga- concentrações do biofertilizante po-


pante degrada alimento para outro, numa


relação de interdependência mútua e do (fresco) suficiente para manter a dem provocar na planta, demanda de

harmônica e, assim, o processo de fer- mesma proporção biomassa/água do água muito maior para o seu equilíbrio.

mentação acaba sendo contínuo, desde início do processo, sempre quando se Mesmo assim, pulverizações com o

verificar com ajuda do “rodo” a dimi- biofertilizante, na diluição de 1%, nos


que seja alimentado com meio nutriti-


vo, o que fundamentou o processo de nuição da camada orgânica no fundo períodos secos são possíveis. Apesar

compostagem líquida descrito abaixo do tanque. de estarem sob os efeitos do estresse


c) reposição da água - em função hídrico, as plantas estarão recebendo


por D´Andréa e Medeiros (2002).


do volume de biofertilizante consu- energia entrópica (não utilizável pelos


mido, da evaporação e das chuvas. O insetos) e outros fatores de proteção.


volume de água adicionado deverá ser As figuras 1,2,3 e 4 ilustram todo o


Compostagem

o suficiente para a manutenção do nível processo.



líquida contínua do tanque. Manter descobertos os


tanques maiores de 1.000 l, retirando


(CLC) para uso posterior o volume do biofer-


Considerações


tilizante que eventualmente poderá


finais

transbordar, armazenando-o em
Dimensionamento da produção:

tambores (MICROBIOL, 2001).


tanques podem ser utilizados para


volumes de até 1.000 l, caixas de fibro- Dentro desse contexto, foram co-

cimento ou plásticas. Para volumes locadas aqui, questões que envolvem


Recomendações principalmente a busca pela auto-


maiores constrói-se diretamente no


suficiência na propriedade, principal-

solo, “piscinas” com as dimensões do


de uso

volume pretendido, e com a profun- mente nas pequenas, visto que os re-

didade máxima de 1 m, as quais são cursos financeiros e a adoção de tecno-


logias mais modernas são limitados.


revestidas com lona plástica. A loca- Segundo Pinheiro e Barreto (1996),


lização do tanque deve ser em área en- devido aos elevados efeitos hormonais Outro aspecto importante, é que a

Bahia Agríc., v.7, n.3, nov. 2006 25


Comunicação
Fotos: Marcos Barros e Paulo D´Andréa

Fotos: Marcos Barros e Paulo D´Andréa


análise das vantagens e desvantagens


não é feita considerando-se apenas



um produto ou atividade isolados,


mas sim o sistema como todo. Nesse


enfoque, um problema qualquer não



pode ser visto e atacado de forma


isolada, e sim, entendido em sua re-


lação com as demais condições do


agroecossistema.



A preocupação em se gerar alter-


nativas ao problema dos rejeitos


líquidos e sólidos na agricultura,



○ transformá-los em insumos de baixo


custo e capazes de serem aplicados


na atividade produtiva primária,


representa um grande avanço na



preservação do meio ambiente.


Contudo, serão necessários investi-


mentos em pesquisa e desenvol-


Figura 1 - reposição com água nos tanques de Figura 2 - tanques de biofertilzante/abas-


biofertilizante tecimento vimento, para que se produzam


metodologias de elevado alcance


para o agricultor, e grandes esforços
Fotos: Marcos Barros e Paulo D´Andréa


no sentido de se consolidar o em-



prego desses processos bioquímicos


como forma de se promover a sus-


tentabilidade dos ambientes agrícolas.




REFERÊNCIAS


D ´ANDREA, P. A.; MEDEIROS, M. B.


Biofertilizantes biodinâmicos na nutrição


e proteção de hortaliças. In: CONGRES-


SO BRASILEIRO DE AGRICULTURA OR-


GÂNICA, NATURAL, ECOLÓGICA E BIO-


DINÂMICA, 1, 2002, Piracicaba. Anais...


Piracicaba: Agroecológica, 2002.



MEDEIROS, M. B. et al. Effect of liquid


biofertilizer on the oviposition of Brevipalpus


phoencis. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM


OF UNDERGRADUATE RESEARCH, 9., 2000,


São Paulo. Anais... São Paulo. 2000b.


MEDEIROS, M. B.; WANDERLEY, P. A.;


WANDERLEY, M. J. A. Biofertilizantes líquidos.


Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento, v.31,


Figura 3 - resultado da aplicação de biofertilizante


p.38-44, jul./dez. 2003.


MICROBIOL IND. COM. Biofertilizante


microgeo: processo cíclico de proteção vegetal.


Foto: Marcos Barros e Paulo D´Andréa

Limeira, 2001. (Folder Informativo).


PATERNIANI, E. Agricultura sustentável


nos trópicos. Seropédica: Embrapa Agrobio-


logia, 2001. 21p. (Documentos, 140).



PINHEIRO, S.; BARRETO, S. B. Agricultura


sustentável, trofobiose e biofertizantes. Porto


Alegre: Junquira Candiru. 1996. 276p. Tradução


de DINCHEV, D. Agroquímica. Ciudade de La


Havana, Cuba: Ed. Revolucionaria, 1996. 295p.



SANTOS, A. C.; AKIBA, F. Biofertilizantes


líquidos: uso correto na agricultura alternativa.


Seropédica: Imprensa Universitária/UFRRJ.

1996. 35p.


SANTOS, A. C.; SAMPAIO, H. N. Efeito do


biofertilizante líquido obtido da fermentação


anaeróbica do esterco bovino, no controle de


insetos prejudiciais à lavoura citros. In:


SEMINÁRIO BIENAL DE PESQUISA, 6., 1993,


Rio de Janeiro. Resumos. Seropédica: UFRRJ,


Figura 4 - pulverização com biofertilizante 1993.


26 Bahia Agríc., v.7, n.3, nov. 2006