You are on page 1of 1394

Caderno Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA DO TRABALHO


PODER JUDICIÁRIO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

Nº2699/2019 Data da disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019. DEJT Nacional

Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região Recurso de Revista

Recorrente(s): CLEONICE DE ANDRÉA PEREIRA


Desembargador NICANOR DE ARAÚJO LIMA
Advogado(a)(s): Leonardo Borges Oliveira Lima (MS - 9607)
Presidente e Corregedor
Recorrido(a)(s): CONCREMAX TRANSPORTES E LOCAÇÕES

Desembargador AMAURY RODRIGUES PINTO JUNIORto MÁQUINAS LTDA. - ME

Junior Advogado(a)(s): Claine Chiesa (MS - 6795)


Vice-Presidente e Vice-Corregedor

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade


Rua Delegado Carlos Roberto Bastos de Oliveira, 208
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
Jardim Veraneio
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
Campo Grande/MS
CEP: 79031908 Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir


Telefone(s) : (67) 3316-1771 de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Email(s) : dejt@trt24.jus.br
PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 29/10/2018 - f. 569 -


Gabinete da Presidência
Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 08/11/2018 - f. 561, por
Decisão Monocrática
meio do Sistema PJe.
Decisão
Processo Nº RO-0025125-79.2014.5.24.0003 Regular a representação, f. 15.
Relator ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme
RECORRENTE CLEONICE DE ANDREA PEREIRA
f. 428.
ADVOGADO JOSÉ ANTONIO CARRIÇO DE
OLIVEIRA LIMA(OAB: 1897/MS)
ADVOGADO LEONARDO BORGES OLIVEIRA
LIMA(OAB: 9607/MS) PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
RECORRENTE CONCREMAX TRANSPORTES E Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado /
LOCACOES MAQUINAS LTDA - ME
ADVOGADO CLAINE CHIESA(OAB: 6795/MS) Indenização por Dano Moral
RECORRIDO CONCREMAX TRANSPORTES E Alegação(ões):
LOCACOES MAQUINAS LTDA - ME
ADVOGADO CLAINE CHIESA(OAB: 6795/MS) - violação ao artigo 950, parágrafo único, do Código Civil.
RECORRIDO CLEONICE DE ANDREA PEREIRA Dispõe o artigo 896, §1º-A, I, da CLT, com redação dada pela Lei n.
ADVOGADO LEONARDO BORGES OLIVEIRA
LIMA(OAB: 9607/MS) 13.015/2014:
ADVOGADO JOSÉ ANTONIO CARRIÇO DE Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:
OLIVEIRA LIMA(OAB: 1897/MS)
"I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o
Intimado(s)/Citado(s):
prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista".
- CLEONICE DE ANDREA PEREIRA
No caso, a parte recorrente, quanto ao(s) capítulo(s) impugnado(s)
- CONCREMAX TRANSPORTES E LOCACOES MAQUINAS
LTDA - ME do acórdão, não transcreveu o trecho da decisão recorrida que

consubstancia o prequestionamento da controvérsia objeto do

recurso de revista, ou indicou, topograficamente, a localização das

PODER JUDICIÁRIO partes da decisão que se pretende modificar, o que impede a exata

JUSTIÇA DO TRABALHO verificação das questão controvertida.

Logo, não é possível fazer o cotejo analítico entre o decidido pela E.


Fundamentação

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 2
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Turma e a argumentação trazida pelo recorrente na matéria. pensionamento mensal correspondente a 0,196 salário mínimo

Não preenchido, portanto, pressuposto específico do recurso de (15% da remuneração percebida, conforme indenização prevista na

revista. tabela SUSEP), o qual deverá ser pago pela reclamada até o dia 10

de cada mês.

Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado / Esclareço, desde já, que a fixação da pensão em salários mínimos

Indenização por Dano Material / Pensão Vitalícia visa a evitar discussões futuras acerca do índice de atualização

Alegação(ões): monetária da pensão e conta com autorização legal expressa no §

- violação ao art. 950, parágrafo único, do Código Civil. 4º do art. 533 do CPC/2015 (correspondente ao § 4º do art. 475-Q

Sustenta, em síntese, que: a) a recorrida foi declarada revel e do CPC/1973).

confessa quanto à matéria fática, pelo que não há nos autos prova e Quanto ao pedido de pagamento da pensão em parcela única,

nem argumentos contrários de que esteja em dificuldades embora o parágrafo único do art. 950 do Código Civil disponha que

financeiras ou que não possua capacidade econômica para arcar "O prejudicado, se preferir, poderá exigir que a indenização seja

com a indenização pleiteada; b) não se pode dar as costas para um arbitrada e paga de uma só vez", isso não significa que se trata de

direito garantido por lei à vítima apenas com base na presunção de direito absoluto do beneficiário, cabendo ao magistrado avaliar, em

patrimônio duma empresa do porte da recorrida ter um patrimônio cada caso concreto, a conveniência de sua aplicação, visando a

estampado no contrato social, sob pena de se fazer letra morta o § evitar, de um lado, que a satisfação futura do crédito do beneficiário

único do art. 950 do CC/02. da pensão fique comprometida com possível insolvência do devedor

Constou no acórdão (f. 532/533): e, de outro lado, que o pagamento antecipado não leve o devedor à

"2.2.2 - DANOS MATERIAIS - PENSIONAMENTO derrocada financeira.

Sustenta a reclamada que o INSS é responsável pelo pagamento Com efeito, a responsabilidade do reclamado foi mantida no tópico

de benefício decorrente de perda de capacidade laborativa. 2.1.1 e a indenização em questão decorre da responsabilidade civil

Sucessivamente, requer que o pensionamento seja por período de natureza subjetiva (artigo 7º, XXVIII, da Constituição Federal),

limitado, com a determinação de realização de exames periódicos a independentemente dos benefícios concedidos pela legislação do

fim de ser aferida a cessação da incapacidade laborativa da seguro de acidente de trabalho.

reclamante. No caso, a reclamante adquiriu doença ocupacional, que ensejou

Já a reclamante pretende seja observado o piso da categoria da perda parcial e permanente de capacidade laborativa, na ordem de

construção civil do ano de 2013 (no importe de R$ 957,64), 15%, sendo devido o pagamento de pensão nos termos do artigo

conforme diferenças salariais pleiteadas, e que a condenação seja 950 do Código Civil e nos moldes da r. sentença.

deferida em parcela única. Quanto à base de cálculo, não assiste razão à autora porquanto

Sem razão as recorrentes. observado o real salário recebido pela reclamante e, ademais, não

Quanto ao tema, constou na r. sentença, litteris: foram deferidas as diferenças salariais pleiteadas.

No que diz respeito ao pensionamento, é relevante destacar que a No concernente ao pedido de realização de perícias periódicas, a

incapacidade é parcial (25%) e definitiva, conforme reconhecido questão foi bem apreciada na sentença dos embargos de

pelo perito médico do Juízo. Conforme destacado alhures, embora a declaração, litteris:

redução da capacidade parcial tenha sido de 25%, de acordo com a Quanto à alegação de necessidade de realização de exames

tabela SUSEP, a indicação de indenização é de 15%, considerando periódicos para comprovar a incapacidade laboral no futuro, caberá

a sequela funcional que acomete a trabalhadora, ou seja, existe à empresa reclamada, na fase de cumprimento de sentença,

apenas restrição ao desempenho de atividades que exijam emprego requerer a submissão da pensionista a exames médicos ou, se for

de força muscular da mão direita de forma moderada ou intensa, ocaso, a submissão a nova perícia médica, sempre que entender ter

não havendo, por outro lado, qualquer restrição às demais ocorrido alteração das condições de fato que fundamentaram a

atividades, tanto laborais como pessoais, que exijam esforço concessão do pensionamento, até porque referida sentença, no

reduzido da mão direita. particular, versa sobre relação jurídica continuativa, possibilitando a

Por outro lado, a reclamante informou na petição inicial que sua revisão ou mesmo extinção da obrigação quando modificado o

remuneração no mês de agosto de 2011, último valor do salário estado de fato (CPC, art. 471, I, do CPC). (ID b4462dd, p. 3)

noticiado nos autos, era de R$ 652,00, o que correspondia a 1,197 No tocante ao pagamento em parcela única, indefiro o pedido

salários mínimos, razão pela qual faz jus a autora ao porquanto o contrato social no ID 57d24f2 aponta que a

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 3
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

reclamada possuía capital social de R$ 50.000,00 (cinquenta mil 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

reais) em junho/2007, não havendo evidencia de que a empresa de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

possua capacidade econômica de arcar com a condenação de

uma só vez, sob pena de inviabilizar a sua atividade, situação PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

que afasta a aplicação do parágrafo único do artigo 950 do Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 02/10/2018 - f. 247 -

Código Civil. Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 15/10/2018 - f. 229, por

Pelo exposto, nego provimento aos recursos." meio do Sistema PJe.

Entendo prudente o seguimento do recurso por possível violação do Regular a representação, f. 38.

disposto no artigo 950, parágrafo único, do Código Civil. Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme

f. 164.

CONCLUSÃO

RECEBO em parte o recurso de revista. PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado /

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. Indenização por Dano Moral / Valor Arbitrado

Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para, Alegação(ões):

querendo, contra-arrazoar no prazo legal. - violação aos artigos 1º, III, e 5º, V e X, da CF.

Assinatura - divergência jurisprudencial.

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 Argumenta que o valor arbitrado pelo juízo a quo (R$10.000,00),

mantido pelo Regional, não observou a natureza punitivo-

NICANOR DE ARAUJO LIMA pedagógica da indenização por danos extrapatrimoniais, permitindo,

Desembargador Federal do Trabalho assim, reincidências de atos ilícitos cometidos pela Recorrida.
Decisão Sustenta, ainda, que em razão da inobservância do princípio da
Processo Nº RO-0024659-17.2016.5.24.0003
Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA razoabilidade e proporcionalidade, bem como ofensa ao Princípio
RECORRENTE JOSE CARLOS LINS da Dignidade da Pessoa Humana e também por divergência
ADVOGADO ELOISIO MENDES DE ARAUJO(OAB:
8978/MS) jurisprudencial, a reforma do decisum é a medida que se impõe.
ADVOGADO ALMIR VIEIRA PEREIRA Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma
JUNIOR(OAB: 8281/MS)
RECORRIDO VETORIAL SIDERURGIA LTDA vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação
ADVOGADO JOÃO ALFREDO DANIEZE(OAB: infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação,
5572-B/MS)
não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no
Intimado(s)/Citado(s): art. 896, "c", da CLT.
- JOSE CARLOS LINS Na quantificação do valor da indenização, o acórdão assentou que:

"Não se ignora o sofrimento do reclamante, mas há que se ponderar

que, consoante registrado na prova pericial (ID a19cfd6), o autor

PODER JUDICIÁRIO possui uma predisposição natural para o aparecimento da patologia,

JUSTIÇA DO TRABALHO tanto que já apresentou idêntica doença no lado oposto, em

atividade laboral anterior, na qual também realizava esforço físico


Fundamentação
intenso, sendo certo que, no presente caso, a atividade laboral
Recurso de Revista
atuou como concausa para o surgimento da doença" (f. 213).
Recorrente(s): JOSE CARLOS LINS
Assim, a Turma considerou as provas dos autos e manteve a
Advogado(a)(s): Almir Vieira Pereira Junior (MS - 8281)
indenização por dano moral no mesmo patamar arbitrado pelo juízo
Recorrido(a)(s): VETORIAL SIDERURGIA LTDA
de primeiro grau (R$10.000,00), por entender adequar-se à
Advogado(a)(s): João Alfredo Daniezi (MS - 5572-B)
gravidade do dano (concausa para o agravamento de hérnia

inguinal), além de observar a condição pessoal do reclamante e o


Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
caráter pedagógico da condenação, não havendo que se falar em
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
decisão desproporcional.
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
Logo, a decisão decorreu do juízo valorativo do julgador, que
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 4
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

considerou elementos fáticos e subjetivos para decidir. Por cessantes).

consequência, para o acolhimento da pretensão recursal seria No caso, consoante já exposto, o laudo pericial constatou que as

necessário o reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na atividades exercidas na empresa atuaram como concausa no

Súmula 126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por surgimento/agravamento da doença (hérnia inguinal), pois o autor

divergência jurisprudencial. apresenta predisposição natural para a patologia.

Em relação à capacidade laborativa, constou da prova pericial que

Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado / "O reclamante não é portador de sequela pós-acidente de trabalho

Indenização por Dano Material / Pensão Vitalícia incapacitante para o exercício da atividade laboral que o mesmo

Alegação(ões): exercia na reclamada na vigência do ato de sua contratação, ou

- violação aos artigos 5º, X, e 7º, XXVIII, da CF; cargo afins, uma vez que foi submetido a tratamento cirúrgico da

- violação aos artigos 486, 949, 950 e 951 do CC; Patologia (Hérnia Inguinal), com resolução satisfatória, não

- violação aos artigos 19, 20 e 21 da Lei 8.213/91; apresentado ao exame clinico pericial, nenhuma limitação para tal

- divergência jurisprudencial. exercício." (ID a19cfd6 - Pág. 11, g.n.).

Sustenta que, mesmo a parte recorrente estando incapacitada A perícia realizada foi bem elaborada, possui ampla análise da

temporariamente, é dever do empregador arcar com uma patologia, do histórico pessoal e laboral, bem como dos elementos e

indenização por danos materiais, correspondente a uma pensão fatores de risco da atividade laboral. Inexiste nos autos prova a

mensal, enquanto perdurar/perdurou a redução da capacidade desconstituir a conclusão pericial.

laboral que acomete/acometeu o trabalhador. Ademais, como destacou o juízo da origem, o reclamante afirmou

Pleiteia a reforma da decisão, tendo em vista que a parte recorrente em depoimento que, após ter sido dispensado pela ré, passou a

apresentou incapacidade para o trabalho em razão do labor trabalhar como pedreiro, sem relatar qualquer limitação (ID b5eadf2

desenvolvido na recorrida, conforme constatado pelo laudo pericial. - Pág. 4).

Consta do v. acórdão (f. 213/215): Portanto, diante da ausência de prova de que o autor está

"2.2 - INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS - PENSÃO incapacitado para a atividade laboral, há de se manter a decisão da

MENSAL VITALÍCIA - PAGAMENTO EM PARCELA ÚNICA origem que indeferiu seu pedido de pensão vitalícia.

Insurge-se o reclamante em face da sentença que indeferiu o Nego provimento."

pedido de indenização por danos materiais, consistente no Não se verificam as alegadas violações, uma vez que o acórdão

pensionamento vitalício em parcela única, aduzindo ser não reconheceu a incapacidade laborativa, seja permanente ou

incontroverso que o autor apresentou incapacidade para o trabalho, temporária: "Portanto, diante da ausência de prova de que o autor

pois teve que se ausentar de suas funções, inclusive para a está incapacitado para a atividade laboral, há de se manter a

realização do procedimento cirúrgico; embora a doença tenha se decisão da origem que indeferiu seu pedido de pensão vitalícia" (f.

manifestado em março/2014, ocasião em sofreu cirurgia e se 215).

afastou do serviço pelo período de um mês, ficou comprovado que Por conseguinte, são inespecíficos os arestos apresentados pelo

ao retornar queixou-se de dor no local da cirurgia, porém, continuou recorrente, pois não abarcam especificamente a questão fática

na mesma função, de modo que configurada a incapacidade abordada no acórdão, qual seja, a inexistência de incapacidade

permanente para a atividade; embora tenha constado do exame laborativa (Súmula 296/TST).

demissional que estava apto, o próprio médico sugeriu que se

tratasse; ante sua pouca instrução, seu labor exige esforço braçal, o CONCLUSÃO

que não foi observado pelo juízo. DENEGO seguimento ao recurso de revista.

Não lhe assiste razão. Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

Nos termos dos artigos 949 e 950 do Código Civil, a indenização circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

por danos materiais engloba o dano emergente, o lucro cessante e Publique-se e intime-se.

pensão proporcional à importância do trabalho para o qual se

inabilitou o trabalhador ou à depreciação que sofreu. Assinatura

Assim, há duas situações: compensação pela incapacitação parcial CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

ou total para o trabalho (pensão) e o pagamento de indenização

pelas perdas materiais experimentadas (dano emergente e lucros NICANOR DE ARAUJO LIMA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 5
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Desembargador Federal do Trabalho serão analisados de acordo com os novos parâmetros


Decisão estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
Processo Nº RO-0025215-33.2014.5.24.0021
Relator ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
RECORRENTE LUCICLEIA OLIVEIRA GAUNA 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
MAFRA
ADVOGADO RODRIGO REBELLO CAMPOS(OAB: de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
13966/MS)
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de
ADVOGADO Henrique da Silva Lima(OAB:
9979/MS) decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
ADVOGADO PAULO ROBSON DAMASCENO(OAB:
331549/SP) 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
ADVOGADO LAURA BARBOSA RODRIGUES(OAB: solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
17424/MS)
ADVOGADO JOAO RODRIGO ARCE OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
PEREIRA(OAB: 12045/MS)
2018.
ADVOGADO CAMILA FRAGA DE SOUZA(OAB:
16255/MS)
RECORRENTE EMPRESA BRASILEIRA DE
CORREIOS E TELEGRAFOS PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
ADVOGADO Marcos Hideki Kamibayashi(OAB: Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 26/09/2018 - f. 557 -
14580/MS)
ADVOGADO MARCOS HENRIQUE BOZA(OAB: Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 01/10/2018 - f.
13041-B/MS)
529/550, por meio do Sistema PJe.
ADVOGADO Ana Luiza Lazzarini Lemos(OAB:
3659/MS) Regular a representação, f. 50.
RECORRIDO LUCICLEIA OLIVEIRA GAUNA
MAFRA Isento de preparo (CLT, art. 790-A e DL 779/69, art. 1º, IV).
ADVOGADO RODRIGO REBELLO CAMPOS(OAB:
13966/MS)
ADVOGADO Henrique da Silva Lima(OAB: PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
9979/MS)
Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado.
ADVOGADO PAULO ROBSON DAMASCENO(OAB:
331549/SP) Alegação(ões):
ADVOGADO LAURA BARBOSA RODRIGUES(OAB:
17424/MS) - violação ao artigo 20, §1º, "a", da Lei 8.213/91;
ADVOGADO JOAO RODRIGO ARCE - divergência jurisprudencial.
PEREIRA(OAB: 12045/MS)
ADVOGADO CAMILA FRAGA DE SOUZA(OAB: Sustenta, em suma, que mesmo ressaltando que a Recorrida é
16255/MS)
portadora de doença degenerativa, o acórdão atacado manteve o
RECORRIDO EMPRESA BRASILEIRA DE
CORREIOS E TELEGRAFOS nexo de concausalidade, bem como a condenação imposta na
ADVOGADO Marcos Hideki Kamibayashi(OAB:
14580/MS) origem, contudo, tratando-se de anomalia ínsita à genética do
ADVOGADO MARCOS HENRIQUE BOZA(OAB: indivíduo que, desse modo, se manifesta em determinado momento
13041-B/MS)
ADVOGADO Ana Luiza Lazzarini Lemos(OAB: da sua existência, não pode ser considerada doença do trabalho, o
3659/MS)
que afasta qualquer responsabilidade.

Intimado(s)/Citado(s): Requer a reforma, de modo a afastar o nexo de causalidade entre a

- EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS doença do Recorrido e as atividades por ele desempenhadas na
- LUCICLEIA OLIVEIRA GAUNA MAFRA Recorrida, isentando, como consequência, a ECT de qualquer

condenação quanto ao pagamento de indenização por danos

materiais ou morais ao Recorrido.

PODER JUDICIÁRIO A Turma decidiu às f. 486/488:

JUSTIÇA DO TRABALHO 2.1.1 - RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR -

DOENÇA OCUPACIONAL
Fundamentação
A reclamante foi admitida em 17.6.1998, na função de carteiro e, na
Recurso de Revista
data da propositura da demanda (29.8.2014), o contrato ainda se
Recorrente(s): EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E
encontrava em vigor.
TELEGRAFOS -
A perícia oficial, não desmerecida por outros elementos probatórios,
Advogado(a)(s): MARCOS HENRIQUE BOZA (MS - 13041-B)
esclareceu:
Recorrido(a)(s): LUCICLEIA OLIVEIRA GAUNA MAFRA
Inicialmente, a reclamante exercia a função de agente de correios
Advogado(a)(s): HENRIQUE DA SILVA LIMA (MS - 9979)
(atividade de entrega e coleta de correspondência). Após o
Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 6
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

acometimento da patologia relatada abaixo, foi remanejada para a ativos e passivos desse segmento

agente de suporte (atividade de apoio administrativo na agência). da coluna vertebral.

(...) Apresenta, ainda, fratura de 1º dedo do pé esquerdo, em tratamento

RADIOGRAFIA DA COLUNA CERVICAL, realizada em 03.05.2003, e com prognóstico de cura total.

com o seguinte resultado: discreto desvio do eixo cervical; b) Muito provavelmente a somatória do excesso de peso corporal

osteoporose discreta; osteofitos marginais cervicais, incipientes; com as atividades executadas na Reclamada causaram a patologia

magapófise de C7. da coluna cervical, concluindo o nexo de concausalidade,

RESSONÂNCIA MAGNETICA DA COLUNA CERVICAL, realizado entendendo-se como culpa maior à atividade laboral.

em 16.03.2009, com o seguinte resultado: hérnia de disco póstero- c) Apresenta incapacidade parcial definitiva, com restrição para

mediana de base larga em C5-C6, determinando compressão na atividades que demandem sobrecarga para a coluna cervical.

face ventral do saco dural. d) Está readaptada em função mais leve.

RESSONÂNCIA DA COLUNA CERVICAL, realizada em (...)

08.10.2013, com o seguinte resultado: discreta inversão da g) Data do início da doença (DID): compatível com o histórico em

curvatura fisiológica cervical, corpos vertebrais de altura preservada 2003.

apresentando osteófitos marginais, ausência de edema ósseo h) Data do início da incapacidade parcial (DII): 16.03.2009, (data da

medular, desidratação parcial dos discos intervertebrais cervicais, ressonância magnética). (ID 61c438d)

redução da altura do disco intervertebral de C5-C6, compressão a) Quais os fatores de risco para a doença apresentada pela autora

sobre a face anterior do saco dural determinada por complexo (hérnia de disco cervical)? A quais desses fatores a autora estava

disco/osteofitátio em C5-C6, redução da amplitude dos forames exposta no desempenho de suas atividades?

neurais cervicais a esquerda em C2-C3, C3-C4, C4-C5 e C5-C6, Os principais fatores para surgimento da hérnia de disco são:

medula cervical de dimensões e intensidade de sinal habitual, fatores genéticos, atividades com esforço físico, postura incorreta,

transição crânio-vertebral de aspecto anatômico, planos musculares envelhecimento, tabagismo e excesso de peso. Os fatores que a

paravertebrais preservados. autora estava exposta no ambiente de trabalho são: esforço físico e

RADIOGRAFIA DA COLUNA CERVICAL, realizada em 04.12.2013, postura incorreta.

com o seguinte resultado: retificação da lordose cervival fisiológica, b) Qual o percentual de contribuição das atividades

artrodese anterior nos corpos vertebrais de C5-C6, prótese discal desempenhadas na ré com a patologia apresentada?

em C5-C6, demais espaços discais preservados. Entende-se que o percentual de contribuição da empresa no

RADIOGRAFIA DA COLUNA CERVICAL, realizada em 11.02.2014, surgimento da patologia é de 60%, sendo 40% o percentual de

com o seguinte resultado: controle pós-fixação metálica anterior de contribuição dos outros fatores.

C5-C6 com bom alinhamento. (...) c) Qual o percentual de incapacidade da autora?

A FUNÇÃO CARTEIRO - operário que na Classificação Brasileira Considerando-se que a periciada apresenta incapacidade parcial

de Ocupações-CBO recebe o nome de Carteiros e operadores de definitiva, entende-se que a sua redução é em grau médio,

triagem de serviços postais (4152-05) cujas atividades estão correspondente a 50%. (laudo complementar no ID 9e8946e, p. 2)

descritas como: Recebem e expedem cargas, malas e malotes e Veja-se que o perito considerou a incontroversa atividade de

objetos de serviços de correio. Coletam, ordenam, conferem, fazem coleta/entrega de correspondências (por meio de bicicleta e

triagem e entregam cargas e objetos tais como: encomendas, motocicleta) como fator de concausa para o agravamento da lesão

cartas, caixas, malotes e contêineres. Prestam contas dos objetos degenerativa que a reclamante apresentou na coluna cervical,

coletados e entregues. sendo evidente a sobrecarga para o membro lesionado em tal

Pesquisam e rastreiam objetos. Prestam informações e participam mister, incidindo, no caso, o artigo 21, I, da Lei n. 8.213/91).

de disseminação de campanhas públicas. Também fazem parte Registro que o fato de o perito designado não ter constatado

desta família ocupacional os trabalhadores similares que atuam em incapacidade laborativa no exame clínico realizado em agosto/2015

empresas de encomendas expressas (courier). não traduz a ausência do dano, mas demonstra que a incapacidade

Do observado e acima exposto, o perito conclui, salvo melhor juízo, laborativa da reclamante foi temporária, devendo ser ressaltado que

que Lucicleia Oliveira Gauna Mafra ela foi readaptada em serviços mais leves, passando a trabalhar

a) É portadora de sequela de hérnia de disco cervical, já submetida internamente.

a tratamento cirúrgico, resultando com limitação nos movimentos No tocante à culpa do reclamado, constou na r. sentença:

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 7
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

A culpa da ré, no caso, é presumida não apenas porque mantém o como independe do serviço ou do local em que estivesse

controle e a direção de toda a dinâmica do estabelecimento e das trabalhando.

tarefas executadas pela parte trabalhadora, consoante Em face do exposto, observa-se que não há demonstração da culpa

jurisprudência delineada no colendo TST, mas também porque a da reclamada, sendo certo que o reclamante era portador de

submeteu a esforços repetitivos capazes de causar malefícios à doenças que apenas foram agravadas pelo trabalho, sem que este

saúde (hérnia de disco cervical). fosse sua causa primária.

Inclusive no documento denominado "Solicitação de Avaliação (...)

Médica em Especialidades" (f. 99/100) consta como riscos Não há nexo causal das doenças com a atividade desenvolvida na

específicos do cargo de agente do Correios - Distribuição e Coleta: reclamada, tendo em vista que o autor é portador de discopatia

ergonômicos (transporte de carga em ombros e movimentos degenerativa de coluna lombar, bem como já sofria de tendinopatia

repetitivos); Acidentes/Quedas; Mordedura por cão; Físico (Ruído); do supraespinhoso. Portanto, não há como imputar culpa à

Ergonômico (elevação e transporte de cargas e movimentos reclamada pelas moléstias do reclamante " (Proc. RO-0042000-

repetitivos); Químicos (Poeiras). 47.2008.5.02.0036, T.2, Rel. Des. Álvaro Alves Nôga, DO

As partes esclareceram também, em audiência, que entre 19.12.2012).

maio/2012 a março/2013 houve ginástica laboral, com duração de

quinze a vinte minutos; anteriormente a isso, no período entre seis Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado /

meses a um ano, também houve ginástica laboral com a mesma Indenização por Dano Material

duração, contudo, não foi dado prosseguimento (f. 263). Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado /

Destarte, como a ré não comprovou a adoção efetiva de Indenização por Dano Moral

providências para minimizar os riscos de lesão à saúde da Alegação(ões):

trabalhadora, acabou por contribuir para o quadro enfermiço da - contrariedade à Súmula 229, do STF;

autora. (ID 4ab7259, p. 6-7) - violação ao art. 7º, XXVIII, da CF;

Com efeito, não há prova da realização de rodízio de funções que - violação aos artigos 186 e 927, do CC;

não exigissem sobrecarga para a coluna cervical (o que poderia ter Sustenta que: a) a responsabilidade do empregador, em se tratando

sido realizado alterando o trabalho do carteiro que entrega de acidente de trabalho, está subordinada à efetiva caracterização

correspondências nas residências com o trabalho interno de de sua conduta dolosa ou, ao menos, culposa em grau elevado; b)

triagem, no qual o próprio reclamado sustenta que era realizado não houve prova de qualquer conduta culposa grave praticada pela

"sentado, em pé e semi-sentado", minimizando, dessa forma, os Recorrente que mantivesse nexo causal com o suposto dano, sendo

riscos ergonômicos com as alternâncias de posturas. certo que as circunstâncias apontadas no acórdão recorrido não são

Destarte, a empresa não cumpriu suas obrigações legais de orientar suficientes para configurar a "culpa grave do empregador"; c) o

os empregados sobre as precauções para evitar doenças simples fato de a Recorrida alegar o desenvolvimento de doenças

ocupacionais (artigo 157, II, da CLT) e providenciar a redução dos decorrentes de suas atividades profissionais não é motivo suficiente

riscos inerentes ao trabalho e meio ambiente de trabalho adequado para condenar empresa pública federal e, portanto, o erário, a pagar

(artigos 7º, XXII, e 225 da Constituição Federal). indenização além de todos os encargos relativos ao contrato de

Pelo exposto, mantenho a responsabilidade do reclamado pela trabalho, pacto este que vem sendo rigorosamente cumprido, sendo

doença ocupacional adquirida pela reclamante, na ordem de 60%. oportuno acrescentar que a ECT é ente paraestatal que exerce

Nego provimento". função eminentemente social e em caráter de exclusividade

(monopólio postal), e, assim, gestora de coisa pública, de

A recorrente demonstrou a existência de divergência apta a ensejar patrimônio pertencente à toda à sociedade, não podendo, via de

o seguimento do recurso, com o aresto transcrito às f. 539/540 , consequência, e com muito mais propriedade, ser alvo de

proveniente do E. TRT/2ª Região, no seguinte sentido: pretensões mirabolantes, exorbitantes como a que ora se postula

"Ressalta-se que a moléstia degenerativa não configura doença do em juízo; d) certo é que a Recorrente sempre cumpriu com suas

trabalho, nos termos artigo 20, § 1º, alínea "a", da Lei nº 8.213/91. obrigações como empregadora, fornecendo atendimento médico

O perito judicial refere que o reclamante é portador de moléstia com adequado, bem como custeou todos os exames e terapias

caráter degenerativo, de modo que não é necessário qualquer indicadas, mesmo os de natureza complexa e de maior custo, nas

esforço no órgão atingido para que ocorra a degeneração, bem ocasiões em que mostrou necessário, além do gozo das licenças

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 8
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

médicas recomendadas para recuperação da saúde da Recorrida, De início, registre-se que eventual contrariedade à Súmula não

além disso, vem custeando rotineiramente/mensalmente o seguro vinculante do Supremo Tribunal Federal não se encontra entre as

previdenciário junto ao Instituto Nacional de Seguro Social -INSS, hipóteses de cabimento do recurso de revista (art. 896, "a", da

tanto que o mesmo recebe benefício daquele Órgão Previdenciário; CLT).

e) condenar a Recorrente nos termos em que realizado equivaleria No mais, para o acolhimento da pretensão recursal seria necessário

a fixar a responsabilidade objetiva do empregador, noção esta não o reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na Súmula

admitida no ordenamento jurídico pátrio; f) não houve prova de 126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso.

qualquer ato ilícito praticado pela ECT que mantivesse nexo causal

com o suposto dano, posto que a patologia degenerativa Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado /

apresentada pelo Recorrido constitui anomalia ínsita à genética do Indenização por Dano Material / Pensão Vitalícia / Lucros

indivíduo, que, desse modo, manifesta-se em determinado Cessantes

momento da sua existência independentemente e fatores externos. Alegação(ões):

Requer a reforma. - violação aos artigos 186 e 927, do CC.

A Turma acolheu a sentença, segundo a qual a culpa da ré, no Sustenta que: a) segundo as conclusões exaradas no laudo pericial,

caso, é presumida não apenas porque mantém o controle e a a empregada, embora com "(...) incapacidade parcial definitiva, com

direção de toda a dinâmica do estabelecimento e das tarefas restrição para atividades que demandem sobrecarga para a coluna

executadas pela parte trabalhadora, mas também porque a cervical", "Está readaptada em função mais leve", "Não precisa da

submeteu a esforços repetitivos capazes de causar malefícios à ajuda permanente de terceiros para suas necessidades básicas de

saúde (hérnia de disco cervical), inclusive, no documento higiene e alimentação - não é incapaz para a vida independente" e

denominado "Solicitação de Avaliação Médica em Especialidades" "Mantém satisfatoriamente suas relações interpessoais, com

consta como riscos específicos do cargo de agente do Correios - capacidade de compreensão e comunicação", de modo que resta

Distribuição e Coleta: ergonômicos (transporte de carga em ombros patente a improcedência do pedido de reparação de danos, eis que

e movimentos repetitivos); Acidentes/Quedas; Mordedura por cão; tal pleito tem como pressuposto a comprovação de incapacidade

Físico (Ruído); Ergonômico (elevação e transporte de cargas e laboral plena e prejuízos materiais decorrentes dessa suposta

movimentos repetitivos); Químicos (Poeiras). circunstância; b) embora o perito afirme que a Recorrida apresenta

Ainda segundo a Turma, as partes esclareceram também, em incapacidade laboral, não há dúvidas de que a mesma encontra-se

audiência, que entre maio/2012 a março/2013 houve ginástica plenamente reabilitada para as atividades administrativas do cargo

laboral, com duração de quinze a vinte minutos; anteriormente a para o qual foi reenquadrada, ou seja, a longo prazo, não sofrerá a

isso, no período entre seis meses a um ano, também houve obreira qualquer prejuízo apto a ensejar a pretendida reparação

ginástica laboral com a mesma duração, contudo, não foi dado sequer por lucros cessantes, quanto mais por pensão vitalícia, que

prosseguimento. pressupõe existência de dano permanente para toda e qualquer

Além disso, assentou o acórdão, não há prova da realização de atividade; c) ainda que se reconheça a existência de ato culposo da

rodízio de funções que não exigissem sobrecarga para a coluna Recorrente que tenha concausalidade com os danos alegados pela

cervical (o que poderia ter sido realizado alterando o trabalho do Recorrida apto a ensejar responsabilização civil, o que se admite

carteiro que entrega correspondências nas residências com o apenas por medida de cautela, o pagamento de indenização por

trabalho interno de triagem, no qual o próprio reclamado sustenta danos materiais deve ter como pressuposto a comprovação prejuízo

que era realizado "sentado, em pé e semi-sentado", minimizando, sofrido, ônus que incumbe ao Recorrido; no caso, porém,

dessa forma, os riscos ergonômicos com as alternâncias de incontroverso que o empregado não sofreu prejuízos em sua

posturas. remuneração ou no desenvolvimento de sua carreira profissional

Destarte, concluiu o acórdão, a empresa não cumpriu suas junto a empresa, mesmo nos períodos em que ficou afastado, tendo

obrigações legais de orientar os empregados sobre as precauções recebido todas as progressões por antiguidade e mérito previstas no

para evitar doenças ocupacionais (artigo 157, II, da CLT) e PCCS da empresa, além de todos reajustes, benefícios e demais

providenciar a redução dos riscos inerentes ao trabalho e meio vantagens assegurados a toda categoria, sem qualquer perda

ambiente de trabalho adequado (artigos 7º, XXII, e 225 da salarial ou funcional, como se não tivesse passado pelo processo

Constituição Federal), pelo que manteve a responsabildiade da de reabilitação.

recorrente. Requer a reforma para que seja decidido pela improcedência da

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 9
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

pretensão quanto a indenização por danos materiais na modalidade morais, sob pena de assim não se entendendo, desvirtuar-se o

lucros cessantes e pensionamento. instituto e transformá-lo em mera fonte de enriquecimento sem

A Turma consignou que, no caso, a reclamante adquiriu doença causa.

ocupacional, por concausa com o trabalho, na ordem de 60%, e no A Turma registrou que, no tocante ao dano moral em si, este é

período de gozo de auxílio-doença houve incapacidade laborativa presumido, uma vez que a doença ocupacional gerou inúmeras

total e temporária, sendo devida a indenização por lucros cessantes consequências negativas ao ânimo da reclamante, que ficou

nos termos do art. 949 do Código Civil, não merecendo reforma a impossibilitada de exercer funções que exijam esforço com a coluna

sentença no particular. cervical, foi submetida a procedimento cirúrgico e tratamento

Ainda segundo a Turma, com relação à pensão vitalícia, assiste médico para sua reabilitação, com perda parcial e permanente de

razão à reclamante porquanto a perícia concluiu que ela apresenta capacidade laborativa para a função de carteiro, na ordem de 50%,

incapacidade laborativa parcial e definitiva, na ordem de 50%" conforme esclareceu o perito designado.

(laudo complementar no ID 9e8946e, p. 2), sendo evidente que não Para o acolhimento da pretensão recursal seria necessário o

mais poderá realizar atividade com sobrecarga para a coluna reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na Súmula

cervical, existente na função de carteiro, tanto é que ela se encontra 126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso.

readaptada na função mais leve desde março/2015, após a alta

médica. CONCLUSÃO

Para o acolhimento da pretensão recursal seria necessário o RECEBO, em parte, o recurso de revista.

reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na Súmula Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso. circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado / pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

Indenização por Dano Moral / Doença Ocupacional 003, de 16 de fevereiro de 2018.

Alegação(ões): Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para,

- violação aos artigos 186 e 927, do CC. querendo, contra-arrazoar no prazo legal.

Sustenta que: a) o direito não repara qualquer padecimento, dor ou Assinatura

aflição, mas tão somente aqueles decorrentes de uma ação CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

antijurídica injusta do agente, e que venha a afetar um bem

juridicamente protegido pertencente ao patrimônio do Recorrido; NICANOR DE ARAUJO LIMA

vale dizer: em matéria de indenização por dano moral, não é Desembargador Federal do Trabalho

suficiente a emoção ou o constrangimento sofrido pelo empregado, Decisão


Processo Nº RO-0024363-97.2016.5.24.0066
sendo necessário também a cabal demonstração de repercussão do Relator AMAURY RODRIGUES PINTO
JUNIOR
abalo significativo na vida do Recorrido; b) o acórdão recorrido não
RECORRENTE ADOVILSON SOARES
explicitou (e, portanto, fundamentou) qualquer circunstância fática ADVOGADO DIEGO DA ROCHA AIDAR(OAB:
15967/MS)
ou jurídica apta a consubstanciar o dano moral supostamente
RECORRENTE DIAMANTE AGRICOLA S/A
experimentado pelo Recorrido; c) deve-se observar que a ADVOGADO GLAUCO FELIPE ARAUJO
GARCIA(OAB: 36571/GO)
Recorrente sempre cumpriu todas suas obrigações como
ADVOGADO NEWTON CESAR DA SILVA
empregadora, atendeu a todas recomendações e preceitos LOPES(OAB: 4516/TO)
RECORRIDO ADOVILSON SOARES
médicos, concedeu todas as licenças, prestou toda a assistência
ADVOGADO DIEGO DA ROCHA AIDAR(OAB:
necessária ao Recorrido, recolheu as contribuições à previdência 15967/MS)
RECORRIDO DIAMANTE AGRICOLA S/A
que lhe garantem o eventual benefício de auxílio acidente, sendo
ADVOGADO GLAUCO FELIPE ARAUJO
que o trabalhador sempre laborou em atividades compatíveis com GARCIA(OAB: 36571/GO)
ADVOGADO NEWTON CESAR DA SILVA
as atribuições de seu cargo, pelo que se conclui que a Recorrente LOPES(OAB: 4516/TO)
ou os seus prepostos nunca cometerem qualquer ato ilícito, quer RECORRIDO SANCAO BATISTA DOS SANTOS
ADVOGADO CESAR FLORIANO DE
doloso quer culposo contra o Recorrido,ou praticaram atos capazes CAMARGO(OAB: 3027/TO)
de ferir sua moral, sua honra, sua competência profissional, etc.
Intimado(s)/Citado(s):
Requer a reforma, para exclusão da indenização a título de danos
- ADOVILSON SOARES

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 10
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

- DIAMANTE AGRICOLA S/A


prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista.

(...)

III - expor as razões do pedido de reforma, impugnando todos os


PODER JUDICIÁRIO fundamentos jurídicos da decisão recorrida, inclusive mediante
JUSTIÇA DO TRABALHO demonstração analítica de cada dispositivo de lei, da Constituição

Federal, de súmula ou orientação jurisprudencial cuja contrariedade


Fundamentação
aponte."
Recurso de Revista
No caso, a parte recorrente, quanto ao capítulo(s) impugnado(s) do
Recorrente(s): ADOVILSON SOARES
acórdão, não transcreveu, 'in litteris', os trechos da decisão
Advogado(a)(s): DIEGO DA ROCHA AIDAR (MS - 15967)
recorrida que consubstanciam o prequestionamento da controvérsia
Recorrido(a)(s): DIAMANTE AGRÍCOLA S/A
objeto do recurso de revista, ou indicou, topograficamente, a
Advogado(a)(s): NEWTON CESAR DA SILVA LOPES (TO - 4516-
localização das partes da decisão que se pretende modificar, o que
B)
impede a exata verificação das questões controvertidas.

Ressalte-se que a transcrição de partes do v. acórdão recorrido no


Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
início das razões de revista (f. 785/789), com a impugnação
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
posterior em tópicos correspondentes, assim como a transcrição de
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
fragmento reduzido, pouco representativo dos argumentos utilizados
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
na decisão, não atendem à exigência legal.
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
Isso porque a demonstração das alegadas violações deve ser feita
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
de forma analítica, com a indicação dos pontos impugnados e a
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de
correspondente dedução dos motivos pelos quais se entende que,
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
naquela parte específica da decisão, houve violação legal, o que
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
não foi observado.
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
Nesse sentido, a jurisprudência do Colendo TST:
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
I - AGRAVO DE INTRUMENTO DA RECLAMANTE. RECURSO DE
2018.
REVISTA INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI Nº 13.015/2014 -

DESCABIMENTO. ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. BASE DE


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
CÁLCULO. DESCANSO SEMANAL REMUNERADO. A transcrição
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 30/10/2018 - f. 800 -
de trechos do acórdão, quanto aos temas, no início das razões de
Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 04/11/2018 - f. 783, por
revista, não atende ao disposto no art. 896, § 1°- A, da CLT, uma
meio do Sistema PJe.
vez que não há, nesse caso, determinação precisa da tese regional
Regular a representação, f. 11.
combatida no apelo, nem demonstração analítica das violações
Desnecessário o preparo.
apontadas. Agravo de instrumento conhecido e desprovido. II -

omissis (ARR - 20309-13.2013.5.04.0014 Data de Julgamento:


PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
08/06/2016, Relator Ministro: Alberto Luiz Bresciani de Fontan
Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado /
Pereira, 3ª Turma, Data de Publicação: DEJT 17/06/2016).
Indenização por Dano Material / Acidente de Trabalho
AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA
Alegação(ões):
INTERPOSTO NA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. ARTIGO
- violação ao art. 5º, V e X, CF/88;
896, § 1º- A, INCISO I, DA CLT. ÓBICE ESTRITAMENTE
- violação ao arts. 186, 187, 927, 949 e 950 do Código Civil;
PROCESSUAL. I - O exame das razões do recurso de revista revela
- violação ao art. 157 da CLT;
ter a parte transcrito apenas uma frase do acórdão recorrido quanto
- violação ao art. 333, II, CPC;
ao tópico "diferenças salariais", fração bem reduzida e pouco
divergência jurisprudencial.
representativa do que fora decidido na Origem. II - Equivale dizer
Dispõe o artigo 896, §1º-A, I e III, da CLT, com redação dada pela
que a agravante não transcreveu a integralidade dos motivos
Lei n. 13.015/2014:
norteadores deduzidos pelo Colegiado, desatendendo, desse modo,
"Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:
ao comando do artigo 896, § 1º-A, I, da CLT, contexto suficiente
I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 11
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

para inviabilizar a pretensão recursal. III - Agravo de instrumento a Fundamentação

que se nega provimento. (Processo: AIRR - 10271- Recurso de Revista

37.2015.5.15.0087 Data de Julgamento: 27/09/2017, Relator Recorrente(s): MINERAÇÃO CORUMBAENSE REUNIDA S.A.

Desembargador Convocado: Roberto Nobrega de Almeida Filho, 7ª Advogado(a)(s): ROUSTAN MAGNO DA SILVA AMARILLA

Turma, Data de Publicação: DEJT 29/09/2017). FILHO (MS - 17179)

Não preenchido, portanto, pressuposto específico do recurso. Recorrido(a)(s): WALDECY CUIABANO REIS

Advogado(a)(s): DIRCEU RODRIGUES JUNIOR (MS - 7217)

Responsabilidade Solidária/Subsidiária / Tomador de Registre-se o entendimento deste Tribunal acerca de tema objeto

Serviços/Terceirização / Licitude / Ilicitude da Terceirização do recurso:

Alegação(ões): Súmula 23 - "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.

- contrariedade à Súmula nº 331 do TST. INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.

Sustenta, em síntese, que houve terceirização ilícita da atividade- É inconstitucional a expressão 'equivalentes à TRD acumulada'

fim. constante no art. 39, 'caput', da Lei nº 8.177/91. 2. Por razão de

Para o acolhimento da pretensão recursal seria necessário o segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação de

reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na Súmula efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para

126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso. atualizar os débitos dos precatórios judiciais (questão de

ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa da

CONCLUSÃO declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos

DENEGO seguimento ao recurso de revista. trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. da ADI 4425."

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. serão analisados de acordo com os novos parâmetros

003, de 16 de fevereiro de 2018. estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

Publique-se e intime-se. Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

Assinatura de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

NICANOR DE ARAUJO LIMA Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 26/11/2018 - f. 384 -

Desembargador Federal do Trabalho Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 06/12/2018 - f. 369, por
Decisão meio do Sistema PJe.
Processo Nº RO-0024533-81.2015.5.24.0041
Relator FRANCISCO DAS CHAGAS LIMA Regular a representação, f. 65.
FILHO
Satisfeito o preparo (f. 271, 304, 301/302 e 381).
RECORRENTE MINERACAO CORUMBAENSE
REUNIDA S.A.
ADVOGADO ALVARO DE BARROS GUERRA
FILHO(OAB: 8367/MS) PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
ADVOGADO ROUSTAN MAGNO DA SILVA DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO /
AMARILLA FILHO(OAB: 17179/MS)
RECORRIDO WALDECY CUIABANO REIS Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da
ADVOGADO DIRCEU RODRIGUES JUNIOR(OAB: Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária
7217/MS)
Alegação(ões):
Intimado(s)/Citado(s): - contrariedade à Orientação Jurisprudencial 300 da SDI-I .
- MINERACAO CORUMBAENSE REUNIDA S.A. - violação ao(s) artigo(s) 5º, II, da CF.

- violação aos artigos 2º, 8º e 879, § 7, da CLT;

- violação ao artigo 39, da Lei 8.177/91.

PODER JUDICIÁRIO - divergência jurisprudencial.

JUSTIÇA DO TRABALHO Aduz que, em se tratando de crédito trabalhista sobre o qual se

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 12
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

configurou a mora, incide a regra prevista no art. 39, da Lei nº

8.177/91, a qual prevê expressamente a aplicação da TRD como NICANOR DE ARAUJO LIMA

índice de correção monetária, não havendo qualquer previsão legal Desembargador Federal do Trabalho

para a incidência do IPCA-E como parâmetro para a correção dos Decisão


Processo Nº RO-0024444-47.2016.5.24.0001
créditos trabalhistas, inclusive diante da atual previsão contida no Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA
art. 879, § 7º, da CLT. RECORRENTE JBS S/A
ADVOGADO NADIELLE PEREIRA
Pugna pela reforma da decisão. LEONARDO(OAB: 17929/MS)
Não se denota a alegada violação à Constituição Federal, uma vez ADVOGADO RENATA GONCALVES
TOGNINI(OAB: 11521/MS)
que a matéria deve ser analisada à luz da legislação RECORRENTE MARIA EUNICE GASPAR VIEIRA
infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação, ADVOGADO ALMIR VIEIRA PEREIRA
JUNIOR(OAB: 8281/MS)
não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no ADVOGADO ELOISIO MENDES DE ARAUJO(OAB:
8978/MS)
art. 896, "c", da CLT.
RECORRIDO MARIA EUNICE GASPAR VIEIRA
Inviável o seguimento do recurso, porquanto o julgamento por este ADVOGADO ALMIR VIEIRA PEREIRA
JUNIOR(OAB: 8281/MS)
Tribunal da Arguição de Inconstitucionalidade, autuada sob n.
ADVOGADO ELOISIO MENDES DE ARAUJO(OAB:
0024319-19.2015.5.24.0000, culminou com a aprovação da Súmula 8978/MS)
RECORRIDO JBS S/A
23 deste Eg. TRT da 24ª Região, cuja redação é a seguinte:
ADVOGADO NADIELLE PEREIRA
"ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. INCONSTITUCIONALIDADE DO LEONARDO(OAB: 17929/MS)
ADVOGADO RENATA GONCALVES
ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1. É inconstitucional a expressão TOGNINI(OAB: 11521/MS)
'equivalentes à TRD acumulada' constante no art. 39, 'caput', da Lei
Intimado(s)/Citado(s):
nº 8.177/91. 2. Por razão de segurança jurídica e tendo como
- JBS S/A
parâmetro a modulação de efeitos concretizada pelo Supremo - MARIA EUNICE GASPAR VIEIRA
Tribunal Federal para atualizar os débitos dos precatórios judiciais

(questão de ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa da

declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos trabalhistas


PODER JUDICIÁRIO
deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator indexador eleito pelo
JUSTIÇA DO TRABALHO
Supremo Tribunal Federal no julgamento da ADI 4425."

Na hipótese, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula Fundamentação


23 deste Eg. Tribunal, o que inviabiliza o seguimento do recurso, Recurso de Revista
inclusive por divergência jurisprudencial. Recorrente(s): 1. MARIA EUNICE GASPAR VIEIRA
Ressalte-se, em relação à aplicação do art. 879, §7º, da CLT, as 2. JBS S/A
considerações do acórdão: "Conquanto não ignore a redação do Advogado(a)(s): 1. ELOISIO MENDES DE ARAUJO (MS - 8978)
novel § 7º do art. 879, da CLT(advindo com a Lei n. 13.467/2017), 2. RENATA GONÇALVES TOGNINI (MS - 11521)
tenho que o parâmetro normativo no qual se baseia esse novo Recorrido(a)(s): 1. JBS S/A
dispositivo para determinar aplicação da TR, qual seja, a Lei n. 2. MARIA EUNICE GASPAR VIEIRA
8.177/1991, é o mesmo já declarado inconstitucional pelo Tribunal Advogado(a)(s): 1. RENATA GONÇALVES TOGNINI (MS - 11521)
Pleno desta C. Corte de Justiça (Súmula n. 23), padecendo, 2. ELOISIO MENDES DE ARAUJO (MS - 8978)
portanto, do mesmo vício" ( f. 321).

Recurso de: MARIA EUNICE GASPAR VIEIRA


CONCLUSÃO Destaque-se, inicialmente, o entendimento firmado por este Tribunal
DENEGO seguimento ao recurso de revista. acerca de tema objeto do recurso:
Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício - Súmula nº 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.
circular SEGJUD/TST n. 051/2014. INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.
Publique-se e intime-se. É inconstitucional a expressão 'equivalentes à TRD acumulada'

constante no art. 39, 'caput', da Lei nº 8.177/91. 2. Por razão de


Assinatura segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação de
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 13
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

atualizar os débitos dos precatórios judiciais (questão de do julgador, que considerou elementos fáticos e subjetivos para

ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa da decidir, não havendo cogitar em indenização desproporcional.

declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos No mais, para o acolhimento da pretensão recursal seria necessário

trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator o reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na Súmula

indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento 126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso.

da ADI 4425". Não se constatam, assim, as suscitadas violações, o que inviabiliza

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade o seguimento do recurso.

serão analisados de acordo com os novos parâmetros

estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado /

Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. Indenização por Dano Material / Pensão Vitalícia.

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir Alegação(ões):

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). - violação aos arts. 5º, X e 7º, XXVIII, CF/88;

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de - violação aos arts. 486, 949, 950 e 951 do Código Civil;

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. - violação aos arts. 19, 20 e 21 da Lei nº 8.213/91.

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme - divergência jurisprudencial.

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do Sustenta, em síntese, que o pagamento da pensão em parcela

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de única é direito do ofendido.

2018. Analiso.

Oportuna a transcrição do acórdão (456/460):

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS "2.1.2 - INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS - PENSÃO

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 26/10/2018 - f. 549 - VITALÍCIA

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 06/11/2018 - f. 495, por Em razão da incapacidade total e permanente decorrente da

meio do Sistema PJe. síndrome do impacto em ombros constatada, o juízo da origem

Regular a representação, f. 29. condenou a reclamada ao pagamento de indenização por danos

Desnecessário o preparo. materiais na forma de pensão mensal correspondente a 15% da

remuneração percebida, devendo pagar o valor integral da

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS indenização de uma só vez, considerando como início o dia do

Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado / último afastamento até que a autora complete 79 anos, ou, pagar a

Indenização por Dano Moral. parte vencida (contada do dia de início do último afastamento até o

Alegação(ões): trânsito em julgado da decisão), devendo, ainda, constituir capital

- violação aos arts. 1º, III e 5º, V e X, da CF/88; cuja renda assegurará o pagamento mensal das parcelas futuras na

Sustenta, em síntese, que: a) na fixação do valor da indenização forma do art. 533, caput e § 1°, do Código de Processo Civil.

por danos morais não foi observado o dano experimentado pela Pretende a ré o afastamento da condenação ao pagamento de

vítima e o porte econômico da recorrida; b) houve equívoco na danos materiais, argumentando que: a autora já era portadora da

apreciação de provas e elementos dos autos; c) a natureza punitivo- moléstia ao tempo da contratação; a doença é proveniente de

pedagógica da indenização por danos morais não foi observada. processo degenerativo do organismo; a responsabilidade de

Analiso. indenizar valores materiais é da Autarquia Previdenciária, não

Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma podendo tal ônus ser transferido à empregadora; há possibilidade

vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação de reabilitação profissional para trabalho que não sobrecarregue

infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação, ombros; não há comprovação do nexo de causalidade, bem como a

não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no contribuição do trabalho para a doença foi leve.

art. 896, "c", da CLT. Sucessivamente, pugna pela redução do importe do pensionamento

Quanto ao valor arbitrado, considerou-se "a gravidade do dano e para no máximo 7,5%, considerando a perda funcional de 15%.

sua repercussão, as condições das partes, seu intuito pedagógico e Ainda, requer que a pensão seja limitada a 60 (sessenta) anos de

inibitório, bem com a justa reparação do ofendido" (f. 456). idade. Também pugna pela exclusão do pagamento em parcela

Desse modo, a quantia de R$ 5.500,00 decorreu do juízo valorativo única, devendo ser aplicado o disposto no art. 533, § 2º, do CPC.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 14
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Por seu turno, a reclamante pretende a majoração do percentual surgimento/agravamento da doença, estando a autora totalmente, e

indenizatório para 25% da remuneração percebida, tendo em vista de forma permanente, incapacitada para a função exercida na

que a síndrome do impacto em ombros e a síndrome do túnel do empresa, de modo que não se acolhe a pretensão de redução do

carpo no punho direito possuem nexo de concausalidade com o percentual indenizatório para 7,5%.

trabalho, na ordem de 15% e 10%, respectivamente. Outrossim, conforme se denota do laudo pericial, a autora não

Analiso. apresenta incapacidade laboral em razão da síndrome do túnel do

No tocante à capacidade laboral da reclamante, a perita judicial carpo no punho direito, sendo descabido o pleito de majoração do

atestou que (ID 7eab05b - Pág. 25): quantum fixado de incapacidade para 25%.

A síndrome do túnel do carpo e o esporão em pés não incapacitam Logo, agiu com acerto o julgador da origem ao fixar o percentual de

a autora para as suas atividades na reclamada. incapacidade laborativa, com base no art. 950 do CC.

No que se refere à análise da redução da capacidade decorrente da Ressalto que anteriormente me filiava à corrente doutrinária de que

síndrome do impacto em ombros, esta perita somente verificará as a pensão mensal e o benefício previdenciário não poderiam ser

condições da reclamante no exercício da mesma função cumulativos, mediante aplicação do Princípio da Reparação Integral

desempenhada na empresa reclamada. às partes envolvidas, segundo o qual a pensão mensal deveria

Isso porque, por meio dessa perícia, seria impossível a investigação limitar-se a complementar o benefício previdenciário até atingir o

das habilidades e qualificações da pericianda capazes de lhe montante salarial.

proporcionar uma nova inserção em todo o mercado de trabalho. Entretanto, o C. TST tem reiteradamente asseverado a

A doença da pericianda, no estágio em que se encontra, é impossibilidade de compensação, por se tratarem de institutos

irreversível, já que não comporta regressão em seu estado. Assim, jurídicos distintos, pois o benefício previdenciário fundamenta-se na

pode ser considerada permanente. Lei n. 8.213/91, ao passo que a reparação, no Código Civil, de

Assim, considerando-se a função desempenhada pela reclamante modo que ambos são perfeitamente cumuláveis.

na empresa reclamada, pode-se dizer que sua incapacidade é total (...) BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO X DANO MATERIAL.

em razão da síndrome do impacto, já que, atualmente, ela não tem CUMULAÇÃO. POSSIBILIDADE. A jurisprudência desta Corte já

condições de trabalhar nas mesmas atividades. A periciada possui firmou entendimento no sentido de ser cabível a cumulação do

limitação nos movimentos e na força dos membros superiores que a pagamento de indenização por danos materiais, em forma de

incapacitam de realizar movimentos repetitivos e com uso da força, pensionamento mensal, com a percepção de benefício

tal qual desempenhava na reclamada. previdenciário, porque são distintas e autônomas, e uma não exclui

Concluindo-se, deve ser dito que a incapacidade da reclamante é a outra. Precedentes. Recurso de Revista de que não se conhece"

total e permanente. (RR - 45-13.2013.5.09.0021, Rel. Min. João Batista Brito Pereira, 5ª

De acordo com os artigos 949 e 950 do Código Civil, a indenização Turma, DEJT 31/03/2017).

por danos materiais engloba o dano emergente, o lucro cessante e COMPENSAÇÃO NA PENSÃO DOS VALORES PAGOS PELO

a pensão proporcional à importância do trabalho para o qual se INSS EM DECORRÊNCIA DE ACIDENTE DE TRABALHO.

inabilitou o trabalhador ou à depreciação que sofreu. INEXISTÊNCIA DE ENRIQUECIMENTO SEM CAUSA. Não é

Assim, há duas situações: a compensação pela incapacitação devida a compensação, na pensão, do valor recebido do INSS a

parcial ou total para o trabalho e o pagamento de indenização pelas título de benefício acidentário, porquanto o auxílio-acidente e o

perdas materiais experimentadas. pensionamento são institutos jurídicos distintos e não se

No que tange às alegações da reclamada de que a autora já era compensam. O primeiro fundamenta-se na Lei n° 8.213/91; o

portadora da moléstia (síndrome do impacto em ombros) ao tempo segundo, no Código Civil. Ambos com assento no art. 7º, XXVIII, da

da contratação, a doença é proveniente de processo degenerativo Constituição Federal, mas impossíveis de serem compensados,

do organismo, não há comprovação do nexo de causalidade e que a porque pressuporiam, no mínimo, a identidade de sujeitos. De outra

contribuição do trabalho para a moléstia foi leve, reporto-me aos parte, o seguro previdenciário foi instituído em favor do empregado,

fundamentos utilizados no tópico precedente. e não do empregador; logo, não pode servir para quitar a

Outrossim, diante dos termos do laudo pericial produzido, não há indenização devida pela empresa, que, tendo assumido conduta

falar em reabilitação profissional. dolosa ou culposa, causou danos ao trabalhador. Efetivamente, não

Destaco que, ao contrário do que afirma a ré, as atividades há que se falar em enriquecimento sem causa, na forma do artigo

desenvolvidas na empresa contribuíram na ordem de 15% para o 884 do Código Civil. A iterativa e notória jurisprudência desta Corte

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 15
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Superior admite a cumulação da indenização por danos materiais vencido, incluindo a parcela referente ao 13º salário ." (g.n.)

decorrentes de acidente de trabalho, paga pelo empregador, com o Entendo prudente o seguimento do recurso por possível violação do

auxílio-doença ou a aposentadoria por invalidez, a cargo do órgão disposto no artigo 950, p. único, CC.

previdenciário. Precedentes desta Subseção e do Superior Tribunal

de Justiça. Recurso de embargos de que se conhece e a que se dá CONCLUSÃO

provimento." (E-ED-RR - 85400-74.2006.5.18.0121, Rel. Min. RECEBO em parte o recurso de revista.

Cláudio Mascarenhas Brandão, SDI-1, DEJT 30/6/2015). Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para,

Por disciplina judiciária, ressalvo meu entendimento, para querendo, contra-arrazoar no prazo legal.

reconhecer a possibilidade de cumulação desses institutos. Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

Saliente-se quenão há no art. 950 do CC qualquer limitação etária circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

ao recebimento da pensão, portanto, a reclamante, que possui Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

lesões permanentes, tem direito à pensão mensal vitalícia, sem a pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

limitação etária a 60 anos, como requer a ré. Assim, não merece 003, de 16 de fevereiro de 2018.

reforma a sentença que fixou como termo final da pensão mensal a

idade de 79 anos, considerando a expectativa de sobrevida do Recurso de: JBS S/A

IBGE. Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

No que se refere ao pagamento da pensão em parcela única serão analisados de acordo com os novos parâmetros

deferido em sentença, entendo, a despeito do que dispõe o estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

parágrafo único do art. 950 do Código Civil, ser mais razoável Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

que o pagamento da indenização ocorra na forma de pensão 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

mensal. de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Até mesmo porque, em havendo a antecipação das parcelas, Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

deixariam as prestações de atender ao seu objetivo, que é decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

justamente contribuir com a manutenção da vítima ao longo 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

dos anos, sem onerar demasiadamente o responsável pelo solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

pagamento. OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

O artigo 533, § 2º, do CPC/2015 possibilita a substituição da 2018.

constituição do capital pela inclusão do beneficiário da prestação

em folha de pagamento de entidade de direito público ou de PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

empresa de direito privado de notória capacidade econômica. Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 26/10/2018 - f. 549 -

Portanto, considerando a notória solidez e a capacidade econômica Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 08/11/2018 - f. 525, por

do empregador, determino que o pagamento da pensão seja meio do Sistema PJe.

realizado de forma mensal, com a inclusão da autora na folha de Regular a representação, f. 37.

pagamento da empresa. Satisfeito o preparo (f. ).

O reajustamento da pensão deve levar em conta os aumentos

salariais da respectiva categoria, a ser apurado em liquidação de PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

sentença, e o pagamento será até o 5º dia útil seguinte ao vencido, DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO /

incluindo a parcela referente ao 13º salário, na época em que é Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da

paga aos funcionários da ativa, considerando que a autora a Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária

receberia se estivesse trabalhando na sua plena capacidade Alegação(ões):

laboral. - violação aos artigos 2º e 5º, II e LIV, da CF;

Pelo exposto, nego provimento ao recurso da reclamante e dou - violação ao artigo 39 da Lei 8.177/91;

parcial provimento ao apelo da ré para determinar a inclusão da - violação ao artigo 879, §7º, da CLT;

reclamante em folha de pagamento, observando-se os - contrariedade à OJ 300 da SDI-I do C. TST;

reajustamentos salariais da respectiva categoria, a ser apurado em - contrariedade à Súmula Vinculante 10 do STF.

liquidação de sentença, pagamento até o 5º dia útil seguinte ao Sustenta , em síntese, que: a) não merece prosperar a r. decisão

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 16
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

colegiada, sob pena de violação dos artigos 39 da Lei nº 8.177/1991 híbrida quando a sentença houver sido prolatada após a vigência de

e 879, §7º, da CLT, além de contrariedade à OJ 300 da SDI-1/TST, lei novel, na medida em que é neste momento que nasce o direito

que preconizam a aplicação da TR - e não o IPCA-E - o índice ao recebimento dos honorários advocatícios sucumbenciais.

aplicável às correções monetárias dos débitos trabalhistas; b) o E. Assim, requer que o autor seja condenado ao pagamento da verba

TRT da 24ª Região negou expressamente aplicação ao art. 879, honorária, em face da improcedência dos pedidos das inicial, com

§7º, da CLT, mediante extensão dos efeitos da declaração de fulcro no artigo 791-A, caput e §3º, da Lei nº 13.467/2017.

inconstitucionalidade do artigo 39 da Lei n. 8.177/1991 (Súmula Inviável o seguimento do recurso, diante da conclusão adotada pela

23/TRT24); c) a decisão incorreu em patente violação legal ao Turma segundo a qual "as inovações trazidas pela Lei n.

princípio do devido processo legal, bem como à cláusula de reserva 13.467/2017 referentes aos honorários advocatícios sucumbenciais

de plenário. não têm aplicação imediata aos processos em tramitação, sob pena

Pugna pela reforma do v. acórdão. de violação da segurança jurídica " (f. 442). Assim, não se aplica a

Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma hipótese dos autos, eis que proposta a ação fora proposta em

vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação 1.12.2015.

infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação, Aludido entendimento está em consonância com a Instrução

não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no Normativa n. 41/2018, cujo artigo 6º dispõe que "a condenação em

art. 896, alínea "c", da CLT. honorários advocatícios sucumbenciais, prevista no artigo 791-A, e

O julgamento, por este Tribunal, da Arguição de parágrafos, da CLT, será aplicável apenas às ações propostas após

Inconstitucionalidade autuada sob n. 0024319-19.2015.5.24.0000, 11 de novembro de 2017 ".

culminou com a aprovação da Súmula 23 deste Regional, cuja

redação é a seguinte: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. CONCLUSÃO

INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1. DENEGO seguimento ao recurso de revista.

É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD acumulada" Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91. 2. Por razão de circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação de efeitos Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para atualizar os pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

débitos dos precatórios judiciais (questão de ordem na ADI 4357), 003, de 16 de fevereiro de 2018.

limita-se a eficácia retroativa da declaração a 26.03.2015, a partir de

quando os débitos trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA- Assinatura

E, fator indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

julgamento da ADI 4425 ".

Na hipótese, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula NICANOR DE ARAUJO LIMA

23 deste Egrégio Tribunal, o que inviabiliza o seguimento do Desembargador Federal do Trabalho

recurso. Decisão
Processo Nº RO-0024335-24.2016.5.24.0004
Cabe registrar que o parâmetro normativo no qual se baseia esse Relator AMAURY RODRIGUES PINTO
JUNIOR
novo dispositivo (§7º do art. 879 da CLT) para determinar aplicação
RECORRENTE JUCELINO NUNES DE MENEZES
da TR, qual seja, a Lei n. 8.177/1991, é o mesmo já declarado ADVOGADO IJOSEY BASTOS SOARES(OAB:
15432/MS)
inconstitucional pelo Tribunal Pleno desta C. Corte de Justiça
ADVOGADO TIAGO ALVES DA SILVA(OAB:
(Súmula n. 23). 12482/MS)
ADVOGADO FERNANDO SILVA DE MACEDO
LUZ(OAB: 15954/MS)
DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Partes e ADVOGADO LUIZ FELIPE VILLAGRA
AGUILERA(OAB: 18477/MS)
Procuradores / Sucumbência / Honorários Advocatícios ADVOGADO WILSON CREPALDI JUNIOR(OAB:
17872/MS)
Alegação(ões):
RECORRIDO FUNCIONAL PRESTADORA DE
- violação ao artigo 5º, II, da CF; SERVICOS TECNICOS LTDA.
ADVOGADO ANA PAULA IUNG DE LIMA(OAB:
- violação ao artigo 791-A, caput e § 3º, da Lei 13.467/2017; 9413/MS)
- violação ao artigo 6º da LIDB.
Intimado(s)/Citado(s):
Sustenta, em suma, que são aplicáveis as regras de natureza
- JUCELINO NUNES DE MENEZES

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 17
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

afetada; já no caso de acidente o dano já existe, portanto a

realização de perícia é medida que se impõe.

PODER JUDICIÁRIO Requer a reforma para, reconhecido o cerceamento do defesa, os

JUSTIÇA DO TRABALHO autos retornem à instância originária para que a prova pericial seja

produzida.
Fundamentação
Neste tópico, a insurgência encontra-se desfundamentada,
Recurso de Revista
porquanto a recorrente não se reporta aos pressupostos específicos
Recorrente(s): JUCELINO NUNES DE MENEZES
do recurso de revista, nos termos do art. 896 da CLT.
Advogado(a)(s): WILSON CREPALDI JUNIOR (MS - 17872)
Dispõe o artigo 896, §1º-A, I, da CLT, com redação dada pela Lei n.
Recorrido(a)(s): FUNCIONAL PRESTADORA DE SERVICOS
13.015/2014:
TECNICOS LTDA
"Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:
Advogado(a)(s): ANA PAULA IUNG DE LIMA (MS - 9413)
I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o
Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista;
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
(omissis)"
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
No caso, a parte recorrente, quanto ao capítulo em tela, não
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
transcreveu, "in litteris", os trechos da decisão recorrida que
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
consubstancia o prequestionamento da controvérsia objeto do
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
recurso de revista, ou indicou, topograficamente, a localização da

parte da decisão que se pretende modificar, o que impede a exata


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
verificação da questão controvertida.
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 29/08/2018 - f. 359 -
Frisa-se que os trechos trazido pelo recorrente não são suficientes
Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 10/09/2018 - f. 350-
para ultrapassar o obstáculo processual verificado, em face de
358, por meio do Sistema PJe.
haver omissão de transcrição de parte do acórdão imprescindível ao
Regular a representação, f. 326.
cotejo analítico entre o decidido pela Turma e a argumentação
Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme
trazida pela recorrente.
f. 292.

CONCLUSÃO
PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
DENEGO seguimento ao recurso de revista.
DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Atos
Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício
Processuais / Nulidade / Cerceamento de Defesa
circular SEGJUD/TST n. 051/2014.
Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado / Acidente
Publique-se e intime-se.
de Trabalho
Assinatura
Alegação(ões):
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019
- violação ao artigo 5º, LV, da CF;

- violação aos artigo 818, da CLT;


NICANOR DE ARAUJO LIMA
- violação ao artigo 373, do CPC;
Desembargador Federal do Trabalho
- divergência jurisprudencial. Decisão
Sustenta que: a) o reclamante, ao contrário do que ficou consignado Processo Nº RO-0024010-54.2015.5.24.0046
Relator FRANCISCO DAS CHAGAS LIMA
na sentença e no acórdão, desincumbiu-se de ônus probatório, haja FILHO
RECORRENTE MFG AGROPECUARIA LTDA
visto que trouxe aos autos atestados médicos, além da prova
ADVOGADO BENEDICTO CELSO BENICIO
testemunhal produzida que demonstram a existência do acidente de JUNIOR(OAB: 131896/SP)
RECORRIDO SEBASTIAO BRAZ
trabalho noticiado na exordial, sendo certo que a prova pericial,
ADVOGADO NEIVA APARECIDA DOS REIS(OAB:
além de demonstrar ainda mais o nexo de causalidade, também 5213/MS)

teria o condão de averiguar os danos sofridos; b) a perícia é


Intimado(s)/Citado(s):
obrigatória nos casos em que se pleiteia adicional de insalubridade
- MFG AGROPECUARIA LTDA
e/ou periculosidade, diante da possibilidade da saúde do obreiro ser

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 18
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

A recorrente pretende a redução do valor e atualização a partir da

data da decisão definitiva.


PODER JUDICIÁRIO
Nego provimento ao recurso.
JUSTIÇA DO TRABALHO
O valor arbitrado na origem é compatível com os danos decorrentes

Fundamentação do acidente ocorrido, tendo em conta primordialmente a gravidade

Recurso de Revista da lesão.

Recorrente(s): MFG AGROPECUÁRIA LTDA. Mantenho, pois, o valor arbitrado na origem, sendo que a

Advogado(a)(s): Sérgio Gonini Benício (SP - 195470) atualização monetária deve ser considerada desde aquele

Recorrido(a)(s): SEBASTIÃO BRAZ arbitramento e não do acórdão que o confirmou.

Advogado(a)(s): Neiva Aparecida dos Reis (MS - 5213-B) Nego provimento".

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade Em relação ao valor arbitrado à referida indenização (R$7.000,00),

serão analisados de acordo com os novos parâmetros conforme se depreende do trecho acima colacionado, a decisão

estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal recorrida baseou-se em parâmetros razoáveis e proporcionais,

Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. considerando as peculiaridades do caso (ruptura do tendão

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir extensor do primeiro dedo da mão direita). Assim, a quantia

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). decorreu do juízo valorativo do julgador, que considerou elementos

fáticos e subjetivos para decidir, não havendo falar em indenização

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS desproporcional.

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 07/11/2018 - f. 425 - Portanto, para o acolhimento da pretensão recursal seria necessário

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 16/11/2018 - f. 415, por o reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na Súmula

meio do Sistema PJe. 126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por

Regular a representação, f. 330. divergência jurisprudencial.

Satisfeito o preparo (f. 329, 327/338 e 424).

CONCLUSÃO

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS DENEGO seguimento ao recurso de revista.

Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado / Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

Indenização por Dano Moral circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

Alegação(ões): Publique-se e intime-se.

- violação aos artigos 884 e 944, do Código Civil;

- divergência jurisprudencial. Assinatura

Sustenta, em síntese, que: a) a indenização por danos morais foi CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

demasiadamente elevada, restando clara a violação ao disposto no

artigo 944 do Código Civil, dada a desproporcionalidade do valor NICANOR DE ARAUJO LIMA

arbitrado; b) a condenação não atendeu aos princípios da Desembargador Federal do Trabalho

razoabilidade e proporcionalidade, levando ao enriquecimento sem Decisão


Processo Nº RO-0024511-57.2017.5.24.0007
causa; c) o valor arbitrado é excessivo, porquanto muito acima do Relator AMAURY RODRIGUES PINTO
JUNIOR
que é admitido na jurisprudência de nossos Tribunais.
RECORRENTE BANCO DO BRASIL SA
Consta do v. acórdão (f. 374): ADVOGADO JOSE RAFAEL GOMES(OAB:
11040/MS)
ADVOGADO GISELLI QUEIROZ DE
2.3 - DANOS EXTRAPATRIMONIAIS (nos termos do voto do Exmo. OLIVEIRA(OAB: 21697/MS)
ADVOGADO JOSE HUMBERTO DA SILVA
Sr. Desembargador Amaury Rodrigues Pinto Júnior) VILARINS JUNIOR(OAB: 17809-B/MS)
"Considerando que o acidente do trabalho resultou na "ruptura do RECORRENTE MARCOS CEZAR RODRIGUES DA
SILVA
tendão extensor do primeiro dedo da mão direita" o juiz da origem ADVOGADO Henrique da Silva Lima(OAB:
9979/MS)
deferiu indenização por danos extrapatrimoniais no valor de R$
RECORRIDO MARCOS CEZAR RODRIGUES DA
7.000,00 (sete mil reais). SILVA

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 19
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

ADVOGADO Henrique da Silva Lima(OAB:


9979/MS)
RECORRIDO BANCO DO BRASIL SA PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
ADVOGADO JOSE RAFAEL GOMES(OAB:
11040/MS) Remuneração, Verbas Indenizatórias e Benefícios Anuênios
ADVOGADO GISELLI QUEIROZ DE Prescrição
OLIVEIRA(OAB: 21697/MS)
ADVOGADO JOSE HUMBERTO DA SILVA Alegação(ões):
VILARINS JUNIOR(OAB: 17809-B/MS)
- contrariedade à Súmula 294, do TST;
Intimado(s)/Citado(s): - divergência jurisprudencial.
- BANCO DO BRASIL SA Sustenta não haver falar em prescrição, pois: a) o contrato de
- MARCOS CEZAR RODRIGUES DA SILVA
trabalho teve início em 11.02.1988, findando em data de

14.12.2016, e a verba anuênio é prestação cujo pagamento se

renovava mês a mês (prestação de trato sucessivo), de modo que


PODER JUDICIÁRIO as lesões sofridas pelo recorrente em decorrência do pagamento de
JUSTIÇA DO TRABALHO tais parcelas também se renovaram periodicamente, a cada data

em que seria exigível o pagamento da parcela trabalhista, por força


Fundamentação
do contrato de trabalho e previsão em normas internas do banco
Recurso de Revista
recorrido; b) se o reclamado pretendia que a única fonte do direito
Recorrente(s): 1. MARCOS CEZAR RODRIGUES DA SILVA
ao anuênio fosse a norma coletiva, não deveria ter mantido o seu
2. BANCO DO BRASIL SA
pagamento após o cancelamento do normativo; ao fazê-lo,
Advogado(a)(s): 1. HENRIQUE DA SILVA LIMA (MS - 9979)
contratualizou a vantagem, pelo que, como não se trata de benefício
2. JOSE HUMBERTO DA SILVA VILARINS JUNIOR (MS - 17809-
instituído apenas por norma coletiva, mas contratualmente, o direito
B)
também foi inserido no contrato de trabalho do recorrente; c) os
Recorrido(a)(s): 1. BANCO DO BRASIL SA
anuênios pagos aos funcionários do recorrido, pagos originalmente
2. MARCOS CEZAR RODRIGUES DA SILVA
por força de norma regulamentar interna da instituição financeira,
Advogado(a)(s): 1. JOSE HUMBERTO DA SILVA VILARINS
incluído, posteriormente, em Acordo Coletivo, para ser suprimido,
JUNIOR (MS - 17809-B)
retrata pedido sobre o qual não se aplica a prescrição total, pois se
2. HENRIQUE DA SILVA LIMA (MS - 9979)
trata de parcela que já se incorporou ao patrimônio do recorrente e
Recurso de: MARCOS CEZAR RODRIGUES DA SILVA
que não poderia, simplesmente, ser excluído pela sua não inclusão
Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
nos acordos coletivos posteriores.
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
Requer a reforma.
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
A Turma consignou:
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
"2.1.1 - ANUÊNIOS - PRESCRIÇÃO TOTAL
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
O Juiz da origem rejeitou a arguição de prescrição total quanto aos
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
anuênios, invocando jurisprudência do C. TST (p. 2021-2022).
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de
Aduz o réu que: a) aplica-se à espécie a Súmula 294 do TST, com o
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
reconhecimento da prescrição total, uma vez que a prestação em
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
comento não foi garantida por preceitode lei; b) com a expiração da
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
vigência do ACT 1998/1999 o direito foi perdido, diante da não
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
renovação;c) a partir de 99/2000, os anuênios não foram renovados
2018.
em convenções/acordos coletivos posteriores.

Eventualmente, requer que os anuênios sejam deferidos de 5 em 5


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
anos (p. 2053-2055).
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 29/08/2018 - f. 2260 -
Com razão.
Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 06/09/2018 - f. 2175-
Incide no caso em tela a prescrição total, na medida em que o
2183, por meio do Sistema PJe.
direito sonegado não provém de lei.
Regular a representação, f. 52.
Com efeito, a lesão verificada é única, ocorrida em 31.12.1999[1],
Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme
com a supressão do direito postulado nos instrumentos normativos
f. 2036.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 20
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

pactuados posteriormente, razão pela qual deve incidir no caso a pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

prescrição total, conforme entendimento contido na Súmula 294 do 003, de 16 de fevereiro de 2018.

Colendo TST, verbis: Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para,

SÚMULA 294 DO TST querendo, contra-arrazoar no prazo legal.

PRESCRIÇÃO. ALTERAÇÃO CONTRATUAL. TRABALHADOR

URBANO(mantida) - Res. 121/2003, DJ 19, 20 e 21.11.2003 Recurso de: BANCO DO BRASIL SA

Tratando-se de ação que envolva pedido de prestações sucessivas Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

decorrente de alteração do pactuado, a prescrição é total, exceto serão analisados de acordo com os novos parâmetros

quando o direito à parcela esteja também assegurado por preceito estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

de lei. Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

Destarte, tendo a ação trabalhista sido ajuizada em 7.4.2017, de 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

rigor o pronunciamento da prescrição total do direito pleiteado, pois de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

já ultrapassados mais de cinco anos da supressão da parcela em Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

comento.Dou provimento ao recurso a fim de declarar a prescrição decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

total da pretensão correspondente aos anuênios". 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

A recorrente demonstrou a existência de divergência apta a ensejar solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

o seguimento do recurso, com a ementa proveniente do E. TRT 10ª OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

Região, no seguinte sentido: 2018.

"RECURSO DO RECLAMADO 1. Banco do Brasil. Supressão do

pagamentode anuênio. Prescrição parcial. Recurso de embargos. PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Prescrição parcial. Anuênios. Supressão. Parcela que se incorporou Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 29/08/2018 - f. 2260 -

ao contrato de trabalho. Não há prescrição total da pretensão ao Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 10/09/2018 - f. 2200-

recebimento da parcela anuênios que é paga por força de previsão 2233, por meio do Sistema PJe.

contratual, anotada na carteira de trabalho do empregado, sendo Regular a representação, f. 429.

posteriormente suprimida, após período em que vigorou cláusula Satisfeito o preparo (f. 2037, 2079, 2077, 2129, 2129 e 2234).

para pagamento da parcela por norma coletiva. Retrata o caso

direito a parcela de trato sucessivo, cuja supressão não decorre de PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

alteração do pactuado, mas sim de descumprimento de pagamento DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Atos

de direito que já se incorporara ao contrato de trabalho, sendo caso Processuais / Nulidade / Negativa de prestação jurisdicional.

de aplicação da prescrição parcial, nos termos da parte final da Alegação(ões):

Súmula nº 294 do c. TST, eis que a lesão se renova a cada mês - violação ao art. 93, IX, da CF;

que o empregado deixa de receber a parcela. Embargos conhecidos - violação ao art. 832, da CLT;

e desprovidos (tst, SDI 1, e-ed-arr 45195.2010.5.05.0491, Aloysio, j. - violação aos art. 458, II, 535, I e II do CPC.

31/3/2016, dejt 8/4/2016). 2. Anuênios. Constatado que o Sustenta que, tendo em vista a ausência de manifestação do

pagamento dos anuênios se atrelou à remuneração por força do Regional acerca de matéria primordial ao deslinde da lide, foram

contrato de trabalho, não há falar em sua modificação ou alteração interpostos Embargos de Declaração a fim de sanar omissão no que

(CLT, art. 458 e Súmula nº 51, I, tst), sendo devidas, portanto, as diz respeito ao reconhecimento da natureza salarial do auxílio

diferenças postuladas na inicial. (...) (Proc. RO 0000840- refeição/alimentação, especialmente quanto às provas documentais

30.2015.5.10.0018, T.3, Rel. Juiz Antônio Umberto de Souza Júnior; produzidas. Com efeito, o autor foi admitido em 11/02/1988 e os

EJTDF 10/03/2017; Pág. 148). documentos acostados aos autos (Acordos Coletivos do Trabalho)

comprovam a natureza indenizatória da verba antes da data da

CONCLUSÃO posse do obreiro.

RECEBO o recurso de revista. Contudo, contudo, não houve manifestação da Egrégia Segunda

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício Turma a respeito do tema trazido nos embargos de declaração.

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. Requer seja declarada a nulidade do acórdão, por violação ao

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado disposto nos artigos 832 da CLT, 458, II, art. 535, I e II do CPC, e

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 21
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

93, IX, da CF, determinando o retorno dos autos para que sejam que sua aplicabilidade se dá não só aos que exercem funções de

devidamente analisadas as provas produzidas e proferido novo direção, gerência, fiscalização, chefia e equivalentes, como também

julgamento, ou, sucessivamente, que seja possível, perante essa àqueles que "desempenhem outros cargos de confiança", que era o

Corte, a apreciação de aspectos da referida norma em sede de caso do recorrido; b) o cargo de confiança será determinado ao

revista, conforme prevê o item 3, da Súmula 297, do TST. arbítrio do empregador, em razão de depositarem confiança no

Acerca dos Embargos de Declaração apresentados pelo réu, a empregado e da idoneidade deste, e sua configuração não se limita,

Turma assim se manifestou: de forma simplista, às funções de direção, chefia e gerenciamento,

"2.1 - EMBARGOS DA RÉ não se exigindo, amplos poderes de mando, representação ou

2.1.1 - INTERVALO INTRAJORNADA substituição do empregador, nem mesmo que tenha subordinados;

A embargante alega contradição, pois o acórdão registrou que, c) o grau de confiança atribuído ao cargo deve ser analisado sob o

quando da admissão do autor, não havia previsão coletiva de ponto de vista do empregador, em razão do sigilo das informações

pagamento da parcela com natureza indenizatória, quando o ACT confiadas ao detentor da função, da estratégia e relevância que as

1987/1988 previu pagamento com essa natureza. funções representam à empresa; no caso, o recorrido ocupava

Também busca prequestionar ofensa ao art. 3º da Lei 6.324/76. posição de destaque no organograma do Banco, realizando funções

Não existe contradição ou omissão. essenciais para a formalização e liberação de crédito, juntamente

O ACT 1987/1988 nem mesmo foi mencionado nas razões de com fiscalização, visitas, concessão de empréstimos; d) a prova

recurso ordinário, tampouco está reproduzido nos autos. testemunhal confirmou apenas o labor após a saída do sistema,

Já a Lei 6.324/1976 não está relacionada à controvérsia instaurada quando o reclamante laborava como caixa, porém, não há

nos presentes autos, primeiro porque trata de dedução do imposto comprovação por provas orais de que o cargo de assistente

de renda e, segundo, porque o art. 3º da referida lei faz referência a exercido pelo obreiro não se enquadrava na hipótese do §2º, do

salário in natura(o que não é o caso dos autos) e apenas o exclui da artigo 224 da CLT; e) o recebimento de percentual acima de 1/3 do

base de cálculo do salário de contribuição (e, portanto, da dedução salário efetivo é incontroverso; f) na realidade, o recorrido, que

legal prevista naquela legislação), em nenhum momento tratando da antes tinha jornada de seis horas, optou em ocupar o novo cargo

natureza jurídica (salarial ou indenizatória) da parcela. comissionado de 8 (oito) horas, recebendo comissão superior a 1/3

do salário efetivo, razão pela qual já estavam quitadas as 7ª e 8ª

Com efeito, o art. 93, IX, da CF determina que as decisões horas, nos termos da OJ 17 da SDI-1/TST.

emanadas do Poder Judiciário devem ser fundamentadas. Dos Requer a reforma.

trechos transcritos conclui-se que o acórdão recorrido encontra-se A Turma assentou:

devidamente fundamentado, dele constando as razões fáticas que "A prova testemunhal foi suficiente para desmerecer parcialmente o

levaram o julgador a rejeitar as alegações do réu, restando, pois, controle eletrônico de jornada e também os comprovantes de horas

atendido o comando constitucional. extras pagas, na medida em que as jornadas contratadas não eram

Na hipótese, em que pese o equivocado título conferido ao tópico (a as praticadas. Adoto como razões de decidir a análise do conjunto

saber, INTERVALO INTRAJORNADA), isto foi observado na probatório realizada pelo juízo da origem:

decisão recorrida, não se verificam as violações alegadas, "No caso concreto ora analisado, o contexto probatório demonstrou

inviabilizando o seguimento do apelo neste particular. que as reais atribuições do reclamante eram técnicas, sem

Importa, por fim, registrar que não se confunde com negativa de autonomia capaz de caracterizar fidúcia diferenciada em relação

prestação jurisdicional eventual inconformismo da parte com a aos demais empregados. Além disso, o reclamante não possuía

adoção, pela decisão recorrida, de um ou outro fundamento subordinado(s), trabalhando sozinho com o gerente da carteira, o

contrário à sua pretensão. que se verifica dos seguintes trechos da prova oral (fls. 2005/2009)

(...) Diante das provas acima, entendo não caracterizado o exercício

Duração do Trabalho / Horas Extras / Cargo de confiança da função de confiança pelo autor, nos termos previstos na lei,

Alegação(ões): estando ele enquadrado na jornada prevista no art. 224, caput, da

- contrariedade à OJ 17 da SBDI-1, do TST; CLT, sendo, portanto, procedente o pedido de pagamento das 6a e

- violação ao artigo 224, §2º, da CLT; 7a horas trabalhadas como extras.

- divergência jurisprudencial. No período posterior, em que o autor exerceu a função de caixa

Sustenta que: a) a dicção do §2º, do artigo 224, da CLT, deixa claro executivo, a controvérsia remanesceu exclusivamente quanto à

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 22
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

jornada efetivamente cumprida, tendo o reclamado admitido o - contrariedade à Súmula 294, do TST;

enquadramento do obreiro na jornada de 6 horas com intervalo de - contrariedade à OJ 133, da SBDI-1, do TST;

15 minutos. - violação aos art. 5º, II, XXXV e IV, 7º, XXVI e XXIX e 114, § 2º, da

A despeito da juntada dos controles de ponto pelo reclamado, a CF;

prova testemunhal revelou que o reclamante trabalhava em média, - violação ao artigo 373, do CPC;

das 9h às 17h30/18h (item 5 do depoimento da testemunha Cecílio - violação ao art. 11, § 2º, 442, 444, 611, 787 e 818, I, da CLT;

Alves Rodrigues e item 3 do depoimento da testemunha Miguel - violação ao artigo 3º, da Lei 6321/76

Argemiro Herestech). Ressalte-se que a testemunha Diogo - violação ao art. 6º, do Decreto n.º 5/91;

Cristaldo Heck, gerente de serviços do reclamado, admitiu que ele - divergência jurisprudencial.

trabalhava após registrar o ponto na saída, realizando serviços que Sustenta que: a) mesmo que em algum momento o reclamado

não necessitavam de acesso ao sistema, conforme se infere do tivesse pago a verba auxílio refeição sem constar previsão em ACT,

seguinte trecho de seu depoimento (fl. 2009). o que jamais ocorreu, o direito em pleitear natureza salarial da

(...) Além disso, os documentos juntados às fls. 152/257 verba já estaria prescrito, pois desde a criação da referida verba,

demonstram o labor do reclamante após o registro de saída no através do ACT 87/88, bem como nos acordos coletivos de trabalho

sistema, sendo que os controles de ponto juntados com a defesa subsequentes, ficou acordada a natureza indenizatória da referida

são imprestáveis para comprovar a jornada efetivamente praticada. parcela; b) a adesão do Banco ao PAT ocorreu em 1992, ao passo

Com efeito, o C. TST pacificou o entendimento no sentido de que a que a reclamação trabalhista somente veio a ser ajuizada em

gratificação de função recebida por empregado não enquadrado na 07/04/2017, de modo que a pretensa violação do direito ocorreu em

exceção prevista no § 2o do art. 224 da CLT apenas remunera as data anterior a 1992, portanto, já ultrapassado o prazo prescricional

funções específicas executadas pelo empregado e não pode ser de cinco anos da data da alegada lesão ao direito da requerente; c)

compensada com as horas extras realizadas. Nesses termos o não existe qualquer previsão legal que obrigue o empregador a

entendimento consolidado na Súmula 109 do C. TST. pagar a verba "auxílio refeição", sendo assim, a suposta alteração

Saliente-se ainda que a mesma Corte vem decidindo que a OJ 70 contratual no tocante à natureza da verba (de salarial para

da SDII é específica para os funcionários da Caixa Econômica indenizatória) pelo empregador, deveria ter sido reclamada dentro

Federal, possuindo pressupostos fáticos diversos e não pode ser do prazo prescricional previsto na norma constitucional; d) se a

utilizada genericamente para outros casos." (p. 2028-2029, grifa-se). Reclamatória não foi promovida na época própria, atrai a aplicação

Evidente, portanto, a prática de jornada de trabalho extraordinária, da Súmula nº 294 do C.TST, que prevê prescrição total para

sem a devida contraprestação. alteração contratual vinculada a prestações sucessivas, não

Como reconhecida a natureza salarial do auxilio-alimentacao, este reclamada pelo interessado dentro do prazo prescricional cujo

integra o salário do autor e compõe a base de cálculo das horas direito não lhe seja assegurado por lei; f) como a verba auxílio

extras, bem como a gratificação semestral (Súmula 264 do Colendo refeição não decorre de previsão legal, atrai-se a aplicação do Art.

TST), consoante analisado em tópico supra. 11, § 2º da CLT e do artigo 7º, inciso XXIX, da CF, para que seja

Em arremate, o TST pacificou entendimento no sentido de que o declarada a prescrição total do direito de vindicar parcela que já há

divisor do bancário e o de 180, nos termos da Súmula 124, II, muito está fulminada pela prescrição total, tendo em vista o

daquela Corte, a qual considera o sábado como dia de descanso ajuizamento da pretensão somente em 2017, decorridos mais de 25

semanal remunerado, tal como decidido pelo juízo a quo. anos da alegada alteração da forma de pagamento; f) desde a

Nego provimento" admissão a ajuda-refeição já constava de Acordo Coletivo de

Para o acolhimento da pretensão recursal, inclusive no que se Trabalho e mesmo naquela época já se tratava de verba

refere à OJ 17, da SBDI-1, do TST, seria necessário o reexame de indenizatória, não salarial; g) na verdade, está prevista em lei a

fatos e provas, o que encontra óbice na Súmula 126/TST e natureza apenas indenizatória da referida verba sem, portanto,

inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por divergência caráter salarial, não havendo nos autos qualquer prova de que as

jurisprudencial. parcelas possuíam natureza salarial, antes da inscrição do

Requerido no PAT; h) a parte autora não traz qualquer norma

Remuneração, Verbas Indenizatórias e Benefícios / coletiva aos autos, nem qualquer outra prova de sua alegação no

Ajuda/Tíquete Alimentação sentido de que receberia auxílio alimentação/refeição desde a sua

Alegação(ões): contratação ou mesmo que havia acordos coletivos anteriores a

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 23
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

1988 que previam o pagamento de auxílio-alimentação sem Alegação(ões):

previsão indenizatória, ônus que lhe competia; já os documentos - contrariedade às Súmulas 115 e 253,, do TST;

encartados aos autos demonstram que desde a implementação do - violação ao art. 7º, inciso XXVI.

auxílio alimentação em 1987, por força exclusiva de negociação - violação ao artigo 114, do CC;

coletiva, estipulou-se o fornecimento de tíquete, de caráter - divergência jurisprudencial.

indenizatório e sem natureza salarial; i) o Banco é inscrito no PAT, Sustenta que: a) a gratificação semestral não se trata de verba

cuja lei ressalva que a natureza não será salarial da alimentação, salarial, pois corresponde a 25% (vinte e cinco por cento) do total

independentemente da forma que for paga; j) natureza da verba das verbas correspondentes a VP - Vencimento Padrão, ABF;

sempre foi indenizatória e não se está diante de alteração da ATFC, quando exercente de cargo de confiança, e horas extras; b)

natureza jurídica da parcela mediante norma coletiva. a gratificação semestral não pode integrar a base de cálculo das

Requer a reforma no sentido de ser reconhecido a prescrição total, horas extras, porque são as horas extras que compõem a base de

sendo extinto o processo, com julgamento do mérito, ou, cálculo da gratificação semestral, conforme disposto na Súmula

reconhecida a natureza indenizatória da parcela, seja afastada a 115, do TST; se o contrário fosse admitido, ou seja, se houvesse

integração e consequentes diferenças. possibilidade jurídica para que a gratificação semestral integrasse a

A Turma consignou: base de cálculo para apuração de horas extras, estar-se-ia

"O auxílio-alimentação, fornecido habitualmente pela empresa, tem prestigiando um bis in idem; c) o pagamento da gratificação

natureza salarial (Súmula 241 do Tribunal Superior do Trabalho), semestral não decorre de lei e sim, exclusivamente, de ato do

exceto quando houver norma coletiva instituindo natureza diversa empregador; aplicável ao caso, portanto, o artigo 114 do Código

(art. 7º, XXVI, da Constituição Federal) ou adesão da empresa ao Civil, que estabelece que os negócios jurídicos benéficos e a

PAT - Programa de Alimentação do Trabalhador (OJ 133 da SDI-I renúncia interpretam-se estritamente; d) a forma de pagamento

do TST). mensalizada encontra previsão nos acordos coletivos da categoria;

No caso, o autor foi admitido em 11.2.1988 (TRCT de p. 502), antes e) a forma de pagamento mensal dessa gratificação não desnatura

da inscrição da ré no PAT em 1992 (p. 1265). sua natureza jurídica, isto porque, tal gratificação poderia ser paga

Aliás, no ACT de 1983 já havia instituição do "programa de uma única vez no semestre, mas nada impede que o recorrente a

alimentação" (cláusula sétima, p. 1313), porém sem ressalva quanto pague todos os meses.

a sua natureza remuneratória. Requer a reforma.

Já a partir do ACT de 1999 houve a previsão da natureza As insurgências encontram-se desfundamentadas, porquanto a

indenizatória do auxílio-alimentação aos empregados (cláusula recorrente não se reporta aos pressupostos específicos do recurso

vinte, p. 1335-1336). de revista, nos termos do art. 896 da CLT.

Logo, evidente a alteração contratual lesiva, porquanto a inscrição Com efeito, dispõe o artigo 896, §1º-A, I, da CLT, com redação dada

empresarial no PAT não altera o direito à percepção do benefício pela Lei n. 13.015/2014:

que já se incorporara ao contrato de trabalho do obreiro. "Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:

Nego provimento". I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o

Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista;

vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação (omissis)"

infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação, No caso, a parte recorrente, quanto ao capítulo impugnado do

não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no acórdão, não transcreveu , "in litteris", os trechos da decisão

art. 896, "c", da CLT. recorrida que consubstanciam o prequestionamento das

No mais, para o acolhimento da pretensão recursal seria necessário controvérsias nas razões recursais, objeto do recurso de revista, ou

o reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na Súmula indicou, topograficamente, a localização da parte da decisão que se

126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso. pretende modificar, o que impede a exata verificação das questões

Por fim, os arestos colacionados são inespecíficos, pois que não controvertidas.

abordam todos os fundamentos da r. decisão recorrida. Duração do Trabalho / Horas Extras / Sábado

Alegação(ões):

Remuneração, Verbas Indenizatórias e Benefícios / - violação à Súmula 113, do TST.

Gratificações / Gratificação Semestral Sustenta que o sábado é considerado dia útil não trabalhado e não

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 24
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

dia de repouso remunerado, pelo que, a teor da Súmula 113, do

TST, é incabível a repercussão de horas extras habituais em sua NICANOR DE ARAUJO LIMA

remuneração. Desembargador Federal do Trabalho

Requer a reforma, para que seja excluído o sábado do cômputo das Decisão
Processo Nº RO-0024441-27.2017.5.24.0076
horas extras. Relator FRANCISCO DAS CHAGAS LIMA
FILHO
A Turma registrou:
RECORRENTE BIOSEV S.A.
"2.1.4 - HORAS EXTRAS - BASE DE CÁLCULO ADVOGADO GRAZIELI MEAZZA(OAB: 13764/MS)
O Juiz da origem deferiu o pagamento de 2h extras diárias da ADVOGADO LEONARDO SANTINI
ECHENIQUE(OAB: 14642-A/MS)
admissão até 4.11.2014 (6ª e 7ª horas); de 2h30min em 3 meses de RECORRIDO RICARDO DUARTE LEITE
cada quadrimestre, de 5.11.2014 a 14.12.2016. ADVOGADO Joise Maira Bearari Ramos(OAB:
6553/MS)
Determinou que serão consideradas extras as excedentes da 6ª ADVOGADO Enildo Ramos(OAB: 7425/MS)
diária ou 30ªsemanal e o divisor 180 (p. 2026-2030).
Intimado(s)/Citado(s):
Argumenta o réu que: a) o autor estava enquadrado em cargo de
- BIOSEV S.A.
confiança, sujeitando-se a jornada diária de 8h e 40h semanais; b) - RICARDO DUARTE LEITE
ao receber comissão superior a 1/3, foram quitadas as horas além

da 6ª; c) tanto a jornada efetivamente trabalhada, quanto os

intervalos usufruídos, eram corretamente registrados no ponto


PODER JUDICIÁRIO
eletrônico e devidamente pagas as horas extras; d) a gratificação
JUSTIÇA DO TRABALHO
semestral, os anuênios e auxílio-alimentação não devem compor a

base de cálculo; e) deferir reflexos de diferenças em RSR, incluindo Fundamentação


o sábado advindo das horas extras, incorreria em bis in idem (p. Recurso de Revista
2061-2076). Recorrente(s): BIOSEV S.A.
Sem razão. Advogado(a)(s): LEONARDO SANTINI ECHENIQUE (MS - 14642-
(...) A)
Evidente, portanto, a prática de jornada de trabalho extraordinária, Recorrido(a)(s): RICARDO DUARTE LEITE
sem a Advogado(a)(s): Enildo Ramos (MS - 7425)
devida contraprestação.

(...) Em arremate, o TST pacificou entendimento no sentido de que Destaque-se, inicialmente, o entendimento firmado por este Tribunal
o divisor do bancário e o de 180, nos termos da Súmula 124, II, acerca de temas objeto do recurso:
daquela Corte, a qual considera o sábado como dia de descanso Súmula nº 10: "Horas 'in itinere'. Negociação coletiva.
semanal remunerado, tal como decidido pelo juízo a quo. Autodeterminação coletiva que encontra limites nos princípios
Nego provimento" da razoabilidade e proporcionalidade. Não se reconhece
Vislumbra-se, na decisão da Turma, possível contrariedade à validade de cláusula de instrumento normativo de natureza
Súmula 113, do TST. autônoma que estabelece o pagamento das horas 'in itinere' em

parâmetro inferior a 50% (cinquenta por cento) do tempo de


CONCLUSÃO percurso."
RECEBO, em parte, o recurso de revista. Súmula nº 13: "A existência de linha de ônibus intermunicipal
Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício ou interestadual não elide o direito à percepção das horas 'in
circular SEGJUD/TST n. 051/2014. itinere'."
Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado Súmula nº 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.
pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.
003, de 16 de fevereiro de 2018. É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD
Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para, acumulada" constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91. 2.
querendo, contra-arrazoar no prazo legal. Por razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a
Assinatura modulação de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 Federal para atualizar os débitos dos precatórios judiciais

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 25
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

(questão de ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa verba, sendo certo que em parte dos trajetos há transporte público

da declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos intermunicipal e que quando do trâmite nas rodovias não se

trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator preencheram os pressupostos da Súmula n.º 90 do C. TST e do

indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento artigo 58, §2º, da CLT para integração do tempo despendido no

da ADI 4425". trajeto na jornada de trabalho.

Registre-se, que os pressupostos de admissibilidade serão Pretende a exclusão dessa condenação.

analisados de acordo com os novos parâmetros estabelecidos pela Em caráter eventual, requer: a) a condenação adstrita aos dias

Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Superior do efetivamente trabalhados e anotados nos cartões de ponto; b)

Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. 13.467/2017 reconhecimento da natureza jurídica indenizatória da parcela; c) e

(publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir de não integração de adicionais de insalubridade e/ou periculosidade,

11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). porque durante o percurso o trabalhador não está exposto a

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de qualquer agente nocivo.

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. Consta do v. acórdão (f. 589/592):

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme "2.1 - HORAS IN ITINERE

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do Registro que o contrato de trabalho esteve em vigor a partir de

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de 5.5.2015, não havendo notícia de rompimento.

2018. A decisão deferiu a integração horas de percurso na jornada do

trabalhador ao fundamento de que a empresa se encontra situada

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS em lugar de difícil acesso e não servido por transporte público.

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 18/12/2018 - f. 659 - Ademais, entendeu que as normas coletivas não podem ser

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 16/01/2019 - f. 634, por aplicadas, pois transacionaram de forma desarrazoada o próprio

meio do Sistema PJe. direito.

Regular a representação, f. 36/39. Sustenta a demandada que a realidade fática revela que o tempo de

Satisfeito o preparo (f. 463, 562, 564, 561,563, 602 e 567/568). percurso efetivamente gasto, no trajeto não servido por transporte

público, em média, é de trinta e oito minutos, guardando

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS proporcionalidade com o fixado no instrumento normativo,

Duração do Trabalho / Horas in itinere / Supressão / Limitação atendendo ao parâmetro objetivo de 50% entre a duração do

por Norma Coletiva percurso e o tempo limitado pela norma coletiva.

Alegação(ões): Defende a aplicabilidade das normas coletivas, pois transacionaram

- contrariedade à Súmula 90 do Colendo TST; o direito de modo razoável e proporcional, mediante concessão de

- violação aos artigos 5º, XL e 7º, VI, XIII, XIV e XXVI; e 8º, III, da benefícios em contrapartida (arts. 7º, XXVI e 8º, III, da Constituição

CF; da República e entendimento acolhido no julgamento do RE

- violação aos artigos 113 e 422 do CC; 590.415-SC).

- violação aos artigos 8º, caput e §1º, 58, §2º; 458, § 2º; e 460 da Pretende, assim, a exclusão da condenação e, caso mantida, seja

CLT; limitada a uma hora e dezesseis minutos diários, ou,

- violação ao artigo 2º, caput e parágrafo único, do CP; alternativamente, a uma hora e vinte minutos para os trabalhadores

- divergência jurisprudencial. da indústria e uma hora e vinte e cinco minutos para os da área

Sustenta, em suma, que: a) a nova redação do artigo 58, §2º, da agrícola.

CLT tenha entrado em vigor somente em novembro de 2017, deve Aprecia-se.

ser aplicada ao presente caso por força do artigo 8º, caput e §1º, da Em que pese aos termos do art. 58 da CLT e o entendimento

CLT c/c artigo 5º, XL, da Constituição Federal e artigo 2º, caput e consubstanciado na Súmula 90 do Colendo Tribunal Superior do

parágrafo único, do Código Penal; b) é válida a norma coletiva que Trabalho - entendo que o fornecimento de transporte gratuito pelo

transacionou o pagamento das horas in itinere, parte em dinheiro e empregador para conduzir o trabalhador, de casa para o trabalho, e

parte através de concessão de vantagens aos empregados da vice-versa, constitui benefício que deve ser incentivado como, aliás,

reclamada, incluindo-se o próprio Reclamante; c) a insuficiência e a acolhido pela Lei 13.467/2017, que entrou em vigor em 11.11.2017.

incompatibilidade de horário do transporte não geram direito à Assim, e com o devido respeito, não parece razoável, nem justo,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 26
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

punir o empregador com a condenação ao pagamento de horas Súmula 10 deste Tribunal, pois o ACT 2013/2015 fixou o tempo de

extras pela mera concessão desse benefício. deslocamento em 20 minutos/trajeto para os trabalhadores do setor

Entretanto, em face do regime do precedente judicial adotado pelas administrativo e da área da indústria e em 35 minutos/trajeto para

Leis 13.015/2014 e 13.105/2015, deve prevalecer o entendimento os trabalhadores da área agrícola (cláusula trigésima quarta),

constante da Súmula 90 do Colendo TST, considerando que a percentual que não alcança cinquenta por cento do tempo ora

prestação laboral se deu na vigência da norma anterior, não reconhecido, ao passo que os acordos coletivos de 2015/2016,

podendo o trabalhador ser surpreendido com a retirada do direito 2016/2017 e 2017/2018 nada previram quanto às horas de

conquistado, em obséquio à garantia constitucional do direito deslocamento, não podendo ser chancelados, no particular.

adquirido, prevista nos arts. 5º, inciso XXXVI, do Texto de 1988 e 6º Ademais, não se aplica o entendimento esposado pelo Excelso

da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro - Decreto-Lei Supremo Tribunal Federal no julgamento do RE 590.415-SC,

4.657/1942 - tempus regit actum, em que pese à existência de considerando que na decisão da Suprema Corte foi atribuída

opiniões em sentido contrário. repercussão geral especificamente quando o caso concreto se tratar

No caso concreto, incontroversa a ausência de transporte público de quitação ampla e irrestrita de todas as parcelas objeto do

municipal disponível ao trabalhador no aludido trecho. contrato de emprego decorrente de transação extrajudicial, que

Ademais, o transporte intermunicipal não inibe o direito às horas in importa em rescisão do contrato de trabalho, em razão de adesão

itinere, nos termos do entendimento contido na Súmula 13 desta voluntária do empregado ao plano de demissão incentivada, quando

Corte, em que pese recente decisão de uma das Turmas do aquela condição tenha constado expressamente do acordo coletivo

Colendo TST em sentido contrário. que aprovou o plano, assim como dos demais instrumentos

Presentes, portanto, os requisitos para o deferimento das horas de celebrados com o empregado.

percurso. Com a integração das horas in itinere, o limite diário era

Quanto ao tempo de deslocamento, na ata de audiência (f. 348) ultrapassado, devendo ser remuneradas como horas extraordinárias

assim se convencionou: com o respectivo adicional, porém até a data de 10.11.2017, pois,

As partes concordam com a utilização do Auto de Constatação com a edição da Lei 13.467/2017, extinguiu-se aludido direito.

realizado nos autos nº 0024022-07.2017.5.24.0076 como prova Também fica mantida a sentença quanto aos reflexos, tendo em

emprestada em relação às Horas In Itineres. Defiro, devendo ser vista que a remuneração do serviço suplementar, mesmo das horas

juntado aos autos pela Secretaria. As partes esclarecem que na ida de percurso, integra o cálculo do repouso semanal (Lei 605/49, art.

e na volta o reclamante pegava e descia no ônibus no ponto BR Pé 7º e Súmula 172 do TST), das férias com o respectivo adicional (art.

de Manga Km 36. 142, § 5º, da CLT), da gratificação natalina (Súmula 45 do TST) e

E o auto de constatação produzido por Oficial de Justiça do Juízo do FGTS (Súmula 63 do TST).

permite dizer que o tempo de percurso é de 49 minutos para ida e Registro, ademais, que a decisão autorizou a dedução dos valores

51 na volta ao trabalho (f. 350). pagos a mesmo título, nada havendo a ser reformado no particular.

Quanto à validade dos instrumentos normativos que limitaram o Com isso, dou parcial provimento ao recurso, nesses termos."

tempo de percurso para efeitos de remuneração, tenho A recorrente demonstrou a existência de divergência apta a ensejar

reiteradamente afirmado que a negociação coletiva, embora o seguimento do recurso, com a ementa colacionada à f. 651,

constitucionalmente garantida (art. 7º, inciso XXVI, da Carta da proveniente do E. TRT da 3ª Região, no seguinte sentido:

República), não é um cheque em branco para se negociar o que "ACORDO COLETIVO - EFICÁCIA - O acordo coletivo resulta de

bem se entender. livre manifestação da vontade do sindicato representativo da

Com efeito, assim prevê a CLT na nova redação trazida pela Lei categoria profissional e da empresa que, através de concessões

13.467/2017 (art. 611-A), consistindo a negociação um mecanismo recíprocas, estabelecem o que melhor lhes convém. Nesse

não apenas de conquista de novos e melhores direitos, mas contexto, se as próprias partes optaram pelo ajuste no sentido de

também de prevenção e resolução de conflitos mediante um que a concessão de transporte aos empregados, entre os pontos de

processo democrático em que as partes podem abrir mão de certas embarque e os postos de trabalho, não gera direitos e obrigações e

pretensões, quando compensadas com a conquista de outras. prevê que nem mesmo o tempo de deslocamento, inclusive o

Contudo, a negociação coletiva não atendeu à exigência de interno nos locais de trabalho, poderá ser caracterizado para efeito

proporcionalidade na prefixação das horas in itinere, não se de pagamento de horas in itinere, não será o Judiciário a tecer

encontrando em harmonia com o entendimento firmado pela ingerências no teor da pactuação. Impõe-se o respeito à autonomia

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 27
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

privadacoletiva, que tem previsão constitucional - Art. 8º, da CONCLUSÃO

Constituição, sendo assegurado, também no art. 7º, inciso XXVI, o RECEBO parcialmente o recurso de revista.

reconhecimento das cláusulas firmadas em convenções e acordos Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

coletivos. (TRT 03ª R. - RO 00169-2009-088-03-00-9 - Primeira circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

Turma - Rel. Des. Fernando Luiz Gonçalves Rios Neto - DJe Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

18.12.2009)". pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

003, de 16 de fevereiro de 2018.

DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para,

Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da querendo, contra-arrazoar no prazo legal.

Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária

Alegação(ões): Assinatura

- violação ao artigo 2º; 92; 97; 102, I, "a"; e 114 da CF; CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

- violação ao artigo 39 da Lei 8.177/1991.

Sustenta, em síntese, que: a) a decisão do TST, que declara a NICANOR DE ARAUJO LIMA

inconstitucionalidade da TR como índice de atualização de crédito Desembargador Federal do Trabalho

trabalhista, determinando a aplicação do IPCA-E, não transitou em Decisão


Processo Nº RO-0025736-88.2016.5.24.0091
julgado, de modo que aplicá-la de imediato e de forma retroativa Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA
desprestigia a segurança jurídica, a proteção da confiança legítima RECORRENTE NELSON CORDEIRO DA SILVA
ADVOGADO WAGNER SOUZA SANTOS(OAB:
e até mesmo o princípio da boa-fé objetiva; b) as decisões 6521/MS)
proferidas pelo STF analisam tão somente previsões legais voltadas ADVOGADO ROSANI DAL SOTO SANTOS(OAB:
12645/MS)
aos entes públicos, inexistindo qualquer pronunciamento em relação ADVOGADO CAIO DAL SOTO SANTOS(OAB:
19607/MS)
aos entes privados e aos particulares e, portanto, não podem ser
RECORRIDO DELTA BIOCOMBUSTIVEIS
levadas a efeito na seara trabalhista; c) o TST, ao adotar o IPCA-E INDUSTRIA E COMERCIO LTDA
ADVOGADO ANA CAROLINA MUNIZ
como índice, afronta os artigos 2º, 92 e 114 da Constituição Federal. PAULINO(OAB: 352123/SP)
Requer a reforma. ADVOGADO CARLOS EDUARDO COIMBRA
DONEGATTI(OAB: 290089/SP)
Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma ADVOGADO DANILO LACERDA DE SOUZA
FERREIRA(OAB: 272633/SP)
vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação

infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação, Intimado(s)/Citado(s):


não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no - NELSON CORDEIRO DA SILVA

art. 896, alínea "c", da CLT.

Segue entendimento firmado por este Tribunal acerca do tema:

Súmula 23, cuja redação é a seguinte: "ATUALIZAÇÃO


PODER JUDICIÁRIO
MONETÁRIA. INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº
JUSTIÇA DO TRABALHO
8.177/1991. 1. É inconstitucional a expressão 'equivalentes à TRD

acumulada' constante no art. 39, 'caput', da Lei nº 8.177/91. 2. Por Fundamentação

razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação Recurso de Revista

de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para Recorrente(s): NELSON CORDEIRO DA SILVA

atualizar os débitos dos precatórios judiciais (questão de ordem na Advogado(a)(s): CAIO DAL SOTO SANTOS (MS - 19607)

ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa da declaração a Recorrido(a)(s): DELTA BIOCOMBUSTIVEIS INDUSTRIA E

26.03.2015, a partir de quando os débitos trabalhistas deverão ser COMERCIO LTDA

atualizados pelo IPCA-E, fator indexador eleito pelo Supremo Advogado(a)(s): DANILO LACERDA DE SOUZA FERREIRA (SP -

Tribunal Federal no julgamento da ADI 4425". 272633)

Na hipótese, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

23 deste Egrégio Tribunal, inexistindo as violações apontadas, o serão analisados de acordo com os novos parâmetros

que inviabiliza o seguimento do recurso. estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 28
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir mesmo a culpa levíssima do Empregador é capaz de gerar

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). indenização, o que no caso em tela é evidente; g) a ré deveria

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de esperar o motorista oficial retornar do trabalho e foi esta urgência na

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. realização do serviço que se assenta a culpa da Recorrida que,

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme sabedora da insegurança específica do exercício de um

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do determinado trabalho, prevê o resultado lesivo, confiando que não

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de se verifique; h) os acidentes de trabalho são hipóteses, que mesmo

2018. ocorrendo fora do local de trabalho, guardam vinculação estreita

com o contrato de trabalho; assim, independentemente do local e

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS dia, em horário de trabalho e no ambiente da empresa, mesmo sem

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 14/09/2018 - f. 460 - estar efetivamente trabalhando, verificando-se o acidente, este

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 24/09/2018 - f. 441- assume a natureza de acidente de trabalho; i) é cabível a reparação

459, por meio do Sistema PJe. por danos morais, pois, em decorrência do sinistro, foi bruscamente

Regular a representação, f. 16. privado de levar uma vida normal como acontecia antes do

Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme acidente, tem seus movimentos limitados, sente dores e dormências

f. 382. constantemente no membro afetado, não é capaz de desempenhar

qualquer atividade laborativa, tanto que foi aposentado por

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS invalidez; j) a prova constante nos autos comprovam as lesões

Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado / sofridas, pelo que é cabível a reparação por dano material, incluindo

Indenização por Dano Material -se os lucros cessantes, resultantes da lesão à integridade física, da

Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado / diminuição da capacidade laborativa, da redução do capital de vida,

Indenização por Dano Moral de vida útil, e de ressarcimento das despesas daí decorrentes.

Alegação(ões): Requer a reforma, para a condenação da recorrida ao pagamento

- violação ao art. 7º, XXVIII, da CF; de indenizações por danos materiais e morais.

- violação aos art. 186 e 932, do CC; A Turma consignou:

- violação ao art. 21, da Lei 8213/91; "É incontroverso o acidente do trabalho (de trânsito), sendo certo

- divergência jurisprudencial. que, a despeito de ter sido contratado como assistente de

Sustenta que: a) devidamente demonstrado que no momento do almoxarifado, houve determinação de que conduzisse veículo da

acidente desempenhava função diversa daquela estabelecida no empresa, quando o sinistro ocorreu, tendo a reclamada emitido a

contrato de trabalho, portanto, se estivesse laborado em seu cargo CAT.

de origem não teria sofrido as lesões decorrentes do acidente; b) o Em matéria de responsabilidade civil decorrente de acidente do

desvio de função deve ser observado de modo unitário e originário trabalho típico ou por equiparação, continua sendo aplicável a teoria

do acidente, sendo dispensada eventual habitualidade; c) o fato de da culpa, à exceção da responsabilidade do órgão previdenciário, à

já ter laborado anteriormente como motorista não retira a qual se aplica a teoria da responsabilidade objetiva ou da culpa

responsabilidade da Recorrida, já que dita função foi exercida presumida.

durante a vigência do primeiro contrato de trabalho, sendo que o Destarte, o dever de reparar civilmente depende da presença

acidente ocorrera durante o segundo vínculo laboral, quando a concomitante dos pressupostos da responsabilidade civil subjetiva,

função para a qual fora contratado era a de auxiliar de almoxarifado; previstos no art. 186 do Código Civil.

d) não se discute eventual capacidade do Recorrente para dirigir ou As pretensões foram analisadas de forma minudente pelo juízo

não veículos automotores, mas, sim, quanto a um sinistro que fora singular, ao apreciar, com muita propriedade, as alegações

motivado pelo desvio da finalidade das funções do trabalhador no articuladas, rejeitando-as pelos motivos elencados no ID. d2a368c -

ambiente laboral; e) em que pese não tenha sido a Recorrida e nem Pág. 5-6, que transcrevo e adoto como razões de decidir, verbis:

o Recorrente os causadores diretos do acidente, a função de O acidente é incontroverso, assim como o nexo de causalidade

motorista exercida por quem não foi contratado para tal foi entre este as lesões experimentadas pelo reclamante, conforme se

determinante para a colocação do empregado em risco quando se depreende da prova documental acostada (boletins de ocorrência,

deslocava para cumprimento de ordens de seus superiores; f) termos circunstanciado, etc). O BO n. 432/14 (f. 199 - id 7ee4e84)

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 29
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

dá conta que o acidente ocorreu em via pública urbana e não na BR acidente, razão por que não há falar em reparação civil, pois

163, como alegou o autor na exordial. ausente a culpa do agente.

(...) Note-se que não há comprovação de absolutamente nenhuma

Quanto à alegada culpa da ré, melhor sorte não acompanha o autor, conduta omissiva ou comissiva da recorrida que tenha contribuído

eis que esse fundamentou o pedido apenas no desvio de função, para o evento.

vale dizer, imputou culpa à reclamada porque esta determinara que A assunção de risco da atividade econômica, por si só, não impõe a

ele desempenhasse função distinta daquela para a qual foi responsabilidade objetiva pelo acidente do trabalho, pois, repita-se,

contratado. em matéria trabalhista aplica-se a teoria subjetiva, baseada na

O próprio autor, em seu depoimento, confirmou que trabalhara culpa, inexistente neste caso.

anteriormente na ré como motorista, possuindo, inclusive, CNH na Ainda, não provado que a cardiopatia de que padece o recorrente

categoria "D", o que lhe conferia habilitação para dirigir até mesmo tenha qualquer relação com o sinistro sofrido. Aliás, o cardiologista

caminhões, ônibus e máquinas pesadas. que o atende relatou que fez cirurgias de revascularização

A tese obreira do desvio funcional não se sustenta, considerando miocárdica em 04/2003 e 02/2005 (ID. d4d6778), ou seja, em datas

que não houve habitualidade no exercício de atividades estranhas muito anteriores ao acidente, o que demonstra que não há relação

ao seu cargo, mas tão-somente a determinação para que cumprisse com o episódio.

uma única tarefa, sobre a qual detinha conhecimento e experiência As alegações trazidas em recurso ordinário foram apreciadas e

anteriores, o que é plenamente compatível com sua condição afastadas no primeiro grau, não fornecendo o recorrente elementos

pessoal, não havendo que se falar em negligência da ré quanto à capazes de infirmar o entendimento do juízo, que indeferiu os

sua segurança na atividade de direção veicular. pedidos de indenização por danos morais e materiais.

Ressalto que, à luz do art. 456 da CLT, determinar ao empregado Nego provimento".

que execute tarefa compatível com sua qualificação e condição

pessoal não caracteriza ato ilícito. Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma

Portanto, não demonstrada a culpa da ré pelo ocorrido, esta não vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação

pode ser responsabilizada pelas indenizações pleiteadas, razão infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação,

pela qual indefiro ambos os pedidos (indenizações por danos não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no

morais e materiais). art. 896, "c", da CLT.

Convém reforçar, por oportuno, que o reclamante é motorista Outrossim, não negada a existência do acidente de trabalho, mas,

experiente, tendo esclarecido, em audiência, "... que possuía por outro lado, não reconhecida a existência de ilícito, também não

Carteira de Habilitação de categoria "D" (podendo dirigir inclusive subsiste violação literal aos dispositivos legais indicados.

caminhões, ônibus e maquinário pesado), tendo exercido a função Por fim, os arestos apontados são inservíveis ao confronto de teses,

de motorista no primeiro contrato mantido com a reclamada." (ID. porquanto, ora oriundo do Superior Tribunal de Justiça (artigo 896,

6af65ab - Pág. 1), de modo que estava capacitado para realizar a alínea "a", da CLT), ora ausente indicação do órgão prolator.

tarefa que lhe foi atribuída.

Não bastasse também reconheceu, por ocasião da lavratura do CONCLUSÃO

boletim de ocorrência, que "... ao tentar realizar a ultrapassagem em DENEGO seguimento ao recurso de revista.

um veículo Fiat Uno Placas NRF 1321, que seguia no mesmo Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

sentido, o veículo Fiat Uno acabou colidindo contra a porta lateral circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

trazeira do veículo conduzido pelo comunicante vítima causando a Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

perda do controle de direção dos veículos, ..." sic (ID. edd2dc9), pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

sendo evidente, portanto, que o acidente ocorreu por fato de 003, de 16 de fevereiro de 2018.

terceiro, o que afasta a culpa da recorrida. Publique-se e intime-se.

Não se olvida que o acidente de trânsito abalou física e Assinatura

emocionalmente o autor, pois, além do estresse natural causado CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

pelo sinistro, houve fratura do úmero e rompimento do nervo radial

do braço direito, conforme relatado no boletim de ocorrência (ID. NICANOR DE ARAUJO LIMA

edd2dc9). Todavia, não foi o empregador que deu causa ao Desembargador Federal do Trabalho

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 30
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Decisão Alegação(ões):
Processo Nº RO-0024527-60.2016.5.24.0002
Relator RICARDO GERALDO MONTEIRO - violação aos artigos 5º, LV, 93, IX, da CF;
ZANDONA
- violação aos artigos 455, 818 e 832 da CLT;
RECORRENTE ESTADO DE MATO GROSSO DO
SUL - violação aos artigos 373 e 489, § 1º, IV, do CPC;
RECORRIDO LUIZ JOAQUIM FERREIRA
- violação aos artigos 186, 927 e 942 do CC;
ADVOGADO CAROLINA CENTENO DE
SOUZA(OAB: 17183/MS) - contrariedade à Súmula 331, V, do TST;
ADVOGADO PRISCILA ARRAES REINO(OAB:
8596/MS) - divergência jurisprudencial.
RECORRIDO TRACOL CONSTRUTORA DE OBRAS Dispõe o artigo 896, §1º-A, da CLT, com redação dada pela Lei n.
LTDA - ME
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO 13.015/2014:
TRABALHO
"Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:

Intimado(s)/Citado(s): I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o

- LUIZ JOAQUIM FERREIRA prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista.

(...)

III - expor as razões do pedido de reforma, impugnando todos os

fundamentos jurídicos da decisão recorrida, inclusive mediante


PODER JUDICIÁRIO
demonstração analítica de cada dispositivo de lei, da Constituição
JUSTIÇA DO TRABALHO
Federal, de súmula ou orientação jurisprudencial cuja contrariedade
Fundamentação aponte".
Recurso de Revista No caso, a parte recorrente, quanto aos capítulos impugnados do v.
Recorrente(s): 1. LUIZ JOAQUIM FERREIRA acórdão, não transcreveu, "in litteris", os trechos das decisões
Advogado(a)(s): 1. PRISCILA ARRAES REINO (MS - 8596) recorridas que consubstanciam o prequestionamento da
Recorrido(a)(s): 1. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL controvérsia, objeto do recurso de revista, ou indicou,
2. TRACOL CONSTRUTORA DE OBRAS LTDA- topograficamente, a localização das partes das decisões que se
ME pretende modificar, o que impede a exata verificação das questões
Interessado(a)(s): 1. MINISTÉRIO PUBLICO DO TRABALHO controvertidas.

Ressalte-se que apenas a transcrição integral do v. acórdão e da


Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade decisão dos embargos declaratórios no início das razões recursais
serão analisados de acordo com os novos parâmetros (f. 262/266 e f. 268/271) não atende à finalidade da norma, uma vez
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal que, nesse caso, não há determinação precisa da tese regional
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. combatida no apelo, não sendo possível, portanto, fazer o cotejo
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir analítico entre o decidido pela E. Turma e as argumentações
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). trazidas pelo recorrente.

A falta da transcrição no momento adequado, "além de inviabilizar o


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS confronto entre os argumentos defendidos pela agravante e a
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 27/09/2018 - f. 298 - fundamentação exposta na decisão recorrida, exorta o julgador a
Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 09/10/2018 - f. 254, por incursionar nos autos com vistas à elucidação da argumentação
meio do Sistema PJe. exposta, atividade incompatível com a ideia de inércia da jurisdição"
Regular a representação, f. 25. (TST/AIRR-559-73.2015.5.06.0313, Rel. Min. José Barros
Desnecessário o preparo. Levenhagen, 5ª T., DEJT 23.06.17).

Não preenchido, portanto, pressuposto específico do recurso de


PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS revista.
DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Atos

Processuais / Nulidade / Negativa de prestação jurisdicional CONCLUSÃO


DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Atos DENEGO seguimento ao recurso de revista.
Processuais / Nulidade / Cerceamento de Defesa Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício
Responsabilidade Solidária/Subsidiária circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 31
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Publique-se e intime-se. analisados de acordo com os novos parâmetros estabelecidos pela

Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Superior do

Assinatura Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. 13.467/2017

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir de

11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

NICANOR DE ARAUJO LIMA Registre-se, por fim, que o presente recurso foi interposto em face

Desembargador Federal do Trabalho de decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.


Decisão 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
Processo Nº ROPS-0026078-62.2016.5.24.0071
Relator FRANCISCO DAS CHAGAS LIMA solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
FILHO
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
RECORRENTE A YOSHII ENGENHARIA E
CONSTRUCOES LTDA 2018.
ADVOGADO LUIZ ALBERTO PEREIRA
RIBEIRO(OAB: 24370/PR)
ADVOGADO LUIZ FELIPE LIMA BRAGIATO(OAB: PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
83199/PR)
RECORRIDO RICHARDSON DA SILVA CARVALHO Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 03/12/2018 - f. 373 -
ADVOGADO RODOLFO LUIS GUERRA(OAB: Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 13/12/2018 - f. 359, por
16206-B/MS)
meio do Sistema PJe.
Intimado(s)/Citado(s): Regular a representação, f. 40.
- A YOSHII ENGENHARIA E CONSTRUCOES LTDA Satisfeito o preparo (f. 294, 315, 314, 335, 368 e 372 e 369 e 371).

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

PODER JUDICIÁRIO Duração do Trabalho / Horas in itinere

JUSTIÇA DO TRABALHO Alegação(ões):

- contrariedade à Súmula 90, I, II do C. TST.


Fundamentação
Aduz, em suma, que: a) a Turma entendeu que havia
Recurso de Revista
incompatibilidade ente o horário do transporte público regular e a
Recorrente(s): A YOSHII ENGENHARIA E CONSTRUCOES
jornada de trabalho do recorrido; b) não consta na Súmula 90/TST
LTDA
qualquer ressalva quanto ao tempo de espera pela condução apto a
Advogado(a)(s): LUIZ ALBERTO PEREIRA RIBEIRO (PR -
caracterizar a incompatibilidade de horário; c) nesse sentido, todos
24370)
os trabalhadores brasileiros que esperam pelo transporte público
Recorrido(a)(s): RICHARDSON DA SILVA CARVALHO
teriam direito a receber o pagamento das horas in itinere; d) não há
Advogado(a)(s): RODOLFO LUIS GUERRA (MS - 16206-B)
como se exigir horários de transporte público individualizados na

realidade e perspectiva brasileira; e) "Para que se possa interpretar


Registre-se o entendimento deste Regional acerca de tema objeto
a Súmula 90 do TST, necessário se faz compreender e analisar
deste recurso:
semanticamente a palavra "compatibilidade", seu conceito e
TRT 24ª - Súmula n. 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.
sentido. Ou, em outras palavras, seria a faculdade do que pode ser
INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.
possuído ou exercido simultaneamente por um mesmo indivíduo"; f)
É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD
a mera insuficiência de transporte público não enseja o pagamento
acumulada" constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91. 2.
das horas de percurso.
Por razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a
Pugna pela reforma do v. acórdão.
modulação de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal
Ante a restrição do artigo 896, §9º, da CLT, descabe análise de
Federal para atualizar os débitos dos precatórios judiciais
violação à legislação infraconstitucional e divergência
(questão de ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa
jurisprudencial.
da declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos
Dessa forma, tem-se que a admissibilidade do apelo revisional
trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator
interposto em face de acórdão proferido em procedimento
indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento
sumaríssimo está restrita à demonstração de violação direta ao
da ADI 4425".
texto constitucional ou de contrariedade a Súmula de Jurisprudência
Registre-se, ainda, que os pressupostos de admissibilidade serão

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 32
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Uniforme do TST ou a Súmula Vinculante do STF. Súmula 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.

Na hipótese dos autos, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.

Súmula 90, II do TST, o que inviabiliza o seguimento do recurso, É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD acumulada"

inclusive por dissenso jurisprudencial (Súmula 333/TST). constante no art. 3, caput, da Lei nº 8.177/91. 2. Por razão de

Quanto à alegação de que na mencionada Súmula inexiste ressalva segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação de efeitos

no que se refere ao tempo de espera pelo transporte público apto a concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para atualizar os

caracterizar a incompatibilidade de horário, inviável o seguimento do débitos dos precatórios judiciais (questão de ordem na ADI 4357),

recurso, uma vez que a turma não adotou tese acerca da matéria, à limita-se a eficácia retroativa da declaração a 26.03.2015, a partir de

luz dos dispositivos invocados pela recorrente . Ausente o quando os débitos trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-

prequestionamento, incide a Súmula 297/TST. E, fator indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no

julgamento da ADI 4425".

DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Dessa forma, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula

Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da 23 deste Egrégio Tribunal, o que inviabiliza o seguimento do

Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária recurso.

Alegação(ões):

- violação ao art. 897, § 7º da CLT; CONCLUSÃO

- violação ao artigo 39 da Lei 8.177/1991. DENEGO seguimento ao recurso de revista.

Sustenta, em síntese, que: a) na seara trabalhista, o computo dos Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

juros de mora está normatizado pelo parágrafo 1.º do artigo 39 da circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

Lei n.º 8.177/1991, conforme artigo 879, § 7º da CLT, não havendo Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

se falar em inconstitucionalidade de referidos verbetes, os quais pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

dispõem que a atualização dos créditos decorrentes de condenação 003, de 16 de fevereiro de 2018.

judicial será feita pela Taxa Referencial (TR) e que aos débitos Publique-se e intime-se.

trabalhistas serão acrescidos juros de um por cento ao mês,

contados do ajuizamento da reclamatória e aplicados pro rata die; b) Assinatura

por ter violado literalmente o artigo 1º da Lei 8177/1991 e artigo 879, CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

§ 7º da CLT, requer a determinação expressa da utilização do índice

TR, a fim de que seja aplicada a norma do parágrafo 1.º do artigo 39 NICANOR DE ARAUJO LIMA

da Lei n. 8.177/1991 no cômputo dos juros moratórios dos eventuais Desembargador Federal do Trabalho

débitos trabalhistas oriundos da presente demanda Decisão


Processo Nº RO-0025300-93.2016.5.24.0006
Requer a reforma do v. acórdão. Relator AMAURY RODRIGUES PINTO
JUNIOR
Ante a restrição do artigo 896, §9º, da CLT, descabe análise de
RECORRENTE CONSTANTINO DE MORAES ORTIZ
violação à legislação infraconstitucional e divergência ADVOGADO ZELIA MARIA DE BARROS
ARAUJO(OAB: 17650/MS)
jurisprudencial.
ADVOGADO ONOR SANTIAGO DA SILVEIRA
Na hipótese, não se vislumbra violação à Constituição Federal, uma JUNIOR(OAB: 12443-B/MS)
RECORRIDO TONIOLO, BUSNELLO S/A - TUNEIS,
vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação TERRAPLENAGENS E
PAVIMENTACOES
infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação,
ADVOGADO ALTAIR ANTONIO AMORIM(OAB:
não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no 37628/RS)
ADVOGADO ROCHESTER ERIC LOPES MOURA
art. 896, "c", da CLT. PEREIRA(OAB: 22356/MS)
Assim, tratando-se os presentes autos de procedimento ADVOGADO Vilma Pereira de Melo(OAB: 15016-
A/MS)
sumaríssimo e não tendo o recorrente indicado contrariedade à ADVOGADO JULIO CESAR CAPELA(OAB:
86305/RS)
Súmula do TST ou à Súmula vinculante do STF, nem violação direta

à Constituição Federal (art. 896, § 9º, da CLT), inviável o Intimado(s)/Citado(s):


seguimento do recurso, por não preenchido pressuposto de sua - TONIOLO, BUSNELLO S/A - TUNEIS, TERRAPLENAGENS E
PAVIMENTACOES
validade.

Ademais, anote-se o entendimento deste Regional acerca do tema:

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 33
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

recorrente e o Sindicato da categoria com referência aos horários


PODER JUDICIÁRIO
dos turnos de trabalho, o que não deverá prosperar; d) o ajustado
JUSTIÇA DO TRABALHO
entre a recorrente e o Sindicato da Categoria previu diversas
Fundamentação vantagens aos empregados, tais como, horas extras com percentual
Recurso de Revista acima do legal; adicional de turno de 25% para os empregados que
Recorrente(s): TONIOLO, BUSNELLO S/A - TUNEIS, realizarem turnos de revezamento, assistência médica, seguro de
TERRAPLENAGENS E PAVIMENTACOES vida, cesta básica, entre outros.
Advogado(a)(s): ALTAIR ANTONIO AMORIM (RS - 37628-B) Requer a exclusão da condenação, ou, sucessivamente, pleiteia
Recorrido(a)(s): CONSTANTINO DE MORAES ORTIZ seja deferido apenas o pagamento das horas extras trabalhadas a
Advogado(a)(s): ONOR SANTIAGO DA SILVEIRA JUNIOR (MS partir da 8ª diária e 44ª semanal.
- 12443-B) Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma

vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação


Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação,
serão analisados de acordo com os novos parâmetros não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal art. 896, "c", da CLT.
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. Inviável o seguimento do recurso, ante a constatação da Turma de
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir que, não obstante seja admitida a flexibilização da jornada de
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). trabalho por meio de negociação coletiva, não se deve extrapolar o
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de limite do razoável em um regime já excepcional de revezamento,
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. com a jornada superior a 8 horas.
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme Além disso, consignou a Turma que a previsão em norma coletiva
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do de jornada superior a 8 horas diárias para turnos ininterruptos de
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de revezamento é nula de pleno direito e, que, o mero ajuste da escala
2018. pela via coletiva, ainda que com respaldo do art. 7º, XXVI, da CF/88,

não legitima as partes convenentes a criar normas prejudiciais aos


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS trabalhadores, atitude de afronta ao princípio da vedação ao
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 29/10/2018 - f. 305 - retrocesso.
Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 09/11/2018 - f. 283, por Portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula 423/TST, o
meio do Sistema PJe. que inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por dissenso
Regular a representação, f. 59. jurisprudencial (Súmula 333/TST).
Satisfeito o preparo (f. 238, 272, 294/295 e 296/304). Desse modo, para qualquer entendimento contrário ao decidido

seria necessário o reexame de fatos e provas, o que encontra óbice


PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS na Súmula 126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive
Duração do Trabalho / Turno Ininterrupto de Revezamento. por dissenso jurisprudencial.
Duração do Trabalho / Horas Extras. Quanto ao pedido sucessivo de pagamento das horas extras a partir
Alegação(ões): da 8ª diária e 44ª semanal, assim com, no que tange às alegações
- violação aos artigos 5º, II , 7º, XXVI e 8º, III da CF; de que os ajustes previram concessão de vantagens aos
- violação ao artigo 615, § 1º da CLT; empregados e, ainda, no que se refere à alegação de que a
- contrariedade à Súmula 423 do C. TST; limitação prevista na Súmula 423/TST (máximo 8 horas) não está
- divergência jurisprudencial. prevista na constituição, inviável o seguimento do recurso, uma vez
Sustenta, em síntese, que: a) a condenação ao pagamento das que a turma não adotou tese acerca das matérias, à luz dos
horas excedentes à 6ª diária, não observou a pactuação coletiva dispositivos invocados pela recorrente. Ausente o
que prevê 6 horas para o primeiro turno e 9 horas para o segundo e prequestionamento, incide a Súmula 297/TST.
terceiro turnos de revezamento; b) a limitação prevista na Súmula Inespecífico(s) o(s) aresto(s) colacionado(s), que não aborda(m)
423/TST (máximo 8 horas) não está prevista na constituição; c) o v. todos os fundamentos da r. decisão recorrida (Súmula 23/TST).
acórdão equivocou-se ao não considerar o pactuado entre a Arestos provenientes de órgão não elencado na alínea "a", do art.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 34
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

896, da CLT, são inservíveis ao confronto de teses.

Por fim, registre-se que arestos provenientes de Turma do TST, são Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

inservíveis ao confronto de teses (CLT, art. 896 e OJ 111/SDI- serão analisados de acordo com os novos parâmetros

I/TST). estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

CONCLUSÃO 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

DENEGO seguimento ao recurso de revista. de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

003, de 16 de fevereiro de 2018. OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

Publique-se e intime-se. 2018.

Assinatura PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 15/10/2018 - f. 382 -

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 23/10/2018 - f.

NICANOR DE ARAUJO LIMA 367/381, por meio do Sistema PJe.

Desembargador Federal do Trabalho Regular a representação, f. 24.


Decisão Desnecessário o preparo.
Processo Nº RO-0024647-27.2015.5.24.0071
Relator AMAURY RODRIGUES PINTO
JUNIOR
PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
RECORRENTE REINALDO COSTA PEREIRA
ADVOGADO VAN HANEGAM DONERO(OAB: 9835 Contrato Individual de Trabalho.
-B/MS)
Alegação(ões):
ADVOGADO IRANI OTTONI(OAB: 6256-A/MS)
RECORRIDO ALMEIDA & ECHEVERRIA - violação ao artigo 3º, da Lei 13.467/2017;
ENGENHARIA LTDA - ME
- violação ao artigo 1º, III, da CF;
ADVOGADO BRUNO AFONSO PEREIRA(OAB:
17013/MS) - violação ao artigos 4º, 9º e 445, da CLT;
RECORRIDO MUNICIPIO DE CASSILANDIA
- contrariedade à Súmula 212 do TST;
ADVOGADO AMIM ANTONIO FONSECA(OAB:
12951-B/MS) - divergência jurisprudencial.
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO Sustenta, em síntese, que quando o candidato já foi aprovado no

processo seletivo e é convocado pela empresa para participar de


Intimado(s)/Citado(s):
treinamento destinado a capacitá-lo para exercer as funções
- REINALDO COSTA PEREIRA
contratadas, antes da formalização do registro, não há dúvida de

que o período correspondente ao treinamento deve ser considerado

como tempo à disposição do empregador e como tal integrar o


PODER JUDICIÁRIO contrato de trabalho para todos os fins.
JUSTIÇA DO TRABALHO Conta no v. acórdão (f. 329):

"2.1 - VÍNCULO EMPREGATÍCIO - NULIDADE CONTRATO DE


Fundamentação
EXPERIÊNCIA
Recurso de Revista
O Juiz da origem indeferiu os pedidos em epígrafe. O autor alega
Recorrente(s): 1. REINALDO COSTA PEREIRA
que foi admitido em período anterior ao anotado na CTPS, assim
Advogado(a)(s): 1. Irani Ottoni (MS - 6256-A)
como que o contrato de experiência foi assinado com data
Recorrido(a)(s): 1. ALMEIDA E ECHEVERRIA ENGENHARIA
retroativa. Pugna pela retificação da CTPS e nulidade do contrato
LTDA. - ME
de experiência.
2. MUNICÍPIO DE CASSILÂNDIA
Sem razão.
Advogado(a)(s): 1. Bruno Afonso Pereira (MS - 17013)
A teor da súmula n. 12 do TST, prevalece a presunção de
2. Amim Antônio Fonseca (MS - 12951-B)

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 35
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

veracidade das anotações da CTPS, à vista de prova em sentido ocorreu a regular fiscalização do contrato realizado com o prestador

contrário. Não há nos autos comprovação de que as datas de início de serviços, pois houve parcelas inadimplidas ao empregado e o

e término do contrato de trabalho foram fraudadas (TRCT, p. 27, tomador não demonstrou a fiscalização do contrato quanto aos

9.1.2015 a 9.2.2015). deveres assumidos frente aos empregados, cabendo a aplicação do

Nego provimento". entendimento contido na Súmula nº 331 do TST.

A fundamentação exposta nas razões de recurso de revista é Consta no v. acórdão (f. 332/333):

impertinente, pois não ataca a conclusão da Turma de que não foi "2.7 - RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA - DONA DA OBRA

comprovada fraude nos registros das datas de início e término do O Juiz da origem reconheceu a condição de dona da obra e

contrato de experiência. indeferiu o pedido de condenação subsidiária do ente público. O

Inviável o seguimento do recurso, uma vez que a Turma não adotou autor aduz que prestou serviços em prol da municipalidade, pelo

tese sobre a matéria, à luz dos dispositivos invocados pela que incide a diretriz da S. 331 do TST.

recorrente. Ausente o prequestionamento, incide a Súmula Sem razão.

297/TST. As rés firmaram contrato cujo objeto é a execução de obra, sob o

regime de execução indireta, empreitada global (p. 88). Atrai-se,

Rescisão do Contrato de Trabalho / Verbas Rescisórias. assim, a incidência da OJ n. 191 da SBDI-1 do TST e afasta-se a

Alegação(ões): aplicação da S. 331 do TST.

Sustenta, em síntese, que, "Ante o reconhecimento no tópico Além disso, se houver inadimplemento das obrigações trabalhistas

precedente quanto à regularidade do contrato de experiência contraídas por empreiteiro que contratar, sem idoneidade

firmado entre as partes e sua extinção antecipada, há que se falar econômico-financeira, o dono da obra responderá subsidiariamente

em diferenças de verbas rescisórias, considerando como se fosse o por tais obrigações, em face de aplicação analógica do art. 455 da

contrato por tempo indeterminado". CLT e culpa in elegendo, exceto ente público da Administração

A recorrente não demonstra os permissivos aptos a ensejar o Direta e Indireta.

conhecimento do recurso de revista, quais sejam, a violação direta e Nego provimento".

literal a dispositivo constituicional ou de lei federal, divergência A Turma concluiu que restou caracterizada a condição de dona da

jurisprudencial ou, ainda, contrariedade à Súmula ou Orientação obra da segunda ré, afastando-se, por conseguinte, a incidência da

Jurisprudencial do C. TST, o que inviabiliza o seguimento do Súmula n. 331 do C. TST.

recurso (incidência da Súmula 221/TST). Quanto ao aspecto de ter havido a regular fiscalização ou não,

verifica-se do v. acórdão que não houve análise sob esse prisma.

Responsabilidade Solidária/Subsidiária. Desse modo, a Turma decidiu em sintonia com as teses jurídicas

Alegação(ões): constantes da OJ 191/SDI-I/TST, o que inviabiliza o seguimento do

- violação aos artigos 1º, III e IV, e 170 da CF; recurso, inclusive por dissenso jurisprudencial (Súmula 333/TST).

- violação aos artigos 186 e 927 do CC; Quanto à tese suscitada de que a OJ 191 do TST tem aplicação

- contrariedade à Súmula 331, IV, do TST; restrita a alguns casos como construção ou reforma residenciais,

- contrariedade à OJ 191 da SBDI-I do TST; inviável o seguimento do recurso, uma vez que a Turma não adotou

- divergência jurisprudencial. tese sobre a matéria, à luz dos dispositivos invocados pela

Sustenta, em síntese, que: a) se beneficiando ainda que de forma recorrente. Ausente o prequestionamento, incide a Súmula

indireta, dos trabalhos prestados pelo obreiro, a 2ª Recorrida tem 297/TST.

responsabilidade pelo pagamento das verbas deferidas no julgado, Inespecíficos os arestos colacionados, que não abordam todos os

ante o disposto na Súmula 331, IV, do C. TST; b) desde que o caso fundamentos da r. decisão recorrida (Súmula 23/TST).

em exame seja de empreitada (lícita ou ilícita), há a possibilidade de Arestos provenientes deste Tribunal (OJ 111/SDI-I/TST), de Turma

responsabilização subsidiária do tomador; c) o contrato de do TST ou de órgão não elencado na alínea "a", do art. 896, da

empreitada entre o dono da obra e o empreiteiro enseja CLT, são inservíveis ao confronto de teses.

responsabilidade subsidiária nas obrigações trabalhistas contraídas

pelo empreiteiro, salvo apenas a hipótese de utilização da prestação CONCLUSÃO

de serviços como instrumento de produção de mero valor de uso, DENEGO seguimento ao recurso de revista.

na construção ou reforma residenciais; d) no caso concreto não Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 36
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 06/12/2018 - f. 267 -

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 14/12/2018 - f. 249, por

003, de 16 de fevereiro de 2018. meio do Sistema PJe.

Publique-se e intime-se. Regular a representação, f. 9.

Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme

Assinatura f. 160.

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

NICANOR DE ARAUJO LIMA Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado /

Desembargador Federal do Trabalho Indenização por Dano Moral / Assédio Moral


Decisão Alegação(ões):
Processo Nº ROPS-0024442-25.2017.5.24.0007
Relator MARCIO VASQUES THIBAU DE - violação ao artigo 5º, X da CF;
ALMEIDA
- divergência jurisprudencial.
RECORRENTE GIZELLY HERNANDES CACERES
PEREIRA Sustenta, em suma, que: a) o direito à privacidade compreende a
ADVOGADO FAGNER DE OLIVEIRA MELO(OAB:
21507/MS) tutela da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das
RECORRIDO JBS S/A pessoas, a garantia está prevista no ordenamento jurídico brasileiro,
ADVOGADO ELISIO VITOR FIGUEIREDO
JUNIOR(OAB: 110584/MG) e deve prevalecer sobre o bem patrimonial; b) foi ferida em sua

intimidade, em decorrência do abuso do poder diretivo com o uso de


Intimado(s)/Citado(s):
maneira inadequada dos meios audiovisuais no ambiente de
- GIZELLY HERNANDES CACERES PEREIRA
trabalho, mesmo que de um lado há entendimento de que as

câmeras protegem o patrimônio, noutro aspecto viola um direito

constitucional, qual seja, a intimidade; c) foi exposta a situação


PODER JUDICIÁRIO humilhante e constrangedora; c) a instalação de câmeras de
JUSTIÇA DO TRABALHO monitoramento no vestiário/banheiro afronta os direitos

fundamentais.
Fundamentação
Por fim, aduz que deve ser reformado o acórdão que indeferiu a
Recurso de Revista
indenização pelo assédio moral sofrido.
Recorrente(s): GIZELLY HERNANDES CACERES PEREIRA
A insurgência encontra-se desfundamentada, porquanto a
Advogado(a)(s): FAGNER DE OLIVEIRA MELO (MS - 21507)
recorrente não se reporta aos pressupostos específicos do recurso
Recorrido(a)(s): JBS S/A
de revista, nos termos do art. 896 da CLT.
Advogado(a)(s): ELISIO VITOR FIGUEIREDO JUNIOR (MG -
Dispõe o artigo 896, §1º-A, I, da CLT, com redação dada pela Lei n.
110584)
13.015/2014:

"Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:


Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista."
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
No caso, quanto ao capítulo impugnado(s) do acórdão que adotou
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
literalmente a sentença por seus próprios fundamentos, a parte
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
recorrente não transcreveu, in litteris, o trecho da sentença recorrida
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
que consubstancia o prequestionamento da controvérsia, objeto do
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de
recurso de revista, ou indicou, topograficamente, a localização da
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
parte da decisão que se pretende modificar, o que impede a exata
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
verificação das questões controvertidas.
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
É que quando se trata de ROPS e o acórdão mantém a sentença
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
pelos seus próprios fundamentos, além de consignar outros
2018.
fundamentos, a parte recorrente tem o dever de trazer às razões

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 37
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

recursais não só o trecho do v. acórdão recorrido mas também a


PODER JUDICIÁRIO
parte da sentença que a Turma adotou como fundamento de
JUSTIÇA DO TRABALHO
decidir.

Assim, ausente o prequestionamento, há obstáculo insuperável para Fundamentação

a verificação das questões controvertidas. Recurso de Revista

Nesse sentido é a atual, pacífica e notória jurisprudência do TST, a Recorrente(s): 1. LIQUIGÁS DISTRIBUIDORA S.A.

exemplo dos seguintes julgados: Processo: AIRR - 1409- 2. WILLIAN DOUGLAS DE SOUZA FERREIRA

91.2012.5.02.0201, Relator Ministro: Cláudio Mascarenhas Advogado(a)(s): 1. Noely Gonçalves Vieira Woischach (MS -

Brandão, 7ª Turma, DEJT 06/11/2015; Processo: AIRR 4922)

6252520145090242, Relator Cláudio Mascarenhas Brandão, 7ª 2. Gustavo Passarelli da Silva (MS - 7602)

Turma, DEJT 07/08/2015; Processo: AIRR 13360320145030111, Recorrido(a)(s): 1. WILLIAN DOUGLAS DE SOUZA FERREIRA

Relatora Ministra Kátia Magalhães Arruda, 6ª Turma, DEJT 2. LIQUIGÁS DISTRIBUIDORA S.A.

07/08/2015; Processo: AIRR - 11521-77.2014.5.15.0043, Relator Advogado(a)(s): 1. Gustavo Passarelli da Silva (MS - 7602)

Ministro: Antonio José de Barros Levenhagen, 5ª Turma, DEJT 2. Noely Gonçalves Vieira Woischach (MS -

25/11/2016; Processo: AIRR - 247-91.2015.5.08.0006, Relator 4922)

Ministro: José Roberto Freire Pimenta, 2ª Turma, DEJT 19/12/2016;

Processo: AIRR-1321-31.2014.5.03.0015, Relator Ministro: Alberto Recurso de: LIQUIGÁS DISTRIBUIDORA S.A.

Luiz Bresciani de Fontan Pereira, 3ª Turma, DEJT 13/05/2016;

Processo: AIRR 109976920155030014, Relator Ministro Mauricio Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

Godinho Delgado, 3ª Turma, DEJT 30/01/2017. serão analisados de acordo com os novos parâmetros

estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

CONCLUSÃO Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

DENEGO seguimento ao recurso de revista. 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

003, de 16 de fevereiro de 2018. solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

Publique-se e intime-se. OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

Assinatura 2018.

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

NICANOR DE ARAUJO LIMA Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 31/08/2018 - f. 587 -

Desembargador Federal do Trabalho Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 13/09/2018 - f.

Decisão 460/467, por meio do Sistema PJe.


Processo Nº RO-0024900-57.2017.5.24.0002
Regular a representação, f. 121/124.
Relator ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA
RECORRENTE WILLIAN DOUGLAS DE SOUZA Satisfeito o preparo (f. 443, 443 e 564/565 e 566/567).
FERREIRA
ADVOGADO GUSTAVO PASSARELLI DA
SILVA(OAB: 7602/MS) PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
RECORRIDO LIQUIGAS DISTRIBUIDORA S.A.
Rescisão do Contrato de Trabalho / Despedida/Dispensa
ADVOGADO NOELY GONCALVES VIEIRA(OAB:
4922/MS) Imotivada / Nulidade.

Rescisão do Contrato de Trabalho / Reintegração/Readmissão


Intimado(s)/Citado(s):
- LIQUIGAS DISTRIBUIDORA S.A. ou Indenização / Empregado Público.
- WILLIAN DOUGLAS DE SOUZA FERREIRA Alegação(ões):

- contrariedade à Orientação Jurisprudencial 247 da SDI-1 do TST.

- violação ao(s) artigo(s) 173, § 1º, II, da CF.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 38
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Sustenta, em síntese, que: a) o STF, no julgamento do RE impessoalidade, de modo a evitar a prevalência de subjetivismos e

58998/PI, concluiu ser inválida a dispensa, sem a devida motivação, perseguições (artigo 37, II, da CF).

de empregado de empresa pública e de sociedade de economia Pontue-se que, a partir da decisão do STF (RE 589.998/PI), com

mista, todavia, não teve a intenção de estender a obrigatoriedade efeito vinculante, com repercussão geral, ficou superada a

de motivação para os empregados das subsidiárias de sociedades jurisprudência do C. TST, consubstanciada na OJ 247, I, da SBDI-1,

de economia mista; b) a questão central levada ao STF no RE impondo-se que seja motivado o ato de dispensa de empregado de

discutido, diz respeito a empregado da ECT, que se aposentou e empresa pública ou de sociedade de economia mista e suas

depois foi demitido imotivadaemnte, situação absolutamente distinta subsidiárias.

da que se apresenta neste caso, pois a Liquigás não goza das De fato, não obstante sujeitas ao regime das empresas privadas

mesmas prerrogativas da fazenda pública, nem mesmo a Petrobrás quanto às obrigações trabalhistas, na forma prevista no artigo 173,

de que é subsidiária; c) a Liquigás, além de ser uma sociedade de II, da Constituição Federal, não são isentas da observância dos

capital fechado, não presta serviço público em sentido estrito e não princípios que regem a administração pública, como o da motivação

é uma sociedade de economia mista, tratando-se de uma empresa de seus atos, mormente por causar gravame ao particular,

privada que exerce atividade econômica calcada no postulado da trabalhador concursado.

livre iniciativa, tal como preceituado pelo art. 170, IV, da CF. Esclareço que não se trata de estabilidade no emprego, mas sim da

Consta no v. acórdão (f. 439/440): necessária motivação para a dispensa.

"2.1 - NULIDADE DA DISPENSA - REINTEGRAÇÃO - Precedente da E. 2ª Turma: Proc. N. 25289-95.2015.5.24.0007, Rel.

EMPREGADO DE EMPRESA SUBSIDIÁRIA DE ECONOMIA Des. Amaury Rodrigues Pinto Junior, j. em 1º.2.2017.

MISTA - REGIME JURÍDICO DA RECLAMADA Nesse sentido, ainda, cito jurisprudência do C. TST acerca de

Irresignado com o indeferimento do pleito de nulidade da dispensa, julgado de ação movida em face da ora reclamada, ratificando

assevera o recorrente que comprovou que a reclamada é controlada decisão da E. 2ª Turma deste E. Tribunal:

de forma direta pela Petrobrás e indireta pela União, sendo pessoa DISPENSA IMOTIVADA. EMPREGADO DE EMPRESA

jurídica subsidiária da Petrobras, integrando a administração pública SUBSIDIÁRIA DE EMPRESA PÚBLICA. INTEGRANTE DA

e, portanto, deve observar os ditames previstos no artigo 37, II, da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. Preenchidos os

CF, e motivar a demissão de seus empregados. Busca, assim, a requisitos previstos no artigo 896, § 1º-A, da CLT. 2. O STF proferiu

sua reintegração ao emprego ou o pagamento de indenização decisão no RE 589.998/PI, com efeito vinculante, reconhecendo a

substitutiva. repercussão geral e consagrando a tese jurídica de exigência de

Com razão. motivação da dispensa de empregados de empresas públicas e

Verifica-se que no próprio site da Liquigás Distribuidora S.A na sociedades de economia mista, a fim de assegurar ao ato da

internet consta que, "em novembro de 2012, após reorganização dispensa a observância dos mesmos princípios regentes da

societária, tornou-se subsidiária integral da Petróleo Brasileiro S.A - admissão por concurso público. 3. O entendimento da Corte

Petrobras" (ID bc3ed12, p. 6), isto é, a própria reclamada registra Suprema decorre da necessidade de que os princípios

que integra a administração pública indireta em virtude da troca do constitucionais da impessoalidade, isonomia e legalidade, que

controle acionário, passando a ser subsidiária integral da Petrobras regem a admissão por concurso público, sejam observados e

S.A. respeitados por ocasião da dispensa, protegendo o empregado de

No caso, é incontroverso que o reclamante passou a integrar o um possível não cumprimento desses postulados. 4. A partir da

quadro de empregados da reclamada em 10.12.2014 por meio de decisão do STF, tornou-se superada a jurisprudência do TST,

concurso público de provas e títulos, para a função de profissional consubstanciada na Orientação Jurisprudencial nº 247, I, da SBDI-

de vendas Jr, sob regime celetista, conforme CTPS, sendo 1, passando a ser imperioso que o ato de dispensa do empregado

dispensado sem justa causa em 1º.2.2017 (ID c0b5a01, p. 1). de empresa pública ou de sociedade de economia mista e suas

Nesse sentido, tendo o trabalhador se submetido a procedimento subsidiárias, seja motivado, para que não ocorram despedidas

prévio para ingresso nos quadros da reclamada, subsidiária integral ilegais ou abusivas. 5. Recurso de revista de que não se conhece.

da Petrobras, sociedade de economia mista, integrante da (TST-RR-24579-12.2014.5.24.0007 - 6ª Turma - Rel. Min. Kátia

administração pública indireta, nada mais razoável que o seu Magalhães Arruda - J. em 15.2.2017. Publ. DEJT 17/2/2017).

desligamento também seja resguardado pelos princípios adotados Esclareço que não se trata de estabilidade no emprego, mas sim da

no momento de sua admissão, quais sejam, a legalidade e a necessária motivação para a dispensa.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 39
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Por todo o exposto, dou provimento ao recurso para reconhecer a Indenização por Dano Moral

nulidade da dispensa e, por corolário, determinar a reintegração do DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Partes e

autor ao cargo, no qual investido após aprovação em concurso Procuradores / Sucumbência / Honorários na Justiça do

público, com pagamento dos salários vencidos e vincendos e Trabalho

demais vantagens alusivas ao período em que afastado de suas Alegação(ões):

funções. - violação ao artigo 5º, X, da CF;

Precedente da Egrégia 2ª Turma: Processo n. 25289- - violação aos artigos 186 e 927, do CC;

95.2015.5.24.0007, Rel. Des. Amaury Rodrigues Pinto Junior, j. - violação aos artigos 389 e 404 do CC.

1º.2.2017". Dispõe o artigo 896, §1º-A, I e III, da CLT, com redação dada pela

Vislumbra-se, na decisão da Turma, possível contrariedade à OJ Lei n. 13.015/2014:

247 da SDI-1 do TST. "Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:

I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o

CONCLUSÃO prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista.

RECEBO o recurso de revista. (...)

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício III - expor as razões do pedido de reforma, impugnando todos os

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. fundamentos jurídicos da decisão recorrida, inclusive mediante

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado demonstração analítica de cada dispositivo de lei, da Constituição

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. Federal, de súmula ou orientação jurisprudencial cuja contrariedade

003, de 16 de fevereiro de 2018. aponte."

Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para, No caso, a parte recorrente, quanto aos capítulos impugnados do v.

querendo, contra-arrazoar no prazo legal. acórdão, não transcreveu, 'in litteris', o trecho da decisão recorrida

que consubstancia o prequestionamento da controvérsia objeto do

Recurso de: WILLIAN DOUGLAS DE SOUZA FERREIRA recurso de revista, o que impede a exata verificação das questões

controvertidas.

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade Ressalte-se que apenas a transcrição parcial de trechos do v.

serão analisados de acordo com os novos parâmetros acórdão trazido pelo recorrente (itens 46 e 47, f. 583) não atende à

estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal exigência legal, por não abarcar todos os fundamentos da E. Turma

Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. no tema, não sendo possível, portanto, fazer o cotejo analítico entre

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir o decidido pela E. Turma e as argumentações trazidas pelo

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). recorrente. Não preenchido, portanto, pressuposto específico do

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de recurso de revista.

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme CONCLUSÃO

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do DENEGO seguimento ao recurso de revista.

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

2018. circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 25/09/2018 - f. 587 - 003, de 16 de fevereiro de 2018.

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 05/10/2018 - f. Publique-se e intime-se.

578/585, por meio do Sistema PJe.

Regular a representação, f. 50. Assinatura

Desnecessário o preparo. CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS NICANOR DE ARAUJO LIMA

Responsabilidade Civil do Empregador/Empregado / Desembargador Federal do Trabalho

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 40
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Decisão
Processo Nº RO-0025816-60.2016.5.24.0056
Relator MARCIO VASQUES THIBAU DE PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
ALMEIDA
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 06/12/2018 - f. 556 -
RECORRENTE USINA LAGUNA - ALCOOL E
ACUCAR LTDA - ME Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 18/12/2018 - f. 493-
ADVOGADO Ilson Roberto Morão Cherubim(OAB:
8251/MS) 515, por meio do Sistema PJe.
RECORRIDO MARCELO LIMA DOS SANTOS Regular a representação, f. 41.
ADVOGADO SILVANA PINHEIRO DA SILVA(OAB:
10294/MS) Satisfeito o preparo (f. 423, 463 e 462).
ADVOGADO ECLAIR SOCORRO NANTES
VIEIRA(OAB: 8332/MS)
PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
Intimado(s)/Citado(s): Duração do Trabalho / Horas in itinere / Supressão / Limitação
- MARCELO LIMA DOS SANTOS por Norma Coletiva
- USINA LAGUNA - ALCOOL E ACUCAR LTDA - ME
Alegação(ões):

- violação ao artigo 7º, XIII, XIX e XXVI, da CF;

- divergência jurisprudencial.
PODER JUDICIÁRIO Sustenta que: a) a CF concede às entidades sindicais
JUSTIÇA DO TRABALHO representativas de classe autonomia para criação de normas

coletivas no interesse de seus filiados e autoriza a negociação


Fundamentação
coletiva da jornada laboral, o que é bastante para legitimar cláusula
Recurso de Revista
coletiva que restringe ou limita o cômputo de horário trajeto,
Recorrente(s): USINA LAGUNA - ALCOOL E ACUCAR LTDA -
principalmente quando se constata que houve correspondência
ME
entre vantagens e concessões, como no presente caso, onde a
Advogado(a)(s): ILSON ROBERTO MORÃO CHERUBIM (MS -
Recorrente concedeu outros benefícios denominados como
8251)
vantagens econômicas diretas em contraprestação à redução do
Recorrido(a)(s): MARCELO LIMA DOS SANTOS
tempo de percurso; b) os instrumentos de transação foram
Advogado(a)(s): ECLAIR SOCORRO NANTES VIEIRA (MS -
celebrados entre a Recorrente e o Sindicato dos Trabalhadores nas
8332)
Indústrias da Fabricação do Açúcar e Álcool de Nova Andradina-
Destaque-se, inicialmente, o entendimento firmado por este Tribunal
MS, devidamente homologado e registrado perante o Ministério do
acerca de temas objeto do recurso:
Trabalho e Emprego - MTE, o que evidencia que foram preenchidos
- Súmula nº 10: "Horas 'in itinere'. Negociação coletiva.
todos os requisitos de validade do referido tratado coletivo.
Autodeterminação coletiva que encontra limites nos princípios
Requer a reforma, para o fim de excluir a condenação ao
da razoabilidade e proporcionalidade. Não se reconhece
pagamento das horas in itinere no período de 12/12/2011 a
validade de cláusula de instrumento normativo de natureza
30/04/2014
autônoma que estabelece o pagamento das horas 'in itinere' em
A Turma consignou às f. 478/479:
parâmetro inferior a 50% (cinquenta por cento) do tempo de
"2.1 - HORAS IN ITINERE
percurso."
(...)
Registre-se que os pressupostos de admissibilidade serão
Incontroverso nos autos o fornecimento de transporte pela ré e
analisados de acordo com os novos parâmetros estabelecidos pela
presumido o local de difícil acesso em zona rural.
Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Superior do
A magistrada de origem deferiu o tempo de 1h20min minutos diários
Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. 13.467/2017
de horas de percurso, considerando o tempo convencionado pelas
(publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir de
partes em audiência (ID 0d5acca), enquanto as normas coletivas
11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
acostadas pactuaram apenas 20 minutos diários.
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de
Esta Turma tem o entendimento de que não são válidas as
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
cláusulas normativas que suprimem, integralmente, as horas in
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
itinere do cômputo da jornada de trabalho ou que
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
desproporcionalmente delimitem o direito às horas de percurso,
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
neste último caso quando se evidencie insuperável descompasso
2018.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 41
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

ADVOGADO ANIELE ARAUJO CASTILHO


entre o tempo fixado na norma coletiva e o tempo real gasto pelo TENO(OAB: 19071/MS)
ADVOGADO FABIANO HENRIQUE SANTIAGO
obreiro, por se tratar de norma de ordem pública e cogente, CASTILHO TENO(OAB: 229210/SP)
relacionada à medicina e segurança no trabalho.
Intimado(s)/Citado(s):
Este é o caso dos autos, porquanto discrepante o tempo
- DALBERTO DOS SANTOS
estabelecido coletivamente (20 minutos diários) e o efetivamente

gasto (1h20min), com base no princípio da razoabilidade.

Ainda, comungo do mesmo entendimento da magistrada de origem

que não considerou benéficas as contrapartidas previstas nas ACTs PODER JUDICIÁRIO

de 2011/2012, 2012/2013 e 2013/2014, pois não representaram JUSTIÇA DO TRABALHO

melhorias na qualidade de vida dos empregados da reclamada.


Fundamentação
Cumpre ressaltar que a previsão coletiva de não efetuar o desconto
Recurso de Revista
de 6% do salário-base dos trabalhadores não representa um
Recorrente(s): DALBERTO DOS SANTOS
benefício concedido à categoria, porque esta não faz uso do vale
Advogado(a)(s): EMERSON CHAVES DOS REIS (MS - 19213)
transporte, mas sim de transporte fornecido pela empregadora,
Recorrido(a)(s): RENATO EBERHART
sendo, portanto, inaplicável ao caso o disposto no art. 1º da Lei nº
Advogado(a)(s): ANIELE ARAUJO CASTILHO TENO (MS -
7.418/85 e no art. 9º do Decreto 95.247/87.
19071)
Ademais, o empregador que promove o transporte de seus

empregados, por meios próprios ou contratados com terceiros,


Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
recebe dedução do Imposto de Renda sobre o montante das
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
despesas comprovadamente realizadas no período-base, conforme
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
previsão constante no art. 33 do Decreto nº 95.247/1987.
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
Destarte, escorreito a sentença de piso.
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
Nego provimento ao recurso"
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de


Entendo prudente o seguimento do apelo, por possível violação ao
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
art. 7º, XXVI, da CF.
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do


CONCLUSÃO
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
RECEBO o recurso de revista.
2018.
Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

circular SEGJUD/TST n. 051/2014.


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 22/10/2018 - f. 343 -
pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.
Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 31/10/2018 - f. 308, por
003, de 16 de fevereiro de 2018.
meio do Sistema PJe.
Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para,
Regular a representação, f. 27.
querendo, contra-arrazoar no prazo legal.
Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme
Assinatura
f. 202.
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
NICANOR DE ARAUJO LIMA
DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Atos
Desembargador Federal do Trabalho
Processuais / Nulidade / Negativa de prestação jurisdicional.
Decisão
Processo Nº RO-0024301-23.2017.5.24.0066 Alegação(ões):
Relator ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA - violação aos artigos 5º, XXXV, LV, e 93, IX, da CF;
RECORRENTE DALBERTO DOS SANTOS
Sustenta, em suma, que: a) a Turma não analisou nenhum dos
ADVOGADO EMERSON CHAVES DOS REIS(OAB:
19213/MS) tópicos constantes do recurso ordinário, simplesmente confirmou a
RECORRIDO RENATO EBERHART
sentença por suas próprias razões, sem proferir nenhuma

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 42
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

justificativa extra, capaz de refutar os argumentos do referido pelo réu, pois realizada uma única vez, sendo que o habitual na

recurso, mesmo com a interposição dos embargos de declaração; propriedade era o corte em cavaco (Luciano, item 3, ID 6504a5f)".

b) o acordão dos embargos de declaração não analisou os pontos Ademais, na decisão de embargos de declaração foi consignado

indicados, apenas baseou-se no fato de que as provas da que: "A questão submetida à apreciação deste E. Tribunal - vínculo

inexistência do vinculo empregatício estavam presentes, deixou, de emprego - foi analisada e decidida no acórdão embargado, com

portanto, de analisar os demais argumentos que poderiam levar a clara e suficiente fundamentação (artigo 93, IX, da Constituição

um desfecho diverso, especialmente sobre os elementos da Federal), tendo ficado evidente nos autos a prestação autônoma de

inexistência de provas da sua autonomia e não subordinação, serviços pelo reclamante em favor do reclamado", sendo certo que

somado ao fato dos relatos de que as atividades por ele para assim proceder todo o elenco probatório foi analisado,

desempenhadas estão inseridas nas atividades fim do recorrido. concluindo-se pelo acerto da decisão pretérita.

Pleiteia a nulidade do julgado. Dessa forma, inviável o seguimento do recurso neste tópico ante a

Inicialmente, destaca-se que o conhecimento do recurso de revista, conclusão da Turma no sentido de que as provas dos autos revelam

quanto à preliminar de nulidade por negativa de prestação a inexistência de vínculo empregatício, porquanto foi comprovado o

jurisdicional, supõe indicação de violação ao art. 832 da CLT, ao art. trabalho prestado na condição de autônomo, mediante contrato de

489 do CPC/2015 ou ao art. 93, IX, da CF/1988, na forma da empreitada.

Súmula 459 do TST. Necessário esclarecer que o dever do juízo se cinge a apreciar os

Com efeito, os artigos acima mencionados determinam que as pedidos formulados e demonstrar os elementos de convicção que o

decisões emanadas do Poder Judiciário devem ser fundamentadas. levaram a esta ou aquela solução. Como isto foi devidamente

Além disso, deve-se observar que é permitido ao juiz formar observado nos acórdãos recorridos, não há cogitar em nulidade

livremente o seu convencimento, desde que não se afaste dos processual.

elementos e da prova produzida nos autos, bastando motivar a No tocante à alegação de que a atividade exercida pelo recorrente

decisão, em consonância com o disposto no art. 371 do Código de estava inserida na atividade fim da recorrida, constou no acórdão

Processo Civil. que: "Não se cogita, por fim, de contrato de prestação de serviços,

Da análise dos acórdãos proferidos, verifica-se que as questões que tem por escopo a prestação genérica de trabalho por parte do

suscitadas foram satisfatoriamente analisadas pela Turma, deles contratado, mas de contrato de empreitada, cujo fim é o resultado

constando as razões que levaram o órgão julgador a rejeitar as de atividade determinada, de modo que irrelevante perquirir tratar-

alegações do recorrente quanto ao reconhecimento do vínculo de se de atividade-fim do reclamado".

emprego, estando, pois, atendido o comando constitucional. Importa registrar que não se confunde com negativa de prestação

Veja-se que foram acolhidos no v. acórdão os fundamentos da r. jurisdicional eventual inconformismo da parte com a adoção, pela

sentença como razões de decidir. decisão recorrida, de um ou outro fundamento contrário à sua

Com efeito, quanto à conclusão da Turma, no sentido de não pretensão.

reconhecer o vínculo de emprego, constou no acórdão que: "A Por derradeiro, ressalta-se que, nesse contexto, a pretensão da

prova oral colhida no processo n. 0024299-53.2017.5.24.0066, parte recorrente, importaria, necessariamente, no reexame de fatos

utilizada como prova emprestada neste feito, revela que o e provas, o que encontra óbice na Súmula 126/TST e inviabiliza o

reclamante prestou serviços na Fazenda Recanto, sob o regime de seguimento do recurso.

empreitada, espécie de trabalho autônomo, tendo sido

arregimentado pelo próprio irmão, Cleomar dos Santos, reclamante CONCLUSÃO

no referido processo". DENEGO seguimento ao recurso de revista.

Além disso, acrescentou a Turma que o depoimento da testemunha Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

Adão foi esclarecedor, no tocante à forma de trabalho do recorrente, circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

e que as testemunhas ouvidas, a convite do réu "confirmam que as Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

ferramentas utilizadas para a realização do serviço contratado eram pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

de propriedade do Sr. Cleomar (motosserra) ou por ele custeada 003, de 16 de fevereiro de 2018.

(dois tratores pequenos) e que a atividade empreitada - corte de Publique-se e intime-se.

lenha em metro - era certa e determinada, limitada a uma quadra

(José Liomar, itens 4 e 8), além de ser explorada de forma eventual Assinatura

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 43
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

NICANOR DE ARAUJO LIMA solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

Desembargador Federal do Trabalho OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de


Decisão 2018.
Processo Nº RO-0025930-26.2014.5.24.0005
Relator ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA
RECORRENTE JBS S/A PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
ADVOGADO ELISIO VITOR FIGUEIREDO
JUNIOR(OAB: 110584/MG) Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 11/12/2018 - f. 372 -
RECORRIDO CARLOS ROBERTO GOMES Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 21/12/2018 - f. 360, por
ADVOGADO Flavio Affonso Barbosa(OAB:
10250/MS) meio do Sistema PJe.

Regular a representação, f. 297/298.


Intimado(s)/Citado(s):
Satisfeito o preparo (f. 308, 335/336, 333/334 e 347).
- JBS S/A

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO /


PODER JUDICIÁRIO Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da
JUSTIÇA DO TRABALHO Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária

Alegação(ões):
Fundamentação
- divergência jurisprudencial.
Recurso de Revista
- violação aos artigos 2º, caput , 5º, II, LIV e LV, e 97 da CF.
Recorrente(s): JBS S/A
- violação ao artigo 39 da Lei n. 8.177/1991.
Advogado(a)(s): ELISIO VITOR FIGUEIREDO JUNIOR (MG -
- violação aos artigos 879, §7º, da CLT (com redação introduzida
110584)
pela Lei 13467/2017).
Recorrido(a)(s): CARLOS ROBERTO GOMES
- contrariedade à Súmula Vinculante 10 do STF;
Advogado(a)(s): Flavio Affonso Barbosa (MS - 10250)
- contrariedade à OJ 300 do TST.

Requer seja determinada a manutenção da TR como índice de


Destaque-se, inicialmente, o entendimento firmado por este Tribunal
atualização do crédito trabalhista, afastando qualquer possibilidade
acerca do tema objeto do recurso:
de aplicação do IPCA-E, tendo em vista o disposto nos artigos 39
Súmula n.º 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.
da Lei 8.177/1991 e 879, §7º, da CLT.
INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.
Aduz que não há qualquer norma em nosso ordenamento jurídico
É inconstitucional a expressão 'equivalentes à TRD acumulada'
que determine a aplicação do IPCA-E para a atualização dos
constante no art. 39, 'caput', da Lei nº 8.177/91. 2. Por razão de
débitos trabalhistas, pelo que não pode o E. Tribunal a quo
segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação de
funcionar como legislador positivo e determinar a aplicação de
efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para
índice de correção não previsto em lei.
atualizar os débitos dos precatórios judiciais (questão de
Sustenta, ainda, que a presente decisão viola a cláusula de reserva
ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa da
de plenário (artigo 97, da CF e Súmula Vinculante 10 do STF) ao
declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos
declarar a inconstitucionalidade de norma vigente sem possuir
trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator
poder para tanto, bem como afronta os princípios da legalidade e do
indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento
devido processo legal (artigos 5º, II e LIV, da CF), o que torna
da ADI 4425".
imperativa a reforma da decisão regional.
Registre-se, que os pressupostos de admissibilidade serão
Eventualmente, pleiteia a aplicação do IPCA-E limitada a
analisados de acordo com os novos parâmetros estabelecidos pela
11/11/2017, momento a partir do qual deve incidir a TR, por força da
Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Superior do
vigência da Lei 13.467/2017, sob pena de ferir o princípio da
Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. 13.467/2017
segurança jurídica.
(publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir de
Arestos provenientes deste Tribunal (OJ 111/SDI-I/TST), de Turma
11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
do TST ou de órgão não elencado na alínea "a", do art. 896, da
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 44
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

ADVOGADO GUILHERME ANTONIO


CLT, são inservíveis ao confronto de teses. BATISTOTI(OAB: 6756/MS)
RECORRIDO JUEDE DA COSTA PEIXOTO
Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma
ADVOGADO ALINE CORDEIRO PASCOAL
vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação HOFFMANN(OAB: 14889/MS)

infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação,


Intimado(s)/Citado(s):
não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no
- ENERGISA MATO GROSSO DO SUL - DISTRIBUIDORA DE
art. 896, "c", da CLT. ENERGIA S.A.
- JUEDE DA COSTA PEIXOTO
No julgamento, por este Tribunal, da Arguição de

Inconstitucionalidade autuada sob n. 0024319-19.2015.5.24.0000,

culminou com a aprovação da Súmula 23 deste Regional, cuja

redação é a seguinte: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. PODER JUDICIÁRIO

INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1. JUSTIÇA DO TRABALHO

É inconstitucional a expressão 'equivalentes à TRD acumulada'


Fundamentação
constante no art. 39, 'caput', da Lei nº 8.177/91. 2. Por razão de
Recurso de Revista
segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação de efeitos
Recorrente(s): 1. JUEDE DA COSTA PEIXOTO
concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para atualizar os
2. ENERGISA MATO GROSSO DO SUL
débitos dos precatórios judiciais (questão de ordem na ADI 4357),
Advogado(a)(s): 1. ALINE CORDEIRO PASCOAL HOFFMANN
limita-se a eficácia retroativa da declaração a 26.03.2015, a partir de
(MS - 14889)
quando os débitos trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-
2. GUILHERME ANTONIO BATISTOTI (MS -
E, fator indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no
6756)
julgamento da ADI 4425".
Recorrido(a)(s): 1. ENERGISA MATO GROSSO DO SUL -
Na hipótese, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula
DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A.
23 deste Egrégio Tribunal, o que inviabiliza o seguimento do
2. JUEDE DA COSTA PEIXOTO
recurso, inclusive por dissenso jurisprudencial.
Advogado(a)(s): 1. GUILHERME ANTONIO BATISTOTI (MS -
Conforme assentou o E. Regional, a decisão proferida pelo STF,
6756)
nos autos da Reclamação 22.012 MC/RS, limitou-se a suspender os
2. ALINE CORDEIRO PASCOAL HOFFMANN
efeitos da decisão proferida pelo TST, de modo que não há
(MS - 14889)
qualquer impedimento para a apreciação da constitucionalidade ou

não do art. 39 da Lei 8.177/1991 por esta Corte.


Recurso de: JUEDE DA COSTA PEIXOTO

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade


CONCLUSÃO
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
DENEGO seguimento ao recurso de revista.
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
circular SEGJUD/TST n. 051/2014.
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de
003, de 16 de fevereiro de 2018.
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
Publique-se e intime-se.
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
Assinatura
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

2018.
NICANOR DE ARAUJO LIMA

Desembargador Federal do Trabalho


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
Decisão
Processo Nº ROPS-0024892-23.2017.5.24.0021 Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 01/10/2018 - f. 366 -
Relator AMAURY RODRIGUES PINTO Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 10/10/2018 - f. 334, por
JUNIOR
RECORRENTE ENERGISA MATO GROSSO DO SUL meio do Sistema PJe.
- DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A.
Regular a representação, f. 24.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 45
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Desnecessário o preparo. Regular a representação, f. 46.

Satisfeito o preparo (f. 287, 299, 301 e 365).

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Rescisão do Contrato de Trabalho / Verbas Rescisórias. PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Remuneração, Verbas Indenizatórias e Benefícios / Descontos Rescisão do Contrato de Trabalho / Verbas Rescisórias.

Salariais - Devolução. Alegação(ões):

Alegação(ões): - contrariedade às Súmulas 45, 63, 172 e 330 do TST;

- violação aos artigos 457, 458, 487, § 3º, da CLT; - violação ao artigo 7º, XXVI, da CF;

- violação ao artigo 39, XX, do Dec. 3000/99; - violação ao artigo 477, § 2º, da CLT;

- contrariedade à Súmula 207 e 459 do STF; - divergência jurisprudencial.

- divergência jurisprudencial. Sustenta, em síntese, que: a) houve violação à Súmula 330 do TST,

O autor pretende a reforma do julgado para que lhe sejam deferidos visto que o Obreiro foi devidamente assistido pelo Sindicato da

os pleitos de pagamento de diferenças de verbas rescisórias e de Categoria no ato de sua demissão, sem que houvesse ressalva

devolução de irregular dedução de imposto de renda. específica de qualquer verba rescisória paga, conforme se observa

Entretanto, a sentença de origem já deferiu os pedidos requeridos no TRCT juntado; b) o artigo 477, §2º, da CLT reconhece o TRCT

(f. 283/285) e o acórdão manteve a sentença por seus próprios como recibo de pagamento das verbas nele descritas, não havendo

fundamentos (f. 323/324), pelo que o autor carece de interesse permissão para que o Obreiro possa rediscuti-las posteriormente; c)

recursal. não há previsão no referido dispositivo acerca da utilização da

Logo, inviável o seguimento do recurso. média salarial dos últimos 12 meses para fins de cálculo da

rescisão, bem como a norma é silente em relação à base de

CONCLUSÃO cálculo, devendo, assim, prevalecer a remuneração conforme

DENEGO seguimento ao recurso de revista. norma coletiva; d) o acordo coletivo determina as verbas que

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício compõem a remuneração do Obreiro, sendo que o julgamento em

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. sentido contrário viola o artigo 7º, XXVI, da Constituição Federal, ao

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado negar validade ao pacto firmado.

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. Pede a reforma da decisão.

003, de 16 de fevereiro de 2018. Ante a restrição do artigo 896, §9º, da CLT, descabe análise de

violação à legislação infraconstitucional e divergência

Recurso de: ENERGISA MATO GROSSO DO SUL jurisprudencial.

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade Dessa forma, tem-se que a admissibilidade do apelo revisional

serão analisados de acordo com os novos parâmetros interposto em face de acórdão proferido em procedimento

estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal sumaríssimo está restrita à demonstração de violação direta ao

Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. texto constitucional ou de contrariedade a Súmula de Jurisprudência

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir Uniforme do TST ou a Súmula Vinculante do STF.

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). Inviável o seguinte do recurso quanto à alegada violação da Súmula

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de 330 do TST, ante a conclusão da Turma no sentido de que "A

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. Súmula 330 do TST, ao interpretar o art. 477 da CLT, esclareceu

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme que o referido dispositivo legal versa exclusivamente sobre parcelas

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do rescisórias, não atingindo, assim, as indenizações aqui postuladas.

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de Isso porque não constitui parcela rescisória, mas trabalhista, devida

2018. no curso do contrato, que não foi sequer objeto de quitação

específica no termo rescisório. Afastada, portanto, a incidência da

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS invocada Súmula 330 do Colendo TST e do art. 477 da CLT." (f.

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 01/10/2018 - f. 366 - 323)

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 10/10/2018 - f. 353, por Quanto à alegada existência de norma coletiva prefixando a base

meio do Sistema PJe. de cálculo das verbas rescisórias, inviável o seguimento do recurso,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 46
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

uma vez que a Turma não adotou tese sobre as matérias, à luz dos Publique-se e intimem-se.

dispositivos invocados pela recorrente. Ausente o Assinatura

prequestionamento, incide a Súmula 297/TST. CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

Logo, não se pode falar em violação direta e literal do artigo 7º,

XXVI, da CF, da forma como preconiza o artigo 896, letra "c", da NICANOR DE ARAUJO LIMA

CLT. Desembargador Federal do Trabalho

Por fim, ressalte-se que a Turma decidiu em sintonia com as Decisão


Processo Nº RO-0024285-91.2017.5.24.0091
Súmulas 132 e 376-II, /TST, o que inviabiliza o seguimento do Relator AMAURY RODRIGUES PINTO
JUNIOR
recurso (Súmula 333/TST).
RECORRENTE ODEBRECHT TERRAS S.A
ADVOGADO MYLENA VILLA COSTA(OAB:
14443/BA)
Remuneração, Verbas Indenizatórias e Benefícios / Descontos
RECORRIDO VANIERI RODRIGUES DA SILVA
Salariais - Devolução. ADVOGADO Nilmare Daniele da Silva Irala(OAB:
12220/MS)
Alegação(ões):

- violação ao artigo 45 do Código Tributário Nacional; Intimado(s)/Citado(s):


- violação ao artigo 722, caput , do DEC. 300/1999; - ODEBRECHT TERRAS S.A
- VANIERI RODRIGUES DA SILVA
- divergência jurisprudencial.

Sustenta que a permanecer o entendimento esposado na douta

decisão, o Recorrido receberá o valor da retenção do imposto de

renda sobre suas verbas rescisórias em duplicidade, vez, que PODER JUDICIÁRIO
recebeu da Receita Federal, e, ainda receberá da Recorrente. JUSTIÇA DO TRABALHO
Outrossim, acaso tenha havido descontos entendidos como
Fundamentação
indevidos, diante do recolhimento feito pela Recorrente, é dever da
Recurso de Revista
União o ressarcimento, referido imposto foi retido, e, recolhido
Recorrente(s): 1. VANIERI RODRIGUES DA SILVA
quando da rescisão do contrato laboral do obreiro, e, que por certo
2. ODEBRECHT TERRAS S.A
já houve a restituição do referido imposto àquele no exercício do
Advogado(a)(s): 1. NILMARE DANIELE DA SILVA IRALA
ano de 2018 pela Receita Federal - União -, haja vista, a demissão,
(MS - 12220)
retenção e recolhimento ocorridos no ano de 2017.
2. MYLENA VILLA COSTA (BA - 14443)
Ante a restrição do artigo 896, §9º, da CLT, descabe análise de
Recorrido(a)(s): 1. ODEBRECHT TERRAS S.A
violação à legislação infraconstitucional e divergência
2. VANIERI RODRIGUES DA SILVA
jurisprudencial.
Advogado(a)(s): 1. MYLENA VILLA COSTA (BA - 14443)
Dessa forma, tem-se que a admissibilidade do apelo revisional
2. NILMARE DANIELE DA SILVA IRALA
interposto em face de acórdão proferido em procedimento
(MS - 12220)
sumaríssimo está restrita à demonstração de violação direta ao

texto constitucional ou de contrariedade a Súmula de Jurisprudência


Recurso de: VANIERI RODRIGUES DA SILVA
Uniforme do TST ou a Súmula Vinculante do STF.
Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
E no caso, não houve apontamento de nenhum dispositivo
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
constitucional violado ou de contrariedade à súmula, o que impede
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
o seguimento do apelo, neste particular.
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir


CONCLUSÃO
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
DENEGO seguimento ao recurso de revista.
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de
Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
circular SEGJUD/TST n. 051/2014.
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
003, de 16 de fevereiro de 2018.
2018.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 47
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Verifica-se, portanto, que na hipótese a recorrente não indica

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS nenhum dos dispositivos de lei ou da constituição acima listados

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 30/10/2018 - f. 404 - como sendo violado, no tocante à matéria recorrida (2.2.1 -

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 06/11/2018 - f. 324, por DOMINGOS TRABALHADOS - Acórdão - f. 312) o que atrai a

meio do Sistema PJe. incidência da Súmula 221/TST e inviabiliza o seguimento do

Regular a representação, f. 16. recurso.

Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme Além disso, observa-se que as insurgências não se referem à

f. 177. matéria objeto do presente recurso de revista.

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Duração do Trabalho / Repouso Semanal Remunerado e CONCLUSÃO

Feriado / Trabalho aos Domingos. DENEGO seguimento ao recurso de revista.

Alegação(ões): Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

Sustenta, em suma, que: a) como relatado em prova testemunhal, circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

restou clara e evidente a fraude da empresa no preenchimento do Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

intervalo do obreiro, situação que perdurou mesmo no período em pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

que a testemunha não laborava na Reclamada, não havendo, 003, de 16 de fevereiro de 2018.

portanto, que se falar na valoração da prova documental sobre a

prova testemunhal; b) os trabalhadores da recorrida trabalhavam no Recurso de: ODEBRECHT TERRAS S.A

seguinte jornada de trabalho: a rotina dos trabalhadores da Anote-se o entendimento deste Regional acerca de tema objeto

recorrida era das 650/7h às 17h/18h, em escala 5x1. deste recurso:

Inviável o seguimento do recurso de revista, porquanto, neste TRT 24ª - Súmula nº 10: "Horas 'in itinere'. Negociação coletiva.

tópico, a insurgência encontra-se desfundamentada, tendo em vista Autodeterminação coletiva que encontra limites nos princípios

que a recorrente não se reporta aos pressupostos específicos do da razoabilidade e proporcionalidade. Não se reconhece

art. 896 da CLT. validade de cláusula de instrumento normativo de natureza

Com efeito, dispõe o artigo 896 da CLT: autônoma que estabelece o pagamento das horas 'in itinere' em

parâmetro inferior a 50% (cinquenta por cento) do tempo de

Art. 896 - Cabe Recurso de Revista para Turma do Tribunal percurso."

Superior do Trabalho das decisões proferidas em grau de recurso TRT 24ª - Súmula nº 13: "A existência de linha de ônibus

ordinário, em dissídio individual, pelos Tribunais Regionais do intermunicipal ou interestadual não elide o direito à percepção

Trabalho, quando: das horas 'in itinere'."

a) derem ao mesmo dispositivo de lei federal interpretação diversa TRT 24ª - Súmula nº 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.

da que lhe houver dado outro Tribunal Regional do Trabalho, no seu INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.

Pleno ou Turma, ou a Seção de Dissídios Individuais do Tribunal É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD

Superior do Trabalho, ou contrariarem súmula de jurisprudência acumulada" constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91. 2.

uniforme dessa Corte ou súmula vinculante do Supremo Tribunal Por razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a

Federal; (Redação dada pela Lei nº 13.015, de 2014) modulação de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal

b) derem ao mesmo dispositivo de lei estadual, Convenção Coletiva Federal para atualizar os débitos dos precatórios judiciais

de Trabalho, Acordo Coletivo, sentença normativa ou regulamento (questão de ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa

empresarial de observância obrigatória em área territorial que da declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos

exceda a jurisdição do Tribunal Regional prolator da decisão trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator

recorrida, interpretação divergente, na forma da alínea a; (Redação indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento

dada pela Lei nº 9.756, de 1998) da ADI 4425".

c) proferidas com violação literal de disposição de lei federal ou Registre-se que os pressupostos de admissibilidade serão

afronta direta e literal à Constituição Federal. analisados de acordo com os novos parâmetros estabelecidos pela

Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Superior do

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 48
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. 13.467/2017 acordo coletivo que prefixou as horas de percurso em troca de

(publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir de inúmeras vantagens.

11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). Eventualmente, pede: limitação do tempo de percurso ao limite

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de convencional; dias efetivamente laborados; não incidência de

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. reflexos, dada a natureza indenizatória; não integração de

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme adicionais de insalubridade/periculosidade; dedução dos valores

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do pagos sob idêntica rubrica (p. 183-197).

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de Não lhe assiste razão.

2018. A empregadora desenvolve atividade rural e, portanto, o local de

prestação de serviços era de difícil acesso, não afastando a

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS inacessibilidade o fato de existir transporte público intermunicipal

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 30/10/2018 - f. 404 - em parte do trajeto, conforme Súmula nº 13 desta Corte.

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 12/11/2018 - f. 330, por A negociação coletiva que afasta o direito às horas in itinere,

meio do Sistema PJe. quando preenchidos os requisitos legais para o percebimento do

Regular a representação, f. 253/256. direito, é nula, conforme reiterada jurisprudência do Tribunal

Satisfeito o preparo (f. 164, 224 e 227, 223 e 226 e 372/373). Superior do Trabalho.

Na verdade, a iterativa jurisprudência do Tribunal Superior do

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS Trabalho admite a validade de acordo que quantifica o tempo in

Duração do Trabalho / Horas in itinere. itinere, desde que observado o princípio da razoabilidade.

Alegação(ões): Considera-se razoável a quantificação que não seja inferior a 50%

- violação ao artigo 7º, XIII, XXVI, da CF; do tempo efetivamente gasto no transporte, nos termos da Súmula

- divergência jurisprudencial. n. 10 deste egrégio TRT da 24ª Região, que assim dispõe:

Sustenta, em suma, que: a) o acórdão impugnado considerou como HORAS IN ITINERE. NEGOCIAÇÃO COLETIVA.

hora itinerária o trecho do percurso realizado em perímetro urbano; AUTODETERMINAÇÃO COLETIVA QUE ENCONTRA LIMITES

b) tempo de percurso urbano em cidade de pequeno porte é NOS PRINCÍPIOS DA RAZOABILIDADE E

considerado de fácil acesso, independente da existência de PROPORCIONALIDADE. Não se reconhece validade de cláusula

transporte público, pois as distâncias são vencidas facilmente por de instrumento normativo de natureza autônoma que estabelece o

qualquer meio de locomoção, inclusive a pé; c) se for considerado pagamento das horas in itinereem parâmetro inferior a 50%

como de fácil acesso a distância percorrida no perímetro urbano, (cinquenta por cento) do tempo de percurso.

apenas parte do percurso seria considerado como de difícil acesso; No caso presente, o tempo médio de transporte colhido da prova

d) a Constituição Federal reconhece os acordos e convenções oral totalizava entre 3h20min diárias, conforme acertadamente

coletivas de trabalho; e) se a Constituição Federal deu plenos sopesado pelo juízo da origem, enquanto o Acordo Coletivo previu o

poderes aos Sindicatos para realizarem livremente a negociação, pagamento de valor médio de 21 minutos para os trabalhadores, o

não cabe ao Poder Judiciário limitá-los; f) os instrumentos coletivos que afasta a razoabilidade da negociação.

que pré-fixam o tempo gasto no transporte dos trabalhadores são Sem razão a ré, outrossim, ao postular que o tempo gasto dentro da

válidos, tendo em vista que foi observada a teoria do cidade não integre as horas de percurso, porque nesse período o

conglobamento. empregado também estava à disposição da empresa em condução

Consta do v. acórdão (f. 261/262): por ela fornecida.

Desse modo, a integralidade do tempo de trajeto deve ser

2.1 - HORAS IN ITINERE computada à jornada do obreiro.

A Juíza da origem considerou inválida a norma coletiva que prefixou Em arremate, o período de percurso é considerado tempo à

o tempo de percurso e deferiu o pagamento de horas in itinere, no disposição do empregador, integra a jornada de trabalho do

importe de 3h20min diários (p. 152-155). empregado e, se extrapolada a jornada normal diária, deve ser

A ré argumenta que: a) parte do trajeto é servido por transporte computado como horas extraordinárias com reflexos, acrescidas,

público intermunicipal; b) o tempo de percurso guarda a devida inclusive, do adicional respectivo (art. 4° da CLT e Súmula n. 90 do

proporcionalidade com o fixado em norma coletiva; c) é válido o TST).

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 49
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Por fim, os demais parâmetros de liquidação não se afastam dispositivo, de modo que a ampliação do alcance da decisão da

daqueles postulados pela recorrente. RCL 22.012 trata-se de ofensa a segurança jurídica e à ordem legal

Nego provimento. vigente; e) aplica-se ao caso, o disposto nos artigos 14 e 1046 do

CPC.

Entendo prudente o seguimento do recurso por possível violação do Pugna pela reforma do acórdão para excluir da condenação o

disposto no artigo 7º, XXVI, da CF. pagamento da correção monetária com base no IPCA-E.

Além disso, a recorrente demonstrou a existência de divergência Sucessivamente, pleiteia a aplicação do IPCA-E apenas no período

apta a ensejar o seguimento do recurso, com a ementa colacionada de 25.3.2015 a 10.11.2017.

à f. 367, proveniente da SBDI-1, no seguinte sentido: Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma

EMBARGOS - HORAS IN ITINERE - NORMA COLETIVA - vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação

LIMITAÇÃO. Acordo Coletivo de Trabalho estabeleceu a limitação infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação,

do pagamento das horas in itinere a 1 (uma) diária. O tempo efetivo não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no

de percurso era de 4 (quatro) horas. Afirma-se a validade da art. 896, alínea "c", da CLT.

cláusula, forte nos artigos 58, §§ 2º e 3º, da CLT, 7º, incisos VI, XIII Segue entendimento firmado por este Tribunal acerca do tema:

e XXVI, e 8º, inciso III, da Constituição da República, pois não se Súmula 23, cuja redação é a seguinte: "ATUALIZAÇÃO

cogita de supressão total do direito. Qualquer discussão em torno MONETÁRIA. INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº

da razoabilidade ou não dos limites traçados em negociação 8.177/1991. 1. É inconstitucional a expressão 'equivalentes à TRD

coletiva é valorativa e FUNDADA EM ARGUMENTOS DE acumulada' constante no art. 39, 'caput', da Lei nº 8.177/91. 2. Por

POLÍTICA e não de princípios. Deve-se privilegiar a racionalidade razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação

da decisão, colocada no plano da Constituição (arts. 7º, VI, XIII e de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para

XXVI, e 8º, III) e da lei ordinária (art. 58, §§ 2º e 3º, da CLT), que atualizar os débitos dos precatórios judiciais (questão de ordem na

autorizam o que foi oletivamente ajustado nos autos, sendo válida a ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa da declaração a

limitação das horas in itinere, que não importou na supressão do 26.03.2015, a partir de quando os débitos trabalhistas deverão ser

direito. Embargos conhecidos e desprovidos." (E-RR-882- atualizados pelo IPCA-E, fator indexador eleito pelo Supremo

54.2010.5.09.0092, SBDI-1, Rel. Min. Aloysio Corrêa da Veiga, DJ Tribunal Federal no julgamento da ADI 4425".

de 8/3/2013). Na hipótese, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula

23 deste Egrégio Tribunal, inexistindo as violações apontadas, o

DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / que inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por divergência

Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da jurisprudencial.

Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária. De qualquer forma, inespecífico o aresto colacionado (f. 369/370),

Alegação(ões): que não aborda todos os fundamentos da r. decisão recorrida

- violação ao art. 879, § 7º da CLT; (Súmula 23/TST).

- violação ao artigo 39 da Lei 8.177/1991. Quanto ao aresto proveniente de Turma do TST, o mesmo é

Sustenta, em síntese, que: a) o TRT prematuramente declarou a inservível ao confronto de teses (CLT, art. 896 e OJ 111/SDI-I/TST).

inconstitucionalidade do art. 879, §7º inserido na CLT pela Lei

13.467/2017, uma vez que o TST já superou referido entendimento, CONCLUSÃO

determinando a aplicação da Lei 13.467/2017 a partir do início de RECEBO o recurso de revista, o fazendo apenas no que tange ao

sua vigência; b) a utilização do IPCA-E como parâmetro para tópico "Duração do Trabalho / Horas in itinere".

atualização na seara trabalhista é uma nítida afronta ao princípio da Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

segurança jurídica, na medida em que colide com o disposto no §7º circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

do art. 879, da Lei 13.467/2017; c) a RCL 22.012 foi proposta Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

anteriormente à edição da Lei 13.467/2017, de modo que seu objeto pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

não discutia a inconstitucionalidade do art. 879, §7º da NCLT, 003, de 16 de fevereiro de 2018.

possuindo fundamentos diversos, que não a nova Lei, para a Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para,

declaração da inconstitucionalidade da TR; d) não houve qualquer querendo, contra-arrazoar no prazo legal.

decisão do STF declarando a inconstitucionalidade do referido

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 50
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Assinatura Satisfeito o preparo (f. 1031, 1031 e 1054/1055 e 1052/1053).

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

NICANOR DE ARAUJO LIMA DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Formação,

Desembargador Federal do Trabalho Suspensão e Extinção do Processo / Extinção do Processo


Decisão Sem Resolução de Mérito / Interesse Processual.
Processo Nº RO-0024312-90.2017.5.24.0021
Relator AMAURY RODRIGUES PINTO Alegação(ões):
JUNIOR
- violação aos artigos 17 e 485, VI, do CPC;
RECORRENTE VALDIR ALVES DE ANDRADE
ADVOGADO ANA KARLA CORDEIRO - violação ao artigo 30 da Lei 9.656/1998.
PASCOAL(OAB: 19060/MS)
Sustenta, em síntese, que: a) o vínculo de emprego perdurou de
RECORRIDO ENERGISA MATO GROSSO DO SUL
- DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. 23.06.92 a 02.03.16; b) a empregadora forneceu serviço de saúde
ADVOGADO GUILHERME ANTONIO
BATISTOTI(OAB: 6756/MS) através de plano de assistência a saúde e hospitalar, sem a

contribuição do empregado, nos 10 últimos anteriores a rescisão


Intimado(s)/Citado(s):
contratual; b) no lapso de tempo entre junho de 1996 a janeiro de
- ENERGISA MATO GROSSO DO SUL - DISTRIBUIDORA DE
ENERGIA S.A. 2007, o serviço de saúde que o empregado foi beneficiário e

efetuou contribuição foi uma prestação da Fundação Enersul,

Programa Enersul Saúde, criada e mantida pelos funcionários; c)

não se aplica a Lei 9.656/1998 aos planos de saúde ativos antes de


PODER JUDICIÁRIO
sua entrada em vigor, conforme seu artigo 35; d) é incontroverso
JUSTIÇA DO TRABALHO
nesta lide de que o reclamante não satisfez a exigência inscrita no
Fundamentação art. 30 da Lei n. 9.656/98, com relação à contribuição para o plano
Recurso de Revista de saúde e por período de 10 anos, sendo o serviço ofertado ao
Recorrente(s): ENERGISA MATO GROSSO DO SUL - empregado e sem ônus; e) é inaplicável o direito postulado pelo
DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. obreiro, para que a empregadora oportunize opção de permanecer
Advogado(a)(s): Guilherme Antonio Batistoti (MS - 6756) no plano de saúde, tendo em vista a ausência de contribuição por
Recorrido(a)(s): VALDIR ALVES DE ANDRADE parte dele.
Advogado(a)(s): Ana Karla Cordeiro Pascoal (MS - 19060) Assim, o reclamante deixa de ter interesse processual e o acórdão

Regional vem afrontar o art. 17 do CPC.


Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade Inviável o seguimento do recurso, uma vez que a Turma não adotou
serão analisados de acordo com os novos parâmetros tese sobre a matéria, à luz dos dispositivos invocados pela
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal recorrente. Ausente o prequestionamento, incide a Súmula
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. 297/TST.
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). Remuneração, Verbas Indenizatórias e Benefícios / Plano de
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de Saúde.
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. Alegação(ões):
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme - violação ao artigo 5º, XXXVI, da CF;
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do - violação aos artigos 30, 31, §6º, e 35 da Lei 9.656/1998;
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de - divergência jurisprudencial.
2018. Sustenta, em síntese, que: a) não se aplica a Lei 9.656/1998 ao

plano de saúde mantido pela Fundação Enersul no período entre


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS junho de 1996 e janeiro de 2007, visto que não foi afetado pela nova
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 10/10/2018 - f. 1056 - legislação e não houve adaptação do referido plano, conforme
Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 22/10/2018 - f. previsto no art. 35 da referida lei; b) a obrigação de manutenção do
1040/1051, por meio do Sistema PJe. convênio médico é dirigida à operadora do plano de saúde, com a
Regular a representação, f. 25/27. qual o autor possui relação de consumo, não se sujeitando a

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 51
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

acionada à Lei 9.656/98, conforme art. 26 da Resolução Normativa integralmente o plano de saúde empresarial coletivo, tem-se que a

n. 279 da ANS e o art. 1º da Resolução n. 19 do Conselho de instituição de coparticipação não teve o condão de afastar o direito

Saúde Suplementar (CONSU); c) no interregno de junho 1996 a adquirido pelo empregado.

janeiro de 2007, o plano de saúde era mantido pela Fundação A propósito, inaplicável o recente posicionamento do STJ, em

Enersul (Enersul Saúde), não guardando nenhuma relação com o decisão proferida em março de 2017, na análise do RESp

vínculo de emprego com a empregadora; d) a partir de fevereiro de 1608346/SP, que afastou o direito à reinclusão no plano de saúde

2007, a empregadora, ora reclamada, firmou com o Bradesco por reputar que coparticipações pontuais por exames e consultas

Saúde, contrato para assistência médica de seus funcionários, não estão aptas a viabilizar a manutenção do plano de saúde.

assumindo o custo da mensalidade, cabendo aos empregados Entretanto, apesar de o autor ter contribuído por mais de 10 anos,

apenas o pagamento de coparticipação quando da utilização, o que não comprovou sua aposentadoria, não estando, assim,

lhe impede o direito em se manter no plano de saúde; e) a enquadrado no art. 31 da Lei 9.656/1998, o qual estabelece o direito

empregadora por mera liberalidade custeia o plano de saúde de irrestrito ao benefício, sem a limitação temporal prevista no art. 30, §

seus empregados, sendo legítimo o seu cancelamento quando da 1º, do mesmo diploma legal.

demissão do empregado, cuja permissão encontramos no art. 30 da Logo, há de se limitar a condenação ao período de 24 meses, pois

Lei 9656/98. se trata de pedido de manutenção por simples rescisão do contrato

Pugna pela reforma do v. acórdão. de trabalho (art. 30, §1º, da Lei 9.656/98), e não de permanência no

Consta no v. acórdão (f. 1029/1030): plano de saúde em razão de jubilação (art. 31 da Lei 9.656/98).

"2.1 - PLANO DE SAÚDE Portanto, dou parcial provimento ao recurso para que seja

O Juiz da origem considerou inviável a manutenção do autor e de determinada a reinclusão ao plano de saúde do autor e de seus

seus dependentes como beneficiários do plano de saúde (p. 996- dependentes, sob suas expensas, pelo lapso temporal de 24 meses

997), decisão da qual se insurge o recorrente aduzindo que: a) foi (art. 30, §1º, da Lei 9.656/98)".

dispensado sem justa causa; b) cumpriu com todos os requisitos A Turma consignou que o autor foi admitido em 23.6.92 e

para continuidade no plano de saúde, inclusive a contribuição por dispensado em 2.3.16, sendo inconteste que o plano de saúde foi

10 anos; c) a ré não lhe ofereceu a opção pela manutenção da ofertado como benefício derivado do contrato de trabalho e que o

condição de beneficiário; d) o plano não era realizado na recorrente contribuiu para a sua manutenção por período superior a

modalidade de coparticipação, haja vista os descontos salariais; e) 10 anos, ou seja, contribuiu até janeiro/2007, conforme norma

laborou por mais de 25 anos na empresa; f) está com processo de coletiva vigente à época. Assentou, ainda, que a ré passou a

aposentadoria especial em trâmite. custear integralmente o plano de saúde somente em fevereiro/2007,

Requer a manutenção vitalícia do plano de saúde (p. 1006-1010). cabendo aos empregados ativos a coparticipação paga quando da

Parcial razão lhe assiste. efetiva utilização, conforme ACT 2006/2007. Concluindo que

O autor foi admitido em 23.6.1992 e dispensado sem justa causa conquanto a partir de 2007 tenha a ré passado a custear

em 2.3.2016 (TRCT de p. 424). integralmente o plano de saúde empresarial coletivo, tem-se que a

Inconteste que o plano de saúde foi ofertado como benefício instituição de coparticipação não teve o condão de afastar o direito

derivado do contrato de trabalho e que o recorrente contribuiu para adquirido pelo empregado.

a sua manutenção por período superior a 10 anos. Desse modo, reconheceu-se o direito do reclamante de se manter

Compulsando os holerites adunados, verifica-se que, até janeiro de no plano de saúde, com o custeio integral, pelo período de 24

2007, houve descontos mensais nas folhas de pagamento do meses, nos termos do art. 30, §1º, da Lei 9.656/98.

trabalhador (v.g. 176-201, rubrica "assistência médica"), conforme a Quanto a tese de que não se aplica a Lei 9.656/1998 ao caso e

norma coletiva vigente à época (cláusula décima primeira, ACT demais alegações, inviável o seguimento do recurso, uma vez que a

1998, p. 515-516). Turma não adotou tese explícita sobre a matéria, à luz dos

Já em fevereiro de 2007, por meio do ACT 2006-2007, a ré passou dispositivos invocados pela recorrente. Ausente o

a pagar o plano de saúde aos seus funcionários e respectivos prequestionamento, incide a Súmula 297/TST.

dependentes, cabendo aos empregados ativos a coparticipação Registre-se, ademais, que não se admite o reexame de fatos e

paga quando da efetiva utilização (cláusula décima sétima, p. 583- provas no recurso de revista, nos termos da Súmula 126/TST.

584). Inespecíficos os arestos colacionados, que não abordam todos os

Ora, conquanto a partir de 2007 tenha a ré passado a custear fundamentos da r. decisão recorrida (Súmula 23/TST).

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 52
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

CONCLUSÃO 2018.

DENEGO seguimento ao recurso de revista.

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 19/12/2018 - f. 255 -

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 28/01/2019 - f. 250-

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 253, por meio do Sistema PJe.

003, de 16 de fevereiro de 2018. Regular a representação, f. 18.

Publique-se e intime-se. Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme

f. 201.

Assinatura

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Duração do Trabalho / Horas in itinere

NICANOR DE ARAUJO LIMA Alegação(ões):

Desembargador Federal do Trabalho - contrariedade à Súmula 90, I, do TST;


Decisão - violação ao artigo 7º, XXVI, da CF;
Processo Nº RO-0024538-32.2016.5.24.0021
Relator RICARDO GERALDO MONTEIRO - violação aos artigos 4º e 58, § 2º, da CLT;
ZANDONA
- divergência jurisprudencial.
RECORRENTE SEARA ALIMENTOS LTDA
ADVOGADO ELISIO VITOR FIGUEIREDO Sustenta que: a) restou incontroverso nos autos que, de abril/2014 a
JUNIOR(OAB: 110584/MG)
setembro/2015, a reclamante residiu na cidade de Itaporã/MS, bem
RECORRIDO EDINEIA ALVES DA SILVA
ADVOGADO RUBENS DARIU SALDIVAR como se deslocava de casa para o trabalho e vice-versa em
CABRAL(OAB: 17895/MS)
condução fornecida pela Recorrida; b) mesmo havendo transporte

Intimado(s)/Citado(s): regular, e ainda que seja local de fácil acesso, o que não é o caso, o

- EDINEIA ALVES DA SILVA tempo despendido pela reclamante era exercido em função da

empresa/reclamada, fato que deve ser considerado para computo

da jornada de trabalho (Enunciado 90 do TST); c)

Requer a reforma com vistas à declaração de ilicitude dos


PODER JUDICIÁRIO
descontos efetuados e reconhecimento do direito ao pagamento
JUSTIÇA DO TRABALHO
para a Recorrente de 2h extras por dia, até 14.05.2015 a título de
Fundamentação horas in itinere.
Recurso de Revista A insurgência encontra-se desfundamentada, porquanto a
Recorrente(s): EDINEIA ALVES DA SILVA recorrente não se reporta aos pressupostos específicos do recurso
Advogado(a)(s): CÁSSIA DOS SANTOS MARTINS (MS - 19450) de revista, nos termos do art. 896 da CLT.
Recorrido(a)(s): SEARA ALIMENTOS LTDA Dispõe o artigo 896, §1º-A, I, da CLT, com redação dada pela Lei n.
Advogado(a)(s): ELISIO VITOR FIGUEIREDO JUNIOR (MG - 13.015/2014:
110584) "Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:
Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o
serão analisados de acordo com os novos parâmetros prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista;
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal (omissis)"
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. No caso, a parte recorrente, quanto ao capítulo em tela, não
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir transcreveu, "in litteris", o trecho da decisão recorrida que
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). consubstancia o prequestionamento da controvérsia objeto do
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de recurso de revista, ou indicou, topograficamente, a localização da
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. parte da decisão que se pretende modificar, o que impede a exata
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme verificação da questão controvertida.
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do Frisa-se que o trecho trazido pelo recorrente, a saber, o dispostivo

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 53
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

da decisão, não é suficiente para ultrapassar o obstáculo processual estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

verificado, pois não abarca os fundamentos do capítulo, Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

imprescindível ao cotejo analítico entre o decidido pela Turma e a 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

argumentação trazida pela recorrente. de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

CONCLUSÃO decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

DENEGO seguimento ao recurso de revista. 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado 2018.

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

003, de 16 de fevereiro de 2018. PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Publique-se e intime-se. Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 22/10/2018 - f. 197 -

Assinatura Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 01/11/2018 - f. 167, por

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 meio do Sistema PJe.

Regular a representação, f. 79.

NICANOR DE ARAUJO LIMA Isento de preparo (CLT, art. 790-A e DL 779/69, art. 1º, IV).

Desembargador Federal do Trabalho


Decisão PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
Processo Nº AP-0000040-39.2010.5.24.0001
Relator ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Atos
AGRAVANTE JOAO BOSCO DE SOUZA BARROS Processuais / Nulidade / Negativa de prestação jurisdicional.
ADVOGADO LUCIANA DE CASTRO RAMOS(OAB:
9225/MS) Alegação(ões):
AGRAVADO ENGEMAR ENGENHARIA E - violação aos artigos 5º, LIV e LV e 93, IX da CF;
CONSTRUCAO LTDA - ME
ADVOGADO ZOROASTRO COUTINHO - violação aos artigos 11, 489 e 1022 do CPC.
NETO(OAB: 8155/MS)
Alega, em suma, que por expressa disposição constitucional, a
AGRAVADO ANTONIO CARLOS RAYSARO
AGRAVADO CARLOS MITCOU decisão judicial deve ser fundamentado e, por essa razão, o

acórdão deve ser anulado para ser proferida nova decisão,


Intimado(s)/Citado(s):
devidamente fundamentada "para se ter respeito irrestrito as balizas
- JOAO BOSCO DE SOUZA BARROS
constitucionais e legais que permeiam os julgamentos do Poder

Judiciário".

Pleiteia a nulidade do acórdão.


PODER JUDICIÁRIO Neste tópico, a insurgência encontra-se desfundamentada,
JUSTIÇA DO TRABALHO porquanto a recorrente não se reporta aos pressupostos específicos

do recurso de revista, nos termos do art. 896 da CLT.


Fundamentação
Com efeito, dispõe o artigo 896, §1º-A, da CLT que:
Recurso de Revista
Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:
Recorrente(s): 1. JOAO BOSCO DE SOUZA BARROS
(...)
Advogado(a)(s): 1. LUCIANA DE CASTRO RAMOS (MS - 9225)
IV - transcrever na peça recursal, no caso de suscitar preliminar de
Recorrido(a)(s): 1. ENGEMAR ENGENHARIA E
nulidade de julgado por negativa de prestação jurisdicional, o trecho
CONSTRUCAO LTDA - ME
dos embargos declaratórios em que foi pedido o pronunciamento do
2. ANTONIO CARLOS RAYSARO
tribunal sobre questão veiculada no recurso ordinário e o trecho da
3. CARLOS MITCOU
decisão regional que rejeitou os embargos quanto ao pedido, para
Advogado(a)(s): 1. ZOROASTRO COUTINHO NETO (MS -
cotejo e verificação, de plano, da ocorrência da omissão.
8155)
Não preenchido, portanto, pressuposto específico do recurso de

revista, inviável o seu prosseguimento.


Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

serão analisados de acordo com os novos parâmetros

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 54
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

ADVOGADO Joise Maira Bearari Ramos(OAB:


DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / 6553/MS)
ADVOGADO Enildo Ramos(OAB: 7425/MS)
Liquidação/Cumprimento/Execução / Extinção da Execução.

Alegação(ões): Intimado(s)/Citado(s):
- violação ao art. 5º, XXXVI da CF; - ALTAIR ALVES SANTOS
- contrariedade à Súmula 114 do C. TST; - BIOSEV S.A.

- divergência jurisprudencial.

Sustenta a não aplicação da prescrição intercorrente no processo

do trabalho, pois: a) afronta a intangibilidade da coisa julgada; b) é PODER JUDICIÁRIO


corrente no Tribunal Superior do Trabalho que é obrigação do juiz JUSTIÇA DO TRABALHO
impulsionar a execução de ofício; c) foi declarada a extinção da
Fundamentação
execução em relação ao crédito alimentar, entretanto, não foi
Recurso de Revista
oportunizado que impulsionasse a execução; d) envidou esforços
Recorrente(s): BIOSEV S.A.
para localizar bens do devedor para a garantia de seu crédito; e)
Advogado(a)(s): Leonardo Santini Echenique (MS - 14642-A)
não foi observado o disposto na Súmula 12 do TRT/24ª Região.
Recorrido(a)(s): ALTAIR ALVES SANTOS
Nos termos do art. 896, § 2º da CLT, somente caberá recurso de
Advogado(a)(s): Enildo Ramos (MS - 7425)
revista, em processo de execução, por ofensa direta e literal de

norma da Constituição Federal. Portanto, inviável a pretensão do


Destaque-se, inicialmente, o entendimento firmado por este Tribunal
exequente quanto à análise de divergência jurisprudencial,
acerca de temas objeto do recurso:
legislação infraconstitucional e súmula.
Súmula nº 10: "Horas 'in itinere'. Negociação coletiva.
A afronta a dispositivo da Constituição Federal, autorizadora do
Autodeterminação coletiva que encontra limites nos princípios
conhecimento do recurso de revista, é aquela que se verifica de
da razoabilidade e proporcionalidade. Não se reconhece
forma direta e literal, nos termos do artigo 896, alínea "c", da
validade de cláusula de instrumento normativo de natureza
Consolidação das Leis do Trabalho, sendo indispensável, portanto,
autônoma que estabelece o pagamento das horas 'in itinere' em
que trate especificamente da matéria discutida.
parâmetro inferior a 50% (cinquenta por cento) do tempo de
Inviável, portanto, o seguimento do presente recurso.
percurso."

Súmula nº 13: "A existência de linha de ônibus intermunicipal


CONCLUSÃO
ou interestadual não elide o direito à percepção das horas 'in
DENEGO seguimento ao recurso de revista.
itinere'."
Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício
Súmula nº 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.
circular SEGJUD/TST n. 051/2014.
INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.
Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado
É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD
pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.
acumulada" constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91. 2.
003, de 16 de fevereiro de 2018.
Por razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a
Publique-se e intime-se.
modulação de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal

Federal para atualizar os débitos dos precatórios judiciais


Assinatura
(questão de ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019
da declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos

trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator


NICANOR DE ARAUJO LIMA
indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento
Desembargador Federal do Trabalho
da ADI 4425".
Decisão
Processo Nº RO-0024609-81.2017.5.24.0091 Registre-se que os pressupostos de admissibilidade serão
Relator RICARDO GERALDO MONTEIRO
ZANDONA analisados de acordo com os novos parâmetros estabelecidos pela
RECORRENTE BIOSEV S.A. Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Superior do
ADVOGADO LEONARDO SANTINI
ECHENIQUE(OAB: 14642-A/MS) Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. 13.467/2017
RECORRIDO ALTAIR ALVES SANTOS (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir de

11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 55
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de válidas porque efetivamente não contêm vantagens recíprocas, as

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. empresas de grande porte não podem negociar coletivamente as

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme horas de percurso e o tempo de percurso pactuado não alcança

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do 50% do tempo real de deslocamento, e que não havia transporte

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de público coletivo que atendesse de modo regular e suficiente o local

2018. de trabalho.

Pretendendo a exclusão da condenação, a recorrente sustenta que:

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS a) as horas de percurso não são devidas porque o reclamante

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 01/10/2018 - f. 709 - exercia cargo de confiança (coordenador - a partir de agosto/2014)

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 15/10/2018 - f. 643, por e confessou que utilizava veículo fornecido pela empresa e quando

meio do Sistema PJe. trabalhou como "líder industrial" residia na agrovila da usina (até

Regular a representação, f. 46. novembro/2013), portanto, sem necessidade de se deslocar;

Satisfeito o preparo (f. 509, 568, 566 e 678). b) o tempo de deslocamento de Maracaju/MS até a Unidade

Maracaju (51 km) era de 67 minutos, sendo que, dos 51 km, 33 km

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS são de estrada de terra e percorridos em 44 minutos;

Duração do Trabalho / Horas in itinere / Supressão / Limitação c) há transporte intermunicipal (Viação Cruzeiro do Sul Ltda.) no

por Norma Coletiva. trecho entre o pátio da indústria e a rodovia e o transporte

Alegação(ões): intermunicipal ou interestadual não foram excluídos pelo art. 58, §

- contrariedade à Súmula 90, III e IV, do Colendo TST; 2º, da CLT;

- violação aos artigos 5º, II, XXXVI e 7º, XXVI, da CF; d) em velocidade média de 60km/h, o tempo real no trajeto é de 51

- violação aos artigos 58, §2º e 62, II, da CLT; minutos, sendo 33 minutos entre o pátio da empresa e a rodovia; ou

- divergência jurisprudencial. 36 minutos, se considerarmos velocidade média de 55km/h;

Sustenta, em síntese, que: a) o reclamante residia na agrovila até e) o tempo prefixado na norma coletiva 1h20min/dia para

novembro de 2013, diante disso, não se deslocava com o transporte trabalhadores da indústria e 1h35min para os trabalhadores da área

da reclamada; b) a partir de agosto de 2014 o autor passou a agrícola guarda proporcionalidade com o tempo real de

exercer cargo de confiança, o que perdurou até a rescisão deslocamento, em média, 72 minutos, ou seja, 1h12min;

contratual, sendo indevido o recebimento de horas in itinere; c) o f) deve prevalecer a pactuação coletiva sobre o direito individual

tempo de percurso efetivamente gasto, no trajeto não servido por tendo como suporte o art. 7º, XXVI, da CF;

transporte púbico, em média, é de 72 minutos, ou 1h12min, ida e h) prequestiona os arts. 5º, XXXVI, e 7º, XXVI, da CF e a

volta, guardando proporcionalidade com o período fixado no Repercussão Geral - Recurso Extraordinário, processo n°. 590.415-

instrumento normativo (ACT 2013/2015), qual seja, de 1h20min/dia SC/STF.

para os trabalhadores da indústria e de 1h35min para os Dados contratuais: admissão em 14.01.2003 e dispensa em

trabalhadores da área agrícola; d) deve prevalecer a pactuação 12.09.2016 (TRCT - f. 375). Prescrição de direitos anteriores a

coletiva sobre o direito individual tendo como suporte o art. 7º, XXVI, 09.06.2012 (sentença - f. 494).

da CF; e) não é devido o pagamento de horas in itinere no trecho Registra-se que a Lei 13.467/2017 alterou o art. 58, § 2º, da CLT

que é servido por transporte público regular. para prever expressamente que o tempo de percurso não será

Pretende a exclusão dessa condenação. computado na jornada. Contudo, sua vigência iniciou-se em

Consta no v. acórdão (f. 576/579): 11.11.2017, sendo vedada a retroação.

Funções exercidas no período imprescrito: - "líder industrial" e

"2.1 - HORAS IN ITINERE E REFLEXOS "coordenador produção industrial" a partir de 1º.08.2014 (f. 158).

Determinou-se a integração das horas in itinere (3h20min/dia) à Segundo o reclamante, eram gastos 2h no trecho de ida e 2h na

jornada de trabalho com pagamento do tempo que ultrapassar o volta (4h/dia - f. 06), batendo o cartão na frente de trabalho quando

horário contratual com acréscimo de 50% (7h20min/dia ou laborou no turno A e na usina quando trabalhou nos turnos B e C.

44h/semanal) e pagamento de forma simples quando não exceder a Em sua defesa, a reclamada alegou que a partir de agosto/2014 o

jornada contratual. Foram deferidos reflexos. reclamante exerceu cargo de confiança, o que afasta o direito às

Consignou-se que as normas coletivas quanto ao tema não são horas de percurso (f. 122), e quando laborou como líder industrial,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 56
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

residiu até novembro/2013 na agrovila da usina e não havia tempo de percurso mediante autodeterminação coletiva é válida,

necessidade de se deslocar (f. 123-124). Afirma que há transporte admitindo-se os parâmetros definidos pelos entes coletivos, desde

público da empresa Viação Cruzeiro do Sul até a rodovia que dá que a prefixação alcance o parâmetro objetivo de 50% entre a

acesso à usina e que o tempo gasto no trecho não servido por duração do percurso e o tempo limitado pela norma coletiva,

transporte público é de 44 minutos (f. 124). consoante Súmula 10 deste TRT.

Os requisitos prescritos no art. 58, § 2º, da CLT (na redação da No caso, o ACT 2012/2013 estabelece que o tempo de percurso

antiga Lei nº 10.243/2001) que ensejam o direito às horas in itinere não é computado na jornada de trabalho concedendo em

são o fornecimento de transporte pelo empregador e o local de contrapartida outros benefícios (cláusula 34ª - f. 403-403).

difícil acesso ou não servido por transporte público. Inexistindo prova de que esses benefícios correspondem ao

No caso, discutem-se a existência de transporte público, o tempo beneficio suprimido, a cláusula é nula.

despendido no percurso e a validade das cláusulas coletivas que O ACT 2013/2015 (cláusula 34ª - f. 442-443) pré-fixou o tempo de

dispuseram acerca das horas in itinere. percurso em aproximadamente 50% do efetivamente gasto (ao

Quanto ao transporte público, a reclamada refere-se a transporte estabelecê-lo em 1h12 ou 1h20 por dia de trabalho). Contudo,

intermunicipal, sem as mesmas características do transporte excluiu pelo menos mais uma hora, a fim de se pagar apenas 12 ou

urbano. 20 minutos diários. Ou seja, para efeitos de cômputo na jornada, a

Conforme Súmula 13 deste TRT, a existência de linha de ônibus redução não foi apenas de 50%.

intermunicipal ou interestadual, por si só, não elide o direito às A prefixação, portanto, não alcança o parâmetro objetivo (Súmula

horas itinerárias, pois a mens legis se refere a transporte público 10 deste Regional).

urbano, cujo valor da passagem é mais acessível e a forma de Os ACTs 2015/2016 e 2016/2017 estabelecem o fornecimento de

acesso simplificada. transporte gratuito (cláusula 48ª - f. 448 e 470, respectivamente).

A possibilidade de concessão de vale-transporte para linhas A cláusula que suprime o direito às horas in itinere é inválida, uma

intermunicipais e interestaduais, prevista na Lei 7.418/85, não altera vez que a autonomia de vontade coletiva não pode ser ilimitada a

essa conclusão. Com efeito, referido diploma legal apenas o permite ponto de contrariar disposição legal que confere direito ao

quando as características sejam semelhantes às do urbano (art. 1º), trabalhador, entendimento pacificado no TST, podendo ser

tal como ocorre em algumas regiões metropolitanas. Hipótese que declarada nula incidentalmente pelo magistrado quando violar o

não se verifica no caso. ordenamento jurídico.

Portanto, o caso não é de insuficiência, mas de inexistência de Pelo exposto, as horas in itinere são devidas, inclusive no período

condução pública, não havendo falar em limitação ao trecho não em que o reclamante exerceu a função de "coordenador", pois,

servido por transporte coletivo. embora admita que o deslocamento era feito em veículo leve, a

Quanto ao tempo de percurso, a prova testemunhal permite afirmar reclamada não trouxe aos autos informações que permitam aferir o

que era de 1h40min, considerando que a testemunha obreira tempo real de percurso com o veículo leve, como por exemplo o

afirmou que seu ponto de partida ficava 3 quadras de distância do número e tempo de paradas do ônibus para a subida de

ponto do reclamante, o que justificava a diferença de 10/15 minutos trabalhadores e a autonomia do veículo ocupado pelo obreiro em

entre o deslocamento de um e de outro, e que o tempo gasto no confronto com a autonomia do veículo pesado (ônibus). Também

trecho era de 1h45min/1h50min (o reclamante afirmou 1h40min em não há prova de que o reclamante residia na agrovila.

seu depoimento - f. 486 - item 6). O prequestionamento é desnecessário diante da adoção de tese

A testemunha patronal, Edimar Cesar Fetsch, informou tempo de explícita no acórdão.

deslocamento de 1h20min/1h25min, portanto, não comprova o Recurso não provido."

tempo indicado pela empresa (44 minutos).

Não há falar em desconsideração do tempo gasto no perímetro A Turma considerando que a empresa se encontra situada em local

urbano, tendo em vista não comprovada a existência de transporte de difícil acesso, não existe transporte público municipal, mas

público municipal compatível com os horários de trabalho do apenas intermunicipal, bem como inválidas as normas coletivas por

reclamante, ainda que em parte do trecho. não observarem o princípio da razoabilidade, manteve o

Por conseguinte, a sentença é mantida quanto ao tempo de deferimento de horas "in itinere".

percurso: 1h40min por trecho, ou seja, 3h20min por dia. Entendo prudente o seguimento do recurso por possível violação do

Quanto à validade das normas coletivas, é certo que a fixação do disposto no artigo 7º, XXVI, da CF.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 57
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

prevalecer a utilização do IPCA como índice de correção monetária,

Duração do Trabalho / Horas Extras / Cargo de confiança sob pena de violação ao artigo 5º, II da CF c/c artigo 879, § 7º, da

Duração do Trabalho / Intervalo Intrajornada CLT, bem como ao artigo 39 da lei n° 8.177/91 e OJ 300 do C. TST,

Duração do Trabalho / Repouso Semanal Remunerado e e comprovada divergência jurisprudencial.

Feriado A Turma consignou (f. 583):

Duração do Trabalho / Sobreaviso/Prontidão/Tempo à

disposição "2.3 - CORREÇÃO MONETÁRIA - IPCA-E

Alegação(ões): Determinou-se a correção monetária mediante aplicação da TR e, a

- violação ao artigo 5º, II, da CF; partir de 26.03.2015, do IPCA-E.

- violação ao artigo 62, II, da CLT; A reclamada alega que deve ser aplicada apenas a TR, pois o STF,

- divergência jurisprudencial. em decisão liminar, suspendeu a adoção do IPCA-E para correção

Sustenta, em síntese, que: a) restou demonstrado nos autos o alto dos créditos trabalhistas. Prequestiona o art. 5º, II, da CF, art. 879

padrão salarial do recorrido, que era superior ao de seus da CLT (incluído pela Lei 13.467/2017), o art. 39 da Lei n° 8.177/91

subordinados (confesso cerca de 30 subordinados), ausência de e OJ 300 da SBDI/TST.

controle de jornada, liberdade na organização de sua jornada e A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) julgou

poder de gestão; b) em depoimento pessoal, o recorrido confessou improcedente, na sessão realizada em 05/12/2017, a Reclamação

que não permanecia de sobreaviso, mas tão somente com o celular (RCL) 22012, ajuizada pela Federação Nacional dos Bancos

ligado para resolver futuros problemas, caso surgissem, em razão (Fenaban) contra decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST)

do cargo que exercia, ou seja, de confiança. que determinou a adoção do Índice de Preços ao Consumidor

Requer a reforma, com a exclusão das condenações impostas. Amplo Especial (IPCA-E) no lugar da Taxa Referencial Diária (TRD)

Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma para a atualização de débitos trabalhistas. Prevaleceu o

vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação entendimento de que a decisão não configura desrespeito ao

infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação, julgamento do STF nas Ações Diretas de Inconstitucionalidade

não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no (ADI) 4357 e 4425, que analisaram a emenda constitucional sobre

art. 896, "c", da CLT. precatórios.

No caso, a Turma afastou o enquadramento do reclamante no Ressalta-se que a Lei nº 13.467/2017, com vigência a partir de

exercício de cargo com poderes típicos de gestão previsto no art. 11/11/2017, inseriu o art. 879, § 7º, da CLT, passando a determinar

62, parágrafo único, da CLT, entendendo que a reclamada não a atualização dos créditos decorrentes de condenação judicial pela

demonstrou o exercício dos poderes típicos de encargos de gestão, Taxa Referencial.

bem como a percepção de salário igual ou superior em 40% ao do Assim, embora entenda aplicável ao caso, em razão do princípio da

cargo efetivo. colegialidade, ressalvo entendimento para observar a Súmula 23

Nesse diapasão, para acolhimento da pretensão recursal seria deste Regional, a qual dispõe que o IPCA-E é o índice de

necessário o reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na atualização a partir de 26.03.2015.

Súmula 126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por Recurso não provido."

divergência jurisprudencial.

A recorrente demonstrou a existência de divergência apta a ensejar

DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / o seguimento do recurso, com o aresto transcrito à f. 648,

Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da proveniente do E. TRT/1ª Região, no seguinte sentido:

Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária.

Alegação(ões): "112000358774-ATUALIZAÇÃO DE CRÉDITO TRABALHISTA -

- contrariedade à OJ 300, da SBDI-1 do TST; IPCA - NÃO APLICAÇÃO - Em razão da decisão plenária do TST

- violação aos artigos 5º, II, da CF; na ArInc-479-60.2011.5.04.0231, do dia 04/08/2015, o Conselho

- violação aos artigo 879, §7º, da CLT; Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) disponibilizou uma nova

- violação ao artigo 39, da Lei 8.177/1991; tabela de atualização monetária de débitos trabalhistas, adotando o

- divergência jurisprudencial. Índice de Preços ao Consumidor Amplo-Especial (IPCA-E). A

Alega que a correção deve ser efetuada pela TR, não podendo adoção desse novo índice se deu em substituição à Taxa

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 58
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Referencial (TR), pois o TST declarou inconstitucional a atualização Advogado(a)(s): HELEN CRISTINA CABRAL FERREIRA (MS -

dos valores pela TR, índice previsto no artigo 39 da Lei nº 8.117/91. 11782)

Entretanto, em 14/10/2015, o Ministro do Supremo Tribunal Federal

Dias Toffoli deferiu liminar na Reclamação Constitucional 22.012 Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

MC/RS que suspende os efeitos da decisão do TST e da "tabela serão analisados de acordo com os novos parâmetros

única" editada pelo CSJT, prevalecendo, atualmente, o critério estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

previsto na Lei nº 8.117/91. Assim, mantém-se a TR como índice de Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

atualização de valores." (TRT-01ª R. - RO 0011474- 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

58.2015.5.01.0302 - 2ª T. - Rel. Jose Geraldo da Fonseca - DOERJ de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

08.07.2016)" Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

CONCLUSÃO 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

RECEBO, em parte, o recurso de revista. solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. 2018.

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

003, de 16 de fevereiro de 2018. Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 29/08/2018 - f. 146 -

Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para, Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 04/09/2018 - f. 141, por

querendo, contra-arrazoar no prazo legal. meio do Sistema PJe.

Regular a representação, f. 53.

Assinatura Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 f. 131/132.

NICANOR DE ARAUJO LIMA PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Desembargador Federal do Trabalho Rescisão do Contrato de Trabalho / Reintegração/Readmissão


Decisão ou Indenização / Gestante
Processo Nº RO-0025060-67.2017.5.24.0007
Relator ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA Alegação(ões):
RECORRENTE WEBTECH - SOFTWARES E - violação ao artigo 5º, II, da CF;
SERVICOS LTDA - EPP
ADVOGADO RAFAEL FERNANDES MARQUES - violação ao artigo 10, alínea "b", do ADCT da CF.
VALENTE(OAB: 37410/DF)
Sustenta, em síntese, que: a) não se pode desvencilhar a aplicação
RECORRIDO LUCIANA TORRES ASSUNCAO
ADVOGADO HELEN CRISTINA CABRAL da Súmula 244, III, do TST da mens legis do artigo 10º, II, b, do
FERREIRA(OAB: 11782/MS)
ADCT que, na origem, ensejou sua edição; b) a proteção esperada

Intimado(s)/Citado(s): pela disposição constante no ADCT cinge-se ao óbice quanto a

- WEBTECH - SOFTWARES E SERVICOS LTDA - EPP preterição da colaboradora em face de seu estado gravídico, ou

seja, em face de uma situação que, naturalmente, ensejará a queda

de produção e a difícil recolocação no mercado, reduzindo seus

ganhos financeiros. Porém, quando a colaboradora sabe a data de


PODER JUDICIÁRIO
início e de fim de sua vigência contratual, isto é, do período em que
JUSTIÇA DO TRABALHO
estará recebendo valores em troca dos serviços prestados, cabe a
Fundamentação ela o planejamento correto de suas finanças, não cabendo ao
Recurso de Revista empregador arcar com o ônus financeiro das escolhas por ela
Recorrente(s): WEBTECH - SOFTWARES E SERVICOS LTDA tomadas; c) atribuir à Recorrente o ônus financeiro das escolhas
Advogado(a)(s): RAFAEL FERNANDES MARQUES VALENTE tomadas pela Reclamante transcende a obrigação assumida com a
(DF - 37410) promulgação da CF/88 e viola seu art. 5º, inciso II, na medida em
Recorrido(a)(s): LUCIANA TORRES ASSUNCAO que lhe impõe uma obrigação não prevista em lei.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 59
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

A Turma manteve a sentença de origem que deferiu à autora a


PODER JUDICIÁRIO
garantia de emprego em razão de seu estado gravídico, sob o
JUSTIÇA DO TRABALHO
fundamento de que foi 'proferida em consonância com a

jurisprudência pacificada do C. TST nos termos do item III da Fundamentação

Súmula 244 - "A empregada gestante tem direito à estabilidade Recurso de Revista

provisória prevista no art. 10, inciso II, alínea "b", do Ato das Recorrente(s): EDNO GUEVARA DA SILVA

Disposições Constitucionais Transitórias, mesmo na hipótese de Advogado(a)(s): CLERISTON YOSHIZAKI (MS - 14397)

admissão mediante contrato por tempo determinado' (f. 130). Recorrido(a)(s): SEARA ALIMENTOS LTDA

A decisão está em sintonia com a Súmula 244, III, do TST, o que Advogado(a)(s): ELISIO VITOR FIGUEIREDO JUNIOR (MG -

inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por dissenso 110584)

jurisprudencial (Súmula 333/TST).


Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

CONCLUSÃO serão analisados de acordo com os novos parâmetros

DENEGO seguimento ao recurso de revista. estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

003, de 16 de fevereiro de 2018. decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

Publique-se e intime-se. 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

Assinatura OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 2018.

NICANOR DE ARAUJO LIMA PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Desembargador Federal do Trabalho Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 04/12/2018 - f. 703 -

Decisão Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 14/12/2018 - f. 667-


Processo Nº RO-0024214-73.2015.5.24.0022
673, por meio do Sistema PJe.
Relator AMAURY RODRIGUES PINTO
JUNIOR Regular a representação, f. 23.
RECORRENTE SEARA ALIMENTOS LTDA
Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme
ADVOGADO ELISIO VITOR FIGUEIREDO
JUNIOR(OAB: 110584/MG) f. 454.
RECORRENTE EDNO GUEVARA DA SILVA
ADVOGADO MAYRA RIBEIRO GOMES(OAB:
14032/MS) PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
ADVOGADO CLERISTON YOSHIZAKI(OAB:
14397/MS) Remuneração, Verbas Indenizatórias e Benefícios / Adicional /
RECORRIDO EDNO GUEVARA DA SILVA Adicional de Periculosidade
ADVOGADO MAYRA RIBEIRO GOMES(OAB:
14032/MS) Alegação(ões):
ADVOGADO CLERISTON YOSHIZAKI(OAB: - contrariedade à OJ 172, da SBDI-1, do TST;
14397/MS)
RECORRIDO SEARA ALIMENTOS LTDA - violação aos artigos 323 e 505, do CPC;
ADVOGADO ELISIO VITOR FIGUEIREDO - divergência jurisprudencial
JUNIOR(OAB: 110584/MG)
Sustenta que: a) o acordão regional, sem qualquer justificativa ou
Intimado(s)/Citado(s): fundamento, limitou-se a dar provimento às parcelas vincendas ou
- EDNO GUEVARA DA SILVA
que vencerem no curso da ação apenas em relação às horas
- SEARA ALIMENTOS LTDA
extras, no entanto, também em relação as demais parcelas

deferidas e reconhecidas são cabíveis a condenação das parcelas

vincendas ou a que se vencerem no curso da ação; b) as horas

extras, assim como o adicional de periculosidade na relação de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 60
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

emprego são obrigações continuativas e sucessivas, não havendo juízo, relatou como caracterizada a periculosidade no ambiente

justificativa para incluir uma e excluir outra; c) se a empresa laboral durante o período imprescrito. Concluiu o expert que:

condenada ao pagamento do adicional de periculosidade deverá "Em relação ao adicional de Periculosidade, o Reclamante faz jus

inserir, mês a mês, o valor correspondente, por muito mais motivos ao recebimento de 30% do salario base da categoria durante o

e fundamentos as parcelas vincendas e vencidas no curso da ação período que exerceu atividades de Operador de Empilhadeira no

merecem ser incluídas. período imprescrito (25/02/2010 a Ativa), onde sempre efetua a

Requer a reforma, para que sejam deferidas todas as parcelas troca de baterias da Empilhadeira, visto que adentra em área de

deferidas vincendas e as que vencerem no curso da ação, tal como risco duas vezes durante sua jornada, ali permanecendo por

adicional de periculosidade. aproximadamente cinco minutos cada troca, conforme

A Turma consignou: esclarecimento constantes letra H do Laudo." (p. 411-412, grifa-se).

"2.1.4 - PARCELAS VINCENDAS Evidente, portanto, as condições perigosas no ambiente de trabalho

A Juíza da origem limitou a condenação entre o período imprescrito do autor e a inexistência de elementos nos autos aptos a infirmar tal

e a data do ajuizamento da ação (p. 453). assertiva (v.g. o fato de o autor seguir os procedimentos adequados

Sustenta o autor que a ré não foi condenada ao pagamento das para a troca de bateria).

parcelas vincendas. Requer que as verbas deferidas sejam Nego provimento".

limitadas até o início da execução do presente, por se tratar de

contrato de trabalho em curso (p. 567). A recorrente demonstrou a existência de divergência apta a ensejar

Com razão. o seguimento do recurso, com a ementa colacionada à f. 671,

In casu, a ré foi condenada ao pagamento de horas extras, bem proveniente da SBDI-1, do TST, no seguinte sentido:

como ao tempo destinado ao preparo.

Em se tratando de relação jurídica continuativa, perfeitamente "RECURSO DE EMBARGOS REGIDO PELA LEI 11.496/2007.

cabível o deferimento de verbas vincendas. CONDENAÇÃO EM PARCELAS VINCENDAS. HORAS EXTRAS E

Ademais, a situação fática que amparou o deferimento do pedido de ADICIONAL NOTURNO. ART. 290 DO CPC. POSSIBILIDADE. Nos

horas extras (invalidade do acordo de compensação) autoriza a termos dos artigos 290 e 471, I, do CPC é possível que a

condenação ao pagamento de horas suplementares em parcelas condenação ao pagamento de verbas trabalhistas, tais como horas

vincendas, por se tratar de prestações sucessivas (OJ 172 da SBDI- extras e adicional noturno, contemple parcelas futuras. O fato de o

1 do TST). pagamento estar condicionado à efetiva ocorrência de labor em

Portanto, dou provimento ao recurso do autor para condenar a ré ao condições que justificam a remuneração diferenciada (como é o

pagamento das parcelas vincendas de horas extras, conforme caso da sobrejornada ou do período noturno) não impede o

parâmetros fixados na origem. deferimento das parcelas vincendas, na medida em que, sobrevindo

Para a apuração do seu quantitativo, observar-se-ão os controles de modificação na situação fática, poderá o empregador pedir a revisão

pontos e holerites apresentados por ocasião da execução. da decisão. Do contrário, o trabalhador, além de já haver sofrido

(...) lesão aos seus direitos trabalhistas em razão do descumprimento

2.2.1 - ADICIONAL DE PERICULOSIDADE perpetrado pelo empregador, ainda estaria obrigado a ajuizar

A Juíza da origem condenou a ré ao pagamento do adicional de sucessivas demandas para buscar o cumprimento de obrigação

periculosidade, com base na conclusão pericial (p. 448). trabalhista fundada numa mesma situação fática, embora relativa a

Sustenta a ré que: a) o perito afirmou que o autor seguia os período diverso. Essa circunstância configuraria afronta aos

procedimentos para a troca de bateria; b) em outros processos, há princípios da razoabilidade e da economia processual. Não por

laudos periciais que ratificam que as condições de trabalho não outro motivo, esta Corte já pacificou controvérsia em situação

eram perigosas, em razão da exposição a área de risco com semelhante relativa aos adicionais de periculosidade e

energia elétrica (p. 468-469). insalubridade, por meio da Orientação Jurisprudencial 172 desta

Sem razão. SBDI-1. Recurso de embargos conhecido e provido" (Proc. E-RR -

De início, cumpre observar que neste processo foi deferida prova 269900-07.2009.5.09.0322 , Rel..Min. Augusto César Leite de

pericial técnica (p. 371) e que não há notícia da utilização de laudos Carvalho, DEJT 16/08/2013).

periciais de outros processos como prova emprestada. CONCLUSÃO

Aliás, o laudo pericial, elaborado por profissional de confiança deste RECEBO o recurso de revista.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 61
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício temas objeto deste recurso:

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. TRT 24ª - Súmula nº 13: "HORAS IN ITINERE. TRANSPORTE

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado PÚBLICO INTERMUNICIPAL/INTERESTADUAL. A existência de

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. linha de ônibus intermunicipal ou interestadual não elide o

003, de 16 de fevereiro de 2018. direito à percepção das horas 'in itinere'".

Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para, Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

querendo, contra-arrazoar no prazo legal. serão analisados de acordo com os novos parâmetros

Assinatura estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

NICANOR DE ARAUJO LIMA de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Desembargador Federal do Trabalho Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de
Decisão decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
Processo Nº RO-0024452-63.2017.5.24.0106
Relator RICARDO GERALDO MONTEIRO 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
ZANDONA
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
RECORRENTE RAIZEN CAARAPO ACUCAR E
ALCOOL LTDA OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
ADVOGADO THIAGO PITTA DIAS(OAB:
262479/SP) 2018.
ADVOGADO MARINA DE CASTRO CARVALHO
CURY(OAB: 237625/SP)
ADVOGADO ANDRE ISSA GANDARA PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
VIEIRA(OAB: 293345/SP)
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 23/10/2018 - f. 548 -
RECORRENTE DIONISIO JULIO AMANCIO
ADVOGADO ELIZABETE DA COSTA SOUSA Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 05/11/2018 - f. 537, por
CAMARGO(OAB: 9665/MS)
meio do Sistema PJe.
ADVOGADO JOSE CARLOS CAMARGO
ROQUE(OAB: 6447/MS) Regular a representação, f. 504.
RECORRIDO DIONISIO JULIO AMANCIO
Satisfeito o preparo (f. 424, 454, 455, 516 e 545).
ADVOGADO ELIZABETE DA COSTA SOUSA
CAMARGO(OAB: 9665/MS)
ADVOGADO JOSE CARLOS CAMARGO
ROQUE(OAB: 6447/MS) PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
RECORRIDO RAIZEN CAARAPO ACUCAR E Duração do Trabalho / Horas in itinere
ALCOOL LTDA
ADVOGADO THIAGO PITTA DIAS(OAB: Alegação(ões):
262479/SP)
- violação ao(s) artigo(s) 5º, LV, 7º, XIV, XXVI e 8º, III da CF;
ADVOGADO MARINA DE CASTRO CARVALHO
CURY(OAB: 237625/SP) - violação ao art. 58, § 2º DA CLT;
ADVOGADO ANDRE ISSA GANDARA
VIEIRA(OAB: 293345/SP) - divergência jurisprudencial.

Sustenta, em síntese, que o local da prestação de serviço do


Intimado(s)/Citado(s):
recorrido é de fácil acesso, pois, a empresa está situada às
- DIONISIO JULIO AMANCIO
margens de rodovia pavimentada, sendo o local servido por
- RAIZEN CAARAPO ACUCAR E ALCOOL LTDA
transporte público regular.

Requer a exclusão da condenação de horas in itinere.

Consta do v. acórdão (f. 509/510):


PODER JUDICIÁRIO
"2.1.1 - HORAS IN ITINERE E REFLEXOS
JUSTIÇA DO TRABALHO
A reclamada foi condenada ao pagamento de 1 hora e 26 minutos

Fundamentação diária a título de horas in itinere ao fundamento de que os requisitos

Recurso de Revista legais foram preenchidos.

Recorrente(s): RAÍZEN CAARAPÓ AÇUCAR E ÁLCOOL LTDA A recorrente, pretendendo a exclusão da condenação, sustenta que:

Advogado(a)(s): ANDRE ISSA GANDARA VIEIRA (SP - 293345) a) não fornecia transporte ao reclamante que fazia uso do

Recorrido(a)(s): DIONISIO JULIO AMANCIO transporte público regular que serve a rodovia onde está localizada

Advogado(a)(s): JOSE CARLOS CAMARGO ROQUE (MS - 6447) a empresa;

Anote-se o entendimento firmado por este Tribunal em relação aos b) o trajeto pelos Municípios de Caarapó, Juti, Itaporã e Dourados é

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 62
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

feito pelas empresas Cerro Transportes Rodoviários Ltda. e 13/12/2012).

Expresso Queiroz que receberam concessão para explorar o

transporte o público. Duração do Trabalho / Adicional Noturno

Período da condenação: de 08.06.2012 a 08.06.2017 (sentença, f. Alegação(ões):

420 - tópico 2.1 e f. 423 - tópico 2.9). - violação aos artigos 5º, LIV e LV, 7º, XIV e XXVI, e 8º, III, da CF;

Os requisitos prescritos no art. 58, § 2º, da CLT que ensejam o - violação ao artigo 818 da CLT;

direito às horas in itinere são o fornecimento de transporte pelo - violação ao artigo 373, I, do CPC;

empregador e o local de trabalho de difícil acesso ou não servido - violação ao artigo 844 do CC;

por transporte público. - divergência jurisprudencial.

As questões devolvidas para análise são: facilidade de acesso e Sustenta, em síntese: a) deve ser reformado, pois não observou

fornecimento de transporte público urbano. corretamente as provas produzidas, sendo que todas as horas

Por se tratarem de fatos impeditivos, extintivos e modificativos do noturnas eventualmente laboradas foram devidamente quitadas,

direito pleiteado, o ônus da prova quanto à facilidade de acesso ao com a redução das horas e o adicional respectivo conforme prevê a

local de trabalho e a existência de transporte público urbano é do ACT da categoria; b) a recorrida não se desincumbiu do ônus de

empregador. comprovar qualquer fraude que desconstituísse o acordo individual

A unidade da reclamada está instalada na RODOVIA MS 156, KM e coletivo realizado, o que violou os artigos 818 da CLT e 373, I do

12, CAARAPÓ/MS (defesa f. 94, procuração - f. 87). A localização CPC; c) também não observou a validade dos acordos coletivos de

em zona rural faz presumir a dificuldade de acesso. trabalho, devendo ser reformada, para não ocasionar o seu

Apesar de a reclamada alegar que não fornecia transporte aos seus enriquecimento sem causa, o que viola o artigo 884 do CC; d) o

empregados, a prova emprestada produzida no processo 0000841- regime de compensação da jornada adotado pela recorrente está

86.2014.5.24.016, consistente no depoimento do co-proprietário da em conformidade com o art. 59 § 2º da CLT e dos instrumentos

empresa Cerro Transportes, confirma que na linha que serve a normativos juntados, bem como foram concedidas folgas

usina só pode levar passageiros sentados, exigência das Usinas compensatórias das horas computadas no banco, ou pagas em

Nova América e Raízen, e que apenas os trabalhadores das holerites.

empresas poderiam utilizar o ônibus (f. 413-414, itens 6-8). Pugna pela reforma do v. acórdão.

Quanto à alegação da existência de transporte intermunicipal no Quanto ao presente tema, a Turma consignou que restou

percurso entre os Municípios de Caarapó, Juti, Itaporã e Dourados, comprovado que não houve o pagamento correto do adicional

a reclamada não comprovou que possuem as mesmas noturno, remanescendo ao autor o direito às diferenças.

características do transporte urbano. Para o acolhimento da pretensão recursal seria necessário o

Ademais, conforme Súmula 13 deste TRT, a existência de linha de reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na Súmula

ônibus intermunicipal ou interestadual, por si só, não elide o direito 126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por

às horas itinerárias, pois a mens legis se refere a transporte público divergência jurisprudencial.

urbano, cujo valor da passagem é mais acessível e a forma de

acesso simplificada. CONCLUSÃO

Pelo exposto, nega-se provimento ao recurso." RECEBO em parte o recurso de revista.

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

A recorrente demonstrou a existência de divergência apta a ensejar circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

o seguimento do recurso, com a ementa colacionada à f. 540, Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

provenientes do Egrégio TRT 5ª/ Região, no seguinte sentido: pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

"HORAS IN ITINERE. LOCAL DE FÁCIL ACESSO E SERVIDO 003, de 16 de fevereiro de 2018.

POR TRANSPORTE PÚBLICO - A circunstância de a sede da Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para,

empresa estar situada às margens de rodovia federal, de fácil querendo, contra-arrazoar no prazo legal.

acesso e servida por transporte público, afasta a pretensão de

recebimento de horas in itinere.(TRT-5 - RecOrd: Assinatura

00015344920115050221 BA 0001534-49.2011.5.05.0221, Relator: CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

MARCOS GURGEL, 1ª TURMA, Data de Publicação: DJ

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 63
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

NICANOR DE ARAUJO LIMA meio do Sistema PJe.

Desembargador Federal do Trabalho Regular a representação, f. 559.


Decisão O juízo está garantido (f. 462).
Processo Nº AP-0024192-79.2018.5.24.0096
Relator ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA
AGRAVANTE MARFRIG GLOBAL FOODS S.A. PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
ADVOGADO SERGIO GONINI BENICIO(OAB:
195470/SP) Nos termos do art. 896, § 2º, da CLT, somente caberá recurso de
ADVOGADO BENEDICTO CELSO BENICIO revista, em processo de execução, por ofensa direta e literal de
JUNIOR(OAB: 131896/SP)
AGRAVADO JOSE PAULO DOS SANTOS FILHO norma da Constituição Federal.
ADVOGADO VITOR HUGO NUNES ROCHA(OAB: DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO /
241272/SP)
Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da
Intimado(s)/Citado(s): Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária
- MARFRIG GLOBAL FOODS S.A. Alegação(ões):

- violação aos artigos 2º, 5º, II e XXXVI, e 22, I, da CF.

- violação ao artigo 39 da Lei 8.177/1991.

PODER JUDICIÁRIO - violação ao artigo 879, §7º, da CLT.

JUSTIÇA DO TRABALHO - violação ao artigo 14 do CPC.

- contrariedade à OJ 300 da SDI-I do C. TST;


Fundamentação
- divergência jurisprudencial.
Recurso de Revista
Sustenta que não concorda com a aplicação do IPCA-E como índice
Recorrente(s): MARFRIG GLOBAL FOODS S.A.
de atualização monetária do crédito trabalhista devido nestes autos,
Advogado(a)(s): SERGIO GONINI BENICIO (MS - 23431-A)
especialmente por afrontar a coisa julgada e a segurança jurídica,
Recorrido(a)(s): JOSE PAULO DOS SANTOS FILHO
constitucionalmente asseguradas aos litigantes, além do artigo 879,
Advogado(a)(s): VITOR HUGO NUNES ROCHA (SP - 241272)
§7º da Consolidação das Leis Trabalhistas, que prevê a TR como
Destaque-se, inicialmente, o entendimento firmado por este Tribunal
forma de atualização de referidas dívidas.
em relação a tema objeto deste recurso:
Afirma que, considerando os julgados pertinentes à matéria
Súmula nº 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.
ocorridos no TST e STF, deve prevalecer a aplicação da TR
INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.
prevista no art. 39 da Lei 8.177/91; e que a decisão contraria a OJ
É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD
300/SDI-I do TST.
acumulada" constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91. 2.
Pugna pela reforma.
Por razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a
Ante a restrição do artigo 896, §2º, da CLT, descabe análise de
modulação de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal
violação à legislação infraconstitucional, contrariedade à OJ/TST e
Federal para atualizar os débitos dos precatórios judiciais
divergência jurisprudencial.
(questão de ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa
Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma
da declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos
vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação
trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator
infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação,
indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento
não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no
da ADI 4425".
art. 896, §2º, da CLT.
Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
Inviável o seguimento do recurso neste tópico, ante a conclusão da
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
Turma no sentido de que a sentença transitada em julgado
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
determinou a utilização do IPCA-e como fator de correção, devendo
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
ser observa a imutabilidade da coisa julgada.
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
Pela pertinência recursal, cita-se Súmula Súmula 23 deste
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
Regional: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.

INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
É inconstitucional a expressão 'equivalentes à TRD acumulada'
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 05/11/2018 - f. 617 -
constante no art. 39, 'caput', da Lei nº 8.177/91. 2. Por razão de
Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 01/11/2018 - f. 579, por

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 64
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação de efeitos Recorrente(s): 1. CLAUDINEIA RIBEIRO DOS SANTOS

concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para atualizar os 2. SEARA ALIMENTOS LTDA.

débitos dos precatórios judiciais (questão de ordem na ADI 4357), Advogado(a)(s): 1. Almir Vieira Pereira Júnior (MS - 8281)

limita-se a eficácia retroativa da declaração a 26.03.2015, a partir de 2. Renata Mouta Pereira Pinheiro (DF - 12324)

quando os débitos trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA- Recorrido(a)(s): 1. SEARA ALIMENTOS LTDA.

E, fator indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no 2. CLAUDINEIA RIBEIRO DOS SANTOS

julgamento da ADI 4425". Advogado(a)(s): 1. Renata Mouta Pereira Pinheiro (DF - 12324)

Na hipótese, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula 2. Almir Vieira Pereira Júnior (MS - 8281)

23 deste Egrégio Tribunal, o que inviabiliza o seguimento do

recurso. Recurso de: CLAUDINEIA RIBEIRO DOS SANTOS

CONCLUSÃO Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

DENEGO seguimento ao recurso de revista. serão analisados de acordo com os novos parâmetros

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

Publique-se e intime-se. 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Assinatura Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

NICANOR DE ARAUJO LIMA solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

Desembargador Federal do Trabalho OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de


Decisão 2018.
Processo Nº RO-0025523-09.2017.5.24.0007
Relator MARCIO VASQUES THIBAU DE
ALMEIDA
PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
RECORRENTE CLAUDINEIA RIBEIRO DOS SANTOS
ADVOGADO ALMIR VIEIRA PEREIRA Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 16/10/2018 - f. 722 -
JUNIOR(OAB: 8281/MS)
Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 22/10/2018 - f.
ADVOGADO ELOISIO MENDES DE ARAUJO(OAB:
8978/MS) 678/698, por meio do Sistema PJe.
RECORRENTE SEARA ALIMENTOS LTDA
Regular a representação, f. 14.
ADVOGADO ELISIO VITOR FIGUEIREDO
JUNIOR(OAB: 110584/MG) Desnecessário o preparo.
RECORRIDO SEARA ALIMENTOS LTDA
ADVOGADO ELISIO VITOR FIGUEIREDO
JUNIOR(OAB: 110584/MG) PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
ADVOGADO RENATA MOUTA PEREIRA
PINHEIRO(OAB: 12324/DF) Duração do Trabalho / Intervalo Intrajornada
RECORRIDO CLAUDINEIA RIBEIRO DOS SANTOS Alegação(ões):
ADVOGADO ALMIR VIEIRA PEREIRA
JUNIOR(OAB: 8281/MS) - violação ao artigo 5º, V, X e XXXVI, da CF.
ADVOGADO ELOISIO MENDES DE ARAUJO(OAB: Dispõe o artigo 896, §1º-A, I e III, da CLT, com redação dada pela
8978/MS)
Lei n. 13.015/2014:
Intimado(s)/Citado(s): "Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:
- CLAUDINEIA RIBEIRO DOS SANTOS I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o
- SEARA ALIMENTOS LTDA
prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista.

(...)

III - expor as razões do pedido de reforma, impugnando todos os


PODER JUDICIÁRIO fundamentos jurídicos da decisão recorrida, inclusive mediante
JUSTIÇA DO TRABALHO demonstração analítica de cada dispositivo de lei, da Constituição

Federal, de súmula ou orientação jurisprudencial cuja contrariedade


Fundamentação
aponte."
Recurso de Revista

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 65
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

No caso, a parte recorrente, quanto aos capítulos impugnados do v. Remuneração, Verbas Indenizatórias e Benefícios / Adicional /

acórdão, não transcreveu, 'in litteris', os trechos da decisão Adicional de Insalubridade

recorrida que consubstanciam o prequestionamento da controvérsia Duração do Trabalho / Intervalo Intrajornada

objeto do recurso de revista, ou indicou, topograficamente, a Alegação(ões):

localização das partes da decisão que se pretende modificar, o que - violação do artigo 5º, XXXVI e LV, CF.

impede a exata verificação das questões controvertidas. - violação aos artigos 191, 192, 194, 195, §2º, e 253 da CLT.

Ressalte-se que apenas a transcrição integral do v. acórdão no - divergência jurisprudencial.

início das razões recursais (f. 680/693) ou o trecho do voto vencido Sustenta que: a) sempre permitiu a fruição do intervalo para

trazido pela recorrente, no tópico III do recurso (f. 694/696), não recuperação térmica, nos termos do Acordo celebrado com o MPT

atende à exigência legal, não sendo possível, portanto, fazer o no processo ACP - 0160500-73.2006.5.24.0022; b) o acordo

cotejo analítico entre o decidido pela E. Turma e as argumentações celebrado entre a reclamada e o MPT não possui natureza de

trazidas pelo recorrente. simples Termo de Ajustamento de Conduta, mas, sim, de Acordo

Não preenchido, portanto, pressuposto específico do recurso de Judicial, fazendo assim coisa julgada, de modo que, ao entender

revista. pela impossibilidade de aplicação do acordo judicial a decisão

regional violou expressamente o art. 5º, XXXVI da CF; c) a

CONCLUSÃO condenação ao pagamento do adicional de insalubridade

DENEGO seguimento ao recurso de revista. fundamentou-se, exclusivamente, na não fruição do intervalo

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício previsto no art. 253, da CLT; estando esse intervalo devidamente

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. concedido, deve ser expungida esta parcela da condenação; d)

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado assim não ocorrendo, tampouco se sustenta a condenação ao

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. adicional de insalubridade, pois o Anexo 9 da NR-15 só prevê o

003, de 16 de fevereiro de 2018. direito ao adicional de insalubridade quando não houver a proteção

adequada, o que não ocorreu no caso, não havendo no

Recurso de: SEARA ALIMENTOS LTDA. ordenamento jurídico norma que vincule a ausência ou diminuição

da concessão do intervalo para recuperação térmica com a

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade percepção do adicional de insalubridade; e) o acórdão violou o

serão analisados de acordo com os novos parâmetros artigo 195, caput e § 2º, da CLT, por deferir o referido adicional à

estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal revelia de laudo pericial, que não foi elaborado.

Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. Pede a reforma para excluir as condenações em tela.

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir A Turma acolheu a sentença segundo a qual "A realização de

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). perícia específica para este processo e também para todos os

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de demais que tramitam neste posto com idêntico objeto, apenas

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. oneraria e retardaria a entrega da prestação jurisdicional, sendo

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme certo que as condições de trabalho e as medições necessárias para

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do o julgamento do pedido constam nos diversos laudos juntados", pelo

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de que "irretocável a decisão quanto ao indeferimento da prova pericial

2018. e utilização da prova emprestada, pois encontra-se dentro do

campo de valoração da prova, ínsito ao juiz condutor da instrução

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS processual e responsável pelo julgamento da ação".

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 16/10/2018 - f. 722 - Quanto aos demais temas, consta no v. acórdão (f. 645/646 e

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 26/10/2018 - f. 648/649):

704/719, por meio do Sistema PJe. "3.1.1 - INTERVALO PREVISTO NO ARTIGO 253 DA CLT E

Regular a representação, f. 700/703. REFLEXOS

Satisfeito o preparo (f. 566, 566, 608/609 e 720/721). (...)

Por meio do mencionado Termo de Ajuste de Conduta, a empresa

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS comprometeu-se a conceder, a partir de 1º.1.2013, 5 ou 6 intervalos

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 66
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

de 10 minutos para recuperação térmica dos trabalhadores com de 11,4º C (após a aplicação de fator de correção), devem

atividades em ambiente artificialmente frio (com temperatura inferior prevalecer sobre a temperatura obtida em única amostragem pelo

a 12ºC). perito daqueles autos (de 12,8ºC), assim como nos demais laudos

A concessão dos intervalos para recuperação térmica, da forma apresentados pela ré.

como transacionada, certamente não atende à finalidade da norma Conforme ponderou o julgador, essas medições são feitas

legal. diariamente e ainda que o perito extraia uma média por

Isso porque a CLT preconiza a necessidade de intervalos de 20 amostragem, a quantidade de amostras é muito significativa, sendo

minutos a cada 1 hora e 40 minutos de trabalho contínuo, ao passo muito mais precisas do que uma única medição em determinado

que o TAC n. 554/2012 previu intervalos de dez minutos, com dia.

limitação de 60 minutos de trabalho contínuo. Assim, referidas medições possuem credibilidade necessária e

Considerando que referido intervalo constitui norma de saúde, prevalecem sobre outras poucas e pontuais amostragens com

higiene e segurança do trabalho, de caráter imperativo, inaceitável resultado diverso, sendo precária a alegação de incorreção dos

sua flexibilização e negociação de forma, aparentemente, menos procedimentos adotados pelo referido órgão.

benéfica que a lei. Por conseguinte, comprovada a temperatura abaixo de 12ºC no

Por conseguinte, reputo impossível a prevalência do avençado em ambiente de trabalho do autor, e, por outro lado, não comprovada a

TAC sobre a norma legal, razão pela qual não deve ser considerado concessão de pausas térmicas (art. 253 da CLT), fica caracterizada

no tocante aos intervalos para recuperação térmica e, a insalubridade no ambiente de trabalho, a despeito do uso de

consequentemente, ao adicional de insalubridade. vestimentas.

Também não assiste razão à ré quanto ao argumento de que desde Quanto a isso, já reiteradamente esclarecido em diversas perícias,

2.11.2013 concede aos empregados as pausas psicofisiológicas que o uso de EPI´s não elide a insalubridade, porquanto, além

dispostas no item 36.13.2 da NR 36, as quais não são cumulativas disso, necessária a concessão de intervalos para a recuperação

com as pausas do art. 253 da CLT. térmica do indivíduo ante os limites máximos de tolerância diária do

Isso porque, são distintas as pausas previstas nos itens 36.13.1 e organismo à exposição ao frio, conforme estabelecido na NR-29 do

36.13.2. A primeira pausa diz respeito ao intervalo previsto no art. Ministério do Trabalho.

253 da CLT, aplicável aos trabalhadores que prestam serviços em É incontroverso que a partir de 24.8.2015 as pausas foram de 20

ambiente artificialmente refrigerado e os que movimentam minutos a cada 1h40 trabalhados, razão pela qual o direito do

mercadorias do ambiente quente ou normal para o frio e vice-versa. reclamante, em particular, encontra-se limitado a 23.8.2015,

A segunda pausa refere-se aos trabalhadores submetidos a conforme decisão primária.

movimentos repetitivos, com sobrecarga muscular. Diante disso e de tantos outros casos similares já analisados por

No caso, o item 36.13.3 inibe expressamente a interpretação de que esta Corte, escorreita a decisão que deferiu ao autor o adicional em

tais pausas devam ser aplicadas de forma cumulativa (no caso de o questão.

trabalhador se inserir nas duas hipóteses). Nego provimento aos apelos".

Entretanto, em nenhum momento a NR 36 reduz ou modifica o Em relação à prova técnica, não se vislumbra a alegada violação à

tempo das pausas para recuperação térmica prevista no art. 253 da Constituição Federal, uma vez que a matéria deve ser analisada à

CLT. luz da legislação infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se

Nego provimento. houvesse violação, não se daria de forma direta e literal, conforme

(...) exigência contida no art. 896, "c", da CLT. Outrossim, a Turma,

3.2.1 - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE E REFLEXOS baseou-se, afinal, em prova técnica, ainda que emprestada, pelo

Quanto à concessão de folgas previstas no TAC, o assunto foi que não se antevê violação à literalidade do artigo 195, da CLT.

abordado acima. No que se refere à alegada coisa julgada, incide ao caso o óbice da

E no que tange à temperatura encontrada, comungo do Súmula 297 do C. TST, uma vez que a E. Turma não se manifestou

entendimento primário que, diante da prova pericial emprestada sobre a ocorrência ou não da coisa julgada.

(dos autos n. 0000517-76.2012.5.24.0006), considerou que as 53 Ainda, tendo o acórdão assentado que as pausas do art. 253 da

medições quinzenais de temperatura da sala de cortes constantes CLT não foram, afinal, concedidas, a mudança de entendimento

de relatórios do Serviço de Inspeção Federal, no período de demandaria reexame de fatos e provas, pelo que o acolhimento do

14.2.2009 a 11.6.2011, por meio dos quais a temperatura média foi recurso encontra óbice na Sùmula 126 do TST.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 67
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

No contexto acima, conclui-se que a decisão foi proferida em


PODER JUDICIÁRIO
consonância com a Súmula 438 do Colendo TST, inviabilizando o
JUSTIÇA DO TRABALHO
seguimento do recurso, inclusive por divergência jurisprudencial

(Súmula 333/TST). Fundamentação

Quanto à alegada inexistência no ordenamento jurídico de norma Recurso de Revista

que vincule a ausência ou diminuição da concessão do intervalo Recorrente(s): SAULO PEREIRA DA SILVA

para recuperação térmica com a percepção do adicional de Advogado(a)(s): ELIANE RITA POTRICH (MS - 7777)

insalubridade, uma vez que o Tribunal não se manifestou sobre o Recorrido(a)(s): CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E

tema, incide ao caso o óbice da Súmula 297 do C. TST. AGRONOMIA DE MATO GROSSO DO SUL

Registre-se, de qualquer modo, que o aresto proveniente de Turma Advogado(a)(s): MARLON EDUARDO LIBMAN LUFT (MS -

do C. TST é inservível ao confronto de teses (art.896, "a", da CLT). 15138)

No contexto acima, a decisão foi proferida em consonância com a JOÃO PAULO ZAMPIERI SALOMAO (MS -

Súmula 438 do Colendo TST, o que inviabiliza o seguimento do 16820)

recurso, inclusive por divergência jurisprudencial (Súmula 333/TST). Interessado(a)(s): MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

Insta, porém, registrar que aresto proveniente de Turma do C. TST

é inservível ao confronto de teses (art.896, "a", da CLT). Anote-se o entendimento firmado por este Tribunal em relação a

tema objeto deste recurso:

CONCLUSÃO "SÚMULA nº 034: CREA - DIFERENÇAS SALARIAIS - PLANO DE

DENEGO seguimento ao recurso de revista. CARGOS E SALÁRIOS/1996. Não subsiste direito à percepção

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício de diferenças salariais oriundas de plano de carreira não

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. publicado em órgão oficial, em se tratando de empregados

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado vinculados à autarquia pública federal."

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade

003, de 16 de fevereiro de 2018. serão analisados de acordo com os novos parâmetros

Publique-se e intimem-se. estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal

Assinatura Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

NICANOR DE ARAUJO LIMA Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

Desembargador Federal do Trabalho decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

Decisão 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme


Processo Nº RO-0024867-92.2016.5.24.0005
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
Relator ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA
RECORRENTE CONSELHO REGIONAL DE OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
ENGENHARIA E AGRONOMIA DE
MATO GROSSO DO SUL 2018.
ADVOGADO JOAO PAULO ZAMPIERI
SALOMAO(OAB: 16820/MS)
ADVOGADO MARLON EDUARDO LIBMAN PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
LUFT(OAB: 15138/MS)
Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 27/09/2018 - f. 739 -
RECORRIDO SAULO PEREIRA DA SILVA
ADVOGADO ELIANE RITA POTRICH(OAB: Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 09/10/2018 - f. 708, por
7777/MS)
meio do Sistema PJe.
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO Regular a representação, f. 17.

Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme


Intimado(s)/Citado(s):
- SAULO PEREIRA DA SILVA f. 693.

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Remuneração, Verbas Indenizatórias e Benefícios /

Salário/Diferença Salarial

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 68
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Alegação(ões): circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

- violação aos artigos 5º, XXXVI, 7º, XXX, e 37 da CF; Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

- violação ao artigo 373, I, do CPC; pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

- violação ao artigo 818 da CLT. 003, de 16 de fevereiro de 2018.

Sustenta, em síntese, que: a) houve a publicidade da ementa do Publique-se e intime-se.

PCS de 1996 no Diário Oficial; b) possui direito adquirido ao

enquadramento no PCS de 1996; c) o próprio acórdão e o IUJ Assinatura

reconhecem que o PCS de 1996 somente foi aplicado a um rol CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

determinado de funcionário da reclamada, ou seja, o acórdão esta

chancelando uma discriminação salarial clara ao não aplicar o PCS NICANOR DE ARAUJO LIMA

de 1996 ao recorrente; c) o não reconhecimento da existência, Desembargador Federal do Trabalho

publicidade, validade e a sua respectiva aplicação ao reclamante, Decisão


Processo Nº RO-0024889-84.2015.5.24.0006
importa até mesmo em ofensa ao artigo 818 da CLT e artigo 373, I Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA
do CPC, posto que restou devidamente comprovado e reconhecido RECORRENTE JBS S/A
ADVOGADO RENATA GONCALVES
pelo acórdão/IUJ, a criação, implementação, publicidade e validade TOGNINI(OAB: 11521/MS)
do PCS de 1996. RECORRIDO PEDRO PAULO MARIANO DA CRUZ
ADVOGADO KELLY LUIZA FERREIRA DO
Requer o direito do autor ao enquadramento do mesmo e suas VALLE(OAB: 13676/MS)
respectivas diferenças salariais, restabelecendo a sentença de
Intimado(s)/Citado(s):
primeiro grau, anulando-se o IUJ 24205- 12.2017.5.24.0000 e a
- JBS S/A
respectiva Súmula 34 do TRT da 24ª Região.

Analiso.

No caso dos autos, consignou a Turma à f. 692 que:

"(...) não há qualquer prova inequívoca do teor do referido plano, PODER JUDICIÁRIO

devidamente publicado, o que inviabiliza por completo a sua JUSTIÇA DO TRABALHO

utilização e a possibilidade de sua validação.


Fundamentação
Nessas cirucunstâncias, registro que alguns documentos
Recurso de Revista
apresentados nos autos em nada aproveitam à parte autora, uma
Recorrente(s): JBS S/A
vez que, reitero, embora façam menção ao suposto plano de
Advogado(a)(s): RENATA GONCALVES TOGNINI (MS - 11521)
cargos, não contém elementos suficientes à prova de sua
Recorrido(a)(s): PEDRO PAULO MARIANO DA CRUZ
existência, do seu teor e da sua imprescindível publicidade, não
Advogado(a)(s): KELLY LUIZA FERREIRA DO VALLE (MS -
havendo uma via oficial da qual se possa aferir qualquer critério
13676)
para a sua efetivação".

Destaca-se que o julgamento do IUJ n. 0024205-12.2017.5.24.0000


Destaque-se, inicialmente, o entendimento firmado por este Tribunal
(IUJ), pelo Pleno do Egrégio Tribunal Regional do Trabalho da 24ª
acerca de tema objeto do recurso:
Região, foi aprovada a Súmula n.º 034 com a seguinte redação:
- Súmula nº 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.
"SÚMULA nº 034: CREA - DIFERENÇAS SALARIAIS - PLANO DE
INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.
CARGOS E SALÁRIOS/1996. Não subsiste direito à percepção de
É inconstitucional a expressão 'equivalentes à TRD acumulada'
diferenças salariais oriundas de plano de carreira não publicado em
constante no art. 39, 'caput', da Lei nº 8.177/91. 2. Por razão de
órgão oficial, em se tratando de empregados vinculados à autarquia
segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação de
pública federal."
efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para
Na hipótese, a Turma decidiu em consonância com a Súmula 34
atualizar os débitos dos precatórios judiciais (questão de
deste Eg. Regional, o que inviabiliza o seguimento do recurso.
ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa da

declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos


CONCLUSÃO
trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator
DENEGO seguimento ao recurso de revista.
indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento
Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício
da ADI 4425".

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 69
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Registre-se que os pressupostos de admissibilidade serão Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma

analisados de acordo com os novos parâmetros estabelecidos pela vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação

Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Superior do infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação,

Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. 13.467/2017 não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no

(publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir de art. 896, alínea "c", da CLT.

11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). O julgamento, por este Tribunal, da Arguição de

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de Inconstitucionalidade autuada sob n. 0024319-19.2015.5.24.0000,

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. culminou com a aprovação da Súmula 23 deste Regional, cuja

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme redação é a seguinte: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD acumulada"

2018. constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91. 2. Por razão de

segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação de efeitos

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para atualizar os

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 05/12/2018 - f. 496 - débitos dos precatórios judiciais (questão de ordem na ADI 4357),

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 14/12/2018 - f. 478, por limita-se a eficácia retroativa da declaração a 26.03.2015, a partir de

meio do Sistema PJe. quando os débitos trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-

Regular a representação, f. 111. E, fator indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no

Satisfeito o preparo (f. 393, 437/438, 435/436 e 455). julgamento da ADI 4425 ".

Na hipótese, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS 23 deste Egrégio Tribunal, o que inviabiliza o seguimento do

DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / recurso.

Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da Cabe registrar que o parâmetro normativo no qual se baseia esse

Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária novo dispositivo (§7º do art. 879 da CLT) para determinar aplicação

Alegação(ões): da TR, qual seja, a Lei n. 8.177/1991, é o mesmo já declarado

- violação aos artigos 2º e 5º, II e XXII, LIV, da CF; inconstitucional pelo Tribunal Pleno desta C. Corte de Justiça

- violação ao artigo 39 da Lei 8.177/91; (Súmula n. 23).

- violação ao artigo 879, §7º, da CLT;

- contrariedade à OJ 300 da SDI-I do C. TST; CONCLUSÃO

- contrariedade à Súmula Vinculante 10 do STF; DENEGO seguimento ao recurso de revista.

- divergência jurisprudencial. Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

Sustenta , em síntese, que: a) não merece prosperar a r. decisão circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

colegiada, sob pena de violação dos artigos 39 da Lei nº 8.177/1991 Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

e 879, §7º, da CLT, além de contrariedade à OJ 300 da SDI-1/TST, pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

que preconizam a aplicação da TR - e não o IPCA-E - o índice 003, de 16 de fevereiro de 2018.

aplicável às correções monetárias dos débitos trabalhistas; b) o E. Publique-se e intime-se.

TRT da 24ª Região negou expressamente aplicação ao art. 879, Assinatura

§7º, da CLT, mediante extensão dos efeitos da declaração de CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

inconstitucionalidade do artigo 39 da Lei n. 8.177/1991 (Súmula

23/TRT24); c) a decisão incorreu em patente violação legal ao NICANOR DE ARAUJO LIMA

princípio do devido processo legal, bem como à cláusula de reserva Desembargador Federal do Trabalho

de plenário. Decisão
Processo Nº RO-0024476-86.2015.5.24.0001
Pugna pela reforma do v. acórdão. Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA
Arestos provenientes deste Tribunal (OJ 111/SDI-I/TST), de Turma RECORRENTE AGUAS GUARIROBA SA
ADVOGADO ANDRE LUIS XAVIER
do TST ou de órgão não elencado na alínea "a", do art. 896, da MACHADO(OAB: 7676/MS)
CLT, são inservíveis ao confronto de teses.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 70
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

RECORRIDO KEEPER ADMINISTRACAO DE


RECURSOS HUMANOS LTDA - EPP - contrariedade à Súmula nº 331, I e III, TST;
RECORRIDO DANIEL DA SILVA SANTANA - violação ao art. 39 da Lei nº 8.177/91;
ADVOGADO ANDRE LUIZ DE JESUS
FREDO(OAB: 14326/MS) - contrariedade à OJ nº 300 da SDI-1.

Analiso.
Intimado(s)/Citado(s):
Dispõe o artigo 896, §1º-A, I e III, da CLT, com redação dada pela
- AGUAS GUARIROBA SA
Lei n. 13.015/2014:

"Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:

I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o


PODER JUDICIÁRIO
prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista.
JUSTIÇA DO TRABALHO
(...)

Fundamentação III - expor as razões do pedido de reforma, impugnando todos os

Recurso de Revista fundamentos jurídicos da decisão recorrida, inclusive mediante

Recorrente(s): 1. ÁGUAS GUARIROBA S.A. demonstração analítica de cada dispositivo de lei, da Constituição

Advogado(a)(s): 1. ANDRE LUIS XAVIER MACHADO (MS - 7676) Federal, de súmula ou orientação jurisprudencial cuja contrariedade

Recorrido(a)(s): 1. DANIEL DA SILVA SANTANA aponte."

2. KEEPER ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS No caso, a parte recorrente, quanto aos capítulos impugnados do v.

HUMANOS LTDA - EPP acórdão, não transcreveu, 'in litteris', os trechos da decisão

Advogado(a)(s): 1. ANDRÉ LUIZ DE JESUS FREDO (MS - 14326) recorrida que consubstanciam o prequestionamento da controvérsia

objeto do recurso de revista, ou indicou, topograficamente, a

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade localização das partes da decisão que se pretende modificar, o que

serão analisados de acordo com os novos parâmetros impede a exata verificação das questões controvertidas.

estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Ressalte-se que apenas a transcrição integral do v. acórdão no

Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. início das razões recursais (f. 721/722) não atende à exigência

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir legal, por não abarcar todos os fundamentos da E. Turma no tema,

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). não sendo possível, portanto, fazer o cotejo analítico entre o

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de decidido pela E. Turma e as argumentações trazidas pelo

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. recorrente.

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme Não preenchido, portanto, pressuposto específico do recurso de

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do revista.

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

2018. CONCLUSÃO

DENEGO seguimento ao recurso de revista.

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 06/09/2018 - f. 742 - circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 14/09/2018 - f. 719, por Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

meio do Sistema PJe. pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

Regular a representação, f. 106. 003, de 16 de fevereiro de 2018.

Satisfeito o preparo (f. 627, 653/654 e 651/652). Publique-se e intime-se.

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS Assinatura

Contrato Individual de Trabalho CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO /

Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da NICANOR DE ARAUJO LIMA

Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária Desembargador Federal do Trabalho

Alega: Decisão
Processo Nº RO-0026250-35.2015.5.24.0072
- violação ao arts. 3º, 9º e 818 da CLT;

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 71
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Relator AMAURY RODRIGUES PINTO


JUNIOR Recorrido(a)(s): 1. CONCÓRDIA LOGÍSTICA S.A.
RECORRENTE SIRCO VICENTE DA SILVA 2. COOPERATIVA DE TRANSPORTE DE
ADVOGADO DANIELE DE ALMEIDA MARTINS
COSTA(OAB: 9218/MS) CARGAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA -
ADVOGADO VANDERLEI JOSE DA SILVA(OAB: COOPERCARGA
7598/MS)
RECORRENTE COOPERATIVA DE TRANSPORTE 3. GTORK LOGÍSTICA LTDA
DE CARGAS DO ESTADO DE SANTA
CATARINA- COOPERCARGA 4. FIBRIA-MS CELULOSE SUL MATO-
ADVOGADO SHEILA UGOLINI(OAB: 16411/SC) GROSSENSE LTDA
RECORRENTE CONCORDIA LOGISTICA S.A.
5. SIRCO VICENTE DA SILVA
ADVOGADO VANESSA MEDEIROS SILVA(OAB:
81409/PR) 6. COOPERATIVA DE TRANSPORTE DE
ADVOGADO MAYARA ADRIELE SLOMECKI(OAB:
55187/PR) CARGAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA -
ADVOGADO FERNANDO MELO CARNEIRO(OAB: COOPERCARGA
42088/PR)
RECORRIDO CONCORDIA LOGISTICA S.A. Advogado(a)(s): 1. Fernando Melo Carneiro (PR - 42088)
ADVOGADO FERNANDO MELO CARNEIRO(OAB: 2. Sheila Ugolin (SC - 16411)
42088/PR)
ADVOGADO MAYARA ADRIELE SLOMECKI(OAB: 3. Rodrigo Faggion Basso (SC - 14140)
55187/PR)
4. Antonio Tebet Junior (MS - 5182)
ADVOGADO VANESSA MEDEIROS SILVA(OAB:
81409/PR) 5. Vanderlei José da Silva (MS - 7598)
RECORRIDO SIRCO VICENTE DA SILVA
6. Sheila Ugolin (SC - 16411)
ADVOGADO VANDERLEI JOSE DA SILVA(OAB:
7598/MS)
ADVOGADO DANIELE DE ALMEIDA MARTINS
COSTA(OAB: 9218/MS) Recurso de: SIRCO VICENTE DA SILVA
RECORRIDO FIBRIA-MS CELULOSE SUL MATO-
GROSSENSE LTDA
ADVOGADO ANTONIO TEBET JUNIOR(OAB: Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade
5182/MS)
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
RECORRIDO COOPERATIVA DE TRANSPORTE
DE CARGAS DO ESTADO DE SANTA estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
CATARINA- COOPERCARGA
ADVOGADO SHEILA UGOLINI(OAB: 16411/SC) Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
RECORRIDO GTORK LOGISTICA LTDA 13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
ADVOGADO RODRIGO FAGGION BASSO(OAB:
14140/SC) de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de


Intimado(s)/Citado(s):
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
- CONCORDIA LOGISTICA S.A.
- COOPERATIVA DE TRANSPORTE DE CARGAS DO ESTADO 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
DE SANTA CATARINA- COOPERCARGA
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
- FIBRIA-MS CELULOSE SUL MATO-GROSSENSE LTDA
- GTORK LOGISTICA LTDA OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de
- SIRCO VICENTE DA SILVA 2018.

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

PODER JUDICIÁRIO Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 26/09/2018 - f. 1157 -

JUSTIÇA DO TRABALHO Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 08/10/2018 - f.

1107/1112, por meio do Sistema PJe.


Fundamentação
Regular a representação, f. 22.
Recurso de Revista
Desnecessário o preparo.
Recorrente(s): 1. SIRCO VICENTE DA SILVA

2. COOPERATIVA DE TRANSPORTE DE
PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
CARGAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA -
Duração do Trabalho / Compensação de Horário.
COOPERCARGA
Alegação(ões):
3. CONCÓRDIA LOGÍSTICA S.A.
- contrariedade à súmula 85, IV, do TST;
Advogado(a)(s): 1. Vanderlei José da Silva (MS - 7598)
- divergência jurisprudencial.
2. Sheila Ugolin (SC - 16411)
Dispõe o artigo 896, §1º-A, I e III, da CLT, com redação dada pela
3. Fernando Melo Carneiro (PR - 42088)

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 72
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Lei n. 13.015/2014: OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

"Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte: 2018.

I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o

prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista. PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

(...) Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 16/10/2018 - f. 1157 -

III - expor as razões do pedido de reforma, impugnando todos os Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 24/10/2018 - f.

fundamentos jurídicos da decisão recorrida, inclusive mediante 1131/1140, por meio do Sistema PJe.

demonstração analítica de cada dispositivo de lei, da Constituição Regular a representação, f. 132.

Federal, de súmula ou orientação jurisprudencial cuja contrariedade Satisfeito o preparo (f. 915, 915, 946/947, 948/949 e 1155/1156).

aponte." Cumpre esclarecer que o depósito realizado pela 1ª ré, Concórdia

No caso, a parte recorrente, quanto ao capítulo impugnado do v. Logística, foi aproveitado à ora recorrente, condenada

acórdão, não transcreveu, 'in litteris', o trecho da decisão recorrida subsidiariamente, pois a empresa principal não pleiteia sua

que consubstancia o prequestionamento da controvérsia objeto do exclusão da lide, nos termos estabelecidos pela Súmula 128, III, do

recurso de revista, ou indicou, topograficamente, a localização das TST.

partes da decisão que se pretende modificar, o que impede a exata

verificação das questões controvertidas. PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Ressalte-se que apenas a transcrição de parte do capítulo Responsabilidade Solidária/Subsidiária.

impugnado do v. acórdão, trazido pelo recorrente à f. 1110, não Alegação(ões):

atende à exigência legal, por não abarcar todos os fundamentos da - contrariedade à Súmula 331 do TST;

E. Turma no tema, não sendo possível, portanto, fazer o cotejo - divergência jurisprudencial.

analítico entre o decidido pela E. Turma e as argumentações Sustenta, em síntese, que: a) "muito embora a Turma Recursal do

trazidas pelo recorrente. TRT 24ª Região tenha entendido que a Recorrente agiu

Não preenchido, portanto, pressuposto específico do recurso de intermediando mão-de-obra para seus próprios fins, esta não é a

revista. realidade dos fatos, uma vez que, por ser cooperativa, o objeto da

Recorrente é prestar serviços aos seus cooperados, proporcionando

CONCLUSÃO a eles melhores condições e mais benefícios, e não atuar no ramo

DENEGO seguimento ao recurso de revista. do transporte"; b) "muito embora a Turma Recursal do TRT 24ª

Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício Região tenha entendido que a Recorrente agiu intermediando mão-

circular SEGJUD/TST n. 051/2014. de-obra para seus próprios fins, esta não é a realidade dos fatos,

Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado uma vez que, por ser cooperativa, o objeto da Recorrente é prestar

pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. serviços aos seus cooperados, proporcionando a eles melhores

003, de 16 de fevereiro de 2018. condições e mais benefícios, e não atuar no ramo do transporte".

Consta no v. acórdão (f. 1015/1016):

Recurso de: COOPERATIVA DE TRANSPORTE DE CARGAS DO "2.2.2 - RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA

ESTADO DE SANTA CATARINA - COOPERCARGA A Juíza da origem entendeu que a ré Coopercarga beneficiou-se

dos serviços prestados pelo autor, condenando-a de forma

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade subsidiária ao pagamento das verbas inadimplidas (p. 912-913).

serão analisados de acordo com os novos parâmetros A recorrente assevera que: a) é uma cooperativa de transportes que

estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal tem por objeto prestar serviços aos seus cooperados; b) atua no

Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. agenciamento de cargas, por meio da captação de clientes,

13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir disponibilizando melhores oportunidades de fretes para seus

de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei). cooperados, no intuito de que estes aufiram maiores rendimentos;

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de c) não há semelhança entre as atividades desempenhadas por ela e

decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n. as realizadas pelas demais rés.

13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme Argumenta, também, que não pode ser compelida a assumir

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do obrigações trabalhistas geradas por atos ilícitos que não foram por

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 73
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

ela praticados, sobre os quais não possuía qualquer tipo de poder CONCLUSÃO

ou influência, posto que não lhe competia gerir os funcionários. DENEGO seguimento ao recurso de revista.

Requer a exclusão da condenação em diferenças de horas extras, Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

intervalo intrajornada e interjornada, adicional noturno e respectivos circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

reflexos. Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

Sucessivamente requer que a responsabilidade seja limitada aos pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

créditos de natureza salarial (p. 940-944). 003, de 16 de fevereiro de 2018.

Sem razão.

Incontroverso que o autor laborou como motorista tritem para a ré Recurso de: CONCÓRDIA LOGÍSTICA S.A.

Concórdia de 18.11.2011 a 2.5.2014 e para a ré Gtork no período

de 20.6.14 a 31.12.14, assim como que tais empresas são Destaque-se, inicialmente, o entendimento firmado por este Tribunal

cooperadas/associadas à Coopercarga (p. 191-192). acerca de tema objeto do recurso:

Ademais, a ré Coopercarga intermediava a contratação de fretes - Súmula nº 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.

para o transporte de madeiras para a terceira ré Fibria. INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1.

Outrossim, a ré Fibria-MS firmou contrato de transporte de madeira É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD

com a Concórdia Logística (p. 224 e ss.), que por sua vez, cedeu tal acumulada" constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91. 2.

contrato à Coopercarga, a qual utilizou do trabalho do autor para o Por razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a

cumprimento de seus misteres empresariais. modulação de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal

Cumpre observar, ainda, que a recorrente Coopercarga afirmou Federal para atualizar os débitos dos precatórios judiciais

inexistir relação empregatícia entre ambos, porém não negou ter se (questão de ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa

utilizados dos serviços prestados pelo obreiro. da declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos

Dessa forma, caracterizada a hipótese prevista no item IV da trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator

Súmula 331 do C. TST, uma vez que a recorrente beneficiou-se da indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento

mão de obra do autor, verbis: da ADI 4425".

"O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do Registre-se, também, que os pressupostos de admissibilidade serão

empregador, implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos analisados de acordo com os novos parâmetros estabelecidos pela

serviços quanto àquelas obrigações, desde que haja participado da Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Superior do

relação processual e conste também do título executivo judicial." Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. 13.467/2017

A referida responsabilidade abarca todos os créditos trabalhistas (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir de

inadimplidos, independentemente da natureza jurídica de tais 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

parcelas. Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de

Nego provimento". decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.

A Turma consignou que a 1ª ré, Concórdia Logística, cedeu o 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

contrato de transporte de madeira, firmado com Fibria-MS, para a solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

recorrente Coopercarga, tendo esta utilizado do trabalho do autor o OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

cumprimento de seus misteres empresariais. 2018.

Para o acolhimento da pretensão recursal seria necessário o

reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na Súmula PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 16/10/2018 - f. 1157 -

divergência jurisprudencial. Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 26/10/2018 - f.

Ademais, inespecífico o aresto colacionado, que não trata da 1142/1154, por meio do Sistema PJe.

mesma hipótese dos autos, em que recorrente não demonstrou que Regular a representação, f. 861.

não "utilizou do trabalho do autor para o cumprimento de seus Satisfeito o preparo (f. 915, 915, 1005/1006, 1007/1008 e

misteres empresariais", quando a 1ª ré lhe cedeu o contrato firmado 1155/1156).

pela Fibria (Súmula 296/TST).

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 74
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Duração do Trabalho / Turno Ininterrupto de Revezamento. prequestionamento, incide a Súmula 297/TST.

Alegação(ões):

- violação ao artigo 7º, XIII e XXVI, da CF; Duração do Trabalho / Intervalo Intrajornada.

- divergência jurisprudencial. Alegação(ões):

Sustenta, em síntese, que: a) conforme negociações coletivas, foi - violação ao artigo 71, § 4º, da CLT;

estabelecido jornada superior a 8 horas, limitada a 10 horas, motivo - divergência jurisprudencial.

pelo qual inaplicável o entendimento contido na Súmula 423 do Sustenta, em síntese, que: a) era impossível fiscalizar a fruição do

TST; b) o caso é de previsão da jornada em escala 4x2 por intervalo intrajornada gozado externamente; b) os controles de

negociação coletiva, a qual deve ser respeitada; c) mesmo que seja jornada atestam que o recorrido usufruía de, no mínimo, 1 (uma)

considerado o turno ininterrupto de revezamento, o que não se hora de intervalo para refeição e descanso por dia, conforme fichas

concorda, a invalidação da compensação de jornada pactuada de jornada; c) o autor sempre foi orientado a usufruir do intervalo

coletivamente não invalida o cumprimento da jornada normal de 8 intrajornada, mas devido à natureza do trabalho, não havia

horas prevista na CF; d) caso mantida a condenação, as horas possibilidade de realizar efetiva fiscalização da sua fruição, pois no

extras devem ser limitadas às excedentes da 8ª diária, para não curso da jornada, em especial, no momento do intervalo, o autor

causar enriquecimento sem causa do obreiro e tendo em vista que não estava nas dependências da empresa; d) a orientação de

não se tratava de turno ininterrupto, mas de compensação de usufruir 1 hora de intervalo consta expressamente do contrato de

jornada prevista em negociação coletiva; e) o autor usufruia de trabalho do recorrido, e apenas pelas rotas passadas pela

intervalo intrajornada, pelo que sua atividade não era contínua, não recorrente ao empregado não era possível controlar o intervalo, o

havendo falar em turnos de revezamento; f) a maior parte do tempo qual poderia escolher o melhor horário para usufruí-lo, cabendo ao

o autor estava em viagens, ocasiões estas nas quais não há que se trabalhador dispor do período concedido livremente.

falar em revezamento, pois o serviço de um empregado não é Requer o provimento do apelo, para afastar a condenação em tela.

continuado por outro, de imediato, sucessivamente; g) o labor do A Turma assentou que a prova oral comprova as alagações do

motorista não possui compatibilidade com o regime em turnos autor de que havia a fruição parcial do intervalo intrajornada.

ininterruptos de revezamento, pois há um inicio e um término para Desse modo, a decisão está em sintonia com a Súmula 437 do C.

as viagens, sem a sucessividade de turnos, posto que em cada TST, o que inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por

viagem há somente um motorista; h) o Art. 235-C, § 13º dispõe que divergência jurisprudencial (Súmula 333/TST).

o motorista não tem horário de início da sua jornada, tampouco Ademais, para o acolhimento da pretensão recursal seria

horário fim e por esta razão, não há possibilidade do necessário o reexame de fatos e provas, o que encontra óbice na

reconhecimento do turno ininterrupto de revezamento, sob pena de Súmula 126/TST e inviabiliza o seguimento do recurso, inclusive por

afronta ao dispositivo de lei federal. divergência jurisprudencial.

Pede a reforma da decisão.

Inviável o seguimento do recurso, ante a conclusão da Turma de DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO /

que os controles de jornada revelam que o reclamante ativava-se Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da

com alternância de horários de trabalho (ora no período diurno e ora Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária

no período noturno), o que configura turno ininterrupto de Alegação(ões):

revezamento. Além disso, por meio de regular negociação coletiva - violação ao artigo 879, §7º, da CLT;

somente é possível limitar em oito horas o labor em turnos - violação ao artigo 39 da Lei n. 8.177/91;

ininterruptos de revezamento, de modo que não são válidas - violação ao artigo 15 da Lei nº 10.192/2001.

estipulações de horários superiores a esse patamar, ainda que por Sustenta que deve ser aplicado o índice TR, nos termos do artigo

instrumento coletivo. 39 da Lei 8.177/1991 e do artigo 879, §7º, da CLT.

Decisão em consonância com as Súmulas 85, IV, e 423 do C. TST, Requer a reforma do v. acórdão.

e OJ 360 da SDI-1/TST o que inviabiliza o seguimento do recurso, Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma

inclusive por dissenso jurisprudencial (Súmula 333/TST). vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação

Quantos aos demais argumentos, inviável o seguimento do recurso, infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação,

uma vez que a Turma não adotou tese sobre a matéria, à luz dos não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no

dispositivos invocados pela recorrente. Ausente o art. 896, "c", da CLT.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 75
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Segue entendimento firmado por este Tribunal acerca do tema:

Súmula 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA.

INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1. PODER JUDICIÁRIO


É inconstitucional a expressão 'equivalentes à TRD acumulada' JUSTIÇA DO TRABALHO
constante no art. 39, 'caput', da Lei nº 8.177/91. 2. Por razão de
Fundamentação
segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação de efeitos
Recurso de Revista
concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para atualizar os
Recorrente(s): 1. ABIGHAIL SILVA DE SOUZA
débitos dos precatórios judiciais (questão de ordem na ADI 4357),
Advogado(a)(s): 1. Van Hanegam Donero (MS - 9835-B)
limita-se a eficácia retroativa da declaração a 26.03.2015, a partir de
Recorrido(a)(s): 1. EMPLAL C.O. EMBALAGENS PLÁSTICAS
quando os débitos trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-
LTDA.
E, fator indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no
2. SENAI - SERVIÇO NACIONAL DE
julgamento da ADI 4425".
APRENDIZAGEM INDUSTRIAL
Na hipótese, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula
Advogado(a)(s): 1. Antônio Ary Franco César (SP - 123514)
23 deste Egrégio Tribunal, inexistindo as violações apontadas, o
2. Célia Kikumi Hirokawa Higa (MS - 3626)
que inviabiliza o seguimento do recurso.

Registre-se, inicialmente, que os pressupostos de admissibilidade


CONCLUSÃO
serão analisados de acordo com os novos parâmetros
DENEGO seguimento ao recurso de revista.
estabelecidos pela Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal
Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício
Superior do Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n.
circular SEGJUD/TST n. 051/2014.
13.467/2017 (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir
Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado
de 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).
pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.
Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de
003, de 16 de fevereiro de 2018.
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
Publique-se e intimem-se.
13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme
Assinatura
solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019
OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

2018.
NICANOR DE ARAUJO LIMA

Desembargador Federal do Trabalho


PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
Decisão
Processo Nº RO-0024049-36.2016.5.24.0072 Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 10/10/2018 - f. 539 -
Relator FRANCISCO DAS CHAGAS LIMA
FILHO Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 23/10/2018 - f.
RECORRENTE ABIGHAIL SILVA DE SOUZA 527/538, por meio do Sistema PJe.
ADVOGADO VAN HANEGAM DONERO(OAB: 9835
-B/MS) Regular a representação, f. 15.
ADVOGADO IRANI OTTONI(OAB: 6256-A/MS) Dispensado o preparo. Beneficiário(a) da Justiça Gratuita, conforme
RECORRIDO EMPLAL C.O. EMBALAGENS
PLASTICAS LTDA f. 440.
ADVOGADO ANTONIO ARY FRANCO
CESAR(OAB: 123514/SP)
ADVOGADO ANDRE LUIS GARCIA DE PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS
FREITAS(OAB: 6160/MS)
Outras Relações de Trabalho / Contrato de Aprendizagem.
RECORRIDO SENAI-SERVICO NACIONAL DE
APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Alegação(ões):
ADVOGADO MICHAEL FRANK GORSKI(OAB:
7471/MS) - violação aos artigos 429 e 443 da CLT.
ADVOGADO CELIA KIKUMI HIROKAWA - violação à Lei 10.097/2000.
HIGA(OAB: 3626/MS)
Sustenta, em síntese, que:"restou provado nos autos que muito
Intimado(s)/Citado(s):
embora conste a função de aprendiz - controle qualidade conforme
- ABIGHAIL SILVA DE SOUZA
contrato de ID 8d8509e - Pág. 1, a Recorrente se ativou exercendo
- EMPLAL C.O. EMBALAGENS PLASTICAS LTDA
- SENAI-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM funções de assistente de almoxarifado, em tarefas totalmente
INDUSTRIAL

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 76
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

alheias com a qualidade de aprendiz"; b) "o "contrato de retornado após um ano, não afasta o direito à estabilidade, pois tal

aprendizagem" articulado pelas Recorridas para obter mão-de-obra fato ocorreu por estar desempregada e não ter condições

a baixo custo não se enquadra em nenhuma das hipóteses financeiras de arcar com os cuidados próprios e de seu filho recém

previstas pelo art. 443 da CLT para contratação por prazo nascido, sendo obrigada a permanecer em sua cidade natal, já que

determinado"; c) "não prevalece a hipótese de "Contrato de lá possui a ajuda financeira de parentes e amigos.

Aprendizagem" previsto pelo art. 429 da CLT, já que a Seção IV da Consta no v. acórdão (f. 491/493):

CLT é composta por artigos para disciplinar relativamente aos "2.2 - ESTABILIDADE DA TRABALHADORA GESTANTE

"deveres dos responsáveis legais de menores, dos empregadores e A sentença rejeitou o pedido alusivo à indenização substitutiva da

da aprendizagem", o que não é o caso dos presentes autos, até estabilidade de gestante ao fundamento de que a natureza do

porque a Recorrida era maior de idade"; d) o contrato é nulo, pois contrato de aprendizagem não se coaduna com a estabilidade

excedeu a jornada de seis horas diárias, além disso, no período de garantia à gestante.

férias do curso na segunda recorrida, foi obrigada a cumprir jornada Pugna a autora a reforma, ao argumento de ter comprovado o

de 8 horas diárias somente com atividades práticas como aprendiz estado de gestante ao longo do período contratual.

na primeira recorrida; e) as recorridas anotaram o registro do Não prospera o recurso, todavia.

contrato de aprendizagem com data posterior ao da prestação de Em primeiro lugar, não houve rescisão do contrato, mas extinção

serviços, o que gera diferenças de verbas rescisórias. em decorrência do transcurso do prazo de vigência. Logo, não há

A Turma consignou que o contrato de aprendizagem foi cogitar de dispensa obstativa ao direito à estabilidade, data venia.

devidamente anotado na CTPS da autora e o termo respectivo Mas, ainda que assim não fosse, não existe prova de que a autora

exibido, nos termos previstos no art. 428 da CLT, bem como que os tenha tomado conhecimento da gestação durante a vigência do

registros de ponto revelam que a carga horária máxima de seis contrato de aprendizagem, manos ainda as acionadas.

horas, prevista no art. 432 da CLT, foi respeitada. Assentou, ainda, De fato, o único documento pertinente exibido foi a certidão de

que não foi comprovada a incorreção do período laboral registrado, nascimento do filho da demandante, que se deu em 25.8.2014 (f.

além disso, a autora confessou que não houve continuidade na 21).

prestação laboral, pelo que não ocorreu dispensa, mas extinção do Não bastasse, o ajuizamento da ação pleiteando a estabilidade se

contrato pelo decurso do tempo de vigência. deu em 15.1.2016, quando o menor contava com um ano e cinco

Inviável o seguimento do recurso, uma vez que a Turma não adotou meses de idade, ou seja, cerca de um ano após o término do

tese sobre a matéria, à luz dos dispositivos invocados pela período da alegada estabilidade.

recorrente. Ausente o prequestionamento, incide a Súmula Esse comportamento, pelo menos em tese, demonstra abuso no

297/TST. exercício do direito, pois objetiva apenas a indenização substitutiva

Ademais, para a pretensão recursal de violação de lei tem como da alegada garantia, o que, com todo o respeito, também revela

pressuposto a indicação expressa do dispositivo tido como violado, certa má-fé, à medida que tem por objetivo tirar vantagem do

incide a Súmula 221/TST. próprio comportamento omisso da autora, seja quanto à

comunicação da gravidez à empresa ou ainda porque ajuizada ação

Rescisão do Contrato de Trabalho / Reintegração/Readmissão após tempo razoável do parto, apenas comprovado mediante a

ou Indenização / Gestante. exibição da certidão de nascimento com o ajuizamento da presente.

Alegação(ões): É certo que, nos termos do entendimento contido na Súmula 244 do

- violação ao artigo 10, II, b, do ADCT; Colendo Tribunal Superior do Trabalho - TST e pela jurisprudência

- contrariedade à Súmula 244, III, do TST. do Excelso Supremo Tribunal Federal, a garantia de emprego da

Sustenta, em síntese, que: a) "se a empregada aprendiz está gestante independe de comunicação ao empregador e de ser o

gestante antes do vencimento do contrato, é de se aplicar a garantia contrato por prazo determinado ou indeterminado.

da estabilidade provisória estabelecida pelo inciso III da Súmula 244 Todavia, referida garantia visa a proteção da maternidade, ou, em

do TST, uma vez que o objeto da prestação de serviços (contrato de análise última, tutela os direitos do nascituro de modo que a

formação profissional) possui natureza equivalente ao contrato por genitora possa dele cuidar nos primeiros meses de vida sem correr

tempo determinado. Havendo a dispensa arbitrária, deverá o o risco de desemprego.

empregador ser compelido judicialmente a reintegrar a empregada"; Isso não obstante, as normas que tutelam o aludido direito-garantia

b) o fato de a obreira ter ido embora da cidade de Três Lagoas e devem ser interpretadas de acordo com a sua vocação institucional

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 77
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

e à luz do princípio da boa-fé que deve nortear o comportamento nobre alcance e finalidade. E não tendo o contrato sido rompido

das partes do contrato de trabalho e que se estende também ao imotivadamente pelo empregador apenas extinguindo-se em virtude

âmbito do processo (arts. 422 do Código Civil, 6º do Código de do exaurimento do prazo de vigência, ou ainda porque face ao

Processo Civil e 791/793-A e seguintes da Lei Consolidada). razoável lapso temporal entre o ajuizamento da ação e o término do

Desse modo, as partes devem se conduzir tanto na celebração prazo acolher a tese defendida pela trabalhadora, quando não

como na execução do contrato e mesmo após rompido, de forma comprovado qualquer fato impeditivo ao retorno ao trabalho.

leal e com boa-fé. Recurso improvido.

Assim entendido, e como decorrência desse dever de lealdade e Nesse quadro, não vejo como acolher a tese defendida pela

boa-fé, não é admissível o exercício de um direito quando a posição recorrente pelo que, nego provimento ao recurso".

jurídica alegada tenha sido criada mediante uma conduta ilegal ou Vislumbra-se, na decisão da Turma, possível contrariedade à

contrária ao Direito ou, ainda de forma contrária ao previsto no Súmula 244, III/TST.

ordenamento jurídico (art. 187 do Código Civil) e não como se

pretendeu na presente ação. Responsabilidade Solidária/Subsidiária.

Assim, se a empresa apenas veio a tomar conhecimento do estado Sustenta, em síntese, que: a) "condenando a primeira Recorrida ao

de gravidez da trabalhadora quando citada do ajuizamento da pagamento das verbas devidas à obreira, deve ser condenada

presente ação mais de um ano após o nascimento da criança, não também, a segunda demandada, pelo pagamento dos direitos da

pode ser punida pelo comportamento da autora. Recorrente"; b) "ambas as demandadas tinham ciência da condição

Embora a proteção a maternidade seja garantida pelo ordenamento de empregada da Recorrente na função de assistente de

jurídico (arts. 6º, 7º, inciso XVIII 10, II, "b" do ADCT da Carta de almoxarifado, atividades estas totalmente distintas do contrato de

1988 e 391-A da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprendiz, sendo que desta forma, as Recorridas se beneficiaram

interpretadas pela Súmula 244 do Colendo Tribunal Superior do dos serviços prestados pela obreira, devendo arcar com a

Trabalho - TST), não pode ser interpretada como se pretendeu na responsabilidade solidária/ subsidiária".

presente ação. A recorrente não demonstra os permissivos aptos a ensejar o

Ora, se a autora aguarda o vencimento do contrato e da própria conhecimento do recurso de revista, quais sejam, a violação direta e

garantia, deixando transcorrer tempo razoável, e vem requerer não literal a dispositivo constituicional ou de lei federal, divergência

a reintegração, indenização por ato que ela própria deu causa, num jurisprudencial ou, ainda, contrariedade à Súmula ou Orientação

manifesto abuso no exercício do direito que visa, como antes Jurisprudencial do C. TST, o que inviabiliza o seguimento do

anotado proteger a maternidade, parece não existir dúvida que agiu recurso (incidência da Súmula 221/TST).

com má-fé e forma abusiva.

O direito à proteção do emprego, como todo direito, não pode ser CONCLUSÃO

exercido com desvio de sua finalidade institucional, que é proteger a RECEBO, em parte, o recurso de revista.

maternidade e não se transformar em indenização pecuniária. Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

Nesse sentido, aliás, entendeu esta Turma no julgamento do circular SEGJUD/TST n. 051/2014.

Recurso interposto no Proc. 0024272.42.2016.5.24.002-ROPS, cujo Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

acórdão de minha relatoria ficou assim ementado: pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

ESTABILIDADE PROVISÓRIA. GESTANTE. AJUIZAMENTO DA 003, de 16 de fevereiro de 2018.

AÇÃO APÓS ESGOTAMENTO DO PERÍODO ESTABILITÁRIO. Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para,

VIOLAÇÃO À BOA-FÉ OBJETIVA - Tendo a ação sido ajuizada querendo, contra-arrazoar no prazo legal.

cerca de sete meses depois de vencido o prazo da garantia da

pretendida estabilidade e pretendendo a autora apenas a Assinatura

indenização substitutiva, de certa forma obrou em má-fé, pois o CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

direito à estabilidade visando dar proteção à maternidade e ao

nascituro deveria ter sido postulado, enquanto pudesse ser NICANOR DE ARAUJO LIMA

exercido. Não pode a trabalhadora escolher o momento de postulá- Desembargador Federal do Trabalho

lo, sob pena de se desvirtuar a finalidade da garantia com a Decisão


Processo Nº RO-0025734-84.2017.5.24.0091
monetarização de um direito social que tem induvidosamente um

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 78
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Relator AMAURY RODRIGUES PINTO


JUNIOR Federal para atualizar os débitos dos precatórios judiciais
RECORRENTE IDERLAN RIBEIRO MENDES (questão de ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa
ADVOGADO Joise Maira Bearari Ramos(OAB:
6553/MS) da declaração a 26.03.2015, a partir de quando os débitos
ADVOGADO Enildo Ramos(OAB: 7425/MS) trabalhistas deverão ser atualizados pelo IPCA-E, fator
RECORRENTE BIOSEV S.A.
indexador eleito pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento
ADVOGADO GRAZIELI MEAZZA(OAB: 13764/MS)
ADVOGADO LEONARDO SANTINI da ADI 4425".
ECHENIQUE(OAB: 14642-A/MS)
Registre-se, que os pressupostos de admissibilidade serão
RECORRIDO BIOSEV S.A.
ADVOGADO GRAZIELI MEAZZA(OAB: 13764/MS) analisados de acordo com os novos parâmetros estabelecidos pela
ADVOGADO LEONARDO SANTINI Lei n. 13.015/2014, regulamentada pelo Tribunal Superior do
ECHENIQUE(OAB: 14642-A/MS)
RECORRIDO IDERLAN RIBEIRO MENDES Trabalho por meio do Ato n. 491/14, e pela Lei n. 13.467/2017
ADVOGADO Joise Maira Bearari Ramos(OAB: (publicada no DOU de 14.7.2017, com vigência a partir de
6553/MS)
ADVOGADO Enildo Ramos(OAB: 7425/MS) 11.11.2017, nos termos do artigo 6º, da referida Lei).

Registre-se, ainda, que o presente recurso foi interposto em face de


Intimado(s)/Citado(s):
decisão proferida a partir da entrada em vigor da Lei n.
- BIOSEV S.A.
- IDERLAN RIBEIRO MENDES 13.467/2017, com vigência a partir de 11.11.2017, conforme

solicitado pelo Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio do

OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N. 003, de 16 de fevereiro de

2018.
PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO TRABALHO
PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS
Fundamentação Tempestivo o recurso (acórdão publicado em 05/12/2018 - f. 661 -
Recurso de Revista Lei 11.419/2006, art. 4º, § 3º); interposto em 12/12/2018 - f. 637, por
Recorrente(s): BIOSEV S.A meio do Sistema PJe.
Advogado(a)(s): LEONARDO SANTINI ECHENIQUE (MS - 14642- Regular a representação, f. 27/30.
A) Satisfeito o preparo (f. 462, 505/506, 503/504, 599 e 659/660).
Recorrido(a)(s): IDERLAN RIBEIRO MENDES

Advogado(a)(s): Enildo Ramos (MS - 7425) PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

Duração do Trabalho / Horas in itinere / Supressão / Limitação


Destaque-se, inicialmente, o entendimento firmado por este Tribunal por Norma Coletiva
acerca de temas objeto do recurso: Alegação(ões):
Súmula nº 10: "Horas 'in itinere'. Negociação coletiva. - contrariedade à Súmula 90 do Colendo TST;
Autodeterminação coletiva que encontra limites nos princípios - violação aos artigos 5º, XL e 7º, VI, XIII, XIV e XXVI; e 8º, III, da
da razoabilidade e proporcionalidade. Não se reconhece CF;
validade de cláusula de instrumento normativo de natureza - violação aos artigos 113 e 422 do CC;
autônoma que estabelece o pagamento das horas 'in itinere' em - violação aos artigos 8º, caput e §1º, 58, §2º; 458, § 2º; e 460 da
parâmetro inferior a 50% (cinquenta por cento) do tempo de CLT;
percurso." - violação ao artigo 2º, caput e parágrafo único, do CP;
Súmula nº 13: "A existência de linha de ônibus intermunicipal - divergência jurisprudencial.
ou interestadual não elide o direito à percepção das horas 'in Sustenta, em suma, que: a) a nova redação do artigo 58, §2º, da
itinere'." CLT tenha entrado em vigor somente em novembro de 2017, deve
Súmula nº 23: "ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. ser aplicada ao presente caso por força do artigo 8º, caput e §1º, da
INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº 8.177/1991. 1. CLT c/c artigo 5º, XL, da Constituição Federal e artigo 2º, caput e
É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD parágrafo único, do Código Penal; b) é válida a norma coletiva que
acumulada" constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91. 2. transacionou o pagamento das horas in itinere, parte em dinheiro e
Por razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a parte através de concessão de vantagens aos empregados da
modulação de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal reclamada, incluindo-se o próprio Reclamante; c) a insuficiência e a

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 79
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

incompatibilidade de horário do transporte não geram direito à PROPORCIONALIDADE. Não se reconhece validade de cláusula

verba, sendo certo que em parte dos trajetos há transporte público de instrumento normativo de natureza autônoma que estabelece o

intermunicipal e que quando do trâmite nas rodovias não se pagamento das horas in itinere em parâmetro inferior a 50%

preencheram os pressupostos da Súmula n.º 90 do C. TST e do (cinquenta por cento) do tempo de percurso.

artigo 58, §2º, da CLT para integração do tempo despendido no No caso presente, prevaleceu o tempo aferido em auto de

trajeto na jornada de trabalho. constatação, conforme convencionado pelas partes em audiência

Pretende a exclusão dessa condenação. (p. 447) e consignado em 67 minutos por trecho (p. 260).

Em caráter eventual, requer: a) a condenação adstrita aos dias O Acordo Coletivo previu pagamento de apenas 20 minutos para os

efetivamente trabalhados e anotados nos cartões de ponto; b) trabalhadores, o que afasta a razoabilidade da negociação. Assim,

reconhecimento da natureza jurídica indenizatória da parcela; c) e encontra-se eivado de nulidade, razão por que correta a sentença

não integração de adicionais de insalubridade e/ou periculosidade, que deferiu a integração das horas de percurso na jornada de

porque durante o percurso o trabalhador não está exposto a trabalho do empregado.

qualquer agente nocivo. Sem razão a ré ao postular que o tempo gasto dentro da cidade não

Consta do v. acórdão (f. 593/594): integre as horas de percurso, porque nesse período o empregado

"2.1.1 - HORAS IN ITINERE também estava à disposição da empresa em condução por ela

A Juíza da origem considerou inválida a norma coletiva que prefixou fornecida.

o tempo de percurso e deferiu o pagamento de horas in itinere, no Desse modo, a integralidade do tempo de trajeto deve ser

importe de 2h14min para cada dia trabalhado (p. 453-456). computada à jornada do obreiro.

A ré argumenta que: a) parte do trajeto é servido por transporte O período de percurso é considerado tempo à disposição do

público intermunicipal; b) o tempo de percurso guarda a devida empregador, integra a jornada de trabalho do empregado para

proporcionalidade com o fixado em norma coletiva; c) é válido o todos os efeitos e, se extrapolada a jornada normal diária, deve ser

acordo coletivo que prefixou as horas de percurso em troca de computado como horas extraordinárias, acrescidas, inclusive, do

inúmeras vantagens. adicional respectivo, bem como pagamento de intervalo interjornada

Eventualmente, pede: limitação do tempo de percurso ao limite (art. 4° da CLT e Súmula n. 90 do TST).

convencional; dias efetivamente laborados; não incidência de Por fim, os demais parâmetros de liquidação não se afastam

reflexos, dada a natureza indenizatória; não integração de daqueles postulados pela recorrente (dias efetivamente trabalhados

adicionais de insalubridade/periculosidade; dedução dos valores e abatimento de rubricas pagas).

pagos sob idêntica rubrica (p. 478-500). Nego provimento."

Sem razão. A recorrente demonstrou a existência de divergência apta a ensejar

A empregadora desenvolve atividade rural e, portanto, o local de o seguimento do recurso, com a ementa colacionada à f. 653,

prestação de serviços é de difícil acesso, não afastando a proveniente do E. TRT da 3ª Região, no seguinte sentido:

inacessibilidade o fato de existir transporte público intermunicipal "ACORDO COLETIVO - EFICÁCIA - O acordo coletivo resulta de

em parte do trajeto, conforme Súmula nº 13 desta Corte. livre manifestação da vontade do sindicato representativo da

A negociação coletiva que afasta o direito às horas in itinere, categoria profissional e da empresa que, através de concessões

quando preenchidos os requisitos legais para percebimento do recíprocas, estabelecem o que melhor lhes convém. Nesse

direito, é nula, conforme reiterada jurisprudência do Tribunal contexto, se as próprias partes optaram pelo ajuste no sentido de

Superior do Trabalho. que a concessão de transporte aos empregados, entre os pontos de

Na verdade, a iterativa jurisprudência do Tribunal Superior do embarque e os postos de trabalho, não gera direitos e obrigações e

Trabalho admite a validade de acordo que quantifica o tempo in prevê que nem mesmo o tempo de deslocamento, inclusive o

itinere, desde que observado o princípio da razoabilidade. interno nos locais de trabalho, poderá ser caracterizado para efeito

Considera-se razoável a quantificação que não seja inferior a 50% de pagamento de horas in itinere, não será o Judiciário a tecer

do tempo efetivamente gasto no transporte, nos termos da Súmula ingerências no teor da pactuação. Impõe-se o respeito à autonomia

n. 10 deste egrégio TRT da 24ª Região, que assim dispõe: privadacoletiva, que tem previsão constitucional - Art. 8º, da

HORAS IN ITINERE. NEGOCIAÇÃO COLETIVA. Constituição, sendo assegurado, também no art. 7º, inciso XXVI, o

AUTODETERMINAÇÃO COLETIVA QUE ENCONTRA LIMITES reconhecimento das cláusulas firmadas em convenções e acordos

NOS PRINCÍPIOS DA RAZOABILIDADE E coletivos. (TRT 03ª R. - RO 00169-2009-088-03-00-9 - Primeira

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 80
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Turma - Rel. Des. Fernando Luiz Gonçalves Rios Neto - DJe Inclua-se o indicador "Lei 13.467/2017", conforme solicitado

18.12.2009)". pelo C. TST, por meio do OFÍCIO-CIRCULAR SEGJUD.GP N.

003, de 16 de fevereiro de 2018.

DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / Publique-se e intimem-se as partes, a(s) recorrida(s) para,

Liquidação/Cumprimento/Execução / Valor da querendo, contra-arrazoar no prazo legal.

Execução/Cálculo/Atualização / Correção Monetária Assinatura

Alegação(ões): CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

- violação ao artigo 2º; 92; 97; 102, I, "a"; e 114 da CF;

- violação ao artigo 39 da Lei 8.177/1991. NICANOR DE ARAUJO LIMA

Sustenta, em síntese, que: a) a decisão do TST, que declara a Desembargador Federal do Trabalho

inconstitucionalidade da TR como índice de atualização de crédito Despacho


trabalhista, determinando a aplicação do IPCA-E, não transitou em Despacho
Processo Nº MS-0024003-98.2018.5.24.0000
julgado, de modo que aplicá-la de imediato e de forma retroativa Relator AMAURY RODRIGUES PINTO
JUNIOR
desprestigia a segurança jurídica, a proteção da confiança legítima
IMPETRANTE EMPRESA BRASILEIRA DE
e até mesmo o princípio da boa-fé objetiva; b) as decisões INFRAESTRUTURA
AEROPORTUARIA - INFRAERO
proferidas pelo STF analisam tão somente previsões legais voltadas ADVOGADO CAMILA ADRIELE CARVALHO
BRANCO DE OLIVEIRA(OAB:
aos entes públicos, inexistindo qualquer pronunciamento em relação 18153/PA)
aos entes privados e aos particulares e, portanto, não podem ser AUTORIDADE JUIZ DA 6ª VARA DO TRABALHO DE
COATORA CAMPO GRANDE
levadas a efeito na seara trabalhista; c) o TST, ao adotar o IPCA-E CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
TRABALHO
como índice, afronta os artigos 2º, 92 e 114 da Constituição Federal.
TERCEIRO BARBARA ANTONIA DOS REIS
Requer a reforma. INTERESSADO NETTO
ADVOGADO FERNANDO ISA GEABRA(OAB:
Não se vislumbra a alegada violação à Constituição Federal, uma 5903/MS)
vez que a matéria deve ser analisada à luz da legislação ADVOGADO REJANE RIBEIRO FAVA
GEABRA(OAB: 6966/MS)
infraconstitucional que a disciplina. Portanto, se houvesse violação,

não se daria de forma direta e literal, conforme exigência contida no Intimado(s)/Citado(s):


- BARBARA ANTONIA DOS REIS NETTO
art. 896, alínea "c", da CLT.

Segue entendimento firmado por este Tribunal acerca do tema:

Súmula 23, cuja redação é a seguinte: "ATUALIZAÇÃO

MONETÁRIA. INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 39 DA LEI nº PODER JUDICIÁRIO


8.177/1991. 1. É inconstitucional a expressão 'equivalentes à TRD JUSTIÇA DO TRABALHO
acumulada' constante no art. 39, 'caput', da Lei nº 8.177/91. 2. Por

razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a modulação

de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal Federal para

atualizar os débitos dos precatórios judiciais (questão de ordem na

ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa da declaração a

26.03.2015, a partir de quando os débitos trabalhistas deverão ser

atualizados pelo IPCA-E, fator indexador eleito pelo Supremo


Vistos.
Tribunal Federal no julgamento da ADI 4425".

Na hipótese, portanto, a Turma decidiu em sintonia com a Súmula


Trata-se de recurso ordinário em mandado de segurança,
23 deste Egrégio Tribunal, inexistindo as violações apontadas, o
interposto pela Empresa Brasileira de Infraestrutura
que inviabiliza o seguimento do recurso.
Aeroportuária - INFRAERO em face do v. acórdão proferido por

esta Corte, que denegou a segurança pleiteada.


CONCLUSÃO

RECEBO parcialmente o recurso de revista.


Pois bem.
Inclua-se o indicador "Lei 13.015/2014", conforme ofício

circular SEGJUD/TST n. 051/2014.


Ocorre que, em consulta ao sítio eletrônico do TRT da 24ª

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 81
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Região, verifica-se que foi proferida sentença nos autos do

processo originário em 24.08.2018, razão pela qual se impõe a

aplicação da Súmula 414, III, do TST:

CAMPO GRANDE, 4 de Abril de 2019

NICANOR DE ARAUJO LIMA

MANDADO DE SEGURANÇA. TUTELA PROVISÓRIA Desembargador Federal do Trabalho

CONCEDIDA ANTES OU NA SENTENÇA.

(...) Despacho
Processo Nº RO-0024315-23.2016.5.24.0072
Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA
III - A superveniência da sentença, nos autos originários, faz RECORRENTE WILSON, SONS LOGISTICA LTDA
ADVOGADO ANA CAROLINA DE SOUZA
perder o objeto do mandado de segurança que impugnava a COTRIM(OAB: 11630/MS)
concessão ou o indeferimento da tutela provisória. RECORRENTE CLAUDINEI PEREIRA DE SOUZA
ADVOGADO DANIELE DE ALMEIDA MARTINS
COSTA(OAB: 9218/MS)
ADVOGADO VANDERLEI JOSE DA SILVA(OAB:
7598/MS)
RECORRIDO WILSON, SONS LOGISTICA LTDA
Portanto, já tendo sido proferida sentença de mérito no ADVOGADO ANA CAROLINA DE SOUZA
COTRIM(OAB: 11630/MS)
processo originário, emerge cristalina a perda superveniente RECORRIDO CLAUDINEI PEREIRA DE SOUZA
do interesse processual do presente mandamus. ADVOGADO DANIELE DE ALMEIDA MARTINS
COSTA(OAB: 9218/MS)
ADVOGADO VANDERLEI JOSE DA SILVA(OAB:
7598/MS)
Assim, em virtude da falta de interesse superveniente, extingo

sem resolução de mérito a presente ação de segurança, nos Intimado(s)/Citado(s):


termos do artigo 485, VI, do CPC. - CLAUDINEI PEREIRA DE SOUZA
- WILSON, SONS LOGISTICA LTDA

Custas pela impetrante no importe de R$ 20,00 (vinte reais),

calculadas sobre o valor atribuído à causa.

PODER JUDICIÁRIO
Intimem-se as partes desta decisão. JUSTIÇA DO TRABALHO

Fundamentação
Intime-se também a impetrante para efetuar o pagamento das
Vistos.
custas processuais, cujo valor é de R$ 20,00 (vinte reais), pelo
WILSON, SONS LOGISTICA LTDA interpõe agravo de instrumento
prazo de 5 (cinco) dias, sob pena de execução e inscrição no
em face da decisão que denegou seguimento ao recurso de revista.
Banco Nacional de Devedores da Justiça do Trabalho - BNDT.
Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos.

Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal,


Satisfeita a execução, remetam-se cópias das decisões e da
contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de
certidão do trânsito em julgado ao Juízo da vara de origem e,
revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT).
em ato contínuo, arquivem-se os autos.
Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do

Trabalho.
Em caso de não satisfação da quantia exequenda, retornem-se
Publique-se.
os autos conclusos.
Assinatura

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019


À Secretaria Judiciária para cumprimento.

NICANOR DE ARAUJO LIMA

Desembargador Federal do Trabalho


Despacho

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 82
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Processo Nº AP-0024183-98.2015.5.24.0007 Intimado(s)/Citado(s):


Relator RICARDO GERALDO MONTEIRO - DIEGO VALDETARO
ZANDONA
- GILVANA SOARES HELOU - EPP
AGRAVANTE ELIANE FERNANDES
- RCC TRANSPORTES RODOVIARIOS EIRELI
ADVOGADO GISELE CRISTINA DA CRUZ(OAB:
16233/MS) - T N G COMERCIO DE ROUPAS LTDA
ADVOGADO ANDERSON FRANCISCO DE - VALDAC LTDA
NOVAIS(OAB: 16300/MS)
AGRAVADO JAGUAR TRANSPORTES URBANOS
LTDA
ADVOGADO ANDRE LUIS XAVIER
MACHADO(OAB: 7676/MS) PODER JUDICIÁRIO

Intimado(s)/Citado(s): JUSTIÇA DO TRABALHO

- ELIANE FERNANDES
Fundamentação
- JAGUAR TRANSPORTES URBANOS LTDA
Vistos.

DIEGO VALDETARO interpõe agravo de instrumento em face da

decisão que denegou seguimento ao recurso de revista.


PODER JUDICIÁRIO
Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos.
JUSTIÇA DO TRABALHO
Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal,

Fundamentação contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de

Vistos. revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT).

ELIANE FERNANDES interpõe agravo de instrumento em face da Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do

decisão que denegou seguimento ao recurso de revista. Trabalho.

Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos. Publique-se.

Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal, Assinatura

contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT).

Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do NICANOR DE ARAUJO LIMA

Trabalho. Desembargador Federal do Trabalho

Publique-se. Despacho
Processo Nº RO-0026093-65.2015.5.24.0071
Assinatura Relator MARCIO VASQUES THIBAU DE
ALMEIDA
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 RECORRENTE LEANDRO GONCALVES DA CRUZ
ADVOGADO DANIELE DE ALMEIDA MARTINS
COSTA(OAB: 9218/MS)
NICANOR DE ARAUJO LIMA ADVOGADO VANDERLEI JOSE DA SILVA(OAB:
7598/MS)
Desembargador Federal do Trabalho
RECORRENTE COOPERCARGA LOGÍSTICA
Despacho ADVOGADO SHEILA UGOLINI(OAB: 16411/SC)
Processo Nº RO-0026504-11.2015.5.24.0071
Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA RECORRIDO FIBRIA-MS CELULOSE SUL MATO-
GROSSENSE LTDA
RECORRENTE DIEGO VALDETARO
ADVOGADO ANTONIO TEBET JUNIOR(OAB:
ADVOGADO DANIELE DE ALMEIDA MARTINS 5182/MS)
COSTA(OAB: 9218/MS)
RECORRIDO GTORK LOGISTICA LTDA
ADVOGADO VANDERLEI JOSE DA SILVA(OAB:
7598/MS) ADVOGADO RODRIGO FAGGION BASSO(OAB:
14140/SC)
RECORRIDO RCC TRANSPORTES RODOVIARIOS
EIRELI RECORRIDO COOPERCARGA LOGÍSTICA
ADVOGADO MICHEL GEORGES JARROUGE ADVOGADO SHEILA UGOLINI(OAB: 16411/SC)
NETO(OAB: 338245/SP) RECORRIDO LEANDRO GONCALVES DA CRUZ
RECORRIDO VALDAC LTDA ADVOGADO DANIELE DE ALMEIDA MARTINS
ADVOGADO LUIZ EDUARDO AMARAL DE COSTA(OAB: 9218/MS)
MENDONCA(OAB: 187146/SP) ADVOGADO VANDERLEI JOSE DA SILVA(OAB:
RECORRIDO GILVANA SOARES HELOU - EPP 7598/MS)
ADVOGADO MICHEL GEORGES JARROUGE
NETO(OAB: 338245/SP) Intimado(s)/Citado(s):
RECORRIDO T N G COMERCIO DE ROUPAS LTDA - COOPERCARGA LOGÍSTICA
ADVOGADO DENISE CRISTINA CORIO - FIBRIA-MS CELULOSE SUL MATO-GROSSENSE LTDA
FIGUEIRA(OAB: 165615/SP)
- GTORK LOGISTICA LTDA
- LEANDRO GONCALVES DA CRUZ

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 83
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

JBS S/A interpõe agravo de instrumento em face da decisão que

denegou seguimento ao recurso de revista.

PODER JUDICIÁRIO Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos.

JUSTIÇA DO TRABALHO Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal,

contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de


Fundamentação
revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT).
Vistos.
Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do
COOPERCARGA LOGÍSTICA interpõe agravo de instrumento em
Trabalho.
face da decisão que denegou seguimento ao recurso de revista.
Publique-se.
Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos.
Assinatura
Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal,
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019
contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de

revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT).


NICANOR DE ARAUJO LIMA
Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do
Desembargador Federal do Trabalho
Trabalho. Despacho
Publique-se. Processo Nº RO-0024945-46.2017.5.24.0007
Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA
Assinatura RECORRENTE GRANFLOR - GESTAO DE
EMPREENDIMENTOS FLORESTAIS
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 LTDA
ADVOGADO HENRIQUE CUSINATO
HERMANN(OAB: 46523/RS)
NICANOR DE ARAUJO LIMA RECORRIDO EDUARDO HILARIO RODRIGUES
Desembargador Federal do Trabalho ADVOGADO ROGER AUGUSTO DE SOUZA(OAB:
16084/MS)
Despacho
Processo Nº RO-0024674-52.2017.5.24.0002
Intimado(s)/Citado(s):
Relator AMAURY RODRIGUES PINTO
JUNIOR - EDUARDO HILARIO RODRIGUES
RECORRENTE JBS S/A - GRANFLOR - GESTAO DE EMPREENDIMENTOS
ADVOGADO NADIELLE PEREIRA FLORESTAIS LTDA
LEONARDO(OAB: 17929/MS)
ADVOGADO RENATA GONCALVES
TOGNINI(OAB: 11521/MS)
RECORRENTE MARCIO GLEIDSON VERA RIBEIRO
ADVOGADO ONOR SANTIAGO DA SILVEIRA PODER JUDICIÁRIO
JUNIOR(OAB: 12443-B/MS)
JUSTIÇA DO TRABALHO
ADVOGADO ZELIA MARIA DE BARROS
ARAUJO(OAB: 17650/MS)
RECORRIDO MARCIO GLEIDSON VERA RIBEIRO Fundamentação
ADVOGADO ONOR SANTIAGO DA SILVEIRA Vistos.
JUNIOR(OAB: 12443-B/MS)
ADVOGADO ZELIA MARIA DE BARROS GRANFLOR - GESTAO DE EMPREENDIMENTOS FLORESTAIS
ARAUJO(OAB: 17650/MS)
LTDA interpõe agravo de instrumento em face da decisão que
RECORRIDO JBS S/A
ADVOGADO NADIELLE PEREIRA denegou seguimento ao recurso de revista.
LEONARDO(OAB: 17929/MS)
Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos.
ADVOGADO RENATA GONCALVES
TOGNINI(OAB: 11521/MS) Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal,

contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de


Intimado(s)/Citado(s):
- JBS S/A revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT).
- MARCIO GLEIDSON VERA RIBEIRO Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do

Trabalho.

Publique-se.

PODER JUDICIÁRIO Assinatura

JUSTIÇA DO TRABALHO CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

Fundamentação
NICANOR DE ARAUJO LIMA
Vistos.
Desembargador Federal do Trabalho

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 84
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

RECORRENTE EMBRATEL TVSAT


Despacho TELECOMUNICACOES SA
Processo Nº RO-0025436-53.2017.5.24.0007 ADVOGADO RENATA GONCALVES
Relator NICANOR DE ARAUJO LIMA TOGNINI(OAB: 11521/MS)
RECORRENTE EMPRESA BRASILEIRA DE ADVOGADO PAULA BARBOSA CUPPARI(OAB:
CORREIOS E TELEGRAFOS 13001-B/MS)
ADVOGADO Marcos Hideki Kamibayashi(OAB: RECORRENTE CLARO S.A.
14580/MS)
ADVOGADO RENATA GONCALVES
ADVOGADO MARCOS HENRIQUE BOZA(OAB: TOGNINI(OAB: 11521/MS)
13041-B/MS)
ADVOGADO PAULA BARBOSA CUPPARI(OAB:
ADVOGADO Ana Luiza Lazzarini Lemos(OAB: 13001-B/MS)
3659/MS)
RECORRIDO WALDINEI HELIO IFRAN & CIA LTDA
RECORRENTE CELSO BARBOSA SANTANA - ME
ADVOGADO FERNANDO ISA GEABRA(OAB: ADVOGADO ANA CAROLINA DE SOUZA
5903/MS) COTRIM(OAB: 11630/MS)
ADVOGADO REJANE RIBEIRO FAVA ADVOGADO ROGERSON RIMOLI(OAB: 9132-
GEABRA(OAB: 6966/MS) A/MS)
RECORRIDO EMPRESA BRASILEIRA DE RECORRIDO SAMUEL BARBOSA MIRANDA DE
CORREIOS E TELEGRAFOS SOUZA
ADVOGADO Ana Luiza Lazzarini Lemos(OAB: ADVOGADO ROZANA DE OLIVEIRA GOMES(OAB:
3659/MS) 18688/MS)
ADVOGADO MARCOS HENRIQUE BOZA(OAB:
13041-B/MS) Intimado(s)/Citado(s):
ADVOGADO Marcos Hideki Kamibayashi(OAB:
14580/MS) - CLARO S.A.
RECORRIDO CELSO BARBOSA SANTANA - EMBRATEL TVSAT TELECOMUNICACOES SA
ADVOGADO REJANE RIBEIRO FAVA - SAMUEL BARBOSA MIRANDA DE SOUZA
GEABRA(OAB: 6966/MS) - WALDINEI HELIO IFRAN & CIA LTDA - ME
ADVOGADO FERNANDO ISA GEABRA(OAB:
5903/MS)

Intimado(s)/Citado(s):
- CELSO BARBOSA SANTANA PODER JUDICIÁRIO
- EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS JUSTIÇA DO TRABALHO

Fundamentação

Vistos.
PODER JUDICIÁRIO
EMBRATEL TVSAT TELECOMUNICACOES S.A. e outro(s)
JUSTIÇA DO TRABALHO
interpõe agravo de instrumento em face da decisão que denegou

Fundamentação seguimento ao recurso de revista.

Vistos. Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos.

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal,

interpõe agravo de instrumento em face da decisão que denegou contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de

seguimento ao recurso de revista. revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT).

Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos. Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do

Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal, Trabalho.

contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de Publique-se.

revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT). Assinatura

Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

Trabalho.

Publique-se. NICANOR DE ARAUJO LIMA

Assinatura Desembargador Federal do Trabalho

CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019 Despacho


Processo Nº RO-0024939-68.2016.5.24.0041
Relator MARCIO VASQUES THIBAU DE
ALMEIDA
NICANOR DE ARAUJO LIMA RECORRENTE LUIZ MAURICIO SAMANIEGO ALVIS
Desembargador Federal do Trabalho ADVOGADO CRISTIANE PEREIRA
OLIVEIRA(OAB: 9788/MS)
Despacho RECORRENTE RUMO MALHA OESTE S.A.
Processo Nº RO-0024092-73.2016.5.24.0071
Relator ANDRE LUIS MORAES DE OLIVEIRA ADVOGADO DEBORA MARCHI KAUPERT(OAB:
349872/SP)

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 85
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

RECORRIDO RUMO MALHA OESTE S.A. Intimado(s)/Citado(s):


ADVOGADO DEBORA MARCHI KAUPERT(OAB: - ANDRITZ BRASIL LTDA
349872/SP)
- ENESA ENGENHARIA LTDA.
RECORRIDO LUIZ MAURICIO SAMANIEGO ALVIS
- SEBASTIAO PEDRO DA SILVA
ADVOGADO CRISTIANE PEREIRA
OLIVEIRA(OAB: 9788/MS)

Intimado(s)/Citado(s):
- LUIZ MAURICIO SAMANIEGO ALVIS PODER JUDICIÁRIO
- RUMO MALHA OESTE S.A.
JUSTIÇA DO TRABALHO

Fundamentação

Vistos.
PODER JUDICIÁRIO
ENESA ENGENHARIA LTDA interpõe agravo de instrumento em
JUSTIÇA DO TRABALHO
face da decisão que denegou seguimento ao recurso de revista.
Fundamentação Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos.
Vistos. Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal,
RUMO MALHA OESTE S.A. interpõe agravo de instrumento em contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de
face da decisão que denegou seguimento ao recurso de revista. revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT).
Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos. Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do
Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal, Trabalho.
contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de Indefiro o pedido de comunicação de atos processuais
revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT). exclusivamente em nome do advogado Ricardo André Zambo, pois
Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do no sistema PJe seu acolhimento implicaria em desabilitar os demais
Trabalho. causídicos da recorrente, sem que essa consequência tenha sido
Publique-se. manifestamente expressa nesse pedido.
Assinatura Publique-se.
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

Assinatura
NICANOR DE ARAUJO LIMA CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019
Desembargador Federal do Trabalho
Despacho NICANOR DE ARAUJO LIMA
Processo Nº ROPS-0026143-57.2016.5.24.0071
Relator MARCIO VASQUES THIBAU DE Desembargador Federal do Trabalho
ALMEIDA
Despacho
RECORRENTE ENESA ENGENHARIA LTDA. Processo Nº MS-0024047-83.2019.5.24.0000
ADVOGADO RICARDO ANDRE ZAMBO(OAB: Relator RICARDO GERALDO MONTEIRO
138476/SP) ZANDONA
ADVOGADO RODRIGO NOGUEIRA GOMES(OAB: IMPETRANTE WALDIR GASPAR DA SILVA
236193/SP)
ADVOGADO DIEGO GATTI(OAB: 13846-A/MS)
RECORRENTE SEBASTIAO PEDRO DA SILVA
AUTORIDADE Juízo da Vara do Trabalho de Naviraí
ADVOGADO JOSEMIRO ALVES DE COATORA
OLIVEIRA(OAB: 85725/SP)
CUSTOS LEGIS MINISTÉRIO PÚBLICO DO
ADVOGADO MARISOL MARIM ALVES DE TRABALHO
OLIVEIRA(OAB: 12449/MS)
TERCEIRO EMERSON VENANCIO DA SILVA
RECORRIDO SEBASTIAO PEDRO DA SILVA INTERESSADO
ADVOGADO JOSEMIRO ALVES DE
OLIVEIRA(OAB: 85725/SP) Intimado(s)/Citado(s):
ADVOGADO MARISOL MARIM ALVES DE
OLIVEIRA(OAB: 12449/MS) - WALDIR GASPAR DA SILVA
RECORRIDO ENESA ENGENHARIA LTDA.
ADVOGADO RICARDO ANDRE ZAMBO(OAB:
138476/SP)
ADVOGADO RODRIGO NOGUEIRA GOMES(OAB:
236193/SP) PODER JUDICIÁRIO
RECORRIDO ANDRITZ BRASIL LTDA JUSTIÇA DO TRABALHO
ADVOGADO RICARDO ANDRE ZAMBO(OAB:
138476/SP)
Fundamentação

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 86
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Vistos. NICANOR DE ARAUJO LIMA

Intime-se o impetrante para realizar o pagamento das custas Desembargador Federal do Trabalho

processuais, cujo valor é de R$ 20,00 (vinte reais), pelo prazo Despacho


Processo Nº AP-0024973-29.2017.5.24.0002
de 5 (cinco) dias, sob pena de execução e inscrição no Banco Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA
Nacional de Devedores da Justiça do Trabalho - BNDT. AGRAVANTE OSCAR LUIS DE MORAIS
ADVOGADO JUNIA DE ABREU GUIMARAES
Satisfeita a execução, remetam-se cópias das decisões e da SOUTO(OAB: 10778/DF)
certidão do trânsito em julgado ao Juízo da vara de origem e, AGRAVADO RAFAEL DE MARCHI
ADVOGADO LUIZ FERNANDO RODRIGUES
em ato contínuo, arquivem-se os autos. VILLANUEVA(OAB: 8203/MS)
Em caso de não satisfação da quantia exequenda, retornem-se AGRAVADO MORAIS, CASTILHO & BRINDEIRO
SOCIEDADE DE ADVOGADOS
os autos conclusos.

À Secretaria Judiciária para cumprimento. Intimado(s)/Citado(s):


- MORAIS, CASTILHO & BRINDEIRO SOCIEDADE DE
Assinatura ADVOGADOS
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

NICANOR DE ARAUJO LIMA


PODER JUDICIÁRIO
Desembargador Federal do Trabalho
JUSTIÇA DO TRABALHO
Despacho
Processo Nº ROPS-0026219-81.2016.5.24.0071
Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA
RECORRENTE ELDORADO BRASIL CELULOSE S/A
ADVOGADO GIOVANI MALDI DE MELO(OAB:
185770/SP)
RECORRIDO JORGE SANTANA DOS SANTOS
ADVOGADO LUIS HENRIQUE MARIANO ALVES
DE SOUZA(OAB: 291115/SP) Vistos.
ADVOGADO MARCELO RICARDO MARIANO(OAB:
124426/SP)
OSCAR LUIS DE MORAIS interpõe agravo de instrumento em face
Intimado(s)/Citado(s): da decisão que denegou seguimento ao recurso de revista.
- ELDORADO BRASIL CELULOSE S/A
- JORGE SANTANA DOS SANTOS
Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos.

Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal,


PODER JUDICIÁRIO contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de
JUSTIÇA DO TRABALHO revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT).

Fundamentação
Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do
Vistos.
Trabalho.
ELDORADO BRASIL CELULOSE SA interpõe agravo de

instrumento em face da decisão que denegou seguimento ao


Publique-se.
recurso de revista.

Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos.

Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal,

contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de

revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT).

Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do

Trabalho.
CAMPO GRANDE, 5 de Abril de 2019
Publique-se.

Assinatura
NICANOR DE ARAUJO LIMA
CAMPO GRANDE, 6 de Abril de 2019

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 87
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Desembargador Federal do Trabalho NICANOR DE ARAUJO LIMA

Desembargador Federal do Trabalho

Despacho
Processo Nº RO-0026021-28.2014.5.24.0002
Relator NERY SA E SILVA DE AZAMBUJA
RECORRENTE MB ENGENHARIA SPE 021 S/A Subsecretaria da 1ª Turma
ADVOGADO DANIEL BATTIPAGLIA SGAI(OAB:
214918/SP) Acórdão
ADVOGADO RINALDO AMORIM ARAUJO(OAB: Acórdão
199099/SP) Processo Nº ROPS-0024625-82.2016.5.24.0022
RECORRIDO EDILSON MEZA FERREIRA Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
ADVOGADO MONARA MENEZES NEVES(OAB:
18695/MS) RECORRENTE WESLEY CAMILO
ADVOGADO JUCINEIDE ALMEIDA DE ADVOGADO ADY DE OLIVEIRA MORAES(OAB:
MENEZES(OAB: 12859/MS) 8468/MS)
RECORRIDO CLAUDINEI CANDIDO DA SILVA - ME RECORRIDO ROSANE DE FATIMA DA SILVA
PICOLI - EPP
Intimado(s)/Citado(s): ADVOGADO JOSE DE ARAUJO(OAB: 14355/MS)

- CLAUDINEI CANDIDO DA SILVA - ME


Intimado(s)/Citado(s):
- WESLEY CAMILO

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO TRABALHO PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO TRABALHO

Vistos.

MB ENGENHARIA SPE 021 S/A interpõe agravo de instrumento em PROCESSO nº 0024625-82.2016.5.24.0022 (ROPS)
face da decisão que denegou seguimento ao recurso de revista.

Relatora : JUÍZA CONVOCADA KELLY CRISTINA MONTEIRO


Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos. DIAS ESTADULHO

Intime(m)-se a(s) parte(s) agravada(s) para, no prazo legal, Recorrente : WESLEY CAMILO
contraminutar o(s) agravo(s) e contra-arrazoar o(s) recurso(s) de

revista (art. 897, parágrafo sexto, da CLT). Advogado : Ady de Oliveira Moraes

Decorrido o prazo, encaminhem-se ao Colendo Tribunal Superior do Recorrido : ROSANE DE FATIMA DA SILVA PICOLI - EPP
Trabalho.

Advogado : Jose De Araujo


Publique-se.

Origem : 2ª Vara do Trabalho de Dourados/MS

CAMPO GRANDE, 5 de Abril de 2019

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 88
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Assiste-lhe razão.

As partes firmaram dois contratos de trabalho em períodos distintos:

AÇÃO AJUIZADA ANTERIORMENTE À VIGÊNCIA DA LEI o primeiro de 1º.11.2012 (data reconhecida na sentença) a

13.467/2017. HONORÁRIOS SUCUMBENCIAIS INDEVIDOS. Pelo 3.4.2013e o segundo de 3.2.2014 a 21.7.2014. O primeiro contrato

princípio da causalidade, em relação aos honorários sucumbenciais, de trabalho foi alcançado pela prescrição bienal (f. 155).

aplicam-se as regras vigentes à época do ajuizamento da ação.

Súmula 219/TST. Art. 6º da Resolução 221/2018 do TST. Assim, a análise se refere apenas ao segundo contrato de trabalho

do autor.

Neste segundo contrato, os cartões de ponto reputados válidos na

origem demonstram que foi instituído um regime de compensação

de jornada (f. 74-79), cujos critérios não foram especificados pela

ré.

SENTENÇA DA LAVRA DO EXMO JUÍZA ERICA SILVA

BOQUIMPANI Embora não tenha sido esclarecida a frequência da compensação,

os cartões de ponto revelam que era semanal.

Na peça de impugnação à defesa, o autor refutou tal sistema de

Dispensado o relatório conforme art. 852-I da CLT. compensação de jornada, requerendo fosse declarado nulo, em

razão do labor insalubre, nos termos da Súmula n. 24 deste

Regional.

FUNDAMENTOS DO VOTO Pois bem.

Dispõe a Súmula n. 24 deste Regional:

1 - CONHECIMENTO 24 - ACORDO DE COMPENSAÇÃO - AMBIENTE INSALUBRE -

AUTORIZAÇÃO - ART. 60. É inválido o acordo compensatório de

Preenchidos os pressupostos de admissibilidade, conheço do horas extras em atividade insalubre à falta de prévia autorização do

recurso do reclamante. Poder Público (art. 60 da CLT).

Considerando que o labor em ambiente insalubre é incontroverso e

tendo em vista o entendimento sumulado por este Regional e pelo

2 - MÉRITO próprio TST (Súmula 85, VI), reputo inválida a compensação de

jornada ocorrida no segundo contrato de trabalho do autor.

2.1 - HORAS EXTRAS - NULIDADE DO ACORDO DE

COMPENSAÇÃO DE JORNADA Por conseguinte, dou provimento ao recurso do reclamante para

deferir as horas extras excedentes a 8ª diária ou 44ª semanal, o que

O juiz da origem indeferiu o pedido de horas extras e reflexos, sob o lhe for mais benéfico.

argumento de que o reclamante não demonstrou que a acionada

descumpriu os acordos de compensação de jornada. Considerando que o sobrelabor não era validamente compensado,

inaplicável ao caso a Súmula 85, IV, do TST.

O autor se insurge contra a sentença alegando nulidade no acordo

de compensação de jornada, pois laborou em ambiente insalubre. As horas extras, por habituais, deverão gerar reflexos nos RSRs,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 89
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

férias com 1/3, 13º salários, aviso prévio e FGTS. Recorre o reclamante em face da condenação ao pagamento de

honorários sucumbenciais, ao argumento de que ajuizou a ação

Deverão ser abatidos, mês a mês, os valores eventualmente pagos antes da vigência da nova lei, sem considerar os riscos da

sob as mesmas rubricas ora deferidas, conforme se apurar dos sucumbência que, na época, não existiam.

recibos de pagamento juntados aos autos.

Assiste-lhe razão.

Para o cálculo deverão ser adotados os seguintes parâmetros:

jornada anotada nos cartões de ponto, divisor 220 e a evolução A nova disciplina acerca dos honorários sucumbenciais na justiça

salarial encontrada nos recibos de pagamento juntados aos autos, do trabalho foi introduzida por meio da Lei 13.467/2017, que entrou

devendo compor a base de cálculo todas as parcelas salariais em vigor em 11/11/2017.

pagas habitualmente (Súmula n. 264/TST).

Quanto às regras de direito processual, o ordenamento pátrio

Em relação aos meses cujos recibos de pagamento não tenham adotou a teoria do isolamento dos atos processuais, refletida no art.

sido juntados, considerar-se-á a remuneração encontrada no 14 do CPC, segundo a qual a lei nova alcança o processo em curso,

primeiro mês subseqüente existente nos autos. desde que respeitado o ato consolidado, a fim de preservar o direito

adquirido processual.

Há que se ter em mente, entretanto, que um ato consolidado pode

2.2 - DANOS MORAIS - AUSÊNCIA DE ANOTAÇÃO NA CTPS ter efeitos para o futuro, ensinando Garcia Medina, Wambier e

Teresa Arruda Alvim (Segurança jurídica e irretroatividade da norma

Sob o argumento de que a ausência de registro do contrato de processual. Revista Jurídica da Seção Judiciária de Pernambuco,

trabalho do reclamante gerou apenas prejuízo de índole objetiva, a p á g . 3 3 5 . F o n t e :

julgadora singular indeferiu o pedido do autor de danos morais. https://revista.jfpe.jus.br/index.php/RJSJPE/article/view/80) que:

"aos atos processuais, praticados na vigência de lei anterior, desde

Recorre o reclamante alegando que a falta de anotação na CTPS que devam produzir efeitos no futuro e ocorra mudança de lei, é a

gera dano moral presumido decorrente da violação do art. 29 da lei anterior que deverá ser aplicada, porque ela continua

CLT. legitimamente a reger aqueles efeitos ulteriores".

A reclamada anotou a CTPS do autor em 1º.2.2013, e o vínculo de Os honorários sucumbenciais, em razão do princípio da

emprego foi reconhecido três meses antes, em 1.11.2012. causalidade, decorrem de a parte ter formulado pedido

improcedente ou indevidamente resistido. Logo, embora a

O pedido de danos morais, portanto, refere-se à violação legal condenação ao pagamento dos honorários da sucumbência ocorra

ocorrida no primeiro contrato de trabalho do reclamante com a ré, apenas por ocasião da sentença, essa é decorrência do pedido feito

que durou de 1º.11.2012 a 3.4.2013. na exordial. Ou seja, o "fato gerador" ocorreu com a petição inicial,

momento em que, aliás, os honorários sucumbenciais são

Contudo, conforme já asseverado, as pretensões condenatórias de pleiteados (ainda que implicitamente).

referido contrato foram alcançadas pela prescrição bienal, declarada

na origem, para as pretensões condenatórias anteriores a 3.4.2015 Assim, o ato processual consolidou-se no protocolo da exordial,

(sentença - f. 155). devendo sujeitar-se à legislação vigente àquela data, não obstante

surta seus efeitos na sentença.

Diante disso, nego provimento ao recurso do reclamante.

Nesse sentido é a orientação do c. TST, conforme art. 6º da

Resolução 221/2018, verbis:

2.3 - HONORÁRIOS SUCUMBENCIAIS Art. 6º. Na Justiça do Trabalho, a condenação em honorários

advocatícios sucumbenciais, prevista no art. 791-A, e parágrafos da

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 90
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

CLT, será aplicável apenas às ações propostas após 11 de Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

novembro de 2017 (Lei nº 13.467/2017). Nas ações propostas

anteriormente, subsistem as diretrizes do art. 14. da Lei nº ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Egrégio Tribunal

5.584/1970 e das Súmulas nº 219 e 329 do TST. Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, após o

representante do Ministério Público do Trabalho ter-se manifestado

verbalmente pelo regular prosseguimento do feito, por unanimidade,

aprovar o relatório oral, conhecer do recurso ordinário em

Diante do exposto, considerando que essa ação foi proposta procedimento sumaríssimo e, no mérito, dar-lhe parcial

anteriormente ao início da vigência da lei 13.467/2017, não há se provimento para condenar a reclamada ao pagamento de horas

falar em honorários sucumbenciais, consoante o entendimento extras e reflexos e excluir da condenação os honorários

consolidado na Súmula n. 219/TST. sucumbenciais a serem suportados pelo reclamante, nos termos do

voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho (relatora).

Dou provimento ao recurso do reclamante, para excluir os

honorários sucumbenciais da condenação. Com fulcro na letra "d" do inciso II da Instrução Normativa nº 3/93

do C. TST, atribui-se, provisoriamente, novo valor à condenação, a

saber, R$ 3.000,00 (um mil reais), fixando as custas processuais em

R$ 60,00 (sessenta reais), a cargo da reclamada, a serem

complementadas no prazo legal.

Campo Grande, 02 de abril de 2019.

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO

Juíza Convocada

Relatora

Acórdão
Processo Nº ROPS-0024625-82.2016.5.24.0022
Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
RECORRENTE WESLEY CAMILO
ADVOGADO ADY DE OLIVEIRA MORAES(OAB:
8468/MS)
RECORRIDO ROSANE DE FATIMA DA SILVA
Participam deste julgamento: PICOLI - EPP
ADVOGADO JOSE DE ARAUJO(OAB: 14355/MS)

Desembargador André Luís Moraes de Oliveira; Intimado(s)/Citado(s):


- ROSANE DE FATIMA DA SILVA PICOLI - EPP

Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e

Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 91
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO TRABALHO
Dispensado o relatório conforme art. 852-I da CLT.

FUNDAMENTOS DO VOTO

PROCESSO nº 0024625-82.2016.5.24.0022 (ROPS)

Relatora : JUÍZA CONVOCADA KELLY CRISTINA MONTEIRO 1 - CONHECIMENTO


DIAS ESTADULHO

Preenchidos os pressupostos de admissibilidade, conheço do


Recorrente : WESLEY CAMILO recurso do reclamante.

Advogado : Ady de Oliveira Moraes

Recorrido : ROSANE DE FATIMA DA SILVA PICOLI - EPP 2 - MÉRITO

Advogado : Jose De Araujo 2.1 - HORAS EXTRAS - NULIDADE DO ACORDO DE

COMPENSAÇÃO DE JORNADA
Origem : 2ª Vara do Trabalho de Dourados/MS

O juiz da origem indeferiu o pedido de horas extras e reflexos, sob o

argumento de que o reclamante não demonstrou que a acionada

descumpriu os acordos de compensação de jornada.

O autor se insurge contra a sentença alegando nulidade no acordo

de compensação de jornada, pois laborou em ambiente insalubre.

Assiste-lhe razão.

As partes firmaram dois contratos de trabalho em períodos distintos:


AÇÃO AJUIZADA ANTERIORMENTE À VIGÊNCIA DA LEI o primeiro de 1º.11.2012 (data reconhecida na sentença) a
13.467/2017. HONORÁRIOS SUCUMBENCIAIS INDEVIDOS. Pelo 3.4.2013e o segundo de 3.2.2014 a 21.7.2014. O primeiro contrato
princípio da causalidade, em relação aos honorários sucumbenciais, de trabalho foi alcançado pela prescrição bienal (f. 155).
aplicam-se as regras vigentes à época do ajuizamento da ação.

Súmula 219/TST. Art. 6º da Resolução 221/2018 do TST. Assim, a análise se refere apenas ao segundo contrato de trabalho

do autor.

Neste segundo contrato, os cartões de ponto reputados válidos na

origem demonstram que foi instituído um regime de compensação

de jornada (f. 74-79), cujos critérios não foram especificados pela

ré.
SENTENÇA DA LAVRA DO EXMO JUÍZA ERICA SILVA

BOQUIMPANI Embora não tenha sido esclarecida a frequência da compensação,

os cartões de ponto revelam que era semanal.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 92
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

2.2 - DANOS MORAIS - AUSÊNCIA DE ANOTAÇÃO NA CTPS

Na peça de impugnação à defesa, o autor refutou tal sistema de

compensação de jornada, requerendo fosse declarado nulo, em Sob o argumento de que a ausência de registro do contrato de

razão do labor insalubre, nos termos da Súmula n. 24 deste trabalho do reclamante gerou apenas prejuízo de índole objetiva, a

Regional. julgadora singular indeferiu o pedido do autor de danos morais.

Pois bem. Recorre o reclamante alegando que a falta de anotação na CTPS

gera dano moral presumido decorrente da violação do art. 29 da

Dispõe a Súmula n. 24 deste Regional: CLT.

24 - ACORDO DE COMPENSAÇÃO - AMBIENTE INSALUBRE - A reclamada anotou a CTPS do autor em 1º.2.2013, e o vínculo de

AUTORIZAÇÃO - ART. 60. É inválido o acordo compensatório de emprego foi reconhecido três meses antes, em 1.11.2012.

horas extras em atividade insalubre à falta de prévia autorização do

Poder Público (art. 60 da CLT). O pedido de danos morais, portanto, refere-se à violação legal

ocorrida no primeiro contrato de trabalho do reclamante com a ré,

Considerando que o labor em ambiente insalubre é incontroverso e que durou de 1º.11.2012 a 3.4.2013.

tendo em vista o entendimento sumulado por este Regional e pelo

próprio TST (Súmula 85, VI), reputo inválida a compensação de Contudo, conforme já asseverado, as pretensões condenatórias de

jornada ocorrida no segundo contrato de trabalho do autor. referido contrato foram alcançadas pela prescrição bienal, declarada

na origem, para as pretensões condenatórias anteriores a 3.4.2015

Por conseguinte, dou provimento ao recurso do reclamante para (sentença - f. 155).

deferir as horas extras excedentes a 8ª diária ou 44ª semanal, o que

lhe for mais benéfico. Diante disso, nego provimento ao recurso do reclamante.

Considerando que o sobrelabor não era validamente compensado,

inaplicável ao caso a Súmula 85, IV, do TST.

2.3 - HONORÁRIOS SUCUMBENCIAIS

As horas extras, por habituais, deverão gerar reflexos nos RSRs,

férias com 1/3, 13º salários, aviso prévio e FGTS. Recorre o reclamante em face da condenação ao pagamento de

honorários sucumbenciais, ao argumento de que ajuizou a ação

Deverão ser abatidos, mês a mês, os valores eventualmente pagos antes da vigência da nova lei, sem considerar os riscos da

sob as mesmas rubricas ora deferidas, conforme se apurar dos sucumbência que, na época, não existiam.

recibos de pagamento juntados aos autos.

Assiste-lhe razão.

Para o cálculo deverão ser adotados os seguintes parâmetros:

jornada anotada nos cartões de ponto, divisor 220 e a evolução A nova disciplina acerca dos honorários sucumbenciais na justiça

salarial encontrada nos recibos de pagamento juntados aos autos, do trabalho foi introduzida por meio da Lei 13.467/2017, que entrou

devendo compor a base de cálculo todas as parcelas salariais em vigor em 11/11/2017.

pagas habitualmente (Súmula n. 264/TST).

Quanto às regras de direito processual, o ordenamento pátrio

Em relação aos meses cujos recibos de pagamento não tenham adotou a teoria do isolamento dos atos processuais, refletida no art.

sido juntados, considerar-se-á a remuneração encontrada no 14 do CPC, segundo a qual a lei nova alcança o processo em curso,

primeiro mês subseqüente existente nos autos. desde que respeitado o ato consolidado, a fim de preservar o direito

adquirido processual.

Há que se ter em mente, entretanto, que um ato consolidado pode

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 93
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

ter efeitos para o futuro, ensinando Garcia Medina, Wambier e

Teresa Arruda Alvim (Segurança jurídica e irretroatividade da norma

processual. Revista Jurídica da Seção Judiciária de Pernambuco,

p á g . 3 3 5 . F o n t e :

https://revista.jfpe.jus.br/index.php/RJSJPE/article/view/80) que:

"aos atos processuais, praticados na vigência de lei anterior, desde

que devam produzir efeitos no futuro e ocorra mudança de lei, é a

lei anterior que deverá ser aplicada, porque ela continua

legitimamente a reger aqueles efeitos ulteriores".

Os honorários sucumbenciais, em razão do princípio da

causalidade, decorrem de a parte ter formulado pedido

improcedente ou indevidamente resistido. Logo, embora a

condenação ao pagamento dos honorários da sucumbência ocorra

apenas por ocasião da sentença, essa é decorrência do pedido feito

na exordial. Ou seja, o "fato gerador" ocorreu com a petição inicial,

momento em que, aliás, os honorários sucumbenciais são

pleiteados (ainda que implicitamente).

Assim, o ato processual consolidou-se no protocolo da exordial,

devendo sujeitar-se à legislação vigente àquela data, não obstante Participam deste julgamento:

surta seus efeitos na sentença.

Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;

Nesse sentido é a orientação do c. TST, conforme art. 6º da

Resolução 221/2018, verbis: Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e

Art. 6º. Na Justiça do Trabalho, a condenação em honorários Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

advocatícios sucumbenciais, prevista no art. 791-A, e parágrafos da

CLT, será aplicável apenas às ações propostas após 11 de Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

novembro de 2017 (Lei nº 13.467/2017). Nas ações propostas

anteriormente, subsistem as diretrizes do art. 14. da Lei nº ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Egrégio Tribunal

5.584/1970 e das Súmulas nº 219 e 329 do TST. Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, após o

representante do Ministério Público do Trabalho ter-se manifestado

verbalmente pelo regular prosseguimento do feito, por unanimidade,

aprovar o relatório oral, conhecer do recurso ordinário em

Diante do exposto, considerando que essa ação foi proposta procedimento sumaríssimo e, no mérito, dar-lhe parcial

anteriormente ao início da vigência da lei 13.467/2017, não há se provimento para condenar a reclamada ao pagamento de horas

falar em honorários sucumbenciais, consoante o entendimento extras e reflexos e excluir da condenação os honorários

consolidado na Súmula n. 219/TST. sucumbenciais a serem suportados pelo reclamante, nos termos do

voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho (relatora).

Dou provimento ao recurso do reclamante, para excluir os

honorários sucumbenciais da condenação. Com fulcro na letra "d" do inciso II da Instrução Normativa nº 3/93

do C. TST, atribui-se, provisoriamente, novo valor à condenação, a

saber, R$ 3.000,00 (um mil reais), fixando as custas processuais em

R$ 60,00 (sessenta reais), a cargo da reclamada, a serem

complementadas no prazo legal.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 94
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Campo Grande, 02 de abril de 2019. Recorrido :MARILENE DOS SANTOS

Advogado :Vitor Hugo Nunes Rocha

Origem :Vara do Trabalho de Bataguassu/MS

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO

Juíza Convocada

Relatora

Acórdão
Processo Nº ROPS-0024635-30.2018.5.24.0096
Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
RECORRENTE MARFRIG GLOBAL FOODS S.A.
ADVOGADO SERGIO GONINI BENICIO(OAB: NULIDADE DE CLÁUSULAS DE NORMAS COLETIVAS. TEORIA
195470/SP)
DO CONGLOBAMENTO. Em respeito ao princípio constitucional de
RECORRIDO MARILENE DOS SANTOS
ADVOGADO VITOR HUGO NUNES ROCHA(OAB: reconhecimento das convenções e acordos coletivos, a nulidade de
241272/SP)
uma única cláusula (ou de parte dela) não tem o condão de invalidar

Intimado(s)/Citado(s): a totalidade do acordo coletivo, sendo necessário mitigar o princípio

- MARFRIG GLOBAL FOODS S.A. do conglobamento, limitando a declaração de nulidade apenas à

cláusula que desrespeita os direitos mínimos do trabalhador,

mantendo-se incólume o restante do pacto coletivo. Recurso não

provido.
PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO TRABALHO

PROCESSO nº 0024635-30.2018.5.24.0096 (ROPS)

1ª TURMA

SENTENÇA DA LAVRA DO EXMO JUIZ DO TRABALHO


Relatora :JUÍZA CONVOCADA KELLY CRISTINA MONTEIRO ANTONIO ARRAES BRANCO AVELINO
DIAS ESTADULHO

Recorrente :MARFRIG GLOBAL FOODS S.A.

Dispensado o relatório conforme art. 852-I da CLT.


Advogado :Sergio Gonini Benicio

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 95
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Acaso mantida a condenação, requer que essa se restrinja ao

FUNDAMENTOS DO VOTO tempo gasto em percurso não servido por transporte público, nos

termos do inciso IV da Súmula 90 do C. TST.

Sem razão.

1 - CONHECIMENTO

Ao contrário do que alega a recorrente, o magistrado, na análise do

Preenchidos os pressupostos de admissibilidade, conheço do caso concreto, pode declarar a nulidade de cláusula de norma

recurso da reclamada e das contrarrazões da reclamante. coletiva que viola dispositivo de lei. Tal julgamento não tem o

alcance alegado pela recorrente justamente por ser uma declaração

incidental à análise do pedido principal, sendo certo que seus

efeitos se limitam às partes litigantes.

2 - MÉRITO

Outrossim, conforme consignou o julgador da origem, as normas

coletivas em exame não ofereceram contrapartida razoável que

justificassem a supressão das horas in itinere,o que diferencia o

2.1 -HORAS IN ITINERE - VALIDADE DAS CONVENÇÕES caso em exame daquele julgado no RE 895.759.

COLETIVAS DE TRABALHO

Registro que, justamente em respeito ao reconhecimento

O Juiz da origem declarou a nulidade das cláusulas das normas constitucional da validade da negociação coletiva, a nulidade de

coletivas que excluem as horas in itinere da jornada de trabalho do uma única cláusula, ou de partes dela, não tem o condão de

autor, ao fundamento de que a autonomia privada coletiva não pode invalidar a totalidade do acordo coletivo, sendo necessário mitigar o

reduzir direitos mínimos garantidos por lei. Afastou a decisão do princípio do conglobamento para limitar a declaração de nulidade

STF invocada na defesa ao caso em exame, porque as normas apenas à cláusula que desrespeita os direitos mínimos do

coletivas juntadas aos autos afastaram direitos legais sem a trabalhador, mantendo-se incólume o restante do pacto coletivo.

contrapartida mais favorável aos trabalhadores.

Neste sentido é o entendimento do c. TST, sendo relevante a

Diante disso, deferiu a integração de 30 minutos diários na jornada transcrição do seguinte aresto:

de trabalho da reclamante a título de horas in itinere, do início do

contrato de trabalho até 16.5.2016.

Insurge-se a reclamada alegando que: a) a empresa está localizada (...)DECLARAÇÃO DE NULIDADE DE CLÁUSULAS COLETIVAS.

em Município servido por transporte público com linhas regulares TEORIA DO CONGLOBAMENTO. COMPATIBILIDADE. Segundo a

nos horários de entrada e saída; b) mera insuficiência do transporte Teoria do Conglobamento, mais adequada por atender à

público não justifica o cômputo do tempo de percurso na jornada de sistematicidade do ordenamento jurídico e não produzir resultados

trabalho; c) a norma coletiva que convencionou a supressão das casuísticos, a aferição das condições de trabalho mais benéficas se

horas in itinere é válida, tendo em vista os benefícios concedidos vincula à aplicação integral do instrumento normativo, não se

em contrapartida, devendo ser observado o princípio do admitindo o fracionamento do conteúdo dos textos normativos e sua

conglobamento e da autonomia coletiva, nos termos da CF/88 (art. vigência confluente. Em sede de ação anulatória, esse princípio de

7º, XXVI) e do entendimento adotado pelo STF no julgamento do aplicação das normas coletivas não obsta a análise de validade de

RE 895.759, que deve ser aplicado ao caso em questão; d) a cada uma das cláusulas coletivas, que tem como parâmetro as

nulidade de cláusula de acordo ou convenção coletiva só pode ser garantias trabalhistas mínimas, sendo desproporcional a hipótese

declarada em ação própria, pois a decisão alcança não apenas de que a nulidade de um dispositivo, não podendo ser convalidado,

seus empregados, mas toda a representatividade das categorias invalide a norma coletiva no todo. (...) (TST - ROAA:

que negociaram o instrumento coletivo. 2801100962004509 2801100-96.2004.5.09.0909, Relator: Walmir

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 96
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Oliveira da Costa, Data de Julgamento: 08/05/2008, Seção Prosseguindo, constato que os espelhos de ponto (p. 280-374)

Especializada em Dissídios Coletivos, Data de Publicação: DJ consignam a pré-assinalação do intervalo intrajornada. Contudo,

23/05/2008.) g.n. referida marcação foi invalidada pelos depoimentos prestados nos

autos n. 0024013-87.2014.5.24.0096, 0000855-37.2013.5.24.0096,

000862-29.2013.5.24.0096 e 000860-59.2013.5.24.0096 (p. 566-

578) e no auto de constatação de p. 579-589.

Quanto à existência de transporte público regular que cobrisse o

trajeto ou parte dele, como bem observou o juiz de origem, tal não As testemunhas afirmaram que o intervalo dos refiladores e

foi comprovado pela ré, ônus que lhe competia. desossadores era em torno de 40 a 45 minutos,pois eles tinham que

concluir o serviço na esteira e fazer a higienização das facas e

Diante do exposto, mantenho a sentença. demais materiais de trabalho, informação confirmada pelo auto de

constatação (p. 589).

Diante disso, tenho que as marcações do intervalo intrajornada nos

2.2 - INTERVALO INTRAJORNADA cartões de ponto foram desmerecidas.

Do início do contrato de trabalho da autora até 6.12.2015, o juiz Com relação à natureza jurídica do intervalo intrajornada suprimido,

singular deferiu uma hora extra pela violação parcial do intervalo registro que as alterações da Lei 13.467/2017 não se aplicam ao

intrajornada, pois a prova oral por empréstimo confirmou o gozo de caso concreto, haja vista que os autos tratam de situação jurídica

apenas 45 minutos, além de a reclamada ter reconhecido em consumada em data anterior à entrada em vigor do referido

audiência que somente passou a conceder o intervalo intrajornada dispositivo legal.

integral a partir de 7.12.2015.

Assim, correta a sentença que condenou a reclamada na hora

A reclamada recorre, alegando queo intervalo intrajornada era pré- extras acrescida dos reflexos, pois a decisão se encontra em

assinalado, conforme art. 74, §2º da CLT, cabendo ao autor consonância com a Súmula n. 437 do C. TST.

demonstrar a incorreção nos registros, ônus do qual não se

desincumbiu. Ressalta que não concordou com a prova emprestada

considerada pelo juízo de origem. Refere que os empregados

gozavam de uma hora de intervalo para repouso e alimentação, 2.3 - HORAS EXTRAS - COMPENSAÇÃO DE JORNADA

pois no horário do intervalo as linhas de trabalho passavam por

rigorosa higienização, a qual demorava no mínimo 50 minutos. Pelo fato de a reclamante laborar habitualmente em horas extras, o

julgador da origem afastou o acordo de compensação de jornada

De forma eventual, requer exclusão dos reflexos da parcela em com base na Súmula n. 85, item IV, do C. TST, e condenou a

questão, sob o argumento de que essa tem natureza indenizatória. reclamada nas horas extras excedentes de oito horasdiárias de

segunda a sexta-feira e de quatro diárias aos sábados, com base na

Passo à análise. jornada e na frequência constante dos cartões de ponto, e, na

ausência destes, com base na jornada da inicial.

Na audiência instrutória, o juiz de origem determinou a juntada de

prova emprestada, declarando que a matéria controvertida nos Insurge-se a recorrente, alegando que todas as horas extras

referidos autos é idêntica àquela discutida neste processo, laboradas foram quitadas ou compensadas, e que é ônus da autora

especialmente no tocante aos intervalos intrajornada, atendendo demonstrar supostas diferenças em seu favor. Além disso,

aos termos do art. 372 do CPC. argumenta que por força de acordo coletivo de trabalho, os

empregados laboravam de segunda a sexta feira gozando de ao

A ré não demonstrou o contrário, embora lhe tenha sido facultada a menos 3 sábados de folga ao mês, e a partir de 3.6.2013, passaram

produção de provas (p 552). a folgar todos sábados. Reitera que as normas coletivas devem ser

observadas, pois fruto da vontade das partes.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 97
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Analiso. Pelo exposto, mantenho a sentença, neste particular.

Com relação às normas coletivas, essas preveem a possibilidade de

acréscimo da jornada mediante folga diária ou semanal.

2.5 - INTERVALO DO ART. 384 DA CLT

Entretanto, no caso dos autos, os demonstrativos de

pagamentoconsignam o pagamento habitual de horas extras (p. 189 O julgador da origem condenou a reclamada do início do contrato

-258), o que demonstra que não havia, de fato, compensação de trabalho da autora até 16.5.2016, ao pagamento do intervalo do

regular, invalidando o acordo de compensação de jornada, art. 384 da CLT, contra o que se opõe a ré alegando que referido

conforme entendimento jurisprudencial já pacificado pela Súmula 85 dispositivo não foi recepcionado pela Constituição Federal.

do TST.

Sem razão.

Além disso, ficou comprovado que a reclamante não usufruía

integralmente do intervalo intrajornada, embora pré-assinalado nos Ficou incontroverso que a reclamante realizava horas extras e que a

cartões de ponto como usufruído. empresa não concedia o intervalo em exame.

Portanto, correta a decisão da origem que afastou o acordo de Assim, tendo em vista que a atual jurisprudência, tanto do STF,

compensação de jornada com base na mencionada Súmula. quanto do TST, é no sentido de que o art. 384 da CLT foi

recepcionado pela Constituição de 1988, por não afrontar o princípio

Nego provimento. da isonomia (já que mulheres e homens possuem diferenças

orgânicas que justificam o tratamento diferenciado), a trabalhadora

faz jus ao gozo do intervalo de 15 minutos.

2.4 - HORAS EXTRAS - BASE DE CÁLCULO Consigno que no julgamento do Incidente de Inconstitucionalidade

em Recurso de Revista nº 1.540/2005-046-12-00.5, o c. TST

Considerando que a reclamada reconheceu que somente a partir de pacificou o entendimento de que o art. 384 da CLT foi recepcionado

16.5.2016 passou a integrar o prêmio produção na base de cálculo pela Carta Magna.

das horas extras prestadas pela autora, o juiz singular deferiu

diferenças de horas extras no período anterior. Nego provimento.

Insurge-se a reclamada alegando que o prêmio por produção era

quitado conforme o desempenho da recorrida e, por tal motivo não

tem natureza jurídica salarial. Argumenta por fim, que todas as 2.6 - HONORÁRIOS ASSISTENCIAIS E SUCUMBENCIAIS

horas extras foram corretamente quitadas.

Pelo fato de a autora estar assistida pelo sindicato da categoria, o

Observo dos demonstrativos de pagamento da autora que o prêmio juiz da origem condenou a reclamada ao pagamento de 15% sobre

produção era pago de forma habitual. o valor da condenação a título de honorários assistenciais.

Condenou a ré, ainda, ao pagamento de 15% sobre o crédito do

Além disso, da própria narrativa da reclamada, noto que se trata de autor a título de honorários sucumbenciais.

parcela variável convencionada como contraprestação pelos

serviços prestados pela obreira, com evidente natureza salarial. Recorre a reclamada, alegando que os honorários assistenciais são

indevidos por não preenchidos os requisitos da Súmula n. 219 do

Por fim, ficou incontroverso por convenção das partes na audiência TST. Argumenta, ainda, que os honorários sucumbenciais são

registrada à p. 553, que a reclamada somente integrou o prêmio indevidos por não cumuláveis com os honorários assistenciais,

produção nas horas extras a partir de 16.5.2016. implicando em bis in idem.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 98
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Tal índice, entretanto, é fixado a partir de critérios técnicos não

Subsidiariamente, requer a redução do percentual arbitrado a título relacionados com a inflação, não refletindo, portanto, a real variação

de honorários assistenciais. de preços, de forma que sua aplicação não importa na efetiva

recomposição das perdas inflacionárias.

Analiso.

Ressalte-se que o índice em questão vem apresentando

Esta ação foi ajuizada em 18.9.2018, portanto após a vigência do percentuais próximos de zero, sendo patente sua inadequação para

art. 791-A da CLT, incluído pela Lei 13.725/18. Assim, por expressa recompor o valor real do crédito trabalhista.

disposição legal, são devidos honorários sucumbenciais.

Na decisão proferida nos autos da ADI 4357-DF, o STF considerou

Tal parcela tem a mesma natureza e finalidade dos honorários inconstitucional a aplicação da TR em relação aos créditos de

assistenciais, não sendo possível a cumulação de ambos, sob pena precatórios, por afronta ao direito fundamental de propriedade (CF,

de se caracterizar o bis in idem. art. 5º, XXII), em face de sua incapacidade de manutenção do valor

real do crédito, conforme item 5 da ementa, abaixo transcrita:

Convém ressaltar que o art. 16 da lei 5.584 de 1970, que previa o

pagamento de honorários assistenciais ao sindicato assistente, foi

expressamente revogado pelo artigo 3º da lei 13.725 de 2018.

"5. O direito fundamental de propriedade (CF, art. 5º, XXII) resta

Diante disso, são devidos apenas os honorários sucumbenciais, de violado nas hipóteses em que a atualização monetária dos débitos

titularidade do advogado. fazendários inscritos em precatórios perfaz-se segundo o índice

oficial de remuneração da caderneta de poupança, na medida em

Portanto, dou parcial provimento ao recurso da reclamada para que este referencial é manifestamente incapaz de preservar o valor

excluir da condenação os honorários assistenciais. real do crédito de que é titular o cidadão. É que a inflação,

fenômeno tipicamente econômico-monetário, mostra-se insuscetível

de captação apriorística (ex ante), de modo que o meio escolhido

pelo legislador constituinte (remuneração da caderneta de

2.7 - CORREÇÃO MONETÁRIA - IPCA-E poupança) é inidôneo a promover o fim a que se destina (traduzir a

inflação do período)."

O julgador da origem determinou a aplicação do IPCA-E a partir de

26.3.2015, e da TR no período anterior, nos termos da Súmula n. 23

deste Regional.

Ao cassar a decisão proferida pelo TST na ArgInc 479-

Insurge-se a recorrente pretendendo a aplicação do IPCA-E, porque 60.2011.5.04.02311, o STF apenas censurou a extensão pretendida

a decisão do C. TST que declarou inconstitucional a aplicação da por aquele primeiro, não tendo emitido juízo sobre a

TR está suspensa, e também em razão da redação do §7º, do art. constitucionalidade ou não do uso da TR para fins de correção dos

879 da CLT. débitos trabalhistas.

Sem razão. Quanto à liminar concedida pelo Exmo. Ministro Dias Toffoli

(Reclamação 22.012 MC/RS), suspendendo os efeitos de decisão

De acordo com o art. 39, da lei 8.177/91, a atualização monetária do do c.TST (que havia determinado a aplicação do IPCA ao invés da

crédito trabalhista deve ser feita com base na TR (índice oficial de TR), essa foi revogada pela 2ª Turma do STF, que julgou

remuneração básica da caderneta de poupança). improcedente a reclamação.

A Lei n. 13.467/2017 acrescentou o § 7º ao art. 879/CLT, trazendo a Por ocasião do julgamento da Arguição de Inconstitucionalidade n.

mesma disposição. 0024319-19.2015.5.24.0000, o Pleno deste E. Regional declarou a

inconstitucionalidade da aplicação da TR como índice de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 99
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

atualização do crédito trabalhista, editando a Súmula 23, verbis:

"1. É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD acumulada"

constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91.

2. Por razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a

modulação de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal Federal

para atualizar os débitos dos precatórios judiciais (questão de

ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa da declaração a

25.03.2015, a partir de quando os débitos trabalhistas deverão ser

atualizados pelo IPCA-E, fator indexador eleito pelo Supremo

Tribunal Federal no julgamento da ADI 4425."

Participam deste julgamento:

Ressalto que o entendimento sumulado não foi superado pelas Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;

alterações trazidas com a lei 13.467/2017, eis o § 7º do art. 879 da

CLT prevê o mesmo índice já declarado inconstitucional pelo Pleno Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e

desta Corte.

Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

Assim, o crédito trabalhista deverá ser atualizado pelo IPCA-E,

observada a modulação prevista na Súmula 23 do TRT da 24ª Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

Região.

Sustentação oral: Dra. Vanessa de Souza Prette, pelo recorrido.

Nego provimento ao recurso.

ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Egrégio Tribunal

Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, após o

representante do Ministério Público do Trabalho ter-se manifestado

verbalmente pelo regular prosseguimento do feito, por unanimidade,

aprovar o relatório oral, conhecer do recurso ordinário em

procedimento sumaríssimo e das contrarrazões e, no mérito, dar-

lhe parcial provimento para excluir da condenação os honorários

assistenciais, nos termos do voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro

Dias Estadulho (relatora).

Mantido o valor da condenação.

Campo Grande, 02 de abril de 2019.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 100
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Advogado :Sergio Gonini Benicio

Recorrido :MARILENE DOS SANTOS

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO

Advogado :Vitor Hugo Nunes Rocha

Juíza Convocada

Origem :Vara do Trabalho de Bataguassu/MS

Relatora

Acórdão
Processo Nº ROPS-0024635-30.2018.5.24.0096
Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
RECORRENTE MARFRIG GLOBAL FOODS S.A.
ADVOGADO SERGIO GONINI BENICIO(OAB: NULIDADE DE CLÁUSULAS DE NORMAS COLETIVAS. TEORIA
195470/SP)
DO CONGLOBAMENTO. Em respeito ao princípio constitucional de
RECORRIDO MARILENE DOS SANTOS
ADVOGADO VITOR HUGO NUNES ROCHA(OAB: reconhecimento das convenções e acordos coletivos, a nulidade de
241272/SP)
uma única cláusula (ou de parte dela) não tem o condão de invalidar

Intimado(s)/Citado(s): a totalidade do acordo coletivo, sendo necessário mitigar o princípio

- MARILENE DOS SANTOS do conglobamento, limitando a declaração de nulidade apenas à

cláusula que desrespeita os direitos mínimos do trabalhador,

mantendo-se incólume o restante do pacto coletivo. Recurso não

provido.
PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO TRABALHO

PROCESSO nº 0024635-30.2018.5.24.0096 (ROPS)

1ª TURMA

SENTENÇA DA LAVRA DO EXMO JUIZ DO TRABALHO


Relatora :JUÍZA CONVOCADA KELLY CRISTINA MONTEIRO ANTONIO ARRAES BRANCO AVELINO
DIAS ESTADULHO

Recorrente :MARFRIG GLOBAL FOODS S.A.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 101
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Dispensado o relatório conforme art. 852-I da CLT. seus empregados, mas toda a representatividade das categorias

que negociaram o instrumento coletivo.

Acaso mantida a condenação, requer que essa se restrinja ao

FUNDAMENTOS DO VOTO tempo gasto em percurso não servido por transporte público, nos

termos do inciso IV da Súmula 90 do C. TST.

Sem razão.

1 - CONHECIMENTO

Ao contrário do que alega a recorrente, o magistrado, na análise do

Preenchidos os pressupostos de admissibilidade, conheço do caso concreto, pode declarar a nulidade de cláusula de norma

recurso da reclamada e das contrarrazões da reclamante. coletiva que viola dispositivo de lei. Tal julgamento não tem o

alcance alegado pela recorrente justamente por ser uma declaração

incidental à análise do pedido principal, sendo certo que seus

efeitos se limitam às partes litigantes.

2 - MÉRITO

Outrossim, conforme consignou o julgador da origem, as normas

coletivas em exame não ofereceram contrapartida razoável que

justificassem a supressão das horas in itinere,o que diferencia o

2.1 -HORAS IN ITINERE - VALIDADE DAS CONVENÇÕES caso em exame daquele julgado no RE 895.759.

COLETIVAS DE TRABALHO

Registro que, justamente em respeito ao reconhecimento

O Juiz da origem declarou a nulidade das cláusulas das normas constitucional da validade da negociação coletiva, a nulidade de

coletivas que excluem as horas in itinere da jornada de trabalho do uma única cláusula, ou de partes dela, não tem o condão de

autor, ao fundamento de que a autonomia privada coletiva não pode invalidar a totalidade do acordo coletivo, sendo necessário mitigar o

reduzir direitos mínimos garantidos por lei. Afastou a decisão do princípio do conglobamento para limitar a declaração de nulidade

STF invocada na defesa ao caso em exame, porque as normas apenas à cláusula que desrespeita os direitos mínimos do

coletivas juntadas aos autos afastaram direitos legais sem a trabalhador, mantendo-se incólume o restante do pacto coletivo.

contrapartida mais favorável aos trabalhadores.

Neste sentido é o entendimento do c. TST, sendo relevante a

Diante disso, deferiu a integração de 30 minutos diários na jornada transcrição do seguinte aresto:

de trabalho da reclamante a título de horas in itinere, do início do

contrato de trabalho até 16.5.2016.

Insurge-se a reclamada alegando que: a) a empresa está localizada (...)DECLARAÇÃO DE NULIDADE DE CLÁUSULAS COLETIVAS.

em Município servido por transporte público com linhas regulares TEORIA DO CONGLOBAMENTO. COMPATIBILIDADE. Segundo a

nos horários de entrada e saída; b) mera insuficiência do transporte Teoria do Conglobamento, mais adequada por atender à

público não justifica o cômputo do tempo de percurso na jornada de sistematicidade do ordenamento jurídico e não produzir resultados

trabalho; c) a norma coletiva que convencionou a supressão das casuísticos, a aferição das condições de trabalho mais benéficas se

horas in itinere é válida, tendo em vista os benefícios concedidos vincula à aplicação integral do instrumento normativo, não se

em contrapartida, devendo ser observado o princípio do admitindo o fracionamento do conteúdo dos textos normativos e sua

conglobamento e da autonomia coletiva, nos termos da CF/88 (art. vigência confluente. Em sede de ação anulatória, esse princípio de

7º, XXVI) e do entendimento adotado pelo STF no julgamento do aplicação das normas coletivas não obsta a análise de validade de

RE 895.759, que deve ser aplicado ao caso em questão; d) a cada uma das cláusulas coletivas, que tem como parâmetro as

nulidade de cláusula de acordo ou convenção coletiva só pode ser garantias trabalhistas mínimas, sendo desproporcional a hipótese

declarada em ação própria, pois a decisão alcança não apenas de que a nulidade de um dispositivo, não podendo ser convalidado,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 102
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

invalide a norma coletiva no todo. (...) (TST - ROAA: produção de provas (p 552).

2801100962004509 2801100-96.2004.5.09.0909, Relator: Walmir

Oliveira da Costa, Data de Julgamento: 08/05/2008, Seção Prosseguindo, constato que os espelhos de ponto (p. 280-374)

Especializada em Dissídios Coletivos, Data de Publicação: DJ consignam a pré-assinalação do intervalo intrajornada. Contudo,

23/05/2008.) g.n. referida marcação foi invalidada pelos depoimentos prestados nos

autos n. 0024013-87.2014.5.24.0096, 0000855-37.2013.5.24.0096,

000862-29.2013.5.24.0096 e 000860-59.2013.5.24.0096 (p. 566-

578) e no auto de constatação de p. 579-589.

Quanto à existência de transporte público regular que cobrisse o

trajeto ou parte dele, como bem observou o juiz de origem, tal não As testemunhas afirmaram que o intervalo dos refiladores e

foi comprovado pela ré, ônus que lhe competia. desossadores era em torno de 40 a 45 minutos,pois eles tinham que

concluir o serviço na esteira e fazer a higienização das facas e

Diante do exposto, mantenho a sentença. demais materiais de trabalho, informação confirmada pelo auto de

constatação (p. 589).

Diante disso, tenho que as marcações do intervalo intrajornada nos

2.2 - INTERVALO INTRAJORNADA cartões de ponto foram desmerecidas.

Do início do contrato de trabalho da autora até 6.12.2015, o juiz Com relação à natureza jurídica do intervalo intrajornada suprimido,

singular deferiu uma hora extra pela violação parcial do intervalo registro que as alterações da Lei 13.467/2017 não se aplicam ao

intrajornada, pois a prova oral por empréstimo confirmou o gozo de caso concreto, haja vista que os autos tratam de situação jurídica

apenas 45 minutos, além de a reclamada ter reconhecido em consumada em data anterior à entrada em vigor do referido

audiência que somente passou a conceder o intervalo intrajornada dispositivo legal.

integral a partir de 7.12.2015.

Assim, correta a sentença que condenou a reclamada na hora

A reclamada recorre, alegando queo intervalo intrajornada era pré- extras acrescida dos reflexos, pois a decisão se encontra em

assinalado, conforme art. 74, §2º da CLT, cabendo ao autor consonância com a Súmula n. 437 do C. TST.

demonstrar a incorreção nos registros, ônus do qual não se

desincumbiu. Ressalta que não concordou com a prova emprestada

considerada pelo juízo de origem. Refere que os empregados

gozavam de uma hora de intervalo para repouso e alimentação, 2.3 - HORAS EXTRAS - COMPENSAÇÃO DE JORNADA

pois no horário do intervalo as linhas de trabalho passavam por

rigorosa higienização, a qual demorava no mínimo 50 minutos. Pelo fato de a reclamante laborar habitualmente em horas extras, o

julgador da origem afastou o acordo de compensação de jornada

De forma eventual, requer exclusão dos reflexos da parcela em com base na Súmula n. 85, item IV, do C. TST, e condenou a

questão, sob o argumento de que essa tem natureza indenizatória. reclamada nas horas extras excedentes de oito horasdiárias de

segunda a sexta-feira e de quatro diárias aos sábados, com base na

Passo à análise. jornada e na frequência constante dos cartões de ponto, e, na

ausência destes, com base na jornada da inicial.

Na audiência instrutória, o juiz de origem determinou a juntada de

prova emprestada, declarando que a matéria controvertida nos Insurge-se a recorrente, alegando que todas as horas extras

referidos autos é idêntica àquela discutida neste processo, laboradas foram quitadas ou compensadas, e que é ônus da autora

especialmente no tocante aos intervalos intrajornada, atendendo demonstrar supostas diferenças em seu favor. Além disso,

aos termos do art. 372 do CPC. argumenta que por força de acordo coletivo de trabalho, os

empregados laboravam de segunda a sexta feira gozando de ao

A ré não demonstrou o contrário, embora lhe tenha sido facultada a menos 3 sábados de folga ao mês, e a partir de 3.6.2013, passaram

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 103
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

a folgar todos sábados. Reitera que as normas coletivas devem ser registrada à p. 553, que a reclamada somente integrou o prêmio

observadas, pois fruto da vontade das partes. produção nas horas extras a partir de 16.5.2016.

Analiso. Pelo exposto, mantenho a sentença, neste particular.

Com relação às normas coletivas, essas preveem a possibilidade de

acréscimo da jornada mediante folga diária ou semanal.

2.5 - INTERVALO DO ART. 384 DA CLT

Entretanto, no caso dos autos, os demonstrativos de

pagamentoconsignam o pagamento habitual de horas extras (p. 189 O julgador da origem condenou a reclamada do início do contrato

-258), o que demonstra que não havia, de fato, compensação de trabalho da autora até 16.5.2016, ao pagamento do intervalo do

regular, invalidando o acordo de compensação de jornada, art. 384 da CLT, contra o que se opõe a ré alegando que referido

conforme entendimento jurisprudencial já pacificado pela Súmula 85 dispositivo não foi recepcionado pela Constituição Federal.

do TST.

Sem razão.

Além disso, ficou comprovado que a reclamante não usufruía

integralmente do intervalo intrajornada, embora pré-assinalado nos Ficou incontroverso que a reclamante realizava horas extras e que a

cartões de ponto como usufruído. empresa não concedia o intervalo em exame.

Portanto, correta a decisão da origem que afastou o acordo de Assim, tendo em vista que a atual jurisprudência, tanto do STF,

compensação de jornada com base na mencionada Súmula. quanto do TST, é no sentido de que o art. 384 da CLT foi

recepcionado pela Constituição de 1988, por não afrontar o princípio

Nego provimento. da isonomia (já que mulheres e homens possuem diferenças

orgânicas que justificam o tratamento diferenciado), a trabalhadora

faz jus ao gozo do intervalo de 15 minutos.

2.4 - HORAS EXTRAS - BASE DE CÁLCULO Consigno que no julgamento do Incidente de Inconstitucionalidade

em Recurso de Revista nº 1.540/2005-046-12-00.5, o c. TST

Considerando que a reclamada reconheceu que somente a partir de pacificou o entendimento de que o art. 384 da CLT foi recepcionado

16.5.2016 passou a integrar o prêmio produção na base de cálculo pela Carta Magna.

das horas extras prestadas pela autora, o juiz singular deferiu

diferenças de horas extras no período anterior. Nego provimento.

Insurge-se a reclamada alegando que o prêmio por produção era

quitado conforme o desempenho da recorrida e, por tal motivo não

tem natureza jurídica salarial. Argumenta por fim, que todas as 2.6 - HONORÁRIOS ASSISTENCIAIS E SUCUMBENCIAIS

horas extras foram corretamente quitadas.

Pelo fato de a autora estar assistida pelo sindicato da categoria, o

Observo dos demonstrativos de pagamento da autora que o prêmio juiz da origem condenou a reclamada ao pagamento de 15% sobre

produção era pago de forma habitual. o valor da condenação a título de honorários assistenciais.

Condenou a ré, ainda, ao pagamento de 15% sobre o crédito do

Além disso, da própria narrativa da reclamada, noto que se trata de autor a título de honorários sucumbenciais.

parcela variável convencionada como contraprestação pelos

serviços prestados pela obreira, com evidente natureza salarial. Recorre a reclamada, alegando que os honorários assistenciais são

indevidos por não preenchidos os requisitos da Súmula n. 219 do

Por fim, ficou incontroverso por convenção das partes na audiência TST. Argumenta, ainda, que os honorários sucumbenciais são

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 104
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

indevidos por não cumuláveis com os honorários assistenciais, mesma disposição.

implicando em bis in idem.

Tal índice, entretanto, é fixado a partir de critérios técnicos não

Subsidiariamente, requer a redução do percentual arbitrado a título relacionados com a inflação, não refletindo, portanto, a real variação

de honorários assistenciais. de preços, de forma que sua aplicação não importa na efetiva

recomposição das perdas inflacionárias.

Analiso.

Ressalte-se que o índice em questão vem apresentando

Esta ação foi ajuizada em 18.9.2018, portanto após a vigência do percentuais próximos de zero, sendo patente sua inadequação para

art. 791-A da CLT, incluído pela Lei 13.725/18. Assim, por expressa recompor o valor real do crédito trabalhista.

disposição legal, são devidos honorários sucumbenciais.

Na decisão proferida nos autos da ADI 4357-DF, o STF considerou

Tal parcela tem a mesma natureza e finalidade dos honorários inconstitucional a aplicação da TR em relação aos créditos de

assistenciais, não sendo possível a cumulação de ambos, sob pena precatórios, por afronta ao direito fundamental de propriedade (CF,

de se caracterizar o bis in idem. art. 5º, XXII), em face de sua incapacidade de manutenção do valor

real do crédito, conforme item 5 da ementa, abaixo transcrita:

Convém ressaltar que o art. 16 da lei 5.584 de 1970, que previa o

pagamento de honorários assistenciais ao sindicato assistente, foi

expressamente revogado pelo artigo 3º da lei 13.725 de 2018.

"5. O direito fundamental de propriedade (CF, art. 5º, XXII) resta

Diante disso, são devidos apenas os honorários sucumbenciais, de violado nas hipóteses em que a atualização monetária dos débitos

titularidade do advogado. fazendários inscritos em precatórios perfaz-se segundo o índice

oficial de remuneração da caderneta de poupança, na medida em

Portanto, dou parcial provimento ao recurso da reclamada para que este referencial é manifestamente incapaz de preservar o valor

excluir da condenação os honorários assistenciais. real do crédito de que é titular o cidadão. É que a inflação,

fenômeno tipicamente econômico-monetário, mostra-se insuscetível

de captação apriorística (ex ante), de modo que o meio escolhido

pelo legislador constituinte (remuneração da caderneta de

2.7 - CORREÇÃO MONETÁRIA - IPCA-E poupança) é inidôneo a promover o fim a que se destina (traduzir a

inflação do período)."

O julgador da origem determinou a aplicação do IPCA-E a partir de

26.3.2015, e da TR no período anterior, nos termos da Súmula n. 23

deste Regional.

Ao cassar a decisão proferida pelo TST na ArgInc 479-

Insurge-se a recorrente pretendendo a aplicação do IPCA-E, porque 60.2011.5.04.02311, o STF apenas censurou a extensão pretendida

a decisão do C. TST que declarou inconstitucional a aplicação da por aquele primeiro, não tendo emitido juízo sobre a

TR está suspensa, e também em razão da redação do §7º, do art. constitucionalidade ou não do uso da TR para fins de correção dos

879 da CLT. débitos trabalhistas.

Sem razão. Quanto à liminar concedida pelo Exmo. Ministro Dias Toffoli

(Reclamação 22.012 MC/RS), suspendendo os efeitos de decisão

De acordo com o art. 39, da lei 8.177/91, a atualização monetária do do c.TST (que havia determinado a aplicação do IPCA ao invés da

crédito trabalhista deve ser feita com base na TR (índice oficial de TR), essa foi revogada pela 2ª Turma do STF, que julgou

remuneração básica da caderneta de poupança). improcedente a reclamação.

A Lei n. 13.467/2017 acrescentou o § 7º ao art. 879/CLT, trazendo a Por ocasião do julgamento da Arguição de Inconstitucionalidade n.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 105
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

0024319-19.2015.5.24.0000, o Pleno deste E. Regional declarou a

inconstitucionalidade da aplicação da TR como índice de

atualização do crédito trabalhista, editando a Súmula 23, verbis:

"1. É inconstitucional a expressão "equivalentes à TRD acumulada"

constante no art. 39, caput, da Lei nº 8.177/91.

2. Por razão de segurança jurídica e tendo como parâmetro a

modulação de efeitos concretizada pelo Supremo Tribunal Federal

para atualizar os débitos dos precatórios judiciais (questão de

ordem na ADI 4357), limita-se a eficácia retroativa da declaração a

25.03.2015, a partir de quando os débitos trabalhistas deverão ser

atualizados pelo IPCA-E, fator indexador eleito pelo Supremo

Tribunal Federal no julgamento da ADI 4425."

Participam deste julgamento:

Ressalto que o entendimento sumulado não foi superado pelas Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;

alterações trazidas com a lei 13.467/2017, eis o § 7º do art. 879 da

CLT prevê o mesmo índice já declarado inconstitucional pelo Pleno Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e

desta Corte.

Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

Assim, o crédito trabalhista deverá ser atualizado pelo IPCA-E,

observada a modulação prevista na Súmula 23 do TRT da 24ª Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

Região.

Sustentação oral: Dra. Vanessa de Souza Prette, pelo recorrido.

Nego provimento ao recurso.

ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Egrégio Tribunal

Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, após o

representante do Ministério Público do Trabalho ter-se manifestado

verbalmente pelo regular prosseguimento do feito, por unanimidade,

aprovar o relatório oral, conhecer do recurso ordinário em

procedimento sumaríssimo e das contrarrazões e, no mérito, dar-

lhe parcial provimento para excluir da condenação os honorários

assistenciais, nos termos do voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro

Dias Estadulho (relatora).

Mantido o valor da condenação.

Campo Grande, 02 de abril de 2019.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 106
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Recorrente : ELIANE BRANDT

Advogado : Diego Gatti

Recorrido : GENI PIVOTTO - ME

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO

Advogados : Juliana de Oliveira Sanchez

Juíza Convocada

Origem : Vara do Trabalho de Naviraí/MS

Relatora

Acórdão
Processo Nº ROPS-0024635-94.2017.5.24.0086
Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
RECORRENTE ELIANE BRANDT
ADVOGADO DIEGO GATTI(OAB: 13846-A/MS)
RECORRIDO GENI PIVOTTO - ME
ADVOGADO JULIANA DE OLIVEIRA
SANCHEZ(OAB: 19983/MS)
ADVOGADO WAGNER CAMACHO CAVALCANTE
JUNIOR(OAB: 18052/MS)

Intimado(s)/Citado(s): SENTENÇA DA LAVRA DA EXMA. JUÍZA ANA PAOLA


- ELIANE BRANDT EMANUELLI PEGOLO DOS SANTOS

PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO Dispensado o relatório conforme art. 852-I da CLT.

FUNDAMENTOS DO VOTO

1 - CONHECIMENTO
PROCESSO nº 0024635-94.2017.5.24.0086 (ROPS)

Preenchidos os pressupostos de admissibilidade, conheço do


1ª TURMA
recurso e das contrarrazões.

2 - MÉRITO

Relatora : JUÍZA CONVOCADA KELLY CRISTINA MONTEIRO


2.1 - VÍNCULO DE EMPREGO
DIAS ESTADULHO

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 107
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Além disso, restou incontroverso que a autora recebia 50% do valor

A juíza da origem julgou improcedente o pedido de reconhecimento dos serviços realizados, o que é próprio do regime de sociedade de

do vínculo empregatício, por considerar ausentes os requisitos fato, sendo motivo suficiente para não reconhecer o vínculo

necessários (p. 233-235). empregatício.

A autora pretende reforma da sentença, sob os seguintes A testemunha Nathielly, indicada pela autora, relatou que todos

argumentos: a) não houve comprovação de trabalho autônomo e a faziam a limpeza, os profissionais poderiam sair mais cedo se

prova dos autos revela a subordinação existente entre as partes; b) precisassem, bastando avisar a ré, bem como poderia avisar que

havia obrigatoriedade de chegar pela manhã e realizar tarefas não iria comparecer ou iria só em um período. Relatou, ainda, que

coletivas com a equipe, como organização e limpeza, bem como ninguém dava ordens para os cabeleireiros, não havia cobrança de

obrigatoriedade de participar de eventos promocionais realizados metas e o profissional poderia escolher a forma de pagamento, se

pela recorrida, dias em que deveria trabalhar com uniforme; c) a semanal, mensal ou diariamente (p. 168).

autora não realizava o agendamento dos clientes, nem

intermediava, sendo a clientela toda do salão; d) a equipe de Da mesma forma, a testemunha Renato afirmou que poderia se

cabeleireiros era dirigida e fiscalizada pela proprietária do salão, ausentar do salão caso não tivesse cliente agendado, que o horário

havendo hierarquia; e) toda a prestação de serviços se dava pré estipulado era às 8 horas, mas poderia avisar a ré que chegaria

diretamente na atividade fim da ré, para o alcance do seu objetivo mais tarde. Afirmou que a limpeza era um combinado entre os

social, sendo clara a subordinação integrativa e estrutural; f) a profissionais e que a ré também ajudava.

remuneração por produção em patamar de 50% não descaracteriza

o vínculo de emprego; g) a Lei n. 12.592/2017, apesar de Mais esclarecedor ainda é o depoimento da testemunha Emília, que

promulgada após o término do vínculo, demonstra a necessidade de relatou que "não tinha horário para cumprir, necessitando apenas de

se regular o trabalho dos profissionais da área de estética, atender os clientes agendados" (p. 168). Afirmou, ainda, que não

indevidamente transformados em trabalhadores autônomos por havia advertência para as faltas, devendo apenas comunicar a

diversas vezes; h) a subordinação e a dependência econômica é ausência, não sendo obrigada a permanecer no salão se não

clara, pois a autora não tinha a liberdade de se portar como uma tivesse cliente agendado (p. 169).

profissional autônoma e muito menos como sócia/parceira do

empreendimento; i) presentes os requisitos caracterizadores do O fato de o salão administrar a agenda, definir e cobrar os preços

vínculo, pelo que devem ser deferidas as parcelas postuladas na pelos serviços não afasta a característica de colaboração da relação

inicial (p. 250-264). existente entre as partes, sendo notório que o pré aviso acerca do

não comparecimento era exigido para que não houvesse falha nos

Sem razão. agendamentos, como forma de manter os clientes, o que

interessava a ambas as partes.

Os depoimentos colhidos, transcritos na sentença, deixam evidente

a ausência de subordinação e a existência de cooperação na Por todo o exposto, não estão presentes os requisitos para a

relação jurídica existente entre as partes, o que, notadamente, atrai configuração do vínculo empregatício, pelo que mantenho a

o reconhecimento da sociedade de fato, em razão da conjugação de sentença por seus próprios fundamentos.

interesses existente.

Nesse sentido são os seguintes julgados deste Eg. Regional:

De um lado, o trabalhador passa a ter um local adequado para

realizar sua atividade profissional sem custos fixos com aluguel, MANICURE - VÍNCULO DE EMPREGO - INEXISTÊNCIA. Tratando

água, energia e sem ter que administrar o local. -se de pactuação em que a ré cedia o estabelecimento e a autora

fornecia seu trabalho de manicure, com lucro na proporção de 50%

De outro lado, o administrador do salão assume a organização do do faturamento dos serviços prestados para a trabalhadora, tem-se

empreendimento e os gastos necessários para manter o tal relação como parceria e não como vínculo empregatício.

estabelecimento comercial. (0025499-98.2014.5.24.0002, Órgão Julgador: 1ª Turma. Data de

Julgamento: 16/02/2016. Relator: NICANOR DE ARAUJO LIMA).

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 108
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

MANICURE. COMISSÕES DE 50% DO SERVIÇO PRESTADO.

PARCERIA. CARACTERIZAÇÃO. 1. A manicure que recebe 50%

dos valores pagos pelos clientes atendidos é parceira e não

empregada. 2. A relação de parceria é reconhecida em razão da

conjugação de interesses que é visível neste tipo de relação

jurídica. 3. A trabalhadora passa a ter um local adequado para

realização de suas atividades, com clientela potencial, além de

trazer seus próprios clientes e sem ter gastos imobilizados, como Participam deste julgamento:

aluguel, água, energia elétrica, material de consumo e gastos com a

organização e conservação do local do serviço. 3. De outro lado, a Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;

responsável pelo salão de beleza assume a organização do

empreendimento e todos os gastos necessários à concretização da Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e

atividade econômica. 4. O fato de a manicure receber 50% dos

serviços que executa é suficiente para afastar o vínculo de emprego Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

pretendido, pois o ajuste financeiro é próprio da parceria, tornando

sem equidade uma relação empregatícia nestes moldes. (0024850- Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

30.2014.5.24.0004. Órgão Julgador: 2ª Turma. Data de Julgamento:

08/11/2017. Relator: AMAURY RODRIGUES PINTO JUNIOR). ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Egrégio Tribunal

Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, após o

Nego provimento. representante do Ministério Público do Trabalho ter-se manifestado

verbalmente pelo regular prosseguimento do feito, por unanimidade,

aprovar o relatório oral e conhecer do recurso ordinário em

procedimento sumaríssimo e das contrarrazões, nos termos do

voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho (relatora); no

mérito, negar-lhe provimento, mantendo a sentença por seus

próprios fundamentos, consoante o artigo 895, § 1º, IV, da CLT.

Campo Grande, 02 de abril de 2019.

ACÓRDÃO

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO

Juíza Convocada

Relatora

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 109
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Acórdão
Processo Nº ROPS-0024635-94.2017.5.24.0086
Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
RECORRENTE ELIANE BRANDT
ADVOGADO DIEGO GATTI(OAB: 13846-A/MS)
RECORRIDO GENI PIVOTTO - ME
ADVOGADO JULIANA DE OLIVEIRA
SANCHEZ(OAB: 19983/MS)
ADVOGADO WAGNER CAMACHO CAVALCANTE
JUNIOR(OAB: 18052/MS)

Intimado(s)/Citado(s): SENTENÇA DA LAVRA DA EXMA. JUÍZA ANA PAOLA


- GENI PIVOTTO - ME EMANUELLI PEGOLO DOS SANTOS

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO TRABALHO Dispensado o relatório conforme art. 852-I da CLT.

FUNDAMENTOS DO VOTO

1 - CONHECIMENTO
PROCESSO nº 0024635-94.2017.5.24.0086 (ROPS)

Preenchidos os pressupostos de admissibilidade, conheço do


1ª TURMA
recurso e das contrarrazões.

2 - MÉRITO

Relatora : JUÍZA CONVOCADA KELLY CRISTINA MONTEIRO


2.1 - VÍNCULO DE EMPREGO
DIAS ESTADULHO

A juíza da origem julgou improcedente o pedido de reconhecimento


Recorrente : ELIANE BRANDT
do vínculo empregatício, por considerar ausentes os requisitos

necessários (p. 233-235).


Advogado : Diego Gatti

A autora pretende reforma da sentença, sob os seguintes


Recorrido : GENI PIVOTTO - ME
argumentos: a) não houve comprovação de trabalho autônomo e a

prova dos autos revela a subordinação existente entre as partes; b)


Advogados : Juliana de Oliveira Sanchez
havia obrigatoriedade de chegar pela manhã e realizar tarefas

coletivas com a equipe, como organização e limpeza, bem como


Origem : Vara do Trabalho de Naviraí/MS
obrigatoriedade de participar de eventos promocionais realizados

pela recorrida, dias em que deveria trabalhar com uniforme; c) a

autora não realizava o agendamento dos clientes, nem

intermediava, sendo a clientela toda do salão; d) a equipe de

cabeleireiros era dirigida e fiscalizada pela proprietária do salão,

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 110
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

havendo hierarquia; e) toda a prestação de serviços se dava pré estipulado era às 8 horas, mas poderia avisar a ré que chegaria

diretamente na atividade fim da ré, para o alcance do seu objetivo mais tarde. Afirmou que a limpeza era um combinado entre os

social, sendo clara a subordinação integrativa e estrutural; f) a profissionais e que a ré também ajudava.

remuneração por produção em patamar de 50% não descaracteriza

o vínculo de emprego; g) a Lei n. 12.592/2017, apesar de Mais esclarecedor ainda é o depoimento da testemunha Emília, que

promulgada após o término do vínculo, demonstra a necessidade de relatou que "não tinha horário para cumprir, necessitando apenas de

se regular o trabalho dos profissionais da área de estética, atender os clientes agendados" (p. 168). Afirmou, ainda, que não

indevidamente transformados em trabalhadores autônomos por havia advertência para as faltas, devendo apenas comunicar a

diversas vezes; h) a subordinação e a dependência econômica é ausência, não sendo obrigada a permanecer no salão se não

clara, pois a autora não tinha a liberdade de se portar como uma tivesse cliente agendado (p. 169).

profissional autônoma e muito menos como sócia/parceira do

empreendimento; i) presentes os requisitos caracterizadores do O fato de o salão administrar a agenda, definir e cobrar os preços

vínculo, pelo que devem ser deferidas as parcelas postuladas na pelos serviços não afasta a característica de colaboração da relação

inicial (p. 250-264). existente entre as partes, sendo notório que o pré aviso acerca do

não comparecimento era exigido para que não houvesse falha nos

Sem razão. agendamentos, como forma de manter os clientes, o que

interessava a ambas as partes.

Os depoimentos colhidos, transcritos na sentença, deixam evidente

a ausência de subordinação e a existência de cooperação na Por todo o exposto, não estão presentes os requisitos para a

relação jurídica existente entre as partes, o que, notadamente, atrai configuração do vínculo empregatício, pelo que mantenho a

o reconhecimento da sociedade de fato, em razão da conjugação de sentença por seus próprios fundamentos.

interesses existente.

Nesse sentido são os seguintes julgados deste Eg. Regional:

De um lado, o trabalhador passa a ter um local adequado para

realizar sua atividade profissional sem custos fixos com aluguel, MANICURE - VÍNCULO DE EMPREGO - INEXISTÊNCIA. Tratando

água, energia e sem ter que administrar o local. -se de pactuação em que a ré cedia o estabelecimento e a autora

fornecia seu trabalho de manicure, com lucro na proporção de 50%

De outro lado, o administrador do salão assume a organização do do faturamento dos serviços prestados para a trabalhadora, tem-se

empreendimento e os gastos necessários para manter o tal relação como parceria e não como vínculo empregatício.

estabelecimento comercial. (0025499-98.2014.5.24.0002, Órgão Julgador: 1ª Turma. Data de

Julgamento: 16/02/2016. Relator: NICANOR DE ARAUJO LIMA).

Além disso, restou incontroverso que a autora recebia 50% do valor

dos serviços realizados, o que é próprio do regime de sociedade de MANICURE. COMISSÕES DE 50% DO SERVIÇO PRESTADO.

fato, sendo motivo suficiente para não reconhecer o vínculo PARCERIA. CARACTERIZAÇÃO. 1. A manicure que recebe 50%

empregatício. dos valores pagos pelos clientes atendidos é parceira e não

empregada. 2. A relação de parceria é reconhecida em razão da

A testemunha Nathielly, indicada pela autora, relatou que todos conjugação de interesses que é visível neste tipo de relação

faziam a limpeza, os profissionais poderiam sair mais cedo se jurídica. 3. A trabalhadora passa a ter um local adequado para

precisassem, bastando avisar a ré, bem como poderia avisar que realização de suas atividades, com clientela potencial, além de

não iria comparecer ou iria só em um período. Relatou, ainda, que trazer seus próprios clientes e sem ter gastos imobilizados, como

ninguém dava ordens para os cabeleireiros, não havia cobrança de aluguel, água, energia elétrica, material de consumo e gastos com a

metas e o profissional poderia escolher a forma de pagamento, se organização e conservação do local do serviço. 3. De outro lado, a

semanal, mensal ou diariamente (p. 168). responsável pelo salão de beleza assume a organização do

empreendimento e todos os gastos necessários à concretização da

Da mesma forma, a testemunha Renato afirmou que poderia se atividade econômica. 4. O fato de a manicure receber 50% dos

ausentar do salão caso não tivesse cliente agendado, que o horário serviços que executa é suficiente para afastar o vínculo de emprego

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 111
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

pretendido, pois o ajuste financeiro é próprio da parceria, tornando

sem equidade uma relação empregatícia nestes moldes. (0024850- Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

30.2014.5.24.0004. Órgão Julgador: 2ª Turma. Data de Julgamento:

08/11/2017. Relator: AMAURY RODRIGUES PINTO JUNIOR). ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Egrégio Tribunal

Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, após o

Nego provimento. representante do Ministério Público do Trabalho ter-se manifestado

verbalmente pelo regular prosseguimento do feito, por unanimidade,

aprovar o relatório oral e conhecer do recurso ordinário em

procedimento sumaríssimo e das contrarrazões, nos termos do

voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho (relatora); no

mérito, negar-lhe provimento, mantendo a sentença por seus

próprios fundamentos, consoante o artigo 895, § 1º, IV, da CLT.

Campo Grande, 02 de abril de 2019.

ACÓRDÃO

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO

Juíza Convocada

Relatora

Acórdão
Processo Nº ROPS-0024734-04.2017.5.24.0106
Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
RECORRENTE LUCIENE VIEIRA SILVA SANTANA
ADVOGADO ADY DE OLIVEIRA MORAES(OAB:
8468/MS)
Participam deste julgamento:
RECORRENTE BRF S.A.
ADVOGADO MARCELO DALANHOL(OAB: 18406-
A/MS)
Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;
RECORRIDO LUCIENE VIEIRA SILVA SANTANA
ADVOGADO ADY DE OLIVEIRA MORAES(OAB:
8468/MS)
Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e
RECORRIDO BRF S.A.
ADVOGADO MARCELO DALANHOL(OAB: 18406-
A/MS)
Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 112
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Intimado(s)/Citado(s):
estabelecido. Recurso provido.
- LUCIENE VIEIRA SILVA SANTANA

INTERVALO DO ART. 384 DA CLT (REDAÇÃO ANTERIOR À LEI

13.467/2017). LIMITAÇÃO AO TEMPO DE DURAÇÃO DA


PODER JUDICIÁRIO
SOBREJORNADA. O dispositivo legal em questão não limita a
JUSTIÇA DO TRABALHO
concessão do intervalo a um período mínimo de labor

extraordinário. Limitação indevida. Recurso provido.

PROCESSO nº 0024734-04.2017.5.24.0106 (ROPS)

1ª TURMA

Relatora : JUÍZA CONVOCADA KELLY CRISTINA MONTEIRO SENTENÇA DA LAVRA DO EXMO JUIZ MARCO ANTONIO

DIAS ESTADULHO MIRANDA MENDES

Recorrente : LUCIENE VIEIRA SILVA SANTANA Dispensado o relatório conforme art. 852-I da CLT.

Advogado : Ady de Oliveira Moraes

Recorrente : BRF S.A. FUNDAMENTOS DO VOTO

Advogado : Marcelo Dalanhol 1 - CONHECIMENTO

Recorridos : OS MESMOS Preenchidos os pressupostos de admissibilidade, conheço do

recurso do autor e parcialmente do recurso da ré, não o fazendo

Origem : Vara do Trabalho de Fátima do Sul/MS quanto ao pedido subsidiário de limitação da condenação ao

pagamento de horas extras (em razão do tempo despendido com a

troca de uniforme) a dezembro de 2015, por ausência de interesse

recursal.

Isso porque, em audiência, o autor limitou seu pedido a 31/12/2015

(p. 342), sendo certo que a condenação observa estes termos (p.

350).

HORAS IN ITINERE. EMPREGADO QUE RESIDE EM OUTRO Conheço das contrarrazões.

MUNICÍPIO. Os requisitos do art. 58, § 2º, da CLT (redação anterior

à lei 13.467/2017) devem ser aferidos a partir do local de trabalho e 2 - MÉRITO

não da residência do trabalhador. Se a empresa, em relação ao

município sede, está estabelecida em local de fácil acesso e servido 2.1 - TEMPO À DISPOSIÇÃO - TROCA DE UNIFORME

por transporte público, a contratação de empregado em município (RECURSO DA RÉ)

diverso não acarreta o cômputo do tempo de percurso na jornada

de trabalho, ainda que o transporte seja fornecido pelo empregador, O juiz da origem determinou, para o cálculo das horas extras, o

desde que haja mão de obra suficiente no município em que estiver cômputo dos minutos convencionados em audiência (16 minutos

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 113
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

diários), em razão de o período despendido para a troca de

uniforme ser considerado tempo à disposição do empregador (p. 2.2 - HORAS IN ITINERE (RECURSO DA RÉ)

348).

O juiz da origem reconheceu o direito ao cômputo das horas de

A ré pretende a reforma da sentença, alegando que, durante a troca percurso na jornada de trabalho da autora, fixando o tempo em 40

de vestimenta, a autora não estava à sua disposição, aguardando minutos por trecho, o que totaliza 1h20min diários (p. 349).

ou executando ordens, entendendo não ser o caso de aplicação do

art. 4º da CLT. A ré pretende a reforma da sentença pelos seguintes argumentos:

a) ausentes os requisitos exigidos para o deferimento do direito,

Asseriu, ainda, que: a) o uso do uniforme é uma obrigação inerente porquanto o local de trabalho não é de difícil acesso; b) o local da

ao próprio contrato de trabalho e, portanto, o tempo despendido na residência do empregado não influencia na análise do

troca já é remunerado pelo salário; b) é benéfica ao trabalhador a preenchimento dos requisitos legais para a concessão das horas

troca de uniforme na sede da empresa, tendo em vista que evita itinerárias; c) no trajeto entre Fátima do Sul e Dourados há linha de

gastos com a higienização dos uniformes (p. 368-369). transporte público regular; d) ainda que sejam incompatíveis os

horários da linha de transporte com o trabalho da autora, o

Sem razão. empregador não pode ser penalizado pela insuficiência de

transporte público (p. 370-372).

Incontroverso que a autora, na função de ajudante de produção na

sala de cortes, não tinha a faculdade de ir vestida com o uniforme, Assiste-lhe razão.

devendo fazer a troca da roupa dentro da empresa, tendo em vista

que a ré atua no segmento alimentício e as normas de segurança Desde que não haja insuficiência de mão de obra no município em

alimentar expedidas pelo Ministério da Agricultura exigem o uso de que o empregador está estabelecido, os requisitos do art. 58, § 2º,

vestimenta adequada no manuseio dos produtos. da CLT devem ser analisados levando-se em conta a sede da

empresa, sendo irrelevante o local de residência do trabalhador.

Ora, considerando que o empregado era obrigado a despender

esse tempo antes do início de suas atividades e após o final do Nesse sentido é a atual jurisprudência do c. TST, conforme se

expediente, indubitavelmente estava à disposição do empregador verifica dos seguintes arestos:

nos períodos de troca de vestimenta, já tendo se pacificado a

jurisprudência pátria nesse sentido. "... 2. HORAS "IN ITINERE". EMPREGADO RESIDENTE EM

MUNICÍPIO DIVERSO DAQUELE EM QUE ESTABELECIDO O

Assim, nos termos da Súmula 366 do C. TST, caracteriza-se como EMPREGADOR. A jurisprudência desta Corte segue no sentido de

tempo à disposição do empregador aquele despendido pelo que deve ser considerada como parâmetro para o pagamento de

empregado na troca de uniforme quando ultrapassar os cinco horas in itinere a dificuldade de acesso ao local de trabalho e não à

minutos de tolerância previstos no § 1º do art. 58 da CLT. residência do empregado. Na hipótese, o TRT constatou que o local

da empresa era de fácil acesso e que havia transporte público

Em audiência, as partes esclareceram que o tempo de troca de regular compatível com o início e término da jornada do reclamante,

uniforme era de 8 minutos, tanto no início, quanto no final do razão pela qual é indevida a parcela. Agravo de instrumento

expediente, totalizando 16 minutos diários sem registro nos cartões conhecido e desprovido. fls. PROCESSO Nº TST-AIRR-11848-

de ponto (item 1.2, p. 342). 64.2016.5.18.0141 Firmado por assinatura digital em 10/10/2018

pelo sistema AssineJus da Justiça do Trabalho, conforme MP 2.200

Assim, consoante decidiu o juiz da origem, devem ser computados -2/2001, que instituiu a Infra-Estrutura de Chaves Públicas

na jornada diária os 8 minutos iniciais e 8 minutos finais, Brasileira.TST - AIRR: 118486420165180141, Relator: Alberto Luiz

despendidos na troca de uniforme. Bresciani de Fontan Pereira, Data de Julgamento: 10/10/2018, 3ª

Turma, Data de Publicação: DEJT 19/10/2018 (g.n.)

Nego provimento ao recurso da ré, mantendo a sentença por seus

próprios fundamentos (artigo 895, § 1º, IV, da CLT). RECURSO DE REVISTA. PROCESSO SOB A ÉGIDE DA LEI

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 114
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

13.015/2014 E ANTERIOR À LEI 13.467/2017. HORAS IN ITINERE.

EXISTÊNCIA DE TRANSPORTE PÚBLICO REGULAR QUE A ré pretende afastar a nulidade do sistema de compensação de

SERVE O LOCAL DE TRABALHO. RESIDÊNCIA DO jornada, sob os seguintes fundamentos: a) não se pode deixar de

EMPREGADO SITUADA EM LOCAL DE DIFÍCIL ACESSO. reconhecer compensações previstas em acordos coletivos; b) a

SÚMULA 90, I/TST. Afirmando a Instância Ordinária, quer pela tempo de troca de uniforme não pode ser considerado como

sentença, quer pelo acórdão, que o local de trabalho é de fácil extrapolação à jornada de trabalho para fins de descaracterizar o

acesso e servido por transporte público regular, correto o regime de compensação; c) não havia ambiente insalubre; d) a

indeferimento das horas "in itinere", nos termos da Súmula 90, obreira não laborou em dia destinado à compensação, sua jornada

I/TST. O fato de o Reclamante residir em local servido por condução não ultrapassava o limite máximo de 10 horas diárias nem a soma

pública cujos horários são incompatíveis com o trabalho não das jornadas semanais no período de 1 ano, havendo indicação de

configura hipótese acolhida pela jurisprudência do TST como hábil a débitos e créditos no banco de horas; e) todas as horas laboradas

gerar o direito às horas itinerantes. O fato gerador do direito, foram devidamente quitadas ou compensadas; f) os acordos

consoante item I da Súmula 90 do TST, consiste em ser o local de coletivos compatibilizam a prorrogação da jornada de trabalho com

trabalho situado em local de difícil acesso ou não servido por o regime de compensação.

transporte público regular, e não o local de residência do

empregado. Julgados desta Corte. Recurso de revista não Subsidiariamente, pugna pela aplicação da OJ 394 da SDI-1 do

conhecido.TST - RR: 8057520175120008, Relator: Mauricio TST, pela compensação global dos valores pagos sob a rubrica de

Godinho Delgado, Data de Julgamento: 18/12/2018, 3ª Turma, Data horas extras e reconhecimento de intervalo intrajornada de 1 hora

de Publicação: DEJT 07/01/2019. (g.n.) (p. 365-367).

É incontroverso que a reclamada está situada no Parque Industrial Assiste-lhe parcial razão.

da cidade de Dourados e a autora residia na cidade de Fátima do

Sul. Verifico que a reclamada adotou o sistema de compensação por

banco de horas durante toda a contratualidade (p. 69), porém, essa

A ré comprovou que o percurso até sua sede, a partir da cidade em modalidade compensatória é nula, em razão da falta de previsão em

que está estabelecida, é servido por transporte público regular, norma coletiva (Súmula 85, V, TST).

havendo compatibilidade de horários com a jornada da autora (p.

318-321). A ré adotava, também, o sistema de compensação semanal,

pactuado coletivamente, nos moldes do art. 59 da CLT, autorizando

Diante disso, tenho que a ré se situa em local de fácil acesso e o trabalho extraordinário durante a semana, para compensar o

servido por transporte público, razão pela qual o caso em questão sábado não trabalhado (cláusula 27ª, ACT 2014/2015, p. 271;

não se enquadra na hipótese prevista no art. 58, § 2º, da CLT (com cláusula 28ª, ACT 2015/2016, p. 290; cláusula 29ª, ACT 2016/2017,

a redação vigente ao tempo do vínculo), ainda que o percurso da p. 307).

cidade em que a autora residia até o local de trabalho não fosse

servido por transporte público regular, sendo indevido o cômputo Há, ainda, o Acordo de Flexibilização de Jornada de Trabalho -

das horas itinerárias na jornada de trabalho. Sistema Compensação de Horas 2016/2017 (p. 315-317, vigente no

período de 1º/5/2016 a 30/4/2017).

Assim, dou provimento ao recurso da ré para excluir da condenação

o pagamento das horas in itinere. Primeiramente, registro que a invalidade do sistema de

compensação não decorreu da inobservância do art. 60 da CLT,

2.3 - HORAS EXTRAS (RECURSO DA RÉ) faltando à ré interesse recursal neste particular.

O juiz da origem considerou inválido o sistema de compensação de A sentença de origem considerou descaracterizado o sistema de

jornada e banco de horas previsto em ACT, em decorrência da compensação em razão da habitual extrapolação da jornada.

extrapolação habitual da jornada semanal, razão por que deferiu o

pagamento de horas extras (p. 349). Ainda que a autora não faça jus às horas itinerárias e o tempo gasto

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 115
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

na troca de uniforme não seja computado para esse fim, verifico dos (p. 348).

holerites juntados pela ré o pagamento habitual de horas

extraordinárias de efetivo labor, razão pela qual mantenho a A ré pugna pela reforma da sentença, ao argumento de que o

sentença que considerou descaracterizado o regime de dispositivo legal não foi recepcionado pela Constituição Federal de

compensação de jornada. 1988 (p. 369).

Por outro lado, assiste razão à ré quanto ao critério de abatimento A autora, por seu turno, pretende o deferimento da parcela sem

das horas extras pagas. limitar seu pagamento ao labor extraordinário de pelo menos 20

minutos (p. 384).

Deverão ser abatidos os valores pagos sob as mesmas rubricas ora

deferidas, conforme se apurar dos controles de ponto e recibos de No julgamento do Incidente de Inconstitucionalidade em Recurso de

pagamentos juntados aos autos, segundo os critérios contidos na Revista nº 1.540/2005-046-12-00.5, o c. TST pacificou o

OJ n. 415 da SDI-1/TST (integralidade). entendimento de que o art. 384 da CLT foi recepcionado pela Carta

Magna, razão pela qual nego provimento ao recurso da ré.

Acerca da aplicação da OJ n. 394 da SDI-1/TST (que veda a

incidência de reflexos dos DSRs já majorados pelas horas extras Já quanto à impossibilidade de limitação do pagamento aos dias em

nas demais verbas), anoto que o Órgão Fracionário (Seção de que o tempo de sobrejornada excedeu 20 minutos, a decisão

Dissídios Individuais 1), no julgamento do incidente de recurso de atacada padece de amparo legal.

revista repetitivo - IRR-10169-57.2013.5.05.0024, firmou tese no

sentido de que a majoração dos DSRs decorrentes da integração Nesse sentido é a atual jurisprudência do c. TST, verbis:

das horas extras habituais tem repercussão em férias, 13º e FGTS,

sem que tal configure bis in idem. RECURSO DE REVISTA. INTERVALO PREVISTO NO ARTIGO

384 DA CLT. PROTEÇÃO AO TRABALHO DA MULHER. EFEITOS.

Contudo, nos termos do art. 927, § 3º/CPC, ficou determinada a LIMITAÇÃO DA CONDENAÇÃO AO TEMPO DE DURAÇÃO DA

modulação dos efeitos dessa decisão, sendo reconhecido que a SOBREJORNADA. A jurisprudência deste Tribunal Superior é

tese somente seria aplicável às parcelas com exigibilidade a partir pacífica no sentido de que o art. 384 da CLT ostenta caráter de

da data daquele julgamento (14.12.2017). norma cogente, pois o intervalo nele previsto tem por escopo

assegurar a higidez física e mental da trabalhadora, inserida no

Assim, considerando o caso concreto, deverá haver a observância capítulo de proteção ao trabalho da mulher, razão pela qual a sua

dos termos da OJ n. 394/SDI1/TST no cálculo dos reflexos inobservância não acarreta mera infração administrativa, mas impõe

deferidos. o efetivo pagamento do aludido intervalo como hora extraordinária,

na forma preconizada pelo art. 71, § 4º, da CLT. Ademais, o referido

Por fim, no que concerne ao intervalo intrajornada de uma hora, não dispositivo assegura um intervalo mínimo e obrigatório de 15

houve condenação a respeito, sendo irrelevante a argumentação (quinze) minutos em caso de prorrogação da jornada normal, sem

recursal nesse sentido. fazer nenhuma limitação ao período de duração da sobrejornada.

Recurso de revista não conhecido. TST - RR:

Pelo exposto, dou parcial provimento ao recurso da ré, para 10000147820175020037, Relator: Dora Maria da Costa, Data de

determinar que, no cálculo das horas extras deferidas, sejam Julgamento: 30/10/2018, 8ª Turma, Data de Publicação: DEJT

observadas as Orientações Jurisprudenciais 415 e 394 da SDI-1 do 05/11/2018.(g.n.)

TST.

Assim, dou provimento ao recurso do autor, para condenar a ré ao

2.4 - INTERVALO DO ART. 384 DA CLT (RECURSOS DAS pagamento de 15 minutos diários sempre que houver extrapolação

PARTES) da jornada de efetivo labor.

O juiz da origem condenou a ré ao pagamento do intervalo em 2.5 - HONORÁRIOS SUCUMBENCIAIS E ASSISTENCIAIS

epígrafe quando a prestação de horas extras ultrapassar 20 minutos (RECURSO DA RÉ)

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 116
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

A ré pretende a condenação da autora ao pagamento de honorários Nesse sentido é a orientação do c. TST, conforme art. 6º da

sucumbenciais (p. 374), tendo em vista que a sentença foi prolatada Resolução 221/2018, verbis:

já sob a vigência da lei 13.467/2017.

Art. 6º. Na Justiça do Trabalho, a condenação em honorários

Outrossim, insurge-se a ré contra a sentença que deferiu o pedido advocatícios sucumbenciais, prevista no art. 791-A, e parágrafos da

de honorários assistenciais (15%, p. 351). CLT, será aplicável apenas às ações propostas após 11 de

novembro de 2017 (Lei nº 13.467/2017). Nas ações propostas

Subsidiariamente, requer a aplicação do art. 86 do CPC para fins de anteriormente, subsistem as diretrizes do art. 14. da Lei nº

arbitramento do valor (p. 373). 5.584/1970 e das Súmulas nº 219 e 329 do TST.

Sem razão. Diante do exposto, considerando que essa ação foi proposta

anteriormente ao início da vigência da lei 13.467/2017, não há se

A nova disciplina acerca dos honorários sucumbenciais na justiça falar em honorários sucumbenciais, consoante o entendimento

do trabalho foi introduzida por meio da Lei 13.467/2017, que entrou consolidado na Súmula n. 219/TST. Indefiro.

em vigor em 11/11/2017.

Quanto aos honorários assistenciais, considerando que deferida a

Quanto às regras de direito processual, o ordenamento pátrio assistência judiciária gratuita e comprovada a assistência sindical,

adotou a teoria do isolamento dos atos processuais, refletida no art. estando preenchidos os requisitos da Súmula 219/TST, correta a

14 do CPC, segundo a qual a lei nova alcança o processo em curso, sentença que deferiu tal parcela.

desde que respeitado o ato consolidado, a fim de se preservar o

direito adquirido processual. Por fim, o percentual aplicável está condizente com a complexidade

da presente demanda.

Há que se ter em mente, entretanto, que um ato consolidado pode

ter efeitos para o futuro, ensinando Garcia Medina, Wambier e Nego provimento, mantendo a sentença pelos seus próprios

Teresa Arruda Alvim (Segurança jurídica e irretroatividade da norma fundamentos (artigo 895, § 1º, IV, da CLT).

processual. Revista Jurídica da Seção Judiciária de Pernambuco,

p á g . 3 3 5 . F o n t e :

https://revista.jfpe.jus.br/index.php/RJSJPE/article/view/80) que:

"aos atos processuais, praticados na vigência de lei anterior, desde

que devam produzir efeitos no futuro e ocorra mudança de lei, é a

lei anterior que deverá ser aplicada, porque ela continua VOTO VENCIDO (DA LAVRA DO EXMO. DESEMBARGADOR

legitimamente a reger aqueles efeitos ulteriores". ANDRÉ LUÍS MORAES DE OLIVEIRA)

Os honorários sucumbenciais, em razão do princípio da 2.2 - HORAS IN ITINERE (RECURSO DA RÉ)

causalidade, decorrem de a parte ter formulado pedido

improcedente ou indevidamente resistido. Logo, embora a "O juiz da origem reconheceu o direito ao cômputo das horas de

condenação ao pagamento dos honorários da sucumbência ocorra percurso na jornada de trabalho da autora, fixando o tempo em 40

apenas por ocasião da sentença, essa é decorrência do pedido feito minutos por trecho, o que totaliza 1h20min diários (p. 349).

na exordial. Ou seja, o "fato gerador" ocorreu com a petição inicial,

momento em que, aliás, os honorários sucumbenciais são A ré pretende a reforma da sentença pelos seguintes argumentos:

pleiteados (ainda que implicitamente). a) ausentes os requisitos exigidos para o deferimento do direito,

porquanto o local de trabalho não é de difícil acesso; b) o local da

Assim, o ato processual consolidou-se no protocolo da exordial, residência do empregado não influencia na análise do

devendo sujeitar-se à legislação vigente àquela data, não obstante preenchimento dos requisitos legais para a concessão das horas

surta seus efeitos na sentença. itinerárias; c) no trajeto entre Fátima do Sul e Dourados há linha de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 117
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

transporte público regular; d) ainda que sejam incompatíveis os

horários da linha de transporte com o trabalho da autora, o

empregador não pode ser penalizado pela insuficiência de

transporte público (p. 370-372)." (Relatório da lavra da Exma. Juíza

Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho)

Sem razão.

Mantenho a r. sentença por seus próprios fundamentos:

"4.2 - Das horas in itinere:

As partes declararam que a reclamante deslocava-se de Fátima do

Sul até a reclamada, por meio de ônibus fornecido pela empresa,

despendendo um tempo de 40 minutos de ida e mais 40 de volta,

afirmando ainda que não havia transporte público compatível com o

horário de trabalho (fls. 343, item 2.1). ACÓRDÃO

Dispõe o art. 58, §2º, da CLT, que:

"O tempo despendido pelo empregado até o local de trabalho e para

o seu retorno, por qualquer meio de transporte, não será computado

na jornada de trabalho, salvo quando, tratando-se de local de difícil

acesso ou não servido por transporte público, o empregador

fornecer a condução."

O local de trabalho é de difícil acesso, porque não havia transporte

público coletivo em horário compatível com o da jornada de

trabalho.

Preenchidos os requisitos legais de ser o local de trabalho de difícil

acesso, não servido de transporte público regular e que o transporte

era fornecido pela empresa.

Assim, declaro que o tempo de percurso de 40 minutos de ida e

mais 40 minutos de volta integra a jornada de trabalho para todos Participam deste julgamento:

os efeitos legais."

Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;

Com efeito, a correta definição de local de difícil acesso não pode

utilizar, apenas a perspectiva da empresa, mas deve legar em Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e

conta, para a efetividade da norma, também, o ponto de vista do

empregado. No caso, residindo em Fátima do Sul, o local da Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

empresa é de difícil acesso e o transporte público, intermunicipal,

não é válido para afastar a dificuldade da acessibilidade. Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

Nestes termos, nego provimento ao recurso. ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Egrégio Tribunal

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 118
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região por unanimidade,

aprovar o relatório oral, conhecer parcialmente do conhecer Acórdão


Processo Nº ROPS-0024734-04.2017.5.24.0106
ordinário em procedimento sumaríssimo da ré e integralmente Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
do recurso ordinário em procedimento sumaríssimo da
RECORRENTE LUCIENE VIEIRA SILVA SANTANA
reclamante e das contrarrazões de ambas as partes e, no mérito, ADVOGADO ADY DE OLIVEIRA MORAES(OAB:
8468/MS)
dar provimento ao recurso da autora para deferir-lhe o
RECORRENTE BRF S.A.
pagamento de 15 minutos diários sempre que houver labor ADVOGADO MARCELO DALANHOL(OAB: 18406-
A/MS)
extraordinário, nos termos do voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro
RECORRIDO LUCIENE VIEIRA SILVA SANTANA
Dias Estadulho (relatora); relativamente ao recurso da ré: a) por ADVOGADO ADY DE OLIVEIRA MORAES(OAB:
8468/MS)
maioria, dar-lhe parcial provimento para excluir da condenação o
RECORRIDO BRF S.A.
pagamento das horas in itinere, nos termos do voto da Juíza ADVOGADO MARCELO DALANHOL(OAB: 18406-
A/MS)
relatora, vencido o Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;

e b) por unanimidade, dar-lhe provimento quanto ao mais para Intimado(s)/Citado(s):


determinar que no cálculo das horas extras deferidas sejam - BRF S.A.

observadas as Orientações Jurisprudenciais 415 e 394 da SDI-1 do

TST, nos termos do voto da Juíza relatora.

PODER JUDICIÁRIO
Mantido o valor da condenação.
JUSTIÇA DO TRABALHO

Campo Grande, 02 de abril de 2019.

PROCESSO nº 0024734-04.2017.5.24.0106 (ROPS)

1ª TURMA

Relatora : JUÍZA CONVOCADA KELLY CRISTINA MONTEIRO

DIAS ESTADULHO

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO


Recorrente : LUCIENE VIEIRA SILVA SANTANA

Juíza Convocada
Advogado : Ady de Oliveira Moraes

Relatora
Recorrente : BRF S.A.

Advogado : Marcelo Dalanhol

Recorridos : OS MESMOS

Origem : Vara do Trabalho de Fátima do Sul/MS

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 119
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Isso porque, em audiência, o autor limitou seu pedido a 31/12/2015

(p. 342), sendo certo que a condenação observa estes termos (p.

350).

HORAS IN ITINERE. EMPREGADO QUE RESIDE EM OUTRO Conheço das contrarrazões.

MUNICÍPIO. Os requisitos do art. 58, § 2º, da CLT (redação anterior

à lei 13.467/2017) devem ser aferidos a partir do local de trabalho e 2 - MÉRITO

não da residência do trabalhador. Se a empresa, em relação ao

município sede, está estabelecida em local de fácil acesso e servido 2.1 - TEMPO À DISPOSIÇÃO - TROCA DE UNIFORME

por transporte público, a contratação de empregado em município (RECURSO DA RÉ)

diverso não acarreta o cômputo do tempo de percurso na jornada

de trabalho, ainda que o transporte seja fornecido pelo empregador, O juiz da origem determinou, para o cálculo das horas extras, o

desde que haja mão de obra suficiente no município em que estiver cômputo dos minutos convencionados em audiência (16 minutos

estabelecido. Recurso provido. diários), em razão de o período despendido para a troca de

uniforme ser considerado tempo à disposição do empregador (p.

INTERVALO DO ART. 384 DA CLT (REDAÇÃO ANTERIOR À LEI 348).

13.467/2017). LIMITAÇÃO AO TEMPO DE DURAÇÃO DA

SOBREJORNADA. O dispositivo legal em questão não limita a A ré pretende a reforma da sentença, alegando que, durante a troca

concessão do intervalo a um período mínimo de labor de vestimenta, a autora não estava à sua disposição, aguardando

extraordinário. Limitação indevida. Recurso provido. ou executando ordens, entendendo não ser o caso de aplicação do

art. 4º da CLT.

Asseriu, ainda, que: a) o uso do uniforme é uma obrigação inerente

ao próprio contrato de trabalho e, portanto, o tempo despendido na

troca já é remunerado pelo salário; b) é benéfica ao trabalhador a

troca de uniforme na sede da empresa, tendo em vista que evita

gastos com a higienização dos uniformes (p. 368-369).

SENTENÇA DA LAVRA DO EXMO JUIZ MARCO ANTONIO Sem razão.

MIRANDA MENDES

Incontroverso que a autora, na função de ajudante de produção na

Dispensado o relatório conforme art. 852-I da CLT. sala de cortes, não tinha a faculdade de ir vestida com o uniforme,

devendo fazer a troca da roupa dentro da empresa, tendo em vista

que a ré atua no segmento alimentício e as normas de segurança

alimentar expedidas pelo Ministério da Agricultura exigem o uso de

FUNDAMENTOS DO VOTO vestimenta adequada no manuseio dos produtos.

1 - CONHECIMENTO Ora, considerando que o empregado era obrigado a despender

esse tempo antes do início de suas atividades e após o final do

Preenchidos os pressupostos de admissibilidade, conheço do expediente, indubitavelmente estava à disposição do empregador

recurso do autor e parcialmente do recurso da ré, não o fazendo nos períodos de troca de vestimenta, já tendo se pacificado a

quanto ao pedido subsidiário de limitação da condenação ao jurisprudência pátria nesse sentido.

pagamento de horas extras (em razão do tempo despendido com a

troca de uniforme) a dezembro de 2015, por ausência de interesse Assim, nos termos da Súmula 366 do C. TST, caracteriza-se como

recursal. tempo à disposição do empregador aquele despendido pelo

empregado na troca de uniforme quando ultrapassar os cinco

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 120
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

minutos de tolerância previstos no § 1º do art. 58 da CLT. residência do empregado. Na hipótese, o TRT constatou que o local

da empresa era de fácil acesso e que havia transporte público

Em audiência, as partes esclareceram que o tempo de troca de regular compatível com o início e término da jornada do reclamante,

uniforme era de 8 minutos, tanto no início, quanto no final do razão pela qual é indevida a parcela. Agravo de instrumento

expediente, totalizando 16 minutos diários sem registro nos cartões conhecido e desprovido. fls. PROCESSO Nº TST-AIRR-11848-

de ponto (item 1.2, p. 342). 64.2016.5.18.0141 Firmado por assinatura digital em 10/10/2018

pelo sistema AssineJus da Justiça do Trabalho, conforme MP 2.200

Assim, consoante decidiu o juiz da origem, devem ser computados -2/2001, que instituiu a Infra-Estrutura de Chaves Públicas

na jornada diária os 8 minutos iniciais e 8 minutos finais, Brasileira.TST - AIRR: 118486420165180141, Relator: Alberto Luiz

despendidos na troca de uniforme. Bresciani de Fontan Pereira, Data de Julgamento: 10/10/2018, 3ª

Turma, Data de Publicação: DEJT 19/10/2018 (g.n.)

Nego provimento ao recurso da ré, mantendo a sentença por seus

próprios fundamentos (artigo 895, § 1º, IV, da CLT). RECURSO DE REVISTA. PROCESSO SOB A ÉGIDE DA LEI

13.015/2014 E ANTERIOR À LEI 13.467/2017. HORAS IN ITINERE.

2.2 - HORAS IN ITINERE (RECURSO DA RÉ) EXISTÊNCIA DE TRANSPORTE PÚBLICO REGULAR QUE

SERVE O LOCAL DE TRABALHO. RESIDÊNCIA DO

O juiz da origem reconheceu o direito ao cômputo das horas de EMPREGADO SITUADA EM LOCAL DE DIFÍCIL ACESSO.

percurso na jornada de trabalho da autora, fixando o tempo em 40 SÚMULA 90, I/TST. Afirmando a Instância Ordinária, quer pela

minutos por trecho, o que totaliza 1h20min diários (p. 349). sentença, quer pelo acórdão, que o local de trabalho é de fácil

acesso e servido por transporte público regular, correto o

A ré pretende a reforma da sentença pelos seguintes argumentos: indeferimento das horas "in itinere", nos termos da Súmula 90,

a) ausentes os requisitos exigidos para o deferimento do direito, I/TST. O fato de o Reclamante residir em local servido por condução

porquanto o local de trabalho não é de difícil acesso; b) o local da pública cujos horários são incompatíveis com o trabalho não

residência do empregado não influencia na análise do configura hipótese acolhida pela jurisprudência do TST como hábil a

preenchimento dos requisitos legais para a concessão das horas gerar o direito às horas itinerantes. O fato gerador do direito,

itinerárias; c) no trajeto entre Fátima do Sul e Dourados há linha de consoante item I da Súmula 90 do TST, consiste em ser o local de

transporte público regular; d) ainda que sejam incompatíveis os trabalho situado em local de difícil acesso ou não servido por

horários da linha de transporte com o trabalho da autora, o transporte público regular, e não o local de residência do

empregador não pode ser penalizado pela insuficiência de empregado. Julgados desta Corte. Recurso de revista não

transporte público (p. 370-372). conhecido.TST - RR: 8057520175120008, Relator: Mauricio

Godinho Delgado, Data de Julgamento: 18/12/2018, 3ª Turma, Data

Assiste-lhe razão. de Publicação: DEJT 07/01/2019. (g.n.)

Desde que não haja insuficiência de mão de obra no município em É incontroverso que a reclamada está situada no Parque Industrial

que o empregador está estabelecido, os requisitos do art. 58, § 2º, da cidade de Dourados e a autora residia na cidade de Fátima do

da CLT devem ser analisados levando-se em conta a sede da Sul.

empresa, sendo irrelevante o local de residência do trabalhador.

A ré comprovou que o percurso até sua sede, a partir da cidade em

Nesse sentido é a atual jurisprudência do c. TST, conforme se que está estabelecida, é servido por transporte público regular,

verifica dos seguintes arestos: havendo compatibilidade de horários com a jornada da autora (p.

318-321).

"... 2. HORAS "IN ITINERE". EMPREGADO RESIDENTE EM

MUNICÍPIO DIVERSO DAQUELE EM QUE ESTABELECIDO O Diante disso, tenho que a ré se situa em local de fácil acesso e

EMPREGADOR. A jurisprudência desta Corte segue no sentido de servido por transporte público, razão pela qual o caso em questão

que deve ser considerada como parâmetro para o pagamento de não se enquadra na hipótese prevista no art. 58, § 2º, da CLT (com

horas in itinere a dificuldade de acesso ao local de trabalho e não à a redação vigente ao tempo do vínculo), ainda que o percurso da

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 121
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

cidade em que a autora residia até o local de trabalho não fosse

servido por transporte público regular, sendo indevido o cômputo Há, ainda, o Acordo de Flexibilização de Jornada de Trabalho -

das horas itinerárias na jornada de trabalho. Sistema Compensação de Horas 2016/2017 (p. 315-317, vigente no

período de 1º/5/2016 a 30/4/2017).

Assim, dou provimento ao recurso da ré para excluir da condenação

o pagamento das horas in itinere. Primeiramente, registro que a invalidade do sistema de

compensação não decorreu da inobservância do art. 60 da CLT,

2.3 - HORAS EXTRAS (RECURSO DA RÉ) faltando à ré interesse recursal neste particular.

O juiz da origem considerou inválido o sistema de compensação de A sentença de origem considerou descaracterizado o sistema de

jornada e banco de horas previsto em ACT, em decorrência da compensação em razão da habitual extrapolação da jornada.

extrapolação habitual da jornada semanal, razão por que deferiu o

pagamento de horas extras (p. 349). Ainda que a autora não faça jus às horas itinerárias e o tempo gasto

na troca de uniforme não seja computado para esse fim, verifico dos

A ré pretende afastar a nulidade do sistema de compensação de holerites juntados pela ré o pagamento habitual de horas

jornada, sob os seguintes fundamentos: a) não se pode deixar de extraordinárias de efetivo labor, razão pela qual mantenho a

reconhecer compensações previstas em acordos coletivos; b) a sentença que considerou descaracterizado o regime de

tempo de troca de uniforme não pode ser considerado como compensação de jornada.

extrapolação à jornada de trabalho para fins de descaracterizar o

regime de compensação; c) não havia ambiente insalubre; d) a Por outro lado, assiste razão à ré quanto ao critério de abatimento

obreira não laborou em dia destinado à compensação, sua jornada das horas extras pagas.

não ultrapassava o limite máximo de 10 horas diárias nem a soma

das jornadas semanais no período de 1 ano, havendo indicação de Deverão ser abatidos os valores pagos sob as mesmas rubricas ora

débitos e créditos no banco de horas; e) todas as horas laboradas deferidas, conforme se apurar dos controles de ponto e recibos de

foram devidamente quitadas ou compensadas; f) os acordos pagamentos juntados aos autos, segundo os critérios contidos na

coletivos compatibilizam a prorrogação da jornada de trabalho com OJ n. 415 da SDI-1/TST (integralidade).

o regime de compensação.

Acerca da aplicação da OJ n. 394 da SDI-1/TST (que veda a

Subsidiariamente, pugna pela aplicação da OJ 394 da SDI-1 do incidência de reflexos dos DSRs já majorados pelas horas extras

TST, pela compensação global dos valores pagos sob a rubrica de nas demais verbas), anoto que o Órgão Fracionário (Seção de

horas extras e reconhecimento de intervalo intrajornada de 1 hora Dissídios Individuais 1), no julgamento do incidente de recurso de

(p. 365-367). revista repetitivo - IRR-10169-57.2013.5.05.0024, firmou tese no

sentido de que a majoração dos DSRs decorrentes da integração

Assiste-lhe parcial razão. das horas extras habituais tem repercussão em férias, 13º e FGTS,

sem que tal configure bis in idem.

Verifico que a reclamada adotou o sistema de compensação por

banco de horas durante toda a contratualidade (p. 69), porém, essa Contudo, nos termos do art. 927, § 3º/CPC, ficou determinada a

modalidade compensatória é nula, em razão da falta de previsão em modulação dos efeitos dessa decisão, sendo reconhecido que a

norma coletiva (Súmula 85, V, TST). tese somente seria aplicável às parcelas com exigibilidade a partir

da data daquele julgamento (14.12.2017).

A ré adotava, também, o sistema de compensação semanal,

pactuado coletivamente, nos moldes do art. 59 da CLT, autorizando Assim, considerando o caso concreto, deverá haver a observância

o trabalho extraordinário durante a semana, para compensar o dos termos da OJ n. 394/SDI1/TST no cálculo dos reflexos

sábado não trabalhado (cláusula 27ª, ACT 2014/2015, p. 271; deferidos.

cláusula 28ª, ACT 2015/2016, p. 290; cláusula 29ª, ACT 2016/2017,

p. 307). Por fim, no que concerne ao intervalo intrajornada de uma hora, não

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 122
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

houve condenação a respeito, sendo irrelevante a argumentação (quinze) minutos em caso de prorrogação da jornada normal, sem

recursal nesse sentido. fazer nenhuma limitação ao período de duração da sobrejornada.

Recurso de revista não conhecido. TST - RR:

Pelo exposto, dou parcial provimento ao recurso da ré, para 10000147820175020037, Relator: Dora Maria da Costa, Data de

determinar que, no cálculo das horas extras deferidas, sejam Julgamento: 30/10/2018, 8ª Turma, Data de Publicação: DEJT

observadas as Orientações Jurisprudenciais 415 e 394 da SDI-1 do 05/11/2018.(g.n.)

TST.

Assim, dou provimento ao recurso do autor, para condenar a ré ao

2.4 - INTERVALO DO ART. 384 DA CLT (RECURSOS DAS pagamento de 15 minutos diários sempre que houver extrapolação

PARTES) da jornada de efetivo labor.

O juiz da origem condenou a ré ao pagamento do intervalo em 2.5 - HONORÁRIOS SUCUMBENCIAIS E ASSISTENCIAIS

epígrafe quando a prestação de horas extras ultrapassar 20 minutos (RECURSO DA RÉ)

(p. 348).

A ré pretende a condenação da autora ao pagamento de honorários

A ré pugna pela reforma da sentença, ao argumento de que o sucumbenciais (p. 374), tendo em vista que a sentença foi prolatada

dispositivo legal não foi recepcionado pela Constituição Federal de já sob a vigência da lei 13.467/2017.

1988 (p. 369).

Outrossim, insurge-se a ré contra a sentença que deferiu o pedido

A autora, por seu turno, pretende o deferimento da parcela sem de honorários assistenciais (15%, p. 351).

limitar seu pagamento ao labor extraordinário de pelo menos 20

minutos (p. 384). Subsidiariamente, requer a aplicação do art. 86 do CPC para fins de

arbitramento do valor (p. 373).

No julgamento do Incidente de Inconstitucionalidade em Recurso de

Revista nº 1.540/2005-046-12-00.5, o c. TST pacificou o Sem razão.

entendimento de que o art. 384 da CLT foi recepcionado pela Carta

Magna, razão pela qual nego provimento ao recurso da ré. A nova disciplina acerca dos honorários sucumbenciais na justiça

do trabalho foi introduzida por meio da Lei 13.467/2017, que entrou

Já quanto à impossibilidade de limitação do pagamento aos dias em em vigor em 11/11/2017.

que o tempo de sobrejornada excedeu 20 minutos, a decisão

atacada padece de amparo legal. Quanto às regras de direito processual, o ordenamento pátrio

adotou a teoria do isolamento dos atos processuais, refletida no art.

Nesse sentido é a atual jurisprudência do c. TST, verbis: 14 do CPC, segundo a qual a lei nova alcança o processo em curso,

desde que respeitado o ato consolidado, a fim de se preservar o

RECURSO DE REVISTA. INTERVALO PREVISTO NO ARTIGO direito adquirido processual.

384 DA CLT. PROTEÇÃO AO TRABALHO DA MULHER. EFEITOS.

LIMITAÇÃO DA CONDENAÇÃO AO TEMPO DE DURAÇÃO DA Há que se ter em mente, entretanto, que um ato consolidado pode

SOBREJORNADA. A jurisprudência deste Tribunal Superior é ter efeitos para o futuro, ensinando Garcia Medina, Wambier e

pacífica no sentido de que o art. 384 da CLT ostenta caráter de Teresa Arruda Alvim (Segurança jurídica e irretroatividade da norma

norma cogente, pois o intervalo nele previsto tem por escopo processual. Revista Jurídica da Seção Judiciária de Pernambuco,

assegurar a higidez física e mental da trabalhadora, inserida no p á g . 3 3 5 . F o n t e :

capítulo de proteção ao trabalho da mulher, razão pela qual a sua https://revista.jfpe.jus.br/index.php/RJSJPE/article/view/80) que:

inobservância não acarreta mera infração administrativa, mas impõe "aos atos processuais, praticados na vigência de lei anterior, desde

o efetivo pagamento do aludido intervalo como hora extraordinária, que devam produzir efeitos no futuro e ocorra mudança de lei, é a

na forma preconizada pelo art. 71, § 4º, da CLT. Ademais, o referido lei anterior que deverá ser aplicada, porque ela continua

dispositivo assegura um intervalo mínimo e obrigatório de 15 legitimamente a reger aqueles efeitos ulteriores".

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 123
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Os honorários sucumbenciais, em razão do princípio da 2.2 - HORAS IN ITINERE (RECURSO DA RÉ)

causalidade, decorrem de a parte ter formulado pedido

improcedente ou indevidamente resistido. Logo, embora a "O juiz da origem reconheceu o direito ao cômputo das horas de

condenação ao pagamento dos honorários da sucumbência ocorra percurso na jornada de trabalho da autora, fixando o tempo em 40

apenas por ocasião da sentença, essa é decorrência do pedido feito minutos por trecho, o que totaliza 1h20min diários (p. 349).

na exordial. Ou seja, o "fato gerador" ocorreu com a petição inicial,

momento em que, aliás, os honorários sucumbenciais são A ré pretende a reforma da sentença pelos seguintes argumentos:

pleiteados (ainda que implicitamente). a) ausentes os requisitos exigidos para o deferimento do direito,

porquanto o local de trabalho não é de difícil acesso; b) o local da

Assim, o ato processual consolidou-se no protocolo da exordial, residência do empregado não influencia na análise do

devendo sujeitar-se à legislação vigente àquela data, não obstante preenchimento dos requisitos legais para a concessão das horas

surta seus efeitos na sentença. itinerárias; c) no trajeto entre Fátima do Sul e Dourados há linha de

transporte público regular; d) ainda que sejam incompatíveis os

Nesse sentido é a orientação do c. TST, conforme art. 6º da horários da linha de transporte com o trabalho da autora, o

Resolução 221/2018, verbis: empregador não pode ser penalizado pela insuficiência de

transporte público (p. 370-372)." (Relatório da lavra da Exma. Juíza

Art. 6º. Na Justiça do Trabalho, a condenação em honorários Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho)

advocatícios sucumbenciais, prevista no art. 791-A, e parágrafos da

CLT, será aplicável apenas às ações propostas após 11 de Sem razão.

novembro de 2017 (Lei nº 13.467/2017). Nas ações propostas

anteriormente, subsistem as diretrizes do art. 14. da Lei nº Mantenho a r. sentença por seus próprios fundamentos:

5.584/1970 e das Súmulas nº 219 e 329 do TST.

"4.2 - Das horas in itinere:

Diante do exposto, considerando que essa ação foi proposta

anteriormente ao início da vigência da lei 13.467/2017, não há se As partes declararam que a reclamante deslocava-se de Fátima do

falar em honorários sucumbenciais, consoante o entendimento Sul até a reclamada, por meio de ônibus fornecido pela empresa,

consolidado na Súmula n. 219/TST. Indefiro. despendendo um tempo de 40 minutos de ida e mais 40 de volta,

afirmando ainda que não havia transporte público compatível com o

Quanto aos honorários assistenciais, considerando que deferida a horário de trabalho (fls. 343, item 2.1).

assistência judiciária gratuita e comprovada a assistência sindical,

estando preenchidos os requisitos da Súmula 219/TST, correta a Dispõe o art. 58, §2º, da CLT, que:

sentença que deferiu tal parcela.

"O tempo despendido pelo empregado até o local de trabalho e para

Por fim, o percentual aplicável está condizente com a complexidade o seu retorno, por qualquer meio de transporte, não será computado

da presente demanda. na jornada de trabalho, salvo quando, tratando-se de local de difícil

acesso ou não servido por transporte público, o empregador

Nego provimento, mantendo a sentença pelos seus próprios fornecer a condução."

fundamentos (artigo 895, § 1º, IV, da CLT).

O local de trabalho é de difícil acesso, porque não havia transporte

público coletivo em horário compatível com o da jornada de

trabalho.

Preenchidos os requisitos legais de ser o local de trabalho de difícil

VOTO VENCIDO (DA LAVRA DO EXMO. DESEMBARGADOR acesso, não servido de transporte público regular e que o transporte

ANDRÉ LUÍS MORAES DE OLIVEIRA) era fornecido pela empresa.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 124
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Assim, declaro que o tempo de percurso de 40 minutos de ida e

mais 40 minutos de volta integra a jornada de trabalho para todos Participam deste julgamento:

os efeitos legais."

Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;

Com efeito, a correta definição de local de difícil acesso não pode

utilizar, apenas a perspectiva da empresa, mas deve legar em Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e

conta, para a efetividade da norma, também, o ponto de vista do

empregado. No caso, residindo em Fátima do Sul, o local da Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

empresa é de difícil acesso e o transporte público, intermunicipal,

não é válido para afastar a dificuldade da acessibilidade. Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

Nestes termos, nego provimento ao recurso. ACORDAM os Desembargadores da 1ª Turma do Egrégio Tribunal

Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região por unanimidade,

aprovar o relatório oral, conhecer parcialmente do conhecer

ordinário em procedimento sumaríssimo da ré e integralmente

do recurso ordinário em procedimento sumaríssimo da

reclamante e das contrarrazões de ambas as partes e, no mérito,

dar provimento ao recurso da autora para deferir-lhe o

pagamento de 15 minutos diários sempre que houver labor

extraordinário, nos termos do voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro

Dias Estadulho (relatora); relativamente ao recurso da ré: a) por

maioria, dar-lhe parcial provimento para excluir da condenação o

pagamento das horas in itinere, nos termos do voto da Juíza

relatora, vencido o Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;

e b) por unanimidade, dar-lhe provimento quanto ao mais para

determinar que no cálculo das horas extras deferidas sejam

observadas as Orientações Jurisprudenciais 415 e 394 da SDI-1 do

TST, nos termos do voto da Juíza relatora.

ACÓRDÃO

Mantido o valor da condenação.

Campo Grande, 02 de abril de 2019.

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO

Juíza Convocada

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 125
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Recorrido : H L CONSTRUTORA LTDA

Relatora

Advogado : Edgar Leal Loureiro

Origem : 2ª Vara do Trabalho de Dourados/MS

MORA SALARIAL CONTUMAZ. DANO MORAL. CABIMENTO. O


Acórdão atraso salarial não faz presumir, por si só, a ocorrência de dano
Processo Nº ROPS-0024800-42.2017.5.24.0022
Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS moral, sendo necessária a prova do efetivo prejuízo experimentado
ESTADULHO
pelo trabalhador. Entretanto, a SBDI-1 do TST firmou entendimento
RECORRENTE HELTON RODRIGUES CANDIDO
JUNIOR de que a mora salarial reiterada acarreta lesão aos direitos de
ADVOGADO MARISTELA LINHARES MARQUES
WALZ(OAB: 5589/MS) personalidade, prescindindo de prova do abalo psicológico sofrido
RECORRIDO H L CONSTRUTORA LTDA pela vítima. Devida a indenização pelo dano moral sofrido. Recurso
ADVOGADO EDGAR LEAL LOUREIRO(OAB:
13702/MS) provido.

Intimado(s)/Citado(s):
- HELTON RODRIGUES CANDIDO JUNIOR

PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO TRABALHO SENTENÇA PROFERIDA PELO MMª JUÍZA DO TRABALHO

ERIKA SILVA BOQUIMPANI

FUNDAMENTOS DO VOTO

PROCESSO nº 0024800-42.2017.5.24.0022 (ROPS)

1ª TURMA
1 - CONHECIMENTO

Conheço do recurso ordinário interposto pelo reclamante, por

presentes os pressupostos de admissibilidade.


Relator : Juíza Convocada KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS

ESTADULHO
Conheço parcialmente das contrarrazões ofertadas pela reclamada,

não o fazendo quanto ao pedido de majoração dos honorários


Recorrente : HELTON RODRIGUES CANDIDO JUNIOR
sucumbenciais, pois não é o meio adequado para buscar a reforma

da sentença.
Advogado : Maristela Linhares Marques Walz

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 126
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Assim, em caso de atrasos reiterados, a lesão moral sofrida é

presumível, prescindindo de prova do dano.

2 - MÉRITO

Nesse sentido consolidou-se a atual jurisprudência do c. TST, como

se pode observar do seguinte aresto:

2.1 - DANO MORAL RECURSO DE REVISTA. MORA SALARIAL CONTUMAZ. DANO

MORAL. AUSÊNCIA DE PRESSUPOSTO FÁTICO. A SBDI -1,

A Juíza da origem indeferiu o pedido de danos morais, sob o órgão uniformizador da jurisprudência "interna corporis" desta Corte

fundamento de que o atraso salarial em torno de um mês (recibo de Superior, firmou entendimento de que o atraso reiterado no

setembro/2016, quitado final de outubro/2016) implica em danos de pagamento de salários acarreta, por si só, lesão aos direitos da

ordem material tão somente. personalidade do trabalhador, ensejando a correspondente

reparação pecuniária, independentemente de comprovação de

Insurge-se o autor, alegando que a conduta da ré foi ilícita, pois abalo psicológico sofrido pela vítima. Na hipótese, todavia, não há

descumpriu a norma do art. 459 da CLT, que exige o pagamento registro, no acórdão recorrido, a respeito de reiteração de mora,

dos salários até o quinto dia útil do mês seguinte ao trabalhado. elemento fático indispensável ao deslinde da controvérsia.

Argumenta ainda, que vive de seu trabalho, motivo pelo qual o Incidência da Súmula nº 126 do TST. Recurso de revista de que não

atraso salarial implica na presunção de ofensa moral. se conhece.TST - RR: 16860520125090657, Relator: Walmir

Oliveira da Costa, Data de Julgamento: 14/06/2017, 1ª Turma, Data

Em contrarrazões, a ré impugna a pretensão obreira, asserindo que de Publicação: DEJT 19/06/2017. (g.n.)

o autor não comprovou o dano alegado, sendo confesso quanto à

matéria de fato, em razão da ausência na audiência de instrução. Assim, evidenciada a mora contumaz no pagamento dos salários do

autor, reconheço a ocorrência de dano moral, independentemente

Assiste razão ao reclamante. da confissão ficta.

A sentença reconheceu que apenas o salário de setembro foi pago Por conseguinte, dou provimento ao recurso, condenando a ré ao

com atraso, fato verificado no recibo de f. 50, que dá conta que os pagamento de indenização no valor de R$ 2.000,00, que entendo

valores foram quitados apenas em 28.10.2016. adequada à extensão do dano.

Entretanto, o mesmo se deu quanto aos salários de outubro e

novembro de 2016. Embora nos recibos correspondentes (f. 48 e

49) não conste a data do pagamento, os documentos de f. 55 e 56 2.2 - ANOTAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO NA CTPS

demonstram que esses foram quitados em 01.12 (salário de

outubro) e em 22.12.16 (salário de novembro). Sob o fundamento de que era ônus do reclamante juntar aos autos

cópia de sua CTPS, mostrando que não houve o registro do

Assim, verifico que os salários foram pagos com atraso considerável contrato de trabalho, a Juíza da origem indeferiu o pedido de

durante todo o período contratual, caracterizando-se a mora anotação na CTPS do autor.

contumaz.

Insurge-se o obreiro, alegando que não poderia juntar cópia de uma

Embora a jurisprudência desta Corte seja no sentido de que a mora anotação inexistente, sendo esse ônus da ré.

salarial, por si só, não seja capaz de fazer presumir a ocorrência de

danos de ordem moral, é indene de dúvida que a mora contumaz Não lhe assiste razão.

fere o equilíbrio psíquico do trabalhador, pois causa privações

constantes, gerando sentimentos de dor, angústia e humilhação, o A falta do registro do contrato na CTPS é fato constitutivo do direito

que acarreta danos à sua honra subjetiva. do autor, sendo seu o ônus da prova respectiva.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 127
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

E não há se cogitar de prova negativa, eis que a juntada de cópia que se concluir que essas não foram integralmente quitadas dentro

da CTPS sem o devido registro é meio apto a comprovar a alegação do prazo legal.

obreira.

Diante disso, reformo a sentença, condenando a ré ao pagamento

Verifico que o autor juntou apenas a primeira e segunda página de da multa do art. 477 da CLT, no valor de um salário mensal do

sua CTPS (f. 9). Não trouxe as páginas referentes às anotações de reclamante.

contratos de trabalho, tampouco aquelas referentes às anotações

gerais.

Assim, não se desincumbiu do ônus que lhe competia. 2.4- HONORÁRIOS DE SUCUMBÊNCIA

Além disso, a reclamada juntou, às f. 41 dos autos, um comprovante Diante da procedência parcial desta ação, a juíza singular condenou

de devolução da CTPS ao autor em 16.12.2016, data próxima à da as partes a pagar reciprocamente honorários sucumbenciais de 8%,

rescisão contratual, o que conduz à conclusão que a ré promoveu a determinando que os devidos pela parte autora sejam calculados

anotação da baixa do contrato, do que se infere que houve o sobre o valor dos pedidos julgados improcedentes.

competente registro do vínculo.

Insurge-se o reclamante, sob a alegação de que o beneficiário da

Assim, mantenho a sentença pelos seus próprios fundamentos. Justiça Gratuita não se sujeita ao pagamento de custas e despesas

processuais, não podendo ser condenado ao pagamento de

honorários sucumbenciais.

2.3 - MULTA ART. 477, §8º, DA CLT Argui a inconstitucionalidade do art. 791-A, § 4º, da CLT, na parte

em que tal dispositivo prevê a responsabilização do hipossuficiente

Com base na data registrada no TRCT juntado às f. 51-54, a Juíza pelo pagamento dos honorários da sucumbência, por afronta ao art.

singular entendeu tempestivo o pagamento da rescisão e indeferiu a 5º, LXXIV, da CF/88.

multa em exame.

No mais, pugna pela aplicação do art. 98 do CPC, de forma que a

Recorre o reclamante, alegando que não recebeu as verbas gratuidade da justiça alcance os honorários sucumbenciais.

rescisórias na data constante do TRCT juntado pela ré. Assere que

em sua cópia do TRCT a data está em branco, o que demonstra Não lhe assiste razão.

que a anotação da data foi posterior à assinatura daquele termo.

Além disso, aponta o extrato de conta corrente juntado pela ré às f. Dispõe o § 4º do art. 791 da CLT que:

55, o qual entende demonstrar a quitação de parte das rescisórias

apenas em 22.12.2016. "vencido o beneficiário da justiça gratuita, desde que não tenha

obtido em juízo, ainda que em outro processo, créditos capazes de

Assiste-lhe razão. suportar a despesa, as obrigações decorrentes de sua sucumbência

ficarão sob condição suspensiva de exigibilidade e somente

A falta de registro da data na cópia do TRCT entregue ao poderão ser executadas se, nos dois anos subsequentes ao trânsito

reclamante não conduz à conclusão que a data consignada na em julgado da decisão que as certificou, o credor demonstrar que

cópia da ré tenha sido inscrita posteriormente. deixou de existir a situação de insuficiência de recursos que

justificou a concessão da gratuidade..."

Entretanto, o depósito bancário de f. 55 demonstra o salário de

novembro/16 (recibo respectivo às f. 48) foi quitado apenas no dia Assim, o beneficiário da Justiça Gratuita só responderá pelos

22.12.2016. honorários sucumbenciais se os créditos que vier a receber ou outro

fato superveniente alterem sua condição econômica, de forma a

Considerando que o saldo salário compõe as verbas rescisórias, há justificar a revisão da gratuidade concedida. Não se vislumbra a

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 128
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

inconstitucionalidade alegada, por não haver afronta ao princípio a reclamada ao pagamento de indenização por danos morais, no

constitucional da gratuidade da Justiça. valor de R$ 2.000,00, e da multa do art. 477 consolidado, nos

termos do voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho

Também não há se cogitar de aplicação do art. 98 do CPC, já que a (relatora).

CLT trata do tema de forma ampla.

Campo Grande, 02 de abril de 2019.

Mantenho a sentença.

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO

Juíza Convocada

Relatora

Acórdão
Processo Nº ROPS-0024800-42.2017.5.24.0022
Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
RECORRENTE HELTON RODRIGUES CANDIDO
JUNIOR
ADVOGADO MARISTELA LINHARES MARQUES
WALZ(OAB: 5589/MS)
RECORRIDO H L CONSTRUTORA LTDA
ADVOGADO EDGAR LEAL LOUREIRO(OAB:
13702/MS)

Intimado(s)/Citado(s):
- H L CONSTRUTORA LTDA

Participam deste julgamento:

Desembargador André Luís Moraes de Oliveira; PODER JUDICIÁRIO

JUSTIÇA DO TRABALHO

Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e

Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

PROCESSO nº 0024800-42.2017.5.24.0022 (ROPS)


ACORDAM os Desembargadores da Egrégia Primeira Turma do

Tribunal Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, após o


1ª TURMA
representante do Ministério Público do Trabalho ter-se manifestado

verbalmente pelo regular prosseguimento do feito, por unanimidade,

aprovar o relatório oral, conhecer do recurso ordinário em

procedimento sumaríssimo e parcialmente das contrarrazões da


Relator : Juíza Convocada KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
reclamada e, no mérito, dar-lhe parcial provimento para condenar
ESTADULHO

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 129
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Conheço parcialmente das contrarrazões ofertadas pela reclamada,

Recorrente : HELTON RODRIGUES CANDIDO JUNIOR não o fazendo quanto ao pedido de majoração dos honorários

sucumbenciais, pois não é o meio adequado para buscar a reforma

Advogado : Maristela Linhares Marques Walz da sentença.

Recorrido : H L CONSTRUTORA LTDA

Advogado : Edgar Leal Loureiro 2 - MÉRITO

Origem : 2ª Vara do Trabalho de Dourados/MS

2.1 - DANO MORAL

A Juíza da origem indeferiu o pedido de danos morais, sob o

fundamento de que o atraso salarial em torno de um mês (recibo de

setembro/2016, quitado final de outubro/2016) implica em danos de

ordem material tão somente.

MORA SALARIAL CONTUMAZ. DANO MORAL. CABIMENTO. O Insurge-se o autor, alegando que a conduta da ré foi ilícita, pois

atraso salarial não faz presumir, por si só, a ocorrência de dano descumpriu a norma do art. 459 da CLT, que exige o pagamento

moral, sendo necessária a prova do efetivo prejuízo experimentado dos salários até o quinto dia útil do mês seguinte ao trabalhado.

pelo trabalhador. Entretanto, a SBDI-1 do TST firmou entendimento Argumenta ainda, que vive de seu trabalho, motivo pelo qual o

de que a mora salarial reiterada acarreta lesão aos direitos de atraso salarial implica na presunção de ofensa moral.

personalidade, prescindindo de prova do abalo psicológico sofrido

pela vítima. Devida a indenização pelo dano moral sofrido. Recurso Em contrarrazões, a ré impugna a pretensão obreira, asserindo que

provido. o autor não comprovou o dano alegado, sendo confesso quanto à

matéria de fato, em razão da ausência na audiência de instrução.

Assiste razão ao reclamante.

A sentença reconheceu que apenas o salário de setembro foi pago

com atraso, fato verificado no recibo de f. 50, que dá conta que os

SENTENÇA PROFERIDA PELO MMª JUÍZA DO TRABALHO valores foram quitados apenas em 28.10.2016.

ERIKA SILVA BOQUIMPANI

Entretanto, o mesmo se deu quanto aos salários de outubro e

novembro de 2016. Embora nos recibos correspondentes (f. 48 e

49) não conste a data do pagamento, os documentos de f. 55 e 56

FUNDAMENTOS DO VOTO demonstram que esses foram quitados em 01.12 (salário de

outubro) e em 22.12.16 (salário de novembro).

Assim, verifico que os salários foram pagos com atraso considerável

1 - CONHECIMENTO durante todo o período contratual, caracterizando-se a mora

contumaz.

Conheço do recurso ordinário interposto pelo reclamante, por

presentes os pressupostos de admissibilidade. Embora a jurisprudência desta Corte seja no sentido de que a mora

salarial, por si só, não seja capaz de fazer presumir a ocorrência de

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 130
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

danos de ordem moral, é indene de dúvida que a mora contumaz Não lhe assiste razão.

fere o equilíbrio psíquico do trabalhador, pois causa privações

constantes, gerando sentimentos de dor, angústia e humilhação, o A falta do registro do contrato na CTPS é fato constitutivo do direito

que acarreta danos à sua honra subjetiva. do autor, sendo seu o ônus da prova respectiva.

Assim, em caso de atrasos reiterados, a lesão moral sofrida é E não há se cogitar de prova negativa, eis que a juntada de cópia

presumível, prescindindo de prova do dano. da CTPS sem o devido registro é meio apto a comprovar a alegação

obreira.

Nesse sentido consolidou-se a atual jurisprudência do c. TST, como

se pode observar do seguinte aresto: Verifico que o autor juntou apenas a primeira e segunda página de

sua CTPS (f. 9). Não trouxe as páginas referentes às anotações de

RECURSO DE REVISTA. MORA SALARIAL CONTUMAZ. DANO contratos de trabalho, tampouco aquelas referentes às anotações

MORAL. AUSÊNCIA DE PRESSUPOSTO FÁTICO. A SBDI -1, gerais.

órgão uniformizador da jurisprudência "interna corporis" desta Corte

Superior, firmou entendimento de que o atraso reiterado no Assim, não se desincumbiu do ônus que lhe competia.

pagamento de salários acarreta, por si só, lesão aos direitos da

personalidade do trabalhador, ensejando a correspondente Além disso, a reclamada juntou, às f. 41 dos autos, um comprovante

reparação pecuniária, independentemente de comprovação de de devolução da CTPS ao autor em 16.12.2016, data próxima à da

abalo psicológico sofrido pela vítima. Na hipótese, todavia, não há rescisão contratual, o que conduz à conclusão que a ré promoveu a

registro, no acórdão recorrido, a respeito de reiteração de mora, anotação da baixa do contrato, do que se infere que houve o

elemento fático indispensável ao deslinde da controvérsia. competente registro do vínculo.

Incidência da Súmula nº 126 do TST. Recurso de revista de que não

se conhece.TST - RR: 16860520125090657, Relator: Walmir Assim, mantenho a sentença pelos seus próprios fundamentos.

Oliveira da Costa, Data de Julgamento: 14/06/2017, 1ª Turma, Data

de Publicação: DEJT 19/06/2017. (g.n.)

Assim, evidenciada a mora contumaz no pagamento dos salários do 2.3 - MULTA ART. 477, §8º, DA CLT

autor, reconheço a ocorrência de dano moral, independentemente

da confissão ficta. Com base na data registrada no TRCT juntado às f. 51-54, a Juíza

singular entendeu tempestivo o pagamento da rescisão e indeferiu a

Por conseguinte, dou provimento ao recurso, condenando a ré ao multa em exame.

pagamento de indenização no valor de R$ 2.000,00, que entendo

adequada à extensão do dano. Recorre o reclamante, alegando que não recebeu as verbas

rescisórias na data constante do TRCT juntado pela ré. Assere que

em sua cópia do TRCT a data está em branco, o que demonstra

que a anotação da data foi posterior à assinatura daquele termo.

2.2 - ANOTAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO NA CTPS Além disso, aponta o extrato de conta corrente juntado pela ré às f.

55, o qual entende demonstrar a quitação de parte das rescisórias

Sob o fundamento de que era ônus do reclamante juntar aos autos apenas em 22.12.2016.

cópia de sua CTPS, mostrando que não houve o registro do

contrato de trabalho, a Juíza da origem indeferiu o pedido de Assiste-lhe razão.

anotação na CTPS do autor.

A falta de registro da data na cópia do TRCT entregue ao

Insurge-se o obreiro, alegando que não poderia juntar cópia de uma reclamante não conduz à conclusão que a data consignada na

anotação inexistente, sendo esse ônus da ré. cópia da ré tenha sido inscrita posteriormente.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 131
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

Entretanto, o depósito bancário de f. 55 demonstra o salário de

novembro/16 (recibo respectivo às f. 48) foi quitado apenas no dia Assim, o beneficiário da Justiça Gratuita só responderá pelos

22.12.2016. honorários sucumbenciais se os créditos que vier a receber ou outro

fato superveniente alterem sua condição econômica, de forma a

Considerando que o saldo salário compõe as verbas rescisórias, há justificar a revisão da gratuidade concedida. Não se vislumbra a

que se concluir que essas não foram integralmente quitadas dentro inconstitucionalidade alegada, por não haver afronta ao princípio

do prazo legal. constitucional da gratuidade da Justiça.

Diante disso, reformo a sentença, condenando a ré ao pagamento Também não há se cogitar de aplicação do art. 98 do CPC, já que a

da multa do art. 477 da CLT, no valor de um salário mensal do CLT trata do tema de forma ampla.

reclamante.

Mantenho a sentença.

2.4- HONORÁRIOS DE SUCUMBÊNCIA

Diante da procedência parcial desta ação, a juíza singular condenou

as partes a pagar reciprocamente honorários sucumbenciais de 8%,

determinando que os devidos pela parte autora sejam calculados

sobre o valor dos pedidos julgados improcedentes.

Insurge-se o reclamante, sob a alegação de que o beneficiário da

Justiça Gratuita não se sujeita ao pagamento de custas e despesas

processuais, não podendo ser condenado ao pagamento de

honorários sucumbenciais.

Argui a inconstitucionalidade do art. 791-A, § 4º, da CLT, na parte

em que tal dispositivo prevê a responsabilização do hipossuficiente

pelo pagamento dos honorários da sucumbência, por afronta ao art.

5º, LXXIV, da CF/88.

No mais, pugna pela aplicação do art. 98 do CPC, de forma que a

gratuidade da justiça alcance os honorários sucumbenciais.

Não lhe assiste razão. Participam deste julgamento:

Dispõe o § 4º do art. 791 da CLT que: Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;

"vencido o beneficiário da justiça gratuita, desde que não tenha Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e

obtido em juízo, ainda que em outro processo, créditos capazes de

suportar a despesa, as obrigações decorrentes de sua sucumbência Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

ficarão sob condição suspensiva de exigibilidade e somente

poderão ser executadas se, nos dois anos subsequentes ao trânsito Presente o representante do Ministério Público do Trabalho.

em julgado da decisão que as certificou, o credor demonstrar que

deixou de existir a situação de insuficiência de recursos que ACORDAM os Desembargadores da Egrégia Primeira Turma do

justificou a concessão da gratuidade..." Tribunal Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, após o

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 132
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

representante do Ministério Público do Trabalho ter-se manifestado

verbalmente pelo regular prosseguimento do feito, por unanimidade, PROCESSO nº 0025703-80.2017.5.24.0021 (ROPS)

aprovar o relatório oral, conhecer do recurso ordinário em

procedimento sumaríssimo e parcialmente das contrarrazões da 1ª TURMA

reclamada e, no mérito, dar-lhe parcial provimento para condenar

a reclamada ao pagamento de indenização por danos morais, no

valor de R$ 2.000,00, e da multa do art. 477 consolidado, nos

termos do voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho Relator : Juíza Convocada KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS

(relatora). ESTADULHO

Campo Grande, 02 de abril de 2019. Recorrente : EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS

HOSPITALARES - EBSERH

Advogado : Mara Silvia Zimmermann

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO Advogado : Thays Rocha De Carvalho Correa Silva

Juíza Convocada Recorrido : MARIA DE FATIMA MARQUES DOS SANTOS

Relatora Advogado : Nelson Eli Prado

Advogado : Nilton Cesar Corbalan Gusman

Origem : 1ª Vara do Trabalho de Dourados/MS


Acórdão
Processo Nº ROPS-0025703-80.2017.5.24.0021
Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
RECORRENTE EMPRESA BRASILEIRA DE
SERVICOS HOSPITALARES -
EBSERH
ADVOGADO THAYS ROCHA DE CARVALHO
CORREA SILVA(OAB: 9030/MS)
ADVOGADO MARA SILVIA ZIMMERMANN(OAB:
14134/MS)
RECORRIDO MARIA DE FATIMA MARQUES DOS
SANTOS
ADVOGADO NILTON CESAR CORBALAN
GUSMAN(OAB: 6746/MS)
ADVOGADO NELSON ELI PRADO(OAB: 6212/MS)

Intimado(s)/Citado(s):
- EMPRESA BRASILEIRA DE SERVICOS HOSPITALARES -
EBSERH

EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES -

EBSERH. PRERROGATIVAS DA FAZENDA PÚBLICA. Não são


PODER JUDICIÁRIO
extensíveis à ré as prerrogativas da Fazenda Pública, eis que se
JUSTIÇA DO TRABALHO
trata de empresa pública, sujeitando-se ao regime jurídico das

empresas privadas. Está sujeita, assim, ao recolhimento das custas

processuais e do depósito recursal. Recurso não provido.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 133
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

AGRAVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE

REVISTA. ACÓRDÃO PUBLICADO NA VIGÊNCIA DA LEI Nº

13.015/2014. DESERÇÃO DO RECURSO DE REVISTA.

CONCESSÃO DAS PRERROGATIVAS DA FAZENDA PÚBLICA.

Evidenciado que a recorrente é empresa pública federal, certo é que

SENTENÇA PROFERIDA PELO MMª JUÍZA DO TRABALHO se encontra sujeita ao regime jurídico próprio das empresas

DANIELA ROCHA RODRIGUES PERUCA privadas, não fazendo jus à aplicação das prerrogativas processuais

concedidas à Fazenda Pública, inclusive no tocante à isenção do

recolhimento das custas processuais e do depósito recursal. Isso

porque, apesar de prestar serviço de natureza essencial, com

FUNDAMENTOS DO VOTO capital social exclusivamente da União, não há previsão expressa

na sua lei instituidora sobre a impenhorabilidade dos seus bens ou

regime especial de execução das dívidas trabalhistas por precatório

ou requisição de pequeno valor. Agravo não provido. (TST-Ag-AIRR

1 - CONHECIMENTO -428-64.2016.5.19.0002, Ac. 5ª Turma, julgado em 23.05.2018, rel.

Min. Breno Medeiros) g.n.

Conheço do recurso ordinário interposto pela reclamada e das

contrarrazões da reclamante, por presentes os pressupostos de

admissibilidade.

Cito, ainda, precedentes do E. STF, no mesmo sentido, verbis:

2 - MÉRITO

"ADMINISTRATIVO. COMPANHIA NACIONAL DE

ABASTECIMENTO - CONAB. EMPRESA PÚBLICA FEDERAL

PRESTADORA DE SERVIÇOS PÚBLICOS. EXTENSÃO DOS

2.1 - ISENÇÃO DE CUSTAS E DEPÓSITO RECURSAL BENEFÍCIOS DA FAZENDA PÚBLICA. ISENÇÃO DE CUSTAS

PROCESSUAIS E PRAZO EM DOBRO PARA RECORRER.

Requer a recorrente a aplicação da prerrogativa inerente à Fazenda AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. ANÁLISE DE

Pública, com a isenção das custas e dispensa do depósito recursal, LEGISLAÇÃO PROCESSUAL ORDINÁRIA. OFENSA REFLEXA.

por se tratar de empresa pública federal prestadora de serviços RECURSO ESPECIAL IMPROVIDO. SÚMULA 283 DO STF.

públicos, criada pela Lei n. 12.550/2011. AGRAVO IMPROVIDO.

Razão não lhe assiste. I - Ainda que a matéria constitucional suscitada houvesse sido

prequestionada, a orientação desta Corte é a de que a alegada

Ao contrário do que pretende a recorrente, as prerrogativas violação do art. 5º, XXXV, LIV e LV, da Constituição, pode

processuais da Fazenda Pública não são extensíveis às empresas configurar, em regra, situação de ofensa reflexa ao texto

públicas, mesmo que prestadoras de serviços públicos, por falta de constitucional, por demandar a análise de legislação processual

previsão legal. ordinária, o que inviabilizaria o conhecimento do recurso

extraordinário.

Nesse sentido decidiu recentemente o c. TST, em ação envolvendo

a própria ré (EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS II - Este Tribunal possui entendimento no sentido de que o art. 173,

HOSPITALARES - EBSERH), verbis: § 2º, da Constituição não se aplica às empresas públicas

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 134
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

prestadoras de serviços públicos. Dessa afirmação, porém, não se HU-UFGD, seja com a antiga ou com a atual prestadora de

pode inferir que a Constituição tenha garantido a estas entidades a serviços.

isenção de custas processuais ou o privilégio do prazo em dobro

para a interposição de recursos. Argumenta que: "O Hospital Universitário, órgão suplementar da

UFGD, local onde se deu a prestação dos serviços, não se encontra

III - Observa-se que, com a negativa de provimento ao recurso sob gestão plena da Recorrente, na medida em que a Fundação

especial pelo Superior Tribunal de Justiça, tornaram-se definitivos Universidade Federal da Grande Dourados aderiu à gestão da

os fundamentos infraconstitucionais que amparam o acórdão EBSERH em 26.09.2013, iniciando-se o período de cogestão,

recorrido (Súmula 283 do STF). também chamado de período de transição, nos termos da cláusula

sexta do Contrato nº 30/2013 (fls. 315/323, ID. 6971b54 - pág. 1/9),

IV - Agravo regimental improvido." (RE 596.729-AgR, Rel. Min. de modo que todas as relações jurídicas serão de sua exclusiva

Ricardo Lewandowski, 1ª Turma, DJe 10.11.2010) responsabilidade até a assunção da gestão plena pela EBSERH" (p.

402)

"Agravo regimental no recurso extraordinário com agravo. Direito

processual civil. Empresa pública. Prerrogativas processuais da Sem razão.

fazenda pública. Inexistência. Análise da legislação local. Reexame

de fatos e provas. Impossibilidade. Precedentes. O contrato que a UFGD celebrou com a recorrente, EBSERH,

dispôs na cláusula 6ª, parágrafo sexto (p. 318), sobre um período

1. A jurisprudência da Corte é firme no sentido de que as de transição para que a EBSERH assumisse a gestão plena do

prerrogativas processuais da fazenda pública não são extensíveis Hospital Universitário da UFGD. Esse prazo foi fixado inicialmente

às empresas públicas ou às sociedades de economia mista. em 12 meses, a contar da assinatura do contrato, em 26.9.2013 (p.

323), prorrogado por mais 12 meses a contar de 27.9.2014 (p. 324).

2. Inadmissível, em recurso extraordinário, o reexame dos fatos e

das provas dos autos e a análise da legislação infraconstitucional. Portanto, no período em que se discute a prestação de serviços

Incidência das Súmulas nºs 279, 280 e 636/STF. pela autora (16.4.2017 a 8.6.2017), ao contrário do que alega a

recorrente, ela já tinha a gestão plena do Hospital Universitário.

3. Agravo regimental não provido." (ARE 700.429-AgR, Rel. Min.

Dias Toffoli, 1ª Turma, DJe 14.11.2014) Diante disso, não há falar em ilegitimidade passiva.

Nego provimento ao recurso.

Assim, a reclamada se sujeita ao regime jurídico próprio das

empresas privadas, razão pela qual nego provimento ao recurso.

2.3 - INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS

A Juíza da origem deferiu indenização por danos morais a

2.2 - ILEGITIMIDADE DE PARTE reclamante, pois ela ficou sem receber salários de 16.4.2017 a

8.6.2017, tendo recebido os salários apenas em 22.6.2017.

Insiste a recorrente em sua ilegitimidade passiva alegando que a Constatou ainda a julgadora que a reclamada, mesmo tendo ciência

reclamante manteve contrato com a empresa Liderança Limpeza e que não poderia contratar diretamente a autora sem prévia

Conservação Ltda., que prestava serviço terceirizado à UFGD. Com admissão de concurso público, admitiu a prestação de seus

o encerramento do contrato administrativo firmado entre a empresa serviços, de modo que se locupletou ilicitamente do trabalho da

terceirizada e a UFGD, a Recorrida continuou a prestar serviços no obreira, de onde surge o dever de indenizar.

HU-UFGD até ser firmada nova contratação com empresa

terceirizada. Contudo, a recorrente jamais firmou contrato de Insurge-se a recorrente, alegando que não cometeu ato ilícito,

prestação de serviços terceirizados para a prestação de serviços no portanto não tem o dever de indenizar. Além disso, argumenta que

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 135
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

o mero descumprimento de obrigação contratual não configura no valor de R$ 2.000,00 (p. 16). Por sua vez, a julgadora da origem

ofensa de ordem moral à recorrida, dependendo de prova objetiva arbitrou o valor da indenização em R$ 3.000,00 (p. 379).

do dano sofrido.

Constata-se, assim, violação aos artigos 141 e 492 do CPC, na

Razão não lhe assiste. medida em que a decisão ultrapassou o pedido da parte, incorrendo

em julgamento ultra petita.

O ato ilícito cometido pela reclamada consiste em não pagar os

salários da obreira no prazo legal, além de tê-la contratado Por conseguinte, dou provimento ao recurso, reduzindo o valor da

diretamente sem prévia admissão de concurso público. indenização para R$ 2.000,00.

Ressalto que a alegação de que o pagamento dos salários deixou

de ser feito por imposição do Ministério Público do Trabalho, como

forma de excluir a responsabilidade da ré, é inovatória, eis que não artigo 852-I, "caput", da CLT.

veiculada por ocasião da defesa, não merecendo ser conhecida.

Por outro lado, é certo que o dano moral não decorre, por si só, de

mero inadimplemento contratual ou da falta de pagamento das

verbas rescisórias pelo empregador, dependendo, em regra, de

prova do nexo de causalidade entre o inadimplemento e possíveis

transtornos daí decorrentes.

Contudo, no caso dos autos, a situação fática é diversa, na medida

em que não foram pagos os salários à autora de 16.4.2017 a

8.6.2017, configurando o dano in re ipsa, que independe de

comprovação.

Nesse caso, o dano é presumido, pois subtraiu do trabalhador o seu

sustento. É notório que um trabalhador não vive dois meses sem

salário sem que passe por dificuldades de toda ordem, o que

indubitavelmente gera abalo psicológico.

Nego provimento ao recurso.

2.4 - SENTENÇA ULTRA PETITA - VALOR DA INDENIZAÇÃO

POR DANOS MORAIS

Alega a recorrente que a condenação em indenização por danos

morais no valor de R$ 3.000,00, excedeu os limites do pedido

incorrendo o Juízo em julgamento ultra petita, na medida em que a

autora quantificou o valor da indenização na inicial em R$ 2.000,00. Participam deste julgamento:

Assiste-lhe razão. Desembargador André Luís Moraes de Oliveira;

Na exordial a parte autora requereu indenização por danos morais Desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida; e

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 136
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

ADVOGADO NILTON CESAR CORBALAN


GUSMAN(OAB: 6746/MS)
ADVOGADO NELSON ELI PRADO(OAB: 6212/MS)
Juíza Convocada Kelly Cristina Monteiro Dias Estadulho.

Intimado(s)/Citado(s):
Presente o representante do Ministério Público do Trabalho. - MARIA DE FATIMA MARQUES DOS SANTOS

ACORDAM os Desembargadores da Egrégia Primeira Turma do

Tribunal Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região, após o


PODER JUDICIÁRIO
representante do Ministério Público do Trabalho ter-se manifestado
JUSTIÇA DO TRABALHO
verbalmente pelo regular prosseguimento do feito, por unanimidade,

aprovar o relatório oral e conhecer do recurso ordinário em

procedimento sumaríssimo e das contrarrazões e, no mérito, dar-

lhe parcial provimento para reduzir o valor da indenização para R$

2.000,00, nos termos do voto da Juíza Kelly Cristina Monteiro Dias

Estadulho (relatora).
PROCESSO nº 0025703-80.2017.5.24.0021 (ROPS)

Campo Grande, 02 de abril de 2019.


1ª TURMA

Relator : Juíza Convocada KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS

ESTADULHO

Recorrente : EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS

KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS ESTADULHO HOSPITALARES - EBSERH

Juíza Convocada Advogado : Mara Silvia Zimmermann

Relatora Advogado : Thays Rocha De Carvalho Correa Silva

Recorrido : MARIA DE FATIMA MARQUES DOS SANTOS

Advogado : Nelson Eli Prado

Advogado : Nilton Cesar Corbalan Gusman

Origem : 1ª Vara do Trabalho de Dourados/MS

Acórdão
Processo Nº ROPS-0025703-80.2017.5.24.0021
Relator KELLY CRISTINA MONTEIRO DIAS
ESTADULHO
RECORRENTE EMPRESA BRASILEIRA DE
SERVICOS HOSPITALARES -
EBSERH
ADVOGADO THAYS ROCHA DE CARVALHO
CORREA SILVA(OAB: 9030/MS)
ADVOGADO MARA SILVIA ZIMMERMANN(OAB:
14134/MS)
RECORRIDO MARIA DE FATIMA MARQUES DOS
SANTOS

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 137
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

por se tratar de empresa pública federal prestadora de serviços

públicos, criada pela Lei n. 12.550/2011.

Razão não lhe assiste.

EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES - Ao contrário do que pretende a recorrente, as prerrogativas

EBSERH. PRERROGATIVAS DA FAZENDA PÚBLICA. Não são processuais da Fazenda Pública não são extensíveis às empresas

extensíveis à ré as prerrogativas da Fazenda Pública, eis que se públicas, mesmo que prestadoras de serviços públicos, por falta de

trata de empresa pública, sujeitando-se ao regime jurídico das previsão legal.

empresas privadas. Está sujeita, assim, ao recolhimento das custas

processuais e do depósito recursal. Recurso não provido. Nesse sentido decidiu recentemente o c. TST, em ação envolvendo

a própria ré (EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS

HOSPITALARES - EBSERH), verbis:

AGRAVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE

REVISTA. ACÓRDÃO PUBLICADO NA VIGÊNCIA DA LEI Nº

13.015/2014. DESERÇÃO DO RECURSO DE REVISTA.

CONCESSÃO DAS PRERROGATIVAS DA FAZENDA PÚBLICA.

Evidenciado que a recorrente é empresa pública federal, certo é que

SENTENÇA PROFERIDA PELO MMª JUÍZA DO TRABALHO se encontra sujeita ao regime jurídico próprio das empresas

DANIELA ROCHA RODRIGUES PERUCA privadas, não fazendo jus à aplicação das prerrogativas processuais

concedidas à Fazenda Pública, inclusive no tocante à isenção do

recolhimento das custas processuais e do depósito recursal. Isso

porque, apesar de prestar serviço de natureza essencial, com

FUNDAMENTOS DO VOTO capital social exclusivamente da União, não há previsão expressa

na sua lei instituidora sobre a impenhorabilidade dos seus bens ou

regime especial de execução das dívidas trabalhistas por precatório

ou requisição de pequeno valor. Agravo não provido. (TST-Ag-AIRR

1 - CONHECIMENTO -428-64.2016.5.19.0002, Ac. 5ª Turma, julgado em 23.05.2018, rel.

Min. Breno Medeiros) g.n.

Conheço do recurso ordinário interposto pela reclamada e das

contrarrazões da reclamante, por presentes os pressupostos de

admissibilidade.

Cito, ainda, precedentes do E. STF, no mesmo sentido, verbis:

2 - MÉRITO

"ADMINISTRATIVO. COMPANHIA NACIONAL DE

ABASTECIMENTO - CONAB. EMPRESA PÚBLICA FEDERAL

PRESTADORA DE SERVIÇOS PÚBLICOS. EXTENSÃO DOS

2.1 - ISENÇÃO DE CUSTAS E DEPÓSITO RECURSAL BENEFÍCIOS DA FAZENDA PÚBLICA. ISENÇÃO DE CUSTAS

PROCESSUAIS E PRAZO EM DOBRO PARA RECORRER.

Requer a recorrente a aplicação da prerrogativa inerente à Fazenda AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. ANÁLISE DE

Pública, com a isenção das custas e dispensa do depósito recursal, LEGISLAÇÃO PROCESSUAL ORDINÁRIA. OFENSA REFLEXA.

Código para aferir autenticidade deste caderno: 132669


2699/2019 Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região 138
Data da Disponibilização: Segunda-feira, 08 de Abril de 2019

RECURSO ESPECIAL IMPROVIDO. SÚMULA 283 DO STF.

AGRAVO IMPROVIDO.

I - Ainda que a matéria constitucional suscitada houvesse sido