You are on page 1of 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

Departamento de Eletromecânica e Sistemas de Potência - DESP


Conversão Eletromecânica de Energia II – ESP 1050
Prof. Rodrigo Padilha Vieira

Conversão Eletromecânica de Energia II


Aula 1: Introdução a Conversão Eletromecânica de Energia

Objetivos:
_ Apresentação dos conceitos iniciais associados à disciplina de Conversão
Eletromecânica II;
_ Revisão de conceitos de circuitos magnéticos;

1. Conceitos Fundamentais
A definição de Conversão Eletromecânica de Energia pode ser entendida basicamente
como a interação entre energia elétrica e energia mecânica:

Sistema Elétrico Acopla


mento
Sistema Mecânico

V(V), I(A), P(W) τ(N.m), ω(rad/s), P(W)

Motor

Gerador

Máquina Elétrica: Dispositivo usado para converter energia mecânica para energia
elétrica ou vice-versa.
Definições Essenciais:
Posição Angular θ – graus ou radianos. Ângulo pelo qual o objeto esta orientado.
Velocidade Angular ω – rad/s ou RPM. Taxa de variação da posição angular em relação
ao tempo.
dr
Caso Linear: v (m/s)
dt
d
Caso Angular: (rad/s)
dt
Em geral se adotam as seguintes variáveis para velocidade angular: , m
, r
para
velocidades medidas em rad/s;
Para velocidades em RPM se adotam as variáveis: n , nm .
Pode-se ainda utilizar a velocidade angular em revoluções por segundo (rps), com a
variável fm;
Relações:
nm 60 fm
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
Departamento de Eletromecânica e Sistemas de Potência - DESP
Conversão Eletromecânica de Energia II – ESP 1050
Prof. Rodrigo Padilha Vieira

fm m

2
Conjugado ou Torque: No movimento retilíneo uma força aplicada a um objeto altera
sua velocidade. Existe um conceito similar para a rotação: quando um objeto esta em rotação,
sua velocidade angular é constante, a menos que um conjugado esteja presente atuando sobre
si. Quanto maior for o conjugado aplicado ao objeto, mais rapidamente irá variar a velocidade
angular deste objeto.
Desta forma, o conjugado pode ser entendido como a “força de fazer girar” um objeto.
Supondo um cilindro que esta livre para girar em torno do seu eixo. Se a força for aplicada de
tal forma que sua reta de ação passe pelo eixo Figura 1 (a), então o cinlindro não entrará em
rotação. Porém, se a mesma força for aplicada de tal forma que sua reta passa à direita do eixo
(Figura 1 (b)), então o cilindro tenderá a desenvolver giro no sentido anti-horário. O conjugado
ou a ação de fazer girar o cilindro depende do valor da força aplicada e da distância entre o
eixo de rotação e a reta de ação da força.
O conjugado de um objeto é definido como o produto da força aplicada ao objeto
vezes a menor distância entre a reta de ação da força e o eixo de rotação do objeto.

Figura 1.
Se r for um vetor que aponta desde o eixo de rotação até o ponto de aplicação da
força e se F for a força aplicada, então o conjugado poderá ser descrito como:
(força aplicada)(distância perpendicular)
F rsen
rFsen
A Figura 2 representa a aplicação de conjugado a um objeto.

Figura 2.
Lei de Newton da Rotação
A Lei de Newton para movimento retilíneo é dada por: F ma
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
Departamento de Eletromecânica e Sistemas de Potência - DESP
Conversão Eletromecânica de Energia II – ESP 1050
Prof. Rodrigo Padilha Vieira

De forma análoga pode-se descrever a relação entre o conjugado aplicado a um objeto


e sua aceleração resultante. Esta relação é conhecida como Lei da Rotação de Newton e é dada
pela equação:
J
Em que é o conjugado líquido aplicado, é a aceleração angular resultante e J é
o momento de inércia do objeto e representa o mesmo papel da massa de um objeto no
movimento retilíneo.
Trabalho
O trabalho no movimento retilíneo é dado por W Fdr
Para F constante W Fr
No movimento de rotação o trabalho é a aplicação de um conjugado por um ângulo
W d
Se o conjugado for constante
W
Potência
A potência é definida como a taxa de variação de trabalho por unidade de tempo dada
pela equação:
dW
P
dt
Ou ainda, para conjugado constante
dW d d
P
dt dt dt
P
Da equação anterior pode-se verificar que a potência é o resultado do produto do
conjugado pela velocidade.

Exercícios
1) O que é conjugado? Que papel desempenha o conjugado no movimento rotativo das
máquinas?
2) Descreva (4) quatro efeitos da conversão eletromecânica de energia.
3) O eixo de um motor esta girando a uma velocidade de 1800 RPM. Qual a velocidade
em radianos por segundo?
4) Um motor fornece 50 Nm de conjugado para sua carga. Se o eixo do motor estiver
girando a 1500 RPM, qual será a potência fornecida à carga em watts? E em HP?
5) Uma força de 10 N é aplicada a um cilindro de r=0,15m, como mostrado na Figura 3. O
momento de inércia desse cilindro é J=4kg m2. Quais são o valor e o sentido do conjugado
produzido no cilindro? Qual a aceleração angular α do cilindro?
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
Departamento de Eletromecânica e Sistemas de Potência - DESP
Conversão Eletromecânica de Energia II – ESP 1050
Prof. Rodrigo Padilha Vieira

Figura 3.

Referências Bibliográficas
Chapmam, S. J. “Fundamentos de Máquinas Elétricas”. 5° ed. Bookman, 2013.