You are on page 1of 29

Direito Administrativo

Professora: Keity Satiko


PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Conforme o art. 37 da CF, a Administração Pública observará os princípios
da Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade Eficiência.
Além dos Princípios expressos, temos os Princípios reconhecidos.
Princípio da Autotutela
Súmula 473, STF. Anula atos ilegais e revoga os inconvenientes e
inoportunos.
Formas de exercício da autotutela: de ofício; por provocação.
Limite temporal para Administração anular seus atos: 5 anos, prazo
decadencial, salvo comprovada má-fé.
A lei 9784\99- 1\2\1999 veda sua aplicação retroativa.
Ações de ressarcimento de danos ao erário decorrentes de ato doloso de
improbidade administrativa são imprescritíveis. STF no RE 852.475.

Limite material para revogação:

atos vinculados; atos que exauriram seus efeitos; atos que integrem um
procedimento; atos que geram direitos adquiridos; atos complexos.
Autotutela vs. Tutela
Tutela possibilidade da administração direta exercer controle finalístico sobre as
entidades da Administração Indireta.
Princípio da Continuidade dos Serviços Públicos
O serviço público deve ser prestado de forma incessante, sem solução de
continuidade.
Assim, não podem os serviços públicos ser interrompidos. Trata-se de
princípio vinculado à eficiência.
Trata-se de regra geral, mas não possui caráter absoluto.
Possibilidade de interrupção do serviço – art. 6º, § 3º da Lei nº
8.987/1995: “Não se caracteriza como descontinuidade do serviço a sua
interrupção em situação de emergência ou após prévio aviso, quando: I -
motivada por razões de ordem técnica ou de segurança das instalações;
e, II – por inadimplemento do usuário, considerado o interesse da
coletividade”
PRECEDENTES DECORRENTES DO PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE DO SERVIÇO
PÚBLICO
Ilegítimo o corte do fornecimento por débitos pretéritos, o débito que gera o
corte pressupõe o mês regular. STJ AgRg no AResp 484.166/RS.
É ilegítimo o corte por débito irrisório. Resp 811.690.
É lícita a cobrança de consumo de água pelo valor correspondente à tarifa
mínima. REsp 1.166.561/RJ.
Fraude no medidor e a vedação do corte quando o ilícito for aferido
unilateralmente pela concessionária AgRg no AREsp 332.891/PE.
O corte do serviço só pode recair sobre o imóvel que originou o débito e não
sobre outra unidade de consumido do usuário inadimplente. Resp 662.214 RS
PRINCÍPIO DA SINDICABILIDADE
Trata-se da possibilidade jurídica de submeter o ato
administrativo a controle, uma vez que “a lei não
excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou
ameaça a direito” (art. 5º, XXXV da Constituição).
Lembrar: adoção do sistema da Juridição única ou
Inglês.
NEPOTISMO-FORÇA DOS PRINCÍPIOS.

O nepotismo não depende de lei formal, sendo decorrência direta dos


princípios constitucionais da impessoalidade, eficiência, igualdade e
moralidade, conforme entendimento consagrado pelo STF no Agravo
Regimental na Medida Cautelar na Reclamação nº 6.702/PR.

Proibição da SV 13 não se aplica para cargos públicos de natureza política,


como, por exemplo, Secretário Municipal. STF. 1ª Turma. Rcl 28024 AgR.
PODERES ADMINISTRATIVOS
O ESTADO PARA QUE POSSA CONCRETIZAR SEUS FINS, CONFERE AOS
AGENTES PÚBLICOS ALGUMAS PRERROGATIVAS PODERES-
INSTRUMENTOS CONCEDIDOS COM O ÚNICO OBJETIVO DE POSSIBILITAR
A CONSECUÇÃO DO INTERESSE PÚBLICO
poder vinculado;
poder discricionário;
poder hierárquico;
poder disciplinar;
poder regulamentar;
poder de polícia.
O Poder de polícia é o poder do Estado de limitar direitos individuais em
prol do bem estar coletivo, previsão no art. 78 do CTN
Desdobramento do Poder de Polícia:
Atos de ordem de polícia: norma legal que estabelece a obrigação de
fazer ou deixar de fazer algum comportamento em razão do interesse
público.
Atos de consentimento: é anuência do Poder Público para exercício de
uma atividade ou uso de uma propriedade
Atos de fiscalização: verificação se estão sendo cumpridos as normas
relativas aos atos de consentimento.
Atos de sanção: repreensão do infrator.
• STJ, somente as fases do consentimento e da fiscalização podem ser
delegados a pessoas jurídicas de direito privado; jamais as da ordem e
da sanção (REsp nº 817.534/MG, j. em 04/08/2009).

• Atributos: discricionário, autoexecutoriedade, coercibilidade.


Autoexecutoriedade: exige previsão legal ou situação de urgência.

Jurisprudência selecionada:

Teoria do Fato Consumado.


STF, repercussão geral (RE nº 608.482) de que não se aplica a teoria do
fato consumado ao candidato que veio tomar posse em cargo público
fruto de decisão liminar ou outro provimento judicial de natureza
precária, posteriormente reformado.
STF, RE 724.347, “na hipótese de posse em cargo público determinada
por decisão judicial, o servidor não faz jus a indenização, sob
fundamento de que deveria ter sido investido em momento anterior,
salvo situação de arbitrariedade flagrante
Jurisprudência selecionada:

STF, A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) tem o dever


jurídico de motivar, em ato formal, a demissão de seus empregados.
STF. Plenário. RE 589998 ED/PI.
É constitucional a remarcação do teste de aptidão física de candidata
que esteja grávida à época de sua realização, independentemente da
previsão expressa em edital do concurso público. STF. Plenário. RE
1058333/PR
Jurisprudência selecionada:

Nos casos autorizados constitucionalmente de acumulação de cargos,


empregos e funções, a incidência do art. 37, XI, da Constituição Federal
pressupõe consideração de cada um dos vínculos formalizados,
afastada a observância do teto remuneratório quanto ao somatório dos
dos ganhos do agente público. STF. Plenário. RE 612975/MT e RE
602043/MT,
Direito do Consumidor
Professora: Keity Satiko
Notas Introdutórias
Destinatário final. Teoria Finalista mitigada, aprofundada ou temperada
Resp.1.285.483-PB
2) Fornecedor – remuneração direta ou indireta. Desenvolvimento da
atividade com habitualidade.

QUANDO APLICAR O CDC ?

1) SÚMULA 563 DO STJ- PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FECHADA


2)SÚMULA 608 DO STJ – PLANO DE SAÚDE DE AUTOGESTÃO
3)PLANO DE SAÚDE É RESPONSÁVEL SOLIDÁRIO PELOS DANOS
CAUSADOS PELOS MÉDICOS CREDENCIADOS- RESP 866.371 RS
4) Há relação de consumo entre a sociedade empresária vendedora de aviões
e a sociedade empresária administradora de imóveis que tenha adquirido
avião com o objetivo de facilitar o deslocamento de sócios e funcionários.
AgRg no REsp 1.321.083-PR
5) As contratações tanto dos serviços postais como dos serviços de
banco postal oferecidos pelos Correios revelam a existência de
contrato de consumo, desde que o usuário se qualifique como
destinatário final do produto ou serviço (REsp. 1.183.121/SC. Extravio de
carta registrada – dano moral in re ipsa.
6)Provedores de busca de produto à venda on-line-
RESP 1444.008 RS
7) Convenção de Varsóvia e de Montreal – STF – RE
636331\RJ
8) Contaminação por transfusão de sangue hospital
não responde- RESP 1.322.387
DANO MORAL

1) O simples travamento de porta giratória de banco constitui mero


aborrecimento, de modo que, sendo a situação adequadamente
conduzida pelos funcionários, é inidônea para ocasionar efetivo abalo
moral- REsp 983.016-SP
2) Saque indevido da conta corrente não gera dano moral- Resp. 1573
859 SP
3) Súmula 532 do STJ
4) TEORIA DO DESVIO PRODUTIVO DO CONSUMIDOR. DANO MORAL
COLETIVO. REsp 1737412 / SE
DANO MORAL COLETIVO

INFORMATIVO 553, STJ venda casada por operadoras


de telefonia. DANO MORAL COLETIVO APLICAÇÃO.
“considerou dano moral coletivo a venda casada por operadoras de telefonia. -
no caso, o comércio de linha telefônica com valores mais interessantes do que
que a de seus concorrentes – e de outro, impõe-lhe a obrigação de aquisição
de um aparelho telefônico por ela comercializado, realiza prática comercial
apta a causar sensação de repulsa coletiva a ato intolerável, tanto que
encontra proibição expressa em lei.”
DANO MORAL COLETIVO

INFORMATIVO 553, STJ venda casada por operadoras


de telefonia. DANO MORAL COLETIVO APLICAÇÃO.
“considerou dano moral coletivo a venda casada por operadoras de telefonia. -
no caso, o comércio de linha telefônica com valores mais interessantes do que
a de seus concorrentes – e de outro, impõe-lhe a obrigação de aquisição de
um aparelho telefônico por ela comercializado, realiza prática comercial apta
a causar sensação de repulsa coletiva a ato intolerável, tanto que encontra
proibição expressa em lei.”
DANO MORAL COLETIVO

DIREITO BÁSICO DO CONSUMIDOR – ART. 6, CDC


ROL EXEMPLIFICATIVO
1) INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA – REGRA DE
PROCEDIMENTO, INSTRUTÓRIA – ERESP 422.778- SP.
HIPOSSUFICIÊNCIA OU VEROSSÍMIL A ALEGAÇÃO
DANO MORAL COLETIVO

DIREITO BÁSICO DO CONSUMIDOR – ART. 6, CDC


ROL EXEMPLIFICATIVO
1) INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA – REGRA DE
PROCEDIMENTO, INSTRUTÓRIA – ERESP 422.778- SP.
HIPOSSUFICIÊNCIA OU VEROSSÍMIL A ALEGAÇÃO
RESPONSABILIDADE CIVIL

Assalto dentro do coletivo? caracteriza-se como fortuito externo.


Fornecedor não responde.

2- Furto ou roubo no cofre do banco que estava locado para guardar bens?
Fortuito interno. Fornecedor responde.

3. Cliente roubado no interior da agência bancária. Fortuito interno.


Fornecedor responde.

4.Cliente roubado na rua, após sacar dinheiro. Fortuito externo.


Fornecedor não responde.
BANCOS DE DADOS

1) Nome do consumidor. 5 anos a contar do vencimento da dívida. REsp


1.316.117-SC.

2) Súmula 548 STJ: Compete ao credor excluir. 5 dias úteis do pagamento.


REsp 1.424.792-BA.
3) Prévia comunicação ao consumidor. Regra. 2 exceções. REsp 1.444.469:
- já houver outra inscrição (Súmula 385 do STJ);
- reprodução de negativa constante em registros públicos (protesto e
distribuidor).
Boa Prova!
@prof.keity