You are on page 1of 9

ARRANJO por Bob Doezema

Berklee Colégio de Música

Conteúdo

I – Introdução

II – Forma

A. Forma da Canção
B. Forma do Arranjo
C. Letras e números de Ensaio

III – Antecipações

A. Análise de antecipações
B. Manipulação do ritmo melódico
C. Barras de compasso imaginárias
D. Dinâmicas e Articulações

IV – A Seção Rítmica

A. O conjunto da bateria
1. Os instrumentos
2. Padrão específico para notação dos tambores
3. Notação e partes

B. Baixo
1. O instrumento
2. Construindo uma escrita para as partes do baixo
3. Estilos
4. Notação e partes

C. Guitarra
1. O instrumento
2. Notação e partes

D. Teclados
1. Instrumentos
2. Notação e partes

V – Apêndice
Arranjo é a adaptação de uma peça de musica para uma combinação vocal ou instrumental ou ainda das
duas. Essa combinação instrumental e vocal pode abranger desde uma performance solo com ou sem um pequeno
grupo de apoio até uma orquestra completa.

O sucesso de um arranjo depende da técnica do arranjador musical, bom gosto, e sua habilidade de realçar a
música de uma forma que seja prazerosa tanto para quem toca quanto para quem a ouve. Para esta finalidade os
arranjadores frequentemente modificam e estilizam uma peça de musica a uma extensão à qual eles estão
adicionando suas próprias ideias musicais. Dessa forma, o arranjo pode envolver certa quantidade de composição.

Há muitos elementos a considerar um arranjo musical: forma, instrumentação, estilo tonalidade, melodia,
harmonia, ritmo, etc. Nós vamos começar com uma discussão sobre forma.

FORMA

Forma, em música, é a estrutura e forma das ideias musicais e o design planejado nas quais estas áreas são
repetidas, contrastadas e/ou variadas. Para determinar uma peça de musica, devemos estar principalmente
preocupados com seu conteúdo melódico e harmônico. A forma em música deve ser considerada tanto em relação
às partes separadas e menores da peça quanto da peça como um todo. Neste curso nós vamos considerar:

Forma canção – como isso se relaciona ao jazz, rock, música popular e

Forma do arranjo – como as várias seções de um arranjo são colocadas juntas

A. A Forma Canção

Para entender a forma canção nós devemos não somente considerar a estrutura melódica e harmônica,
mas também a estrutura da letra. Embora a forma vá variar de canção para canção, há vários modelos
formais típicos que são frequentemente utilizados pelos compositores. Diagramas desses modelos formais
são utilizados para representar graficamente a forma de uma canção. Enquanto as letras A, B, C, etc. e a, b,
c, etc. são usadas para representar a estrutura melódica e harmônica de uma canção, existem termos
adicionais usados para descrever canções que tenham texto. A discussão seguinte vislumbra esses termos e
diagramas formais mostrando seu uso.

1. Verso e Coro

Em formas de antigas canções, particularmente música folclórica, cada verso representa uma divisão
co-igual da estrutura total da letra da canção. A mesma melodia é usada para cada verso que vai
sucedendo na canção.

1º VERSO 2º VERSO 3º VERSO ETC

Note: Nessa forma canção cada verso termina frequentemente com um refrão (ver REFRÃO)
a. Em uma forma canção binária, ou em duas partes, o verso é seguido pelo coro. A melodia,
harmonia e letra do coro são diferentes da melodia, harmonia e letra do verso. Quando esta
forma musical é repetida cada verso subsequente tem diferentes letras enquanto a letra do coro
permanece a mesma.

1º VERSO Coro 2º VERSO Coro ETC

Note: Enquanto uma forma canção binária é usada frequentemente por compositores de música
popular e contemporâneos, muitas canções pop contem material adicional que provê contraste
musical e verbal ao verso e ao coro. Esse material adicional é chamado ponte transicional ou
primária.

b. Na forma canção complexa o verso e o coro são frequentemente maiores e mais elaborados
(tanto letra quanto música) do que o verso e o coro de uma forma canção binária simples. Aqui
o verso funciona especificamente como uma introdução ao coro e é chamado verso
introdutório. O coro é o corpo principal da canção que pode ser repetida em parte ou toda sem
o verso.

VERSO Coro Coro ETC


INTRODUTÓRIO

O verso e o coro na forma canção complexa são frequentemente tão longos que as subdivisões
musicais da forma geral se tornam aparentes

VERSO Coro Coro

a a a b a c A b A c

Note: Até recentemente a forma binária complexa foi a forma preferida dos escritores e
compositores americanos quando escreviam musicais para produção teatral.

2. Ponte

Coro

a a b a
Nota: Na maior parte das peças de jazz o verso introdutório não existe.

Em música contemporânea há dois tipos de ponte: a ponte primária e a ponte de transição

A ponte primária é uma declaração musical e verbal em que é introduzido material diferente tanto do verso
quanto do coro.

A ponte transicional é uma passagem musical curta com a forma canção binária que conecta o verso e o coro
e que provê um ímpeto tanto musicalmente quanto de letra em direção ao coro.

1º VERSO Coro 2º VERSO Coro


(repetido)

Ponte transicional Ponte transicional

1º Coro 1º Coro Ponte


Coro
VERSO VERSO primária (repetido)

1º 2º Coro 3º Coro Ponte


Coro
VERSO VERSO VERSO primária (repetido)

1º 2º Ponte
Coro Coro Coro
VERSO VERSO primária (repetido)

Ponte transicional Ponte transicional

3. Forma Blues
As canções em forma blues tradicional são escritas em uma forma de 12 compassos com uma única
estrutura melódica e harmônica. Enquanto as melodias no blues são distintivas em seu uso de “blues
notes”, harmonias de blues seguem, ou são variações sobre, o seguinte padrão de acordes de blues:
Enquanto muitas antigas canções rock-and-roll seguem estritamente esse padrão de 12 compassos, escritores
contemporâneos de música pop incorporam melodias e harmonias de blues em um formato ‘verso-coro’.

4. Hook (gancho)

Desde 1960 a expressão hook (gancho) tem se tornado o principal componente musical e letrístico da
canção pop. Essa é a parte da canção que o ouvinte casual lembra mais facilmente e portanto, para fins
de mercado, é geralmente a arte da canção que gera o título da música. Embora o ‘gancho’ possa
ocorrer em qualquer lugar na forma canção, ele é geralmente encontrada no coro de forma que permite
uma frequente repetição e ênfase musical.

5. Refrão
Em canções antigas, particularmente folk e gospel music, o refrão é a frase na etra que é repetida em
intervalos da canção.
Em mostrar padrões de tonalidade e jazz escritos em forma binária complexa, o termo ‘refrão’ é
sinônimo de ‘coro’.
Em música popular contemporânea, o refrão é um tipo de “hook” gancho que é encontrado no fim
de cada verso.

B. FORMA DO ARRANJO
É responsabilidade do arranjador presentar os elementos formadores essenciais de uma canção de
forma que:

- é excitante e provocativo para o ouvinte


- Preenche uma estrutura temporal predeterminada pelo executante ou produtor e
- preserva a integridade musical e da letra

Para obter esse fim os arranjadores frequentemente:

- Manipulam a forma canção de forma a trazer os melhores elementos da canção

- repete a forma canção para permitir variações vocais e ou instrumentas adicionais e ou solos improvisados

- adiciona à canção novas seções chamadas introduções, interlúdios e finalizações ou ‘tags’ (etiquetas)
1. Definições

a. Introdução
A introdução é uma passagem instrumental curta no começo do arranjo que serve para
introduzir o modo, caráter e tonalidade da música a seguir.

b. Interlúdio
Um interlúdio é uma passagem musical curta, muitas vezes melodicamente similar à
introdução, que serve como uma seção contrastante à forma canção principal. Um interlúdio
pode ser encontrado entre dois coros ou entre o coro e um novo verso.

c. Tag (etiqueta)
Um tag é uma ideia musical repetitiva que é construída dentro da conclusão de um arranjo.
Um tag serve para retardar o final.

d. Coro do arranjador
Em coro do arranjador, o arranjador compõe sobre a forma da canção de tal forma a prover
uma soma ou adição satisfatória à peça e frequentemente adiciona um clímax musical.
Em um sentido, o arranjador vem a improvisar (sobre o papel).
Um coro de arranjador, se usado, normalmente será encontrado em direção ao fim de um
arranjo instrumental de jazz. Os coros de arranjador são raros em arranjos para vocalistas.

e. Coro solo
Um coro solo ou seção ocorre em um arranjo quando um vocalista ou instrumentista
improvisa espontaneamente ideias musicais originais sobre a forma inteira ou parte da
canção.
Os seguintes diagramas formais representam graficamente como várias diferentes
formas canção podem ser manipuladas, repetidas ou ampliadas em um arranjo.

2. Exemplos de formas de arranjo

a. Forma canção binária simples

Introdução Interlúdio VERSO


Verso Coro Coro
instrumental instrumental

Vocal vocal
Seção solo
Coro Coro
instrumental
Repete, coro e fade out

Sobre a estrutura

do verso vocal vocal

b. Forma binária complexa

Verso Coro Solo Coro

Introdutório a a b a a a b a

vocal instrumental

Coro do arranjador Coro


Tag finalização
a a b a a a b a

Vocal e instrumental

Instrumental vocal

c. Forma canção binária simples com pontes

ponte transicional ponte transicional

Introdução Interlúdio Verso Coro


Verso Coro
instrumental instrumental

Vocal Vocal
Seção Solo Coro
Ponte primária Coro Tag Finalização
instrumental

Vocal/instrumental

vocal vocal

d. Blues

Introdução Melodia Melodia 1º Coro Solo 2º Coro Coro do


instrumental coro Blues coro Blues Solo arranjador

Melodia Melodia finalização


coro Blues coro Blues

C. LETRAS E NÚMEROS DE ENSAIO


Letras e números de ensaio são colocados no score e nas partes individuais que obviamente são
fronteiras ou divisões de frase na música de forma a facilitar o ensaio de um arranjo e mostrar aos
tocadores individuais a forma da peça que está sendo tocada. As letras A – B – C, etc. são utilizadas
para cada “coro” sucessivo na forma canção binária complexa ou cada “verso-coro” sucessivo ou
“verso-verso-coro” na forma binária simples. Essas letras são combinadas com números A – A9 –
A17, etc. para indicar o números de compasso nos limites óbvios da frase dentro de cada “coro” ou
“verso-coro”.
Os seguintes diagramas mostram o uso apropriado para as letras e números.

1. Canção pop: forma binária simples

INTRO A A9 A17
INT
Introdução VERSO VERSO CORO Interlúdio

8 8 8 8 4
8 8 8 8 8

B B9 C D E

VERSO CORO Seção Solo CORO CORO

8 8 8 8 8
8 8 8 8 8
Nota: Letras de ensaio e letras quanto à forma musical não devem corresponder.
2. Música Jazz: Forma binária complexa

INTRO A B
A9 A17 A25 B9 B17 B25

Introdução
a a b a a a b a
10
8 8 8 8 8 8 8 8 8

Coro Coro (solo)


INTRO C TAG
C9 C17 C25

Introdução TAG FINAL


a a b a
10 10
8 8 8 8 8 8

Coro