You are on page 1of 6

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

FACULDADE DE ECONOMIA

Licenciatura: Contabilidade e Finanças 3º Ano/4º Semestre


Ano Lectivo: 2019 Turmas: Laboral/Pós-laboral
Disciplina: Auditoria Interna EXERCÍCIO Nº 1 20 de Março de 2019

Parte I

Para cada um dos pontos seguintes, haverá no mínimo uma alínea que melhor descreve e/ou se identifica com o processo
descrito. Indique para cada caso a alínea ou as alíneas que lhe parecem mais apropriadas às circunstâncias.

1. Indique o conceito que descreve a Auditoria Financeira:

1.1 É a actividade independente, de segurança objectiva e de consultoria, destinada a acrescentar valor e a melhorar as
operações das organizações, ajudando-as a atingir os seus objectivos.
1.2 É a actividade que envolve obtenção e avaliação de evidências a respeito da eficiência e eficácia de actividades
operacionais duma entidade, e comparação com objectivos estabelecidos.
1.3 É a actividade que tem como objectivo verificar em que medida é que os recursos cada vez mais escassos postos à
disposição dos gestores estão a ser aplicados com a maior economicidade, eficiência e eficácia.
1.4 Consiste em verificar se existem controlos apropriados, certificar que os mesmos estão implementados e proceder à
avaliação da sua eficácia de forma a poder tirar-se conclusões sobre a performance de todo o sistema informático.
1.5 Visa avaliar a eficácia e a eficiência nos aspectos fiscais no tratamento das diversas operações e observância da
legislação em vigor sobre essa matéria.
1.6 Todas as alíneas anteriores
1.7 Nenhuma das alíneas anteriores

2. Quais dos factos a seguir mencionados descrevem os princípios para a profissão e prática de Auditoria Interna:

2.1 Na emissão de uma opinião sobre a área auditada, o auditor interno deve agir com total isenção e reportar os factos tal
como se apresentam sem qualquer tipo de ênfase que venha a distorcer a real impressão do leitor
2.2 Na realização dos serviços de Auditoria Interna, pressupõe-se que o auditor tem o devido conhecimento profissional
para desempenhar as suas funções, e caso necessite, recorre a técnicos especializados que o auxilie a emitir a sua
opinião
2.3 O auditor interno não deve utilizar informações obtidas para qualquer vantagem pessoal ou de qualquer outra forma
contrária a lei, ou em detrimento dos objectivos legítimos da entidade
2.4 O auditor interno não deve aceitar algo que possa prejudicar ou que, presumivelmente prejudicaria o seu julgamento
profissional
2.5 Todas as alíneas anteriores
2.6 Nenhuma das alíneas anteriores

Docentes: Dra. Gulhermina Notiço, Dra. Balarmina Matavele. Page 1


3. Identifique a combinação correcta das semelhanças entre os auditores internos e externos:

3.1 Para Auditoria Interna em termo de objectivos avalia permanentemente o sistema de controlo interno e propõe
sugestões construtivas aos gestores da empresa para aperfeiçoarem as áreas detectadas como deficientes enquanto
que a Externa, emite um parecer sobre a razoabilidade das Demonstrações Financeiras preparadas pela empresa
3.2 Em relação ao grau de conhecimento sobre o sistema de controlo interno, os Auditores Internos, conhecem o sistema
com todos os detalhes e fazem a descrição e o exame do sistema de forma permanente, enquanto que os Externos,
conhecem o razoável, apenas verificam o sistema de controlo interno durante a realização da auditoria.
3.3 Quer para a Auditoria Interna quer para a Auditoria Externa a metodologia do trabalho consiste nas em planear, obter
evidência de auditoria através de testes aos controlos e testes substantivos e emitir relatório
3.4 Os relatórios dos Auditores Internos são documentos privados e os relatórios dos Auditores Externos são dirigidos aos
Accionistas e Administradores e vários stakeholders por conseguinte, documentos de domínio público
3.5 Todas as alíneas anteriores
3.6 Nenhuma das alíneas anteriores

4. A Norma 1300 - Programa de Avaliação de Qualidade e Cumprimento, descreve as responsabilidades do Gabinete de


Auditoria Interna no desenvolvimento e manutenção de um programa de avaliação de qualidade e cumprimento e
define o seguinte, excepto:

4.1 Avaliação do Programa de Qualidade


4.2 Gestão do Risco
4.3 Divulgação da conformidade com as normas
4.4 Avaliações Internas
4.5 Avaliações Externas
4.6 Nenhuma as alíneas anteriores
4.7 Alíneas 4.2 e 4.3

5. As normas de auditoria interna relativas à supervisão do trabalho prevêem que o auditor interno deve:

5.1 Divulgar a norma não cumprida, indicando a razão do não cumprimento e o seu efeito
5.2 Identificar e recolher informações pertinentes e que assegurem o alcance dos objectivos de auditoria
5.3 Comunicar os resultados de auditoria à pessoas com autoridade suficiente para agir
5.4 Proceder à entrega do relatório 30 dias após a conclusão dos trabalhos
5.5 Todas as alíneas anteriores
5.6 Nenhuma das alíneas anteriores

6. O critério menos importante para instituição duma Direcção de Auditoria Interna é:

6.1 Estrutura da entidade


6.2 Grau de organização
6.3 Dispersão ou concentração de Capital
6.4 Dispersão geográfica da Entidade
6.5 Diminuição da complexidade da Organização ou Entidade
6.6 Economicidade
6.7 Todas as alíneas anteriores
6.8 Nenhuma das alíneas anteriores
6.8 6.1 e 6.6

Docentes: Dra. Gulhermina Notiço, Dra. Balarmina Matavele. Page 2


7. O funcionamento adequado dum Gabinete de Auditoria Interna, inclui o seguinte conjunto de normativos, excepto:

7.1 Definição dos objectivos, responsabilidades e âmbito de actuação dos gestores operacionais, alinhando a sua conduta
com os mais elevados standard internacionais
7.2 Normas gerais sobre ética e conduta
7.3 Metodologia a seguir para elaboração do plano de actividades
7.4 Norma de acolhimento de novos colaboradores da auditoria interna
7.5 Metodologias a seguir no planeamento, realização e reporte dos trabalhos e Follow-up das recomendações emitidas
pela Auditoria Interna e Auditoria Externa, cujos planos de acção foram definidos pela organização
7.6 Normas sobre a documentação e arquivo de trabalho
7.7 Todas as alíneas anteriores
7.8 Nenhuma das alíneas anteriores

8. As alternativas que seguem constituem funções básicas dos papéis de trabalho, excepto:

8.1 Registar evidências do trabalho executado, fundamentando a opinião do auditor expresso no seu relatório
8.2 Possibilitar a adequada revisão do trabalho de auditoria
8.3 Registar as habilidades técnicas e humanas do auditor interno
8.4 Registar o histórico de auditoria, servindo de base para o planeamento do trabalho em ocasiões futuras
8.5 Todas as alíneas anteriores
8.6 Nenhuma das alíneas anteriores

9. O Exame e Avaliação da Informação, uma das Fases do Processo de auditoria interna caracteriza-se por:

9.1 Basear-se num plano lógico de acções, não despedaçando recursos na execução de acções de auditorias em áreas de
baixo risco ou nulo
9.2 Rever-se detalhadamente as operações, processos e respectivo sistema de controlo interno, recorrendo para o efeito
a testes que permitam avaliar a sua concepção e eficácia
9.3 Apresentar resultados em tempo útil para acrescentar valor à entidade e contribuir para a melhoria do controlo
interno
9.4 Assegurar que as recomendações preconizadas no desenvolvimento da acção e no relatório são devidamente
implementadas e monitorado o seu progresso
9.5 Assegurar que a entidade implemente procedimentos de controlo que salvaguardem conflitos de interesse e a
utilização abusiva da informação
9.6 Todas as alíneas anteriores
9.7 Nenhuma das alíneas anteriores

10. A propósito dos procedimentos de auditoria interna, indique a afirmação incorrecta:

10.1 Os procedimentos de auditoria interna são exames, incluindo testes de observação e testes substantivos, que
permite ao auditor interno obter provas suficientes para fundamentar suas conclusões e recomendações.
10.2 Os testes de observação visam a obtenção de uma razoável segurança de que os controlos internos estabelecidos
pela administração estão em efectivo funcionamento da entidade, inclusive quanto ao seu cumprimento pelos
funcionários da Entidade.
10.3 Os testes substantivos visam à obtenção de evidência quanto à suficiência, exactidão e validade dos dados
produzidos pelos sistemas de informações da Entidade.
10.4 O termo fraude aplica-se a actos involuntários de omissão, desatenção, desconhecimento ou má interpretação de
factos na elaboração de registos e demonstrações financeiras, bem como de transacções e operações da Entidade,
tanto em termos físicos quanto monetários.
10.5 As informações que fundamentam os resultados da auditoria interna são denominadas de evidências que devem ser
suficientes, fidedignas, relevantes e úteis, de modo a fornecerem base sólida para as conclusões e recomendações.

Docentes: Dra. Gulhermina Notiço, Dra. Balarmina Matavele. Page 3


11. O controlo interno orientativo é definido como sendo:

11.1 Conjunto de políticas e procedimentos que se relacionam com os processos de decisão e que conduzem à autorização
das transacções pelos órgãos de gestão
11.2 Controlo que serve para rectificar problemas identificados
11.3 Controlo que serve para impedir que factos indesejáveis ocorram. É considerado controlo a priori que entra
imediatamente em funcionamento, impedindo que determinadas transacções se processem
11.4 Controlo que serve para encorajar a ocorrência de um facto desejável, isto é, para produzir efeitos positivos, porque
quando ocorrem coisas boas, impede-se que as más aconteçam
11.5 Controlo que serve para compensar eventuais fraquezas de controlo noutras áreas da organização
11.6 Série de tarefas, registos e processamentos de transacções que permite a manutenção dos registos financeiros
11.7 Todas as alíneas anteriores
11.8 Nenhuma das alíneas anteriores

12. Os factos a seguir mencionados são verdadeiros, excepto:


12.1 A empresa deve estabelecer procedimentos de forma a que os seus activos sob a responsabilidade de alguns
funcionários sejam periodicamente confrontados com os registos contabilísticos
12.2 O controlo interno deve assegurar a preparação tempestiva da informação financeira credível
12.3 O auditor interno embora tenha acesso livre e não restrito de informações estratégicas e operacionais da sua
entidade, ele não tem a obrigação de manter estas informações sob sigilo profissional
12.4 A autorização e a execução de transacções e eventos devem ser realizadas somente por pessoas que detenham essa
autoridade
12.5 A rotatividade de funcionários assegura que uma única pessoa não seja responsável por todos os aspectos-chave das
transacções ou eventos por um período de tempo excessivo
12.6 Todas as alíneas anteriores
12.7 Nenhuma das alíneas anteriores

13. O conceito que corresponde ao procedimento Indagação é:

13.1 É a fase em que o auditor selecciona os documentos criados aquando da execução das transacções e
verifica se as informações dos referidos documentos estão devidamente registadas na contabilidade.
13.2 É um exame detalhado de documentos e registos, bem como o exame físico dos activos tangíveis.
13.3 Consiste na repetição pelo auditor, de conciliações e cálculos realizados pelo cliente – totais de
lançamentos contabilísticos, cálculos de depreciação, de juros, de quantidades multiplicadas pelos custos
unitários, de totais em quadros e tabelas auxiliares.
13.4 Consiste em procurar informação de pessoas conhecedoras, quer seja na área de finanças ou não, e pode
ser dentro ou fora da entidade e podem ser indagações formais escritas até às orais informais.
13.5 Nenhuma das alíneas anteriores

14. O sistema de controlo interno representa em uma organização o conjunto de procedimentos, com os
objectivos de: (i) proteger os activos, (ii) produzir dados contabilísticos confiáveis, e (iii) ajudar a
administração na condução ordenada dos negócios da empresa. Quais dos seguintes factos se
enquadram nos princípios básicos de sistema de controlo interno:
14.1 A empresa deve estabelecer procedimentos de forma que os seus activos sob a responsabilidade de
alguns funcionários sejam periodicamente confrontados com os registos comerciais e administrativos.
14.2 O controlo interno deve assegurar a preparação tempestiva da informação financeira credível (Objectivo).
14.3 A autorização e a execução de transacções e eventos devem ser realizadas somente por pessoas que
detenham essa autoridade
14.4 A rotatividade de funcionários assegura que uma única pessoa seja responsável por todos os aspectos-
chave das transacções ou eventos por um período de tempo excessivo
14.5 Todas as alíneas anteriores
14.6 Nenhuma das alíneas anteriores
14.7 14.3 e 14.4

Docentes: Dra. Gulhermina Notiço, Dra. Balarmina Matavele. Page 4


15. Os testes de controlo são realizados para:

15.1 Obter prova sobre sistemas contabilístico e de controlo interno com vista a constatar a sua existência,
avaliar se é adequada a sua concepção, avaliar o seu funcionamento eficaz ao longo do período do exame,
confirmar procedimentos contabilísticos e as medidas de controlo interno e testar atributos.
15.2 Obter prova sobre a detecção de distorções materialmente relevantes nas Demonstrações Financeiras,
podem ser; testes de pormenor a transacções, aos saldos e a divulgações, procedimentos analíticos
substantivos, que confirmam o adequado processamento contabilístico, expressão financeira e suporte
documental de saldos e operações específicas e análise de detalhe de transacções e de saldos e
procedimentos analíticos.
15.3 O exame de documentos que suportam o registo de transacções específicas em determinadas contas.
15.4 O exame da fundamentação do saldo final de uma conta.
15.5 O exame da fundamentação e correcção da informação divulgada.
15.6 Análise e comparação de rácios e tendências significativas, incluindo investigações das flutuações e
relacionamentos que sejam inconsistentes com outra informação ou que se desviem das quantias que
tenham sido previstas.
15.7 Nenhuma das alíneas anteriores

16. As alternativas a seguir mencionadas caracterizam um dos componentes do sistema do controlo interno,
a Avaliação do Risco, excepto:

16.1 A entidade especifica claramente os objectivos para permitir a identificação e avaliação dos riscos
associados aos mesmos
16.2 A entidade identifica os riscos para a concretização dos seus objectivos e analisa os riscos como base para
determinar como devem ser geridos
16.3 A entidade considera o potencial de fraude na avaliação dos riscos para a concretização dos seus
objectivos
16.4 A entidade identifica e avalia as mudanças que poderiam afectar significativamente o sistema de controlo
interno
16.5 A entidade selecciona e desenvolve actividade de controlo através de políticas que estabelecem o que é
esperado e procedimentos que colocam as políticas em acção
16.6 Todas as alíneas anteriores
16.7 Nenhuma das alíneas anteriores

Parte II

Indique um possível efeito negativo que poderia surgir, bem como a recomendação adequada para mitigar o
efeito admitindo a resposta NÃO a todas as perguntas.

Nº Questão Efeito Negativo Recomendação


1 A empresa possui organigrama?
2 A empresa possui um manual de
controlo interno e de contabilidade?
3 Faz-se orçamentos anuais e
procede-se ao seu
acompanhamento?
4 A secção de contabilidade está
separada da tesouraria, vendas,
compras e produção?
5 Todos os empregados gozam
anualmente férias sendo as suas

Docentes: Dra. Gulhermina Notiço, Dra. Balarmina Matavele. Page 5


funções durante o período de
ausência, desempenhados por
outros empregados?
6 Os lançamentos contabilísticos são
adequadamente suportados e
aprovados por um superior
hierárquico?
7 É submetida á alta administração
algum relatório financeiro mensal?
8 Exerce-se algum controlo sobre as
sucursais, delegações?
9 Todos os documentos em circulação
na empresa são numerados
tipograficamente?
10 Está genericamente estabelecido o
princípio da rotação de funções
entre os empregados de cada secção
e de secções diferentes?

Bom trabalho

Docentes: Dra. Gulhermina Notiço, Dra. Balarmina Matavele. Page 6