You are on page 1of 3

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

CURSO DE AGRONOMIA

IARA LIANDRA SANTANA SILVA


MAINÃ MEDEIROS OLIVEIRA

CARACTERIZAÇÃO DE ENZIMAS Il
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE DA AMILASE SALIVAR
(EFEITO DA TEMPERATURA/[ENZIMA])

FEIRA DE SANTANA
1. INTRODUÇÃO

2. OBJETIVOS

• Avaliar a ação da amilase salivar sobre o seu substrato (amido);


• Verificar o efeito do pH sobre a atividade da amilase salivar;
• Verificar o efeito da concentração enzimática sobre a velocidade da
reação;

3. MATERIAIS
• Lugol
• Solução de amido 0,1%
• NaCl 015 M
• Água destilada
• Tampão fosfato pH 6,8
• Gelo

4. TÉCNICA

Primeiro houve a preparação da solução da saliva com a diluição de 0,5 mL da


saliva em 5 mL de água destilada. Posteriormente para a preparação dos tubos
de revelação, tubos 1, foi-se tomado 4 tubos de ensaio, nomeados cada um
deles um para o B (branco), outro para o Ta (temperatura ambiente), outro 0 e
o último 100ºC. Adicionou-se em todos os tubos 2 mL de água destilada e 2
gotas de lugol.
Para a preparação dos tubos de solução de reação, tubos 2, tomou-se mais 4
tubos, nomeou-se um deles de B (branco) e os outros de TA (temperatura
ambiente), 0º e 100ºC e posteriormente adicionou-se 5 mL de solução de
amido, 2 mL de tampão fosfato (pH 6,8) e 2 mL de NaCl 0,15 M em cada um
dos tubos. Realizado esse processo, adicionou-se 2 gotas do tubo B2 (branco)
de solução de reação ao tubo B1 (branco) de reação com lugol e adicionou-se
também 0,5 mL de solução de saliva à solução de reação (tubos 2) dos tubos
TA, 0ºC e 100ºC e imediante imergiu o tubo 0ºC no gelo por 5 minutos, o tubo
100ºC foi aquecido até começar a ferver, aguardando 5 minutos à temperatura
ambiente e o tubo TA foi deixado à temperatura ambiente também por 5
minutos. Concluído essa etapa, adicionou-se 2 gotas de cada tubo de reação
(tubos 1) ao seu respectivo tubo de revelação (tubos 2) e agitou.

5. RESULTADOS E DISCURSSÕES

O aumento de temperatura provoca maior agitação das moléculas e, portanto,


maiores possibilidades de elas se chocarem para reagir. Porém, se for
ultrapassada certa temperatura, a agitação das moléculas se torna tão intensa
que as ligações que estabilizam a estrutura espacial da enzima se rompem e
ela se desnatura.
Nessa caracterização de enzimas, cujo objetivo foi avaliar o efeito da
temperatura na enzima os resultados foram satisfatórios. Após ter realizado
todo o experimento, foi possível analisar que a temperatura ambiente a amilase
não teve sua atividade alterada, degradando o amido, fato comprovado pela
observação da coloração da solução. No tubo que ficou a 0ºC a 5 minutos, a
enzima teve sua atividade interrompida, ou seja, não sofreu desnaturação, pois
o fato da solução ter perdido energia térmica fez com que a atividade da
amilase fosse inibida. Quando a solução que estava a 0ºC foi trazida para uma
temperatura de cerca de 37ºC (temperatura corporal), houve uma mudança na
coloração da solução, ou seja, percebeu-se que a enzima voltou a atuar,
degradando o amido da solução, assim comprovando que ela teve sua
atividade inibida pela falta de falta de energia na solução. No tubo que ficou a
100ºC percebeu-se que não houve a atuação da enzima sobre o amido, nem
mesmo após ter sido trazida para a temperatura ambiente, ou seja, a enzima
sofreu desnaturação perdendo sua estrutura e sua capacidade de catálise.
Dessa maneira, é possível concluir que a temperatura em que a enzima atua
de forma afetiva está entre 22ºC e 37ºC.

6. CONCLUSÃO

7. REFERENCIAS