You are on page 1of 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

INSTITUTO DE TECNOLOGIA
FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

ESTIMATIVA DA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE VIGAS EM


CONCRETO ARMADO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

Belém-2018
1. PROPONENTE
Prof. Dr. Bernardo Nunes de Moraes Neto
Universidade Federal do Pará (UFPA)
Instituto de Tecnologia (ITEC)
Professor do Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil (PPGEC)
Professor da Faculdade de Engenharia Civil (FEC)
Contato: bnmn@hotmail.com/bernardonmn@gmail.com

2. PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (IC)


2.1. TÍTULO DO PROJETO:

Estimativa da resistência à flexão de vigas em concreto armado em situação de incêndio.

2.2. ÁREA DO PROJETO DE IC:

Engenharias » Engenharia Civil » Estruturas » Estruturas de Concreto.

2.3. RESUMO:

A corrente pesquisa visa contribuir à análise de estruturas em concreto armado (CA) em situação
de incêndio, singularmente à estimativa da resistência à flexão de vigas. Para consolidar essa
proposta, apresenta-se uma revisão breve, mas consistente, sobre a ciência do incêndio e as
recomendações da ABNT NBR 14432 (2001) e ABNT NBR 15200 (2012). Complementando,
comenta-se que será utilizado o modelo de flexão da ABNT NBR 6118 (2014) para reproduzir a
condição de ruína de vigas em CA e que um banco de dados (BD) será coletado da literatura para
auxiliar na análise de desempenho das propostas normativas. No tocante as análises, informa-se
que o parâmetro λ = mR,exp/mR,teo será adotado como indicador de desempenho, sendo mR,exp o
momento resistente registrado experimentalmente (BD) e mR,teo a estimativa desse momento. Os
valores de λ serão avaliados à luz da estatística descritiva, que viabilizará as discussões sobre a
precisão/segurança das estimativas.

Palavras Chaves: Resistência à flexão; concreto; viga; incêndio.

2.4. JUSTIFICATIVA:

Narrativas históricas e descobertas arqueólogas mostram que o fogo, consequentemente os


incêndios, acompanha a evolução da civilização humana dos períodos remotos até o
contemporâneo. Segundo ASIMOV (1993), os primeiros achados sobre o primitivo Homo
erectus são atribuídos à antropóloga holandesa Marie Eugene Dubois (1858-1940), escavando na
ilha indonésia de Java em 1894. Descoberta semelhante também ocorreu em Pequim, por volta
de 1927, quando o antropólogo canadense Davidson Blanck (1884-1934) escavava uma caverna
soterrada e encontrou, além de indícios do Homo erectus, vestígios de fogueiras. Dessa forma,
confirmou-se que o fogo, provavelmente obtido a partir de um incêndio natural, havia sido
manipulado pelo homem há quase quinhentos mil anos. Seguindo nesse contexto longínquo,
comenta-se também o incêndio que devastou a capital do Império Romano em 64 D.C., ainda
pontuando os relatos históricos, comentam-se os incêndios em Londres em 1212 e 1666, Chicago
em 1871, Boston em 1872, São Francisco em 1906, no Porto de Halifax, Nova Escócia, em
1917, Tóquio/Japão em 1923, dentre outros. Hodiernamente, apesar de todo o avanço
tecnológico quanto à ciência dos incêndios e aos sistemas de proteção contra incêndios, ainda
registram-se sinistros, World Trade Center (EUA, 2001), Boate Kiss (Brasil, 2013) e Prédio
-2-
Plasco (Irã, 2017), que comprometem a integridade mecânica das edificações, muitas vezes
levando as estruturas à ruína, e pior, haurem a vida dos ocupantes. Diante essas circunstâncias,
considera-se relevante contribuir ao estudo das estruturas em CA em situação de incêndio.

2.5. OBJETIVOS:

De um modo geral, almeja-se difundir o estudo sobre as estruturas em concreto armado (CA) em
situação de incêndio, proporcionando um documento conciso, prático e com conteúdo para
enriquecer a bibliografia nacional sobre o tema, que atualmente é escassa. Para firmar esse
compromisso, desenvolver-se-ão as atividades elencadas a seguir:

- A apresentação de uma revisão bibliográfica breve e atualizada sobre a ciência do incêndio;


- A discussão sobre as propostas da ABNT NBR 15200 (2012), no que diz respeito aos critérios
de projeto para vigas flexionadas em CA em situação de incêndio;
- O esclarecimento do modelo de flexão da ABNT NBR 6118 (2014) para vigas em CA
solicitadas a temperatura ambiente e a incorporação das recomendações da ABNT NBR 15200
(2012) para estimar a resistência à flexão de vigas em situação de incêndio;
- A coleta de um banco de dados (BD) sobre vigas flexionadas em situação de incêndio;
- A analise do desempenho das propostas normativas (ABNT NBR 15200, 2012 e 6118, 2014)
em estimar a resistência à flexão de vigas em CA em situação de incêndio.

2.6. METODOLOGIA DE PESQUISA:

A realização do presente trabalho será fundamentada apenas em atividades teóricas, as quais


seguirão a metodologia explanada sequencialmente. No início do estudo, o bolsista receberá do
orientador e dos professores que integram a equipe do projeto de pesquisa os conceitos teóricos
envolvidos no desenvolvimento do presente trabalho. Informa-se que estes conceitos serão
repassados ao bolsista por meio de reuniões e que estas qualificarão o bolsista a desenvolver, de
forma consistente, as atividades exigidas na corrente investigação.

-3-
2.7. CRONOGRAMA:

O trabalho apresentado nesta proposta seguirá o seguinte cronograma:

Meses
Atividades
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
1 X X X
2 X X
3 X X X
4 X X
5 X X X X X
6 X X
7 X
8 X

Legenda das atividades:

1. Estudo da teoria das vigas de concreto armado (CA);


2. Estudo da teoria do incêndio;
3. Estudo da teoria das vigas em CA em situação de incêndio;
4. Estudo dos códigos de projeto;
5. Escrita dos relatórios das atividades;
6. Escrita do artigo;
7. Apresentação do relatório parcial do bolsista;
8. Apresentação do relatório final do bolsista.

2.8. BIBLIOGRAFIA:

ABNT NBR 13860. (1997). Glossário de termos relacionados com a segurança contra incêndio.
Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT NBR 14432. (2001). Exigências de resistência ao fogo de elementos construtivos de


edificações - Procedimento. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT NBR 14724. (2011). Informação e documentação - Trabalhos acadêmicos -


Apresentação. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT NBR 15200. (2012). Projeto de estruturas de concreto em situação de incêndio.


Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT NBR 5628. (2001). Componentes construtivos estruturais - Determinação da resistência


ao fogo. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT NBR 6118. (2014). Projeto de estruturas de concreto - Procedimento. Associação


Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT NBR 8681. (2003). Ações e segurança nas estruturas - Procedimento. Associação
Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT NBR ISO 6892-1. (2013). Materiais metálicos: Ensaio de Tração - Parte 1: Método de
ensaio à temperatura ambiente. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro,
Brasil.

-4-
ASIMOV, I. (1993). Cronologia das Ciências e das descobertas científicas. Editora Civilização
Brasileira S.A., Rio de Janeiro.

ASTM E-119. (1918). Standard test methods for fire tests of building construction and
materials. American Society for Testing and Materials, Philadelphia.

BABRAUSKAS, V. (2002). Heat Release Hates. SFPE, Handbook of Fire Protection Eng., 3rd
Ed.

BOYDEN, S. (1981). The ecology of a city and its people. The case of Hong Kong, Camberra,
ANUP.

BS 476. (1932). Fire tests on building materials and structures. British Standard.

CALDAS, R.B. (2008). Análise numérica de estruturas de aço, concreto e mistas em situação de
incêndio. Tese de Doutorado, Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais,
Brasil.

CHOI, E.G.; KIM, SHIN, Y.-S.; KIM, H.S. (2013). Structural damage evaluation of reinforced
concrete beams exposed to high temperatures. Journal of Fire Protection Engineering - JFPE,
V.23, Issue 2, 135-151.

COSTA, C.N. (2008). Dimensionamento de elementos de concreto armado em situação de


incêndio. Tese de Doutorado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo,
Brasil.

COSTA, C.N; SILVA, V.P. (2006). Revisão histórica das curvas padronizadas de incêndio.
SEMINÁRIO INTERNACIONAL NUTAU, 2006, São Paulo.

DINENNO, P.J. (2008). SFPE Handbook of Fire Protection Engineering. National Fire
Protection Association, 4th Edition.

EC2 1-2. (2004). Design of concrete structures - Part 1-2: General rules: Structural fire design.
European Committee for Standardization.

FITZGERALD, R.W. (2005). Building fire performance analysis. John Wiley & Sons, Ltd.

ISO 834. (1975). Fire-Resistance Tests - Elements of Building Construction - Part 1.1: General
Requirements for Fire Resistance Testing. International Organization for Standardization.

KAEFER, E.C.; SILVA, V.P. (2003). Análise paramétrica de um incêndio conforme o novo
Eurocode 1. Anais do XXIV Iberian latin-american congresso on computational methods in
engeneering – CILAMCE.

KLEIN JÚNIOR, O. (2011). Pilares de concreto armado em situação de incêndio submetidos à


flexão normal composta. Dissertação de Mestrado, Escola Politécnica da Universidade de São
Paulo, São Paulo, Brasil.

LIE, T.T. (1992). Structural fire protection. American Society of Civil Engineers (ASCE), New
York.

LOMBA, N.C.F. (2011). Resistência residual de vigas de betão armado após incêndio.
Dissertação de mestrado, Universidade de Aveiro, Departamento de Engenharia Civil, Portugal.

-5-
NP EN 1991:1-2. (2010). Eurocódigo 1 - Acções em estruturas - Parte 1-2: Acções gerais -
Acções em estruturas expostas ao fogo.

OLIVEIRA, T.A.C.P. (2006). Gerenciamento de riscos de incêndio: Avaliação do impacto em


estruturas de concreto armado através de uma análise experimental de vigas isostáticas.
Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil.

PHAN, L.T. (1996). Fire performance of high-strength concrete: A reporto f the state-of-the-art.
Rep. NISTIR 5934, National Institute of Standards and Technology.

PURKISS, J.A. (2007). Fire safety engineering: Design of structures. Elsevier, Butterworth-
Heinemann, 2th Edition, Oxford.

QUINTIERE, J.G. (2016). Principles of Fire Behavior. CRC Press, Second Edition.

SEITO, A.I; GILL, A.A.; ONO, F.D.P.R.; SILVA, S.B.; CARLO, U.; SILVA, V.P. (2008). A
segurança contra incêndio no Brasil. Projeto Editora, São Paulo, Brasil.

SILVA, V.P. (1997). Estruturas de aço em situação de incêndio. Tese de Doutorado, Escola
Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

SOARES, E.M.P. (2003). Verificação de peças usuais de concreto armado em situação de


incêndio. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de
Engenharia, Minas Gerais, Brasil.

VARGAS, F.M.; VARGAS, A. (2015). Avaliação experimental da resistência à flexão de vigas


de concreto armado sujeitas a situação de incêndio. Artigo submetido ao Curso de Engenharia
Civil da UNESC, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, 1-19.

WANG, Y.C.; WONG, P.M.H.; KODUR, V. (2007). An experimental study of the mechanical
properties of fibre reinforced polymer (FRP) and steel reinforcing bar at elevated temperatures.
Composite Structures, V.80, Issue 1, 131-140.

XIAO, J.; KONIG, G. (2004). Study on concrete at high temperature in China – An overview.
Fire Safety Journal, V.39, 84-103.

-6-

Related Interests