You are on page 1of 65

04/98 14/98 24/98 26/98 32/98 36/98

92/99 110/00 160/04 197/06 205/06 210/06


211/06 216/06 227/07 231/07 242/07 253/07
254/07 258/07 268/08 273/08 277/08 289/08
290/08 292/08 349/10 356/10 360/10 371/10
396/11 432/13 441/13 453/13 471/13 508/14
520/15 525/15 552/15 561/15 573/15 598/16
619/16 624/16 643/16 720/17 723/18 735/18
48 RESOLUÇÕES
Atualizações!
Capacete
• Obrigatório: 2 ou 3 rodas e quadriciclo motorizados, condutor e passageiro.
• Afixado à cabeça por cinta jugular e engate.

• Certificado por organismo acreditado pelo INMETRO. Numeração superior


a 64 dispensado quando adquirido por pessoa física no exterior.

• Fiscalização:
• Certificado e selo ou etiqueta do INMETRO.
• Afixado.
• Dispositivo retrorrefletivo nas laterais e traseira.
• Estado geral.
Capacete
• Capacete com viseira ou óculos de proteção.
• Óculos de proteção: Permitem ao usuário a utilização simultânea de óculos
corretivo ou de sol.

• Proibido: óculos de sol, corretivo ou EPI, em substituição.

• Veículo em circulação a viseira ou óculos deverá dar proteção total aos olhos.
• Imobilizado: viseira totalmente aberta.
• Em movimento, pequena abertura.
• Capacete modular, queixeira abaixada e travada.
Capacete
• Capacete com viseira ou óculos de proteção.
• Período noturno: viseira padrão cristal.
• Diurno: fumê light, fumê e metalizada, com dizeres USO EXCLUSIVO DIURNO
podendo ter outro idioma em conjunto DAY TIME USE ONLY.
• Proibida a aposição de película na viseira e nos óculos.

• Infração:
• Art. 230, X: fora das especificações.
• Art. 169: Viseira ou óculos em desacordo e capacete não afixado.
• Art. 244, I e II: sem capacete, fora da cabeça, capacete indevido.
Capacete
• Anexo:
Videomonitoramento
• Sistema de videomonitoramento para fiscalização:
• Art. 280 § 2º do CTB.

• A autoridade ou agente, por meio de fiscalização remota poderá


autuar condutores e veículos.
• Detecção .

• Campo .

• Via devidamente sinalizada para este fim.


Pau de Arara
• Autorização eventual e a título precário, circulação de veículo de
carga ou misto com passageiros no compartimento de cargas.

• Autorização expedida pelo órgão com circunscrição:


• Não pode passar de 12 meses (art. 108 do CTB).

• Mais de uma via com autoridades distintas, mais de uma autorização.

• Local e origem dentro do mesmo município ou limítrofes.

• Quando não houver linha regular de ônibus.


Pau de Arara
• Veículos adaptados com:
• Bancos suficientes para todos os passageiros, com espuma e cinto de segurança, fixados na
carroceria.

• Carroceria com cobertura, barra de apoio, proteção lateral rígida, 2,10 m de altura livre, material
de qualidade e resistente, que evite o esmagamento e projeção de pessoas em acidente.

• Escada com corrimão.

• Cabine e carroceria com ventilação e comunicação do passageiro com o motorista.

• Compartimento resistente e fixo para ferramentas e materiais, no transporte de trabalhadores.

• Sinalização luminosa de veículo de utilidade (art. 29, VIII e res. 268/08) em transporte de serviço
de obras na via.
Pau de Arara
• Veículo só circula com CSV expedido por ITL e vistoriado por autoridade
concedente da autorização.

• Autoridade declara não existência de linha regular de ônibus, estabelece


no documento de autorização:
• Identificação do órgão e da autoridade.
• Marca, modelo, espécie, ano, placa e UF do veículo.
• Proprietário.
• Número de passageiros.
• Local de origem e destino.
• Itinerário.
• Validade da autorização.
Pau de Arara
• Lotação:
• 35 dm2 de espaço útil da carroceria por pessoa, incluído o cobrador, se
houver.

• Contagem da lotação, compartimento de carga + compartimento de


passageiros.

• A Autorização é de porte obrigatório.


Pau de Arara
• Vedado:
• Transportar criança com idade inferior a 10 anos.

• Transportar passageiro em pé.

• Transportar carga no ambiente de passageiros.

• Utilizar veículo basculante e boiadeiro.

• Utilizar combinação de veículos.

• Transportar passageiros nas partes externas.


Pau de Arara
• Condutor:
• Categoria B, C ou D, conforme o veículo.

• Na D, deve ter curso especializado.

• Autoridade com circunscrição autoriza e fiscaliza.


Pau de Arara
• Infrações:
• Art. 230, II: sem autorização ou vencida, fora do itinerário, veículo não
adaptado, veículo incompatível e passageiro em pé.

• Art. 231, VII: passageiros excedentes.

• Art. 168: menor de 10 anos.

• Art. 232: Sem curso especializado e sem portar a autorização.

• Art. 235: passageiro, carga ou animal na parte externa.


Dimensões excedentes
• Requisitos mínimos para circulação de veículos com dimensões
excedentes.

• Atualização 702/17, seria 01/01/2018, mas 768/18: 01/01/2020.

• Dimensões superiores à 210/06, com AET da autoridade com


circunscrição.
Dimensões excedentes
• AET, validade máxima 1 ano:
• Identificação do órgão emissor.
• Número de identificação.
• Identificação e características dos veículos.
• Peso e dimensões autorizadas.
• Prazo de validade.
• Percurso.
• Identificação (carga indivisível).
Dimensões excedentes
• Autoridade poderá exigir:
• A indicação de um engenheiro como responsável técnico.
• Medidas preventivas de segurança, incluindo escolta especializada
(regulamentação própria).

• A AET não exime o condutor/proprietário de danos causados.


Dimensões excedentes
• Sinalização especial de advertência:
• Condições de visibilidade e leitura.
• Não são permitidas informações além das previstas.
• Veículos com rampa, advertência seccionada (bipartida).
• Placa em desacordo, 90 dias (29/01/2015).
• Secção não poderá atrapalhar a leitura.

• Veículos com sistema de portas traseiras, sinalização bipartida, espaçamento


igual à largura da moldura das portas, sem comprometer a sinalização.
Dimensões excedentes
• CVC, CTV e CTVP devem observar o previsto para sinalização e demais
requisitos da res. 211/06.
Dimensões excedentes
• CVC, CTV e CTVP devem observar o previsto para sinalização e demais
requisitos da res. 211/06.

• Placas:
• Madeira ou metálica.
• Faixas inclinadas, 45°
• Bipartida, espaçamento padrão, máx. 5 cm.
Dimensões excedentes
Dimensões excedentes
• Infrações:
• Art. 187: restrição de tráfego na via para as dimensões (não na AET).

• Art. 231, IV: dimensões superiores sem AET ou AET em desacordo com a res.

• Art. 231, VI: veículo em desacordo com a AET.

• Art. 232: não portar AET.

• Art. 235: carga excede veículo, mas não res. 210/06.

• Art. 237: Sem sinalização especial ou em desacordo com a res.


Tempo de direção
• Procedimentos para a fiscalização do tempo de direção e descanso do
motorista profissional.
• Veículos escolares.
• Veículos de passageiros com mais de 10 lugares.
• De carga com PBT superior a 4.536 kg.

• Definições (dentre outras):


• Ficha de trabalho do autônomo: controle de tempo de direção e intervalo de
descanso do motorista autônomo. Deve sempre acompanhá-lo no exercício
da profissão.
Tempo de direção
• Fiscalização/Controle por meio de:
• Análise do disco ou fita diagrama do registrador instantâneo e inalterável de
velocidade e tempo, ou outros meios eletrônicos idôneos instalados (funcionamento
independente).

• Diário de bordo, papeleta ou fixa de trabalho externo, fornecida pelo empregador.*

• Ficha de trabalho do autônomo (porte obrigatório das últimas 24h).*

*Somente quando impossível por meio do tacógrafo.


*Espaço no verso ou anverso para registro pelo agente (nome, matrícula, data, hora,
local e AIT).
Tempo de direção
• Fiscalização com tacógrafo:
• Erro de 2 minutos a cada 24 horas.
• Erro de 10 minutos a cada 7 dias.

• Documentos com carimbo e assinatura do representante da empresa:


• Autorização de transporte prevista na LC 121/2006 (prevenção de roubo e
furto de veículos de cargas).
Tempo de direção
• Condições (CTB):
• Vedado dirigir por mais de 5h30 ininterruptas.

• Transporte de carga: 30 minutos de descanso a cada 6h, facultado o fracionamento.

• Transporte rodoviário de passageiros: 30 minutos de descanso a cada 4h, facultado o


fracionamento.

• Excepcionalmente: Inobservância justificada do tempo pelo período necessário para


chegar a local que ofereça segurança e atendimento, desde que não comprometa a
segurança.

• 11 horas de descanso a cada 24h, facultado o fracionamento, usufruído no interior


do veículo, coincidindo com os intervalos anteriores, MAS, no primeiro período, 8h
ininterruptas.
Tempo de direção
• Início da viagem, partida, com ou sem carga, do ponto inicial. Outras
saídas, continuação.

• Inicio de viagem somente após cumprido descanso de 11/24h.

• Ninguém ordenará o motorista a serviço (mesmo subcontratado) que


não observe o descanso.

• Descanso poderá ser em cabine leito ou poltrona leito.


Tempo de direção
• Descanso com veículo parado, salvo com dois motoristas.
• Mínimo de 6 horas consecutivas fora do veículo ou, na cabine leito, com o
veículo estacionado, a cada 72 horas.

• O motorista deve controlar e registrar o tempo de condução, guardar


e preservar as informações.
• Sujeito à infração do art. 230, XXIII do CTB.

• Descanso obrigatório produz efeito a partir da data de publicação dos locais


de descanso para o trecho.
Tempo de direção
• Art. 235-E da CLT, para o transporte de passageiros:
• Fracionamento do intervalo em períodos de, no mínimo, 5 minutos.
• 1 hora para refeição, podendo ser fracionada em 2 períodos e coincidir com o
descanso do CTB, exceto art. 71 § 5º da CLT (motorista rodoviário de
passageiros, entre o fim da primeira hora e o começo da última, mediante
convenção ou acordo coletivo de trabalho).

• Órgão com circunscrição sobre a via fiscaliza.


Tempo de direção
• Medida administrativa de retenção pela infração:
• Não observação do período de 30 minutos.

• Não observação do período de 11 horas.


• Pode ser feita em depósito (art. 270 $ 4º do CTB).

• Havendo local de descanso próximo, recolhe CRLV.

• Não se aplica se houver condutor habilitado e descansado.

• A critério do agente não retém coletivo de passageiros, perecível e produtos


perigosos.
Tempo de direção
• Art. 230, XXIII do CTB também se aplica se não apresentar os meios
de fiscalização.

• Pode Concedente também pode estabelecer outras exigências para o


transporte de passageiros.

• Informação de pontos de parada na via em sites (autoridade com


circunscrição). (art. 11 da Lei 13.103/15)

• Ponto de parada com placa indicativa de serviços auxiliares.


Tempo de direção
• Descanso obrigatório produz efeito a partir da data de publicação dos
locais de descanso para o trecho.
Amarração de Carga
• Requisitos mínimos para transporte de carga em veículo de carga.
• Veículos especiais e mistos no transporte de carga.

• Não se aplica ao transporte de carga que tenha regulamentação


específica ou com sistema específico de contenção.

• Cargas amarradas, ancoradas e acondicionadas no compartimento de


carga ou superfície de carregamento.
• Prevenir movimentos relativos durante a operação: manobras bruscas,
solavancos, curvas, frenagens ou desacelerações repentinas.
Amarração de Carga
• Dispositivos: Cintas têxteis, correntes, cabos.
• Resistência à ruptura por tração de 2x o peso da carga (mínimo).
• Bom estado de conservação.
• Mecanismo de tensionamento, quando aplicável, verificável e reapertável
manual ou automaticamente, durante o trajeto (responsabilidade do
condutor).

• Dispositivos adicionais: barras, trilhos, malhas, redes, calços, mantas


de atrito, separadores, bloqueadores, protetores, etc.

• Pontos de amarração adequados e suficientes.


Amarração de Carga
• Proibido o uso de cordas.
• Permitido apenas para fixação da lona de cobertura, quando exigível.

• Carrocerias de madeira:
• Novas, madeira de alta densidade e alta resistência com fixadores metálicos
de perfil U que comprovadamente resistam às forças solicitadas (Anexo).
• Guardas laterais e piso não são pontos de fixação se os pontos de amarração não
estiverem em contato com travessas ou o chassi.

• Veículos em circulação, adicionados perfis metálicos em L ou U nos pontos de


fixação, fixados nas travessas por parafuso.
Amarração de Carga
Amarração de Carga
• Sem pontos de amarração adequados, ou em número suficiente,
pode fixar os dispositivos no chassi do veículo.

• Veículo prancha, carroceria aberta, transportando equipamentos,


máquinas, veículos ou carga fracionada:
• Cada unidade de carga amarrada com corrente, cinta, cabos ou combinações.
• Ancoragem nos pontos da estrutura metálica/chassi, em pelo menos 4
terminais.
Amarração de Carga
• Carroceria aberta com guarda lateral rebatível:
Amarração de Carga
• Carga que não ocupa toda a carroceria no sentido longitudinal:
Amarração de Carga
• Painel frontal como batente:
• Resistência suficiente para absorver os esforços.
• Proibido ultrapassar a altura do painel, com a possiblidade de deslizamento
da parte superior.
Amarração de Carga
• Baú lonado:
• Lonas laterais não são consideradas contenção, devendo existir pontos de
amarração.

• Carroceria inteiramente fechada:


• Paredes são consideradas estrutura de contenção.
• Pontos internos de amarração opcionais.

• Pontos de amarração:
• Novos a partir de 01/01/2017.
• Anteriores a partir de 01/01/2018.
Amarração de Carga
• Infrações:
• Art. 169: dispositivos não tensionados.

• Art. 230 IX e X.

• Art. 235: carga ultrapassando a altura do painel frontal, com chance de


deslizamento.

• Art. 237: ausência de placa/adesivo do fabricante dos pontos de amarração.


Amarração de Carga
• Anexo:
• Número de pontos de amarração:
• 4 (dois de cada lado), comprimento efetivo da área de carga até 2.200 mm.
• 6, comprimento efetivo da área de carga superior a 2.200 mm.

• Distância entre pontos adjacentes até 1.200 mm.


• Sobre os eixos, o mais próximo a 1.200 mm, não superior a 1.500 mm.
• Distância desde as paredes frontal e traseira até 500 mm.
• Distância entre as paredes laterais, menor possível, não superior a 250 mm.

• Deve ser considerado o PBT também.


Amarração de Carga
• Anexo:
• Número de pontos de amarração:
• Deve ser considerado o PBT também.
• Superior a 12 toneladas: X=1,5P/20
• Superior a 7,5 t, até 12 t: X=1,5P/10
• Superior a 3,5 t, até 7,5 t: X=1,5P/8
• P = Força de Inércia em kN, da carga útil máxima (Lotação).

PBT: 45.000 kg.


Tara: 17.000 kg.
L: 28.000 kg.
g: 10 m/s²
Amarração de Carga
• Anexo:
• Placa ou adesivo de identificação:
• Nome e CNPJ do fabricante.
• Frase: Veículo com pontos de ancoragem para amarração de carga de acordo com a
Resolução CONTRAN nº: 552, de 17 de setembro de 2015.
• Em local visível.
Quadriciclos
• Requisitos de circulação para quadriciclos nacionais ou importados.
• Veículos novos, código marca/modelo/versão e CAT, conforme portaria do
DENATRAN (190/09) para registro e licenciamento.
• Fabricados antes da entrada em vigor, também.

• Quadriciclo:
• Veículo automotor, estrutura mecânica semelhante a motocicletas, eixo
dianteiro e traseiro, quatro rodas.
• Massa em ordem de marcha 400 kg, ou 550 kg se for de carga, excluídas as
baterias se for elétrico.
• Potência máxima 15 kW.
Quadriciclos
• Quadriciclo:
• Veículo automotor elétrico com cabine fechada.

• Requisitos de segurança = triciclos e, ainda:


• Quadriciclos de carroceria aberta:
• Comando do sistema através de guidom.
• Assentos para condução e passageiro na posição montada.
• Eixo de tração com dispositivo que permita as rodas girarem com velocidades angulares
diferentes.
• Pneus de alta pressão, com banda de rodagem para pavimento (INMETRO).
• Sistema de suspensão independente para cada roda.
• Freios em cada roda, de acordo com a norma.
• Equipamentos obrigatórios (res. 14/98).
Quadriciclos
• Requisitos de segurança = triciclos e, ainda:
• Quadriciclos de carroceria fechada:
• Comando do sistema através de volante.
• Assentos para condução e passageiro na posição sentada.
• Eixo de tração com dispositivo que permita as rodas girarem com velocidades angulares
diferentes.
• Pneus de alta pressão, com banda de rodagem para pavimento (INMETRO).
• Sistema de suspensão independente para cada roda.
• Freios em cada roda, de acordo com a norma.
• Equipamentos obrigatórios (res. 14/98).
• Cinto de segurança de três ou quatro pontos.
• Apoio de cabeça.
• Air bag frontal.
Quadriciclos
• Circulação em vias públicas:
• Placa traseira com dimensões idênticas à motocicleta.
• Lanterna de marcha à ré na cor branca quando o veículo permitir este
deslocamento.
• Transporte de passageiro maior de 7 anos.
• Circulação restrita às vias urbanas.

• Requisitos para condução:


• Capacete de segurança com viseira ou óculos de proteção.
• Habilitação categoria B.
Quadriciclos
• Identificação por VIN de acordo com a norma.

• Proibido:
• Cabine fechada além do previsto.
• Transformar outro veículo em quadriciclo.
• Circulação em via pública sem homologação.

• Quadriciclo elétrico de cabine fechada dispensa ABS.


(CESPE/CAMARA DOS DEPUTADOS/CONSULTOR/2014) De acordo com resolução do CONTRAN, o
condutor e o passageiro de motocicleta, para circular na via pública, deverão utilizar capacete com
viseira ou, na ausência desta, óculos de proteção em boas condições de uso. Ainda de acordo com a
mesma resolução, é proibido o uso de óculos de segurança do trabalho (equipamento de proteção
individual) de forma singular, em substituição aos óculos de proteção.
(CESPE/CAMARA DOS DEPUTADOS/CONSULTOR/2014) Nas vias devidamente sinalizadas para esse
fim, o agente da autoridade de trânsito poderá, no exercício da fiscalização remota por meio de
sistemas de videomonitoramento, autuar condutores e veículos, cujas infrações por
descumprimento das normas gerais de circulação e conduta sejam detectadas online pelos
referidos sistemas.
(CESPE/PRF/PRF/2004) Considere a seguinte situação hipotética. Um indivíduo conduzia um
quadriciclo motorizado e portava o capacete de segurança, com viseira, afixado na lateral do
veículo. Nessa situação, o condutor não perpetrou nenhuma infração de trânsito, eis que portava o
capacete obrigatório consigo.
(UECE-CEV/DETRAN-CE/AGENTE DE TRÂNSITO/2018) No que concerne ao uso do capacete
motociclístico, segundo a Resolução nº 453/2013 CONTRAN, é correto afirmar que NÃO constitui
um item de fiscalização, por parte das autoridades de trânsito ou seus agentes, observar
A) se o capacete motociclístico utilizado é certificado pelo INMETRO.
B) o estado geral do capacete, buscando avarias ou danos que identifiquem a sua inadequação para
o uso.
C) se o capacete pertence ao proprietário do veículo.
D) a aposição de dispositivo retrorrefletivo de segurança nas partes laterais e traseira do capacete
motociclístico.
(UECE-CEV/DETRAN-CE/AGENTE DE TRÂNSITO/2018) Sobre a fiscalização de trânsito por intermédio
de videomonitoramento em estradas e rodovias, Resolução nº 471/2013 CONTRAN, é correto
afirmar que
A) a autoridade ou o agente da autoridade de trânsito, exercendo a fiscalização remota por meio de
sistemas de videomonitoramento, poderão autuar condutores e veículos, cujas infrações por
descumprimento das normas gerais de circulação e conduta tenham sido detectadas por
esses sistemas.
B) a fiscalização de trânsito mediante sistema de videomonitoramento está regida pelas mesmas
normas que a fiscalização por de velocidade, por isso não necessita que as vias estejam
devidamente sinalizadas para esse fim.
C) a autoridade ou o agente da autoridade de trânsito, responsável pela lavratura do auto de
infração, só precisa informar no campo no caso de cometimento de infração de
natureza grave ou gravíssima.
D) o agente ou a autoridade de trânsito, responsável pela lavratura do auto de infração, podem
realizar a fiscalização que trata esta resolução, na forma de ou seja, revisando os vídeos
captados pelo sistema, mas que não ultrapassem o prazo de 24 (vinte e quatro) horas do início da
captação.
(UECE-CEV/DETRAN-CE/AGENTE DE TRÂNSITO/2018) Acerca dos requisitos de segurança para a
circulação, a título precário, de veículo de carga ou misto transportando passageiros no
compartimento de cargas, Resolução nº 508/2014 CONTRAN, é vedado
A) transportar passageiros sentados.
B) transportar cargas em ambiente diferente dos passageiros.
C) utilizar veículos de carga tipo basculante e boiadeiro.
D) transportar passageiros nas partes internas.
(UECE-CEV/DETRAN-CE/AGENTE DE TRÂNSITO/2018) O CONTRAN regulamentou a utilização de
veículos quadriciclos por meio da Resolução nº 573/2015, que estabelece os requisitos de
segurança e circulação desses veículos automotores.
Considerando essa resolução, atente à seguinte proposição:
Devem ser observados os seguintes requisitos para a circulação de quadriciclos nas vias públicas:
I. placas de identificação traseira, com dimensões idênticas às de motocicleta e que atendam à
legislação vigente;

II. lanterna de marcha à ré na cor branca quando o veículo permitir este tipo de deslocamento;

III. transporte apenas de passageiro maior de 7 anos;

IV. circulação restrita às vias urbanas, sendo proibida sua circulação em rodovias federais, estaduais
e do Distrito Federal.
(UECE-CEV/DETRAN-CE/AGENTE DE TRÂNSITO/2018) Considerando as normas elencadas pela Resolução
nº 508/2014 do CONTRAN, que dispõe sobre os requisitos de segurança para a circulação, a título
precário, de veículo de carga ou misto transportando passageiros no compartimento de cargas, e seu
artigo 1º transcrito a seguir, assinale a proposição verdadeira.
A . 1º A autoridade com circunscrição sobre a via poderá autorizar, eventualmente e a título precário, a
circulação de veículo de carga ou misto transportando passageiros no compartimento de cargas, desde
que sejam cumpridos os requisitos estabelecidos nesta Resolução.

A) Em trajeto que utilize mais de uma via com autoridades de trânsito com circunscrição diversa, a
autorização pode ser concedida por apenas uma das autoridades para o trecho total.
B) A circulação de que trata o artigo 1º só poderá ser autorizada entre localidades de origem e destino
que estiverem situadas em um mesmo município.
C) Os veículos referidos nesse artigo só poderão ser utilizados após expedição do Certificado de
Segurança Veicular CSV , expedido por Instituição Técnica Licenciada ITL , e vistoria da autoridade
competente para conceder a autorização de trânsito.
D) A autorização será expedida pelo órgão com circunscrição sobre a via, não podendo ultrapassar o
prazo de seis meses.
(AUTORAL/PRF/PRF/2019) Com base nas resoluções do CONTRAN e no CTB, julgue o item que se
segue.
A sinalização especial de advertência em veículos que excedam as dimensões autorizadas pelo
CONTRAN poderá, em casos excepcionais, ser bipartida, com espaçamento máximo de 5 cm, em
qualquer hipótese.
(AUTORAL/PRF/PRF/2019) Com base nas resoluções do CONTRAN e no CTB, julgue o item que se
segue.
Situação hipotética: Em fiscalização de rotina, um policial rodoviário federal abordou um veículo de
cargas, com comprimento de 23 metros. O motorista entregou ao policial AET que informava o
comprimento de 25 metros para a combinação. Além disso, o condutor também entregou o disco
de tacógrafo, por meio deste, era possível perceber que, nas últimas 24 horas, o veículo passou 10
horas parado e o restante em movimento. Ao ser questionado, o motorista informou que era o
único condutor, iniciou a viagem dois dias antes e faltavam apenas 3 horas de viagem para chegar
ao destino e queria chegar mais cedo em casa. Assertiva: Diante dos fatos, o policial deve autuar o
condutor por cometer infração de natureza grave, uma vez que a AET e o veículo têm informações
divergentes, mesmo que comprimento do veículo seja menor que o autorizado.
(AUTORAL/PRF/PRF/2019) Com base nas resoluções do CONTRAN e no CTB, julgue o item que se
segue.
Situação hipotética: Em fiscalização de rotina, um policial rodoviário federal abordou um veículo de
cargas, com comprimento de 23 metros. O motorista entregou ao policial AET que informava o
comprimento de 25 metros para a combinação. Além disso, o condutor também entregou o disco
de tacógrafo, por meio deste, era possível perceber que, nas últimas 24 horas, o veículo passou 10
horas parado e o restante em movimento. Ao ser questionado, o motorista informou que era o
único condutor, iniciou a viagem dois dias antes e faltavam apenas 3 horas de viagem para chegar
ao destino e queria chegar mais cedo em casa. Assertiva: Mesmo que o tempo de direção trate de
relação trabalhista, o policial rodoviário federal é competente para realizar tal fiscalização.
(AUTORAL/PRF/PRF/2019) Com base nas resoluções do CONTRAN e no CTB, julgue o item que se
segue.
Situação hipotética: Em fiscalização de rotina, um policial rodoviário federal abordou um veículo de
cargas, com comprimento de 23 metros. O motorista entregou ao policial AET que informava o
comprimento de 25 metros para a combinação. Além disso, o condutor também entregou o disco
de tacógrafo, por meio deste, era possível perceber que, nas últimas 24 horas, o veículo passou 10
horas parado e o restante em movimento. Ao ser questionado, o motorista informou que era o
único condutor, iniciou a viagem dois dias antes e faltavam apenas 3 horas de viagem para chegar
ao destino e queria chegar mais cedo em casa. Assertiva: O policial deverá autuar o condutor por
não respeitar o tempo de descanso mínimo de 11 horas e também deve, obrigatoriamente,
permanecer com o condutor pelo tempo que for necessário, para garantir que o condutor não
tornará a conduzir o veículo até que esteja cumprido o descanso.
(AUTORAL/PRF/PRF/2019) Com base nas resoluções do CONTRAN e no CTB, julgue o item que se
segue.
Situação hipotética: Em fiscalização de rotina, um policial rodoviário federal abordou um veículo de
cargas, com comprimento de 23 metros. O motorista entregou ao policial AET que informava o
comprimento de 25 metros para a combinação. Além disso, o condutor também entregou o disco
de tacógrafo, por meio deste, era possível perceber que, nas últimas 24 horas, o veículo passou 10
horas parado e o restante em movimento. Ao ser questionado, o motorista informou que era o
único condutor, iniciou a viagem dois dias antes e faltavam apenas 3 horas de viagem para chegar
ao destino e queria chegar mais cedo em casa. Assertiva: Se o condutor tivesse alegado que, desde
a última hora, não encontrou local seguro de parada, portanto não teve como cumprir o restante do
descanso e, assim que encontrasse tal local, pararia, o policial poderia liberar o veículo sem autuá-lo
em relação a este critério.
(AUTORAL/PRF/PRF/2019) Com base nas resoluções do CONTRAN e no CTB, julgue o item que se
segue.
Considerando que um policial rodoviário federal, em ato de fiscalização perceba que uma carga
transportada em carroceria aberta tem altura maior que o painel frontal do veículo, mas em
observação minuciosa percebe que trata-se de carga, em relação à altura, indivisível, portanto,
neste caso, não há qualquer irregularidade.
(AUTORAL/PRF/PRF/2019) Com base nas resoluções do CONTRAN e no CTB, julgue o item que se
segue.
Com base na res. 552/15 é proibida a afixação de dispositivo de amarração no chassi do veículo,
uma vez que esta é estrutura fundamental e que não pode sofrer qualquer tipo de intervenção.
(AUTORAL/PRF/PRF/2019) Com base nas resoluções do CONTRAN e no CTB, julgue o item que se
segue.
Para que ao veículo com carroceria fechada seja facultativa a presença de pontos de amarração da
carga, as laterais não podem ser de tipo lonado, do contrário, a amarração é obrigatória.

1-C 2-C 3-E 4-c 5-a 6-c 7-I-C-II-C-III-C-IV-C 8-c 9-E 1

11-C 12-E 13-C 14-C 15-E 16-C