You are on page 1of 3

LISBOA CULTURAL

Em Destaque

NEWSLETTER

PAG. 4

LiSBoa aLtERNativa

Conjugar cultura urbana e arte contemporânea, de um modo irreverente em espaços alternativos ou menos convencionais, é o objectivo central do Pop Up Lisboa 2010. Sob o tema Nómadas Urbanos, esta segunda edição, a decorrer entre 4 de Novembro e 11 de Dezembro, vai ter exposições, espectáculos, performances, debates e outros eventos que reúnem perto de uma centena de artistas nacionais e internacionais.

Durante o período que antecedeu o Pop Up Lisboa 2010, inúmeros artistas exploraram a cidade a partir da ideia de que o espaço urbano é intrinsecamente nómada. A ideia do nomadismo urbano, que encontramos na mudança de casa, de trabalho, de família ou mesmo de cidade enquanto espaço, implica, e para usar as palavras dos organizadores, que “a ´cidade` vive-se numa constante incerteza ou redescoberta contínua”, em “movimentos que impulsionam a sua própria evolução e valorização”. Ou seja, o nomadismo impõese aos habitantes das cidades através de manifestações dinâmicas, seja através da paisagem, seja pela imposição de novos hábitos e costumes, reflectindo os seus efeitos numa definição de cultura urbana. Assim, foram eleitos quatro eixos conceptuais, que exploram o tema deste ano, a partir dos reflexos que o fenómeno imprime na cultura urbana que todos partilhamos. O primeiro, passa pela intervenção e apropriação cultural de espaços urbanos anónimos, impessoais ou desprovidos de vivencias e utilidade, denominados como “não lugares”. O segundo, e com base na ideia de hipermodernidade, que estabelece um maior imediatismo à noção que temos de cultura, baseia-se na comunicação de uma imagem ou marca. O terceiro, numa incursão pelo território da ética, da moral e da cultura, propõe uma reflexão sobre os novos valores da sociedade contemporânea, apropriando-se de Lisboa como “cidade dinâmica e catalisadora de expressões, tendências e fluxos artísticos”. Por último, a universalidade geográfica da promoção e produção cultural e artística apresenta-se como item determinante para o desenvolvimento sustentável e para a afirmação identitária das cidades. Por tudo isto, criadores e artistas de todo o mundo corresponderam ao desafio de intervir em mais de uma dezena de locais da cidade, desde os referidos “não lugares” aos espaços culturais alternativos, passando por edifícios desocupados, estações de comboio e bairros sociais. Sendo o mote deste Pop Up “viver a cidade, celebrar a cultura”, Lisboa vai tornar-se, até 11 de Dezembro, um imenso espaço aberto, onde a criação artística alternativa pode ser partilhada por todos. FB www.popup-city.com/lisbon-2010

LISBOA CULTURAL

Em Destaque

NEWSLETTER

PAG. 5

“Laboratório” verride
Mais conhecido pelos lisboetas como Palácio de Santa Catarina, o Pop Up escolheu o Palácio Verride como centro nevrálgico desta edição. Debruçado sobre o Tejo, no largo do Miradouro de Santa Catarina, o do Adamastor, este magnifico edifício do século XVIII que esteve para ser o Museu do Design e da Moda, vai acolher uma exposição colectiva multidisciplinar e um programa com performances, workshops e apresentações temáticas. Durante os dias do evento, o Palácio será, pois, o laboratório de excelência dos Nómadas Urbanos.

Lembram-se de Lena d´Água?
Durante os anos de 1980, Lena d’Água foi um dos maiores ícones pop da música portuguesa. Temas como Robot, dos tempos dos Salada de Fruta, ou Sempre que o amor me quiser confundiram-se, desde sempre, com a imagem de uma cantora que, entre altos e baixos, alicerçou uma carreira digna de culto. Por tudo isso, o Pop Up convidou Lena d’Àgua e a banda Dapunksportif para um mini-concerto, dia 6, no Espaço Nimas, onde serão revisitados alguns dos maiores êxitos da cantora. Para além do concerto, será exibido o documentário de Rogério Ribeiro e Sara Oliveira, Bela Adormecida, sobre uma carreira que remonta à decada de 1970.