You are on page 1of 17

ESCOAMENTO INCOMPRESSÍVEL DE

FLUIDO NÃO VISCOSO


Em diversas situações, como nos escoamentos de fluidos de baixa viscosidade
longe de paredes, as forças de cisalhamento podem ser desprezadas e a
força de superfície por unidade de área agindo sobre cada face do volume de
controle diferencial é igual a pressão com sinal negativo
negativo.

Equação de Euler:

DV 
ρ  ρ g  grad P
Dt

ou


V   
ρ   V  grad V   ρ g  grad P
  t 

coordenadas cartesianas
 u u u u  P
ρ  u v  w   ρg x 
Equação  t x y z  x

de Euler  v v v v  P
ρ   u  v  w   ρg y 
 t x y z  y
 w w w w  P
ρ u v  w   ρg z 
 t x y z  z
coordenadas cilíndricas
 u2 
u u u u P
Direção ρ  r  u r r  uθ r  u z r  θ  ρ g r 
radial  t r r θ z r  r
 

 u u u u u u  P
Direção ρ  θ  u r θ  uθ θ  u z θ  r θ   ρ g θ  r θ
  t  r r  θ  z r 
angular

u u  uz u P
Direção ρ  z  u r z  u θ  u z z  ρ g z 
  t  r r  θ  z  z
axial 2

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
1
 
- Componentes em coordenadas ao longo de uma linha de corrente: V  v s es

Na direção do escoamento - s:

 v v  P
ρ s  vs s   ρg s 
 t s  s
Na direção normal ao escoamento - n:

v2 p
  s  g n 
R n

k 
es
Na direção do escoamento - s: 
dz
ds dz cos   sen  
vs  V ds

    z
V V 1 P g s  g  es   g k  es   g cos    g
V  gs  s
t s ρ s V  V 2 
V   
s s  2 
3

Integração da Equação de Euler ao Longo de Uma Linha de


Corrente: Equação de Bernoulli

V   V 2 
 ds    1 P ds   g z ds
 ds   
t s 2  ρ s s
 

V V2 dP
 ds    gz  constante Equação de Bernoulli
t 2 ρ

a constante de Bernoulli é única ao longo de uma mesma linha de corrente


4

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
2
Casos particulares:
 Escoamento incompressível,  constante:

V V2 P
 ds    g z  constante
t 2 ρ

 Regime permanente:

V2 dP
  g z  constante
2 ρ
 Regime permanente e incompressível: V2 P
  g z  constante
2 ρ V 2

V12 P1 V2 P V1
  gz1  2  2  gz 2 2
2  2 

1 5


Obs: Para escoamentos irrotacionais (   V  0 ) pode-se demonstrar que a constante de
Bernoulli tem um único valor em todo o campo de escoamento (ver seção 6.6.1)

OBSERVAÇÃO: Um escoamento não viscoso sofre somente a ação de força de corpo (força
volumétrica) e da força de superfície normal, devido a pressão. Portanto, é impossível induzir
uma rotação em um escoamento não viscoso. Se o escoamento não viscoso for irrotacional,
será sempre irrotacional, se for rotacional, será sempre rotacional.

Por outro lado, TODO ESCOAMENTO VISCOSO É ROTACIONAL.

IRROTACIONAL ROTACIONAL

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
3
Pressões Estática, de Estagnação e Dinâmica
Aplicando a equação de Bernoulli na mesma cota
de altura, temos
V 2
p  po
2
p= pressão estática ou
termodinâmica
po = pressão de estagnação

V 2
= pressão dinâmica
2

Tubo de Pitot: 2
Medidor de velocidade
H
1
h
V12 P1 V22 P2 p* p*
  gz1    gz 2
2 ρ 2 ρ

P1 V 2 P2 P1  P2
   V 2
ρ 2 ρ ρ

P*  P1  ρ g h  ρ g H
P*  P2  ρm g h  ρ g H P1  P2  ρm  ρ 
 gh
ρ ρ

2 ( ρm  ρ ) g h
V
ρ
8

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
4
Exemplo 6.1: Determine a vazão volumétrica de ar através do duto de seção
transversal L = 0,1 m e altura H = 0,3 m. Tomadas de pressão são instaladas
numa curva do duto, cujo raio interno é R = 0,25 m. A diferença medida de
pressão entre as tomadas é de 40 mm de água [(P2-P1)=(H2O - ar ) g h]

Solução: As linhas de corrente acompanham a curva, sendo a direção normal às mesmas a


V2 p
direção radial. Aplicando a Eq. de Euler na direção normal (radial) temos   
r r
dp dr p 2  p1 r p 2  p1
   ln 2  Q  V ( H L )  ( H L)
 V2 r  V2 r1  ar ln( r2 / r1 )

Exercício 6.4: Determine:


(i)a velocidade da água saindo como um jato livre.
(ii) a pressão no ponto A

Exercício 6.5 e 4.6: Água escoa


sob uma comporta. Determine a D1=1,5 m
força na comporta da figura. D2=0,0563 m

10

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
5
1 D
Exemplo 6.9: (i) Determine a velocidade da
água na saída da tubulação. Em uma h
primeira aproximação, despreze o atrito e d V2=?
considere regime permanente e D >> d
b
L 2

  
Equação da continuidade:   d    V  n d A  0
 t VC SC

Hipóteses: 1) fluido incompressível , 2) volume indeformável


  d2
 V  n d A  0  V1 A1  V2 A 2  V1  V 2  0
SC D2

dh
mas V1   , logo nível permanece constante, h  ho =cte
dt

11

2 2
V d p V2 V1
Equação de Bernoulli:   t ds     2  2  g ( z2  z1 )  0

2 2
V p2 p1 V2 V1
  t ds      2  2  g ( z2  z1 )  0 ,

p1 = p2 = patm , z2 = 0 , z1  ho , V1  0 ; regime permanente

V22
  g ho  0 V2  2 g ho
2

12

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
6
1 D
Exemplo 6.9: (ii) Determine a variação com
o tempo da velocidade da água na saída da h
tubulação, considerando que inicialmente a d V2=?
tubulação encontra-se fechada. Novamente,
despreze o atrito e considere D >> d b
L 2

  
Equação da continuidade:   d    V  n d A  0
 t VC SC

Hipóteses: 1) fluido incompressível , 2) volume indeformável


  d2
 V  n d A  0  V1 A1  V2 A 2  V1  V 2  0 ;
SC D2

dh
mas V1   , logo nível permanece constante, h  ho =cte
dt

13

2 2
V d p V2 V1
Equação de Bernoulli:   t ds     2  2  g ( z2  z1 )  0

2 V p2 p V 22 V2
 ds   1   1  g ( z 2  z1 ) 0 ,
1 t   2 2

p1 = p2 = patm , z2 = 0 , z1  ho , V1  0 ; regime transiente

b V 2 V V2 dV2 V2
  ds   ds  2  g ho  0  L  2  g ho  0
1 t b t 2 dt 2
   
 V1 V2 2
V1  0  0  ds
t t b

1 D

h
d V2=?
b
L 2

14

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
7
d V2 dt
  integrando 0  V2  V2 e 0  t  t 
2 2L
2 g h o  V2
1.2
V2  t 
 tanh  2 g ho  1
2 g ho 2 L 

V2/ sqrt(2 g ho)


0.8

0.6

Note que quando t→∞  0.4

V2  2 g h o (caso anterior) 0.2

0
0 1 2 3 4
t* sqrt(2 g ho) /(2L)

15

1 D
Exemplo 6.9: (iii) Determine a variação com
o tempo da velocidade da água na saída da h
tubulação, considerando que inicialmente a d V2=?
tubulação encontra-se fechada. Novamente,
despreze o atrito e considere D ≈ d b
L 2

  
Equação da continuidade:   d    V  n d A  0
 t VC SC

Hipóteses: 1) fluido incompressível , 2) volume indeformável

  A2 d2
 V n d A  0  V1 A1  V2 A 2  V1  V 2  V2  0 ;
SC
A1 D2

dh
mas V1   , logo nível não permanece constante, h ≠ cte
dt

16

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
8
2 2
V d p V2 V1
Equação de Bernoulli:   t ds     2  2  g ( z2  z1 )  0

2 V p p V 22 V2
 ds  2  1   1  g ( z 2  z1 ) 0 ,
1 t   2 2

p1 = p2 = patm , z2 = 0 , z1 = h ; regime transiente

b V 2 V 2 2
V V
 ds   ds  2  1  g h  0 
1t b t 2 2
2 2 2 2
d V1 b d V2 2 V V d V1 d V2 V V
 ds   ds  2  1  g h  0  h L 2  1  gh 0
dt 1 dt b 2 2 dt dt 2 2

  A
2
d V2 A 2 d V2  A 
2
V2 d V2  A 2  V2
h L  1   2   2 gh0  h  L   1   2   2 gh0
d t A1 dt   A1
   2

d t  A1    A1   2

17

  2 
A     2 2
2 g h  1   2   V22 A   A dh
  A1    2 g h  1   2    1 
dV2      A1    A 2 d t 
  d2 h  
dt  A2     
2 h  L dt 2 A1  A 2 
 A1   2 h  L
 
A 2  A1 
dh A 
  V2 2 
dt A1 

condição inicial: 1) t = 0 , h = ho , 2) t = 0 , V2 = 0

Para resolver estas equações diferenciais ordinárias, o MatLab pode ser utilizado. As
equações serão resolvidas pelo método de Runge-Kutta.

Para utilizar o método de Runge-Kutta, deve-se resolver as duas equações de 1a. ordem para h
e V2, em vez da eq. de 2a. ordem para h

18

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
9
Dois programas com a terminação *.m devem ser escritos. No primeiro, os
parâmetros do problema são especificados, assim como a condição
inicial. A preparação dos gráficos de saída também é feita neste
programa. Este primeiro programa, “chama” o segundo programa, no
qual as equações diferenciais a serem resolvidas são apresentadas.
Chamaremos, para este exemplo, o primeiro programa de “taque.m” e o
segundo programa será chamado de “bernoulli.m”.

As listagens dos programas são apresentadas a seguir.

Dados: d = 1 in = 0,0254 m ; D = 5 in = 0,127 m; L = 15 m ; ho = 5 m


ti = 0 s ; tf = 18 s ; g = 9,81 m/s2
  d 4  
 2 g h     1 V 2 
2 2
d h  d d V2   D   
    V2   
d t  D dt   d  2  
 2   h  L  
 D  
 

19

clc;
clear;
fim=0; Arquivo:
Arquivo: global L D1 d2 g ;
bernouli.m
tanque.m
d2=0.0254;
D1=0.127;
L=15; function ydot = bernouli(t,y)
ho=5; global L D1 d2 g ;
Vo=0; dD = (d2 * d2 ) / (D1 * D1) ;
g=9.81; ydot(1) = - y(2) *dD;
ti=0; ydot(2) = inv(2*(dD*y(1)+ L)) *(2*g*y(1)+(dD^2-1)*y(2)^2);
tf=18; ydot=[ydot(1) ydot(2)]';
yo=[ho Vo];
periodo=[ti tf];
[t, y]=ode23('bernouli', periodo, yo);
figure(1)
plot(t,y(:,2)); 2
d h  d
title('Grafico de V2 x t');     V2
xlabel('t (s)'); d t  D
ylabel('Velocidade
ylabel( Velocidade na Saida do Tubo
(m/s)');   d 4  
figure(2)
 2 g h     1 V 2 
plot(t,y(:,1)); 2
title('Grafico de h (V1) x t'); d V2   D   
xlabel('tempo (s)');  
ylabel('Altura (m)');
dt   d  2  
end  2   h  L  
clear   D   
20

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
10
Caso ii) D > > d
d = 1 in = 0,0254 m ti = 0 s
D = 100 in = 8,33 ft = 2,54 m tf = 18 s
L = 15 m g = 9,81 m/s2
ho = 5 m
Note que ao atingir o regime permanente V2  2 g h  9,90 m / s
o

21

Caso iii) D  d  o tanque irá esvaziar

d = 1 in = 0,0254 m ; ti = 0 s
D = 5 in = 0,127 m ; tf = 18 s
L = 15 m ; g = 9,81 m/s2
ho = 5 m

22

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
11
Exercício: Um escoamento de água (H20=1000 kg/m3)é descrito pelo campo de velocidades
  
V  A x i  A y j , isto é, u = Ax e v =- Ay ; onde A = 3 s-1 , x e y são medidos em
 
metros. Sabe-se que g   g k , onde g = 9,81 m/s2.

i) Calcular a aceleração de uma partícula de fluido no ponto (x, y, z) = (1, 5, 2) .


 DV    Du  Dv  Dw  D u u 
a  ax i  ay j  az k  i j k ax    V  u
Dt Dt Dt Dt D t t

u u u u
ax  u v w  0  Ax A  0  0  A 2 x
t x y z

v v v v w w w w
ay  u v w  A2y e az  u v w 0
t x y z t x y z

     
a  A2x i  A2y j então a (1 , 5, 2)  9 i  45 j
23

ii) Avaliar o gradiente de pressão no mesmo ponto, sabendo que a viscosidade é desprezível

 
DV   DV
Equação de Euler :    g  grad p  grad p   g  
Dt Dt

p  p  p   
grad p  i j k g  gzk ; gz   g
x y z

p p p
  a x   A 2 x ,   a y   A 2 y ,   g
x y z

  
gradp    A 2 x i   A 2 y j   g k 
     
gradp   9000 x i  9000 y j  9810 k  gradp(1,5,2)   10 3 (9 i  45 j  9,81k )

24

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
12
iii) Determine a variação de pressão entre a origem e o ponto (1, 5, 2)

p
  A 2 x x2
x x  p   A 2  f1 ( y, z)
2
p
  A 2 y y2  x 2  y2 
y y  p   A 2  f 2 ( x , z)  p  A 2  g z  C
2  2 
 
p
  g 
z  p   g z  f 3 ( x , y)

 1  25
p1, 5, 2  p0, 0, 0  p1  p 0  9  10 3    9810  2  0  1,37  105 Pa
 2 

25

i) Se este campo de velocidade for irrotacional a diferença de pressão poderia ter sido
calculada com a aplicação da equação de Bernoulli

      
u = Ax ; v = - Ay   rot V    V  0     x i   y j   z k ,
  v u
para escoamento plano    z k ; z    0  é irrotacional
x y

Equação de Bernoulli (V = módulo do vetor velocidade)


2  V 2 2 
p1 V1 p 0 V02  1 V0 


2
 g z1 


2
 g z0  p1  p 0    
 2

2 
 g  z 1  z 0  

  

Origem: (x, y, z) = (0, 0, 0)  V0 = 0, z0 = 0

Ponto 1: (x, y, z) = (1, 5, 2) 


V1  V1  V12  Vx2,1  Vy2,1  A x    A y  32  152  234
2 2

p1 - p0 = - 103 (234 / 2 + 9,81 . 2) = -1,37 . 105 Pa


26

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
13

Exercício: Um escoamento de um jato contra uma parede para ser


representado por   10 x y

    v u
u  10 x , v     10 y V  0  k  0   0
y x x y
irrotacional
p V2
então  gz constante
 2

V 2  u 2  v 2  10 x    10 y
2 2
onde p ; U
Aplicando entre um ponto na parede e ao longe
2
p V 2 p U
   2 L
 2  2

V 2  u 2  v 2  10 x
2
ao longo da parede y = 0, logo

U2
p p       50 x 2
2 27

A força é

L L U 2
F    p b dx    ( p      50 x 2 ) b dx 
L L 2

L
 U 2  x3  U 2 50 L2 
F   p     ( b 2 L)   50 b   p      ( b 2 L)
 2  3 
 2 3 
L

28

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
14
 
Exercício: Um vórtice é definido pelo seguinte campo de velocidade V u e  , onde o

K
componente angular é u  , sendo K a intensidade do vórtice constante (K=-10 m2/s).
2 r
(i) Determine se o escoamento é irrotacional.
((ii)) Determine a função
ç de corrente que
q representa
p o escoamento
(iii) Determine a diferença de pressão entre os pontos (1) e (2) e entre (1) e (3), sabendo que o
fluido é ar [=1,2 Kg/m3]. O ponto (1) possui coordenadas (ri = 2 ; 1 = 00) , enquanto o
ponto (2) e (3) possuem coordenadas (r2 = 2 ; 2 = 900) e (r3 = 4 ; 3 = 900)

  K
V u e  u 
2 r

 1  r u   1  ur
É irrotacional:   V  ?  z=   0  é irrotacional.
r r r 

29

(ii) Determine a função de corrente que representa o escoamento

1 
A função de corrente é definida como u r  , u   , logo
r  r
1   K K
ur   0    f (r ) ; u     ln r  Cte

r  r 2  r 2 zero

(r1 = 2 ; 1 = 00) ; (r2 = 2 ; 2 = 900) e (r3 = 4 ; 3 = 900)


Os pontos (1) e (2) estão sob a mesma linha de corrente, a qual é igual a 1 = 2 = 1,103
A função de corrente associada ao ponto (3) é3 = 2,206

30

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
15
Como o escoamento é irrotacional, logo podemos encontrar a diferença de pressões entre
quaisquer pontos utilizando a Equação de Bernoulli

V2 V2 V2 V2 2
p p p p  K 
 gz constante  1  1  2  2  3  3 ; V 2   
 2  2  2  2 2  r

 V2 V2    K 
2 
p1  p 2    2  1      1  1  = zero
 2

2 

2 2  r
2
2 2
r1 

 V2 V2  2 
  K  1 1
p1  p 3    3  1      = -0,285 Pa
 2 2  2  2   r2 r12 
  3

31

1a Questão: Considere o escoamento de ar de baixa velocidade entre dois discos paralelos conforme
mostrado. Admita que o escoamento é incompressível e não viscoso, e que a velocidade é
puramente radial e uniforme em qualquer seção. A velocidade do escoamento é V = 15 m/s em R =
75 mm. Estime a força líquida de pressão que atua na placa superior entre r = ri e r = R. Sabe-se
que ri = R/3

32

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
16
2a Questão: A distribuição de velocidade num escoamento bi-dimensional, permanente, não viscoso,
  
no plano x-y, é V  3 x  6  i  4  3 y  j ,
 
A aceleração da gravidade é g  g k , e a massa específica é 825 kg/m3.
(i) Isto representa um possível escoamento incompressível?
(ii) Determine os pontos de estagnação do campo de escoamento.
(iii) O escoamento é irrotacional?
Avalie a diferença de pressão entre a origem e o ponto (x, y, z) =(2, 2, 2).

33

Mecânica dos Fluidos II – 2011.2 – Dept. Eng. Mecânica – PUC/Rio – Prof. Angela O. Nieckele
17