You are on page 1of 6

1 localização e meio ambiente: um ponto de vista geográfico

Este livro enfatiza as cidades e o estilo de vida urbano associado a elas. Ao mesmo tempo,
introduzimos uma série de insights espaciais cada vez mais complexos, que representam a
contribuição especial da geografia para as ciências sociais e físicas. Capítulo por capítulo,
construímos uma imagem espacial da atividade humana.
Para conseguir isso, nos baseamos tanto em descrições factuais da realidade quanto em
modelos que simplificam as relações do mundo real. Uma das grandes vantagens da mente
humana é sua capacidade de simbolizar e abstrair a avalanche de sensações e percepções com
as quais é confrontada. A construção de modelos é uma maneira formal e sistemática de fazer
isso e, por meio dela, a realidade pode ser simplificada para o entendimento básico. Ao
começar com os modelos mais simples, que quase não se aproximam da realidade, podemos,
pouco a pouco, complicá-los de maneira controlada até que o que antes era confuso se torna
claro.

Começamos nosso modelo construindo com suposições muito simples sobre o


comportamento humano no espaço. Para conseguir isso, reduzimos o mundo natural a uma
planície sem características. Uma vez que tenhamos adquirido algum insight sobre o
comportamento humano, somos capazes de reintroduzir as complexidades da natureza, a fim
de ver quais mudanças resultam de sua presença. Assim, começamos com modelos simples
de realidade e passamos para descrições mais factuais do todo complexo.
Esperamos, desta maneira, mostrar como um ponto de vista geográfico aumenta e enriquece
nossa compreensão do mundo em que vivemos.

Números sem dimensões

Para entender a expressão um ponto de vista geográfico, consideremos a seguinte lista de


números:

49 72 34 31 31 74 69 39 60 44 56 67

Essa sequência pode representar muitas coisas: a idade dos participantes em um painel de
discussão, o número de casas em uma amostra de aldeias chinesas ou a distância percorrida
diariamente pelos viajantes até Wall Street. Esses números são, na verdade, temperaturas
médias mensais em um local de meia latitude ou temperado. Nenhuma progressão discernível
aparece associada a eles. No entanto, a lista estabelecida é uma sequência, neste caso
ordenada por ordem alfabética dos meses do ano. É muito mais lógico organizar os números
conforme eles ocorrem cronologicamente (Figura 1-1), pois o arranjo temporal traz consigo
padrões adicionais de informação correspondentes nesses dois mapas, indicando uma forte
correlação no espaço geográfico entre altas taxas de crescimento e baixa renda. Da mesma
forma, o consumo médio de proteínas e calorias mostrado no mapa nutricional mundial
(Figura 1-5) indica maior necessidade nas nações em desenvolvimento do mundo. O
agrupamento de problemas como esses em áreas específicas sugere que seria útil estudar os
padrões formados por várias distribuições geográficas. No entanto, os padrões de mapa nem
sempre são simples ou fáceis de entender. A Figura 1-6 demonstra as variações mundiais nas
densidades populacionais.
Um grande número de pessoas vive em algumas áreas, enquanto outros lugares estão vazios,
ou quase isso.
Mas observe que tanto as nações ricas quanto as nações pobres têm áreas de população
esparsa e densa. Variações como essas complicam nossa compreensão da distribuição dos
problemas do mundo.

Padrões espaciais, como aqueles revelados a nós nos mapas acompanhantes, atraem a atenção
do geógrafo. Quase todos os fenómenos, do nível de nutrição às densidades populacionais,
culturas e ideologias políticas, podem ser melhor compreendidos quando considerados em um
contexto espacial. A maioria dos problemas enfrentados pela humanidade tem um caráter
espacial, cuja análise ajudará em sua solução. As técnicas analíticas citadas mais adiante
neste livro são úteis para entender relações espaciais complicadas, mas o domínio das
técnicas é apenas uma parte da solução de problemas. Também é necessário dispor dos fatos
relacionados aos problemas. Igualmente importantes são as teorias para sugerir como os fatos
devem ser organizados e quais técnicas analíticas são mais apropriadas. A combinação de
fatos geográficos, técnicas e teorias apresentadas neste livro estabelece um ponto de vista
geográfico, particularmente útil para a compreensão do mundo caleidoscópico em que
vivemos.

Localizações nominais versus geográficas

O primeiro insight associado ao ponto de vista geográfico é simples, mas importante.


Devemos distinguir entre palavras que implicam lugares como classificações nominais e
palavras que se referem a locais específicos. Os termos usados nas classificações nominais ou
não espaciais não podem estar localizados nos mapas. Frases como

os setores rurais e urbanos da economia


os mundos desenvolvidos e em desenvolvimento
civilização ocidental
América negra
subúrbio

use termos de lugar nominalmente. Obviamente, essas palavras indicam diferentes tipos de
ambientes, mas além dessa distinção, o que essas palavras nos dizem? Onde estão localizados
os setores rural e urbano da economia? Os habitantes de Connecticut e Michigan que habitam
o país e viajam diariamente para escritórios e fábricas na cidade são mais bem designados
para a América rural ou urbana? Quantas fábricas uma nação precisa estar localizada no
mundo desenvolvido e não no mundo em desenvolvimento? Por que os cursos na civilização
ocidental incluem a Mesopotâmia, o Egito e, às vezes, a Pérsia, mas não a África
Subsaariana? O que acontece quando a América negra quer se tornar parte do subúrbio?

O uso de palavras de lugar dessa maneira apresenta uma divisão abstrata de dados. Não há
nada de errado em usar as palavras dessa maneira, mas é importante lembrar que as palavras
abstratas geralmente têm tantas conotações quanto as pessoas que as usam. Distinguir termos
de lugares com localizações reais de termos de lugares usados nominalmente é uma maneira
de esclarecer nosso pensamento. Tentar definir as localizações geográficas dos termos de
lugar usados nominalmente nos dá uma percepção e informação adicionais - mesmo se
acharmos as localizações reais de certos termos nominais tão ilusórios quanto o fim do arco-
íris. Por outro lado, aprender a pensar sobre o espaço real em termos abstratos é um passo
importante na compreensão de teorias espaciais e técnicas analíticas, que, por sua vez, nos
levam a novos insights sobre o mundo real.

Primitivas dimensionais: uma maneira de olhar o mundo


Todos nós usamos palavras referentes à localização em nossa fala cotidiana. Nomes próprios
como Nova York e substantivos comuns como país e cidade, assim como adjetivos como
próximo e distante, ocorrem nas categorias. Podemos pensar nas cidades como pontos ligados
por linhas de transporte entre si e às áreas agrícolas. Há outro primitivo dimensional com o
qual estaremos preocupados à medida que nossa discussão se desdobra. O volume segue
logicamente após a área. No entanto, limitaremos nosso argumento atual a pontos, linhas e
áreas, pois esses são os elementos espaciais sobre os quais a criação de mapas se baseia. Mais
adiante neste livro, falaremos sobre variação espacial na distribuição de muitas coisas, como
renda e população. Essas distribuições podem ser mostradas em mapas bidimensionais, assim
como podemos descrever planícies, superfícies contornadas, colinas e montanhas.
Distribuições bidimensionais ou planas são plotadas ao longo de dois eixos designados por x
e y. A terceira dimensão é plotada em um terceiro eixo, ou z. O valor linear mais direto que
pode ser mostrado no eixo z é a elevação. Medidas de valores verticais, tais como para alturas
de edifícios, são mostradas no eixo z. Muitas vezes, o valor plotado no eixo z representa uma
abstração: por exemplo, densidade populacional. Por outro lado, localizações geográficas na
forma de pontos, linhas e áreas sempre são mostradas pelas coordenadas x e y.

Uma visão ordenada das relações entre primitivos dimensionais

O mais comum das coisas cotidianas pode ser visto espacialmente. Considere o campus onde
você está estudando agora. Você e seus colegas podem ser considerados como concentrações
de energia biótica dotadas do desejo de aprender. Em uma escala de mapa adequada para
mostrar todo o campus, as pessoas aparecem como pontos. Nos dias bons, duas coisas podem
acontecer: o sol vai brilhar, e seus professores darão palestras brilhantes. De um ponto de
vista geográfico, a diferença entre ensinar professores e a luz do sol é que os professores são
pontuais, ou pontudos, enquanto a luz do sol entra na Terra como um fenômeno de área.
Ou seja, para nossos propósitos, a luz solar não pode ser separada em pontos individuais de
luz, mas cobre igualmente toda a área do campus.
Uma palestra é gerada em um ponto, a cabeça do professor. Quando os estudantes desejam
desfrutar do sol, o relacionamento geográfico pode ser descrito essencialmente como um
ponto para a área, uma vez que eles se dispersam pelos gramados em uma distribuição
razoavelmente uniforme, a fim de se banharem. Se você assistir a uma palestra, o padrão
espacial é um dos muitos pontos agrupados em torno de um único ponto.

Em resumo, os pontos podem ser considerados como concentrações ou focos. As linhas


representam uma função dupla como caminhos de movimento ou limites. As áreas mostram a
extensão das coisas e representam distribuições ou dispersões.
Outra maneira de ver as áreas é que elas são usadas para generalizar e classificar o mundo ao
nosso redor. Este é o campus; essa é a cidade; além é o campo.

Agora, vamos considerar a Figura 1-8, “Relações dimensionais”, que mostra todas as
combinações possíveis de pontos, linhas e áreas. A metade da mesa está vazia; seria
redundante preenchê-lo completamente. * As várias relações são ilustradas por exemplos
urbanos selecionados. O número desses exemplos é quase infinito; Cada leitor deve
desenvolver suas próprias habilidades conceituais pensando em seus próprios exemplos. Note
que esses relacionamentos aparecem no mundo da natureza, assim como no mundo do
homem.

No canto superior esquerdo, está a célula que representa as relações ponto-ponto. Embora já
tenhamos discutido um exemplo de ponto - o palestrante e seu público - exemplos urbanos
são abundantes. A relação entre um estabelecimento atacadista, como uma padaria, e suas
lojas de varejo pode ser pensada como pontos relacionados a pontos. Um exemplo de
relações pontuais seria o problema de localizar paradas de ônibus ao longo de uma rota de
ônibus.
Deveriam estar estacionados a cada quarteirão, o que tornaria a viagem muito lenta, ou as
paradas deveriam estar distantes, o que permitiria viagens rápidas, mas seria inconveniente
para as pessoas que caminhavam até as paradas de ônibus? Um problema semelhante seria
encontrar os melhores locais para vários fornecedores de sorvetes em um calçadão. As
relações de área de pontos são ilustradas pelo problema da localização ótima das estações de
televisão. O transmissor está localizado em um ponto, mas transmite em uma área mais ou
menos contínua. (Os telespectadores dentro dessa área podem ser considerados pontos, o que
abre a possibilidade de interpretar problemas de várias maneiras.) Idealmente, as estações de
televisão devem estar localizadas no centro da concentração mais densa da população. Mas
altas densidades populacionais significam altos valores de terra e impostos, o que pode tornar
a estação não rentável. Esses fatores devem ser levados em conta para encontrar a melhor
localização.

Na interseção da segunda linha e da segunda coluna, as relações entre linha e linha que
interessam os moradores da cidade incluem o problema de intercâmbios em que superestradas
se cruzam. Outros exemplos incluem o problema da construção de pontes, onde canais e ruas
se misturam. Exemplos de área de linha imediatamente chamam a atenção para todos os tipos
de problemas de tráfego.
Qualquer um que tenha sido flagrado na corrida às cinco da tarde, à medida que o distrito
central de negócios se esvazia ao longo de rodovias de acesso limitado aos subúrbios, pode
garantir as frustrações de relacionamentos inadequados entre as áreas de fronteira.

A complexidade dos relacionamentos área-área deriva das dificuldades inerentes de definir


áreas em termos de conjuntos lógicos de variáveis, bem como de definir sua extensão e
limites. Um exemplo relativamente simples de relações área-área que resultam em interações
complexas é a cidade de Berlim (Figura 1-9). Embora toda a cidade anterior à guerra tenha
funcionado originalmente como uma única entidade urbana, as diferenças políticas
subsequentes separaram as duas partes. Sua zona de contato é o infame Muro de Berlim.
Outros exemplos urbanos de área - as relações de área são as maneiras pelas quais as grandes
cidades dividem o espaço entre elas e seus vizinhos, dividindo assim seus clientes,
abastecimento de água e espaço para expansão. Ainda em outro nível, a manutenção de
territórios de gangues, ou “turfs”, nas principais cidades, resulta em violência nas ruas e até
em mortes quando grupos rivais tentam estender as áreas sob seu controle.

Alguns Conceitos Espaciais Básicos

Uma vez que aprendemos a pensar sobre o mundo em termos de suas características de ponto,
linha e área, essas primitivas dimensionais podem ser usadas para definir conceitos espaciais
básicos ou afirmações axiomáticas. Quando geógrafos falam sobre espaço, eles não
significam espaço astronômico. A exploração do espaço interplanetário e interestelar é obra
de astrônomos e engenheiros, não de geógrafos. Os geógrafos também não consideram o
espaço como um objeto ou condição que existe por si mesmo. O espaço que nos interessa é
definido funcionalmente pela relação entre as coisas. É a natureza dessa relação geométrica e
topológica que forma a base para o estudo do espaço geográfico.

Vamos dar um exemplo simples para mostrar alguns conceitos geográficos. Imagine uma
grande sala, um salão de baile ou um ginásio. A sala vazia não fornece pistas ou instruções
sobre como uma multidão pode se comportar se estiver lá. Agora imagine que uma dança
deve ser realizada na sala.
Músicos entram e escolhem uma posição ao acaso ao longo de uma das paredes. Uma vez
que eles se estabeleceram, a multidão que veio para ouvir e dançar não se comporta de forma
aleatória, mas se organiza de uma maneira muito determinada. As músicas mais próximas são
aquelas que querem assistir os músicos. Para ver e ouvir, esse grupo formará um semicírculo
ao redor da orquestra. Antes que o semicírculo seja concluído, um segundo grupo de ouvintes
pode se aproximar do centro, em vez de ficar muito longe em direção ao lado. Nesta área, as
pessoas serão embaladas juntas.

Além dos observadores, haverá casais mais interessados um no outro e na dança. Eles
tenderão a permanecer em uma área além das pessoas que estão apenas ouvindo, mas com
alcance fácil da música. Aqui todo casal precisará de um espaço maior para poder dançar,
mas a área total - embora preenchida com menos pessoas - será totalmente apropriada.
Finalmente, nas áreas ao longo das paredes e mais longe dos músicos, haverá pequenos
grupos de pessoas conversando ou esperando para dançar. Nesta última área pode haver
espaço vazio e não utilizado, bem como grupos de pessoas.

Quais são, então, os conceitos espaciais que se relacionam com essa cena? Primeiro,
orientação direcional. Há uma qualidade direcional para a orquestra. Os espectadores
interessados na música não só vão se aproximar dos músicos quanto possível, mas também os
enfrentarão. Os músicos, por sua vez, se orientarão em direção à multidão. A forma humana
tem uma orientação natural - uma frente e uma traseira - que define uma linha de visão. Uma
localização ou um ponto e uma linha de visão ou raio são necessários e suficientes para
definir a orientação. Assim, a direção é de importância crítica para entender a organização
espacial da cena que estamos considerando.

A distância é outra importante qualidade espacial.


O som da música varia com a distância.
Se os músicos são vistos como se comunicando à multidão, eles falam mais diretamente ao
semicírculo de ouvintes, e um pouco menos diretamente aos dançarinos além, que também se
distraem com seus próprios interesses. Finalmente, nas bordas da cena, onde a música é suave
o suficiente para permitir conversação, as pessoas estão menos diretamente envolvidas com
os músicos.

A intensidade da comunicação que cai continuamente com a distância é uma propriedade


compartilhada por muitos, mas não por todos os fenômenos. Um exemplo do efeito oposto da
distância é um custo de transporte que normalmente aumenta com a distância.
Outros fenômenos são invariantes com a distância - pelo menos dentro de algum alcance. A
jurisdição legal é tão obrigatória nas fronteiras de um estado quanto no seu centro.

Apesar das variações de comportamento dentro da sala, todas as pessoas estão lá por causa da
presença dos músicos. Se a orquestra sai, o padrão espacial das pessoas dentro da sala se
dissolve, pois as associações funcionais que as trouxeram não existem mais naquele lugar. A
sala ficará em breve vazia. Essa relação entre as pessoas e os músicos pode ser considerada
uma associação funcional.

Há um tipo especial de associação funcional especificamente espacial em caráter, que é


chamada de conectividade. Por isso, queremos dizer uma relação especial que os objetos no
espaço têm entre si. Observe as Figuras 2-3 e 1-10: uma é tirada de um cronograma de
ferrovias; a outra é uma cópia do século XII de um roteiro romano do século III aC. Em
ambos os mapas, embora tenham sido separados por dezessete séculos, certas qualidades
espaciais estão presentes, assim como outras qualidades espaciais estão ausentes.
A primeira mostra a Green Bay e a Western Railroad, que liga o Lago Michigan com a região
de Minneapolis-St. Paul, e a segunda mostra as estradas na Ásia Menor. Nos dois mapas,
cidades e rotas são de grande interesse. Nos dois mapas, faltam verdadeiras distâncias
proporcionais.
Nos dois mapas, as direções verdadeiras ou a orientação do mapa também estão ausentes. E,
no entanto, ambos os mapas contêm quantidades significativas de informações e fornecem as
chaves para viagens bem sucedidas entre as cidades que mostram. Embora os retratos
verdadeiros de distância e direção estejam ausentes, cada um mostra a posição relativa correta
ou adjacência entre as cidades. A conectividade do seu espaço foi mantida. Não importa quão
distorcida seja sua representação do mundo, um viajante poderia encontrar o caminho de
cidade a cidade usando esses mapas, pois cada cidade mantém sua conectividade com seus
vizinhos.

Esses, então, são os três primeiros conceitos espaciais com os quais estamos preocupados:
distância, direção e conectividade. Eles aparecerão de novo e de novo nos capítulos seguintes.
Em combinação com conceitos dimensionais de ponto, linha e área, isso fornece um começo
para todos os tipos de análise geográfica.