You are on page 1of 6

SALMO 11

Segurando rápido para a fé


Composição e Contexto
Só se pode especular sobre qual situação poderia ter sido ocasião para a
escrita deste salmo. Das várias sugestões, a idéia de Bellinger de que o salmo
está originalmente relacionado com a busca de asilo, mas depois encontra uma
aplicação mais ampla é plausível.10 Ele vê o arranjo do salmo seguindo
em três partes, um lamento, uma expressão de confiança e ação de
graças, embora a ação de graças seja um tanto subjugada. Se David escreveu
o salmo há várias ocasiões que se encaixam na idéia de buscar segurança,
algum evento em seu conflito com Saul ou Absalão talvez.
O salmo tem nove linhas de poesia, as quatro primeiras apresentam a tentação
de fugir em vista do perigo, e os cinco últimos fé confiante do salmista expressa
em resposta à tentação. A tentação de fugir dos inimigos forma uma crise de
fé. o o salmista pergunta: "Como você pode dizer para mim: 'Fugi como um
pássaro para o seu montanha '. ”Ele está citando outros, mas a questão é onde
a citação termina. Se incluir os versículos 2 e 3, a tentação seja que ele deve
fugir porque os inimigos vão arrancar as fundações da sociedade, e ele, o
justo, seria impotente. No Por outro lado, se o salmista está falando no verso 3,
ele estaria respondendo-os dizendo que sem as fundações ele poderia
fazer nada, os fundamentos referentes à sua fé no SENHOR. Ambos dessas
ideias são possíveis, mas a primeira parece mais provável. Eles pergunte o que
os justos podem fazer se as fundações forem destruídas, e Davi responde que
eles podem se refugiar no SENHOR. assim então, começando com o versículo
4, há uma mudança definitiva de tom para a da notável garantia que reforça
essa resposta confiante.
Análise Exegetical
Resumo
Resistindo à tentação de fugir num momento em que a destruição
de autoridade legal parece iminente, o salmista se aferra a sua fé no SENHOR
que ama a justiça e, finalmente, destrua os ímpios.
Esboço
Eu . O salmista resiste à tentação de fugir quando o a destruição da autoridade
legal parece iminente (1-3).
A. David é surpreendido pela tentação desde que ele confia em o SENHOR
(1a).
B. David relata a tentação que ele recebeu de fugir do perigo dos ímpios (1b-3).

1. Ele deveria fugir como um pássaro (1a).


2. Ele deveria fugir porque os ímpios tentam destruir o direito (2).

3. Ele deve fugir porque a segurança do santo é desesperadora em vista do


caos iminente (3).
II. O salmista reitera sua firme fé no SENHOR que examina todas as pessoas e
acabará por destruir os ímpios porque ele ama a justiça (4—7).
A. David contrasta o problema na terra com o soberano autoridade do
SENHOR no céu (4a).
B. David contrasta os ataques dos ímpios com seu julgamento final (4b-6).
1. Deus investiga minuciosamente os justos (4b-5a).
2. Deus julgará completamente os ímpios a quem ele odeia (5b-6).
C. Davi explica que os justos que confiam nele finalmente triunfar porque o
SENHOR ama a justiça (7).
COMUNITÁRIO EM FORMA EXPOSITORIA
I. O povo de Deus mantém firme a fé no Senhor Quando a ordem social está
ameaçada (1-3).
A. Os fiéis refugiam-se no SENHOR (1).
O salmista começa com uma forte expressão de fé: o SENHOR me refugiei ”. O
verbo“ refugiar-se ”(não; sv . Ps. 7: 1) significa desviar-se ou afastar-se de algo
para procurar abrigo ou proteção; existe, portanto, uma comparação
implícita entre o ato físico de se refugiar e o ato espiritual de confiar no
SENHOR por proteção. A presente nuance perfeita do verbo enfatiza que a
confiança do salmista continuou ao longo da vida.
Esta afirmação de fé fornece a principal resposta ao tentação de fugir para a
segurança, pois o salmista pergunta como poderiam sugerir tal coisa. Não há
indicação de quem está dizendo a ele fugir, mas desde que eles falam sobre o
mal atacando o justo, pode-se concluir que estes são bem-intencionados,
pessoas que tenha seus melhores interesses no coração. A resposta de David
é na forma de uma pergunta retórica ( erotesis ) para expressar sua surpresa
e rejeição de sua proposta - como eles podem sugerir que ele fuja quando ele
se refugiou no SENHOR?
O verbo “fugir” ( '11:) significa “mover para frente e para trás, vagar sem
rumo, recuar, fugir, voar para longe. ”Cognato significados incluem aramaico,“
para encolher de ”, e depois árabe,“ fugir ”. A ideia precisa é esclarecido pela
comparação (simile) a um pássaro - voe para longe montanha onde é mais
seguro, mas o salmista claramente pensou que tal fuga assustada era
incompatível com sua fé.
B. Os fiéis se apegam à sua fé quando a lei e ordem são ameaçadas pelos
anarquistas (2—3).
A razão para a tentação é que os ímpios estavam atacando os retos e
destruindo os alicerces da sociedade. o inimigos são simplesmente descritos
como "os ímpios" (521121), uma palavra que muitas vezes significa "o ímpio"
em geral, com a sensação de que elessão culpados diante de Deus. Aqui eles
mostram o seu pior lado, e assim um tradução "ímpio" é apropriado ( sv . Ps. 1:
1). Aqui é colocado em o singular (e os substantivos que seguem da mesma
forma), mas se refere ao grupo de atacantes.
Em seu ataque "eles dobram o arco e colocam sua flecha a corda. ”Estas são
descrições de sua preparação para atirar. Dobrar o arco, literalmente pisando
no arco (112117), pode se referir para pisar em uma extremidade para dobrar o
arco para colocar a corda em cada fim. A nuance do verbo seria um imperfeito
progressivo, porque a ação estava acontecendo no momento de falar. O verbo
paralelo “eles fixam” (um polel 1: 113; sv . Ps. 93: 1) seria então
um característica perfeita, afirmando que eles estavam agora se
preparando suas flechas na corda como antes. Os verbos transmitem uma
sensação de extrema urgência porque os inimigos estavam se
preparando atacar. O objetivo de sua preparação é expresso com a cláusula
infinitiva “atirar (111115, de T111) na escuridão na posição vertical do coração
”. David era claramente um dos devotos crentes, retos no coração porque ele
confiava e servia ao SENHOR. Se ele fugisse, haveria pouca razão para os
maus atire nele. Fugir não seria compatível com sua fé em o Senhor.
Os verbos podem muito bem ser literais, indicando que um exército ataque
estava em andamento. Também é possível que a linguagem seja figurativa,
comparando flechas disparadas a fala destrutiva (e então uma comparação
implícita). Setas podem ser usadas para palavras amargas (veja Sl 64:
3) . A condição da escuridão pode dar suporte a tal ataque, já que disparar
flechas no escuro pode representar dificuldade (a menos que a “escuridão” seja
figurativa e signifique “sigilo”). A palavra “escuridão” (55: 0 aparece apenas na
poesia; ela está relacionada um verbo que significa "desaparecer, partir, definir
(do pôr do sol)" O termo é usado em Isaías 29:18 para as trevas espirituais e Jó
10:22 pelas trevas e escuridão (do submundo). Aqui o palavra é provavelmente
descritiva do sigilo do ataque, mas é menos provável que ataques verbais
teriam sido razão suficiente para ele fugir para a segurança para a montanha
do que um ataque físico real.
No verso 3 uma razão adicional é adicionada para o conselho de fugir: "Se as
fundações estão sendo destruídas, o que os justos podem fazer?" A palavra
"fundamentos" ( nimjrr , relacionados com o verbo W147, “colocar, definir”) é
figurativo para os costumes estabelecidos, leis, e modos de vida na terra
(assim uma comparação implícita; veja também É um. 19:10). Refere-se às
permanências da sociedade, as coisas sobre que a cultura é construída (como
uma fundação) .11 Estes estavam aparentemente em perigo de serem
"derrubados" (ow, um termo usado em Prov. 24:31 para derrubar pedras de
uma parede). O recurso é que em face de tal anarquia, o que os 12 justos
podem fazer? A questão é retórica ( erotesis ), destinada a sugerir que o justos
não poderia fazer nada para impedir a destruição da lei e ordem.
II. A fé do povo de Deus está no soberano autoridade do SENHOR que ama a
justiça e odeia maldade (4—7)

A. O soberano Senhor examina todos na terra (4).


Na segunda metade do salmo, Davi dá a alternativa divina. Por que os justos
confiariam no Senhor? O primeiro razão é que o santo Senhor reina do céu
sobre os assuntos na terra. O versículo 4 afirma que o SENHOR está no seu
santo templo e então esclarece que seu trono está nos céus. Descrevendo o O
templo do Senhor como santo ( v . Sal. 22: 3) o diferencia de qualquer
coisa terrena, física ou profana - é o templo celestial. E a localização de seu
trono (uma metonímia para o seu reinado) no céus confirma sua soberania
sobre todos os assuntos da humanidade. Se alguém está preocupado com a
anarquia vindoura e como ela pode agitar as fundações da sociedade, então a
única esperança é a fé em o soberano e santo Senhor que reina do céu, e
que O reinado é inabalável. A confiança expressa neste meio verso é
comparável ao descrito em Isaías 6, pois numa época em que o rei morreu, o
profeta viu o Senhor, o rei, no seu santo céu, cercado por anjos que
continuamente gritavam: "Santo, sagrado, santo . ”O ponto é que os fiéis fixam
sua confiança em o soberano celestial e seus planos, e não em humanos
terrestres instituições de qualquer maneira.
A segunda razão pela qual os justos devem confiar no SENHOR é o seu
exame dos assuntos de todas as pessoas (4b). David afirma este ponto
lindamente: "Seus olhos contemplam, suas pálpebras tentam, os filhos dos
homens. ”Falando em termos humanos (antropomorfismos), ele descreve o
exame minucioso de Deus das pessoas. O uso de "olhos" é compreensível,
mas "pálpebras" é um pouco mais difícil. Provavelmente refere-se ao
estrabismo que ocorre em se concentrar de perto em um objeto, as pálpebras
se envolvendo com os olhos. Do Claro, Deus sempre sabe o que as pessoas
estão fazendo, mas esse verso afirma em termos humanos de cuidadoso e
estreito escrutínio para fazer o ponto. Os dois verbos enfatizam o exame: o
primeiro, “eis” (T1113), significa “olhar, olhar atentamente, eis”; aqui se refere a
investigação divina, ou seja, a plena consciência por Deus de cada detalhe da
vida humana. O segundo verbo, “examine” (11: 1 ; sv . Ps. 139: 23), transmite a
ideia de testar ou tentar algo. o palavras juntas mostram que o conhecimento
de Deus é uma avaliação conhecimento, e porque isso é sempre verdade do
conhecimento de Deus, os verbos devem ser classificados como imperfeitos
habituais. David sabia que o Senhor não só estava ciente de todas as suas
ações, mas também estava testando-os; portanto, ele queria ter certeza de
que ele estava operando pela fé e não pelo medo.
B. O soberano Senhor lida em retidão com o justos e maus (5—6).

Nos dois versos seguintes, o salmista tira as implicações do conhecimento


penetrante de Deus sobre os assuntos das pessoas. Ele primeiro se concentra
nos justos (5a) e depois nos iníquos (5b-6). Concernente aos justos, ele
simplesmente reitera que Deusexamina-os. Neste contexto, portanto, o
SENHOR pode ter vem testando a fé de Davi com a ameaça de anarquia e
perseguição, pois na Bíblia eles são freqüentemente o meio de Deus provar fé
dos crentes.
O contraste é com o modo como Deus lida com os ímpios (o O texto usa uma
forte diretriz disjuntiva : “Mas os ímpios”), que forma outra razão para David
permanecer firme em sua fé. Com os ímpios não há prova ou teste (essa ação
se aplica onde o SENHOR quer desenvolver uma fé mais forte nos
crentes); aqui só há repúdio e um aviso de julgamento. o objetos da ira divina
são "os iníquos e aquele que ama violência. ”13 A palavra“ violência
”(01913; sv . Sal. 58: 2) refere-se a um variedade de atos de violência, variando
de injustiças sociais a linguagem lesiva. Os ímpios são pessoas que acabam
promovendo tal violência; eles podem chamar de outra coisa - relações de
negócios astutas, reforma social ou mesmo limpeza étnica - mas se isso destrói
as pessoas no processo, é uma violência perversa. o o salmista declara que o
SENHOR odeia a violência com todos os seus sendo (literalmente, "sua alma
odeia"). 14 O verbo "odeia" (71253117; sv . É. 139: 21) um gnômico perfeito
aqui para expressar uma verdade universal, Indica que Deus não apenas acha
sua violência detestável, mas ele também rejeita, para odiar algo é
essencialmente a REJ ect e amar algo é escolhê-lo.15 Coisas que o
SENHOR odeia será punido no final, porque eles são pecaminosos
e destrutivo. 16
O versículo seis retrata o resultado do desprazer divino - julgamento. O certo
julgamento de Deus é aqui expresso na forma de um desejo ou uma oração,
"Sobre os ímpios possa chover" (119112 é o jussivo hiphil) .17 O salmista usa
uma palavra comum para“Chuva” (aqui no causativo, “faça chover”) para
expressar julgamento divino que cairá sobre os ímpios (uma comparação
implícita, pois não haverá chuva de verdade); ele faz isso para retratar
o destruição dos ímpios de uma forma que será claramente vista
comosobrenatural.
O primeiro objeto do verbo não se harmoniza com o outras. A palavra no texto
hebraico significa "armadilhas", qualquer tipo de armadilhas, como armadilhas
para pássaros. Talvez o salmista tenha usado essa palavra para expressar a
ironia disso: ele foi tentado a fugir como um pássaro, mas Deus logo enviaria
armadilhas - armadilhas para pássaros - para pegá-las em
suas maldade. Quando o julgamento cai, é o ímpio que fugirá para as
montanhas para a segurança (veja Mateus 24:16), mas eles vão
encontrar nenhuma escapatória.

A linha continua com várias outras palavras para o julgamento que Deus
enviará: “fogo, enxofre ardente, e um chamuscar vento ”- essa será a porção
da sua taça. O simbolismo de o cálice da Bíblia é usado para o bem da
vida; poderia ser uma xícara de bênção ( Sl23: 5; 16: 5)), ou uma taça
de julgamento, fúria e terror (Is. 51:17). O que está reservado para os ímpios é
fogo e enxofre e um vento abrasador . O vento escaldante (possivelmente a
queima respiração, como em Isa. 11: 4) significa um furioso e ardente calor,
uma figura para o julgamento divino. Estas descrições podem muito bem
refletir um julgamento de fogo real (e, portanto, uma metonímia de qualquer
efeito ou adjunto) se o salmista tem em mente algo como o divino julgamento
que foi derramado sobre Sodoma (talvez causado por atividade vulcânica que
vomitou o fogo para cima para chover sobre o cidade, ou talvez algum outro
meio pelo qual Deus derramou um consumindo julgamento sobre os
ímpios). Se o salmista era pensando nisso ou não, a passagem antecipa o
grande julgamento isso ocorrerá no final dos tempos ( Zc 14: 12-15). Se ele
tivesse em mente um cumprimento mais imediato também, então nós não
podemos sabe exatamente que forma esse julgamento divino poderia ter
tomado no momento. As palavras se aplicam muito bem ao divino final juízo
sobre os ímpios no fim dos tempos, assim é o resultado do ódio do SENHOR
à maldade.
C. O soberano SENHOR ama a justiça e a vontade faça o justo triunfar (7)
No último verso a razão para o julgamento é vista a partir de do outro lado: “O
SENHOR é justo, ele ama a justiça”. 18 Porque o SENHOR é justo, a
iniqüidade não suporta; porque o Senhor ama a justiça, odeia a
maldade. Para Para que as ações sejam chamadas de “justas”, elas devem
obedecer ao padrão de Deus, pois somente ele é verdadeiramente justo. O que
não mede Até este padrão é pecado. Assim, a promessa de julgamento é
o efeito imediato da maldade da raça, mas a causa principal é a natureza justa
de Deus.
O salmo conclui com uma promessa de grande triunfo para aqueles que são
íntegros: “eles verão o seu rosto”. esta linha poderia significar simplesmente
que os justos veriam favor em defendê-los e entregá-los, pois a “face” de Deus
é usado figurativamente para favor divino (Nm 6222-27; Sl 30: 7; 31:16). O
salmista pode muito bem ter mais em mente do que isso; ele pode aqui estar
expressando a esperança dos crentes de todas as idades que algum dia eles
verão a Deus (veja Sal. 17: 15; Jó 19:26). Isso iria ser a maior vitória para os
justos, especialmente em contraste com a sorte dos ímpios.

MENSAGEM E APLICAÇÃO
A mensagem central deste salmo poderia ser formulada desta maneira: Diante
do colapso da lei e da ordem com ataques de os ímpios, os justos devem
permanecer firmes em sua fé no Deus soberano que reina e julga de cima. O
salmo descreve a anarquia, a iniquidade nos altos escalões e os ataques
ao justos nesta descrição da sociedade sem deus. Não é tudo sombrio; os
justos sabem que Deus é soberano, que ele ama os justos e que acabará por
consertar as coisas. Deus reina do céu; é o seu reino. Ele pode permitir que o
mal exista por um pouco tempo, mas no final ele irá destruí-lo.
Mas enquanto isso, os ímpios têm que ser suportados. Lá são momentos em
que alguém é tentado a fugir, mas se isso é feito de medo e não pela fé, é
errado. O crente deve viver pela fé e isso inclui saber quando sair e
quando ficar. Por ficar alguém pode defender a justiça no meio de uma
sociedade corrupta, mesmo que haja ataques maliciosos e perseguição. O
crente não deve ceder a um ambiente corrupto, e se permanecendo fiel, o
crente sofre por isso, pelo menos o sofrimento será por causa da justiça.
Se os crentes estão absolutamente convencidos de que o soberano Deus reina
do céu e que um dia ele destruirá os iníquos, então eles podem ser corajosos
diante de antagonistas. Jesus adverte seus discípulos que ele está enviando-os
como ovelhas entre lobos (Mt 10: 16-20; cf. Atos 20:29), mas ele lhes diz
que eles devem permanecer firmes na fé e não temer aqueles que só tem
poder sobre o corpo (Mt 10:28), mas teme o SENHOR que tem poder sobre o
corpo e a alma. Os servos do SENHOR enfrentaram com tal oposição com
risco de vida deve responder com fé, fé que o Senhor está governando sobre
os assuntos dos seres humanos e irá fornecer sabedoria para decidir qual é a
melhor maneira de responder para qualquer situação. Por exemplo, o apóstolo
Paulo permanece muito sofrimento em seu serviço ao Senhor enquanto ele
defende a fé, mas por causa do serviço continuado ele também acha sábio
para escapar por cima da parede em uma cesta (veja 2 Coríntios 11: 24-33).

Related Interests