MINISTERIO DA ECONOMIA, FAZENDA E PLANEJAMENTO FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTAMST1CA - IBGE DIRETORIA DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE RECURSOS NATURAIS

E ESTUDOS AMBIENTAIS

CLASSIFICAÇÃO DA VEGETAÇÃO BRASILEIRA, ADAPTADA A UM SISTEMA UNIVERSAL
Hennque Pimenta Veloso Antonio Lourenço Rosa Rangel Filho Jorge Carlos Alves Lima

Rio de Janeiro 1991

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTAl1STICA Av. Franklin Roosevelt, 166 Centro 20 021 Rio de Janeiro, RJ Brasil

IBGE

ISBN 85-240-0384-7

Q IBGE

Editorada pelo CDDI

Departamento de Editoração em maio de 1991 . Departamento de Editoração

Capa: Pedro Paulo Machado/ CDDI

Veloso, Henrique Pimenta Classificaçao da vegetaçao brasileira, adaptada a um sistema universal / Henrique Pimenta Veloso, Antonio Lourenço Rosa Rangel Filho, Jorge Carlos Alves Lima Rio de Janeiro IBGE, Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, 1991 . 124 p. ISBN 85-240-0384-7 1. Vegetação Classificaçao Brasil. 2. Fitogeografia Brasil . I. Rangel Filho. Antonio Lourenço Rosa li. lima, Jorge Carlos Alves. III. IBGE, Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. IV. Titulo . IBGECDDI . Dep. de Documentação e Biblioteca RJ IBGE 191 18

CDU 582(81)

Impresso no Brasil/Printed in Brazil

Classi~caçáo da Vegetaçáo Brasileira, Aáaptada a um Sistema tJr~wersal
Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais - DERNA
Lu¢ Góes-Filho

Autores Henrique Pimer~a Veloso - Engenh~ro Agrónomo Ar>tonio Lourenço Rosa Range! Filho - Engenheiro Flor Jorge Carlos Alves :ima - Engenheiro Florestai Colaboradores João Boa da Sïfva Pereira - Biólogo Cláudio Belmonte Athaide Bohrer - Erx,~enheiro Florestal Ronaldo Marquete - Biólogo Angu Mana Studart da F Vaz - Bióloga Marli Pires Monn tema - Bióloga Roberto Mïgciel Klein - Bió~o i.t>Cia Gonçalves frio - Geógrafa ** Heliomar Magnago - Engenheiro Florestal *** ~u¢ Alberto Dambrós - Eng~heiro Fbrestal *** Desenho Regula Ju~ane~ Ãnibal da SlMa Cabral Neto Suporte Técnico Operacional Mana Helena de Almeida Julla Marca Mala Campos Minara da Sitia Ferreira Apoio Técnico Operacional Luoia Mana Braz àe Carvalho Iara Amakiin ~ Magalhães Isis Barros Neves Os autores gostanam de agradecer de forma especial à equipe do DEDIT, através de suas Divisões DICOR e DITiM; pela aferição e carinho dispensados a esfe trabalho.

* Dï~sáa de Geaoïêna~as de Santa Catanna DfGEO1SG ** Di~nsao de Geooïéncias da Bahia " DfGEOIBA *** ~nsao de Geocü3nc~as de Guiâs DlGEt31G0

. . . .^" . . . . . . . de 3~8"2 . . . . . . .05 . 2~_ FITOGEOGRAFIA DO ESPACO INTERTROPICAL SUL . .3 Classificação de L i n d al vm Bezerra dos Santos . . . .. . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . .° .° . . |2 . . . . . . . . . . . . . . . ° . .5 Classificação de Aroldo de Azevedo . . . . Sampaio . . . .3 . . . . . . .°~ . . . ." . . . . .~""° . . . . . . . . . . . . . . . . . ."~i° . .. . . . . .1 . ." . . . . . . . . . Zona . . . . . . . 29 01. . . . . . " . . . . . . . . . . . " .° . . . . . . . .. . . .Classificação de EJlemberg a Mue lle r-0o mbo i s . . . .. " . . . . . .~~. . .2 . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . .Cl ass if ^~caM de George Eitem . . . . .~ . .4 3°2. . . . . . . . . . . . .^^° 2i2 . . . . . . . 2°2| . . .° . . . . . . . . . . . . 3a1.3 3S2 . "" . . . . % mper io fJm. ... . . . . . . 2a2 .Classificação dm Taw s lew & Ch /pp " . . . . . . . . . .. . . .Classificação de B ur t t-D avy . . . . Classificação de Gonzaga de Campos ° . . . . . " . ~ . . . . . .° . . -~ . . . . ." . . .Classificação das formas de vida d e" R~Mae r. . . . . .4 . . .Classificação de Am b rmv ill e . . . . . . . .2 . . . . .. . .. . . . . . . . . . . . .C l ass/ fi caçOs Universais . . . .2 -3 . . . . .." . . . . . vida. . . . . . ~ . . . . . . . . . . .6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .° . . .5 Sistema . . . . . . . .. . . . . . . . . . .. . . - 40 41 4í 43 44 44 44 44 44 44 M . . " . . . . Região . . . . .Classificação de Danserma# . . i5 35 3. .. . . . .Classificação de Sch /mpor . ." |2~2 .~ . .. . " .° . . . . 5 . . Classificação de Andrade-Lima a Veloso . . . . 2M6 Classificação de Mar Nm h l m am . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . |M . . . . . . . . . . . . . . ~ ° . . . . . . . . . . ." . . . . . . . .Chave de classificação das formas de Rauumk ! aer v modificada a adaptada ao-Brasil . . . . . .. . . . .2 Classificação de Alberto J . . . . . . 01 . . . 40 2-3 . . . .Sumula H/stwro ca . ." .9 Classificação de Ri zz i n / . . . ou .. ." .° . .~ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 . ° ° . . . ~ ~l uí . . . . . st ~cm . . . .. . . . . . . . .. . .2 . .í . .. . . . .. . 2M4 2 . . .7 EM Classificação dm Projeto RADAM . . . . . . .. .. . . 3S2 .° . . . . . Do m i n io .1 3-2 . . ~ . . . .° . " . . . . . . . . . . ... . . . . . . . . 20í . . . . . . ~2. . . . . . . . .. . . . . . . . 20M0 . . .Classificação de Martius . . . .Integração da Nomenclatura Universal ° . . . . . . . . .2 . ." .Terminologias .SUMÁRIO 1 _ INTRODUÇÃO . . ads^p-_ t aoXas as c mwdoZes brasileiras . . .Formas de Vida . . . W . . . .í . . . . . . . . . . . . . . . .2 .Cla ss + f ocaçAs Brasileiras . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . 38 2"2°7 . . . .". .CONCEIADOTADAS . . . . . . . . . . . . . 2 . . . . . . . ^- 13 14 15 15 17 18 20 21 22 23 26 31 33 33 34 34 36 37 UM . . . . . . . . . . . . ° . . .Classificação de Trmch a /n . . . . . . . . . . . . . ° . . . . . . . . .. . . . . . . . . . .

Sin!1 . . . . .. . . 3`2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . .DISPERSÃO FLORíSTICA REGIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . ra 3 . . . . . . . " Y . . . . . 3 . . . . . . .2 . . . . . . . . . . . .. . . . . . .4 . . . . . 3N2 . . . . .2 . . . . . .4 w. . . . . . . . . .. 3 R2 . . NbpY . . .17 . . . . .Formação a Y . Floresta Ombrofila Aberta . .Comunidade . . . . . 3 .Y . . .. . . Y2 . . . . . . 3 .Regi ao Flor}stica do Sudeste (Floresta Ombrofila Densa. .Savana . . . . . .23 .3 Formação propriamente dita . . .ixYY . . . . . . . . . .Campinarana . . . .Ombrofila Densa. 3 . . . . uma . . . . . . . .24 Associação YYYYpY . . nono* 3R2 . . . . . . . . . . . . . . . . . " .. . . .2 . . . 3 . . .NY . . . . . . . . . . . . . . . . . . . í -oec o l og i a . . . . . . . . . . . . . . . . . .w . . . . . . . . 5 . . . . .. . . . " x Cartografica . . . . . . . . . . o . . . . . . 3-f . . . . . . . . . .p .a .Classe de formação . . . . . . . . . . . . . . . .Reg . . . . . . . .Yaw " .9 . . . . . . . . . . . . . . . . mano . . .Facees de uma formação .Floresta . .Y . . . 6 51 53 57 . . . . . . 4 . . . .* . . . . .xa . . . . . .Y . . . . . . . . . . . . .Regiao Floristica Nordestina {Savana Estépica (Caatinga . . . . . . . . . . . . . 5-4 -. . . . N " 4RR . . . . . . . . .15 .2 . . . . Estacional Semidecidual e Floresta Estacional Decidual) 5 . . . . . . . . .R .N . . . . . . .bYN . . . . . . . . . . 3 :. . . . . . . . . . .29 Och10spéc t e . . . . . . . . . . . . .Subgrupo de formação . . . . . . . -Escalas Sistema Sistema Sistema . . . Y . . . . . .32 . . . . . .11 . . . . . . . . .Estepe . . .Fitossociologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16 w. . . .b . . . . . . . . . . .. 3 "=L . 3 . . . . . . . . . " . . . . . . . . . . .Y WY2 . . . . . . . .Y .6 . . . . . . . . . .2 . . . .* . de Classificaçao FEtossocfologxco-biologica . . . no 5 . . . . 32 .Yxb . . . . . .Grupo de formação . . . .. . . . .'25 . . . . .8 . . .2 . . . . .Regiao Floristica Amaz"onica (Floresta . .. . . .Y . . . . . . . . . . 3 .. . . . . . . . . . . . . . w w Y .Y . .YYYYM . . . . . . . . .4 . . . . .3 . . . 0 . . " .f . . . . .ppYxw de Classificação Fisionômico-ecologïca " .. . . . . . . Floresta Ombrofila Densa . . . . . ww w ww 3'f2 " w _ 44 44 44 44 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 45 46 46 46 46 46 4 > 46 47 47 47 47 47 47 47 47 48 48 48 49 49 50 4-. . . . 3 .:2 .a de Classificaçao Floristica . . . . do sertão arido com suas tres dijunçOes vegetacionais) . . . . .N . .í4 . . .2 . . . . . . . .Y . . . . . .2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .p 3 . . . . .31 . .Yaf . . . . . . . . . 50 5 . . .21 -. . . . . . . aPpY . . .. . . . . . . . .2 .20 Parque . . . .2 4. .3 4 . . . . .7 °' Ecotipo . . . . . . . . .28 . . . . .RN " YR . . .<. .iao Floristica do Brasil Central (Savana. . . . . .2 . .SISTEMA DE CLASSIFICAGZO . . 3. . . . . . Y . . . . .2 . . .4 . . . . . . . . . . . . . . " .Consorciação ou sociação . . .wY .no .Y . . 3 . . . . . . . . . .í9 . . .Subass ciaçao '" . . . . . . . . . . . .. . .Savana Estepica . . . . . . .a . . . . . . . .Y . .á. . .nono . . .27 M Facees . . . . .Variante . . moa . . . . . .YY . . .. . . . . . . .Subclasse de formação . . . . . . . . .a . Floresta . *no . . .18 . . . . . 3 . . . . .Climax edafico . . .YraaY . . . . . . . . . . . .w . . . . . . . 3 .22 . . . . . . . . . . . .w . .KNKf .f . . . . . a . .-. . . . . . .34 -. no . . . . . . .Wegetaçao disiunta .. . . .Setor . . . . . . . . x . . . . .. . . " .xY . . .. . . . . . . . . . . . . .a . . . . . a . . . . . . . . . . Região ecológica i N " . . Floresta Estaciona] .xYY . . .2 .2 . . . .MN . . . .-2. aYY . . . .2 . 3 ~formação .'Y .". . . . .Estratos . . . . . . . . 4 . . . .2 . . . . .2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Floresta Estacional Semidecidual . .1 4 .1 . . Floresta Ombrofila Aberta e Campinarana) . . . . .. . . . .YxY . 3 . . . . .2 4. . . .íO . . . . .i .AY . . .Y " . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2a3W-M Climax cli'matico .26 . . Y . .Np .í2 . . . 3R'2 . .2 . . . Decidual e Savana) w . . . .YY . . .3 . . . . . . .

~ . . .. . . .~ .í . . .~ .~ . . .~ . ~ .-Sistema F i s .~ . . . . . . . .° ." . . .1 . .~ . . . . .Floresta 0mb r ó f.~ . ~ .1 . .~ . . .° . . . . Decidual e Savana) . . . . .~ . . . . 60 . ' das Terras Baixas ~~ ..~ . .. .3 -6^~8~7 . . . .Floresta Ombrofila Aberta Montana .Floresta Ombrofila Aberta das Terras Baixas . Floresta Estac i oual ~ . -~1 3 .Camp /marana Arborizada . . .~~ .Floresta E~st ac i mnal Dec / d mal Aluvial .. ~ . . . .1 . . . . . .. .. . .°~ .3 ~ Floresta Es t ac i om al Dec i dua l Sub mmmtana . . 60 . ~ . . ..~ . . . . . Floresta Estac/mnal Sem/dec/dual. ~ . . . . .6 . .í .Floresta Ombrofila Densa 6 . . . . . 0 i~6 ." .1 ."" .~ .. .3 .2 60 4 . ~ . .~ . . .~~ . 7 ~ . . . . . . . . . . . Montana ° .3 W .~ . . . . . . . . .Camp/naran a Gram i ne o-Lmnhosa = . .° .~ . .° .4 ~ Floresta Estac i on a l õe c /daaI Montana .Floresta Est ac / onal Dec i d ual (Floresta Tropical Caduc /fol+a) " . . . 6°1°5 .° . .. . .2 W .~ .* ." . . .* . . .° . . .°~ . . . . . . Semi dec /dual i dualMomtama ~ . . . .~~ . . . 7~Z 72 72 73 74 (Floresta Tropical W . 6 .~ . .. . . . . . .° . .1 W .2 . .Camp /narana Florestada . " . . . . . .= ï Floresta Floresta Floresta Floresta Floresta Ombrofila Ombrofila Ombrmf/ la Ombrofila Ombrofila Densa Densa Densa Densa Densa ~ . . 4 Floresta Floresta Floresta Floresta Est ac/on a l Estac!onal Eetac i onal Estac i onal 75 Sem/dec i dmal Aluvial .~ . .1 .. .. . .1 6 .~ . Savana(Cerrado) . .~o . . ~ . .2 6~. (Floresta Pluvial Tropical) Aluvial . . . . . . A lu~~oa~ 60 . . ." .~ .~° ."" . . .. .5 .° . . . .~ ." .° . .Floresta Ombrofila Aberta (FaciaçAs da Floresta O mbro fila Densa) .Floresta E sta c /on a l Qe cid maX das Terras Baixas .~ . . .. .. .1 . . . .= .°~ . Alto-Montana 6 . ." . . ° . . . . . .°~ .~ . ." .° . .~ .1 .1 . *. . . ó. . .i .3 . . . .. 6"1 4 . .. . ~ . . . .5 . . . . . .. . . Montana . Subm ontan.° . . . .~ .~ .4 ~ Floresta Esta ci ona l Semidecidual S u b ca d uc/folTa ) ." 76 das Terras Baixas Sem/dsc!dual 76 S m b mmntan a ~ . . . . . . = . . . . . . . . .~ ..1 . . .1 . .1 .í . .3 W°3 .76 Sem/dec 77 78 78 79 80 82 84 04 84 85 6 .0 . 6 . ~ Floresta Floresta Floresta Floresta Ombrofila Ombrofila Ombrofila Ombrofila Mista Mista Mista M i sO Aluvial . . . . ~ .4 ós 69 7(9 W°2 - 7& Floresta 0mb rúf^ lo Mista (Floresta de Araucar / a) .~ . l a Aberta Sub mon t an a " . " ~ . . . . .~ ..202 . . .6 . . . . . W"5 . . . . .5 .~ . .~ . . .~ . .m nÔ mm icm-ecolng/cm W 1 .Camp i narana Nam p /na) . . .~ . .~ .~° 71 6~í 2 . .o . ~ . .~ .1 . .4 . .2 6 . . .4 W . " . A lt o-Montana .. ." . . . . .2 .. . . .2 . . . . .. . . 60 63 63 63 65 66 66 67 67 6 _ CLASSIFIDA VEGETAMO BRASILEIRA 6 . ° . . .1 . 8ubmomtaoa . .~ . . .~ . . .3 .~ . . . ~ 0 . . . . . .3 /S SI ~4 . .

.rtw . Estepe Parque tCampa su..r rw . . Y Y w . w r r ..rar~a w r x R w R x w w R a R . x .~ w x w . ~rbar ~ rada « w .~ . .i w9 . Y r . i r .al " . Y R Y de c:errada} r x w b a a .Vegeta~~a ó .ty i al tCr~ni "" xn ~ d~ades alu-.:w. . .~7r6 . campas salenas} w r .~ pI Y~i ~"~" ~avana Gram ea--i. x r r w r . ~5' -í x + Y~ -.2 r. x w Y w Y x .4 -~ ~. Y r-p w .. w . w Y w a Y b Y w r r . r ./.LYIC `-~ ~'. . "~. . . w Y w r r w w w w w . Y .-&wíwí_ -~ i~ase prcntecra da sucessaa natural .rwxrYw .M Y w w .6? :w..Y w' . . _. x x Y r r x Y w w r r . ~ nflut~nc t a vcacs} .~k-3 cam fl~. R a R . w r .0i í0 :'a .l .wYY. . ~ Usa da terra para a agrapeci.rcessaa natural Y r r x_r Y w .enha~a tCampca) .Arbarc~ada xrrwrxaYrYwrwawxxwwxwaaawrr h" . b r Y Y b~-1wQ -~" ~avana Estepica t5avanas secas e.4~ Estep ~ ~~ ~~are . x a w w Y ~wQx~w~ ""~ ~-Fase ~~.E~aa tTensaa Eccalvgcca} Yrrrw .6 -" Scstenta da tlegeta~ . r r Y « w r x PC~r~~.i . .í st ema das Refúg ~ as ~leget ac ~ ana ~ s CReI ~ c~u i as } w w « w W~Y:V """ ~ c st ema ~~ Veget a~aca f~ i sJ ~. r w x . t't~re terc ~ ra ~~ ~ . . Y ..~ . a a~ w w a R Y a w M a ~i .Jt~~~~:a Estep~c ~C~E ~~te~~C. . « ._ w Y r r w w w Y r .x .l. x w w a r w x r .~a 5ecundar ia tTratas Antrop ccas} ó_w-t~ .Sav~n~ Ark~v~ ~ ~~c1~tCan~~c~ e~rr~cla} T b . R r p .rw rxwYrYxwYrYr .tc»essao natural f 03 ~~ " ~ ww w í.r .rrwYra . . a w Y r Y Y a w .junta?á yue ~Je ccantactam} r w a a a r x « Y b r Y . ..a " ~Gt w C~ . Y w Y r . p R ~.. Y r x a Y Y R . .3 -" 5avana Par~ue tParkland -. . x x r p p r x x r R a w x a w 8f ~#~ 8~3 Y a . » . a-p w . ta~crra da r ia s x r w r x a w r t~ua~ w w x a . Y a w wwr R Y .x~~~ wG7-r~ ~~ .' . Savana `~ `.~Yi ~ nat ural w..Y flar~estamenta x x-Y. . . w M w w r r .tnt a « r r r p w Y p Y.. .~inta cia ~lucessL~a natural wYY .xrxYrw Agr c c u l-t~ur a w .~ "~. 9s. . w w Y 1 xwraY . w w Y .}a au Parkland} w . .r .'.~ . .. w w r x i0i .' . . r r .F./ w í . ." Or~GJ . r . w r w w Y a w .Vegeta~áa cam tnflui~nc ia mar cnha t"re~t cngas`r } .aL .~ .iénc~a fluv~amarinha t"níangue~.g~.w . w x w w . w + Y x Gira7 "~ . ::9r3 _. .} 9E~ 9ta Et~ ir9 r» Estepe tCampas gerais planalt ccas e Campanha tiaucha} . f R R Y 9 i" ~~ 9~ 9i. r .w . ~avana '~avana `" ~C~~fR~nC~ . r a wrw . A~aL3w~ Y_ f0 .. . . ~ .iYT .Vegetac~~-a cam ~nfl~. w a x x w w w x b .Ywara x r . w . ó~'2 .wwr ". r.+cau úm~das» Caat tnga da sert ~a ar ï da.. r w Y .~~ xrrwrrrx rwrwrwwrwsr Cram ~ nea-l. Parque WY_.x .. Y'. r rür :br9wS Estepe .. ~ x~. á~:~ .wr .Yrww Y YarY .xrbYawaYRrrbxRwwxrwYaYrRwwwwrxwrxrY ~._~.wrYr .}tada .Ecotana "~ Encrave tmcstura flar ~st ica entre t rpas de v~" geta~i~ía} t~areas ~ t ~.5~.._ . r Y ~00 ..w~w~w~ f7~.~a tFarma~óes Pronec-~~ r ~~ } . e. x w R .xr w 9~.2 ~~. í0i:# . __gra~:~er~se e Parctue de r a ~ } a -Y r r w w . esp ~n ~ lha da r .^! "~~ úiae quarta da s ".. Campcas de Rac°a i ma r Chca SLrI ~-mata °~ .n . `p~ec u ar E-~a M P « w Y Y r r x a R E~~-6xG w~~ -~ `feflarestamentcr elau G7 .. x. ~{~ aten}+~ de frans . . . .~w "~ ~~~e se. E'step~_ Gram~nea-LenhasatCampa l impa} r Y r w w Y w r ~:~ ~"" S~stema Ed~iftca de Prcmecra Qcupa~ . w .rnda da natural N x r .. Y « . a w . . r r x w ._~-r~~~r~~w~ . M M Y Y Y " Y M Y w a Y p w .. x . x r w r r x .-~ . Y . w cr.enhasa a w M x Y R w p Y x .41 b ~ " ~i ~ .rwawwrwwr ~a :~ri O. ~avana Flarestada tGerrad~a} . wGT.

Y . . . .LEGENDA DO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA VEGETAÇÃO BRASILEIRA (Escalas de 1 :258 869 até 1 :í 800 000) p " pF Y 0 . 9 . . . d . Y . .BIBLIOGRAFIA CITADA W  . . . " .7 . . . Y Y . O . . 0 .CONCLUSÃO . . joo J16 111 9 .

'o8 iló gy .° o ~~ . " . . . . VEGETAÇÃO BRASI-) . . . . . .* .~ . . . . .BIBLIOGRAFIA CITADA .° . ." °" .7 _ LEGENDA LEIRA (Escalas 0 _ CONCLUSÃO . . DE CLASSIFICAÇÃO DA 1m258 009 até 10 800 o . í17 9 .° " . ". ~ .

para avaliação e uso de termos prioritarios já consagrados na literatura internacional Observa-se pala análise da literatura consultada que não houve pre ( ip!taçã o em rela0 ão às term ina lo 0ias. sim. ` Os autores concluíram a prop i em uma concordância nas deno anal isandn m i naçO s dos Tipos dm Vegetação mu Resides Ecológicas. 11 . várias clmss i f i ca çOs m sugerindo uma que possa ser. mas. mento . que os mesmos tiveram seu uso substituído de acordo com a evolução de novas técnicas para' map ea . a( ompanhad a do termo prioritário seguida do no me popular entre parênteses .RESUMO Q objetivo deste trabalho é dar aos atuantes na área fito geográfica uma visão mais segura. também. compre e p d i d a fora do País.

We can observe in the analysis of the bibliography here used. alre ad y granted !n the international literature . the popular denomination i2 . and e(ologi(al regions sranning several classifications and suggesting one that could be also understood abroad. a (L ompanied in parenthesis by the SLientiFi (al / lassifiration.ABSTRACT 7ha pmrpose of this research is to provide to the members of the F itogeugraphy area a safer overview in p/ iorit9 terms. 7he authors propound a priority agreement in the denomina timn s ( oo ( erning to the kind of vegetation. but that the same was used in substitution with the evolution of new technics of mapping . that there was no pre( ipitatioo in relation to the t ermino l o' gies.

1 _ INTR A F i t ngeograf!a deveria segui r os mesmos ( nnceitos fi]os ó ficns das outrasci êo c !as da natureza. como : geologia. o mapeamento de determinado tipo de vegetação deve ter a mesma designação para todo o planeta. 9 esta a preocupação máxima. ~~ . pod Al!cos. determinados paiâmetras ecológicos do am b ien t e. subtropicais a z onm i s com vegetação tropical nas encostas da Serra do Mar e do Planalto Meridional do interior 0 Brasil é. . botânica e zoológica . como por exemplo : as classi fica çO s'pragmátioas^ da W icm científica. e nutras. pois sem o ad vento do mapmam e nto por intermédio de sensores remotos. estes pa/ â metros podem ser reduzidos ~`À análise pedol ó gisa r inventários florestais e a índices umbrot é rm!cus ou ao balanço Ad/ i c o que refletem a cobertura vegetal do momento. sgo terminologias de solos assim designadas por toda a extensão da Terra : a terminologia bina ria botânica e zoológica apresenta sempre a mesma nomenclatura Prioritária am todos os continentes . l atura terminnl ó gi/a é a mesma em todos us continentes e países 0 granito ( nm várias formas e tipos. tem as mes mas óesiQna vies priori tá { !as de onde foram pela primeira vez en(on trados . etc . não se deve. rede hidrográfica e vegetação No terreno. as f/sinhomias ecológicas observadas são tropicais. ns'latnssolns. assim como todos os arenitos. mm escala detalhada. em que o sistema de ch a ves binárias dos conceitos prioritários prevalece na nomenclatura geológica. dada a universalidade . sempre em escala /egional. com pe q u enas áreas subtropicais. relevo. o mais interessante a observar são as d esignmç ôes florestais mundiais Uniformizadas. que como em Filosofia científica só existe em função de uma verdade e só ela responde bem aos problemas pragmáticos da natureza. Mas a nomenclatura do sistema vegm ta] tem variado ronforme cada autor e de acordo c om o pa ís de ori sem. também pequenas. pequena parcela do Novo Mundo. é necessá ria uma uni F u/midad e (on( eitual /onf iá vel da fisionomia ecológica das mesmas paisagens terrestres . que recobrem toda a superfície da Terra em tempo relativamente curto. assim. : Contudo.al brasileira Para o pais que ocupa parte significativa da Zona Neotro pio-al. onde se p i n( u/ou sempre uma designação reg ionalista sem leva/ em conta a prioridade da fisionomia ecológica semelhante de outras partes do planeta Deste estudo. sofismar com Ovidas c a/tesianas existenciais n go científicas As diferentes manchas captadas pelo sensor remoto mostram. Ma fisio onm!a campestre. cada país adota uma terminologia reoionalísta sem proL urar identificar o nome priorit á / io que caberia an nome regio nal Pois assim o grande problema da nomenclatura fitogeográfica mundial estaria resolvido a é isto precisamente que se propia para a vegetação !n t ertropi o. Assim. pedol ó gica. Assim. a nomen o.

a f!na]mso t e S(himpe) (i90]) . Sampaio (t940). Orlusive da Botânica Após H um!>old t seguiram se vários na t u!a l ist as que se des ~ G.v es dos seguintes fiMeti bé grafns : 7ansley 8 [hipp (1926). visa sobretudo a apresenta/ versão desenvolvida pelos antores 1 . t aoA m . 1952) lihe/ Poi aluno de Kaot que u i no. 14 . ton!a cem a evolu çg o das (i ências da ler ra e do [osmns. tampo e outros. adaptada a um Sistema Universal. com Alexandre F von HumbulUt no seu li 1808. D/ude (j889) que div i diu a [m. Srhimper & Faber (t935). que da moderna F!togeografia Segue se. Acreditamos que tal diversidade esteja presa ao t ipo de estala trabalhada e à terminologia emp}ag ada. Humho}d t ensaio da des(riçO em i845/48 publicou a monumental obra Kosmo s. o consenso do tema (lass! F ira ç ão Fit n8eogr áfira ainda não foi alcançado . eotivou no psnsamsu t n pol/ti/o da da d e individual m no estudo da Geng!a P ia. também. designando os como forma çO s Em ordem /}nnnl ó gi ( a há : Eogle/ & Pran t l (t887) que ini ( !a i am a mo derna classif( i. sendo /ons!deradn (omo o pai da FitogenQ/ afia. as /1assi M aç. ( omn : át e/ P isimnÔMô n de P i pela p! imei}a vez grupou as plantas por um rar ni o o. após a ten tativa de universalização terminnl ó gica realizada pelo RADAMBRASJI em 1982. possibilitando aos naturalistas jovens novo xonhe. tom seu artigo Ptissios w omO der ~achese Mi qus siortom ü a dos Vegetais) publicado em i806 Fui. as paisagens vegetais mundiais de a ( ordo tom as estruturam P isinn Ô pai este motivo deve ser <onside/adw como o <! iadm mi/as. / ime uto da Geografia F/s{ t a. pois. i a mm zonas.0 sensor remoto tem que ser utilizado paia a ihteYAret Mo da P isiwnomia da vegetação e é nisto que se baseia a ( lassifi/ aç i o propnsta 0 presente tr a ha}ho.iseha~~j"/2) que t ao ai am no estudo /~a Geografia BVl âni e a. onde se pruc u!a usar uma no men(la t xra t ompat í vel tom as mais mode/nas (lass i P i( aç Wes [itogeo gr áfi ( as mundiais tempos filósofo alsm 90 Emmanus l Desde os do u x oo t m! t o de Geug!a P ia F í si/a vem mudando em sio K M (1724/j8W4 ).Mo sjstem á t! t a das plantas . no entanto. física do mundo. [lassific Me da Vegsta6 go Br asilei a !a. /ela t }vas an desenvolvimento a prog i esso de sua metodologia Foi. como florestas. /eg Res. vro Ans Ü chten der Nat xur (Aspectos da Natureza). domínios e smfo!es de ao o/dn (om os endemismos que apresentavam as p1 antas .Súmula Histórica 0 mapeamautu óa vegetação brasileira é antigo. embora não tenha ainda atingido n ( 0nseoso dos f R uge ó 8raPos. daí a nova p I upus Ok tom abrau Sn c i a pata todas as estalas. a esta sinopse hist ó / i(a / uma outra mais moderna donde se H esta( am. pela primeira vez. Yro/haiu (i955). Bm t t Davy W]8). Gonzaga de Campos (i926). tentou unifi ( a! que ainda no fim do Sé/uln X[X. publicado em Els que se ini ( !ou a história da Ge og/afi ã F í si/a (Humholdt.1 .

Classificacão de Martius 0 mapa f i `o@eogr áf i e o de Mart i us fo i anexado pai Gr ! seha/ h no volume Xx [ da Flora Bra sÜ l üoans Üoa em 185@ e nele há cinco reSi V es F lor í sti c as (Fi0ura 0 : ' ' es (Flora amaz Ô nica). a pesquisa dos cns s !st amas de uma ou mais associacies vegetais . embora as fisionomias ecológicas sejam semelhantes Cons i derou-se 'assim. 2M1 .os do Drude (1B89) foram ( onsiderados como ponto inicial do sistema flor/st !co-fisinn Ô miro'e c ol ó g!cu.ClassÜ f caçZes Brasileiras A história da FitogsoB!afia brasileira ioi( iou se com a /lassi F ica« ão de Martius mm 1824 que usou nomes de divindades @/e3as para sua divisão botânica .~ / A 'Presente tent at i vá un i versal i zg da da a lass } f i cação f ! Q g gr~fi<~a^b~a~il*~ira/baseia"sm em bibliografia selecionada e con` fi . onde os Fmpérios F]or í sti. quando necessário.~~E~lemb~rg /a ' Mu~}ler-~Ómb~1~~~1~~5~6). após t64 amos de tentativas de novas ( lassifi c a vies. wmetodolog i a . 1 1V 3~ ~ Q ~ r q "~^ ~/ ' . cartográfica. da qual foram retirados a nomenclatura prio! it á r!a e os cal] c e! t os ligados à Geografia Bu tân! ( a m ive/sal n )0'~'- E mpre8ou -smY ' Paro i smo.'~Vm~m~oo~é966~. sem uma defini 6ãn de aceitação dentro do consenso geográfico brasileiro . em /ada imp é rig flor/sti ( n.~ » ¡~ 'A 'rada+"" ~ i 6).1 . reg! V es e domínios com endemismos que os c a/a (t e/ izam. as sim. emad ep s (flor . sugere se //ma nova divisão fi t ngeogr áP i(a. 2 _ FITOGEOGRAFIA DO ESP INTERTROPICAL SUL Revendo a Geografia Botânica do espaço ioter t ropi(a] da Te//a. á vel . a ' ` i5 ` . Esta classificação continua até hoje. isto po!que . o conjunto fiyinn ô mico vege t ac )onal iote/ t ru à c al como pai t e da/ asma /onr e (t//aç ãu f!togeo8r F ira apenas dife pi ' r enc } ada pela ' s i st Wt i cabot â M c a ^ 2 .¡'J ^ . ' 1 G óC e M !lhx/=(Í992 >vz -Ei t en 0 8)` ~~. existem zonas. ' Oreades (flora d centro oeste). Acreditamos. nordestina). Druades (flora da costa atlântica) e ~ xeÜ as (flo/a subtropical) . ter atingido o proposto pelo presente trabalha . UNE SC0 W9 7M sR 02 in 1 01979) .^~ x v . atingindo. abr an gendo desde o sansnr!amantó remoto até u levantamento Fit osso( ioló Sico das comunidades.

foi X~Ma uma coletaiw :Atua0. completando a realidade florist ica bras i lei ra Fig 1 . t al vez . botânicas classificadas pelas maioresAsOecialiVasida época mente.'E ta MMos fAríst apresentar igaCOM f ilóãéhét iraí hástantMAfi~Ti . a não ser. ioutras duas novas régiVes florísticás : a do Chaco Boreal (flora sul -mato-giossUsê) e a daMApinarana (flora dos Podzóis Hidromór f idas dos pântanos amazÔnicos). ass i m parecer pouro mais se pode acrem ent ar .DMSÃO FLORISMICA DE ~MUS Fonte : FERRI * M G Veg!tafão Brasileira 1980 DESENHO DE ANI'BAL CABRAL NETO 16 .

Pastou 2 . mostra grande semelhança rom a divisgo P lor[s t i ( a de Martius : três regi Ves florestais (Equatorial.Capoeiras m capomir Ve s F . época possivelmente justificável.campais A . que foi a de Gonzaga dm Campos (1926).Caatingas A referida classificação fitogeográfica.dos pinheiros C Floresta pluvial do a . ao subdividi Ia em Florestas das t7 .das várzeas b das terras firmes B . mais flor/stica.Floresta equatorial a .Campos do sul a . principalmente sob o ponto de vista da terminologia regional ista Quando se refere à Floresta Equatorial qua em sua sub das florestas de ó várzea m divisão a terminologia de !ub mr (1902) ferras firmes isto porque na época n natural istas t!nha condi .Campos alpinos J . Atlântica e Jn t eriora Fica assim evidenciado na ) e duas campestres (campos e caatingas) que a classificação de Gonzaga de Campos aPrssenta muitas novidades f i toQeogr áf i (a s . na acesso° ias" ao referir-. mas sim fis!on Ômic o estrutural .Campos cerrados Q .Florestas A . após análise cir c unstan L 'ada.Campinas ~ . 1 .1 . as várzeas e os interflúvios de difícil incorre em erro.2.Classificação de Sonzasa da Campos 7ransc orrmram ú02 anos até aparecer nova cl y ssifica çO finão togem g r á 1Pira brasileira.Matos ciliares E .sujos C .e à Floresta Atlântica .savana b rerrad O o interioi D .limpos b . dividi-la V ôes de observar a vegetação am longo dos rios e. de acordo L om o que via .Floresta atlântica a das encostas b .2 . assim. Seu mapa foi publi cada por D i og o (1926) no Museu Nacional cipaRio de Janeiro .

capturada do rio Uruguai coMpoca relativamente recentes Tal engano não foi cometido por Martíusi Já quando engloba na Floresta PlÜvials do inteiíor a savpna e cerradão aceita a divisão de Martius que inclui em uma só reg Ao toda a flora do Centi o Oeste brasileiro Com relatogo i físionoMi.' também é uma nomenclatura regional ista muito usada no Centro Oeste 0 biasileiro. quc. o conceito florístico pata ^a classific.Atualmente agabeage qu c:" Iras.Zona ciasa Cíampos 5 . guintes termos« li mpoU. Paraná e pârt* doÓlan~o ~guai .Classífícacão de Alberto J .' ~pondo Peg uenà parte da báciardo ria Itajat. campos ( ert ados. subdividindo-o em Sampos sujos é. capoeiras e capoeirVes que sgo fases ar trópi(as da vegetação secundária e não constituem tipos de vegetMo 2 . . Pinheiroa.1 . feiçOs florístixas (Figura 2) : 3 . ao que tudo indica. o autor inclui os se a tampos do sul... Ariclui nop . Sampaio 0 botânico Alberto J . parece tratar-se das florestas semi raducifólia e cadutifólia da bacia do médio rio Paraná . retomando assim.Zona diás00hais 6 .. embora entrando em choque tom a floresta pluvial do terior que.Mo fitogirooráfita Porém. São também inc_luídas como divisdes maiores nesta elassífi (ação da vegetação brasileira os pastos.3 .. Sampaio (1940) divide a vegetavA) brasileira em : Flora AmazÔnica ou Ngleate brasileira e Flora Geral ou Extra AmaAni(a. nas suas subdivisies. (ampos al pinos. e as caatingas.Zona Marítima e . empregado para designar a vegetação do interior nordestino i 0 aut or usa o t erma mat as e i 1 i ai es c omo sendo uma d 1 v são da vegetarão. e usando uma terminologia regi o nal ista até hoje empregada pelos f itogeógrafos .Encosta~ dos . usado pelos fitiroei59rafos regionalistas para designar os re VAios veocrtacionais alto montanos .Flora AmazÔníca ou Hulicae brasileira 1 2 ri do alto rio Amazonas do baixo rio Amazonas Flora Geral ou Extra-AmazÔnica 1 Zona dos Vocais 2 ! Zona das caatingas 3 lona das Matas Costeiras 4 . ~NMA aNFIÂV~Lào de ' Arra~rjá .doa. parodiando Lindman 0906). extrapola uma terminologia iegionalista com. campestre. todos . ( ~ fazendo porte da Floresta A#Iânticra . embora atualmente essas matas componham a paisagem antrópi(a .

compreende toda a região t9 / . ]á a divisão de Sampaio suge/e apenas a existência de dois espaços territoriais. ( nm a América do Norte. através dos Andes..^ i. no presente caso. enquant Mampaio dividiu/ o Brasil em apenas duas floras : a Amazônica e a Ext /a-Amáz Ô ni ( a . enquanto a Flora Extra-Amaz ô nica apresenta liga ÇW ms afro americanas e a uslral á si c as que se originaram na Amazônia. em seis zonas : a Zona dos Cocais que é apenas uma fácies de uma u!) formação da Amazônia expandida para o território ex t /a amaz Ô ni/o . a Zona das Caat Ü nsa s que. pois este naturalista dividiu o País em cinco r E Mes f l nr í st i (a s distintas. de Fitogeogratia do Brasil 1945 Sua ( lassiPi/a çã o Flu! í s t ir a apresenta diferenças da Uivi Ao de Martius. o que atualmente se constatou exist ir at rav és de pontes filngeo éticas conhecidas .Fonte: ow"po /. A divis g n ds Martius sugere uma inter relação en t /e as cinco regi ã es flm (st i/ as bras il eiras. mos Andes e na Argentina A Flora Geral ou Extra Amazônica apresenta se dividida . e om li ~Ves flnr(st icas ¡dentifi ( adas A Flora Amazônica apresenta íntima correlação com a Flora Af/ i'ana tendo também liga çO s flnr í s t i/as.

as quais. engloba uma flora perfeitamente adaptada ambientes é idos e sem! á! !dos.aos semi árida nordestina.Classs Ü f Ü cação de L Ü ndalvo Bezerra dos Santos l indalvo Bezerra dos Santos. acompanhada de gia regional ist a . Pode se. intima apreseo t a uma fis on mia /ep/esen t ada pelos ( ampos ( e/!ados men t c liSados a flora lenhosa da Amaz Ô nia e. mas houve evolução na subdivis g o fisionômica se =parada /o m a <lassifiraçA de Gonzaga de Campos (Figura 2) 2 . assim. pelos ( ampos me ridinnais ( nrrela ( iuoadus à Flma Andino Argentina . migrada de áreas semelhantes situa se originaram de das ao norte da Amaz Ô n!a. apresenta F !siunomia florss a Zona dos Campos tal influen/ iada pela umidade advinda do ma/ . por sua vez. apresenta p/ () p/ ia das áreas com influência floviomarioha e marinha pao t rupi /al concluir que houve regres Pela análise real Nada.í . me/ id!wnal do Continente Ame/ 0 ano . in plantas ( om dispe/s _ o pan{ropi/al . Forma çO s arbustivas e herb á /eas t 2 ] 4 Caatinga [errado campus ge/ais Campinas ou campos limpos l[J .~ Babaçuais ou c n( ais de babaçu Mata de galeria uma divi erminoln ação /nmo vegetais. considerai esta < lassiPi ( a primeira baseada no caráter fision Ô mi c o das fnrma çA s segundo o ron t eito de Grise b a c h Forma ço es florestais ou arbMas ! i 2 3 4 5 6 ll Flmes t a amaz Ô ni ( a ou HUleae !xasileira Mata atl â oti/a / Mata dos pinhais ou Floresta de A/ao (á ria Mata do ! io Pai ao . a Zona dos Pinhais é 1 íp ica Flora Aus t ral á si c a Andina e t em liga çA s com a parte : . a Zona dai Matas Costeiras a ( a e ( om disjunções Floi (s te/ rela c ionadas /nm a F}o/a AO o Amaz Ô ni t i(as a ustral á si ( as através dos Andes.4 . em t94].Formaçi es /nmplexas 1 2 Formação du pantanal Fm ~V es l it oi ancas 20 . ap/eseo t nu t s a o fi t ngengr á f i ca puramente f!sinn o m!ca. out rã. a Zona Marít ima. pode se ( ompa/ ada ( um a ( lassi F i x Mn de Mar Ao na divisão flo/ í st 0 a se t ius. que se estende P lma ( osmnpolita poi toda a orla ma! í tima !xasileira.

Campus Gerais !V Campinas ou campo limpe) C . rio Pa/an á . e passa a sai Pode se. foram in tlusive seguidas pelo Piojetn RADAMBRASI[ no início da década de 70 e. /ampns ( os : at l ânt A o.Forma çA s florestais l . que denominou de fnrma çO s. habac ua!s. Além disso.Ferma çO s romplexas 3 . Daí em diante todos os fitogs ó grafos passaram a empreg á lo rum exatidão e. a partir de então.Cerrado 1Tl . geógrafo do TBGE no Rio de Janeiro.do pantanal II .A divisão fiiogeo8r á fica de ! indalvo Bsze/ra dos San t os deixa de ser flor í s t i ( a. fitogeógrafos que gerais s outros continuam a ser empregados pelos ensino pr imá! io e se( und á rio os t !ansmitem nas escalas dm 2~í .5 . como a dos seus ao t eressores. apenas fn ram modificadas as pnsi . Ve s hie! á rquicas das fmmaçO s e os con c ei tos firmados L indalvo Bezer/a dos Santos foi o primeiro a conce! tu ar de modo correto n termo formação. caatinga. e ( riando o tipo "formaçães complexas reunindo as forma çOs du pantanal e litorâneas Pelo exposto Foram poucas as mudanças na terminologia das ( lassif! r a çA s brasileiras a partir de Gonzaga de Campos . considerai es f¡s¡nn Ô mica como a de Sc himper(1 90 3) geoSr áfo como u precursor da Fitogeografia Fision 8 mi ( a no B/asil te As s//as três d}visi es maiores. também. o autor introduziu novas denum!na çWas reg!onalistas na terminologia fitogeo gráfica brasileira. a classificação fitogeográfi(a brasileira foi reformulada e passou a seguir nova orientação universalizada. a dimensionar a vegetação de acordo com o princípio da classifica cago reQionalista Os conceitos terminológi (errado.Mata de galeria vi Babaçuais B Forma çies arbustivas e herbáreas i Caatinga ]1 .Mata dos pinhais \/ .Mata atlântica 111 Mata do rio Paraná lV . combinando as c lass!fica6 i es de Gonzaga de [am pos com a de A J Sampaio.Floresta amaz Ô ni«a ou Hwleae brasileira [l .Classificação de Aroldo de Azevedo Aroldo dm Azevedo (1950) usou em São Paulo a mesma e lassi f!ca crg o de ! B dos Santos. assim. de acordo com n seu criado/ Gr}ssba c h . r o mo se vê a seguir (Figura 3) : A .l(tor â neas ^ 21 . basea da em Ellemberg & Mueller Dombois (i965/88) .

2 .1 .6 - Classificação de Edear ~D mamín apreEm í960 Edgar Kuhlmann, aluno de Pierre Dansereau, sentou nova divisg o fitogeográfica brasileira, baseando-se em /on retornando, reitos climatoestruturais e terminol ó gicos regionais, assim, a uma divisão maior de tipos estruturais . Esta divisão, bas tante semelhante ao que se vinha fazendo na F}to8eografia brasi]ei ra, naquela ocasião / foi um modo criativo dm rlassifi/ar a vegetação brasileira . l Tipos arbóreos A Floresta trópico-equatorial B - Floresta smmider/dua tropi/a l [ Floresta de araucária D Manguezal 31 - Tipo herbáceo E - Campo limpo ]ll Tipos arbóreo herbáceos ou intermediários

F Cerrado 8 - [aatinBa H - Complexo do pantanal ] - Praias e dunas 22

0 referido autor introduziu assim um modo diferente de considerar a vegetação brasileira, os grandes grupos continuam os mesmos, apenas com denomina6 Os diferentes, em alguns casos, e con servandn te/minnlngias regionais ( onsagradas em outros 2 .1 .7 - Classificação de Andrade-Lima e Veloso Andrade lima W66) e Veloso (1966), o primeiro no Atlas Geng/ á f!ro do IBGE e o segundo no Atlas Florestal do Brasil (Servico de informação Agr ô ola - SIA) //saram um novo sistema de ( lassifica n termo formMo 6ão da vegetação brasileira, voltaram a empregar para dividir os grupos maiores da vegetação e //ma terminologia es t rutxral ec o l6gi ( a nas subdivis ies florestais, seguida da t erminolo gia regionalista para as suhd!vis i es não florestais, ( omo segue ahai :o : A Forma çAs florestais I IT T[{ }V B Floresta pluvial tropical Floresta l tropi qq l Floresta r riFÜlia t[gp( ca l Floresta g/btr ç) pic pL ] , V__ \

~,

Fnrma çOs n g o florestais' l - [a atinga II ' Ce//ado Campo lTI

C

Forma cAs ed á ficas

(omo se pode ver, es t a c laas}fi raçO já apresenta um cunhe) universalizado para a div!sgo flmestal, mas ainda usa uma t e/mino logia regional para a subdivis g o das forma çO s não florestais Foi um modo criativo de se classificar a vegetação brasileira, embora ainda não satisfaça inteiramente aos fitogeógrafos (Figuras 4 e 5)

`

2 3

.

ap/esen t ada abaixo (Figu ra 6) : i Regi go Ecológica da Savana ([errado e Campos) Ia 1h À Id 2 Arh d rea densa Mó rea aberta Pai que Gramíneo lenhosa Região E/nl ó gi x a da Estepe (Caatinga e Campanha GaSha) 2a 2b 2( 2d Arbórea densa Ai hú!ea a!/er t a Parque Gram í neo-lenhosa 3 Re3! A E/ol 6 gi c a da Savana Est é p!ca ~get a ç go de Ror aima. o mapeamentu da vegetação amaz . criou uma escola fit ogeugr áfica baseada em Ellemhe/g 8 Dombnis An longo de 10 anos as Mias tentativas de ( lassifi ( a ÇO) /ulminaram com a da vegetação brasileira sofreram al t eraSes que ^ apresen t açA da Classsi f i ( a vã o fision 3 mi ( o e ( nl ó gi ( a das forma çVes oeotropi ( ais" (VICIOSO 8 GM Filho.Subm on t ana Montana 5d Alto Montana 5e ` 26 .2~1 .Or am í neo-lenhosa 0 5 Regi g o Ecológica da Floresta 0mbr ó fila Densa (Flo/es t a Pluvial ti np 0 al) Aluvial 5a 5b . j982).8 .a e pa/te da no/dest! equacionar Mueller na.Class Ü f Ü caCão do Projeto RADAM en ( arregado de Ma década de /0 o grupo do Projeto RADAM. Cha quenha e parte da Campanha Gaú/ha) 3a 3h 3c 3d Arbórea densa Arbórea abe/ta Parque Gramíneo lenhosa 4 Re@i g o Ecol 6 gi e a da Vegeta çO !eohosa 0ligu t / óf i e a Pant anosa (Camp i narana) 4a Arbórea densa Arb d raa aherta 4b .ni.Das terras baixas 0 .

..-..~ ~. .~ .-~ ..r~m l ir~an '!n sistema fi~oupnm/~ ..~~ . a( ima de tudo.~ .-~.` .. ~.1 it 2 ( nm m i st U1 as P1 or /st i ( as e om enrr aves flnr í sti c os 12 13 - Ref /|gios e( nl 6 3i/ns Disiunçies ecológicas ( lassifi/a ç go Esta divisão visava.- 27 ..^^ ..Mnn t ana baixas (4 Fácies da P lo / Rs8 0o Ecológica da Floresta 0mhr ó fila Mista Arau ( é ias) 7a 7h Ir 7d Aluvial Submontana Montana Alto Mnn t ana (Flo/esta das 8 Região Ecológica da Floresta Esta/ iuna} suS adu ( i Pó l !a) 8a 8h 8r 8c1 Aluvial Das teiras baixas Submon t ana Montaria Semideridual (Floresta 9 Região Ecológica da Floresta Estacional duciP ó lia) 9a 9b 9C 9d Aluvial Terras baixas Submontana Montana De( idoal (Floresta (a J0 Mas das Formavi es Pioneiras 10 t 10 2 10 3 com (Forma çO s sd á ficas) ioflu ên ( ia ma/ inha influência f luviomarinha in f luêo ( ia fluvial (contato entre rsg O es) W à Ono) (en t rave) 11 Seas de lens g o E c ol ó Bi ( a i t .6 Região Ecol ó yi(a da Floresta 0mbr ó fila Abei ta resta densa) 6a Das terras 6h Suhmon t ana 6r .i'n brasileiro (Finura 6) --. a uma nn/v.

.

.

'no.Campo ou orassland a ' limpo de q«a/ t zito b limpo de ranga r gera !s d pampas e alto moot ano f . o.Posteriormente. O r át er Pi sjnn ó mico das foi maço es / l assi M nu a seguinte modo : duas ( lasses de formação.brejnso do alto rio Bi an/o g 30 .es pi opriamente ditas () ! Matas nu Flnrest as j Floresta pa l '/dosa a amaz 8 nica h lito i ânea / austral d ma! ít ima Floresta pluvial a amaz 8 oi/a !) escler ó fi]a r mon t ana baixo montana d dos tahuleiros e F de ai au( ária ripa! ia nu em man( has g Floresta es t ac innal a mes ó F !la pe/enif 6 lia mes ó fil a semide(S ua h ( de Orb Ü onva (babaçu) d mes óF ila dex í dua e mes ó fila es( ler ó fila F xei 6 F !la de( í dxa Thicket (scrub) lenhoso atlântico a h ssc]er ó fi}u ama Ani c o / es( ler ó filo d lenhoso espinhoso e sun/len t o f em moitas Savana a (entral b lito/ gnea 2 3 4 5 lT .o sÉ ries de Por mação do e ti iota m duas formaç . n mesmo natmalista usando o ra brasi l ei/ a ve8e t a . em 1979.

subdivididos de modo rsg!ona lista e muito detalhado. respectivamente .Floresta Subtropical Perenif6lia i úe araucária 2 latifoliada persnifúlia com emergentes de araucária 3 de podocarpus 4 latifuliada permnif ó lia 5 arvoredo subtropical de araucária 6 savana subtropi t al de arau Aria ]V Cerrado t cerrad ão 2 (errado J /ampo ( errado 4 campo sujo de cerrado 5 campo limpo de c e/radn 31 ` . mas quando trata das fnrmaçO s prop/ iamen t e ditas as denominaçOs usadas re tornam a uma terminologia fis!on Ô mico geográfica regionalista (Fi3u ra 7) 2 . Estas séries de subdividem se em várias formaçO s propriamente ditas . verificando se. Nas duas séries acima citadas. assim.Classificação de George Eiten George Eiten. ora fision Ô mica. uma não ohser vân(ia de hierarquia de conceitos A d i stor6 O concei t ual.pantanosa 4 nebulosa da terra firme 5 6 latifoliada perenif6lia Floresta Tropical CaduriPólia i . ora geográfica e ainda climática ou então ed áfi c a.no dizer de RAMA.de várzea de estuário 3 .A classificação de Rizzini inclui como mata ou florestas m do Centro Oeste os /evestimentus nordestinos (área da caatinga) (áreas de cerrado).de várzea mstacional 2 .mesof ít ica 1 at ifoliada sem ide c í dua 2 maso F ít: ix a latifoliada sem ida( (dua e de babaçu 3 mesof í t!ca latifoliada decidua [J [II . bem como problemática a sua utilização cartogr áf!/a é uma classificação universalizada no to /ante às classes de formaçO s com suas respectivas séries.1 . s g o divididas ora pela Fisionomia vegeta(ional. ora pela posição geográfica. da Universidade dm Brasília. impossíveis de serem utilizados em mapea mentos de detalhe 1 Floresta Tropical Perenif ó lia 1 . des c o nheceu a proposta elaborada pelo RADAMBRASJ} e apresentou uma nova rlassiFi/acag o da vegetação brasileira A classificação deste Pito geógrafo contém 24 !tens principais. em i989. denominando-as de Thicket no Scrub e Savanas P orma çO s. faz com que a c lassificaçA de Rizzin i se torne de difícil análise.100 .

V Caatinga 1 . acional Campo de murundus Pantanal 32 VT vri V[[I !X X Xl xis X I[T XTV XV XV[ >(V]] XV[[[ XIX .arbórea 2 arbustiva fe/hada arbustiva aberta 3 4 savâ n A a campestre 5 Campo rupestre Campo montano Restinga ( osteira i arbórea arbustiva fe( hada 2 arbustiva aberta 3 sav âni x a 4 5 campestre Campo praiano Manguezal arh ó ren i arbustivo 2 Vereda Palmeiral 1 babaç ual 2 c arnaubal 3 (araodazal 4 aç aizal 5 !x/ri t izal [ha/o Campo lit oss ó li 1 n Brejo est.sav â nica 8 sav âni(a lajeada Pradaria sub t rop! ( al Caatinga ~Unha i .de arvoredo 3 arb ó reo-arbustiva fschada 4 arh ó reo arbust iva aberta 5 arbustiva aberta arhustiva fechada 6 7 .florestal 2 .

X% XX] XXIl XX[II XXIV

Campo e savana amaz o oi c os Bambuza l Brejo permanente (de água doce, salobra eu salgada)

Vegetação aqu át A a Vegetação de afloramento de rocha

0 autor ordenou a sua classifiraçO da seguinte maneira : mm primeiro lugar denominou os tipos Florestais, em número de três, paia em seguida enumerar os tipos não florestais, em número de sete, t ometendn aí o seu engano an denominar de "caa t in8a amaz & n!ca ° uma área da AmazÔnia capeada por Pndzul Hid! om ó ! f0 u que reflete uma ve get a ç go raqu í tira bast aote adaptada às c ondi çA s oli8otr ó ficas dn ambiente, ( onhe c ida popxla/ menfe por Campioarana ou Campina (te/mos que significam a mesma coisa falso campo) 0 engano terminológico /ometido deve se à má in t erp/ e t açO do nome indígena usado pa/ a a área caatinga-pó que significa vegetação aberta ou clara com água temporária utilizado por Sprx/e (1908) em uma de suas palestras realizadas em Londres e interpretado erradamente por botânicos bra sileirus ( nmo "/aafioga do tio Negro" 0 /estante da sua classi p ira çã o, precisamente 14 itens, é dedicado à enumeração de oc orr ências lo( ais ou restritas a áreas mspe/ í fi ( as do País . Como rnn ( lusg o, pn de-se afirmar que a classifica çO da vegetação de George Eiten0983) apresenta uma parte (em terminologia universalizada e out i a parte, hem maior, com termos regionalizados 2 .2 - Class ü f Ü caçOs Un Ü ver s a Ü s Alexandre F iniciou n estudo da von Humbold t foi quem fitogeografia ( ient(fira em i806, porém, Foi u botanico Whimper o p/ imeiro a tentar dar um cunho universal à fitogeografia, nu fim de) Século XIX . A ele seguiram se outros, até (Minar com a proposta feita pela UNESCO em 19/3 de uma classifi c atag o, dita fision Ô micu e col ó gi r a, a ser utilizada na escala de M 000 000 2 .2 .1 - Classificação de Schimper A classificação fision Ô mica de Gchimpe/ (i903), baseada no intertropical ( nn/eito ( l á ssi ( o de formaçO s, dividiu o te// it ó / iu da Terra do seguinte modo : { Fnrmaç? es flu| esta !s 1 Floresta pluvial 2 Floresta das mon çWs 3 Floresta espinhosa 4 Floresta de savana FormatrV es campestres 3 1)

`

][

}[[

- FormaçA s desérticas

para suas d}vis A s Vê-se, assim, que S c himper observou ter fision Ô mico e para as menores os ( ara/teres ( lim á maiores o ,ar á de ticos e ed í ficos . Esta maneira fision Ômico climática universal ver a vegetação persiste até hoje, variando apenas na !nt/odu çã o de novas terminologias para conceituar fisionomias de forma6 Os t í pi ( as de determinadas áreas que seriam, por homologia vegeta ( innal, ( oos i dera(/as semelhantes e assim conceituadas como te/mos pr icx it á rios

2 .2 .2 -

Class Ü fü cação

de

Tansleu & Ch ü pp

lansleH & Ch!pp(j926), ambos ecologistas, introduziram no vos te+mus f SOMA os e ap!esentaram a seguinte ( lassifi c a ção : l Flo/est a densa pluvial i 2 das montanhas ] manguezal Parque Foi ma çA s hei h á /eas Vegetação marítima, pantanosa e aquática

!l [[I lV

0 termo parque ( Park1and ), é empregado aqui como sinÔnímo da savana, porque as esp6 ( ies arbóreas baixas dist/ ibuem se de Forma Pi similar aos parques ingleses, foi adotado poi nós para designa! sionoNias bastante semelhantes nas quat/n re8i d es e<nl ó gi ( as de as pecto campestre, embora as suas f}m í sti(as sejam bem dife/entes
2.2 .3 Classificação de

BurtUDav9

0 sistema de classificação da vegetaçO uoivs/sa] de Burtt Dav@ (19]8) adota na parte iote}tropi ( al //ma sepa! Mo /!e For ma çA s fisjo/} Ô m'ras subdivididas ora por car át e/ climático s ura pox ( a/ áte! tm/minnl ó giru prioritário, além de usar /on ( eitos pedu/ t icos
lim á~k

l

Forma vi es arbóreas t dm idas ( lim á ti ( ais a - Floresta pluvial sempre veide Floresta pluvial sem! Mí dxa b / Floresta das altas montanhas d Flo!esta de( í dua e Floresta de =Selas das altas montanhas f Flmes t a de bambu das áteas montanhosas - Floresta aberta alpina 8

34

2

xx h / d e

OM idas ed á Pi/as
Floresta Floresta Floresta Flo/esta Floresta

aberta ribeirinha dos Pântanos de palmeiras dos pântanos aberta dos manques aberta do litoral verde

]

Seras a - Floresta seta sempre b Savanas arho/ izmdas ~ Matas espinhosas

Foi ma çO ms herb ê eas [! Savana 1 Estepe 2 campo ] 4 dos Pântanos (ampo de altitude 5 T! [ Foi ma raV es des ol / t 0 as

(/ fitoge ó grafo Burt t Dav9 0938) usou uma t erminolo8ia Pi sioo Ô mi/a paia as forma Ses maio/ es, ( ontudo, ao subdividi Ias, uti ai h ó /eas s e oocsitos lizm/ c on(ei t ns climáticos para as F orma Ci ss Foi n pr imei/o ( ampestres prioritários pata as P o/ma çOs ~Moras a e:s trapolar o con/eito de E st epe, ant es só smp/sgado pa/ a as fmma o Além disto, usou çÕ es hol á rti o- as, para as áleas inte/ t rnpicais das Seas savao A olas termo Savana ai borizada (nmn Fazendo part e posteriormente adotados, embo/a com ( on( ei Estes dois termos foi am t ua çies um pou/n diferen t es 2 .2 .4 - Classificação de Dansetreau adotou em sua /lassi F i e ar; go 0 sis t ema que !)aoss!eao (j949) F isimn8 m 0 n oro u da vege t ação do espaço i0 e/t/opi ( al tem (uoo t ao; ao l ó gi ( a, embora o sistsma seja em ioentemeots estrutu/al Fo/ Na6~es ( um ( lima de f lm estas ] i pluvial tropical 2 es( lei óp ila /¡mida ssc l er ó fila medite/r â opa ] 4 de( í d//a t empei ada 5 de /oo 0 eras [[ Foi ma ç i es ( om ( lima de herh ê oras ou grasslancis t prada l ia 2 prados alpinos e de planalto 3 estepe Forma x; i es cum /lima de savana 1 ~aatin8a 2 err ado ] parque 35 `

l l]

prn P essor da Universidade de Quebec (Mã nada). Foi um dos que ioi c iou no ME. em 1946. apresentada on Conselho Científico AH i(aoo. o curso de Geografia F í si c a.% ioter t rop A al de Auh/íville (1956).2 2 3 2 .5 .Floresta h Floresta c Floresta 3/ ande alt i(ude montana úmida muntana se/a de bambu 1 2 2 Fo/ma~~es Florestais edáFi(a s 2 2 2 2 j 2 3 4 MaoSuezal Flo!es t a paludosa Floresta per indi ( amen t e inundada Floresta ripária l] Forma ci es flo!es1ais mist as e forma c 0 s rampss t res 1 2 Floresta aherta Savaoa 20 2 . ais fe/haUas i Forma6 s es PI o/estais / lim O i/as i j Florestas de baixa e média altitude a Flo/esta /|mida Floresta úmida sempre verde: Floresta /¡mida semide(i` dxa b Floresta seca r Arvuretas SOMAM Florestas de a . baseados na es( ola de Bi aun Blao quet .4 Savana florestada Savana ar horizada Savana arbustiva Savana de gram í neas ` 36 . furam ini c iadns os ]svan t ameotus fitossot MIAMOS no País 2 . justamente a parte de Bine/nlo gia Devido aos seus ensinamentos. sohretudo.[V Foi ma çW es t um clima de desertos Pierre Dansereau. in( <usive no Brasil em i946/47 . emérito e(nlugis t a.a uni F i( a/ a onmso/la t ura fifngeng! áf i/a aH A ana l Fnrmac As f1 or est.ClassificaÇão de Aubreville A classifi c a6 ãu da vege t à . usa a /lass! FOMo estru t mal e c o M i ( a ( omo parâmetro dos estudos que realizou no mundo. também denomi nado de Ac orUu de YaoSamhi. visava.2 .

além de haver /onside/ado as posi çO s t opugr íF i/as (/e n/ u pa ç e one ei t uaç i o alt i m(. e também subdividiu tanto a Savana ( omo a Estepe em várias fis on mias de baixas Arvores eo t rsmsadas poi um tapete g/am í osn le nhnso . deu lhes nomes pr A prius de tri ( a Foi um sistema /evnl«/ ioo á rio que. Aoh/ évil l e /ein t /oduziu u t e/mo Estepe /umo uma fnrma çA das dicas in t s/tropirais. L çã o da vegeta çO afri ( ana.! das f]o!es t as. sul alte/ou em mu it n todas as novas ( I assifi ( a ç Os fit ogsoo i A icas gidas após o A x ordo de Yangambi R o 2 .6 .. o ( nnsidsrado mais importante.] Estepe 3 ] 3 ] i 2 3 4 Estepe Estepe Estepe Estepe arbor izada soka/ bust iva de suculentas herbácea e/ou de gram í neas 4 Pradaria 4 1 4 2 4 3 Pradaria aqu áti e a Prada/ ia paludosa Pradaria alt n mootana Após 19 anos. 4 fri ( a ti opi ( al Este St imo ( ommn s das plantas" Plantas herh á( eas ! i 2 3 4 5 6 ]] campo aqu á tirn Campo pantanoso Campo alto montano Psexdn estepe Savana Savana es t 6pi/a i( ou dois ti abalhns sobre a ( lassifi(a primei/u em 1955 e u segundo em i95/. ( umo velemos mais adiante. vegeta pois M inio os tipos de da é que apresenta o sistema sob/ e "foi mas àX o Plantas arbustivas i 2 3 Savana Vegetação alto montana Vegetação ar!/stiva l}] Plantas arh ó reas t Com um tapete graminusn esta( iunal a Savana florestal b Savana arborizada ' ]/ .Classificação de Trochain Trochain pub] /. fora do grande ter itório ho l á r t.2 .So.

das terras baixas submmnt ana h ~ muntana 38 ^ B c .an a aluvial d e pant anosa Esta r innal a das terras baixas h sobmnn t ana Semideridoal a . 0mhr ó fila b Sem! omb/ ó fila < He]i ó fila d . a r l assif!ca çA fision Ô micn scol 6 90a pala primei/ a vez Essa terminologia ernl ó gi ( a foi a( cita e re lat ivameote pouco alterada posteriormente pelos fitogeógrafos que se seguiram Contudo. inovou a c lassifi<a çãn quando a dividiu pelas Mimas comuns das plantas" e Sua daí a subdividiu de acordo com n parâmetro ecológico dominante uma gama eno/me de possibi nomen ( latora abriu para a fito3eog/afia lidades. Rup A ala e .Domb xuÜ s Por C im. também fisionômico.Classificação de Ellembergi e Mueller .2~7 . assim.2 Cum um tapete 3!amionso reduz idn nu ausente 1 2 Floresta radu c if ó lia Floresta densa a .das terras baixas b submontana ~ mon t. seguida de suhfnrma çA s l Floresta Densa 11 Sempre verde A 0mbr ó fila a . distribuídas pela ordem de (Asse: até a formação propriamente dita. iitor â nea f" Mon t aoa 3 . con ( ei t uando se. proposta à UNESCO ~ uma gi(a da vegetação mundial. baseada nos A timos sistemas da es( ola franco afri/ana de ~AMA e Trnchain e somados à experiência de Ku( hler (1949) / da es ( ola ameri/ana Esta ( lassi M açO nbede ( e a um sistema hie! á rquiro de forma6 ã es. quando da sua aplira ç go no País 2 . vá/ ias ( on( eituaÇO s foi am W citas e algo mod M c adas. Man3uezal 0 sistema de Trochain 0 957). atinge se o ponto crucial dos sistemas univsrsa Muelle Domhois li zadns ( om a ( lass ifi c a ç " No de ( EllemberS & c lassifi c açO fision Ô mico ecol ó (1965/66).

D 2 Manguezal Mista A 0mb/ óF !la Montana a ] !)e/ idual A Seca das t cri as hai :as a b sub muotana 4 Xeromorfa a es/le! ó fila espinhosa h ~ su c ulenta !} Floresta Aberta 1 Semp/e ve/de a latifoliada b mista Deci dual a su!/mootana montana h Xeromo/fa a =ANUIR espinhosa b suculenta / (ar vo/etas) 2 ] [[l - Vegetação a/ b óI Ca anã i Sempre verde a de bambu b aher t a es( lei 6 P i la C 2 ] Deci dual Xeromorfa A Sempre verde a (nm su( olenLas sem Suculentas h (plantas lenhosas ao g s) !V Vegetação a/bust iva anã i 2 ] 4 Semp/e ve/de !)e( idual Xeromor P a 7u/ P eira ]9 .

em vez de F à a/ mais ( la/ o. a hiera/quia fi t nssot iolúQi ( a e a pesquisa e( ossistsm ot A a que se ( oo sideram no Pais que. aprs sent a/ se ~ i u sobre a ( lass i F i( a ç io F i t ogeoS i áp i/a da veget aç in !xasilei 1 a ve/s numa visio Nela serio abo/dadas as forma6 O s de modo h is/ á rquico. mas }o/}a a orientação de Gaossen . assessorado poi Ku/hls/ s E]l ~s/g via. di PO ul t aodo assim a sua adoção 2 . /mnt uUo t odos os t s/ mos usados foi am a/mnt ~ /mxei t ua ç Sn p/ io! i fá ia /ump/ ovada histo/ i c ameo t e. e seleção das mais impmtaotes que ( on t / ihu íi am pa/ a a solução do !`/k' b lema proposto (lassi p i t a6 ã o da Vegs t a ç9o BI asilsi/a. Nests /ap ít ulo procuramos c on/ei t uar termos a///da quest io além de dis/uti/ ( om mais p/oHun didade ou t /as nome( latmas 40 . baseada em bibliografia (onFiável apresentadas todas as 9 ( la/o e evidente que não s* lão sim moa / lassi M a6 ãss divulgadas no País s nem sequer no mundo.3 .Integração da Nomenclatura Universal a /ova No de( or rei do pi eseo t p t rahalho.V Vegetação JA h ê Ca i Gramiousa alta x OM 0 vo/es a b com palmeiras / ( om í/vo/es an~s Gram/oosa baixa a ( OM 0 vores ( om pal ms i ras b / /nm à vmes an Os Braminosa sem plantas Não g/amio 6 ide lenhosas 2 ] 4 que n Projsto Foi neste sistema de c lassi[i c ax ãn Al RA})AMBRASU baseou a maio i ia de sua oomen ( la t m a ( it ngeog i á F i c a =Cedidos d toa c Us hnove. n mesmo ( endo com a t = inul M >a regional isto b i asilpi/a com Em 1973 a MEMO pu b li/oo uma nova ( lassi M ação. fisioo 8 m 0 o ex ol é gi ( a das /eg Mes f lor í s t A as em es( ala detalhada. to/oou se mais /om pleno.CONCEITUAÇõES ADOTADAS ` o áve!s. o novo sistema.(aUa tipo de vegetação Má desi3oa çA universalizada pi io 1 a( ompanhada de te/minnlogia regional. /mn side/ada também / i tó ! ia. adaptada a um sistema unive/sal 3 .

/amo fitus. fui Ke/oe/ (186]) que.( ¡eot ír i ( as usadas no levantamento da veget a6 A que auxiliam maoeira na t ]ass i F ic a ão fitogengráfi/a 3~1 .. Porém. a i o( lus R o de par á met/o auxilia/ pa/ a a por (lassifi/a ç~-k o da vegetação. criou um sistema simples s muito bem o/deoado de fu/mas de vida. baseado em ik/mho<d t . ai busto e erva plantas Foi. desde n t/upi ( al até o temperado e Pri u As fo/mas biológicas de Raunkias/ (1934) diferenciavam as (gemas e Plantas pela posi çg o e p/ofe çA dos ó /g 9 os de t /es ( imentn brotos) em re]a ç go aos per í odns / ]im át i( os. hem}// }pi ó fi t os.n de Raunkiasr R No ( aso pi esente. porém. a pa/ t }/ de Waroiog (i8/5) u conceito de forma ambien vegetais mode!oizou se p passou a /efle t i/ uma adaptação ao t e. significativas t entou demoost /ar a depeod ên ( ia das Por mas de viÚa das plantas ao ( lima. RaunHaci. as ind ó avam empi! i/ameo t e como /res( iam já }/umbold t (i806) o pr !mei/n naturalista a ensaiar /on/ eitos ( ient A i Ph9siogn o»/os sobre as foi mas de vida das plantas..Formas de V ü da sobre 0s conceitos populares de á rvo/e. (oo t udo. ap/cseo t ao<!o uma estrutu/a fisiol ó g i( a pi ss :is t en t s que ind ó ava um Fato/ genético da planta Baseado em Warming. inicial mente em 1905 e depois em 1918. arvnrsta. conforme suas alturas mE' dias. t rip t óf i t ns e t e/ ó fi t ns A parti/ daí. di Psrenciaodo 16 foi mas. usaram se as modifi(aÇAS propostas Bram) Blanqoet (1932) a a//es/idas de algumas das su!/fo i mas ap/eseota das por Ellembs/g & Mueller Domhnis (i965/66). simpli pó ando as Foi mas vegetais em 11 tipos sem prendô los a Até aquele momento a F is i oonmia vegetal s a sis t sm á t }/as dos taxa sistemática seguiam caminhos diporienten J os.Classificação das formas de vida de RaunHaer " condicWes brasileiras adaptadas às Faneróf Ü t xa s [ e }/rot os plantas lenhosas com as gemas de ti esrimeo t n protegidos por /at a p ilns. i.25 m do solo Ap/ssen t am se com dois aspectos w ued áP i/os di F e/ e o t es : normal ( lim át i ( o e raqu ít À o o l igot M iru. muitos pesquisadmes mndi W aram ou mesmo io(lu í /am ou t rãs ( ategorias de formas de vida à /lassifira .1 . mais as altsra ç A s in/lu í das nas al t mas das ~P ormas de Faoen cí fito e a adoção de mais uma categoria de fo/ma de vida visando i ve8s tM o hrasilei/a W . nu seu trabalho wmü k der Gewache se (Fisionomia dos Vegetais). desde o calor an Pr io s do úmido au seco Ele separou assim as plantas mm cinco /a t ago/ ias : Fane/ óf i t ns. subdivididos. em : 41 . as quais denominou de foima biológica P itnssncinl ÕS Este sistema foi aplicado Em trabalhos [isiol o4 gi/os e Ellembe/g gí( os e estendido pos t erimmeo t e pa/ a a Fito8eog/a C ia por & Musl]e/ Dnmhois 0965/66) s Ku(hls i (1949) em face das respostas das plantas aos tipos de (lima. situados ao i ma de 0.

tom as gemas e brotos de (itescímento pro tegidus por (at á filns Estas plantas ap/cssotam se ( 0r1. variandn 08am ofancróf ü t ms plantas an g s en ó e 0. através de xiloP ó dins. e. áreas extra amazônicas nas variando Micrx» fanerófit xx s Plantas de baixo Pu/te. atingindo até j m de altura. / izoma ou bulbo) situados no subsolo. o/orrendo pi e Fe/eo/ ialmente nas áreas nor destioa s do [sn t ro 0ests raqu(t icas. 0 eas ( ampes t res pant anosas /en( ialmente nas Hem Ü cr Ü pt df i tos plao t as de /res( imeotn p/oteBidos pedes que morrem na época todas as áreas campesties her hÁ eas . cujo ciclo vital é c nmpls t ado por sementes que sobrevivem á est açA desfavnr . mrendn prefe i en( ialmeote nas áreas X ampes t res. ocorrendo exclusivamente nos áreas campestres Lianas plantas lenhosas s/ou herbáceas ieptantes (( i pós) com as gemas e b/otus de e rest. protegidos durante n PC à r(ndn desfavo/ á vel.imen t n situados a/ !ma do solo pr otsgidos poi /at á filos. ocorrendo em do País [[l JV (gema. va/ iandn en Mac rofane ~ ófitos ocorrendo pre Fereo/ ia]men~e t re ]0 e 50 m de altura.25 e 5 m de altura. du/an t s u período desfavorável.1 4"/ V V[ vil . variando cri nrnr/eodn pi e F e/eo ( ialmente tre 20 e ]0 m de altma. ora por /at C ilns. ot: or rendo qua se que ax( lus!vamente nas áreas florestais Xeromérfit «»s lenhosas e/ou herbáceas que plantas duplo modo de soh/eviv ê nria an pe ií odo des ap!mseotam e F avo/ á vel : um subter/ â neo. o( o/ / endo p/ e Fe/ en( ialmen te em todas as áreas campestres do País [[ são plantas suhlenhnsas s/mu ervas tom as Caméf Ü t xns gemas e h/otns de ( /es( imen t o situados a( ima do solo. G e ó~r i tos ervas tom os ~rg ã os de crescimento eis :ilop ó diu.~ç vel. casos.om gemas e b/otos an nível do solo pelos (es desfavorável. t ando assim protegido. na Amazônia s no sul do Brasil Mocs«nfauncróf k tos plantas de porte médio.plantas de alto porte. nu t !o aéreo. ot. o/ a pelas fn n ( nrrenUo pre Fe lhas ver t ic iladas an nível do solo. nas áreas flurestais em al guns lFerófito s plantas anuais. entre 5 e 20 m de al t u!a.

. .. 2 . . . como segue : i . . proteção . protegi Caméfit xv s das por c a tí filos s situadas até i m du solo Plantas herbáceas com out/os tipos de proteção dos ór99os de 4 . . . . ocorrendo P/eqiieoLemenfe nas áreas savao A 01 as " :erumorfu" Foi ele) [eotrn Oeste brasileiro 0 termo introduzido pela USP pata designa/ uma Forma vegetal conforme Rawitschei da Savana (ferrado) de Emas (SP). Hem Ü cr Ü ptófit o»s plantas com órgãos de crescimento localizados no subsolo . . . . . ..alturas bastante variáveis. . Plantas aoto t r ó fjras cum um só tipo de prots çA do ó rg 9 n de /res ~^ cimento ~ . modificada e adaptada ao Brasil A presente chave apresenta as Formas biológicas de Raun & . 6 Plantas ruja altura varia entre ]0 e 50 m plantas ( uja altura varia entre 20 a 30 m .. . Macr «»fanertil ü t «»s Mesofanetrófit «ns . Plantas lenhosas com 6 rg 9os de (!es( imento protegidos poi lns . . . /ep/oduzidas at/avés dm sementes . . . . protegidas pela Fn lhagsm morta durante o período desfavorável .. . ^ . . kiaer modi F i ( adas.Chave de classificação das formas de vida de RatankNe r . . .^~ . . . acrescidas das ~formas de vida de Ellemhe/g Mueller Dombois e ainda com mais uma fo/ma de duplo modo de sob/evi vôn c ia de Rawi t s/her. Plantas perenes Plantas anuais. 6 Lianas Plantas lenhosas e/nu herbáceas reptan t es (cipós) . . . . u& Plantas sohleohnsas e/ou herbáceas com gemas peiiódi(as.~ . . . Plantas com gemas situadas ao nível do solo.o . . . . desde 0. . . 03 . .25 até cerca de 15 m.^^^^^^^^^^^^ 21 Plantas autoSófMas (um dois tipos de ( res c imento . .. . (t942/44) 3~1~2 .. . Kôe ófit cxs . . . . . . . Plantas lenhosas e/e ( tas . . 3 l[erófit «»s (ME 3 . .~ . . 5 . dos órgãos de J.

'tl hi.''` :i :~ 11tÌhï iIi 1 t YaI <~t i+':i ~ ( (111't(1 {:~ I't t.'t (:?IiÍI h :: (~ li Í I f: :-i k~ {°: cfly h::' lil :' :+ ~iCrO~c7flEi'ü~itOá iA j ïa 1'i Í ïlii r lü ! %:t?:i ( i"t Í Í +Ai ïi iJ'<dl 1 ia r ri .lï~ilic tai.` 1 {Ih:li(!rti i Ilïx(lïa i t}( (I+~: Í t f' ?:i ?:i k:: h ïa i Í Ya :: ? :>'( hrQ~Q~Orfl1e kGc~Q ( %a f ït : I~ tit'. i ïalül}t:'li1 t { :.} ::{} f't 1: >( :~ 1 ::?:iI :i(:( tI(. i { ~ ~ .3 ( I:ic}1 (} cIïa - h ::'.° I ( :1 {}1 ni+A Í <:iclt} `J I {lïa (1(~: :t i sit l:i t::" ?: I:i( . J .2 .h E' QüilY1niD~~ iA11iïi ïa1 hi:ïa ( ï".` ?:i'r i (? I i 'sa V 4:: 1 ?á I : 3 .hi r-ji .'t Í ' +~ I i ? til~ i {} c (}I'ül :il h:?h::litl i tlt} ïa<..~ .Í%iI t ii Iit( Í+A1(it :+ 1t{a1 t 1:if. ïa ïa~l+_t 1 ( t+l'tt {i: i ta + A (:.:jü1i iïa {fiI t:jh::it} i'i i{ II'tïa? v .:iiïa~ h:?:i~ ïali(i {} IIr .:jF:t(.¿i (+f <.l+A11 ? ::- /:>1 ilit Il:ii('+?: t it:it't ~ .'tl I'i ëi r{ t~c::(}~ 'c't( Í h:~:1 I .lh:: { }'t I t}I~i i( <aÍ ~i~iiït +_krtiï:4 l::+ar{}I :iïa t ï". ?± i<.'ïl?:i { tilii f Çjh:..TErmina3agias ~ + A i l (¡.'üih:: Í I1'<all~ t~: ?:i. ".' I ill {~ ?:> I :i ( .~.3 ) (} j~'+ïal ïa tlh::?::~ I t:)ti<:i1 (Ìh:: ikili { t}3f y+kli't (} .'üi(a`'.c . : :~h:~ i é'~ <itA .~t?:i t+Ajï1 itÍ ? +tl ïi ~Jïtl lï".'!i ïa( .c~ .(:~ il'i 2-ti ?:ih:.l ('::I i 'ï".i Itihi t'+ (Itëllli ! i11iï:1{: {}{r:? : (I(:t` ! (}I :ih:. .:jif'<al f)tA lilïa?ü : h: (I(..'t(1ï".lli i S. - SÍStEiYla~ F? +AÜi 'iL}(I {} CII {Ih:" I'tïa(It1 ? :ih::!:j+ .: Zona~ h:~: ~ . tF:'i lü(.~ .(h::ml:i Í (} ~ {} I`~1:~ :(1( {} ic4t Y <a?:ii Í .' ::ilüï+. } 1 i ?:i(~:liïat li ( }liïa Í clh:: ( i li i (I( :+ (}tl j+ .}i +"?: h:: Í ~ .': ï:l t} 4::1 ti't {'+ :iïatlti { ( }fl1{i Fi t li (ili i Il't(i ~? .i { }Çi Í{ .t I"i. _! ( t} 1 li i k~t t¡ Ì .j I ü(:~:'::i ? (It}ü't 1 I1 I (}?°~ j:i(11 .5+ .c .`< '.'tr Lh'" ïah:'I hi:'<a h:: { ( }IÜ I}ïtt i ... i h::~` ~ . " :il '<.11I1 {}? ?iït? :i C :'/~I}+A lit::l .! h:.'t?:i h ::. cih:~.?: :.:: ~~ 'Í >i :"+rY ) I r. Í ë.r h::l ïi h:: h° '..I'iÍ{ailf ï.:jC :l! { :1 i 4'(}?: " ?:: +Ai'}t hi:l I ïitllh::( ? ?:i Xerdinór~F i tas 3 .{'t h::{ ( }~ {}<%j i ( ï:+."( }Ilïa?:iY ( ïaI (::'~.ti=.' I:iïal 'c't tlh:.:'.~7r~ ~ C (}lì't(} +AÜi ( (:i (.fi hi:r 11i(} iAÜi f i 1 :>(} ~h::<.kli(I(} i I)1 lktlh? { ~ i:$ S~>'' ! ! Í (}1 ï:! (it} i~'t+kinl(+ f?Iii 'r.> (Ic:~: +kliiïa r.'t y ?::~ ïa V ïa I'i 'rl r RE9 i at3- (':: ''<i[1 hí:'c't 'c't( Í h::i 1 ~.ili{lt} ïaÍ~. I?+A I~ i (:~ Í .~ . ïa ('tl 1 Y t}Ik ~an~Orllia~d0 +.'t I ( .c Fa iCd : ' it3 ISt imper ! (} i iI I'J 1 () I {Ii"t I_trll'<a ~~4r ' :?.:jh::t ï~r. t}i c.r i iü ï:+ Y ! 1: : (} [ I {: ~ +Akiict i e:~i 1 ï:+.~ (}11<i I E : 1:31 ~`~t1 Y E:' ïa h:: I~iïa .' t (:.?11(}Í i i:> Ì { (} ( 1 1 ï 't(I(} ". I h::iAli 1 (I<i? :i ( ~ - CIaSSE ~ië? -Forntia~aa .% Forma~ao.ï +lr~l'<a ~EtOr ~ F:? 3 .:.}I tle:: t li(1 i Í7Y ~~(}i v i ti+A(t?. }1 t1t} ::~:jf:'t ïa~ ::i(} V( h:: : :k::IllFi Í t'1 Í (} {I {} ? :i {}?:i '{ 1 (:i{ }?:i ()(:. ( I i:~ ti( ( t :+li t .'ti h::ïa ~.j h :.:ih ::C (}I i:. I :i(.<.I t l tc' ( :+I {Ì{::II't t A lii %a li t } lü 1 ï:i I 'i t :+ lil { }':j l i h:: ïa . h:.c .' i i'~ai7+Gé c4tlEr 01I` 1 (l 1 ? :i I:i(jl ( i! i t OS 1 I' i Ã7liit il?:i liït . .k ?:i i i ï.} I +Ar~üa + . j:iï".} { f 1 { 1 1 ïa(It} 1 tr ~ .' ?:i . :: ¡ 1 t . :i+l¡ :ih~:i f {!i ¡. ( :+I l i % t} { ( } ili l: i (}?: .tli? (} ! I ?:i I { } 1~~ (i i {'! i:irr % . ü h:: ? :i {~i7jf:f 1 VciliL¡(} r ( I (^.: I{:~?: :~ hilitIh::I'i1I( ::a?:> 3 .: ïa(lïa F>{}1 t:J{ :i ii{i i {}? : : hi:lt{it~°lü i ( +'+?:i "a? :i 1 Í ( t}111x} 1:i1 t ! Í+.ïa(!ï:'t hïatii I .kl'ti =.~a ) i %:t r:( ti1 ( cj i r.? ët1"h: < :i ( {1r~1 (I { }fli 11i : 1 tih:~ Í `J<al' i (::(fïatl(:: t (ilü+tli i (lï:iti{:~ +tr~i t riri i+Ari'i {} (fh --' +Ilü liih::?:ilüi} fiïatll ":i(} EcBt ìpa : (:~: fj(..t5 ." ! (}1 li1 i :<a{¡ ët{} .:i ïa~ (:if (}f . "1.i i ïa ?: 1 t}I :i i { ï".~3 .

. cai a(tsrizada como uma subdivisão da com à ca espa( i al /mn hex ida 3 .Floresta teimo semelhante á mata no sentido : r i/maÚa / isnt((i ( a /on ( eituaçao bastante Uive/gente.Formação Propriamente UM teimo M adn ã Muelle/ Pombo is (i965/66) ( nmo a qual ta su!x!ivis o hie/á/ quicada F orm aio Foi ( oo ( si t uada ( omn Pass ambiental da mesma (o/ 3~2~14 . ( om quatro est/a(os hem de (ioidos sentido d Porém.16 . popula/ . apenas di[erso/ Ando poi ap/es e ota/ [O ies ssps ( //i /as que alte l am a P isioonmia da foi mação empregado para de si goa/ um ( oojmn to popo 3~2~í5 . ( nm alturas vai i aoUo co t /e ]0 e 50 m. mas mente como sendo um ( onjuo t o de sio ó sias dominado poi /ao~ ! óp itns de alto poi te.Savana : teimo (lindo poi 0visdo y Valdsz (i85i ) pata dpsig na oa/ os lhanos a r b x» lad on s da Vsoszos]a.: por Ellemberg 3~2~10 . 1951) e vida disp O m as 3 .. * i anel úF itos.Estratos : Sn as si t ua çA s vo t i ( ais ( omo se plantas lenhosas dent/n da /ommn idaÚe.2~íí .17 . avaliadas em meti o. a( /es c ente se o a lt ma pala Ui/e/eo/ iá la das oS /as fmma çOs lenhosas c ampes t /es Assim.Parque : te/mu smp/sgado poi 7aosleg & (hipp (1926) ( om o wo tipo de vegetação ( Park1and ) e sin 6 nimo de 'savana aiboii 45 .2 .Subsirupo de formação teimo ( riado poi lho(1992) pata /m ( eitua/ a C isiooomia es t /o t mal da foi ma ç io Ellsm b s/g & pm 3~2~13 .Comun i dad e : te/mo /e l ativameo t e }a/ iooal /om unidade P lnr í s t i/ a de apa/ô/x ia soh{oi maxQo uniforme.-. ( ui n po/ t e situa se eot/c 20 e ]0 m de ali ura 3~2~í9 .Grupo de formação t e/ mo rriado poi da Dom!xo is(i965/66) ( omo a t er ( eira sub!ivis ã u hie/ 0 qu A a Foi /oo c eituada ( omo a Fase F isiol ó gi/a da mesma Foi mação : Veloso & S s es 0 3~2~í2 .SublizIasses de formação te/mo /riado subdivisão segunda lei Dombois da foi mMo ma (i965/66) /omo Foi con( ei t uada como a & Moel hier á rqui/a fase clim át i/ a da mss : Ellemhs/g 8 Muslls/ 3.Subformacão : teimo muito usado ( omo uma suhdivisUo da i ote g /ao t s da mação Foi /oo c ei t uada como t azendo pa i te mesma. io [o} t /odu z ido 4f/ i/a pelos oat ui alis t as espanhÚis ç omo Savannah e no B/ a sil pm Gonzaga de (ampos(t926) / 3~2~20 . tsm 3~2~18 . além des t CS pai A me t /os.2 . uma fo/ma ç zi o ~lo/sstal ap/*ss W a dom io â n ( ia de duas sub Foi mas de vida de Panei ú/ it os : = i o Mo S0 Fans/ ó fitus.~UM termo que sigo!f A a um ( oojmdn de plantas de t/o t ma semelhao t e. ioteg/adn p o/ uma mesma Foi ma de w nlngi(amente homnB M a (})o Riptz. ent d o.

usado para designar as formaçAs cam pestres do sul dm País (Gonzaga-de Campos.21 . como sio Ô nimo de Campina. por apre( Braun-Blan 3 .Associação : é a menor unidade da comunidade.27 -Dr ác Ü es : caracteriza-se por apresentar uma combinaçA de es uma p é c i es particulares.20 . sejam naturais nu antr ó picos 3 .Savana Est designar uma forma çO africana tropical próxima à Zona Ho l á rt!ra No dizer do mesmo naturalista. dentro de ^ assooiaCO (Braun-Blanquet. as /}as nordestinas. adaptado ao solo Podzo l H i drom ó r F iro la relação espécie/área mínima correspondente i unidade es (Braun pacial básica da classificação fltossociol6 s ira Blanqumt. 1926) .2 .1889). 1979) tarem algumas 1979)" espécies características fal (Braun-RIanquet. próprio da Hylaea amaz Ô nica. Foi adotado para des i gnar uma fisionomia dos sub grupos de forma çie s /ampmstres b/asileiras.2 . no Rio Grande do Sul . Este tipo de vegetação.Sub am s s oc Ü açãm : diferencia se da associação padrão por 3 . sem similar fora do território flor í st !co endêmico. reafirmado por Rodrigues(i960 ) .19 79) . mais ou menos casuais. no dizer do notável botânico Dárdano de Andrade-Lima.Variante : diferencia se do padr go da associaçO sentar maior abundância de determinados quet . ocorre mm áreas fronteiriças da Cnl Ô mbia e Venezuela. a denominação este pio a deveria ser precedida do termo Savana por ser fisiono mia tropical Esta fisionomia foi extrapolada como sin Ô n i mo Mating0` indígena Tupi-Guarani universalizado do termo que. situadas entra a serra da Bo doquena e o rio Paraguai(Cha c o) e a área da barra do ri(-) &uara í com o rio U/uguai.2~26 .2 . i979) . caracteriza muito bem os tipos de vegetação das áreas á ri (sert 9o).^ (1955) para ü ca : bin Ô mio criado por Trochain 3 . in ( lusive à Neotropical Brasileira 3 .empregado originalmente na Zona Holáttica. em Rot aima.2 . foi extrapolado por apresentar homolog/a ecológica para outras áreas mundiais . as áreas da Depressão Sul mato-grossense. taxa 3 .24 . que também significa Falso campo na linguagem dos silvícolas locais Foi adotado por ser (m par na fitoQeog i afia mundial e ter c onot Mo prioritária sobre o seu sin Ô nimo .Camp Ü narana : termo regional ista brasileiro empregado pela primeira vez para a área do alto ria Negro por 0u001936) utilizado e Sampaio =4 4).2 . interplan á lticas arrasadas áreas plan á l t icas do Alto 8ur//mu. 46 .22 . zada ° . delimitada pm 3 .Estepxcc russa cmen e n termo Estepe de procedência (Drude.2 .25 .

que reflete um tipo de vegetação.Fácies de uma fmr mmacãxx : caracteriza se por apresentar par â metros particulares na paisagem vegeta ( ional que se desta cam fisionomicamente.Clímax climático : é uma vegetação que se mostra equilibrada dentro do clima regional. que juntamente com esp érie apresenta o sagui nte si 8nifi c ado : esp éc ie de ampla distribuição exibindo ao longo das áreas de ocorrência uni formidade morfol ó gira fixa.2 .2 . conforme a escala cartográfica que se está trabalhando Um encrave ed á f}co. considerado como comunidade em transi çã o para nutro tipo de vegeta cK (Tensão Ecológica).2~32 .Ochi «» spécie : termo criado por White (i982). fo/mas de vida específicas que se desta cam. exemplo : Campinarana (Campinas) dos terrenos capeados por Pndzol Hidrom6rfi c o da bacia do alto rio Negro e Savana (Cerrado) que revestem os terrenos degradados e aluminiza dos situados em todo País 3 . como exemplo : Floresta O mbr6fi l a Densa (Amaz Ô nica e Atl ântô a) : Savana Es té pi ( a (Caatinga do Sertão à ido oordesti no) e outros 3 . 1970) . que sustentam um mesmo tipo de vegetação (Sarmiento e Monasterio. sob um clima tam b ém regional.Resiãm ec«ulós Ü ca : conjunto de ambientes marcados Pelo mesmo fen Ô meno geológico de importância regional que foi submeti do aos mesmos processos geomor P ol ó gicos.31 .Clímax ecdáf Ü c«o : é uma veBet Mo que se mostra equilibrada poi dentro de si t '/a çã o pednl ó gira uniforme iegionalmente.COnsOrc ü açãO Ou soc Ü aÇão : é uma parcela homogênea da asso ci M o. tem sua origem no g/ ego ~Dos traduzido por multid A . criada por bar/eiras reprodu t i vas que espelham um isolamento ambiental pretérito advindo de épocas se ( as ou d midas 3~2~30 .SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO A apresenta . de um tipo de vegetação próximo que se insere no rootextu da ReSi go Ecológica dominante. como exemplo : tipo de dossel que do mina na floresta. /aracterizada por um aglomerado espe (í fico (Du R ietz.3~2~28 . O do sistema de classificação visa a dar fitogeógrafos uma idéia da pesquisa desenvolvida pelos autores 41 ` aos .33 .Vegetação d Ü si xunt au : são repeti çO s. a presença ou a ausência de floresta-de galeria dentro das forma çO s ( ampestres.34 . J957) 3~2~29 . mm pequenas escalas.2 . entre outros 3 . 4 . 3 . poderá ser per feitamente ma p eado como uma comunidade disjunta do clímax mais pró :imo .

Escalas Cartosiráf ü ca s A metodologia para se cartografa/ o Sistema de Classifica çã o da Vege t a çO B/asilei/a segue um procedimento de mapeament. esta /e ia gigo F ]or í stira pode delimitar várias comunidades com domínios. 000). este tipo de vegetação deve se{ d erado como semelhante a uma região ecológica. ão da vegeta c. quando circunscritos a comunidades. o) es 4 . 48 . podendo ser florestal (ma ( rn f aner ó Fitos e mesofaner ó fitos ) e n gn florestal (micro e nanofaner ó fi t ns. s a Neo tropical. quando delimitadas por S ipos de vegeta gêneros eod êmi/os . es em ambientes t as duas 0 {imas áreas flur í sti c as serão det ectadas somente nos le van t amentos detalhados dentro da F itosso( iolngia (asso ( iaçOs e (on sor( ia ç i es) e dent. e setores.1 . a região ecológica que corresponde a um tipo de vegetação deve ser inicialmente separada da classe de formacão que corresponde à est. quando abrange desde o Mé xi(o até a Argentina. compreendida dentro de uma & Mueller Dombo0 . domínios. de acordo com a divisgu da Teria p/oposta poi 0rude (t889). desde o 000 000). rac terizados por espécies endêmicas Nas áreas setoriais. assinalados por variedades também endêmi(as .2 . de aco/dn com os objetivos a se /em alcançados Assim. quando engloba a 4sia s M i ( a tomo o "velho /on t ineo t s". n mesmo naturalista subdivide o famílias endêmicas : r er/sti c o em zonas quando rara( te izado por ç:9 o".9o deve M atingir t r i s metas distintas 4 . determinadas por g ü ães . em face da o ( n/r êo c ia de formas de vida típicas do clima dominante Por sua vez. a ( lassi F A at. o território brasileiro está todo com p/eendidn den t /u da Zona Neotiopi(al imp é / in f]o Além disso. hierarquia de fo/ma çA s. logo. oloyia (e/ossistsma ou biogeo r enteses) Portanto. devem ser separados (amo set. r o da bios t. segundo Ellemberg (1965/66)" Delimitada assim.) utura fisinn Ô m}ca determinada pelas fu/ mas de vida vegetal dominantes. quando localizados distinguidos por espécies endômi ( as .Sistema de Classificação Florística As zonas f]nr/s t icas de influência tropical. quando com ocor/em espécies variedades eod êmi/as. logo parte do Sovo c on t ioen t. onde ocorre determinado "t ipo de vegetaçãO com um ou mais gêneros endômi/ns que o cara/ t e/ iza c 4osi Por equivalência científica. Ao a Paleot ropiral. após o estabelecimento da escala a ser ot il> zada nos projetos de t !a!/alhu. para x ada /egi ãn flnr í sti(a ( or responde sempre uma parcela do terri t ti r io hrasileiru.o cm "regional" (j :2 500 000 at é 1 :10 000 estalas crescentes. e" Assim. passando pelo "expln}af ó / in ^ (i :250 000 até 1 :i prosseguindo pelo "semidetalhe" (t :25 000 até i :j00 000) e t erminan ° do no detalhe" (1 :i até 1 :25 000).^0 .3 .Sistema de Classificação FisionÔmica-ecológica A segunda meta a sei atingida pelo levantamento da vegeta çA deverá ser a fisionômico ecológica.

~~o dos solos Em seguida vem o pela fe/tilidade que indica o /ompn/ t ameo t o das plantas segundo seus hábitos e final mente a formação propriamente ditaà que í determinada pelo ambient s ca/ac t erizada pelas f O iss da ( F mmas do relevo) A ~formação . detalhar o estudo de acordo cum a escola de B/ aun Blaoquc t (1979) Delimitada a associação s realizado o levantamento sineco lógico das sin/¡sias. 1957) /he ( ada pela adapt a ÇA dos órgãos de ti es c imentu das plantas com o sistema de p i ote çi o an d éP i( it Adri c n nos solos Após esta sub/lasse seque se o grupo de e formação dete/minado pelo tipo de transpiraçA =MAS a folia/ de subsirup «x formai.4 . uma pa/(ela substancial das Meies da subformaçao" que i/á constituir a comunidade que de verá ser designada pelo nome do principal acidente geograFi(o da área em estudo Dentro dessa comunidade. o que se assinala nas Formações ylmest ai s é n ( om Formação port amen{o do dossel flores t al (às vezes) e a o( or r~n c ia de espécies par t i M a!es mais o« menos casuais Out/os ( / ii ci rins de di F e l en( ia 6án foram assinalados para a determinação da suhforma cã o dos t ipns ( ampesi!es. en tO .ingx idos pela .Sistema de Classificação Fitossociológico-Vológica A tei c e!ra meta usada pa/ a o levanfamen t o da vegetação i c. as sim. caracterizada por dois par â ms t /os dm foi ambos dist.F Ü t xussx»c Üxx los Ü a A determinação de uma comunidade paite da menor unidade de //m domínio f l nr í sti c u Delimita se. MF i tos e ter óF i I os> m Mo segue se a subOasse . ( omo a o/cn/ & n x ia ou não da flmesia de galei ia L 4~4 . as t /o/as en e rg éti ( as e assim con/luir o estudo da hiosico(enosp ^& . então. é oe ( ess ê io em seguida dema/ ( ar uma área que seja r ~Mente para o desenvolvimento no/ma] das espécies nela contidas isto será est abele/ ido pela ( or /ela x. hemirr}Ptúfi tos. n es t odn F i tr ossu/ io l Óg i/u de uma /umvoidade e fi c os do mesmo ambiente levantado.. de a( urdo ( om o levantamento da área mínima que irá determinai estatisticamente o espaço ocupado pelas espécies Ueo t !o de uma assn/ i Mo Pode se. ' se a um dstalhamen t o das espécies hot án0 as e de suas varisda Fere a pesquisa dos des. Assim. go esp écie/ área. pode se da! início ao estudo dos miei organismos e dos nichos da fauna superin/ pesquisar para. o que torna oe/essário níveis tr ó n ( onhe/ imeo t o das trcxas ene/g ét i( as dentro do e( nssis t ema Estahele/ ida a /omunidads dent /n de uma subfo/ mal. n 0mb! ó filo e n Esta( iuoal dn ( l!ma mensais da prec ipita çã n com n dnh i o da 1 emps rmrelm6 O das médias ra t ura (índice de Ba9nnxls e Gaxssen. procura se inventariar uma asso x iação através óa curva ° esp e ri M!ea mínima ^ que empiri(ameofe óig nifica a menor unidade espacial do ambiente bi ó ti/u Es t absls/ i//a a asso( ia çao e determinado o seu nome at/av6s do invent.Para cada /lasss am é f i tos.1 .Sio das esp~ 49 . ~x n de pa i â me t ro uni F o|me.

deve se inventariar os móiorganismo s (Flora e fauna) do solo e levantar os ni/hos dos pequenos animais silvesf!es e ainda inventariar os grandes animais que transitam oa comunidade. quando somados aos c onhe/ imen t ns sub!e os ambientes abióti(os. o e por extrapol Mn /!us invent ár i os /mma de /ada ~formação. que. tais ( nmo : subassoc ü ação . dar nos que. ini ( ia se o invso fá! in fln! í sti t n da asso( ia çao padr a o pelo método da /mva "esp~ (is/área mínima" ]stn feito. pi atura se levanta/ o//tias á! mas de igual t a manhw. !ndi ( ando n dom í nio F1 ai í s t A o a que pert en( e a asso( ia ç ao 4 . pode se e :trapo l a/ de modo emp í / i/o este (onhe(imento fidelidade das subfnrmaV O s semelhantes.DISPERSÃO FLORATICA REGIONAL ' Antes do desenvolvi men t o do "esquema P it ogsog/ A iro br asi lei t u" adotado to/na se necessário ap/esentar uma imagem su( inta s 50 . sendo necessário então uma ( ulata sis t em á ti/a de flores e/ou f/utos durante um no diversos (i (Ias anuais completos As plantas numeradas no campo e cuovsnisn t s iden mente herborizadas são remetidas aos espe/ ial!s t as pala selem 1 !f A adas Conhecidas cientificamente as mesmas. através de out/us invent arins igual tamanho situada dent/ o do mesmo acidente gengr í fi(n que c arac ter i zou a ( omunidade (um o estudo detalhado das assoe i Mss em várias rommn ida pala as des. V O . pode-se completar o reconhecimento da paralelos em áreas de =unidade. /ompreeodidas deot/o de uma mesma à uma resposta científica snb/e cada ambiente biótico. 0 exemplo a( ima mostra a metodologia do estudo P itossu ( io realizados nas ( omun idades l ó gi t. variante.cies (ai ac ter í st icas. que é determinada pela presença. através da c ui relaçao da asp é / ies. fácies e soc ü avão à |eal!zado ser Um levantamento fit osso( inl ó gi/o só podei após conhecimento dos taxa da comunidade. após cada c iol ó 3i ( n nu durante o mesmo. se esclarece n tipo de metabolismo exis tents no ecossistema ou bio8eocsnose . sendo os A i c os capazes de cnndoz!r u t éroi c n a respostas / ieo t A i/ as so bre a preservação e i e t m)s t i t ui çO da vida nativa de uma Ma degia dada (ver Quadro en/arte> X 5 . com o objetivo de mostrar out ras catego/ ias da comunidade. assim. expli(ar É1 quase tudo sobre a ecologia regional .B ü oec x» log ü a inventário fitosso Para completar a pesquisa. inclusive os passaras Com isso se conhece os principais níveis t! ó fi/ns e.4~2 . Esses s 9 o os oohe( imentos indispensáveis pai a a pi ese/va ã ç ao aleite isntal /oos/ ieo t s que sei vir de modelo pa/ a Fotmas /s/ons t i t ui çOs da vida silvestre São estudos de detalhe acadêmi(o. f/eqii e n/ ia e dnmin â o t ia de uma dada população vegetal da rsg Uo ecológica .

os Campos de das Cai mo( ara( cae e n Pai que do espioilhn da ha//a do ! io Qual a/). Vurh9sia t sae e ie ( gthida(eae. as Pt. t ivas seguidas de erosão e ssdimeoia çA c que também f! ins. (onstat ou se a o/mr ê o c ia no pois o FanernzÚi ( o ini/ i nu se /ealmen t e na Era Palenz6i/a ( nm algas. que ( nm o gênero Cargocar subsidia a distinção da Savana ((errado) s floribunda. mais /oo i nu se a segunda deriva t mn t ioeotml para a sua pnsi ç -"(N n atual. que. en ( untram se bem d is 0 .R es Ü ãx» Floríst Ü ca Ama zrõn Ü ca (Floresta OMbróf Ü la Densa. e os fratu/ados /us ( nstai/ns a Com essas pi emissas cisot íF i c as h ási(as e de a( o/do /om evnlu Ç ao mono F !let i ca das plao t as. ( om in ó meros fôsseis en(ontrados nos s/ou sementes aladas. /as r lor í st A as regionais brasi l ei!as das priocipais c ara ct sr í sti o do saber universal que na Ela A/queoz ó i ( a e em todos os e l up pe/ í odos geol ó gi/os que a s u x ede/am houve ( on( omi t antes <ases sempre houve. ( om apenas um gênero na 4fri ( a. ( om seus inúmeros gêneros. p/ i me i/ a s 8etais. Humiriaceae. situados en t re embas mentos crat Ô ni/os gr ao(ti ( os/gn á issi mentos. pode se aventar hip 0 eses subi e o /am iohamsntu f!togeogr á firo na plata F o/ma brasileira end é Sabe se que atualmente o ( o!/em te/ ca de 60 Famílias micas na Zona Neotropi/al(GooU. smen t e as g/ andes /svolu ç Ves gsol 6 gi i as me evolução b io/ ási //a da [e//a : baseada em a( hados paleon t olúSi/os das P/ é (amh! iaoo. ( Nests ps/ í odo p/o C es solidada durante o pa í ndo pliuplsisforôoi c o sox se u dnh/ameo t n fioal das g! andes ( adeias moot aohosas (nos ei :os soer guimeo t o da 4 sia Europa 4f/ ica s das Amé ricas) e o ( m)seqiiente esses do!xa dos pl anal 1 os aren(ti ( os interioranos.1 ís Com ex( e çg u das [a c ta c eas. s /arnosos. ( a/a/ t eriza a Camp inaraoa (Campinas). providas de frutos famílias que se d!s t ! !!v/em poi toda a Zona Neo t ropi/al (ontudo. cais das Hxmiria/eae que x om a Humir ü a bal sam ü fera vai t ente nas depressies Am idas c apeadas poi Pndzul (iidrnm ó / C i( u. pota c eae e Ster c uliaceae em geral com frutos grandes depósitos além da ie@umioosae. ác eo.mais objetiva. bem nas plat a/nrmas /ont/oentais emersas. sridúfi t as s as p/ imsiras Espema t 6 F it as. a9 nut /os MO ias Neot/opi/ais en dent/ o dômi x as n go n F e/e ( em grande dis t in çã n fisioo Ô mi ( o e( ol 6 gi ( a das regi . embora ainda ioripieote. do [/et ár eu e 7erc Ario. t/ i!vu em pala c a|a c te/ izar a Savana Es té pi ( a (Caatinga do sertão ári Roi ai ma du. i964).es brasileiras 0 5 . as disjun çOs do [ha ( o Sul Mato Grossense. na Ela Mssoz ó i ( a. Floresta Ombróf Ü la Aberta e Camp ü narana) poi Esta grande regi g n o cara( t erizada p/ in t ipalmsn t e Sa ap!esentar uma ve8eta ç. mas sabe se também que muitas Pa dessas Pam/lias pouco ( a/a/ t e/ izam as reg R es f J ne ç ol ó gi/as do C01 . just amsn t s quando so !/revieram as vai i M es genot ( pi(as mais e :p/essivas no mundo Poste no (re t.í . as de o/ igem afro amaz Ô nica das [a/ icaceae.g o /om famílias de dispe i sgu Paot/opi ( al. in i pre ( isameo t e / inrments. espa6os queo t es e ( nmn j midus e sec os sugerem a Evident.

torna se mir|n P ane ióF i t a/ :erumo/fa na Savana 0crirado). ( c astanhsi Nessa Família.tri buídas na p I ata Forma b/asile!/a Como poi e:emplo. o g ê ne/n moont íp A o Berth u»l %et ia excelsa d (ila Densa (Flores ra) ( ai ao te/ iza grandes espaços da Flo/es t a 0m!x t a 7ropi/al Pluvial).'. possivelmente. ambos ocor endo po/ t oda a !!gleae e ( om provável 01 i gem amaz ó. /nm maim f/eqii M ia na Aust i al á sia de provavelmente onde 5 C> originou. tomar se ão iecythida c eae s Voch W areae que são cnns!deradas duas fam(lias t0 i( as e apresen t am F isim}omias mar( antes nas áreas que dominam a F ri/aon Na p a%eom a A fam i lia ie( Bthida ( eae. suhmoo t a e Qualea que /ara( te/ i za as P nrma ç of ss das t s//as hai . estio sempre ( ootidns nos genótipos gêneros Um exemplo pode sei (onside/ado como clássico : o da Vochgs üau tuc aanorumm que é uma m chIaspécie no dizer de White (i962). reto/ oando à forma de vida anterior de macrofansr ó fita/ :eromnrfa na Flo resta 0m!/r ó fila Densa nas Se/!as da Mantiqueira. de acordo ( om os ambient es por que passou. dos 0rg A s e do Mar Es t. até o e: t remo predominantemente suhmontaon e distribui se somente sul da Savana (feriado) e Vochigs Ü a de montaoo até submoo t aon. nos e( ót ipos dos que. Suriname. por sua vez. passa pelo Brasil Cent /al ( hegaodo às Se//as da que ira e dos 0rg ãos e daí dss ( s para um novo posicionamento c ost si i o. Peru. adentrando novamente em território Mas 52 . o que f a ( ilita n seu ex t /afivismo comer/ ial gins/ o ( om o Erismadelphius na A família Vo( hysia/sas. e Vochig sÜa. Equador e Bolívia. ocorre. P que na Amaz Ô nia apresenta se como ma( rofansrÚ F ita/xsro mo/ F a. o que suge/e a sua p/ee :is t ôo c ia nas plataformas afro b/asilei/as ainda juntas ou ainda bem próximas . (ai a/teriza muito bem as areas e!up t !vas que circundam a bacia amaz o oi c a 0 nrre desde a Guiana F/ ante sa. mod i i o a se pa! a mio ru f ane! óF i t a/xe/omor Fa na Savana.a o ~ ero Er i sma / om provável or i gem no C1 át 011 Ou iao ê s e dom ioaodo nas montanhas da pa/ t e oo/ t e da b a( )a amaz Ô oi ( a. República da Goiana. norte do EsSã rn do do Amazonas continuando / i!rmn s/ri t o às pré andinas da l Ô mhia. cum o gênero da família Na ( C mn side/ado pm alguns !x/ tâ ni/os como fazendo pai te sn sit`/adns puleooa ( sas). mas considera da aqui como um e/ ót ipo que se modi P i/a Pornotipi(amente. e pi oblema ecol ó gi(o evolutivo sugere que as variaç os s Feno típicas das formas de vida refletem se. que apresenta forma de vida ma ( /ufaner ó [ita/xerumo/fa na Amaz Ô nia. nas tei ras baixas do Estado do Pa i an á P/obl emas e( ol 6 8i e os impnr t ant es passam se rom sst es gê ne /os : Qualca . end i mi c o hileiano que se estende até o (a/ i b e (Gnlleg et ali i. o gênero Siwie Ü te mü a .as s nas. ni/a o( o//cm com F rsqiiôncia Estes dois gêneros Voch90a e Qualea F o/a do espaço amaz 8 ni ( n. Venezuela. c ompmx|o a fisinnom i a das Foi ma6 A s mon t aoas. apresen t. s us gêneros Vochgsia . ( onsti t u i odo às vezes so( ia çA s homogêneas. Manti na Amazônia.. apressn t a f ó sssis nos ar soitus do (/e< à( nos Es t ados do Piao í e 0 /e. passando pelos Estados do Amapá e Pará. da Amaz Ô nia à ái ea e nstei/a at l â n t0 a Pantropi Fazendo parte da Família Ms]ia c eae de dispersão /al. norte dos Estados do Pará Roraima. com o seguinte posi/ ionameoto t opng/ A i/o o b ede ( endn a grad isotes e lim á t i( os }at itud i na is rrsscen t ss : Qualea É. 4 H i( a. i978).

que c. ln/alizadus sugestivamente nas ái cas s Maxim Ü llíana menos úmidas. t i m n/¡me/o deot/u das Florestas. ocorre uma nut/a Fisionomia pantanosa dominada por mi( ro F ane/ ó fi t os /ioos do tipo "rip á rio". de acordo com a g i ocse s a fertilidade dos solos .bras ilei!o at rav é s dos Estados do Acre s Rood Ô oia.M unda a pa/te sul da ha( ia amaz Ô ni/a e n ( m/e em in d me!os agi upamen t os disjuntos situados à nas partes norte e leste da Hg leas. caracterizada Poi e/ Ot ipns do gênero Clusia da PR m í lia C lusia ( eae 5 . Em fe//enos a!en í ti c os lixiviados e Fortemente aluminizados. quando gr eg R / io c onsti t ui pequenas disjmn 6 O s Além destas poi t oda AmaSnia io t eg/andn a "floresta de snrnrn ( a" fácies típicas. Estas disjon çO s da Flores t a 0mh! óf ila Abe/ta. eae. observa se mais uma situada predominantemente nas dep/ess ies rasas e mais ou menos / i/ ( ula!es dos ter/eoos pré cam b rianos arrasados.R es ü ão Florí s tica do Brasil Central (Savana. a Palmae monn tí pica Barcell au odora Al í m disto. geralmente en/har ( adns na época das grandes chu lianas lenhosas vas /rata se de uma f á( ie densamente povoada por imprimindo que envolvem uns pou c os macrofansr ó fitos sohrevi ventes. Floresta Est acio nal Semmü dec Ü dual e Floresta Estac Ü ona D Dec ü dual) P reqiieo t emento--. passando p/ imei!o pelos Estados do Amazu p/ é amaz ô oi/a Mato Grosso. termina na área maranhense. dentro das ba ( ias dos / i os Neg/o. 0mh/ ó fila Densa (Amaz Ô oi ( a). é ( ararterizada por trôs f e ies dominadas Por gene/os t í pi x ns. os t ess ~x'rio se to' na EM lare (. relsvn disss t ado ot nrrso t es na Amaz Ô nia. mas às vezes Ao eo/on t radas em maio/ f 101 esta hi nos ambientes abertos e bem iluminados da luxuriante leiana li :} Nos terrenos ar/ asados s com solos degradados muito viadns. ma !s freqüentes no sul do Ey t ado du Pará. ( om seus am b ientes ( apeados por Pndznl !!id!om ó / F i( o que re Flete uma vegeta ÇA oligo t r 6 fi ( a raqu í ti(a Estas ai eas s9u ( arar te / izaUas poi endemismos a nível de gêneros e ecó tipos. (om prednm!n âo ( ia de 8 í-'~ 1a1 sia d i spe/s ão neros das fam í /ias ieguminosas e Bignonia o. a saber : Orbigin@a* phallerata (babaçu) : Guadua superba reg Ü a (inaJ á ) que ( omp i em a "flmesta de palmeiras" ( t aqua/a) que Forma a "flo/ esta de bambu" e PEie~ x»spermu mm quianen si s/ 'snr oro( a). existem dois out/us t ¡pns de vege t ação dent ro da /sgi g o f]nr í s t i( a hileiaoa : a Floresta 0mbr ó F i la Abei ta e a (amp inarana A Flo/est a 0mbrú P ila Aberta. t rôs tipos de vegetação. Antes da (ai ao te/ iza çO das nut /as regi V es flor í s t 0 as além da Floresta !/rasilei! as. situados on norte da Amaz 8 nia. ( umo.-. em istiodo também nas en( nstas do com n aspecto d c. Sn ( nnhe( idas c omo "mata de ( ip V .â oas. lhes u aspe M o de torres Folhosas desde a base . Esta região de (lima continental apresenta que /e[l pt em dois pe/ (odos anuais bem ma/ ( ados poi ( huvas e setas. Tot ant ins e sxl do par . mas aí " "flmes t a /om ( ip ó Essas lianas lenhosas. poi exemplo. Or ino ( o e Ri ano n.2 . o( or/ e a Savana (C cri ado) Já nos solos de origem ígnea s/nu erupt i 5] . que. ncmre a [ a mpinarana (Campinas) de c l í ma: ed á P i(o.er que.

Sm ioame. oco. Ovo !/ihling/afia c on F i á vel (RIMO. out i os 9 2 op 1 os savao frolas que tiveram o/ ig e m poss í vsl na Amaz8nia. e: i st e na Ama M i a ( a/a( t e/ izaodo ál eas lit úli ( as na sei ra dos Cai aj á s e Em vários ag/ u pampntos savaoúolas no meio da Hgleae li p l ová vel que sua m igem seja amazonica . ( om e'dti pos qos se expandi! am a t /av oí s da /cd* hid/ngr á / 0 a. pula mig/a ~ dor */út ipos sE/( . pode se cita. at /av é s dc Uisjmn 6 W cs savao A 01 as em ist*n t ES nos E si ad ws do Piauí e (ea/ á Out /o g ê oe/o da mesma (am í lia Vo( hgsiareae Cal . na pai te norte da ha( ia ama R n O a s Em d i sjun6 Wes situa das on io t e/ io/ da g/aode !!9leae A p/nvível o/ igem dela /eside oa : Aus t ralásia. adaptada at /av é s do tempo aos t e . n a Savana Est é pi ( a ((aatinga) e na Restinga de Salvado/.3 mó/ F i ( os F lmes t ais que iam SE modi p i/andu /eoot ipi'ameote de a/o/do /om os novos amhiso t es li :iviados us quais rs F l M iam Plantas oligo t r ó fi c as. como poi exsm pio :a) HinatEia m th as smcuMa (sucuuba). i97]). !pgum~onsae M i mosoid~ aos. on Fstado de Rmaima. no noite do Estado do Pa/' A! h) Parkia p D atgiceph aula ( Fav e le i /a). o/mrem ou l /ns de igual valo/ [i t o geog i 6( i/o. ilha úe Mal ai ó e adeo ti ando pai a o io t e i iol du Plaoa l passando pela t o [pot /al. adapt ados a si tua çã es dm idas dos solos ( è/ t e i s dos vales ap/s s eota EM ão uma (lo/ í st i/ a A Savana ((c// ado) em iosn torment e amaz B oi ( a. d i aod. ipos na Savana do que Dü ethena nas (lo . pois existe um homólogo asiático. o que soge l e uma ver ia çao geoo t / pio a ant iga. F e / i i. ót. sugerindo que o P(6 tipo Neo t /opi/al seja um vi( ai iao t e daquele gen ci {ipo No B/asil a ~ Curat e lla americana í en( ~ /ada na maioria das 0 sas savao i( olas mesmo (ma delas. pois 0(01 / e dssd~ o norte da g/ ande ha/ ia. e Pia~ et Silva. ( omu a och D«»sp écie Curate lla americana (lira i/a) da p/ i mi t. Apo/ ina/eae. ma /aqu í ti ç as e o/a de baixa altma sot i e 2 a 10 m (m I c lxi se que a fisinnnmia s ( nl ó g i /a savan íc ola 'esolta da dsgrada ç Óo ambient al dos solos ai eo ít i c os. o g i oe/o momo t 0 i( " salver t Ü a conva l lar Ümdora (pau de ( nlh*r} or o/r* desde o E st ado do Amapá. */ót i Po ambiente savao i( 0a F lo/es t al mel omú/ é i( o adaptado ao de 7iri ó s. 1910 . i eoos UM li/ns á li c os s mesmo às Arsias Gum/tzozas. no estado da Bahia Seguindo o mesmo /a c ioc ún io M ogeog iá /( ( o e emhasado em 1959.iva Família 0illenia/eap. oro st ipo É lmest al amaz Ô oi ( o /nm pi ov á vel o/ igem na serra dos Cal aj é s. imero de s c. t om maio/ n /estas es t ao iooais. existente em (u h a. po/ exemplo . o que não = loi a possi h ili dador da s :is tênr i a de áreas savan( ( o(as \}t 6l0 as PI ss : i st EM es na Ama A oia A Família Vo/hgsia ( eae continua (moe ( er os me J ho/ss a 1 <}a expansão da Flora amazSoi ( a dso t /o as l (sn t /a1 s .podzoli c os d i st /d/i/os va e logi ( ammn te mais fé /teis (la t ossolos e elo« Gut/úf1/os). r*m os t ipos [lm estais esta( iooais E st ps t ¡ pos vege t a/ iooais são em ineotemeote de o/ i Sem amaz0oi/a. /i s /9 .emplos do Bi dos Sône/os N/oc h gsüau dominam na Pi Além dos e/ út ipos e Qualea que: siooomia e/olúgi ( a da Savana (Ce//ado). 1963. como. nas( EM s do / io It a( aimn as no Estado ~ 54 . ante/ iu/ à atual b ar i eiia florestal hilsiana Além destes exemplos.

trata se de um EM ipo nano Savanícolas. d) s) [) Plathigmenia spp (sucupira). um da ((e/adn) P . at ingiodo seu pnn t o mais me ! idional na t hapada do Araripe situada entre o Ceará c. isgumioosae [aesalp i nioi deae. existindo nus planaltos ai sn if t A os nordeste.. quase sempre ( ara c t o izanUo as /mma C Ue s o0 olas . isto no sentido oeste. /oost i Kielmesieira c oriac ea (pau santo). o que nus ]eva adaptada aos a supor que se V ata da uma WhI x» spéc ü e ambientes est a ( iooais . Mato U/oss/'. desde o Ho> uh norte de Mato Grosso até n Estado de Goiás. e ri j u(a (R1) . sei vado dent i u do Pai que Na( iooal da /om a fmma de mesofane/ 6 fit o ser omm é o. poi é m sendo orno: un t rado t amh é m nos /errad i ss do nor t e dos E st adus de Mato Grosso e 7n/ ant ins . de onde se e :Pandix pelos diviso/es de água da Mo. / upss t ires. da passando antes pelos Estados de 7 qc aot ins . que se expand iu pa/ a os E st ados de Goiás.. existindo também ( nm F1 COM ia em á /eas f|orsstais esta( iunais e savan(/olas nordestinas ~ ) Pl a tomüau Ü n s ign ü s (hacm i). t /a í0 ta se de uma o chi co spéc ü e /om uma possível oiigcm s lo'a Y s estal es t a ( i ooa \ nos Estados de Ma t ~ ~ S I osso t ins. sendo possívelmente uma gênero originado do é lmesfas es t a ( ionais do sol da AmazBnia que se adaptou aos ambientes savanNolasr. Gut t i Psrae. à para leste o C or/s até o Piauí. r et ü c «x 1 at a e outro das Florestas Savana esta( iooais PO eleg auns o/ o/ / endo nas florestas de gals / ia e dent/o dos " ( e//ad ofes" on Estado do Mato 61 asso nas Sul. Mw. Gutti F eras.. existentes na Savan . a1. /mn s t itoi um dos vá/ ios e ( út ipos F lo que oror/s na Savana ((er/ ado) s s : i st em desde as /esfas estac ionais do sul da ~Unia até o Estado do sava Paraná. Pernambu/o. ( nm origem provável na chapada Uo no/ t e Pars o. sempre nas c loresfas esfa o ionais. A ne/o ( om dois ecót ipns ech Dx» sp ecif ü c o»s . Fanei ó (i t o :e/omor P o adaptado a ambientes x i s t sotp desde o possivelmente uma c»chIosp ví cA c no /t ~ Amaz S oia (Amapá e Ro/aima ) até o Estado da Bahia. g) Am tonia o w ata !ngao i a/sae. sc ót ipo mesofa dos oer o fifo :e!omm Po. /s(/lgios vá/ ios Pa/ á e Maranhão Sua dispe/s ã n atinge d ~. (ca/ e Ba!/ia 55 . is. D Ü m~handira m m llis (Faveiro). ia do Maranh O Piau 0 .do Pai à. Sap i nda/sa c . mas existem out!ns den t !n de f lo/est as esta/ iooais.à t uiodu um dos vá/ ios e M ipos ((cr/ado). em geral Ao naoofaoe/ ór i t os xeromnr F os. Leguminosas (aesalpi do g ône i o nioideae. Mioas Ge/ai s e Mato 0/osso do Sul. donde p/ovavelmpots m igioou SE oo oo/ts H3leae ' h) Magio m i a Pub ozc ens (sah 9o de ma c a/o) .

Acredita se que os exemplos citados sejam suficientes para o entendimento da linha da pensamentos aqui apresentada inerente ao /aminhamento da flora amazon ica on sent }do sul. fmam a t /avO do último milhão de anos adaptando se aos ambientes estacionais. maior percentagem de plantas dmciduais. Do exposto. /ontinuamente.a. Isto foi proporcionado pela dispersgn aérea de frutos das e sementes leves e/ou alados que possibilitaram a colonização novas áreas do Brasil Central. para completar a hipótese liga vi es pret U itas de aqui apresentada deve se in ( luir possíveis famílias de origem austral á s i ca. imprimindo à vegeta vão um caráter ora de clímax climático e ora de clímax edáfi(o.go geológica sobre a formação da !/a/ ia amazÔni(a. brasileira 1982) de onde se originou a atual cobertura vegetal A publicada e :plicar. de que a o/upa çâo P lor í s t i ( a dessas bacias seja hem mais recente do que a flora das áreas rrat Ô niras emersas desde períodos imemnri á veis. como já As á/eas situadas em /lima esta ( ional vimos. Outrossim. re F letem. esses ec ô !afnssnlns tipos que viviam em ambientes super úmidos. capeados por distr ol f iras em vista de sua gênese xeromorfa tiveram c ondi6 As de se adap t a/em aos novos ambientes suhúmidms capeados por Pod A lirns á li c os profundos . que ago os divisores das principais bacias hidrngr áfi ( as brasileiras . 1966) . ( om base em dedu cies de lógica ( ieot í fi o. sabe se que a maioria dessas bacias foram en t alhadas durante o Cret E em exe lu í d o s os cmsos mé dfo a baixo dos rios Amazonas e Paraguai. Isto por serem estes c r á tons as únicas áreas emersas desde a era arqueo z ó i ( a. pait indo de "ref iá ° gios hileianos após o último período glacial andino do Quaternário /ecente h6 cerca de 15 000 anus (Wijms t ra et Hammen. po de se aventar a hipótese de que a flora savan/cola foi quase que in t eirmmente ( nnstit// í da por adapta çaes fenot í pi ( as (variavi es e( ot í picas dentro de ambientes l i :ivi a dos). donde alguns de seus er í tipns variaram feno t ipi ( amentc e outros cor) servaram seus caracteres originais NchIospéc Üer) . Então. respectivamente bastante provável. atualmente existente nas formaçAs savan A olas situadas a mais de i 0@0 m de altitude. de Janeiro e Sgo Paulo Somando se a isto. mas com gênese xeromo/fa. n que possibilitou. u que induz à ° teoria dos refúgios" (HalFer. que foram reeotalhados nos Daí a hipótese períodos ter ( i á / io e quaternário. os (iuzamentos entre ta 56 . nas( idos nos planaltos s nas serras crat Ô nicas. além dos tabuleiros do Pliopleistoce (Serras da no nordestino e dos vales dos rios do Escudo Atl âoti/o e atualmente Mantiqueira e do Mar) encaixados durante o Cretáceo. de acordo com o terreno ocupado . Esses Sen ó t!pos advindos de s tes ora úmidos a ura secos. que se expandi /am através dos Andes antigos. Rio margeados por plan Ó !es terri ár!as. por Derb9 (1871) esclarece razoavelmente o problema dos reYú gips flnr í sti<os ilhadns nos e r át ons que cir/undavam a grande ba(ia . nos Estados de Minas Gerais. Essas florestas sgu const ítuidas por gêneios que expandi ram seus e có tipos através dos (ursos de água. como exemplo : os ec é tipos dos gêneros Roupala (Protaaceae) e Ilex (Aqu}foliaceae ) . provenientes de famílias e a Fro amaz Ô ni ( as g êne/us qua evoluíram nas plataformas continentais amhieo nos últimos 90 milh ies de anos .

que a rI ma da plata p o/ma brasileira.3 . l og//amso t Isto (os mu provável que a (101a existente nas áleas pliop l eistn ( ôni ( as no Esta tsiras. desapa! M eodn alguns e sob/ evivendo s S/hohbenhaus geológica antiga fui mode/nizada por Almeida (j96/) hipótese da "plata p nrma palenz ó i( a (t984) quando desenvnlve!am a t i fi c ns mais a j ualizaUos hrasilsi/a". 1951 e Veloso. possivelmente ( nm Podo( arpax eae e Arau ( a/ ia( eae ()is t o se pode supor que Foi a parti/ do [retácsu Superio/ . justamente nos depósitos do ]mat/ i á ssi ( o e/ a dominada por C mdai t ales e (mn ! Fe/ales /~ oo [ret á ren Tnferior as [nniferales dominavam até a alt ma da [hapada do Ai ai ipe. a part ir da Serra da Ca até os `|l t imns ( oo t /a[o/ t es da Ser/ a do Ma/ . /e( ebeu 91 ande !nPlu M ia amaz Ô oi x a que Man t iqusira ra reveste o Escudo Atlântico. Floresta Ombró01 au Aberta . Floresta Ombróf ÜD a Densa .Região Fl u»rística Nordestina (Savana sertão árido com suas três d Ü siunçZes vegietacionais) .out/ os Esta e :p 1 i/ ação ~IAS. sofreu t¡ ( o. assim como o /lima /egimn al. a flma Pó ssil em que . a l necessita uma acurada discussão 0 Escudo Atlân //ma origem mA tipla Hatmamentu durante o oceano. no estado de Santa t ar ina. E pn c as mais antigas. Du 0 s (1953) s R i z a io i (i963 ) ` pa no/destina /a eo t i o se /oo/lxi/ so!xs a o/ i gem e dispe/s 9 o da [lo!a atual 5/ . ( omple mentada poi !ustzelhu/g (i922/23). pelo menos até o início da Serra da Maot iqusi/a. permas c om estrut ma :d/ i( a. su F rsu mnd!{i ( ao i es p/ofuodas Isto í demonst/ado pelos achados Fósseis dos depósitos do Pliu pleist o/eoo. no 1á a F lo do do Espírito Santo. pois ~apareceu com nut/os depósitos Pelas análises dos t OS vegs t ais e pert en( e à Angios fnssil A E. an passo mais os fósseis !evelam uma flora de Gimnnspe!mas. cais onde dominam plantas Angiospermas e n g o mais GOnospermas que til am até o (/e tá( eo !o(erio/ Ex t ensa hi!/liog i a F ia bast aote hipnt~ t ica des/!eve a flora que reves t ia a "plata F o/ma mszn 00 a hras i lei /a" (0livei/a. 1964) Para se disser t ar sob/ e a vsget a . Floresta Estac ü onal Dxcc ü due l e Savana) flu/ í s t ira nor Antes de se dis(u t i/ algo sob!e a legião a ( ohe/ t ma destina. quando se ioi ( iou a sepa!aÇA continental. é oe c sss~ rio estudar a vasta hihliog/a F ia de !)O dano de Andrade ! ima. situado ao longo du evento prejudicou muito a Este transcurso da deriva continental agi up a men isolou alguns runt iouidade da robertura Flor í st i(a. enquanto que n Pla muito /e/so t s. Floresta Estacio nal Semm idec ü dua D . 1937 0oliani t i. os do Pliopleis t n( eno. iu ooi dsst ioa. apresenta alguns /e A gios flor í st iros de origem aust/al A s A a e out/os mais re/entes de o i igem a F ro amaz 8 ni/a. indicando épocas e com seca fisiológica nos leva a admit// /n frias. to/na se necessário discorrer snb/e p l ovável vegetal da p}a t afo/ma brasileira antes da Alt ima deriva c o n t ineo t al que /evestia o Sabe se pelos fósseis en ( oo t /ados que a vegetação Nordeste até a altura do Estado de Sergipe. partindo de princípios ciso te/ A hip o fese da disfribui çã o da F lo/a do B1 as il c en t. ad oal t o Ms/ id ional apresenta uma flora de oc opa çi n vinda de / ef/¡gios do Es( udo At l â o t ix u E stéica (Caatinga do 5 .

( omn.ioSas do sei t 9 o A/ ido). pol é m com flor í st i ( a típica A primei/a faixa f}u/ss t al. Parkia Pe m d xxDe (visgusiro) e Enteirolobium maximum (Cava). /hamados popularm e n t e de "h/ejos de alt it ods". 1982) Es U s ~COM ias sxpli L am oma poss(vsl Uomio â n c. in à iado no Fim do r. ap/eseota gôoe/os amazôoi/os end &mi/os de /am í lias ~tropicais. as se// as de Ros á/ in e Hi uhmetama no Estado do (ear á . que. com Seas pluviais de supe lúmidas a úmidas na /ns(a [lo/es tal at l â o t i ( a até o ter/ i tó rio á/ ido i o t erio/aoo /!a Savana Esto pi( a ((aa t. a F a/s voltada Pa/ a o ma/ da se/!a do !h iapaha. exemplo. como. ap/esentam duas situa ç Ues s c o l ósi i/ as distio t as : os sit uados no no/ t e da /egi ã o com /ohe/tma Pio / í st i/a amazôoi ( a . (Andrade ! ima. segundo Aod l ade i ima (i966). quando dominavam as O imouspsrmas. V~hus juazeiro (/uazci/o. inselberg /esidual situado no io t e/ io/ do Estado da Bahia. pol Galesia siorarema (pau d'alhn. a !sguminnsae [a (jatobá) e as /sguminosa r. des viando se daí para n in t e/ iur já na Patada e seguindo até a Bahia quando se i n t eroa. oco//em também outras Ai cr as disjon t as florss tais es t a ( ionais. logi ( ameo t.e /om /lima hem di F e/eote do at. apresen t a x» chIo s péc Ü es hem /arar t e/ í s t i( as. Dipl mtrop Üs p urp mrea (su x upi/a) ` Migirox91on balsamumm (bálsamo) e muitas ou ti as. et so E terminando no Fim do Pliopleis t o ( eoo. para Foi mal na /eg 0 o ( eo t /o sul um 91 ande te/ i i t ó rio ( om c lima continent al onde o( o/rc a F}u/esta Es t a/ ional 58 . é p/ová vel. ( omo. (ara( ter izadas pela @ rb Ü gng au phallerata . denominada popu I ai mente de "zona do agrests". /slitos do a/ /asameofo que sof/eu a região Esses / ~ gios F lm í s t i( os. denominada de popu l armeo t s "zooa da ma M . ia uni Foi me de dois tipos climáticos passados : um muito antigo que i evest ia os planaltos cum altitudes hem mais *levadas do que os seus at vais /es í duos. dmao t e todo o Paleuzúi/o até o fim do Mesoz ó i ( o e out/ o mais re/sot s. s a presença de «m único exempla/ de Pod mca r p vu s IamberVii no Morro do Chapéu. most / andu o at ual quad i o / lo / í sti c o da iegigo nordestina a Esta região F lnr í s t ira é eminentemente /lim át i ( a na at ua lidade. 1963) A segunda faixa também florestal. 1gius" estabele/ idos em Seas alto moo t aoas dos inselbergiV . m/em : exemplo out/ as / om o/ i3em no Es( udo At l â ot i( o. pol . induz a a/ i edital se numa /el í quia do passado. as leguminosas Mimosoidcas. Papilio esalpinioidae Hymemaira lat Ü f m l Üau noideae PeD togigne p auciflora (/o :ioho). justamente on auge do ar/asamedo. ~destina e amaz 8 oi ( a Além destas espécies oc. pol exemplo. por exemplo. passando pol t /e( hns su!vj midos do /ha maÚn "agreste f}ores t a} esta( ional" situados eo t /e os sxt /smos ( li m át i c os. situada entre as dicas ( os l sira úmida s iotp / io/ana árida. oco/re/am os depósitos Poss! M sros de plant as Angiospeimas. desde o sul de Natal (RN) ao longo da costa. / omn os de Ma/ ali e Uaoda/ ela/Foose c a. Ph Ç ola = sae) c ou t /as (Rizzio i . /hegam a 19 g ê ne i os e ]88 esp O i es ( nmmn s às doas rsg Oes.ual . quando . Rhamoa ( eae ) que o(oire também an longo dos ~ sos de água io t e/mitentes Além destas espécies que ( ara/ t e/ izam a Faixa.}oi e ialments é o e rsssá/ ia uma refpr i n/ ia aos "/s F . ( omn.

com predom i n â o ( !a de plantas espinhosas de/ iduais. por exemplo. nu t eira Brasil Venezuela . po/ exemplo. tr xxs c Ü fol ü a no sertão nordestino.A t er ( eira Paira. Cere m s jamacatr xx oc ! Iospéc Ü e f/sqiisote em todas as À eas deste t ipo de vegetação. No 59 . s C . de provável te/ri tá rin andino antigo sul americano. na A!geo t ioa. cearens Ü s var v í nria de Salta. ap/eseota uma f lur í sti x a eod m M a pi ol p i ia dos ( l !mas de semi áridos a árido. Prx»sop Ü s algatrobilla no (bato ma Z . outras oxchIospéc Ü es /ara o ts/ i ` Amburana cearen s is . Prun Ü fera vai a xxstral Ü s ri equeo t e na dsnomi nada ° savana /¡mida" do ° (ha/u Boi cal". Schinop s is bras Ü l Üens Üs no rha c o mato g/ussense do sol. oo Brasil. joaze Ü r xx no e to g!ossense do sul e no Parque de Espioilho do Rio G/aode do Sul P . já constituindo uma grande ^ M sa.. e a A . como. o/o//endn no "pantanal mat o gros sense" do e:1rmmn sul Além dessas espécies t l pi/as s ra/a ( ter í s t i ( as da Savana Es té pi(a que mostram liga çO s F ilogen é ti ( as iodis( ut í veis e : i st entes entre essas areas bem separadas @eografi c ameo{e. uma austialási(a ali dina e nutra af!o amaz 8 ni ( a qus se mistu/aram no No/des t s h/asilpi/o pala formarem um "domínio flo/ í s t i/o h!asilei/n oordest inn" ( nm 0/¡ meros e/ oS fipos end ê mi/os. cearensis ocorrendo na Pio cum duas variedades a A . or i8pm oo A fam i lia ~tropical [actareaa. bras Ü8Ü ensis no B/asil Cent/al até o sertão nordestino e muitas out/as G 9 o estes os exem P lo/ í sti e a snt/s cssas plos mais típicos que mostram a semelhança i xntas. /nm va/ iedades. com duas variedades a C . Coper oÜ c ü a prun ü fer ax. como. e poi todo n se/ tio no/destino. que. com chuvas intomi t entes tori en / iais seguidas por longo pe/ li udo seco que pode dmar alguns anos 0 t ipu de ve3s t a6 ao que aí se instala é "savao íc o}a". p/ io/ ipalmeote nos vales e a/ eas alagadas tempo / ariamen t e.as dos climas temperados p! é andinos da Ai gent ina e Bo ve l i via Da/ a denominação de "savana cs té pi c a" para este tipo de geta çã o core S ida b!asileira. Prun Ü fera var cer ü fera o/or/sndo em toda a área do se/ Ao nu! destino. pode se c on ( luir que esta legião PI 01 í st 0 a apresenta duas linhas V ilugen6ti/as diferentes. o denominado "parque do pspinilhu" sul tio giandense C. dsoomi nada de "zona do sertão". ap/esenta se na Savana Esto. e mais e M ipns dos g êoe/os P üD ocereu s. out /ns s( ót ipos ( nm d iferen C as fennt íp i( as most| am grande identidade geoo tó i ( a en t i e os C. acreana freqiiente na Amaz8o!a 0ciden tal e ocorrendo na ba ( ia do rio Paraguai de onde penet/a nas Rep/ l hli c as do Paraguai e da Argentina . mas M n8eogra F i x ameo t e simila/es áreas dis Pelo exposto. como se /uos t ata em Rizzioi (i9/6). Pereskia e M eímpal na Fisionomia locact vus que imprimem à veSet aç 90 um /ar át cr e/ul ó gi ( a ameri ( ana Al Cm da fam í lia [act ac cato. ' pi(a com muitos g e neros bastante ( ara( ter /st 0 os. e S . pois sua flor í st ira ap/eseota homolo ° gias bastante si8oi F i(ativas /om o [ha(o Boreal" ar8eo t inn !x/livia no paraguaio. zam este tipo de vegetação.ri MI os "/ampos de Rma!ma" situados no e: t /emn noite do País... seguintes gône/ns : M~El vus mmüs t cvl on rhaco mato giossense do sul sertão nordestino. apresenta uma [lur í stica homóloga das áreas est E pi o. cearen sÜs vai. em!/o i a estabele/ ido dentro do espaço intertropical sul.

Sio Paulo s Santa Catar ina /ana. !si Aão Filho.Região Florística do Sudeste e resta Estac Ü onal Semmü decidua D. ]ngi c amsn t « os seus s M ipos Ao às en(O) to/nando se hlosp é/ ies" que se distil!/em pelo País in t ei/o. S ( hob b enhaos (t984). Flo(Floresta 5 . em vs à es % famílias e 8 ê ne!os. ( omo poi exemplou Veloso. primo/dialmen t e no planalto situado a/ ima dos altitude. /omo também ws psdiplaoos da ha ( ia do rio Pai aná. i95/ .}sn de Uisps/s ã u few. 1949. era do tipo om!x si i lo denso (pluvial agrupament os porém. (32 publi ( ados pelo P/ujet o RADAMBRASl! e 2 pelo ]B G E). aspa( W( as c listagens Veloso 8 Klein. Rizzioi (i98/). onde Foi am dssC apsadas /nnsids M veis á/eas bas í lti ( as t Eve io P luôn i.! ima h li( k (i984). São Paulo e Pa/ an a Ssguindo o !acinc í niu de que c ada o ú. !ewis (1981) e Fel rei!a Neto & Vaz (1988) (i984). p/ovavelmen t e tipo de gênese 60 /ma */s3 . existem i e Ngios isola quePodocarp ws) -anti ga "flui este de /nni F srales" ( Araucar Ü a dos da ( 4 /ri/a dominou ái eas das plata t o/mas meso 0 i/as do hemis Fé rio sul nome/osns da (lm a A//st/ ál ia Amé / ice du Sul). ia do Es( ud o Assim.níveis hie/ á rqui t ns du.que dm ou at í o Ao intenso vul/anismo que imperou nestes pe/ í udos e lei( i á i in <já na faixa f/oo t ei/ iça entre os Estados de Bania (atari eólicas deposi6 W ss c ret át i e as na e Rio Grande do Sul). atualmente. do PI inpleisto(eno. segui 0 es aos /ef'¡gios situados on Es/udo Atl â n t i/o a dispe/s g o dos s (ó tipo s . Na t mais in ( lx í das nos ]4 volumes da série Levantamento de Re ~ sos a U i!v/i/ ac. com g ê ne/os e famílias a) Ara m car ü a angustifolia (pinheiro. despovoado w. nos Estados Nessa Prima sei Santo. Pode se. onde estava legião sudeste. esta Floresta se restringe à poucos Esp í / i(o do isolados nas en( ostas voltadas pa/ a o mar. pai o/ i8ioou parte da atual ( n b e/ t ura (lo/ í sti ( a da do 1ma t íu a maior parte dos e cót ipos que revestiram o "planalto t! i á ssi M me/ idiunal h/asilei!o F lmsstal Na g/ ande ái ca mun t anhusa at l â nti/a a /obe/ t u/ a t/opi ( al). ! ima 8 ! ima Ombrófil a Densa. ( nm has* cri) dif í / il lo c alizar n ssu pon t n ds u/ iSem levantamento floi (sti ( os ( onfi á veis. (t984). nos Estados de Minas Gerais. seguido de (Almeida. a flo!a dessas ár sas 500 m de Atl â nti ( o. Rio de Janeiro. Floresta Estac Ü onal Dec ü dual Savana) . onde se io/ lu! a se//a da Mant iquei/a. 1982 . além de out/ os mais das Ao o iospe/mas atuais e có tipns qup Foi desses ref/igius que pa! t iram os /evest 11 am não só o grande plaoalto do Jmat/ i á ssi c o. rsPugiada a flo/a qu* Do Escudo Atlântico. t954).4 . assim. Bau t i st a (i984). Araura/ i a ( sas ) do pe/ í odo antiga. um pro ( esso de espe ( !a çã u independente. e das en( ostas mar ít imas situadas a part i/ do sul da !/a( ia aHoa Sendo bastante mis t mada ( om e(ó( ipos de gênese do / io Do/ e na ha( ia do maz Ô oi c a e aus t /oandioa nos baixos planaltos situados / io Pa/an á .

( o estendendo se poi toda a /cgi g o . Rio de Janei/o. }au/a i ERE) asilei /as. ~ (onside/ ado o '¡o i x o Aoe i o t i op i/ al das ( oo i se %Ps/ales on hsmis Pé/ io sol. Wio t e/ ai: sas> plaoa l tipo adaptado aos pontos elevados das se i /as e aos t ral~ t os do B/asil Me/ idional. / om g i ne l o de desde a áleas meridionais s com s M ipus o ( orr e odo Estados do "/es t ioga" até as F u/ma Gu es Florestais dos Esp á ito Santo. iga s si( o and inn / } *( d) Ocintea ~har 11 n ems i s (c ano la pi et a. oS/á F i x o h} Pod mcarpus Iambertii (piohsi/ inho. em São Paulo. ma ç d es montanas do Estado pm é m. hid i e :pandio /e( entemeo t. hi Foi de família e) Cabrale a c anjeira ma w anjs i aoa. Pa/an á e Rio Grande do Sul su M ipntss A/re(}i t a se que os exemplos mso/ ionados sejam pa/ a o entendimento da linha de pensamento aqui ap/eseotada. São Pauln.am t/ i á ssi ( o aust/al á si ( o and inu ant i go. mas com disps/s ão !/em nal maio/ . Aoa/ardia~~ac) gênese n as mí l ia de m i gem Pao ti op i/ al. o sul / i o gr andsose.e 0 /av és do sistema Pia do / i o Pa/ao~ pa/a o "Planalto das ai au( 0 ias" ou oal t n Me idiooa l ` onde passou a dnm i oal . priMpalmente nos tabu b le}ros ter ( i á rios da bacia do i iu ParaA a do Sul e ao longo de quase todos os afluentes da ba( ia do / io Pa/aná. p/ in( ipalmeo t e nas de Santa [at ar i oa .e/ à ipn mais e umum f) K. UM atinge a tEi a ~Unia p/ó Dirsi mm i s bras Ü1 i ens í s (/= a d'aota. além de do Estados de minai sm em todas as disjun çO s da Savana (Ce i /ado) dos ` S9o Paulo e Pa/ao a 61 . Meliaccae) Pao t /oPi x al. t em me/ idionais pu mais ( umum nas áleas % }/losp O ic" gênese em família Pantropiral sendo uma so/ os que tem io ó in na se/ia dos d/ g ãus e vai até as i as marítimas do pl anal t. /o das forma ç ies florestais sem ide/ iduais que se adaptaram muito bem au ambiente savan A ola. é um e/6 t ipo ( nm m i9 em oo Es/udo At l â oti f lo/ í st ic a sudeste.Ü thiraea bras Ü l Üensis (! ith/a c sae ) nas ál eas me idiunais. existe ( nm maim f re Planalto Mel idio qüôo/ ia nos pontos mais elevados do !)e gênese também antiga. sendo que o sr ót i po P . sendo de família Pant i opi(al (a g) Schi n us tereb Ü nthif m Mu mm (a/n Vi a. de gênese ant. PoUo/a/pa ( eae) e( à ipo x ompaohei/o da Araucar Ü a . dom i nando. ada A ado aos b ientes al t omop t anos da se//a da Maotiquei/a de onde se. Santa (ata / ioa. ine/eo no Es( odo t e à dispers g o de s W ipus advindos de 1 * N gius situados Atl â n t i/ o Por d l t !mo des t a( a se a o( o/ / W ia de e( à ipus du g ê oe/ o Str~node mdir me dent.

e t empe!a t ma média de i8= i suavizada no inverno A P lu! í s t i ( a destes campos. de Santa Bárbara em Santa Cata/ ina. Ammen sucau st ü gosocarp au (jatnb í . como por exemplo : os campos de Guarapuava no Estado do Paraná. tante uniforme. ) Astr mniumm UM ). e os de Va ( ar i a no Rim Grande do Sul A origem destes campos foi amplamente discutida por [hs ~eis 094í) que tentaram mostiai ! ing (1907) e por uma ocupação mais antiga do que as atuais florestas. Pr x» ti xumm heptaph911 xumm (almé cega. estudados por ! iodmao (1906) Estes campos atualmente ~caracterizados.com o e c útipo Ar e castr m m rx»manz x» ff Ü an xumm (baba de boi. Palm 0 também uma "o( hlosp ét ie". Anacard ). Nrrbena(eae. Leg C aesa l >. mas advinda de ref d gins situados no Escudo Atlân t icn. Aralia ). Tapir ü r au quiairien sÜs ( t api/ irica. que conservaram seus rara r tsres F enot í p 0 os. com chuvas bem distribuídas s t empei atura média de 1W [. Capa Ü fer au D arissdor iFÜÜ (pau d'6]eo. através das "florestas de galeria". ainda conservava Sua iM pnn êo ( ia sendo (a! a ( ter izada pai e çoi tipos advindos da Amaz i nia. as "nchlospécies" Anad enantheir au mmecrocarp su (angí(o preto. bastante uoi Purmizada pelo fogo anual e pelo intenso pisoteio. mesmo passando pela y!aode região savan//ola Assim. Tabebuia chr~tr ü cha ( iP e amarelo. Androp x»gon mc Pan Ü cum dominam nes t és campos intercalados por plantas lenho sas raquíticas das Família. além de indicarem os limites bem mai( ados desses campos e das florestas que os envolviam Em se. dominado por ma c !ufaosr ó fitos emergentes da Asp Ü dos Perma P xx Igneurum (Peroba / asa) de família cosmopolita Pantropical Esta Flmesfa Esta( ional Semide( idxal. ~eado pelos arsni t os cr* tO icos Bauru e iai A . às vezes a Esteps o por oaou F aner6fitns que emprestam a ela n (a/ át er de S ampo sujo" no dizer de i i ndmao (1906) Este campo é dominado pai ecótipos dos gê nei os Sch ü nu s" Whira ea " Hel ü ett xa e Astran Ü um . Ana x a/d ). ocupam Seas com A itnlogias di ferso{es. passai am a dom inar a pa isagsm juntamen t c. Em p! imeiro lugar snh/e o !evest imen tn g/am í oeo lenhoso raquítico situado no planalto meridional que ocupa sem pie solos lit ó l!/ns Pl(nti t us das S ahe ç as dos inter F l úvios do der /ame bas í lti c o". Leg C aesa l pio urundauvva (aroeira.0 planalto iots! inrann. e incluí sul americana ou dos rumo parte de disjun çO s da grande Esteps "prai! ies du continente americano". gundo lugar. Euphorb(a( eae e interrompida M9r{a c eae. que coost!tuem^uma 6"! . Compos{tae. que ocorre com maior freqiiôn ( !a nas "estepes da zona Ho l a rtica" Atualmente os 8 eneros iotertropicais Ar Ü st Ü da . apresenta um revestimento ylo!es t al bas Estaciona. marcadas por clima ombrófilo. que se lest/ ingiam às F lo/estas de gale/ ia na Savana quando at ingem o planalto subtropical. e muitas out r as ( r er/ ado) . com chuvas bem distribuídas durante n anu. fui dominada por ec ó tipns do gênero St Ü pa cosmopolita. 1e9 Mim ). vêm os campos da /hamada Campanha 6a0 ha. DicIgm mpairiax morovtotoni (morotot ó . dentre as Principais . reduzida atualmente a uns poucos agrupamentos na d ec ada de 50. Burser ). pr ovavplmente na sei ra da Mantiqueira Para terminar a exposição sobie as possíveis origens da vegeta6 ZA brasileira to/na se necessário abordar algo sob/ e a cob sr tura campestre do sul .

Mostra aparentemente tot. gene t i ( amenfe es te ecó tipo pude mu{ar.1~1 . í sti/a /eg i onal . (omo Por exemplo. originando novos gêneros. Salvert ü a . O s.Floresta Ombrófila Densa (Floresta Pluvial Tropical) 0 t e/mn F1 o/es t a 0mhr ó F i] a Densa. Além disto. de acordo com a deosi atingir da 5 a 10 m de al dade destes oano f aoer óP itns que /he8am a ~ura~ 6 . pi ovando tra t ar se de uma es a ambientes e que iriam p é( ie e não de simples e/ ót ipo adaptado ( nnst i{ui} as " P alsas espécies f snot /picas" A ( la/u que o que acima foi desci ito não passa de hipótese que necessi i a de mu i1a c omprova çá 4 para se tu/oa/ print À io na hot. do se assim o uso da ie/mioolngia mais =ente. / el oroar Zà Forma de vida original quando ocorre novamente no ambieo te primit ivo bastante longe úa à ca o/ igem . ind 0 am di Persntcs geo ó tipos 0 primeiro apresenta va sendo (apaz de / iaçO s P eont à A as ( nnforme o ambiente que ocupa. a /ara ( ter í s t i(a e/ol d g! ( a prinri pal reside nus ambientes ombr ó filns que marcam muito bem a "reg! g n 63 . pelas devas t a . n que pai C( e uma (ix Mo. muito embora este t ipn de vcge t aça o seja /onhs L idn também pele) seu nome original dado poi À himper (1903) e /eafi!mado poi RA hards (j952) de "Floresta Pluvial l/opical ° Aceitou se a designação de as duas fisionomias Ellemherg 8 Mueller 0umbnis. fans! ó fi t os. ~R ni.CLASSIFICACÃO DA VEGEBRASILEIRA 6~1 . originado de Qua Duo a e Cal XÜ sthene. substitui Pluvial (de o/ igem latina) poi 0mbr ó fila (de origem grega). pu t encialmsnte.Sistema Fisionâmico-ecolósico 6 . empregai am pela pr imei/ a vez us ts!mos Den iofer t rnpi sa e Ab e!ta /umu divisão das florestas dentro do espaço ( a].RI indiferença PE iodi ( a/ Ias vai ia6 i es pedolú8i ( as e mi/ro ( lim á ti/as. gsnot 0 i/ a indiscutível. ifi c an ecológicas tanto na Amazônia como nas areas costeiras. // iado pnr El]emhe!g & Mueller Domhois (i965/66). Deixamos aqui a semente que germinai á ou não de acordo c om o interesse que (r a despe/ta/ junto à cumunidade cien{ i í fi ( a dos sistematas p isiooomia ecológica de "Estepe florestada".° Eofei :aodu o item ° Dispe/s ã n F lo. m ig!nado de Voc hgsi e i ( la/ u que tais S ê ne/ns da P am í lia Vorh g sia ( mae mutaram dent /o do "espaço mas na tampo" biológico afetado por revolu Ses geológicas. alem de lianas lenhosas e ep í fitas em abundância.í pi/o nos mais variados ambientes por onde passa . que o diferenciam das ou ti as /lasses de foi mações Pn/ é m. a /hamada "n/hlosp é / /e". Então.a sistem át i ( a . Este tipo de vegetação é ca/acte/ izado por justamente pelas ~formas de vida macio e mesofaner ó fitos. mao te m o ( ar át e feoo t. ambos /um n mesmo signi F i/adn "amigo das ( huvas" . queimadas e maoipula çOes genéticas o hnmem é ( apaz ds apressar tais eveotos svulutivos . atualidade. pmque ap!eseo t a inst. a c /edi ta se ter mostrado a e :is tOx !a de dois tipos de W Cipos que. 0 seguodo tipn.

o/ i@ioados de Mios dist/ óf0 os pos de /o( has. desde as ( /at Ô oi ( as (g!aoi t os e g oaisses) até os are oitos c om de/r ames vul ( ân! ( us de variados ps/ úv!ns Seol 6 gi/us X -ti Ht c.os semp/e os ambientes (l A i os l at i situada e o t /s os 4. s de alta p~ ipitação . nas dê( adas de 70 a 80 e us Humho]d{ sm dos fi t o8eo8r á fi c os mundiais /nnfiívsis. at /av é s dos levao t amsotos es t u ~u t ados pelo Pi ojeto RA0AMBRAS!! .F lo Flor í s t 0 a florestal" . 059) /Mã sul) 2Q 0 g/ adicnte vsr t i/al vai ia de i .8) aprs sent a não valia t opogra[i c amods e Formação aluvíal aluviais dos repetitivos. Assim. de íU de let itudp S a 24" de latituds S dc 50' m 100 m até us 600 S de ]0 m até 400 m ate 500 m . iniciados poi pe/mi ti 1006 na ilha de leoe/ i F e e contidos na vasta !/i b lio g /a f ia. a m.0 Estes vai iam de ambientes também distintos tricas resultantes pa! a c ada 100 m de alt it lide. ! am estabeleceram se faixas alt im ÉS i 0 as vai A vsis ( on Fo/m e as 10 i posi ( ionampo t os t udes que se est/eitavam de ac o/ do com os seguintes : (Fig . Tal tipo vegeta/ iooal Foi à subdividido em cinco F isiooomias que /sflet em segundo hiera/quia t npogr F i( a ordenadas alt imé di F e!eo t es de a c o/do ( om as vai ia j es e/ot í pi ( as das faixas 1 .g/ ao (eo t í grado ( a 19 Ao nível domar a t smppratma valia de2" maio/ intensidade na zona 10" de latitude e vai diminuindo com tropi/al (7/ujer." de Formação das terras baixas m a/ ima pa/ t i! dos 5 m até os 00 t ude N e os =de latitude S. os 4" de la t e os i6"" de lat S e/ox ser/ as entre N m . a cara( ter (st ice omb i oté /mica da ti o!`i/ais de fatores lim át Nos resta 0m!x cí fila Densa está pi esa a de 25" ( >.. de 24 = de lat S a 32 = de la t 64 . de 16= de latitude S a 24" de la t i t uds S de 5 m até de 5 m at é ]0 m de 24 de la1 S a ]2 de at it lide S dos planal t os situada nas encostas Formação smbmom tana a pa/ 1 i/ dos. hei elevadas temperaturas (médias que Uete/mioa o distribuída dmao t e o ano (de 0 a 60 dias sec us). hi o 1 ogi ( amo sem uma situaç go b i os i nl ó gira pra l i( amso t p p el (ndo iat osso los desta P lo/es t a seco Além disso. nas l at itodes maio/es Fórmula de !ko ld/ idSe i9/8 X t00 (t 24) :a = t empei at /o a gi c a) hiol ó ere As obse/va i. i es /salizadas. P o l maS es. dominam nos ambientes t} e e:cep i: imn almsn t s sutr óP i/os. poi é m es t e g/adieo t e é !/em maio . 50 do mal . deot!o dos t e//a . ( pais cada 100 m altitude.

pelas Hxma ÇA s suhmon t aoas. de }at S a pa/ t ir dos 600 n/ /as 2 000 m .Floresta Ombráf ü la Densa Aluvial ~ ilia/" l/ata se de Po!ma ç i n ribs}/ inha ou "(l or ssta qu* d or/ e an longo dos ( m sos de água n/upaodo us t e l / a6os antigos o( mpso s/ oá/ }as /orma ç9o é /m. poi vezes c om a fo/ma /a/a r t e/ tí s t }/a de hut }ja s /ai uni (o/ zes tab ula!es Ap/eseo t a ( om ( l eqü ê o ( ia um dossel eme/gen t e 1 no se me. usia . teve o/ igem no Hemisfério Bo/eal e. de 16. T sa% auma . que pelo me oos no te !/ it é / i o h/asil*//o c ai ser est a b ele c ida nas es( alas /egiooal e explma tó / ia pai a Fios . porém devido à s :plo/a ç9o madei/si i a. que apr* sent a s( ót ipns pas Fitos desde as ilhas do Pa/ íp i/o à Amaz 8 oia na Am ér i (a do Sul. /e oas t ornando à foi ma de vida mal. <}e lat S de 400 m até i 000 m m . possui um g i oon. ç 9n ap/sseotam uma va/ ia onH/rm m 1 E q U p / Ama a ooas f aoto os ipos` . no entanto. no Rio G/aode do Sul bastante evoluída. de lat. além de g/aode o/\meo de pp í /itas e po`uas pa /asi t as 1 01 do / ío As "o( hlosp O }es" que o( ui /em au lo/'go s ao as mesmas que existem nas mai geos dos seus a F l`/entes. on vai i ação Up tanto F i c ox demoost/a dko que em \st e g/aode e( ot l pi ( a pod~ a/nrdn /om a la t it uds. /o/ansro[ A ira montaoa e sxhmontana Ma/ Se//as da Maotiquei i a e dos ói Pos e. ao passo que os s (ót existem nos / ios das se//as C ns t ei!as do t s l / M/ io e : t /a E a 1 a1 )t udp q o/`sm.Formação montan su situada no alto dos planaltos e/ou rei ent/e os 4" de latitude N e os J6". em tron/o / Bí n>/o. da margem di/ei t a ( omn os da e sque/da. plan i( iss qual Esta /as( a lisa. bastante Bine!o va.s t i t u í da pm ma( o. Formação Alto -Montana M idos pai a a foi mação mootaoa situada a( ima dos limites sstah~ (omo ilustração pala o que Poi estabelecido a( ima ( item ( omo exemplo as vai iaM as e( o t í pi/as de dois g êoe/os pe/ten ( eotes ~s primiti famílias Magnolia ( sae e Vo/hHsia( sas A p| íM/a. nas = os< as da Se//a do ter/as baixas no Estado (k0 Paraná. que pa/ a ds t alha togr áf i( os aqui esta!/ele/ idas oe/sssi t am ser /svis dos as fainas t opog/ áF )/as adaptadas de a ( o/do c om a estala do mapsampn t o t as e M .^u amazôo~~o /omo p'x 65 . estudos Fira Evident i ado. de 24" de lat. S a 24" de }at S de 500 m até i 500 até os G até ]2". nas do Mal . a sua P \siooomia do bastante abe/ta j uma fo/ma Gin ( nm muitas palmei/as no es ti ato ( ao minado s na sxbma t a. a Foi mação apresenta lenhosas e he/h á( eas. ge/al de e mi( /o P aoer ó F itos de / á pido ( /es( imeo t o. Voch Ama Mi a. Seiras da Maot i sando pelas forma çO s alto muotaoas s mmúaoas. que ap!eseo t a cc à ipos ma( /o p ao el ú(itos mmn t ~ s na mi( ro/ anel é f i tos a/oda montaoos nos planal t os do Pi asil (eo t ra l . M . s nesta 0(m/em oaon~aopr~~~~^~ e alguns ( J os no meio de pl â otulas da densa /e( onstitu M o oatma i do sst/a muitas 1 ia na to dominante Em /ootrapa/t ida. on entanto possui em ma( !o(aos l ó on Hem isf é rio Austral. quei l a e dos ó /g a ns. de origem viro ama 0 oi ( a. até a A segunda íamília. baixas em [or!es e 0 0 rio. nas F o/ma çóss suhmmúaoa s das 0ufros exemplos podei iam sei x itados pa/ a demoost/ar as di C i( u1 dades s// do posi ( iooamont o f lo/ í sti ( o dent /o das fai :as topog! o c i/as. na Seita Foi mação das t vi /as //os Estados do Paraná s Santa (ata/ ioa.

a part ir do i ia ã(. iseriCio (1 mar 1 t i mël5s Nesta fc)rmëtç .) . profundas E or upado por 1.a l. ferlianibli(-o até Os ór i () peli(-t i u r: i ria 1 men Bras i 1 1 ent r al i sido até os val es dos r l os Par arlëí e 3 guaG te. e5ta f()i maçao (]( (.Aia e. rais tabuleiros api esentam uma floríst ira bastante t ípira.jctí 1)rà( i a. nas p l an í t. Congo lia 4fr i c a e A111az(ïilais.} p ri ri( .*Ce i ba pentandra. i es formadas pelo asso re ame11t () (1cv i dc) ia er osão e :( i st i. Maur it i a c:: Euterpe ocorrem c oni E>ei. dades do rio Sci() Jo ác).Vi rola surinamensis. ar) xongo Cie Cada 1a giAe c}( orre: na bac ia do rio 1tët.11 r E: lios terraçoiss cluat erriai i (7a s i tliados em geral pouco acima cio rl í vE 1 de) mar. c ara( ter izada por ecrit ipos dos gCneros Ficus. íp !o f:( o1(7cJiCtti de ciistrit}uiG :ïl) fitr)ge(agrëífica Ais pr i no: i pa i s "oc'ti 1 ospéc i clne oc or i em ria r° 1 or e:st a Orn br of i 1 a 1)eniisa AI u via I is ao '.l isiae(amento do releve) m()nt anhos(7 e. É. giAC: C)( orre desdc. M. a1to pot tei . edlál is. Maur it ia flexuosa ria bac ia anlazc}I1 i( a.Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas tinia f(li mal. (}( o1 1 elli sempre a <. (} a1)(1o no t ad (7 (1elio R i () (31 a11(le do f3111 . ex i ist e"rit e ao 1 on 9o dos Bras rios.Floresta Ombrófila Densa Submontana C) (.r)c i a às mar gens da 1 agtia dos Pat ris.wí tocias ass ha( i ais br ais i 1 t::ilii-nando vás ¡:) 1 ali i ( eis i ntitidadas t empora i ras. 13ão ) fi ali(.í .. xemp l oá a c ompos i G cio flor (st i c a da bac i rt do rio Doc." . a() (11A e em gera1 0( up a nis l:) 1 ali 1 t i es t ost e ir as. Euterpe olenas bar i ais das r i os To( ant i tis. dos plana1tos t (1111 isol os me(1 i ariame:rite. ti (7 isent i de) 1ong i tud i li a1 . poucois iict à nofanergfittis e ranlf`fitois alem (ía presença de palmeil as de:: pequeno par t e. i Callophgllum brasilienses z.)( li 1 oeispé(.: pela "(.:ii?ët ais E?". t (idas ais taa( i as trop i ( a 1 is em qualquer 1 at i t lide Os gê oere)is d( . assim como estas (íluas No frit arito. e 1 i anais l'ìerbac c:-as em ma i ar cluant i clacie: ciuass pr i no: i pa i E: c ar aC ter íst i( as ficam por ( ont a dois ralieróritos de. OCor r e desde a Amazi)n i a. eist endendo se i todo o Nordeste até . : ( G1pEïadas por tabuleirois pl icipleistocêni(os do Grupe) Barreirais ..".c:.2 . no Estado do Rio de Janeiro . á'c) dom i ri am (1uais '". vivenci() normal ment e dent i o de. 1'ai aná . Palmae. i is( () a raceae tla bac ia do i io Amazoriï:Yii f: E ..3 .ni març ados pc.í . Tabebuia (:.las 1 at i tu vin i fera des (1 i ('erentes .caraCteri :". a " cm h1ospc" ( i e" Cal lophgllum bras ilienses ocorrendo £.Ilt e. e F" cl i ferent e risá be~m (1 i ver sas da(aue do r i(-) Pai a l ba do Sul . este úl t imo t erm i nariclo a sna oc r)rrc.Ari)a formaG ao f1 orest al que apreiserlt a raner of i tos com alt tira ap1 ox i 111ïa(1a111e11t (:: 1111 i r(11 me A submata e irite9rada p(7r p1àritu1ais de: rEgcnea aç . os 3Q1 ni nas olAt ras par 66 .' Ilias ser r ais ( (]ist e: i 1 Faís e 11 ais cri '. Alchornea. ár ca o(-ori endo ligo da i or i a dos r i (. Out roissim.í .(.Ai a1. al glilis li 1 t rapaissando os 50 ri) ria Aniazán i ia e r ar anictite.) (hltlespt'( ie " Tapirira 9uíanenses .s nlesmais // c)( h1oispé C ie -.í .Joáo. no R io Grande do 13u1 6 .-)(ar . Tapir ira guianensis.)<s só na AmazÔn i a romo t amb(i)i tia ma do Crtr i be e.o nat~.. ~ o que.x partir do Estado de i:Uic) Paulo para o Sul e" Ficus organens i s. onde seu limite.c (it i ~:}c}i:> be. 11 c) i 1 -. austral en(C}rlt i a se ria Coista Centro isul do Est <:t(lo de Santa (atariria 6 . sempre tit i ianie:nte.

ura c:" mant. que se apreiãent alll menol cis est1 11 t ura f1orciãt al de dossel uri i Forme (20 ril) é i epi c:.r(e. ) Nordeste País.i Ilt(z Iito (laia adaPtaç ()(. c1 i 5per 11sct0 iiieEimL) aL . respeL t i vament e. D i dig mopanax mar ot oton i .rler c) Alchornea t I:.oiit e ( c.1cri 1 i t ó1 i ( os relevas dissecados.'merit elidem 1 iãnios na Amazpn i a.iça ( (-)ni c 1.s rio t c:mpo (1a .Ac var i am .ae Er i sma dom i riam na for rnaç ~r) Vochys i a.4 . ()en míã . r(-)111as (. Ri em (1(-: uma r esienei ãç ïto (1e i:) l ant li Ia si estrato :~çrt)óreo 1 li r) 1:3r Ris i 1 . alta (ias 1:)1a11alt()s e dais seI I aiã que (-. o( or r p (}r vezes i urit amer]t e" c r)ni os gCrie:ros da f am I Ris i a 1 alai a( e. li(-) per te n(»ent eis a Fam 1 lia Sap o ta( (::ae ( ()m .)ïalli iãItiAa(1ass cri for t re 600 e 2 000 m ri e a1 t i t udf: ria Amaz8ll 1 a sri() o( 1. ciuando os solos delgados ou A r i am o t amanho dos falter ú F i tos.nte 20 nl (1(3 altura. no si .í .. 400 a á 000 m..:".^. i dos Pel o p()s i e i oriamento dos ami) i ent es (1(e a( oi d(-) ( ()m a 1 at i t11 var i a de. que. as fã i xas eis.i:'ste. além (I() no sul ((() 9 ( onl var i o s e( Ót i p()s e :(tl a ïailiazpn i ( os 6 .( 1 CIc) p~:c í s Ris que 's É. i mais d(ais Esc a1 as ent r f. ambas e ()s as famílias.". a C on i re r a1c:.".ct ¡ Na AmazOn i a.. Fl o1 (%iãt z~ Omtar(íf i 1a Den iisa Motita s i t IA ari) )ia .1 .)lide a ciãt rui.t tat)e1 eC i LI as.t(-s do País E: st a for nlaG ric) E: cai act cr i zada r> or er át i pr)s cli. var i aG ócv. toma se como E".ac (0cotea (. or}iã i st t ric i <a c ()i i at r e.m ( ei t r) s ( asos. r essal t ando se t ambém a i mpor t R^ri(. p 1 ant ais. i a da fat oi t empe) riest a " is .v<: p ar a ç a o a nl%) i en t ía 1 . 11r1 i c (} 11e1 0 No9c a/are35ent ia (i i spe1 is 'c~ o at (--" 7olia Equat oi i RI. t 1 0 p i ( ïa i 15 1(:.. (10111 i li adoiã ela Pal mae do gEriero Bactris e: pc1as Cucada1eis ri c) gérie:vo Zamia0ori (1() s i derado (amo fósi:s i 1 v i vo) .1 ant r or) i ( a1 r cal i zados A e>a:)er i i rrc i a adqu i r i (trt rios t r aba 1 hoiis rie. . m(JN)ol 1 t a!s e poiãsu i doras de se m(ent es leves pert en(ent eiã uptl()rb i accae e. ( a nl e. ai a () su1 tio i7 ai¡ s.-.A e.1me: (1a5i al t ais apro. ( t i r) i ( a t r(yi:) i ( ïa1 (111ea (1 essa for ma(. 1" st a formaç R-O é: cor r esporrdent e. clue mont alia cobi i lide) uma submat a de li ailofalier óf i t os 1 015111 ados.iit a rio (cri t r r} Ç3u1 Foi suf i c i e?rit (^ E)ar a r) r)(. i mo) ao ( time dois i 1)f11 .Af)ados r)ol uma maçao f1ai-esta1 que re( e1) e () ti ome de.uptiob i ar eae. ( oli)(-) rnar 9c:ni (1e e.1 . em a1110 I ç311 t e3:> seme1ha11t 0 t)(. c ampo 500 til. e:) :e nlw)1 o H i eronyma a1chorn i o i des.sertt ada F)oi er ót ipos m i lidas e (1(":: re1 at i vament e f i si oi""s ( om ( ais(-a 9roiãsa e rlagosR. Ar al i aL eac. i ri f1 neri(.)s g11e iã(= (1eii">1o( avam i-. up ar a iã atua i s r> os i C óes eis homó ítogas. Ass i nl ."m os Pouter i a e 'E eis pesadas ChrysophyI l um t amt}fm c c)ssnic)F)oI i tas F.le(.Floresta Ombrófila Densa Alto-Montana rrat a se (te uma formaçÍão ai bói (.. se local i zzi rio 61 .1ss t(yrlla11do c3 e (()111o daia e ( (?t ip(.a iricisopariel of ít. pe1o RADAMBRASSL perm i te ( oris i (ler arais vai i ac.. LI e.ril~) 1 C} as Voc tigiã i ar e.1i .iã Podocarpus. e5pc ( 1 e: ss tie:. (. dois 9e iicr os mes0 Ncrierof í t i (oss. ( ) t c:: rt) t:) c) que ai.ida <:tt (= p( (). posiãu i ilores ele sr.i madame. (1(-. oc oi rC rl( i a 1 Nectandra) e out r 1.5 ..Floresta Ombrófila Densa Montana .1 r c) var a de n]RP(~'ameIIt0 I ("~<3 i 011a1 6 . Ro F". c:.í . e ()s gé" rit-'.

1 . ano. PoPulai meti te denominada de "mata nuv í gena" ou Mata nsbular" (Figu!a 8) Fhx0. ( asra grossa ( om V issuras A flor í sti ( a é representada poi F am í lias de dispers ião unive!sal.PERFIL ESQUE&0knCO DA FLORESTA OMBRÓtF!LA DENSA 6 . folhas miúdas e cori ã oe as. e com bambu na parte ocidental Amaz Ô oia. como Cedrela . ( om palmeiras por da a Amaz Ô oia e até mesmo fora dela. Esta fl(x esta ap/eseota q'/at/ o faciaçA s flor í sticas que alteram a fisionomia ecol ógi(a da Floi esta 0mhr ó fila Densa. revelando um isolamento antigo de "refúgio ( nsmupnli t a". imprimindo-lhe (latos. (nnsideradn durante anos (omo uni tipo de t/ansi çãn entre a floresta ama An i ( a e as Mas ex t /a amaz 8 (Veloso et al ii.2 . embora suas espécies sejam end êm! ( as. foi denominado pelo Projeto RADAMBRAS]! 1974) de Fl//rest a 0mh/ óF ila Aberta .Floresta Ombróf Ü la Aberta(Fac Ü açZes da Floresta Ombróf ü la Densa) Este tipo de vegetação. estendendo se até a horda o( idental du planalto me/ idimn al no Estado do Paraná Aí o hambuzal domina sobre Areas f l o/ss t ais on de fo/am expln t adns as madeiras nobres. advindo daí n nome adotado. além dos gradientes climáticos cum mais de 60 dias secas por assinalados na /mva nmb/nt é rmi/a 0s terrenos aren ít i/ os do [sno M 0 o e do Ter/ Ar io são em toda geral revestidos por comunidades F lmestais.montanhas com solos li tó licos. Oc x» t ec a e Aspi dospermma Já as comunidades com snroroca e com cipó revestem prefe ren ( ialmeo t e as depress As do embasamento pre /amhriaoo e eo/osfas du relevo dissecado dos planaltos que envolvem n grande vale amaM ni c o (Figura 9) 68 . a p/esentaodo arxmulacO es tmfusas nas infeg/ada dep/essi es onde se lo/aliza a floresta Sua estrutura é por fane M i t ns com troncos e galhos finos. nicas.

ap/esen(a pi e s Má/a dom io io ( ia da F ac i ac. Est/pl\ t zia ( sae) agi upamen t os oas na á /ea sul da ha( ia amaz B oi ( a.Floresta Ombrófila Aberta das Terras Baixas h á si/os ve ~ a 10. Mn ap/esenta nas en( os smara tas di suei: adas outro asps/ t n de /omunidad e absr t a. oc o//e pi e F e/ex ialmeots em ( oos t i1 " iodo levo ondulado t apsaUn poi !a t osso{o Ve/melho Amarelo . No i es t ant e da Amaz B oia. WQUEMCO DOS " FACIES "DA FLORESTA OMBRÓIFILA ABERTA dep/es A F a c !ação denominada (lm esta com ( ip ó pode. em alt itudes que vai iam de 5 até 100 m. lo( al i zadas no mé Uiu / iu Xingu .PER : K. Foi mando g/ aodes dep|ess U ss tempmar lamente inundadas s rasas. Plant as sai meo t osas que en M mesta de c i pd". t /ans Fo/ Climber t omer s t or re s mando os no que a lite/a t ma ( mn siUe/a poi Fu l hnsas ou Mies de Wó Esta mesma M i ac. Esta foi mação.1 .2 .Fj 9 . tal a quao t idade de volvem os pontos indivíduos de grande pm t e da comunidade . pequenos ag/upamentos não mape á veis em escalas /egiooal e e :plo~at~ / ia SUS / SEI PC 1 é-- A latitude c a altitude se/vi/am como pai âms t ros para a divisão das t/ ôs F o i ma cci es que u ( o/ / em neste tipo de ç in W . oas c uns ids/aÚa como }r/u]a/es do embasamento p/ é /amhr>aoo. na bacia do Ma/aoh io UM haha v u". devido ao d M nhadn de lianas em todos os estratos (/a F lo/es t a com cipo que la ( ulta sobremaneira a io t e/ Fs/ M ia humana A f a( i ação p/ ovo( ada Poi ohss/vada ~Mosperma gug ame nsi s (smo/u( a. ( omp i eeodiUa en t /e 41 lati t ods Noite s lat it ude Sul. ão ( om palmei/as Nos Estados do UM eves t iodo oh ão pode ser rooside/ada como uma "(lo/es t a de Atual ter enos arsoh A os do (/st à( eo. / 69 .

justamente pa/ a a À ca te// i t o/ ial do fision8wi(o ecológico. t i/ a da flo/ esta a!/e/ t a° nos Estados do Ac ! e e do Amazonas imagsos do sensor "7M" do !andsa t 5 que se p E ds de Foi através das mancha de "ham!v/zal". ã o suhmoo t aoa ap l eseo t am se semelhantes à das t ei ias ai :as. As p/ imeiras rs Pe/ôo/ }as à u/o/rôn/ ia de Gmadua sm pe rb a foi em Peitas por !!u!/e i (i909). os dcte/ t a/ ap/u:imadamen t e as si andes d /eas de flo/es t a ( om bambu e a sua import â ncia. po/ t ao t o. Amazonas e Ro/aima. com smoro ( a e sit ~as latitude Sul. estia amaz i oi ( o.2~2 . com p/ov á vsl m igem nos Pe/u e da Bolívia e. calcado de mui tas out /as limita! uma g/aode bambu nenores. r oos t i ui comunidades secundárias denominadas "flmes t as de haha M qvs 'essa Hx ma . an ponto de ela sei de espe nnmi nada de "F lo/es t a de ham!vU . i or loindo a e omo mais uma "f ac i ac. justamente so!xe o do!xamento pré andino do (icrtá(cro A florss t a abei t a / nm pa }ms}/ as. é de tal modo signi[i/a t ivo. ent/e os 4` de la t i t xdc Norte s os IM de a ~ei ( a d~ a/ ima dos 100 m de alt }t ode e não i ai as vezes c hegaodo 600 m A PI o/ss t a ah e / 1 a /om bambu so/oo t ra se d i st / ihu í da p/ io / ipalmeo t e nos E st adns do Amazonas e do Ac /e 0 giEgarismo do bambu. nos E st aUos do Mal anhio c. aos poul: os substituída pelo adensamento de Or fronteiras agr Esta b ü ginua phalleirat a^(haba ç u). e no Esp í / ito Santo . neste foi mação. no ( aso. /om e:/e çã o da comunidade do Esp// i t o Santo onde domina o êoe/o Attal ea em vez de Or biginga Esta "f a( }a6 9 o" sohmon t ano pode ser ohse/vada em sstado a t mal nos Estados do Pa! á . ão PI o/ /s mina/ ( mnt udo."babaçuaIS Ser mx}á faz parte da Vsge Mi o mente esta Formação.1 . /ausada pela ! ia /esul t ante ô olas. ou e :pansio das da devas(a6 i o i (o l estal. que domina io{si/amsnte a paisagem as ma vi o é 1 am!/ é m en( oo t / ada em estado na( m al mas. em foi Es t a o rnm nutras Aogiospe/mae. Ore.. io M es atuais do /adiu /e ( sotemeots as áreas P lol sst ais abertas da Amaz Ô nia hrasilei a.. em pontos isolados do No/dest e. pois nos Estados de ' o/aoiios e Rond G nia PI nvavelmsn t s não mais e :is t e devido à devasta eo x oo ão /ealizada nesta `¡ltima década No Estado do A ci e ainda é rede uma fisionomia oa t mal ou pelo menos a uma m*om submetida a pela /et irada de madei/as oo!xes cão anti úpi ( 10 . ão o/m!e /om as 4uaf/o /a( ia com bambu) çwss P lo/ í s t iras (com palmei/ as. o que a t o/oa uma c ommn idade ( }al e / esi / i ta . contudo sua p/esso ç a. que dá a nítida impiessão de que as comunidades de yxoo t /am se em e :paosão 0 gênero Guadu a. com significado o advento d as só foi assinalada nas mal geos dos rios locais (om t O ni c os dn Projeto RA!)AMBRASl/ pude/am d e l i mi imagens de /ada/ ..Floresta Omb r óf ÜD a Aberta Submontan zu po/ toda a Esta é o/ma çã o pode se/ ohse/vada dis t ! ihu í da a Par i ação é lmss t a AmaR nia e mesmo [ora dela p/ ior ipa l msnte /om com palmei/as Na Amaz B oia est a [orma c. em comunidades isoladas dos soria6 ã alti dos do Maranhão e do Pa/ á sempre situadas aha i :o dos 100 m de t ude 6 . `iau í . com cipó.

o<upando a faixa alt imÉtrica entre 600 e t= //e Norte da e 2 000 m e.1 . evidenciando que dentro da "pla pois tais fósseis taforma bras! l sira ° encontravam se [oniferales. é um tipo de vegetação do planalto meridional. Po' gêneros primitivos como Dirg mmüs e Arauxu c au r Ü a (austral á sic os) e Puu]atitude d «» carp «us (afro asiático). sugere. foi o responsável pelo despovoamento vegetal do planalto meridional. contudo esta floresta apresenta disjun 6 As flor í s t icas em refúgios situados nas serras do Mar e Mantiquei ra. porque a família Araucariaceae apresentava dispersgo paleoSeoBr á fica que sugere o///pa çgo bem di F erente da atual . por conseguinte. sendo es e Pa! ima . ont/ada em menores áreas nos Estados de Rond 8n ia.Floresta Ombrófila Aberta Montana toda ent!e os W de l at it ude Esta Foi maça o situa se quase latitude Sul . restrita a poucos planaltos do sul Amaz a nia e muitas serras do norte. A floresta aberta embora possa ( nm suroroca é quase exclusiva da bacia do rio Xingu . print ipalmsote as de Tumucumaque com c !pó. muito embora no passado tenha se expandido bem mais ao no/te. no Estado do Rio Grande do Sul ini ( i ado (!u/ante o Lnmo o vulranismo. oL orria ( om maior freqüência Esta área é considerada como o seu atual " ( l(max ( limá ti M . dominada 71 . a hipótese de que a Aravx car Ü a angvxs t Ü fo D ia .en t e a partir alto montan o s Apresenta quatro F orma çO s distintas (Figura i0) : ` A /ompusi ção flor í s t i/a deste tipo de vegetação. pene t rou através do ° Es( odo Atlântico" que se a/hava unido à grande pla taforma afrobras i leira no Paleozóico. como por exemplo em Santa Maria da Boca do Monte. parece estar comprovada . atualmente existente neste planalto. também conhecida como mata de araucária nu onde pinheira V . Prio/ iPalmeote nas depress es ° mata de c distribuída encontra se aí denominada de ip O . são também en ( ontradus em pontos !solados da borda sul do planalto meridional. Amazonas ser crio Roraima e a que ap/eseota menor representat ividade dentro das fa ( ia ÇO es flor /sti/as 6~1~2~3 . em face da altitude e da de refúgios do Planalto meridional. uma u/upa çO re. Apresenta as fa/ i Mes ( om palmeiras e ta última bem mais comum (Figura 9) 6 . Constataram-se recente mente fósseis (fragmentos de ( aules) em terrenos dos períodos jura ( ret ác i t o no Nordeste brasileiro.3 . (ret á ceo e terminado no Terr i A in Superior.A floresta de r ípó. que e! a mais expressiva no sul do Es V ( ir(ula/es do P/ é Cam tadn do Pará.Floresta Ombróf ÜD a Mista (Floresta de Araucária) ° Esta Floresta. br¡ano e a Amaz Ô n!a Nas en ( ostas dos planaltos e nas seiras a fln por toda resta aberta com cipó apresenta uma fisionomia com elementos de alto porte isolados e envolvidos pelas lianas lenhosas .

ciada a e/ ó tipns que ~iam de acordo com as altitudes dos Além da ° ochloesp éc ie" dominante. situados nos fl ú vins das serras costeiras voltadas para o in ferior ou dos planaltos dominados pela Araucar ü a ansustifalia asso flVios .Floresta Ombróf ü la Mista Submontana Esta formação atualmente é encontrada sob a forma de pe ° Craton Sol / io quanas d isju Mes localizadas em vários pontos do Srandense" No município de Lauro Mueller.3 . ficando ( ada vez mais raro en co n t /arem se indivíduos de Araucaria angvustifnxli au que tendem a desaparecer em poucos anos .1 . nesta década este número não chega a 200 exempla res de tron/os finos e relativamente baixos. UM na d é/ada de 50. 6~1 .3 . Santa Catarina e Rio Grande do S//l . podia se observar cerca de j2 000 indivíduos de Aravucar Üau angusOfélia. K-u ehea d ü var ü cat au e Bl erpharono e pela SebastiasÜ a c xu19 xx long Ü pes est/atn emergente commer son ü ana . pertencentes ao estrato dominado . Nu Sul do Brasil a Floresta Aluvial é /nnstitu í da prin ( i palmente pela Araucaria ansxust U fm l Üsu. associadas a Ocuxtea 72 . em grandes extensi es de terrenos situados entre as cidades de iages ( 5C) e Rio Neg/ o (PR ) . Nestas d i sjunçO s os indivíduos mais pujantes foram reti rados e os poucos exemplares remanescentes somente são encontiados no estrato dominado Assim. podia se observar a Ara xxcar Üsu amsxxstif xx l Ü a o ( upan do e eme/gi n do da s//bma t a de Oc «x tea p xu lchell au e Ilex p auraq vxar Ü ensis acompanhada de C~t «x c aurga asch orrsu»n Üavna e 00«cctandra mmmgap«xtan Ü ca : ao norte do Estado de Santa Catarina s ao sul do Paraná n pinheiro brasileiro estava asso/ iado /om a imbuia (Oc xntea porosa). Cryptocarg su e Nectandra entre outros de menor pressão .3 . de 400 até mais ou menos i 000 m Alto mon t ana situada a mais de i 000 m de W .Aluvial. n que resta é uma "floresta secund ê ia". de 50 até mais ou menos 400 m Montana. Paraná. des t m ( am se us ex g êneros : Ocotea . 6~1 . contudo. em terraços antigos ao longo dos Submnntana.er/sti(os Atualmente estes grandos agrupamentos gregários desapa/ecsram a foram substituídos pelas mo no c //l t ///as de soja e trigo Na d é( ada de 20 grandes disj//n çA s de Araxxcar üau.Floresta Ombróf ü la Mista Montana Esta forma çO . também encontram se n Podocarpus lambert üü e o D~ ü s bras ü l ü en sÜ s . ocupava quase que nos Estados d/~ t eiramente n planalto acima dos 500 m de altitude. formando agrupamentos bem /ara ct. no estrato arbo5reo contínuo . existentes nu vale do riu l t aja í Açu. encontrada atualmente em poucas reservas !n particulares e no Parque Nacional do [gua ç u.2 . na década de 50. espécies típicas das altitudes ~A medida que a altitude diminui a Araucar U a ans xust Ü fml ünu asso ( ia se a vários er ót ipus de Ang!ospermae da família l aura( eae.3 . por exemplo.Floresta Ombróf Ü la Mista Aluvíal flúvíos de altitude de altitude altitude Esta formação ribeirinha ou/pa semp/e us t e//mnos alu vi a is.

mas a/ associada com vários ec ót ipos.restando apenas cattiar Ü nens s. foram quase inteiramente devastadas.Floresta Ombrófila Mista Alto-Montana Esta floresta está localizada acima dos J 000 m de altitu de. Faltando as Coniferales que sst A . possivelmente semelhante i que outrora existia nos Estados do Paraná e Santa Catarina. express a n eron Ô mi/a . No estrato ai bust ivo da submata. iuo a onmia podia constatada e :plnra çA dos últimos /emaoes ( en t es e:pressivos da Araucaria an g usque t ü f m lia . apresenta a dom!n â n/ ia de Araucar Ü a angustif m li aa que sobressai du dossel normal da Floresta Ela é também bastante numerosa no estrato dominado. inclusive o Dirm mm i s brasili e nsis (Win t era/eae>. Cedre 8 a fi ssil Üs ( Me lia c eae) e muitas !aura( eae e Murta( eae . ocupando as encostas das /n linas diab á sicas em mistura com arsnitos termomet amor fizadns pelo A fisio v«l/anismo c/et á ( A o que ( oosti t xiu a Formação Serra Geral ser até a década de 60. sendo a sua maior ao ai /W ia no Parque do Ta imbezinhn (RS) e na crista do planalto meridional nas cercanias dos "campos de Santa B O bara" no Parque de São Joaquim (SC). quando se ioi o. colonizando áreas /ampestres adjacentes =gura 10) ` /] . na sua se ç . Esta " nrhlosp é / ie". como a do ma ã ~ iço de um iaia. dominam as Ruh!aceas e MHr t aceae e exemplares da reQene/a arb ó !ea de Aogi ospermae. dentre os quais me/e<em destaque ordem decrescente os EM seguintes Vodocarpus lambert üÜ(pinheir!nhn) e várias Angiospermas. !as. apresenta hoje app nas poucos indivíduos isolados nos pontos ina ( ess i veis nu de permeio a grandes cultoras de soja e trigo W~3~4 . !a u rareae e Meliace CR o ae. restando apenas poucos exemplaies jovens ou raquíticos sobraram da devastação Atualmente esta floresta alto montana encontra se ainda de hem conservada e com elementos quase inta ( tus no Parque Estadual (ampos do Jurd Ek o (SP). pequenos /emaoesren t es sem que ocupava cerra de /0% do Planalto meridional. no momento. tendendo ao desaparecimento em pontos anos A =POMO F lor/sti c a da disjunção de Lampos do jordão. Estão sendo g/adualmen t e su prim/das.o mineira. todavia as outras ocorrôn o. (amo Winfera( eae.

a fo iRa ção das lei /as Baixas o( urren t e eot!e 5 e 100 m de alt itude situados de 5 a 50 m entre os 4" dde latitude N e os 16" de latitude Sul .. 0 crit il / ia estabelecido cum a Finalidade ex( lusiva de pro p ó iar um mapeamen t u contínuo de grandes á /eas foi o das Pairas 0 t !métricas. poi ( entaSem das A vares (adu/ if 6 lias no c on ion t o F lo/es t al e não das en t /e 20 s espécies que perdem as folhas individualmente situa se 50% . !Lec9this . im r xxmm. com temperaturas 15" (1 é constituída por faner ó fi t os com gemas foliares protegi Colhas adult as das da seca poi escamas (/a táF ilos ou pêlos). como pai e :emplo : Parap Ü ptadenía .PERFIL ESQUEMÁTICO DA =RESTA OMBRÓFILA MISTA 6 . e dc 5 a ]0 m nas 74 . Astron ü um e outros d* msnm pn l tan( ia FisionÔmi(a F . Nas áreas trop A ais é ( ompos t a poi mesn F aoe/ óF i t os que /evest em em geral solos ars At A os dis t / óP icos já nas áleas subtiopirais /nmposta poi ma c / of anel ÚP it os em f a( e de / evest i! em solos has á lf i( os eutr ó fi c os Esta flo l es t a possui domin iocia de g ê ne!os amaz Ô oicos de Pelt mpírio dist/ i!x/i ção brasileira. mas com seca F isiu lcó gi/a pi ovo(ada pe. ionalidade ( lim átO a Uma t rop ó ai ( om é po ( a de iotensas e huvas de ve/ g o se8uida poi es t iageos a(*n t nadas s out /a su!> t /upi c al sem período seco. tendo a esc ler cí filas nu membranác eas dec!duais Em tal tipo de vsgeta çA . como por exemplo (Figura t1) : a foimaçA Aluvial sente sempre nus terraços mais antigos das calhas dos rios .4 . Carín ü anau.1 . quando localizados nas latitudes de 16= a 24" Sul .Floresta Estac Ü onal Semidec Ü dua D (Flores ta Tropical Suírcadu c ifól ia) A conceito e c ol c5 gi/n deste tipo de vs3sta çO está condi ~ ionado pela dupla estac. que foi utilizado também nas Foi maç Cl es vegeta( ionais pre p/e( eden t es..Fig 1Q. Tabebuia. a médias ín Fel imss Ia intenso Frio do inverno.

é. sendo : supe/ úmido no *quadnr.Floresta Estacional Sem Ü dec Ü d mal Aluvial é uma formação en( nn t / ada ( om maio/ f ! eqii ê n ( ia na 3i ando-depress g o pantaoeira mato grnsssose do sul. sul ame/ i(ana 0 gênero o(o/re e na (aa t in8a brasilsira e nas áreas úmidas da Amaz Ô oia Ocidental. sempre margsando us rios da ha/ !a do rio Paraguai acreana. de or i@em and inu amaz Ô niru e de ampla s nas áreas áridas do /ha( u argentino. Mato Gi osso e| no pant anal sul mat o9/ossense Nesta formação existem em grande ahun d an/ ia varias esp é ies do gênero Tabebuia 75 . ár idu no nor um dm ido deste e /¡mido no sul No /en h o oeste o<or/e o t lima /mdioeo t al es t ao. go de rl í max e~ i/ n 6 .4 . e de ]0 a 400 m após os 84" de lat. nas seg u io\es i6"` áreas : na Amaz Ô oia entre 600 e 2 000 m de altitude e a/ ima dos de latitude sul ent/e os 400 e 1 500 m de altitude Fig 11 -PERFIL MQUEM"CO DA FLORESTA ESTACIONAL SEM!DECIOUAL AluSomente quatro formaç.1 . vulgar 0 mesofaner ó fi t n Amburan a cear ensis var (unhe/ida ( nmo ( erejei/ a.V es foram delimitadas on País : Baixas. e a Formuio Montana está situada nas Fainas a\t\m é t} i t as ao ima desses níveis. e out !o é idn. de 50 a 500 m entre os 116" até os 24" de lati t ode S . de g! ande valm e ( mn8 mi' o madei/ ei mente divergente d!spe/s ã o ! n. mais pre( isamente nos Estados do V re. aí dominando a Savana ([s!/ado) que 6 um t ipu de vegs t ao. isto pu/qoe este tipo vial. i t ods sul. ional. Terras n flurestal é bast ante des ( m t í oon e sempre situadu en t re do is /limas. Rond Ô nia. Submontana e Montana. a formação Gubmun t ana situada na faina ala t imé 1ri/a que va/ ia de 100 a 600 m de a/nrdo ( om a latitude de 4 N até 16" S .í .latitudes de 24 = a 32" Sul .

Guarea gu Ü anens Ü s . echinata . sendo que. roba rosa) 6~í . com indivíduos de( iduais.4 . destacando se pelo inegável e sp é / ie C . acompanhado por mo : K. Tabebuia. pude se ( itar n t á :oo Paraxt ecom a peroba (pc.1 .4 . o vu idonia . e outros gêneros hrasi Aér iros /» t i o poçcy .Floresta E st acion aa l Sem A decidual das Terras Baixas 9 uma Pot mango en( ootrada f!eqiieotemen t e i evest iodo tahu leiros do PI inpleis{oo.. sn t re outras ó . no plaoal t o paranaense E no oeste de São Paulo. Pata terminai a /ara r t s (/equi t ih á ) e Esc hwO D etr s (gon ç aln alves) i iza c.Floresta Es tac Ü onal Semm idecid xxal Montana S g o poucas as á reas ocupadas por esta foimaÇãO estabeleci da ao ima de 500 m de alt itude Situam se principalmente na Face in 76 . como Oedr e la .2 . Bamu e Ca io á dos per í ndus 3eol oi gi c us }ur á ssi ( o e [ret á ceu Distribui se desde n Espírito Santo e sul da Bahia ato o Rio de Jane iro. Inga sp Podoc e rpus sellow Ü i . us e/ cít ipos de( iÚuais que x arao-t erizam esta Foi mação perten ( em aos g êoeros ama A o A os Humenaea (ja t oÓ á ). Rio de 1aneirn e Minas Ger ais X 6 . ai t e/renu qua t ero 9r io à um tipo florestal cai a c tsrizadn pelo Anero Cae salp Ü nia valm hist ói i o a de origem a Fri ( ana. Capaífera ( of leo vermelho). são os mesmos que o(orrem oa Floresta ombr ó f!la atlântica. t ante freqüentes as esp e( ies : Cedrela l Ü llo Ü.4 . é o Asp k dosperma pxxlg meura (pc. Astr xon üxumm. la).. eno do Grupn Barreiras. S g n Paulo.í~4 . nos planaltos arsn í t/rns. pr in( ipalmeo(e. ecgth Üs que domina on hai :n vale do out/os gêneros da mesma família !e/g~hida/eae (a p ro ~ZOOU qxe tais ( nmo : Cerüm iana !>em ( ara( ter izam esta Floresta semi/!e( }dual. Paranapanema Tapir ira Calloph911um bras Ü 1 Onse. Baulf mutrodem dr «» n s muitos outros o gênero dominante e que a ( ara( fer iza. Parap ü ptad enia e Cari~ n Ü ana . Minas Geais.3 . /oba de campos) da Família B(gnooia x eae. nas ( er( an ias de ent go j? em [ampos Um /omo at 6 as pr uxim!dades dc (aho Fr i o. mas ( om e r ót ipos = lusivos dos Estadus do Esp à itn Santo. sudoeste do Paraná e sul do Mato Grosso do Sul Nas encos t as in t erinranas das sei ras mar ít imas os gêneros dominantes. go dest a Por mação. de disper 0k o pan t ropi x al.Floresta Estac Ü om al Semidecidual Sub mm om tana E st a f urma6 g o o( or re f!eqiieotemen t e nas ene ns1 as in t er io planaltos !anas das serras da Mantiqueira e dos 61 SOM 005 cEnt'Rin capeados pelos areni t us Botu ( at u. o pau hrasi]. desde u sul da cidade de Natal a tc! n noite do Estado do Rio de J aneiro.has e Piquiri são Ao longo dos rios Paraná. Pelto p h mrumm(/aoa P /s t u (ontudo.

de. o que ocasiona. nanthera .ter iora*a da serra dos ói g ius. o que fit osso( io mai /a um "domínio Flu/ í sti M também di F e/eote quanto à vegetação apiesenta logia das duas áreas Além disso. p/ io/ ipalmente no Estado do Rio Grande <!o rompleta uma disjon ç9 o que apresenta o estrato Florestal emergente seja om!x 6 P ilo h â mente /ad w ifé lio. p/ in/ ipalmeo t e na laxe dominam du pi ( o do Sol e da Neblina 0s gôn*ros e w ót ipos que aí : Cassia. Apuleia . tal tipo de a g!andes Acras ~contínuas localizadas. no vale do / io U/ugxai. x nmo tros (Figma ii) 6 . apresen lng! ( amente seco t ando o s st /at o dom inaots ma( rn ou mesn Fane /o F A ico pi sdominan t smeo Pnlhagem te ( adu ( i FE io. pelos mes Anade mos gêneros de origem aHn amazSoica. /um mais de 50% dos indivíduos despidos de no período desfavorável na borda dn Com carac lei í st icas semelhantes ve/ i P }ra se Sul. Rio de /anei/o e Minas 8e Outras áreas aio / ais ]t at iaia Santo iapa/ aó . nos Estados de São Paulo. Tropical Caducifólia) duas es t. Parap iptaden ia. Astronium s ou t A ampla dispe/s g u. e ou ESP I ri t n da meomes são as dos pontos /ulmioao t es dos pl anal t os ai en 0 i(os pelo gins/ o A foi ma6 g o mnn t ana é quase sempre dominada O s da "o( hlosp é / is" Am ade m a m thera que às vezes cons t itui cuosurc }a6 piin(ipal Anadenanth era peregrina. uma chuvosa seguida de longo período bio 0/u//e na é 01 ma de disjmnG s es F lmest ais. nas se/ / as do Tumx/ umaque e Pa/ ima. do Porte paia o sul eo t /e oss t e Floresta 0mh/ ó fi/a Aberta e a Savana (ferrado) . localizada A l t i t os ai nda ha mente nos sills has á l t i( os ainda c onss/vadns ( oose/vadus 0 tipu florestal rs P e/ ido ocm re na Amaz Ô nia. desde s nos plana] t. p/ in e }pal qus mente na pa/ te nm te. de leste pa/ a entre a Savana Es t 6pi'a ((aat ioSa do se/ t go á/ ido) e a Flo/ est a Es t a ( !onal Semide( idual (Floresta lrnpi ( al Suhcaducif ó lia) e P inalmsn ent!e a te. no sul já na area suht/opi ( al. planalto msri Flm esta 0mh/ óf ila Mist a (Floresta de A/ au( ár ia) do ~juntas Estas g/andes Seas d!ooal e a Estepe 0 ampos ga S hos) baixas. embora suas espécies sejam diferentes. provavelmente.í .aç As Este t ipn de vegetação é (ai a/te/ izada poi climáticas bem demarcadas. de origem amaz Ô oi/a. tais rom ~er% tophor xxm . no Estado do Rio de Janeiro . na se// a da Mao t iquei/a.. visto que muito emho/a n (lima a esta uma curta época muito Fria.5 . us situados acima dos 600 m até 2 000 m de altitude in t e! i o/ana areo ít 0 os du Estado de Ro/aima.Floresta Estaci mmal Decidua % (Fl cxresta. sob apresentam qual: ro for maç Sss distio t ama }uvia}. terras montana m mon{ana ( F igma i2) ` // . planalto meridional. ( io n alidade Fisiológi(a dos indivíduos da floresta Estas disjuo çW ss Florestais de/ idoais são via dc regra dominadas tanto nas á!eas ti opi/ais como nas sub(/np! t a!s.

Vitex inegiapotamic au ( t arumi ). Ruprechtia la uü fl mra ( I arioha se( a) s a nano F aoe/úfi t a t Ü ana coxmmmmerson Ü ana ( b raoquilho) s outros 6 .k 78 . [him ` Santa Ma i ia e Uruguai. Insa vu tr m gue m s Ü s (in Seb as gá). en/uot/a se bastante desfal(ada seus elementos p/ ior ipais explotados para uso dom i s t i/ o 1 or alizada nos t e/ra ç os fluviais dos tios ]am.g u apresenta at io@e.1 .Floresta Estac ü onal Decidual das Terras Baixas Forma çO sn/nn t /ada em áreas descontínuas e /slativamsots pequenas. Entre out ros.2 . tais como : Lua hea divaricat au (açoita ( avaln). ( om maio/ oa or/ôo/ ia na ha( ia do / i o Pai do.-~onstitx í da poi or( ó tipos hig/ú F itus der iduais. Piptadenia ` g i nsrns Cedr xc la .6 . também o/orre nas várzeas do rio Paraguai. quase que exclusiva das ha( ias dos / ins do dos Estado do Rio G/aode du Sul. é dominada pelos g ê oe/ns Cavanillesia e Cer ems alto porte que 0 e/6 t ipo Cere ms jamacaru nesta forma t. adaptados ao ambient s aluvial. onde dominam mesn~ansr~~itos.5 . no sul do Es t adu da Bahia solos e A f]o/ í s t i c a desta formação. ( ara/ te/ (st }/a de ti 6 FA os ( alo á reos. o estrato de o. no Estado de Mato Grosso do Sul. não ra/as vezes. onde a d i en agem é di F i ( x} t ada pelo pou/o desnível do ià) A composição flnr í st i c a desta formação é pi e P srsnr ialmen 0. salientadas ( om o fim e :/l/sivo de se Podei (artosirafá Ias : 1 .Floresta Estacional Decidual Aluvial Esta formação. o dossel dos mesofaoerú P itus e romp O n jm t amso t e tom os indivíduos dos Parap ü ptadenía . Anademanth ara .1~= . i dual desta dis jmn Ç ão As nutras disjmnçA s menores encontradas por todo n Pa's devem se/ delimit adas de a( ordo ( om as l at itudes.

P ü ptadenia . na no na faina aliim ui / i(a de Faixa altim ét / i ( a de Faixa alt i m j t/ i ( a de "--.. S. Apm leia s outros de menor sxP/ess i n (isinn Ô mica o Q oi/o e( út ipo Foliado no pe/ í odo des P avo/ á vel. /egola/mede. S. io t s//ompi vestidos dos. Kielme g era e muitas c :p/ess ã o F isionômi/a A A d}sjm/ M Florestal situada ao norte de minas Oeiais nos vales dos i Os Ve i de 8i ande e São 0 ant i s t o. S. vez por ou t /a. * dos 24" lat at é 30 m N aos i6"" l at. situa se Savana ((e/rado) e ( om uma flo/ Esta de média porte /nmposta pm oaonfoliaÚas de( iUua}s ê oe/os mais /ommn s : Ced reI a . abaixo d*s// i t as de a ( o/do ál eas mais ! ep/ eseota t ¡vas em que Foi am ohsavadas Ua'aoh 9 o. AMO ap/eseo t a uma ( oosti t ui6 ã n f ]o/ í st à a p aoe/ óF it os de/ iduais. poi indivíduos foliados de . dos = lat até 50 m .dos 4= lat até 100 m . maior pa/te dos eW ipos f o/mado/es desta disim vs/Ue qu~ são envolvidos poi lianas lenhosas (um folhagem sempre ~ on F e/em a esta f o`ma ç so uma (alsa apa l M ia na 4 po C a dss( avo . cum fisionnm i a de( idual a O á/ ios da br( ia do / io Pa/ do.. mais pis/ isamed e nP vale W. Tabebuia. ap i eseo t a ((siooomia e ( o ld gi c a d` savao/ ( o meso[ anel úfi t os nela pi eUomioaodo uma mist ma de s( 6t ipos /om out i os C adu/ i( ó \ios ylo/ss t ais A o/ igem (lo Ias de alto po i te / í sti C a Uss t a (o/ma ç ão é pi *domioan t EM o t p afro amazSni/a. Ch e/aules F i nos e que ap/psenta /omn g r Ü si su. 5 5 S aos 24" la{ S aos 92" lat 6~1 . R mmbam DimmrpOia edra . a Plat mm i a i ms i gm i s (Mm i). á vsl fio/esta situada ao noite de Goiás e sul do Estado de.. Carg u» car . desta( ando se u g i oero n 6 R o.: almas e seus afluentes. Jacaranda.3 . o( o/ / e uma t iodo os te/ reoos ( F ln ivamsnts alta ( oohs/ ida ( omo "ma 1 a ds / i p6 " j ~ompos t a / esta re 1 at C( 6t i de meso c ane l 6 fitos pai ( ialmente ( a~ ((d lios e dominados pu l Parapiptadenía A pos da Ca E /ia !sgvminusas. out/as de msoo/ Chor Ü sia . Amade mamtheEo ç ontra se a( ra .olo/a çã o vs/de pai da c sot a 1 eves No s"l do Estado da Bahia. idual do sul do Pa/ á (. que imp/ ime de 91 andes Mv/lei/os /e à paisagem aspe (t o por mi ( ro f`ane M itos ( omple t amso t s desfolhados. Copaif er a .9 . Tocantins. en t !e a Flmesta Estac ioua l Sem(de ( das do lio a Savana (Cerrado) de 8oi á s. n ( o//e uma fisionomia e/ol ó g N a com mais f avmávsl Esta foi mação 50% de seus e M >pos sem Polhas na A po t a dcs denominada "mato g/usso de goi á s". /om /OM e( ót i pos savao N olas e é lo/es t ais meso . Par apiptade m i a. denominado "mata do bastante COMPIEra. Tabebuia.Floresta Estaci «xnal Decü dua X Smb mwm ntana dis i w l (OM as Nesta foi mação en( oot/am se d\spe/sas as maiol os x O s du t ipo florestal de/ idual. de st a( an Hymem a ea ... do se os g êoe/os : 0úu alea .5 . so s /e a Em Estreita feira ao sul do Estado do a Flmesta 0m!x ó fila A h e/ t a ( um (/a!/a ç u.

Tabebuia e muitos à e :p/ess o F ision 8 mi/a de meno/ Bndoqveoa. Apule Ü a e Pelt mp horum de alt o porte dom ioam no ss t /ato das eme/gent es Esta /\lt ima dis P aner ó F it os) que ox desca/ t ai em s* jun ç ão de maio/ /sp/esenta t i viUade. Hgmenae a . pe/mi t e avental se a hipótese de que tias o qu~ das estas à) cru cal /azooais possuem uma hnmologia e( nl ó gi ( a. levaste M /eoos do ssmp i a vads dos }u0 f . Gualca .5 . 0s t e//eoos da ve/ t eo t e sul do planalto das Miss ó es.1 . é dominada poi e/ à ipos savao A olas florestais mesofaoe/ 6 {itos E st a d i sjmn 6 i o o ( on st i tu í da po/ g i n* P termdmn / os a(/ o ama M i/os e and ioo a/ gent ioos. N a i= lat S. Bowdichia .4 .Floresta Estacional Decídual Montana Es t a foi ma ça o o( (31 re. Pl a th9 wmenia f /eqiieo t es Mao t iquei A flo/ssta da vai tente int*rioraoa da se//a da P/ é (amh i ia situada em te/ri tó / \o mioe ô o. oo A floresta der iUual da en ( ost a de sei ra da s Estado de mato G! osso do Sul. Cargx»car .U* de de i6~` lat S a 24" l at alti t ude . S.Plattigm ewi a ` p/edomi não( ia dos gôoe/ns : Pterod an . ver iaodo de udes. (lo eves t idos pnr uma f lo/esta que ap 1 eseo t a uma suht i opi ( a1 . e/ à ipo de ( aule amei cio e muito í /eqüe e. pode se/ e:pli t ada pelas glandes di(e/eo ç !ue i M osm na e omposi ç 90 f lo/ í s t ira. em ál eas d}sjmdas que se ap i esun tam á Ias tomaram se par â ms{r^s bastante expressivas. (v-de 24" l at al tit ude S a 32 = lei. C m paifera . Schi ox» psi s. meso(ao* i of it os de f olhagpm ~ eros Aspidms p erma e Caríni am a s em algumas veres poi ma(/ nfao*/ ô M Pito. m*oos s lera. s au 1 que o/ur/e nas 0 sas i/opi ( ais N*la ~ /rem os / í stira semelhante à (ma( i o g ê oe/us Parap iptadenía . sendo que para maps alt im é t/ i ( as de a/o/do /om as la t itudes onde são en(ontiadas De 4" lat al t it ude .. Mache ri mm . o0 /os Cop auÜ fera . pe/mi{e a exf!apola ção f isimnÔ mi ( a da ve8et uj o pela semelhança !io Nest a 0 ca o p* / í odo H }u aba ix o de i 0 "Y r í st i e a de seus dom ioao t es ti opi ap/eseota se( a P isiol ó gi x a ( oio ( ideo t e X om a se( a das ái sas /ais 6 .: hlosp M ie peregrina que é !a. varia de 600 até varia de valia de 500 até 400 até 2 000 \ i m d c. aí j~ pois t 500 io t lo í das no *spa ç o ~onsidsrado como % sas e :t/a somei s". ande se des t a( am : nt (su ( opi!a). 500 m 000 m Esta variaçi o alt}mí t / i(a. além d* Qua nutras. ohsovaodo No sul o espaço da feira altim6t / i ( a diminui ( }1 levantameoto da c umpos! ç 90 PI 01 í s t i e a em uma à( ) 80 ~ a/mdo /om as lati de tempeatmá as i se que q//ant o ma s : exemplo a se ~omo a ma i s ca si~uada . des t a( aodo se deo t /e eles o g U e/o Am adenam ther a /om sua ° c adiu i fó1 ia e dominant c. S. c onst iu/da po/ . sem rmn tvdo to menos sig n i p i c a t ivas. H9mem alc a.

" <ste (a planalto ai r-.lere4s(rpol is:s (R i) moSst1 c1u de.' aClfs o ner41Ss Cavanillesia.Y rev(-.(}(:<. vac} SsÉ est r e 1 t ando de ac ordci c om as t rãr que as M i t' uadaSs mais a(] sul G(?Ilt udo r soment e l evant ament (ls mia i s l at 1 t ud(= ~ s f l CJI í 5it 1 ( aSs eS. er :ic~ klr as. Tabebuia.'11te:?". i ()nCiill i a e.CIc iados sempi e. 3 000 m de.".l ( a1 t'(]gri1f`i(() " (tïa ( 1iasSI fI( a(¡. ( (lm a de BI usque (ç>(") r lrl( al iidade { :. alt it ud(:~ (Veloso.lh(71 ar (7 n1v(. i 1 e i r a veget aG.< A for maç rtcl f l crr esst al dec i d+aal ss i t uada arr ncti t e (ie Boa V i s n(a hemissféricl I1(a1 t(.ituada 3 í vel d(l mar (Vir l rls(l & K l e i n . e`nt F1g 13 .S."rr P(^ IllItÉm . therar re muitcls (lutI os (Figuras 32 e 1"3) Cedrela. acima do Ii 95l)  a p.S4F Ti det al hados é Ciue podem e st abel ec E:r aEs ver l aç ie "" assimr m(-".9(? (37a ( ia1':.Itít i((7 (1(:" R(31 ai ta (RR)r CI(."(cls me t ras Ìais ( ?IJp(?I va(. 1945) em qu(.nt e egumin(}sae (I(J g(:?ncl (} Cassia Rem mais ao sulr I evest IndC} c1 planalto i de C(anqu i st a (BA) r en( (int ra Sse: mais uma veget aç a(l i l o1 est <a l d(:: G>(irt (:: gêneros Parap i ptaden i a (:: Anadenan méd i (1 d(tim i nada prlr e:c ót i p(as dos aS.sr emb(Jra In ?::u~i( I(:.`I (i(::ill(Jnss oas al t 1 mét r 1 ( aS'.'c Cil 0g I ( ïa t i p i ( ame.a floi a é ( oiIt( identc.}m I nïada c éaduc I f Lti 1 i a r pclr ma c om r i S.BLOCOS-DIAGRAMAS DAS FISIONOMIAS ECOLÓGICAS DAS FLORESTAS TROPICAIS .

os po sujo ~ (. que si3oi P i( a vsgs t ao. em g/ andes dep/ ess V es Fe/ hadas. go lenhosa aberta espinho sa /adu ( i Pó lia das 0 eas à idas do nmdeste !xasil os iro UM 1 amh é m o tos/mu [ampina emp/* gado por designa/ os S ampus do Rio G/ande do sol". neiro no uso do t e i mu "( aat ioga ga M pai a a /egi ã o ( omo simples . a Dar c el 1 a da /om ( al P amilia Palmae.io Negro. pois segundo Veloso st alii (i9/5) "/aatioga gap 0 siSoi c i(a uma vege i a ç io ]soho do anos. de dispersão pant/npi /hove no Brasil.-. ampo limpo". So Esta vegetação. em todas as Úire : oS es Esta (lasse de fnrm M o í dividida em Mês suhg/opos de ai boi izada Hxma4 o : arh oíl ea densa nu (ln i estada. a tameote o termn Camp ioaraoa pai a a Amaz i oia e lak eixo hi(i960) usou Pru ( uruu se denomina çO Campina. (om o sent ido iove/so do (e/mo ( aat ioSa sa abei ta dos nordes t s b/as!lsi/o. /hovosn s ( om in P lu ê o x ia dos grandes r i os que ( o/ tam a região. não d ç vs sei oa/ uma vegeta6 9o amaz i oi ( a 1 (1906) para ! }nÚman quais dividiu em "iam ou mornoi quantidade efe/ idos /ampos.6~1~6 - CUMP Ü n=RU (Campina) 0s termos Camp ina/aoa e lamp ioa s go sin Ô nimos e signi Pi cam "falso x ampo" ptimeiro termo poi que A pi iur idade ( uotudo ( ah è ao Ducks (1938) e Sampaio (1944) o empregaram para a /eg> gn do alto rio de vorgortão.srol ó gi ( a que da A predomi solos Podzol Hidrom ó ! É ! ( o e Areias Q ua/ t zosas da região raqu í ti ç os o Sc ia oa ( omposi ç 90 fl/'r í st i( a é de e/6 t i pus amazôni ( os odora. s 9npluvial vegetaçA de influência As atingindo a média de 2= . em!/ura também tenham se /efe/ ido ao mesmo tipo o dssigna ÇO Mat insta do rio Negru" S p /u ( s (1908) Poi pi u ( om a do rio Negro. ultrapassa as f!uotei/as h/asilei t as. arb ol /ea abe/ta ou ' s gram í nso lenhosa (Figuras 14 e j5) 82 . bastante ( huvas durante os últimos j0 000 anos A] í m das dicas tabulaies en ~ onf/ am se. dorso revendo a ocorre nns seguinte foi ma : trata se de uma /eg Nu. o ( ia desta veget Mu nlignt! ó fi ( a. após Du c ke(i938). t (pica das ha/ ias dos rios Negro. termo este e: t /apolado por fit nQs ó grafos h/asi|ei/os mente ( aatio3a Esta inta/p/e t a çg o não é muito /o//eta. 0/ !oo( o e 8 i an ( n. mas com ~er no vs/ i u desempenham importante papel na vas t or /enciais Estas express or/ E. e Sampaio(t940) aqui emp/egar ( m/etameote a te/mioolngia (ampioa/aoa. pelo menos um Qônero mono t íp i( u eodômi/n. poi smprpgado pa/ a denomi Egler (1960) foi u primeiro P i t ngs ó g/afo a empregai coirc. porém em dicas hem menores du que a ocupada no Bia li :iviadas pelas sil Aqui o/upa dicas tabula/es ai eoosas. su( i( ieo t emen t e orno har / aUas no PEI /odo. de acordo ( om a maio/ plao j as /aqu(t i ( as lenhosas que v iç ejavam os qo e s tU *s prio/ it ár i a s regional. dai eo C a t izar se a n( t emperaiuras altas. loegayç lmsn t e e a reg i go na qual mais hu ( a de 4 000 mm anuais bem dis ti i!v/ í dos mensalmente. atingindo a Veoezoe la s a [ol Ô mhia.

Fig 14 - PERFIL ESQUEMÁTICO DA CAMPINARANA (Campinas)

6~1~6 .í - Campínarana Florestada t a}/x é um subgrupo de P orma ç i o que o!/ e nos psdipl anos no c de/ iduais épn/a la! es, dnmi nados poi naoo C ane/ ó F i!ns, F ions ~huvosa, assemelhando se a uma W ursst a / ip á / ia" . Em sua /ompos iói o f lor í st ira pi edominam ex cit ipos do qUe/o Cl ^u sia , asso c. iados aos e( (5 tipos dos gône/us ama A oi[us que a (a/a^/ izam ( omo : Aldin a, Hev ea ` Henriquez ü a ; Ep erua , Cara Ü pau s outros amazônicos, mas t ipi ( ameots nestes inte/ ( om esp O ies endêmicas que o( o/rem pi e P e!eo/ ialmeo t e (l/ivios tahula/es
qt

dss t s A ha/ ia do alto rio Neg/n foi o e entro de dispp l sio ambient es situados au longo dos / ¡os de água domhn io f lo/ í s t 0 o e os h/\m i pieta, que, segundo Sinli(i962), revelam a p/ssso6a dc áridos à /os e material t m F oso ine/ t e em suspens9 o, s o os lo( ais onds estes s tóti pos melhor se adap t a/am Nos fl ú vios desse istii(ada rede hi glandes chuvas, d/ogr áP i ( a, que só é lealmente ativa na época das de palme i/as : Ast r ocarium o/or/em t/ i s esP éc i es sodômi ( as j avar i Euterpe c ati m g ae MO c humbiohu) (javali), Le mp c» ldi m ia pm l c hira e que o( or/ em t am!, ém na ( amp ioa/ ana A/ bói ea Ai ho/ izada 6 .1 .6 .2 - Campinarana Arborizada raqu it i Ests sub3ruPo de Poi ma c; i o é dom} nado poi p|antas (a!v/la/es ~ as . mas das mesmas esp O i es que u( u//em nos inte/ (l'|vios Podzol da /s@i ã o, sox!o anãs em (aL s dos t /eoos L apsadus H i drom ó / F i/o das dep/ess ões W hadas, em ge/al ( i//ula!es, e tot almeo xs/umor(as e /om t e ( o}/sit os poi Tir 1chaman es Aí ocorrem espécies a somh/a :ilop ó dios, e to P ns do líquen Cladam ia /e{ugiados sob da fio Hum Ü ri za balsamifeira var floribunda (umiti da campina), que na destes nano p aoe/Ú i i tos /esta omb/ sp ila atinge alto po l te No meio A ocorrência d as e spa/ i os, há mu }t os cam í { i tos sod ê mi e os da á/ea palmei/as A strocarium j avari , Leop o» ld km i au pva lchira e Euterpe csti n gi ae é bastante significativa
El POI

0 sincero Cladom ia , possivelmente a espécie C . virid i s , é o No/te e nos mesmo que apa!e/e nas áleas pantanosas do !/emis( é ! in e\(qu 1 as da Am az i nia, ( omn u Pi( o pon 1 os a l1 o mmn 1 an os dus /sf i gios da Neblina no Estado do Amazonas, e o /unhe/ ido Mo//o do Sol nu Es t aUn de Roraima, assim como na maim ia das à eas pimn si/as sob a ir, F lu ê o/ ia ma/ ít ima
1

6~1 .6 .3 - Campin s rana Gramínco - Lenhosa Este suhg/uPo de F o i ma çã o smge nas planícies en( ha/( adas Estas planícies sMo /apsadas p/ ó ximas aos rios e lagos da legião por um tapete de ge cí fitns e hemi ( / i pfú(i(os das famílias Giamincrac Aí o c o//em t amh è m mui (gpe/a ( sae, ambas de dispersão paot/opi/al t os (am éF i t os !usulados du g ê oe/o P aupalanthu s que imp/ i msm a (isi\' nomia vegetal com u aspecto de um pântano dominado poi Mios eMi Ama/glida/sas, kg/ ida ~s e Pos, ge óp i t os e ep í f}ios das Famílias 0//hida( eae (Figma 14 e i5) 8 4

6 .1 .7 - Savana

(Cerrado)

empregado 0 teimo Savana p/o ( sd e da Venezuela, tendo sido pela pi imei l a vez poi 0v i edo 9 Valdez (i85i), pai a designa/ os "lha s n/ pl anal t os, ii os arholaUos da Vcnezusla" ( Fmma ç i u g/amin 6 ide dos pa/ a a ge} al ( o!/e! ta poi plantas lenhosas) e poste/ im mente levado vá MAR (apuo! lansleg, j935) No ds ( orre/ de dé(adas entretanto / i os au t o/ es u t i l iza/ am se de out ros t e/ mos pa/ a designa/ est a veg (.-., t ação : a !) / /!xmholdH
DI ude

(i806)

/hamnu a

"Est*pp"

(i889)

denominou

a "Estepp t/opi ( al"

pa/a savana" Srhimpp/ (1903) designou a Mui esta de / ep/ eseo t ai as Foi maçw es g/ am ioosas a/ boi i radas iot c/ t rnpi r a i s Wa/ ming (i908) dsoomiooo a no B/ as il de "(ampos ( e/ / a dos ou vegeta6 ã o rei of ít i/a", devido ao \oogo per/ (odo seco hem dsma/ t ado (i9/3) (hevalie/ !aojuow 7i o( ha i o RaM s o. hs/ Beard (i9l2) (1936) "Savana"

d

e / g h i j k l

^ Savana" "Savana" adotou a t s/mioolngia de Warming

(i95i/54) (1952)

(1953)

"Savana" "Savana"

Auh/sville S(hnell

(i956)

( 1911 )

"Savana" (i9/3/86) "Savaoa([s/rad/' )

Projeto RA})AMBRAS}!

Sa Após as poode/a çW es a/ ima, /esolveu se adota/ o te /mo poi [s//ad o ' como s I // R nimo I s M ooalis t a, vana como p! inritá/ io s Ja ap!esenta/ uma f! t o(isiooomia e ( ol ó gi c a homóloga à da 01 i ( a p á 4 sia A Savana, ((srradn) ~ ( mxeituada como uma =CIMO :*r/' mo! F a, p/e F e/ orno ialmeo t e de ( lima esta( iooal (mais ou menos seis mp om ses secos), podendo não o b st ant * SEI En( on t / aUa t a ~ m em ( l ima ap/ eseotando sio` .1 h/ úfilo Reveste solos li :iviados alumioizados, sias de hemicript óP i t os, (am ér /i t os p (an*r ó [itos oligot/~ F it os de pequeno po/ t e, ç ow o" or i ôo ( ia poi t oda a /oua Ne o t /o(`i ç ' a1

matos,
foi

Foi mação

A Savana ([eirado) (Figuras 16 e 17)

subdividida em quat/ o su/,g/upos

d/

85

.

2 .X óI flor í st A a /e Exf/emameo t e repe t it iva. lixe} Roraima (RR) Pará (PA (Dillsnia c eas s wc ux~ 7iri ó s) (Apo (g na/eas 8/ . com órgãos de /ese/va sub t e// âneo ou :ilnp ó din sim /elvadn hemi<rip t nf í t So.6~1~7~1 _ Savana Florestada (Cerradão) ~grupo de Fm ma çg o com Fisionomia t (pica s ca/ a( ter í s t i /estrita a áreas ai en à A as /nm solos pioPundos. mas de permeio e om plant as lenhosas raqu à i( as e palme iras ao g s Zo . sujeito ao fogo deg/ adadns A em te/ ! eoos dominantes formam fisionomia ! aqu ít i ( a ~ Flmss t ada. li :iviadas (a. providos de ma r r ó fitus es ( ler ó f!lns peienes ou 6 e: ma c i ameo t e ( t de( ~duos. Ap/sssn t a ss t a c iooal o(or!endo em um clima tropical eminentemente xosos ( um /amifi c a sio A ias lenhosas de mi//n e nano P ane/ óP i t os fo/ t semi irregular. ! it i doma es Pnliado ( m t i/nsn / ~ g i d o nu Não apre sube!oso.1 .Savana Arborizada (Campo cerrado) (a/a( Soh3ruPu de furma çO natu/ al ou an t ropizadn que se ter iza poi ap/esenta/ Fisionomia oanofanerof à A a /ala e hemi// !pt o E st as sin/\sias anual Pí ti/ a g/ amin ó ide ( on t /nua. tais como : Amapá (AP) Sal »v ert Ü a convallariodora pau de ( olher) Curatella americana /a) H Ü matanth «u s so ( w/ba) (Voc!'gs i ac sae .7 . /omo : Cargocar bras Ü liens Ü s (iar9ocara c *as (Vochgsiacsas pequi) pau de ( olhsr) Salvert Üsu c mm vall a r h odora Bomid ü ch ü a v Úr g Ü I Üx» ide s (leguminosas Pap D Ü morphandra mmx» llis Qualea srand ü f D ora Qualea parvOlor a (}sgumioosae Mim (Vochgsiareae lhas grandes) (Voch9siacsae queoas) pau so ( upi/a preta) faveiro) pau-de te//a de Mim te/ra de fo folhas pe Anadenanther au peresirina (Leguminosac K Ü e % ineyera csriacea (Gu l t ifera e angico preto) pau santo) 6 . a sua /ompnsi çg o cara/ te/ izada por dominan f lets se de norte a sul em uma fisinnomia t es Ane/o Pí ti/os t0 A os. ( omposi ç o flnr í stica. senta sin/¡sia nítida de =Mitos. apesar de semelhante à da Savana de a( ordo possui eM ipos dominantes que /ara~/ izam os ambientes ( nm o espaço geogr á fi ( o o( upado.

eus e( 0 ipns mais represent at ivus as plantas Andira hum Ü%Üs Cass ü a spp (!eguminosae Pap divor)sifirada. ação (/pi( a de um Sai que ingl s" (Park land) e a vaoa Pai que de oat ureza ant /dpi( a é en( oo t /ada em t odo o pa ií s. UM (P[) e C ea/ á ((E) Parki au plat gi c e phal au ((egumioo sae Mim Favei i o) (Got t i à iinsignis Platoni a Pa/ (PA se//a do (a( him b o) b a ~ i) fe/ae Minas Ge/ais (MG sul minei/o> D Ü morphandra m «»l % i s (}e guminosac Mim lavei / a) Str~nod endron adstring en s ha/ ha (/e8omioosae Mim t im 9 o) Sgo Paulo e Pa/an á (SP e PR) 6~1~7~3 - Savana Parque (Parkland . van sendo suhs| itu(dns por ~i t os que se dist inguem por apresen t ar /n]mos suh t err aneos.4 .Parque de terrado) Suhg/upo de Pnrma çO c ons t ito i dn == i alm e nte por um eu de f lo ti ato 8/amin ói de. mans Areas dominadas por hem ó rip tó f i tos e que. entremeado por é nanofan a r ó fitos A Sa lados.7 . port ant n oais resistentes an pisoteio do gado e ao fogo A composi ÇO flor í s t ica é bastante .Lenhosa (Campo) os giamados Prsva l e/em nesta fisionomia. aos pou/os. quando natural.i( } /as t cirn) ` (Le3uminusae (aesalp (Malpigh}a/sae 88 Orson Ü na spp .Savana Gr emín eo .1 . integrado por hemi// ip t óFit os e M f J ns isn / /sti c a na t vra} nu ant /uPizada. ( om ( mn n t.Ma/anh ão (MA). extensas que o/uPam entremeados por plantas lenhosas /aqu it i(as. lenhosas sendo aogelim. oat ui al nas Areas aba ixo 1 s<a c ionadas e om os ssguin t eu ec 0 i pus do mioao t es : !lha de Marajó Pantanal sul Hanchor m ia spec Ü«»se (Apo/Una ( eae ba) Tabebuia carauÜ ba ( eae pai a( udu) ~So m ima serice a /eae mm i~ i) manga mato g/ossense (Bi goonia (Malpigh i a A i aguaia e ilha do Bananal 8 .do csr/ado) Pedegoso do (Errado) mui. quando ge~ jadns através do fogo ou pastu i cio.

i9/5) A =AMO do "(ha ( u Bo/pal argentino pa/agua}o holivia no" é eo ( mdrada em sua Fase úmida desde a =POMO do / in Apa da sei /a ( om o rio Paraguai. (grama do (criado) (capim do c cr i ado) ( ( apim ha/ba de bode) P a D len s Tr Ü stachg a s p p (/apim F le ( h i nha) além de muitas oaoo[aos famílias (ompositae` !i (itas raqu lit i( as das i aqx(t} Myrta(eas....Baubinia spp Attalea sPp (iegumioosae (aesalp (Palmae unha de vaca) palmei/ ioha do (s/ i ado ) (Palmas (0(0 de laposa) gm i/ i) Allasopt era c amp ecstri s Orb ü anuia e i c hIeri (Palmas c o( o dc As plantas g/amio d idps Axmnopu s spp Andropogon spp Ar Ú st Ü d sa (G/amioeae ) . uma A ca disjmda oo norte do Estado de Ru/aima e duas ou t /as dicas também disiuntas (ha queohas uma no e:t remo sul do Mato Gl nsso do Sul e out! a na baila do rio &oara À no Rio 01 ande du Sul dois 0 sei t io A i du nurdest ioo ap/essnta P rsq 0 o t smeo t s ( hu pe tí ndos se/us anuais. Campos de Roraima. 19/i) p /eafi/mado no At o/Uu lot (. prossegue /omp/ imida entre a Mesta" rio Mil anda.. /aH Mann soh/e os t ipns de vegetação da Vi i ( a Ti opi ( al tiopi(al 1957). enx oot i a se bastante alii. um /om longo d é fi ç i t hid/i/o seguido de chuvas to//s i / vas iotermitso t es e nui/o ( nm ss e a /m t a seguido de ~ ia!s que podem Falta/ durante avos A disju vio situada no sxt/cmo oo i te do Estado de Rmaima. (l/o( hain. / evest io do mor/ nt es p/ é ( amhr iaoos r i( os em manganês e Fe/ / o. Ms}as t omata ( e as.gro sseese e tão árido. Chaco Parque de espinilh c» da barre do rí «o Quara K ) ap/esentado l/ o 0 hio Ô mio Savana Est é pi/a (liado e po l (h ain em i946/54 (aPud Sc hosl}. ár idn no/destino" ( om dupla es t a/ imn alidade. Podendo t amhém 89 . foi o/ igioalmente usado pala designai uma vegetação de ( ara( te/ lí st A as est é p A as pi ó ximu i Zuna i/n lê t i/ a af/ A ana 0 termo Foi emp!egado para denominar a área do "se/ t 0.mato . da Bodoqueoa e o / io Pa/agua} até o seu afluente. Malva( sas 16 (as de menor e :p/ess ã n ( i s}on 8 mi/a (Figmas s J/) 6M8 . onde avança até as c er ( anias da (idade de Mi!aoda (MG} Dai segue a! é a ( idade (!e ( o/ umh á semp/ e ( lanqoeaodo n / io Pa/ agua i .Savana E stéi c a (Savanas secas ex'm u úmidas : Caatinga do sersul . ant /np(zada (VICIOSO A na ( hapada de Sul umu.

que conceituou se como Savana Est é p i /a. tio Mamnr é já em te// i tó / io amaz 6 oi ( o. aliada à identidade (lo/ (sti ( a vegeta à P isionomia ecológica . implica na semelhança desse tipo de 6ão. situadas no Ri asil com (ai a< t e/ í s t i ( as t típicas chuvas. seguidos de g/aode pe iA dn chuvoso . qos dupla sstac iooalidad*. (m)ferindo ao ( lima regional estacionei idade A dupla / (st i/a principal de dupla es t a ( iooalidade e / lim át i c a vsri[i/ada osssas dicas. tôm t /ôs messs H ios com f/a c as /om pi ovo/am se( a fisiológica . Em quatro distintas subdivide Este tipo de vegEtaÇão ou classe de Foimação subo/upns de formação situados *m í /cas gsomm p ol 6 g i c as (Figmas 18 e 19) Fig 18 -PERFIS ESCAJEK8AJl COS QA . poi a//alogia dos *c út i pns aHo amaz G ni ( os e andino a/ gent i oos que migra/ am at/ avés do tem formando disjmnçW ss bem dis t ant *s umas das out /as po. lo( alizados en t / e r ins &uara í e Ui oguai denominada Navawa Estas duas U i sj ~Sss E( 01 do i( as da ds d mida /haqoenha".afluente ser encontrada dispersa até as margens do rio O uapm 4 . a ( ai a/ t s um mês de U éF }/ it h í dri ( o. no Estado de Mato G /osso do A disjuo çO ( haqugn ha do "Pa t que de Espioilhn" o ( o//s oa planície alag á vel situada no e : t /emo sudoeste do Estado do Rio (}/ao de do Sul Encontra se ainda bastante pi sss/vado e seus p( ót ipos oa os tmais /evest em (e//eoos de deposição i e ( eo t e.

mais ou menos densos. com total ds c idual idade na é po x a desfavorável .Savana Estép ü ca Florestada Sobg/ upo de foi ma çgo cara( t er izadn por mie /n e/oo naoofa oe/ óF ifns. é /arar t srizada soh/et udo pelos Soe/os : Caxv an Ü llesia e Ch «» r Ü si su. ( nm media de até 5 metros. sendo que n gênero Cavanillesia. de disper SÃ o Pant/opi/al. da família Bomba /a/eae. Neotropical. Cassia e outros da disfri!v/i çA descontínua !eguNinosae. com g/nssos troncos e esgalhameo t o bastante` =Ciciado em geral p/ovido de espinhos e/ou Mleos. é hum ó) lo3n do g ê oe/ o Adanson Ü a Paleotrop!cal dispersgo Pari Sch Ü n «»psis e Astran ü um da família Ana ( ardiaceae. situada na grande depresswt n denominada pan t aoe!ra. ultrapassando =~ ionalmen t e os 7 metros de altura. Acacia.ha( n brasileiro. de t rupi/al. /nm Novo Mundo apresentando maior número de e có tipns no 1á a disjun çO f lo/ í st A a do . Mimosa. ^ (/aat inSa). situada na A flo/a do MIMO nordestino grande deprsssA inte/plao á lti/a bastante arrasada. sendo o primeiro andino argentino e o Família segundo afro amaz o ni r n . de dispersS Paotrop A al. mas me/e i eodo dest aque os t ara Sch Ü nopsis (Ama( ardia( eae) e Asp idosperma (Apo i q~ eas). a S } r ano . que tem aí n seu maio/ n/l mero de e/ ó tipos espe/ í fi/ns. ambos nent ropi/ais. é rara(terizada pela maim ia dos Q eoerus c itadus. o que sugere part!! daí o seu ponto de Just amen t e este úl t imo gênero dispersão pela plataforma brasileira 91 .

dominam os disim 6 O n f 1o/ í st A a. mas esp é / ie e ~ mi ( a . que muito bem rara (t erizam S/andes nordestino" 0 aatinga) Na depressão pan t aosi/a sul mato grossense. mas a P ru ama Com~hora leptóphIoeos (Burssra ( eae) g i np/o de dispe/s g u (Euphorhia A oi/a. do g8oero Ar ü st ida. g~osru gé andino argentina. ( nm Família de dispe i são Pan ti opi c al. poi em que o C omp O 0ko mais baixos. isto pmque apresen t ipo bastante sobie denso tam uma pseudoo/deoaçA de plantas lenhosas /aqo/tiras. tR u árido). p/ !ncipalmente nas lo nas Paleo t ropi ( al e Neotropical Este sub9rupo de fo/maç go re( obre geralmente Pequenas ess õ es (apeadas poi vert isolns. Cm idosc x» l xa s phy1 % acanth^u s eod~ /eae).A as da F ito F isioonmia ante i io/ .3 .1 . sendo estas as p/ io ( ipa{s ~ ai ao t e/ í st A as Folhas. dominam na América t rnpi/al : Amxx emma o m coca % uix mofumo) e na( eae pau h/ao ( o).í . dominam us e/ ol tipns : Spmnd Ü as tuber xxsa a esp O ie é end i mi/a .8 . /o. poi é m de ec ó tipo COM dispersão mico . estes últimos com t/oo ( ns e galhos. flor í s t i c as da referida disiunção ^ 6 . mesmos 8ône!os /om e M ipos endômi ( os desta nano pans/ 6 F it os /omo. Combretum leprosu mm ([nm!/rs t a c eae Asp Ü dosperma pyr Ü fmliu mm (Apu c gnaceas pereiro). poi exemplo : Prosop Üs/ * Acací au (}e8ominnsae> (um altmas entre i e 2 met/os e Ziziph xx s mmÜs t xxl (Rhanma c sac) também espinhos oas raqu/t! x o s Coz lti s tala (Ulmarpae). de disper SE u mundial. /om oano F anpr ó fitos de um mesmo e c é~ as Pision Ô mi r espaçados. qual Fossem plantados. smhu/a e ara( t s! ís Este subgrupo de F nrmaçO apresenta as mesmas os indiv í /!uos t i( as F ln/ í s t. ampla (Bm/agi dispersão.B . 92 .Savana Est ü ca Arbórizada as folhas. e vá/ ins e (V ipos do A /eas do Sei tão oero Mimosa.2 . (ont udn de g ê ne/os Afio amaz O ni ( ns e o último Andino aigen tino Estes nanofaneS fi t ns estão sempre associados ao (apim panas. Aspidosperma pyrif ol Üvumm (Apo egi na/eas). sendo u gênero /!e dispersão amaz o oi<a. mas de e M ipn endômi c o . exist indo cla/os snt!e eles se/ Na depressão interplao á lti ( a oo/ dest ioa 0 aat inga do (Ana ( ardia( eas).Savana Est (1926) Ü ca Parque Poi lanslsB & [hipp Termo introduzido na fitogsoS/afia designa! uma fisionomia do t ha ( u a/ 8eo t ioo (Parkland) para <a/ a/ te/ í s t i Este suh8 ~ n de Fm mação é u que ap/ esenta as mais t À icas. que na época das chuvas são alaga p\ das por não possuírem boa drenagem . de Famílias Pantro Mais. t e gram í neo lenhoso de hem ó ript ó fi t ns e ( am éF i t os tape se/ Na depressER ints/ plao d lt i/a nordes t ioa (raat}nga do tão árido) dominam vó ios e( à ipos.o gn tem sspinhos e ps/dendo snmen t s par( ialmsn t s possua ( as( a g/ossa e POI te mio /n p ane/o FO A o ^ «6 . dent/e os quais se desta( am : Miembora de mosa ac vus t Ü pul au associado a nu t /us do gênero que.

nas Para e rasas dep/sss i ss alagáveis poi ocasião das enchentes do rio No ex t |emo sul do Pa guai. /nm d éF iri t . situado na barra do / !n &uara( (OM o rio U/uguai. (ootudu. também conhecido como campo es e fisionômicas hem piohnso. inclusive a Neotropical Sul BiasilirMa.8 . da Família Euphnrbia(eap de dis t r!hu!V A Pan t ru pó al t amb é m Na depress g o pantaoeira do chato brasileiro domina s El Ü om uir «»s um ( ampn 8/aminoso de P a rather ü a prost suta .4 . que é po/a na o/o//e nas A eas alagadas de di FA il es( oamento . além do Asp Ü dosperma qu ecn brach o» blanco (q`/ehra c hu !nao t u ) e de oot i as menos oume i usas. este "Pa/que de de C orma çã n /oosti t oi o ( m}he/ ido e ( l ássi ( o exemplo do as ESPUMO E st e par que é fmmado quase que ex/ 1 us ivamente pela so( iaçi o de Pr «»sopís algarob Ü% Ia (algaro b a) e Acacia far m esi swa (es p!nilho).Savana Esté Ü ca Gramm íneo . quase poros (so ( ia çW es). tais ( omn um e : t snso tapete gramioosu salpicado de lenhosas anãs espinhosas ser Na depressão io t erplan ált !ta nordestina (caatinga do é in(ei/amente pelo ( apim pan as/o tin árido) n ter !eno ( ubertu ( Arist ü da sp ). nods as plantas s9n sohmet idas das dupla p!ovn c ada es(a( iooalidade uma F isiol ó gi ^ Pelo Flio Ad/ i(o Frentes polares. dispersão na à ca Um out /u e/ à ipo que /mn stitui a /isionu ampla é a Cop e rnici a mia de Parque na disjmq i o flor í sti/a pantanei/a vai alba) prunifer au var au s tr au lís (para os bu tâni ( os argentinos la/gas que forma grandes ag/upameotos. foi à out /as /eas gado o/ igioalmeote oa Zoo a Ho l s/ t i( a e e :t i apolado pa/a mundiais. 9] . mo : Scutia b m~olia O o/unilha ) . que possui seca. ambos espinhosos e ( adu c i P 6lios. e out/ a seta. de pi o( edôo( ia russa Amen m e ). assn( iadn a out/os e M ipos também es es Pinhosos que imprimem i fisionomia uma ( ara (t e! í st ica de M mpo pinhosn" (Figmas 18 e 19) 6~1~9 Estepe (campos gerais planálticos e Campanha Gaúcha) em p/e 0 te/mu Estepe. Família Paotropi/a l Ulma( eae. tanto do lado da Bolívia ( omn do B/asil subgropn ís. ap/esen t a (ara( te/ í sti ( as P lo/ (st ii: as plaotas t í pi/as. Ar Ü st ü da sp entremeado de plaotas lenhosas espinhosas. despidos de folhagem na seca e (heio de Folhas na é pn/a das /hxvas. pe/ t en ( eotes ao gôoero Jatr x» pha (pioh iÃn b ra!xo ). por apresentai ho mo logia e/ol 6 gi ( a ` a Esta área su!úropi/al.(chaco b/as i Na depressão pantanei/a sul mato grosssnss le¡ l n> domina. estas Areas são /nbertas por Ar Ü st Ü d au columbrina. Celtis tala (taleiro).Lenhosa Este subgrupo de fo/ma çA . ç amo Celt 1 s tala. um hemicrip tó fi t n que se ap/esen t a com um aspecto de Este ( ampn é en palha na seta e que enve/de/e na é po ( a das águas t rsmeadu de nanofaner ó [i t os espinhosos.1 . mais cu/ ta. o naonfaoei óf J o Acacia farnesiam a . Par ki msow í a aculeata (/ ina c ioa> e Acanthosgris spinescens (somh/a de touro) 6 . quase sempre. da sp .

.~ r ~ _.( i:l ? :i (:":' tü ~ I (" f: .. I (:. ~.ri %~t{ f~i1:YEi:riïai ((F? ~ :7 ( }{ ( (:~ .t{"t{'t (I i (~1i~:~1 ((~~ i ç1tAI { ïa : " '?t1I +.li'( {i Tl¡:it F :: :~(: li'i a :: Ei(i. 4 E . _.. ia { i } ': . i:1 { i ïi ::i r S:i L:~ ~~Y i:'t 1 ïl .i { { 7 .t.ï".( ¡ :) ( . .s 11.i (}I ? :'r i A !:j é.-.: ? :i ~ Y liïl Á 1 4' Ì?l 'i (i I CiY 4} . a.`Y tAl'ftïa {lïl 1'ti { } a ( } (:j 1 ët ( ( (} l~ I i ii i:r ái:ll~ 4i: it} t ~ ( lii /:> t:: I ï1 t' i ï~ 9:i ) y (:: iti ( } { }I ï1 ri (::.PERFIS ESQUEMÁTICOS DA ESTEPE Core da Estepa (Campanha Gaúcha) : 1 Arborizada 2 Parpw 3 Gram(neo Lenhosa -" ~'~^ i I dt~ `". f ïa li} ~:% ( } ? :i ( i ïa "'..1'ti i ( }! IYt ï"+ t¡ :a { ! F: (} : i .'t~ :Yl ~ :4i(:. 1 ~ i i:i i { }il{}1ii i ël i ?: ~ 1 { ïll'tifi...'a?: :'i .~ ~tk.. ï :+.. 2 Dislunçdo da Esfepe (Uruguaiana) Embasamento arenítico litólico : I Parque 2 Gramíneo Lenhosa  : k.t II { }~ <ll ~ i ( ëa 4 ( ) I't t t } G lüi }{ }I 'al ':iSAft ~ ..?1 ) IitG:l : ftï I Fig 20 . .'ïl (:? ii(}li}( ?~ {}C) 1 il {~1 1 si ~~ i ~ 4'1Í' i S~i t { }I'}Clii 1 C ïa >~ ï.' G. :i I A ( } ta 1 t . ~w±~ ~~ . j ï 't .~.-. n.j ït ï i I ii ¡ :Y .( ( i 'i.(::~(}~( (! {f(:':(ilj:i~ï. ~is)unçdo da Esfepe do Brasil Meridioral (Campos Gerais) Predominóncia de derrame basdltico Parque 2 Gramíneo Lenhoso G~ e L .~. :: ( }' ".l."..`lit ït {) i Í'{ì. ~ :x I 2 ~~~w 3 .: " 1 (:: ïa ?::.~.( } (~:. " itt} {i()1!:i ïlt !tïa i ü'tf: Ii'( (:: ki: ?: ~ <aI F::Ssi (:: ? :iT ë?.¡r i ~ }ïa!A( it(} : : ~:i~ïítltëi~~{ {! í._-. ? .' :: t {::~ I i ~ ït Y' (:r C: Fi t {:": ~:7 Ei: i (} I" t}i {:+ NY I i I'} ël Ei } ïa 1't ~ ïl1 {i.::~ {i` ~..1 {'~~ I } {":: I i ( ( } r~ ( ( °a i < :1 Q: . ... { ( {:? !..jl ïa1't(lí::?:'r ~ Ij:y(i?:i ïlS:i ~:?~ì (ié .~.+? : .. P P cà i t' i E t t i ~ ( ) '.

*n lsn}msa da (ampaoha W( se é andinas a! gent ioas. a . ( om aí loi am en >os /o( husos. l i 8ados ou não a let ia. pois a F lo i í st i ( a duas áleas são muito semelhantes e atualmente Foram igualadas p CW e pelo intenso past oro i o Fogo anual 6 . onde a Sc m t ia b m ~ m lia O urmn i}ha>. p cv.. Schinu s uw«»%Xo (a/o ce i/a salsa). todos 0 m igem Andino a/geot ioos !>ispe l sns nos a F lo i ameotos 1 o ( h"sos os na A 95 . íthiraea br a sili ems is (hugu V / o) . Sebastiama c omin ersooiama (!xaoquilho). Acacia far mes i ana /ps// i oil/ . /a/ a' / io g/ aodsose e diviso/ es de águas dos / ¡os teri 2 a se pela dnmio â n( ia dc solos /asos lit ó l> c ns. A fl/'/ í s t i/ a g/ amú. lo/al i zadn Planalto (amaqu ã s /h00. ~i re nas /]mestas de gale/ ia.DAS FISIONOMIAS ECOLóGICAS DA ESTEPE Fig 21 ' i amas(. Cc lt¡s tala utaluí /o). imp/ i mioUu (Ri úts/ ( amppst 1 e das d} F s/co/ ial cum a Campanha 0a 0 ha. com alguns gêneio s tnda o/ igioada das à eas p/ m v idiooal a Aram ( nsmopn}itas Pao t /np} ( ais Nas á /sas do planalto l .9~í .o>. Astraniu mm balamsae (pau Ferio) são os p/ io' i pa}s s/út ipos. medianamente P1 o Fundos F i t ofisinnomia cV t mn s t i t u(da d* dois e st /a t os dis t W ^s 0 p/ /me i /o de 1 es /omp de se de m///o e nano /aoe/ 6 [it os d)spesos.F lo/*sta ds ga i sni F nliados com Folhas ( or} át (Mas. de mas de Uis ti i hu lGã o caria ans vus t ü fo o! igem Bust Mi á s i c a. k. aHo }xasilei/a.Estepe Arbarizada no sA Este suh8/upo de [o/ma çi o.1 .

em fa/e da degradação da terra devido às tons tantes queimadas anuais e ao pisoteio du gado Vários =Mitos. neste estratu ainda alguns elementos nativos est épiros. por e :eM p7o : -Paspalumm notat xumm (gra ma forquilha). é end ê mi/o da Estepe do Uruguai e/ou do sudeste do Ric) Grande do Sul 6 . como. do gênero Eupator Ü um sp tampos est é pi/os e que. entre outras t eral ü s (capim caninha) e St Ü pa spp existem de menor impor t ôn/ ia Gomo se pode ver. des t a ( ando se o Paspsulum notar tum (grama forquilha).g o cada vez maior dos solos pelo mau uso da terra 0 estrato graminosn é dominado pelas mesmas formas de vjda do subgrupo de forma çO anterior. porém tom ampla ~r Ü dum (/araguat é ) e degradados . onde ocorrem três ec ótipos das famílias !gthra ( sas e Aoa/ardia/eae : K. imprimindo lhe nuan ç as de /or e de valor agrostol6gico .gy . 3 . como. sul r io grandense e da Campanha.2 . mas tom menor rep!esentatividade Esta os Fisionomia de Parque sugere uma causa antr ó pi c a para aumentar "rampos de pastagens". também de origem Andino argentino dos 0 segundo estrato é formado por hemirrip tó fitos. alteram o visual do Parque. apresentando fitoFi d e aguas dos rios lbirapoi sionomia formada basicamente por nanofaner ó fitos Freqüentes e dis Como exemplo /l á ssiro cita-se o Planalto da persos regularmente Campanha Ga'úha. por exemplo. Ergxxg ü um (vassouras). prova forma densos agrupamentos no meio dos velmente. vários ec ó ti pns do gênero St ü pa que dominam na Estepe do Uruguai e na da Argentina ~ M. Sch ü nxus mmo» ll or (aroeira salsa) e Astrxvn Ü«umm b su lansa e (pau-ferro). além de algumas t er óP i t as que. rias. Andropogon as c espiiosas).Estepe Parque (campo sujo ou P erk1and) !o(alizada em diferentes áreas nos planaltos das Araucá . ainda são as Graminae que dominam no paisagem. Porém. (gram í ne (mac ega). que importante é a Compositae.Estepe Gramm íneon-Lenhosa (campo lí mmp«» ) Neste subgrupo de formação observam-se as M orestas de sale/ ia ° de porte baixo flanqueando algumas drenagens 0 estrato herb á( eo é /onsti t u í do por duas ~Mas grami nó ides a dos hemi c rip tó fitos e a dos ge ó fitos.9thraca br aus Ü li en sü s (bugueiro). representados por Eri anthus sp e later auDÜ s (capim caninha). 'o mo plantas anuais.9 . Heterm talamus sp mo Bacchar Ü s spp outros de menor e:press g o. além de outros ecó tipos de várias famílias. Axonopvas fi ssÜ fol ü us (grama tapete) e outros ec ó tipos invasores. Ar Ü st Ü da palle m s (/apim barba de bode> por ge6fitos (gramineas rizomatozas). Contudo.1 . ambas apresentando pilosidade nas folhas e colmos. co (alecrim). Ax»dropogum la (capim fle c hinha ) . Axonop vu s fi s sH m M vu s (grama-jesu i ta). o que sugere uma adaptaçO an ambiente relativamente set-o 96 . que /on c orre para a deSradat. também ocorre nos divisores 0 e lhi/u( da Cruz.nofaner óf itos e caméfitos se fazem notar através das ca c taceae gêneros Cereus e Opuntia. o mais dispers ãn são também invasores dos solos (chirca).

uro ro . L o m L 0 -0 C ~ro 0 -0 o o z tu  w 0o o9 w U L 0 o tu o > o 0 ro C L - (1) - N C (1) (0 U m m 0 U) m -0 L ++ c 0 o E ro o 0 ro W-.E -0 0 . Campos de Roraima e Parque de Espinilho de Quara() (Microfanerófitos.N 0 ._ U C-- 3 (o 0 . U) cri L "E . Hem i cr i ptóf i tos.0 m >J 1 . Caméfitos. Mesofanerófitos.(o U c L 0 o 4.+' C E 0 L - x .+- 0 .0 10 -0 o. . e Ep(fltOS) SAVANA . Hemicriptófitos. o m 0 C m m 0 3 c a) ro E L -0 . Chaco. _ -O L 0) L ro oCO 7 U N 0 m C 0 U 0 (L) L o co L ._ 0 0 3 C -4- o U) L c0 c0 d 0J u I ro J U c0 0 a ro 0 UU U ro a o 0- 0 Estacional (com maIs de 6 meses secos ou com frio rigoroso) Xerófita/ Higrofita (Eutróflcos) FLORESTADA ARBORIZADA PARQUE GRAM(NEO-LENHOSA Depressão interplanaltica arrasada Com florestanordestina -de-galeria e/eu Sem florestaDepressão com -de-galeria acumulações recentes E -o 0 0 ro W-.tu ro coN UU m N Eo L c o am 'U (1) .U) o .~ f t0 w ._ 0 U .. .25 000) e (1 :10 000 até 1 :1) Formações SUBGRUPOS DE FORMAÇÕES Fisionomia (Hábitos) FORMAÇÕES (Propriamente ditas) Ambiente/relevo Aluvial Terras baixas Submontana Montana Altomontana Terras baixas Submontana Montana Aluvial Slbmontana Montana Altomontana Aluvial Terras baixas Submontana Montana Aluvial Terras baixas Submontana Montana. Caméfltos.U O' 0 0 0 m m m . SUEFORMAÇÕES Fisionomia específica (Fácies) Dossel uniforme Dossel emergente Com Com Com Com palmeiras cipó bambu sororoca DOM(NIO SETOR Subassociações IMPÉRIO FLOR (STICO ECOLOGIA Fitossociologia COMUNIDADES Associações Variante Fácies Soci ação BIOECOLOGIA IMPÉRIO FLOR(STICO CLASSES ZONA REGIÃO FORMAÇÕES Estrutura/ Formas de vida De escala regional (1 :10 000 000 ate 1 :2 500 000) até escala exploratória (1 : 1 000 000 até 1 :250 000) Tipos de Vegetação SUBCLASSES DE FORMAÇÕES Clima/ Déficit hídrico GRUPOS DE FORMAÇÕES Fisiologia/ Transpiração e Fertilidade Ecosslstema .LU C *o .0 o -oro0 -0 E ro ABERTA C L E U) c _ E 0 0 L o . Lianas e Epífitos) ESTACIONAL (4 a 6 meses secos ou com 3 meses abaixo de 150 C) Dossel uniforme Dossel emergente Dosse1 uniforme Dossel emergente Dossel uniforme Dossel emergente m ro o m _U . ro U) a ..N x 0 o '0 E L a (o > -o 0 . _ -O U E (1 U) o U) o 0 0 ro L 4_ o o U ao-0-. 0 4a EV 0 0 0.a) c 0 3 - _ o o -0 ar o U tu m ~ (v `+.E U C C c o 3 0 a U L N U ro (a -0 U (a eu L 0 0 U) ». Geófitos.*' ro .4. -U U) U CAMP INARANA (Campinas) (Xeromórfitos. U x o N mm -0 D E m 0 t o roro ..U o ro E ro ro L C U ro o a) O L ~ 0 0 L' . -U+' ro C '.ESTÉP I CA (Caat I nga._ a 0 QE +.-o o 0. )ro c 0 w 0 Ea o L a ro L 0 U o -0 o 0 o c040~ o 0 ro 0 m '(o E > 3 m L o .1 C 0 -0 o oo a) a0 _o o U -0 . o) U o Estacional (com 3 meses frios e 1 mes seco) Higrofita/ Xerófita (Eutróflcos) ARBORIZADA PARQUE GRAM(NEO-LENHOSA Com florestaPlanaltos e/ou -de-galeria Pediplanos Sem floresta-de-galerIa 3 ro U "m a) 0 .' U (U L eu 3 o o 0 E *J o o 0 . N - a 3 . Caméf I tos.c a)3ro _U U . Geóf i tos. 3 0 - m E U E L o C o a) 0 N L m ro m E E . Teróf I tos.U 0 a0 m 0 -0 -0 ro 0 ro ro L o L °~ 0 o 0 c MISTA L FLORESTA (Macrofanerófltos.ro o o.3 > E E 0 3 0 (o in -0 d . Mesofanerófitos.. N o 0 to (o iro .(L) ro C 0 0 0 E 0 (o to ro0- o - r= -a (i) in 0 U o o U o 0.4u o U) tu n v) i 3 CO-0 ..-o 3 .F.L 0 0 o m E0 0 _U a U tu o . Geóf i tos. wro (o .. Lianas e Epífitos) (0 OMBRÓFILA (0 a 4 meses secos) Higrófita (Distróficos e Eutróflcos) o E _ a) .o c 0U N w ro Iro U C U) E 0 0 L r< o 0 U0 .- (1) .c - +J tu L E 0 W w 0 10 . Geóf i tos.L L 3 N L 0 cio m 0 a U) 0 I 0 ro L b) cro N U_U o .ro .QUADRO SINTESE DA CLASSIF I CAÇÃO FITOGEOGRÁFICA ` CLASSIFICAÇÃO FITOGEOGRAFICA Escalas de Semldetalhe e Detalhe (1 :100 000 até 1 . Caméfitos. . o (o ro *' (a . m N iro +.ro W N 0 in . Lianas e Epifitos) SAVANA (Cerrado) (Xeromórfitos.E o c m E ..m .E _ -0 0 ++ C L 0 ro . Lianas e Ep ff i tos) ESTEPE (Campanha gaucha e Campos meridionais) (Nanofanerófitos._ o (1) (o U) x o _U )m m 0 'o 3 o 0-0 m ro N 10 N 010 io E ro I tu ro - L0 -0 -0 a ro - 0. o.. Lianas e Epífitos) Ombróflla (0 a 2 meses secos) Higrófita (Allcos e Distroficos) FLORESTADA ARBORIZADA GRAM(PEO-LENHOSA Relevo tabular e /ou Com palmeiras Depressão Sem palmeiras fechada o. m 0 L .~ *.r U o > o o )ro ao U U ro N . to o to . 0 > Higrófita/ Xerófita (Alicos e Dlstróflc0s) Higrofita/ Xerófita (Eutróflcos) SEMIDECIDUAL tu .o .(1) L o U >1 w (ou z x m `E L 0 00 I(o -~.U L a i1 U o 0 U) u) U) v) o ! 0 m !/) 0 U) o) o U w ._ U U ro o(f) 0 (n L a Ir 0 .. )ro ro U -0 lo ro .U E 111 (o 3 o a .c eu a (a C E L U NN (f) - Estacional (de 0 a 6 meses secos) Higrofita (Álicos e Distroficos) FLORESTADA ARBORIZADA PARQUE GRAM(NEO-LENHOSA Planaltos tabulares e/ou Planícies Com floresta-de -galeria Sem floresta-de-galeria -a a ro o a) r o.o- c o 0 . E m 0 - 3 3 o .L U) L 0 U) E - C C 0 3 4. Nanofanerófitos._ - ro ro L 0 3 0 o 0 o Nu U ro +. Microfanerófitos.ro c ro U tu L ro 0 -s o o U E U) DENSA FLORESTA (Macrofanerófitos. . Hemicriptáfitos.. Nanofanerófitos. Terofitos.++ U m 0 ._ M c DECI DUAL V 0 L-Uo _ c 0 ro 0'17 m .-0 E 0 . Lianas.0 -U ~ -U ro 0 oro o L.ro U) 0010 "o *' (o c o -o ro 0. Nanofanerofltos.

Um exemplo de desci tifi/ ação pelo mau uso da terra pode ser visto nas áreas aren ít i c as de Alegrete e T t aqui. em face das constantes queimadas e do pisoteio do gado . so Estes campos.Mo presente /asm pare/ e tratar se de /ompa( taçã o superfi c. uns t an t e su ( essg o. assim. onde vicejam os c ampns quase desprovidos de vegetação na épo(a des P avnr ável (Figuras 20. de ter ó fi t os. ial do lo. o que demonstra que a Estepe de) Rio Grande do Sul e a das áreas situadas no planalto meridional es Ao atualmente igualadas pelo mau uso da terra . como o caso dos gêneros : Remir= . hem ó ript óf itos. que ocupa //ma vegeta6 O de p/ imeira ocupação de i ar Wit er ed terrenos rejuvenes ( id o s pelas seguidas d e p osi6 O s de a i eias ma/ inhas nas praias e restingas. São essas as formações que se consideram /omo pe/ten c endu ao "complexo vege{acio Tal desig nal ed áF i(o de p! imeira o///pa çãko ° (FnrmaçO s Pioneiras) n~o prende se assim a uma tentativa de conceituai comunidades lo /alizaJas. das áreas pantanosas (nnside i nu se. que na é pm ( a desfavorável. s gn dominados por ec ó tipns dos gêneros Stipa. os alov A es Fluviomarinhos nas embocaduras dos rios e us solos ribei/ inhns aluviais e M us t res . !/em ///mo nas plan ó ies Fluviais mesmo ao redor das depressiss aluviais (pântanos. em qualquer l at itude nu lnngitude do País. sem liS á Ias ap/ i o isti ( ameote às reSi V es e( nl ó 3i ( as (lí x maces. 21 e Quadro encarte) 6 . das praias. cujos fa t o/es l M i t antes em geral dete/mi n aram e/ú à tipos de distribuição universal. Mo talvez su@i t a a /ausa de estarem estas comunidades ligadas a famílias e gêneros de) /un ive/so t /npi ( al psam óP iln e hidr6 P ilo.Sistema Edáfico de Primeira Ocupação (FormarZes Pioneiras) Ao longo do litoral. e l[9pha . ou seja através da adaptação ao ambiente especia lizadn tropical. xxrn ü a . as seguintes comunidades pioneiras (Figuras 22 e 23) ^ 97 . seja atravCs da dispe/sK de seus ecó tip o s. em há freqiien t emen t e M /eons instáveis (obeitos poi uma vegetação. Androposom . Rb kzzx»phora e Av Ü cemüa. Ar Ü st Ü da a Er Ü anth xus . puis a ve8eta çA que ocupa uma area com solo em constante re j//venes ( imen t o nem semp/e i n /!i ( a estar a mesma no caminho da ~es sao para o M ma : da regi g o circundante Sgn exemplos as vegsta çO s da orla ma/ /tima e dos pântanos. ap/esen t am uma c oloraçA acizentada. sempre com plantas adapt adas aos parâmetros e ( nl ó gi ( os do ambiente pioneiro . ~V itns e nannfaner ó fitos áfico. Sal Ü c dos man 8//eza!s. lagunas e lagoas). ambas semelhantes entre si. cripf ó fi l ns (Se óP itos e/ou hid/ 6 ( Trata se de fitos).2 . das áreas psam6f}las. para as es( alas da regional e de de talhe.

.

FLUVIOMARINHA E FLUVIAL .BLOCOS-DIAGRAMAS DAS FISIONOMIAS ECOLÓGICAS DAS FORMAÇBES PIONEIRAS SOB INFLUÊNCIA MARINHA.Fig 23 .

onde. justamente quando a água do ma/ fita !ep i esada pelos M/ a ç os dos i ios. Mgrcía . além dos One/os Pasp al umm e Hici rmcotulle dunas. Cam istrum .Vegetação com salino") influencia fluvi mmm arinha Mam quezal e campos 0 maoguezal é a /umonidade mi /rofaogof 0 à a de amh i EM s salub!o. ai eoosas Neste pontal a pimn ei/a varia du i esto das ( ommn idades asso/ iada às criuva . que /s c phsm in P lu & n ( ia d// et a das das pi aias : cai a ct e\ í sti c os águas do ma/ .2 . a á/ ea salo!x a é densamente povoada poi G!amioas do g i ns/o S p artina e pela Sal ic«»r ~ ai át s/ xm ni au port e lac «» ides . nos solos limosos (manguitos). Nid m lar iuma.A ie de Palmae que o( o//s nas /ss t ingas desde o estado do Amapá até o Pa/aná í a Allagop t e ra marit ima vegetal ap/c Nas dm/as p! op/ iamentp ditas.6~2~1 . Vig m ia e out/us de ms no/ i mpu/( â o ( ia ( a/a/ t e/ izaUo/a Uma esp E. além das mu it as BI omel\a/sas ou dos géneros Vr ü es ia . Eugenia t /os de meoo/ /mpo/t â /x )a asso( i at iva "ponta} /o/hosu" No qu Ê deu o/ ig e m (à /es t ioga. situada na desem!xxadora de / ios e /egatns no ma/ . na e Rio Grande do Sul 6 . Av Ü cenia . (leste uma vsgs t a 4 o esps/ iali v ada. cl usí a p/ in( ipal esp EI / /e /a/a( t s/ !st i( a j a (ax (a( eae dos gôoe l os Cere ms e Opum t i a. adaptada à salinidade das águas. a va9 ei a çA. onde o Sch im us lius. que imp/ imem ao '/ampo salino" o de "maoguezal /ame c A i( u" ` i00 .Vegetacão com influência marinha K = rest ü nsas0 As /omunidadss vegetais. e a K. tom a seguinte seqü ê n ( ia : Rh i z oph or au mangle. ap i esentam /omn g êoe/os pelas Remirea e Galic «aro ia Seguem se . em áreas mais altas a F etaUas rx»mal és equ i on/ iais. v a Lythra e bra s ílieo sís imp/ ime m a mesma um ( a/at* i l eo!xoso e ou 0es M am se também os gôoe/os : Erythrox91o m. Bromelí au. as /onhe/ /das Ipmnaca pes-c apra oz e Ca m ava 2 i a As duas p/ ime i/as são sea . Spar t í ma . que crpst e nos lo( ais mais mesmo só atingidos pela p/eama/ Nesta comunidade pode [alta/ um ou 9 f/ eqüsn t s obss/ ver se o maogu = l si d~ dois desses elsmen t os Rh ü zophora . P s% ygala . Achrgrocli me. ou s6 de Avi cenia .2 . COMO o Us Amapá. Aechmea s Santa (at a/ i t /os que se des t a( am just ameo t e nos es t ados do Pai anã . pois a Laguncularia só apar e( e quando e : i s t e Wieno Filme nos te] e dos 1 ( om /aç os e oas plao(( ies saloh/as do F mxko das ha í as ios d/eoagsm di F i/ul t ada Em algumas /}essas planÓies . rujas ssp O iss vai iam /oofo/me a let it ud e om t ~ a\tos.anuncular ia racemosa . a /omm/ idade t ereh in t h ifosenta se dominada por oaoo f ane/ tí [i t os. e sul . ( oo t / i plantas es/aodso t es e es t olmn / F e/as que at /ogem as mais buindo para F i :á l as out /os g p o e /us asso( iadus au plaon a} t o das pi aias Coot/ ihuem pa/ a (ai a c te/ iza/ esta ~unidade piooe i i a : Acicarph au. como o do Ma/anh ã o.

Ec ótono (mistura fl ox rí s t ü ca entre tipos de vesetaçao) Neste ( aso.1 . comunidades indiferenciadas. ess ário ent g o u levantamento Flor í st it n de ( ada Região Ecu] 6gica pa/ a se podei delimit a! as ai oras do e có tnnn.Os gô neros dominam nas depress i es brejosas em todo o País Nas plan A ies alagáveis mais bem drenadas n( or/em /ommn i dades campestres e os g êne/ns Pan Ü c xumm e P au spal «umm dominam em meio ao /am é fito do gênero Thalia . das depressões alagáveis todos os anus .Vegetação com influência fluvial (comunidades aluviais) Trata se de comunidades vegetais das plan/cies aluviais que |e F letem os e Feitos das cheias dos rins nas é po/as ( huvnsas. pois. 1970 A cai tografia da 0 eo ARO ec 0 l 6 gica" é uma quest 90 de e sca o tanto e o-R on o ~ la. pr i n ci i0j .6~2 . onde ( ada en/rave guar/}a sua identidade ecol ó Si ( a sem se mis tu/ ar (Veloso et ali i . onde as floras se interpene t ram e unstituindn as tia n s! çO s flor í st i c as ou /ontatos ed áF i L us . ( nmn o encrave sR o perfei t amen t s de t ec t ados e por este mot ivn devem se! separados e mapeados 6 . ( o mo. Mgrta ( eae e outras de meno/ impo/t i n o. snt áx n. ional Já em nut/os sc ó tonos. prin/ ipalmen t e na Amazónia. ( nmo : Solana ( eae. as Pal mae dos gêneros Euterp e e Maur ü t Ü a se agregam. Estes t. 8s ó f! t ns e ( am í fitos. constituindo n aVai zal e n buritizal do Norte do País Nos pântanos. /}as es( alas de semidefalhe e de detalhe. 0 primei!n (aso se re ° mosaicn Fere ao ec à ono de específico" ou an pr ó p/ io C lemen t s(1949) 0 segundo caso se re Fe!a ao "mnsai/n de áreas e(! á fi (as". n ( /xn ta t o eot/e tipos /!e vegetação c um estru sem lhantes fica mu it as vezes impe/ e ept í vel.ia socio l 6 gica R à foi sst oda Essa suces ão nat. da em vá! ias existem as maiores áreas de várzeas du País (Figuras 22 s 23) 6 . ( oo F orme a quantidade de água empoçada e ainda do tempo que ela permanece na área. e n t uras fisiooômicas seu mapeamen fu poi simples fotuio t eip/e t a ÇO é impnss i vel [orna-se n eo. di F eren t e dos gêneros Cyper vu s e Juncu s. ou.3 .3 . u/al da ve3sta ç tão pioneira j onde /egi V es do B!asil.Sistema de Transição (Tensão Ecológica) Entre duas ou mais reg! O es e t u]úg!cas ou tipos de vegeta ça n. juntamente com várias fam/ lias piooe ô as. que são exclusivos das à eas pantanosas dos tr ó pi(ns . em muitas areas. [ompusitae.n fí ti<a (hidr óP i t os) até os te!/aç os alagáveis tempora i iamente (!os t er ó fitos. Nos te i ra ç ns mais enxutos dominam nanoAX ner óP i t os dos gêneros Acacia e Mimosa.3 . onde. o gênero cosmopolita Tgphau fica con F inaUo a um ambiente espe ( ializado. poi exemplo : Flo / esta 0mbrú F ila/Fl oresta Estai. as comunidades vegetais vA desde a pantanosa ( rip t. existem sempre. Nestes terrenos aluviais. n// pelo menus na maioria das vezes.

poi exemplo. podendo ser Peita por } í s t ii n simples fofniote i preta6 i o.Enciravis (áreas disiuntas que se contactam) . poi exemplo : i F 101 esta 0mhr ó Pila/Floresta Es t a c innal nu eot 9 n Flo! e sta 0mh/ óf Ia/savana (Cerrado). (Figura 25) Fig 2S. seja para os tipos de vege t a6 in /om estruturas F isimn Ô mi ( as semelhantes mu pa / a aqueles ( um estruturas diferentes.2 . pois em escalas maiores à é semp/e possível sepa/ fran Ias Esta o/o// ê o/ ia vegeta( iooal de si çã o ed á fira n go ofe/ece dificuldade em ser delimitada. 6 . F l o/ esta 0m(x ó é i 1 a/Savana V er/ado). ( omn. como. a sua dei imitação t moa se ex( lusivamente ( artogr á fi c a e sempre dependente da escala.ESQUEMA DE UMA ÁREA DE TENSÃO ECOLóGICA -CONTATO SAVANA / FLORES7A . sot/c No caso de mosaicos de áreas en/ravadas.palmsote quando os tipos de vegetação que se /un t a/ t am ap/sseo t am est/ut uras Pi sioo Ô mi(as di P e/eo t es.3 . a delimit a ç ãu desse mosai/o PP) torna se f á ci} e prat }c á vel. (F i guia 24) Fig 'ESQUEMA DE W~~=~~ DE TENSÃO ECO Uó0UCA -CONTATO ÁREA FLORESTA O&8BRó F!& /FUORBSTA ESTAC!g NAL. situadas duas /eg Res e( ol ó gi ( as.

klein ÜÜ (Dei hsridace diron bras Ü l Ü ense (Elaenra/pa ( sas) e Berberis ae) Esta vegetação é /onhe ( ida popula!meo t e poi "mata nxv í geoa" ou nw "mata nebular".. as hisn t e menor. nos pontos onde a água evaporada se condensa em blioa p/e ( ipitando se so!/re as á /eas elevadas 6 . assim. flor is i F a i en t e i( s. toda a =unidade ao ambientais dissonantes que imp/ ima à Região E ( ol ó gi ( a ieNgios no/ma] da vegetação e l(max País.e. Toda e qualque! vegs t ação ente do ( on.Sistema dos Refúgios Vesetacionais (Relíquias) dife/sots.5 .u relíquia" que persiste em si t ua ça es csps/ ial(s altitudes a ( ima simas. quando alterado em um ou mais F ato/es. como espé( W. F ision 8 mi c o e( ol ó gi/a também di e/ vegetação. e :fu 8e logi/amen t. ( omn é o ( aso de ( omunidades l u( alizadaa em de i 800 metros (Fi8u/a 26) Fig 26 -BU OCO DIAGRAMA DA FISIONOMIA ECOLóGICA DO REFUGIO ECO wóGICO ARB U8 nvo comVELLQZI 4EF AB L4NTHU8 PA vegetação !egional. 0 rs N gio s(ol ó gi/o Fazendo parte da dete/mioada por par â met/os e/ol ó gi ( os ambientais mais ou menos ( ons es tan t es.' No Sul do rsflexo : Wc i nma m i a /a/a/ter í st i( as.6~4 . Este muitas vezes /ons A t i{oi uma "vsg 0 a E. Cri n oden hum ÜDÜ s ((unounia c eae). snqu pn t u disjun6 i es ve 103 . as á!eas vsgeta c iooal mesmo das baixas altitudes e. nesse am di F e/en t e sio//ooismo te/ á ( umn /espos t a uma fisionomia : ser/as. ) al da flora dnminants na Rsgi g n Ecol ó Si( a ou no tipu de foi /onside/ada como um "i e A 3io e/ol ó gi/o" . qualqus/ (atui que distoe desse.e a ( nmposi çi n e mesmo a t ica da vegetação du /cf/\8io Assim. poi exemplo os rumes l i t ó licos das alt as e tm Posas altitudes que in p luen/ iam o mi( /o( lima. Siphmne mg en ü a r e itsei ( ~t aceae ) . pois re M ins /omo vimos são =unidades do tipo de vegeta ão em que es t go i nser idas. u( miem Kô un meira man i cat a ([unoera x sae) . como.Sistema da Vegetação Disjunta srol 6 gi é ns ( ess ário não confundi/ refúgio com Uisjun Cio totalmente di Pe/ ente s (a. i mp M altcra çi es PIO) ís t/u turais que mudifi/am in t ei/ameo t.

( umunidades (omo exemplos (l á ssiros de : uma poi io se/ ( ifadas duas "ve8eta ç As oro ologi ( ameo t e disjmn tas" Mista sit nadas Flo!esta fluência paleo( lim áti ( a. a Savana ([eirado) dos tabuleiros ( os t si/os do No/deste e do vale (!o rio Pa/ S !>a do Sul (Figmas 27 e 28) Fig 27 . e out ra poi l ó g! ( a. poderá ser pe/fsitamente disjunta do ( l í max mais pi órimo podem disjm/tas. de um out /o tipo de ve domi ZX 3e t aç .ge t a/ ionais Ao repsti6 O s. as disjun çoes da io P !uôo ( ia pedn nas se!/as da Mao t iquei/a e da Bo( aina .E8QUEN A DE UMA DISJUNÇÃO ECO Lº GICA .o próximo que se inse!e no x mdexfo da Região 0 ol ó gi/a t /ahalhando. esto um naote (onfo!me a esc Ia la rar t oBr á fi ( a que se (t ens i o =unidade em ~ /~ans i . ~ o en//ave ed aF i c n cooside!ado ( omo /omo uma /nmunidads mapeado et ol ó gi c a). em escala meno! .

~ dmao~e esta ~ase quc s~ ini' ia o apa/~ i05 . oos ss~ados do (en~/o Sol. oaoo~aos/ ~~~tos. a vegs~a~~o se~wx!~ria que sorS* /s~lets d* am!/ieo~s A maoei/a !/astaote m~i~o/me. q'~aodo ahandm~adas. /apa zes de vive/em da ~gua e da "/o~ha viva" oo dos ho/ i`ontes mins~ali ~~m~~~mynm (P~s/ iÚ~fi~as) 'ye zados do solo ~ o ~aso do ~~er~~ie~ (su!~mootanas * povoa os snlos deg!adados das ~reas se// aoas altas moniaoas) Uas ssr/as ~nst~~~as (Uu Mar. Ue o/ igem A/queaoa. ~er~a ou pu/ e :aust~o de ~e~ti<idade. Ua Ru~aina. ap~s o o (lo a3/ i/oltma.~n p/eda~~/ ia do homem A pe/da qusimadas c da pa/te qu~mi/a do sulo ot ili~ada pslas ~ul~mas e tam os solos !/~m lixiviadas pelas ~guas da ~hova empoh/e/e /apidameo~e put!~~i/os. ssia ~nm (ioalid~dc a vegeta~~n ra. ge~~i~os. ap/*sso|am om p/o gresso vegeta~ ional de a~o/do ~om a su/ess~o de in/~me/as esp~/ i~s 'i~ ~ ter~fi~os. Us m iSsm pl~~'pl~is~~'~~o} ~a no Esp~/ i~o Saoto e Rio de /aoei/o Es~as duas ~/eas. ~omo ~ o /asn da p~srid~fi~a dis dist/ ihui~~n muodial. d~ (// ma t/ i!v/i~~o ~rup~~al. ag! ~/o~a oo pe/u~/ }a. des~ a/ a~ fe/ izando p/ im~/ ia Ass!m s~odo. os pa/~me~~ns e~nl~gi~os do su~ess~o vege~al ohed~~s a xm / i~mn ds /s~ups/a~~o do solo dsg/adaUo Ua ma~~/ ia o/S~oi/a pelas pe/a a . de se! ~olooizada pu/ hemi~/ ip~~fitos piooei/ns de ~am~l~as hastaot~ ~~~~~~~m~ a~qu~~in~m. lo~o dspois de spu xso o ao~/ ~pi/o. e da G~amioeae ~~~~rat~a ~~~s~Xiemsis. o que io(e/essa í a oso psla ~~n se/m~d~ria.~Ü~~~~~ ~~ ~~~~~~~~~ ~~~~~~~~~~ K~~~~~~ ~~~~~~ü~~~~ No sistema se~m~d~/ io (ao~/~pi/o) ~st~o in/ }uú}as toUas as S~o aquelas ~/ eas oode houve ~omm~idades se/mx!~/ ias !x asilei~ as minc~ado intervsn~~o humaoa pa/a xso da ~s~~a.~~~~ ~~Ü~~ü~~ ~~ ~~~~~~~~ ~~~~~~~ *m (n'~ A fase ioi/ ~al sugc/s oma "/sgress~o s/ol~8~/a'. que ~rnpi/ais ~}i/os nu dis~/ ~(i~os s sx~cp~ ionalmso~s levam aoos paia se /ejuveoes/e/em oa~malmeote A ad~6~o ds ~al/~/ i'~ imo!~il~ dolum~ti~o oos sol/'s dsg/adados /ea~ iva as t/o/as dos sais so zados pelo e:/esso de alum~oio e a~ele/a o /sap/oveitameo~o dos pas los di~os /ansados pa/ a a ag/ i~ul~m a s pr in/ iPalm~o~s pa/ a as vege~a tagens plao~adas Pa/a o p/esente ~aso. mi/ro/a/`a ~(itos (/u~os o`. ~odas o/ iginadas ds plaotas p~ovidas ds semeotes levss smplumadas ou ala/}as ~~~~~~~~ . ap~eseota ini~ (a~meute um p~o ~ess'~ pioosi/o dp o~upa~~n do so]o por plao~as hsm primit ivas. tumadas ~omo sxemplo. ~am~~~~os. qos smgs /nm o ahaodooo da ~o/a. ~ssas ír~as. /eagem di~e/eotemeo~e de a(o/do ~om o ~empo e uso da ssmp/e. que p/ at i/ameo~e / eini~ iam o P/ o/esso d* q'~~ |*`a ~~o do horizoo~s org~oi/o dn sol/' N~o sp /m~h*~s o t*mpo ~al /oloniza~~o (ootudo. desds os !atossolos. a~~ os Pod~~li/os. pe~u~/ ia e ~ioa~meote pelo ~e~lo/sstama~to o'/ ! es~ame)to de ~/eas ~ampss~rss oatmais ~~~~~ _ ~~~~~~~~ ~~~~~~~ pslo o/au vso da Um~ ~/sa ag~ ~~ola apús s*/ ahaodonada. dos 0/g~~'s * da ons solos dsg/adados das Mao~iquei/a) e da ~~~~r~~~ ~~~~i~~~m~is ~/eas !~ai :as ~ostei/as. s ~e/ra Por~m.~~~ . mesofaoe/ ~fi~os. de primitivas.

: / imeo t o dos primeiros te/ tíF i t ns e /amé P i t. Miconia e Tib much Üma . tamh ém ap/esen t a pout: as plantas herb R reas (cam é fi tas) e muitas plantas lenhosas de baixo po/ t e. tom vegetação mais desenvolvida gênero Bacchar i s. os nannfaoer á (it os que e : i. dentro das sub moo t aoa e mnntaoa das serras dos ó /g ãns e da Man t iquei/a e das erras baixas da seira do Mar nos Estados do Pa/aná e Santa (at ari ta. Solanareae du gênero Solanum . domi /am ( onst ituindo conso/ t.3 . el. s a Tibomchi m a ur w i D lerna . já apresenta hemicript o fitos gramioúides.Fase quarta da sucessão natural mi(toCane Esta Fase tom vegetação (oxoplexa. muitas outras plantas de pequeno porte e exigôn/ ias i odimen t ares 6 . Verbena(sas e !ah>atae anuais. (a ç Os Existem outras asso l ia çOs mais com . se aprsseo t am c nndi . pai exemPln : Compositae min e ae do gênero PaSp a lum . Ora /osulados e oaoofaoe/ 6 F it os de baixo poi te. e fitando uniHxmizadas deo t /o du mesmo padrão` e imagem das "rapneiras" 106 . a l[ ibo u ch Ü na pulchra . Port ulacaceais Ç.inza No (aso da /omm}idade pionei/a das áreas montanhosas tostei Foi maç i es ss x mx! árias as do sudeste e du sul do País. por exemplo }e guminosae rsptaotes. pois de pende du estado em que foi abandonado o terreno ap ci s n cultivo Rgrí tala..Fase terceira da sucessão natural dominada pelo Esta fase. ies de sei em mapeadas por sensor iamsnto remn t n a estala i :t00 000.1 . é denominada pnpularmen t e "/apnei/ }n h a" Este as t ado su( essio ti amo F it os oal ser`/nd A rio.6 . nas seiras. assim denominada Ma pnei/ a rala" (Veloso i945) Ap/essn t a esse estágio um snmb/samen t o do t e/reoo por plantas de médio pmt e. sendo que este /1l t imo domina na maioria das =unidades submontanas das seiras (os teiras 6 .us. à apare( em plan dos g êoe/os M ü kani ax e Ver mom ia s muitas ou t /as Aí j tas lenhosas dominadas por (ompositae do gôoe/o Bac charis s Melasto mata ( eae dos gêneros Leandra .6 ... 4 . ( amo.Fase/ segunda da sucessão natural Esta Fase` que n9o piei: isa passa/ pela pi imei/a. mas bastante espaçadas entre si. (amo. foi denominada por Veloso (1945) dete ( t ado . nos ootra Fur t es dos mo/ rotes das te//as baixas de Santa [ata/ ioa. dominada por ds "rapoeira ó [i t os ( om até 5 m. onde algumas esp O ies do g i oero Ver monia it omeoam a substituir as du S Mero Bacchar i s 0bsova se que e W a P ase su ( essiooal da vegeta çã o natural só pode se/ de t e/ t ada em mapeameo t ns detalhados nas es pane romá /alas maiores que j :25 000 por meio de fnt ngra F ias aéreas t i/ as ou iofrave/ mel has SOA . levas dependente de ( ada tipo de solo e das situaçA s geog/ á fi(as.rop/ iamen t e dita" é um estágio sx/essimn al que pode ser ovan ç a da c o/ ror sensor iamentn /cmo t u na eu( ala de i : J 00 000 por .2 . ) / j ona l meote atingem alturas de até 3 m.1 .

sendo que em alguns tratos especiais.6 . X w lo pi a e muitas nut/ as Na ( ommn idade moot ana nas en/ ostas da sei / a do Mar e que nas remi F ira S es da seira Ge/ al. trigo. na Bahia. e° As cult ui as c à licas s pe/ma nen t es localizadas em Seas meomes terão de ser englobadas ou então simplifi ( adas para u devido mapsamentu SE PEI M~11 MESMO 1 1 t07 . segando (1940 Nas escalas regionais p sxplorat úi ias :1 (i 000 000 at É. e s na À sa estudada P/ X OM 6 . Hieironsi mma al c h x» rn em i doc s . emergentes.. as ssP é / i ss dominam sio : Míc mnia c inammm míf mli a. mas bastante uni Pnrms quanto á altura de seus dominantes Aí já podem ser encontrados muitos indivíduos do ( l í ma : ( ir c uodan t e nas serra dos ó! Bins. sejam paia a át i x a da agi A ol t ura ou da pe/ u ê ia N g o é PA i i sepa i a/ se culturas permanentes lenhosas de médio poi te das ÓÇ reas se~m~dá/ ias. Xglopia densos agrupa bra's Ü1 Üens Ü s. e : plotada paro ialmente das esp èc ie de maior poi te. pode ser perfeitamente separado Agricultura permanente de café.Agricultura Em escala regional s s :plo/a t à ia. o máximo qvs pod e. assim EM o V ess á / i o xma boa verifi/ ação t e/rss t /e para testa/ os pad/ Ses da imagem du senso/ remoto usado Nas escalas d~ semidsta}he e de detalhe a sepa/açã o do tipo de agricultura realiza da pode e deve ser detectada.Uso da terra para a agropecuária agi. em Santa Cata/ ina. Ia pad/ i es anja.2 .Fazei i esxme se a uma sepa/a ção das t ul t mas / íc li(as das tss. V es dos tratos agr A nlas p p rmaoe c sm após n abandono dos mesmos. Vir x» l au. as espécies do gôns/n Vmc hg s i a oas comunidades alto muo t aoas e os g i oerns Cari m iana . sem plantas elormento!:-.~ t :t00 000) fica difícil e is vezes quase impossível delimita/ a [ln s :plu t ada teste secundária do tipo ( apoei/ iu de outra primaria dos seus elementos mais nobres.1 . Ne c t am dra 1 a m c em l at a. como o feijão em [/e( e. pois /e t angula i es vegeta ( ionai s as deli mi t ac.Fase quinta da sucessão natural Es t a Fase. qUE 6 . a//oz s (ana de açúcar. é um estágio eminentemente lenhoso. pelo menos as mais impo/ t an t es. em ge/al eme i geo t es /á nas es/ alas de semid et alhe e d* detalhe mainrps I :50 000 í poss í vsl separa/ de talhes desse tipo de comunidade se ( mx! á / ia da Fl o/esta p/ imá i ia. just amsn t s quando inicia a su ( ess i o oatmal t cri es t re S6 após a veri Pi( ação remotos das manchas separadas nas imagens obtidas pelos senso/es possível es t ahele/e i se. dominada por mesnfane/ óf it us que ult i apassam os 15 m de altura. quais os tipos de (ai turas exist cont. ( a( au são %( ilmeote de t e( t adas após verifi (mi u dos de imagem com a "verdade t s// est.6~2 .à o delimitei se os ti atos Em algumas es/ alas é Fá c i } Ias. /e/ta gal aotia. en t /emsadas por mentos de Euterpe ed a% is Em [ass mais evoluída da flo/ e st a se(/n&á / ia começa a apa/e/e Oc cotea cathar Ü nensi s e Asp Ü dosp er ma olivac ~mmm. isto se houve/ ge/mnplasma dessas esp ét ies nas p/o :imidades ~ uma Veloso comunidade denominada popula/meot e como M po cr i M o". c omn : a8ri ( ultora c(( lie a de soja.

. 2 . Ds Ds// Dsc.° . a 24 S. poi exemplo Eucalg ptu s e Pinxxs .Pecuár ü a fác il Nas escalas regional e explora t 'r!a.3 . 1 dossel uniforme . ou mesmo [on/fera/es em geral Contudo. S.2 . separ á los em alguns (am o auxílio óe padr ies típicos. . . dm 30 m até 400 m> . S. . : em se tratando de grupos bem dife/entes. . . S. . . de 24" %at a 32" 1 at l S. com auxílio de sores fotográficos p ~ rom á ti c ns em escala até t :50 000 (ou menores).2 . é possível casos Mas escalas de ssmidetalhe e detalhe. 0 mais conveniente é en glob á los no item ° agropecuária ° 7amb ém não é Fácil separar as c ul t uras permanentes de uma ( omunidade vegeta( iooal se ( und á ria. . Dh DOA Dba ~ ) Suhmoo{aoa (M lat N a i6". . .. erros cria Floresta 0mbr ó fi]a Densa (Floresta Tropical Pluvial) a) Aluvial (ao longo dos F l/|vins) . i08 . . la 1 = l at (/e t M la t ..2 . . .° . de 5 m até 50 m . l at N a IM ]at S. ( om auxílio de @ens de satélites é possível sepa/ar se pe/ A i t amsote as áreas r£.. . nas escalas de semideta l he e detalhe. . . de 5 m até 30 m) i 2 dossel uniforme dossel emergente . pode-se mapear perfeitamente os pastos por todo o embora às vezes as comunidades vegetais senu nd O ias induzam a que não são graves por que servem para u pastoreio do gado em cão extensiva 6 . .6 . . 32" S.. pm é m.. l 2 dossel uni f o/me . como. . D !)a Dau Dae senainda País..Legenda do Sistema de Class ü f ü caçao da Vegetação Brasileira (Escalas de j :250 000 até J : J 000 000) A) ] Rag M ms e( ol ó gi ( as ou tipos de vegetaçó) . de 5 m até j00 m .. . . . dossel emergente . .6~6 . . .. . .Florestadas das flo/es ta s naturais e seuun d á / ias. de = lat S a 24"^ lat de 24 = S a S. . cum auxílio da fotografias aéreas ( nnve M o nais. . pode se separar Pacilmen t e qualquer tipo de reFlorestamento 7 . h) Terras Baixas (4" . . . .dossel eme/gente . . de 50 m at á 500 m . . de J00 m até 600 m .Reflorestame m t ox e/ou florestamento ima Nas es ( alas /egional e e:plo/at O ia.. . . . não é Napaar pastos separando-os da agricultura c ( c li(a . . . . . . mas é quase imPos mesmo s~wml afirmar se qual a espécie utilizada no ref]u/es t ameM o.

de 600 m ato 2 000 m . Vm Dm~ Dl D111 A AB Ah p AO As Asp As( As!) Ass Am Amp M M Ma Alto Montaria (as situadas ac ima dos limites e :f/ emns das altitudes das foi ma çg ss mon t anas ) t . mootaoa (24" l Ms Mm Ml F Fa () Montana (1X lat. de 5 m até 50 m) t ~~ h) c om palmei/as c om rip Ó) N a 16" la t . de 500 m até \ 500 m . S. . . S a 32 = 24 = l at l at S. de 100 m até 600 m) . N a = la1 S. de 600 m até 2 000 m . Dmu . " . de 24" a 32^p AS de 500 m at ~ 24" lat S. de 500 m até i 500 m) i 2 [!! /om palmeiras ( om ( !pó . .N a i6"' lat. de IM lat. . . de 400 m até i 000 m) t 2 e) dossel unifu`me . . S. . dossel emergente .. F au 'Fae 1 09 . a) Aluvial i 2 (ao longo dos fl jvius) (Flu/esta ri up ó al Su!xa dossel oni Purme dossel eme/gente . . de 50 m a 400 m) h) Sub Sat . de i6" lat. S. S. . S a 24" l at S.dossel uniforme i] Flores t a 0mhr áP ila Abe/ t a (Far}açA s da {lo/ Esta densa) a) ler/as Baixas (M lat. . . . . de 400 m até i 000 m) limit es estiemos . S a t 500 m . d) Alto Montana (as situadas vima dos das altitudes das forma çO s montanas) [V Flmesta Esta/ iunal Semide ( idual Uurif ó lia> . d) Mun t aoas (M lat. de 5 m ato 100 m . = l at . . Submon t aoa (M la t t 2 ] 4 c nm ( om (nm ( om palmei/as . c!p 6 bambu . soro/o~a ( ) Montana (4= }at N a = }at S. . . Flmes t a 0m!/r óP i}a Mist a (Flo/es t a de Ai au(~/ ia) a) A}uvial (ao longo dos FIMOS) a ]21 }ai S. . S a 24" let S. de 16~ l at a 24 de S. .

S a 24" l at S de de 24" }at a = l at S. de 50 m até 500 m .. de 500 m até i 500 m . S de 24" l at a ]2" l at de 5 m até ]0 m) S.. la 100 m . i 2 / ) dosse! mn i(mme dossel smo gent c de i00 m at ~ lat S. . Su!/muotaoa (4" N a 1X la t.. dossel amei gent e (Planalto da mn i(o/ms sms I gsnts iguais la t itudes e altitudes da (onquis t a * (hapada Diamantina) d) Montana i 2 dossel dossel /mu (m* Foi mação untei i01 } 0hs V} : (onsids/ar (ampioa/aoa a) ((amp¡oas do 110 Nsg/o) Flo/es t ad a i ~ sem palme iras ~om pa 1 me ii as ji0 . a 24`" }at S. }at S.Baixas(4 " de 5 é m at ~ h} 7s//as l at N a i6`" lat S. ]0 m até 400 m) F!/ F b/ k F b c.. ]2 . Montana (X tat de 16" }at S de 24" l at S a Fm Fmu Fm (- 2 V i dossel dosscl uni /o/me EME/gso{* Flo/esta Esta/ iooal !)e c idual lia) a) Aluvial 1 !/) (ao longo dos mn / [m ms <Flo/es t a l/opi ( al r adu ( iu ( fOvios) ( av sul da Bahia) (!' ( !'u (h~ ma /s (s~ k m dosss} latias Baixas i 2 dossel dossel (vale do / io Pa/do. l at de 400 m até i 000 m> S. S. ta do 1a(ba s vale do Sio( o/á e v ale d~ / io U/x9 a ai> i 2 (sv dosssl uoifm m(. S a 24" l at S. |ds !d . de 16" lat. "Mato G /osso' de Goiás. . Fs Fsu Fss 2 d} i dossel dossel mn i(o i me eme/g~o t s de 600 m até ^` 000 m . N a 16 . de i X t de 5 m at 50 m . 600 m . uo i Po/ ms amei gente ~ ) Su b montana (sol do Ma/aoh i o.

. . . 2 ' com floresta de-galeria .. . . . . . . .. . . . . . . . Sps Sp P Sg G8 s Sof sem floresta-de-galeria . . .. com floresta de-galeria .. .. . . . Campos de Rn . .. . . . . com palmeiras .. sem palmeiras . .. . . ... . . . .. .. ... . .. Sas. .b) Arborizada J1 2 . . 1 . . . . . . . . . .. . . . . . . ... . . 111 . . a) Florestada b) Arborizada . .. .. . . ]X Estepe (Campanha gaúcha e Campos gerais plan ál ticos) a) Arborizada . .. . ... . . . . . . . . . . .^ ^^^ .-) . . . .. . 1 . ~) Parque . .. ... . . . Tps Tpf T8 T9 si Tg F E EN Eas d) 8ram í nen-Lenhosa (Campestre) . . . d> Gram í neo... c) Parque . . . . . . .. . .... . . . . .. . . . . . ..... ^ . . ...sem floresta-de galeria . . . . . Savana (Cerrado) a) Flurest ada (Ce//ad ã u) . . . .. .. . .. .. . . . b> Arborizada ([ampo [er/ ado) t 2 . .. . . J1 2 sem floresta-de galeria .aima... . . .^ . . . . .. . .Lenhosa (Campestre) i 2 VTJI sem F luresta de galeria . . . . . . . . .. . .. .^ . ^ . . .. . . . . . . J . .. . . .. . . . . . .. . Sa Gaf SI. . . Sd . . . . . . ... .. .. com floresta de galeria . . . .sem floresta-de-galeria . . . . ... 1 . .sem floresta de galeria 2 com floresta de galeria . .. ( om floresta-de galeria Savana Es tépira (Caatinga do ser Mo árido. . ... . . . . .. !a Las !a p }g Los S sem palmeiras .... . .. . . .. . . ^ . .. . . .sem Floresta de galeria 2 com florest a-de galeria l Td Ta Tas Ta P ?p ... . . . . .. . . . . .. . . .... . . . Chaco mato 8rosseose do sul e Parque do espinilho da barra do rio G uara í) .. . .. / ) Oram í neo 1 Vil Lenhosa (Campestre) . . . . . . .. . . . .. . ..

. . . . . . . . . i sem floresta de 3a leria 2 ( (-)m flures t a de gale/ ia .. .:x(ea . . . . . lT] Vegetação com a) Bu/ itizal in F luôn c i a fluvial . . Eaf Ep Eps Ep F E8 Egs Egf . b) Pfh Herbácea (P l an/ c ies ma/ inhas) . . . . . . . Pa pai) Part Pas Pap !/) Arbustiva i 2 r> sem palmeira ( om palmeira Ph .2 - cum Floresta de galeria . . . . . Pm Pma Pmb Pmh Ai h órea (do punt al Arbustiva (das dunas) (das praias) (> Herbácea [[ ' vegetação (om io F lu ê o ( ia fluviomarinha Pf a) Arh ó rea (Manguezal) . Phs Php M ustrs . . l Contato Savana/Flor çst a 0mhrófila Ma i :250 000 S0 50C Re9i io/Formaçâo/ Sá 9ropo de formado 112 Ma í :1 000 000 SO 1 a> EciÍton n ii) Encrave Re8iân/Forma do/ Ságrupo de Formado . . c) Gram í neo Lenhosa (Campestre) 1 sem F lnresta de galeria cum floresta de galeria 2 . . . . . . . . . i 2 sem palmeira c um palmei i a . . . . . . . . . . . . . . . . ° . b) Parque . s/nu . . " S istema ed á yi ç o de pi imaira u( upa çA B) (Fnrma çi es piunei!as ) Escalas de 1 :250 000 até i :i 000 000 T Vegetaç ãu ( om a) b) ioflu M ia mar ioha roc hoso) . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . [) Sistema de t /ansi çã n ecológica ou t sns g o ec ol ó gira CONTATOS. . P Fm (Rest inga) . . . . . . . . . . . Herb . .

.Contato Floresta Ombrófila/Formades Pioneiras a) Ecótono Específico para Floresta Ombrófila/Restinga OP OP 11 3 . Região/Formação/ Subgrupo de formação w..Contato Savana/Floresta Estacional a) Ecótono SN SNc Região/Formação/ Subgrupo de formado Região/Formação/ Subgrupo de formação SN h) Encrave VIII.T Regiâo/ForaaGâo VII.Contato Floresta Estacional/Floresta Ombrófila Mista a) Encrave NMc Região/Formação Região/Formação .II-Contato Floresta Ombrófila/Floresta Estacional a) Ecótono b) Encrave ON ONc Região/Formação OH Região/Formação III-Contato Campinarana/Floresta Ombrófila a) Ecótono LO L0c Regiâo/ForaaGâo/ Subgrupo de formação _ Regiâo/Formação/ Subgrupo de formação 10 h) Encrave IV-Contato Floresta OmbróFila Densa/Floresta Ombrófila Mista a) Encrave OHc Regiâo/Formação V-Contato Savana/Floresta Ombrófila Mista a) Encrave SMc Região/Formação/ Subgrupo de formação VI.

Contato Savana Estépica/Floresta Estacional TN TNc Região/Formação/ Região/Formação/ Subgrupo de formação TN a) Ecótono b) Encrave Subgrupo de formação XIV .Contato Floresta Estacional/Formações Pioneiras a) Ecótono Específico para Floresta Estacional/Restinga NP NP X.Contato Savana/Formações Pioneiras a) Ecótono Especifico para Savana/Restinga SP SP XI .b) Encrave OPc Região/Formação/ Subgrupo de formação Região/Formação/ Subgrupo de formação IX.Contato Savana Estépica/Floresta Ombrúfila a) Ecótono bl Encrave TO TOc Região/Formação/ Subgrupo de formação Região/Formação! Subgrupo de formação TO XIII .Contato Savana/Estepe a) Ecótono b) Entrave SE SEc Região/Formação/ SE k Região/Formação/ Subgrupo de formação Subgrupo de formação 114 .Contato Savana Estépica/Formações Pioneiras a) Ecótono Específico para Savana Estépica/Rest ioga TP TP XII .

Subgrupo de formação Região/Formação/ Subgrupo de formado EO XVI .Refúgios montanos (de acordo com as latitudes estabelecidas anteriormente) re reb reh a).Região/Formaçio/ - ST Região/Formação/ Subgrupo de formaÇão Subgrupo de formaçáo XVIII .Contato Estepe/Floresta Estacional a) Ecótono b) Encrave EN ENc Região/Formaçáo/ _ Subgrupo de formado Região/Formaçáo/ EN Subgrupo de formação XVII .Arbustiva (plantas anãs) h).Contato Savana/Savana Estépica a) Ecótono b) Encrave ST ST .Herbáceos 11S .Contato Savana/Savana Estépica/Floresta Estacional a) Ecótono STN STN D) Sistema dos refúgios vegetacionais(relíquias) r I .Refúgios alto-montanos (de acordo com as latitudes estabelecidas anteriormente) rl rlb rlh a).Contato Estepe/Floresta Ombrófila a) Ecótono b) Encrave EO E0c ~Regiâo/Formado/W.Herbáceos II .XV .Arbustiva (plantas anãs) b).

Vegetado Secundária a). submete à aprec i aG go da c omun i dade 'F i t C)geogr at fiia este trabalho de class ifi( ação da Vegetaçg(a Bras 1lkrira.Pinus c).Eucaliptos b).Acácia d). sol ic.Culturas cíclicas Ag Ac Acp Acc b) Pecuária Ap III.Florestamento/Reflorestamento a).Com palmeiras Us Vss Vsp II .Agropecuária a) Agricultura I).Algaroba e). o da VegetaGA Br asile:ira Par a i suo. I . perm i tam ressol ver mais essa Problemática do ensino e da (ul t: ui a geográf i (at do P Fa s A cartcrgrafia da vegetaçO brasileira é antiga e data de i82á .i t ando anail i se abal i zada em c r í t i c as c onst r ut i vas que.Culturas permanentes 2).E) Sistema Secundário (Escalas de 1 :258 080 até 1 * 1 ®89 888) .Sem palmeiras b). mas ainda não atingiu a ((7nsenso ideal entre os estudiosos (1(! assunto Existe grande diversidade na abordagem t er m i nol óg i c a entre 116 .Frutíferas R Re Rp Ra Rb Rf 8 - CONCLUSáO Este trabalho representa cr esforço dos autores na tentat i va ((e <se al (anç ar a uniformização t erm i nol (1g i (a d(7 Sistema de CM:sifi( ao.

!! P . J984 ~aa t ioga . G 7 . Reg 0 ss r]imatu botânicas /}n Bi asil ta de Geografia. 90 J 21 Rio ]aoei!o. Atlas Geográfico do Brasil lB O E. 24íz 1 30. !) de. Pernambuco. Rio de ] 4 ANDRADE LIMA. Ecol Mmx/grs . Ph9tgaogambi Boletim Paul i s sua Est . Estudos Div . u que pe/mi t e melhor análise dos grandes sistemas e/nl ó gi c os até n detalhe do e( ossis t ema . [nlumhia Uo i v*/si S . 1954 do de 2 AI ME}0A. Mineralogia. 247 288. B «»l ~ Téc . Santana. 8ahia :i J 7 140. 1956/Ropp R Aoiuo de oomen ( la t m* st dss exteos i on du sgs{ éme p1 n monde tropi(al SOAS. } S . 0 de. 19 : ] ]0. 6 :]2 4]. Biological Diversification in the tropics. pr o(urou se prnpo! uma mesma met oUologia em /elaç go às d i vs/ sas es/alas de t /a b alhn utilizadas. v }l] : 245 251. New \o/k. D /aoei/u.. Rio de /aoei/o. ruofmme foi dis ( utido no p/esen t e disso. a//es/eo t ando se ao levaotameo t o /egional os pr o i essus detalhados da fitugeogra f ia e da hioecologia. e !/rasilei/a Boletim da Div . A . isso w /edita se de a/nr<!o (om os obi etivos a serem al /ao6ados (nm ter atingido a proposição ideal para solu c iona/ os prováveis antago nismos té( nã os que poi ventura possam e :isfi/ Este trabalho pi ocura c on t / ihuir pa/ a a io t !odu ç â n das mode/nas de mapeameoto que pe/mi t a uma /eprndu çã o mais F iel t 0 oi/as dos /ec ursos naturais. at u um desci to tri á ssi/u da Amí/ i c a Sul Notas Prel . F F M Or }gem evo }u . in( lusivs e p/ imordialmen t e. gy _ BIBLIOGRAFIA CITADA i A!MEl!)A. import W ia Feir a de tropi ( a/ 5 6 / 8 AZEVEDO. Present!efugeos in oert Da/y forest W ar t ero Brazil In : Prance. São Paulo. Un ü vers . Geo . 1966 de.os espe/ ia listas na( innais e es t /aogsi/os que levao t a/ am a veg 0 a ÇA trabalho Ao lado brasileira. 1950 BAU7[STA. 1966 ANDRADE !!MA. Agir . 195]. Nova SOU. op 9. da c ohotma ve get al. 7he Savana Vegetation América . Essai de ( }assi P }( at ion Foi mat i ons Fui es\ i ei es a{ / i ( aoes a~ à inutes ]ss format ions du p use ((YA/LSA. Caatinga . Fsp éc ies ai h S eas da e( on ô mi c a Anais Simp . [nntr!hui6 ã o ao estudo do paralelísmo da Flora amaz Ô oi c o no/des t ina Inst . Mineralogia. F F M de. 1982 AUBR ó Vl}}E. 196/ ANDRADE !!MA. 9n da p}a t ai nrma de. BEARD. A . que/ na t ural qoe| anf/ ó p!/a. Bo l u. 23(2) :i49 205 1 t7 onr t he/o .

Ci c lagem de minerais em um ecossi stema de floresta tropical i mida 7/ad Eur i psdss Malavolta . J .10 i1 BRAUN BiAN&UEy. Nacional. Ma ( graw !!ill Book Company. Imperial 0: ford(t]) :j 85. the study of Plant communities . A . [ontrihui ngo ao ( onherimsn t o dos campos Ua Ama Knia T 0s ( ampos de A/ iramha B xx l . i8// sua evnlungo e estado D0! [AN[7[. J949. P . Bot . G A . Geogr . rsv ) las comunidades veget au l vys Trad J ia}u c a t 0/ iol de Bolos (apdevilla. 1978 0ANSEREAU. Paraense Emm fli «» Goecld Ü. Se( t //8. Mad/ id 820 p . 29 :i 62 DUKE. 11(2). Q1 36 ` E I lEN. CNPq. 0 . CD ass Ü ficaggx» da Veget auggx» do Brasil . (mnt / i!v i ng n para a geologia da u amazonas Arch . J 95i !)RUDE. ] . 1958 vegetation reg Wn do baixo DERBY. A . Paris. [anad g . Montreal. 1889 da DU[KE. As leguminosas de Pernamhx/o e Pa/a h a wald «» Cruz" 51. Notas sob/e Paleobo ti ni ( a atual Rev . 1932 de estudi m BRAUN BI AN&UET.. Univ . USA Glossa t 9 vegetation Institute Haafoei Pu du 12 i3 114 15 [!!EVAilER. W A . Escola Minas de Ouro Preto. W]> :5 J2. i9]8 (ARPENlER. 72 :i Rev . Fito sociologia. 1949 DANSEREAU. Plant sociology. Brasil . A . 256p EPU : Ed Universidade de No Paulo. bases Para el Jn . Notas snhre a fi t ogen8/a F ia Amaz 8 oia brasileira 8«»1 . G E . Agr . Jn t /odu ag u a BiugenSra f ia Rio de Janeiro. /(/8) :623 625 (0!iEY. T6cn . 0 A . 0bse!va6 i ss sub/ s a flora e a veQs t a ngo B/asil Bnl Geu@r . Ed !! Blume. A unive/ sal system foi Inst . Y9/9 BUR7 1 DAVY. i953 DURlE7Z. J RJ[HARD. lnc . / . Manual de Geograph Ü e . IQ / }assi P icat ion o P ti opical wood Forestry types Instituto Paper. E . J983 118 . 1938. Vegetation analysis in relation oess and size of sample a'eas Comote redu s Rapp xxrts et Communications. F B et alii. 16 1/ I8 19 20 21 22 23 ie(oidin9 58. Mus . Paris. Ao Exologi r al b lish!n0 Company. Mus . 8 sms Bot . 1954 (1957) Mem . Rosarin. 1960. New Yo/k. C . e Bla( k. 1954. 2 :/1 j04. O sto homogeneous des Wances et Cnngr i s lnts/o 24 25 EGiER. Norte. P . Inst . Rio de Janeiro.

A . In st .F . B/a sil. !eipzig. RA A . Geobot ~ / i(h. 20(2) :57 /8. !ungmans G/eeon. D . The G e ographu of the flowering plants . i952 i19 . of Paulo. j926 . 1 . en M Ü jnb . t909. i88/ 27 28 29 FERRE[RA NE r 0. Zu Sepa/a t a de Ber . Di c . Matas e made h as ama & ni ( as Emil Üxx Goeld Ü. pp 129 154. !! & MUE!!ER D0MB0lS. HUBER. Universidade de Sio de Botânica. Vmn [deeo zu / ine/ . Plantas do Cerrado 2J8p . 37 :21 55. 2J6p. S[A. i965/6 :73p Sepa/a t a de Ber . R . 518 p . P . Bar( elona Ed .i9/2 . j965/6 E! LEMBER G . Brasil . Physi mgnom Ü k wachsc Tiih\nzen (s ed ) W06 28p ^ 1a c k soo. 41 . 091 225 40 HUMB0iD7. A Keg plant li F e Forms with revised subdivisions' 7ori(h. D . Changes in vegetation and / l}mate in amazon b asi ( and smomn Niog areas dm inS the Pleis t o Aoe ol . ed M )a( k son [o( . Tent at !ve ph9siogoomi ( n o }ngi/al r]assifi c at ion of plant P ormatim s of the earth n ZIA r!/h.. 19718 !/UBER. 1965/6 ENGLER 8 PRANT! .. H .26 El LEMBERG. Blazil 30 0 ]2 . Costa Ri ( a. i965/6 :2i 55 Inst .F vnn. DDicionário S A . Interamer ü can un de Cienc Ü as Aori co» las s6/ is ! ih/os 9 Ma t eriales EHu( a t ivos ng ]4. [on t rihui lgo A gengra P ia Fi si/a dos Puros de Brsvss s da pa/te o( ideo t al de Mai aj 6 Bol Mus Pa/aan se. A . ]/ !!0!0R!DGE. 1969 FONT QUER. Asp Ü dosperma Mart . 7rad Jims nez Saa. 7 van der. P iFlanzenfam Ü l üen . Plants of the te/!ado Phmt xn loo Ü a . vol III. Mus . H & MUB I ER 00MB0[S. 1902 !n Rev . 51(6) :64j 643. ) . t806. Ge obot . Isboi !uodmn . Jndús t / ia e Com S ( in. E/olo3ia baseada em zonas de vida. I F . Mapi Florestal do Brasil Agri/ul t ma. A . nom /uns (Apo/yoa ( e am) : estudos taxion 6 mi/oa Tese de Doutoramento UN WAMP . 1919. Quadros da natureza ( l i ssi r os XXXIX e XXXV. i4/p . HUMB0i D l . ETH . 1964 13 . Rin de Jane i/u. 194? B x» l . Wi ch. R !o de /aoei/o. W M .. Geografia . ETH . G00D!AND. Die Vegetation der Erde nach Anxxrdnung /eipzig. Inst . Editorial led . 19/0 14 vegetation Hinist&io da GONZAGA 0E (AMP0S. 3yp . 03). t988 FERRO M G . 8R{SEBACH. i8/2 ihrer K Düm ati schem the Ge- ]5 36 !!AMMEN.. Paraense der Ge v 38 ]9 . I R . GOOD..

A M S da F . i92 d/2] MARl}US.. i952 /AN/0UW. A W Ph3siooomic /lassi f i/atimn of vsgeta t im/ Ann .42 4] 44 !!FRlNG. 30823 851. ]66p . Po/ t o Alsg i e. 1906 (o Insp . M P M & !}MA. E P de.Estudos tax Ü on6m Ü cos das esp6cies brasileiras . / R . Paulista. M . 2. ( ! !MA. 1840/i906. Kew. pa/ t N0B!lK. Bahia :99 116. Ed ! iv/ Uoive/sal. de lidades e/on 8 mi/as Anais Simp na t ioga Univer s . Estado atual da Rev . F as ( i. 1916 48 WHO FILHO. Min . 7 SO Paulo. 3. Feira de Santana. Fed . i93/ palsohnig oira 120 . Amst s i dam. A g eographi/ Rev . Fundamentos da 55 56 5/ ! ishoa 1979 Ecologia . in 35 :4j 46. Herb . J94/ system ot }onsh/u c k. 2 e 3) :1 5i2. Palmeiras das (aa t iogas da Bahia u svas Men( ia Est a d . As Bo- 45 46 4/ Ki/[HiER. de & V A7. 198/ P . de. Univ . Par apipt aden Ü a Drenam (Legm mi mmsae-M Ü moso Ü de ae ) . !! ( . 1907 i ira do Sol KERNER. Ph voo. C A M . Am~ 1801 vegetation Geograph . R ü jks . 37. Revis i o t a :imn 6 mi~ a de gôoe/ o Rodrig uez ia . !xasils i /W 0! lVElRA. 1949 KU!UMANN. Es t "do Bot A i c o do No/deste Obrs . A vegetaCg «» no Rio Grande do Sul 7rad A e f' g/po. E . Metalurgia. j984 5i 52 5] 54 ! [N!)MAN. Jr :i 2i. soc . Amer Ü c . (onsidsra sh ss so!ns a P lo/ /st i ( a dc P lo Pi/a I i/a!`a. /! vmn . 36 (60) : 26. ( F P vo n . Mata da disk ihui ng o das matas e ( ampos da Rev~ Mus . Tabula geoS/aphi ( a Bi asi\ie et te //a/um ad j ac sotiom lahu I a gsug i aphi c a quioqus pr ovioi ( as flo/as Bi as i lip M/'oa ( /hi pt lieosis illus t /ans WF D ora Orpsili ensis siae. Das pf% anzenleben der D«»nau D under . v 2J i. !! ( .. Studies of the vegetation of' the s"riname Savannas and swamps Med . !! de P . !UEl Z BURG. 0s g/aodes k a6os da F i t ogeog/af i a do B/asil letim Geogrif Ü cxx" il ( W ) W 8 628 Rio dc /ansi/o. Utrecht. Geogr ~. A W . 1984 0!)UM. Contra Seca 57(i.. 1984 !!MA. Mus . R x»driguezia . KÜ CH!ER. Rio de }ansi i o. 198 1 49 50 !EW)S. Bot . Legume of Bahia Royal Botanic Gardens. Fundação Calowst m ` Gulb emk iam. 39 . Ried e li ozlla Harms (\sgomioosa v Faho\da ( a) 36(58) :9 i6. /estas t /opi/ais e soh t /opi ( ais do B/asil I PEF . J .

F . Pruhlemas de F itne ( ulogia ( nm /nns(de/a6 Ves 50101E n Brasil me/ }dional B x» l . 1851 PAUWBS. 1 :68 /3. A ] . 1903 Boletim basis . F ( von. [ . aspectos soSgu Paulo. Geogr . 41 :i3/ i9]. Rio de }ans ô o. Cie . Fischsr. Geopr . A (lo/a R . W A . G F & G[iVA. Cie~ /aatingas Am . A F W .. 8]9 P . ]32 amaz Ô oi/a Scoor ~. !o : iFlora s da Rev . Sio Paulo. Fac . Ed Universidade 1979 RODRIGUES. Fac . amf Pfl amzen g eographie S(H]MPER. Rev . Brasil alii. > B dos. ( T . Bras . Geogr . 1960 SAMPAIO. das es São es S jo 6] 64 1952. Bras . M F 10 j /5. 1943 S(}}!MPER. i940 SAMPAIO. A F W & FABER. 29 v .. 40/ i54. Rio de Janeiro. Loot / i!v/i ç i o ao /onhe/ imen t o das Flo/as No/desti nas Rodrisuezi a.. ciológicos e f D aríst ü ca s . Letr . J9/3 Chrgocar suc eac . [la/sdm Pi sss. Rio de Janei/o. ]vo}. Algumas notas sobre a dist rihoi çA do campo mata on sul do país e a C i :idez do limite que os separa Brasil . í2(2) :/8. F et da vegeta6 i o 203) :28/ 301 RlZ Z lNl.58 59 0V]ED0 Y VA!0ES. A (1942) J . PM iais Paulo. p Paulo. Cie . 4(0 :]i3 SANTOS. 3(]> :i55 i58. i944 RAWl7S[HER. 1903 65 66 6/ [ 7 . 0 F . H üstaria General Y natural de Ias Indias Mad/ id (s ed). Nota prévia sobre a Rev . Rio de rio 68 69 70 /i 72 /] Janeiro.. Letr . 1935 12 1 . 25 (i> :i R1 ZZlN!.geographyl upon ~sÜ olosical l/ ad W R Fis/he/ 0x/o i d ( laredon Press. Zena. 60 61 62 Neotropica " The life forms of plants and statí sti c al plants geRAUNK!AER. Tratado de Fítogleografi a do Brasil. 1916 R!7 Z 1N[. Algumas ohss/va6 A s suh/e s/ologia Acad . 2825 j54. Bras .. P1 nblsmas de fitos/olng i a com c m sidsra çó es w iais sn!xe o B/asil me/ idiooal B«»l . Fitogeog/a F ia 2(i059 /8. ( 7 . 0xfmd. phgs Üux8 ogischer Crundlage . 6]2p n RAW!7S(!!ER. F . fitogeográfica divisg o do 64. Aspe( t os fito sociológicos das caatingas do Neg/o Me~ Cult . \941 PRANCE. ( 1934 ography . Asps (t os gelei da veBe t a çA do Brasil Geográfico. Plant . Rio de Janei/o. i942 n RAWl7S[!!ER.

Paraense Goeld Ü. H P st alii ` As reg Ues Pitoecológieps. [ ( an. / I . C . Alguns !esultados de problemas amaz Ô oi ( a Rol .. Mus . J . 1959 lR0!! .i . A i vegetation . Lancaster. A svolu çO da plataforma S[H0BBENHAUS. in( i6ais /oo/eo t ra ç . Fundamentos para uma zonifica çA meteorológica w (li mat ol ó gi ( a dei t r ó pi ( n g espe/ ialmen t e de [olumbia. Minis tério da Ag/ !/ultma. !mx!m . Agir~ Norte. The use and abuse of ve8 U atiooal terms Ec«xlosq . sua natureza seus re~sos e/o W i/os .74 e CAMPOS. 20 Boa Vista e parte 122 . Brazzavilie (t3/t4) :55 93. A . Bot . 1963. 1955 . Téc . 7 :1 j4 & C H[PP. nouvelle série. In st . ~resze ü tenkl ü mate . T . sua natureza e seus rs ( u/sos e. lem ücafi Boletim Informativo n2 10 :289 3/3. 82 p . International c Dau ssif Ü cat Ü on an mapp Ü ng of tation Paris. 7R0C HATN. der Erdé . A Ü ns and methods ín FANSI EY.. da 4rea oreâ ni/a ad jacente incluindo depósitos minerais. Ac r ord interafricain sor la d é fini t ion des types de vé g ét ation de l' AH ique comove Bulletin de 1'Institut d^ études Centrafr ü ca ü ne s. 31(5/6) :3J7 334. 1984 50ip :9 53 SEPLAN/IB6 E. D de A . Paris. H . SH 22 Porto Aleg/e e S[ 22 La8oa Mi/ im de Janeiro.H . Es(ala 1 :2 500 000 Bra s í lia. zm Klimakvode world maps n F /limatology 7 28 in Weltharte n vege- 82 83 84 85 86 8/ UNESCO. 1908 n da and limoalogia Andes ma( ]] As Emílio of and 15 y6 7/ /8 7AKEU[H].F . Paris. Nomen ( latore et c lassifi ( a t ion des milieu: vege taux en Afr i que noire fran ç aise Anne e de Bi «»logie . 1966 VELOSO.. R . Se/vi ç o de In F o/ma çO s. Depa/tameotu Nacional de ProduçA Mineral Projeto RADAMBRASli Folha NA . ! ondon.1957 lR01ER. 24 :3 44 SPRUCE. A estrutura da vege t a çA na Amaz Ô nia savanas do noite da Amazônia B xn l . As reg U es fitoernl ó gi c as. es mine Sul Ameri / ais in Sc ho!beohaus et ali i c oorUs Geologia do Brasil (texto e:pli/a t ivo do mapa Geol ó gi ( o do Brasil.. Bras i1 33) Folhas SEPiAN/]BGE levantamento de Re/ursos Naturais(vol Rio SA 21 U/ogoaiana. !} P . DNPM .nn ô mi/os Estudo P }t oQeng/ áF i( o In . í6(3) :208 30/.G . i935 the 79 80 81 studq ( on/e O s lR0(!!A[N. do Bi asil e suas p. 1951. 362 p . Notes of in Botanist on the Amazon Millao Co . 1926 TANS!EY. Q/3 VE!0S0. 1986 541 632 S[0! . Atlas Florestal d«» Brasil Rio de Janeiro. 11960. Crown Agents. M .

Pal gi nu]ngi c al data on omthero South Ame/ 0 a his t m9 OF ti op 0 al Savannas in K. H P & KLEIN.das Folhas NA ." 3 : :1 95. polis. 1982 VELOSO. 80p. 21 Tumucumaqu e. 96 . Vegetação . H P ." K. Rio de através Janeiro.8) 88 VEi0S0. Med ed . í6 :3 26. v . H P . Bras . R M . Mus . Publ .eid sch Geol . Geographic. i . Lagoa Santa 7rad n pó ial. NB ~ 20 Roraima e NO . 1975 428 p^Uevao i ameo t n de Re( msos Na t mais. Sér . Assoc . 1966 . l A & !!AMMEN. 9» :80235. 7 van dei. téc ." 0/i 103.. Florestal. Sgst . E . c lassi fi (M u f isinn Ô mi x a e ( ol ó gi t a da veget M o Nentrop( ( al B. lmpr 89 90 91 92 95 n Africa wi 01 W}DlE. 21 Sio de 1anei/o. WlJMSTRA. Econ . Nac . H P" 8 GOES FILHO.ozÜ den " 38 :/j 83. Salvador ng J. M . t957 VE!0S0. variation and sps ( iatim in pa/ t i ( xlar /efere to D Üx» spgro s . [on t / ibui çA à P i t ogengrafia do Brasil A flora dos tempos An . 282 pp . 1964 WARMING. F . As comunidades s as es t a çi es botânicas de lercA B o»t . município de B/usque(S[) S e low ü a . Estado do Rio de Janeiro Boi . Belo !kx izoote A !ue fgreo.. Projeto RADAMBRASI K-. 12 ] . 1962 the. As comunidades e asso( i Mes vege As =unidades do r tais da mata Pluvial do sul do B/asil Santa [ata/ ina. Rio de )ancho. 1945 VELOSO. 1908. FitogeograFia Brasileira.

733 7 ° andar Centro CEP 60040 Tel : (085)243-6941 Telex : 851297 RN Natal Praça Pedro Velho. PROCURE O IBGE O IBGE põe à disposição da sociedade milhares de informações de natureza estatística (demográfica. AC Rio Branco Rua Benjamin Constant. 666 CEP 20271 Maracanã . 506 Centro CEP 69900 Tel : (068)224 1490 Telex: 682529 AM Manaus Avenida Ayrão. 667 Centro CEP 69025 1'els : (092)232 1369/0152 Telex: 922668 RR Boa Vista Avenida Get6lio Vargas. ESTUDOS E LEVANTAMENTOS EM TODO O PAIS No Rio de Janeiro procure o Núcleo de Atendimento Integrado NAT do Centro de Documentação e Disseminação de Informações . geodésica e ambiental. 296 e 298 Telex : 2134128 e 2139128 Fax: (021)234-6189 Nos Estados procure o Setor de Documentação e Disseminação de Informações .12 Centro CEP 88010 Tel : (0482)22-0733 Ramal 61 Telex : 482250 RS Porto Alegre Rua Augusto de Carvalho.Rio de Janeiro RJ Tels : (021)284-0402 e 234 2043 Ramais 284. 125 Centro CEP 57020 Tels : (082)223 2665 e 2219702 Telex: 822361 SE Aracaju Rua Riachuelo. humana. ainda agências localizadas nos principais Municípios. 1205 Cidade Baixa CEP 90010 Tels : (0512)28-6444 e 214054 Telex: 511862 Centro-Oeste MS Campo Grande Rua Barão do Rio Branco 1431 Centro CEP 79013 Tel : (067)721 1163 Telex : 672442 MT Cuiabá Avenida XV de Novembro. 50 4 °andar CEP 40720 Tel : (071)2439277 Ramais 25 e 28 Telex: 712182 Sudeste MG Belo Horizonte Rua Oliveira. 523 Cruzeiro CEP 30310 Te[-(031)223-0554 Rama1112 Telex: 312074 ES Vitória Rua Duque de Caxias. 76 E Centro CEP 69300 Tel : (095)224-4103 Telex: 952061 PA Belém Avenida Gentil Bittencourt 418 Nazaré CEP 66040 Tel : (091)241 1440 Telex: 911404 AP Macapá Rua Jovino Dinoá. 625 Fundos Centro CEP 80410 Tel : (041)234 9122 Ramal 61 Telex: 416117 SC Florianópolis Rua João Pinto. geográfica. 387 4 °andar Boa Vista CEP 50060 reis. social e econômica). 2123 Centro CEP 68900 Tel : (096)222 3128 Telex: 962348 Nordeste MA São I ufs Rua Joaquim Távora 49 Centro CEP 65010 Tèl : (098)221 5121 Telex: 982415 PI Teresina Rua Simplfcio Mendes. cartográfica. que permitem conhecer a realidade física. 435 Petr6polis CEP 59020 Tel : (084)222 3695 Ramal 712 Telex: 842279 PB João Pessoa Rua Irineu Pinto. 1223 Centro CEP 78900 Tels : (069)221 3077/3658 Telex : 692148 PE Recife Rua do Ilospfcio. 43ó-N Centro CEP 64025 Tel : (086)222-4161 Ramal 9 Telex: 862344 CE Fortaleza Rua Major Facundo. 235 1 ° andar Porto CEP 78040 Tel : (065)322 2121 Ramal 23 Telex: 652258 GO Goiãnia Avenida Tocantins. 267 Sobreloja Centro CEP 29010 Tel : (027)2225004 Telex : 272252 SP São Paulo Rua Urussuf. 94 Centro CEP 58010 Tel : (083)241 1560 Telex: 832347 .1017 São José CEP 49020 Tel : (079)222-8197 Telex : 792276 BA Salvador Avenida Estados Unidos. VOCÊ PODE OBTER ESSAS PESQUISAS.: (081)221 2798 e 231-0811 Ramal 15 Telex : 811803 AL Maceió Rua Tib6rcio Valeriano.SE O ASSUNTO E BRASIL.CDDI Rua General Canabarro. econômica e territorial do Pais.SDDI dos Escritórios Estaduais Norte RO Porto Velho Rua Duque de Caxias. 93 3 °andar Itaim Bibi CEP 04542 Tels : (011)883-W77/2258/0312 Telex: 1139701 e 1132661 Sul PR Curitiba Rua Carlos de Carvalho. 675 Centro CEP 74015 Tels : (062)223 3121/3106 Telex: 622470 DF Brasfia SDS Q 06 BI H Ed Venáneio 11 1 ° e 2°andares CEP70302 Tel : (061)2231359-Telex:612242 O IBGE possui. 286. social. 288.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful