You are on page 1of 1

ILICITUDE OU ANTIJURIDICIDADE

Ilicitude ou antijuridicidade é a contradição entre a conduta e o ordenamento jurídico,


consistindo na prática de uma ação ou omissão ilegal. A ilicitude penal pressupõe o fato típico. O fato
típico não encontra no ordenamento jurídico nenhuma norma que determina, fomenta ou permite que
o agente aja de determinada forma.
Todo fato típico, em princípio, também é ilícito. O fato típico cria uma presunção de
ilicitude. É o caráter indiciário da ilicitude. Se não estiver presente nenhuma causa de exclusão da
ilicitude, o fato também será ilícito, confirmando-se a presunção da ilicitude. Entretanto, podemos ter
o fato típico e lícito que é aquele que encontra no ordenamento jurídico uma norma que determina,
fomenta ou permite a conduta do agente.
Qual a relação entre o fato típico e a ilicitude? Para a maioria da doutrina o fato típico
desperta indícios, presunções, suspeitas de ilicitude. Adota-se a Teoria da Indiciariedade ou Teoria
Ratio Cognoscendi. O Código Penal adotou esta teoria. Comprovado o fato típico, este desperta
indício de ilicitude. Devido a isto, ocorre a inversão do ônus da prova acerca das excludentes da
ilicitude. Assim, o ônus da prova do fato típico é da acusação, enquanto na excludente de ilicitude
pertence à defesa.
A ilicitude pode ser:
Formal: contradição do fato com a norma de proibição (é o mesmo conceito de
antinormatividade). É o fato típico não acobertado pelas causas de exclusão da ilicitude;
Material: a antijuridicidade ocorre quando o fato contraria a norma e causa uma lesão ou
um perigo concreto de lesão ao bem jurídico. A conduta não somente está contrária à lei, mas também
contraria o sentimento de justiça da sociedade (é injusta);
Subjetiva: o fato só é ilícito se o agente tiver capacidade de avaliar seu caráter criminoso
(para essa teoria, inimputável não comete fato ilícito);
Objetiva: independe da capacidade de avaliação do agente. Nosso sistema adota essa teoria
porque o inimputável comete fato ilícito. Desta forma verifica-se que a antijuridicidade é sempre
objetiva porque independe da culpabilidade do agente.

Causas de exclusão de ilicitude


As causas de exclusão da ilicitude (também chamadas exclusão da antijuridicidade, causas
justificantes ou descriminantes) podem ser:
 causas legais: são as quatro previstas em lei (estado de necessidade, legítima defesa, estrito
cumprimento do dever legal e o exercício regular de direito);
 causas supralegais: são aquelas não previstas em lei, que podem ser admitidas sem que haja
colisão com o princípio da reserva legal, pois aqui se cuida de norma não incriminadora.
Exemplo: Consentimento do ofendido.