You are on page 1of 9

ROMERO LUIZ SILVA – 8064113

PORTFÓLIO

Centro Universitário Claretiano


Licenciatura em Educação Física
Conhecimentos Sobre o Corpo
Tutora Camila Tavares Valadares
da Silva.

BELO HORIZONTE
2019
CENTRO UNIVERSITÁRIO CLARETIANO

Curso: Licenciatura em Educação Física


Disciplina: Conhecimentos Sobre o Corpo
Tutor: Camila Tavares Valadares da Silva R.A.: 8064113
Aluno: Romero Luiz Silva Turma: DGEFL1802BHOA0O

ATIVIDADE

1) Descreva as diferenças entre os tipos celulares eucarióticas e procarióticas.


De modo geral a principal diferença entre elas é a ausência de um envoltório nuclear nas
células procarióticas, enquanto as eucarióticas apresentam um núcleo verdadeiro com um
envoltório nuclear elaborado, denominado carioteca. O termo “procariontes”, ao pé da letra,
significa “núcleo primitivo” às células não apresentam núcleo organizado pelo envoltório
nuclear. Seu material genético (cromossomo) está em contato direto com o citoplasma,
ocupando um espaço denominado nucleoide. Portanto, podemos dizer que a principal
característica dessas células é uma certa pobreza em membranas, apresentando somente a
membrana plasmática. Elas apresentam, também, um citoplasma simples contendo poucas
organelas. De modo geral, as células procarióticas possuem os chamados polirribossomos,
constituídos por ribossomos ligados a moléculas de RNA mensageiro. As células eucarióticas
são mais complexas que as células procarióticas e, como o próprio nome diz, apresentam um
núcleo verdadeiro organizado e limitado por uma membrana chamada envoltório nuclear ou
carioteca. Aliás, a presença de membranas é sua principal característica. Essas membranas
dividem as células em compartimentos responsáveis por funções especializadas essenciais
para manutenção e divisão da célula. Essas células apresentam, também, o núcleo e o
citoplasma bem distintos. Os seres constituídos por elas são chamados de eucariontes (ou
eucariotas) e são representados pelos reinos protista (protozoários), plantae (plantas), fungi
(fungos) e animália (animais), no qual os humanos estão incluídos. O núcleo das células
eucarióticas contém os cromossomos, constituídos de DNA associado a proteínas histônicas.
O citoplasma é bem complexo, delimitado pela membrana plasmática e divido em
compartimentos, nos quais são encontradas as organelas. Dentre as organelas, estão as
mitocôndrias, o retículo endoplasmático liso e rugoso, o lisossomo, o complexo de Golgi e os
ribossomos, responsáveis pelas atividades metabólicas das células como digestão, respiração,
secreção e síntese proteica. Outra característica distinta do seu citoplasma é a presença de
filamentos e túbulos do citoesqueleto, que têm como funções: estabilização da forma celular,
organização do citoplasma, locomoção e suporte mecânico.

2) Quais são as principais organelas que compõem uma célula eucariótica animal, com
suas respectivas funções?
1- Nucléolo - produção dos componentes ribossômicos.
2 - Núcleo - conservar e transmitir a informação genética na reprodução das células e regular
as funções celulares.
3 - Ribossomos - produção de proteínas
4 - Vesículas - transporte de substância e união com a membrana para eliminar conteúdos para
fora da célula.
5 - Retículo endoplasmático rugoso - participa da síntese e transporte de proteínas.
6 - Complexo de Golgi - faz a secreção celular.
7 - Citoesqueleto - participam do transporte de substâncias e dão forma a célula.
8 - Retículo endoplasmático Liso - participa do processo de transporte celular, além de
participar da síntese de lipídios.
9 - Mitocôndrias - são responsáveis pela respiração das células.
10 - Vacúolo - atuam no processo de digestão intracelular.
11 - Citoplasma - nele está um fluído chamado citosol o citoplasma tem a função de albergar
as organelas e favorecer seus movimentos.
12 - Lisossomos - participam da digestão de substâncias orgânicas.
13 - Centríolos : estão ligados à organização do citoesqueleto e aos movimentos de flagelos e
cílios.
3) Como é composta a membrana plasmática?
Ela é composta por uma dupla camada de lipídios, proteínas e carboidratos que estão presos a
esses lipídeos. Os componentes da membrana plasmática Fosfolipídios: Tecido principal da
membrana. Colesterol: Localizado entre as caudas hidrofóbicas da membrana. Proteínas
integrais: Inseridas na dupla camada de fosfolipídio; podem ou não se estender a ambas as
camadas.
Proteínas periféricas: Na superfície interna ou externa da dupla camada de fosfolipídio, mas
não incorporadas a seu núcleo hidrofóbico.
Carboidratos: Anexados a proteínas e lipídios no lado extracelular da membrana (formando
glicoproteínas e glicolipídios).

4) Quais as funções da Mitose? Descreva as suas fases.


Mitose:
É um processo de divisão celular, característico de todas as células somáticas vegetais e
animais. É um processo contínuo que é dividido didaticamente em cinco fases: Prófase,
metáfase, anáfase, telófase e interfase nas quais ocorrem grande modificações no núcleo e no
citoplasma. O desenvolvimento das sucessivas fases da mitose são dependentes dos
componentes do aparelho mitótico que é constituído pelos fusos, centríolos, ásteres e
cromossomos. O áster é um grupo de microtúbulos irradiados que convergem em direção do
centríolo.

Funções:
• Permite renovar as células com o mesmo material genético.
• Nos seres unicelulares a mitose já possui o papel da reprodução em si, uma vez que gera
dois seres idênticos a partir de um.
• Nos seres pluri ou multi celulares, a mitose possui três funções básicas e são elas:
• Crescimento corpóreo
• Regeneração de lesões
• Renovação dos tecidos

Fases:
A prófase: é a fase mais longa da mitose. Nela se verificam alterações no núcleo e no
citoplasma celular: Modificação no núcleo – de início se observa um aumento do volume
nuclear. Isso ocorre porque o citoplasma cede água ao núcleo. Esse fato faz com que o
citoplasma se torne mais denso. No começo da prófase cada cromossomo se apresenta
constituído por dois filamentos denominados cromátides, unidos pelo centrômero. À medida
que a prófase progride, os cromossomos tornam-se curtos e aumentam sua espessura. É a
espiralização cromossômica. Enquanto os cromossomos estão se condensando, o nucléolo
começa a se tornar menos evidente, desaparecendo ao final da prófase. O desaparecimento do
nucléolo está relacionado ao fato de cessar a síntese de RNA nos cromossomos. Sendo o
nucléolo um local de intensa síntese de RNA-r, com a condensação dos cromossomos essa
síntese cessa e o nucléolo desaparece. Modificação do citoplasma – no citoplasma verifica-se
a duplicação dos centríolos. Após duplicarem-se, estes migram em direção aos polos da
célula. Após chegarem aos polos são envolvidos por fibras que constituem o áster. Entre os
centríolos que se afastam, aparecem as fibras do fuso mitótico. Ocorrem dois tipos de fibras:
as fibras contínuas, que vão de centríolos a centríolos e as cromossômicas ou cinetocóricas,
que só surgirão na prometáfase.
A prometáfase: começa com a desintegração da carioteca. Quando isso acontece, os
cromossomos caem no citoplasma e dirigem-se à região equatorial da célula, aonde vão se
prender as fibras do fuso por meio de centrômero.
Na metáfase: os cromossomos presos ao fuso pelo centrômero encontram-se no plano
equatorial da célula formando a chamada placa metafásica ou equatorial. Nessa fase da
divisão celular, os cromossomos permanecem parados por um longo tempo. Enquanto isso, no
citoplasma, verificase intensa movimentação de partículas e organelas, que se dirigem
equitativamente para polos opostos da célula.
A anáfase: inicia-se no momento em que o centrômero de cada cromossomo duplicado divide-
se longitudinalmente, separando as cromátides-irmãs. Assim que separam, as cromátides
passam a ser chamadas de cromossomos-irmãos, e são puxados para os polos opostos da
célula, orientados pelas fibras do fuso. Quando os cromossomos-irmãos atingem os polos da
célula, termina a anáfase. Assim, cada polo recebe o mesmo material cromossômico, uma vez
que cada cromossomo-irmão possui a mesma informação genética.
Telófase: é a última fase da mitose. Nela ocorre praticamente o inverso do que ocorreu na
prófase e início da prometáfase. A carioteca se reorganiza, os cromossomos se descondensam,
o cinetócoro e as fibras cimetocóricas desaparecem e o nucléolo se reorganiza (com a
descondensação dos cromossomos inicia-se a síntese de RNA e consequentemente o núcleo
reaparece). Os dois núcleos adquirem ao final da telófase o mesmo aspecto de um núcleo
interfásico.
5) Quais os tipos de transporte entre a membrana plasmática? Explique cada um.
A capacidade de uma membrana de ser atravessada por algumas substâncias e não por outras
define sua permeabilidade. Em uma solução, encontram-se o solvente (meio líquido
dispersante) e o soluto (partícula dissolvida). Classificam-se as membranas, de acordo com a
permeabilidade, em 4 tipos:

a) Permeável: permite a passagem do solvente e do soluto;


b) Impermeável: não permite a passagem do solvente nem do soluto;
c) Semipermeável: permite a passagem do solvente, mas não do soluto;
d) Seletivamente permeável: permite a passagem do solvente e de alguns tipos de soluto.

Nessa última classificação se enquadra a membrana plasmática. A passagem aleatória de


partículas sempre ocorre de um local de maior concentração para outro de concentração
menor (a favor do gradiente de concentração). Isso se dá até que a distribuição das partículas
seja uniforme. A partir do momento em que o equilíbrio for atingido, as trocas de substâncias
entre dois meios tornam-se proporcionais. A passagem de substâncias através das membranas
celulares envolve vários mecanismos, entre os quais podemos citar:
Transporte passivo:
Osmose: ocorre sempre a favor do gradiente, no sentido de igualar as concentrações nas duas
faces da membrana. Não envolve gasto de energia.

Difusão simples:
Consiste na passagem das moléculas do soluto, do local de maior para o local de menor
concentração, até estabelecer um equilíbrio. É um processo lento, exceto quando o gradiente
de concentração for muito elevado ou as distâncias percorridas forem curtas. A passagem de
substâncias, através da membrana, se dá em resposta ao gradiente de concentração.
Difusão facilitada:
Certas substâncias entram na célula a favor do gradiente de concentração e sem gasto
energético, mas com uma velocidade maior do que a permitida pela difusão simples. Isto
ocorre, por exemplo, com a glicose, com alguns aminoácidos e certas vitaminas. A velocidade
da difusão facilitada não é proporcional à concentração da substância. Aumentando-se a
concentração, atinge-se um ponto de saturação, a partir do qual a entrada obedece à difusão
simples. Isto sugere a existência de uma molécula transportadora chamada permease na
membrana. Quando todas as permeases estão sendo utilizadas, a velocidade não pode
aumentar. Como alguns solutos diferentes podem competir pela mesma permease, a presença
de um dificulta a passagem do outro.
Transporte ativo:
Bomba de sódio e potássio: Neste processo, as substâncias são transportadas com gasto de
energia, podendo ocorrer do local de menor para o de maior concentração (contra o gradiente
de concentração). Esse gradiente pode ser químico ou elétrico, como no transporte de íons. O
transporte ativo age como uma “porta giratória”. A molécula a ser transportada liga-se à
molécula transportadora (proteína da membrana) como uma enzima se liga ao substrato. A
molécula transportadora gira e libera a molécula carregada no outro lado da membrana. Gira,
novamente, voltando à posição inicial. A bomba de sódio e potássio liga-se em um íon Na+ na
face interna da membrana e o libera na face externa. Ali, se liga a um íon K+ e o libera na face
interna. A energia para o transporte ativo vem da hidrólise do ATP.
Endocitose e exocitose:
Pinocitose: Neste caso, as vesículas são de pequenas dimensões e a célula ingere moléculas
solúveis que, de outro modo, teriam dificuldades em penetrar a membrana. O mecanismo
pinocítico envolve gasto de energia e é muito seletivo para certas substâncias, como os sais,
aminoácidos e certas proteínas, todas elas solúveis em água.
Fagocitose: Este processo é muito semelhante à pinocitose, sendo a única diferença o fato de
o material envolvido pela membrana não estar diluído. Enquanto que a pinocitose é um
processo comum a quase todas as células eucarióticas, muitas das células pertencentes a
organismos multicelulares não efetuam fagocitose, sendo esta efetuada por células específicas.
Nos protistas a fagocitose é frequentemente uma das formas de ingestão de alimentos.

6) Faça uma breve descrição dos tecidos epitelial, conjuntivo, muscular e nervoso.
Analise como esse conhecimento será útil para sua formação.

O tecido epitelial: exerce diversas funções no organismo. Ele reveste e protege as superfícies
internas e externas do corpo, absorve e secreta substâncias e recebe estímulos sensoriais.

O Tecido Conjuntivo: sendo basicamente diferente do tecido epitelial, as células do tecido


conjuntivo se encontram distantes umas das outras em geral. Contendo uma grande
quantidade de material intercelular entre elas. Dentre as diversas células do tecido conjuntivo
podemos citar algumas como, os fibroblastos, os macrófagos e os adipócitos.
O tecido muscular: é um tecido altamente contrátil responsável pelos movimentos voluntários
e involuntários do corpo. Ele é constituído principalmente por células alongadas chamadas de
fibras musculares, no citoplasma das fibras musculares existem micro filamentos constituídos
das proteínas contráteis, a actina e a miosina. O tecido muscular também é classificado em
três tipos: estriado esquelético, estriado cardíaco e liso.

O tecido nervoso: integra todas as partes do organismo recebendo e desencadeando respostas


a estímulos assim como os neurônios são as células responsáveis por receber e transmitir os
impulsos nervosos, cada neurônio apresenta três regiões fundamentais: os dendritos, o corpo
celular e o axônio. Os dendritos são prolongações ramificadas que recebem os estímulos
nervosos.

Analise: Todo conhecimento adquirido é útil, basta ter as ferramentas certas, e uma das
ferramentas é o conhecimento. Uma profissional bem capacitada e com conhecimento
anatômico pode evitar sequelas é fundamental que em toda nossa formação tenhamos em
mente que somos pessoas de caráter e que muitas vezes depositam suas firmezas na certeza de
que somos responsáveis devido aos nossos anos de estudos e conhecedores do que pode ser o
bom ou que pode prejudicar o individuo.

7) Quais são as células componentes do tecido ósseo, suas funções e sua importância
durante o processo de reparo ósseo após fraturas?
As células componentes do tecido ósseo são; Célula osteoprogenitoras, osteoblastos,
osteócitos e osteoclastos, e todos são importantes para o reparo dos ossos , pois tem
capacidade proporcionar rigidez e dureza.

8) Quais as células do tecido nervoso e suas funções?


As células do tecido nervoso são altamente especializadas no processamento de informações.
Os neurônios transmitem os impulsos nervosos e as células da glia atuam junto com eles. As
células do tecido nervoso podem ser de dois tipos: neurônios e células gliais. Os neurônios:
transmitem informações através de mediadores químicos, os neurotransmissores, e de
impulsos elétricos. As células da glia, ou neuroglias: são muito mais numerosas do os
neurônios. Sua função é nutrir e proteger o sistema nervoso.
REFERÊNCIAS:

ACKLAND, T. R.; ELLIOTT, B. C.; BLOOMFIELD, J. Anatomia e Biomecânica aplicada ao


esporte.
2. ed. Barueri: Manole, 2011 (Biblioteca Digital Pearson).
DE ROBERTIS, E. D. P.; ANDRADE, C. G. T. J. Bases da biologia celular e molecular. 2. ed.
Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.
DUARTE, F. O.; STOTZER, U. S. Fisiologia Humana Geral e Aplicada. Batatais: Claretiano,
2013.
https://www.sobiologia.com.br/conteudos/Citologia/cito13_2.php

https://alunosonline.uol.com.br/biologia/a-membrana-plasmatica.html