You are on page 1of 4

RESUMO AEROPORTOS

MÓDULO 1 – TRANSPORTE AÉREO E AEROPORTOS

 Problemas comuns: Falta de recursos, de gerência e algumas vezes de visão e


de competência.
 Gerenciamento: Ministério da Defesa (Comando da Aeronáutica)

 Órgãos Internacionais:
• ICAO -- Organização da Aviação Civil Internacional, com sede em Montreal,
congrega mais de 150 países, aonde se discutem e fixam direitos e deveres de
seus membros, homogeneizando o transporte aéreo internacional.
• IATA -- Associação Internacional do Transporte Aéreo, congregando
companhias aéreas de quase todo o mundo, definem tarifas e condições de
serviço para os transportadores.
• ACI -- Conselho Internacional dos Aeroportos, reúne as principais companhias
administradoras de aeroportos, a INFRAERO é a representante brasileira.
• FAA -- Administração Federal da Aviação, órgão regulamentador norte-
americano cujos padrões são reconhecidos internacionalmente.

 Classificação: Operacional, Físico e Comercial.


 Operacional: Pista de pouco por Instrumento e Pista de pouso sem Instrumento
 Pista de Pouso por Instrumento:
• Pista de aproximação por Instrumento
• Pista de aproximação por precisão CAT-1, CAT-2 e CAT-3
 Física: Encontramos o número e letra código, baseado no comprimento básico
de pista da aeronave de referência, sua envergadura (distância entre as pontas
das asas) e sua bitola (distância entre os eixos das rodas do trem de pouso
principal)

 IMA 58-10: Classificação geral baseada em:


• Tipo de uso: Publico ou Privado
• Código de Referência
• Tipo de Operação: Visual ou Instrumentos (Precisão ou Não Precisão)
• Interesse do Sistema de Aviação Civil.
MÓDULO 2 – AEROAVES E COMPRIMENTOS DE PISTAS

 Principais Características: Tamanho, Peso, Capacidade e Comprimento da


pista requerido.
 Envergadura: Distância entre as pontas das asas.
 Comprimento: Distância entre o nariz da aeronave de a deriva de cauda.
 Base: Distância entre o trem de pouso de nariz e os eixos dos trem de pouso
principal.
 Bitola: Distância entre os as rodas dos trem de pouso principais.
 Altura: Distância entre o solo e a deriva de cauda
 Peso: Definem as condições para quantificações do comprimento da pista
(passageiros e cargas)
• PMD – Peso Máximo de Decolagem
• PMA – Peso Máximo de Aterrissagem
• POV – Peso Operacional Vazio (Sem carga paga e combustível)
• PZC – Peso Zero Combustível (Sem combustível)
• CP – Carga Paga (Passageiros, Bagagem, Carga e Correio)
• CPM – Carga Paga Máxima Estrutural (PZC-POV total)
• PMR – Peso Máximo de Rampa (Manobra no solo)
• PMED – Peso Máximo Estrutural de Decolagem (Peso decolagem)
• PMEA – Peso Máximo Estrutural de Aterrissagem (Peso para Pouso)

 Carga Paga: Passageiros (PAX) e Cargas transportadas


 Tipo de Motor: Turbo jato – (Deslocamento de Gases) e Turbofan
 Desempenho: Gasto com combustível/hora (economia)
 Custo de Operação: Geral de custos para funcionamento
 Ruídos: Grande desafio
 Raio de Giro: Limites para larguras da pista de movimentação

 Compatibilidade entre aeronave e aeroportos


• Comprimento de pista - potência/peso e projeto da asa
• Largura de pista - bitola e envergadura
• Fillets (sobrelargura) - base e bitola
• Acostamento - posição da turbina mais externa
• Separações - envergadura e comprimento da aeronave
• Gradiente de pista - trem de pouso e velocidade da aeronave
• Pavimento - peso e trem de pouso
• Gates (posições de parada no pátio) - envergadura
• Pontes de embarque - altura de porta
• Balizamento (sinalização)- posição do piloto e altura do motor
• Hidrantes de combustível - ponto de alimentação na aeronave
• Veículos de combate a incêndios - comprimento e largura da fuselagem
MÓDULO 3 – GEOMETRIA DO LADO AÉREO

 Lado Aéreo: Pista de pouso e decolagem, as faixas de pistas, as pistas de táxi ou


rolamento e o pátio de estacionamento das aeronaves.
 Limites de pouso e decolagem (Vento):
• 20 nós (37 km/h) para aeronaves cujo comprimento da pista seja superior ou
igual a 1500m
• 13 nós (24 km/h) para aeronaves cujo comprimento da pista esteja entre 1200m
e 1500m
• 10 nós (19 km/h) para aeronaves cujo comprimento da pista seja inferior a
1200m

 Definição do comprimento: Aeronave Crítica (Carga paga e peso do


combustível)

 Classificação da pista: Comprimento de pista (aeronave referencia),


envergadura e distância entre os bordos externos do trem de pouso principal.

 Geometria da Pista: Largura mínima, Declividades Longitudinais,


Declividades transversais, Acostamentos, Stopway, Resa, Clearway, Saída de
Pista, Faixas de pistas.
 Stopway (zona de parada): Garante a existência de um espaço suficiente para
completa desaceleração da aeronave.
 Resa: Área de segurança localizada em cada extremidade de uma faixa de pista.
 Pátio de Aeronave: Rampas devem ser de 0,5 a 1,0% nas áreas de paradas e
NÃO mais que 1,5% nas outras áreas para atender o critério de drenagem.
 Baías de Espera: Recomendadas para aeródromos com mais de 50.000
operações anuais. Serve para controlar o tráfego.
 Pista de Rolamento: Servem para permitir um trânsito rápido, largura (7,5m,
10,5m, 15,0 a 18,0m, 18,0 a 23,0m, 23,0m e 25,0m)
 Separações: Tabela código (Pouso por instrumento e Pouso visual)
MÓDULO 7 – TERMINAL DE PASSAGEIROS

 Conceitos baseados na concentração: Centralizados (Mesmo edifício


passageiro e bagagem) e Não Centralizados (Edifícios separados)
 Conceitos baseados na distribuição física: Linear, Pier ou Finger, Satélite,
Transporter e Híbrido.
 Linear:
• Vantagens: Acesso direto ao meio fio, Flexibilidade para expansões.
• Desvantagens: Não permite a utilização comum de recursos, Pode gerar altos
custos operacionais se expandido para edifícios diferentes.
 Pier ou finger:
• Vantagens: Possibilidade de expansão em pequena escala, Melhor controle de
operações internacionais dentro do terminal, Atraente custo/benefício de
implantação.
• Desvantagens: Maiores distâncias percorridas, Falta de relação direta entre o
meio fio e os portões de embarque.
 Satélite:
• Vantagens: Facilidade de manobra das aeronaves em torno do satélite,
Possibilidade de concentração de operações internacionais. Facilita operação de
conexões.
• Desvantagens: Alto custo de implantação, Falta de Flexibilidade para
expansões e Distâncias percorridas elevadas.
 Transporter:
• Vantagens: Possibilidade de se moldar a demanda, Reduz o movimento de
aeronave no pátio e Pode reduzir a distância percorridas pelos passageiros.
• Desvantagens: Eleva-se o tempo dos processos de embarque e desembarque
de passageiros e Pode gerar congestionamento de veículos no pátio.

 Classificação das Componentes: Componente operacional (faz parte do


processo de transporte) e Componente NÃO operacional.
 Dimensionamento e avaliação de capacidade:
• Identificação da demanda (tipos de voos, volume, quantidade de PAX e
trânsito)
• Interligações entre os componentes (Fluxo em geral)
• Parâmetros dos componentes operacionais (Processamento, Espera e
Circulação)
• Nível de Serviço (Qualidade dos serviços oferecidos)
• Métodos (Modelos utilizados para o pré-dimensionamento)
 Estimativa inicial:
• Aeroporto Internacional: 40% A 60%
• Aeroporto Doméstico: 20% A 40%
• Aeroporto Regional: 15% A 25%