You are on page 1of 42

STEEL FRAME

Avaliação do desempenho
PANORAMA DAS CONSTRUÇÕES
LEVES

STEEL FRAME
Porque utilizar construção leve?
• Redução do sistema de fundação necessário;
• Retrofit e restauros sem que seja perdida a identidade
arquitetônica, cultural e social das edificações;
• Para alterações de projeto sem a necessidade de reforço
estrutural;
• Para otimização dos processos de construção, não
dependendo de condições climáticas;
• Canteiro de obras mais limpo, organizado e eficiente.
A norma de desempenho foi estabelecida para atender às
exigências dos usuários, independentemente dos seus materiais
constituintes e do sistema construtivo utilizado;

Níveis de desempenho
Em função das necessidades básicas de segurança, saúde, higiene
e de economia, são estabelecidos para os diferentes sistemas
requisitos mínimos de desempenho (M), que devem ser
considerados e atendidos. Também indica-se os valores relativos
aos níveis intermediário (I) e superior (S)
EXIGÊNCIAS ABNT NBR 15575:2013
• Segurança • Sustentabilidade
✓Estrutural; ✓ Durabilidade;
✓Contra o fogo; ✓ Manutenibilidade;
✓No uso e na Operação. ✓ Impacto ambiental.

• Habitabilidade
✓Estanqueidade; ✓Saúde, higiene e qualidade do
ar;
✓Desempenho Térmico;
✓Funcionalidade e acessibilidade;
✓Desempenho Acústico;
✓Conforto tátil e
✓Desempenho Lumínico. antropodinâmico.
• NORMAS TÉCNICAS
• NORMAS TÉCNICAS
Steel frame
ANÁLISE DE DESEMPENHO DE
SISTEMAS LEVES
DESEMPENHO ACÚSTICO
Sistemas de paredes – RUÍDO AÉREO
• Ensaio exigido pela ABNT NBR
15575:2013 e pelas diretrizes de
avaliação do produto.

• Aplicável à paredes de fachada,


paredes entre ambientes e de
geminação.

Favorável: Por conter núcleo


isolante ou materiais absorventes;
NÍVEL DE
ELEMENTO Rw (dB)
DESEMPENHO
45 a 49 M
Parede entre unidades habitacionais autônomas (parede de
geminação), nas situações onde não haja ambiente 49 a 54 I
dormitório
≥ 55 S
50 a 54 M
Parede entre unidades habitacionais autônomas (parede de
geminação), no caso de pelo menos um dos ambientes ser 55 a 59 I
dormitório
≥ 60 S
45 a 49 M
Parede cega de dormitórios entre uma unidade habitacional
e áreas comuns de trânsito eventual, como corredores e 49 a 54 I
escadarias dos pavimentos
≥ 55 S
35 a 39 M
Parede cega de salas e cozinhas entre uma unidade
habitacional e áreas comuns de trânsito eventual, como 40 a 44 I
corredores e escadaria dos pavimentos
≥ 45 S
50 a 54 M
Parede cega entre uma unidade habitacional e áreas
comuns de permanência de pessoas, atividades de lazer e 54 a 59 I
atividades esportivas
≥ 60 S
Desempenho acústico – ruído aéreo
Sistemas de paredes – RUÍDO AÉREO
Estruturação do sistema vertical: 30 x 90mm;
Fechamento das faces verticais: composto por placas
de gesso acartonado standard 12,5mm.

Isolamento interno Isolamento interno Isolamento interno


• Lã de PET Soft therm: • Lã de PET Soft therm: • Lã de PET Soft therm:
• Peso: 0,35kg/m² • Peso: 1,50kg/m² • Peso: 1,00kg/m²
• Espessura: 50mm • Espessura: 50mm • Espessura: 100mm
RW (dB) = 39 RW (dB) = 41 • OSB – Espessura: 11,1mm
RW (dB) = 52
DESEMPENHO MECÂNICO
Resistência ao impacto de Corpo mole
Critério exigidos pela ABNT
NBR 15575:2013 Como garantir
desempenho?
Verificar montantes (formas
geométrica/material
componente). Rigidez e
espessura da placa de
fechamento
Tabela 6 – Impactos de corpo mole para vedações verticais externas (fachadas) de edifícios com mais de um pavimento

Energia de
Elemento Impacto impacto de CM Critérios de desempenho
(J)
960
Não ocorrência de ruína (estado limite último)
720
Impacto externo 480
Não ocorrência de falhas (estado limite de serviço)
(acesso externo 360
do público; Não ocorrência de falhas (estado limite de serviço)
normalmente 240 Limitação dos deslocamentos horizontais: dh ≤ h/250; dhr
Vedação Vertical andar térreo) ≤ h/1250
com função 180
Não ocorrência de falhas (estado limite de serviço)
estrutural 120
480 Não ocorrência de ruína nem o transpasse da parede pelo
240 corpo percussor de impacto (estado limite último)
Impacto interno
180 Não ocorrência de falhas (estado limite de serviço)
(todos os
Não ocorrência de falhas (estado limite de serviço)
pavimentos)
120 Limitação dos deslocamentos horizontais: dh ≤ h/250; dhr
≤ h/1250
Impactos 720 Não ocorrência de ruína (estado-limite último)
VV sem função
externos 360 Não ocorrência de falhas (estado-limite de serviço)
estrutural,
(acesso
constituídas
externo do Não ocorrência de falhas (estado-limite de serviço)
por elementos
público; 240 Limitação dos deslocamentos horizontais:
leves (G<
normalmente dh ≤ h/62,5; dhr ≤ h/625
Resistência ao impacto de Corpo mole
• Ensaio exigido pela ABNT NBR
15575:2013 e pelas diretrizes de
avaliação do produto.

• Aplicável aos sistemas verticais de


vedação, com diferentes energias
que variam em relação à altura da
edificação e seu uso e acesso
(interno e/ou externo)

Desfavorável: Fragilidade dos sistemas


de fechamento à ação do impacto.
Variável em relação ao posicionamento
dos montantes e estruturação;
Resistência ao impacto de CORPO DURO
• Ensaio exigido pela ABNT NBR
15575:2013 e pelas diretrizes
de avaliação do produto.

• Aplicável aos sistemas verticais


de vedação, com diferentes Execução
energias que variam em
relação à altura da edificação e
seu uso e acesso (interno e/ou
externo)

Desfavorável: Necessidade de
resistência à impacto pontual de
ação de carga;
Resistência à cargas suspensas
Critério exigidos pela ABNT NBR 15575:2013
Resistência à cargas suspensas
• Ensaio exigido pela ABNT NBR
15575:2013 e pelas diretrizes de
avaliação do produto- Necessidade
de especificação da capacidade
portante do sistema de paredes.

• Atentar-se à carga máxima


permitida e adequado sistema de
fixação das peças;

Desfavorável: Necessidade de fixar os


sistemas junto aos montantes
estruturais da parede;
Sistema de Vedação Vertical Interno: DryWall

Gesso acartonada:
▪ Densidade: 12,1 kg/m²
▪ Espessura: 12,5 mm
Ensaio Nível de desempenho

Perfis metálicos: Corpo Mole Intermediário


▪ Aço galvanizado
▪ Espessura 0,50 mm Corpo Duro Superior
▪ Dimensão: 35 x 46,5 x 37 mm
▪ Espassamento: 600 mm Carga Suspensa Mínimo

▪ Carga Suspensa - Bucha


▪ Modelo Toggler Bolt 3/8” – Fabricante: Hilti
▪ Modelo M6 – Fabricante: Ciser
DESEMPENHO FRENTE AO
FOGO
Resistência ao Fogo
• Ensaio exigido pela ABNT NBR 15575-3:2013 e ABNT NBR 15575-5:2013 pelas
diretrizes de avaliação do produto;

• Os materiais de revestimento, acabamento e isolamento termo-acústico


empregados na face interna dos sistemas ou elementos que compõe a edificação
devem ter as características de propagação de chamas controladas;

ELEMENTOS ESTRUTURAIS DEVEM APRESENTAR RESISTÊNCIA AO FOGO POR UM PERÍODO MÍNIMO DE 30


MINUTOS - CRITÉRIOS:
❑ A - ESTANQUEIDADE – avaliar as chamas e gases quentes liberados por fissuras ou aberturas no
elemento construtivo;
❑ B - ISOLAMENTO TÉRMICO – avaliar se o calor foi transmitido por radiação e condução através da
superfície do elementos construtivo (Temperatura face não exposta atingir 140°C + T amb. MÉDIA ou
180°C +T amb. LOCAL).
❑ C - ESTABILIDADE – avaliar se houve ou não apresenta sinais de perda de função no tempo de ensaio;
ESTÁVEL AO FOGO [C] PARA-CHAMAS [BC] CORTA-FOGO [ABC]
Resistência ao Fogo
Resistência ao Fogo
TRRF:
30 minutos

Isolamento:
34 minutos

Temp. Máx. Externa:


165ºC
TRF:
CF 30
Resistência ao Fogo
Resistência ao Fogo
Resistência ao Fogo
Resistência ao Fogo
Objetivos fabricantes em termos de resistência ao fogo:
• Adoção de novas práticas construtivas;
• Desenvolvimento de novos Materiais:
• Ampliar a resistência ao fogo;
• Estabilidade das características em altas
temperaturas;
• Reguladores de temperatura;
• Retardadores de temperatura.
• Propriedades térmicas do Material:
• Aderência;
• Combustibilidade;
• Toxidade;
Perfis em aço de alta
• Densidade; temperatura de fusão
• Fissuração.
Lã de Isolamento
(até 1650ºC)

Gesso Resistente ao fogo


DESEMPENHO ESTANQUE
Estanqueidade • Ensaio exigido pela ABNT NBR
15575:2013 e pelas diretrizes de
avaliação do produto.

• Verificação do comportamento
estanque dos sistemas inovadores
de parede e de suas interfaces com
as esquadrias;

• Atentar-se à interface entre o


sistema inovador e a esquadria
instalada;

• Sistema de piso com acabamento


liso e sistema de
impermeabilização.
Estanqueidade
STEEL FRAME COM REVESTIMENTO EM GESSO VERDE

• Resistente à umidade, vapores e


• Possibilidade de ser revestida com
proliferação de fungos;
diferentes pinturas e revestimentos
• Aplicáveis em áreas com incidência de
cerâmicos;
umidade;
• Possui boa resposta frente a
• Recebe tratamento a base de silicone
estanqueidade para com a água.
na superfície e parte interna;

Não recomendável para


aplicação em meio
externo (contato com
grandes quantidade de
água. Ex.: chuvas)
DESEMPENHO TÉRMICO
Desempenho
térmico
• Ensaio exigido pela ABNT NBR
15575:2013 e pelas diretrizes de
avaliação do produto.

Favorável: Materiais leves tem grande


potencial de isolamento térmico

Desfavorável: Necessidade de análise


de ocorrência de condensação pelo
uso de superfícies impermeáveis;

Transmitância térmica U Capacidade térmica


(W/m².K) CT (kJ/m².K)
ZB 1 e 2 ZB 3 a 8 ZB 1 a 7 ZB 8
U ≤ 2,5 α ≤ 0,6 α > 0,6 CT ≥ 130 Sem
U ≤ 3,7 U ≤ 2,5 exigência
Desempenho Térmico
Tabela 7 – Desempenho Térmico de uma Edificação em diferentes Zonas Bioclimáticas

Sistema construtivo
Steel frame: placa cimentícia, lã de rocha,
Parede
duas placas de gesso acartonado (15,75cm)
Nível de desempenho
ZB Condição padrão1
1 Atende o nível Superior
2 Atende o nível Mínimo
3 Atende o nível Superior
4 Atende o nível Intermediário
5 Atende o nível Mínimo
6 Atende o nível Intermediário
7 Atende o nível Intermediário
8 Atende o nível Mínimo
EDIFICAÇÃO ANALISADA SISTEMA CONSTRUTIVO
OBRIGADO
Bernardo Tutikian
Dr. Engenheiro Civil
bftutikian@unisinos.br