You are on page 1of 2

CARACTERIZAÇÃO DA DISCIPLINA

“Bacharelado em História”

CURSO/SEMESTRE Licenciatura em História – 1º semestre


DISCIPLINA História da Antigüidade Oriental
CARÁTER DA DISCIPLINA Obrigatória

PRÉ-REQUISITO

CÓDIGO 1660001
DEPARTAMENTO DH
CARGA HORÁRIA TOTAL 68 horas
CRÉDITOS 4 créditos

NATUREZA DA CARGA Teórica


HORÁRIA
ANO/SEMESTRE 1º semestre
PROFESSORES RESPONSÁVEIS
OBJETIVOS Objetivos gerais:
I) Compreender o processo de formação das primeiras civilizações (baseadas no trabalho
hidráulico, na organização do Estado teocrático centralizado e no uso da escrita), na
região do Crescente Fértil (também denominado Oriente Próximo).
Objetivos específicos:
I) Compreender o quadro geral de desenvolvimento das diversas culturas da região do
Oriente Próximo, entre o IV e o I Milênio a.C.
II) Aprofundar-se no estudo da história do Egito e da Mesopotâmia antigos.
III) Abordar uma pluralidade de aspectos destas culturas, com ênfase na organização do
Estado, nos trabalhos hidráulidos, na organização social, na arte, nos mitos e
religiosidade, nos cultos funerários, no direito e na literatura.
IV) Conhecer o legado material (estruturas arquitetônicas e cultura material) do antigo
Oriente Próximo, por meio de recursos áudio-visuais (slides, transparências, filmes,
etc.)
EMENTA V) Geografia e cronologia do Oriente Próximo antigo. Modelos explicativos
VI) O Egito Antigo: política, sociedade, economia e cultura.
VII) A Mesopotâmia antiga: o direito e a epopéias.

PROGRAMA I) Aspectos geográficos e panorama cronológico geral do desenvolvimento das culturas


do Oriente Próximo. Os modelos explicativos tradicionais (modo-de-produção
asiático; hipótese causal hidráulica).
II) O Egito Antigo: abordagem diacrônica do desenvolvimento político (a sucessão das 31
dinastias na periodização do Antigo, Médio e Novo Império). Sistema político: o
estatismo faraônico. Caracterização social e econômica. As manifestações simbólica: a
relação entre arte, religião, política e cultos funerários. Gênero (o lugar do feminino
na sociedade egípcia antiga). Literatura.
III) A Mesopotâmia antiga: ênfase no estudo do direito na sociedade paleo-babilônica. A
epopéia de Gilgamesh. Gênero (o lugar do feminino na sociedade babilônica antiga).

BIBLIOGRAFIA Bibliografia básica:


BAKOS, Margareth Marchiori. O que são os hieróglifos? São Paulo: Brasiliense, 1996.
BOUZON, Emanuel. As cartas de Hamurabi. Petrópolis: Vozes, 1986.
BOUZON, Emanuel. O código de Hamurabi. Petrópolis: Vozes, 1980.
CARDOSO, Ciro Flamarion. Egito Antigo. São Paulo: Brasiliense, 1984.
JOHNSON, Paul. A história ilustrada do Egito Antigo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.
MELLA, Frederico Arborio. O Egito dos Faraós. São Paulo: Hemus, 1981.
PINSKY, Jaime. As primeiras civilizações. São Paulo: Ed. Contexto, 2001
VERCOUTTER, Jean. Em busca do Egito esquecido. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2002.
WALLIS BUDGE, E. A. A religião egípcia. Idéias Egípcias sobre a Vida Futura. São Paulo: Editora Cultrix,
1995.

Bibliografia complementar:
ARAUJO, Emanuel. Escrito para a eternidade. A literatura no Egito faraônico. Brasília: Editora UNB,
2000.
ARAÚJO, Luís Manuel de. Estatuetas funerárias egípcias da XXI Dinastia. Lisboa: Fundação Calouste
Gulbenkian, 2003.
BAKOS, Margareth Marchiori. Fatos e mitos do Egito Antigo. Coleção História 03. Porto Alegre:
EDIPUCRS, 2001.
BAKOS, Margareth Marchiori. & BARRIOS, Adriana Masciadri. O Povo da Esfinge. Porto Alegre:
Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1999.
BAKOS, Margareth Marchiori. & POZZER, Katia Maria Paim. (Orgs.) III Jornada de Estudos do Oriente
Antigo. Línguas, Escritas e Imaginário. Coleção História 20. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1998.
BOUZON, E. As Leis de Eshnunna (1825-1787 a.C.). Petrópolis: Vozes, 1981.
BOUZON, E. Contratos Pré-Hammurabianos do Reino de Larsa. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000.
BOUZON, E. Uma coleção do Direito Babilônico Pré-Hammurabiana. Leis do Reino de Eshnunna.
Petrópolis: Vozes, 2000.
CARDOSO, Ciro Flamarion. Antiguidade Oriental, Política e Religião. São Paulo: Ed. Contexto, 1990.
CARDOSO, Ciro Flamarion. Egito Antigo. São Paulo: Brasiliense, 1984.
CARDOSO, Ciro Flamarion Sete olhares sobre a antiguidade. Brasília: Editora UNB, 1994.
Gilgamesh. Rei de Uruk. Anônimo (Épico Sumério). São Paulo: Ars Poética, 1992.
HOOKER, J. T. et alli. Lendo o passado. Do cuneiforme ao alfabeto. A história da escrita antiga. São
Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Editora da Companhia Melhoramentos, 1996.
JOHNSON, Paul. A história ilustrada do Egito Antigo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.
MANNICHE, Lise. A vida sexual no Egito Antigo. Rio de Janeiro: Imago, 1990.
MELLA, Frederico Arborio. Dos Sumérios a Babel. São Paulo: Hemus, S/D.
LISE, Giorgio. Como reconhecer a arte egípcia. São Paulo: Martins Fontes, 1985.