You are on page 1of 457

APOSTILA DE INSTALAÇÕES

ELÉTRICAS
Prof. Ms Luciano Henrique Duque

Luciano Henrique Duque


UNIVERSIDADE DA ELÉTRICA
Sumário
CONCEITOS DE GERAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E POTÊNCIAS ELÉTRICAS ..................................................... 12

GERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DA ENERGIA ........................................................................................................... 13


Geração e Distribuição da Energia..................................................................................................... 13
REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ................................................................................................................ 15
PRINCÍPIO BÁSICO DE FUNCIONAMENTO DO TRANSFORMADOR ............................................................................. 17
TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO ............................................................................................................ 17
TENSÃO MONOFÁSICA E O VALOR RMS .......................................................................................................... 18
SISTEMA TRIFÁSICO ..................................................................................................................................... 19
EM CORRENTE ALTERNADA: MONOFÁSICO, BIFÁSICO E TRIFÁSICO ........................................................................ 19
Tensões de alimentação de equipamentos no Brasil ......................................................................... 20
Ligações típicas de cargas na rede secundária trifásica 220V ........................................................... 21
Fornecimento de Energia ................................................................................................................... 22
Fornecimento de energia ................................................................................................................... 23
Componentes tipos da entrada de Energia ........................................................................................ 24
POTÊNCIAS ELÉTRICAS EM CORRENTE ALTERNADA ............................................................................................. 24
POTÊNCIAS ELÉTRICAS EM CORRENTE ALTERNADA: ............................................................................................ 26
MONOFÁSICO ............................................................................................................................................ 26
Exemplo de potências Elétricas ..................................................................................................................... 26

CONCEITOS INICIAS .............................................................................................................................. 27

CORES DOS CONDUTORES ............................................................................................................................. 28


SEÇÃO DOS CONDUTORES NEUTRO E TERRA ..................................................................................................... 28
SEÇÃO DOS CONDUTORES ............................................................................................................................. 29
Distribuição dos circuitos nos eletrodutos: deve ser bem planejada ................................................. 30
TIPOS DE CABOS ......................................................................................................................................... 30
Tipos de cabos: Exemplos .................................................................................................................. 31
SEÇÃO DOS CONDUTORES: TABELA DE CONVERSÃO ............................................................................................ 32
FERRAMENTAS PARA O ELETRICISTA ................................................................................................................ 32
EMENDA EM CONDUTORES ........................................................................................................................... 33
CÁLCULO DA SEÇÃO DOS CONDUTORES PELA QUE DE TENSÃO E CAPACIDADE DE CONDUÇÃO ...................................... 35
EXEMPLO DE ESCOLHA DE CONDUTORES .......................................................................................................... 36
SIMBOLOGIA ELÉTRICA BÁSICA DOS CONDUTORES .............................................................................................. 36
SIMBOLOGIA ELÉTRICA BÁSICA DO DISJUNTOR ................................................................................................... 37

COMPENSAÇÃO DA ENERGIA REATIVA FATOR DE POTÊNCIA CARGAS LINEARES E NÃO-LINEARES ...... 39

INTRODUÇÃO ............................................................................................................................................. 40
TRIÂNGULO DE POTÊNCIAS ............................................................................................................................ 40
CARGA PURAMENTE INDUTIVA E CAPACITIVA .................................................................................................... 41
CARGAS LINEARES ....................................................................................................................................... 42
CARGAS NÃO-LINEARES ................................................................................................................................ 42

BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................................................... 43

COMPENSAÇÃO DA ENERGIA REATIVA FATOR DE POTÊNCIA............................................................... 44

AULA 02: EXEMPLO PRÁTICO DE CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA EM CARGAS LINEARES E NÃO-LINEARES ............ 45
COMPENSAÇÃO DE ENERGIA REATIVA EM CARGA LINEAR ..................................................................................... 45
Modelo para carga linear .................................................................................................................. 45
Dimensionamento.............................................................................................................................. 46

1
COMPENSAÇÃO DE ENERGIA REATIVA EM CARGA NÃO-LINEAR .............................................................................. 47
Modelo utilizado ................................................................................................................................ 48
Dimensionamento.............................................................................................................................. 48
LOCALIZAÇÃO DOS BANCOS DE CAPACITORES .................................................................................................... 50
CAPACITORES LIGADOS A MOTORES ................................................................................................................ 51

BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................................................... 51

DIMENSIONAMENTO DE CARGAS: CÁLCULO DAS POTÊNCIAS EM UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA .......... 52

QUAIS AS POTÊNCIAS EM UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA? ....................................................................................... 53


Exemplo prático de dimensionamento das potências: ...................................................................... 53
Exemplo prático de dimensionamento das potências continuação: ............................................................. 54
Exemplo prático de dimensionamento das potências continuação: ............................................................. 55
Exemplo prático de dimensionamento das potências: ...................................................................... 56

BIBLIOGRAFIA: ..................................................................................................................................... 56

OBJETIVO DA NBR 5410: ............................................................................................................................ 58


DEFINIÇÕES: ITEM 3 NBR 5410:2004 ........................................................................................................... 58
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR 5410:2004 ............................................................................................ 61
PROTEÇÃO CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS ......................................................................................................... 61
PROTEÇÃO CONTRA EFEITOS TÉRMICOS:........................................................................................................... 62
PROTEÇÃO CONTRA SOBRECORRENTES: ........................................................................................................... 62
PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES: ............................................................................................................... 63
Seccionamento:.................................................................................................................................. 63
DESLIGAMENTO DE EMERGÊNCIA:................................................................................................................... 64
PREVENÇÃO DE EFEITOS DANOSOS OU INDESEJADOS:.......................................................................................... 64
INDEPENDÊNCIA DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA: ...................................................................................................... 65
ACESSIBILIDADE DOS COMPONENTES: .............................................................................................................. 65
VERIFICAÇÃO DA INSTALAÇÃO: ....................................................................................................................... 65
QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL: ....................................................................................................................... 66

BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................................................... 66

INSPEÇÕES E ENSAIO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CONFORME ESTABELECE A NBR 5410/2004 .......... 67

PRESCRIÇÕES GERAIS ................................................................................................................................... 68


INSPEÇÃO VISUAL ........................................................................................................................................ 68
ENSAIOS NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ............................................................................................................. 69
Continuidade dos condutores de protecção....................................................................................... 69
Resistência de isolamento.................................................................................................................. 71
MONÔMETRO PORTÁTIL: RESISTÊNCIA DE ISOLAMENTO ...................................................................................... 71
ENSAIOS FUNCIONAIS .................................................................................................................................. 72
Manutenção preventiva ..................................................................................................................... 72
Manutenção preventiva instrumentos .............................................................................................. 72
MANUTENÇÃO CORRETIVA ............................................................................................................................ 73

BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................................................... 73

COMO VERIFICAR SE SUA INSTALAÇÃO ELÉTRICA É SEGURA NBR 5410:2004 ....................................... 74

INTRODUÇÃO: ............................................................................................................................................ 75
SISTEMA DE ATERRAMENTO: ......................................................................................................................... 76
Proteção contra choques elétricos: .................................................................................................... 76
Quadro elétrico: ................................................................................................................................. 77

2
Quadro elétrico: proteção contra surtos de tensão: .......................................................................... 77
Proteção contra sobretensões: .......................................................................................................... 77
Quadro elétrico: ................................................................................................................................. 78
QUADRO ELÉTRICO, INSTALAÇÕES SEGURA: ...................................................................................................... 79
Garanta a segurança elétrica: ........................................................................................................... 79

BIBLIOGRAFIA: ..................................................................................................................................... 79

SÉRIE DE AULAS BÁSICAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CAUSAS DA PERDA DO NEUTRO EM UMA
INSTALAÇÃO ELÉTRICA ......................................................................................................................... 80

INTRODUÇÃO ............................................................................................................................................. 81
ONDE SURGE O NEUTRO? ............................................................................................................................. 81
Tensão fase-neutro ............................................................................................................................ 82
Perda do neutro: situação problema ............................................................................................................. 82
Perda do neutro: interrupção do neutro ............................................................................................ 83
NEUTRO COMO TERRA: NÃO DEVE SER UTILIZADO! ............................................................................................ 84
Perda do neutro ................................................................................................................................. 84

BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................................................... 84

CARACTERÍSTICAS DOS CONDUTORES ELÉTRICOS ................................................................................ 85

CONDUTOR ELÉTRICO ................................................................................................................................... 86


CONDUTOR ELÉTRICO: BARRAMENTO BLINDADO ................................................................................................ 86
CONDUTOR ELÉTRICO ................................................................................................................................... 87
Condutor elétrico ............................................................................................................................... 88
Condutor elétrico: Efeito pelicular ..................................................................................................... 89
CONDUTOR ELÉTRICO: ISOLAÇÕES .................................................................................................................. 89
Isolação dos cabos: Cloreto de Polivinila ........................................................................................... 90
Isolação dos cabos: Borracha etileno-propileno (EPR)....................................................................... 90
Isolação dos cabos: Polietileno reticulado (XPLE) .............................................................................. 90
Isolação dos cabos: características dos cabos ................................................................................... 91
MÉTODOS DE REFERÊNCIA E A CONDUÇÃO DE CORRENTE..................................................................................... 91
TABELAS DA ABNT NBR 5410/2008............................................................................................................ 92
DIMENSIONAMENTO DA CAPACIDADE DE CONDUÇÃO ......................................................................................... 94

BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................................................... 96

DIMENSIONAMENTO DOS CABOS ELÉTRICOS EM FUNÇÃO DOS MÉTODOS DE REFERÊNCIA CONFORME


ESTABELECE A NBR 5410:2004 ............................................................................................................. 97

MÉTODOS DE REFERÊNCIA PARA INSTALAÇÃO DOS CABOS.................................................................................... 98


CABOS EM RELAÇÃO AO ISOLAMENTO ............................................................................................................. 98
CONDUTORES CARREGADOS ........................................................................................................................ 100
FATORES DE CORREÇÃO .............................................................................................................................. 100
Exercício 1: Dimensionamento de Cabos ......................................................................................... 101
Exercício 2: Dimensionamento de Cabos ......................................................................................... 103

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 104

PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL E COMERCIAL: COMO CALCULAR CORRETAMENTE A CORRENTE


ELÉTRICA EM FUNÇÃO DOS DIVERSOS FATORES DE CORREÇÃO ........................................................ 105

FATORES DE QUE INFLUENCIAM NO CÁLCULO DA CORRENTE ............................................................................... 106

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 108

3
DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS NA PRESENÇA DE HARMÔNICAS CONFORME NBR
5410 ................................................................................................................................................... 109

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES NA PRESENÇA DE HARMÔNICAS................................................................. 110


DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES NA PRESENÇA DE HARMÔNICAS: NBR 5410 ANEXO F .................................. 110
DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES NA PRESENÇA DE HARMÔNICAS: NBR 5410 ANEXO F (TABELA 1) .................. 111
TABELA DE CARREGAMENTO DOS CONDUTORES: NBR 5410 ............................................................................. 112
CIRCUITO TRIFÁSICO COM NEUTRO ............................................................................................................... 112
TABELAS DA ABNT NBR 5410/2008:......................................................................................................... 114

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 115

BARRAMENTO BLINDADO:........................................................................................................................... 117


Barramento blindado aplicações: .................................................................................................... 118
Construção do barramento blindado: .............................................................................................. 118
Barramento blindado: ...................................................................................................................... 119
Caixa cofre plug-in: .......................................................................................................................... 120
Grau de proteção do bus-way:......................................................................................................... 120
DIMENSIONAMENTO: QUEDA DE TENSÃO: ...................................................................................................... 121
Exemplo: Qual a queda de tensão no bus-way para trecho AE? ..................................................... 122
Exemplo queda de tensão: ............................................................................................................... 123

BIBLIOGRAFIA: ................................................................................................................................... 123

LEITURA BÁSICA DE PROJETOS ELÉTRICOS SIMBOLOGIA CONFORME NBR 5444............................................ 124

SIMBOLOGIAS BÁSICAS DE INTERRUPTORES: .................................................................................................... 125


SIMBOLOGIA BÁSICA DE QUADROS: ............................................................................................................... 125
SIMBOLOGIA BÁSICA: ELETRODUTO E CONDUTORES:......................................................................................... 126
SIMBOLOGIA BÁSICA DE TOMADAS:............................................................................................................... 126
Exemplo de ligação de uma tomada baixa: ..................................................................................... 127
Exemplo de ligação de chuveiro:...................................................................................................... 127
Exercício de identificação de ligação abaixo: .................................................................................. 127
Exemplo de ligação de duas lâmpadas em um interruptor: ............................................................ 128
Esquema para tree-way: .................................................................................................................. 128
Esquema para for-way: .................................................................................................................... 130
Ligação uma Interruptor/com tomada e uma tomada: .................................................................. 131

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 132

LIGAÇÃO DE INTERRUPTOR DUPLA SEÇÃO COM TOMADA 10A ......................................................... 133

LIGAÇÃO INTERRUPTOR DUPLA SEÇÃO COM TOMADA EM CIRCUITOS DISTINTOS: .................................................... 134

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 135

CONCEITOS FUNDAMENTAIS SOBRE DEMANDA ................................................................................ 136

DEMANDA ............................................................................................................................................... 137


DEMANDA E FATOR DE DEMANDA................................................................................................................. 138
SOLUCIONANDO O PROBLEMA ..................................................................................................................... 139
SOLUCIONANDO O PROBLEMA: PARA UMA ÁREA DE 35𝒎𝟐 POR APARTAMENTO ................................................... 142
SOLUCIONANDO O PROBLEMA: PARA UMA ÁREA DE 50𝒎𝟐 POR APARTAMENTO ................................................... 144

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 145

PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL ............................................................................................................ 146

4
PROJETAR UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONSISTE EM: ....................................................................................... 147
OBJETIVO DO PROJETO ELÉTRICO .................................................................................................................. 147
CRITÉRIOS A SEREM OBSERVADOS NO PROJETO ELÉTRICO................................................................................... 148
ETAPAS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO ..................................................................................................... 148

PROJETO ELÉTRICO DE ESCRITÓRIO ................................................................................................... 167

CARGA DE ILUMINAÇÃO .............................................................................................................................. 168

QUADROS ELÉTRICOS: INSPEÇÃO ADEQUADA COM VISTAS NA INDENTIFICAÇÃO DE POSSÍVEIS


PROBLEMAS ....................................................................................................................................... 185

INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................... 186


QUADRO ELÉTRICO.................................................................................................................................... 186
MTA ...................................................................................................................................................... 187
TERMOGRAFIA .......................................................................................................................................... 187
QUADRO ELÉTRICO .................................................................................................................................... 188
QUADRO: TERMOGRAFIA............................................................................................................................ 189
QUADRO: NECESSITANDO DE REVITALIZAÇÃO .................................................................................................. 190
PAINEL ELÉTRICO DE ENTRADA ..................................................................................................................... 191
PAINEL ELÉTRICO DE ENTRADA: TERMOGRAFIA ................................................................................................ 191
PAINEL ELÉTRICO DE DERIVAÇÃO................................................................................................................... 192
QUADRO ELÉTRICO: TERMOGRAFIA ............................................................................................................... 192
PAINEL DE DERIVAÇÕES .............................................................................................................................. 193
TERMOGRAFIA NO PAINEL ........................................................................................................................... 193

PROJETO ELÉTRICO- DIAGRAMA UNIFILAR......................................................................................... 194

(PROJETO ELÉTRICO EDIFÍCIO RESIDENCIAL) ...................................................................................... 199

A-136 DISJUNTORES TERMOMAGNÉTICOS DE BAIXA TENSÃO ........................................................... 229

NORMALIZAÇÃO DE DISJUNTORES DE BAIXA TENSÃO: ....................................................................................... 230


Características Gerais – Disjuntores de BT: ..................................................................................... 231
Curva de disjuntores: ....................................................................................................................... 232
Características Nominais: ................................................................................................................ 233
Curvas de minidisjuntores ABB: ....................................................................................................... 233
Curva disjuntores ABB: ..................................................................................................................... 234
Curva disjuntores ABB: ..................................................................................................................... 235
Disjuntores ABB dados: .................................................................................................................... 235
Linha ABB exemplo: ......................................................................................................................... 236
Características técnicas ABB: ........................................................................................................... 237
ESPECIFICAÇÃO DOS DISJUNTORES: ............................................................................................................... 237
Dimensionamento de disjuntor em função da corrente de curto-circuito presumida: ................... 238

BIBLIOGRAFIA: ................................................................................................................................... 239

DISPOSITIVOS FUSÍVEIS DE BAIXA TENSÃO ........................................................................................ 240

FUSÍVEL................................................................................................................................................... 241
CHAVE FUSÍVEL ......................................................................................................................................... 241
GENERALIDADES DOS FUSÍVEIS ..................................................................................................................... 242
Operação ......................................................................................................................................... 243
Formato dos fusíveis ........................................................................................................................ 245
Faixa de interrupção e categoria de utilização ................................................................................ 245
Diazed e NH ..................................................................................................................................... 246

5
PROTEÇÃO CONTRA SOBRECARGAS ............................................................................................................... 246
TENSÕES NOMINAIS DOS FUSÍVEIS ................................................................................................................ 247
CORRENTES DE FUSÃO E NÃO FUSÃO ............................................................................................................. 248
Zona tempo-corrente ....................................................................................................................... 249
CARACTERÍSTICA DE CORTE DE UM FUSÍVEL LIMITADOR ..................................................................................... 251

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 252

PROTEÇÕES CONTRA SOBRETENSÕES DPS (DISPOSITIVO DE PROTEÇÃO CONTRA SURTOS) .............. 253

INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................... 254


SURTOS INDUZIDOS OU INDIRETOS ................................................................................................................ 254
SURTOS CONDUZIDOS OU DIRETOS................................................................................................................ 255
PROTEÇÃO CONTRA SURTOS ........................................................................................................................ 255
DISPOSITIVO DE PROTEÇÃO CONTRA SURTOS (DPS) ........................................................................................ 256
Tipos de DPS..................................................................................................................................... 256
Classificação dos DPS ....................................................................................................................... 258
Especificação do DPS: tensão de operação contínua ....................................................................... 259
Exemplo de especificação de DPS .................................................................................................... 260
Níveis de Ligação para DPS .............................................................................................................. 261

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 262

DPS: PROTEÇÃO CONTRA SURTO POR DESCARGAS ATMOSFÉRICAS: .................................................................... 264


DISTRIBUIÇÃO TÍPICA DA CORRENTE DO RAIO, SEGUNDO IEC 62305: .................................................................. 266
CARACTERÍSTICAS DOS IMPULSOS IEC 62305: ................................................................................................ 268
EXEMPLOS EM UMA EDIFICAÇÃO: ................................................................................................................. 269
DPS PARA SISTEMA DE CÂMERAS: ................................................................................................................ 269
DPS PARA SISTEMA ANTENAS: ..................................................................................................................... 270

CÁLCULO DE CORRENTES DE FALTA EM BAIXA TENSÃO (CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO) CÁLCULOS


SIMPLIFICADOS .................................................................................................................................. 271

INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................... 272


DEPENDÊNCIA DA CORRENTE DE FALTA ENTRE CONDUTORES VIVOS: EM LINHA DE BAIXA DA TENSÃO.......................... 272
Características das linhas ................................................................................................................ 273
Fontes de corrente de falta .............................................................................................................. 273
TIPO DE CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO: CASO EXTREMO.................................................................................. 273
CÁLCULO DA CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO (FALTA) ....................................................................................... 275
CÁLCULO DA CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO (FALTA): SISTEMA TRIFÁSICO ........................................................... 276
CÁLCULO DA CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO: EQUAÇÃO REDUZIDA..................................................................... 276
Exemplo de Cálculo .......................................................................................................................... 277

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 278

DIMENSIONAMENTO DO DISJUNTOR EM FUNÇÃO DA CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO PRESUMIDA279

EXEMPLO DE DIMENSIONAMENTO DE DISJUNTOR EM FUNÇÃO DA CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO PRESUMIDA ............ 280

ANÁLISE DE HARMÔNICAS EM UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA COMERCIAL ......................................... 281

QUALIDADE DE ENERGIA ............................................................................................................................. 282


AVALIAÇÃO DE HARMÔNICAS ....................................................................................................................... 282

QUALIDADE DA ENERGIA: CONCEITOS INICIAS DA DISTORÇÃO HARMÔNICA .................................... 283

SÉRIE DE FOURIER ..................................................................................................................................... 284


HARMÔNICAS ........................................................................................................................................... 284

6
PORQUE AS HARMÔNICAS SÃO GERADAS? ...................................................................................................... 286
O QUE AS HARMÔNICAS PODEM PROVOCAR?.................................................................................................. 287
IMPACTOS DAS HARMÔNICAS....................................................................................................................... 287

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 287

QUALIDADE DA ENERGIA: .................................................................................................................. 288

DISTORÇÃO HARMÔNICA UM ESTUDO DE CASO ............................................................................... 288

DISTORÇÃO HARMÔNICAS TOTAL ................................................................................................................. 289


PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL – PRODIST ................. 290
ANALISADOR DE ENERGIA ........................................................................................................................... 290
Instrumento utilizado para o estudo de caso: RE6000 .................................................................... 291
DIAGRAMA DE LIGAÇÃO DO ANALISADOR DE ENERGIA NO QUADRO ELÉTRICO ........................................................ 292
Faremos duas medições: medição 1 e medição 2 ............................................................................ 292
Instrumento colocado para avaliar a distorção harmônica em um ambiente residencial: quadro 1
......................................................................................................................................................... 293
Medição em ambiente industrial: quadro 2..................................................................................... 294
Medição em ambiente industrial ..................................................................................................... 294
Medição na Fase C: quadro 2........................................................................................................... 295
Medição fase C: Tensão C (quadro 2) .............................................................................................. 295

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 296

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INFLUÊNCIA DAS HARMÔNICAS NO FATOR DE POTÊNCIA EM INSTALAÇÕES


ELÉTRICAS .......................................................................................................................................... 297

CARGAS LINEARES E NÃO-LINEARES: .............................................................................................................. 298


FATOR DE POTÊNCIA INFLUENCIADO PELAS HARMÔNICAS: ................................................................................. 299
POTÊNCIA APARENTE DE UM SISTEMA NÃO-LINEAR: ......................................................................................... 299
Exemplo carga não-linear: ............................................................................................................... 300

BIBLIOGRAFIA: ................................................................................................................................... 301

ATERRAMENTO EM BAIXA TENSÃO NA VISÃO DA NBR 5410:2004 .................................................... 302

INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................... 303


TIPOS BÁSICOS DE ATERRAMENTO................................................................................................................. 303
Aterramento informações NBR 5419/2008 ..................................................................................... 303
Vantagens da integração dos aterramentos ................................................................................... 303
ESQUEMAS DE ATERRAMENTO E DE PROTEÇÃO ASSOCIADO ............................................................................... 304
Esquema TNS ................................................................................................................................... 304
Esquema TN-C-S ............................................................................................................................... 305
Esquema TNC ................................................................................................................................... 305
Esquema TT ...................................................................................................................................... 306
CONDUTORES DE PROTEÇÃO........................................................................................................................ 306
ATERRAMENTO EM ARMADURAS .................................................................................................................. 306
RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO EM FUNDAÇÕES.............................................................................................. 311

ATERRAMENTO EM BAIXA TENSÃO TENSÕES DE TOQUE E PASSO EM UMA MALHA DE ATERRAMENTO


.......................................................................................................................................................... 312

TENSÃO DE TOQUE .................................................................................................................................... 313


TENSÃO DE PASSO ..................................................................................................................................... 314

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 315

7
VALORES DA RESISTIVIDADE APLICANDO PALMER .................................................................................... 316

MEDIÇÕES DE RESISTIVIDADE EM CAMPO: ...................................................................................................... 317


Resultado das medições: ................................................................................................................. 318
ELETRODO DE ATERRAMENTO CONSTITUÍDO POR HASTES: ................................................................................. 319
RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO COM HASTES EM PARALELO EM LINHA: ................................................................ 320
RECOMENDAÇÕES: .................................................................................................................................... 320
SUBSISTEMA DE ATERRAMENTO CONFORME NBR 5419-3/2015 ...................................................................... 320
SUBSISTEMA DE ATERRAMENTO CONFORME NBR 5419-3/2015 MATÉRIAS UTILIZADOS ........................................ 323
ELETRODO DE ATERRAMENTO ...................................................................................................................... 323
ANEL DE ATERRAMENTO ............................................................................................................................. 324
RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO ................................................................................................................... 324
RESISTIVIDADE EM FUNÇÃO DO TIPO DE SOLO ................................................................................................. 325
RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO (CÁLCULO) .................................................................................................... 325
HASTES DE ATERRAMENTO INTERLIGADAS ...................................................................................................... 326
Quantidade de hastes de aterramento interligadas ........................................................................ 326
Malha fechada ................................................................................................................................. 327
Aterramento em cruz ....................................................................................................................... 327
MEDIÇÃO DA RESISTIVIDADE DO SOLO ........................................................................................................... 328
Método Wenner............................................................................................................................... 328

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 329

MEDIÇÃO DA RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO MÉTODO DE QUEDA DE POTENCIAL ........................ 330

MÉTODO QUEDA DE POTENCIAL ................................................................................................................... 331


Medição ........................................................................................................................................... 331
Circuitos de medição ........................................................................................................................ 331
PROCESSO DE MEDIÇÃO.............................................................................................................................. 332
CURVA DE RESISTÊNCIA DO ELETRODO PONTUAL .............................................................................................. 332
CURVA DE RESISTÊNCIA DO ATERRAMENTO ..................................................................................................... 333
Resultado da medição ..................................................................................................................... 334
Limitações do método queda de potencial ...................................................................................... 334
Exemplo de instrumento .................................................................................................................. 335
Exemplo de medição ........................................................................................................................ 335

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 335

MEDIÇÃO DA RESISTÊNCIA DE ATERRAMENTO ALICATE TERRÔMETRO ............................................. 336

ALICATE TERRÔMETRO ............................................................................................................................... 337


RESTRIÇÕES ............................................................................................................................................. 339

BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................................... 339

SPDA – SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARAGS ATMOSFÉRICAS ............................................. 340

INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................... 341


SUBSISTEMA DE DESCIDA ............................................................................................................................ 342
SUBSISTEMA DE CAPTAÇÃO ......................................................................................................................... 345
Subsistema de captação: Posicionamento ....................................................................................... 346
Subsistema de captação: Posicionamento ....................................................................................... 347
SUBSISTEMA DE CAPTAÇÃO: POSICIONAMENTO DOS CAPTORES EM MALHA (GAIOLA DE FARADAY) ........................... 348
SUBSISTEMA DE ATERRAMENTO ................................................................................................................... 348
ISOLAÇÃO ELÉTRICA DO SPDA EXTERNO ........................................................................................................ 351

8
Isolação elétrica do SPDA externo ................................................................................................... 352
Isolação elétrica do SPDA externo ................................................................................................... 353
Isolação elétrica do SPDA externo: Exemplo distância entre descida .............................................. 354

BIBLIOGRAFIA [1] ............................................................................................................................... 355

CONCEITOS INICIAIS DE SPDA: EXTERNO........................................................................................................ 356


SPDA externo isolado ....................................................................................................................... 356
SPDA externo não isolado ................................................................................................................ 357
CONCEITOS INICIAIS DE SPDA: EXTERNO........................................................................................................ 357
COMPONENTES NATURAIS DE UM SPDA: NBR 5419-3/2015 ......................................................................... 358
FIXAÇÃO E CONEXÃO NBR 5419-3/2015..................................................................................................... 361

BIBLIOGRAFIA [2] ............................................................................................................................... 362

CLASSE DO SPDA...................................................................................................................................... 363


Classe do SPDA: parâmetros da descarga atmosférica ................................................................... 364
Classe de SPDA ................................................................................................................................. 365
Eficiência da classe do SPDA ............................................................................................................ 365
COMPONENTES NATURAIS DE UM SPDA: NBR 5419-3/2015 ......................................................................... 366

BIBLIOGRAFIA [3] ............................................................................................................................... 367

SPDA ESFERA ROLANTE: ELETROGEOMÉTRICO ................................................................................................ 368


SPDA ESFERA ROLANTE: ELETROGEOMÉTRICO ................................................................................................ 368
SPDA FRANKLIN ....................................................................................................................................... 370
SPDA GAIOLA DE FARADAY CONFORME NBR 5419/2015 .............................................................................. 371
EXEMPLO DE UM PROJETO SPDA: HIBRIDO E ESTRUTURAL ................................................................................ 372

BIBLIOGRAFIA [4] ............................................................................................................................... 376

ACESSÓRIOS DE UM SPDA .......................................................................................................................... 377


Conectores de pressão Split bolt ...................................................................................................... 378
Conexões para SPDA estrutural e vergalhão ................................................................................... 378
Conector terminal botinha e conector para haste ........................................................................... 378
Acessórios de um SPDA .................................................................................................................... 379

BIBLIOGRAFIA [5] ............................................................................................................................... 388

COMO A NBR 5419/2015 ESTÁ ESTRUTURADA? ........................................................................................... 389


NBR 5419- Parte 1............................................................................................................................ 389
NBR 5419- Parte 2............................................................................................................................ 391
NBR 5419- Parte 3............................................................................................................................ 393
NBR 5419- Parte 4............................................................................................................................ 400

BIBLIOGRAFIA [6] ............................................................................................................................... 401

SPDA FRANKLIN .................................................................................................................................... 402


SPDA FRANKLIN: Exemplo ................................................................................................................ 404
SPDA Franklin: Mastro 6m ............................................................................................................... 405
Classe do SPDA................................................................................................................................. 406
Quantidade de descida .................................................................................................................... 406
CLASSE DO SPDA: O QUE É NECESSÁRIO? ...................................................................................................... 407
Classe do SPDA: o que é necessário? ........................................................................................................... 408
Aumentar os captores ................................................................................................................................. 408

BIBLIOGRAFIA [7] ............................................................................................................................... 408

9
SPDA GAIOLA DE FARADAY ........................................................................................................................ 409
SPDA FARADAY: Quantidade de descida.......................................................................................... 410
SPDA FRANKLIN: EXEMPLO ..................................................................................................................... 410
SPDA GAIOLA FARADAY: EXEMPLO ......................................................................................................... 411
SPDA FARADAY: Quantidade de descida.......................................................................................... 412
SPDA GAIOLA FARADAY: Terminais aéreos ...................................................................................... 413

BIBLIOGRAFIA [8] ............................................................................................................................... 413

COMPONENTES DO SPDA .......................................................................................................................... 414


Corrosão dos materiais do SPDA...................................................................................................... 414
Concreto ........................................................................................................................................... 414
Materiais para SPDA e condições de utilização ............................................................................... 415

BIBLIOGRAFIA [9] ............................................................................................................................... 415

SPDA – SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARAGS ATMOSFÉRICAS GERENCIAMENTO DE RISCO . 416

INTRODUÇÃO AO RISCO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS ..................................................................................... 417


TIPOS DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS ............................................................................................................ 418
DANOS E PERDAS PROVOCADOS PELA DESCARGA ............................................................................................. 418
PROCEDIMENTO PARA AVALIAR A NECESSIDADE DE PROTEÇÃO............................................................................ 419
Procedimento para avaliar a necessidade de proteção: componentes de risco .............................. 419
Procedimento para avaliar a necessidade de proteção: componentes de risco .............................. 420
COMPONENTES DE RISCO A SEREM CONSIDERADAS PARA CADA TIPO DE PERDA EM UMA ESTRUTURA.......................... 421
Fatores que influenciam os componentes de risco .......................................................................... 422
PROCEDIMENTO PARA AVALIAR A NECESSIDADE DE PROTEÇÃO: COMPOSIÇÃO DO RISCO .......................................... 422
Procedimento para avaliar a necessidade de proteção: Descargas e zonas ................................... 423

BIBLIOGRAFIA [1] ............................................................................................................................... 424

CÁLCULO DO RISCO.................................................................................................................................... 425


Cálculo de NDj .................................................................................................................................. 428
Cálculo de NM .................................................................................................................................. 429
Cálculo de NL ................................................................................................................................... 429
CÁLCULO DE NI ........................................................................................................................................ 429

BIBLIOGRAFIA [2] ............................................................................................................................... 430

AVALIAÇÃO DA PROBABILIDADE PX DE DANOS ................................................................................................. 431


Probabilidade (PB) de uma descarga atmosférica em uma estrutura causar danos ....................... 431
Probabilidade PM de uma descarga atmosférica perto da estrutura causar falha em sistemas
internos ............................................................................................................................................ 432
Probabilidade PU de uma descarga atmosférica em uma linha causar ferimentos a seres vivos por
choque elétrico ................................................................................................................................ 433
Probabilidade Pv de uma descarga atmosférica em uma linha causar danos físicos ...................... 434
Probabilidade PW de um descarga atmosférica em uma linha causar falha de sistemas internos. 434
Avaliação da probabilidade Px de danos ..................................................................................................... 435

BIBLIOGRAFIA [3] ............................................................................................................................... 436

QUANTIDADE MÉDIA RELATIVA DAS PERDAS LX................................................................................................ 437


QUANTIDADE MÉDIA RELATIVA DAS PERDAS LX: DEFINIÇÕES DOS PARÂMETROS ..................................................... 437
QUANTIDADE MÉDIA RELATIVA DAS PERDAS LX: TABELAS .................................................................................. 438
QUANTIDADE MÉDIA RELATIVA DAS PERDAS LX................................................................................................ 439
Perda inaceitável de serviço ao público L2 ...................................................................................... 439

10
QUANTIDADE MÉDIA RELATIVA DAS PERDAS LX................................................................................................ 440
Perda inaceitável de patrimônio (L3) ............................................................................................... 440
QUANTIDADE MÉDIA RELATIVA DAS PERDAS LX................................................................................................ 441
Perda econômica L4 ......................................................................................................................... 441
QUANTIDADE MÉDIA RELATIVA DAS PERDAS LX................................................................................................ 441

BIBLIOGRAFIA [4] ............................................................................................................................... 442

ESTUDO DE CASO: DETERMINAÇÃO DE RISCO EM APARTAMENTO RESIDENCIAL ....................................................... 443


Estudo de caso: determinação de risco em apartamento residencial e Identificação da edificação:
......................................................................................................................................................... 443
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Consulta a ser realizada nas tabelas ...................... 444
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Risco tolerável nesse caso ...................................... 444
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Determinação das perdas ...................................... 444
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Avaliação da probabilidade .................................... 447
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Análise do número de descargas anual .................. 450
Número de eventos perigosos ND para estrutura ........................................................................... 451
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Análise do número de descargas anual .................. 452
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Cálculo do Risco ...................................................... 453
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Considerando risco de incêndio e explosão ............ 454
ANÁLISE DE RISCO PARA BLOCO DE APARTAMENTOS: CONSIDERANDO RISCO DE INCÊNDIO/EXPLOSÃO: COM SPDA NÍVEL II
............................................................................................................................................................. 455

BIBLIOGRAFIA [5] ............................................................................................................................... 456

11
Instalações Elétricas

CONCEITOS DE GERAÇÃO,
DISTRIBUIÇÃO E POTÊNCIAS
ELÉTRICAS

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

12
Geração e Distribuição da Energia
 A eletricidade se manifesta de diversas formas através de um efeito magnético,
térmicos, luminosos e químicos, como por exemplo: o aquecimento de uma
resistência para esquentar a chapa de um ferro de passar (energia térmica) a luz
de uma lâmpada (energia luminosa) e a rotação de motor (energia mecânica).

 Com base nestes exemplos podemos afirmar que a eletricidade não é criada e
sim transformada e que a energia elétrica não pode ser destruída.

Geração e Distribuição da Energia


Usinas:
Hidrelétrica,
Termoelétrica,
Solar e Eólica. Redes em postes ou
subterrâneas.
Transformadores de Transformadores de
força. distribuição.

Torres e cabos.

Transformadores de
força.

69 KV
Linhas de S
G S Transmissão S S
230 KV
Geração
(usinas) S

13
 A energia elétrica utilizada em nossas casas, nas indústrias, etc., chega até nós
por meio de uma corrente alternada.

 Esta corrente é produzida nas grandes centrais elétricas por geradores. Estes
geradores nada mais são do que dispositivos que transformam uma forma
qualquer de energia em energia elétrica.

 Porque a energia é transmitida em alta tensão? O motivo preponderante desta


escolha está relacionado com as perdas de energia, por efeito Joule, que
ocorrem nos fios usados para transportar a corrente elétrica a longas distâncias.

 Para reduzir as perdas por aquecimento nos fios transportadores, a energia


elétrica deve ser transmitida com baixa corrente e alta tensão.

 O valor da alta tensão usada em cada caso, depende da potência a ser


transmitida e da distância entre a usina e o local de consumo. Assim, são usadas
tensões de 100 kV, 250 kV, 480 kV etc. e, atualmente, já são projetadas
transmissões com até 1.000 kV

 Uma rede de distribuição deve fazer a energia chegar até os consumidores de


forma mais eficiente possível.

 Quanto mais alta a tensão menor a bitola dos condutores para transmitir a
mesma potência. Assim, redes de distribuição em geral operam com, no mínimo,
duas tensões. As mais altas para os consumidores de maior porte, e as mais
baixas para os pequenos

 A geração e distribuição de energia elétrica para consumo público é sempre feita


em corrente alternada senoidal com uma frequência constante de 60 Hz (Brasil).

 Além disso, por razões de eficiência, a geração é sempre feita em forma trifásica.

14
 Significa que os condutores não serão dois, mas sim três, cujas tensões ou
correntes estão igualmente deslocadas entre si em relação ao tempo.

 Desde que um período completo equivale a 360°, o deslocamento ou diferença


de fases entre cada será de 360/3 = 120°.

 É comum designar os condutores pelas letras R, S, T. São genericamente


chamados fases.

Rede de distribuição de energia

Rede
primária
Por
Transformador

exemplo:
13,8KV
N
Rede
secundária
380/220V ou
220/127V

15
 Transformadores podem ter seus enrolamentos ligados em dois arranjos
distintos: triângulo e estrela.

 A tensão entre duas fases quaisquer de uma linha trifásica é a mesma, sendo
esta a sua referência de tensão (às vezes chamada tensão de linha ou tensão
entre fases).

 O primário tem seus enrolamentos ligados em triângulo e, assim, cada um recebe


a tensão de 13,8 kV (poderia ser também em estrela, mas foi colocado desta
forma para visualizar as diferenças).

 O condutor neutro é geralmente ligado a um aterramento, ficando, portanto


com um potencial nulo em relação à terra.

220  3127
 Este arranjo dá uma flexibilidade na ligação aos consumidores. Para a maioria
dos consumidores de pequeno porte basta os 127 V de uma fase e o neutro, o
que é chamado de ligação monofásica.

 Se o consumidor tem um número de cargas maior, pode ser interessante


fornecer duas fases e o neutro (ligação bifásica), para um melhor equilíbrio de
cargas na rede. Notar que o consumidor bifásico tem, além dos 127 V entre fases
e neutro, a tensão de 220 V entre fases. Assim, ele pode optar por usar esta
tensão para aparelhos de maior potência (chuveiro, por exemplo), a fim de
reduzir o custo da instalação (bitola menor do condutor).

BRASÍLIA
380  3220

16
Princípio básico de funcionamento do transformador

 Um transformador é um dispositivo que transforma uma corrente alternada


senoidal (Lei de Lenz-Faraday), com uma determinada tensão, numa corrente
eléctrica senoidal, com uma tensão eventualmente diferente, sendo esta
transformação realizada através da ação de um fluxo magnético

Transformadores de distribuição

17
Tensão Monofásica e o Valor RMS

18
Sistema Trifásico

Em corrente alternada: Monofásico, Bifásico e Trifásico

19
Tensões de alimentação de equipamentos no Brasil

Ligações típicas de cargas na rede secundária trifásica 380V

20
Ligações típicas de cargas na rede secundária trifásica 220V

21
Fornecimento de Energia

Monofásico: Feito a dois Bifásico: Feito a três


condutores: um fase e um condutores: duas fases e
neutro, com tensão de 110 V um neutro, com tensão de
(AC), 127 V (AC) ou 220 V (AC). 110 ou 127 Va entre fase e
neutro e de 220 Va entre
fase e fase.

Trifásico: Feito a quatro condutores: três


fases e um neutro, com tensão de 110 ou
127 Va entre fase e neutro e de 220 Va
entre fase e fase.

22
Fornecimento de energia
 Uma vez determinado o tipo de
fornecimento, pode-se determinar também o
padrão de entrada, que vem a ser, o poste com
isolador, a roldana, a bengala, a caixa de
medição e a haste de terra, que devem ser
instalados de acordo com as especiações
técnicas da concessionária para o tipo de
fornecimento com o padrão de entrada pronto
e definido, de acordo com as normas técnicas,
é dever da concessionária fazer uma inspeção.

 Se a instalação estiver correta, a


concessionária instala e liga o medidor e o
ramal de serviço.

23
Componentes tipos da entrada de Energia

Ramal de serviços

Circuito terminal

Quadro de distribuição

Circuito de distribuição
Haste de aterramento

Potências Elétricas em Corrente Alternada


Quando a Tensão está em fase com a Corrente, a carga é denominada de resistiva. O
circuito elétrico é resistivo.

24
 Quando a Corrente está adiantada em seu deslocamento da Tensão, a carga é
denominada de capacitiva. Esse adiantamento (defasagem) é de até 90°.

25
Potências Elétricas em Corrente Alternada:
Monofásico

Exemplo de potências Elétricas

26
Instalações Elétricas

CONCEITOS INICIAS

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

27
Cores dos condutores
 CORES DOS CONDUTORES: NEUTRO / TERRA / FASE Conforme a norma NBR
5410: 2008 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão, as cores azul-clara e verde /
amarelo ou simplesmente verde, são exclusivas para essas funções.

 O condutor com isolação na cor azul-claro, deve ser utilizado como condutor
neutro. O condutor com isolação verde / amarelo ou simplesmente verde, deve
ser utilizado como condutor de proteção, também conhecido como fio terra.

 O condutor utilizado como fase poderá ser de qualquer cor, exceto as cores
citadas acima indicadas acima. Conforme NBR 5410 temos:

Seção dos condutores Neutro e Terra

28
Seção dos condutores
 Os condutores possuem uma capacidade de condução de
corrente de acordo com sua secção transversal.

 A tabela abaixo apresenta a característica de cada


condutor a respeito da capacidade admissível de corrente.

 Isolantes elétricos são aqueles materiais que tem pouco


elétrons livres e que resistem ao fluxo dos mesmos.

 Alguns materiais desta categoria são: Plástico (resinas),


Silicone, Borracha, Vidro (cerâmicas), Óleo, Água pura deionizada.

 A resistência desses materiais ao fluxo de cargas é boa, e


por isso são usados para encapar fios elétricos de cobre, seja em
uma torre de alta tensão ou cabo de uma secadora.

29
Distribuição dos circuitos nos eletrodutos: deve ser bem planejada

Tipos De Cabos

30
Tipos de cabos: Exemplos

31
Seção dos condutores: Tabela de conversão

Ferramentas para o Eletricista


 Alicates: São instrumentos utilizados por vários profissionais da área tecnológica
como mecânicos de auto, encanadores, mecânica de motos refrigeração.

 Podem ser divididos em vários grupos dependendo da funcionalidade da


atividade empregada eles podem ser: do tipo universal, tipo corte, tipo bico, tipo
bico chato e do tipo desencapador.

32
Emenda em condutores
 O eletricista depara com um problema: o percurso da instalação em linha é maior
que o fio condutor disponível. Que fazer então?

 Você deverá executar uma ou mais emendas.

 As emendas, podem se transformar mais tarde fontes de mau contato,


produzindo aquecimento e, portanto, perigos de incêndio ou de falhas no
funcionamento da instalação, se forem mal executadas.

 A função de um eletricista é saber fazer, fiscalizar e identificar as possíveis falhas.

 Os tipos de emendas conhecidos são:

33
• Prolongamento;

• Derivação;

• Trançada.

 Prolongamento:

1. Desencape as pontas dos condutores, retirando com um canivete ou estilete a


cobertura isolante em PVC.

2. Execute sempre cortando em direção à ponta, como se estivesse apontando um


lápis, com o cuidado de não “ferir” o condutor.

3. O procedimento correto pode ser visualizado na Figura 1(a).

Obs.: o comprimento de cada ponta deve ser suficiente para aproximadamente umas
05 (seis) voltas em torno da ponta do outro condutor.

Obs.: o comprimento de cada ponta deve ser suficiente para aproximadamente umas
05 (seis) voltas em torno da ponta do outro condutor.

 Derivação: Primeiro desencape a parte isolante com um canivete ou com um


alicate tendo o cuidado de não ferir o condutor, em seguida uma as partes
desencapadas e dobre-as entre si com o alicate universal apoiado por um alicate
de bico.

 Emenda trançada

34
Cálculo da Seção dos condutores pela que de tensão e capacidade de
condução

35
Exemplo de escolha de condutores

Simbologia elétrica básica dos condutores


 Fase: Este condutor é responsável pela condução de elétrons em sua periferia e
tem a utilidade de alimentar os consumidores elétricos por exemplo: lâmpadas,
motores, maquinas e eletrodomésticos em geral.

 Retorno. Tem a mesma função do condutor fase com diferença de ser


interrompido por um interruptor ou um disjuntor e só conduz se o dispositivo
estiver em sua posição fechada ao contrário não conduz.

 Neutro Condutor que possui ima carga neutra ou nula e tem a utilidade de
referencial no circuito com a ausência deste condutor a carga não tem funciona.

36
 O condutor de terra é posto no circuito para proteger contra fuga de corrente
provocada por uma possível falha na isolação dos consumidores ou mesmo na
instalação elétrica. Este mesmo condutor é utilizado para aterrar o neutro na
entrada com o medidor de energia.

Simbologia elétrica básica do disjuntor

37
38
Instalações Elétricas

COMPENSAÇÃO DA ENERGIA
REATIVA FATOR DE POTÊNCIA
CARGAS LINEARES E NÃO-
LINEARES

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

39
Introdução

Triângulo de potências

S (VA)
Q (VAr)
𝚽�
P (W)

40
Carga puramente indutiva e capacitiva

41
Cargas lineares
 Carga linear: uma carga é linear quando a corrente do circuito que alimenta não
possui outras componentes (harmônicas) de frequências além de 60 Hz.

 Nesse caso, pode-se considerar a potência aparente como o resultado da


composição de um modelo vetorial das potências ativa e reativa.

Cargas não-lineares
 Carga não-linear: uma carga é não-linear quando a corrente do circuito que
alimenta possui outras componentes (harmônicas) de frequências além de 60
Hz.

 Nesse caso, a corrente eficaz do circuito torna-se diferente da corrente de 60Hz


e consequentemente a potência aparente também será diferente.

42
Bibliografia
 Cotrim, Ademaro A.M.B, Instalações Elétricas, Pearson, 2009.

43
Instalações Elétricas

COMPENSAÇÃO DA ENERGIA
REATIVA
FATOR DE POTÊNCIA

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

44
Aula 02: Exemplo Prático De Correção De Fator De Potência Em Cargas
Lineares E Não-Lineares
Compensação de energia reativa em carga linear

Modelo para carga linear

S
(VA) Q (VAr)
𝚽�
P (W)

45
Dimensionamento

S1 (KVA)

Q1
(VAr)
𝚽�1
P(KW)=200KW

Cos(𝚽�1)=0,8

S2 (KVA)
Q2
(VAr)
𝚽�
1 P (KW)=200KW

Cos�(𝚽�1)=0,95

46
Q1=150KVA
r
S1= (250KVA)

S2=210,5KVA) Q2=65,74KVA
𝚽� r
𝚽�
1 P (KW)=200KW
2

A injeção de 84,3KVAr capacitivo reduzirá a potência


aparente de 250KVA para 210,5KVA com
consequente redução da corrente elétrica. E
melhoria do fator de potência.

Compensação de energia reativa em carga não-linear

47
Modelo utilizado

Dimensionamento

48
49
Localização dos bancos de capacitores

50
Capacitores ligados a motores

Bibliografia
 Cotrim, Ademaro A.M.B, Instalações Elétricas, Pearson, 2009.

51
Instalações Elétricas

DIMENSIONAMENTO DE CARGAS:
CÁLCULO DAS POTÊNCIAS EM
UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

52
Quais as potências em uma instalação elétrica?
 Potência ativa: é aquela que efetivamente realiza trabalho é medida em watts
(W) ou quilowatts (KW). É representada por P.

 Potência reativa: não realiza trabalho e fica armazena em forma de campo


magnético e é devolvida para rede elétrica a cada ciclo. Cargas: motores
elétricos, reatores de lâmpadas, ar-condicionado etc. É representada por Q e
medida em Var ou KVAr.

 Potência aparente: é a soma da potência ativa e potência reativa. É uma


grandeza complexa, cuja parte imaginária é a reativa (podendo ser indutiva ou
capacitiva). É media em VA ou KVA.

 Consultem as aulas: A-111 Impedância indutiva e capacitiva; A-112 Fasores e


números complexos, A-114 – Circuitos elétricos trifásicos e A-06 – Fator de
potência.

Exemplo prático de dimensionamento das potências:


 Uma carga trifásica ligada em estrela é constituída por impedâncias iguais a 4 +
j3 (𝛀) /fase. Sendo que a tensão de linha igual a 208V, determine:

a) Potencia ativa por fase e total;

b) Potência reativa por fase e total;

c) Potência aparente e total por fase;

53
Exemplo prático de dimensionamento das potências continuação:

1. Como o circuito é equilibrado as correntes nas fases são iguais! Circuito


equilibrado as impedâncias são iguais!

2. O ângulo da impedância da carga é 𝛗 =36,90° e o fator de potência


Cos𝛗=0,80.

54
Exemplo prático de dimensionamento das potências continuação:

3. O ângulo da impedância da carga é 𝛗 =36,90° e o fator de potência


Sen𝛗=0,60.

55
Exemplo prático de dimensionamento das potências:

Bibliografia:
 Ademaro Cotrim, Instalações Elétricas, 5ªEd. Pearson

56
Instalações elétricas

A-134 Princípios FUNDAMENTAIS

NBR 5410 – Instalações Elétricas


de Baixa tensão

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

57
Objetivo da NBR 5410:
 Ela estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de
baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o
funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens.

• Proteção para choques elétricos.

• Aterramento;

• Dimensionamento correto para disjuntores e condutores;

• Ensaios em instalações elétricas.

Definições: item 3 NBR 5410:2004


 Componente de uma instalação elétrica: Termo usado para designar itens da
instalação que, dependendo do contexto, podem ser:

 Materiais;

 Acessórios;

 Dispositivos;

 Instrumentos;

 Equipamentos (de geração, conversão, transformação, transmissão,


armazenamento, distribuição ou utilização de eletricidade);

 Máquinas;

 Partes da instalação (por exemplo, linhas elétricas);

58
 Quadro de distribuição principal: Primeiro quadro de distribuição após a entrada
da linha elétrica na edificação. Naturalmente, o termo se aplica a todo quadro
de distribuição que seja o único de uma edificação.

59
 Elemento condutivo ou parte condutiva: Elemento ou parte constituída de
material condutor, pertencente ou não à instalação, mas que não é destinada
normalmente a conduzir corrente elétrica.

 Proteção básica: Meio destinado a impedir contato com partes vivas perigosas
em condições normais.

 Proteção supletiva: Meio destinado a suprir a proteção contra choques elétricos


quando massas ou partes condutivas acessíveis tornam-se acidentalmente vivas.

 Dispositivo de proteção a corrente diferencial-residual (formas abreviadas:


dispositivo a corrente diferencial-residual, dispositivo diferencial, dispositivo
DR): Dispositivo de seccionamento mecânico ou associação de dispositivos
destinada a provocar a abertura de contatos quando a corrente diferencial
residual atinge um valor dado em condições especificadas.

 SELV (do inglês “separated extra-low voltage”): Sistema de extra baixa tensão
que é eletricamente separado da terra, de outros sistemas e de tal modo que a
ocorrência de uma única falta não resulta em risco de choque elétrico.

 PELV (do inglês “protected extra-low voltage”): Sistema de extra baixa tensão
que não é eletricamente separado da terra, mas que preenche, de modo
equivalente, todos os requisitos de um SELV.

 Equipotencialização: Procedimento que consiste na interligação de elementos


especificados, visando obter a equipotencialidade necessária para os fins
desejados. Por extensão, a própria rede de elementos interligados resultante.

 A equipotencialização é um recurso usado na proteção contra choques elétricos


e na proteção contra sobretensões e perturbações eletromagnéticas. Uma
determinada equipotencialização pode ser satisfatória para a proteção contra
choques elétricos, mas insuficiente sob o ponto de vista da proteção contra
perturbações eletromagnéticas.

60
 Barramento de equipotencialização principal (BEP): Barramento destinado a
servir de via de interligação de todos os elementos incluíeis na
equipotencialização principal (ver 6.4.2.1).

 Barramento de equipotencialização suplementar ou barramento de


equipotencialização local (BEL): Barramento destinado a servir de via de
interligação de todos os elementos incluíveis numa equipotencialização
suplementar ou equipotencialização local.

Princípios fundamentais da NBR 5410:2004


Prevenção
Proteção
Independência de efeitos Verificação
contra
da instalação elétrica danosos da instalação
choques elétricos
ou indesejados

Proteção Acessibilidade
contra dos componentes
efeitos térmicos

Segurança das pessoas e animais


e funcionamento adequado
da instalação elétrica e conservação dos bens!
Proteção Qualificação
contra profissional
sobrecorrentes

Proteção contra Seccionamento Desligamento


sobretensões de emergência

Proteção contra choques elétricos


 As pessoas e os animais devem ser protegidos contra choques elétricos, seja o
risco associado a contato acidental com parte viva perigosa, seja a falhas que
possam colocar uma massa acidentalmente sob tensão.

61
 Contato direto: o DR pode ajudar muito!!!!

 Contato indireto: Sistema de aterramento conforme NBR


5410:2004!!!

Proteção contra efeitos térmicos:


 A instalação elétrica deve ser concebida e construída de maneira a excluir
qualquer risco de incêndio de materiais inflamáveis, devido a temperaturas
elevadas ou arcos elétricos.

 Além disso, em serviço normal, não deve haver riscos de queimaduras para as
pessoas e os animais.

Proteção contra sobrecorrentes:


 As pessoas, os animais e os bens devem ser protegidos contra os efeitos
negativos de temperaturas ou solicitações eletromecânicas excessivas
resultantes de sobrecorrentes a que os condutores vivos possam ser submetidos.

Os condutores vivos devem ser


protegidos, por um ou mais dispositivos de
seccionamento automático contra
sobrecargas e contra curtos-circuitos.

62
Proteção contra sobretensões:
 As pessoas, os animais e os bens devem ser protegidos contra as consequências
prejudiciais de ocorrências que possam resultar em sobretensões, como faltas
entre partes vivas de circuitos sob diferentes tensões, fenômenos atmosféricos
e manobras.

Seccionamento:
 A alimentação da instalação elétrica, de seus circuitos e de seus equipamentos
deve poder ser seccionada para fins de manutenção, verificação, localização de
defeitos e reparos.

63
Desligamento de emergência:
 Sempre que forem previstas situações de perigo em que se faça necessário
desenergizar um circuito, devem ser providos dispositivos de desligamento de
emergência, facilmente identificáveis e rapidamente manobráveis.

Prevenção de efeitos danosos ou indesejados:


 Na seleção dos componentes, devem ser levados em consideração os efeitos
danosos ou indesejados que o componente possa apresentar, em serviço normal
(incluindo operações de manobra), sobre outros componentes ou na rede de
alimentação.

 Entre as características e fenômenos suscetíveis de gerar perturbações ou


comprometer o desempenho satisfatório da instalação podem ser citados:

1. O fator de potência;

2. As correntes iniciais ou de energização;

3. O desequilíbrio de fases;

4. As harmônicas.

64
Independência da instalação elétrica:
 A instalação elétrica deve ser concebida e construída livre de qualquer influência
mútua prejudicial entre instalações elétricas e não elétricas.

Acessibilidade dos componentes:


 Os componentes da instalação elétrica devem ser dispostos de modo a permitir
espaço suficiente tanto para a instalação inicial quanto para a substituição
posterior de partes, bem como acessibilidade para fins de operação, verificação,
manutenção e reparos.

Verificação da instalação:
 As instalações elétricas devem ser inspecionadas e ensaiadas antes de sua
entrada em funcionamento, bem como após cada reforma, com vista a assegurar
que elas foram executadas de acordo com esta Norma.

65
Qualificação profissional:
 O projeto, a execução, a verificação e a manutenção das instalações elétricas
devem ser confiados somente a pessoas qualificadas a conceber e executar os
trabalhos em conformidade com esta Norma.

Bibliografia
ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5410 – Instalações Elétricas de
Baixa Tensão, 2004.

66
Instalações Elétricas

INSPEÇÕES E ENSAIO EM
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
CONFORME ESTABELECE A NBR
5410/2004

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

67
Prescrições gerais
 Qualquer instalação ou reforma (extensão ou alteração) de instalação existente
deve ser inspecionada visualmente e ensaiada, durante e/ou quando concluída
a instalação, antes de ser posta em serviço pelo usuário, de forma a se verificar
a conformidade com as prescrições da NBR-5410.

 Deve ser fornecida a documentação da instalação (conforme subitem 6.1.8 —


NBR-5410) às pessoas encarregadas de verificação, na condição de
documentação “como construído”.

 Durante a realização da inspeção e dos ensaios devem ser tomadas precauções


que garantam a segurança das pessoas e evitem danos a propriedades e aos
equipamentos instalados.

 Quando a instalação a verificar constituir reforma de uma instalação existente,


deve ser investigado se esta não anula as medidas de segurança da instalação
existente.

Inspeção visual
 A inspeção visual deve preceder os ensaios e deve ser realizada com a instalação
dez energizada.

 A inspeção visual deve ser realizada para confirmar se os componentes elétricos


permanentes conectados estão:

a) em conformidade com as normas aplicáveis;

NOTA: Isso pode ser verificado por marca de conformidade, certificação ou termo de
responsabilidade emitido pelo fornecedor.

b) corretamente selecionados e instalados de acordo;

c) não visivelmente danificados, de modo a restringir o funcionamento adequado à sua


segurança. A inspeção visual deve incluir no mínimo a verificação dos seguintes pontos:

- Medidas de proteção contra choques

- Medidas de proteção contra efeitos térmicos;

- Seleção de linhas elétricas;

- Escolha, ajuste e localização dos dispositivos de proteção.

68
Ensaios nas instalações elétricas
 Os seguintes ensaios devem ser realizados onde forem aplicáveis e,
preferivelmente, na sequencia apresentada:

– Continuidade dos condutores de proteção e das ligações equipotenciais principal e


suplementares;

– Resistência de isolamentos da instalação elétrica;

– Seccionamento automático da alimentação;

– Ensaio de tensão aplicada;

– Ensaios de funcionamento.

Continuidade dos Condutores e Ligações Equipotenciais

 A continuidade dos condutores de proteção deve ser feita por meio de ensaio
sob tensão com fonte apresentando tensão em vazio entre 4 V e 24 V, em CC ou
CA, e com uma corrente de ensaio de, no mínimo, 0,2 A.

Continuidade dos condutores de protecção

Método A

1º Execute uma ligação temporária (shunt) entre o barramento de fase e o


barramento de terra no quadro de entrada da instalação.

69
2º Usando um aparelho de teste em escala óhmica reduzida verifique a resistência
entre fase e PE em cada circuito a testar.

3º Um baixo valor lido indica a desejada continuidade.

4º Desligue a ligação temporária executada inicialmente.

Método B

1º Um terminal do aparelho de medida (em escala óhmica reduzida) deve estar


ligado através de uma longa ligação auxiliar ao barramento de terra da instalação.

2º O outro terminal de contacto do aparelho de medida estará ligado às partes da


instalação em que se deseja verificar os valores de continuidade.

70
Resistência de isolamento
 A resistência de isolamento deve ser medida:

– Entre os condutores vivos, tomados dois a dois;

– Entre cada condutor vivo e terra. Nessa medição os condutores de fase e o condutor
neutro podem ser interligados.

O isolamento é considerado satisfatório se cada circuito, sem os aparelhos de utilização,


apresentar uma resistência de isolamento igual ou superior à estabelecida na Tabela
abaixo.

 O equipamento de ensaio deve ser capaz de fornecer a tensão de ensaio


especificada com uma corrente mínima de 1 mA.

 Os ensaios podem ser efetuados com os aparelhos de utilização ligados à


instalação, mas suas chaves desligadas. Cuidados especiais devem ser tomados
quando o circuito incluir dispositivos eletrônicos e com as bobinas dos
contactores que, se ligadas, estabelecem interligação entre os condutores-fase.

Monômetro portátil: resistência de isolamento

71
Ensaios Funcionais
 Devem ser feitos ensaios funcionais nos conjuntos como: quadros elétricos,
controles, intertravamento e nos dispositivos de proteção a fim de verificar se
estão corretamente instalados e calibrados.

Manutenção preventiva
 Toda a instalação deve ser periodicamente verificada por pessoas credenciadas
ou qualificadas, com uma frequência que varia de acordo com a importância da
instalação.

 Devem ser observados, em especial, os seguintes pontos:

- medidas de proteção contra contato com as partes vivas;

- Estado dos condutores e suas ligações;

- Estado dos cabos flexíveis dos aparelhos móveis e sua proteção;

- Estado dos dispositivos de proteção e manobra;

- Ajuste dos dispositivos de proteção e a correta utilização dos fusíveis;

- Valor da resistência de terra etc.

 Toda a instalação (ou parte) que pareça perigosa deve ser desenergizada e só́
recolocada em serviço após reparação satisfatória.

Manutenção preventiva instrumentos

72
Manutenção corretiva
 Toda falha ou anomalia no equipamento elétrico ou em seu funcionamento deve
ser avisada à pessoa competente para fim de reparação.

 Quando os dispositivos de proteção contra sob recorrentes ou contra choques


elétricos atuarem sem causa conhecida, deve ser feita uma verificação imediata
para se conhecer a causa e os meios de corrigi-la.

Medição da Impedância do Percurso do Caminho de Falta (Anexo K da NBR-5410/2004)

 Deve ser efetuada pelo método do voltímetro e amperímetro à mesma


frequência. Também pode ser efetuada pelo cálculo quando o condutor de
proteção for inacessível.

Bibliografia
ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5410 – Instalações Elétricas de
Baixa Tensão, 2004.

73
Instalações Elétricas

COMO VERIFICAR SE SUA


INSTALAÇÃO ELÉTRICA É SEGURA
NBR 5410:2004

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

74
Introdução:
 Utilizamos a energia elétrica todos os dias, para quase tudo, ela está presente no
nosso dia a dia.

 Tenha cuidado com a energia elétrica e para isso uma instalação elétrica deve
apresentar segurança para as pessoas e animais.

 A NBR 5410:2004 estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações


elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o
funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens.

 Corrente elétrica corresponde ao fluxo ordenado de partículas, ou seja, ao


deslocamento de cargas elétricas (elétrons), no interior de um condutor, como
resultado de uma diferença de potencial elétrico entre as suas extremidades.

 Choque elétrico é o resultado da passagem de corrente elétrica através do corpo,


que passa a ser o seu condutor.

 A corrente elétrica, ao atravessar o corpo humano, pode provocar apenas um


formigueiro, queimaduras ou, em situações mais graves, a morte, dependendo
da sua intensidade e da zona do corpo percorrida.

Contato direto Contato indireto

75
Sistema de aterramento:
 A proteção contra o choque elétrico é feita interrompendo ou desviando a
corrente (originada por um defeito) do corpo humano.

 Sendo o cobre um milhão de vezes melhor condutor que o corpo humano, fica
evidente que, se existirem dois caminhos para a corrente elétrica, esta vai fluir
pelo condutor de cobre, minimizando o efeito do choque elétrico na pessoa a ele
sujeita.

 É necessário e obrigatório (desde 2006) um sistema de aterramento!

 Necessário instalar um sistema de aterramento para que a corrente possa ser


direcionada/dissipada na terra.

Proteção contra choques elétricos:


 As pessoas e os animais devem ser protegidos contra choques elétricos, seja o
risco associado a contato acidental com parte viva perigosa, seja a falhas que
possam colocar uma massa acidentalmente sob tensão.

Contato direto: o DR pode ajudar muito!!!!

Contato indireto: Sistema de aterramento conforme NBR 5410:2004!!!

76
Quadro elétrico:

O quadro elétrico está equipado com diversos disjuntores, que protegem cada
um dos circuitos.

Em locais úmidos o risco de sofrer um choque elétrico aumenta, porque a água


é boa condutora de eletricidade. Instalar DR nesses locais ou geral.

É nesse quadro elétrico que estão instalados todos os aparelhos de proteção,


nomeadamente, o aparelho diferencial e os disjuntores afetos a cada circuito.

Quadro elétrico: proteção contra surtos de tensão:

Proteção contra sobretensões:


 As pessoas, os animais e os bens devem ser protegidos contra as consequências
prejudiciais de ocorrências que possam resultar em sobretensões, como faltas
entre partes vivas de circuitos sob diferentes tensões, fenômenos atmosféricos
e manobras.

77
Quadro elétrico:

Disju Disju D1 D2 D3
ntor ntor
Geral
(DTM DPS
DR
)

Barrame
nto

Barramento Barramento
de neutro de terra

78
Quadro elétrico, Instalações segura:

Disjuntor DPS
Geral

Diferencial
Barramento Residual:
de neutro DR

Barramento de
terra

Garanta a segurança elétrica:

DR Tomada padrão
novo

Barrament
o

Terminais nos
cabos

Bibliografia:
ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5410 – Instalações
Elétricas de Baixa Tensão, 2004.

79
Instalações Elétricas

SÉRIE DE AULAS BÁSICAS SOBRE


INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

CAUSAS DA PERDA DO NEUTRO


EM UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

80
Introdução
 O termo "neutro" designa o condutor que está ao mesmo potencial elétrico que
o da terra, ou seja, não há diferença de potencial elétrico entre ele a terra.

 O termo "fase" designa o condutor em que o potencial elétrico em relação à terra


é variável, ou seja, entre o "fase" e a terra encontramos uma diferença de
potencial elétrico variável no tempo.

Onde surge o neutro?

81
Tensão fase-neutro

Perda do neutro: situação problema

Carga Z1: P=6500W


Carga Z2: P=1500W

82
Perda do neutro: interrupção do neutro

Carga Z1: P=6500W


Carga Z2: P=1500W

Carga Z1: P=6500W


Carga Z2: P=1500W

A tensão divide entre as cargas e podemos calcular:

Poderá provocar a queima


de aparelhos ligados entre
uma das fases e o neutro!

83
Neutro como terra: Não deve ser utilizado!
Neutro interrompido

Neutro como terra


do chuveiro!

Perda do neutro
 Não se esqueçam: o neutro é aterrado pela concessionária já antes da entrada
da residência ou do edifício, nos postes, e depois, novamente, na entrada destes
estabelecimentos.

 Isto tudo, para se evitar, de forma eficaz, uma possível perda de neutro, mas
pode ocorrer.

 Resumindo, o neutro não deverá ser interrompido sob hipótese alguma,


justamente por causa do risco que uma interrupção destas poderá trazer
consigo.

Bibliografia
1. Cotrim, Ademaro A.M.B, Instalações Elétricas, Pearson, 2009.

84
Instalações Elétricas

CARACTERÍSTICAS DOS
CONDUTORES ELÉTRICOS

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

85
Condutor elétrico
 Chama-se condutor elétrico o produto metálico, geralmente de forma cilíndrica
e de comprimento muito maior que a sua maior dimensão transversal, utilizado
para transportar energia elétrica ou para transmitir sinais elétricos.

 O termo condutor elétrico, na prática, é usado em um sentido mais amplo: além


do condutor propriamente dito anteriormente, os condutores isolados, os cabos
uni e multipolares, os fios e os cabos nus, as barras e os barramentos blindados.

 Chama-se barramento o conjunto de barras de mesma tensão nominal, com seus


suporte e acessórios.

Condutor elétrico: barramento blindado


 O barramento blindado é uma linha pré-fabricada cujos condutores são barras,
acondicionadas em caixas metálicas, por meio de isoladores. (Bus Way)

Barramento blindado e caixa de derivação (caixa cofre)

86
Condutor elétrico
 Exemplos de condutores:

Condutores isolados

 Exemplos de condutores:

87
Condutor elétrico

 Cobre e alumínio são os dois metais mais utilizados na fabricação de condutores


elétricos tendo em vista suas propriedades elétricas e mecânicas.

 Ao longo dos anos, o cobre tem sido o mais usado, sobretudo em condutores
providos de isolação.

88
Condutor elétrico: Efeito pelicular
 O efeito pelicular é o fenômeno pelo qual o valor da densidade de uma corrente
alternada é maior perto da superfície externa de um condutor do que no seu
interior.

 O efeito pelicular é responsável pelo aumento da resistência aparente de um


condutor eléctrico em função do aumento da frequência da corrente eléctrica
que o percorre.

 É caracterizado por uma distribuição não uniforme da densidade de corrente


em um condutor, causada pela influência da corrente em condutores próximos.

Condutor elétrico: Isolações


 Chama-se gradiente de potencial, dado normalmente em KV/m, a relação entre
a tensão aplicado a uma camada elementar de dielétrico e a espessura dessa
camada.

 O gradiente não é uniforme em toda espessura do dielétrico.

 O gradiente de perfuração do dielétrico, ou rigidez dielétrica, é um dos


parâmetros mais importantes na escolha do material isolante.

89
 Tensão de isolação do cabo.

Isolação dos cabos: Cloreto de Polivinila


 É uma mistura de cloreto de polivinila puro (resina sintética), plastificante, cargas
e estabilizantes.

 Sua rigidez dielétrica é elevada, porém, comparado com o polietileno, seu poder
indutor específico e lato e sua resistência de isolamento é mais fraca.

 Suas perdas dielétricas são elevadas, principalmente acima de 20KV, limitando o


seu emprego sistemas até 10KV.

 Transmite mau o fogo, porém sua combustão (em grande quantidade) provoca
produção de fumaça, gases corrosivos e tóxicos.

Isolação dos cabos: Borracha etileno-propileno (EPR)


 Seus componentes são, em geral, reticulados por meio de peróxidos orgânicos.

 Melhor resistência ao envelhecimento térmico e aos agentes oxidantes.

 Possui uma resistência a deformação térmica que permite temperaturas de


250°C, durante os curtos circuitos.

 A borracha EPR é considerada um ótimo isolante sólido. São utilizados em baixa,


média e alta tensão.

Isolação dos cabos: Polietileno reticulado (XPLE)


 O material apresenta uma resistência a deformação térmica bastante satisfatória
em temperaturas de até 250°C.

 O XPLE é utilizado em cabos de baixa e média tensões.

90
 Possui uma resistência a deformação térmica que permite temperaturas de
250°C, durante os curtos circuitos.

 A borracha EPR é considerada um ótimo isolante sólido. São utilizados em baixa,


média e alta tensão.

Isolação dos cabos: características dos cabos

Métodos de referência e a condução de corrente


 Os métodos de referência são os métodos de instalação, indicados na IEC 60364-
5-52, para os quais a capacidade de condução de corrente foi determinada por
ensaio ou por cálculo.

 A1: condutores isolados em eletroduto de seção circular embutido em parede


termicamente isolante;

 A2: cabo multipolar em eletroduto de seção circular embutido em parede


termicamente isolante;

 B1: condutores isolados em eletroduto de seção circular sobre parede de


madeira;

 B2: cabo multipolar em eletroduto de seção circular sobre parede de madeira.

91
 C: cabos unipolares ou cabo multipolar sobre parede de madeira;

 D: cabo multipolar em eletroduto enterrado no solo;

 E: cabo multipolar ao ar livre;

 F: cabos unipolares justapostos (na horizontal, na vertical ou em trifólio) ao ar


livre;

 G: cabos unipolares espaçados ao ar livre.

Tabelas da ABNT NBR 5410/2008

92
93
Dimensionamento da capacidade de condução

 O número de condutores carregados a considerar é o de condutores vivos no


circuito, isto é, fases e neutro.

 Em particular, no caso de circuito trifásico com neutro, quando a circulação de


corrente no neutro não for acompanhada de redução correspondente na carga
dos condutores, o neutro deve ser computado. (Existência de componentes
harmônicas de ordem três e múltiplas.

 Nesse caso a tabela apresenta apenas carregamento com três, você deve
multiplicar por 0,86.

94
95
Bibliografia
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5410 – Instalações
Elétricas de Baixa, 2004 Versão Corrigida 17.03.2008.

2. Ademaro A.M.B Cotrim, Instalações Elétricas, Pearson Hall, Ed. 2009.

96
Instalações Elétricas

DIMENSIONAMENTO DOS CABOS


ELÉTRICOS EM FUNÇÃO DOS
MÉTODOS DE REFERÊNCIA
CONFORME ESTABELECE A NBR
5410:2004

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

97
Métodos de referência para instalação dos cabos
 Os métodos de referência são os métodos de instalação, indicados na IEC 60364-
5-52, para os quais a capacidade de condução de corrente foi determinada por
ensaio ou por cálculo. São eles:

 A1: condutores isolados em eletroduto de seção circular embutido em parede


termicamente isolante;

 A2: cabo multipolar em eletroduto de seção circular embutido em parede


termicamente isolante;

 B1: condutores isolados em eletroduto de seção circular sobre parede de


madeira;

 B2: cabo multipolar em eletroduto de seção circular sobre parede de madeira;

 C: cabos unipolares ou cabo multipolar sobre parede de madeira;

 D: cabo multipolar ou unipolar em eletroduto enterrado no solo;

 E: cabo multipolar ao ar livre;

 F: cabos unipolares justapostos (na horizontal, na vertical ou em trifólio) ao ar


livre;

 G: cabos unipolares espaçados ao ar livre

Cabos em relação ao isolamento

Tabela de cabos NBR 5410:2004

98
99
Condutores carregados

 Em particular, no caso de circuito trifásico com neutro, quando a circulação de


corrente no neutro não for acompanhada de redução correspondente na carga
dos condutores de fase, o neutro deve ser computado como condutor carregado.

 É o que acontece quando a corrente nos condutores de fase contém


componentes harmônicas de ordem três e múltiplos numa taxa superior a 15%.

Fatores de correção

 Quantidade
de circuitos
no conduto!
 Fator de
correção de
número de
circuitos!

100
Exercício 1: Dimensionamento de Cabos
 Uma edificação residencial possui uma demanda máxima projetada de 235KVA.
A tubulação do ramal de entrada utiliza cabo EPR e a tubulação é enterrada, com
uso de cabos unipolares. Por essa tubulação passa um único circuito trifásico a 4
condutores. Sendo o sistema trifásico 380V, especificar a seção dos condutores,
sabendo que o nível de harmônicas estará abaixo de 15%. Considerar a
temperatura ambiente de 35°C. Queda de tensão máxima admitida 4% e o cabo
tem 70 metros.

O carregamento a ser considerado é 3,


pois o nível de harmônica está abaixo de 15%.
Método de instalação D.

101
Pelo método de
capacidade de condução
de corrente, podemos
sutilizar uma cabo de
300mm2 por fase, ou dois
condutores de 150mm2
por fase.

Devemos utilizar o método que atender os dois casos:

Pelo método de capacidade de condução de corrente, podemos utilizar um cabo de


300mm2 por fase, ou dois condutores de 150mm2 por fase.

102
Exercício 2: Dimensionamento de Cabos
 Um circuito monofásico de TUE (tomada de uso específico) 220V atende uma
carga de 6500VA e esse circuito está distante 89metros do quadro. O eletroduto
é embutido na parede (método A1) e temperatura ambiente 35°C. O cabo
utilizado é de PVC e nesse eletroduto temos 3 circuitos passando no total. Queda
de tensão 4%.

Pelo método de
capacidade de condução
de corrente, podemos
utilizar uma cabo de
10mm2, porém devemos
avaliar também pela
queda de tensão.

Nesse contexto, o cabo a ser utilizado deve ser de 16mm2 e não 10mm2.

103
Bibliografia
 Instalações elétricas de Baixa Tensão – NBR 540:2005

 Instalações elétricas industriais, João Mamede Filho- 8.ed – Rio de Janeiro:


LTC,2010.

104
Instalações Elétricas

PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL


E COMERCIAL: COMO CALCULAR
CORRETAMENTE A CORRENTE
ELÉTRICA EM FUNÇÃO DOS
DIVERSOS FATORES DE
CORREÇÃO

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

105
Fatores de que influenciam no cálculo da corrente
 Fator de correção de temperatura: a temperatura influência no cálculo das
correntes dos circuitos elétricos e dependendo da temperatura a ser utilizada
pode aumentar a corrente de projeto.

106

107
Motor de 2CV e monofásico 220V. A temperatura ambiente é de 35°C e temos 4 circuitos
no eletroduto. O motor possui fator de potência 0,88. Qual a corrente de projeto?
Temos 4 circuitos no eletroduto!

Bibliografia
 Cotrim, Ademaro A.M.B, Instalações Elétricas, Pearson, 2009.
 NBR 5410/2004.

108
Instalações Elétricas

DIMENSIONAMENTO DE
CONDUTORES ELÉTRICOS NA
PRESENÇA DE HARMÔNICAS

CONFORME NBR 5410

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

109
Dimensionamento de condutores na presença de harmônicas
 Em relação ao método tradicional de se determinar a seção dos condutores, o
que muda é a inserção das harmônicas no cálculo da corrente.

 Nada de errado com os critérios básicos de queda de tensão, capacidade de


condução, sobrecarga e curto-circuito.

 A corrente será equacionada incluindo as harmônicas!

 Determina-se a corrente de projeto em função das harmônicas!

Dimensionamento de condutores na presença de harmônicas: NBR 5410


Anexo F

110
Dimensionamento de condutores na presença de harmônicas: NBR 5410
Anexo F (Tabela 1)

Cálculo da corrente de projeto na presença de harmônicas: NBR 5410 Anexo F

 Quando o circuito for constituído de condutores isolados ou de cabos unipolares,


a determinação da corrente de neutro conforme tabela 1 pode significar, em
muitos casos, uma seção de neutro maior que a das fases.

111
 As seções do neutro e das fases ocasionalmente serão iguais quando, na
determinação da capacidade de condução de corrente, a menor seção de
condutor que atende a corrente de fase atender também a corrente de neutro;
ou, ainda, quando se quiser, por algum motivo, igualar a seção dos condutores
de fase à do neutro, que é a prevalecente.

 Neste último caso (sobredimensionamento dos condutores de fase), a aplicação


do fator de correção devido ao carregamento do neutro, num circuito trifásico
com neutro, torna-se dispensável quando o cálculo tiver sido feito considerando
uma taxa de terceira harmônica superior a 45%.

Tabela de carregamento dos condutores: NBR 5410


Esquema de condutores vivos Número de condutores carregados a ser
adotado

Monofásico a dois condutores 2

Monofásico a três condutores 2

Duas fases sem neutro 2

Duas fases com neutro 3

Trifásico sem neutro 3

Trifásico com neutro 3 ou 4

Circuito trifásico com neutro


 Quando a corrente nos condutores de fase contém componentes harmônicas de
ordem três e múltiplos numa taxa superior a 15%.

 Nessas condições, o circuito trifásico com neutro deve ser considerado como
constituído de quatro condutores carregados e a determinação da capacidade
de condução de corrente dos condutores deve ser afetada do “fator de correção
devido ao carregamento do neutro”.

Exemplo de dimensionamento para circuito alimentador bifásico considerando


harmônicas

112
Um circuito bifásico 2F +N que alimenta um quadro de distribuição, conforme
figura 1. As correntes presentes nesse circuito são: 1ª ordem, 3ª ordem ,5ª ordem e 7ª
ordem, com intensidades (valores eficazes) de respectivamente, 110,57,25 e 17A.
Circuito com eletroduto embutido na parede, seção circular e de Cu/PVC/30°C.
Determine a seção dos condutores

Figura 1
Exemplo de dimensionamento para circuito alimentador bifásico: cálculo de IB e IN

113
Tabelas da ABNT NBR 5410/2008:
Escolha do método

Capacidade de condução com harmônicas: IB=127/0,8=158,75 A e IN= 184,15


A/0,8=230,19 A

114
Fase: 70mm2

Neutro:

95mm2

Bibliografia
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5410 – Instalações
Elétricas de Baixa, 2004 Versão Corrigida 17.03.2008.

2. Ademaro A.M.B Cotrim, Instalações Elétricas, Pearson Hall, Ed. 2009.

115
Instalações elétricas

O USO DO BARRAMENTO
BLINDADO “ BUS-WAY”

GRAU DE ISOLAÇÃO E APLICAÇÃO

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

116
Barramento blindado:
 Destinados a transportar e distribuir energia elétrica de pequenas, médias e
grandes capacidades.

 Os sistemas de barramentos blindados são indicados também para interligar


linhas elétricas a sistemas viabilizando flexibilidade, segurança e proteção.

 De acordo com as últimas versões já disponíveis no mercado, o barramento


blindado ou “Bus Way”, como originalmente é conhecido, não apenas é
apropriado a essas funções, mas também a outras, como manobra de circuitos e
proteção seletiva.

 Contabilizar economia nas perdas do sistema não era objetivo nem tão pouco
necessidade como nos dias de hoje, onde a competitividade se estende em todos
os sentidos.

 Nesse quesito (redução de perdas), o barramento blindado deu a melhor das


respostas desde sua criação pela indústria automobilística, reduzindo perdas a
valores pontuais bem significativos.

 O bus-way torna viável e essencial na aplicação de prumadas dos grandes


edifícios comerciais e residenciais, a chamada “Medição Eletrônica na Prumada”,
onde as perdas:

XL = reatância (mΩ/m);

Z = impedância (mΩ/m);

R = resistência (mΩ/m);

 As perdas são projetadas a valores pré-determinados, de maneira que a queda


de tensão percentual em Volts (∆V%) no ponto de entrega é contabilizada pelas
concessionárias distribuidoras de energia elétrica.

 Além das perdas reduzidas e pontuais, agrega segurança e confiabilidade,


qualidade, racionalização da instalação e de espaços, eliminação de eventuais
fraudes, telemetria (informatização) e automação predial.

117
Barramento blindado aplicações:

Construção do barramento blindado:

118
Barramento blindado:

119
Caixa cofre plug-in:

Grau de proteção do bus-way:


 Níveis de classes de proteção IP ou grau de proteção IP são padrões
internacionais definidas pela norma IEC 60529, que classifica e avalia o grau de
proteção de produtos fornecidos contra intrusão (partes do corpo como mãos e
dedos), poeira, contato acidental e água.

 A classificação IP possui 3 números, sendo o primeiro, o índice de vedação contra


poeira, o segundo contra água e o terceiro (normalmente não utilizado pelos
fabricantes, pois este número não faz parte da IEC 60529), é contra impactos
mecânicos.

120
Exemplo um bus-way: IP 31

Dimensionamento: queda de tensão:

121
Exemplo: Qual a queda de tensão no bus-way para trecho AE?

122
Exemplo queda de tensão:

Bibliografia:
1. ABNT NBR IEC 60529

2. www.iptengenharia.com

3. www.beghim.com.br/

123
Instalações Elétricas

LEITURA BASICA DE PROJETOS


ELETRICOS

SIMBOLOGIA CONFORME NBR 5444

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

124
Simbologias básicas de interruptores:

Simbologia básica de quadros:

125
Simbologia básica: eletroduto e condutores:

Simbologia básica de tomadas:

126
Exemplo de ligação de uma tomada baixa:

Exemplo de ligação de chuveiro:

Exercício de identificação de ligação abaixo:

127
Exemplo de ligação de duas lâmpadas em um interruptor:

Esquema para tree-way:

128
129
Esquema para for-way:

130
Ligação uma Interruptor/com tomada e uma tomada:

131
Bibliografia
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5444 –
Símbolos gráficos para instalações elétricas prediais.

2. Ademaro A.M.B Cotrim, Instalações Elétricas, Pearson Hall, Ed. 2009.

132
Instalações Elétricas

LIGAÇÃO DE INTERRUPTOR
DUPLA SEÇÃO COM TOMADA 10A

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

133
Ligação interruptor dupla seção com tomada em circuitos distintos:

Diagrama multifilar

134
Diagrama unifilar

Bibliografia
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5410 – Instalações
Elétricas de Baixa, 2004. .

2. Ademaro A.M.B Cotrim, Instalações Elétricas, Pearson Hall, Ed. 2009.

135
Instalações Elétricas

CONCEITOS FUNDAMENTAIS
SOBRE DEMANDA

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

136
Demanda
 Em uma instalação elétrica predial qualquer (Industrial, comercial, residencial) a
potência elétrica instantânea (potência ativa) é variável em função do número
de cargas ligadas e da soma das potências consumidas por carga.

 Para fins de projeto é mais conveniente trabalhar com um valor médio da


potência, e utiliza-se a demanda (D).

 A demanda é o valor médio da potência ativa, aparente ou reativa (P, S ou Q) em


um intervalo de tempo 𝜟t especificado.

Demanda e curva de carga

 Define-se curva de carga como a curva que apresenta a demanda em função do


tempo para um dado período de tempo.

 Para fins de projeto é mais conveniente trabalhar com um valor médio da


potência, e utiliza-se a demanda (D).

137
Demanda e fator de demanda

Estudo de caso da demanda em uma edificação residencial

138
Solucionando o problema
 Verificar na entrada geral da edificação sua capacidade.

 Vamos determinar a capacidade geral de corrente da edificação.

Três
condutores
carregado.
Capacidade
máxima 297A

139

 Agora vamos efetuar a medição da potência consumida na edificação e para isso


vamos utilizar o analisador de energia, que será colocado no quadro geral de
entrada da edificação. Utilizaremos o instrumento abaixo:

140
 Faremos a coleta de corrente, tensão, potência ativa, aparente, reativa e fator
de potência.

 Vamos efetuar a medição durante três dias.

 Para responder as perguntas (1,2 e 3) o dado importante será a potência


aparente medida nos três dias.

 Vamos avaliar qual a demanda média medida nesses três dias.

 Medida da potência aparente em coletas realizadas 23/11/2015, 24/11/2015 e


26/11/2015. A demanda nos três dias é mostrada no gráfico.

 Para respondermos as perguntas: vamos considerar nos três dias de medição a


demanda máxima consumida na edificação.

141
 Essa demanda é de 72,2KVA, conforme visto no gráfico anterior.

 Podemos calcular qual a demanda que resta na infraestrutura da edificação:


195,5KVA - 72,2KVA=123,3KVA.

 Dessa forma, a demanda permitida na edificação será 123,3KVA (trabalhamos


pela máxima medida).

Solucionando o problema: Para uma área de 35𝒎𝟐 por apartamento


 Tabelas com potência de ar-condicionado conforme CEB e fatores de demanda.

142

143
Solucionando o problema: Para uma área de 50𝒎𝟐 por apartamento
 Tabelas com potência de ar-condicionado conforme CEB e fatores de demanda.

144

Bibliografia
 Cotrim, Ademaro A.M.B, Instalações Elétricas, Pearson, 2009.

 Norma CEB: NTD - 6.01 de 2014: Fornecimento de Energia em Tensão Secundária


a Unidades Consumidoras individuas e agrupadas.

 NBR 5410: Norma de Instalações Elétricas em Baixa Tensão, 2004.

145
Instalações Elétricas

PROJETO ELETRICO RESIDENCIAL

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

146
Projetar uma instalação elétrica consiste em:
 Quantificar, classificar e alocar os pontos de consumo de energia;

 Dimensionar e definir os condutores e os condutos;

 Definir, alocar e dimensionar os sistemas de proteção, de comando e de


medição.

Objetivo do projeto elétrico


“Garantir a transferência de energia elétrica desde uma fonte, em geral a
concessionária, até o consumidor, de maneira eficaz e segura”.

 Carga ou Potência Instalada:

É a soma de todas as potências nominais de todos os aparelhos elétricos


pertencentes a uma instalação ou sistema.

 Demanda:

É a potência elétrica realmente absorvida em um determinado instante por aparelho


ou sistema.

 Demanda Média de um Consumidor ou Sistema:

É a potência elétrica média absorvida durante um intervalo determinado de tempo


determinado (15min, 30min).

147
Critérios a serem observados no projeto elétrico
 Acessibilidade

Pontos de utilização, manobra e proteção devem estar perfeitamente acessíveis.

 Flexibilidade e reserva de carga

Permite acréscimo de cargas futuras e alterações na carga existente.

 Confiabilidade

Atendimento das normas garantindo a integridade dos equipamentos e usuários.

Quantificação do sistema (Dados do cliente e NBR-5410/2008:

1. Previsão de tomadas

2. Previsão da iluminação

3. Motores

4. Cargas especiais: motores de elevadores, bombas d’água ...

Etapas na Elaboração de um Projeto


b) Dimensionamentos (carga e normas)

1. Dimensionamento dos condutores

2. Dimensionamento das tubulações

3. Dimensionamento da proteção

4. Dimensionamento dos quadros.

b) Memorial de cálculo

1. Cálculo das previsões de carga

2. Determinação da demanda provável

3. Dimensionamento dos condutores

4. Dimensionamento dos eletrodutos

5. Dimensionamento da proteção.

c) Desenho do projeto na planta baixa

148
1. Escolha do local do (s) quadro (s);

2. Distribuição dos eletrodutos e tomadas na planta baixa.

149
150
151
152
153
154
155
Tabela de cargas obtidas na aula 02 (Alimentação 220V/por circuito terminal)

156
 Prever circuito de iluminação separados dos circuitos de tomadas TUG e TUE.

 Prever circuito TUE sempre que a corrente for superior 10A;

 A carga de iluminação é de 1080VA;

 No mínimo dois circuitos de iluminação.

 Circuito 1: dormitório 1, dormitório 2, banheiro e hall: 620VA

 Circuito 2: copa, cozinha, área de serviço e área externa: 460VA

 A carga total de TUG é 6900VA

 6900/220V= 31,36 A;

 Regra para evitar condutores carregados 31,36 A / 10 A= 4 circuitos TUG.

 Circuito 3: Copa = 1900VAA carga total de TUG é 12100W

 Circuito 7: Chuveiro = 5600W

 Circuito 8: Torneira elétrica= 5000W

 Circuito 9: Lavadora = 1000W

157
 Circuito 10: Geladeira= 500W

 Circuito 4: Cozinha = 1900VA

 Circuito 5: Sala, Dorm.1, banheiro e hall = 1500VA

 Circuito 6: Dorm.2, área serviço = 1600VA

158
159
160
161
162
163
164
165
166
Instalações Elétricas

PROJETO ELÉTRICO DE
ESCRITÓRIO

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

167
Carga de iluminação
 Na determinação da carga de iluminação, como alternativa a NBR 5413
(estabelece 500 lux para escritório), pode ser adotado o seguinte critério:

 Para áreas igual ou inferior a 6m2, deve ser prevista uma carga mínima de 100VA.

 Área superior a 6m2, deve ser prevista uma carga de 100VA para os primeiros
6m2, acrescidos de 60VA, para cada aumento de 4m2 inteiros.

 Nota: esses valores não representam a potência nominal das lâmpadas e sim a
carga para dimensionar os circuitos.

168
169
170
171
172
173
174
175
176
177
178
179
180
181
182
183
184
Instalações Elétricas

QUADROS ELÉTRICOS:

INSPEÇÃO ADEQUADA COM


VISTAS NA INDENTIFICAÇÃO DE
POSSÍVEIS PROBLEMAS

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

185
Introdução
 O que é um quadro elétrico?

É um conjunto de equipamentos, convenientemente agrupados, incluindo as suas


ligações, estruturas de suporte e invólucro, destinado a proteger, a comandar ou a
controlar instalações elétricas.

 Manutenção preditiva?

 Uma das variáveis mais importantes na implantação do Programa de


Manutenção Preditiva dos painéis elétricos é a Máxima Temperatura
Admissível (MTA) de seus componentes, ou seja, a máxima temperatura
sob a qual se permite que o componente opere.

 Seus valores podem ser obtidos a partir das especificações técnicas dos
componentes ou junto aos fabricantes. Não sendo possível obter estes
valores, recomenda-se a fixação de 90°C como valor de referência para
conexões e componentes metálicos e de 70°C para cabos isolados.

Quadro Elétrico

Carecem de
Manutenção?
Estão organizados?
Estão identificados
os circuitos
corretamente?
Existe o diagrama

186
MTA
 Na Tabela abaixo, tem-se alguns valores para a MTA.

 Tais valores são baseados em normas ABNT (Associação Brasileira de Normas


Técnicas), NBR 5410, tabelas de fabricantes, referências da IEC (International
Electrical Commission).

Manutenção Preditiva
 Inspeções sistemáticas para acompanhamento da situação dos equipamentos.

 É aquela que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com base
em dados que informam o seu desgaste ou processo de degradação.

 Trata-se da manutenção que prediz o tempo de vida útil dos componentes das
máquinas e equipamentos e as condições para que este tempo de vida seja
aproveitado.

Termografia
 Fundamentada na manutenção "Preventiva e Preditiva”;

 Podemos aplicar em diversos segmentos, tais como: condomínios comerciais,


residenciais, indústrias metalúrgicas, siderúrgicas, plásticos, cimento etc.

 A termografia, ou a geração de imagens térmicas, pode ser utilizada em


aplicações tais como a inspeção de equipamentos elétricos, de processos e no
diagnóstico de construções.

 Os equipamentos elétricos incluem motores, equipamentos de distribuição,


quadros de comando, subestações entre outras. Equipamentos de processo
incluem equipamentos de montagem e manufatura automatizados.

187
 É a técnica que estende a visão humana através do espectro infravermelho.
Qualquer corpo emite naturalmente essa frequência eletromagnética com
intensidade proporcional à sua temperatura

Quadro elétrico

Carecem de
Manutenção? sim
Revitalização e
instalação de DPS
Estão identificados
os circuitos

188
Carecem de
Manutenção? sim
Revitalização e
instalação de DPS
Estão identificados os
circuitos
corretamente? Agora

Quadro: Termografia

189
Quadro: necessitando de revitalização

190
Painel elétrico de entrada

Painel elétrico de entrada: Termografia

191
Painel elétrico de derivação

Quadro elétrico: termografia

192
Painel de derivações

Termografia no painel

193
Instalações Elétricas

Projeto Elétrico- Diagrama Unifilar

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

194
195
196
197
198
Instalações Elétricas

(PROJETO ELÉTRICO EDIFÍCIO


RESIDENCIAL)

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

199
200
201
202
203
204
205
206
207
208
209
210
211
212
213
214
215
216
217
218
219
220
221
222
223
224
225
226
227
228
Instalações Elétricas

A-136 DISJUNTORES
TERMOMAGNÉTICOS DE BAIXA
TENSÃO

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

229
Normalização de disjuntores de Baixa Tensão:
 0s disjuntores de BT Norma international liderada pela IEC 60947-2;

 Brasil, NBR IEC 60947-2. Quando a tensão nominal não ultrapassa 1000 VCA ou
1500 VCC;

 A IEC 60898 (no Brasil, NBR IEC 60898) especificamente para tensão e corrente
nominal inferior ou igual a 440 V e 125 A respectivamente - Uso em circuitos CA
de instalações domésticas e análogas;

 A IEC 60898 não se aplica aos disjuntores destinados à proteção de motores e


àqueles cuja regulagem de corrente seja acessível ao usuário;

 As prescrições relativas aos disjuntores para equipamentos constam da IEC


60934, enquanto os disjuntores utilizados como dispositivos de partida de
motores são tratados, pelo menos parcialmente, pela IEC 60947-4.

230
Características Gerais – Disjuntores de BT:
 Segundo NBR5410/2004, o disjuntor deve assegurar as seguintes
funções:
 PROTEÇÃO CONTRA SOBRECARGA

 PROTEÇÃO CONTRA CURTO CIRCUITO

 COMANDO FUNCIONAL

 SECCIONAMENTO

 PROTEÇÃO CONTRA CONTATOS INDIRETOS

 PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS E FALTAS DE TENSÃO

 RECEBEM O NOME DE DISJUNTORES TERMOMAGNÉTICOS:


 Os disjuntores mais tradicionais, para uso geral, são equipados com
disparadores térmicos, que atuam na ocorrência de sobrecorrentes
moderadas (tipicamente correntes de sobrecarga), e disparadores
magnéticos, para sobrecorentes elevadas (tipicamente correntes de
curto-circuito).

 PROTEÇÃO CONTRA SOBRECARGA:


 Os disparadores podem ser térmicos, magnéticos e eletrônicos;

 Alguns disparadores térmicos possuem uma faixa de corrente de


ajustagem. Também existem disparadores térmicos com compensação
de temperatura;

 O disparador térmico é constituído de uma lâmina bimetálica com


coeficientes de dilatação diferentes e apresenta características de
atuação a tempo inverso.

 PROTEÇÃO CONTRA CURTO CIRCUITO:


 O disparador é magnético constituído por uma bobina (eletroímã);

 O eletroímã) atrai uma peça articulada (armadura) quando a corrente


atinge um certo valor. Esse deslocamento da armadura provoca, através
231
de acoplamentos mecânicos, a abertura dos contatos principais do
disjuntor;

 Há disjuntores que têm o disparo magnético ajustável.

Curva de disjuntores:
 Minidisjuntores Curva B - usados em proteção de circuitos que alimentam cargas
com características predominantemente resistivas, como lâmpadas
incandescentes, chuveiros, torneiras e aquecedores elétricos, além dos circuitos
de tomadas em uso geral.

 Minidisjuntores curva C - usados para proteção de circuitos em geral que


também possa ter cargas de natureza indutiva que apresentam picos de corrente
no momento de ligação, como micro-ondas, ar condicionado motores para
bombas, além de circuitos com carga semelhantes a essas.

 Minidisjuntores de curva D são indicados para cargas com grande corrente de


partida, a exemplo de transformadores BT/BT (baixa tensão).

232
Características Nominais:
 Disparo Instantâneo:
A IEC 60898 define, para o disparo instantâneo, em geral magnético, as faixas de
atuação B, C e D:

B: de 3 In a 5 In;

C: de 5 In a 10 In;

D: de 10 In a 20 In.

 Regra básica para proteção contra curtos circuitos:

Capacidade de interrupção no mínimo igual à corrente de curto-circuito


presumida no ponto em que for instalado.

Icu > Ik presumido

Curvas de minidisjuntores ABB:

Fonte: ABB

233
Curva disjuntores ABB:

234
Curva disjuntores ABB:

Disjuntores ABB dados:

235
Linha ABB exemplo:

236
Características técnicas ABB:

Especificação dos disjuntores:


 O item 5.3.4 da NBR 5410/2008 estabelece que a proteção deve satisfazer as
duas inequações:

e
IB – Corrente de projeto

IN – corrente nominal do disjuntor

IZ – Capacidade de condução dos condutores vivos

I2 – corrente convencional de atuação do disjuntor.

237
Dimensionamento de disjuntor em função da corrente
de curto-circuito presumida:

Então;

238
Bibliografia:
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5410 – Instalações
Elétricas de Baixa, 2004. .

 Ademaro A.M.B Cotrim, Instalações Elétricas, Pearson Hall, Ed. 2009.

 Manual de minidisjuntores ABB 2014.

239
Instalações Elétricas

Dispositivos fusíveis de baixa


tensão

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

240
Fusível
 Dispositivo fusível: é um dispositivo de proteção que, pela fusão de uma parte
especialmente projetada, abre o circuito no qual se acha inserido e interrompe
a corrente, quando esta excede um valor de referência durante um tempo
especificado.

 Exemplo de fusíveis: NH e Diazed

Chave fusível
 A chave fusível de rede aérea de distribuição é o dispositivo fusível no qual, após
a fusão do elo, o porta fusível é levado, pela ação da gravidade, a uma posição
tal que assegura a distância de isolamento especificada e dá uma indicação
visível da sua atuação.

 O elo fusível de uma chave fusível de distribuição é um fusível de construção


flexível destinado a manter a chave na posição fechada, quando em
funcionamento, e provocar a sua abertura automática após a fusão do elemento
fusível.

241
Generalidades dos fusíveis
 Os dispositivos fusíveis constituem a proteção mais tradicional dos circuitos e dos
sistemas elétricos.

 Sua operação consiste na fusão do elemento fusível (elo) contido no fusível.

 O elemento fusível, isto é, o ponto fraco do circuito, é um condutor de pequena seção


transversal que, devido a sua alta resistência, sofre um aquecimento maior que dos
outros condutores a passagem de corrente.

 O elemento fusível é um fio ou lâmina, geralmente de cobre, prata, estanho, chumbo


ou liga, colocado no interior do corpo do fusível, em geral de porcelana, estealite ou
papelão, hermeticamente fechado.

 Alguns possuem indicador, que permite verificar se atuou ou não.

 A maioria dos fusíveis contém material granulado extintor em seu interior, envolvendo
por completo o elemento fusível.

 Para isso se utiliza, em geral, areia de quartzo de granulometria conveniente.

242
Operação

243
244
Formato dos fusíveis
 A NBR IEC 60269-1- Dispositivos fusíveis de baixa tensão.

 Fusível cartucho: é um fusível de baixa tensão cujo elemento físico é encerrado


em um tubo protetor de material isolante, com contatos nas extremidades,
fechando o tubo.

 Fusível rolha: é um fusível de baixa tensão em que um dos contatos é uma peça
roscada, a qual se fixa no contato roscado correspondente a base.

 Fusível encapsulado: é um fusível cujo elemento fusível é completamente


encerrado em um invólucro fechado, capaz de impedir a formação de arco.

Faixa de interrupção e categoria de utilização


 Faixa de interrupção: primeira letra minúscula g ou a

 Categoria: segunda letra maiúscula G ou M

245
 Fusíveis g: são aqueles capazes de interromper todas as correntes que causam
fusão do elemento fusível, até sua capacidade de interrupção nominal. São,
portanto, fusíveis que atuam em toda a faixas.

 Fusíveis a: são capazes de interromper todas as correntes compreendidas entre


um valor prefixado (superior à corrente nominal) e a capacidade de interrupção
nominal. São, assim, fusíveis que atuam em faixa parcial.

 Fusíveis L: são adequados para proteção de cabos e linha.

 Fusíveis R: são próprios para proteção de dispositivos semicondutores.

 Fusíveis B: são recomendados para instalações em condições pesadas (por


exemplo mineração).

 Nas instalações elétricas de baixa tensão, os tipos mais comuns são: gL, gG, gM
e aM.

 gL/gG são de aplicação geral, utilizados na proteção de circuitos contracorrentes


de sobrecarga e curto-circuito. São caracterizados por um único valor de
corrente nominal (In)

 aM: destinados a proteção de circuitos de motores elétricos contra sobrecarga e


curto-circuito, sendo caracterizado por um único valor de corrente nominal (In)
e apresentando o limite inferior da faixa de atuação indicado por K2.In (K2>1).

Diazed e NH
 Diazed é um fusível limitador de corrente, de baixa tensão, cujo tempo de
interrupção é tão curto que o valor de crista da corrente presumida do circuito
não é atingido.

 Estes fusíveis são usados na proteção de condutores de rede de energia elétrica


e circuitos de comando. São empregados em correntes de 2 a 100 A.

 NH é um fusível limitador de corrente de alta capacidade de interrupção, para


correntes nominais de 6 a 1.000 A em aplicações industriais. Protegem os
circuitos contra curtos-circuitos e também contra sobrecargas de curta duração,
como acontece na partida de motores de indução com rotor em gaiola.

Proteção contra sobrecargas


A protecção contra sobrecargas das canalizações eléctricas é assegurada se as
características dos aparelhos de protecção respeitarem simultaneamente as seguintes
condições:

A corrente estipulada do dispositivo de protecção (In) seja maior ou igual à


corrente de serviço da canalização respectiva (IB) e menor ou igual que a corrente

246
máxima admissível na canalização (IZ).
IB ≤ In ≤ IZ
A corrente convencional de funcionamento do dispositivo de protecção (I2) seja
menor ou igual que 1,45 a corrente máxima admissível na canalização (IZ).
I2 ≤ 1,45 IZ

Tensões nominais dos fusíveis

247
Correntes de fusão e não fusão

248
Zona tempo-corrente

249
Num circuito, estimou-se
um tempo de duração de 5
segundos para uma corrente
de curto-circuito de 20 A.
Que fusíveis Diazed seriam
escolhidos? Entrando na
curva da Fig. 5.13 com os
valores de I = 20 A e t =5 s,
vemos que as coordenadas
se interceptam acima da
curva de 6 A. Portanto, o
fusível escolhido será́ de 10
A.

250
Qual a corrente de curto-circuito, com duração de 4 segundos, para a qual um
fusível NH de 315 A se acha previsto? Entrando na curva, com os valores t=4 s e fusível
de 315 A, obtemos, no eixo das abscissas, I = 3.000 A.

Característica de corte de um fusível limitador

251
Bibliografia
 Cotrim, Ademaro A.M.B, Instalações Elétricas, Pearson, 2009.

252
Instalações Elétricas

PROTEÇÕES CONTRA
SOBRETENSÕES

DPS (Dispositivo de Proteção


contra Surtos)

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

253
Introdução
 As sobretensões que podem ocorrer em uma instalação elétrica de baixa tensão
são classificadas, de acordo com sua origem:

1. Sobretensões transitórias: são aquelas originadas principalmente das


descargas atmosféricas e manobras.

2. As sobretensões que são provenientes das descargas atmosféricas, que


incidem diretamente nas edificações, em redes aéreas de alimentação ou
próximos delas, produzem tensões conduzidas e induzidas com impulsos
caracterizados por seu valor de crista.

3. Tais sobretensões causam danos frequentes ás instalações, aos


equipamentos servidos e aos usuários.

4. A proteção pode ser feita via DPS (Dispositivo de proteção contra surto).

2. Sobretensões temporárias: falhas de isolamento para outra instalação de tensão mais


elevada e também a perda do condutor de neutro em esquemas TN e TT.

Surtos induzidos ou indiretos


 As descargas atmosféricas podem atingir as linhas de transmissão e distribuição
de energia, incidirem diretamente em árvores e estruturas no solo.

 As ondas eletromagnéticas originadas pela corrente elétrica que circula no canal


da descarga atmosférica se propagam pelo meio (geralmente pelo ar).

 Induzindo uma corrente elétrica nos condutores metálicos que estiverem em seu
raio de alcance.

 Estima-se essa distância da ordem de 1 a 3Km

254
Surtos conduzidos ou diretos
 Ocorre quando uma descarga atmosférica atinge diretamente sobre um
componente da instalação, sobre a edificação ou sobre pontos muito próximos
a eles.

 Todos elementos metálicos ali existentes e o eletrodo de aterramento ficam, por


fração de segundo, submetidos a níveis diferentes de tensão.

 Essas diferenças de tensão vão gerar correntes de surto que circularão por
diversos pontos da estrutura, inclusive, e, no nosso caso, principalmente pela
instalação elétrica.

Proteção contra surtos


 Somente o SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) não é
suficiente, sendo necessários além dele:

• Dispositivos de proteção contra surto (DPS);

• Existência de um aterramento eficiente e


adequado;

• Sistema de equipotencialização locais (evitar


diferença de tensão).

255
Dispositivo de Proteção contra Surtos (DPS)

Tipos de DPS
1. DPS comutador de tensão ou curto-circuitante: é um dispositivo que tem
propriedade de mudar bruscamente o valor de sua impedância, de muito alto
para praticamente desprezível, em função do aparecimento de um impulso de
tensão em seus terminais. Obs. Construídos com centelhadores a gás ou
centelhadores a ar.

2. DPS atenuador de tensão ou supressor de surto: tem propriedade de mudar


paulatinamente o valor de sua impedância, de muito alto para praticamente
desprezível, quando aparece um impulso de tensão em seus terminais. Obs.
Construídos com varistores ZnO “ Oxido de Zinco” ou SiC “ Carbeto de Silício.

3. DPS combinado: incorpora no mesmo dispositivo as propriedades dos


comutadores e dos atenuadores de tensão.

Centelhardor Varistor

256
257
Classificação dos DPS

258
 Riscos de danos provenientes dos efeitos indiretos gerados pelas descargas
atmosféricas nas linhas de alimentação que adentrem a edificação “ surtos
induzidos” DPS classe II instalado no primeiro nível de proteção. (DPS atenuador
de tensão ou combinado)

 Riscos de danos provenientes de impacto direto das descargas atmosféricas no


SPDA, em outros componentes da instalação ou muito próximo a ela “ surtos
conduzidos DPS classe I instalado no primeiro nível de proteção. (DPS comutador
de tensão ou combinado).

 Classe I: DPS destinado à proteção contra sobretensões provocadas por


descargas atmosféricas diretas sobre edificação ou em suas proximidades, com
alta capacidade de exposição aos surtos, com capacidade mínima de 12,5 kA de
corrente de impulso (I imp) conforme a Norma ABNT 5410, item 6.3.5.2.4-“d”;

 Classe II: DPS destinado à proteção contra sobretensões de origem atmosférica


transmitidas pela linha externa de alimentação, ou seja, cargas indiretas, assim
também contra sobretensões 25 de manobra, com capacidade mínima de
exposição aos surtos, de 5kA de corrente nominal (In) conforme a Norma ABNT
5410, item 6.3.5.2.4-“d”;

 Classe III: DPS destinado à proteção dos equipamentos eletroeletrônicos, sendo


uma proteção fina, de ajuste, proporcionando uma menor tensão residual e,
consequentemente, uma proteção efetiva para os equipamentos.

Especificação do DPS: tensão de operação contínua


Exemplo: Uma instalação elétrica: 220V/380V, aterramento TN-C, instalação entre fases
e PEN. Pela tabela da NBR 5410 temos

259
 A IEC 62305-4 convenciona que a corrente elétrica da descarga atmosférica se
divide ao longo do SPDA, sendo que, ao chegar ao solo, metade dessa corrente
se dispersa nele e a outra metade retorna para a instalação, em função da
diferença de tensão que aparece entre os aterramentos da edificação e da fonte
de alimentação.

Exemplo de especificação de DPS

260

Níveis de Ligação para DPS

261
Bibliografia
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descargas atmosféricas, Parte 4: Danos físicos a estruturas e perigos á vida, 1ª
Edição, maio 2015.

2. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5410 – Instalações


Elétricas de Baixa, 2004 Versão Corrigida 17.03.2008.

3. Ademaro A.M.B Cotrim, Instalações Elétricas, Pearson Hall, Ed. 2009.

262
Instalações elétricas

DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO
CONTRA SURTO

CONCEITOS INICIAIS

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

263
DPS: Proteção contra surto por descargas atmosféricas:
 Os raios (descargas atmosféricas) quando caem colocam em risco as pessoas,
animais e bens.

 Danos à propriedade está se tornando um problema cada vez maior à medida


que a falha dos dispositivos eletrônicos pode causar perda financeira e até
mesmo perda de vida humana.

 As descargas atmosféricas diretas e indiretas podem provocar danos aos


equipamentos, pessoas e estrutura.

S1: descarga direta


 Um raio direto em uma linha de energia ou cabo de dados pode acoplar altas
correntes de raio parciais num edifício onde elas se conectam. DPS devem ser
instalados para proteção.

264
S2: descarga próxima a estrutura
 Se um raio atinge perto da estrutura, cria altos campos magnéticos adicionais,
que por sua vez induzem picos de alta tensão em sistemas de linha.
Acoplamentos indutivos podem causar danos dentro de um raio de até 2 km em
torno do ponto de impacto relâmpago. Proteção via DPS.

S3: direto na linha

265
 Um raio direto em uma linha de energia ou cabo de dados pode acoplar altas
correntes de raio parciais num edifício onde elas se conectam. DPS devem ser
instalados para proteção.

S4: próxima a linha


 Se um raio atinge perto da linha de sinal, cria altos campos magnéticos
adicionais, que por sua vez podem induzir magnéticos internamente. Proteção
via DPS.

Distribuição típica da corrente do raio, segundo IEC 62305:

266
Zonas de proteção via DPS:

Zonas internas de proteção via DPS: LPZ1, LPZ2, LPZ3.

267
Características dos impulsos IEC 62305:

1: raio direto 10/350 microssegundos simulado

2: raio indireto: 8/20 microssegundos simulado

Classificação de DPS:

268
Exemplos em uma edificação:

DPS para sistema de câmeras:

269
Os protetores coaxiais DS-BNC oferecem proteção básica (classe I e II) para circuitos de
vídeo via cabos coaxiais.

São protetores classe III (proteção fina) destinados a


proteger a entrada de alimentação das câmeras e
equipamentos.

DPS para sistema antenas:

Bibliografia:
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 4, Sistemas elétricos e eletrônicos internos á
estrutura, 2015.

2. Lightning protection guide: To assist in the planning and design of lightning and
surge protection systems, OBO Bettermann GmbH & Co.KG 2016.

270
Instalações Elétricas

CÁLCULO DE CORRENTES DE
FALTA
EM BAIXA TENSÃO

(CORRENTE DE CURTO-
CIRCUITO) Cálculos simplificados

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

271
Introdução
 Nas instalações elétricas, mesmo nas mais bem projetadas e executadas,
ocorrem faltas (curto-circuito).

 Essas faltas resultam em sobrecorrentes elevadas.

 Os dispositivos de proteção devem atuar com rapidez e segurança, isolando as


faltas como o mínimo de danos as linhas e aos sistemas alimentadores.

 Se possível, sem alterar substancialmente o funcionamento global da instalação.

 Cabos, barras, chaves, disjuntores e demais componentes devem suportar o


curto-circuito (falta) por um determinado intervalo de tempo.

Dependência da corrente de falta entre condutores vivos: Em linha de baixa


da tensão
 Para instalação elétrica de baixa tensão (até 1.000 V em corrente alternada
conforme NBR 5410) o valor da corrente de falta (entre condutores vivos),
depende:

A. Da impedância de toda rede de distribuição de média (acima de1.000V


até 36.200V conforme NBR 5410) e de alta tensão que alimenta o defeito;

B. Do tipo e da potência das linhas de baixa tensão até o local do defeito;

C. Da impedância das linhas de baixa tensão até o local do defeito;

D. Da resistência (impedância) da falta (contato geralmente mais ou menos


perfeito), dependendo do arco elétrico;

E. Instante do início da falta com relação a onda senoidal da tensão aplicada


(fase inicial).

272
Características das linhas

Fontes de corrente de falta


 São consideradas fontes de corrente de falta os geradores síncronos, os motores
e os sistemas das concessionárias de energia elétrica.

 Quando ocorre um curto-circuito em uma instalação, estabelece-se


instantaneamente um percurso de baixa impedância entre a fonte e o ponto de
falta, produzindo uma corrente de curto-circuito elevada em relação as
correntes normais.

Tipo de corrente de curto-circuito: Caso extremo


 O fator de potência de curto-circuito é determinado a partir da resistência e da
reatância do percurso da corrente de curto circuito.

 Se a reatância no percurso for muito maior que a resistência, a corrente de curto-


circuito é atrasada em 90° em relação a tensão.

 Quando o curto ocorre no instante em que a tensão passa pelo pico (crista), a
corrente de curto-circuito passa por zero. Senóide simétrica!

273
 Se a reatância no percurso for muito maior que a resistência, a corrente de curto-
circuito é atrasada em 90° em relação a tensão.

 Quando o curto ocorrer no instante em que a tensão passa por zero, a corrente
de curto-circuito começará por zero também, porém, não poderá ter o mesmo
eixo de simetria da tensão, porque ficaria em fase com a tensão. Eixo de simetria
será deslocado, corrente é assimétrica!

274
Cálculo da corrente de curto-circuito (falta)
 O cálculo de correntes de falta é muito complexo.

 Será apresentado formulação rápida e que apresenta uma razoável precisão em


seu cálculo.

 Vamos considera que o trecho a montante do transformador (linhas e rede de


alta tensão) possua uma potência de curto-circuito infinita, ou seja, com uma
impedância de curto-circuito igual a zero. Para simplificar o modelo.

 Vamos calcular a corrente de curto-circuito presumida em uma instalação


elétrica de baixa tensão (380V, 220V e 127V).

 Para determinar a corrente de curto-circuito presumida é importante definir


onde é o ponto de curto-circuito.

 Também é importante ter em mãos a corrente inicial de curto-circuito. Ela é a


corrente de curto-circuito no secundário do transformador e seu valor é obtido
junto ás concessionarias de energia.

275
Cálculo da corrente de curto-circuito (falta): Sistema trifásico

Cálculo da corrente de curto-circuito: Equação reduzida


 Podemos simplificar para circuitos com tensões 220V/380V (trifásicos), por:

 Podemos simplificar para circuitos com tensões 127V/220V (trifásicos), por:

Cálculo da corrente de curto-circuito: Circuitos monofásicos


 Podemos simplificar para circuitos com tensões 220V (monofásicos e bifásicos),
por:
276
 Podemos simplificar para circuitos com tensões 127V (monofásicos), por:

Exemplo de Cálculo

Q
DQ
D X
2
0
m

277

Q
DQ
D X
2
0
m

Bibliografia
 Cotrim, Ademaro A.M.B, Instalações Elétricas, Pearson, 2009.

278
Instalações Elétricas

DIMENSIONAMENTO DO
DISJUNTOR EM FUNÇÃO DA
CORRENTE DE CURTO-CIRCUITO
PRESUMIDA

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

279
Exemplo de dimensionamento de disjuntor em função da corrente de curto-
circuito presumida

280
Instalações Elétricas

ANÁLISE DE HARMÔNICAS
EM UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA
COMERCIAL

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

281
Qualidade de energia
 A qualidade da energia tem sido alvo de muito interesse e discussão e nos
últimos anos.

 Distorção harmônica é um tipo específico de energia suja, que é normalmente


associada com a crescente quantidade de acionamentos estáticos, fontes
chaveadas e outros dispositivos eletrônicos nas plantas industriais.

Avaliação de harmônicas
 Tecnicamente, uma harmônica é a componente de uma onda periódica cuja
frequência é um múltiplo inteiro da frequência fundamental (no caso da energia
elétrica, de 60 Hz).

 Harmônicas são um fenômeno contínuo, e não devem ser confundidas com


fenômenos de curta duração que duram apenas alguns ciclos.

 Estas perturbações no sistema podem normalmente ser eliminadas com a


aplicação de filtros de harmônicas.

 Esses filtros são essencialmente um conjunto de conjunto de blocos Indutivos,


Capacitivos e Resistivos, que ao se associarem de forma inteligente são capazes
de criar uma Impedância = 0 (zero) entre a Rede e o Aterramento para todas as
Frequências diferentes de 60 Hz.

 Os principais equipamentos causadores das harmônicas são: inversores de


frequência, variadores de velocidade, acionamentos tiristorizados,
acionamentos em corrente contínua ou alternada, retificadores, "drives",
conversores eletrônicos de potência, fornos de indução e a arco, "no-breaks" e
máquinas de solda a arco.

 Altos níveis de harmônicas numa instalação elétrica podem causar problemas


para as redes de distribuição das concessionárias, para a própria instalação, e
para os equipamentos ali instalados.

 As consequências podem chegar até a parada total de equipamentos


importantes.

282
Instalações Elétricas

QUALIDADE DA ENERGIA:
CONCEITOS INICIAS DA
DISTORÇÃO HARMÔNICA

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

283
Série de Fourier
 É uma ferramenta matemática poderosa, pois permite que uma função não
periódica, ou onda distorcida, possa ser representada por uma componente
contínua e uma série de funções alternadas.

Harmônicas
 Harmônicas são sinais de tensão ou corrente de caráter senoidal cuja frequência
é múltiplo inteiro da frequência fundamental (60HZ), ou seja, são perturbações
nas formas de onda.

 A frequência fundamental (1) possui um sinal senoidal perfeito, e que as


harmônicas são múltiplas desse sinal (5), as somas das funções correspondentes
às formas de onda de todos os sinais existentes na medição compõem um sinal
resultante distorcido (T).

284
 As ordens das harmônicas são classificas conforme sua frequência e sequência.

 Como nos sistemas de potência em CA a parte + e – das formas de onda são


aproximadamente iguais e teoricamente nenhuma componente contínua (CC)
está presente, as harmônicas de ordem par não são geradas.

A deformação da onda de tensão ou de corrente significa que a distribuição de energia


elétrica é perturbada e que a Qualidade de Energia não é ótima".

 O sinal periódico possui conteúdo harmônico quando ele não é senoidal, ou seja,
quando possui sinal de onda deformado em relação a uma senóide (Onda
fundamental).

285
Porque as harmônicas são geradas?
 Os causadores de harmônicas são cargas não lineares (Fontes chaveadas,
equipamentos eletrônicos, cabos de potência e etc.) inseridas no sistema.

 A carga é dita não linear quando a corrente que ela absorve não tem a mesma
forma da tensão que a alimenta.

 Essas cargas normalmente são controladas ou ativadas através de equipamentos


que se baseiam nos fundamentos da eletrônica de potência.

 Tipicamente, as cargas utilizando a eletrônica de potência são não lineares.

 Equipamentos industriais (máquinas de solda), motores em corrente contínua,


equipamentos de escritório (computadores, máquinas, copiadoras, fax, etc.),
aparelhos domésticos (TV, forno micro-ondas, etc.).

Exemplos de cargas não lineares

286
O que as harmônicas podem provocar?
 Essas deformações (harmônicas) deterioram a qualidade da energia, dando
origem a inúmeros prejuízos, entre eles temos:

 Sobrecarga das redes de distribuição por aumento da corrente eficaz.

 Aquecimentos excessivos.

 Disparos de dispositivos de proteção.

 Queda de tensão.

 Tensão elevada entre neutro e terra.

 Redução do fator de potência.

 Perturbação das redes de comunicação ou das linhas telefônicas.

 Problemas associados ao funcionamento e desempenho de motores,


condutores, envelhecimento dos capacitores, computadores, ruídos dos
transformadores e etc.

Impactos das harmônicas


 As harmônicas têm um impacto econômico considerável, pois o envelhecimento
precoce do material leva a substitui-lo mais tarde, a menos que esse seja sobre
dimensionado.

 As sobrecargas da rede obrigam a aumentar a potência necessária, e implicam,


a menos que haja um sobre dimensionamento das instalações, em perdas
suplementares.

 Como em um efeito cascata a deformação da corrente provoca disparos


intempestivos e consequentemente a parada das instalações da produção.

Bibliografia
 Cotrim, Ademaro A.M.B, Instalações Elétricas, Pearson, 2009.

 Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional


– PRODIST-Módulo 8-ANEEL.

287
Instalações Elétricas

QUALIDADE DA ENERGIA:
DISTORÇÃO HARMÔNICA UM
ESTUDO DE CASO

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

288
Distorção Harmônicas Total
 Este indicador é o mais utilizado para quantificar harmônicos, sendo adotado
como parâmetro pelas principais referências mundiais.

 É importante perceber que a DHT pode ser calculada para corrente ou tensão e
que a mesma não é uma informação completa, uma vez que apenas seu valor
não é suficiente para quantificar a influência dos harmônicos presentes no local
de medição no sistema.

 É necessário que o especialista analise o valor da DHT e o valor da magnitude da


tensão ou corrente para que o mesmo avalie as distorções os efeitos dos
harmônicos naquele local.

289
Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico
Nacional – PRODIST

Valores de distorção conforme PRODIST

Analisador de Energia
 O analisador de energia é capaz de detectar e registrar as mais variadas
grandezas e fenômenos relativos à qualidade da energia elétrica.

 Características imprescindíveis da qualidade, conforme módulo 8 dos


Procedimentos de distribuição elétrica PRODIST, os seguintes parâmetros
elétricos, que devem ser observados respeitando limites estabelecidos:

 Tensão em regime permanente;

 Fator de potência;

290
 Harmônicos;

 Desequilíbrio de tensão;

 Flutuação de tensão (FLICKER);

 Variações de tensão de curta duração;

 Variação de frequência.

Instrumento utilizado para o estudo de caso: RE6000

291
Diagrama de ligação do analisador de energia no quadro elétrico

Faremos duas medições: medição 1 e medição 2

Quadro 1 : Quadro 2:
medição 2 medição 2

292
Instrumento colocado para avaliar a distorção harmônica em um ambiente
residencial: quadro 1

Medição no quadro de distribuição

293
Medição em ambiente industrial: quadro 2

Medição em ambiente industrial

294
Medição na Fase C: quadro 2

Medição fase C: Tensão C (quadro 2)

295
Bibliografia
 Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional
– PRODIST-Módulo 8-ANEEL.

296
Instalações elétricas

INFLUÊNCIA DAS HARMÔNICAS


NO FATOR DE POTÊNCIA EM
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

297
Cargas lineares e não-lineares:
 Uma carga linear é aquela em que a corrente elétrica do circuito que a alimenta
não possui outras componentes (harmônicas) de frequência além de 60Hz.

 Na maioria das instalações elétricas atuais, a carga é não linear, ou seja, além da
componente de 60Hz, existem outras componentes (harmônicas) múltiplas da
componente de 60Hz.

298
Fator de potência influenciado pelas harmônicas:

Potência aparente de um sistema não-linear:


 A potência aparente em um sistema não –linear é maior que um sistema com
cargas lineares.

299
Exemplo carga não-linear:
Uma carga possui 250KVA relativos à corrente fundamental (60Hz) e
270KVA relativos a valores que representam a soma da corrente
fundamental com correntes em outras frequências harmônicas, qual o valor
da distorção e fator de potência?

300
Bibliografia:
Ademaro Cotrim, Instalações elétricas Editora Pearson, Ed.209

301
Instalações Elétricas

ATERRAMENTO EM BAIXA
TENSÃO NA VISÃO DA NBR
5410:2004

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

302
Introdução
 Aterramento é a ligação de estruturas ou instalações com a terra, a fim de se
estabelecer uma referência para a redes elétrica e permitir que fluam para a
terra correntes elétricas de natureza diversas, tais como:

 Correntes de raios;

 Descargas atmosféricas;

 Correntes de filtros, supressores de surtos e para-raios de linha;

 Correntes de faltas (defeitos=curto-circuito) para a terra.

Tipos básicos de aterramento


 Aterramento funcional: consiste na ligação á terra de um dos condutores do
sistema (geralmente o neutro) e está relacionado ao funcionamento correto,
seguro e confiável da instalação.

 Aterramento de proteção: consiste na ligação á terra das massas e dos


elementos condutores estranhos à instalação, visando à proteção contra
choques por contato direto.

 Os critérios de aterramento de instalações elétricas de baixa tensão encontram-


se bem estabelecidos na norma NBR 5410:2008.

 Podendo ser complementados pela NBR 5419:2015

Aterramento informações NBR 5419/2008


 O aterramento único para toda a instalação elétrica deve ser integrado à
estrutura da edificação – o eletrodo de aterramento preferencial em uma
edificação é o constituído pelas armaduras de aço embutidas no concreto das
fundações das edificações.

 O aterramento do neutro deve ser feito somente na entrada da edificação – daí


em diante, o neutro recebe o tratamento de um condutor vivo (energizado) –
esquema TN-S.

Vantagens da integração dos aterramentos


 Equipotencialização de massas metálicas;

303
 Unificação das referências de terra;

 Redução da resistência de aterramento da instalação, em função da maior área


da malha.

Esquemas de aterramento e de Proteção Associado


 As redes de distribuição são classificadas segundo diversos esquemas de
aterramento.

 Os esquemas de aterramento diferem entre si em função da situação da


alimentação e das massas com relação à terra.

 X= identifica a situação da alimentação em relação à terra:

 T= sistema diretamente aterrado;

 I = sistema isolado ou aterrado por impedância;

 Y= identifica a situação das massas da instalação com relação à terra:

 T= massas diretamente aterradas;

 N = massas ligadas ao ponto de alimentação, onde é feito


o aterramento.

 Z= Disposição dos condutores de neutro e proteção:

 S= condutores de neutro e de proteção separados;

 C = neutro e de proteção combinados em um único


condutor (PEN)

Esquema TNS

Neutro aterrado
na entrada!

O condutor neutro e o condutor


de proteção são distintos!

304
O esquema TN possui um ponto da alimentação diretamente aterrado, sendo as
massas ligadas a esse ponto através de condutores de proteção.

Esquema TN-C-S

Neutro aterrado
na entrada!

Esquema TN-C-S, em parte do qual as funções de


neutro e de proteção são combinadas em um único
condutor

O esquema TN possui um ponto da alimentação diretamente aterrado, sendo as massas


ligadas a esse ponto através de condutores de proteção.

Esquema TNC

Neutro aterrado
na entrada!

Esquema TN-C, no qual as funções de neutro e de proteção


são combinadas em um único condutor, na totalidade do
esquema.

O esquema TN possui um ponto da alimentação diretamente aterrado, sendo as massas


ligadas a esse ponto através de condutores de proteção.

305
Esquema TT

Neutro aterrado
na entrada!
O esquema TT possui um ponto da alimentação
diretamente aterrado, estando as massas da instalação
ligadas a eletrodo(s) de aterramento eletricamente
distinto(s) do eletrodo de aterramento da alimentação.

Condutores de proteção
 O condutor de proteção tem por função o aterramento das massas metálicas de
equipamentos elétricos.

 A NBR 5410:2004 considera a continuidade do condutor de proteção vem a ser


um dos cinco ensaios básicos a que uma instalação deve ser submetida quando
do seu comissionamento.

Aterramento em armaduras
 O uso das armaduras do concreto da edificação como elementos naturais do
sistema de aterramento e de proteção contra descargas atmosféricas permite
uma distribuição da corrente do raio entre as colunas, como consequente
redução dos campos magnéticos no interior da estrutura, beneficiando, também
a equalização dos potenciais.

 Nos casos em que a infraestrutura de aterramento da edificação for constituída


pelas próprias armaduras embutidas no concreto das fundações (armaduras de
aço das estacas, dos blocos de fundação e vigas baldrames), pode-se:

 Considerar que as interligações naturalmente existentes entre estes


elementos são suficientes para se obter um eletrodo de aterramento

306
com características elétricas adequadas, sendo dispensável qualquer
medida suplementar.

 Nas fundações em alvenaria, a infraestrutura de aterramento pode ser


constituída por fita, barra ou cabo de aço galvanizado imerso no concreto das
fundações, formando um anel em todo o perímetro da edificação.

 A fita, barra ou cabo deve ser envolvido por uma camada de concreto de no
mínimo 5 cm de espessura, a uma profundidade de no mínimo 0,5 m.

307
308
309
310
Resistência de aterramento em fundações

0,55  
R
 R
  1,57  3 V A

311
Instalações Elétricas

ATERRAMENTO EM BAIXA
TENSÃO TENSÕES DE TOQUE E
PASSO EM UMA MALHA DE
ATERRAMENTO

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

312
Tensão de toque
É aquela a que está sujeito o corpo humano quando em contato com partes metálicas
(massa) acidentalmente energizadas.

 É aquela a que está sujeito o corpo humano quando em contato com partes
metálicas (massa) acidentalmente energizadas.

 O potencial de toque máximo permissível entre a mão e o pé, para causar


fibrilação ventricular, é o produzido pelo corrente limite de Dalziel. Esse limite
pode ser expresso de maneira quantitativa por:

313
Tensão de passo
 As tensões de passos ocorrem quando, entre os membros de apoio (pés),
aparecem diferenças de potencial. Isso ocorre quando os pés estão posicionados
sobre linhas equipotenciais diferentes.

• As linhas equipotenciais se formam na superfície do solo quando do escoamento


da corrente de curto-circuito.

• Se durante a falha os dois pés estiverem sobre a mesma linha equipotencial ou


se um único pé estiver sendo usado como apoio, não haverá a tensão de passo.

 O potencial de passo máximo (Vpasso máximo) tolerável é limitado pela máxima


corrente permissível pelo corpo humano que não causa fibrilação e pode ser
calculado por:

314
Bibliografia
 Instalações elétricas de Baixa Tensão – NBR 540:2005

 Instalações elétricas industriais, João Mamede Filho- 8.ed – Rio de Janeiro:


LTC,2010.

315
Instalações Elétricas

VALORES DA RESISTIVIDADE
APLICANDO PALMER

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

316
Medições de resistividade em campo:
4,5m B

A
10m

Instrumento utilizado:

MTD – 20KWe Termômetro digital e medidor de resistividade

317
Resultado das medições:

ESTACAS CRAVADAS 40CM; p = 40cm.

MEDIÇÃO 1: 376 𝛀������


MEDIÇÃO 2: 332𝛀�

Fatores que influenciam a resistência de aterramento:


 Vários fatores influenciam na resistência de um aterramento de um eletrodo ou
de uma associação deles.

 O que pesa realmente é a resistividade mais circunvizinha aos eletrodos.

 De uma certa forma, pode-se resumir os fatores em dois grupos:

 Resistividade do solo nas adjacências dos eletrodos;

 Geometria dos eletrodos (dimensão e forma).

 Quanto aos eletrodos, pode-se considerar as suas dimensões, formas, número


empregado, o posicionamento relativo e o espaçamento entre eles.

318
Eletrodo de aterramento constituído por hastes:

319
Resistência de aterramento com hastes em paralelo em linha:

Assistir aula A-80 e A-30

Recomendações:
 Assistir as aulas A-80 e A-30 elas apresentam soluções de geometria
de aterramento e tratamento químico do solo;

Subsistema de aterramento conforme NBR 5419-3/2015


 Quando se tratar da dispersão da corrente de descarga atmosférica para a terra,
o método mais importante de minimizar qualquer sobretensão potencialmente
perigosa é estudar e aprimorar a geometria e as dimensões do subsistema de
aterramento.

 Deve ser obter a menor resistência de aterramento possível, compatível com o


arranjo do eletrodo, a topologia e a resistividade do solo no local.

 Na impossibilidade do aproveitamento das armaduras das fundações, o arranjo


a ser utilizado consiste em condutor em anel, externo a estrutura a ser protegida,
em contato com o solo por pelo menos 80% do seu comprimento total, ou
elemento condutor interligando as armaduras descontínuas da fundação
(sapatas).

320

321
 O eletrodo de aterramento em anel deve ser enterrado na profundidade de no
mínimo 0,5m e ficar posicionado à distância de 1m ao redor das paredes
externas.

 No caso de impossibilidade técnica da construção do anel externo a edificação,


este pode ser instalado internamente. Nesse caso, devem ser tomadas medidas
visando minimizar os riscos causados por tensão superficiais. (Seção 8)

322
Subsistema de aterramento conforme NBR 5419-3/2015 matérias utilizados

Tabela 1: Material, configuração e dimensões mínima dos condutores de eletrodo


de aterramento , tabela 7 da NBR 5419/2015 parte 3.

Eletrodo de aterramento
 Toda edificação deve dispor de uma infraestrutura de aterramento, denominada
“eletrodo de aterramento”, sendo admitidas as seguintes opções:

a) preferencialmente, uso das próprias armaduras do concreto das fundações; ou

b) uso de fitas, barras ou cabos metálicos, especialmente previstos, imersos no concreto


das fundações; ou

c) uso de malhas metálicas enterradas, no nível das fundações, cobrindo a área da


edificação e complementado, quando necessário, por hastes verticais e/ou cabos
dispostos radialmente (“pés-de-galinha”).

323
Anel de aterramento
 As descidas deverão ser terminadas em um anel de aterramento feito com cabo
de cobre nu de 50 mm2 que deverá circundar toda a edificação.

 Poderão ser utilizadas hastes de aterramento distribuídas ao longo do anel de


aterramento para melhorar o desempenho do aterramento, sendo colocada, no
mínimo, uma haste em cada cabo de descida.

Resistência de aterramento
 Cálculos de resistência de aterramento (próprias e mutuas) de geometrias de
eletrodos complexas e também de perfis de potenciais no solo exigem a
disponibilidade de programas para computador.

 Esses programas permitem a simulação do comportamento de grupos de


eletrodos de aterramento não-interligados (malha principal e malhas
flutuantes), compostos por condutores horizontais e verticais, lançados em solos
homogêneos ou estratificados em modelos de múltiplas camadas.

 Para geometrias simples de aterramento, em solos de resistividade uniforme r


(em V ⋅ m), são aplicáveis formulações especificas, que serão apresentadas a
seguir.

324
Resistividade em função do tipo de solo

Resistência de aterramento (Cálculo)


 As expressões mais simples de resistência de aterramento correspondem aos
seguintes eletrodos ao nível do solo (ambos de geometria circular e de raio r):

Haste de aterramento: Cálculo da resistência

 A resistência de aterramento de uma haste vertical de comprimento l e raio a


(ambos em metros) é dada pela expressão abaixo:

325
Hastes de aterramento interligadas

Quantidade de hastes de aterramento interligadas


Suponha que necessitamos de um sistema de aterramento com
resistência máxima de 10𝝮� . Quantas hastes são necessárias?

326
Malha fechada
 A formula para o cálculo da resistência de malhas fechadas considera apenas a
sua área (A, em m2) e a extensão total de cabo enterrado (L, em m), além do
valor da resistividade do solo, sendo aplicável a seguinte formula:

Uma malha de aterramento de 10.000 m2, com um


total de 2.200 m de cabo enterrado em um solo
com resistividade de 100 𝛀�. m apresentará uma
resistência de 0,5𝛀�.
Aterramento em cruz
 Para o eletrodo em forma de cruz (com quatro braços de extensão l e raio a),
aterramento típico de torres de telecomunicações, temos a seguinte expressão:

Uma torre com um aterramento em cruz, formado por


quatro eletrodos de 15 m x50 mm2 (a =4,58 mm), em
um solo de 500 𝝮��.m, apresentará uma resistência de
21,7 𝝮�.

327
Medição da resistividade do solo

Método Wenner

328
Bibliografia
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5410 – Instalações
elétricas de baixa tensão, 2004.

 Júlio Niskier, Instalações Elétricas, Editora LTC 5ª edição 2010.

 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra


descarga atmosférico, Parte 3, Danos físicos as estruturas e perigos a vida, maio
2015.

329
Instalações Elétricas

MEDIÇÃO DA RESISTÊNCIA DE
ATERRAMENTO
MÉTODO DE QUEDA DE
POTENCIAL

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

330
Método queda de potencial
 Método da queda de potencial: é recomendado para medição da resistência de
aterramento através de equipamento específico, o terrômetro.

 Consiste em fazer circular uma corrente através da malha de aterramento sob


ensaio por intermédio de um eletrodo auxiliar de corrente e medir a tensão entre
a malha de aterramento e o terra (terra remoto) por intermédio de uma sonda
ou eletro auxiliar de potencial.

Medição

I : corrente de ensaio
S: borne para a sonda ou eletrodo auxiliar de potencial.
H: borne para o eletrodo auxiliar de corrente
E: borne para a malha de aterramento sob medição

Circuitos de medição
 Circuito de corrente: O eletrodo de corrente é constituído por uma ou mais
hastes metálicas gravadas firmemente no solo, afim de garantir a menor
resistência de aterramento do conjunto.

 Circuito de potencial: O eletrodo de potencial é constituído por uma ou mais


hastes metálicas gravadas firmemente no solo, afim de garantir menor
resistência de aterramento do eletrodo.

331
Processo de medição
 No processo de medição o eletrodo de potencial deve ser deslocado ao longo de
uma direção predefinida, a partir da periferia do sistema de aterramento sob
ensaio, em intervalos regulares de medição iguais a 5% da distância d. Fazendo
a leitura da resistência em cada posição, obtém-se, a curva de resistência em
função da distância.

Curva de resistência do eletrodo pontual

R: resistência obtida variando a distância da sonda desde d=D.

Rv: valor verdadeiro do aterramento.

332
Curva de resistência do aterramento

X: área de influência do sistema de aterramento sob medição E.

Y: Zona de patamar de potencial.

Z: Área de influência do eletrodo auxiliar de corrente H.

Rv: Resistência do aterramento sob medição (valor verdadeiro da resistência do


aterramento do sistema E).

a, b, c: Curvas de resistência de aterramento em função do espaçamento e posição dos


eletrodos auxiliares de potencial e corrente.

Medição
 Para verificação do trecho horizontal (patamar) da curva quando da aplicação do
método de queda de potencial:

 O eletrodo de corrente H deve estar a uma distância d da periferia do


sistema de aterramento sob ensaio (E) de pelo menos três vezes a
maior dimensão deste sistema.

 Mudar a posição do eletrodo de potencial S em 5% de d para a direita S1, e para


esquerda S2 da posição inicial de S.

 Para garantir que as medições estão executadas sem sobreposição das áreas de
influência do sistema de aterramento e o eletrodo de corrente: Se a
porcentagem entre a diferença dos valores medidos com o eletrodo de potencial
em S1 e S2 e o valor medido em S não ultrapassa 10%.

333
 Para minimizar os erros nas medições os eletrodos de corrente e potencial
devem estar alinhados e na mesma direção e sentido.

Resultado da medição
 Se os três resultados forem substancialmente semelhantes, a média das três
leituras é tomada como sendo a resistência de aterramento.

 Do contrário, o ensaio deve ser repetido com um espaçamento maior.

Limitações do método queda de potencial


a) Instalações urbanas em regiões densamente povoadas: é impossível lançar os
circuitos de corrente e potencial nas distâncias necessárias para fazer uma
medição confiável.

b) Sistemas de aterramento de grandes dimensões: necessidade de estender os


circuitos de corrente e potencial distâncias muito grandes, as vezes vários
quilômetros, o que dificulta a medição. Resistências baixas e inferiores a 1ohm
(aterramento de SPDA estrutural).

334
Exemplo de instrumento

Exemplo de medição

15m

d=3x10=30metros

Bibliografia
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5410 – Instalações
Elétricas de Baixa, 2004 Versão Corrigida 17.03.2008.

2. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas – NBR 15749 – Medição de


resistência de aterramento e de potenciais na superfície do solo e de
aterramento.

335
Instalações Elétricas

MEDIÇÃO DA RESISTÊNCIA DE
ATERRAMENTO
ALICATE TERRÔMETRO

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

336
Alicate Terrômetro
 Esse medidor consiste em um gerador C.A, que aplica uma tensão numa bobina
com N espiras, cujo núcleo ferromagnético envolve um circuito fechado,
conforme figura abaixo:

Com a bobina M (n-


espiras), mede-se a
corrente do circuito.

337
338
Restrições
 Só pode ser aplicado quando existir um circuito fechado (laço), O equipamento
não pode ser aplicado na medição de eletrodo que não formam parte do laço.

 A resistência de aterramento que fecha o laço deve ser muito menor que a
resistência do aterramento sob medição.

 A distância entre o aterramento sob medição e o mais próximo dos aterramentos


que fecham o laço deve ser suficientemente grande para que as zonas de
influências não apresentem superposição.

 No caso de um edifício com múltiplas descidas do SPDA, não se pode aplicar o


método para determinar a resistência de aterramento do conjunto. Se o
conjunto estiver interconectado em anel, pode ser incorrer no erro de se estar
medindo a resistência do laço fechado quando se envolve a descida do SPDA.

Bibliografia
 ABNT NBR 15749, Medição de Resistência de Aterramento e de Potenciais na
Superfície do Solo em Sistemas de Aterramento, 2009.

339
Instalações Elétricas

SPDA – SISTEMA DE PROTEÇÃO


CONTRA DESCARAGS
ATMOSFÉRICAS

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

340
Introdução
 O SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) é um sistema
completo utilizado para minimizar os danos físicos causados por descargas
atmosféricas na estrutura.

 O SPDA externo é constituído de um subsistema de captação, um subsistema de


descida e um subsistema de aterramento.

 Subsistema de captação: utiliza elementos metálicos dispostos em qualquer


direção, que são projetados e posicionados para interceptar as descargas
atmosférica.

 Subsistema de descida: conduz a corrente da descarga atmosférica desde o


subsistema de captação até o subsistema de aterramento.

 Subsistema de aterramento: é responsável por conduzir e dispersar a corrente


da descarga atmosférica na terra.

 Instalações metálicas: são elementos metálicos ao longo da estrutura que será


protegida, que podem se tornar caminho para a corrente de descarga
atmosférica.

 Tubulações, escadas, janelas e portas metálicas,


trilhos de elevadores, coifas, dutos de ar
condicionado, armadura de aço da estrutura e
peças metálicas estruturais.

Subsistema de captação

Subsistema de descida Subsistema de aterramento

341
Subsistema de descida
 Tem o propósito de reduzir a probabilidade de danos devido á corrente da
descarga atmosférica fluindo pelo SPDA.

 Os condutores de descidas devem ser arranjados afim de proverem:

 Diversos caminhos paralelos para corrente elétrica;

 Menor comprimento possível do caminho da corrente


elétrica;

 A equipotencialização com as partes condutoras de uma


estrutura deve ser feita.

 Para melhor distribuição das correntes das descargas atmosféricas devem ser
consideradas interligações horizontais com os condutores de descida, ao nível
do solo, e em intervalos entre 10 a 20m, conforme a classe do SPDA.

Fonte: NBR 5419 parte 3 de 2015


É aceitável que os espaçamentos tenham no máximo 20% além dos valores da tabela!

 Um condutor de descida deve ser instalado, preferencialmente, em cada canto


saliente da estrutura, além dos condutores impostos pela distância de
segurança.

Fonte: NBR 5419 parte 3 de 2015

342
 Não é recomendável que os condutores de descida sejam instalados em calhas
ou tubulações pluviais mesmo que sejam cobertos por matérias isolantes. As
umidades nos dutos pluviais aumentam a possibilidade de corrosão.

Área de Seção
Configuração Comentários
Material mínima (mm2)

Fita maciça (d) 35 Espessura 1,75mm

Arredondado
maciço 35 Diâmetro 6mm

Cobre Diâmetro de cada


fio cordoalha
Encordoado 35 2,5mm

Arredondado
maciço (b) 200 Diâmetro 16mm

Fita maciça 70 Espessura 3mm

Arredondado
maciço 70 Diâmetro 9,5 mm

Alumínio Diâmetro de cada


fio cordoalha
Encordoado 70 3,5mm

Arredondado
maciço (b) 200 Diâmetro 16mm

Arredondado
maciço 50 Diâmetro 8mm
Aço cobreado IACS 30%
Diâmetro de cada
Encordoado 50 fio cordoalha 3mm

343
Arredondado
maciço 50 Diâmetro 8mm
Alumínio cobreado IACS
64% Diâmetro de cada
fio cordoalha
Encordoado 70 3,6mm

Fita maciça 50 Espessura 2,5 mm

Arredondado
maciço 50 Diâmetro 8mm
Aço galvanizado a quente Diâmetro de cada
(a) fio cordoalha
Encordoado 50 1,7mm

Arredondado
maciço (b) 200 Diâmetro 16mm

Fita maciça 50 Espessura 2mm

Arredondado
maciço 50 Diâmetro 8mm

Aço inoxidável (c) Diâmetro de cada


fio cordoalha
Encordoado 70 1,7mm

Arredondado
maciço (b) 200 Diâmetro 16mm

Fonte: NBR 5419 parte 3 de 2015

 A tabela de condutores de captação, descidas e aterramento foi aprimorada com


novos materiais (aço cobreado, alumínio cobreado), e algumas dimensões
mínimas e tolerâncias foram estabelecidas. Aprimorada.

Nota: Essa tabela não se aplica aos materiais utilizados como eletrodos
naturais.
Material, configuração e área de seção mínima dos condutores de captação, hastes
captores e condutores de descidas, tabela 6 da NBR 5419/2015 parte 3.

344
Subsistema de Captação
 A probabilidade de penetração da corrente de descarga atmosférica na estrutura
é consideravelmente limitada pela presença de subsistema de captação.

 O Subsistema de captação pode ser composto pela combinação de: hastes


(incluindo mastros), condutores suspensos e condutores em malha.

 O posicionamento dos captores dependo do método do SPDA: Malha (Gaiola de


Faraday), Franklin ou Esferas Rolantes.

- MÉTODO DE PROTEÇÃO

CLASSE DE RAIO DA MÁXIMO ESPAÇAMENTO ÂNGULO DE


SPDA ESFERA AFASTAMENTO DOS ENTRE AS DESCIDAS PROTEÇÃO
ROLANTE – R CONDUTORES DE
(m)
(m) MALHAS (m)

I 20 5X5 10

II 30 10 X 10 10 FIGURA 1

III 45 15 X 15 15

IV 60 20 X 20 20

Fonte: NBR 5419 parte 3 de 2015

Fonte: NBR 5419 parte 3 de 2015

345
Subsistema de captação: Posicionamento
O volume provido por um mastro é definido pela forma de um cone circular cujo vértice
está posicionado no eixo do mastro.

346
Subsistema de captação: Posicionamento

h1: é altura do mastro

O ângulo 𝜶1 corresponde altura h1 acima da superfície da cobertura.

O ângulo 𝜶2 corresponde à altura h2= h1 + H e o plano de referência é o solo.

Subsistema de captação

Subsistema de captação

O adequado posicionamento do subsistema de captação ocorre se nenhum ponto da


estrutura entrar em contato com a esfera fictícia rolando ao redor e no topo.

347
- MÉTODO DE PROTEÇÃO

CLASSE DE RAIO DA MÁXIMO ESPAÇAMENTO ÂNGULO DE


SPDA ESFERA AFASTAMENTO DOS ENTRE AS DESCIDAS PROTEÇÃO
ROLANTE – R CONDUTORES DE
(m)
(m) MALHAS (m)

I 20 5X5 10

II 30 10 X 10 10 FIGURA 1

III 45 15 X 15 15

IV 60 20 X 20 20

Fonte: NBR 5419 parte 3 de 2015

Subsistema de captação: posicionamento dos captores em Malha (Gaiola de


Faraday)
 Um SPDA gaiola (malha) é considerado um bom método de captação para
proteger superfícies planas.

 Os condutores devem ser instalados:

 Na periferia da cobertura

 Nas saliências da cobertura da estrutura;

 Nas cumeeiras dos telhados.

Subsistema de aterramento
 Esse subsistema tem a função de conduzir com eficiência a corrente de descarga
atmosférica para o solo (terra).

 Sob o ponto de vista da proteção contra descargas atmosféricas, uma única


infraestrutura de aterramento integrada é preferível e adequada para todos
propósitos, ou seja, o eletrodo de aterramento deve ser comum.

 Na impossibilidade do aproveitamento das armaduras das fundações das


edificações, o arranjo a ser utilizado consiste em um condutor em anel, externo
a estrutura a ser protegida em contato com o solo.

348
Comprimento do eletrodo de aterramento em função da classe conforme NBR
5419/2015 parte 3.

 O eletrodo de aterramento em anel deve ser enterrado na profundidade de no


mínimo 0,5m e ficar posicionado em uma distância de aproximadamente 1m ao
redor das paredes externas.

349
1m
1m
Profundidade
mínima 0,5 m

Dimensões mínimas

Eletrodo
Material Configuração cravado Eletrodo não cravado Comentários
(Diâmetro)

Diâmetro de cada fio


Encordoado (c) _ 50mm2 cordoalha 3mm

Arredondado
Cobre
maciço (c) _ 50mm2 Diâmetro 8mm

Espessura mínima
_
Fita maciça (c) 50mm2 2mm

350
Arredondado
maciço 15mm _

Espessura da parede
Tubo 20mm _ 2mm

Arredondado
maciço (a, b) 16mm Diâmetro 10mm _

Aço galvanizado Espessura da parede


25mm
a quente Tubo (a, b) _ 2mm

Fita maciça (a) _ 90mm2 Espessura 3mm

Encordoado _ 70mm2 _

Arredondado
Aço cobreado maciço (d) 12,7mm Diâmetro de cada fio
Encordoado (g) 70mm2 cordoalha 3,45mm

Arredondado
Aço inoxidável maciço Diâmetro 10mm
15mm Espessura mínima
(e)
Fita maciça 100mm2 2mm

Fonte: NBR 5419 parte 3 de 2015

Isolação elétrica do SPDA externo


 A isolação elétrica entre o subsistema de captação ou de condutores de descida
e as partes metálicas estruturais, instalações metálicas e sistemas internos,
representa uma distância de segurança entre essas partes.

 A isolação elétrica evita indução eletromagnética e centelhamento perigoso.

351
Isolação elétrica do SPDA externo

Nível de proteção do SPDA Ki

I 0,08

II 0,06

352
III e IV 0,04

Isolação elétrica do SPDA externo

Fonte: NBR 5419 Parte 3 de 2015

Fonte: NBR 5419 Parte 3 de 2015

353
Isolação elétrica do SPDA externo: Exemplo distância entre descida

Para feito de exemplo: SPDA classe III, 3 descidas e material isolante tijolo.

354
Bibliografia [1]
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descargas atmosféricas, Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos a vida, 1ª
Edição, maio 2015.

355
Conceitos iniciais de SPDA: externo
 Sistema externo de proteção contra descargas atmosféricas: é a parte do SPDA
constituído em um subsistema de captação, um sistema de descida e um
subsistema de aterramento.
 SPDA externo isolado da estrutura a ser protegida: possui subsistema de
captação e o subsistema de descida posicionados de tal forma que o caminho da
corrente da descarga atmosférica não fique em contato com a estrutura a ser
protegida.
 SPDA externo não isolado da estrutura a ser protegida: SPDA com um subsistema
de captação e um subsistema de descida posicionados de tal forma que o
caminhão da corrente de descarga atmosférica esteja em contato com a
estrutura a ser protegida.

SPDA externo isolado

356
SPDA externo não isolado

Conceitos iniciais de SPDA: externo


 Condutor em anel: condutor formando um laço fechado ao redor da estrutura e
interconectando os condutores de descida para a distribuição da corrente até o
subsistema de aterramento.
 Eletrodo de aterramento em anel: eletrodo de aterramento formando um anel
fechado ao redor da estrutura, em contato com a superfície ou abaixo do solo.
 SPDA estrutural: utiliza eletrodo embutido nas fundações ou as próprias
armaduras como parte integrante do SPDA.
 Instalações metálicas: elementos metálicos ao longo da estrutura a ser protegida
que podem se tornar caminho para a corrente de descarga atmosférica, como
tubulações, escadas, trilhos dos elevadores, coifas, dutos de ar condicionado,
armadura de aço e peças metálicas estruturais.
 Conexão de ensaio: conexão projetada para facilitar ensaios e medições em
subsistemas do SPDA.
 Classe de SPDA: número que denota a classificação de um SPDA de acordo com
o nível de proteção para o qual ele é projetado.
 Componente natural do SPDA: componente condutivo não instalado
especificamente para proteção contra descarga atmosféricas, mas que pode ser
integrado ao SPDA ou que, em alguns casos, pode prover de uma ou mais partes
do SPDA.

357
 Exemplos de SPDA natural: captor natural (estrutura e telhas metálicas), descida
natural (perfis metálicos), eletrodo de aterramento natural (armaduras providas
de continuidade elétrica)

Componentes naturais de um SPDA: NBR 5419-3/2015


 As seguintes partes podem ser consideradas como captores naturais:
1. Chapas metálicas cobrindo a estrutura a ser protegida, desde que:
 A continuidade elétrica entre as diversas partes seja feita de forma
duradoura (solda forte, caldeamento, firsamento, costurado,
aparafusado ou conectado com parafuso e porca);
 A espessura da chapa não seja menor que t` da tabela abaixo:

 A espessura de folha metálica não seja menor que o valor t fornecido na


tabela 3 da NBR 5419-3/2016. Se for necessário precauções contra
perfuração ou ser for necessário considerar os problemas com pontos
quentes.

358
2. Componentes metálicos de construção de cobertura (treliças, ganchos de ancoragem,
armadura de aço da estrutura etc.).

3. Partes metálicas, como grades, tubulações, coberturas de para peitos, porém que
sejam instaladas de forma permanente, ou seja, que sua retirada desconfigura a
característica da estrutura e que tenham seções não inferiores as especificadas para
componentes captores.

4. Tubulações metálicas e tanques na cobertura, desde que eles sejam construídos de


material com espessuras e seções transversais de acordo com tabela a seguir.

359
360
Nota : Essa tabela não se aplica aos
materiais utilizados como eletrodos
naturais.

Tabela 7: Material, configuração e área de seção


mínima dos condutores de captação, hastes
captores e condutores de descidas, tabela 6 da
NBR 5419/2015 parte 3.

Fixação e conexão NBR 5419-3/2015


 Fixação: elementos captores e condutores de descidas devem ser firmemente
fixados de forma que as forças eletrodinâmicas ou mecânicas acidentais não
causem afrouxamento.

361
Exemplo arranjo de condutores nos cantos
fazendo ângulo de 90°
A força empurra a emenda para o lado
de fora!

 Fixação dos condutores do SPDA deve ser realizada em distância máxima:


1) Até 1m para condutores flexíveis (cabos e cordoalhas) na horizontal.
2) Até 1,5 m para condutores flexíveis (cabos e cordoalhas) na vertical ou inclinado.
3) Até 1m para condutores rígidos (fitas e barras) na horizontal.
4) Até 1,5 m para condutores rígidos (cabos e cordoalhas) na vertical ou inclinado.
 O número de conexões ao longo dos condutores deve ser menor possível.
 Conexões devem ser feitas de forma segura e por meio de solta elétrica ou
exotérmica e conexões mecânica de pressão (se embutidas em caixa de
inspeção) ou compressão.
 Não são permitidas emendas em cabos de descida, exceto, o conector de ensaios
(1,5m a partir do piso) para acesso aos ensaios.

Bibliografia [2]
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 1, Princípios gerais, maio 2015.
.

1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra


descarga atmosférico, Parte 3, Danos físicos as estruturas e perigos à vida, maio
2015.

362
Classe do SPDA
 O SPDA possui características que são determinadas pelas características da
estrutura a ser protegida e pelo nível de proteção considerado para descargas
atmosféricas.
 A NBR 5419/2015 apresenta as quatro classes de SPDA (I a IV), conforme tabela
abaixo:

 A classe pode ser caracterizada por:

Dados dependentes da classe de SPDA são:

 Parâmetros da descarga atmosférica;


 Raio da esfera rolante (método eletromagnético),
tamanho da malha (Gaiola de Faraday) e ângulo de
proteção (Franklin);
 Distância entre condutores de descida e dos condutores
em anel;
 Distância de segurança contra centelhamento perigoso;
 Comprimento mínimo dos eletrodos de terra.
 A eficiência de cada classe de SPDA é fornecida e pela NBR 5419-2/2015 Anexo
B.
 A classe do SPDA requerido deve ser selecionada com base em uma avaliação de
risco (NBR 5419-2/2015) e vimos nas aulas de gerenciamento de risco (aula 1,
aula 2, aula 3, aula 4 e aula 5).
 Quanto maior for a sintonia e a coordenação entre os projetos e execuções das
estruturas a serem protegidas e do SPDA, melhores serão as soluções adotadas,
possibilitando otimizar custo dentro da melhor solução técnica possível.

363
 O próprio projeto da estrutura, preferencialmente, deve viabilizar a utilização
das partes metálicas deste como componentes naturas do SPDA.

Classe do SPDA: parâmetros da descarga atmosférica

364
Classe de SPDA

Tabela 4: valores do raio da esfera e reticulado da malha, Tabela 2 e 4 da NBR 5419/2015


partes 3

E é aceitável que o espaçamento dos condutores de descidas tenha no máximo 20%


além dos valões da tabela acima

Eficiência da classe do SPDA


 A probabilidade (PB) de uma descarga atmosférica provocar danos a uma
estrutura é dado pela tabela abaixo:

365
Componentes naturais de um SPDA: NBR 5419-3/2015
 As seguintes partes podem ser consideradas como captores naturais:
1. Chapas metálicas cobrindo a estrutura a ser protegida, desde que:
 A continuidade elétrica entre as diversas partes seja feita de forma
duradoura (solda forte, caldeamento, firsamento, costurado,
aparafusado ou conectado com parafuso e porca);
 A espessura da chapa não seja menor que t` da tabela abaixo:

 A espessura de folha metálica não seja menor que o valor t fornecido na


tabela 3 da NBR 5419-3/2016. Se for necessário precauções contra
perfuração ou ser for necessário considerar os problemas com pontos
quentes.

366
2. Componentes metálicos de construção de cobertura (treliças, ganchos de ancoragem,
armadura de aço da estrutura etc.).

3. Partes metálicas, como grades, tubulações, coberturas de para peitos, porém que
sejam instaladas de forma permanente, ou seja, que sua retirada desconfigura a
característica da estrutura e que tenham seções não inferiores as especificadas para
componentes captores.

4. Tubulações metálicas e tanques na cobertura, desde que eles sejam construídos de


material com espessuras e seções transversais de acordo com tabela a seguir.

Bibliografia [3]
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 1, Princípios gerais, maio 2015.
2. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 2, Gerenciamento de risco, maio 2015.
3. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 3, Danos físicos as estruturas e perigos a vida, maio
2015.

367
SPDA esfera rolante: eletrogeométrico
 Prevê que o volume de proteção de um elemento captor seria definido por um
cone com vértice na extremidade do captor, delimitado pela rotação de um
segmento de círculo tangente ao solo.
 O raio deste segmento de círculo é função do nível de proteção desejado para a
instalação.

Somente captor único protege


apenas uma parte da igreja
(deixando desprotegida a quina
acima da curva cheia), fazendo-se
necessário mais um na ponta da
nave da igreja para complementar a
proteção.

SPDA esfera rolante: eletrogeométrico


 O modelo eletrogeométrico é compatível com a constatação pratica de que
estruturas muito altas são suscetíveis de serem atingidas por descargas laterais.
 Efetivamente, se a estrutura tiver uma altura superior à distancia R, um
elemento captor no seu topo não garantirá uma proteção adequada, pois o
segmento de círculo tangente ao solo tocará lateralmente na estrutura.

368
 A análise até́ aqui apresentada foi conduzida considerando-se apenas duas
dimensões.
 A extensão deste modelo para três dimensões resulta no conceito da “esfera
rolante”.
 Pode-se visualizar que se esta esfera for rolada por toda a área de uma instalação
protegida por uma determinada geometria de elementos captores, ela não
poderá́ nunca tocar em qualquer parte que não seja ele- mento captor.
 As partes da edificação eventualmente tocadas pela esfera poderão ser
consideradas falhas de blindagem, e serão pontos suscetíveis de serem atingidos
por uma descarga atmosférica direta.

369
SPDA Franklin
 O Método de Franklin nada mais é do que um caso particular do Modelo
Eletrogeométrico, em que o segmento de círculo é aproximado por um
segmento de reta, tangente ao círculo na altura do captor.

SPDA Franklin e sua Classe NBR 5419/2015

370
SPDA Gaiola de Faraday conforme NBR 5419/2015
 Neste sistema de proteção, uma rede de condutores, lançada na cobertura e nas
laterais da instalação a ser protegida, forma uma blindagem eletrostática,
destinada a interceptar as descargas atmosféricas incidentes.
 Elementos metálicos estruturais, de fachada e de cobertura, podem integrar esta
rede de condutores, desde que atendam a requisitos específicos.
 Edificações com estrutura metálica na cobertura e continuidade elétrica nas
ferragens estruturais e aterramento em fundação (ou anel) tem bom
desempenho como Gaiolas de Faraday

 Galpões em estrutura metálica (colunas e cobertura) constituem-se em Gaiolas


de Faraday naturais, que devem ser complementados com um aterramento
adequado, preferencialmente integrado as armaduras das fundações.
 O Método de Faraday é também aplicável a edificações de grande área de
cobertura, onde a adoção de outras técnicas de dimensionamento da rede
captora implica a utilização de grande número de mastros captores, que
demandam uma ampla rede de condutores de interligação que, por si só́, já́ é
uma aproximação de uma Gaiola de Faraday.

371
Exemplo de um projeto SPDA: hibrido e estrutural

372
373
374
375
Bibliografia [4]
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 3, Danos físicos as estruturas e perigos à vida, maio
2015.
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 4, Sistemas elétricos e eletrônicos internos a
estrutura, junho 2015.
 Hélio Creder, Instalações Elétricas, Editora LTC 15ª Edição, 2012.

376
Acessórios de um SPDA
 A construção de um SPDA requer uma certa quantidade de peças acessórias e
disponíveis no mercado através de fabricantes dedicados a essa atividade.

377
Conectores de pressão Split bolt

Conexões para SPDA estrutural e vergalhão

Conector terminal botinha e conector para haste

378
Acessórios de um SPDA

379
Acessórios de um SPDA

380
381
382
383
384
385
386
387
Bibliografia [5]
 MAMEDE J.F, Instalações Elétricas Industriais, Editora LTC, 8ª Edição, 2010.
 http://www.montal.com.br/

388
Como a NBR 5419/2015 está estruturada?
 A NBR 5419 1ª edição de 22 de junho de 2015 é estruturada da seguinte forma:

Apresenta
Parte 1 Ameaça da informações relativas
aos efeitos das
NBR 5419-1 descarga
descargas, valores de
atmosféricas
corrente de descarga,
simulação de corrente
Parte 2 Riscos Apresenta
associados á informações relativas
NBR 5419-
Gerenciament descarga ao gerenciamento de
risco. Tais como: os
parâmetros e a forma
Parte 3 Danos físicos
Apresenta dados
a estruturas e
NBR 5419-3 sobre a classe de
perigos á vida
proteção, distância
entre descidas,
Parte 4 Sistemas Apresenta dados
elétricos e sobre o uso do
NBR 5419-4
eletrônicos DPS nas
estrutura e as

NBR 5419- Parte 1


 As medidas propostas pela NBR 5419/2015, quando aplicadas reduzem os riscos
associados ás descargas atmosféricas.

 A descarga atmosférica que atinge a estrutura pode causar danos a própria


estrutura e aos ocupantes e conteúdo, incluindo falhas dos sistemas internos.

 Os efeitos das descargas atmosféricas sobre as estruturas são apresentados em


formato de tabelas.

 É apresentado o tipo da construção, sua função, ocupantes e conteúdo, linhas


elétricas e tubulações metálicas, medidas de proteção e por fim a dimensão do
risco.

389
Figura 1: adaptada da NBR 5419- parte 1

 Uma proteção ideal para estruturas é envolver completamente a estrutura a ser


protegida por uma blindagem contínua perfeitamente condutora, aterrada e de
espessura adequada.

 Providenciar ligações equipotenciais adequadas para as linhas elétricas e


tubulações metálicas que adentrarem nos pontos de passagem pela blindagem.

Informações de corrente de descarga em função do nível de proteção (NP):

Tabela 1: adaptada da tabela 3 da NBR 5419- Parte 1.

 Assume-se que a eficiência de uma medida de proteção é igual a probabilidade


com a qual os parâmetros das correntes das descargas estão dentro da meta.

390
Tabela 3: adaptada da tabela 5 da NBR 5419/2015 Parte 1.

NBR 5419- Parte 2


 Apresenta os critérios para avaliação do risco e para escolha das medidas de
proteção mais adequadas. Nessa nova norma foi dedicado uma parte apenas
para o gerenciamento e cálculo do risco de forma mais abrangente.

 Os perigos para uma estrutura podem resultar em:

 Danos à estrutura e ao seu conteúdo

 Falhas aos sistemas eletroeletrônicos associados

 Ferimentos a seres vivos dentro ou perto das estruturas.

 O risco definido na NBR 5419 como provável perda média anual em uma
estrutura devido ás descargas atmosféricas, depende de:

 Número anual de descargas atmosféricas que influenciam a estrutura.

391
 A probabilidade de dano por uma das descargas atmosféricas que influenciam.

 A quantidade média das perdas causadas.

 A decisão de prover uma proteção contra descarga atmosférica pode ser tomada
independente do resultado da análise de risco!

Tabela 4: Risco tolerável NBR 5419/205 tabela 4 Parte 2

Para cada tipo de risco a ser considerado, os seguintes passos devem ser tomados:

a. Identificação das componentes RX que compõe o risco (R);

b. Cálculo dos componentes de risco identificados RX

c. Cálculo do risco total tabela 3 da NBR 5419-Parte 2;

d. Identificar os riscos toleráveis;

e. Comparar o risco R com o risco tolerável.

 Observações importantes:

 O anexo B da norma NBR 5419/2005, conhecido como análise da necessidade de


proteção mudou sua forma de cálculo e análise (NBR 5419/2015 – Parte 2).

 A NBR 5419/2015 Parte 2 dedicou ao gerenciamento de risco onde é realizada a


análise de risco. Foram inseridos novos fatores de riscos para edificação que
antes não eram analisados.

392
 Isso possibilitou aumentar a segurança nos sistemas de proteção e elevar o nível
de segurança do SPDA.

 A Parte -2 da NBR 5419 são definidos: o nível de proteção e quais medidas


complementares deverão ser tomadas para garantir uma proteção eficiente a
edificação, pessoas e instalações.

NBR 5419- Parte 3


 As características do SPDA são determinadas pelas características da estrutura a
ser protegida e pelo nível de proteção considerado.

 Essa parte da norma define os níveis de proteção, associa os materiais


necessárias para o nível de proteção adequando nos subsistemas de descidas,
captação, aterramento e define os tipos de métodos de SPDA.

Tabela 5: Nível de proteção e classe do SPDA: NBR 5419/2015 Parte 2


Tabela 1

 Os componentes do subsistema de captação instalados na estrutura devem ser


posicionados nos cantos salientes, pontas expostas e nas beiradas
(especialmente no nível superior de qualquer fachada) de acordo com um ou
mais métodos utilizados (Franklin, Gaiola e Esferas rolantes)

N= Número de descidas
P= Perímetro da edificação
D= distância enter as descidas
N= P/D

Tabela 6: valores do raio da esfera e reticulado da malha, Tabela 2 e 4 da


NBR 5419/2015 parte 3

393
Com relação a quantidade de métodos de
proteção, não houve alterações, continuando a
serem usados os métodos dos Ângulos
(Franklin), Modelo Eletromagnético (esferas
rolantes) e Malhas.
O Método das Malhas teve seus meshs
(reticulados) reduzidos para: classe 1 = 5x5m;
classe 2 = 10x10m; classe 3 = 15x15m e
classe 4 = 20x20m.

As maiores mudanças
ocorreram no Método dos
Ângulos com o aumento
significativo do alcance de
pequenos captores,
particularmente até 2 metros.

Figura 2: ângulo de proteção conforme NBR 5419/2015 parte 3.

394
NBR 5419 2015

395
Figura 2: ângulo de proteção conforme NBR 5419/2015 parte 3.

Área de Seção
Material Configuração Comentários
mínima (mm2)

Fita maciça (d) 35 Espessura 1,75mm

Arredondado
35 Diâmetro 6mm
maciço

Cobre Diâmetro de cada


Encordoado 35 fio cordoalha
2,5mm

Arredondado
200 Diâmetro 16mm
maciço (b)

Fita maciça 70 Espessura 3mm

Arredondado
70 Diâmetro 9,5 mm
maciço

Alumínio Diâmetro de cada


Encordoado 70 fio cordoalha
3,5mm

Arredondado
200 Diâmetro 16mm
maciço (b)

396
Arredondado
50 Diâmetro 8mm
maciço
Aço cobreado IACS 30%
Diâmetro de cada
Encordoado 50
fio cordoalha 3mm

Arredondado
50 Diâmetro 8mm
maciço
Alumínio cobreado IACS
64% Diâmetro de cada
Encordoado 70 fio cordoalha
3,6mm

Fita maciça 50 Espessura 2,5 mm

Arredondado
50 Diâmetro 8mm
maciço
Aço galvanizado a quente Diâmetro de cada
(a) Encordoado 50 fio cordoalha
1,7mm

Arredondado
200 Diâmetro 16mm
maciço (b)

Fita maciça 50 Espessura 2mm

Arredondado
50 Diâmetro 8mm
maciço

Aço inoxidável (c) Diâmetro de cada


Encordoado 70 fio cordoalha
1,7mm

Arredondado
200 Diâmetro 16mm
maciço (b)

Tabela 7: Material, configuração e área de seção mínima dos condutores de captação,


hastes captores e condutores de descidas, tabela 6 da NBR 5419/2015 parte 3.

 A tabela de condutores de captação, descidas e aterramento foi aprimorada com


novos materiais (aço cobreado, alumínio cobreado), e algumas dimensões
mínimas e tolerâncias foram estabelecidas. Aprimorada.

397
Nota: Essa tabela não se aplica aos materiais utilizados como eletrodos
naturais.

Dimensões mínimas

Eletrodo
Eletrodo não
Material Configuração cravado Comentários
cravado
(Diâmetro)

Diâmetro de cada
Encordoado
_ 50mm2 fio cordoalha
(c)
3mm

Arredondado
_ 50mm2 Diâmetro 8mm
maciço (c)

Cobre Fita maciça Espessura


_ 50mm2
(c) mínima 2mm

Arredondado
15mm _
maciço

Espessura da
Tubo 20mm _
parede 2mm

Arredondado
16mm Diâmetro 10mm _
maciço (a, b)
Aço
Espessura da
galvanizado Tubo (a, b) 25mm _
parede 2mm
á quente
Fita maciça
_ 90mm2 Espessura 3mm
(a)

398
Encordoado _ 70mm2 _

Arredondado
maciço (d) Diâmetro de cada
Aço
12,7mm 70mm2 fio cordoalha
cobreado Encordoado 3,45mm
(g)

Aço Arredondado
Diâmetro 10mm Espessura
inoxidável maciço 15mm
mínima 2mm
(e) Fita maciça 100mm2

 O arranjo A (aterramento pontual) foi retirado da norma, permanecendo apenas


o arranjo B (em anel) circundando a edificação e interligando todas as descidas.
Este anel deve estar, no mínimo, 80% em contato com o solo. 5.4.2.

 Os testes de continuidade das estruturas de concreto armado foram


normalizados em duas etapas com melhor detalhamento dos seus
procedimentos.

 A medição da resistência ôhmica do aterramento do SPDA, bem como o anterior


valor sugerido de 10 ohms foram retirados da norma.

Comprimento do eletrodo de
aterramento em função da classe
conforme NBR 5419/2015 parte 3.

O gráfico de comprimento mínimo de eletrodo enterrado versus resistividade do


solo, agora foi estendido também para nível 2 de proteção já que antes só havia relação
direta entre os 2 parâmetros!

399
 Podemos dizer que não aconteceram grandes alterações no texto no que se
refere a inspeção e manutenção.

 Em relação a inspeção e manutenção, grande parte do texto da seção 6 da versão


de 2005 foi incorporada ao texto da seção 7 da parte 3 da versão 2015.

 Dessa forma as prescrições sempre têm o objetivo principal de manter a


operacionalidade do SPDA com consequente minimização do risco envolvido.

 Inspeções visuais, realizadas por pessoas minimamente orientadas para


observar se alguma peça está solta, quebrada ou oxidada, devem ser realizadas
de seis meses a um ano, dependendo das condições do local, ou se houver
suspeita de que o SPDA foi atingido por raio.

 Inspeções periódicas obrigatórias devem ser realizadas em intervalos de um a


três anos, no máximo, dependendo da agressividade que o ambiente estiver
impondo ao SPDA.

 Nesta etapa, é necessário que seja gerado um relatório técnico, acompanhado


de ART do profissional executante, onde constará a situação do sistema e quais
intervenções são necessárias, se existirem, para adequação.

 Uma das mudanças importantes, que há um tempo vem sendo questionado é o


valor da resistência de aterramento, que na nova norma não fará constar o valor
de 10 ohms.

 Um sistema de aterramento bem estudado, projetado e dimensionado, é mais


importante que o valor de aterramento.

NBR 5419- Parte 4


 Fornece informações para o projeto, instalação, inspeção, manutenção e ensaio
de sistemas de proteção elétricos e eletrônicos (Medidas de Proteção contra
Surtos – MPS) para reduzir o risco de danos permanecentes internos a estrutura
devido aos impulsos eletromagnéticos de descargas atmosféricas (LEMP).

400
Bibliografia [6]
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 1, Princípios gerais, junho 2015.

 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra


descarga atmosférico, Parte 2, Gerenciamento de risco, junho 2015.

 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra


descarga atmosférico, Parte 3, Danos físicos as estruturas e perigos a vida, junho
2015.

 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra


descarga atmosférico, Parte 4, Sistemas elétricos e eletrônicos internos a
estrutura, junho 2015.

401
SPDA FRANKLIN
 O método de Franklin é recomendado para aplicação em estruturas não muito
elevadas (conforme tabela NBR 5419/2015) e de pouca área horizontal, onde se
pode utilizar uma pequena quantidade de captores, o que torna o projeto
economicamente interessante.

 Os projetos de instalação de para-raios pelo método de Franklin podem ser


elaborados tomando-se a seguinte sequência de cálculo.

 a) Zona de proteção

O para-raios deve oferecer uma proteção dada por um cone cujo vértice
corresponde à extremidade superior do captor e cuja geratriz faz um angulo de 𝜶° com
a vertical, propiciando um raio de base do cone de valor dado pela equação a seguir.

Deve-se estabelecer uma proteção de borda da parte superior da edificação, através


de um condutor, compondo a malha de interligação dos captores.

O volume provido por um mastro é definido pela


forma de um cone circular cujo vértice está
posicionado no eixo do mastro.

402
SPDA FRANKLIN: Quantidade de descida

403
SPDA FRANKLIN: Exemplo
Um prédio residencial com 4 andares + térreo possui altura de 15 metros e dimensões
20x20m. A figura abaixo ilustra a edificação (Classe III)

404
20m

O 20m

20m

SPDA Franklin: Mastro 6m

405
Classe do SPDA

Nessas condições somente SPDA classe III atenderia as demais não!

Quantidade de descida

406
Classe do SPDA: o que é necessário?
Aumentar o n° de captores

407
Classe do SPDA: o que é necessário?
Aumentar os captores

20m

20m
9,23m
9,23m

1m 1m

Bibliografia [7]
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 3, Danos físicos as estruturas e perigos a vida, maio
2015.

 MAMEDE J.F, Instalações Elétricas Industriais, Editora LTC, 8ª Edição, 2010

408
SPDA Gaiola de Faraday
 Consiste em envolver a parte superior da construção com uma malha captora de
condutores elétricos nus, cuja distância entre eles é em função do nível de
proteção desejado e dado pela norma NBR 5419-3/2015, que estabelece a
largura do modulo da malha de proteção; o comprimento do modulo não deve
ser superior ao dobro da sua largura, ou seja:

 O método de Faraday, ao contrário do método de Franklin, é indicado, na pratica,


para edificações com uma grande área horizontal, nas quais seria necessária uma
grande quantidade de captores do tipo Franklin, tornando o projeto muito
oneroso.

 O método de Faraday é fundamentado na teoria pela qual o campo


eletromagnético é nulo no interior de uma estrutura metálica ou envolvida por
uma superfície metálica ou por malha metálica, quando são percorridas por uma
corrente elétrica de qualquer intensidade.

 A maior proteção que se pode ter utilizando o método de Faraday é construir


uma estrutura e envolvê-lá completamente com uma superfície metálica, o que
obviamente não é uma solução aplicável.

 Recomenda-se a instalação de captores auxiliares verticais ao longo dos


condutores que compõem a malha protetora.

 Isso evita o centelhamaneto devido ao impacto da descarga atmosférica


danifique o material da cobertura.

 A norma não exige a instalação dos mini captores (terminais aéreos), uma vez
que a eficiência da gaiola não depende deles, no entanto, a sua instalação é
recomendada para preservar os cabos de danos térmicos no caso de descargas
diretas sobre eles.

 Fica a critério do projetista o uso. Caso sejam instalados, a recomendação é usar


nas quinas, cruzamentos de cabos e a cada 5m de perímetro.

409
 Quando existir qualquer estrutura na cobertura que se projete a mais de 30 cm
do plano da malha captora e constituída de materiais não condutores, tais como
chaminés, sistema de exaustão de ar etc., ela deve ser protegida por um
dispositivo de captação conectado à malha captora;

SPDA FARADAY: Quantidade de descida

SPDA FRANKLIN: Exemplo


Um prédio residencial com 4 andares + térreo possui altura de 15 metros e dimensões
40x75m. A figura abaixo ilustra as dimensões da cobertura.

410
Área construída S=
40x75=3000mm2

SPDA GAIOLA FARADAY: Exemplo

411
SPDA FARADAY: Quantidade de descida

412
SPDA GAIOLA FARADAY: Terminais aéreos

Bibliografia [8]
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 3, Danos físicos as estruturas e perigos a vida, maio
2015.

 MAMEDE J.F, Instalações Elétricas Industriais, Editora LTC, 8ª Edição, 2010

413
Componentes do SPDA
 Componentes de um SPDA devem:
 Suportar os efeitos eletromagnéticos da corrente de descarga
atmosféricas
 Esforços acidentais previsíveis sem serem danificados.
 Devem ser fabricados com os materiais com outros tipos de materiais com
características de comportamento mecânico, elétrico e químico (relacionado à
corrosão) equivalente.

Corrosão dos materiais do SPDA


 Corrosão: deterioração dos materiais pela ação química ou eletroquímica.
 Nos processos de corrosão, os metais reagem com os elementos não metálicos:
𝑂2, 𝑆, 𝐻2 𝑆, 𝐶𝑂2 etc.

Concreto
 O concreto é um material que precisa de reforço porque ele não é resistente à
tensão. É por isso que nas construções são colocadas barras de aço.
 O concreto é um material poroso.
 Deixa passar ar e umidade.
 O oxigênio e a água, quando o penetram, oxidam o ferro contido no aço
formando a ferrugem, que, por sua vez, enfraquece o aço e também provoca a
quebra do concreto.

414
 Nos processos de corrosão, os metais reagem com os elementos não metálicos:
𝑂2, 𝑆, 𝐻2 𝑆, 𝐶𝑂2 etc.

Materiais para SPDA e condições de utilização

Fonte: tabela 5 NBR 5410:2015

Bibliografia [9]
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descarga atmosférico, Parte 3, Danos físicos as estruturas e perigos a vida, maio
2015.

415
Instalações Elétricas
SPDA – SISTEMA DE PROTEÇÃO
CONTRA DESCARAGS
ATMOSFÉRICAS
GERENCIAMENTO DE RISCO

PROFESSOR – Ms. Luciano Henrique Duque

416
Introdução ao risco de descargas atmosféricas
 O risco é definido como a provável perda média anual em uma estrutura devido
ás descargas atmosféricas.
 Esse risco depende de:
 O número anual de descarga atmosférica que influenciam a
estrutura;
 Probabilidade de dano por uma das descargas que influenciam a
estrutura;
 A quantidade média de perdas causadas.
 As descargas que influenciam a estrutura são divididas em:
 Descargas diretas a estrutura
 Descargas próximas a estrutura, diretas ás linhas conectadas a
estrutura (linhas de energia, linhas de telecomunicações) ou
perto das linhas.
 Descargas diretas à estrutura ou a uma linha conectada podem causar danos
físicos e perigo a vida.
 Descargas próximas a estrutura ou linhas, podem causar falhas nos sistemas
eletroeletrônicos devido ás sobretensões resultantes do acoplamento resistivo
e indutivo com a corrente da descarga atmosférica
 O número de descargas atmosféricas que influenciam a estrutura depende das
dimensões e das características das estruturas e das linhas conectadas, das
características do ambiente da estrutura, assim como a densidade de cargas
atmosféricas para a terra na região onde são localizadas a estrutura e as linhas.
 A probabilidade de danos devido ás descargas atmosférica depende da
estrutura, das linhas conectadas, e das características da corrente de descarga,
assim como do tipo da eficiência das medidas de proteção efetuadas.
 A quantidade média da perda consequente depende da extensão dos danos e
dos efeitos consequentes, os quais podem ocorrer como resultado de uma
descarga atmosférica.

417
Tipos de descargas atmosféricas

Danos e perdas provocados pela descarga


 Danos provocados são:
 D1: ferimentos aos seres vivos por choque elétrico.
 D2: danos físicos
 D3: falhas de sistemas eletroeletrônicos.
 Perdas provocadas pela descarga atmosférica:
 L1: perda de vida humana;
 L2: perda de serviço público;
 L3: perda de patrimônio cultural;
 L4: perda de valores econômicos (estrutura, conteúdo, e perdas de
atividade).

D1: L1,L4 (caso de animais)


D3: L1 (risco explosão), L2,L4
D2 : L1,L2,L3 e L4
D3: L1 (risco de explosão), L2, L4

D1: ferimentos aos seres vivos por choque elétrico.


D2: danos físicos
418
D3: falhas de sistemas eletroeletrônicos.
L1: perda de vida humana;
L2: perda de serviço público;
L3: perda de patrimônio cultural;
L4: perda de valores econômicos (estrutura,
conteúdo, e perdas de atividade).

D1:L1, L4 (animais)
D3: L1 (explosão),L2,L4
D2:L1, L2,L3,L4

D1: ferimentos aos seres vivos por choque


elétrico.
D2: danos físicos
D3: falhas de sistemas eletroeletrônicos.

D3: L1 (explosão), L2,L4


L1: perda de vida humana;
L2: perda de serviço público;
L3: perda de patrimônio cultural;
L4: perda de valores econômicos (estrutura, conteúdo,
e perdas de atividade).

Procedimento para avaliar a necessidade de proteção


 Os riscos R1, R2 e R3 devem ser considerados na avaliação da necessidade de
proteção contra descargas atmosféricas.
 R1: Risco de perda de vida humana (incluindo ferimentos)
 R2: risco de perda de serviço ao público
 R3: risco de perda ao patrimônio cultural.
 Cada risco R, é a soma dos seus componentes de risco.
Procedimento para avaliar a necessidade de proteção: componentes de risco
 RA: componente relativo a ferimentos aos seres vivos causados por choque
elétrico devido a tensões de toque e passo dentro da estrutura e fora nas zonas
até 3m ao redor dos condutores de descidas. Perdas do tipo L1 e L4 (quando a
estrutura conter animais (gado), por exemplo).
 RB: componentes relativos a danos físicos causados por centelhamento
perigosos dentro da estrutura iniciando incêndio ou explosão, os quais podem
também colocar em perigo o meio ambiente. As perdas são L1, L2, L3 e L4.

419
 RC: componente relativo a falhas de sistema internos causados por LEMP.
 Componente de risco para descarga perto da estrutura:
 RM: componente de risco relativo a falhas de sistema internos
causados por LEMP.
Procedimento para avaliar a necessidade de proteção: componentes de risco
 Componente de risco para uma estrutura devido ás descargas atmosféricas a
uma linha conectada a estrutura:
 RU: componente relativo a ferimentos
 RV: componente relativo a danos físicos (incêndio ou explosão)
 RW: componente devido a falhas do sistema interno causados por
sobre tensões.
 Descarga perto de uma linha:
 RZ: componente devido a falhas internas causados por sobre
tensão induzidas nas linhas que entram na estrutura.

420
Componentes de risco a serem consideradas para cada tipo de perda em
uma estrutura

421
Fatores que influenciam os componentes de risco

Procedimento para avaliar a necessidade de proteção: composição do risco


𝑅1 = 𝑅𝐴1 + 𝑅𝐵1 + 𝑅𝐶1 + 𝑅𝑀1 + 𝑅𝑈1 + 𝑅𝑉1 + 𝑅𝑍1

RC1(somente estruturas com risco de explosão)

RM1(somente estruturas com risco de explosão)

RU1(somente estruturas com risco de explosão)

RV1(somente estruturas com risco de explosão)

RZ1(somente estruturas com risco de explosão)

𝑅2 = 𝑅𝐵2 + 𝑅𝐶2 +𝑅𝑀2 + 𝑅𝑉2 + 𝑅𝑊2 + 𝑅𝑍2

𝑅3 = 𝑅𝐵3 + 𝑅𝑉3

422
Procedimento para avaliar a necessidade de proteção: Descargas e zonas

423
Bibliografia [1]
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descargas atmosféricas, Parte 1: Princípios gerais, 1ª Edição, maio 2015.

2. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra


descargas atmosféricas, Parte 2: Gerenciamento de risco, 1ª Edição, maio 2015.

424
Cálculo do risco

𝑅𝑥 = 𝑁𝑥 × 𝑃𝑋 × 𝐿𝑋
𝑁𝑥 = 𝑁Ú𝑀𝐸𝑅𝑂 𝐷𝐸 𝐸𝑉𝐸𝑁𝑇𝑂𝑆 𝑃𝐸𝑅𝐼𝐺𝑂𝑆𝑂𝑆 𝑃𝑂𝑅 𝐴𝑁𝑂 (anexo A)

𝑃𝑥 = 𝑃𝑅𝑂𝐵𝐴𝐵𝐼𝐿𝐼𝐷𝐴𝐷𝐸 𝐷𝐸 𝐷𝐴𝑁𝑂 Á 𝐸𝑆𝑇𝑅𝑈𝑇𝑈𝑅𝐴 (anexo B)

𝐿𝑥 = 𝑃𝐸𝑅𝐷𝐴 𝐶𝑂𝑁𝑆𝐸𝐺𝑈𝐸𝑁𝑇𝐸 (anexo C)

 O número NX de eventos perigosos é afetado pela densidade de cargas


atmosféricas para a terra (NG) e pelas características físicas da estrutura a ser
protegida, sua vizinhança, linhas conectadas e o solo.
 A probabilidade do dano PX é afetada pelas características da estrutura a ser
protegida, das linhas conectadas e das medidas de proteção existentes.
 A perda conseguinte LX é afetada pelo uso para a qual a estrutura foi projetada,
a frequência das pessoas, o tipo de serviço fornecido ao público, o valor dos bens
afetadas pelos danos e as medidas providenciais para limitar a quantidade de
perdas.
a) Componente relativa a ferimentos a seres vivos por choque elétrico (D1)

𝑅𝐴 = 𝑁𝐷 × 𝑃𝐴 × 𝐿𝐴

b) Componente relacionado a danos físicos (D2)

𝑅𝐵 = 𝑁𝐷 × 𝑃𝐵 × 𝐿𝐵

c) Componente relacionado à falha de sistemas internos (D3)

𝑅𝐶 = 𝑁𝐷 × 𝑃𝐶 × 𝐿𝐶

425
 Análise dos componentes de risco devido a descargas perto da estrutura (S2)

Componente provocada por D3:

𝑅𝑀 = 𝑁𝑀 × 𝑃𝑀 × 𝐿𝑀
 Análise dos componentes de risco devido ás descargas atmosféricas em uma
linha conectada a estrutura (S3).

426
Análise dos componentes de riscos devidos as descargas perto de linhas (S4)

A equação é utilizada:

𝑅𝑍 = 𝑁𝐼 × 𝑃𝑍 × 𝐿𝑍

Número de eventos perigosos ND para estrutura

𝑁𝐷 = 𝑁𝐺 × 𝐴𝐷 × 𝐶𝐷 × 10−6

1
𝑁𝐺 : é 𝑎 𝑑𝑒𝑛𝑠𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑑𝑒𝑠𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎𝑠 𝑎𝑡𝑚𝑜𝑠𝑓é𝑟𝑖𝑐𝑎𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑎 𝑡𝑒𝑟𝑟𝑎 ( × 𝑎𝑛𝑜)
𝐾𝑚2

𝐴𝐷 : é 𝑎 á𝑟𝑒𝑎 𝑑𝑒 𝑒𝑥𝑝𝑜𝑠𝑖çã𝑜 𝑒 𝑒𝑞𝑢𝑖𝑣𝑎𝑙𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑎 𝑑𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑢𝑡𝑢𝑟𝑎 𝑒𝑚 𝑚2

𝐶𝐷 : é 𝑜 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑙𝑜𝑐𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎çã𝑜 𝑑𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑢𝑡𝑢𝑟𝑎

427
Cálculo de NDj
Número de eventos perigosos NDJ para uma estrutura adjacente

O número médio anual de eventos perigosos devido á descarga direta a uma estrutura
conectada na extremidade de uma linha e pode ser avaliada por:

𝑁𝐷𝐽 = 𝑁𝐺 × 𝐴𝐷𝐽 × 𝐶𝐷𝐽 × 𝐶𝑇 × 10−6

1
𝑁𝐺 = é 𝑎 𝑑𝑒𝑛𝑠𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑑𝑒𝑠𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎𝑠 𝑎𝑡𝑚𝑜𝑠𝑓é𝑟𝑖𝑐𝑎𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑎 𝑡𝑒𝑟𝑟𝑎 ( × 𝑎𝑛𝑜)
𝐾𝑚2

𝐴𝐷𝐽 : é 𝑎 á𝑟𝑒𝑎 𝑑𝑒 𝑒𝑥𝑝𝑜𝑠𝑖çã𝑜 𝑒 𝑒𝑞𝑢𝑖𝑣𝑎𝑙𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑎 𝑑𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑢𝑡𝑢𝑟𝑎 𝑎𝑑𝑗𝑎𝑐𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑒𝑚 𝑚2

𝐶𝐷𝑗 : é 𝑜 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑙𝑜𝑐𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎çã𝑜 𝑑𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑢𝑡𝑢𝑟

𝐶𝑇 : é 𝑜 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑡𝑖𝑝𝑜 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎

428
Cálculo de NM

Cálculo de NL

Cálculo de NI
Avaliação do número médio anual de eventos perigosos NI devido a descarga perto de
linhas

𝑁𝐼 = 𝑁𝐺 × 𝐴𝐼 × 𝐶𝐼 × 𝐶𝐸 × 𝐶𝑇 × 10−6

1
𝑁𝐼 = é 𝑜 𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝑠𝑜𝑏𝑟𝑒𝑡𝑒𝑛𝑠ã𝑜𝑒𝑠 𝑛ã𝑜 𝑖𝑛𝑓𝑒𝑟𝑖𝑜𝑟 1𝐾𝑉 ( ) 𝑛𝑎 𝑠𝑒çã𝑜 𝑑𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎
𝑎𝑛𝑜

429
𝐴𝐼 : é 𝑎 á𝑟𝑒𝑎 𝑑𝑒 𝑒𝑥𝑝𝑜𝑠𝑖çã𝑜 𝑒 𝑒𝑞𝑢𝑖𝑣𝑎𝑙𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑞𝑢𝑒 𝑎𝑡𝑖𝑛𝑔𝑒𝑚 𝑝𝑒𝑟𝑡𝑜 𝑑𝑎 𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎 𝑒𝑚 𝑚2

𝐶𝑖 : é 𝑜 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑖𝑛𝑠𝑡𝑎𝑙𝑎çã𝑜 𝑑𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎

𝐶𝑇 : é 𝑜 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑡𝑖𝑝𝑜 𝑑𝑒 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎

𝐶𝐸 : é 𝑜 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑎𝑚𝑏𝑖𝑒𝑛𝑡𝑎𝑙

𝐴𝐼 = 4000 × 𝐿𝐿

Bibliografia [2]
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descargas atmosféricas, Parte 1: Princípios gerais, 1ª Edição, maio 2015.
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descargas atmosféricas, Parte 2: Gerenciamento de risco, 1ª Edição, maio 2015.

430
Avaliação da probabilidade Px de danos
 Probabilidade PA de uma descarga atingir a estrutura e provocar ferimentos a
seres vivos por meio de choque elétrico.
𝑃𝐴 = 𝑃𝑇𝐴 × 𝑃𝐵

Probabilidade (PB) de uma descarga atmosférica em uma estrutura causar danos

 Probabilidade (PC) de uma descarga atmosférica em uma estrutura causar falha


a sistemas internos.

431
 A probabilidade PC é dada por:

 𝑃𝐶 = 𝑃𝑆𝑃𝐷 × 𝐶𝐿𝐷

 𝑃𝑆𝑃𝐷 : 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑜 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑜 𝑑𝑒 𝐷𝑃𝑆 𝑐𝑜𝑛𝑓𝑜𝑟𝑚𝑒 𝑎 𝑝𝑎𝑟𝑡𝑒 4 𝑑𝑎 𝑁𝐵𝑅 5419

 𝑒 𝑑𝑜 𝑛𝑖𝑣𝑒𝑙 𝑑𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑡𝑒çã𝑜

𝐶𝐿𝐷 : é 𝑜 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑞𝑢𝑒 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑛𝑑𝑖çã𝑜𝑒𝑠 𝑑𝑎 𝑏𝑙𝑖𝑚𝑑𝑎𝑔𝑒𝑚 ,

𝑎𝑡𝑒𝑟𝑟𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑒 𝑖𝑠𝑜𝑙𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑑𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎 𝑎 𝑞𝑢𝑎𝑙

Probabilidade PM de uma descarga atmosférica perto da estrutura causar falha em


sistemas internos
𝑃𝑀 = 𝑃𝑆𝑃𝐷 × 𝑃𝑀𝑆

Para sistemas internos com equipamentos não conformes com a suportabilidade de


tensão dados as normas específicas de produto, PM=1 deve ser assumido.

Os valores de PMS são:

𝑃𝑀𝑆 = (𝐾𝑆1 × 𝐾𝑆2 × 𝐾𝑆3 × 𝐾𝑆4 )2

𝐾𝑆1 = 𝑙𝑒𝑣𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑖𝑑𝑒𝑟𝑎çã𝑜 𝑎 𝑒𝑓𝑖𝑐𝑖ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑎 𝑏𝑙𝑖𝑚𝑑𝑎𝑔𝑒𝑚 𝑝𝑜𝑟 𝑚𝑎𝑙ℎ𝑎 𝑑𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑢𝑡𝑢𝑟𝑎

𝐾𝑆2 : 𝑙𝑒𝑣𝑎 𝑒𝑚 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑖𝑑𝑒𝑟𝑎çã𝑜 𝑎 𝑒𝑓𝑖𝑐𝑖ê𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑑𝑎 𝑏𝑙𝑖𝑛𝑑𝑎𝑔𝑒𝑚 𝑝𝑜𝑟 𝑚𝑎𝑙ℎ𝑎 𝑑𝑒 𝑏𝑖𝑙𝑑𝑎𝑔𝑒𝑚 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑎

𝐾𝑆3 : 𝑙𝑒𝑣𝑎 𝑒𝑚 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑖𝑑𝑒𝑟𝑎çã𝑜 𝑎𝑠 𝑐𝑎𝑟𝑎𝑐𝑎𝑡𝑒𝑟í𝑠𝑡𝑖𝑐𝑎𝑠 𝑑𝑎 𝑓𝑖𝑎çã𝑜 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑎

𝐾𝑆4: 𝑙𝑒𝑣𝑎 𝑒𝑚 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑖𝑑𝑒𝑟𝑎çã𝑜 𝑎 𝑡𝑒𝑛𝑠ã𝑜 𝑠𝑢𝑝𝑜𝑟𝑡á𝑣𝑒𝑙 𝑑𝑒 𝑖𝑚𝑝𝑢𝑙𝑠𝑜 𝑑𝑜 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎 𝑎 𝑠𝑒𝑟 𝑝𝑟𝑜𝑡𝑒𝑔𝑖𝑑𝑜

432
Probabilidade PU de uma descarga atmosférica em uma linha causar ferimentos a
seres vivos por choque elétrico.

Valor de PU é dado por:

𝑃𝑈 = 𝑃𝑇𝑈 × 𝑃𝐸𝐵 × 𝑃𝐿𝐷 × 𝐶𝐿𝐷

𝑃 𝑇𝑈 : 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑎𝑠 𝑚𝑒𝑑𝑖𝑑𝑎𝑠 𝑑𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑡𝑒çã𝑜 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑟𝑎 𝑡𝑒𝑛𝑠õ𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝑡𝑜𝑞𝑢𝑒 𝑐𝑜𝑚𝑜 𝑟𝑒𝑠𝑡𝑟𝑖çõ𝑒𝑠

𝑓í𝑠𝑖𝑐𝑎 𝑜𝑢 𝑎𝑣𝑖𝑠𝑜𝑠 𝑣𝑖𝑠í𝑣𝑒𝑖𝑠 𝑑𝑒 𝑎𝑙𝑒𝑟𝑡𝑎

𝑃𝐸𝐵 : 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑎𝑠 𝑙𝑖𝑔𝑎çõ𝑒𝑠 𝑒𝑞𝑢𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑐𝑖𝑎𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑑𝑒𝑠𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑛𝑓𝑜𝑟𝑚𝑒 𝑒𝑠𝑡𝑎𝑏𝑒𝑙𝑒 𝑎 𝑝𝑎𝑟𝑡𝑒 3

𝑃𝐿𝐷 : é 𝑎 𝑝𝑟𝑜𝑏𝑎𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎 𝑑𝑒 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎𝑠 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑜𝑠 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑎 𝑢𝑚𝑎 𝑑𝑒𝑠𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎

𝑛𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑒𝑐𝑡𝑎𝑑𝑎 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑑𝑎𝑠 𝑐𝑎𝑟𝑎𝑐𝑡𝑒𝑟´𝑠𝑡𝑖𝑐𝑎𝑠 𝑑𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎.

𝐶𝐿𝐷 : é 𝑢𝑚 𝑓𝑎𝑡𝑟𝑜 𝑞𝑢𝑒 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑎 𝑏𝑙𝑖𝑛𝑑𝑎𝑔𝑒𝑚 , 𝑑𝑜 𝑎𝑡𝑒𝑟𝑟𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑒 𝑑𝑎𝑠

𝑐𝑜𝑛𝑑𝑖çõ𝑒𝑠 𝑑𝑎 𝑖𝑠𝑜𝑙𝑎çã𝑜 𝑑𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎

433
Probabilidade Pv de uma descarga atmosférica em uma linha causar danos físicos.

𝑃𝑉 = 𝑃𝐸𝐵 × 𝑃𝐿𝐷 × 𝐶𝐿𝐷

𝑃𝐸𝐵 : 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑎𝑠 𝑙𝑖𝑔𝑎çõ𝑒𝑠 𝑒𝑞𝑢𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑐𝑖𝑎𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑑𝑒𝑠𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑛𝑓𝑜𝑟𝑚𝑒

𝑒𝑠𝑡𝑎𝑏𝑒𝑙𝑒 𝑎 𝑝𝑎𝑟𝑡𝑒 3

𝑃𝐿𝐷 : é 𝑎 𝑝𝑟𝑜𝑏𝑎𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎 𝑑𝑒 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎𝑠 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑜𝑠 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑎 𝑢𝑚𝑎

𝑑𝑒𝑠𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 𝑛𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑒𝑐𝑡𝑎𝑑𝑎 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑑𝑎𝑠 𝑐𝑎𝑟𝑎𝑐𝑡𝑒𝑟´𝑠𝑡𝑖𝑐𝑎𝑠 𝑑𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎.

𝐶𝐿𝐷 : é 𝑢𝑚 𝑓𝑎𝑡𝑟𝑜 𝑞𝑢𝑒 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑎 𝑏𝑙𝑖𝑛𝑑𝑎𝑔𝑒𝑚 , 𝑑𝑜

𝑎𝑡𝑒𝑟𝑟𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑒 𝑑𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑛𝑑𝑖çõ𝑒𝑠 𝑑𝑎 𝑖𝑠𝑜𝑙𝑎çã𝑜 𝑑𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎

Probabilidade PW de um descarga atmosferica em uma linha causar falha de sistemas internos.


𝑃𝑊 = 𝑃𝑆𝑃𝐷 × 𝑃𝐿𝐷 × 𝐶𝐿𝐷

𝑃𝑆𝑃𝐷 : 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑜 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎 𝑐𝑜𝑜𝑟𝑑𝑒𝑛𝑎𝑑𝑜 𝑑𝑜 𝐷𝑃𝑆

434
𝑃𝐿𝐷 : é 𝑎 𝑝𝑟𝑜𝑏𝑎𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎 𝑑𝑒 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎𝑠 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑜𝑠 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑎 𝑢𝑚𝑎

𝑑𝑒𝑠𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 𝑒𝑚 𝑢𝑚𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑒𝑐𝑡𝑎𝑑𝑎

𝐶𝐿𝐷 : é 𝑢𝑚 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑞𝑢𝑒 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑎 𝑏𝑙𝑖𝑛𝑑𝑎𝑔𝑒𝑚 , 𝑑𝑜

𝑎𝑡𝑒𝑟𝑟𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑒 𝑑𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑛𝑑𝑖çõ𝑒𝑠 𝑑𝑎 𝑖𝑠𝑜𝑙𝑎çã𝑜 𝑑

Avaliação da probabilidade Px de danos


Probabilidade PZ de uma descarga atmosférica perto da linha que entra na estrutura e
causa falha em sistemas internos.

𝑃𝑍 = 𝑃𝑆𝑃𝐷 × 𝑃𝐿𝐼 × 𝐶𝐿𝐼

𝑃𝐿𝐷 : é 𝑎 𝑝𝑟𝑜𝑏𝑎𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎 𝑑𝑒 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎𝑠 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑜𝑠 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑎 𝑢𝑚𝑎 𝑑𝑒𝑠𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎

𝑝𝑒𝑟𝑡𝑜 𝑑𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑒𝑐𝑡𝑎𝑑𝑎

𝑃𝐿𝐼 : é 𝑎 𝑝𝑟𝑜𝑏𝑎𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎 𝑑𝑒 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎𝑠 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑜𝑠 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑎 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎𝑠

𝑑𝑒 𝑑𝑒𝑠𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 𝑝𝑒𝑟𝑡𝑜 𝑑𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎

𝐶𝐿𝐼 : é 𝑢𝑚 𝑓𝑎𝑡𝑟𝑜 𝑞𝑢𝑒 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒 𝑑𝑎𝑠 𝑐𝑜𝑛𝑑𝑖çã𝑜𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝑏𝑙𝑖𝑑𝑎𝑔𝑒𝑚

𝑑𝑜 𝑎𝑡𝑒𝑟𝑟𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑒 𝑖𝑠𝑜𝑙𝑎çã𝑜 𝑑𝑎 𝑙𝑖𝑛ℎ𝑎

435
Bibliografia [3]
1. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descargas atmosféricas, Parte 1: Princípios gerais, 1ª Edição, maio 2015.
2. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descargas atmosféricas, Parte 2: Gerenciamento de risco, 1ª Edição, maio 2015.

436
Quantidade média relativa das perdas Lx

 D1: ferimentos aos seres vivos por choque elétrico.


 D2: danos físicos
 D3: falhas de sistemas eletroeletrônicos.

Quantidade média relativa das perdas Lx: definições dos parâmetros

437
Quantidade média relativa das perdas Lx: Tabelas

438
Quantidade média relativa das perdas Lx
Perda inaceitável de serviço ao público L2
O valor de LX para cada zona pode ser determinado com equação abaixo:

Tipo de dano D2: 𝐿𝐵 = 𝐿𝑉 = 𝑟𝑝 × 𝑟𝑓 × 𝐿𝐹 × 𝑛𝑧 /𝑛𝑡

Tipo D3: 𝐿𝐶 = 𝐿𝑀 = 𝐿𝑊 = 𝐿𝑍 = 𝐿𝑂 × 𝑛𝑧 /𝑛𝑡


𝑟𝑝 : é 𝑢𝑚 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑑𝑢çã𝑜 𝑑𝑎 𝑝𝑒𝑟𝑑𝑎 𝑝𝑜𝑟 𝑑𝑎𝑛𝑜𝑠 𝑓í𝑠𝑖𝑐𝑜𝑠
𝐿𝐹 : é 𝑜 𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑟𝑒𝑙𝑎𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑚é𝑑𝑖𝑜 𝑡í𝑝𝑖𝑐𝑜 𝑑𝑒 𝑢𝑠𝑢á𝑟𝑖𝑜𝑠 𝑛ã𝑜 𝑠𝑒𝑟𝑣𝑖𝑑𝑜𝑠 𝑟𝑒𝑠𝑢𝑙𝑡𝑎𝑛𝑒𝑡𝑒 𝑑𝑒 𝑑𝑎𝑛𝑜 𝑓í𝑠𝑖𝑐𝑜

439
𝐿𝑂 : é 𝑜 𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑟𝑒𝑙𝑎𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑚é𝑑𝑖𝑜 𝑡í𝑝𝑖𝑐𝑜 𝑑𝑒 𝑢𝑠𝑢á𝑟𝑖𝑜𝑠 𝑛ã𝑜 𝑠𝑒𝑟𝑣𝑖𝑑𝑜𝑠 𝑟𝑒𝑠𝑢𝑙𝑡𝑎𝑛𝑡𝑒

𝑑𝑎 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎 𝑑𝑒 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎𝑠 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑜𝑠

𝑛𝑡 : é 𝑜 𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝑢𝑠𝑢á𝑟𝑖𝑜𝑠
𝑠𝑒𝑟𝑣𝑖𝑑𝑜𝑠 𝑝𝑒𝑙𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑢𝑡𝑢𝑟𝑎

Quantidade média relativa das perdas Lx


Perda inaceitável de patrimônio (L3)
Tipo de Dano D2:

𝐿_𝐵= 𝐿_𝑉= 𝑟_𝑝×𝑟_𝑓×𝐿_𝐹×𝐶_𝑧/𝐶_𝑡

𝐿_𝐹: é 𝑜 𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑟𝑒𝑙𝑎𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑚é𝑑𝑖𝑜 𝑡í𝑝𝑖𝑐𝑜 𝑑𝑒 𝑡𝑜𝑑𝑜𝑠 𝑜𝑠 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑎𝑡𝑖𝑛𝑔𝑖𝑑𝑜𝑠 𝑝𝑜𝑟 𝑑𝑎𝑛𝑜𝑠
𝑓í𝑠𝑖𝑐𝑜𝑠.

𝑟_𝑝: é 𝑢𝑚 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑑𝑢çã𝑜 𝑑𝑒 𝑝𝑒𝑟𝑑𝑎 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑎 𝑑𝑎𝑛𝑜𝑠 𝑓í𝑠𝑖𝑐𝑜𝑠 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑑𝑎𝑠

𝑝𝑟𝑜𝑣𝑑ê𝑛𝑐𝑖𝑎𝑠 𝑡𝑜𝑚𝑎𝑑𝑎𝑠.

𝑟_𝑓: é 𝑢𝑚 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑑𝑢çã𝑜 𝑑𝑎 𝑝𝑒𝑟𝑑𝑎 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑎 𝑑𝑎𝑛𝑜𝑠 𝑓í𝑠𝑖𝑐𝑜𝑠 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒𝑛𝑑𝑜

𝑑𝑜 𝑟𝑖𝑠𝑐𝑜 𝑑𝑒 𝑖𝑛𝑐ê𝑛𝑑𝑖𝑜

𝐶_𝑧: é 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑑𝑜 𝑝𝑎𝑡𝑟𝑖𝑚ô𝑛𝑖𝑜 𝑐𝑢𝑙𝑡𝑢𝑟𝑎𝑙 𝑛𝑎 𝑧𝑜𝑛𝑎

𝐶_𝑡: é 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑑𝑎 𝑒𝑑𝑖𝑓𝑖𝑐𝑎çã𝑜 𝑒 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑒ú𝑑𝑜 𝑑𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑢𝑡𝑢𝑟𝑎

440
Quantidade média relativa das perdas Lx
Perda econômica L4
D1: 𝐿𝐴 = 𝑟𝑡 × 𝐿𝑇 × 𝐶𝑎 /𝐶𝑡

D1: 𝐿𝑈 = 𝑟𝑡 × 𝐿𝑇 × 𝐶𝑎 /𝐶𝑡

D2: 𝐿𝐵 = 𝐿𝑉 = 𝑟𝑝 × 𝑟𝑓 × 𝐿𝐹 × (𝐶𝑎 + 𝐶𝑏 + 𝐶𝑐 + 𝐶𝑠 )/ 𝐶𝑡

D3: 𝐿𝐶 = 𝐿𝑀 = 𝐿𝑊 = 𝐿𝑍 = 𝐿𝑂 × 𝐶𝑠 /𝐶𝑡

𝐿𝑇 : é 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑚é𝑑𝑖𝑜 𝑡í𝑝𝑖𝑐𝑜 𝑑𝑒 𝑡𝑜𝑑𝑜𝑠 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑑𝑎𝑛𝑖𝑓𝑖𝑐𝑎𝑑𝑜𝑠 𝑝𝑜𝑟 𝑐ℎ𝑜𝑞𝑢𝑒 𝑒𝑙é𝑡𝑟𝑖𝑐𝑜

𝐿𝐹 : é 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑟𝑒𝑙𝑎𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑚é𝑑𝑖𝑜 𝑡í𝑝𝑖𝑐𝑜 𝑑𝑒 𝑡𝑜𝑑𝑜𝑠 𝑜𝑠 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑎𝑡𝑖𝑛𝑔𝑖𝑑𝑜𝑠 𝑝𝑒𝑙𝑜𝑠 𝑑𝑎𝑛𝑜𝑠 𝑓í𝑠𝑖𝑐𝑜𝑠

𝐿𝑂 : é 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑟𝑒𝑙𝑎𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑚é𝑑𝑖𝑜 𝑡í𝑝𝑖𝑐𝑜 𝑑𝑒 𝑡𝑜𝑑𝑜𝑠 𝑜𝑠 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑑𝑎𝑛𝑖𝑓𝑖𝑐𝑎𝑑𝑜𝑠 𝑝𝑒𝑙𝑎

𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎 𝑑𝑒 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎𝑠 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑜𝑠

𝑟𝑡 : é 𝑢𝑚 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑑𝑢çã𝑜 𝑑𝑎 𝑝𝑒𝑟𝑑𝑎 𝑑𝑒 𝑎𝑛𝑖𝑚𝑎𝑖𝑠 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑑𝑜 𝑡𝑖𝑝𝑜 𝑑𝑜 𝑠𝑜𝑙𝑜 𝑜𝑢 𝑝𝑖𝑠𝑜

𝑟𝑝 : é 𝑢𝑚 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑑𝑢çã𝑜 𝑑𝑒 𝑝𝑒𝑟𝑑𝑎 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑎 𝑑𝑎𝑛𝑜𝑠 𝑓í𝑠𝑖𝑐𝑜𝑠 𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒𝑛𝑑𝑜

𝑑𝑎𝑠 𝑝𝑟𝑜𝑣𝑖𝑑ê𝑐𝑖𝑎𝑠 𝑡𝑜𝑚𝑎𝑑𝑎𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑟𝑒𝑑𝑢𝑧𝑖𝑟

Quantidade média relativa das perdas Lx


𝑟𝑓 : é 𝑢𝑚 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑑𝑢çã𝑜 𝑑𝑎 𝑝𝑒𝑟𝑑𝑎 𝑑𝑒𝑣𝑖𝑑𝑜 𝑎 𝑑𝑎𝑛𝑜𝑠 𝑓í𝑠𝑖𝑐𝑜𝑠

𝑑𝑒𝑝𝑒𝑛𝑑𝑒𝑛𝑑𝑜 𝑑𝑜 𝑟𝑖𝑠𝑐𝑜 𝑑𝑒 𝑖𝑛𝑐ê𝑛𝑑𝑖𝑜

𝐶𝑎 : é 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑑𝑜𝑠 𝑎𝑛𝑖𝑚𝑎𝑖𝑠 𝑛𝑎 𝑧𝑜𝑛𝑎

𝐶𝑏 : é 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑑𝑎 𝑒𝑑𝑖𝑓𝑖𝑐𝑎çã𝑜 𝑟𝑒𝑙𝑒𝑣𝑎𝑛𝑡𝑒 á 𝑧𝑜𝑛𝑎

𝐶𝑐 : é 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑑𝑜 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑒ú𝑑𝑜 𝑑𝑎 𝑧𝑜𝑛𝑎

𝐶𝑠 : é 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑑𝑜𝑠 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎𝑠 𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑛𝑜𝑠 𝑖𝑛𝑐𝑙𝑢𝑖𝑛𝑑𝑜 𝑠𝑢𝑎𝑠 𝑎𝑡𝑖𝑣𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑛𝑎 𝑧𝑜𝑛𝑎

𝐶𝑡 : é 𝑜 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑑𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑢𝑡𝑢𝑟𝑎

441
Bibliografia [4]
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra descargas
atmosféricas, Parte 1: Princípios gerais, 1ª Edição, maio 2015.

 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra descargas


atmosféricas, Parte 2: Gerenciamento de risco, 1ª Edição, maio 2015.

442
Estudo de caso: determinação de risco em apartamento residencial
 Bloco de apartamentos localizado em um território plano em Brasília e vivem
200 pessoas no local. Vamos admitir que esse número de pessoas na edificação.
A figura abaixo ilustra a edificação e suas zonas de proteção. Sem estruturas nas
redondezas dessa edificação! Vamos considerar somente risco para perda de
vida humana.

Estudo de caso: determinação de risco em apartamento residencial e Identificação


da edificação:
 R1: Risco de perda de vida humana (incluindo ferimentos)
 R2: risco de perda de serviço ao público.
 R3: risco de perda ao patrimônio cultural.
Edificação residencial, perda
 L1: perda de vida humana; de vida humana e sem risco
de explosão!
 L2: perda de serviço público;
 L3: perda de patrimônio cultural;
 L4: perda de valores econômicos (estrutura, conteúdo, e perdas de
atividade).
 D1: ferimentos aos seres vivos por choque elétrico.
 D2: danos físicos
 D3: falhas de sistemas eletroeletrônicos.

443
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Consulta a ser realizada nas tabelas

Análise de risco para Bloco de apartamentos: Risco tolerável nesse caso

Temos que determinar os componentes do risco R1, que são RA, RB, RU e RV e comparar
com o risco tolerável RT

Análise de risco para Bloco de apartamentos: Determinação das perdas


Temos que determinar as perdas, que são definidas nas equações abaixo:

444
445
446
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Avaliação da probabilidade

447
448
449
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Análise do número de descargas
anual
Área da estrutura: 𝐴𝐷 = 𝐿 × 𝑊 + 2 × (3 × 𝐻) × (𝐿 + 𝑊) + 𝜋 × (3 × 𝐻)2

450
Número de eventos perigosos ND para estrutura
𝑁𝐷 = 𝑁𝐺 × 𝐴𝐷 × 𝐶𝐷 × 10−6

1
𝑁𝐺 = é 𝑎 𝑑𝑒𝑛𝑠𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑑𝑒𝑠𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎𝑠 𝑎𝑡𝑚𝑜𝑠𝑓é𝑟𝑖𝑐𝑎𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑎 𝑡𝑒𝑟𝑟𝑎 ( × 𝑎𝑛𝑜)
𝐾𝑚2

𝐴𝐷 = é 𝑎 á𝑟𝑒𝑎 𝑑𝑒 𝑒𝑥𝑝𝑜𝑠𝑖çã𝑜 𝑒 𝑒𝑞𝑢𝑖𝑣𝑎𝑙𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑎 𝑑𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑢𝑡𝑢𝑟𝑎 𝑒𝑚 𝑚2

𝐶𝐷 = é 𝑜 𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑙𝑜𝑐𝑎𝑙𝑖𝑧𝑎çã𝑜 𝑑𝑎 𝑒𝑠𝑡𝑟𝑢𝑡𝑢𝑟𝑎

451
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Análise do número de descargas
anual

452
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Cálculo do Risco

453
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Considerando risco de incêndio e
explosão

454
Análise de risco para Bloco de apartamentos: Considerando risco de
incêndio/explosão: Com SPDA nível II

455
Bibliografia [5]
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descargas atmosféricas, Parte 1: Princípios gerais, 1ª Edição, maio 2015.
 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR5419 – Proteção contra
descargas atmosféricas, Parte 2: Gerenciamento de risco, 1ª Edição, maio 2015.

456