You are on page 1of 10

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

PEDAGOGIA

FERNANDA LAVISIO
LUCIANA PEREIRA

PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR
DIREITO À EDUCAÇÃO

Cornélio Procópio
2018
FERNANDA LAVISIO
LUCIANA PEREIRA

PRODUÇÃO INTERDISCIPLINAR:
DIREITO À EDUCAÇÃO

Trabalho de Pedagogia apresentado à Universidade


Pitágoras Unopar, como requisito parcial para a obtenção
de média bimestral na disciplina de Psicologia da
Educação e da Aprendizagem, Ética, Política e
Cidadania; Políticas Públicas da Educação Básica,
Educação e Diversidade e Práticas Pedagógicas –
Gestão de Aprendizagem.
Orientador: Prof. Maria Luzia Silva Mariano; Mayra
Campos Frâncica dos Santos; Natália Gomes dos
Santos; Márcio Gutuzo Saviani e Natália da Silva
Bugança.

Cornélio Procópio
2018
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO..........................................................................................................3

2 DESENVOLVIMENTO..............................................................................................5

3 CONCLUSÃO...........................................................................................................8

REFERÊNCIAS............................................................................................................9
3

1 INTRODUÇÃO

Todas as crianças possuem o direito à educação, essa premissa está prevista


em lei, e já sempre textos que abordam sobre essa questão. Sendo assim, o direito
à educação compreende um processo garantido que deve ser cumprido em todo o
território brasileiro, fazendo valer a Constituição.
De acordo com a Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº.
9394/96, a Educação Básica compreende a Educação Infantil, Ensino Fundamental
e o Ensino Médio. O direito à educação é um processo de interação entre todos os
envolvidos no processo ensino-aprendizagem, sejam eles alunos, professores,
instituições escolares e a sociedade em geral e a importância de garantir uma
educação de qualidade à todos colabora para que haja um futuro digno para todos, e
que formem pessoas capazes de saber debater sobre os mais variados assuntos,
auxiliando na diminuição da alienação em relação aos acontecimentos que assolam
o mundo ao seu redor. O direito de adquirir a educação contribui para o crescimento
do indivíduo em todas as esferas: cultura, econômica e social.
A educação escolar é uma vertente fundamental para a garantia de cidadania,
e é um caminho essencial para incluir todos os cidadãos em espaços sociais,
possibilitando também a entrada no meio profissionalizante (Cury, 2002).
Ao focarmos no sentido de adquirir aprendizagem, aprender em grupo é
garantir que sejam inseridas várias opiniões, tornando possível debates sobre o
assunto, identificação dos diversos pontos de vista, enriquecendo o processo de
ensino, corroborando para a bagagem de conhecimento.
A produção textual em grupo auxilia no aperfeiçoamento da comunicação, na
ampliação do vocabulário e na compreensão dos textos utilizados, pois quanto maior
for o número de pessoas maior será os números de interpretações sobre o mesmo
texto, abrindo a possibilidade de discussões e promovendo a constante troca de
informações.
A produção textual também colabora para que haja um desenvolvimento da
leitura e corrobora para que se desenvolva um hábito de leitura, proporcionando a
abrangência de vocabulários e opiniões.
Além disso, quando se trata de práticas educativas, pode-se analisar o quanto
a produção textual em grupo representa uma importante atividade pedagógica, já
que auxilia numa constante interação, colaborando para o trabalho a ser
4

desenvolvido se torne mais rico de ideias, auxiliando também no desenvolvimento


de pessoas mais críticas e capazes de saber conviver com a opinião de terceiros,
respeitando o ponto de vista de cada um.
5

2 DESENVOLVIMENTO

Há inúmeras formas de ensinar os alunos à adquirirem conhecimento, em


especial, para efetivar a aprendizagem dos alunos, o professor conta com a
aplicação do conhecimento científico.
O conhecimento cientifico auxilia no afastamento de dogmas, comprovando a
veracidade das coisas através de pesquisas, revelando os verdadeiros em relação a
realidade.
Segundo Silva (2008),

Para a aquisição do conhecimento científico é necessário o uso de métodos


que possibilitam o indivíduo sair de uma posição de expectador passivo e/ou
testemunha sem o poder sobre determinado saber advindo do senso
comum e, passar a ser o problematizador com atitudes racionalistas e
lógicas que busca, acima de tudo, entender o mundo através de suas
dúvidas, questionamentos e usufruindo os métodos capazes de promover a
epistemologia. Assim, estará o indivíduo construindo o conhecimento
científico a partir de novas teorias, criando novas leis, explicando novos
fatos e fenômenos sempre os fundamentando na verificação e
correspondendo-os com a realidade do fenômeno. Surge então, indivíduos
capazes de promover a epistemologia oportunizando o surgimento de uma
maior autonomia e criticidade em prol da resolução da apatia aos conflitos e
marasmos mundiais. Eis aqui o valor do conhecimento científico.

Dessa forma, é importante analisar que a aprendizagem do conhecimento


científico contribui para a formação de sujeitos mais críticos, pesquisadores e
curiosos. O aluno tem a oportunidade de analisar as informações adquiridas e
realizar pesquisas, com a intenção de compreender e aceitar o conceito aprendido,
permitindo uma absorção maior sobre o que está estudando e auxiliando na fixação
do conteúdo.
Ao abordar esse pensamento sobre a aprendizagem, a psicologia pode ajudar
no processo de ensino-aprendizagem, pois ela conta com diferentes vertentes de
estudo, ajudando a solucionar os diferentes problemas de aprendizagem que o
aluno possa vir a possuir.
De acordo com Biazoli-Alves (1997, p. 92), a psicologia corrobora para que o
sujeito possa,
6

Compreender a si mesmo como um sujeito histórico-sócio-psicológico


precisaria ser estabelecido como um Direito; trata-se de extrapolar os muros
da Academia e deixar que o conhecimento nela produzido, na área da
Psicologia do Desenvolvimento, possa ser, verdadeiramente levado até
onde as pessoas assim o desejarem e necessitarem. Porque é na medida
em que o indivíduo analisa sua própria linha de desenvolvimento e a
compreende, que ele se torna mais apto para uma relação com os das
gerações mais novas em que ao invés de ter uma atitude diagnostica e
rotulatória, contrária a qualquer postura mais educativa, ele se atém a
variáveis do comportamento de seus alunos para chegar a uma visão geral
que permita delinear as linhas de atuação eficazes, quer para promover o
desempenho acadêmico, quer para levar à adequação dos comportamentos
na área pertinente à Escola.

A partir do exposto, pode-se elencar que os estudos da psicologia em suas


diversas vertentes podem auxiliar na compreensão do ser humano, em especial
aqui, na aprendizagem. Sendo assim, a psicologia torna-se uma importante
ferramenta para compreender cada indivíduo, promovendo um aprendizado cada
vez mais eficaz.
A LDB 9394/96 enaltece que todos possuem direito à educação. Assim como
Tozoni-Reis (2010, p.10) afirma,

Superando o senso comum em relação à escola pública e ao poder estatal,


consideremos o importante papel que o Estado tem na formulação e
realização da escola pública. Esse papel se refere ao de assegurar escolas
que facultem o acesso a todas as crianças, jovens e adultos, bem como sua
permanência em igualdade de circunstâncias, independentemente das suas
condições históricas, econômicas, políticas e sociais.

A LDB 9394/96 regulamenta o sistema educacional público e privado, desde a


educação básica até o ensino superior reafirma o direito à educação e estabelece os
princípios da educação e os deveres que o Estado tem de cumprir em relação ao
ensino público. Também elenca informações sobre a formação dos docentes e
recursos financeiros.
A LDB 9394/96 se materializa através da sua inclusão na realidade das
instituições escolares.
Através da prática docente, pode haver uma significativa transformação
social, oferecendo instrumentos para que os sujeitos envolvidos na prática realizem
tal movimento transformador. A instituição escolar tem o papel, diante da formação
humana, de “garantir a apropriação de elementos da cultura que se transformem, na
7

prática social, em instrumentos de luta no enfrentamento da desigualdade social”


(Tozoni-Reis, 2010, p.6)
A escola tem papel transformador, visto que, segundo Tozoni-Reis (2010, p.7),

Em uma perspectiva crítica, que concebe a educação como um processo de


instrumentalização dos sujeitos para a prática social transformadora, Saviani
define a função da escola como sendo a de “[...] uma instituição cujo papel
consiste na socialização do saber sistematizado” (SAVIANI, 2005). Isso
significa afirmar que a educação escolar tem como principal função
promover a consciência dos educandos para a compreensão e
transformação da realidade. Então, o que é próprio da escola é a garantia
da transmissão – não mecânica, mas ativa, compreendida como
apropriação – do saber elaborado pela cultura.

Sendo assim, pode-se afirmar que o trabalho docente pode contribuir, através
da prática da educação, como sendo um agente transformador, auxiliando no
desenvolvimento crítico e digno de opiniões questionadoras.
Essa prática docente só poderá ter efeito se há ver um professor consciente
de seu papel, o professor colabora para que haja uma mudança social, visto que
com as diversas transformações que ocorrem todos os dias, o mesmo pode
direcionar o aluno à conhecimentos cada vez mais abrangentes, próximos a
realidade dos mesmos, trazendo novas esperanças de um futuro melhor,
demonstrando que o aprendizado muitas vezes é a chave para uma vida melhor.
De acordo com Albulquerque (2004, p. 206)

O professor é peça fundamental na formação moral e social do educando,


orientando na medida do possível o aluno em todos os aspectos de sua
vida. O educador não apenas orienta no tocante a disciplina que está
ministrando, como também tem o dever, e a obrigação de lançar discussões
sobre os temas de importância nacional e internacional, e gerar debates
sobre os mesmos, de forma a introduzir gradativamente o aluno na
sociedade.
8

3 CONCLUSÃO

O presente trabalho contribuiu para que possamos compreender qual a


importância da educação e da prática educativa para modificar a desigualdade
social, assim como o status social das pessoas.
A partir do exposto podemos ter a consciência de que a educação é o
caminho mais enriquecedor para que os alunos que não possuem uma vida digna,
possam crescer como seres sociais, visto que todos querem ter oportunidades de
melhorar de vida.
Através da aprendizagem e do estudo adequado, o sujeito pode fazer
alavancar sua vida, corroborando para o seu crescimento profissional e pessoal,
garantindo-lhe melhoria na aprendizagem intelectual, cognitiva e social.
Infelizmente, sabe-se que, muitas vezes as coisas estão em vigor apenas na
teoria, entretanto cabe a nós, futuros professores, aprendermos e pesquisarmos
novas maneiras de integrar o conhecimento aos alunos, promovendo-lhes a eles a
oportunidade de melhorar de vida, visto que somos nós, os mediadores de
conhecimentos, que podem auxiliar os alunos à buscarem informações, saibam
separar as melhores fontes para estudar, além de sermos parte importante no
desenvolvimento dos alunos, promovendo neles o despertar e o prazer de adquirir o
aprendizado, tendo em mente que é através do conhecimento que a mudança de
vida pode acontecer de forma honesta e com qualidade.
O trabalho foi de extrema importância para esclarecer que a educação e os
professores são instrumentos fundamentais para garantir um mundo melhor e
enaltecer as esperançar em alunos que são mais humildes, proporcionando-lhes um
caminho de aprendizagem, sabedoria e crescimento na sociedade.
Este trabalho nos fez refletir sobre a importância que a escola e os
professores tem na compreensão sobre as normas, os valores que estão inclusos na
sociedade, as regras que precisam ser seguidas, além de fazer com que os mais
necessitados se tornem visíveis na sociedade, garantindo o seu lugar, conquistando
sua autonomia, reconhecendo seus direitos e melhorando sua convivência no lugar
onde vivem e tendo oportunidades de adquirir empregos melhores para melhorarem
a sua vida e das suas famílias, e até mesmo sendo exemplo para outros que vivem
no mesmo lugar que ele.
9

REFERÊNCIAS

ALBUQUERQUE, Irineu Lima de. O professor e seu papel social. Revista Brasileira
em Promoção da Saúde, v. 17, n. 4, p. 206-210, 2012.

BIASOLI-ALVES, Zélia Maria Mendes. Contribuições da psicologia ao cotidiano


da escola: necessárias e adequadas? Paidéia (Ribeirão Preto), n. 12-13, p. 77-96,
1997. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/paideia/n12-13/07.pdf>. Acesso em:
20 out. 2018.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de


dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília:
MEC, 1996.

CURY, Carlos Roberto Jamil. A Educação Básica no Brasil. Educação e Sociedade,


Campinas, vol. 23, n. 80, set. 2002.

SILVA, Gladenice da. A importância do Conhecimento Cientifico. 2008.


Disponível em: <http://www.artigos.com/artigos-academicos/2928-a-importancia-do-
conhecimento-cientifico>. Acesso em: 20 out. 2018.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. A contribuição da Sociologia da


Educação para a compreensão da educação escolar. São Paulo: UNESP, 2010.