You are on page 1of 33

UNIVERSIDADE DE BELAS

FACULDADE DE ENGENHARIA
ENGENHARIA INFORMÁTICA

PROPOSTA DE PROJECTO DE FINAL DE CURSO

TRABALHO DE AVALIAÇÃO CONTÍNUA

GRUPO Nº3

UNIBELAS, 2018
UNIVERSIDADE DE BELAS
FACULDADE DE ENGENHARIA
ENGENHARIA INFORMÁTICA

PROPOSTA DE PROJECTO DE FINAL DE CURSO


- INPLEMENÇAO DE REDE DE COMPUTADOR PARA IMPAL

TRABALHO DE AVALIAÇÃO CONTÍNUA

Elaborado por:
Bene Soba Manzaila
Joaquim Ganga
Npeve Matos Pedro
Gabriel C. Quicaba da Costa

Orientado por: File Amaral

Trabalho de Fim de Curso apresentado â


Faculdade de Engenharia da Universidade de Belas
Como requisito para a obtenção do Grau de
Licenciados em Engenharia Informática

UNIBELAS, 2018

2
FICHA CATALOGRÁFICA
Autorizamos a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer mei
o convencional ou electrónico para fins de estudo e pesquisa desde que citada a fonte.

Grupo nº2

Data _______/_______/_______

GASPAR, Jorge Francisco Leão


PEDRO, Odete Madalena
SAMULUNDA, Noé Saiengue
TOMÁS, Estima Alice
VIDAL, Titiandra Francisca André

PROPOSTA DE PROJECTO DE FINAL DE CURSO

Trabalho de Fim de Curso apresentado â Faculdade de Engenharia da Universidade de B


elas como requisito para a obtenção do Grau de Licenciados em Engenharia Informática

Orientador: File Amaral

Nº de Páginas:

Tipo de letra:

Palavras-chave:

3
ESTIMA ALICE TOMÁS
JORGE FRANCISCO LEÃO GASPAR
NOÉ SAIENGUE SAMULUNDA
ODETE MADALENA PEDRO
TITIANDRA FRANCISCA ANDRÉ VIDAL

PROPOSTA DE PROJECTO DE FINAL DE CURSO

Trabalho de Fim de Curso apresentado â Faculdade de Engenharia da Universidade de


Belas como requisito para a obtenção do Grau de Licenciados em Engenharia Informáti
ca

Aprovado, _________/_________/_________

BANCA EXAMINADORA

Presidente de Júri

____________________________________

1º Vogal

____________________________________

2º Vogal

____________________________________

Secretário

_____________________________________

4
DEDICATÓRIA
Dedicamos este trabalho aos nossos país, aos nossos amigos, colegas, professore
s. Sem esquecer aqueles que direta ou indiretamente deram força para conclusão deste p
rojecto.

5
AGRADECIMENTO
Aqueles que passam por nós, não vão sós, não
nos deixam sós. Deixam um pouco de si,
levam um pouco de nós — Antoine de Saint-Exupéry

6
AGRADECIMENTOS
Agradecemos primeiramente a Deus pelo fôlego de vida e por iluminar os nosso
s caminhos durante toda trajetória. Agradecer aos nossos pais por condicionarem moral
e financeiramente.

Agradecer ao nosso tutor File Amaral que com muita dedicação instruiu-nos na e
laboração deste projeto. Agradecemos a todos que acreditaram no nosso potencial, a nos
sa instituição, familiares e amigos.

7
RESUMO
O tema desta prova de aptidão profissional é implementação de uma rede de c
omputadores para o IMPAL e nela iremos abordar porque é importante as empresas faz
erem o uso de redes de computadores sem importar o tamanho ou porte, as característica
s da rede a ser implementada e suas funcionalidades.

A importância das redes de computadores vem crescendo progressivamente c


om o passar dos anos. Hoje em dia as redes de computadores são encontradas em todos
os lugares desde uma residência familiar até grandes empresas multinacionais isso acont
ece devido sua grande versatilidade, pois ela pode ser utilizada por uma variedade de ap
licações que é capaz de atender as necessidades de cada utilizador. O grande objetivo da
s redes, e o que a torna tão importante é ela fazer com que múltiplos utilizadores em dist
âncias indeterminadas compartilhem um determinado recurso.

As redes de computadores abrangem vários seguimentos do mercado, hoje ela


é essencial em qualquer seguimento que faça parte. Com o surgimento das redes de co
mputadores houve melhoria nas escolas, nas empresas e também nos governos. Isso por
que possibilitou vantagens que antes eram impossíveis, e hoje se tornou essenciais no di
a a dia dos utilizadores. Uma empresa sem rede de computadores seria praticamente um
caos. Imagine como seria desconfortável, quando precisar imprimir um documento, ter
que levantar, ir até o computador que possui a impressora instalada e imprimir, ou até m
esmo instalar uma impressora para cada computador. Isso seria inviável, pois seria um g
asto muito alto. Hoje as empresas utilizam todos os recursos que uma rede possa fornec
er, desde o compartilhamento de Internet entre os computadores, recursos de hardware, i
nformações, controle de estoque e mesmo até para analisar a situação da empresa.

Palavra-chave: Rede de computadores, IMPAL

8
ABSTRACT
Universities frequently deal with a large quantity of data stored in several archives whic
h, with the passage of time, make the academic control slow and inefficient weakening t
he quality of the service provided to the academic community. Given this, some univers
ities acquire commercial systems in order to manage university data storage. This resear
ch report describes the process of development of Integrated System for Academic Man
agement of the School JONITE. The aim of this system is to manage the entire cycle of
a student’s academic life starting from the process of candidature, selection and enrollm
ent. Taking into consideration SIGA’s different modules, this research report is organize
d as follows: first, a brief introductory part contextualizes the topic and presents general
and specific goals, the methodology and a general framework. Subsequently, a brief revi
ew of literature is presented. The central part of the report is divided into two parts. Firs
t, the physical model of the system is designed. For the development of the model and t
he tool, concepts and techniques related to the academic management and software engi
neering have been applied. Second, all entities involved in the system and the relation b
etween them are described as well as the proceedings that permit the insertion of data in
the data base and the production of statistical and informatics tables. Thus, the goal of th
e system is to include and facilitate the management of academic activities based on a fa
st, secure and easy access to an organized information is no less important that the actua
l information generation.

Keywords: integrated academic management system, data base, Information, Informatio


n Technology.

9
Indice

Índice
I. INTRODUÇÃO ................................................................................................................... 1
JUSTIFICATIVA ........................................................................................................................... 1
PROBLEMA CIÈNTIFICA ............................................................................................................. 2
HIPÓTESES ................................................................................................................................. 2
OBJECTIVOS ......................................................................................................................... 2
OBJECTIVO GERAL ..................................................................................................................... 2
OBJECTIVOS ESPECÍFICOS ......................................................................................................... 2
METODOLOGIA DO TRABALHO ................................................................................................. 2
ESTRUTURA DO RELATÓRIO ...................................................................................................... 3
DOMÍNIO DO PROBLEMA ............................................................................................................. 4
ÂMBITO DO PROJECTO ............................................................................................................. 4
OBJECTO DE ESTUDO ................................................................................................................ 4
PROBLEMAS A SEREM RESOLVIDOS .......................................................................................... 4
SOLUÇÃO PROPOSTA ............................................................................................................... 4
Orçamento ................................................................................................................................ 4
VIABILIDADE .............................................................................................................................. 4
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ....................................................................................................... 6
II. ANÁLISE DE REQUISITO ........................................................................................... 6
NÚMERO ESTIMADO DE EQUIPAMENTO ........................................................................ 6
CARACTERÍSTICAS DA REDE A UTILIZAR.................................................................................... 6
HIERARQUIA .............................................................................................................................. 6
ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA ................................................................................................... 6
TOPOLOGIA ............................................................................................................................... 6
Vantagens .................................................................................................................................. 7
Desvantagens ............................................................................................................................ 7
MEIOS DE TRANSMISSÃO ......................................................................................................... 7
PROTOCOLOS ............................................................................................................................ 7
COMPONENTES FÍSICOS DA REDE ................................................................................ 8

10
COMPUTADOR .......................................................................................................................... 8
SERVIDOR .................................................................................................................................. 8
SWITCH ...................................................................................................................................... 8
ROUTER ..................................................................................................................................... 8
III. DESENHO ....................................................................................................................... 9
ESQUEMA DE ENDEREÇAMENTO LÓGICO .................................................................... 9
PROJECTO LÓGICO .................................................................................................................. 11
Figura 1 DIAGRAMA LÓGICA ......................................................................................... 11
ARQUITECTURA FÍSICA DA REDE............................................................................................. 12
PLANTAs ............................................................................................................................... 12
IV. SEGURANÇA ............................................................................................................... 13
SEGURANÇA LÓGICA .............................................................................................................. 13
ANTIVIRUS .......................................................................................................................... 13
FIREWALL ........................................................................................................................... 14
NAT ........................................................................................................................................ 14
SEGURANÇA FÍSICA................................................................................................................. 14
CLIMATIZAÇÃO .................................................................................................................... 14
ENERGIA ESTABILIZADA ............................................................................................... 15
FONTE ALTERNATIVA DE ENERGIA .......................................................................... 15
CONCLUSÃO................................................................................................................................ 16
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS................................................................................................... 17
ANEXO ......................................................................................................................................... 18

11
ÍNDICE DE TABELAS

Conteudo Pag

Tabela 01 …………………………………………………………………… 11

Tabela.02 …………………………………………………………………… 13

Tabela.03 …………………………………………………………………… 16

12
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

LAN Local Area Network


MAN Metropolitan Area Network
WAN Wide Area Network
UTP Unshielded Twisted Pair
STP Shielded Twisted Pair
TCP Transmission Control Protocol
IP Internet Protocol
TCP/IP Transmission Control Protocol/Interface Program
HTTP Hyper Text Markup Language
FTP File Transfer Protocol
UDP User Datagram Protocol
IPv4 Internet Protocol Versão 4
IPv6 Internet Protocol Versão 6
ARP Address Resolution Protocol
HP Hewlett Packard
ISSO/IEC International Standardization Organization/International Electrotechnical
Commission
NAT Network Address Translation
CPD Centro De Processamento de Dados

13
ÍNDICE DE FIGURAS

Conteudo Pag
Figura.01 …………………………………………………………………… 17

Figura.02 …………………………………………………………………… 17

Figura.03 …………………………………………………………………… 18

Figura.04 …………………………………………………………………… 18

14
15
I. INTRODUÇÃO
No surgimento da Internet eram poucos os que acreditavam no sucesso desta, bem com
o na condição ou necessidade de ter um computador ou outro dispositivo que devesse co
nter um Internet Protocol (IP) para se comunicar. Passados os anos, notou-se um cresci
mento acelerado da Internet, expandindo assim, a necessidade de se dar mais atenção à s
erviços e tecnologias relacionadas à Internet. O IP é uma peça fundamental da Internet,
sendo este protocolo capaz de endereçar dispositivos para que possa ser feita a comunic
ação entre quaisquer redes (HAGEN, 2006).

Neste contexto, as redes têm-se desenvolvido recentemente de forma bastante acentuada


, enquadrando-se como elementos importantes de suporte à mobilidade no acesso à infor
mação. O seu desenvolvimento tem-se baseado em dois tipos de necessidades:

a) de interligação de redes locais (LAN’s), através de ligações ponto-a-ponto sem fios;

b) interligação de computadores num ambiente de rede local (dando origem ao conceito


Wireless LAN – WLAN). Esta segunda situação pode ocorrer quando a instalação de u
ma rede de cablagem guiada não se justifica (por motivos económicos, arquitectónicos,
de funcionalidade, elevada mobilidade dos sistemas, etc) ou também como extensão de
uma rede local estruturada tradicional .

As redes de área local sem fios (WLAN - Wireless LAN's) podem definir-se como redes
com um alcance local, que utilizam o ar como meio de transmissão. Por rede sem fios e
ntendemos uma rede que utiliza ondas electromagnéticas como meio de transmissão da i
nformação, através de um canal que interliga os diferentes equipamentos móveis present
es na mesma “(MONTEIRO, 2000)”.

JUSTIFICATIVA
Escolhemos este tema, porque com os conhecimentos da área de Redes de Comp
utador e da área de Programação nós grupo número cinco (2) temos e dominamos mais
conhecimentos sobre a área de Redes visto que hoje em dia as Redes são usadas em tod
a parte mundo, verificamos também que o mercado de redes é muito amplo e vai evolui
ndo através das tecnologia e nela podemos também implementar base de dados Program
ação e muito mais porque verificamos que grandes sistemas não poderiam ter o resultad
o desejados se não rodassem em redes.

Mas também porque vimos que é uma oportunidade que foi dada para mostrarm
os o que aprendemos durante a nossa formação académica

16
PROBLEMA CIÈNTIFICA
Visto que no Instituto politécnico Alda Lara, existe uma dificuldade para a troca
de informação pois quem estiver num certo departamento deve se movimentar até outro
departamento para a recepção da mesma informação.

HIPÓTESES

OBJECTIVOS

OBJECTIVO GERAL
Implementar uma rede de computador para possibilitar a comunicação entre os usuários,
que permita a partilha de recurso.

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS
Para facilitar a comunicação entre os computadores do Instituto Médio Politécnico Alda
lara de forma a:

 Instalar e configurar os equipamentos,


 Implementar serviços adicionais para o bom funcionamento da rede,
 Desenvolver políticas de segurança,
 Implementar Sistema de backup automático dos directórios compartilhados no
servidor de arquivos;

METODOLOGIA DO TRABALHO
A metodologia utilizada para a realização deste trabalho foi um estudo de caso e
mpírico, que envolvendo uma experiência, a implementação da estrutura de rede, e a ob
servação e análise da mesma.

Fazer uma revisão bibliográfica a respeito de Redes de Computador das informa


ções, especificamente sobre Implementação. O método de pesquisa será de carácter expl
oratório experimental cujo objectivo é reunir informações e explorar os recursos que a s
olução de Redes de Computador oferece, utilizando livros, artigos, sítios, entre outros.

17
ESTRUTURA DO RELATÓRIO
O projeto está estruturado da seguinte forma:

 Capitulo 1 Introdução - Contextualização do trabalho proporcionando


também uma perspectiva global sobre o tema, sua problemática, pesquisa
e forma de abordagem, assim como objetivos e metodologia utilizado

 Capitulo 2 Domínio do problema - Recorrendo a definições e opiniões da


Instituição em questão, pretende-se fazer uma caraterização da situação
atual, de adoção de Implementação pelas organizações, integração com
infraestrutura e a sua evolução na organização servindo de ponto de
partida para o capítulo seguinte;

 Capitulo 3-Análise de requisito - onde de uma forma consolidada se


estabelece o conjunto de condições e requisitos a considerar na
implementação de rede na organização, estabelecendo o modelo
referencial.

 Capitulo 4-Desenho – neste capitulo detalhamos sobre o diagrama logico


da instituição a ser implementada e das plantas da instituição e na planta
detalhamos a posição de cada equipamento a ser implementado e
descrevemos como será o cabeamento.

 Capitulo 5-Segurança – neste capitulo informamos a importância de


segurança métodos de segurança utilizados para a implementação.

 Capitulo 6-Conclusão – neste capitulo abordam-se e sistematizam-se os


resultados e conclusões do trabalho desenvolvido procedendo-se a uma
reflexão sobre o tema apresentado.
 Capítulo 7 Referências bibliográficas e Anexo -Neste capítulo menciona
todas asa bibliografias isto é dividido em partes livros e sites .Também
neste capítulo anexamos algumas figuras que serviram como suporte da
documentação toda.

18
II. DOMÍNIO DO PROBLEMA
ÂMBITO DO PROJECTO
Apesar da instituição em causa ter a estrutura de um edifício, as áreas a serem co
nectadas a rede encontram-se divididas em andares em que a maior parte encontram-se
no rés-do-chão, assim sendo as zonas são:

 Direção administrativa

 Direção pedagógica

 Direção geral

 Secretaria geral

 Salas dos professores

 Biblioteca

 Sala de informática

OBJECTO DE ESTUDO
O nosso objecto de estudo

PROBLEMAS A SEREM RESOLVIDOS


Implementar uma rede de computadores em que haja comunicação.

SOLUÇÃO PROPOSTA
Tendo em vista que redes de computadores é uma inovação do mundo tecnológi
co e é de tamanha importância pois ela contribui com maior frequência para o desenvolv
imento de uma empresa ou instituição. Fazendo um pré-estudo da área onde será feito a
implementação é difícil encontrar uma empresa ou organização que não possui uma red
e de computadores. Mas com este tema achamos melhor em poder ajudar-lhes em resolv
er estes problemas.

Orçamento

VIABILIDADE
Depois de ter feito o orçamento do projeto, tendo como balanço final do orçame
nto do projeto e já sabendo que só é viável quando os custos são menores que os benefíc
ios, podemos dizer que o nosso projeto é viável.

19
20
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

II. ANÁLISE DE REQUISITO

NÚMERO ESTIMADO DE EQUIPAMENTO


Número Equipamentos

18 Computadores

1 Switch

1 Router

1 Servidor

5 Impressoras

Tabela 2.

CARACTERÍSTICAS DA REDE A UTILIZAR

HIERARQUIA
Quando estamos a falar de hierarquia estamos nos referimos as redes do tipo pon
to-a-ponto e cliente-servidor.

Nesta implementação optamos em usar a rede do tipo cliente-servidor, porque ga


rante maior segurança de dados porque ele usa um computador denominado servidor qu
e é responsável pelos serviços disponíveis na rede e nesta rede normalmente é usado ma
is de dez computadores.

ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA
Quanto a abrangência geográfica as redes classificam-se em: LAN, MAN e WA
N.

Esta rede quanto a abrangência é uma rede LAN (Local Area Network) cuja área
de abrangência é geograficamente pequena que só permite a ligação de dispositivos nu
ma área pequena (residência, escritório, colégio, edifício, etc.)

21
TOPOLOGIA
É a forma de como os dispositivos ficam disponíveis na rede, podemos dizer que
é o layout da rede. E está dividido em dois tipos e topologia que são a física e a lógica.

 Topologia Física

É constituído pelas seguintes topologias barramento, estrela, anel, etc.

Neste projeto utilizamos a topologia estrela, em que nesta topologia usamos um

Dispositivo central que pode ser um switch ou um hub e a conexão é feita com cabo par
trançado.

Vantagens
 É mais tolerante a falhas.

 Fácil de instalar usuários.

 Monotonamente centralizado.

Desvantagens

 O número de estações fica limitado ao número de portas do


Hub ou Switch.

 Alto custo.

 Utiliza uma quantidade maior de cabos.

MEIOS DE TRANSMISSÃO
São os meios responsáveis pelo transporte dos sinais de dados. Estão divididos e
m duas partes que são os meios de transmissão guiados e não guiados.

 Meios de transmissão guiados

Vamos usar o par trançado, sabendo que o mesmo está dividido em dois que são
UTP e STP nós optamos em usar o STP porque garante mais segurança.

 Meios de transmissão não guiados

Nestes meios podemos encontrar as micro-ondas, infravermelho e bluetooth e pr


etendemos usar micro-ondas.
22
PROTOCOLOS
Um protocolo, em uma rede de computador es, nada mais é
do que um conjunto de regras e convenções que definem a comunicação
dos dispositivos em uma rede.

O protocolo que usamos nesta implementação é o TCP/IP que é uma junção de d


ois protocolos que são TCP (transmission Control Protocol) que separa os dados em pac
otes, e o IP (Internet Protocol) endereça-os e é o responsável por fazer os dados chegare
m seu ao destino.

COMPONENTES FÍSICOS DA REDE

COMPUTADOR
Um computador é um conjunto de circuitos eléctricos e electrónicos capaz de realizar de
modo autónomo uma determinada tarefa, por obediência a um programa armazenado
internamente.

Característica do Computador:

 Sistema Operativo: Windows 7.

 Memória RAM: 4 GB.

 Disco Duro: 500 GB.

 Processador: Core i5.

SERVIDOR
São computadores centrais de grandes potências que dão serviço a uma rede.

SWITCH
É um dispositivo concentrador que serve para levar ou mandar sinais a todos os
dispositivos da rede. Como por exemplo: computador, Impressora e etc.

Característica do Switch

 Tipo de Switch: Ethernet.

 Número de porta: 24.

ROUTER
É um dispositivo que serve para interligar redes diferentes e define a rota dos pa
cotes.

IMPRESSORA

23
É um dispositivo indispensável que tem a função de imprimir determinadas infor
mações em formato físico.

Característica da impressora

 Tipo de impressora: Jacto tintas.

 Marca da impressora: HP.

RACK (ARMÁRIO)

É um armário que abriga repetidores, switches e outros dispositivos de rede por


padrões, através de normas técnicas. Ela é feita de alumínio ou aço com pintura. Permiti
-nos a instalação de painéis de distribuição de cabeamento de cobre ou fibra ópticas.

III. DESENHO

24
ESQUEMA DE ENDEREÇAMENTO LÓGICO
SERVIDOR E COMPUTADORES ENDEREÇO IP
Servidor 192.168.100.1
Pc1 192.168.100.2
Pc2 192.168.100.3
Pc3 192.168.100.4
Pc4 192.168.100.5
Pc5 192.168.100.6
Pc6 192.168.100.7
Pc7 192.168.100.8
Pc8 192.168.100.9
Pc9 192.168.100.10
Pc10 192.168.100.11
Pc11 192.168.100.12
Pc12 192.168.100.13
Pc13 192.168.100.14
Pc14 192.168.100.15
Pc15 192.168.100.16
Pc16 192.168.100.17
Pc17 192.168.100.18
Pc18 192.168.100.19
Impressora1 192.168.100.50
Impressora2 192.168.100.51
Impressora3 192.168.100.52
Impressora4 192.168.100.53
Impressora5 192.168.100.54
Tabela 3.

25
PROJECTO LÓGICO
Figura 1 DIAGRAMA LÓGICA

26
ARQUITECTURA FÍSICA DA REDE
PLANTAs
Figura.02- Planta de Implementação do rés do chão

Figura.03- Planta de Implementação piso 1

Figura.04- Planta de Implementação piso 2

27
IV. SEGURANÇA
Para elaboração do nosso projeto nos baseamos na norma ISO/IEC 17799 (200
5, p.46), que diz que na implementação de um Datacenter deve contemplar uma série de
características únicas, de forma que sejam projetadas e aplicadas proteção física contra
incêndios, enchentes, terremotos, explosões, perturbações da ordem pública e outras for
mas de desastres naturais ou causados pelo homem.

Segurança em Informática é um conjunto de medidas que visam pela a proteção


de qualquer sistema ou equipamentos informáticos. Neste projeto encontra-se medidas d
e proteção para a segurança do serviço em questão, como antivírus, acesso e permissões
que temos no sistema operativo e nos softwares instalados e configurados.

Em redes segurança envolve a autorização de acesso aos dados de uma rede, os


quais são controlados pelo administrador da rede.

Existem dois tipos de segurança que são: Lógica e Física.

SEGURANÇA LÓGICA
O sistema operacional de rede permite que o administrador de rede determine qu
ais usuários podem acessar os recursos da rede. Na maioria dos sistemas operacionais de
rede, o administrador possui uma ferramenta com a qual ele pode:

Criar usuários no servidor; Criar privilégios para usuários no servidor, que impli
cam como esses usuários poderão ter acesso aos dados; Alterar esses privilégios; Remo
ver usuários da lista de usuários.

A segurança lógica inclui, basicamente:

 Controles de acesso: Username e password;

 Segurança de software: Por uma solução de Antivírus.

ANTIVIRUS
Antivírus e um programa de computador concebido para prevenir, detectar e eli
minar vírus de computador e outros.

Existem diversos antivírus no mercados, mas nós escolhemos o Kaspersky para


este projeto.

Kaspersky Anti-Virus (Russo anteriormente conhecido como AntiViral Toolkit


Pro; comumente referido como KAV) é um programa antivírus desenvolvido pela Kasp

28
ersky Lab. Foi projetado para proteger os usuários de malware Trojans e é principalmen
te projetado para computadores com Microsoft Windows, mas uma versão para Linux e
stá disponível para escritório e a versão para Macintosh foi lançada no fim de 2009.

FIREWALL
Um firewall (em português: parede de fogo) é um dispositivo de uma rede de co
mputadores que tem por objetivo aplicar uma política de segurança a um determinado p
onto da rede. O firewall pode ser do tipo filtros de pacotes, proxy de aplicações, etc. Os
firewalls são geralmente associados a redes TCP/IP.

NAT
NAT (network address translation) é um protocolo que, faz a tradução dos ender
eços IP e portas TCP da rede local para a Internet.

Ou seja, o pacote a ser enviado ou recebido de sua estação de trabalho na sua red
e local, vai até o servidor onde seu IP é trocado pelo IP do servidor a substituição do IP
da rede local valida o envio do pacote na internet, no retorno do pacote acontece a mes
ma coisa porém ao contrário o que garante que o pacote chegue ao seu destino.

SEGURANÇA FÍSICA
Para fazer o cabeamento também levamos em consideração uma outra medida de segura
nça

 A passagem de cabos de dados e de energia elétrica;

 A distribuição das linhas de comunicação;

CLIMATIZAÇÃO
O Centro de Processamento de Dados (CPD), conhecido em inglês como Data C
enter, é o local onde são concentrados os equipamentos de processamento e armazenam
ento de informações de médias e grandes empresas, a fim de permitir o funcionamento e
ficiente das redes de computadores.

O CPD é composto por diversos armários metálicos (racks), com cabos elétricos
e de dados, que liberam uma enorme quantidade de calor.

Os CPDs e, consequentemente, todos os dados armazenados no Centro são total


mente dependentes do sistema de climatização, devido às exigências de temperatura que

29
um ambiente com racks necessita. Um local isento de impurezas, com condições ideais
e estáveis só podem ser conquistados com a presença de sistemas de ar condicionado.

ENERGIA ESTABILIZADA
A energia elétrica fornecida ao Data Center é um dos pontos mais críticos, ela de
ve ser ininterrupta e limpa, e para que toda alimentação é fornecida por um sistema de n
o-break.

FONTE ALTERNATIVA DE ENERGIA


Sabendo que uma rede nunca pode parar pensamos em fontes alternativas para o
trafego da rede e implementamos no-breaks e geradores para atuarem como fonte altern
ativa de energia.

30
CONCLUSÃO
Consoante os factos expostos nesta prova de aptidão profissional, chegamos à co
nclusão que as redes de computador é o conjunto de hardware que permite os computad
ores estabelecerem comunicação entre si, as redes de computadores tem vindo a crescer
muito sabendo que estamos nas eras das tecnologias e elas tenham desempenhando um
grande papel no que concerne a pratinha de informação. Vendo que as redes vêm a evol
uir dia pois dia, e hoje faz parte dum dos maior meios de comunicação em todo mundo.

31
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
SOUZA, Lindeberg Barros de. Redes de Computadores - Guia Total. 1ª ed. São Paulo:
É r i c a ,
MORAES, Alexandre Fernandes de. Redes de Computadores – Fundamentos. 6ª ed. Sã
o Paulo: Érica

MARIN, Paulo Sérgio Cabeamento Estruturado - Desvendando cada passo: do projeto à


instalação. 3ª ed. São Paulo: Érica

Albuquerque, Fernando. TCP/IP-Internet: protocolos e tecnologia.3ª Edição. Rio d


e Janeiro: Axcell Books,2001.

 SITES

Professor Jefferson Costa – Educação e tecnologia – http://www.jeffersoncosta.com.br]

- IEEE - http://www.ieee.org/

- Viva sem fio - http://www.vivasemfio.com/blog/category/80211_intro/

- Guia do Hardware - http://www.guiadohardware.net/

-http://www.mat.uc.pt/~mat0228/biblioteca/ComoElaborarUmRelatorio.pdf

www.mat.uc.pt

32
ANEXO

33