You are on page 1of 133

eBooK

domine a OCLUSÃO
conhecendo a

DESOCLUSÃO

UM VERDADEIRO MANUAL

MARCOS LABOISSIERE
PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

CLUBD
domine a OCLUSÃO conhecendo a DESOCLUSÃO
UM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

O sucesso e a realização profissional na Odontologia


passam, invariavelmente, pela longevidade dos trabalhos
realizados e a manutenção dos dentes naturais.
Vários aspectos são fundamentais para atingirmos esses
objetivos, mas um deles se destaca, o domínio da OCLUSÃO,
uma das matérias mais poderosas da odontologia.
Ao longo das próximas páginas, eu te convido a conhecer
o método que desenvolvi nos últimos anos no ClubD,
ensinando esse tema com clareza, simplicidade e
aplicabilidade clínica.
Inspirado nas obras de grandes mestres no assunto,
como prof. Dr. Aníbal Alonso, prof. Dr. Gustavo Vernazza e
prof. Dr. Alexandre Cardoso.
O formato de livro digital foi idealizado para que você
possa ler de forma mais confortável pelo seu smartphone,
tablet, ou qualquer dispositivo que leia PDF.
Seja bem-vindo ao meu mundo, o mundo da
DESOCLUSÃO DESCOMPLICADA.
produção
MARCOS LABOISSIERE

!2
domine a OCLUSÃO conhecendo a DESOCLUSÃO
UM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

Índice
01

06 02

05 03

04

1
PRINCÍPOS DA DESOCLUSÃO
fundamentos fisiológicos e físicos da
importância da dinâmica da oclusão dentro
do aparelho estomatognático.

2
MONTAGEM DO QUEBRA-CABEÇA
um passo-a-posso de como montar o ASA,
demonstrando a importância do arco facial com o
3 JIG e PUA.

PLANEJAMENTO
protocolo para você seguir para casos
simples ou complexos
incluir - excluir - mover

4
CASO CLÍNICO
um caso demonstrando todo o método,
para fixar ainda mais

5
VAMOS PENSAR JUNTOS
um conjunto de situações clínicas
rotineiras, para exemplificar ainda mais

6
ARTIGOS CIENTÍFICOS
entenda a diferença básica entre a Desoclusão,
Dor orofacial e DTM. Uma explicação simples e
prática.

MARCOS LABOISSIERE
3 CLUBD
domine a OCLUSÃO conhecendo a DESOCLUSÃO
UM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

CLUBD - DESOCLUSÃO DESCOMPLICADA


Quando eu observei que existia claramente, uma abismo entre a oclusão e a prática clínica
de muitos dentistas, decidi que iria mudar essa realidade, ensinando o meu método. E para eu
atingir o meu objetivo de falar com o máximo de dentistas possível sobre esse assunto, a forma
mais eficiente que escolhei foi a online.
Com isso, juntei alguns amigos e criamos o ClubD em março de 2016, para compartilhar de
forma GRATUITA e online, através de grupos de estudo e muito mais.
Hoje somos mais de 5.000 membros de todos os estados brasileiros e dos 5 continentes.
Para mim, esse assunto não pode ser mais um SEGREDO, por isso conto com o seu apoio.
Indique seus amigos, alunos, pacientes e parentes a tornarem-se membros do ClubD. Basta
se cadastrarem no site: www.desoclusao.com.br

MARCOS LABOISSIERE
4 CLUBD
01

PRINCÍPIOS DA DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE 5 CLUBD


conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO
Basicamente, a palavra DES+OCLUSÃO significa “desfechar" ou desencostar. A palavra
oclusão representa uma matéria fundamental na formação do cirurgião-dentista, que abrange
uma gama de assuntos, mas a semântica da palavra oclusão está associada a fechar e ficar
estático, procurando gerar o máximo de contato possíveis entre os dentes.
Já a desoclusão só acontece durante a dinâmica da oclusão, ou seja, quando a mandíbula é
direcionada para fazer protrusão ou lateralidade, e assim com os toques dos dentes anteriores,
TODOS os dentes posteriores desencostam (“desfecham”).
Graças a proteção da desoclusão dos dentes posteriores, durante os movimentos latero-
protrusivos, estes podem durar dezenas de anos.
Neste livro, vamos construir juntos o entendimento de como essa proteção é fundamental
para o equilíbrio do aparelho estomatognático e para garantir a LONGEVIDADE dos trabalhos
realizados, assim como, dos dentes naturais.
Como consequência disso, você irá ampliar a sua visão na hora do diagnóstico, se sentir mais
seguro quando for planejar, ter mais tranquilidade na manutenção dos seus resultados e
promover mais saúde.

MARCOS LABOISSIERE
6 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

APARELHO ESTOMATOGNÁTICO
Formado por diversos sistemas, tecidos e órgãos, este aparelho do nosso corpo é a base de
atuação do cirurgião-dentista. Conhecer como cada pedaço dele funciona é fundamental para
que você compreenda toda a dinâmica que permite mastigar, falar, sorrir e “parafuncionar”.
Para entendermos melhor e de forma direcionada, iremos abordar um ponto que é crucial no
entendimento da importância da desoclusão, a função de alguns grupos musculares.

Glândulas Salivares
Vasos Sanguíneos
Periodonto
e Linfáticos

ATM

Ossos

Nervos

Dentes

Músculos

MARCOS LABOISSIERE
7 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

APARELHO ESTOMATOGNÁTICO
Antes de falar sobre as funções dos grupos musculares, você precisa ter em mente que
trabalhamos numa situação ímpar, com osso “solto" na face, a mandíbula, suspenso através dos
músculos e que se conecta ao crânio através de um articulação sinovial biaxial complexa a ATM .
Os movimentos são comandados pelo Sistema Nervoso Central e guiados com os contatos
dentários. Todos os movimentos funcionam como uma engrenagem, quando um deles tem
problema na execução, outros são sobrecarregados, gerando uma série de consequências.
Encontrar o equilíbrio adequado, deve ser o objetivo do profissional cirurgião-dentista.
Mas para que isso aconteça, é preciso que você entenda a fisiologia da desoclusão. Começando
pelos músculos.

SNC
ATM

MÚSCULO
DENTE

MARCOS LABOISSIERE
8 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

MASSATER
Os masseteres formam um grupo de
músculo esquelético que tem sua origem
e inserção quase do mesmo tamanho, com
fibras internas e externas ao osso do arco
zigomático, formando uma área quase
quadrada com fibras longas e fortes.
Com certeza, sua principal função é
ELEVAR a mandíbula, mas se pudéssemos
definir em uma palavra, a função mais
importante, dentro do sistema é…

MARCOS LABOISSIERE
9 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

MASSETER = FORÇA
Quando acionados para fecharem a mordida, esse grupo muscular tem como
principal função GERAR FORÇA.
Suas fibras musculares possuem designer, formato e distribuição adequados para
proporcionar potência.
O fato desses músculos estarem posicionados no ângulo da mandíbula torna seu
trabalho ainda mais eficiente.

MARCOS LABOISSIERE
10 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

TEMPORAL
Os músculos temporais possuem
características totalmente diferentes dos
masseteres. Sua origem é fasciada,
delgada e espalhado no osso temporal,
lembrando um leque, onde todas as fibras
se reúnem em um ponto só, o processo
coronóide da mandíbula.
São fibras mais longas, mais delgadas,
e mais específicas. A função deste grupo
muscular é ELEVAR a mandíbula, mas se
pudéssemos definir em uma palavra, a
função mais importante, dentro do sistema
é…

MARCOS LABOISSIERE
11 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

TEMPORAL = EQUILÍBRIO
Quando acionados para fecharem a mordida, esse grupo muscular tem como principal função
GERAR EQUILÍBRIO.
Suas fibras musculares possuem designer, formatos e distribuição adequados para
estabilizarem a mandíbula durante a dinâmica dos movimentos, isso se deve ao fato de serem fibras
“espalhadas” no osso temporal e se unirem numa região, estrategicamente desenhada para receber
essas fibras, o processo coronóide da mandíbula.

MARCOS LABOISSIERE
12 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PTERIGOIDEO
ess

Esse grupo muscular é muito especial,


é responsável pela dinâmica mandibular.
Possui dois direcionamentos , o medial e
lateral.
Promove o movimento de protrusão e
lateralidade. Possui fibras musculares
menores que o masseter e o temporal, é
mais delicado e responsável pelos
movimentos de DESOCLUSÃO.
Mas se pudéssemos definir em uma
palavra, a função mais importante, dentro
do sistema é…

MARCOS LABOISSIERE
13 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PTERIGOIDEO = RÉDEAS
Quando acionado para movimentar a mandíbula, esse grupo muscular tem como principal
função GUIAR - CONTROLAR.
Suas fibras musculares são curtas, finas e relativamente “fracas”, se comparados aos outros
grupos musculares citados. Eles funcionam como as rédeas de uma birga romana, como na
imagem. Imagine que a mandíbula e seus órgão correlatados, sejam os cavalos e o SNC o piloto.
Pequenos músculos responsáveis por grandes movimentos. Agora a questão é, e quando o
sistema não responde ao comando das rédeas?

MARCOS LABOISSIERE
14 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PRINCÍPIO DA PORTA
Faça esse teste em casa ou no seu consultório, abra uma porta usando o seu dedinho mindinho. Inicialmente,
aplique a força o mais próximo possível da MAÇANETA. Observe que ao fazer esse movimente você aplicará força
com uma certa facilidade para realizar o movimento de abrir a porta.
Bom, agora faça o mesmo teste com a mesma porta e o mesmo dedo mindinho, só que dessa vez bem
próximo a DOBRADIÇA, perto da parede. Você observará que terá que pressionar com muita mais força para
fazer o mesmo movimento de abrir a porta.

MARCOS LABOISSIERE
15 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PRINCÍPIO DA PORTA
Usando a analogia da dobradiça e da maçaneta, imagine que nossa articulação esteja na posição mais
próxima à parede e que a área mais afastada seja na direção dos caninos.
Dessa forma, fica mais evidente que quanto mais posterior for o toque, mais força será necessária para
realizar o mesmo movimento de lateralidade. Assim, você pode concluir que, quando o deslocamento da
mandíbula ocorre para o lado e há o toque SÓ na região dos caninos, a força necessária para fazer o movimento é
a mais suave possível.

MARCOS LABOISSIERE
16 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PRINCÍPIO DO ARRASTO
Quando os dentes caninos se tocam durante a lateralidade, é criada uma área de fricção e atrito entre a
ponta do canino inferior e face palatina do superior, criando uma área de arrasto. Para romper a inércia e a área de
arrasto é necessário que o sistema muscular gere uma força X para que ocorra o movimento.
Quando há algum toque nos dentes posteriores, ocorre o aumento dessa área de atrito, obrigando os
grupos musculares a exercerem mais força para gerar o mesmo movimento.

MARCOS LABOISSIERE
17 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PRINCÍPIO DO ARRASTO
As gravuras a baixo, representam o que acontece quando há aumento da área de atrito para realizar o mesmo
movimento.

MARCOS LABOISSIERE
18 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

MORFOLOGIA DENTAL
É bem fundamentado na odontologia que, a função principal dos incisivos e caninos é cortar e rasgar o
alimento, porém é importante que você saiba a principal função desses dentes: PROTEÇÃO do sistema, servindo
de guia para a desoclusão, tanto na protrusão quanto na lateralidade.
Cada padeço anatômico dos dentes anteriores foi desenhado para receber as cargas laterais e dissipar a
energia gerada ao longo do seu eixo, distribuindo para os tecidos de sustentação.
Os incisivos centrais superiores na sua anatomia coronária possui cristas palatinas que criam um corredor
para os incisivos inferiores deslizarem com fluidez. Enquanto que na parte radicular, suas raízes são longas e
inclinadas para dissiparem a energia gerada quando ocorrem as forças ao longo da coroa clínica.
Os caninos são dentes localizados no canto do arco dental, a sua coroa clínica é larga e resistente, com a face
palatina pronunciada e bossa na vestibular. Possui muita estrutura de esmalte, com a raiz triangular, longa e
cônica. Essas características permitem que eles resistam bem às forças laterais, na lateralidade.
Os dentes posteriores possuem a anatomia adequada para receberem as forças longitudinais (oclusais),
com uma mesa oclusal larga, raízes, cúspides e fossas integradas para que a energia seja dissipada ao longo eixo
do dente e crie uma resposta fisiológica de amortecimento e distribuição desta energia.

MARCOS LABOISSIERE
19 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

RESUMINDO
ess

O movimento de lateralidade deve acontecer em um ponto mais anterior, longe do fulcro da


ATM, com uma atividade muscular específica e com o mínimo de agrupamentos musculares, ou
seja, acontece um movimento equilibrado, basicamente os pterigoideos laterais trabalham e os
outros são “desligados".
Quando existe uma falha nesse contato, ou quando ele ocorre envolvendo mais dentes, mais
força vai ser necessária para realizar o mesmo movimento.
Como o pterigoideo lateral é um músculo pequeno e de pouca força, outros grupos musculares
são recrutados para se encarregarem de ajudar no movimento.

MARCOS LABOISSIERE
20 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESEQUILÍBRIO
ess

Na lateralidade, quando há um toque


nos dentes posteriores, mais fibras
musculares são recrutadas para realizar o
mesmo movimento, consequentemente,
será produzida mais FORÇA, esta será
dissipada ao longo dos dentes posteriores
de forma não axial (não oclusal), ou seja,
uma força lateral.
Mais adiante será explicado
detalhadamente como esse tipo de situação
clínica é extremamente prejudicial para a
manutenção dos dentes naturais e dos
trabalhos realizados.

MARCOS LABOISSIERE
21 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

"Durante o movimento de protrusão


ou lateralidade, os dentes posteriores
devem desocluir.”*

*Com exceção de próteses removíveis

MARCOS LABOISSIERE
22 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

“Os contatos dos dentes posteriores


estabelecem a dimensão vertical,
protegendo os dentes anteriores de
forças excessivas em oclusão.”*

proteção mútua
anteriores protegem posteriores e posteriores protegem anteriores.

MARCOS LABOISSIERE
23 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

CHECK LIST - FISIOLOGIA


• Já na consulta inicial, observe os movimentos e a dinâmica;.

•Use um afastador para fazer uma filmagem intra-bucal registrando a lateralidade e a


protrusiva;
• Escute o seu paciente com atenção;
• Procure por desgastes do tipo facetas lisas nas coroas;
• Observe a relação direta entre interferência na lateralidade e as LCNC (lesões cervicais não
cariogênicas);
• Analise se existe ausência das cúspides nos molares;
• Correlacione os achados radiográficos com os sinais da desoclusão desequilibrada;
•Pergunte se existem dores musculares na face, fadiga e cansaço ao acordar, observe se há
interferência;
• Oriente o seu paciente sobre a importância da guia somente nos caninos;
• Explique a questão de ativação dos grupos musculares que podem ser acionadas de forma
inadequada;
• Comente da “nova" geração de pacientes com problemas de origem MECÂNICA, onde as
bactérias se aproveitam da fragilidade física para se proliferarem;
• Explique que, mesmo escovando, cuidando e passando fio dental, ele pode continuar a ter
problemas de desgastes, fraturas, hipersensibilidade e outros. A não ser que, encontre a origem
real do problema e promova o equilíbrio do aparelho estomatognático;
• Faça desse conhecimento um diferencial competitivo, dentro da sua região.

Caso você tenha alguma dúvida, envie para suporte@desoclusao.com.br


Ou envie sua dúvida para nosso Whatsapp - escaneie nosso QRCode ——-—>

MARCOS LABOISSIERE
24 CLUBD
02

MONTAGEM DO QUEBRA-CABEÇA

MARCOS LABOISSIERE 25 CLUBD


conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

ARTICULADOR SEMI-AJUSTÁVEL, PORQUÊ VOCÊ ODEIA.


Ao longo desses anos ensinando este assunto, observei que muitos dentistas e técnicos em
prótese dentária tem uma certa aversão ou trauma em utilizar o articulador semi-ajustável
(ASA).
Um dos motivos é que, normalmente, aprendemos a montar o ASA para enviar para o
laboratório para fazer algum tratamento, geralmente casos mais complexos. A “promessa" é que,
quando o trabalho chega do laboratório, teoricamente, as peças cerâmicas deveriam vir pré-
ajustadas na oclusão e na desoclusão.
Mas o que acontece na prática, na maioria das vezes, é que gastamos muitas consultas
ajustando essas peças, até realmente estarem adequadas. E naturalmente, esse tipo de situação
prática vai minando sua vontade de usar o ASA e com pouco uso e pouco treino na montagem,
tudo fica mais difícil.
Outra grande motivo é que aprendemos a usar o ASA para realizarmos tratamentos e não
fomos treinados para diagnosticar problemas com ele. Isso mesmo, DIAGNÓSTICO.
Alguns ainda usam para planejamentos de casos estéticos, mas na hora de definirem os
detalhes do equilíbrio oclusal e desoclusal no enceramento, o que acontece normalmente? O
dentista “terceiriza" a responsabilidade para o laboratório definir a melhor oclusão e o quanto vai
ser o aumento da dimensão, e por aí vai.
Sem contar que, algumas vezes montamos o trabalho no ASA e quando vamos verificar, o
técnico está trabalhando com os modelos soltos nas mãos, justamente porque alguns técnicos
não foram treinados de forma adequada a entender a importância deste equipamento, o que
desmotiva ainda mais os dentistas.
Vamos mudar esse pensamento no decorrer deste livro. Ao final, você e seu TPD irão se
apaixonar pelo ASA.

MARCOS LABOISSIERE
26 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

POR QUE O ARTICULADOR SEMI-AJUSTÁVEL?


A

A Odontologia está sempre evoluindo de forma acelerada. As imagens tomográficas, os


sistemas CAD/CAM, os softwares de escaneamento de análise facial e a integração disso tudo
mostram que, em breve, teremos acesso em tempo real da dinâmica mandibular e todos os
órgãos envolvidos neste processo.
Apesar desta evolução já ser uma realidade, toda essa tecnologia ainda vai demorar a ser
acessível para a grande maioria dos profissionais e pacientes.
Existem vários modelos de articuladores, cada um tem uma função e indicação. Adotamos o
Articulador Semi-Ajustável (ASA) com Arco Facial, por ser o mais simples, acessível, prático,
democrático e replicável para conseguirmos identificar a dinâmica da mandíbula, dentro do
aparelho estomatognático.
Qualquer dentista é capaz de fazer essa montagem, basta ter o equipamento, gesso de
qualidade, acrílico e silicona de adição.

MARCOS LABOISSIERE
27 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PARA QUE SERVE O ARTICULADOR SEMI-AJUSTÁVEL?


A

O ASA pode ser utilizado para diagnóstico, planejamento e tratamento. Ele representa a ATM,
a maxila e mandíbula, além de registrar e reproduzir alguns movimentos mandibulares.
Permite uma melhor visualização nas relações estáticas e dinâmicas dos dentes, de fácil
reprodução dos movimentos e percepção de interferências, que as vezes não são observadas
clinicamente, além de ser uma ferramenta que facilita a comunicação com o paciente, sendo
possível explicar o que está acontecendo no seu caso.
O que se refere ao diagnóstico, todas as especialidades da Odontologia podem fazer uso deste
equipamento, com ele é possível identificar interferências que podem ser origem de problemas
periodontais, endodônticos, dores orofacial, fraturas, trincas, hipersensibilidade, afrouxamentos de
parafusos de próteses sobre implante, perda óssea peri-implantar, desgastes coronário, retração
gengival, presença de cárie interproximais e diversas outras consequências que iremos
demonstrar ao longo do livro.
Com o ASA você consegue observar a presença de sinais de desoclusão desequilibrada,
realizar planejamentos estéticos e funcionais, reproduzindo a dinâmica dos movimentos.

MARCOS LABOISSIERE
28 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

ARCO FACIAL - REGISTRO DA POSIÇÃO DA MAXILA


A

O arco facial trabalha em conjunto com o ASA. Sua função é registrar a relação entre a maxila
e a base do crânio.
Com ele é possível identificar desvios de linha média, alteração dos planos oclusais e observar
um posicionamento cefalométrico tridimensional.
Ao utilizar o arco facial você não trabalha na média, você pode considerar que a montagem do
ASA utilizando o arco facial torna sua análise ÚNICA, ÍMPAR e PERSONALIZADA.
Todas essas informações colhidas serão fundamentais para o adequado diagnóstico e
planejamento assertivo.
Observe que um dos pontos mais importantes é posicionar o GARFO, o mais alinhado com a
linha média. E o nasium, na região entre as sobrancelhas.

MARCOS LABOISSIERE
29 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

QUANDO SOLTA A MÃO TEM


QUE ESTAR ESTÁVEL?
A

NÃO!
Isso mesmo, pensa assim, o nasium
está apoiado numa área de tecido mole e
as ogivas auriculares, servem para
determinar o ponto aproximado da ATM,
ou seja, para que isso fique “estável" sem
a ajuda do paciente, você terá que apertar
tanto, que pode machucar o paciente e
não irá influenciar em nada.

REGISTA EM PÉ OU DEITADO?
A

Tanto FAZ!
Isso mesmo, o que você está
registrando é algo “fixo”, a relação da base
do crânio com a maxila não vai mudar
estando o paciente em pé ou deitado.
Talvez você se sinta mais confortável
para conferir os planos com o paciente
sentado, mas eu prefiro fazer o arco com o
paciente deitado e confiro a posição em
12hrs na cadeira, olhando de cima para
baixo.

MARCOS LABOISSIERE
30 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

JIG e PUA - REGISTRO DA POSIÇÃO DA MANDÍBULA


A

Existem diversas maneiras de se registrar a relação da maxila com a mandíbula, mas para
encontrarmos a P.F.M. (posição fisiológica da mandíbula) a forma mais simples, prática e replicável
é utilizando o dispositivo JIG e a PUA.
Fácil de ser produzido e, didaticamente, mais visível para o registro dos movimentos
mandibulares.
Podemos encontrar dispositivos pré-fabricados ou outros materiais que podem tornar o
processo mais rápido, mas uma das vantagens de produzir o JIG e a PUA é que você precisa utilizar
somente acrílico e uma base de vidro, ou seja, qualquer dentista de qualquer lugar pode produzir
o seu, isso não o torna melhor e sim mais democrático.
O JIG é um dispositivo plano apoiado nos dentes anteriores, enquanto que a PUA* é um
ponto único anterior, exatamente entre o 31 e 41 (mesmo que estejam ausentes, você deve
produzir algo que no final fique nesta área).
DESOCLUSÃO

* apesar de parecer uma sigla, PUA significa: ponta aguda de objeto


MARCOS LABOISSIERE
31 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

JIG e PUA - REGISTRO DA POSIÇÃO DA MANDÍBULA


A

O objetivo é gerar desoclusão dos dentes posteriores, deixando os dois lados da mandíbula
sustentados pela musculatura, promovendo no início uma desestabilização muscular.
Com o JIG e a PUA posicionados, o paciente é orientado a realizar os movimentos laterais e
protrusivos por 5 minutos, é importante observar dois detalhes: 1 - só deve existir um ponto de
toque dos dispositivos; 2 - a PUA deve ter comprimento suficiente para que os dentes
desencostem, caso você produza uma PUA muito longa, você poderá promover um movimento de
translação dos côndilos, sendo que o ideal é manter somente em rotação.

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
32 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

POSIÇÃO FISIOLÓGICA DA MANDÍBULA


A

Esse TOQUE anterior, gera um desequilíbrio momentâneo. Essa informação é transmitida pelo
complexo sistema nervoso, que “desativa" os músculos que geram força. Para entender isso
melhor, faça o seguinte exercício. Pegue a tampa da uma caneta e morda com força na região do
molares, em seguida pegue a mesma caneta e tente fazer a mesma força nos dentes anteriores (se
forem naturais).
Você não conseguirá imprimir a mesma força, isso se deve ao fato de termos um sistema de
propriocepção que ativa o modo “segurança" e não permite que façamos certos movimentos
conscientemente.
Você orienta o paciente a fazer movimentos laterais e protrusivos, por aproximadamente por
10 minutos, e é nesse momento, quando a mandíbula se encontra influenciada, basicamente
pelos músculos posicionadores da mandíbula (pteriogideos e temporais), que você dá o comando
de ir para “trás" ou engolir.
Quando existe uma alteração de posicionamento entre a posição adaptada (MIH) e a
fisiologicamente ideal (PFM), você observará que a mandíbula será induzida para um ponto mais
posterior ao primeiro ponto registrado.
Este ponto mais posterior gerado com o JIG & PUA, denominamos de Posição Fisiológica da
Mandíbula (PFM), alguns autores descrevem como Relação Central Fisiológica, ou posição
ortopedicamente estável.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
33 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

A UNHA DO PÉ DE GALINHA
A

Os movimentos obtidos com o JIG e PUA podem ser registrados com o carbono, para você
observe a dinâmica entre os músculos e a articulação, já que os dentes não se tocam.
Ao registrar a lateralidade direita, esquerda e a protrusiva com o caborno, você observará três
riscos, lembrando a marca de um pé de uma galinha do chão. O encontro dessas três linha reflete
a posição mandibular na máxima intercuspidação habitual (MIH)
Quando a mandíbula é reposicionada, sem que haja manipulação direta do dentista, a
musculatura é levada a se posicionar de forma mais fisiológica, onde provavelmente suas fibras
musculares estejam alinhadas, fazendo uma marca no JIG na direção posterior. Lembrando a
marca da "unha do pé da galinha”.

lateralidade lateralidade
direita protrusão esquerda

MIH

PFM

MARCOS LABOISSIERE
34 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

JIG e PUA - REGISTRO POSIÇÃO DA MANDÍBULA


A

Para registrar a região posterior , você poderá usar diversos materiais. Indico usar a massa
pesada das siliconas de adição. São firmes, estáveis e com baixa distorção, cuidado ao utilizar os
materiais mais fluidos, porque esse material tende a funcionar melhor quando está sobre pressão.
Importante: OBSERVE SE A PUA ESTÁ NA POSIÇÃO MAIS POSTERIOR DO JIG.
Sem que haja manipulação. Mesmo que o paciente morda, levemente para anterior, enquanto
toma presa o material, o paciente pode “levar” mandíbula para a PFM. Aguarde o tempo indicado
pelo fabricante para remover.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
35 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DETALHES - EVITE DISTORÇÕES


A

Durante todo o processo de montagem do ASA, observe bem cada etapa, para garantir uma
montagem CONFIÁVEL.
Afinal, você irá fazer um diagnóstico importante, que pode mudar a trajetória do seu
planejamento.
Todas as etapas são sensíveis ao erro. Procure fazer sempre o melhor. A moldagem deve ser
feita com material de qualidade, preferencialmente silicona de adição e nos casos de utilização de
alginato, deve-se seguir o protocolo do fabricante. Já o gesso deve ser ZERO DISTORÇÃO, e ambos
devem ser manipulados de forma adequada, como sugerido pelo fabricante.
Todos os detalhes devem ser copiados! Esse modelo confeccionado deve ser o melhor que
você consiga produzir. Tenha o máximo de atenção com a moldagem na distal dos molares.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
36 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

JUNTANDO AS PARTES
ess

Agora é só montar o quebra-cabeça.


Observando alguns detalhes:
- remova TODO o excesso da silicona
da face vestibular e palatina, deixando
DESOCLUSÃO

basicamente a área interoclusal.


- use gesso de qualidade para unir o
modelo à base magnética, lembrando
de utilizar porções pequenas de gesso
até unir, e no final pode usar o gesso
comum para acabamento.
- observe se o PUA está na posição
registrada pelo carbono no JIG.
- sempre com a trava do ASA fechada.

MARCOS LABOISSIERE
37 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

CHECK LIST - MONTAGEM DO ASA.


• Moldagem inferior e superior, com silicona de adição ou alginato de alta qualidade, com

vazamento imediato do gesso;


• Registro de mordida no garfo com zetalabor (ou godiva);
• Resgistro no arco facial (observando a linha média);
• Confecção do jig e pua em resina acrílica vermelha;
• Paciente deve fazer os movimentos de 5 a 10 minutos;
• Registrar com papel carbono os movimentos;
• Registrar mordida com zetalabor na PFM (unha do pé de galinha);
• Montagem do arco facial no ASA (standart ou elite);
• Observar: o articulador deve estar travado sem o pino do asa e sem o nasium do arco,
colocar os ímãs ou tampinhas nas bases imantadas. o arco facial deve estar com os parafusos
apertados;
• Adaptar o modelo superior no garfo; remova os excessos da silicona para ver a adaptação de
uma forma mais adequada;
• Colocar pouco gesso ligando o modelo ao articulador para evitar distorções, use o suficiente
para cobrir a tampinha e segurar o modelo - Gesso pedra tipo IV stone (ou melhor);
• Aguardar presa;
• Montar jig, pua e registro nos modelos. Estabilizar com elásticos (atenção para não ficar de
cabeça para baixo);
• Colocar o pino incisal na mesa descontando o tamanho do jig pua;
• Gesso no modelo inferior, assim como no superior;
• Quando tomar presa pode terminar de fazer toda a base de gesso para acabamento.
• Remova o jig/ pua e registro - guarde-os.
MARCOS LABOISSIERE
38 CLUBD
03

PLANEJAMENTO
protocolo para você seguir para casos
simples ou complexos
incluir - excluir - mover

PLANEJAMENTO

MARCOS LABOISSIERE 39 CLUBD


conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

INCLUIR - EXCLUIR - MOVER


Existem várias aspectos e detalhes a serem analisados. Aqui iremos observar o que podemos
fazer diretamente utilizando o ASA.
Uma anamnese bem realizada, para definir o perfil psicológico e fisiológico, exames
complementares (Rx, Tomografia, Ressonância), análise da face e auxílio de recursos para desenho
estético virtual devem ser incorporados à fase do planejamento.
Sendo que nesse momento ter uma boa conversa com o seu paciente, escutar o que ele tem
para falar da sua situação clínica e associar a observação da dinâmica dos movimentos no exame
intra-oral (fotos e filmagem) são fundamentais para você tomar as decisões do planejamento.
Neste capítulo, vamos focar no planejamento utilizando o ASA (articulador semi-ajustável).
Seguindo um protocolo inspirado nos descritos por dois grandes mestres internacionais no
assunto, Dr. Aníbal Alonso (D.A.T.O.) e Dr. Gustavo Vernazza (P.A.F.R.O).
Quando temos o ASA montado em P.F.M. você basicamente tem três possibilidade de decisões
terapêuticas, se podem ter variações dependendo do caso clínico e suas necessidades, sendo
estas:
INCLUIR - adicionar material aos dentes devolvendo o volume dentário .
EXCLUIR - remover parcialmente estrutura dentária.
MOVER - realizar terapias ortodônticas.

MARCOS LABOISSIERE
40 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

INCLUIR
Nesta edição do nosso livro, vamos focar nos planejamentos que tem a indicação de
acrescentar material às estruturas dentárias.
Para se criar um protocolo replicável, iremos dividir a boca em 4 setores.
Setor 1 - bateria anterior inferior (33 - 43)
Setor 2 - bateria anterior superior (13 - 23)
Setor 3 - bateria posterior inferior (44-48 / 34-38)
Setor 4 - bateria posterior superior (14-18 / 24-28)

SETOR 4 SETOR 2 SETOR 4


DESOCLUSÃO

SETOR 3 SETOR 1 SETOR 3

MARCOS LABOISSIERE
41 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

TABELA DE GUIA DAS PROPORÇÕES


Esta tabela deve servir de guia de proporções, onde pequenas alterações para mais ou para
menos poderão servir de orientação.
Ela deve ser utilizada utilizando a regra de três, ou seja, basta você ter uma das medidas
coronárias. Nos casos de destruição mais severa você pode utilizar a medida M-D do colo do dente,
ou até mesmo o tamanho da raiz.
EXEMPLO:
Você mede a distância M-D (mésio-distal) do 42 = 4,5mm -> o valor de referência na tabela
dessa medida é 5,5mm você irá DIVIDIR 4,5 por 5,5 = 0,81.
Agora você procura a medida Cervico-Incisal ideal do 42, ou seja, 9,5mm.
Muito bem, MULTIPLIQUE o valor encontrado anteriormente pela medida encontrada na
tabela: 0,81 X 9,5 = 7,77 mm - ou seja, o comprimento ideal proporcional do 42 deveria ser de
7,77mm. Esse valor pode ser 8,0 mm ou 7,5 mm, essas variações acontecem de forma que você
possa adequar aspectos estéticos ou até mesmo funcionais.
Lembre-se, essa medida é uma referência. Ela irá te guiar em todas as situações.
Um detalhe importante, nos casos que há perda de estrutura periodontal, observe que a
medida Cervico-Incisal deve ser feita do ponto onde deveria ser a margem da coroa clínica, caso
esse dente não tivesse perdido estrutura periodontal.

MARCOS LABOISSIERE
42 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

MARCOS LABOISSIERE
43 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

COMECE BEM
Observe que nesse caso a medida M-D é de 6,5mm - na tabela a medida ideal é 7,0
6,5 DIVIDO por 7,0 = 0,92

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
44 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

COMECE BEM
A medida Cervico-Incical ideal é 11,0 mm. Então, para esse caso o comprimento que iremos
adotar será de 10,10 mm ( 0,92 X 11,0).
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
45 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

SEGUE O PLANO - SETOR 1


Observe que nesse caso a medida M-D é de 6,5mm - na tabela a medida ideal é 7,0
6,5 DIVIDO por 7,0 = 0,92
A medida Cervico-Incical ideal é 11,0 mm. Então, para esse caso o comprimento que iremos
adotar será de 10,10 mm. ( 0,92 X 11,0)
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
46 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

SEGUE O PLANO - SETOR 1


Observe que nesse caso a medida M-D é de 6,5mm - na tabela a medida ideal é 7,0
6,5 DIVIDO por 7,0 = 0,92
A medida Cervico-Incical ideal é 11,0 mm. Então, para esse caso o comprimento que iremos
adotar será de 10,10 mm. ( 0,92 X 11,0)
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
47 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

SEGUE O PLANO - SETOR 1


Nesse momento você não precisa se preocupar com a estética da escultura anatômica, e sim
com a forma. No final você irá refinar e adequar os detalhes estéticos da morfologia.
6,5 DIVIDO por 7,0 = 0,92
A medida Cervico-Incical ideal é 11,0 mm. Então, para esse caso o comprimento que iremos
adotar será de 10,10 mm. ( 0,92 X 11,0)
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
48 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

SEGUE O PLANO - SETOR 1


Nesse momento você não precisa se preocupar com a estética da escultura anatômica, e sim
com a forma. No final você irá refinar e adequar os detalhes estéticos da morfologia.
6,5 DIVIDO por 7,0 = 0,92
A medida Cervico-Incical ideal é 11,0 mm. Então, para esse caso o comprimento que iremos
adotar será de 10,10 mm. ( 0,92 X 11,0)
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
49 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

SEGUE O PLANO - SETOR 2


Nesse momento você não precisa se preocupar com a estética da escultura anatômica, e sim
com a forma. No final você irá refinar e adequar os detalhes estéticos da morfologia.
6,5 DIVIDO por 7,0 = 0,92
A medida Cervico-Incical ideal é 11,0 mm. Então, para esse caso o comprimento que iremos
adotar será de 10,10 mm. ( 0,92 X 11,0)
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
50 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

SEGUE O PLANO - SETOR 2


Nesse momento você não precisa se preocupar com a estética da escultura anatômica, e sim
com a forma. No final você irá refinar e adequar os detalhes estéticos da morfologia.
6,5 DIVIDO por 7,0 = 0,92
A medida Cervico-Incical ideal é 11,0 mm. Então, para esse caso o comprimento que iremos
adotar será de 10,10 mm. ( 0,92 X 11,0)

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
51 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

SEGUE O PLANO - SETOR 2


Nesse momento você não precisa se preocupar com a estética da escultura anatômica, e sim
com a forma. No final você irá refinar e adequar os detalhes estéticos da morfologia.
6,5 DIVIDO por 7,0 = 0,92
A medida Cervico-Incical ideal é 11,0 mm. Então, para esse caso o comprimento que iremos
adotar será de 10,10 mm. ( 0,92 X 11,0)

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
52 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

ESTABELEÇA A RELAÇÃO ANTERIOR COMO PRIORIDADE


DESOCLUSÃO

enceramento realizado pela Dra. Daiana Pauli


MARCOS LABOISSIERE
53 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

SEGUE O PLANO - SETOR 3


Nesse momento você não precisa se preocupar com a estética da escultura anatômica, e sim
com a forma. No final você irá refinar e adequar os detalhes estéticos da morfologia.
6,5 DIVIDO por 7,0 = 0,92
A medida Cervico-Incical ideal é 11,0 mm. Então, para esse caso o comprimento que iremos
adotar será de 10,10 mm. ( 0,92 X 11,0)

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
54 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

SEGUE O PLANO - SETOR 4


Nesse momento você não precisa se preocupar com a estética da escultura anatômica, e sim
com a forma. No final você irá refinar e adequar os detalhes estéticos da morfologia.
6,5 DIVIDO por 7,0 = 0,92
A medida Cervico-Incical ideal é 11,0 mm. Então, para esse caso o comprimento que iremos
adotar será de 10,10 mm. ( 0,92 X 11,0)
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
55 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

RESULTADO FINAL
DESOCLUSÃO

enceramento realizado pela Dra. Daiana Pauli


MARCOS LABOISSIERE
56 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

RESULTADO FINAL

DESOCLUSÃO

enceramento realizado pela Dra. Daiana Pauli


MARCOS LABOISSIERE
57 CLUBD
DESOCLUSÃO
05

CASO CLÍNICO

MARCOS LABOISSIERE 58 CLUBD


conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

JÉSSICA RODRIGUES
Jovem linda cheia de vida que, aos 23 anos de idade, chegou no meu consultório com a
indicação do instação de um implante dentário na região do elemento 25. Pode parecer uma mera
consulta inicial, mas na verdade era um grande desafio.
Ela chegou conformada com a situação, afinal, o mesmo elemento 25 já havia doído no
passado, indicaram o tratamento endodôntico na época, como solução. Depois esse dente ficou
“frágil”, fraturou a coroa clínica e tornou-se uma coroa cerâmica com retentor radicular.
História comum, ela chega a justificar para mim que tudo isso aconteceu porque o dente dela
era frágil, por ter tomando muito anti-biótico na infância, já ela se esmerava na higiene de forma
até exagerada para evitar problemas nos dentes, visitava o dentista com regularidade, fez
tratamento ortodôntico por 5 anos e que mesmo assim, ela rotineiramente estava com alguma
coisa para ser corrigida.
Mas ao escutar aquela história, eu observei que algo estava acontecendo, no exame clínico
não observei alteração de formação no esmalte, mas alguns sinais claros de DESOCLUSÃO
DESEQUILIBRADA eram perceptíveis.
O que evidenciava para mim, que existia uma provável discrepância entre M.I.H e PFM.
Nesse caso, seguimos o protocolo de planejamento descrito anteriormente. Durante a
execução do planejamento eu utilizei os recursos de técnicas que domino, mas o foco que você ter
em mente é que:
O MAIS IMPORTANTE É VOCÊ TER OS OBJETIVOS CLAROS
DE COMO VOCÊ QUER TERMINAR O SEU CASO,
ANTES MESMO DE COMEÇAR.

ELIMINAR BÁSCULAS E DEVOLVER GUIAS.


Independente de como e qual técnica você irá utilizar para chegar até lá.
Resinas e/ou cerâmicas, enfim o importante é você fazer o que domina.

MARCOS LABOISSIERE
59 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

JÉSSICA RODRIGUES
.

Já nessa foto, observe a ponta do canino (13)

MARCOS LABOISSIERE
60 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

INTRA-ORAL BÁSICO
.

No exame intra-oral, observe que os dentes anteriores já apresentam tratamento cosmético,


Além de presença de LCNC (Lesões Cervicais Não Cariogênicas) em alguns pré-molares .
E o mais interessante - OCLUSÃO IDEAL
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
61 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

O CULPADO DA CONSULTA
.

Esse era o pré-molar fraturado, que veio com um provisório sem adaptaçao.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
62 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

ILHAS DE DENTINA
.

No modelo já fica evidente alterações coronárias. Observe essas “ilhas" de dentina na face oclusal.
Esse nível de desgaste dos dentes é um SINAL de DESOCLUSÃO DESEQUILIBRADA.
O que já indica uma investigação da dinâmica da desoclusão.
DESOCLUSÃO

O esmalte é uma estrutura DURA “vítrea”.


Se algo duro esfrega em outro material duro, as superfícies em contato ficam: LISAS
Ao passo que, duas estruturas duras quando se batem QUEBRAM.

MARCOS LABOISSIERE
63 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

JÉSSICA RODRIGUES
.

Outro sinal de alerta são os desgastes das pontas dos caninos, numa paciente tão jovem

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
64 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

EXAME DA DINÂMICA DESOCLUSAL


Observe que na lateralidade direita, todos os dentes tocam.
O que gera uma desgaste acentuado nas coroas clínicas, potencializado pela ativação de todos
os músculos geradores de FORÇA para realização deste movimento.

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
65 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

EXAME DA DINÂMICA DESOCLUSAL


Observe que na lateralidade esquerda, todos os dentes deste tocam, semelhantemente ao
lado oposto.
Agora, observe o elemento 25, que chegou com um provisório, mas que provavelmente,
quando era uma coroa rígida, deveria tocar neste movimento.

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
66 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

"QUE BACTÉRIA QUE COME CÚSPIDE É ESSA? "


.

Observe que as cúspides dos molares não estão mais com a sua forma ideal.

DESOCLUSÃO

O esmalte é uma estrutura DURA “vítrea”.


Se algo duro esfrega em outro material duro, as superfícies em contato ficam LISAS
Ao passo que, duas estruturas duras quando se batem QUEBRAM

MARCOS LABOISSIERE
67 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

EXAME DA DINÂMICA DESOCLUSAL


No movimento de PROTRUSÃO, fica evidente uma deficiência dos dentes anteriores de
guiarem este movimento.
Nesta imagem, a paciente está fazendo o movimento “para frente” e são os terceiros molares
que tocam. O que irá exigir do aparelho estomatognático muito mais energia e força para fazer
o mesmo movimento.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
68 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

MONTAGEM DO ASA
ess

Nesse caso, seguimos o protocolo de


montagem descrito do capítulo anterior.
Utilizando o JIG & PUA, arco facial,
DESOCLUSÃO

moldagem, montagem das peças de forma


adequada e zerando o pino incisal ao final
da montagem.

MARCOS LABOISSIERE
69 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PFM - Posição Fisiológica da Mandíbula (na prática)


Agora no movimento de PROTRUSÃO, fica evidente uma deficiência dos dentes anteriores de
guiarem este movimento.
Nesta imagem a paciente está fazendo o movimento “para frente” e os terceiros molares que
tocam. O que irá exigir do aparelho estomatognático muito mais energia e força para fazer o
mesmo movimento.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
70 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PFM - Posição Fisiológica da Mandíbula (na prática)


Com o ASA travado fica evidente a interferência responsável por gerar a báscula articular, ou
seja, é o ponto de fulcro da alavanca. Neste caso, ocorreu nos terceiros molares, mas isso não é
uma regra, apesar de ser comum.
É esse desequilíbrio que deixa a mandíbula “mancando" durante os movimentos
PARAFUNCIONAIS. O SNC posiciona a mandíbula para essa situação, procurando a posição
fisiológica, e esta interferência projeta a mandíbula para anterior, levando para uma posição
patológica. Observe um detalhe, nos dentes que “esfregam" as superfícies estão lisas. Já nos
dentes que tocam, depois desta interferência, sofrem as consequências da velocidade gerada na
mandíbula ao ser tracionada com força para MIH.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
71 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

LEIA OS SINAIS
- Esfrega = fica liso: no local onde ocorre o primeiro toque da inteferência, acontece o
atrito entre as superfícies do esmalte e a rotação na área de fulcro, demonstrando uma área
polida.
- Bate = quebra: quando a mandíbula é levada para MIH, os dentes que tocam logo em
seguida se encontram com mais violência, ocasionando fragilidade da estrutura do esmalte e
expondo a dentina.
Neste caso, como você pôde observar nas imagens da lateralidade, as superfícies dos
posteriores também estão polidas devido ao atrito, “duro com duro, quando esfrega fica polido”.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
72 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PLANEJAMENTO
Aqui optamos por INCLUIR - acrescentar estrutura que foi desgastada prematuramente. Tendo
como objetivos:
- ELIMINAR AS BÁSCULAS ARTICULARES
- DEVOLVER AS GUIAS ANTERIORES
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
73 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO
MIH

ADIANTE DEMONSTRO A SEQUÊNCIA TERAPÊUTICA ADOTADA.


Mas tenha em mente que, GANHAMOS O JOGO AQUI!
DESOCLUSÃO

PFM

MARCOS LABOISSIERE
74 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

INSTALAÇÃO DO MOCKUP FUNCIONAL - o teste drive para analisar a estética e a função.

MARCOS LABOISSIERE
75 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

INSTALAÇÃO DO MOCKUP FUNCIONAL - o teste drive para analisar a estética e a função.

MARCOS LABOISSIERE
76 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

INSTALAÇÃO DO MOCKUP FUNCIONAL - o teste drive para analisar a estética e a função.

MARCOS LABOISSIERE
77 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

INSTALAÇÃO DO MOCKUP FUNCIONAL - o teste drive para analisar a estética e a função.

MARCOS LABOISSIERE
78 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

GUIAS DE PREPARO

MARCOS LABOISSIERE
79 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

TODO CUIDADO PARA EVITAR DESGASTE DO ESMALTE DESNECESSÁRIO.

MARCOS LABOISSIERE
80 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

REMOÇÃO DE TODAS AS RESINAS ANTIGAS

MARCOS LABOISSIERE
81 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

ASPECTO FINAL DO PREPARO - COM RESPEITO AO ESMALTE E


ÀS CARACTERÍSTICAS DO MATERIAL RESTAURADOR

MARCOS LABOISSIERE
82 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO
ASPECTO FINAL DO PREPARO - COM RESPEITO AO ESMALTE E
AS CARACTERÍSTICAS DO MATERIAL RESTAURADOR

LIMITE INCISAL DO REMANESCENTE NATURAL

LIMITE INCISAL DO TRATAMENTO COSMÉTICO ANTERIOR

LIMITE INCISAL DO PROJETO

MARCOS LABOISSIERE
83 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

CUIDADO COM A ADESÃO.


ISOLAMENTO ABSOLUTO, SEGUINDO TÉCNICA DO PROF. VICTOR GUERRERO

MARCOS LABOISSIERE
84 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

CUIDADO COM A ADESÃO.


ISOLAMENTO ABSOLUTO

MARCOS LABOISSIERE
85 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

CUIDADO COM A ADESÃO.


ISOLAMENTO ABSOLUTO

MARCOS LABOISSIERE
86 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

CUIDADO COM A ADESÃO.


ISOLAMENTO ABSOLUTO

MARCOS LABOISSIERE
87 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

CUIDADO COM A ADESÃO.


ISOLAMENTO ABSOLUTO

MARCOS LABOISSIERE
88 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

CUIDADO COM A ADESÃO.


ISOLAMENTO ABSOLUTO

MARCOS LABOISSIERE
89 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

CUIDADO COM A ADESÃO.


ISOLAMENTO ABSOLUTO

MARCOS LABOISSIERE
90 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

LAMINADO CERÂMICO

MARCOS LABOISSIERE
91 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

REMOÇÃO DO EXCESSO DE CIMENTO

MARCOS LABOISSIERE
92 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

REMOÇÃO DO EXCESSO DE CIMENTO

MARCOS LABOISSIERE
93 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

E AÍ ASSIM SEGUE ATÉ CIMENTAR TODOS OS LAMINADOS CERÂMICOS


CONFECCIONADOS EM CERÂMICA FELDSPÁTICAS MONOLÍTICAS FRESADAS

MARCOS LABOISSIERE
94 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

DETALHES OBSERVADOS QUANDO EXECUTAMOS A TÉCNICA ADEQUADA DE ISOLAMENTO

MARCOS LABOISSIERE
95 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

SEGUIMOS O MESMO WORKFLOW NO SETOR 2.


NA EXECUÇÃO PREFIRO COMEÇAR PELO SETOR 1, PARA ADEQUAR OS ASPECTOS ESTÉTICOS DA
MORFOLOGIA COM A FACE, E NA SEQUÊNCIA INICIO O SETOR 2

MARCOS LABOISSIERE
96 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

ASPECTO CLÍNICO LOGO APÓS A CIMENTAÇÃO E REMOÇÃO DO ISOLAMENTO

MARCOS LABOISSIERE
97 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

É IMPORTANTE SALIENTAR QUE:


TODAS AS ETAPAS DEMONSTRADAS NESSA SEQUÊNCIA SÃO IMPORTANTES PARA A
LONGEVIDADE E MANUTENÇÃO DESSE TRABALHO.
O QUE EU VOU MOSTRAR NA SEQUÊNCIA, CONSIDERO
O FATOR MAIS DETERMINANTE NESTE PROCESSO.

MARCOS LABOISSIERE
98 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

INDICAMOS ESSE TRATAMENTO PARA OS CASOS ONDE FORAM PLANEJADOS LAMINADOS


CERÂMICOS ( “LENTE DE CONTATO”), COM OBJETIVO DE PRESERVAR AO MÁXIMO A ESTRUTURA
NATURAL DOS DENTES, E AO MESMO TEMPO QUANDO EXISTIR A NECESSIDADE DE ADEQUAÇÃO
DA FORMA DA FACE PALATINA PARA GARANTIR A FUNÇÃO PRIMORDIAL DOS INCISIVOS,
QUE É DE DESOCLUIR!
ENTÃO CARINHOSAMENTE DENOMINAMOS ESTA SITUAÇÃO CLÍNICA DE
“LENTE DE CONTATO BIFOCAL”

MARCOS LABOISSIERE
99 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

A PACIENTE FOI ORIENTADA QUE PARA ELIMINAR ESSA DIFERENÇA ÂNTERO-POSTERIOR, O


TRATAMENTO INDICADO IDEAL SERIA O MOVER - ORTODONTIA.

PORÉM, ELA RELATOU QUE ESTAVA PARA PARTICIPAR DE ALGUNS TRABALHOS PUBLICITÁRIOS E
QUE INVIABILIZARIA O TRATAMENTO ORTODÔNTICO, NESTE MOMENTO DA SUA VIDA.

ENTÃO, TOMAMOS A DECISÃO DE FAZER UM TRATAMENTO COMPENSATÓRIO “PROVISÓRIO”, E


QUE NO MOMENTO OPORTUNO, ELA RETOMARIA O TRATAMENTO ORTODÔNTICO NECESSÁRIO.

POR ESSE MOTIVO, OPTAMOS POR PRODUZIR OS LAMINADOS CERÂMICOS PALATINOS,

MARCOS LABOISSIERE
100 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

LAMINADOS CERÂMICOS PALATINOS

MARCOS LABOISSIERE
101 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

LAMINADOS CERÂMICOS PALATINOS

MARCOS LABOISSIERE
102 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

LAMINADOS CERÂMICOS PALATINOS

MARCOS LABOISSIERE
103 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

LAMINADOS CERÂMICOS PALATINOS

MARCOS LABOISSIERE
104 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

LAMINADOS CERÂMICOS PALATINOS

MARCOS LABOISSIERE
105 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

LAMINADOS CERÂMICOS PALATINOS

MARCOS LABOISSIERE
106 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO
Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

LAMINADOS CERÂMICOS PALATINOS - PLANEJAMENTO CAD/CAM

MARCOS LABOISSIERE
107 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

OBJETIVO ALCANÇADO

MARCOS LABOISSIERE
108 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

TOQUE SIMULTÂNEO BILATERAL!


PROTEÇÃO GARANTIDA DO SISTEMA, MESMO QUE ADAPTADA.
DE FORMA QUE, QUANDO OS INCISIVOS E CANINOS FOREM EXERCER A FUNÇÃO DE GUIA
LATERAL, OS DOIS JÁ ESTEJAM SE TOCANDO DESDE O INÍCIO DO MOVIMENTO.

MARCOS LABOISSIERE
109 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

GUIA ANTERIOR

ANTES

MARCOS LABOISSIERE
110 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

Aspecto clínico logo após a remoção do isolamento

GUIA LATERAL GUIADA NOS CANINOS

ANTES

MARCOS LABOISSIERE
111 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

DESOCLUSÃO

GUIA LATERAL GUIADA NOS CANINOS

ANTES

MARCOS LABOISSIERE
112 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

JÉSSICA RODRIGUES
.

O equilíbrio da desoclusão proporciona


resultados estéticos

MARCOS LABOISSIERE
113 CLUBD
DESOCLUSÃO
03

VAMOS PENSAR JUNTOS

MARCOS LABOISSIERE 114 CLUBD


conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

VAMOS PENSAR JUNTOS


ess
DESOCLUSÃO

Neste capítulo, vou mostrar algumas situações


clínicas para refletirmos juntos, a aplicação do
método DESOCLUSÃO DESCOMPLICADA para
diagnóstico clínicos.

MARCOS LABOISSIERE
115 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

LESÕES NÃO CARIOGÊNICAS


Observe a sutileza dos sinais clínicos nesta imagem, a seta aponta para uma superfície
polida.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
116 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

COMO ASSIM…
Fatores como alteração de Ph da saliva, alimentação enriquecida com alimentos ácidos,
hábitos parafuncionais, problemas gástricos, dentre outros, influenciam no surgimento de LCNC
palatina.
Em casos como este, se considerarmos qualquer um desses fatores citados acima, o
interessante é compreender o que acontece na região das setas azuis que não acontece na
seta verde.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
117 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

O PORQUÊ
O que acontece efetivamente nesse caso é explicado nesta imagem. Durante o movimento
lateral para a direita, no lado oposto ao movimento os dentes em azul se tocam, durante todo
o processo, gerando forças não oclusais (laterais) nos molares, causando uma distribuição
inadequada das energias geradas, alterando a face palatina.
Além de que, nesta situação todos os grupos musculares são acionados para realizar o
mesmo movimento, promovendo ainda mais força inadequada nos molares. E isso não acontece
nos dentes com a seta verde.

DESOCLUSÃO

sentido do movimento

MARCOS LABOISSIERE
118 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

REPLICAR A NATUREZA
Nos dentes inferiores encontramos uma prótese fixa sobre implantes com afrouxamento
dos seus parafusos. O mais interessante é observar que o profissional que executou esse trabalho,
imitou a natureza, e inclusive sua imperfeição na dinâmica da oclusão.
Imagine que este 36, um dia foi hígido, teve cárie, precisou fazer a endodontia, fez trabalhos
protéticos, até a raiz não aguentar mais esse tipo de força lateral e fraturar. Foi realizado o implante
osseointegrado para substituir a raiz fraturada.
Adotaram a opção de prótese fixa unida para “evitar” que afrouxasse, em vão. Inclusive neste
dia a prótese estava solta. E o REAL problema que ocasionou isso tudo não tinha sido sequer
mencionado por nenhum profissional.
DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
119 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

AH, SE TIVESSEM VISTO ISSO ANTES


Na análise da desoclusão utilizando o ASA, fica evidente o que acontece mecanicamente
neste caso. O canino esquerdo falha na sua função de proteção, e quando a mandíbula se
movimenta para a esquerda, os molares do lado direito se tocam durante todo o movimento.
E muito provavelmente, foi a origem dos problemas dos inferiores.

DESOCLUSÃO

sentido do movimento

MARCOS LABOISSIERE
120 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

PERIODONTIA
Observe bem essa imagem, seja sincero, qual a nota de 0 a 10 que você daria para a
qualidade de higienização deste paciente?

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
121 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

ESSE AÍ ESCOVA
E agora qual a nota você daria para a qualidade de higienização deste paciente?
Observe nas setas verdes que o esmalte desses dentes são lisos e polidos, e que há
inclusive um desgaste visível, de forma que há um degrau entre o esmalte da coroa clínica e o
subgengival.
Esse paciente relatava escovar os dentes com força e associava uma alimentação mais ácida
com frequência, ao ponto de alisar a superfície do esmalte.

DESOCLUSÃO

se

MARCOS LABOISSIERE
122 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

ESSE AÍ ESCOVA
E agora, qual a nota você daria para a qualidade de higienização deste paciente?
Bem baixa!

se

MARCOS LABOISSIERE
123 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

E AGORA?
E se eu te disser que se trata do mesmo paciente? Como você poderia explicar o que está
acontecendo na sua boca?
Este garoto na consulta me perguntou: “O que eu posso fazer para evitar que isso aconteça? "
E você, o que diria? Que ele não escova, que ele não cuida?
Que tipo de bactéria é tão seletiva que ataca o 42 e deixa o 32 imune? Obviamente, que só
existe inflamação periodontal, quando há presença de bactéria. Mas a questão é, o que tem no
41 que o torna mais propício para esse tipo de situação clínica?
DESOCLUSÃO

se

MARCOS LABOISSIERE
124 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

VOILÁ
A resposta está muito mais fácil, e bem na nossa frente. Basta pedir para o paciente fazer o
movimento de lateralidade para direta.
Observe que o canino 13, tem alteração de forma, e não está exercendo sua principal função
no aparelho estomatognático, o de proteção.
E consequentemente, algum dente faz essa função e nesse caso advinha quem está fazendo?
Isso mesmo o 41.
DESOCLUSÃO

sentido do movimento

MARCOS LABOISSIERE
125 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

RESUMINDO
O 41 sofre forças laterais mésio-distais desfavoráveis. Essa energia gerada pelo atrito e
toque, durante os movimentos de lateralidade, é distribuída de forma irregular ao longo eixo do
dente.
O que leva a uma alteração da fisiologia periodontal do 41, gerando um inflamação,
inicialmente asséptica. Essa modificação torna a gengiva mais suscetível ao sangramento.
O paciente exagerava na escovação em todos os outros dentes, e “pulava" o 41, devido ao
excesso de sangramento que ele relatava na região e imaginava que era devido a escovação.
A alteração de forma e a presença de placa bacteriana , explica o que acontece neste tipo de
caso, de forma simples e objetiva.
DESOCLUSÃO

sentido do movimento

MARCOS LABOISSIERE
126 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

CÁRIE LOCALIZADA
Observe esta imagem radiográfica. Apresenta uma cárie neste local. A pergunta é : Por que o
16 tem cárie e alteração periodontal (bolsa), enquanto que o 14 e 15 não têm NADA?
Como que a bactéria pode ser tão específica?
O que acontece no 16 que não acontece nos outros?

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
127 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

OS DETALHES
Pense comigo, essa paciente apresenta vários problemas, mas gostaria que continuasse sua
observação no tocante à cárie do 16. Observe que não há outra cárie semelhante a esta nos outros
dentes.
Então como você justificaria esse problema? Falta do uso do fio dental? Te pergunto: Mas ela
não passa o fio em nenhum dente, por que só ali desenvolveu uma cárie?

DESOCLUSÃO

MARCOS LABOISSIERE
128 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

OS DETALHES
O que acontece está descrito nessa imagem. Entenda o seguinte, os dentes anteriores
falharam na proteção do sistema, ou seja, não geraram a desoclusão dos dentes posteriores
adequadamente.
Quando o paciente movimenta a mandíbula para frente, a cúspide distal do 37 desliza
(esfrega) na cuspida palatina do 26, gerando uma força lateral disto-mesial.

DESOCLUSÃO

sentido do movimento

MARCOS LABOISSIERE
129 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

MAL POSICIONAMENTO QUE SALVA


Ao fazer o diagrama de forças neste tipo de caso, fica mais fácil entender.
O ponto rosa representa o local do toque da interferência, a seta azul a resultante da força
gerada no 16 e a seta amarela a resultante gerada no 37.
A dissipação desta força irregular no 26, cria uma área de fragilidade na mesial e
consequências, no tecido periodontal mesial.
Devido ao fato de estar inclinado, a resultante da força no 37 passa ao longo do seu eixo,
resultando em uma força oclusal.

DESOCLUSÃO

sentido do movimento

MARCOS LABOISSIERE
130 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

RESUMINDO
ess

Existem inúmeras situações clínicas, onde você pode aplicar esse raciocínio para realizar o
diagnóstico.
Outras análises não mencionados neste livro são importantes para um diagnóstico adequado.
O que é necessário ficar claro é que, o desequilíbrio da desoclusão não é o único e nem o fator
mais importante a ser analisado, mas ele deve ser sempre considerado quando você estiver
estudando um caso clínico.
E ao final, tanto para os trabalhos realizados, quanto para a manutenção dos dentes naturais, o
equilíbrio da desoclusão é DETERMINANTE para conseguirmos longevidade.

NÃO PRECISA SER MAIS DURO QUE O NATURAL PARA DURAR!


O EQUILÍBRIO DA DESOCLUSÃO É MAIS RELEVANTE NA
LONGEVIDADE DO QUE A DUREZA DO MATERIAL

MARCOS LABOISSIERE
131 CLUBD
conhecendo a DESOCLUSÃO
domine a OCLUSÃOUM VERDADEIRO MANUAL PRÁTICO - SIMPLES - REPLICÁVEL

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Você pode ter observado que não cito as referências durante o texto. Isso acontece de
propósito, para que você não perca o foco durante a leitura.
Separei uma pasta no dropbox, com os artigos científicos que usamos para fundamentar esta
obra. Não é a citação, são os artigos na íntegra. São centenas de referências organizadas por
assuntos.
Acredito que desta forma, quem se interessar em conhecer mais sobre o assunto, terá a
oportunidade de ler papers que fundamentam o que descrevemos aqui.
Basta ler o QR Code para acessar esta pasta.

MARCOS LABOISSIERE
132 CLUBD
Espero que este livro contribua para
o seu crescimento e que ele
fomente em você a vontade de
estudar mais e mais este assunto.

MARCOS LABOISSIERE 133 CLUBD