ISCE Felgueiras

Vítor Silva

ISCE Felgueiras

Mosaico

É uma forma de arte decorativa que utiliza tesselas (pequenos bocados de vidro, mármore, cerâmica ou pedra) para formar imagens ou padrões..

Vítor Silva

ISCE Felgueiras

Tesselas

É uma palavra romana que significa «cubo». São necessárias bastantes tesselas para fazer um mosaico, e elas existem em diferentes materiais, com diferentes características que constituem uma parte intrínseca do mosaico.

Esmaltes

Este é o material clássico do mosaico, pequenos e grossos pedaços rectangulares de vidro italiano, fabricado manualmente. Estão disponíveis numa vasta gama de cores e dispõem igualmente de uma capacidade de reflexão luminosa.

Vítor Silva

São necessárias bastantes tesselas para fazer um mosaico. Podem ser lisos ou regulares e também com a superfície enrugada. com diferentes características que constituem uma parte intrínseca do mosaico. são também de vidro italiano feito manualmente e contém verdadeiras folhas de ouro e prata embutidas. Esmaltes  dourados  prateados Usados extensivamente pelos artistas bizantinos na feitura de ícones religiosos. e elas existem em diferentes materiais.ISCE Felgueiras Tesselas É uma palavra romana que significa «cubo». Vítor Silva .

Vítor Silva . com diferentes características que constituem uma parte intrínseca do mosaico.ISCE Felgueiras Tesselas É uma palavra romana que significa «cubo». Ladrilhos  em pasta  de vidro Fabricados em quadrados uniformes de pasta de vidro. Existem numa imensa variedade de cores. São necessárias bastantes tesselas para fazer um mosaico. A face superior é lisa e polida. enquanto a inferior é enrugada para melhor adesão. e elas existem em diferentes materiais.

Vítor Silva . Cerâmica Fabricadas em argila vitrificada. São necessárias bastantes tesselas para fazer um mosaico. estão disponíveis numa gama reduzida de cores. com um acabamento mate. e elas existem em diferentes materiais. ocres. branco e preto. com diferentes características que constituem uma parte intrínseca do mosaico. terracota.ISCE Felgueiras Tesselas É uma palavra romana que significa «cubo». habitualmente castanhos.

e elas existem em diferentes materiais. Azulejos Uma gama de cores imensa. texturas e motivos. Vítor Silva . fáceis de cortar e podem ser utilizados de uma forma eficiente. como os mosaicos de exterior. São necessárias bastantes tesselas para fazer um mosaico. mas contra‐indicados para alguns projectos. São bastante versáteis.ISCE Felgueiras Tesselas É uma palavra romana que significa «cubo». com diferentes características que constituem uma parte intrínseca do mosaico. por não serem resistentes à geada.

assim como prepará‐la devidamente antes de começar o trabalho. Vítor Silva Cola branca ou  amarela Cola  epoxídica Cola de  papel de  parede Betume Cimento . Madeira Vidro Cerâmica Metal Cimento Existem vários tipos de colas e adesivos que são utilizados nas diferentes etapas de construção de um mosaico. é necessário verificar se a superfície não tem humidade e é suficientemente forte e estável para aguentar o peso do mosaico. Primeiro. A escolha da cola a utilizar depende das dimensões e colocação da peça acabada.ISCE Felgueiras Quase todas as superfícies podem ser indicadas para a aplicação de mosaicos.

ISCE Felgueiras Pincel de  Marcador  cola de  azulejos Corta‐ vidros Cortador  de  azulejo Turquês  de  ladrilhos Martelo  de  talhadeira Vítor Silva .

ISCE Felgueiras Panos Esponja Panos abrasivos  e lixa Tigela Colher de  pedreiro Balde Recipiente  de plástico Talocha Betumadeira  Raspador de  Espátula de  com pente borracha pintura Vítor Silva .

em parte. Cada peça colocada define. determinado pela colocação das tesselas e pelas linhas de betume. construindo progressivamente um mosaico que se encaixa lindamente e se vai espalhando regularmente.ISCE Felgueiras Opus Método utilizado para cortar e dispor cada uma das peças individuais das tesselas. . a posição da próxima. determina o ritmo geral e o movimento do mosaico. Vítor Silva Andamento Termo utilizado para descrever o correr ou direcção do mosaico.

em parte. Cada peça colocada define. Técnica usada originalmente pelos Romanos.ISCE Felgueiras Opus Método utilizado para cortar e dispor cada uma das peças individuais das tesselas. Regulatum Vítor Silva . a posição da próxima. determina o ritmo geral e o movimento do mosaico. construindo progressivamente um mosaico que se encaixa lindamente e se vai espalhando regularmente. em que as tesselas de forma idêntica são dispostas a direito em linhas horizontais (mas sem estarem alinhadas na vertical).

ISCE Felgueiras Opus Método utilizado para cortar e dispor cada uma das peças individuais das tesselas. determina o ritmo geral e o movimento do mosaico. em parte. Tesellatum Vítor Silva . Cada peça colocada define. construindo progressivamente um mosaico que se encaixa lindamente e se vai espalhando regularmente. a posição da próxima. Tesselas quadradas são dispostas em linhas verticais e horizontais para formar um padrão parecido com uma grelha.

ISCE Felgueiras Opus Método utilizado para cortar e dispor cada uma das peças individuais das tesselas. acompanhando de perto e acentuando o contorno da figura de um modo regular e fluente. Tesselas quadradas são utilizadas para delinear o desenho principal ou pormenores do padrão. construindo progressivamente um mosaico que se encaixa lindamente e se vai espalhando regularmente. como uma minhoca. determina o ritmo geral e o movimento do mosaico. Cada peça colocada define. a posição da próxima. Vítor Silva Vermiculatum . em parte.

a posição da próxima. Vítor Silva . Isto provoca uma sensação forte de movimento e ritmo. seguindo a linha de contorno. determina o ritmo geral e o movimento do mosaico. construindo progressivamente um mosaico que se encaixa lindamente e se vai espalhando regularmente. preenchendo todo o fundo. Musivum Esta técnica é um desenvolvimento da Opus Vermiculatum. em parte. em que as tesselas continuam o movimento para fora. Cada peça colocada define.ISCE Felgueiras Opus Método utilizado para cortar e dispor cada uma das peças individuais das tesselas.

Apertar as pegas do cortador devagar e com firmeza. com centro alinhado pelo traço marcado anteriormente. fazendo pressão com o marcador de azulejos. . e o azulejo partir‐se‐á ao longo da linha. Vítor Silva 2‐ Colocar o cortador de azulejos na borda do azulejo.ISCE Felgueiras Técnicas  1‐ Traçar uma linha que passe de corte pelo centro do azulejo.

colocando as garras da turquês na borda do azulejo. no ângulo pretendido e apertando com firmeza.ISCE Felgueiras Técnicas  3‐ Cortar o azulejo em tiras mais de corte estreitas repetindo o processo de marcação e partindo novamente com o cortador de azulejos. partir as tiras de azulejo segundo a forma desejada. Utilizando a turquês de ladrilhos. Vítor Silva .

ISCE Felgueiras Técnicas  Martelo e Talhadeira de corte Estas são as ferramentas tradicionais utilizadas para cortar mármore e esmalte. Vítor Silva . partindo‐as ao longo da linha pretendida. Seguram‐se as tesselas por cima da lâmina da talhadeira e dá‐se uma pancada firma com o martelo.

Quadrados Vítor Silva 2‐ Dividir as tiras em secções quadradas com marcador de azulejos e parti‐las com a turquês de ladrilhos. .ISCE Felgueiras Cortando  1‐ Partir o azulejo quadrado em 4 formas partes iguais.

Triângulos 2‐ Acertar cuidadosamente a linha marcada com as garras da turquês e partir em triângulos.ISCE Felgueiras Cortando  1‐ Partir o azulejo em 4 tiras e formas marcar linhas diagonais em ziguezague. Vítor Silva .

ISCE Felgueiras Cortando  1‐ Marcar as linhas com direcções formas angulares alternadas e cortar com a turquês. jogando com a disposição das tesselas. fazendo‐ as rodar em diferentes direcções e experimentando juntar lados diferentes. Curvas 2‐ formem curvas. Vítor Silva .

Deixar secar completamente. 1‐ Preparar a superfície da madeira aplicando uma solução de cola branca e água (1 parte de cola: 4 partes de água) com uma trincha. Vítor Silva . de modo que a parte superior se transforma na superfície do mosaico final.ISCE Felgueiras No método directo. as tesselas são colocadas com o lado “certo” para cima.

Começando pela borda exterior. quando for necessário. verificando se o traçado está nítido e definido. Transferir o desenho para a madeira com um lápis. partir as tesselas em formas quadrangulares com a ajuda da turquês. 3‐ Partir as tesselas em tamanhos aproximados. Vítor Silva . elas poderão ser aparadas até terem a forma pretendida.ISCE Felgueiras 2 – Ampliar o desenho para a dimensão desejada e copiá‐lo para o papel vegetal.

prender com firmeza as tesselas à madeira. aplicando com um pincel um bocadinho de cola branca na parte inferior das tesselas. deixando um pequeno (2‐3mm) espaço entre as peças. utiliza‐se a turquês para ir retirando bocadinhos aos cantos de um quadrado. 5‐ Para fazer a forma oval do centro da estrela. Vítor Silva . até ficar uniforme e arredondado.ISCE Felgueiras 4‐ Seguindo fielmente o desenho.

ISCE Felgueiras 6‐ Quando todas as tesselas estiverem colocadas. misturar esta água colorida com o betume em pó num balde. Seguindo as instruções do fabricante. deixem o mosaico secar completamente – de um dia para o outro. é o ideal. Vítor Silva 7‐ Fazer uma solução misturada de água com uma tinta acrílica colorida numa bacia. . até ficar com uma consistência uniforme e cremosa.

Vítor Silva . 9‐ Retirar os bocados de betume em excesso com um raspador de borracha. empurrando bem para preencher os interstícios.ISCE Felgueiras 8‐ Espalhar o betume sobre o mosaico com uma espátula. acertando uniformemente as irregularidades que possam surgir nos lados.

Deixar secar durante 20‐30 minutos antes de passar ao próximo passo. limpar a fina camada de betume na superfície. 11‐ Quando o betume estiver seco ao toque.ISCE Felgueiras 10‐ Limpar o mosaico com uma esponja húmida para retirar algum pedaço de betume que ainda tenha ficado na superfície. Vítor Silva . polindo‐a com um pano suave e seco.

ISCE Felgueiras Vítor Silva .

1‐ Ampliar o desenho para o tamanho real e apontar claramente as cores a ser utilizadas. As tesselas são presas com a face para baixo sobre papel com cola. sendo o papel retirado posteriormente quando o mosaico está pronto. Jogar um pouco com a colocação das tesselas no papel para ficar com uma ideia do aspecto com que vai ficar o mosaico.ISCE Felgueiras No método indirecto é um pouco como trabalhar às avessas. o qual é então colocado sobre uma camada de betume. quando acabado. Vítor Silva .

3‐ Virar o papel vegetal do outro lado e transferir o desenho para o papel Kraft. refazendo o traçado sobre as linhas do marcador preto com um lápis de mina dura. O desenho está invertido neste momento. Não virar ainda o papel vegetal – passar um lápis de mina mole sobre as linhas traçadas.ISCE Felgueiras 2‐ Passar o desenho para uma folha de papel vegetal com um marcador preto. Vítor Silva .

Vítor Silva . com cola de papel de parede levemente diluída.ISCE Felgueiras 4‐ Colar as tesselas com a face para baixo no papel Kraft. porque todos parecem iguais quando vistos por trás. 5‐ A montagem das tesselas deve ser feita com uma cor de cada vez. Isto pode ficar muito complicado quando se trabalha com azulejos. e um cuidado especial em seguir correctamente as cores do desenho.

a água ao pó até que ele fique com uma consistência lamacenta ou untuosa. Vítor Silva . juntando. Aplicar uma camada generosa de betume sobre a superfície com a colher de pedreiro. pouco a pouco.ISCE Felgueiras 6‐ Misturar o betume num balde. 7‐ Verificar se a superfície para o mosaico está pronta e limpa de poeiras.

Vítor Silva . Deixar secar. verificando se o traçado do mosaico está alinhado pelas margens dos azulejos circundantes. Pressionar com força para que o betume preencha bem os espaços entre as tesselas. 9‐ Pressionar uniformemente o mosaico para baixo com o raspador de borracha. de forma que o papel fique virado para nós e colocar o mosaico no sítio.ISCE Felgueiras 8‐ Virar o mosaico ao contrário.

com um esfregão abrasivo. humedecer o papel com uma esponja húmida e retirá‐lo. Finalmente. Vítor Silva . ou betume a mais. Se for o caso. polir a superfície com um pano suave e seco. enchê‐las com betume e limpas qualquer excesso com uma esponja. Ver se há algumas falhas nos interstícios.ISCE Felgueiras 10‐ Quando o betume estiver seco. quando todo o betume estiver bem seco. Remover algum pedaço de papel que tenha ficado.

ISCE Felgueiras Vítor Silva .