You are on page 1of 9

Objetivo: O objetivo deste estudo foi avaliar a resposta do nível do osso

imediatamente colocado e implantes provisoriamente restaurados utilizando o


conceito de switching de plataforma.

Materiais e Métodos: Vinte e dois implantes com diâmetro de plataforma de


5,5 mm foram imediatamente colocados em locais saudáveis no maxilar em 22
pacientes. Espaços resultantes do Circum-implante foram preenchidos com uma
mistura de matriz óssea bovina e colágeno. Os implantes foram divididos
aleatoriamente em dois grupos iguais: 11 implantes
relacionados com os pilares de 3,8 mm de diâmetro (grupo teste) e 11 com os de
5,5 mm de diâmetro (controle). Coroas provisórias foram adaptadas e ajustadas
para colocação imediata não-funcional de cada implante e as coroas definitivas
foram construídas 2 meses mais tarde. Avaliações pós-tratamento foram
realizadas por um observador independente no momento da colocação do
implante (basal), a inserção da prótese definitiva e a cada 6 meses. Estas
avaliações incluíram radiografias periapicais, sondagem de profundidade do
bolso (PPD), o sangramento à sondagem (SS), e Índice de Placa modificado (MPl)
em ambos os implantes e os primeiros dentes proximais. Um software de análise
de imagem foi utilizado para comparar a altura do crestal na mesial e distal.

Resultados: O período de observação de seguimento médio foi de 25 meses e


todos os implantes foram considerados osseointegrados com êxito. No grupo
teste, a análise radiográfica mostrou um nível de redução média do osso de 0,30
mm (SD = 0,16 mm). Este valor médio foi estatisticamente diferente (P ≤ .005)
do redução média no grupo controle (média = 1,19 mm, DP = 0,35 mm).
Nenhuma diferenças entre os dois grupos no PPD, BOP ou MPl foi encontrado.

Conclusão: Este estudo preliminar sugere que a restauração de implantes


imediatos restaurações em casos específicos em locais no maxilar com switching
de plataforma subseqüentes podem providenciar estabilidade do nível ósseo
alveolar Peri-implante.

Restaurações provisórias sobre implantes colocados em locais recém-extraídos


são popularmente considerado como fornecendo tanto a conveniência e
vantagem de tratamento. Alguns autores defendem que esta abordagem ajuda a
preservar ou retardar o inevitável e variável redução de rebordo alveolar, que
ocorre ao redor dos implantes com base no tempo-dependente. Infelizmente, a
influência da idade, sexo, saúde sistêmica, a especificidade local, e morfologia
óssea sobre o resultado do momento do implante, e colocação de carga , na
verdade está longe de ser rigorosamente documentados. No entanto, várias
hipóteses procurar manter a integridade do nível do osso “circum-implant”. Um
desses proposta interessante sugere que um chamado protocolo switching da
plataforma pode assegurar melhores níveis de osso, pelo menos no curto prazo.
Este conceito, se provado ser previsível, certamente iria impactar o resultado
estético de implantes colocados na zona estética e merece ser testado.

O objetivo deste estudo preliminar foi avaliar tradicionalmente os níveis de


osso estudados ao redor de implantes imediatamente colocados e restaurados
em sítios específicos da maxila utilizando um protocolo de switching de
plataforma. Foi concebido como um protótipo para um longo prazo, prospectivo,
controlado, randomizado, duplo-cego de investigação clínica.

Materiais e Métodos

Design do Estudo e Seleção dos Pacientes

De setembro a dezembro de 2005, dois cirurgiões de implantes dentários


em dois consultórios odontológicos privados contrataram 22 pacientes
consecutivos, 12 (sete do sexo masculino e cinco fêmeas) em um escritório e 10
(seis masculinos e quatro femininos) no outro, que estavam programados para o
período de colocação de implante imediato após exodontias para suportar
restaurações de dentes únicos. Os critérios de inclusão para os 22 dentes no
maxilar selecionados (três incisivos, caninos três e 16 pré-molares) foram
avaliados clinicamente,rebordos alveolares bem-preservados e as características
morfológicas dos dentes que excluíam a sua restauração tradicional. No
momento da inserção do implante, os pacientes variaram na idade de 32-76
anos (idade média: 50 ± 14,46 anos) e todos estavam em boa saúde. Eles foram
informados sobre o procedimento e obrigados a assinar um termo de
consentimento.

Os critérios de exclusão limitando o estudo para 22 pacientes foram


dentes infectados, um índice de placa na boca cheia (PMFs) e o escore de
sangramento na boca cheia (FMBS)> 25%, locais resultante de implante com um
espaço interproximal mais estreito de 9 mm e aqueles com defeitos ósseos
interproximais e bucais, os fumantes que tinham mais de 10 cigarros por dia, e
os pacientes com diabetes não controlada (Glicemia> 110 mg / L e HbA1c> 6%)
ou que estavam grávidas ou lactantes.

Como o estudo foi confidencialmente financiado e realizado, seguiu os


princípios enunciados na Declaração de Helsinki na experimentação envolvendo
seres humanos. O protocolo de tratamento todo assegurava aplicação dos mais
elevados padrões de consultório particular profissional. Os pacientes foram
aleatoriamente designados para um dos dois seguintes protocolos: restauração,
utilizando o conceito de switching de plataforma (pilares 3,8 milímetros de
diâmetro: grupo de teste) ourestauração padrão (pilares 5,5 milímetros de
diâmetro: grupo controle) e eram cegos em relação sua inclusão em qualquer
grupo.

Atribuição aleatória foi realizada por um profissional de estatística de


acordo com a randomização predefinidas nas tabelas, e um bloco aleatório
equilibrado permutando a abordagem foi utilizada para preparar o sorteio das
tabelas para evitar um desequilíbrio entre os dois tratamentos. A fim de reduzir a
chance de divisões desfavoráveis entre os grupos teste e controle em termos de
principais fatores prognósticos, o processo de randomização em consideração as
variáveis sexo, idade, biótipo e posição do dente.

Os médicos também foram cegos sobre o uso do diâmetro selecionado do


pilar após que o implante foi inserido. Uma vez que o procedimento cirúrgico foi
concluído, assistentes dos cirurgiões abriram um envelope selado que identificou
a escolha do pilar.

Protocolo Cirúrgico

Cada paciente foi agendado para uma profilaxia profissional antes da


cirurgia. Pacientes tomaram antibiótico (Augmentin 1 g, GlaxoSmithKline) 1 hora
antes da cirurgia e a cada 12 horas durante 6 dias depois.

Todas as extrações foram realizadas sem atraumaticamente sem levantar


uma ponta e utilizando um “periotome”. Os soquetes foram cuidadosamente
desbridados e a presença de qualquer defeito ósseo foram exploradas usando
uma sonda periodontal. Treze milímetros Implantes Global (Suécia e Martina)
com uma plataforma de diâmetro de 5,5 mm foram inseridos. Todos os sites
após exodontias apresentou paredes ósseas bem preservadas e ausência de
infecção aguda na região anterior e regiões pré-molares da maxila. A região da
osteotomia do implante no pré-molar foi preparado ao longo o longo eixo dos
dentes extraídos, mas foram ligeiramente inclinada palatino ao longo eixo nos
locais anteriores.

O implante de raiz em forma utilizada neste estudo apresentou uma


superfície pescoço 0,3 mm de alta maquinado e micro fibra na porção coronal.
Além disso, o conjunto superfície do implante foi jato de areia e condicionamento
ácido e incorporou uma conexão dupla de pilar interno. A borda da plataforma do
implante foi colocado à margem da parede óssea vestibular. Para obter
estabilidade primária adequada, os implantes foram inseridos pelo menos 3 mm
além do ápice do dente, o que permitiu um valor de torque inicial de 32 a 45 N /
cm.

Quando a distância entre o implante e a parede óssea vestibular (o


chamado salto à distância) excedeu 1 mm, foi registrado como tal e cheia de
uma mistura de colágeno da matriz óssea bovina (Bio-Oss Colágeno,
Osteohealth) e sangue. Uma distância salto buco-oral foi detectada em 14 locais
(sete no teste grupo e sete no controle).
Conexão do Pilar

Pilares temporários foram conectados aos implantes (Torque: 20 N / cm),


utilizando um posto de titânio com um diâmetro de 3,8 mm no grupo teste (1,7
mm mais estreito que a plataforma do implante) e um pilar de titânio com um
diâmetro de 5,5 mm, no controle.

A esponja de gelatina (Cutanplast Dental) saturada com ácido tranexanic


estava ligado à volta do pilar na crista alveolar, como parte de um protocolo que
é presumido a promover e melhorar a cura da mucosa. A coroa de resina acrílica
personalizada provisória foi contornado por um encaixe perfeito e marginal
imediatamente colocado sobre o poste. Oclusão cêntrica e os contatos
excêntricos não eram permitidas nas restaurações provisórias e isso foi
verificado através de um articulador de papel de 200 μm. A coroa foi então
adaptada por meio de um gel anti-séptico (gel Corsodyl, GlaxoSmithKline), de
modo a evitar a contaminação do processo de cicatrização pelo cimento.

As dimensões da mucosa peri-implante (gengiva biótipo) foram


identificados, e radiografias padronizadas digitais periapical foram realizadas por
meio de um individualizado bocal para assegurar uma técnica paralela e
utilizado para gravações de referência. Parâmetros de exposição foram
conduzidos de acordo com as recomendações do fabricante da norma dos
protocolos clínicos.

Os pacientes foram orientados a manter uma dieta mole e para evitar a


mastigação na área tratada até o momento da final restauração. A higiene oral
no sítio cirúrgico foi limitada a escovação suave para as primeiras 2 semanas e
escovação regular no resto da boca. Lavagem com 0,12% clorexidina foi
prescrito por 2 semanas. Em seguida, convencional escova e fio dental são
permitidas.

Após 1 semana, a coroa provisória foi cimentada com cimento provisório


(Temp Bond, KerrHawe). Todos procedimentos cirúrgicos ocorreram sem
intercorrências.

Dois meses após a colocação do implante de uma impressão da cabeça do


implante foi tirada com uma impressão adequada coberta (3,8 mm no grupo
teste e 5,5 mm no controle). O estado do tecido peri-implante foi observado, e a
transferência da coberta foi modificada para evitar um colapso da mucosa sobre
a cabeça do implante. Pilares de titânio e coroas metal-cerâmicas foram
utilizados para as restaurações finais. Estes últimos foram otimamente
projetados para combinar com os contornos e as áreas de contacto dos dentes
adjacentes permitindo melhorar os contornos dos tecidos moles. Novos filmes
foram feitos na época da conexão final da coroa e do pilar. A profilaxia da boca
foi realizado com os seguinte parâmetros e foram registrados a cada 6 meses:
sangramento à sondagem (SS), Profundidade de Sondagem (PPD), e modificado
Índice de Placa (mPlI) em ambos os implantes e dentes (mesial e distal) vizinhos.
As medidas agregadas foram comparados aos valores basais.

Avaliação Radiográfica

Radiografias periapicais padronizadas digitais foram repetidas a cada 6


meses usando o mesmo protocolo (Figs1a e 1b). Mudanças do osso marginal
peri-implante foram avaliados com uma técnica de medição computadorizada
aplicada as radiografias digitais. Cada radiografia foi previamente modificada
com um filtro digital para ocultar o diâmetro do pilar antes de ter sido dada ao
operador.
A distância entre as margens mesial e distal do pescoço do implante para
o ponto mais coronal, onde os ossos pareciam estar em contato com o implante
foram medidos. Avaliação do nível ósseo marginal ao redor do implantes foi
realizada usando o software de análise de imagem (Scion Image 4,02 Win,
Scion), que foi capaz de compensar a distorção radiográfica. O software calculou
a remodelação óssea nas faces mesial e distal dos implantes.Todas as medidas
(índices periodontais, os parâmetros estéticos,medições radiográficas) foram
feitas e coletadas pelo mesmo examinador treinado, que não foi um dos
cirurgiões do implante.

Análise Estatística

A distribuição dos dados foi plotada com um gráfico de caixa e


caracterizadas pelo valor médio e desvio padrão (SD). O teste Estudante t(P ≤ .
005) foi selecionado para detectar diferenças
entre os grupos teste e controle, enquanto a correlação entre a perda do biótipo
gengival e óssea marginal foi examinada pelo teste F (P ≤ .05).

O teste F foi utilizado para testar a hipótese de que o


desvios-padrão dos dois grupos de pacientes com diferentes biótipos gengival
(grosso ou fino) são iguais e de comparáveis origem.

Resultados
Nenhum paciente deixou o estudo, o seguimento médio do período de
observação, sem inter-ocorrências foi de 25 meses (Variação: de 24 a 27 meses).
No momento da impressão, e colocação de coroa, o tecido fibrótico denso
sobrejacente a parte da plataforma do implante não abrangidas pelo do pilar foi
observada no grupo de teste (Figs 2 a 4).

Resultados Radiográficos

No grupo teste, as radiografias pós-operatório no último seguimento (24


meses após a colocação da prótese definitiva) demonstrou uma perda óssea
média de 0,25 mm nas superfícies mesial (variação: 0,07 a 0,47 milímetros, DP
= 0,123) e 0,36 mm nas superfícies distal (variação: 0,09 a 0,80 milímetros, SD
= 0,183). Média geral da perda óssea foi de 0,30 mm (DP = 0,157) (Tabela 1).

No grupo controle, as radiografias pós-operatório mostraram uma perda


óssea média de 1,13 mm na superfície mesial (intervalo: 0,58-1,85 mm, DP =
0,337) e 1,25 milímetros em superfícies distal (intervalo: 0,62-1,80 mm, SD =
0,404). Média geral da perda óssea foi de 1,19 mm (DP = 0,384) (Tabela 1B).

Não houve diferença perceptível encontrado na radiografia controles após


o primeiro acompanhamento (6 meses depois definitiva inserção da prótese), em
ambos os grupos. O valores médios do grupo teste foram estatisticamente
significativas (P ≤ .005) em comparação ao grupo controle os valores médios
(Fig. 5). Não há alterações nos níveis de osso adjacente à pilares nos dentes
foram observadas em ambos os grupos.

Parâmetros Periodontal

Durante todo o período do estudo de observação, nem BOP nem PPD


superior a 3 mm foram detectados em ambos os grupo. O mPlI média foi de 0,57
(DP = 0,32) no grupo controle e 0,74 (DP = 0,34) no grupo teste.

O teste Estudante t pareado foi selecionado para detectar diferenças entre


os grupos teste e controle. Não houve diferença estatisticamente significativa (P
<.005) em relação periodontal, quando os índices locais de teste e controle
foram comparados aos valores basais e ao último acompanhamento.

Ausência de sinais inflamatórios foi verificada no interior do tecido mole


Peri-implante.

Correlação do Biótipo
O F observado do teste aplicado ao biótipo gengival e perda óssea foi
FCALC = 0,00031. O F crítico, em um 95% de significância, foi F1, 20 = 4,35.
Portanto FCALC <F1, 20 e aceitamos a hipótese nula de que os dois desvios-
padrão são iguais. O nível de confiança foi 95% de que qualquer diferença na
amostra os desvios-padrão foi devido a erros aleatórios.

Não há evidência de que o biótipo gengival (grosso ou perda óssea fina)


influencia nos pacientes. Nenhum resultado diferente foi encontrado utilizando o
mesmo teste com o teste do grupo controle.

Discussão

No presente estudo, após exodontias, implantes imediatamente


provisórios de largo diâmetro (5,5 mm) foram restaurados usando a técnica de
switching de plataforma (3,8 mm pilar) em relação à restauração do pilar
correspondente(5,5 milímetros pilar). Após 25 meses de acompanhamento, a
reabsorção óssea média foi de 0,30 mm no ensaio grupo e 1,19 mm, no controle.

A justificativa para o uso de um implante de diâmetro largo em ambos os


grupos de pacientes é para certificar-se que este era um protocolo cego, para
aumentar a estabilidade do implante primário, e para amplificar a
incompatibilidade do implante / pilar. Os cirurgiões foram orientados a utilizar
um determinado diâmetro do pilar somente após a preparação do local da
osteotomia para eliminar o viés de pilar.
Além disso, um implante de diâmetro 5,5 mm presumivelmente
permitindo um aumento no contato entre o osso e a rosca. De fato, no presente
estudo, os soquetes muitas vezes apresentam morfologia cônica com uma
distância mesiodistal de cerca de 5,5 milímetros, principalmente no pré-molar.
Ao fazer tal, alta estabilidade primária foi prontamente obtido em um dos pré-
requisitos mais importantes para implantes imediatamente restaurados. Além
disso, o uso de estes implantes de grande diâmetro permitiu uma maior
incompatibilidade do diâmetro do implante / pilar que foi previamente relatado.
Foi considerado que isto iria amplificar as diferenças nas mudanças no nível da
crista óssea nos dois grupos. Uma razão adicional presumida foi cancelar a
variável stress do diâmetro do implante de osso marginal. Isidor afirmou que um
implante de largo diâmetro poderia distribuir melhor o estresse na interface
pilar-implante e, conseqüentemente, minimizar os microdanos resultando em
reabsorção óssea.

Os níveis registrados de perda da crista óssea pareceu ser um pouco


menor do que os resultados relatados por estudos clínicos similares de curto
prazo, que podem estar relacionados a superfície completamente rugosa do
implante usado neste estudo. Também foi relatado que algumas superfícies
áspera de titânio e micro fibra estão associados com a formação de uma rede de
fibrina superficial, o que poderia, hipoteticamente,
aumentar a estabilidade inicial da interface osso-implante.

Além disso, a medida da reabsorção óssea observada no grupo teste foi


significativamente menor do que no grupo controle. É tentador acreditar que o
maior área de contato do tecido mole (presume-se ser similar a largura biológica
descrita como ocorrendo ao redor dos dentes naturais) para os implantes
restaurados com o protocolo de switching de plataforma pode realmente
desempenhar um papel nesta sutil diferença inicial (Figs 6 e 7).

Além disso, avaliou radiograficamente as diferenças na perda da crista


óssea foi notada após o primeiro acompanhamento. Isso também pode ser
atribuída a uma maturação do tecido um pouco mais rápido nas circunstâncias
clínicas descrito aqui. As diferenças nas medidas das alterações do nível ósseo
entre os dois grupos podem ser relacionados com a formação de tecido fibrótico
denso observado sobre a parte não horizontal da cabeça do implante.
Hipoteticamente, esta ocorrência pode limitar a extensão dos tecidos moles e
duros até as paredes verticais dos implantes, a fim de estabelecer uma efetiva
barreira biológica ao meio bucal (ver Figs 2 a 4).

Não é novidade, não houve diferenças significativas encontradas entre os


locais onde materiais aloplástico de osso foram utilizados, quando comparados
aos locais onde eles não eram. Conclui-se que o material não pode afetar as
medidas radiográficas uma vez que o preenchimento ósseo foi usado
exclusivamente no vestibular ou defeitos do palatal. As avaliações radiográficas
somente registraram mudanças mesial e distal. A avaliação biométrica no
presente estudo deve ser considerada com cautela, pois os níveis de osso foram
avaliados por meio de radiografias periapical digital padronizado com o
consequente risco de erros de avaliação menores, particularmente
quando visto no contexto da dimensão numérica da amostra utilizada neste
estudo.

Estes resultados coincidem com as observações de Lazzara e Porter, cujo


publicou recentemente um acompanhamento a longo prazo radiográfico de
implantes do switching da plataforma que sugerem a perda de massa óssea
mínima crestal quando comparados aos implantes tradicionalmente restaurado,
pelo menos para a duração específica do estudo. Não houve diferença
significativa observada entre os grupos teste e controle sobre o índice
periodontal, mesmo que a relevância desta avaliação, permanece obscura.

Esta preliminar, numericamente limitada e de curto prazo também


demonstra resultado impressionante bem-sucedido de outros relatórios para
implantes imediatamente colocados que são carregados oclusalmente
relativamente precoce, embora sem o protocolo switching da plataforma. Por
conseguinte, é tentador concluir que o protocolo, por si só, não parece
comprometer a presunção de resultados ótimos. Além disso, ele pode realmente
contribuir para um melhor nível de manutenção de ossos, pelo menos no curto
prazo.
Conclusões

As limitações deste modelo de estudo exclui qualquer conclusões sobre o mérito


da rotina
usando o protocolo a longo prazo do switching da plataforma. No entanto, dada
os resultados registrados do sucesso da osseointegração e os níveis de osso
mantidos, os pesquisadores clínicos devem ser encorajados a considerar os
méritos de mais abrangentes investigações clínicas.