PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .

d o w

o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c NOVA GESTÃO EMPRESARIAL COM ERP Regina Lobato rmflbr@yahoo.com.br Fortaleza, Outubro de 2007 o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k

lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c APRESENTAÇÃO Como esta tecnologia pode ajudar as empresas na modernização e informatização de seus processos administrativos e comerciais, fazendo um comparativo entre as várias soluções disponíveis no mercado: CRM, Supply Chain, e-business, e-commerce , BI e sua integração com o ERP. Ò Apresentação da atual situação do mercado de ERP no Brasil. Ò Regina Lobato

o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu

y N .c OW! w .d o c u-tr a c k NOVA GESTÃO COM ERP Ò w o .d o c u-tr a c k .c Ò Ò No ambiente de negócios ultra-competitivo do mundo , é imperativo extrair o máximo dos seus recursos atuais, enquanto planeja o crescimento futuro da Organização. Exige a necessidade de reduzir a complexidade e, ao mesmo tempo, aumentar o desempenho da sua empresa. Por meio da criação de um alinhamento otimizado entre as metas de negócio e os processos, a tecnologia da informação, através dos sistemas de gestão integrada, permite que as organizações cheguem aos seus propósitos com menos riscos. Regina Lobato o m w w w

w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu w .d o c u-tr a c k .c ERP –ENTERPRISE RESOURCE PLANNING Ò to k lic C m C lic k to

bu y N w OW! .d o o c u-tr a c k .c Ò Ò Os ERP´s são sistemas de informação integrados, adquiridos na forma de pacotes comerciais de software, com a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma empresa. Considerando-se o modelo da cadeia de valor, pode-se entender que os sistemas ERP evoluíram para serviços, onde se propõem, como tal, a cobrir as atividades empresariais que vão da logística de entrada até as relacionadas à logística de saída e parte das atividades de marketing e vendas. Uma característica importante desses serviços é pela proposta de atender a diversos segmentos e clientes, sua implementação incorpora modelos e padrões de processos de negócios (chamados de “ Best practices” – melhores práticas). Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE

PD H F-XC A N GE OW! N y bu w .d o c u-tr a c k .c ERP –ENTERPRISE RESOURCE PLANNING Ò to k lic C m C lic k to bu y N

w OW! .d o o c u-tr a c k .c Ò As soluções e/ou serviços ERP´s dão suporte aos principais processos da empresa, integrando os dados procedentes das diferentes atividades ou áreas, num banco de dados centralizado. As oportunidades de aprimoramento que justificam um projeto de implantação de uma solução ERP são: É Acelerar os fluxos de dados na empresa, integrando a informação em tempo real; É Minimizar o tempo de resposta à clientes e fornecedores; É Delegar as decisões aos níveis convenientes, mantendo o controle da gestão adequado a cada segmento de negócio; É Garantir a disponibilidade da informação de suporte a tomada de decisão; É Facilitar o processo de planejamento empresarial, tomando como base as informações que são geradas no ERP Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N

y bu w .d o c u-tr a c k .c ERP –ENTERPRISE RESOURCE PLANNING É to k lic C m C lic k to bu y N w OW! .d o o c u-tr a c k

.c É É É Que forneçam os meios para uma perfeita integração entre os setores da organização através do compartilhamento de bases de dados únicas e não redundantes, nas quais cada elemento de dado esteja em um e apenas um local; Que forneçam os meios para que se deixe de gastar esforço gerencial e operacional nas interfaces entre sistemas de informações que não conversam entre si; Que tornem o processo de planejamento operacional mais transparente, estruturado e com responsabilidades mais definidas; Em última análise, que apóie a empresa nos seus esforços de melhoria de desempenho operacional para que melhor possa se sair, frente aos concorrentes, no atendimento aos clientes. Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu

to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c CRM –CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGMENTE o m

w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N

.c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c CRM –CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGMENTE Gestão das Relações com os Clientes, integra todas as funções e processos que interferem nas atividades da empresa com seus clientes. O propósito principal das soluções CRM é maximizar a lealdade do cliente; captando, desenvolvendo e retendo os clientes mais rentáveis. Ò Ò Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE

OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k

c u-tr a c k .c CRM –CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGMENTE As principais áreas funcionais que compreendem uma solução CRM de integração da informação de clientes são: É Ò Vendas, Marketing e Serviços. Áreas como suporte aos centros de atendimento telefônico (call centers) e o desenvolvimento e gestão do portal corporativo na internet, podem ser adicionadas como mais um canal de comunicação com os clientes. Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k

lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c CRM –CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGMENTE Ò O CRM pode ter três visões: função do CRM analítico é determinar quais são esses clientes, quais devem ser tratados de forma personalizada, one-to-one e quais são os clientes que devem ser deslocados para níveis de prioridade menor. É O CRM analítico, fonte de toda a inteligência do processo, serve para o ajuste das estratégias de diferenciação de clientes, bem como

para o acompanhamento de seus hábitos, com o objetivo de identificar suas necessidades e os eventos que possam ocorrer na vida de cada um deles. Regina Lobato ÉA o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic

k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c CRM –CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGMENTE Ò CRM operacional onde a maioria das empresas está focada, em sistemas como automatização da força de vendas, centros de atendimento a clientes (call centers), sites de comércio eletrônico e sistemas automatizados de pedido. CRM Colaborativo engloba todos os pontos de contato com o cliente onde ocorre interação com a empresa. Os vários canais de contato devem estar preparados para não só permitir essa interação, mas, também, para garantir o fluxo adequado dos dados resultantes desta para o resto da organização. Regina Lobato Ò o m w

w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c

OW! w w o .d o c u-tr a c k DIAGRAMA DE UM CRM .d o c u-tr a c k .c Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu

to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c SCM –SUPPLY CHAIM MANAGMENT o

m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y

N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k SCM –SUPPLY CHAIM MANAGMENT Ò c u-tr a c k .c Ò Gestão da Cadeia de Suprimentos - Transforma sua empresa em uma comunidade dinâmica conectada ao mesmo tempo com seus clientes e fornecedores. As soluções “ demand” gestão da cadeia de fornecedores on de compreendem o suporte às atividades associadas ao fluxo e transformação dos materiais, desde a extração de matérias primas até a entrega ao consumidor final. Estão orientadas a empresas e setores que desenvolvem suas atividades dentro de redes de fornecimento de bens materiais: fabricantes, atacadistas e distribuidores, logística do transporte de mercadorias e comércio Regina Lobato o m w w w w PD

H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o w o

.d o c u-tr a c k SCM –SUPPLY CHAIM MANAGMENT Ò c u-tr a c k .c As soluções de SCM integram e gerenciam os fluxos de informação e de materiais, otimizando as operações dentro e fora da empresa. Estas soluções exploram as quatro principais funções empresariais : É Entrada de pedidos e gestão da demanda É Abastecimento e relações estratégicas com fornecedores É Fabricação É Distribuição e transporte Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu

to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w w o .d o c u-tr a c k DIAGRAMA DE UM SCM COMPLETO .d o c u-tr a c k .c Regina Lobato

o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu

y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c E-BUSINESS o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N

y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w w o .d o c u-tr a c k E-BUSINESS Sistemas de informação que auxiliam os processos de negócio. Estes sistemas podem ser desde B2C e B2B até CRM, Supply Chain Management (SCM) e gerenciadores de conteúdo. Ò Vantagens do eBusiness Ò .d o

c u-tr a c k .c sistemas conectados como ERP e SCM facilitam a troca de informações; É agilidade: informações em tempo real sobre o seu negócio, facilitam a tomada de decisão; É transparência: todas as etapas envolvidas estão disponíveis para o nível gerencial. Regina Lobato É integração: o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C

m C lic k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c E-COMMERCE o m w w w w PD

H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w w o

.d o c u-tr a c k E-COMMERCE Faz parte do e-business. Ò Compreende não apenas a parte de compras e vendas, mas também o marketing, a logística, a infraestrutura e o atendimento ao cliente. Ò .d o c u-tr a c k .c Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to

k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c BI –BUSINESS INTELIGENCE o m w

w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c

OW! w w o .d o c u-tr a c k BI –BUSINESS INTELIGENCE .d o c u-tr a c k .c informações de seus clientes e as analisa, para ajudá-lo a identificar oportunidades e criar estratégias que antecipem a demanda. Ò Tecnologias avançadas lhe permitirão aproveitar ao máximo os dados de que dispõe, tanto internos como externos, mediante sua correta estruturação com fins de análise e consulta, gerando informações relevantes para a tomada de decisões. Regina Lobato Ò Recolhem o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE

OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w w o .d o c u-tr a c k DIAGRAMA DE UM BI

.d o c u-tr a c k .c Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C

lic k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c DATAWAREHOUSE o m w w w w PD H F-XC A N GE PD

H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w w o .d o c u-tr a c k

DW - DATAWAREHOUSE Ò .d o c u-tr a c k .c Ò Ò É uma coleção de dados orientada por assuntos, integrada, variante no tempo, e não volátil, que tem por objetivo dar suporte aos processos de tomada de decisão. É um conjunto de tabelas (banco de dados) contendo dados extraídos dos sistemas de operação da empresa (ERPs, tarifadores, etc… tendo sido otimizados para processamento de ), consulta e não para processamento de transações. Em geral, um Datawarehouse requer a consolidação de outros recursos de dados além dos armazenados em BDs relacionais, incluindo informações provenientes de planilhas eletrônicas, documentos textuais, etc…O objetivo de uma datawarehouse é fornecer uma imagem única da realidade do negócio. Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW!

N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o c u-tr a c k DIAGRAMA DE UM DW w o .d o

c u-tr a c k .c Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic

k to bu y N .c OW! w w o .d o c u-tr a c k ARQUITETURA DOS ERP´S ATUAIS .d o c u-tr a c k .c Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE

PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o w o

.d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c E AGORA, POR ONDE COMEÇO ? o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m

C lic k to bu y N .c OW! w w o .d o c u-tr a c k E AGORA? POR ONDE COMEÇO? Envolva os profissionais da sua organização em todas as fases abaixo. Faça o Planejamento Estratégico Vivo da sua empresa: qual a sua missão, visão, desafios, pontos fortes/fracos/oportunidades/ameaças, estratégicas, metas, projetos. Redesenhe os processos de negócios alinhando os mesmos ao Planejamento Estratégico Vivo. Elabore uma RFI e RFP Escolha o melhor ERP que atende aos requisitos do seu negócio. Regina Lobato .d o c u-tr a c k .c o m w

w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c

OW! w w o .d o c u-tr a c k E AGORA? POR ONDE COMEÇO? Aspectos gerais sobre a empresa fornecedora • Solidez. Evidentemente a solidez da empresa eventual fornecedora é um critério de enorme importância, principalmente num mercado em que se encontram muitos profissionais sérios, mas também se encontram muitos aventureiros. •Disposição em investir no desenvolvimento da solução. Hoje, em época de mudanças turbulentas e constantes, mais importante do que o fornecedor ter uma solução tecnologicamente avançada hoje, é ele estar capacitado e ter a intenção inequívoca de investir continuamente no desenvolvimento e atualização desta solução. Regina Lobato .d o c u-tr a c k .c o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW!

N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w w o .d o c u-tr a c k E AGORA? POR ONDE COMEÇO? • Quantidade e qualidade de clientes pequenos e médios. Cabe portanto verificar se a empresa candidata a fornecedora está equipada com recursos preparados para atender

ao novo influxo de clientes. • preferência a trabalhar com empresas Dê fornecedoras experientes. •Satisfação dos clientes pequenos e médios atuais. Pelas razões listadas no item anterior, é necessário verificar o grau de atenção e cuidado que seu eventual fornecedor despende a clientes do seu porte. Regina Lobato .d o c u-tr a c k .c o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C

m C lic k to bu y N .c OW! w w o .d o c u-tr a c k E AGORA? POR ONDE COMEÇO? • Capacitação e experiência para treinamento e customização (software). A primeira coisa que se espera de um fornecedor de sistema integrado é que sua equipe tenha profundo conhecimento da solução fornecida. •Capacitação e experiência para treinamento e implantação (negócio). Da mesma forma que no item anterior, também é importante averiguar se existe na empresa potencial fornecedora, capacitação para realizar análises que envolvam o negócio em si da empresa potencial adquirente. Regina Lobato .d o c u-tr a c k .c o m

w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N

.c OW! w w o .d o c u-tr a c k E AGORA? POR ONDE COMEÇO? •Preço da consultoria de customização e implantação. •Metodologia robusta de implantação .d o c u-tr a c k .c Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N

y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o c u-tr a c k DIAGRAMA DE UMA EMPRESA DIGITAL w o .d o

c u-tr a c k .c Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic

k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c ATUAL SITUAÇÃO DO MERCADO DE ERP´S NO BRASIL Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD

H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C lic k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o

c u-tr a c k c u-tr a c k .c Regina Lobato o m w w w w PD H F-XC A N GE PD H F-XC A N GE OW! N y bu to k lic C m C

lic k to bu y N .c OW! w .d o w o .d o c u-tr a c k c u-tr a c k .c PERGUNTAS???? OBRIGADA!!! Regina Lobato rmflbr@yahoo.com.br regina.lobato@uol.com.br Fone: 85.9982.37.16 85.321.2965 Regina Lobato o m w w w w