You are on page 1of 4

Introdução

Magnani1 procurou explicitar através dos temas citados a seguir, as perspectivas que
abrem e perigos que acarretam para a possibilidade de ampliação do campo de reflexão
na visão da Antropologia e da Educação Física, para os temas por ele abordados.

O corpo.

1
O texto do autor encontra-se em: MAGNANI, José, Guilherme, Cantor. Antropologia e Educação
Física. In: Carvalho, Y. Rubio, K (Orgs). Educação Física e Ciências Humanas. São Paulo: Hucitec, p.
17-26.
(Fonte: Google Imagens)

O corpo foi a primeira área temática citada por Magnani¹, onde em relação à
Antropologia, ele o trata como uma matéria prima onde à sociedade utilizando de
técnicas variadas como, escarificação, tatuagem, pinturas corporais entre outras,
explicita sinais que marcam diferenças, pertencimentos, exclusões, cultura,
manifestações, arte e etc. Para a Educação Física, o corpo tem uma visão diferente uma
vez que se trata do objeto de intervenção e área de temática de estudos. Já que nota-se
uma importância em novos estudos e pesquisas, dada a necessita da população com a
preocupação em assumir padrões de beleza, a procura pela melhora da saúde,
desempenho e rendimento físico ou em busca de uma melhor qualidade de vida.

Jogo / Esporte

(Fonte: Google Imagens)

Para a temática dos jogos e esportes, abre-se um campo muito grande para discussão
entre ambas as áreas, com uma relação muito próxima entre elas e um consenso sobre
esses temas. Ambas tratam, jogos correspondendo como uma atividade com atributo
lúdico, ao que o esporte está mais marcado como uma competitividade, uma outra
denominação também citada pelo autor é amadorismo versus profissionalismo ou
participação versus espetáculo. Seguindo esta linha de raciocínio entendemos como
Magnani2 quer transparecer a idéia de que em sua obra, o jogo está caracterizado para a
sociedade ainda pouco desenvolvida e o esporte para a burguesia.

Lazer no tempo livre

Nesse tema Magnani² descreve a sociedade pré-capitalista, como uma sociedade sem a
idéia do lazer e tempo livre, já que a mesma convive em uma
rotina, regrada por, acordar, trabalhar e dormir, deixando o seu

2
Idem.
tempo livre, lazer e descanso restrito apenas a celebrações a partir de calendários
religiosos e ciclos da natureza.
Pra que serve? Como ocupá-lo? Quais seus limites? __ perguntas essas que
ecoam na sociedade e que serve de questionamento, para ampliar o campo de atuação e
pesquisa para a Educação Física que, por exemplo, com o auxilio multidisciplinar da
Sociologia e Antropologia, podemos buscar em um campo etnológico, e científico bases
para utilizarmos o tempo livre que a sociedade não enxerga.

(Fonte: Google Imagens)

Método de Pesquisa

Segundo Magnani² essa é a contribuição deixada pela Antropologia para a interface


dos estudos na área de Educação Física, situando os temas de pesquisas (Corpo,
Jogos e Esportes, Tempo Livre e Lazer).
E oferecendo uma perspectiva metodológica, através de categorias analíticas, e
métodos etnográficos.

Revisão

Na temática de O Corpo, Magnani3 cita Douglas (1976)4; Rodrigues (1980)5, Clastres6,


(A sociedade contra o Estado, 1982). Chamando a atenção para o que os autores
relatam que o corpo, para a Antropologia deixa de ser apenas suporte para símbolos,
mas ele próprio uma construção social, tornando-se inteligível no imaginário e quadro
conceitual de cada cultura em particular. Jogos e esporte, segundo Luiz Henrique
Toledo (2000)7, a dimensão do lúdico, não se encontra ausente nos esportes
contemporâneos, por mais competitivos, profissionalizados e até mesmo gerenciados
em moldes empresarias.

Resultado

Em sua conclusão, Magnani³ explicita as amplas possibilidades para pesquisa entre


Educação Física e Antropologia. Isso significa que conceitos e métodos de pesquisa
usados na Antropologia, podem ser utilizados pela Ed. Física como uma fonte
alternativa na busca de resultados em pesquisas, sem substituir os modelos
Interpretativos oriundos das ciências biológicas já utilizadas na Ed. Física.
Magnani³ também aborda a necessidade de uma política acadêmica e institucional, mas
vinculada com a necessidade de ampliar o campo de pesquisa e treinamento nos cursos
de graduação, extensão e pós-graduação, para que estudantes e profissionais das áreas

3
Ibidem
4
Mary Douglas, Pureza e Perigo, 1976.
5
Carlos Rodrigues, Tabu do Corpo, 1980.
6
Pierre Clastres, A sociedade contra o estado, 1982.
7
Luiz Henrique Toledo Lógicas no futebol: dimensões simbólicas de um esporte nacional. Tese de
doutorado. São Paulo: FFLCH/USP, 2000. Hucitec.
tenham acesso a instrumentos de trabalho, afim de, proporcionar debates
multidisciplinares.

Conclusão

Chegamos a um consenso através da leitura do texto, que Magnani³, quer demonstrar a


importância de buscarmos em outras áreas, métodos diferentes de pesquisa, a fim de
podermos agregar mais conhecimento de uma forma multidisciplinar em nossas
pesquisas, para que os resultados encontrados tenham maior clareza e autenticidade.
Seguindo essa linha de raciocínio, as relações entre os conceitos e interpretações da
cultura, podem ser solucionadas, através de pesquisas que envolvam uma
multidisciplinariedade de áreas. Assim a Ed. Física busca os seus resultados, no
conceito dos modelos científicos biológicos, que apresentam resultados através de
pesquisas passeando-se em conceitos interpretativos.

Referencias Bibliográficas.

MAGNANI, José, Guilherme, Cantor. Antropologia e Educação Física. In: Yara, Kátia
(Orgs). Educação Física e Ciências Humanas. São Paulo 2001: Hucitec, pg. 17-26.